Você está na página 1de 4

24/11/2010 Diagonalização de Operadores

3.3 DIAGONALIZAÇÃO DE OPERADORES

Nosso objetivo aqui será encontrar uma base do espaço vetorial V na qual a matriz de um determinado operador
linear T:V→ V seja a mais simples possível. Por muitos motivos, incluindo um que será trabalhado no estudo de cônicas, a
melhor situação possível é aquela em que conseguimos uma matriz diagonal associada a um operador.

Dado um operador linear T:V→ V, nosso objetivo é conseguir uma base β , para V, na qual a matriz do operador
nesta base ( ) seja uma matriz diagonal. Esta é a forma mais simples de se representar um operador e a base β , nesse
caso, é uma base cujos vetores são autovetores de T. Observemos inicialmente o exemplo que segue.

3.3.1 Exemplo. Seja T: R2 → R2 o operador linear definido por

T(x, y) = ( – 3x + 4y, – x + 2y),

cuja matriz, em relação à base canônica α é

Seus autovalores são λ1 = 1 e λ2 = – 2 com autovetores associados v1 = (1, 1) e v2 = (4, 1), respectivamente. Notemos que os
autovetores formam uma base de R2 . Seja, então, β = {(1, 1), (4, 1)} a base de R2 formada pelos autovetores de T e

encontremos . Para tal, aplicamos T em cada vetor da base β e escrevemos a imagem obtida como combinação linear
dos vetores da base β :

T(1, 1) = (1, 1) = a 11 (1, 1) + a 21 (4, 1) = 1. (1, 1) + 0.(4, 1)

T(4, 1) = (– 8, – 2) = a 12 (1, 1) + a 22 (4, 1) = 0. (1, 1) – 2. (4, 1)

Assim,

.♦

Notemos que é uma matriz diagonal e representa o operador linear T na base β de autovetores.

Na verdade, quando a base de autovetores existe, a matriz que representa um operador linear nesta base será sempre
uma matriz diagonal que, como já citado, é a forma mais simples de se representar o operador. O problema, então, é saber em
que condições a base de autovetores existe, pois, em muitas situações como, por exemplo, nos exemplos 3.2.2 e 3.2.4 desta
unidade, tal base não existe. Neles estão definidos operadores lineares em R2 e R3, respectivamente, com nenhum autovetor
ou apenas 1 autovetor l.i. Consideremos, para elucidar o problema citado, as propriedades que seguem:

3.3.2 Propriedades.

Propriedade 1. Autovetores associados a autovalores distintos são linearmente independentes.

Propriedade 2. Se T: V→ V é um operador linear tal que dimV = n e T possui n autovalores distintos, então o
conjunto β = {v1, v2, ..., vn}, formado pelos correspondentes autovetores, é uma base de V.

hermes.ucs.br/ccet/deme/…/diag.htm 1/4
24/11/2010 Diagonalização de Operadores
Exemplo 1. Um operador linear T em R2 possui os seguintes autovalores:

λ1 = 1 e λ2 = 2.

De acordo com a propriedade 2, existe uma base de R2 formada pelos autovetores de T.♦

Exemplo 2. Um operador linear f em R3 possui os seguintes autovalores

λ1 = 2; λ2 = 2; λ3 = – 3.

Não podemos, neste caso, garantir a existência da base de autovetores. Mas, se para λ = 2 obtivermos 2 autovetores
l.i, então pela propriedade 1 os 3 autovetores serão l.i. e formarão uma base de R3.♦

3.3.3 Definição.

Seja T: V→ V um operador linear. Dizemos que T é um operador diagonalizável se existe


uma base β de V cujos elementos são autovetores de T.

Neste caso, a matriz que representa T na base β é uma matriz diagonal cujos elementos são os autovalores de T, ou seja,

Aqui supomos que dim V = n.

3.3.4 Exemplo. Observemos os autovalores e respectivos autovetores associados a um operador linear T, representados
pelas seguintes matrizes:

Autovalores e autovetores de A1: λ1 = 1; = (– z, 4z, z), z ∈ R* ⇒ v1 = (– 1, 4, 1)

λ2 = – 2; = (– y, y, y), y ∈ R* ⇒ v2 = (– 1, 1, 1)

λ3 = 3; = (x, 2x, x), x ∈ R* ⇒ v3 = (1, 2, 1)

O operador T, representado pela matriz A1, é diagonalizável.

Uma base, do R3, formada por autovetores, de A1 ou de T, é β = {v1 = (– 1, 4, 1), v2 = (– 1, 1, 1), v3 = (1, 2, 1)}, o que significa
que, nesta base, o operador linear T é representado por uma matriz diagonal D que é a matriz . A construção da matriz
D pode ser acompanhada conforme segue:

T(v1) = Av1 = (– 1, 4, 1) 1.v1

T(v2) = Av2 = (2, – 2, – 2) – 2.v2

T(v3) = Av3 = (3, 6, 3) 3.v3

hermes.ucs.br/ccet/deme/…/diag.htm 2/4
24/11/2010 Diagonalização de Operadores
[T(v1)]β ⇒ (– 1, 4, 1) = a(– 1, 4, 1) + b(– 1, 1, 1) + c(1, 2, 1) ⇒ a = 1; b = 0; c = 0 ⇒ [T(v1)]β = (1, 0, 0)

[T(v2)]β ⇒ (2, – 2, – 2) = a(– 1, 4, 1) + b(– 1, 1, 1) + c(1, 2, 1) ⇒ a = 0; b = – 2; c = 0 ⇒ [T(v2)]β = (0, – 2, 0)

[T(v3)]β ⇒ (3, 6, 3) = a(– 1, 4, 1) + b(– 1, 1, 1) + c(1, 2, 1) ⇒ a = 0; b = 0; c = 3 ⇒ [T(v3)]β = (0, 0, 3).

Dessa forma, temos

, ou seja, .

Autovalores e autovetores de A2: λ1 = λ2 = – 1; = (x, – 2x – 2z, z), x, z ∈ R*


donde podemos escolher dois autovetores l.i.: v1 = (1, – 2, 0) e v2 = (0, – 2, 1)
λ3 = 8; = (2y, y, 2y), y ∈ R* ⇒ (2, 1, 2).

O operador T é diagonalizável pois para λ = – 1 podemos ter 2 autovetores l.i e o conjunto β = {(1, – 2, 0), (0, – 2, 1), (2, 1,
2)} é uma base do R3 formada por autovetores de A2.

A matriz que representa o operador na base β é

Autovalores e autovetores de A3: λ1 = – 2; = (2z, z, – z), z ∈ R* ⇒ v1 = (– 2, – 1, 1)


λ2 = i e λ3 = – i.

O operador T não é diagonalizável pois não é possível encontrarmos uma base de autovetores para o R3, já que o único
autovalor real λ1 fornece um único autovetor l.i.

Autovalores e autovetores de A4: λ1 = λ2 = 2; = (0, 0, z), z ∈ R* ⇒ v1 = (0, 0, 1)

λ3 = 3; = (– 2y, y, y), y ∈ R* ⇒ v3 = (– 2, 1, 1)

Observe que A4 não pode ser diagonalizada, pois só é possível obter dois autovetores, de A4 , l.i. ♦

hermes.ucs.br/ccet/deme/…/diag.htm 3/4
24/11/2010 Diagonalização de Operadores

3.3.5 Matriz Diagonalizadora.

Seja T:V → V um operador linear. Se α e β são bases de V e A e B são as matrizes que representam o operador T nas
bases α e β , respectivamente, então

A = P– 1BP,

sendo P a matriz de mudança da base β para α , isto é, . Dizemos, nesse caso, que as matrizes A e B são
semelhantes.

No caso em que A é a matriz canônica do operador T e D a matriz de T na base β de autovetores, temos

D = P– 1AP

onde é a matriz cujas colunas são os autovetores de T. Observemos que a matriz D é obtida pela "atuação" da
matriz P, quando ela existe, sobre a matriz A. Dizemos então que a matriz P diagonaliza A ou que P é a matriz
diagonalizadora.

3.3.6 Exemplo. A matriz que diagonaliza

é a matriz

Tal matriz tem suas colunas formadas pelos autovetores v1 = (1, 0, – 1), v2 = (1, 1, 1) e v3 = (1, – 2, 1), correspondentes aos
autovalores de A, λ1 = 2, λ2 = 3 e λ3 = 6.

O produto P– 1AP é a matriz , que representa o

operador na base de autovetores. ♦

Ex
Exercícios Ex MATLAB Gabarito Próximo tópico
Complementares

Clique aqui para download deste material

hermes.ucs.br/ccet/deme/…/diag.htm 4/4