Você está na página 1de 130

D lB L c U H K U N U S U l INfcLSOJN

H ebreus 10:33: por um a parte, fostes exp ostos Leitura Bíblica


a espetáculo público, a insultos e tribulações; e, por P essoal
outra parte, fostes solidários com os que foram tratados
M ÊS:_ A NO:
assim. (1 Co4:9; I Ts2:14/
(11) Devemos sempre considerar os bens melhores, quando 01 02 03 04 05 06 07 rn
formos forçados a ceder (Mt 6:19; 19:21; Lc 10:42; Cl 3:32) 08 09 10 11 12 13 14
Hebreus 10:34: E também vos com padecestes dos
presos, e sofrestes com gozo o confisco de vossos bens,
sabendo, em vós m esm os, que tendes bens m uito m e­
lhores e perduráveis nos Céus. m w s i
(12) Devemos crer que haverá uma recompensa eterna (Mt 10:42;
1 Co 15:58; G16:8- 10;Hb3:6; 11:26)
Hebreus 10:35: Não percais, pois, esta vossa confian­
ça, que traz consigo uma grande recom pensa. m 2:z>;
(13) Devemos perseverar: requer-se perseverança para se obterá
promessa (SI 40:1; Mt 10:22; Hb 12:1)
Hebreus 10:36: Com efeito, tendes necessidade de
perseverança, para que, depois de haverd es cumprido a
vontade de Deus, obtenhais a promessa. (Lc2i:!9;ci3:24;
(14) Devemos entender que Cristo vem todos os dias. Todos os dias
ele vem para cada justo (Is 26:20; Hc 2:3; Tg 5:7-9)
Hebreus 10:37: “Pois dentro de m uito pouco tem po,
o que há de vir, virá, e não tardará. (Hc2:3,4; lc18:Sí
(15) O justo jamais deve voltar aos caminhos da perdição
(Nm 35:27; Is 2:17-20; 6:17,25; Ez 18:29; Hc 2:4; Mt 12:43;
Mc 16:16; Jo 3:15; 5:24; 6:40; At 16:31; Rm 1:17; 10:9,10;
2Ts2:12-14; 1 Pe 1:5)
Hebreus 10:38: M as o justo viverá pela fé, mas, se
ele retroceder, a minha alma não se agradará d ele”.
(Rm I:I7;GI3:I I)
Hebreus 10:39: Porém, nós não som os daqueles que
retrocedem para a perdição, mas daqueles que têm fé,
para a preservação da alma. (2Pe2.20,-At 10.30/

• T e x t o CRONOLÓGICO CENTRAL:
• 0 3 8 4 - E m É f e s o , P a u l o r e a l iz a o s e u p r im e ir o
CULTO CRISTÃO COM OS GENTIOS NA ESCOLA DE
TIRANO E DEIXA A SINAGOGA, A T 1 9 : 8 - 1 0 :
Paulo na Sinagoga e na Escola de Tirano. O tempo era curto, ele não contava
mais com três anos, mas somente com três meses

Atos 19:8: E, entrando na sinagoga, falou ousadamen-


te por espaço de três meses, discutindo e persuadindo-
os acerca do Reino de Deus. (At 17.2; 18=4; 74-28:23)
Agora, como mestre em uma escola, eram muitas as pessoas qüe o
procuravam com inúmeros problemas para ser solucionados e muitos
pedidos de instruções, das mais variadas. Não estava em uma residência,
onde a visita era mais difícil. Assim nasceu Epêneto (Rm 16:5). Ali, Paulo
percebeu que um lugar à parte da Sinagoga era melhor. Dessa maneira,

1429
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

nasceram as igrejas independentes, que se tornaram conhecidas como o Local do E st u d o :


Caminho. As discussões nas sinagogas entristeciam o Espírito Santo, e a
Igreja não era completamente edificada na paz. Daqui em diante, veremos Tem a :
Paulo freqüentando menos as sinagogas. Foi um árduo trabalho para cortar
aquele cordão umbilical. Paulo, na escola de Tirano, estava experimentando M inistra n te :
um novo tempo ministerial. As reuniões domésticas eram limitadas e não
podiam ser abertas para todas as pessoas indistintamente, sem eliminar a
privacidade de seus proprietários. Esta era agrande porta que foi aberta ali (1 Ca p . inicial :
Co 16:8,9). O movimento tornou-se grande entre os missionários Aristarco,
Gaio, Sópatro, Lucas, Timóteo, Apoio e Erasto CAP. FINAL:
Atos 19:9: Mas, como alguns deles se endureciam D iscípulo :
e desobedeciam, injuriando o Caminho do Senhor
diante da multidão, Paulo apartou-se deles e separou
os discípulos, e ensinava diariamente na escola de
Tirano; !Atl4:4;2Tm !:15;At9:2; 19:30)
Em Éfeso, Paulo começou a expor sua visão ministerial e, em meio às
grandes lutas espirituais, ele pregou grandes sermões que deram origem
ao maravilhoso livro de Efésios. Ali, a igrejase estruturou; novos presbíteros
foram ordenados. Dali, missionários foram enviados a Esmima, considerada

'm im
a rainha do mar. Assim, chegaram à cidade de Magnésia, à casa dos
ferreiros afamados. Outros foram enviados à Filadélfia e, triunfando sobre
o desfiladeiro de Timolos, alcançaram a cidade de Sardes, onde estava
instituído o templo de Cibele. De Efeso, saíram também missionários que
evangelizaram Tiatira, a cidade onde Lídia nasceu. Outro grupo avançou
a Pérgamo, onde se estabelecera o “trono de Satanás”, uma referência
ao grande templo de Zeus (Júpiter). Mas, com todos os esforços de Paulo
para alcançar essas cidades, os obreiros que para lá foram enviados o
abandonaram (1 Tm 1:15). Sabemos que Epafras, um servo de Deus natural
de Colossos - hoje Chonas - evangelizou Laodicéia - hoje Eski Hissar - e
Hierápolis (Cl 1:7; 6:12,13). Este homem também socorreu a Paulo durante
sua prisão em Roma (Cl 4:17; Fm 1:2; 2 Tm 2:3)
A tos 19:10: E isto durou dois anos; de maneira que
todos os habitantes da Ásia ouviram a palavra do Se­
nhor, tanto judeus como gregos. (At2o-.3i; 10:22,20,27; 13.-121
• T ex to CRONOLÓGICO CENTRAL:
• 0 3 8 5 - M il a g r e s r e a l iz a d o s p o r in t e r m é d io
d e P a u l o e m É f e s o , A t 1 9 : 1 1 -2 0 :
Os milagres operados por intermédio de Paulo. Aqui Paulo descobriu
algo sobre a luta na resistência espiritual, e ensinou sobre a armadura de
Deus. Ele estava em uma cidade onde os charlatões exploravam a fé do
povo. Aquela cidade havia gerado astrólogos que chegaram a influenciar
o poder de Roma. Antes de Paulo, Éfeso era conhecida como a cidade
do curandeirismo, dos talismãs, da astrologia, da adivinhação, dos seus
sacerdotes e sacerdotisas que formavam as profundezas de Satanás:
teosofia, ocultismo e magia negra. Ali, Paulo teria que pôr em prática os
ensinamentos de Corinto. Então, Paulo decidiu resistiràqueles poderes com
a armadura de Deus (Ef 6:10-18). Estes milagres não habituais, geralmente,
não são reconhecidos pelos ministros tradicionais, mas eles são frutos das
diversidades de operações, pouco conhecidas dos m esm os(l Co 12:5,6).
As diversidades de operações acontecem segundo a fé e a criatividade do
ministro e, geralmente, não são habituais

A tos 19:11: E Deus operava pelas mãos de Paulo


milagres não habituais, (At8:i3)
1430
Bible C hronos D i N elson

Visitantes chegavam, como era comum, trazendo os seus enfermos em Leitura B íblica
estado terminal e depositando-os diante do templo de Asclépion. Ali, no P essoal
meio daquela miséria de pessoas que jaziam clamando por uma cova, à
sombra da morte, descrentes de qualquer milagre, Paulo ordenou que
MÈS: _A N O :
lançassem sobre eles lenços e aventais ungidos por ele e as doenças e os
demônios que as operavam saíam delas. Ele teve essa revelação em Corinto 01 02 03 04 05 06 07
(1 Co 12), quando ministrou sobre asdiversidades de dons, de ministériose
de operações. Essas diversidades de operações até hoje são menosprezadas 08 09 10 11 12 13 14
pelos líderes incrédulos, que se autoconsideram “centrados”, para não se 15 16 17 18 192021
autodenunciarem com respeito à sua falta de fé nas doutrinas que deles 22 23 24 25 26 27 28
exigiríam autoridade espiritual e uma custosa comunhão com o Espírito
Santo
29 30 31

A tos 19:12: de tal maneira que tomavam os lenços e


as túnicas que Paulo usava sobre a pele, e os colocavam
sobre os enfermos, e as doenças os deixavam e até os
espíritos imundos saíam. (Ats.-isj
Não demorou muito para que os exorcistas, ocultistas, astrólogos e j

■tóí#wt.
espiritualistas começassem a perceber que o segredo de tudo era o nome de
Jesus Cristo. Eles mesmos sabiam que fortes demônios habitavam na vida
daquelas pessoas e observaram que a raiz daquele grande mal miserável
que assolava aquela gente de toda aÁsia tinha somente duas causas: pecado
e demônios. Mas aqueles exorcistas não teriam poder para curar aquele
mal sem Jesus Cristo, sua autoridade e poder delegados mediante o novo
nascimento

A tos 19:13: Mas alguns dos judeus exorcistas que


percorriam diversos lugares, quiseram usar o nome
do Senhor Jesus sobre os que tinham espíritos malig­
nos, dizendo: “Amaldiçoamos-vos pelo mesmo Jesus
a quem Paulo prega”, m i 2:27; m c 9.-38;Lcq.-4Qj
O sumo sacerdote tinha sete filhos que estavam em Éfeso, longe de
Jerusalém, embora fossem levitas. Eram todos ocultistas e exorcistas
ambulantes. Observe onde podem chegar os filhos de ministros sem podere
sem autoridade espiritual! O homem possesso de demônios zombava deles,
expondo-os à vergonha pública. O fato de serem filhos de sacerdote não lhes
dava autoridade alguma contra os espíritos malignos. Supersticiosos, os sete
avançaram contra o possesso. Dois deles ficaram sem as suas vestes levíticas.
Cinco fugiram. Então, Paulo compreendeu que a luta não era contra carne
e sangue e sim contra principados e potestades espirituais da maldade (Ef
6 : 12)

Atos 19:14: Os sete filhos de Ceva, judeu, um dos


principais sacerdotes, eram os que faziam isto.
Embora eles fossem filhos do sumo sacerdote, não eram conhecidos pelos
demônios. Embora eles trabalhassem em favor de Satanás, também os
demônios não lhes conheciam. Que classe de exorcistas era esta que nem
Satanás conhecia?
Atos 19:15: Respondendo, porém, o espírito maligno,
disse: “AJesus certamente conheço, e bem sei quem é
Paulo; mas vós, quem sois?”
Eles não eram dignos da roupa que usavam. Esta é a missão dos demônios:
despir os levitas que andam em lugares distantes do seu sacerdócio. Eles
ferem aqueles que não conhecem as chagas do Senhor Jesus e que não
trazem as marcas do Senhor Jesus. Ao apoderar-se de dois, os demônios
aumentaram o seu campo de ação sobre aqueles hom ens que antes
pensavam ter poder para expulsá-los
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

Atos 19:16: Então o homem, em quem estava o espí­ Local do Est u d o :

rito maligno, saltou sobre eles, e apoderou-se de dois, Tema :


e assenhoreou-se deles, de tal modo que escaparam
daquela casa nus e feridos. M inistra n te :
O nome de Jesus agora era conhecido em Éfeso; o nome de Jesus era louvado
em Éfeso; o nome de Jesus tinha poder diante de judeus e de gregos (F1 Cap. inicial :
2:8-10). O nome de uma pessoa é igual à sua obra, e a obra de Cristo foi
incomparável. O nome de Jesus era o centro de unidade entre os judeus e
C a p . FINAL:
gentios
A tos 19:17: E isto tornou-se notório a todos os que D iscípulo :
moravam em Éfeso, tanto judeus como gregos; e so- |
breveio temor sobre todos eles, e engrandeciam o
Nome do Senhor Jesus. (At2:43; 5:5, i n
A confissão e a revelação das obras mortas são duas coisas diferentes e fazem
parte dos rudimentos da doutrina (Hb 6:1,2). A confissão e a revelação das
obras mortas são atos únicos que devem ser feitos como demonstração de j DADOS ESPECIAIS
arrependimento, para uma conversão livre de toda culpa. A confissão é
feita pela fé e vem acompanhada da revelação das obras mortas e, para os
novos conversos de Eféso, aleitura de livros de ocultismo e de magia negra j
era uma delas
A tos 19:18: E muitos dos que haviam crido vinham,
confessando e revelando o que praticavam. ím o .-ói
Entre as obras mortas dos efésios, estavam a posse e a leitura de livros
dedicados ao ocultismo e à magia negra. Então, eles revelaram o que
estavam fazendo na cidade. A prática das artes mágicas era uma das obras
mortas daquele povo. Mas, todos os livros que representavam um ponto de
contato de Satanás na sua vida e na sua casa eram queimados. O Reino de
Deus chegou a Éfeso para destruir as obras de Satanás. Com razão, Paulo
escreveu a respeito de nossa resistência contra as obras de Satanás e a
respeito da importância do revestimento com a armadura de Deus. Uma
doutrina neotestamentária da Igreja: a limpeza de todas as obras dedicadas
à carne e a Satanás
A tos 19:19: E muitos também dos que tinham pra­
ticado artes mágicas traziam os seus livros e os quei- j
mavam na presença de todos; e, calculando-se o valor |
,1 js*
deles, chegou-se a um total de cinqüenta mil peças de
prata.
Quando os livros de magia foram queimados, a Palavra de Deus cresceu
e prevaleceu. Observe que a Palavra era Cristo; era a Palavra de Deus que
crescia. Este era um mérito da Palavra! O nome de Jesus e a sua palavra } --T
eram conhecidos em Éfeso, e ali Paulo experimentou o que escreveu em
Filipenses2:10,l 1 j i^/CUO : :
Atos 19:20: Assim, pelo poder do Senhor a palavra j
crescia e prevalecia. (At6:7; 12=24>
• - T exto c r o n o l ó g i c o central:

• 0386 - Os GRANDES SONHOS DE PAULO EM !


ÉFESO, DEPOIS DA TERCEIRA VIAGEM. PAULO
CONTINUA ESCREVENDO AOS ROMANOS (55 D.C.),
At 19:21,22; 1 Co 16:12; 1:10-17; 9:6; 3:1-23;
Bible C hronos D i N elson

4:1-21; 5:1-13; 6:1-14,15-20; 7:1 -40; Cl4: 12; Leitura Bíblica


P essoal
1 Co 8:1-13; 9:1-14; 10:1-33; 11:1-16,17-34;
RM 12:3-9; 1 Co 12:1-3,4-10; Rm 8:26,27;E f M ÊS:_________A N O :____
4:1-14; 1 Co 12:11-26,27-31; 13:1-13; 14:1- 01 02 03 04 05 06 07
25,26-40; 15:1-58; 1:1-9; 16:10,11;4:17-21; 08 09 10 11 12 13 14
16:12-24: 15 16 17 18 192021
Os planos futuros de Paulo, em meio a uma grande solidão, agora, eram 22 23 24 25 26 27 28
visíveis. Timóteo, Erasto e Tito partiram em viagem missionária para a 29 30 31
Macedônia e à Grécia (Acaia). Roma seria a sua última parada, antes de
estar novamente com Cristo. Ele queria chegar a Roma, a grande capital
mundial

A tos 19:21: Cumpridas estas coisas, Paulo propôs


em seu espírito partir para Jerusalém, depois de passar
pela Macedônia e pela Acaia, porque dizia: “Depois de
haver estado ali, é-me necessário ver também Roma”. DADOS ESPECIAIS
iAt20:22; Rm 15:2428)
Atos 19:22: Então, enviou a Macedônia a dois dos
que o auxiliavam, Timóteo e Erasto; mas ele perma­
neceu por algum tempo na Ásia. /At i6.-i;Rm 10:23; At i3.-5;
2 Tm4:20; At 19:10)

• T ex to c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :

• S a t a n á s c o n h e c i a a f o r ç a d e d o is o u
t r ê s . S e m p r e q u e P a u l o se s e p a r a v a
DE SEUS PRINCIPAIS SERVIDORES, AS LUTAS
AUMENTAVAM. ASABEDORIA JÁ ENSINAVA QUE
O CORDÃO DA AMIZADE, O CORDÃO DE TRÊS
DOBRAS, RESISTIA MELHOR.
• P a u l o esc r ev e a p r im e ir a carta aos
C o r ín t io s :
• A c o n t e c i m e n t o s c o n t e m p o r â n e ç >s a o
p e r ío d o e m q u e P a u l o m o r o u e m É f e so .
NOTÍCIAS QUE CHEGAVAM DE CORINTO:
• (1 ) APOLO VOLTA A ÉFESO E ENCONTRA-SE
c o m P a u l o , 1 Co 16:12:
Apoio, o pregador. Discernimento para uma visita
1 C o r ín tio s 16 :1 2 : A respeito do irmão Apoio, m eus
Em É feso , Paulo escreve
irm ãos, roguei-lhe que fosse ter convosco; mas de A PRIMEIRA CARTA /IOS
m odo algum teve vontade de ir agora; mas irá quando CORÍNTIOS, 5556D. C. , g a l
tiver Oportunidade., 18:24; l Co 1:12; 3:5,6)
Em É feso , Pa u lo escrev e
• Texto c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o : Â PRIMEIRA CARTA AOS
C oríntios , 55-56 d . C.
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e ç s a o
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
1433
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

(2 ) A FAMÍLIA DE CLOÉ INFORMA A PAULO Local do E st u d o :


A RESPEITO DAS VÁRIAS DESORDENS QUE
T ema :
DOMINARAM A IGREJA EM CORINTO: UMA
FAMÍLIA QUE AMA A ORDEM, 1 CO 1 : 1 0 -1 7 ; M inistra n te :
9 :6 :
Partidos (1:10-4:21). Exortação à unidade. Dissensões porcausa C a p. inicial :
de partidarismos doutrinários que dividem a fé. A necessidade de
unidade no falar, no pensar, no parecer, no batismo, no ministério, Ca p . fin al :
na doutrina da cruz, no nome de Jesus, na única missão: pregar o
Evangelho (1:10-17)
D iscípulo :
1 Coríntios 1:10: Ora, irmãos, rogo-vos, em nome
de nosso Senhor Jesus Cristo, que sejais uníssonos no
falar, para que não haja dissensões entre vós; antes,
sejais perfeitamente unidos no modo de pensar e no
mesmo parecer, a c o 13.1 r,r<m 12:10/
1 Coríntios 1:11: Porque, a respeito de vós, irmãos
meus, foi-me informado através da família de Cloé que
há controvérsias entre vós.
0 pior grupo: “o de Cristo”, pois este “grupo” não se submete a
ninguém
1 Coríntios 1:12: Isto vos digo, porque cada um de
vós diz: “Eu sou de Paulo”; ou, “eu sou de Apoio”;
ou, “eu sou de Cefas”; ou, “eu sou de Cristo”, n co3.-4;
At 18:24;Jo 1:42)
1 Coríntios 1:13: Porventura, Cristo está dividido? i
Foi Paulo crucificado por amor de vós? Ou vós fostes
batizados em nome de Paulo? (2 Co i i-.4;Mt28:i<);At2:38>
1 Coríntios 1:14: Dou graças a Deus que não batizei
a nenhum de vós, senão a Crispo ( “encaracolado ”je a
GaiO ( “senhor”)] (Al I8:8;Rm 16:23j
Paulo não quis que o batismo levasse o seu nome, como o de João,
o Batista
1 Coríntios 1:15: para que ninguém diga que vós
fostes batizados em meu nome.
1 Coríntios 1:16: Também batizei a família de Esté-
fanas ( “coroada”)-, dentre os demais, não sei se batizei
a algum outro, (i Co ió.-is;
A melhor opção: pregar e dividir tarefas
1 Coríntios 1:17: Porque Cristo, de fato, não me
enviou para batizar, mas para evangelizar; não na sapi­
ência de palavras, a fim de que a cruz de Cristo não se
tornasse vã. tlo4:2;At 10:48; 1Co2:!,4,13j
1 Coríntios 9:6: Ou será que só eu e Barnabé não temos
direito de deixar de trabalhar secularmente? /ai4:3ó/
• T ex to c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :
• A c o n t e c im e n t o s co ntem porâneos
AO PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM
. ■■ Bible C hronos D i N elson

ÉFESO. (3) A CARNALIDADE DA IGREJA EM Leitura Bíblica


P essoal
CORINTO, O ESPÍRITO DO MUNDO NA IGREJA,
1 Co 3:1-23. PAULO RESPONDE QUE A IGREJA MÊS:_ _A no:
É UMA CRIANÇA, 1 CO 3:1-5; UMA LAVOURA,
01 02 03 04 05 06 07
1 CO 3:6-9; UM EDIFÍCIO, 1 Co 3:10-15; 08 09 10 11 12 13 14
UM TEMPLO, 1 Co 3:1 6,17; E QUE TODOS OS 15 16 17 18 19 20 21
SEUS MEMBROS SÃO PROPRIEDADE DE DEUS, 22 23 24 25 26 27 28
1 CO 3:18-23: 29 30 31
A carne, a grande barreira para a mensagem espiritual. A Igreja
Santificada, mas carnal. As crianças na fé ainda são carnais (3:1 -4).
O homem carnal (3)
1 Coríntios 3:1 : E eu, irmãos, não vos pude falar como
a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em
Cristo. (1 Co2:15;Rm7:14; 1 Co2:l4;Hb5:l3)
Os odres, os vestidos velhos e as crianças que nunca cresciam
(Hb5:12-14)
1 Coríntios 3:2: Eu vos tenho dado leite a beber e
não comida sólida, porque não o podíeis assimilar;
nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais.
íHb5:12,13; I Pe2:2j
1 Coríntios 3:3: Porque havendo entre vós inveja, dis­
puta e divisão, não sois, porventura, carnais, e não vos
comportais segundo os homens? a Coi .-i i:ci5:2o; Tg3:i6/
0 partidarismo é fruto da carne
1 Coríntios 3:4: Porque, quando alguém diz: “Eu sou
de Paulo” e outro: “Eu de Apoio”, não sois vós carnais?
(1Co 1:12)
Os apóstolos: colaboradores de Deus. Alavoura, os trabalhadores
e o proprietário (a Igreja)
1 Coríntios 3:5: Então, quem é Apoio ( “dado por
A poio”), e quem é Paulo? Senão ministros por meio
de quem vós crestes, e isso segundo o que o Senhor
concedeu a cada um?
1 Coríntios 3:6: Eu plantei, Apoio regou; mas Deus é :
quem dá o crescimento.
1 Coríntios 3:7: Portanto, nem o que planta é coisa
alguma, nem o que rega; mas é Deus aquele que dá o
crescimento.
1 Coríntios 3:8: Assim, portanto, o que planta e o que
rega são um; mas cada um receberá a sua recompensa
Z
conforme o seu labor. (si62:i2;ci6:4,5j H
O edifício de Deus
1 Coríntios 3:9: Porque nós somos cooperadores
de Deus; vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus.
iF.f2:20-22;2Co6:l;ls61:3;! Pe2:5;2:20,221
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

0 apóstolo e o pastor: fundamento e edificação Local do Est u d o :


1 C oríntios 3:10: Segundo a graça de Deus que me foi
Tem a :
dada, como sábio arquiteto, eu lancei o fundamento,
e outro constrói sobre ele; ora, veja cada um como M inistrante :
edifica sobre ele. wm 12:3; ts:20; i co is.-ioj
1 C oríntios 3:11: Porque ninguém pode colocar ou­ Ca p . inicial :
tro fundamento, além daquele que já está posto, que é
Jesus Cristo, (.1$28:6;Ff2:20} Ca p . fin al :

0 galardão dos construtores do edifício no Tribunal de Cristo.


As obras profundas e caras ou superficiais e baratas. A base do D iscípulo :
galardoamento no Tribunal de Cristo
1 C oríntios 3:12: Ora, se alguém constrói sobre este
fundamento um edifício com ouro, prata, pedras pre­
ciosas, madeira, feno, palha,
Obras serão provadas e não os praticantes das obras
dados especiais
1 C oríntios 3:13: a obra de cada um será manifestada;
porque aquele Dia a revelará, porque será manifestada
mediante o fogo, e o fogo provará qual seja a obra de
Cada Um.//Co4:5;2 Ts1:710}
1 C o rín tio s 3:14: Se a obra que alguém sobre ele
edificou permanecer, esse receberá uma recompensa.
(I Co4:5;9:17)
A opção do sofrimento em vida, desnecessária aos carnais
tardios
1 C oríntios 3:15: Mas se a obra de alguém se queimar,
o tal sofrerá prejuízo; mas será salvo, todavia, ainda que
através d o fogo. jó 23: i;jd23;
0 edifício é o santuário do Espírito Santo
1 C oríntios 3:16: Não sabeis vós que sois santuá­
rio de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? l
(1Co6:19;2 Co6:16)
1 C oríntios 3:17: Se alguém destruir o santuário de
Deus, Deus o destruirá; porque o santuário de Deus,
que sois vós, é santo.
A sabedoria do mundo diante de Deus
1 C oríntios 3:18: Ninguém engane a si mesmo; se
alguém dentre vós acredita ser sábio neste século, faça-
se ignorante para chegar a ser sábio. (isS:2 i; í coS:2j
1 C oríntios 3:19: Porque a sabedoria deste mundo é
loucura diante de Deus; porque está escrito: “Ele apa­
nha os sábios na sua própria astúcia”; í)ó5:13; / c0i:20j
1 C oríntios 3:20: e outra vez: “O Senhor conhece as
cogitações dos sábios, as quais são vãs”. (.sm-.ii)
TudoédeDeus
1 C oríntios 3:21: Portanto, ninguém se glorie em
nenhum homem; porque tudo é vosso: // Co4:6;Rm8:32)
1 Coríntios 3:22: seja Paulo, ou Apoio, ou Cefas (“pe- j Leitura Bíblica
dra”), ou o mundo, ou a vida, ou a morte; sejam as j P essoal
coisas presentes, ou as coisas que hão de ser, tudo é j |
MÊS:_______ A n o :___
vosso,
1 Coríntios 3:23: e vós de Cristo, e Cristo de Deus. 01 02 03 04 05 06 07
(1 Co 15:23;2 Co 10:7; 013:29) i 08 09 10 11 12 13 14
I i 15 16 17 18 192021
• Texto profético-confirmatório: : 22 23 24 25 26 27 28
• U m a p r e f ig u r a ç ã o d o T r ib u n a l d e C r i s t o , 29 30 31
QUANDO AS NOSSAS OBRAS SERÃO APROVADAS E
GALARDOADAS ( 1 Co 3:13), Sl 90:16,17:
Salmos 90:16: manifesta as tuas obras em teus servos,
e a tua glória, sobre os teus filhos. íhc3:2; i Rs s .-i ij
Salmos 90:17: Seja sobre nós a graça do nosso Deus. \

E confirma sobre nós as obras de nossas mãos; sim,


aprova a obra de nossas mãos. (Si27:4;is2ò:i2j

• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:


• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e ç s a o
p e r ío d o e m q u e P a u l o m o r o u e m É f e s o .
(4 ) O im p e r a d o r C l á u d io é e n v e n e n a d o
POR SUA ESPOSA E NERO TORNA-SE IMPERADOR,
5 4 D .C .
• ( 5 ) 0 JULGAMENTO DOS MINISTROS, FEITO
PELOS MEMBROS DA IGREJA, E A EXORTAÇÃO
MAIS ENÉRGICA DE PAULO, 1 CO 4:1 -2 1 :
Os servidores, ministros de Cristo, são julgados por Deus.
Exigências aos despenseiros e uma demonstração do trabalho
apostólico (4:1-13)
1 Coríntios 4:1: Que os homens nos considerem j
como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios
de Deus. i2 Co6:4; 1 CoQ:I7;Rm1 1:25; 16:25)
1 Coríntios 4:2: Mas, além disso, o que se re q u e r;
dos despenseiros é que cada um seja encontrado fiel.
(Mt25:21,23)
1 Coríntios 4:3: Ora, quanto a mim, muito pouco me
importa o ser julgado por vós ou por qualquer tribunal;
humano; e nem eu tampouco julgo a mim mesmo.
Sua consciência não tem poder para justificá-lo e a esperança do
Tribunal de Cristo
1 Coríntios 4:4: Porque, ainda que em nada sinta a
minha consciência culpada, nem por isso me consi-;
dero justificado; porque quem me julga é o Senhor, j
(2 Co l:12;Rm2:13)
1 Coríntios 4:5: Portanto, não julgueis antes do tem- j
po, até que venha o Senhor, o qual trará à luz as coisas j
ocultas das trevas, e também manifestará as intenções i
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

dos corações; e, então, cada um receberá da parte de Local do Estud o :


Deus 0 seu louvor. ffím2:!;2 Co 10:18;Rm2:29j
Tema :
Um dos segredos da hermenêutica de Paulo: aplicação pessoal
figurada (Rm 7:1-23), muito comum em Eclesiastes e em
Romanos M inistrante :

1 Coríntios 4:6: Ora, irmãos, estas coisas eu as apli-


Ca p . inic ia l :
quei como exemplo figurado, a mim e a Apoio, por
amor de vós; para que por meio de nós aprendais a não CAP. FINAL:
pensar além do que está escrito, de tal modo que ne­
nhum de vós se ensoberbeça, por causa de uns, contra D isc ípu lo :
OSOUtrOS. //Co 1:19,31;3:19,20; 1:12;3:4!
(1 Co 1:19,31) - Discussão pela habilidade ministerial
1 Coríntios 4:7: Porque, quem te dá mais privilégios
sobre os demais? F, o que tens em teu poder que não o
tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias,
como se não o houveras recebido? ,••/?«12:3,6/
0 Reino espiritual e o Reino literal: “Já estais reinando?”
1 Coríntios 4:8: Pelo que é aparente, já estais fartos!
Já estais ricos! Sem nós chegastes a reinar! Assim qui­
sera Deus que reinásseis de fato, para que também
reinássemos juntamente convosco! iAp3:i7,i8j
A posição apostólica no mundo. O trabalho fundamental do
verdadeiro apóstolo (Hb 11:32-35)
1 Coríntios 4:9: Porque julgo que Deus nos designou
como apóstolos, e nos pôs como os derradeiros,
como homens condenados à morte; pois somos feitos
espetáculo público a todo mundo, tanto a anjos como
a homens. // Co1S:31;2Cot l:23;Rm8:36;Hb I0:33i
1 Coríntios 4:10: Nós somos loucos por amor a Cris­
to, mas vós sábios em Cristo; nós somos fracos, e vós
fortes; vós honrados, mas nós desonrados, ,/ co i.-is;
At 17:18; 1Co3:18j
0 grupo especial da fé (Hb 11:32-35)
1 Coríntios 4:11: Até este presente momento, pade­
cemos fome e sede; estamos nus, e somos esbofetea-
dos, e não temos moradia certa, !Rm8:35;2Co n .-23-27.
1 Coríntios 4:12: e nos afadigamos, trabalhando com
as nossas próprias mãos; somos amaldiçoados, e ben­
dizemos; somos perseguidos, e o suportamos; ms-M;
At 18:3; i Pe3:9;Jo15:20;Rm8:351
1 Coríntios 4:13: somos difamados, e exortamos;
até agora, temos sido considerados como escória do
mundo, e como lixo de todos.
Uma apelação de Paulo
1 Coríntios 4:14: Não escrevo estas coisas para vossa
vergonha, mas para vos admoestar, como meus filhos
amados, n rs2.-ni
Bible C hronos D i N elson

Instrutores não tiram o mérito do único pai espiritual Leitura B íblica


1 Coríntios 4:15: Porque ainda que tivésseis dez mil P essoal
educadores em Cristo, não teríeis contudo muitos j
pais; pois, em Cristo Jesus, eu vos gerei por meio do M ÊS:_________AN O:

Evangelho. // co i:3o;Fmio/ 01 02 03 04 05 06 07
Imitando a Paulo, que imita a Cristo 08 09 10 11 12 13 14
1 Coríntios 4:16: Exorto-vos, portanto, a que sejais 15 16 17 18 192021
meus imitadores. (lColl:l;Fp3:l7; / rs l:6;2Ts3:9j 22 23 24 25 26 27 28
Os árduos caminhos das missões de Paulo 29 30 31
1 Coríntios 4:17: Por esta razão vos enviei Timóteo,
que é meu filho amado e fiel no Senhor; o qual vos re- í
cordará o meu proceder no caminho de Cristo, e como
em toda parte eu ensino em todas as igrejas.
A fraqueza dos irmãos sábios sem o poder de Deus
1 Coríntios 4:18: Ora, alguns andam exaltados,
julgando como se eu nunca mais houvesse de ir ter !
convosco.
1 Coríntios 4:19: Mas em breve irei ter convosco,
se o Senhor quiser, e então eu hei de conhecer, não as
palavras, mas o poder dos que andam exaltados. /Ati9:2i;
2 CoI:15;Rm 15:23)
1 Coríntios 4:20: Porque o Reino de Deus não consis­
te em palavras, mas, sim, em poder, //rs i:5i
1 Coríntios 4:21 : Que preferis? Irei a vós com vara, ou
com amor e com espírito de mansidão? aco i.-23; i3.-ioi
• T e x t o COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e o s a o
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO. (6)
P a u l o fic a s a b e n d o , a in d a e m É f e s o , q u e ,
EM CORINTO, UM HOMEM COMETE INCESTO
COMA ESPOSA DE SEU PAI, 1 CO 5 :1 -1 3 :
Imoralidade sexual (5:1-7:40). Incesto em Corinto e a obra dos
cananeus (Lv 18:3-17)
1 Coríntios 5:1: De fato, ouve-se que há entre vós
fornicação e fornicação tal que nem mesmo se nomeia
entre os gentios; a tal ponto de haver entre vós quem
pOSSUa a m u lh e r d e SeU pai. (Dt22:30;Lvl8:8;2Co7:!2i
Os membros carnais de uma igreja carnal aceitam a carnalidade
1 Coríntios 5:2: E vós estais exaltados? Não deve- ;
ríeis pelo menos ter lamentado, por não ter sido tirado j
do vosso meio aquele que praticou tal ação? // co4.-i8; j
2 Co 7:7j
A autoridade e o poder da unidade espiritual à distância, entre o
pastor e a congregação (2 Rs 5:26)
1 Coríntios 5:3: Verdadeiramente, eu, ainda que au­
sente no corpo, mas presente no espírito, já julguei,
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

como se estivesse presente, que aquele que cometeu Local do Est u d o :


tal ultraje, icn-.sj
Tem a :
0 poder da concordância no Corpo
1 Coríntios 5:4: em nome de nosso Senhor Jesus M inistra n te :
Cristo, congregados vós e o meu espírito, pelo poder
de nosso Senhor Jesus Cristo, a ts3.-ó;2co2.-io) C a P. INICIAL:
Eclesiastes 12:7. Esse é um dos rudimentos de Hebreus 6:1,2: o
juízo eterno, um dos poderes dados aos apóstolos (1 Co 7:6). Pode CAP. FINAL:
ser que, pelo sofrimento na carne, a pessoa se arrependa ou não
1 Coríntios 5:5: seja entregue a Satanás para a des­ D iscípulo :
truição da sua carne, a fim de que o espírito humano
seja salvo no Dia do Senhor Jesus. íj m i.-20/
0 modelo das festas eclesiásticas: o fermento do pecado. A festa
da comunhão cristã é sem mosto, sem fermento
1 Coríntios 5:6: Não é boa a vossa vangloria, ou não
sabeis que um pouco de fermento leveda toda a massa?
(Cl5:9; Tg4:16)
1 Coríntios 5:7: Expurgai, pois, o fermento velho,
para que sejais nova massa, sem fermento, como estais
agora; porque Cristo, nossa Páscoa, já foi sacrificado
p or nÓS. (IPe!:í9J
1 Coríntios 5:8: Celebremos a festa, não com o fer­
mento velho, nem com o fermento da malícia e da II
corrupção, mas com os ázimos da sinceridade e da
verdade. (Dtió&Mc&is)
Que fazer com o fermento no meio da congregação (Mt 18:17)? A
Palavra de Cristo e a decisão apostólica (At 15:20). A comunhão é
diferente da comunicação inevitável
1 Coríntios 5:9: Já por epístolas (“cartas ”) vos escreví
que não comungueis com os fornificários; í2 c0 ó.-i4;
2Ts3:14;Ef5:l 1)
1 Coríntios 5:10: com isso, absolutamente, não me
referia à comunicação, de modo geral, com os devassos
deste mundo, ou com os avarentos, ou com os ladrões,
ou com os idólatras; porque, então, vos seria necessário
sair do mundo, ti Co w-,27}
i i ÜT
1 Coríntios 5:11: Mas, agora, vos escrevo que não
comungueis com aquele que, dizendo-se irmão, for
devasso, ou avarento, ou idólatra, ou difamador, ou
beberrão, ou ladrão; portanto, com esse tal nem sequer
ceiais. I'2Ts3:ó; 1Co 10:7,14,21}
1 Coríntios 5:12: Porque qual razão eu teria para jul­
gar os que estão de fora, se vós não julgais os que estão
dentro? (Mc4:ll;lCo6:l-4j
1 Coríntios 5:13: Porque Deus julgará os que es­
tão de fora. Tirai, pois, esse perverso do meio de vós.
(Dt 13:5; 21:21)
Bible C hronos Di N elson

• Te x t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o : Leitura Bíblica
P essoal
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e ç s a o
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO. MÊS:______ A n o :
(7 ) P a u l o é i n f o r m a d o s o b r e l it íg io s
01 02 03 04 05 06 07
ENTRE OS IRMÃOS EM CORINTO, POIS ALGUNS 08 09 10 11 12 13 14
DELES ESTAVAM LEVANDO OUTROS IRMÃOS 15 16 17 18 192021
AO TRIBUNAL, DIANTE DE INCRÉDULOS, 22 23 24 25 26 27 28
1 C o 6 : 1 -1 4 : 29 30 31
0 juízo arbitrai da igreja (6:1 -11). O cristão, os litígios e o juízo
cristão; a responsabilidade do juízo congregacional e o seu futuro
ofício diante dos anjos caídos
1 Coríntios 6:1: Como algum de vós ousa, quando
tem uma queixa contra outro, entrar em juízo diante
dos injustos, e não diante dos santos? m i8.-i7i
1 Coríntios 6:2: Ou não sabeis vós que os santos hão
de julgar o mundo? E, se o mundo há de ser julgado
por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas
mínimas? /Dn 7:22;Mt 19:28;Lc22:30)
1 Coríntios 6:3: Ou não sabeis que havemos de julgar
os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta
vida!
A necessidade de juizes arbitrais na igreja e os juizes incrédulos
e iníquos
1 Coríntios 6:4: Se, pois, tiverdes negócios pendentes
em juízo, pertencentes às coisas desta vida, por que vós j
constituís como juizes destes aqueles que são conside­
rados desprezados na Igreja? n Co5. i2/
1 Coríntios 6:5: Para vos envergonhar o digo. Será
que não há entre vós sábios, nem sequer um, que possa
julgar entre os seus irmãos? n c o is:34;At i.-tsj
Motivos de escândalo no mundo
1 Coríntios 6:6: Senão que um irmão vai a juízo contra
outro irmão, e isto diante dos incrédulos? /2C oó:i4,isi
Os pecados graves e a sua libertação pela lavagem, santificação e
justificação (6:7-11)
1 Coríntios 6:7: Verdadeiramente, já é uma falta que
tenhais demandas entre vós mesmos. Por que não so-
freis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o ser
defraudados? (Mt5:20; 5:39,40;Rm 12:17)
1 Coríntios 6:8: Mas sois vós mesmos os que cometeis
a injustiça e defraudais a seus irmãos, n t s 4 : ó;
As normas do Reino de Deus
1 Coríntios 6:9: Ainda não sabeis vós que os injustos
não herdarão o Reino de Deus? Não vos enganeis:
Nem os fornicários, nem os idólatras, nem os adúlteros,
1441
â
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

Local do Estud o :
Ap22:l5)
T ema :
1 C oríntios 6:10: nem os ladrões, nem os avarentos, j
nem os bêbedos, nem os difamadores, nem os ladrões M inistra n te :
herdarão o Reino de Deus.
0 processo da regeneração àglorificação do novo homem CAP. INICIAL:
1 C o ríntios 6:11: E isto é o que alguns de vós fostes; j
C a p . FINAL:
mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes
justificados em nome do Senhor Jesus Cristo, e pelo D iscípulo :
Espírito d o nosso Deus. (E/2.-2; ci3:7; m j j
A imoralidade. A castidade e o domínio próprio como fruto do
Espírito. A prostituição não convém nem é lícita. A importância e
a finalidade do corpo humano
1 Coríntios 6:12: Todas as coisas me são lícitas, mas
nem todas as coisas me convêm. Todas as coisas me
são lícitas; mas eu não me deixarei dominar de coisa
alguma, n co 10.23/
0 corpo é um templo para Deus
1 Coríntios 6 : 13: Os alimentos são para 0 estômago
e 0 estômago é para os alimentos; Deus, porém, des- j
truirá tanto a um como os outros. Mas 0 corpo não é j
para a fornicação, mas para 0 Senhor, e 0 Senhor é para
0 COrpO. (Mtl5:17;Ef5:23)
A esperança do corpo
1 Coríntios 6:14: Ora, assim como Deus ressuscitou
ao Senhor, também nos ressuscitará pelo seu poder.
ÍRm 6:5,8; 8: íi;2C o 4: !4;Ef 1:1 Oj

• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:


• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e o s a o
p e r ío d o e m q u e P a u l o m o r o u e m É f e s o .
(8 ) P a u l o s o u b e q u e a l g u n s ir m ã o s
ESTAVAM COMETENDO FORNICAÇÃO COM
AS PROSTITUTAS DOS TEMPLOS PAGÃOS, i
1C o 6 :1 5 -2 0 :
1 Coríntios 6:15: Não sabeis vós que os vossos corpos
são membros de Cristo? Tomaria, porventura, os mem­
bros do corpo de Cristo, e os faria membros de uma
prostituta? De maneira nenhuma, mm 12.S; í co 12.27/
Ou a união ao corpo de uma meretriz
1 Coríntios 6:16: Ou não sabeis que aquele que se une
à prostituta, faz-se um corpo com ela? Porque, como foi
dito: “Os dois serão uma só carne”.fCn2:4;Mc/9.-s;e/ s.sij
A união do membro da Igreja com Cristo
1 Coríntios 6:17: Mas, aquele que se une ao Senhor
é um só espírito com ele. (jo 172 123.-Gi2.20)
Bible C hronos Di N elson
Por que a prostituição é um pecado mais grave? Porque separa o Leitura Bíblica
membro do corpo de Cristo e o une àquele com quem se comete P essoal
a impureza
1 Coríntios 6:18: Por isso vos digo: “Fugi de toda M ê s :_________A n o :___
prostituição”. Qualquer outro pecado que o homem
01 02 03 04 05 06 07
comete, não afeta externam ente o seu corpo; mas
08 09 10 11 12 13 14
0 que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.
15 16 17 18 192021
:Rmó:l2;Hb 13:4; I Ts 4:41
22 23 24 25 26 27 28
A função principal do corpo e o proprietário do corpo
29 30 31
1 Coríntios 6:19: Ou não sabeis que o vosso corpo é
0 templo do Espírito Santo, que habita em vós, o qual
está em vós, e da parte de Deus é que o tendes, e que
não pertenceis a vós mesmos? oo2:2 i;Rm i-ir/.s>
1 Coríntios 6:20: Porque vós fostes comprados
por bom preço; glorificai a Deus no vosso corpo e no
vosso espírito, os quais pertencem a Deus. n co7.-23; r-
DADOS ESPECIAIS
I Pe 1:18,19;Ap5:Qj

• Texto c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :
j
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e ç s a o
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
(9 ) A IGREJA DE CORINTO ENVIA CARTAS
PERGUNTANDO A RESPEITO DA UNIÃO MARITAL,
E PAULO RESPONDE: 1 C o 7 :1 -4 0 :
Matrimônio e celibato. Princípios diretivos do matrimônio.
( 1 )0 marido e a mulher
1 Coríntios 7:1: Ora, quanto às coisas de que me
escrevestes, seria bom que o homem não tocasse em
m u lh e r ; (I Co 7:8,26,38;P vl8:22;Hb 13:4!
1 Coríntios 7:2: mas, por causa da fornicação, cada
homem tenha a sua própria mulher, e cada mulher
tenha o seu próprio marido.
Os deveres conjugais
1 Coríntios 7:3: 0 marido renda à mulher o seu dever
conjugal devido, e igualmente a mulher ao marido.
;1 Pe3:7s
A ilegalidade da auto-satisfação sexual na ausência ou na
presença do cônjuge. O casamento, a instituição mais completa
da Igreja. O livro de Cantares tem sido estudado do ponto de vista
sumamente espiritual e todos os seus versículos são aplicados a um
NT

relacionamento entre Cristo e a Igreja. Na verdade, existem tipos


profundos desse romance e sua realidade, por isso são mais fáceis
de espiritualizar. Escrever sobre este assunto, aplicando-o a Cristo
e à sua amada Igreja na verdade é mais fácil; mas o livro de Cantares
se aplica originalmente ao relacionamento entre o marido e a
mulher. Se entendermos os profundos ensinamentos que nele
se estabelecem, teremos claramente meios para viver uma vida
melhor, com muito mais clareza, entendendo perfeitamente o fato
de termos uma nuvem de testemunhas em nosso relacionamento
matrimonial. Essas testemunhas são celestiais (1 Co 11:10), são

1443
M
BffiLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

anjos. No princípio do primeiro livro da Bíblia está escrito: “Adão e Local do Est u d o :
Eva estavam nus e não se envergonhavam ”. Estavam no Jardim do
Éden e Deus os visitava cada tarde. Revela o papel do sacerdote no Tem a :
Tabemáculo. Isso fala de uma vida de intimidade entre o homem, a
mulher e Deus. Cantares é esse relacionamento triúno-apresença
de Deus (o centro de adoração) e o jardim (o local de todo aquele M inistra n te :
culto ao amor e à vida). O relacionamento deles termina no altar
de Deus. Eles não iam ao templo para levar seu culto. Deus vinha Ca p . ínicial :
até eles testemunhar sua comunhão e fazerparte dela
1 Coríntios 7:4: A mulher não tem autoridade sobre o Ca p . final :

seu próprio corpo, mas sim o marido; e, igualmente, o


D iscípulo :
marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo,
mas sim a mulher.
0 perigo da abstenção sexual e a oração e o jejum dos prazeres. As
relações matrimoniais não são pecaminosas, mas a abstinência
serve para uma dedicação especial à oração
1 Coríntios 7:5: Não vos priveis um ao outro, senão
em comum acordo, por algum tempo, a fim de vos
dedicardes ao jejum e à oração e, depois, ajuntai-vos
novamente, para que Satanás não vos tente pela vossa
falta de controle. íêxiq.-is; i sm2i:4,s; i rs3:5j
0 poder da concessão apostólica
1 Coríntios 7:6: Digo isto por concessão e não por
mandamento. aco8:8i
0 dom apostólico e o domínio próprio de Paulo
1 Coríntios 7:7: Porque querería que todo homem
fosse como eu mesmo; mas cada um tem o seu próprio
dom da parte de Deus, um de um modo, e outro, de
outro modo. (I Co7:8; /9:5; 12:1/;MtIQ:12/
(2) Os solteiros. A opção do casamento aos jovens solteiros
1 Coríntios 7:8: Digo, porém, aos solteiros e às viúvas,
que lhes seria bom se ficassem como eu. n Co7:i,26j I;
1 Coríntios 7:9: Mas, se não podem dominar-se,
casem-se. Porque é melhor casar do que estar ardendo
por desejos íntimos. // m s .-14
0 perigo da separação ou repúdio (Mt 5:31,32)
1 Coríntios 7:10: Todavia, aos casados, ordeno, como
mandamento, não eu, mas o Senhor, que a mulher não
se separe do marido; (Mi2:i4;Mt5:32; iQ:3-9;Mc io.-i i;lció.-isj
(3) Os casados. O estado de repúdio é perigoso (Mt 5:31,32)
I 1
1 Coríntios 7:11 : mas, se vier a separar-se, que fique
sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o
marido não repudie a sua mulher.
(4) Os amasiados. União marital não legalizada com uma pessoa
incrédula e o conselho de Paulo sobre a união ou separação. A
situação de cada um nesse tipo de união íntima e os filhos que
nascem dessa união
1 Coríntios 7:12: Mas, aos outros, digo eu e não o Se­
nhor: Se algum irmão tem mulher descrente, e ela con­
sente em viver com ele, não a repudie.// co7:6;2Co / i:i7>
1444
Bible C hronos D i N elson

1 Coríntios 7:13: E se alguma mulher tem marido Leitura Bíblica


descrente, e ele consente em viver com ela, não o P essoal
repudie.
M ês :_______ A n o :___
A união marital não legalizada. Não é uma santificação tal como
a efetuada por Cristo (Jo 17:19), para a salvação. Mas é uma
santificação do corpo físico por causa da semente física que há de
01 02 03 04 05 06 07
nascer, para que não aconteça o mesmo que sucedeu em Gênesis 08 09 10 11 12 13 14
6:4,5, quando nasceram aos filhos dos homens, filhos rebeldes e 15 16 17 18 192021
sem cobertura. Uma manifestação da graça no Novo Testamento 22 23 24 25 26 27 28
1 Coríntios 7:14: Porque o marido descrente é santifi­ 29 30 31
cado em sua mulher, e a mulher descrente é santificada
em seu marido crente; de outro modo, os vossos filhos
seriam imundos; mas agora são santos, m z is )
1 Coríntios 7:15: Mas, se o descrente se separar, que
se separe; porque, neste caso, o irmão ou a irmã não
está sujeito à servidão; pois Deus nos chamou para a
paz. (Rm14:19; 1Co14:33)
0 perigo do jugo desigual. A prática de grande tribulação da qual
Paulo fala (7:8)
1 Coríntios 7:16: Pois, como sabes tu, ó mulher, se
salvarás a teu marido? Ou, tu, varão, como sabes se
salvarás a tua mulher? // /v.;m
A condição matrimonial antes do novo nascimento
1 Coríntios 7:17: Assim, ande cada um como o Se­
nhor lhe designou; cada um como Deus o chamou. E
isto é o que ordeno a todas as igrejas, m 12.3 ,■1 ço4.-i7; \
14:33;2 Co 8:! 8; 11:28}
A tipologia aplicada a essa condição (4)
1 Coríntios 7:18: Algum de vós foi chamado estando
circuncidado? Permaneça circunciso. Algum de vós foi :
chamado na incircuncisão? Não se circuncide. ímis.-1,2/ j
0 poder do significado e não o poder da letra
1 Coríntios 7:19: A circuncisão é nula; e também a
incircuncisão é nula; mas 0 que importa é agradar a
Deus na observância dos seus mandamentos. k;i 5:ó; \
ó:15;Rm2:25j
0 conselho, neste caso (4): melhore o seu estado civil se houver
oportunidade
1 Coríntios 7:20: Cada um fique na condição em que
foi cham ado.//co7.-^;
1 Coríntios 7:21 : Foste chamado quando ainda eréis
escravo? Não te aflijas; mas se ainda podes tornar-te
zH
livre, aproveita o melhor.
1 Coríntios 7:22: Porque aquele que foi chamado j
no Senhor, sendo escravo, já é um liberto do Senhor; e
assim também aquele que foi chamado sendo livre, é
servo de Cristo, (jo8.32,30,-Fm ió.-f/ ó.-oi
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

Saindo da escravidão dos homens e aproveitando para melhorar a Local do Estudo :


sua situação civil e espiritual
1 Coríntios 7:23: Vós fostes resgatados por um alto T em a :
preço; mas não vos façais escravos d e homens, n coó:20i
M inistra n t e :
Novo conselho, neste caso (4): que não se separem se estiverem
livres para casar-se
Ca p . inicial :
1 Coríntios 7:24: Cada um de vós, irmãos, permane­
ça na condição em que foi chamado. Ca p . fin al :
(5) Os solteiros. Um conselho para os solteiros
1 Coríntios 7:25: Ora, quanto às virgens, não tenho D iscípulo :
m andam ento do Senhor; mas dou o meu parecer,
como alguém que tem alcançado misericórdia do
Senhor para ser fiel. f2 Cos.-8, io; i m i:i3, iój
1 Coríntios 7:26: Por causa das angústias ocasiona­
das pelas exigências presentes, estou convencido que
fará bem aquele que permanecer como está. // co7.-i,8s
(6) Casados e solteiros. Não é necessário procurar mulher
(Ct 1:7,8)
1 Coríntios 7:27: Estás ligado a mulher? Não pro­
cures separar-te. Estás livre de mulher? Não procures
mulher.
(7) As tribulações do matrimônio
1 Coríntios 7:28: No entanto, se te casares, não pecas;
e, se a virgem se casar, não peca. Mais os tais enfrentarão
tribulação na carne e eu desejaria poupar-vos.
A humildade de quem já é possuidor de alguma pessoa ou coisa
(7:35). O tempo é curto e aquele que quiser fazer algo na obra de
Deus entenda esse conselho
1 Coríntios 7:29: Mas, eu vos digo, irmãos, que o
tempo é curto; resta, pois, àqueles que têm mulher que
sejam como se não tivessem; (Rmi3-.t i, i2; i co7.-3ij
1 Coríntios 7:30: e os que choram, como se não cho­
rassem; os que se alegram, como aqueles que não se
alegram; os que adquirem, como se nada possuíssem;
1 Coríntios 7:3 1: e os que desfrutam deste mundo,
como se dele não desfrutassem; porque a aparência
deste mundo é passageira, n Co q.-is ; ij 02:I7.i
(a) Os cuidados dos casados e dos solteiros
1 Coríntios 7:32: Quisera, pois, que estivésseis
livres de toda ansiedade. O solteiro cuida das coisas do
Senhor, de como há de agradar ao Senhor; n im5:S!
1 Coríntios 7:33: mas aquele que é casado cuida das
coisas do mundo, de como há de agradar a sua mulher,
eestá dividido.
(b) Os cuidados da solteira e da casada. A solteira: Cuidar do corpo
e do espírito
1 Coríntios 7:34: Pois há diferença entre a mulher Leitura B íblica
casada e a virgem. A virgem cuida das coisas do Senhor, P essoal
para ser santa, assim no corpo como no espírito; mas
MÊS:__ A n o :___
a casada cuida das coisas do mundo, de como há de
agradar ao marido. a.c io:4o< 01 02 03 04 05 06 07
A decência tira toda pendência e não envergonha 08 09 10 11 12 13 14
1 Coríntios 7:35: Eu digo isto para vosso proveito; 15 16 17 18 192021
não para vos armar alguma cilada, senão para o que é 22 23 24 25 26 27 28
honesto e decente, e para que, sem nenhum impedi­ 29 30 31
mento, assiduamente, vos dediqueis ao Senhor.
(8) Caso especial das donzelas de idade avançada. Como Labão fez
com uma de suas filhas (Gn 29:21 -31)
1 Coríntios 7:36: Mas, se a alguém parece que lhe é
vergonhoso conservar a sua filha virgem, se ela estiver
passando da idade de se casar, e se for necessário, faça o
que convém; pois não peca se a entrega em casamento.
(Gn29:26j
1 Coríntios 7:37: Mas aquele que está firme em seu
coração, sem ter necessidade, mas tendo domínio so­
bre a sua própria vontade, e se determinar no seu cora­
ção guardar virgem a sua filha, bem fará.
A mulher não deve serinstrumento de negócio, como era costume
emCorinto
1 Coríntios 7:38: Pois aquele que dá a sua donzela
em casamento, faz bem; mas aquele que não a dá, faz
melhor. /Dt22:13 2 //2:28-29;Hb 13:4}
A mulher viúva e o jugo desigual
1 Coríntios 7:39: Amulher casada está vinculada pela
lei enquanto o marido vive; mas, se o seu marido mor­
rer fica livre para ser esposa de quem quiser, contanto
que seja no Senhor. iRm7:2;2Coó:i4}
1 Coríntios 7:40: Porém, segundo julgo, será mais
feliz se permanecer viúva, e eu penso que também
tenho o Espírito de Deus. // co7:25i
• T ex to COMPLEMENTARE COMPARATIVO:
• E p a f r a s r e c e b e a C r ist o , C l 4 :1 2 :
Colossenses 4:12: Saúda-vos Epafras, que é um dos
vossos, um servo de Cristo Jesus, que continuamente
combate por vós em suas orações, para que vos man­
tenhais perfeitos e completamente convictos em toda
vontade de Deus.
• T ex to c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :

• A c o n t e c im e n t o s contem porâneçs ao
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
(10) Paulo é in f o r m a d o a r e spe it o d o s
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

ESCÂNDALOS CONCERNENTES À ALIMENTAÇÃO Local do Estud o :


DOS IRMÃOS CORÍNTIOS E RESPONDE AS Tema :
PERGUNTAS SOBRE A LIBERDADE CRISTÃ
E A COMIDA SACRIFICADA AOS ÍDOLOS, M / n istr an te :
IC O 8 :1 -1 3 :
Ca p . inicial :
1 Coríntios 8:1 : Ora, a respeito dos alimentos sa­
crificados aos ídolos, sabemos que todos nós temos Cap. final :
conhecimento. Porém, o conhecimento exalta, mas o
amor edifica. (At 15:20;Rm 15:14; 14:3,10) D iscípulo :
1 Coríntios 8:2: Se alguém imagina que conhece
i
alguma coisa, ainda não conhece como deveria saber.
4
(1 Co3:18; 13:8,9 , 12; 1 Tm 6:4/
1 Coríntios 8:3: Mas, se alguém ama a Deus, esse é
conhecido por ele. ici4:9;Rm8:29/ r ...........

DADOS ESPECIAIS
Os ídolos não são nada, porque somente há um Deus, porém, os
demônios trabalham por trás deles (Dt 17:3)
1 Coríntios 8:4: Pois, com respeito ao comer dos ali­
mentos sacrificados aos ídolos, sabemos que um ídolo
nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão
um S Ó . (1 Co 10:19;Dt6:4;E/4;6)
Os falsos deuses e os falsos senhores
1 Coríntios 8:5: Porque, ainda que haja alguns que
são chamados deuses, quer seja no céu quer seja na p o M c .- -

terra (como há muitos deuses e muitos senhores), :


Pai: Para quem somos; o Filho: Por meio dele, isto é, do seu corpo
1 Coríntios 8:6: para nós, porém, há um só Deus, o
i
Pai, do qual procedem todas as coisas e para quem nós
somos; e um só Senhor, Jesus Cristo, por meio do qual
são todas as coisas, e nós somos por meio dele. (Mi2:io; I
Rm 1!:36;Fp2:l 1)
0 conhecimento correto, mas não é de todos. Quem está atrás do
ídolo (Dt 17:3,4)? E quem não está coberto se contamina
1 Coríntios 8:7: Porém, não há em todos esse co­
nhecimento; porque há alguns que, até hoje, em seu
fê& v -u ! Â
costume para com o ídolo, comem coisas sacrificadas
ao ídolo; e por causa de sua consciência fraca, acabam I
M •• •'
se contaminando. / / co iO:28;Rm m .-m )
0 que é a comida para ser recomendação diante de Deus?
1 Coríntios 8:8: E não é a comida que nos recomen­
dará, a fim de que sejamos aceitos diante de Deus; mas feiv-* * v»■v* í f • *-i • L
não seremos melhores se não comermos, e se comer­
mos, nada temos demais. (Rm i4:i7j
Nossa liberdade pode causar escândalo para o fraco ■

1 Coríntios 8:9: Mas vede que esta liberdade, que é


vossa, não venha a ser uma pedra de tropeço para os
mais fracos. íci5:i3;Rm u-.i, 13,201
Bible C hronos D i N elson

1 Coríntios 8:10: Porque, se acontecer que alguém Leitura Bíblica


te veja sentado à mesa de um lugar dedicado a ídolos, P essoal
sabendo ele que tens conhecimento, sendo a sua cons­
M n s :________ A NO:
ciência fraca, não será estimulado a comer das coisas
sacrificadas aos ídolos? // co s 0:23,32; 01 02 03 04 05 06 07
A aparência do mal pode ocasionar um pecado 08 09 10 11 12 13 14
1 Coríntios 8:11: Então, pelo teu conhecimento pe­ 15 16 17 18 192021
recerá 0 teu irmão mais fraco, pelo qual Cristo morreu. 22 23 24 25 26 27 28
iRm 14:! 5,20; 29 30 31
Quando se peca contra o irmão, peca-se contra Cristo
1 Coríntios 8:12: Deste modo pecais contra os vossos
irmãos, ferindo-lhes a sua debilitada consciência, e
contra Cristo pecais.
A decisão perfeita para quem não quer ser pedra de tropeço
1 Coríntios 8:13: Portanto, se a comida é a causa
que faz o meu irmão tropeçar, nunca mais comerei tal
carne, para não colocar tropeço contra o meu irmão.
íRm 14:21; 2 Co 11:201

• T e x t o COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e ç s a o
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
( 1 1 ) P a u l o r e s p o n d e a o s f a l a t ó r io s a
RESPEITO DOS PRIVILÉGIOS DOS MINISTROS DE
D e u s , is t o é , d a s u a l ib e r d a d e e d e se u s
DIREITOS, 1 Co 9:1-14
Os direitos do apóstolo e o cumprimento dos requisitos
estabelecidos por Pedro (At 1:15-23). Os direitos da liberdade, do
exercício do apostolado e o de usufruir de sua obra. Paulo sofria
questionamentos sobre a legitimidade do seu ministério (At 9:13-
16). Mas alguém cria no ministério de Paulo
1 Coríntios 9:1: Não sou eu apóstolo? Não sou li­
vre? Também não vi a Jesus Cristo, nosso Senhor? Não
sois vós a minha obra no Senhor? co 12.-12; At <23, 17,-1&9;
22:14,18;23:l /; / Co3:Ó;4:í5)
1 Coríntios 9:2: Se para outros eu não sou apóstolo,
pelo menos para vós, certamente, 0 sou; porque vós
sois 0 selo do meu apostolado no Senhor. 12co 2
1 Coríntios 9:3: A minha defesa, para aqueles que me
NT

acusam, é esta:
Os direitos de um homem apóstolo
1 Coríntios 9:4: Porventura, não temos direito de
comer e de beber? /1 rs2.-6;2 /s.m q;
1 Coríntios 9:5: Não temos 0 direito de levar co­
nosco uma colaboradora, irmã na fé, como também
os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?
O direito de dedicar-se só à obra de Deus Local do E stud o :
1 Coríntios 9:6: Ou será que só eu e Bamabé não temos Tem a :
direito de deixar de trabalhar secularmente? mm.-jó/
0 direito do lavrador e o direito do pastor, e a base na lei M inistra n te :
1 Coríntios 9:7: Qual soldado, alguma vez, vai à
guerra à sua própria custa? Quem planta uma vinha e Ca p . inic ia l :
não come do seu fruto? Ou quem apascenta o rebanho
Ca p . fin al :
e não se alimenta do leite do rebanho? (.2Coio.-4; i m i.-is;
Dt20:6;Pv27:18} D isc ípu lo :
1 Coríntios 9:8: Porventura, digo isto segundo as
considerações de homem comum? Ou a Lei também
não diz o mesmo? W25:4}
0 direito de participação no fruto
1 Coríntios 9:9: Porque na Lei de Moisés está es­
crito: “Não atarás a boca ao boi quando debulha o
grão”. Porventura, Deus está preocupado com os bois?
iDt25:4; I Tm5:18j
1 Coríntios 9:10: Ou não o diz inteiramente por
nossa causa? Certamente por nossa causa está escrito:
“ Porque com esperança, aquele que lavra, deve debu­
lhar, e com esperança deve participar do fruto”.
0 direito de usufruir dos bens materiais
1 Coríntios 9:11: Se nós semeamos entre vós as coi­
sas do Espírito, será grande coisa se de vós colhermos
as materiais? (Dt2S:4;Rmi5:27j
1 Coríntios 9:12: Se outros exercem deste direito
sobre vós, por que não o poderiamos nós, com toda a
justiça? Mas nós nunca usamos deste direito; senão
que suportamos tudo, para não colocar nenhum impe­
dimento ao Evangelho de Cristo. (2Coó.-3; / /.•/.?;
0 direito de administração do sagrado
1 Coríntios 9:13: Não sabeis vós que aqueles que
servem na administração daquilo que é sagrado co­
mem das coisas do templo? E que, aquele que serve
no altar, continuamente, recebe a sua parte do altar?
(Lv6:!6;Dt 18:1;
0 direito de viver do Evangelho em favor dos futuros obreiros
1 Coríntios 9:14: Assim ordenou também o Senhor
aos que anunciam o Evangelho, que vivam do
Evangelho. (Mt io.-io.-lcio.-z;
• T e x t o COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A c o n t e c im e n t o s contem po râneçs ao
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
( 1 2 ) Pa u l o é in f o r m a d o a r e speit o d o s

1450
Bible C hronos D i N elson

MEMBROS QUE PARTICIPAVAM DA CEIA Leitura B íblica


do Senhor sem passar pelo batismo P essoal
NAS ÁGUAS, E A RESPEITO DAQUELES QUE ;
MÊS:_______ ANO:___
COMETIAM OS MESMOS PECADOS DE ISRAEL
NO DESERTO, DEPOIS DE TER PASSADO O MAR 01 02 03 04 05 06 07
08 00 10 11 12 13 14
Vermelho (1 Co 10:1-33). Alguns foram
15 16 17 18 19 2021
BATIZADOS E PARTICIPAVAM DA CEIA DO 22 23 24 25 26 27 28
Senhor, 1 Co 10:1-4, mas continuavam 29 30 31
NOS ANTIGOS PECADOS: (A) DE IDOLATRIA, 1
CO 1 0 :5 -7 ; (b ) DE PROSTITUIÇÃO, 1 Co 10 :8 ;
(C) DE DESAFIO A CRISTO, 1 CO 1 0 :9 ; (D) DE
m u r m u r a ç ã o , 1 Co 1 0 : 1 0 ; P a u l o revela j
QUE TODAS AS COISAS QUE ISRAEL PASSOU |
NO DESERTO FORAM PARA NOSSO AVISO, 1
DADOS ESPECIAIS
Co 10:11-13; PAULO REVELA A DIFERENÇA
ENTRE O CÁLICE DO SENHOR E O CÁLICE DOS
DEMÔNIOS, 1 CO 10:14-21; PAULO NOS
ENSINA CRITÉRIOS A RESPEITO DA LIBERDADE E
DO AMOR CRISTÃO QUE JAMAIS ESCANDALIZA,
PARA SEREM USADOS NO EVANGELIZAR, i:
ICO 10:22-33: f
Do batismo à maturidade dos membros. Ilustração dos batismos.
Os pecados comuns do membro da igreja, depois do batismo
1 Coríntios 10:1: Porque não quero, irmãos, que
ignoreis que todos os nossos pais estiveram debaixo
da nuvem, e todos eles passaram pelo Mar; íêx13:2i;
14:22,29; Rm 1:13)
Figura do batismo nas águas e no Espírito. O batismo nas águas é a
segunda parte da pregação. A pregação ainda não estará completa lí
se não houver o batismo da pessoa que creu. O discipulado não é
preparação de batismo, mas uma preparação para entrar na vida
cristã, entendendo-a e tornando-se um novo ganhador de almas.
O batismo é um só. A ordem de batizar é imperativa, pois é em
nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. A pessoa é batizada na
ordem imperativa da divindade. A igreja de Atos realizou algumas
vezes o batismo usando a fraseologia seguinte, em nome de Jesus,
porque nós somos batizados no corpo de Jesus no momento em §£-
que somos imersos nas águas. Isto é, nós somos imersos no corpo fe -

de Jesus e não no corpo do Pai, nem no corpo do Espírito Santo,


porque somente há um corpo na divindade, o corpo de CristoJesus.
NT

Embora haja o batismo no Espírito Santo, o batismo do Espírito


Santo e o batismo com fogo, todos eles formam um só batismo.
Vamos entender a razão: (1) No batismo com o Espírito Santo,
o elemento em que se batiza é o Espírito Santo e o recipiente é o
crente, pois ele é imerso no Espírito Santo. Nossa alma e nosso
corpo são cheios do Espírito Santo. E é Jesus quem nos batiza no
Espírito Santo. (2) No batismo do Espírito Santo, o elemento é
o corpo de Cristo, pois o recipiente, que é o crente, é imerso no
corpo de Cristo. O batismo nas águas é uma figura original desse
batismo, é uma manifestação daquilo que ocorre no momento em

1451
BffiLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

que cremos, pela fé. O batismo nas águas é o cumprimento público Local do E st u d o :
daquilo que acontece pela fé. Pois todos nós somos batizados
em um corpo pelo Espírito Santo (1 Co 12:14). O oficiante é o Tema :
Espírito Santo, pois ele nos batiza no corpo de Jesus, e o tipo que
faz o papel do Espírito Santo é o ministro que nos introduz nas M inistra n te :
águas batismais. Se alguém morrer sem ter tido a oportunidade
de receber o batismo nas águas, de qualquer forma foi batizado
no batismo da morte de Cristo na cruz, como o ladrão na cruz Ca p . inicial :
(Rm 6:1-5). Mas quem teve a oportunidade e não se batizou,
não terminou a obra de sua justiça. Jesus disse a João, quanto Ca p . final :
ao seu batismo, quando João lhe disse que não era necessário: É
necessário cumprir toda a justiça. Quem participa da santa ceia D iscípulo :
sem ser batizado nas águas, ainda está no altar de holocausto e
invadiu o lugar santo sem passar pela bacia das águas. Segundo a
Bíblia, se o sacerdote não se lavasse na bacia, e entrasse no lugar
santo impuro, morria. Na caminhada de nossa fé, cremos no altar
de holocausto, nos banhamos na bacia do batismo e podemos
participar da mesa no lugar santo. Depois disso, somos dignos de
receber dos seus dons no candeeiro. Com isso, ele nos libera para
adorar no altar de incenso, e assim chegamos ao ministério da arca
no lugar santíssimo. (3) No batismo com fogo, o elemento é o Pai,
0 recipiente é o crente e o batizador é Cristo. Jesus nos batiza no
Pai, que é fogo. Esse batismo não é imediato como os outros, mas
é durante toda a nossa vida, nos preparando para viver no céu. Ele
ocorre nas circunstâncias e, enquanto não aprendemos alição, ele
não nos aprova e voltamos a repetir a classe de fogo
1 Coríntios 10:2: e todos foram batizados em Moisés,
na nuvem e no Mar,
Depois do batismo, o pão e o vinho prefigurados (Jo 7:37,38)
1 Coríntios 10:3: e todos comeram do mesmo manjar
espiritual; !êxim ,35)
1 Coríntios 10:4: e todos beberam da mesma bebida
espiritual, porque bebiam da rocha espiritual que os
seguia; e a rocha era Cristo. (,Èxi7:b;m20:i n
A apostasia depois do batismo e da mesa do Senhor
1 Coríntios 10:5: Mas, da maior parte deles Deus
não se agradou; pelo que foram abatidos no deserto.
(Nm 14:29,30; Hb3:17j
Razão 1: o pecado da cobiça
1 Coríntios 10:6: Mas estas coisas aconteceram para
nosso exemplo, figuradamente, a fim de que não cobi­
cemos as coisas más, como eles cobiçaram. (Nm i/:4,34;
Sl 106:14)
Razão 2: o pecado da idolatria e da orgia
1 Coríntios 10:7: Não sejais idólatras, como alguns
deles, segundo está escrito: “O povo assentou-se a
comer e a beber, e levantou-se para jogar”. (êx32.-ó)
Razão 3 :0 pecado da prostituição
1 Coríntios 10:8: Nem forniquemos, como alguns
deles fornicaram; e caíram num só dia vinte e três mil.
(Nm25:lj
Bible C hronos D i N elson

Razão 4: o pecado da tentação a Deus e o juízo (Gn 3:1-6). Leitura Bíblica


Movidos pela própria serpente que os tentou P essoal
1 C oríntios 10:9: Nem tentemos a Cristo, como tam­
bém alguns deles o tentaram, e pereceram por meio das M ÉS:_ ANO:_

serpentes. (Nm2i:5,6s 01 02 03 04 05 06 07
Razão 5: o pecado da murmuração e o seu juízo 08 09 10 11 12 13 14
1 C o rín tio s 10:10: E não murmureis, como alguns 15 16 17 18 19 2021
deles m urm uraram , e pereceram por meio do 22 23 24 25 26 27 28
destruidor. (Nm I6:41,49; Êx12:23! 29 30 31
Exemplos para a Igreja
1 C o rín tio s 10:11: E estas coisas lhes aconteceram
como em figuras para nosso exemplo, e foram escritas s
para admoestar-nos, porque para nós são chegados os
fins dos séculos. (Rm 13:1 l;Fp4:5j
0 cuidado que deve ter o justo
DADOS ESPECIAIS
1 C oríntios 10:12: Portanto, aquele que pensa es­
tar firme, de pé, olhe com cuidado para que não caia.
(Rm11:201
Não culpem os a Deus pelos n ossos pecados, pois e le não
permite que a tentação seja acima do que se pode suportar.
Nenhuma tentação vem sem escape. O problema é que não
estam os atentos a ela
1 Coríntios 10:13: Não vos sobreveio nenhum a
tentação, que não seja humana; mas Deus é fiel, que
não vos deixará que sejais tentados acima do que po­
deis resistir, senão que com a tentação dará também
0 devido meio de escape, para que a possais suportar.
/2Pe2:9j
A mesa do Senhor e a mesa dos demônios
1 Coríntios 10:14: Portanto, meus amados, fugida
idolatria. /.2Co6.-i7j
1 Coríntios 10:15: Falo como a sensatos; julgai vós
mesmos o que digo.
0 cálice e o pão: comunhão do sangue e do corpo
1 Coríntios 10:16: Porventura, o cálice de bênção
que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cris­
to? O pão que partimos, não é a comunhão no corpo de
CriStO? (Mt26:26;At2:42}
NT

0 pão é um
1 Coríntios 10:17: De maneira que, nós, sendo mui­
tos, somos um só pão e um só corpo; porque todos
participamos daquele único pão. (Rmi2:.s; / co i2:27:
0 perigo da comida sacrificada aos ídolos
1 Coríntios 10:18: Considerai a Israel segundo a car­
ne; os que comem dos sacrifícios, não são, porventura,
participantes do altar? ac i:6;Lv7.-6,;
1453
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

1 Coríntios 10:19: Que direi, pois? Que o ídolo é Local do E stud o :


qualquer coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma
coisa? Tem a :
1 Coríntios 10:20: Antes, digo que aquilo que os MlNJSTRANTE:
gentios sacrificam, sacrificam-no aos demônios, e
não a Deus; e não quero que sejais partícipes com os C a p . INICIAL:
demÔniOS. (Dt32:17;SI 106:37;Ap 9:20)
Adultério espiritual previsto em Números 5 C a p . FINAL:
1 Coríntios 10:21: Não podeis beber do cálice do
Senhor e do cálice dos demônios; não podeis parti­ D isc ípu lo :
cipar da mesa do Senhor, e da mesa de demônios.
(2Co6:15,16)
1 Coríntios 10:22: Ou provocaremos a zelos ao Se­
nhor? Somos, porventura, mais poderosos do que ele?
(Dt32:21; Ec 6:10; Is 45:9)
Resumo dos princípios básicos DADOS ESPECIAIS

1 Coríntios 10:23: Todas as coisas me são lícitas, mas


nem todas as coisas me convêm; todas as coisas me são
lícitas, mas nem todas as coisas me edificam. u C06.12;
Rm 14:19)
0 cuidado do que é alheio gera o que é próprio (Lc 16:12)
1 Coríntios 10:24: Ninguém busque o seu próprio
interesse, antes cada um o bem do seu próximo.
(Fp2:4,21; 1 Co lO:33;Rm 15:1,2j
0 comportamento do cristão e a consciência do próximo na banca
do mercado e na mesa do anfitrião
1 Coríntios 10:25: Comei de tudo o que se vende
no açougue, sem nada perguntardes, por motivo de
consciência, tic o 8:7)
1 Coríntios 10:26: porque do Senhor é a terra e toda
a sua plenitude, /sm-//
1 Coríntios 10:27: Se algum incrédulo vos convidar,
e quiserdes ir, de tudo comei daquilo que se puser
diante de vós, sem nada perguntardes, por motivo de
consciência.
A verdade te liberta de pecar contra a consciência de teu irmão
1 Coríntios 10:28: Mas, se alguém vos disser: “Isto
foi oferecido em sacrifício aos ídolos”, não comais,
por causa daquele que vos advertiu, e por motivo de
consciência, porque “a terra e toda a sua plenitude são
do Senhor”.
Nem todas me convêm
1 Coríntios 10:29: Não me refiro à tua consciência,
mas a do outro. Pois, por qual motivo a minha liber­
dade há de ser julgada pela consciência de outrem?
■Rm 14:6; 1 Tm4:3,4)
Quando dou graças a Deus elimino o culto e santifico o alimento
com ação de graças

1454
Bible C hronos D i N elson

1 Coríntios 10:30: E, se eu, com ação de graças, par­ Leitura Bíblica


ticipo, por que serei blasfemado por causa daquilo pelo P essoal
qual dou graças?
MÊS: A n O:_
Se o que faço é para a glória de Deus, então, é uma boa razão para
serjustificado 01 02 03 04 05 Oó 07 SI
1 Coríntios 10:31: Portanto, quer comais quer be- 08 09 10 11 12 13 14
bais, ou façais outra coisa, fazei tudo para glória de 15 16 17 18 192021
DeUS. i G 3 : l 7 ; I P e 4 : I I ; 22 23 24 25 26 27 28
Evitando ser causa de tropeço 29 30 31
1 Coríntios 10:32: Não vos torneis causa de tropeço
nem a judeus, nem a gregos, nem à Igreja de Deus;
(Rm 14:13; ICo8:13i
Procurando agradar a todos e não buscando o que émeu, a fim de
ganhar almas
1 Coríntios 10:33: como também eu, em todas as
coisas, procuro agradar a todos, não buscando a minha
própria vantagem, mas o bem de muitos, para que
sejam salvos. (Rm 15:Z; l Co 9:22; 13:5!

• Texto c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :

• A c o n t e c i m e n t o s c o n t e m p o r â n e c is a o
p e r ío d o e m q u e P a u l o m o r o u e m É f e so .
( 1 3 ) Pa u l o é in f o r m a d o q u e a l g u m a s
m u l h e r e s , in f l u e n c ia d a s pelo c u l t o
PAGÃO DA CIDADE, NÃO SABIAM ATÉ ONDE
IA A SUA LIBERDADE NO CULTO PÚBLICO, NEM
OS HOMENS CONHECIAM OS MANDAMENTOS
ACERCA DA AUTORIDADE DE DEUS SOBRE
AMBOS, E RESPONDE COM GRANDE SABEDORIA,
1 Co 11:1-16:
Imite Paulo, como ele imita Cristo
1 Coríntios 11:1: Sede, pois, meus imitadores, como
também eu sou de Cristo, n co4:i6;Fp3:i7j
1 Coríntios 11:2: Ora, eu vos louvo, meus irmãos,
porque em tudo vos lembrais de mim, e retendes
os m andam entos, assim como vo-los entreguei.
/1Co 4:17; 2 is 2:15)
Cabeça sobre cabeça e a cabeça de todos: Deus
NT

1 Coríntios 11:3: Mas quero que saibais que


Cristo é a cabeça de todo homem, o homem a cabeça
da mulher, e Deus a cabeça de Cristo. (F.fi:22;4:is;s:23,•
/ Co3:21
Como o homem desonra Cristo na sua cabeça?
1 Coríntios 11:4: Todo homem que ora ou profetiza
com a cabeça coberta afronta a sua própria cabeça
(At 13:1; / Is5:20}

1455
BffiLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

A mulher ora ou ministra sob autoridade. A cabeça da mulher j LOCAL DO ESTUDO:


raspada mostra insubmissão à sua cabeça
1 Coríntios 11:5: Mas toda mulher que ora ou pro­ Tema :
fetiza com a cabeça descoberta afronta a sua própria j M inistrante :
cabeça, porque é a mesma coisa como se estivesse
rapada. (Dt21:12;At2l:Q)
C a p . INICIAL:
O véu significa estar sob autoridade do marido
1 Coríntios 11:6: Portanto, se a mulher não quer C a p . FINAL:
estar sob cobertura, que tosquie o seu cabelo também;
e se for vergonhoso para a mulher o ser tosquiada ou D iscípulo :
rapar-se, que a sua cabeça esteja coberta.
Como o sol e a lua, o marido e a mulher
1 Coríntios 11:7: Porque o homem não deve cobrir {
a sua cabeça, porque é imagem e glória de Deus; mas a
mulher é a glória do homem, /cn i:26j
0 homem e sua posição diante de Deus
1 Coríntios 11:8: Porque o homem não procede da
mulher, senão a mulher do homem; (Gn2:2i,23)
1 Coríntios 11:9: nem também o homem foi criado
por causa da mulher, mas a m ulher por causa do
homem. /Gnz-isj
Qual é o sinal de submissão? Os anjos amam a ordem e
correspondem aos seus deveres de guardar os laços familiares
1 Coríntios 11:10: Portanto, a mulher deve ter sobre
a sua cabeça um sinal de autoridade, por causa dos
anjos.
Ambos têm sobre si cabeças
1 Coríntios 11:11: Mas, no Senhor, nem a mulher j
é algo sem o homem, nem o homem é algo sem a
mulher.
1 Coríntios 11:12: Porque assim como a mulher pro- ;
vém do homem, também o homem nasce da mulher,
mas tudo proced e de Deus. a coS:i8;nm i
A mulher que ministra deve ter sobre si sinal de autoridade
1 Coríntios 11:13: Julgai entre vós mesmos: “É |m
conveniente que a mulher ore a Deus com a cabeça
descoberta?” n.ci2:57j
A mulher, pelos seus cabelos e pela sua humildade, torna-se a
glória de seu marido e pode substituir o véu pelos cabelos
1 Coríntios 11:14: A própria natureza não nos ensina
que é desonroso para o homem deixar o seu cabelo
crescido?
A utilidade dos cabelos da mulher
1 Coríntios 11:15: Mas, à mulher, ter o cabelo cres­
cido lhe é honroso; porque a sua cabeleira lhe foi dada
em lugar do véu.
1456
Bible C hronos D i N elson

0 costume de ser contencioso Leitura Bíblica


1 Coríntios 11:16: Mas se alguém quiser ser conten­ P essoal
cioso, nós não tem os tal costum e, nem as igrejas de
M ês:______ A n o :____
DeUS. íl Co7:17i
01 02 03 04 05 06 07
• T exto c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o : 08 09 10 11 12 13 14
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e o s a o 15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
29 30 31
( 1 4 ) P a u l o é in f o r m a d o q u e a l g u n s
MEMBROS MAIS RICOS DO CORPO ESTAVAM
MALTRATANDO OS MAIS SIMPLES NO ATO DE
OBSERVAR A CEIA DO SENHOR, E QUE A IGREJA
NÃO OBSERVAVA NENHUMA LITURGIA NO
PARTIR DO PÃO, 1 CO 1 1 : 1 7 - 3 4 :
As festas de comunhão na igreja
1 Coríntios 11:17: Nisto, porém, que vos anuncio,
não vos louvo; porque vos congregais não para o m e­
lhor, mas para o pior. n c o i 1:2,221
Não devemos crer em tudo
1 Coríntios 11:18: Porque, antes de tudo, estou in­
formado que quando vos ajuntais como igreja há entre
vós divisões; e em parte 0 creio, n co /.■10-12/
Benefícios das dissensões
1 Coríntios 11:19: Porque até mesmo importa que
haja entre vós dissensões, para que sejam manifestos
entre vós os que são aprovados.
0 pretexto da Ceia para o uso de libertinagem
1 Coríntios 11:20: Quando, pois, vos reunis, não é ;
para comer a Ceia do Senhor; 1Mti8:7;Lci7:i; irm4:i;üti3:3,-
l)o 2:19}
A ceia fermentada (1 Co 5:6-8). O egoísmo de alguns e a libertina­
gem de outros
1 Coríntios 11:21: porque, ao comer, cada um se
adianta ao tomar a sua própria Ceia; enquanto um fica
com fome e outro se embriaga. zt>e2:/3;ictiz;
A Ceia não é oportunidade de banquete, mas sim um memorial
1 Coríntios 11:22: Ora, não tendes casas onde comer
e beber? Ou desprezais a Igrejade Deus, e envergonhais
aqueles que nada têm? Que vos direi? Hei de louvar-
vos? É certo que nisto não vos louvo, a o> io.-32; Tg2:6,
Um memorial, desde a traição na Páscoa à glória de sua vinda
1 Coríntios 11:23: Porque eu recebi do Senhor o
que também vos entreguei: Que o Senhor Jesus, na
noite em que foi traído, tomou o pão; n co i5:3;Mt26:2(>-28;
Mc 12:22-24;Lc22:17-20/
BEBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

0 pão revela as características de seu pacto e de seu sofrimento Local do Est u d o :


sem pecado (1) A lei da oferta de manjares: Deus deixa bem claro
quem são os que a apresentarão diante dele. Tipo do pão da Ceia Tem a :
do Senhor, que é Cristo e o seu corpo (1 Co 11:24). Como foi
instituída no dia da Páscoa, o pão é sem levedura e deve sercomido
no interior do átrio. (No capítulo dez, Deus pede que os levitas M inistra n te :
comam desta oferta)
1 Coríntios 11:24: e, havendo dado graças, o partiu C a p . INICIAL:

e disse: “Tomai, comei; isto é o meu corpo, que por vós Ca p. fin a l :
é partido: fazei isto em memória de mim”.
0 cálice é prefigurado pela outra metade do sangue que foi D isc ípu lo :
espargido no altar, quando M oisés recebeu as tábuas da lei
(Êx 24:4-10). Depois que o sangue foi apresentado, o Pai se
transfigurou diante deles (Êx 24:8-17)
1 Coríntios 11:25: Do mesmo modo, depois de ha­
ver ceado, tomou o cálice, dizendo: “Este cálice é o
Novo Testamento no meu sangue; fazei isto, todas as DADOS ESPECIAIS
vezes que o beberdes, em memória de mim”, m u i -34;
2 Co 3:6; Lc22:20,25; Êx24:6-8!
A ascensão de Cristo é a esperança da sua vinda (Êx 24:9-11)
1 Coríntios 11:26: Porque todas as vezes que comer­
des este pão, e beberdes este cálice, anunciais a mor­
te do Senhor, até que ele venha, m 26:26-26;Mc i 4:2325:
I Co4:5;Jo 14:3;At 1:1 l;Ap 1:7,]
Comer e beber (Êx 24:11). Nadabe e Abiú subiram indignamente
(Êx24:9) e morreram depois
1 Coríntios 11:27: De modo que qualquer que co­
mer este pão, ou beber do cálice do Senhor, não sendo
digno, será culpado do corpo e do sangue do Senhor.
(Hb IO:2Q;Mt27:25;Nm 5:12-28/
Números 5:12-28 - o tipo
1 Coríntios 11:28: Portanto, examine-se o homem
na própria alma e, então, coma deste pão e beba deste
cálice. (2Co 13:5!
1 Coríntios 11:29: Porque aquele que come e bebe
indignadamente, come e bebe juízo para sua própria
condenação, não discernindo o corpo do Senhor.
Números 5:27
1 Coríntios 11:30: Por esta causa há, entre vós, mui­
tos debilitados e doentes, e muitos que dormem.
0 ato de ser irrepreensível
1 Coríntios 11:31: Porque, se nos julgássemos a nós
mesmos, não seríamos julgados; isi32:5; íjo i.-q
1 Coríntios 11:32: mas quando somos julgados,
somos disciplinados pelo Senhor, para não ser­
mos condenados com o m undo, /si ç4.-i2; Hb i2:7-io;
1 Co 1:20)

1458
Bible C hronos D i N elson

A ordem na Comunhão Leitura Bíblica


1 Coríntios 11:33: Portanto, meus irmãos, quando P essoal
vos reunis para a Com unhão, esperai uns pelos
MÊS:_______ ANO:___
outros.
A Ceia é um memorial que declara a nossa fidelidade e intimidade 01 02 03 04 05 06 07
com Cristo à mesa 08 09 10 11 12 13 14
1 Coríntios 11:34: E aquele que tiver fome, coma 15 16 17 18 19 20 21
em sua casa, a fim de não vos reunirdes para juízo. As 22 23 24 25 26 27 28
demais coisas eu as colocarei em ordem quando eu for. 29 30 31
(I Co 4:19; 11:21,22;

• Te x t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :

• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m po r â n eç s ao
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
(15) Paulo respo n de as perguntas Ei
DADOS ESPECIAIS
RELACIONADAS AO USO DOS DONS ESPIRITUAIS
E ESCLARECE A RESPEITO DAS DIVERSIDADES,
R M 1 2 :3 -9 ;1 CO 1 2 :1 -3 :
Ele está dizendo: “Mantenha o limite da auto-afirmação: não vá
muito além desta auto-afirmação, tão necessária”. Ele falou em
nome da graça, pois sabia que somente a graça de Deus o livraria
do demônio esbofeteador que sempre estava próximo dele para
que não tivesse um alto conceito de si mesmo, isto é, para que não
se vangloriasse, tomando para si a glória de Deus, como aconteceu
com o Luzeiro e seus anjos, por causa da medida da fé que Deus
lhe havia repartido, a qual se manifestava pelas visões e revelações
do Senhor. O bom conceito de nós mesmos é bom e agradável,
mas não é perfeito. Quanto ao nosso próprio testemunho, Jesus
disse: “Deixem que outros testemunhem de vós”. O limite, a
respeito desse conceito próprio, está no espírito. Quem é o centro
de domínio neste espírito? O coração. E o que deve está guardado
nesse coração? A Palavra de Deus. Então, ele sabe quando estamos
falando bobagens a respeito de nós mesmos; e isto não é bom,
nem agradável, tampouco perfeito. Paulo fala de três coisas: da
prudência, do limite e da medida da fé. (1) A prudência, por causa
dos invejosos e do espírito do Anticristo que jaz no mundo; (2)
o limite estabelecido nos livra da condenação, por causa dos
esbofeteadores que nos atacam quando tentamos roubar a glória
de Deus (2 Co 12:1 -5); e (3) a medida da fé, que é o peso oposto da
balança que mede o que dizemos, a qual pode nos acharem falta
Romanos 12:3: Digo, pois, pela graça que me é
dada, a qual está entre vós, que não tenhais um alto
conceito de vós mesmos, mas uma justa estima, con­
forme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.
(Rm 15:15; 2 Co / 0:13; F/4:7;
Por que não devemos ter um autoconceito a respeito de nós
mesmos? Porque somos membros do corpo de Cristo. E tudo o
que fazemos não o fazemos sozinhos, mas em comum acordo com
os demais membros do corpo de Cristo. Assim, todos os membros,
conjuntamente, trabalham para o bem comum de todo o corpo.
Como membros, devemos sempre fazer aquilo que é segundo a
medida da nossa fé, sempre reconhecendo o trabalho daquele que
nos ajuda na realização de alguma obra específica. Isto quer dizer

1459
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

que nem todos os membros têm o mesmo ofício, isto é, nem todos Local do E st u d o :
podem fazertudo
Romanos 12:4: Porque assim como em um corpo Tema :
temos muitos membros, mas nem todos os membros
têm 0 mesmo OfíCiO, (1 Co 12:12 14;E}4:4, I ó/ M inistra n te :
! !
Assim, a glória não pode ser de um só membro, mas do corpo
de Cristo; e o corpo, por sua vez, glorifica a cabeça, que é Cristo. Ca p . inicial :
Quando Paulo desceu na ilha de Malta, após o seu grande
naufrágio, quando viajava para Roma, ajuntou gravetos. Os CAP. FINAL:
gravetos acendem 0 fogo facilmente. Havia muitos troncos, os
quais eram bons combustíveis para 0 fogo. Mas são os gravetos D iscípulo :
que propagam o fogo. Os órgãos vitais não sentem dor. Os pontos
sensoriais de dor atuam nos músculos mais próximos de cada órgão
vital. Assim, os órgãos vitais dependem dos avisos musculares para
que não sejam destruídos por algum mal. Assim, dependemos uns
dos outros. A primeira epístola de Paulo aos Coríntios trata das
diversidades de dons, de ministérios e de operações; mas, aqui,
finalmente, ele trata um pouco mais a respeito das diversidades
de membros
Romanos 12:5: assim também nós, sendo muitos, so­
mos um só corpo em Cristo, e individualmente somos
todos membros uns dos outros. (E/4.-25/
Nenhuma profecia deve ser produzida por vontade própria, nem
com 0 fim de envergonhar algum membro do corpo, nem deve ser
proferida com sentim entos de vingança particulares, mas
conforme a medida da fé. Em 1 Coríntios, Paulo trata de diversos
dons, mas em nenhum lugar trata deste assunto como o faz aqui,
ao apresentar os seus devidos meios de uso. Os diferentes dons,
dos quais Paulo fala em 1 Coríntios 12, 13, 14, e também em
Efésios 4, classificam-se em (1) dons de poder, (2) dons de
inspiração e (3) dons de saber; os ministérios classificam-se em
dons de ministérios (dons de serviço) ou dons de serviço de apoio,
dons de liderança e dons da vida. A classificação dos dons
espirituais (não confundir com os sinais), são: (1) Dons de poder
(manifestam Espírito de poder, 1 Co 2:4). (A) Dom da fé. (B) Dons
de curar Í3 conforme as diversidades de operações sobre as
doenças. Não ocorrem quando há possibilidades (humanas)
pendentes no coração do enfermo, mas acontecem quando a
pessoa enferma crê que somente Deus pode curá-la; então, há
cura. Deus nunca abomina a Ciência que ele mesmo criou e
inspirou. (C) Dom de operações de maravilhas § este dom
manifesta sinais realmente sobrenaturais; não são curas, mas
operações de maravilhas. Este é o dom que mais necessita das
diversidades de operações. (2) Os dons de inspiração e edificação,
são: (A) profecia -n ã o devemos confundir o ministério de profeta
com o dom de profecia. Aquele que tem o dom de profecia,
profetiza. Aquele que tem ministério de profeta é um ministro-
profeta do Novo Testamento. Este profeta (Ef 4:11) não usa
“necessariam ente” das línguas espirituais nem de sua
interpretação (At 21:8-11). Em Atos 21, vemos um ministro-
profeta, um ministro-evangelista e quatro jovens (membros do
corpo) que profetizavam. O profeta diz: “assim diz o Espírito
Santo”; assim são os profetas do Novo Testamento. Mas alguns
dizem: “assim diz o Senhor”, porque o Senhor é o mesmo. O que
profetiza fala em línguas, interpreta (ou é interpretado) e gera a
profecia. Profecia é = variedades de línguas + interpretação. Mas
pode acontecer assim: línguas + interpretação (próprio de um
membro ou em conjunto de duas ou mais pessoas que usam as

1460
Bible C hronos D i N elson

variedades de línguas + interpretação = profecia; são semelhantes Leitura Bíblica


aos sonhos + interpretação = profecia; também são semelhantes P essoal
às visões+ interpretação = profecia. Paulo trata destas três classes j i
de dons em 1 Coríntios 12. Por esta causa, ele diz que a profecia é
MÊS:_______ ANO:___
o melhor dos dons, porque é uma unidade de três dons (1 Co 14):
variedades de línguas e interpretação de línguas que geram a 01 02 03 04 05 06 07
profecia. (B) A variedade de línguas. Não devemos confundir
08 09 10 11 12 13 14
variedades de línguas com o sinal de línguas (Mc 16:15-18). As j
outras línguas são sinais do recebimento dos dons do Espírito, mas 15 16 17 18 192021
as variedades de línguas servem para muitas outras necessidades, 22 23 24 25 26 27 28
como vemos em Atos 2:4. Aqui, trata-se de variedade de línguas, i ! 29 30 31
Em Daniel 5:25, vemos as línguas interpretadas depois de serem
escritas na parede; hoje, estas línguas são faladas e interpretadas j
porque são manifestadas no Corpo de Cristo. Uma palavra em ;
línguas tem muitos significados. Porexemplo, a palavra “m em e”,
escrita na parede do palácio babilônico, nenhum sábio da terra
pôde conhecer o seu significado; mas Daniel a interpretou (não a
traduziu) assim: “contou”, “Deus”, “reino”, “acabou”, fora os
pronomes e artigos (1 Co 14:10). Algumas pessoas falam uma
espécie de línguas, às vezes, de forma envergonhada, porque têm DADOS ESPECIAIS
em mente uma única palavra; mas, segundo a Palavra, podemos
buscar as variedades de línguas, segundo a medida de sua fé. A
Bíblia diz que há muitas espécies de vozes no mundo e todas elas
têm o seu significado próprio; acontece o mesmo no mundo | jg l
espiritual (1 Co 14:10). (C) A interpretação de línguas. Não j | |Í |g
devemos confundir a interpretação com a tradução de línguas. i §§|:
Como estas manifestações ocorrem no mundo espiritual? Uma
pessoa começa falarassim, como se fosse em português (para dar
um exem plo, pois originalmente são palavras sem significado
aparente,segundoafé):“servo” + “caminho” + “porta” + “azeite”, !
acompanhando a mente do intérprete. Isto acontece em línguas.
A interpretação será conforme a fé, segundo aquilo que o Espírito
Santo põe no interior da mente do espírito do intérprete: “servo”,
no fim do “caminho” haverá uma “porta”, onde serás “ungido” =
por fé. Assim é feito, paralelamente, noCéuenaterra.Um profeta
não é profeta somente porque ele escuta Deus falar, mas ele fala
segundo a fé, e Deus o cumpre. (3) Os dons de revelação ou de
saber. (A) O dom da palavra de sabedoria. Usado em direções, j
decisões, conselhos, problemas doutrinários, litígios e ocasiões
propícias. (B) O dom da palavra de ciência (ou conhecimento).
Usado em revelações sobrenaturais c o n cern en tes a
acontecimentos do passado, do presente e em determinadas
ocasiões que envolvem o futuro ou em locais distantes. Étambém I
o conhecimento revelado da Palavra de Deus ou o conhecimento
experimental da Palavra de Deus com aplicações em determinados
textos que exortam, consolam e edificam as pessoas nas suas
diversas situações e ajudam nas diversas decisões ou circunstâncias
litigiosas. (C) O dom de discernimento de espíritos (plural):
humano, dem oníaco ou das intenções da carne. Não é j
desconfiança, mas discernimento. A Igreja do Senhor Jesus não é !
NT

uma instituição onde tudo é baseado na desconfiança. Também


não é julgamento baseado em preconceitos. Mas é o conhecimento
do cerne da questão; é o discernimento entre o ser psíquico e o
espiritual por meio do Espírito de Deus. Éo conhecimento que está
por trás das palavras, das letras, das atitudes; é a revelação das
m otivações, dos valores pessoais e de seus investimentos
necessários. Os dons de ministérios são: apóstolos, profetas,
evangelistas, pastores e mestres. Neste versículo, Paulo está
tratando do dom de profecia e não do ministério de profeta; isto é,
o apóstolo está tratando daquele que está arrolado na membresia
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

da igreja, o qual deve usar este dom segundo a medida da fé; isto Local do Estudo :
quer dizer que o combustível para o dom de profecia é a fé. Os dons
de serviço são: o dom de ministrar (louvor, limpeza, organização T ema :
ou coisas semelhantes), o dom de ensino, o dom de exortar e o
dom de repartir (é diferente do dom de misericórdia). Estes dons M inistrante :
são pré-classificatórios aos ministérios de Efésios quatro, e aquele
que os detém deve praticá-los, para que sejam mais bem
qualificados. Abaixo, Paulo trata de algum deles. Os dons da vida Ca p . inicial :
são: o dom do amor (o mais excelente; sem ele nenhum outro dom
ou ministério existiría), que é o mesmo que desfrutar daquilo que CAP. FINAL:
Deus nos dá (Ec 5:19); o dom da misericórdia (diferente do dom
de repartir). As diversidades de dons na igreja. A doutrina das D iscípulo :
diversidades (1 Co 12:4-6) inclui (1) diversidades de dons (1 Co
12:4) - mas o Espírito é o mesmo; (2) diversidades de ministérios
(1 Co 12:5) - mas o Senhor é o mesmo; (3) diversidade de
operações (1 Co 12:6), mas Deus é o mesmo que opera todas as
coisase (4) diversidades de membros (1 Co 12:20), m asocorpoé
o mesmo. Há diversidades de dons (1 Co 12:4), mas o Espírito é o
mesmo. Os dons estão divididos em classificações. Os dons estão
divididos em dons naturais, que são vocações (talentos), DADOS ESPECIAIS
inclinações e dons natos. São meios de sobrevivência de cada
personalidade. Há, também, os dons espirituais, que se
manifestam por meio da capacidade que o Espírito Santo concede
para realização daquilo que é útil e para proveito comum; alguns
deles estão em 1 Coríntios 12:7. Finalmente, os dons ministeriais
são pessoas como dons de Deus à Igreja, isto é, ao corpo de Cristo.
É assim que lemos em Efésios 4:11: “O mesmo deu uns para...”.
Assim, entendemos que os (a) dons naturais foram dados para a
pessoa. Os (b) dons espirituais foram dados para o bom
desempenho do corpo inteiro. Os (c) dons ministeriais são seres
humanos cooperadores de Deus, pois trabalham com Deus. Assim
como o Filho, o Pai e o Espírito Santo foram cooperadores na
criação do homem e da mulher, os ministros são cooperadores de
Deus na construção do edifício de Deus, que é a Igreja (1 Co 3:9; Ef
2:21). Eles trabalham de parte em parte, pois não são completos
em si mesmos, nem recebem a recompensa isoladamente. Que
diz a Bíblia? (1 Co 3:8): “Cada um receberá seu galardão conforme
o seu trabalho”. Deus não ficará devendo nada a ninguém. Os
cinco ministérios são os dons ministeriais para a Igreja. São as
juntas e ligaduras (Ef 4:16). Foram dados para (1) o
aperfeiçoamento dos santos (dos membros); (2) para a obra do
ministério (fazer discípulos); e (3) para a edificação do corpo de
Cristo (terminá-la). A incumbência dos cinco ministérios consiste
em preparar o corpo para assumir a sua posição, imediatamente,
após o arrebatamento (SI 149:5-9). O objetivo final dos cinco
ministérios é a (1) unidade da fé, (2) o pleno conhecimento do
Filho de Deus, (3) o estado de homem feito, (4) chegar à medida da
estatura da plenitude de Cristo, (5) dar crescimento em tudo
conforme aquele que é a cabeça, e bem ajustado (Ef4:16; Cl 2:19):
“Bem unidos pelas juntas e ligaduras, vão crescendo com o
aumento concedido por Deus”. Quando há diversidades de dons,
há diversidades de ministérios. É muito grande a diferença entre
os dons e os ministérios. Os dons são as manifestações da
capacitação do Espírito, em determinado membro, para proveito
de todos. Os ministérios são o mesmo que serviços, tornam-se em
resultado da manifestação eficiente dos dons. Os dons são as
habilidades dos membros (mão, pé e ouvido). Os ministérios dos
membros (mãos construindo, pé andando, ouvido escutando) são
os resultados da manifestação eficiente dos dons, por meio dos
membros. Os ministérios dos dons-ministros são resultados da sua

1462
Bible C hronos Di N elson
manifestação eficiente juntamente com o corpo inteiro (não de Leitura Bíblica
seus dons, ou não só de seus dons). Dom é a capacidade recebida.
P essoal
Ministério é a execução, isto é, a prática desse dom, por meio
daquele que o recebe. Por último, as diversidades de operações
são as formas criativas do produtor das operações, em nome de m ê s : _______ A n o :___

Jesus. Tudo o que o ministro declarar, criar, estabelecer, em nome


do Senhor Jesus, será para proveito da fé e para a glória do Senhor
01 02 03 04 05 06 07
nosso Deus; isto é, serão diversidades de operações. As 08 09 10 11 12 13 14
diversidades de operações estão muito ligadas às palavras que 15 16 17 18 1920 21
Paulo disse: “Digo eu, não o Senhor”. Elas são aprovadas por Deus 22 23 24 25 26 27 28
em ocasião de demanda e da expectação por uma palavra de 29 30 31
solução, ou pode ser uma atitude sobrenatural realizada por meio
do ministro para resolver uma demanda. A falta de conhecimento
dos cinco ministérios levará os membros a não respeitarem
plenamente o seu líder como um enviado de Deus, porque jamais
vão compreender os seus temperamentos, as suas visões e as suas
atitudes. Quando os membros conhecem os diversos tipos de
ministérios que há, mudam de atitude em relação à compreensão
daquilo que o seu pastor realiza. Assim, há mais respeito ao
ministério de liderança. Os ministérios em si são diferentes e
atuam de acordo com o caráter pessoal do ministro. Dentro do
corpo de Cristo, há lugar para os cinco ministérios, e cada um se
manifesta por meio de seu temperamento. Os diversos vocábulos
que conhecemos, tais como, bispo, presbítero e ancião, na verdade,
significam o mesmo, mas têm diferentes funções e vários
significados. Os anciões eram considerados como líderes do povo
de Israel, da mesma forma como os levitas e os sacerdotes. Mas,
apenas o sumo sacerdote era o bispo, somente alguns dos levitas
eram sacerdotes; os anciões de ontem são equivalentes aos
presbíteros de hoje. Moisés foi colocado sobre eles, porque era um
tipo de Cristo, que é o Bispo dos bispos. Moisés e Arão eram
presbíteros, mas somente Moisés era o bispo. Assim, o ministério
pastoral não é um título, mas uma função do ministro. O mais
correto seria o pastor ter como título “ministro”, ou “presbítero”,
como são chamados no Novo Testamento, pois o “ancião” era o
título pelo qual Moisés chamava os líderes do povo. Embora o
ministério do evangelista seja considerado abaixo dó pastor, não é
assim que é visto na Bíblia. É verdade que alguns obreiros ainda
estão “tristes” porque não foram consagrados ao pastorado. Ele já
tem umagrande função (evangelista), mas quertrocar esta função
por outro ministério, porque não conhece qual é a sua verdadeira
função no corpo, pois o ministério de evangelista, muitas vezes, é
considerado como trampolim para outro ministério. Por outro
lado, o presbítero, que é o título e a coroa dos cinco ministérios,
tem sido entendido como sendo inferior, quando os presbíteros
são os ministros episcopais -a s maiores autoridades sobre o corpo,
onde o bispo é o presidente. Por isso, há demanda e confusão, pois
damos aos (a) cooperadores a função de autoridade episcopal
(presbíteros no lugar de diáconos) e (b) às mulheres autoridade
apostólica (missionárias no lugar de ministras), simplesmente por
questão de orgulho e falta de coragem para consertar o erro
NT

centenário
Romanos 12:6:De maneira que, tendo diferentes
dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia,
seja usado conforme a medida da fé; n c.o t2:4,io: 7:7;
! Pe4:IO,l I)
Paulo trata da classificação dos dons de serviço, pois ministrar é
servir. Neste verso, ele inclui o dom de servir e o dom de ensinar.
Há pessoas que têm o dom de ensinar, mas ainda não foram

1463
P id t c P u n n x i A C _X T T c h a A i m c u n n rk M A T a

reconhecidas como mestres. Elas devem praticar o seu dom para LOCAL DO ESTUDO:
alcançarem o ministério de mestre
Romanos 12:7: Se é ministério, seja em ministrar; Tem a :
se for o de ensinar, que dedique-se ao ensinamento.
MlNISTRANTE:
!Ef4:l1; 1Co 12:28; 14:26}
Igualmente ao dom de ensino, que ainda não chegou à escala do
ministério de mestre (Ef 4:11,12), o dom de exortação requer CAP. INICIAL:
combustível, isto é, dedicação no aprendizado e na didática: há (a)
membros que exortam pelo dom de profecia, mas isto não significa Ca p . fin al :
que já são (b) profetas ou mestres eclesiásticos classificados nos
dons de ministérios, pois os (b) ministros mestres consagrados D iscípulo :
exortam, edificam e consolam pela exposição da Palavra de
Deus. O dom de repartir está arrolado entre os dons de serviço
e necessita do combustível da sinceridade, para se diferenciar
daqueles que operam na hipocrisia carnal entre os poucos que têm
o dom da misericórdia. O dom da misericórdia, como o de Dorcas, j
poderia estar classificado entre os dons de serviço, mas este dom
é sobremaneira excelente (2 Co 12:12,13). O dom da misericórdia
não é assistência!, mas funcional e beneficente. Ele é necessário
no juízo, no ministério, na vida profissional, na saúde e em todos
os serviços. Paulo trata aqui de alguns dos dons ministeriais. Não
podemos fazerdestes dados uma classificação completa dos dons
ministeriais, mas entendemos que o apóstolo está “em primeiro
lugar”, que o profeta está “em segundo lugar” e que o mestre
“em terceiro lugar” na listagem dos cinco ministérios, mas não
pode ser considerado um ministro de segunda categoria. Os
evangelistas aparecem, depois, como “operadores de milagres”
e os pastores exercendo os “governos” locais. Paulo também
trata dos dons gerais nos ministérios como apóstolos, profetas,
bem como os que ensinam, os futuros mestres; trata também dos
operadores de milagres (geralmente testemunhado no ministério
do evangelista); fala dos dons de curar, sendo operados por todos
os que crêem e pelos evangelistas, profetas e apóstolos; fala dos
dons de misericórdia, um dom de serviço que abrange os diáconos,
mas manifesta-se em todos os dons (At 6:2,3). Fala também dos
dons de governos e inclui os administradores, líderes, e líderes
de líderes (bispos, apóstolos ou presidentes). Nesta outra lista
dada por Paulo aos romanos, os pastores são “governos” e os
evangelistas, “operadores de milagres” (Ef 4:11)
Romanos 12:8: Quem tem o dom da exortação, ,
exerça-o com dedicação; o que reparte, faça-o com
generosidade; quem tem o dom da presidência, com
diligência; e quem exerce o dom da misericórdia, com
alegria. 1Mt 6:1-3;At IS:32; 1 Tm5:l7;2Co 9:7}
Este é o dom mais excelente e dele procedem todos os demais
dons. Assim, como no capítulo treze deste livro, Paulo ensina que
o amor cumpre a Lei, o amor anuncia o pagamento do tributo, do
imposto, do respeito e da honra. O amor vence o desejo assassino,
o desejo adúltero, o desejo injusto e ardente da cobiça e o desejo
cruel do roubo. O amor tem poder para controlar os instintos
desenfreados da carnalidade do homem
Romanos 12:9: 0 amor seja não fingido. Aborrecei o
mal, e apegai-vos firmemente ao bem. m>e i:22j
• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A I g r e ja d e t o d o s o s d o n s . O j
CONHECIMENTO DOS DONS ESPIRITUAIS. A

1464
i
Bible C hronos D i N elson

IGNORÂNCIA A RESPEITO DELES CAUSA MUITAS Leitura Bíblica


P essoal
MENINICES
1 Coríntios 12:1: Ora, irmãos, não quero que se­ — __A n o :
jais ignorantes quanto aos dons espirituais, n co /4:i,37; 02 04 06 07
01 03 05
Rm 1:13)
08 09 10 11 12 13 14
Ontem, falavamos aos deuses falsos e mudos 15 16 17 18 19 20 21
1 Coríntios 12:2: Sabeis que, quando gentios, éreis 22 23 24 25 26 27 28
levados sem distinção aos ídolos mudos./;.?://, /z / tsl-9; 29 30 31
SI 115:5; I Pe 4:3)
Hoje, Deus fala em nós
1 Coríntios 12:3: Portanto, eu vos faço saber que nin­
guém, falando pelo Espírito de Deus, pode dizer: “Jesus
é anátema”. E ninguém pode dizer: “Jesus é o Senhor”,
senão pelo Espírito Santo, ujo 4:2,3;Rm9:3; io.-qy í i ||3 /
DADOS ESPECIAIS
• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e ç s a o
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
( 1 6 ) P a u l o e n s in a c o m o c o n v iv e r e m
UNIDADE NA DIVERSIDADE DOS MEMBROS DO
CORPO, 1 Co 12:4-10:
• O utros d o n s , o u t r a s c l a s sif ic a ç õ e s :
(1) A diversidade de dons - O Espírito Santo as opera
(1 Co 12:8-11). A doutrina das diversidades (1 Co 12: 4,5,6)
inclui: diversidade de dons (1 Co 12:4), mas o Espírito é o mesmo;
diversidade de ministérios (1 Co 12:5), mas o Senhor é o mesmo;
diversidade de operações (1 Co 12:6), mas Deus é o mesmo que
opera todas as coisas; diversidade de membros (1 Co 12:20), mas
o corpo é o mesmo. Consideremos que há diversidade de dons (1
Co 12:4), mas o Espírito é o mesmo. Os dons estão divididos em
classificações. Os Dons estão divididos em dons naturais, que são
vocações, inclinações, dons natos. São meios de sobrevivência
de cada personalidade e de cada temperamento. Há também os
dons espirituais que vêm pela capacidade que o Espírito Santo
nos dá para as realizações daquilo que é útil para proveito comum;
alguns deles estão em ICo 12:7. Finalmente, os dons ministeriais,
que são todas as pessoas como dons de Deus dados à Igreja,
ao corpo de Cristo, não à denominação, não exclusivamente à
pessoa do membro, mas ao corpo. É assim que lemos em Efésios
4:11: “O mesmo deu uns para...”. Assim, entendemos que os
dons naturais foram dados para a pessoa. Os dons espirituais
foram dados para o corpo e seus membros, para dirigir o bom
desempenho do corpo inteiro. Depois da diversidade de dons,
vem a diversidade de ministérios. Os ministérios são os dons-
pessoas dados à Igreja. Os dons ministeriais são cooperadores de
Deus: trabalham com Deus. Assim como o Filho, o Pai e o Espírito
Santo eram cooperadores na criação do homem e da mulher, os
ministros são cooperadores de Deus para a construção do edifício
de Deus, a Igreja (1 Co 3:9; Ef 2:21). Eles trabalham de parte
em parte. Não somos completos em nós mesmos. Por isso, não
recebemos todos a recompensa de uma vez. O que diz a Bíblia
em 1Coríntios 3:8: “Cada um receberá seu galardão conforme

1465
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

ao seu trabalho”. Mas todos receberão! Deus não fica devendo Local do E studo :
a ninguém. Os cinco ministérios são os dons ministeriais para
a Igreja. São as juntas e ligaduras (Ef 4:16): “Todas as ligaduras T ema :
que se ajudam mutuamente, segundo a atividade própria de cada
membro, recebem seu crescimento para irem edificando-se em M inistra n te :
amor”. Foram dados para (1) o aperfeiçoamento dos santos (dos
membros). (2) Para a obra do ministério (fazer discípulos). (3)
Para a edificação do corpo de Cristo (terminá-la). O trabalho dos Ca p . inic ia l :
cinco ministérios é preparar o corpo para assumir sua posição de
autoridade imediatamente depois do arrebatamento (SI 149:5-9). Ca p . final :
O objetivo final dos cinco ministérios é a (1) unidade da fé, (2) o
pleno conhecimento do Filho de Deus, (3) o estado do homem D iscípulo :
feito, (4) a medida da estatura da plenitude de Cristo e (5) crescer
em tudo naquele que é a cabeça, ajustado (Ef 4:1 -13; Cl 2:19):
“Bem concertado e unido pelas juntas e ligaduras, vão crescendo
com o aumento concedido por Deus”. Quando há diversidade de
dons e há diversidade de ministérios. É muito grande a diferença
entre os dons e os ministérios. Os dons são manifestações da
capacitação do Espírito em determinado membro para proveito
de todos. Os ministérios, o mesmo que serviços, se tornam o
resultado da manifestação eficiente dos dons. Os dons são
capacidades do membro (mão, pé e ouvido). Os ministérios dos
membros (mãos batendo palmas, pé andando, ouvido ouvindo):
o resultado da manifestação eficiente dos dons dos membros.
Os ministérios dos ministros são o resultado da manifestação
eficiente deles (não dos seus dons, ou não somente de seus dons),
no corpo de Cristo. Dom é a capacidade recebida. Ministério é
a execução desse dom. Por último, a diversidade de operações
é a forma criativa do executador, em nome de Jesus. Tudo o que
o ministro declarar, criar, estabelecerem nome do Senhor Jesus
para proveito da fé e para a glória do Senhor Nosso Deus, será uma
diversidade de operação. A diversidade de operações estão muito
ligada às palavras que Paulo disse: “Digo eu, não o Senhor”. Elas
são aprovadas por Deus na ocasião da demanda, da expectação por
uma palavra, são atitude sobrenatural do ministro para resolver
uma demanda. A falta de conhecimento dos cinco ministérios leva
os membros a não respeitarem o seu líder como enviado de Deus
para a sua congregação local, porque jamais vão compreender,
por si mesmos, os seus temperamentos, as suas visões e as suas
atitudes. Quando os membros conhecem os diversos tipos de
ministérios que há, mudam de atitude em relação à compreensão
do seu pastor. Assim, há mais respeito para com o ministério de seu
líder. Os ministérios em si são diferentes e atuam de acordo com
o seu caráter pessoal, isto é, com o seu temperamento. Dentro do
Corpo de Cristo há lugar para os cinco ministérios e cada um se
manifesta pelo seu temperamento. Entre os diversos títulos que
conhecemos, tais como: bispo, presbíteros e anciãos, na verdade,
significam o mesmo, mas têm diferentes funções, e é por isso que
existem vários significados. Os anciãos eram incluídos entre os
líderes do povo, da mesma forma como os levitas e os sacerdotes.
Mas apenas o sumo sacerdote era o líder, pois só um dos levitas
era o sumo sacerdote, que era equivalente ao presbítero. Moisés
estava sobre eles porque era tipo de Cristo, que é bispo dos bispos.
Moisés e Arão eram presbíteros, mas somente Moisés era o bispo.
Todo grande ministério é resultado de um grande apostolado.
Esse homem de Deus que deu a sua vida, estabeleceu princípios
e doutrina, ordenou e indicou a outros, fundou congregações,
estabeleceu e edificou igrejas, é como um apóstolo de nossos
dias. Este homem tem autoridade para conceder, estabelecer
perdão, excluir, aconselhar, determinar, ligar e desligar. Os

1466
Bible C hronos Di N elson

presbíteros são os cinco ministérios entre eles, e o bispo é aquele Leitura Bíblica
que representa a igreja local e um corpo apostólico (ou ministério, P essoal
ou presbitério), é aquele que representa a Igreja geral, e entre eles
um é eleito. Ministro se unge e se ordena, função se elege. No cargo
MÈS:_______ A n o :
da Igreja primitiva, primeiro foi Pedro, depois Tiago, depois Paulo.
Como o evangelista está no mesmo nível do ministério pastoral, 01 02 03 04 05 06 07
pois é um dos cinco, também é um presbítero. Por outro lado, é
impossivel desconsiderar o bispo (ou o presidente) como sendo
08 09 10 11 12 13 14
um ministro apostólico. Os ministérios são representados por um 15 16 17 18 19 20 21
bispo (ou presidente), mas as congregações são representadas 22 23 24 25 26 27 28
pelos presbíteros, que, biblicamente, na maioria das vezes, se 29 30 31
representam pluralmente.
1 Coríntios 12:4: Ora, há diversidade de dons, mas o
EspíritO é 0 mesmo. (Rm 12:4-7;Hb2:4)
(2) A diversidade de ministérios. O Senhorjesus é quem os realiza
(Ef 4:11-12)
1 Coríntios 12:5: E há diversidade de m inisté­
rios ( “administrações”), mas o Senhor é o mesmo.
(Rm 12:4-7;Hb2:4; Ef4:4,11; I Pe4:10j
(3) A diversidade de operações. Deus é quem opera tudo em
todos
1 Coríntios 12:6: E há diversidade de operações, mas
Deus, que opera tudo em todos, é o mesmo.
As manifestações distribuídas (At 2:3)
1 Coríntios 12:7: Mas, a cada um é dada a manifesta­
ção do Espírito para o proveito comum. (e/4:7j
Os dons são divididos em três classificações: (1) saber, (2) poder
e (3) inspiração
1 Coríntios 12:8: Porque a um, pelo Espírito, é dada
a Palavra da Sabedoria; e a outro, segundo o mesmo
Espírito, a Palavra da Ciência; n co2.-6,7;2Co8:7/
1 Coríntios 12:9: e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé;
a outro, dons de curar, pelo mesmo Espírito; (Mti7:W,2o;
2Co4:l3;l Co 12:28,30)
1 Coríntios 12:10: e a outro, o poder de operar mila­
gres; e a outro, a profecia; e a outro, o dom de discernir
espíritos; e a outro, diversos gêneros de línguas; e a ou­ OBJETIVOS DA OBRA
tro, a interpretação de línguas. icn3:5;Rm /2.-ó; ijo4:i;Atz-4) 1NTERCESSÓRIA DO ESPÍRITO
Santo , em nós e por nós,
• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO: Rm 8:17,26

• O E s p ír it o S a n t o operando em nó s,
Rm 8 : 2 6 ,2 7 :
A fraqueza prenuncia a queda, e a queda é ocasionada pelos
pecados. O que falar ao Pai? O que dizer nesta hora? As palavras
de justificativas não servem e afundam mais nossos pés. Aqui,
temos a diferença entre o cristão salvo e o apóstata. A pessoa
entristecida, caída, ou estando em qualquer outra situação de
fraqueza, não tem palavras para autojustificar-se, e tem vergonha
de pedir perdão uma vez mais. Baseados na justiça efetuada por
Cristo e pela imputação estabelecida, temos direito a um Advogado
no Reino. O Advogado nos atente não porque somos pobres

1467
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

coitados, mas porque a justiça de Deus deve ser feita. O Advogado Local do Estudo :
entende melhor do que nós o livro desta Lei. Ele sabe o poder de
cada palavra que envolve a nossa justificação e o nosso direito de T ema :
restauração. Então, este Advogado pede para falar em nosso lugar.
Ele sabe como fazer. Ele intercedepor nós com gemidos indizíveis,
peculiares. A resposta à sua performance é o perdão. Ele trabalha M injstrante :
conosco e por nós. Conosco, nos convence do pecado que nos
assedia, da justiça a que temos direito, e do juízo que virá se não Ca p. inicial :
mudarmos de postura. Uma ovelha que se desvia dos caminhos
do Senhor tem direito a ser devolvida ao curral. Por isso, o pastor CAP. FINAL:
vem em sua ajuda. Enquanto esta pessoa não morre, deixando
este mundo para receber o juízo, tem acesso ao Espírito Santo
D is c íp u l o :
como seu advogado. Os dons de Deus são irrevogáveis. Eles não
são retirados, quando uma pessoa se desvia dos caminhos do
Senhor. Os dons de Deus permanecem nela, embora estes dons
não atuem, não funcionem fora da comunhão, mas estão ali, e basta
o arrependimento para avivá-los; a natureza do Pai continua no
filho, o modo de ser do Pai ainda é um impacto na vida do filho. O
poder da restauração à comunhão traz de volta o direito de renovar
os dons dados ao membro. Somente se a pessoa rejeitar a salvação, DADOS ESPECIAIS
pela apostasia, estado em que o homem já está condenado mas em
vida, a condenação tornar-se-á realidade sobre a vida da pessoa
desviada. Todo apóstata é um desviado, mas nem todo desviado é
um apóstata. O Espírito Santo conhece bem a ambos
Romanos 8:26: Da mesma forma o Espírito nos
ajuda quando estamos fracos; pois nesta ocasião não
sabemos pedir o que nos convém, mas o próprio Es­
pírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.
SMt20:22; Ef6:181
O Espírito Santo ora em nosso favor porque conhece a vontade
perfeita de Deus para nós. Ele intercede em favor daquilo que
podemos realizar melhor. Ele está dentro de nós e sabe que o
coração é o centro do espírito humano. Ele sabe qual é a intenção
do espírito humano. Por isso, quando permitimos que ele atue, ele
faz o seu trabalho de forma adequada e perfeita
Romanos 8:27: M as aquele que esquadrinha os co­
rações sabe, por isso, qual é a intenção do Espírito, e
conforme a vontade de Deus o Espírito intercede pelos
SantOS. /SI 139:1,2;Lc ló:l5;Ap2:23)
• Texto c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :

• A REVELAÇÃO DOS DONS DE MINISTÉRIOS


a o s E f é s io s : U m só E s p ír it o o d ist r ib u i
PARTICULAR MENTE PARA O QUE FOR
NECESSÁRIO E COMUM, E f 4 : 1 -5:
O fato de Paulo estar preso não era ocasião para que os obreiros
permitissem a libertinagem no seio da Igreja, a ponto de os
santos abandonarem a esperança de sua vocação e a meta do seu
chamado. A vocação e o chamado requerem cuidados contínuos.
A marca do sangue tirado com hissopo da bacia que continha o
sangue do cordeiro nos dias anteriores à saída do povo de Israel
do Egito, já estava nos umbrais da porta de cada casa, mas Deus
fez uma advertência a cada família: não saiam da casa (Êx 12:22).
Devemos permanecer no corpo. A segurança do povo estava na
permanência, na perseverança. Andar segundo a vocação pela
Bible C hronos D i N elson

qual Deus chamou requer que se obedeça às regras do contrato de Leitura Bíblica
nossa fé. Paulo estava preso para que eles estivessem livres. Quem P essoal
sabe, por quantas vezes ele não influenciou leis que tramitavam em
Roma em favor da Igreja de Deus? Isto saberemos na eternidade
M ÊS: — __ A N O : —
Efésios 4:1: Eu, pois, prisioneiro do Senhor, exorto-
vos que andeis conforme a vocação pela qual fostes 01 02 03 04 05 06 07
ChamadOS, ÍJ Ts2:12;Ef3:l;Ctl:10! 08 09 10 11 12 13 14
15 l ó 17 18 19 20 21
Três provas do caráter do amor. Ele não se manifesta com a
roupagem de direito, nem mostra o que tem, nem o que sabe, 22 23 24 25 26 27 28
nem o que pode, isto é humildade. Mansidão é a capacidade de 29 30 31
expressar o seu propósito em meio a uma grande contrariedade
sem se alterar; e longanimidade é a capacidade de ffear a ira, de
dominá-la por muito tempo. Com essas três armas, poderemos nos
suportar. O amor que suporta é o amor que se veste de humildade,
que abre caminho com a mansidão e triunfa contra os oponentes
com a armadura da longanimidade
Efésios 4:2: com toda a humildade e mansidão, com
longanimidade, suportando-vos uns aos outros em
amor, 103:12,13; Ef 1:41
O Espírito é dos três, pois é o vínculo da unidade. Segundo Efésios
4:4, há um só Espírito. Não há o Espírito do Pai, o Espírito do
Filho e o Espírito do Espírito Santo. O Espírito é de Cristo, é do 05 SINAIS DA SALVAÇÃO NA
Pai e é do Espírito Santo. Todos têm o mesmo Espírito, porque NOVA VIDA RESSURRECIA
há somente um Espírito. O espírito que estava em Cristo no seu
ministério é o Espírito do Pai que também é o Espírito de Cristo.
Jesus nasceu depois de gerado pelo Espírito Santo. O mesmo fez Ètr
o papel do espírito humano de Cristo, e como Cristo já era uma
J
alma antes de se encarnar, temos diante de nós duas partes que
já existiam antes da encarnação: espírito e alma. Isto não sucede
com o homem natural. Na ocasião da geração do homem natural,
o espírito vem de Deus e não do Espírito de Deus, ainda que seja
da mesma natureza. Isto permite que o homem continue humano.
Mas, na encarnação de Cristo, o Espírito é o Espírito de Deus, em
pessoa, o que confirma mais e mais a divindade de Cristo. Como
O
somente na unidade do espírito humano com o pó (o sêmen e o
óvulo), o espírito humano é concedido (Gn 2:7) ao homem ainda 11
embrião, Jesus, para nascer com um espírito humano, deveria
ser resultado da união de Maria e José. Mas ele veio da semente
da mulher, por obra e graça do Espírito Santo, pois foi gerado pela
semente de Deus. Logo, ele necessitava de um espírito, e, por isso,
o Espírito de Deus assumiu nele esta lacuna. O Cristo encarnado
na natureza humana recebeu o próprio Espírito divino, enquanto
que o homem, quando gerado, recebe um espírito humano (hálito
de vida). Assim, quando Jesus nasceu, não necessitava nascer de
novo, porque o novo nascimento é o ato de receber o Espírito Santo
em nosso espírito humano. Assim, Jesus, na geração, recebeu
o próprio Espírito Santo no lugar do espírito humano. Assim
podemos compreender o que aconteceu na ocasião da sua morte,
NT

quando ficou só, literalmente, no momento em que entrega o seu


Espírito ao Pai; o vínculo da unidade entre os dois foi retirado.
Em certo sentido, quando o homem peca, sua alma morre para
Deus, mas o seu espírito e o seu corpo continuam vivos. O sentido
da morte para a alma não é mesmo para o corpo, mas significa
separação. O homem natural é uma alma separada de Deus e tem
um espírito separado do Espírito Santo. No caso da morte de Cristo,
o fato foi real. Ele morreu porque seu Espírito foi entregue ao Pai.
Nisto consiste o poder da sua paixão. Seu corpo continuaria morto
e sua alma separada de Deus se o Espírito Santo, que era dele, não

1469
BffiLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

regressasse. Se ele não viesse, estaria realmente morto e ainda na Local do Estudo :
sepultura. Mas, por causa do selo do pai nele (Jo 6:27), ele tinha a
garantia de sua ressurreição Tema :
Efésios 4:3: sendo diligentes em conservar a unidade
M inistra n te :
do Espírito, que é o vínculo da paz; ia3:i4j
Por causa do vínculo entre o Pai e o Filho, não há três deuses,
mas três pessoas unidas com um vínculo inseparável para não C a p. inic ia l :
haver individualidade. Se não houvesse o vínculo, teríamos
três deuses, pois são três pessoas. E porque há um só corpo a CAP. FINAL:
manifestação da unidade é possível. E porque há um só nome,
Jeová, a família divina é uma só. Há um só corpo e as almas da D iscípulo :
divindade compartilham a mesma essência espiritual, assim
como, no homem, em espírito humano e alma, compartilham o
mesmo corpo. A divindade é composta de três pessoas, por isso
são três almas: a alma do Pai, a alma do Filho e a alma do Espírito
Santo. São três almas (pessoas interdependentes), um só Espírito
(natureza), em um só corpo (templo), que é o corpo glorificado
que o Filho recebeu. O corpo da encarnação e da ressurreição:
o Filho, dos três, detém o corpo; o Espírito, a essência dos três, é
uma alma individual como os demais, assim como, no homem, a
mente é instrumento da alma e do espírito, sua essência serve a
ambos, interdependentemente. Textos que falam de Deus como
alma: (a) Hebreus 10:38. (b) Mateus 12:18. (c) Amós 6:8. (d) Salmo
11:5. Textos que falam de Deus como Espírito: (a) João 4:24. (b) 2
Coríntios 3:17. (c) Atos 17:29. A encarnação de Cristo é um grande
mistério, pois, por meio dela, muitas coisas se resolveram (Cl
2:8,9). O problema fundamental da unidade era a falta do corpo.
Agora, o problema não existe, porque há somente um corpo, que
é a manifestação de toda a semelhança divina. Épossível a unidade
da divindade, porque há um só corpo e nenhum deles se revela
individualmente, pois, se assim fosse, seriam três deuses. Por
causa do seu poderoso vínculo de unidade, nunca se manifestam
ou se revelam independentes um do outro, mas sempre unidos,
porque o Espírito Santo é o vínculo. Para onde um vai, o outro
também vai. Ninguém vai ao Pai, senão pelo Filho. Assim, eles se
revelam, por causa da unidade do Espírito, que não permite, por
natureza, a revelação individual de cada um, mas todos se revelam
somente por meio de Cristo (Jo 1:18). Na cruz, se o Espírito Santo
não fosse entregue ao Pai, o Filho não morreria e não haveria
separação entre eles. Quando Jesus entregou o seu Espírito, o
Espírito de Cristo, o homem Jesus morreu
Efésios 4:4: por que há um só Corpo e um só Espírito,
do mesmo modo que há uma só Esperança da vossa
vocação, pela qual fostes chamados; /um \2:S; í co izn , i2;
EJ2:16; 1:18/
A divindade tem três almas. A alma é a pessoa; e elas fazem parte
da mesma família, a família Jeová. O nome de cada uma dessas
almas éjeová. Essas três almas comungam a mesma. Essa unidade
é proporcionada pelo Espírito da Unidade. São uma pluralidade
de pessoas (Ef 4:4-6). Assim é o seu nome, um nome para três
pessoas. E este nome é o Senhor (Jeová). Eles comungam um
só nome próprio. E, por esse nome, têm um só senhorio. Eles
comungam uma só fé, isto é, uma só doutrina de fé. Assim como
o corpo do Filho do homem formou-se um corpo para as três
pessoas, após sua encarnação e ressurreição (Cl 2:2), o Espírito
Santo ofertou a essência em que se move as três pessoas (Ef
4:3-6); as três pessoas: (1) Senhor (Jeová), Ancião de Dias e Pai

1470
V
Bible C hronos D i N elson

dos espíritos; (2) Jeová, o Verbo; (3) o Espírito Santo, a Unidade de Leitura Bíblica
todos. Em Zacarias 14:9, há uma profecia que diz: “Um só será o P essoal
seu nome: Jeová”, fato que se cumprirá quando o Filho se sujeitar
ao Pai (1 Co 15:26-28). Um só batismo. Embora sejam diferentes
M Ê s :_________ A N O :
batizadores, o Espírito batiza os vasos no corpo de Cristo e Cristo
batiza os vasos no Espírito (atos inversos). O próprio Filho batiza 01 02 03 04 05 06 07
o mesmo vaso no Pai, com fogo (espiritual). O vaso é o mesmo, o
crente. Há diferentes batismos, mas, em suma, há um só vaso, pois
08 09 10 11 12 13 14
somos batizados na pessoa do Pai, na pessoa do Filho e na pessoa 15 16 17 18 192021
do Espírito Santo, e como são um, Paulo conclui que há, na verdade, 22 23 24 25 26 27 28
um só batismo. O Espírito Santo nos batiza noF ilho(l Co 12:14). 29 30 31
O Filho nos batiza no Espírito Santo (Mt 3:11). O Filho nos batiza
no Pai com fogo (M t3:11). Isto quer dizer que somos batizados no
mesmo Deus. Logo, há um só batismo
Efésios 4:5: há um só Senhor, uma só Fé, e um só
Batismo;
Cristo orou para que haja em nós, os seus filhos, a mesma unidade
que há na divindade. Um glorifica o outro, os três têm tudo em
comum, um é o instrumento de unidade, outro é instrumento de
revelação e outro é instrumento de criação; um dá testemunho do
outro, e nenhum deles deixa de respaldar o outro em momentos
de crise. Este é o modelo que ele pediu que houvesse entre nós
(Jo 17:21,22). Porque somente uma pessoa da divindade tem
o corpo, há uma única revelação física de Deus. Este é o grande
segredo teológico. Entre os três, um foi escolhido para revelar, por
seu corpo, toda a plenitude da divindade. Isto quer dizer que foi do
agrado de Deus que, em Cristo, habitasse toda a plenitude, isto é,
o Pai, o Espírito Santo no corpo do Filho
• Texto profétiço-confirmatório :
• O Eleito M essias. Fala do mistério escondido
QUE ESTEVE OCULTO EM DEUS DESDE OS TEMPOS
antigos. Ele é C risto (Jo 18:2), Sl 4:3:
Observe o valor da invocação. Invocar é a arte de trazer Deus
presente por intermédio das memórias de suas obras passadas e da
sua glória futura. Invocar é muito mais sublime do que clamar. Ele
nos ouvirá quando o invocarmos
Salm os 4:3: Mas, sabei que o Senhor Jeová separou o
Piedoso como seu. O Senhor Jeová o escutará quando a
ele invocar. ISI3I:23;6:8,9I

• Te x t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o
(CONTINUAÇÃO), E f 4 : 6 -8 :
Efésios 4:6: há um só Deus e Pai de todos, o quai é
sobre todos, e por todos, e em todos, a co&ó;Rmi i.-3ó■
Cristo conhece a medida da graça que necessitamos receber para
executarmos o nosso ministério; ele sabe que a graça nos basta.
Cada ministério tem os seus privilégios e os seus deveres. Cada
ministério tem a sua tentação e a sua provação. A medida certa
de graça para cada ministério é dada de acordo com o dom de
Cristo que um ministro deve executar. Os nomes do Pai. Os nomes
falam das diversas manifestações da personalidade. Vejamos os
nomes que o Pai, por seu amor ou juízo, pode manifestar: Eloim
(Gn 1:1; Sl 19:1). O Deus criador e poderoso. Adonai, Senhor,
senhorio de Deus (Ml 1:6). Jeová (Yahwéh), o Senhor Jeová (Gn
2:4).Jeová-Macadeshem, o Senhor que santifica (Êx 31:13).Jeová-
Rohi, o Senhor meu pastor (Sl 23:1). Jeová-Samá, o Senhor está
aii, ou presente (Ez 48:35). Jeová-Rafá, o Senhor que sara (Êx

1471
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

16:26). Jeová-Tsidkenu, o Senhor nossa justiça (Jr 23:6). Jeová- Local do E studo :
Jiré, o Senhor provedor (Gn 22:13,14). Jeová-Nissi, o Senhor,
nossa bandeira (Êx 17:15). Jeová-Shalom, o Senhor é a nossa paz Tema :
(Jz 6:24). Jeová-Sabaoth, o Senhor das hostes de seu exército (Is
6:1-3). El-Elyon, o mais poderoso Deus (Gn 14:17-20; Is 14:13,14). M inistra n te :
El-Roi, quem é tão forte e vê como o nosso Deus? (Gn 16:12). El-
Shadai, o Deus das montanhas, Todo-Poderoso (Gn 17:1; SI 91:1).
El-Olam, o Deus eterno (Is 40:28-31) C a p . INICIAL:
E fé s io s 4 :7 : Mas a cada um de nós foi dada a graça,
conforme a medida do dom de Cristo, /m 12-3/
Antes da morte de Cristo na cruz, todos os mortos, justos ou D isc ípu lo :
ímpios, estavam sob as cadeias da morte no Hades (ou Sheol);
somente Cristo poderia rompê-las. O problema não era somente
o poder da morte (At 2:31; Ap 2:17). O Hades era também uma
grande prisão. Para esse lugar iam todos os ímpios e todos os
justos, até a morte de Cristo. Depois da morte e da ressurreição
de Cristo, os justos foram trasladados deste lugar para a Nova
Jerusalém (Hb 12:22-23). O Hades é um lugar intermediário e
não é o mesmo que Lago de Fogo (Inferno), mas também não é o
lugar onde os homens purgam os seus pecados depois de mortos, j
Os homens não se purificam por meio do sofrimento da morte
porque não é a morte que redime o homem. Isto deveria ser feito
em vida pelo único meio para a salvação, isto é, a provisão do único
Deus Criador que não poupou o seu Filho, a fim de que todo aquele
que nele cresse obtivesse a vida eterna. O Hades era um lugar
intermediário, não somente para os justos, mas também para os
ímpios. Quanto à morte de Cristo (em seu ministério na morte), j I; 6H
o texto de Isaías 61:1,2 nos diz que Jesus Cristo veio para “liberar
os cativos e executar a abertura da prisão aos presos”. Assim, na ;K
sua ressurreição, os justos foram transportados para o Paraíso de
Deus, a Novajerusalém
Efésios 4:8: Por isso, diz: “Quando ele ascendeu aos
lugares altos, levou cativo o Cativeiro, e deu dons aos
homens ”. isi68:/&n s-.n-, a 2.-isj
j
• Texto profético-confirmatório:
• M essiânico: O oração profética de C risto, j
NA HORA DE SUA MORTE. PEDIA LIVRAMENTO
DAS PORTAS DO SHEOL (HADES). OS JUSTOS QUE i Ç
ESTAVAM NO SEIO DE ABRAÃO FIZERAM A MESMA
ORAÇÃO (Ef 4:8).
Salm os 86:1 3 : Porque a tua misericórdia é grande :
sobre mim; livraste a minha alma das profundezas do j
Sheol. íSi30:3:

• Te x t o co m plem entar e c o m p a r a t iv o I
(CONTINUAÇÃO):
Vestido de Sumo Sacerdote, Jesus saiu do Hades com todos
os santos e foram transportados para a Cidade (Hb 12:22-
24). Reunidos perto de Betânia, se prepararam-se para ser
transportados. As milícias os escoltavam. Subiam como
mergulhadores que vêm em direção à luz da superfície em dia j
de sol. Anjos batedores abriam, em forma de um corredor quase j
interminável, o caminho para que eles passassem. Lá em cima, a
Cidade Celestial irradiava luz pelas portas de pérola. Eram como j
doze luas cheias brilhando no Firmamento. Ali já estavam os
espíritos dos justos aperfeiçoados. Agora, iria entrar a igreja dos

1472
Bible C hronos Di N elson

primogênitos (Hb 12:23,24). A igreja dos primogênitos eram todos Leitura Bíblica
os justos que saíram do Hades com Jesus e que agora, transportados P essoal
por ele desde as partes mais baixas da terra, entraram na cidade. A
cidade preparou-se para eles. Do lado de fora e de dentro cantava-
M ÊS:_________A N O :
se um único hino. Era o Salmo 24. “Levantai, ó portas as vossas
cabeças; levantai-vos ó entradas eterna, e entrará o Rei da glória”. 01 02 03 04 05 06 07
Os anjos, em coro, cantavam, perguntando: “Quem é o Rei da
glória?”. Em coro, respondiam os santos que iam entrando: “O
08 09 10 11 12 13 14
Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na guerra” 15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
Efésios 4:9: Pois bem, que significa “ele ascendeu”, 29 30 31
senão que ele também primeiro desceu às partes mais
inferiores da terra? tjo3:i3)
• TEXTO PROFÉTICO-CONFIRMATÓRIO:
• Um situação de D avi entre os homens
MAUS, TERRÍVEIS, QUE É TIPO DA SITUAÇÃO
que C risto enfrentou na sua m orte ,
NO SHEOL, DEPOIS DE MORRER NA CRUZ
E DE SUA ENTRADA NO TABERNÁCULO
CELESTIAL, QUANDO DESCEU AO SHEOL,
S l 57:4-7:
Salmos 57:4: A minha alma está entre leões, e eu dur- j
mo entre aqueles que estão abrasados. São filhos dos
homens, cujos dentes são como lanças e flechas, e cuja
língua é uma espada afiada. isi35:i7;P/30:i4;Si55:2i,
Salmos 57:5: Sê exaltado, ó Deus, sobre os céus; seja a
tua glória sobre toda a terra. /.« m s/
Salmos 57:6: Eles armaram uma rede aos meus passos;
a minha alma abateu-se. Cavaram uma cova diante de
mim, porém eles mesmos caíram nela. (Seláj ;S! 35:7;
/ 45:14; 7: í 5; Pv28:10;

Salmos 57:7: Preparado está o meu coração, ó Deus,


o meu coração está disposto. Cantarei, sim, cantarei
louvores. ;Suos:t;
• Texto PROFÉTICO-CONFIRMATÓRIO:
• N a OCASIÃO DE SUA DESCIDA NO SHEOL (HADES),
OS HOMENSQUE ESTAVAMNO LUGARDETORMEN TO
LHEROGAVAMQUEALI PERMANECESSE, POIS, COMA
SUA PRESENÇA, ELESTIVERAMALGUNS MINUTOS DE
SOSSEGO, MASELENÃOPERMANECEUALI. DALI SAIU
E RESGATOU OS JUSTOS DO SEIO DE ABRAÃO, QUE
SUBIRAMNOS CARROS DE DEUS (EF 4:9), SL 68:18:
Salmos 68:18: Subiste ao alto ( “S i ã o ”), e levaste ca­
tivo o cativeiro; recebeste dons para os homens, e até
os rebeldes, na sua morada, queriam que o Senhor
Deus habitasse entre eles. <a : w m y - w j z S : ! ? .;


t Tm 1:13/

T e x t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o
(CONTINUAÇÃO):
zH
Somente quem cumprisse a Lei poderia gozar dos privilégios de
entraresairdo Hades sem serimpedido (Rm 10:5-7). Jesus venceu
o pecado que triunfou sobre Adão, cumpriu a Lei que os homens
não conseguiram, e, por isso, recebeu poder para triunfar sobre
o Hades e sobre a morte. Esta foi a razão de seu poderoso triunfo
sobre as portas do Hades: Ele cumpriu a Lei. Por que os justos

(É lllB 1473
llllllli
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

eram levados, depois de mortos, à prisão do Hades, juntamente Local do Estudo :


com os ímpios (Si 88:10,11; Jó 20:17)? O estudante da Palavra
de Deus deve considerar que o Inferno (Lago de Fogo) não é o Tema :
Hades. O Lago de Fogo é o Inferno, que ainda não foi inaugurado.
O Hades não é a sepultura, nem o “purgatório”. Outro detalhe M inistrante :
que os estudiosos da Palavra de Deus devem considerar é que
Satanás não está no Inferno, nem é a sua atual morada; nem
devemos lançar fora demônios para o Inferno. Satanás habitará Ca p . inicial :
nas Regiões Celestes até o dia em que for lançado de lá por
Miguel e os seus anjos (Ap 12:7-12). Isto quer dizer que as frases Cap. f in a l :
evangelísticas de efeito como esta: “Nós vamos mandar o diabo
para o Inferno...”, ou: “Eo diabo chegou cheio de fogo do Inferno”, D isc ípu lo :
como se ele pudesse entrar ali e sair, é falta de conhecimento.
Segundo a Palavra de Deus, no Armagedon, Satanás será atado e
lançado no Abismo. Ali ficará por 1000 anos. Depois, será lançado
definitivamente no Inferno, após a última batalha de Gogue e
Magogue (Ezequiel fala de duas guerras, uma no cap. 38 e outra no
cap. 39; uma, mil anos antes j uízo do Trono Branco, e outra, no fim
do milênio). Em Apocalipse 12:8, temos registro de que o lugar de
Satanás está nas Regiões Celestes, de onde será lançado no meio DADOS ESPECIAIS
da Grande Tribulação. Antes da morte de Cristo na cruz, todos
os mortos, justos ou ímpios, estavam sob as cadeias da morte. O
problema não era somente a morte (At 2:31; Ap 2:17). O Hades
também era uma grande prisão. Nós vemos na Palavra de Deus
como o “Inferno” é confundido com o Hades (do mesmo término
hebraico: “Sheol”). Para láiam todos os ímpiose justos, atéa morte
de Cristo. Depois da ressurreição dejesus Cristo, os justos foram
trasladados deste lugar para a Nova Jerusalém (Hb 12:22-23). O
Hades é um lugar intermediário, antes do verdadeiro Lago de Fogo
(Inferno). Depois da vitória de Cristo em sua obra expiatória e sua
entrada no Hades, tudo o que Adão havia perdido seria resgatado
(Ap 1:18). Efeitos de sua vitória na Cruz. Porque Jesus venceu a
morte, podemos crer na ressurreição. Porque venceu o diabo,
podemos crer que o Hades não nem tem poder para deter a Igreja.
Aqueles que crêem em Cristo não mais passarão pelo Hades. Até
a morte de Cristo, o Hades era uma prisão, tanto para os ímpios
como para os justos, e de lá ninguém podia sair, a não ser pela
ressurreição,direito reservadosomenteaDeus(Lc 16:31): “Senão
escutam a Moisés e aos profetas, tão pouco crerão, por mais que
ressuscite alguém dentre os mortos”. O rico, no Hades, queria que
Lázaro tivesse permissão para sairdali, a fim de pregar o Evangelho
para seus cinco irmãos, que ainda estavam vivos. Mas tal pedido
lhe foi negado. Abraão rompe o silêncio e vaticina, dizendo: “Se
Lázaro tivesse que sair daqui, deveria ser pela ressurreição, mas
não serviría para nada”. Ninguém podia sair do Hades, a não ser
por meio de uma ressurreição. No caso do outro Lázaro, irmão de
Marta, foi ressuscitado compulsoriamente, porque ele voltaria
para o Hades. A alma de Lázaro passou quatro dias no Hades,
antes de sua ressurreição. Depois, ele tornou a morrer e saiu de
lá quando Cristo ressuscitou. Quandojesus chegou ao Hades, os
justos testemunharam, diante dele, a realização da sua esperança.
Jó disse: “Acaso descerá comigo até as portas mais profundas
do Sheol?” (Jó 17:16a). A vitória de Cristo: Jesus foi ungido para
vencera morte e o Sheol (Is 61:1;Jo 6:27; A t2:24-32). À missão
de Cristo na morte era libertar os cativos e proclamar a abertura
da prisão dos justos que lá estavam. Assim, Samuel jamais esteve
com Saul depois de sua morte. Ninguém podia sair do Hades, a
não ser pela ressurreição. Ele era um prisioneiro no Hades, por
mais que fosse justo. Os santos j ustos permaneceram lá no Hades
até o aparecimento da Luz (Is 9:1,2). A Luz apareceu diante deles

1474
Bible C hronos D i N elson

quando estavam nas regiões das trevas e da morte. A trajetória de Leitura Bíblica
um homem morto, antes da ressurreição de Cristo. ( 1 ) 0 espírito P essoal
humano regressa a Deus. (2) A alma, a pessoa propriamente
dita, ia ao Hades, tanto a dos justos como a dos ímpios, antes da
M ê s : ___ Ano:
morte de Cristo. Agora, somente a alma dos ímpios vai ao Lugar
de Tormentos. Antes, a alma dos justos ia para o Seio de Abraão, 01 02 03 04 05 06 07
e a alma dos ímpios, ao Lugar de Tormento. (3) O corpo ficava na
08 09 10 11 12 13 14
sepultura. O corpo dos justos espera a ressurreição dos mortos,
antes do arrebatamento da Igreja. Os corpos dos ímpios somente 15 16 17 18 19 20 21
ressuscitarão depois do Reino Milenar de Cristo, na ocasião do 22 23 24 25 26 27 28
Grande Tribunal do Trono Branco, na segunda ressurreição (Ap 29 30 31
20). O caso particular de Cristo. (1) Seu espírito foi entregue ao
Pai. (2) Sua alma foi ao Hades. (3) Seu corpo ficou na sepultura,
esperando a ressurreição. Porque ele havia cumprido a Lei e o seu
sangue puro nenhuma bactéria podia tocar-lhe. O caso de Abraão
como exemplo: (1). Abraão, por exemplo: Seu corpo estava na
sepultura sua alma no Hades e o seu espírito foi para Deus. O Hades
estava dividido em três partes: Seio de Abraão, Lugar de Tormentos
e Abismo. Que acontece depois da morte? A alma de todos os te se
que morrem é levada do corpo e passa pela Região da Sombra da DADOS ESPECIAIS
morte, o “Riojordão”, nas regiões espirituais. Ninguém consegue
passar por essa Região sem o sinal da fé (Lc 16:22). Esse lugar é tão
horrível como o próprio Hades (SI 23:4). Tanto os justos como os
ímpios passam por esta região. Ali é o lugar onde se verifica o selo
do proprietário daquela alma. Dependendo do selo, verifica-se
se pode ou não passar para o outro lado, o Paraíso de Deus (que
antes ficava no Hades, mas hoje está na Nova Jerusalém) ou se
aquela alma (Ef 1:13) deverá ser enviada ao Hades. Somente com
a ajuda dos anjos de Deus, a pessoa que possui o selo da promessa
passa para o outro lado. Assim, os ímpios que não contam com
este certificado são entregues nas mãos dos anjos caídos, que os
levam até o Lugar de Tormento. Antes da morte de Cristo, este era o
trâmite contínuo. Com a ressurreição de Cristo, todos os justos que
estavam no Paraíso foram transportados para a Nova Jerusalém
Celestial. Mas, mesmo depois de sua morte e ressurreição,
os ímpios continuam indo para esse Lugar de Tormento
(Hb 12:22-24)
Efésios 4:10: E aquele que desceu é o mesmo que
também ascendeu acima de todos os céus, a fim de
cumprir todas as coisas. ijo3:i3;m7:26;ió iz.-s-ióí
• T exto profético-confirmatório:
• O Salmo profético sobrl a rlssur-reição f.
ASCENSÃO DE CRISTO: A ENTRADA APOTEÓTICA DE
D eus na cidade , quando vier para visitar a
TERRA (E f 4: 10), Si.47:5,6:
Também um texto messiânico a respeito de sua subida do Sheol
à terra e da terra aos Céus, na sua ascensão (SI 68:17,18). Até o
verso seis, fala também da sua recepção na glória, depois de sua
ascensão
Salmos 47:5: Deus subiu no meio das aclamações
de júbilo, o Senhor Jeová subiu ao som do shofar.
■Si68:33; 68:6!
Os reis da terra serão trazidos aJerusalém para adorar. Começa o
reino milenar de Cristo
Salmos 47:6: Cantai louvores a Deus, cantai lou­
vores; cantai louvores ao nosso Rei, cantai louvores.
iS!68:4; 86:! 8!

1475
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

• T e x t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o Local do E studo :
(CONTINUAÇÃO): T ema :
Os cinco ministérios são os elementos vitais da missão da Igreja
na terra. Eles funcionam em um presbitério (ou ministério) j
M inistra n te :
plural que tem um objetivo singular, a edificação do corpo de
Cristo. O apóstolo é o primeiro porque ele é o único capaz de
realizar todos os demais ministérios com frutos e atuações CAP. INICIAL:
inquestionáveis. Quem quiser atrever-se a se autodenominar um
apóstolo deve mostrar os sinais de seu ministério como pastor
CAP. FINAL:
(igrejas estabelecidas, organizadas e em funcionamento), como
mestre (tendo feito discípulos instruídos na Palavra de Deus),
como profeta (com direção e conselho profético confirmados D isc ípu lo :
na Palavra e pela Palavra de Deus, não com adivinhação, mas
com exortação, edificação e consolação), como evangelista (com
curas e milagres, prodígios e sinais que o seguiram). Não é um
título, é uma função de liderança. Os ministérios são dons pessoais
dados à Igreja. Os dons ministeriais são cooperadores de Deus,
e trabalham com Deus. Assim como o Filho, o Pai e o Espírito
Santo foram cooperadores na criação do homem e da mulher, os
ministros são cooperadores de Deus na construção do edifício
de Deus, a Igreja (1 Co 3:9; Ef 2:21). Eles trabalham de parte
em parte. Não somos completos em nós mesmos. Por isso, não
recebemos todos a recompensa de uma vez. ( 1 )0 apóstolo lança
os fundamentos. (2) O profeta é o fiscal. (3) O pastor constrói sobre
os fundamentos. (4) O evangelista enche a casa. (5) O mestre
ordena a casa de acordo com as instruções do manual. Dentro
dos modelos Família,Patriarcado, Sacerdócio, Profeta, Juizado
e Reino que existem em toda a Palavra de Deus, temos um que
é o mais difícil: o ministério profético. O sistema atual na Igreja
gira em torno de um só homem, muito conhecido como “pastor”.
O termo grego Poimen, que significa pastor, aparece no Novo
Testamento somente uma vez, significando realmente pastor
(Ef 4:11). As demais vezes que aparece é traduzido como guia
do rebanho ou guia espiritual. Isso implica em uma função e não
em um título. A palavra pastorear é igual a: apascentar, dirigir,
instruir, alimentar. Este é um termo de responsabilidade e não de
um título. Sempre aparece no plural e nunca no singular. A Igreja
criouum sistema ao redordapalavra“pastor”.Efésios4:l 1 fala de
outros quatro ministérios dados para equipar os santos. Portanto,
nosso sistema somente provê espaço para um só ministério, o de
pastor. Isto cria um problema muito grande, pois todos querem ser
chamados “pastor”. Porisso, determinados mestres (1) ensinam
que os apóstolos e os profetas deixaram de existir com a morte
do último apóstolo. (2) Outros dizem que a autoridade deles não
existe mais. 3) Outros dizem que pode haver apóstolos e profetas,
mas que não podem ser chamados desta maneira. 4) Outros dizem
que, por causa do nosso sistema financeiro, não é apropriado ter
mais de um ministro na Igreja. Assim, a liderança acaba tornando-
se refém de empresários sem compromisso cóm a santidade de
Deus, profissionais liberais sem conhecimento da Palavra de
Deus, leigos orgulhosos e outros sábios segundo o seu próprio
entendimento, que formam conselhos, presbitérios e diaconatos,
a fim de servirem de oposição ao líder principal da igreja. Isto
acontece pela falta do uso da pluralidade de ministérios que Deus
deu à Igreja (pastores, profetas, evangelistas e mestres). Esses
ministérios conhecem os mandamentos do Senhor, e estão sob a
unção de Deus, atuando ao lado do seu líder principal
Efésios 4:11: Por isso, ele mesmo constituiu a alguns
para apóstolos; e a outros, profetas; e a outros, evange­
listas; e a outros, pastores e doutores; n co í2:28;Ai / 1:2/;
21:8;2 Tm4:5; Rm 12:7}
Bible C hronos Di N elson
A edificação do corpo por meio dos dons de liderança e dos dons Leitura Bíblica
de serviço: Paulo escreve uma lista em Romanos, que podem
P essoal
ser relembrada aqui 12:6-8: (1) Apóstolo, “em primeiro lugar,
apóstolos”. (2) Profeta, “em segundo lugar, profetas”. (3) Mestre,
“em terceiro lugar, mestre”. (4) Evangelista, “depois operadores M ê S:_ ANO:
de m ilagres”. (5) Pastor, “governos”. Os dons gerais dos
ministérios são apóstolos, profetas, mestres (pastores), operadores 01 02 03 04 05 06 07
de milagres (evangelistas), dons de curar (operados por todos os 08 09 10 11 12 13 14
que crêem), dom de misericórdia (diáconos, At 6:2,3); governos 15 16 17 18 19 20 21
(operados pelos administradores, burocratas, provedores, etc.);
variedades de línguas (os edificadores devocionais, tais como: os 22 23 24 25 26 27 28
ministérios de louvor, adoração, diretores de culto). Para a obra do 29 30 31
ministério, os dons ministeriais têm um fim: a obra do ministério.
Os cinco ministérios são compostos de pessoas que são dons de
Deus dados à Igreja, isto é, ao corpo e não à denominação, mas,
sim, ao corpo de Cristo. É assim que lemos em Efésios4:l 1: “Ele
mesmo constituiu a alguns ”. Os dons naturais são dados às pessoas
e os dons espirituais são dados aos membros do corpo de Cristo. Os
dons ministeriais foram dados para dirigir o bom desempenho do
corpo inteiro e para a obra do ministério. Quando há diversidades
de dons, há diversidades de ministérios. A diferença entre os dons
e os ministérios: (1) Os dons são manifestações da capacitação
dada pelo Espírito a determinado membro para proveito de todos.
(2) Os ministérios, o mesmo que serviços, são o resultado da
manifestação eficiente dos dons, para a edificação do corpo de
Cristo. Efésios 4:12-15: Por que ele queria a perfeição dos santos?
O que significa ser perfeito? (1) Querendo a perfeição dos santos
para a obra do ministério - isto é, que a obra do ministério não
fosse feita de qualquer maneira, sem preparo, sem educação, sem
instrução; (2) querendo a perfeição dos santos para a edificação | fg |;
do corpo de Cristo - isto é, a edificação do organismo de Cristo era
mais importante do que a edificação de templos, Líderes há que
crêem que, construindo templos, autenticam o seu ministério. j Ué
Por isso, têm seus templos riquíssimos e um povo pobre na fé, na
doutrina e no conhecimento
Efésios 4:12: querendo a perfeição dos santos, para a
obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo;
{2Co 13:9;Ef1:23; l Co 12:27:
Por que ele desejou o aperfeiçoamento dos santos? (3) querendo
a perfeição dos santos até que todos chegássemos à unidade da
mesma fé - isto é, a unidade deve ser na fé e não em complôs,
nem em partidos, nem em metas políticas; a unidade pela qual
lutamos é a unidade da fé; (4) querendo a perfeição dos santos
no conhecimento do Filho de Deus - isto é, conhecer a Cristo
plenamente para que a Igreja conheça o seu esposo e o anele
Efésios 4:13: até que todos cheguemos à unidade da
mesma fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a um
estado de Varão Perfeito, conforme a medida da estatu­
ra da plenitude de Cristo; (C12:2;I Co14:20;Cl 1:28:
NT

(6) querendo a perfeição dos santos para que não mais fôssemos
meninos inconstantes, facilmente levados por todo vento de
doutrinas, presos pelas artimanhas dos homens fraudulentos que
induzem ao erro - isto é, que cresçamos, e não nos vangloriemos
que som os filhos, sem nenhum crescimento (G1 4:1), pois
enquanto o herdeiro é menino é semelhante ao servo
Efésios 4:14: para que não mais sejamos meninos
inconstantes, facilmente levados em círculo por todo
vento de doutrina, pelas artimanhas dos homens
1477
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

fraudulentos que induzem ao erro. m i3-.q; / co i4:2o; Local do Estudo :


Tg 1:6;Efó: 11/
T ema :
• T ex to COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
M inistrante :
• A REVELAÇÃO AOS C O R ÍN T IO S ,
1 CO 1 2 :1 1 -2 6 : Ca p . inicial :
1 C oríntios 12:11: Mas todas estas coisas as opera
Cap. fin al :
um só Espírito, e é o mesmo que as distribui a cada um
como quer. ! 2 C o W : í3 ; H b 2 : 4 } D isc ípu lo :
(4) A diversidade de membros em um só corpo. Diversidade de dons
(1 Co 12:4) Mas o Espírito é o mesmo. A classificação dos dons.
(1) Naturais: vocações, inclinações, dons natos. São meios de
sobrevivência de cada personalidade e de cada temperamento.
(2) Espirituais: a capacidade que o Espírito Santo nos dá para a
realização daquilo que é útil, para proveito comum (1 Co 12:7).
(3) Ministeriais: são todas as pessoas como dons de Deus dados à
Igreja, ao corpo: não à denominação, mas ao corpo. É assim que DADOS ESPECIAIS
lemos em Efésios 4:11
1 Coríntios 12:12: Porque, assim como o corpo é
um, e tem muitos membros, mas todos os membros,
embora sendo muitos, são um só corpo, assim também
é Cristo. (Rm12:4;G13:16)
(4) O batismo no corpo de Cristo feito pelo Espírito Santo
1 Coríntios 12:13: Pois, em um só Espírito, todos nós
fomos batizados para ser um só corpo, sejam judeus ou
gregos, sejam escravos ou livres; e a todos nos foi dado
a beber de um Espírito. i c / 2 : i 8 ; C / 3 . - 2 8 ; c i 3 : i i ; j o 7 : 3 7 3 9 ;
1 Coríntios 12:14: Porque também o corpo não é um
único membro, mas composto de muitos.
1 Coríntios 12:15: Se o pé disser: “Porque não sou
mão, não sou do corpo; por isso deixará de ser do
corpo?”
O respeito entre os membros
1 C oríntios 12:16: E se a orelha disser: “Porque não
sou olho, não sou do corpo; por isso deixará de ser do
corpo?”
Os diferentes membros trabalham em favor de todo o corpo
1 C oríntios 12:17: Se o corpo todo fosse olho, onde
estaria o ouvido? Se todo corpo fosse ouvido, onde
estaria o olfato?
A soberania e o livre-arbítrio de Deus na vocação de cada
membro
1 C o rín tio s 12:18: Mas, agora, Deus colocou
cada um dos membros no corpo, como ele quis.
/ / Co 12:11,28)
Um corpo é composto de muitos membros e não um membro é
composto de muitos corpos
Bible C hronos Di N elson

1 Coríntios 12:19: Se, porém, todos eles fossem um Leitura Bíblica


só membro, onde estaria o corpo? P essoal
1 Coríntios 12:20: Mas, agora, são muitos membros,
M ÊS: Ano:
mas um só é corpo.
A importância de cada um dos membros 01 02 03 04 05 06 07
1 Coríntios 12:21: Nem o olho pode dizer à mão: 08 00 10 11 12 13 14
“Não tenho necessidade de ti”; nem tampouco a cabe­ 15 16 17 18 19 20 21
ça aos pés: “Não tenho necessidade de vós”. 22 23 24 25 26 27 28
Os membros mais fracos e importantes
29 30 31
1 Coríntios 12:22: Antes, os membros do corpo que
parecem ser os mais fracos, são os mais necessários;
Os membros mais revestidos e os menos decorosos
1 Coríntios 12:23: e aqueles membros do corpo que
nos parecem menos dignos, a esses vestimos com mais
dignidade; e aqueles que em nosso corpo são menos de­
corosos, tratamos com revestimento de mais decoro,
A honra é dada àquele que tem mais falta dela
1 Coríntios 12:24: porque aqueles que em nosso cor­
po são mais decorosos, não têm necessidade de decoro.
Mas Deus compôs a ordem do corpo, dando muito mais
abundante honra àquele que tinha falta dela,
0 dever de cada membro
1 Coríntios 12:25: para que não haja divisão no cor­
po, senão que os membros tenham o mesmo cuidado
uns pelos outros.
A solidariedade na dor e na honra entre os membros
1 Coríntios 12:2ó: De maneira que se um membro
sofre, todos os membros sofrem com eie;e,seum mem­
bro recebe honra, todos os membros se regozijam junto
com ele.
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e o s a o j
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
(1 7 ) P a u l o r ev ela q u a is s ã o o s d o n s
MINISTERIAIS, MOSTRANDO A DIFERENÇA
ENTRE OS DONS MINISTRADOS E OS MINISTROS-
DONS, 1 CO 1 2 :2 7 - 3 1 :
1 Coríntios 12:27: Ora, vós sois o corpo de Cris­
to; e, particularmente, seus membros. (Efi:23;5:3o;4:t2;
C! 1:18,24;Rm12:5}
(2) A diversidade de ministérios. Os membros que necessitam de
honra. Quando Jesus esteve realizando o seu ministério terreno,
o Espírito Santo havia sido prometido aos seus discípulos porque
Jesus (1) sabia que o Espírito havia sido tirado da terra (Gn 6:3),
(2) sabia que o Espírito não podia ser dado aos discípulos até que
ele fosse glorificado, até a hora em que seus discípulos fossem
regenerados e recebessem o Espírito. Por isso, orava para que o Pai
o glorificasse. Ele sabia que a sua glorificação liberaria o Espírito à

1479
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

terra (Jo 7:37-39). Esse era o principal fator de sua vinda, glorificar Local do Estudo :
o Filho, como o Filho havia glorificado o Pai. Jesus queria que o
Espírito Santo enchesse cada um dos seus discípulos e não os T ema :
possuísse. Jesus sabia que a possessão era temporária e que ela
tirava a identidade individual; sabia que a possessão sujeitava a M inistra n te :
mente e o espírito humano; que a possessão era perigosa, porque
uma pessoa podia ser cheia do Espírito Santo e, depois de ser
usada, posteriormente, podia seguir a sua própria vontade, sob C a p. inicial :
os domínios da carne, como aconteceu com Sansão e com muitos
outros que temporariamente foram usados pelo Espírito Santo. CAP. FINAL:
Jesus queria que o Espírito Santo permanecesse com os seus
discípulos e que ele também não os abandonasse por causa do D iscípulo :
ato do pecado, mas que os convencesse disso: da justiça e do
juízo. As ferramentas da Igreja. Os Dons do Espírito Santo. A
classificação dos dons espirituais (não confundir com os sinais).
(1) Dons de poder: manifestam o Espírito de Poder (1 Co 2:4):
(a) dom da fé; (b) os dons de curar - conforme a diversidade de
operações sobre as doenças. Não ocorre quando há possibilidades
humanas pendentes no coração do enfermo. Mas, quando ele
crê unicamente que somente Deus pode curar, então há cura!
Deus nunca abomina a ciência que ele mesmo inspirou, (c) Dom
de operações de maravilhas. Esse dom manifesta coisas que são
realmente sobrenaturais. Não são curas, mas sim operações de
maravilhas. Este é o dom que mais necessita da diversidade de
operações. (2) Os dons de inspiração e edificação, (a) Profecia.
Não confundir o ministério de profeta com o dom de profecia.
Aquele que tem o dom de profecia profetiza. Aquele que tem
ministério de profeta necessita das classificações seguintes: o
que é profeta (Ef4:l 1) não usa “necessariamente” das línguas e
de sua interpretação (At 21:8-11). Aí vemos (At 21) um profeta,
um evangelista e quatro jovens que profetizavam. O profeta
diz: “Assim diz o Espírito Santo”; assim são os profetas do Novo
Testamento. Mas alguns dizem: “Assim diz o Senhor”, porque
o Senhor é o mesmo. O que profetiza fala em línguas, interpreta
(ou é interpretado) e gera a profecia. Paulo trata dessas três
classes de dons em um só capítulo. É por isso que ele diz que a
profecia é o melhor dos dons, porque é a unidade dos três dons
(1 Co 14): variedade de línguas e interpretação de línguas, (b)
Variedade de línguas. Não confundir variedade de línguas com
sinal de línguas (Mc 1ó: 15-18). As outras línguas são sinais, mas
a variedade de línguas servem para muitas outras necessidades,
não só para simples sinais, como vemos em Atos 2:4. Aqui se
trata de variedade de línguas. Em Dn 5:25, vemos as línguas
interpretadas depois de serem escritas na parede. Hoje, essas
línguas são faladas e interpretadas porque estão no corpo. Uma
palavra em línguas tem muitos significados. “Meme”. Nenhum
sábio da terra conhecia o seu significado. Daniel não as traduziu,
mas as interpretou: “Contou” “Deus”, “reino”, “acabou”, fora
os pronomes e os artigos. Muitas vezes, as pessoas falam uma
espécie de línguas e o fazem com vergonha, porque é apenas
uma espécie; mas a pessoa pode buscar a variedade conforme à
medida de sua fé. A Bíblia diz que há muitas espécies de vozes no
mundo, mas todas têm o seu significado; é o mesmo no mundo
espiritual (1 Co 14:10). (c) Interpretação de línguas. Não confundir
a interpretação com tradução de Línguas. A interpretação será
conforme o que o Espírito Santo põe no interior do espírito do
intérprete. Porque a intimidade da Igreja é grande: abre a porta
aqui na terra, assim é feito paralelamente no céu. Um profeta não
é profeta somente porque ele escuta Deus falar e ele fala, mas
também porque ele fala pela fé e Deus o cumpre. (4) Os dons de

1480
Bible C hronos D í N elson
revelação e saber, (a) Palavra de sabedoria. Em direções, decisões, Leitura Bíblica
conselhos, em problemas doutrinários, em litígios e em ocasiões P essoal
propícias, (b) Palavra de ciência (ou conhecimento). Revelações
sobrenaturais sobre as coisas do passado, do presente e em
determinadas ocasiões, do futuro próximo ou de locais distantes. M fiS :„ _____AN O :____
Conhecimento revelacional da Palavra de Deus. Conhecimento
experimental, empírico, da Palavra de Deus, com aplicação de
01 02 03 04 05 06 07
textos a determinadas e variadas situações que trazem decisão 08 09 10 11 12 13 14
sobre diversos cargos, (c) Discernimento de espíritos (plural): 15 16 17 18 19 20 21
humano, divino ou intenções humanas. Não é desconfiança. Onde 22 23 24 25 26 27 28
tudo é baseado na desconfiança. Não é julgamento, onde tudo é 29 30 31
baseado em preconceitos forjados. É saber o cerne da questão, é
discernir! É ver o que acontece agora: a motivação, inversão dos
valores. Os dons ministeriais, (a) Façamos uma classificação dos
dons ministeriais de liderança. Apóstolo: “Em primeiro lugar,
apóstolos”. Profeta: “Em segundo lugar, profetas”. Mestre: “Em
terceiro lugar, m estres”. Evangelista: “Depois operadores de
milagres”. Pastor: “governos”, (b) Dons gerais dos ministérios.
Apóstolos, profetas, mestres, operadores de milagres: operado
pelo evangelista, geralmente. Dons de cura: operados por
todos os que crêem! Misericórdia: operado pelos diáconos (At
6:2-3). Governos: os administradores (burocratas, financeiros,
provedores, etc.). Variedades de línguas: os edificadores
devocionais (ministérios de louvor, adoração, culto). Nesta lista,
os pastores e os evangelistas não entram, claramente, mas estão
citados em Efésios 4:11
1 Coríntios 12:28: E a uns Deus designou na igreja,
primeiramente, como apóstolos; em segundo lugar,
como profetas; em terceiro, como mestres; depois, or­
denou operadores de milagres; depois, dons de curar,
dons de socorros, dons de governos, e diversos gêne­
ros de línguas. !U/4: ll; 2:30;3:5;Rm !2:0,8; 1 Co 12:0.101
(3), [ 1] Diversidade de ministérios e de dons
1 Coríntios 12:29: São todos apóstolos? São todos
profetas? São todos doutores? São todos operadores
de milagres?
1 Coríntios 12:30: Todos têm dons de curar? Falam
todos diversidades de línguas? Interpretam todos?
(1 Co 12:10)
Os melhores dons são aqueles que encabeçam as classificações,-
por exemplo, a profecia é maior do que a variedade de línguas
e o dom de interpretação de línguas. E o caminho excelente é o
amor
1 Coríntios 12:31 : Procurai, pois, com zelo, os me­
lhores dons. Mas eu vos mostrarei um caminho ainda
mais excelente. // co 14:1,39)

• T ex t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :
• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e o s a o
PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM ÉFESO.
(1 8 ) P a u l o r e spo n d e d iz e n d o q u e o a m o r íp
É UM DOM SUPERIOR, APTO PARA MEMBROS E

1481
BffiLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

MINISTÉRIOS. O QUE É O AMOR, A ETERNIDADE Local do E studo :


DO AMOR, 1 C o 1 3 : 1 -1 3 :
Tema :
A comunicação sem amor: friae limitada
1 Coríntios 13:1: Ainda que eu falasse as línguas hu­ M inistrante :
manas e angelicais, e se em mim não houvesse amor,
seria como o metal que soa ou como o címbalo que CAP. INICIAL:
retine.
Os quatro ministérios (profeta, apóstolo, mestre e evangelista) CAP. FINAL:
sem o amor pastoral
1 Coríntios 13:2: E ainda que tivesse o dom de pro­ D iscípulo :
fecia, e entendesse todos os mistérios e toda a ciência,
e se tivesse toda a fé, de maneira tal que transladasse
os montes, e não houvesse em mim amor, nada seria.
(At 13:1; / Co 14:l;Mt7:22; I Co !2:Q;Mt 17:20,-21:21!
A assistência social sem amor
1 Coríntios 13:3: E se distribuísse todos os meus bens
para dar de comer aos pobres, e se entregasse o meu
corpo para ser queimado, mas se não houvesse amor,
nada disso me serviría. (Mt6:2i
0 amor é sofredor como o de Sara, benigno como o de Abigail, não
é invejoso como o de Jônatas, não se vangloria como o de Paulo, e
não se ensoberbece como o de João
1 Coríntios 13:4: O amor é paciente, é benigno; o
amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se
ensoberbece, sPvio-.n-, i PeJ.-s,
0 amor não é inconveniente como o de Silas, nem busca o seu
interesse como o de Davi, não se irrita como o de Lucas, nem
suspeita mal como ode Barnabé
1 Coríntios 13:5: não se comporta indecorosamente,
não procura os seus próprios interesses, não se irrita e
não suspeita o mal;
Não se regozija com a injustiça, como o de Gaio
1 Coríntios 13:6: não se regozija com a injustiça, mas
regozija-se com a verdade; (Fp2:4; i coiO:24;2Co5:iQj
Tudo sofre, como o amor de Daniel; tudo crê, como o amor da
multidão que seguia a Cristo; tudo espera, como a Igreja a seu
Esposo; e tudo suporta, como você
1 Coríntios 13:7: tudo sofre, tudo crê, tudo espera,
tudo suporta, m ís -.í; icoq.-/2>

0 amor jamais acaba, tal como o amor do Pai
1 Coríntios 13:8:0 amor jamais falha; mas as profe­
cias se acabarão; as línguas cessarão; e a ciência desa­
parecerá; Í1Co13:1,21
Usando os dons
1 Coríntios 13:9: porque em parte conhecemos, e em
parte profetizamos, u Cose.:
Quando executamos os ministérios
1 Coríntios 13:10: Mas, quando vier a perfeição,
então aquilo que é em parte será abolido.
1482
Bible C hronos Di N elson

Usando os dons (1). A maturidade busca o que é perfeito ç Leitura Bíblica


transforma menino em ministro P essoal
1 Coríntios 13:11: Quando eu era menino, falava
como menino, pensava como menino, julgava como M ÊS:_________A N O :___

menino; mas, quando cheguei a ser homem, deixei as 01 02 03 04 05 06 07


coisas de menino. 08 09 10 11 12 13 14
Usando os ministérios (2). Hebreus 5:12; 6:1 -3 15 16 17 18 19 2021
1 Coríntios 13:12: Porque agora vemos como por 22 23 24 25 26 27 28
espelho, obscuramente; mas, então, veremos face a 29 30 31
face. Agora conheço em parte; mas, então, conhece­
rei como também SOU conhecido. (2Co5:7;Fp3:12;lJo3ã
! Co 8:3}
A fé do Filho, o amor do Pai e a esperança do Espírito
1 Coríntios 13:13: Agora, portanto, permanecem a
fé, a esperança e o amor, estes três; mas o maior deles
é o amor. uco i6.-i4; / n u j
• T ex to COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A c o n t e c im e n t o s contem porâneos
AO PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM
Éf e so . ( 1 9 ) Pa u l o r e so l v e e n s in a r e m
UM ÚNICO PARÁGRAFO A RESPEITO DOS
DONS DE INSPIRAÇÃO (PROFECIA, LÍNGUAS E
INTERPRETAÇÃO), 1 CO 1 4 :1 -2 5 :
Seguindo o amor com todo o zelo encontraremos os dons
espirituais. A terceira classificação dos dons, a de Inspiração,
é estudada particularmente no cap. 14. Das três classificações,
somente esta é vista à parte; pois usa a língua como seu principal
elemento
1 Coríntios 14:1: Segui o amor e procurai ardente­
mente os dons espirituais, mas, sobretudo, o de profe­
tizar. !1Co 16:14; !2:3i; 12:1; 13:2!
A variedade de línguas
1 Coríntios 14:2: Porque aquele que fala em línguas
não fala aos homens, senão a Deus, porque ninguém
0 entende, já que, em espírito, fala mistérios, i a u o m ;
1 Co 12:10.28,30;! 3: ii
A profecia como dom e suas três características
1 Coríntios 14:3: Mas o que profetiza fala aos ho­
NT

mens para edificação, exortação e consolação. (At4:36;


1Co 14:5,12,17,26!
(1) Variedade de línguas e (2) profecia
1 Coríntios 14:4:0 que fala em línguas a si mesmo se
edifica, mas o que profetiza edifica a Igreja.
(1) + (2), (1) + (3) Interpretação de línguas
1 Coríntios 14:5: Eu quisera que todos vós falásseis
em línguas, mas muito mais que profetizásseis, pois
1483
quem profetiza é maior do que aquele que fala em Local do E studo :
línguas, a não ser que as interprete, para que a igreja
receba edificação. (Nmii:2 çj T ema :
Os quatro ingredientes da comunicação da mensagem: (a)
revelação, (b) ciência, (c) profecia e (d) doutrina M í NISTRANTE:

1 C o rín tio s 14:6: E agora, irmãos, se eu for ter


Ca p . inicial :
convosco falando em línguas, de que vos aproveita­
ria, se não vos falasse ou por meio de revelação, ou Ca p. fin al :
com ciência, ou com profecia, ou com doutrina? j
flCo 14:26; I2:8;Rmò:17j D isc ípu lo :
Instrumento tocado sem melodia não se entende
1 C oríntios 14:7: Ora, até as coisas desprovidas de
vida emitem som, como a flauta, ou a citara, mas se não
formarem sons distintos, como se reconhecerá que
melodia se toca com a flauta ou com a citara?
Os sinais incertos e inúteis
1 C oríntios 14:8: Porque, se a trombeta der um toque
incerto, quem se preparará para a batalha?(Nmio.-qj
A necessidade de interpretação da variedade de línguas
1 C oríntios 14:9: Assim também vós, se, com a lín­
gua, não proferires palavras inteligíveis, como se com­
preenderá o que é dito? Porque estareis como que
falando ao ar. co 9.-2<y
1 C oríntios 14:10: Há, por exemplo, tantas varieda­
des de sons vocais no mundo, e nenhum deles é sem
significado.
Há confusão quando não se sabe o sentido da voz
1 C o rín tio s 14:11: Mas, se eu ignoro o sentido dos
sons vocais, serei como estrangeiro para aquele que
fala, e o que fala será como estrangeiro para mim.
(At28:2:
Busca-se os dons da mesma classificação, a princípio
1 C oríntios 14:12: Assim ocorre convosco, já que
anelais os dons espirituais, procurai abundar neles para
a edificação da igreja, /i co 1* 4,.5, 17,201
d )e (2 )
1 C o rín tio s 14:13: Por isso, 0 que fala em línguas,
ore para que as interprete.
O benefício de orar em línguas. É um tempo para a alma esperar
0 espírito alimentar-se
1 C oríntios 14:14: Porque se eu orar em línguas, 0
meu espírito ora bem, mas 0 meu entendimento per­
manece infrutífero.
Os 50% + os 50% (Aba + Pai)
1 C o rín tio s 14:15: Que fazer, pois? Orarei com
0 espírito, mas também orarei com entendimento;
Bible C hronos D i N elson

cantarei com o espírito, mas cantarei também com I Leitura Bíblica


entendim ento. / q; a 3.-10; P essoal
Publicamente, é meu dever interpretar o que digo em línguas
M ÉS:_ ANO:
1 C o rín tio s 14:16: De outra maneira, se tu agrade­
ces com louvor em teu espírito, aquele que ocupa 0 01 02 03 04 05 06 07
lugar de simples ouvinte, como dirá 0 amém às tuas 08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
ações de graças? Visto que não entende 0 que dizes?
22 23 24 25 26 27 28
{S! 106:48; Mt 18:36; 1 Cr !6:36;Mt 18:36;! Co /1:24}
29 30 31
Benefício de bendizer no espírito em línguas, mas publicamente
é o meu dever interpretarou estar em silêncio
1 C o rín tio s 14:17: Porque realmente tu dás bem as
graças, mas o teu próximo não é edificado.
0 exem plo particular de Paulo em orar, falar e cantar em
línguas
1 C o rín tio s 14:18: Dou graças a Deus porque falo
em línguas mais do que todos vós.
A consciência de Paulo quanto ao uso desses dons publicamente
1 C oríntios 14:19: Mas, na congregação, antes prefi­
ro falar cinco palavras com o meu entendimento, para
instruir os outros, do que dez mil palavras em línguas.
Dons e ministério juntos
1 C o rín tio s 14:20: Irmãos, não sejais meninos na
maneira de pensar, mas sede meninos na malícia; no §
ç
entanto, maduros no modo de pensar. iE/4:i4;Rm ió.-io;
I Re 2:2; Hb 5:12,13; Si 131:2;
0 sinal profético da linguagem universal de Deus
1 C oríntios 14:21 :E na Lei estáescrito: “Com línguas
estranhas e por lábios de estrangeiros falarei a este
povo; e ainda assim não me ouvirão, diz o Senhor”, j
(Jo 10:34; ls 28:11,12j
As línguas edificam o crente como sinal e a profecia é sinal para
os incrédulos
1 C oríntios 14:22: Portanto, as línguas são um sinal,
não para os crentes, mas para os não-crentes; e a profe- j
cia não é sinal para os incrédulos, mas para os crentes.
(! Co 14:1;
Modelo de dons no culto congregacional
1 C oríntios 14:23: Se, pois, toda a igreja se reunir em j
NT

um só lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem


simples ouvintes ou incrédulos, não dirão que estais
fora do juízo? ce.c.-n;
A profecia pública gera proveito e causa convencim ento de
pecado
1 C o ríntios 14:24: Mas se todos profetizarem, e al­
gum incrédulo ou um simples ouvinte entrar, por todos i
será convencido, por todos será julgado;
1485
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

1 Coríntios 14:25: os segredos ocultos do seu co­ Local do E studo :


ração serão manifestos, e assim, prostrando-se sobre
T ema :
o seu rosto, adorará a Deus, declarando que Deus
está verdadeiramente entre vós. /jo4:I9;lc17:ió;/s 45:M; M inistra n te :
2c 8:23}
CAP. INICIAL:
• T ex to COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A c o n t e c im e n t o s co ntem porâneos CAP. FINAL:
a o p e r ío d o e m q u e P a u lo m o r o u em
D iscípulo :
É f e s o . (20) P a u l o esta b elec e as regras
pa r a o u s o d o s d o n s d e in s p ir a ç ã o o u
DE COMUNICAÇÃO, USANDO O MARIDO E A —
MULHER COMO TIPOS, 1 Co 14:26-40:
0 modelo e a ordem de culto para aedificação
1 Coríntios 14:26: Que fazer, pois, irmãos? Quando DADOS ESPECIAIS
vos congregais, cada um de vós tem salmo, e outro
doutrina, e outro revelação, e outro língua e inter­
pretação. Faça-se tudo para edificação, nco i2:7-io;
2 Co I2:IQ;Ef4:l2)
A ordem e o respeito dos profetas para com o intérprete
1 Coríntios 14:27: Se alguém falar em línguas, que
somente dois falem ou, quando muito, três; e, cada
um, no seu turno, e que alguém interprete.
A necessidade do intérprete. As línguas devocionais para si
mesmo
1 Coríntios 14:28: Mas se não houver intérprete, que
se cale na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.
0 julgamento da profecia e não do profeta
1 Coríntios 14:29: E quanto aos profetas, dois ou três
falem, e os demais julguem. // Co 12:toi
0 primeiro profeta não é o único a falar
1 Coríntios 14:30: Mas se a outro, que estiver senta­
do, for revelado algo, cale-se o primeiro.
A ordem para todos é que aprendam e sejam consolados
1 Coríntios 14:31: Porque todos podereis profetizar,
cada um na sua vez, para que todos aprendam e todos
sejam encorajados.
0 espírito humano do profeta está sujeito ao profeta, os dons do
Espírito não anulam a sua personalidade e a manifestação do
Espírito Santo nele não é uma possessão espiritual
1 Coríntios 14:32: Porque o espírito dos profetas está
sujeito aos profetas; njo4:u
A paz é o resultado da operação dos dons
1 Coríntios 14:33: porque Deus não é Deus de con­
fusão, mas sim de paz. Como em todas as igrejas dos
santos, (I Co4:17; 11:16; 14:40}
1486
Bible C hronos Di N elson

As mulheres = línguas; os maridos = intérpretes. Mulheres, nao Leitura Bíblica


falem sem intérprete (marido) P essoal
1 Coríntios 14:34: e vossas mulheres estejam caladas
nas congregações, porque não lhes é permitido falar; M ÉS:_________A N O :___

senão que estejam sujeitas como também ordena a lei. 01 02 03 04 05 06 07


■'1 Tm 2:1 1, 12; 1 Pe 3: i ; Lm 3: 1ó: Gn 3:1 6.1 08 09 10 11 12 13 14
A mulher casada vive sob a cobertura de seu marido. Paulo faz uma 15 16 17 18 19 20 21
analogia da mulher com aquele que fala em línguas sem intérprete,
porque o intérprete da mulher casada é o seu marido 22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
1 Coríntios 14:35: E se algo querem aprender, per­
guntem em casa a seu esposo; porque é indecoroso que
as mulheres falem na igreja.
Os gentios crentes
1 Coríntios 14:36: Porventura, procede de vós a
palavra de Deus? Ou somente a vós foi enviada?
A prova do ministério é a humildade na hora da disciplina
1 Coríntios 14:37: Se alguém crê que é profeta, ou
espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são
mandamentos do Senhor, aco W:?; ijomi
Aquele que ignoraros mandamentos deve ser ignorado
1 Coríntios 14:38: E, se alguém os ignorar, Deus será
ignorado.
(2)+(l)
1 Coríntios 14:39: Portanto, irmãos meus, procurai
com zelo o dom de profetizar, e não impeçais o falarem
línguas. (1 Co 12:31}
Operação dos dons sem meninice
1 Coríntios 14:40: Mas tudo seja feito com decoro e
com ordem, u c o m .-33!

• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:


• A c o n t e c im e n t o s c o n t e m p o r â n e o s
AO PERÍODO EM QUE PAULO MOROU EM
Éfeso . H ouve um a grande co n fu sã o a
RESPEITO DA RESSURREIÇÃO DOS MORTOS, EM
FUNÇÃO DAS DOUTRINAS DOS EPICUREUS (OS
“ SADUCEUS” DAMACEDÔNIA) QUE ANDAVAM
p o r C o r i n t o . (2 1 ) P a u l o r e s p o n d e a
RESPEITO DA RESSURREIÇÃO DOS MORTOS. (A)
D escreve a r essu rreiçã o d e C r isto c o m o
EXEMPLO, E CITA TESTEMUNHAS OCULARES,
1 C o 1 5 :1 -1 1 ; (b ) Reg istr a a n e c e ssid a d e
DA r e s s u r r e iç ã o , 1 C o 1 5 :1 2 - 1 9 ; (C) A
se g u r a n ç a da n o ssa ressu rreiçã o , C r isto ,
AS PRIMÍCIAS E O ÚLTIMO INIMIGO A SER
VENCIDO, 1 C o 1 5 :2 0 -2 8 . (D) A NECESSIDADE
1487
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

DE PREGAR SOBRE A RESSURREIÇÃO AOS ÍMPIOS, Local do E st u d o :


1 Co 1 5 : 2 9 - 3 4 . (E) Q u e NATUREZA TERÁ O Tem a :
CORPO RESSURRECTO? 1 Co 1 5 : 3 5 - 5 0 . (F) A
NOSSA CERTEZA DA RESSURREIÇÃO ESTÁ EM M inistra n te :
C r is t o , q u e t r iu n f o u sobre a m o r t e e a
sepu l t u r a , 1 C o 1 5 :5 1 -5 8 : Ca p . inic ía l :

0 evangelho: (1) anunciado, (2) recebido, (3) perseverado


Ca p . final :
1 Coríntios 15:1: Ora, eu vos declaro, meus irmãos,
que o Evangelho que por mim vos foi anunciado, o qual
também recebestes e no qual também perseverais,
(Cl 1:1 l;Rm 2:6; Rm2: 16;5:2j
(4) Salva, (5) deve ser conservado, (6) não é vaidade
1 Coríntios 15:2: pelo qual também sois salvos, se o
conservardes firmemente como vos tenho pregado;
isto se não tendes crido em vão. iRm i.i6;Ci3:4;Rm 11:221 DADOS ESPECIAIS
(7) O evangelho é experimentado e resume-se em: (1) morte de
Cristo por nós
I Coríntios 15:3: Porque, primeiramente, vos entre-
guei o que também recebi: Que Cristo morreu por nos­
sos pecados, assim como está registrado nas Escrituras;
II Co 11:23; lPe2:24;Is53:5-12;At20:22,23; Lc24:25 27)
(2) Sepultamento, (3) ressurreição ao terceiro dia. Temos tipos
diferentes da Igreja em toda a Bíblia, como os candeeiros que são
os mais nobres símbolos da Igreja. O atleta que corre (1 Co 9:24-
27; 2 Tm 2:5). O soldado (2 Tm 2:3). A ovelha (Lc 10:3; Jo 19:11;
21:15-17). Os ramos (Jo 15:1). A virgem (2 Co 11:2). O edifício
(1 Co 3:9). Os candeeiros (Ap 1:20). A família (Ef 3:15). Uma
fazenda (2 Tm 2:6). As luzes (Mt 5:14; Jo:3ó). As pérolas (Mt
13:45-46).O ssacerdotes(l P e2:9).O sdespenseiros(l Co4:2).
As pedras ( Ef 2:19-22). O templo (2 Co 6:16; 2 Pe 2:5). Vasos
de barro (2 Co 4:7; 2 Tm 2:21). Trigo (Mt 13:29-30). A esposa
(Ap 21:9). OTabernáculo (Ap 21:9). Os candeeiros (Ap 1:12)
1 Coríntios 15:4: o que foi sepultado e que ressus­
citou ao terceiro dia, assim como está registrado nas
Escrituras; (Lc24:46;Mt 16:21;SI 16:8-10;At2:24,25)
(4) Aparecimento vivo a um, a doze, a quinhentos, ao décimo
segundo e a Paulo (15:8)
1 Coríntios 15:5: e que apareceu a Cefas, e, depois,
aOSdOZe; (Lc24:34; 1Co l:!2;Mt28:17j
1 Coríntios 15:6: depois, apareceu a mais de qui­
nhentos irmãos de uma só vez, dos quais muitos ainda
vivem; mas alguns deles já dormem;
1 Coríntios 15:7: depois, apareceu aTiago,e, depois,
a todos OSapóstolos; (Lc24:33,36,37;At 1:3,4)
Antes do tempo. Uma comprovação de que Paulo ainda estava
sendo preparado para o ministério e nasceu para tal como um
abortivo, como expulso para a vida, antes do tempo, cujos olhos
ainda estavam sendo gerados (At 9:1 -7)
1 Coríntios 15:8: Enfim, por último, apareceu tam­
bém a mim, como a um abortivo. (At 9.3 -8; / co 9:i ; g ii :1ó/
1488
Bible C hronos D i N elson
Quem é Paulo, como foi o seu trabalho e a graça de Deus na sua Leitura Bíblica
vida P essoal
1 Coríntios 15:9:Porqueeusouom enordosapósto-
los, e nem sou digno de ser chamado apóstolo, porque M ÊS:_________A N O :___

persegui a igreja de Deus. (At8:3;E/3:3;irm t.-is) 01 02 03 04 05 06 07


1 Coríntios 15:10: Mas, pela graça de Deus, sou o que j 08 09 10 11 12 13 14
sou; e a sua graça não tem sido vã para comigo, antes 15 16 17 18 192021
tenho trabalhado muito mais do que todos eles; porém, 22 23 24 25 26 27 28
não eu, mas a graça de Deus que está comigo, (ej3:7,8; j 29 30 31
2 Co 11:23; 3:5; G12:8; Fp2:l3j
1 Coríntios 15:11: Porque, ou seja eu ou sejam eles,
assim pregamos, e assim haveis crido.
Quais seriam os prejuízos se não houvesse ressurreição?
1 Coríntios 15:12: Ora, se se apregoa que Cristo
ressuscitou dentre os mortos, como há alguns que
entre vós dizem que não há ressurreição de mortos? !
ÍAt 17:32;23:8; 2 Tm2:l8j
(1) Cristo não ressuscitou
1 Coríntios 15:13: E, se não há ressurreição de mor­
tos, tampouco Cristo ressuscitou.
(2) São vãs a nossa pregação e a nossa fé
1 Coríntios 15: 14: E, se Cristo não ressuscitou, logo é
vã a nossa pregação, e vã é a vossa fé. (/s4:i4; / tsj.-mj
(3) Os apóstolos são falsas testemunhas
1 Coríntios 15:15: Então somos achados como fal- j
sas testemunhas de Deus, porque temos testificado
que ele ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não res­
suscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam.
(At2:24;Rm4:25)
(4) Jesus não está ressuscitado
1 Coríntios 15:16: Porque, se os mortos não ressus­
citam, tampouco Cristo ressuscitou.
(5) Ainda não somos livres dos pecados
1 Coríntios 15:17: E, se Cristo não ressuscitou, é vã a
vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.
(7) Somos os mais dignos de lástima
1 Coríntios 15:18: Então aqueles que dormiram em
Cristo pereceram. iits4:iò)
Oferta vegetal de trigo (o pão), tipo do corpo de Cristo ungido com !
azeite e oferecido com incenso aromático. O grão de trigo (Cristo); !
o Espírito Santo (o azeite), e o incenso (o louvor). Este tipo de oferta
sempre era acompanhado com libação, onde o vinho substituía o
sangue de um animal (Êx 29:40). Um tipo da Ceia do Senhor, onde
não há sangue derramado, mas há libação, fruto da vide. Levítico
9:4: Um (3) novilho e um carneiro como ofertas pacíficas ao Senhor
Jeová, e uma oferta vegetal (“de manjar”) misturada com azeite,
porque hoje o Senhor vos aparecerá”. Cada um deles tem um
significado, um detalhe importante que termina em Cristo. (1) j

1489
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

O sacrifício pelo pecado era oferecido no altar de sacrifícios, no Local do Estudo :


átrio do Tabernáculo - Então ele é tipo da morte de Cristo por sua
nação. (2) Os holocaustos eram oferecidos (imolados) diante do Tema :
altar, sua gordura (queimada) e o seu sangue (posto nos chifres e
derramado ao redor do altar) eram apresentados no mesmo altar, M inistra n te :
mas eram (cabeça, carne, couro, excrementos) queimados fora da
porta, em outro altar - Então ele é tipo da morte de Cristo por todo
o mundo, pois foi oferecido fora da porta. (3) As ofertas pacíficas Ca p. inicial .-
eram compostas de animais limpos com os bolos ou pães. Sem os
bolos e pães não eram considerados como ofertas pacíficas, pois CAP. FINAL:
esta oferta era composta de animal e vegetal - sangue e trigo. Em
outras palavras, as ofertas de manjares se juntavam às ofertas de D iscípulo :
sacrifício e formavam uma só: A oferta pacífica - Então ela é tipo
da Ceia do Senhor, pois o Cordeiro de Deus foi imolado, e nós
continuamos, como memorial, oferecendo os pães ao lado do
vinho (1 Co 11:25). O punhado representava a porção diária de
cada pessoa; até hoje nos grandes restaurantes se sabe que um
punhado de arroz é a porção de uma pessoa. Assim, o punhado
era o memorial de toda a oferta. Indicando que o sacrifício de
Cristo, o punhado que era queimado no altar, validava toda a oferta
vegetal: Levítico 2:1 -2: “E quando alguma alma ofertar uma oferta
(“oblação”) vegetal ao Senhor Jeová, a oblação será de farinha de
trigo, e derramarás sobre ela azeite e logo colocarás incenso sobre
ela. E trarão a oferta aos sacerdotes, filhos de Arão; e tomarão um
punhado da farinha misturada com azeite e incenso, e o sacerdote
0 queimará como memorial sobre o altar, para que seja oferta
queimada, de cheiro agradável ao Senhor Jeová”
1 Coríntios 15:19: Se esperamos em Cristo somente
nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os
homens. ;'27mi-/2í
Cristo, as primícias. O primeiro fruto da terra
1 Coríntios 15:20: Mas, na realidade, Cristo ressus­
citou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que
dormem. (I Pe 1:3;At26:23; i Co 15:23;Ap 1:5}
A herança da morte e a herança da vida eterna
1 Coríntios 15:21: Porque, assim como a morte en­
trou no mundo por um homem, também por um ho­
mem veio a ressurreição dos mortos. (Rms.-izMi
1 Coríntios 15:22: Porque assim como, em Adão,
todos m orrem , também em Cristo todos serão
vivificados.
Cristo, e o seu corpo, na ordem. As primícias, quando santas, no
altar (1 Co 15:20), livravam o restante da massa do fogo, mas,
depois, era comungada; também simbolizavam o pão da mesa do
Senhor, o qual deveria ser repartido: Levítico 2:9: “E o sacerdote
fará queimar uma parte dela sobre o altar (“um punhado”). É oferta
queimada de cheiro agradável ao Senhor”. As primícias da oferta
são oferecidas como memorial, e o restante da oferta permanece: o
tipo do corpo de Cristo, que foi santificado pelo punhado oferecido,
como memorial: Levítico 2:10: “E o restante da oferta será de Arão
e de seus filhos; é coisa santíssima das ofertas queimadas que se
oferecem ao Senhor Jeová”. O sal não deve faltar na oferta. O sal
representa a santificação efetuada mediante o sangue de Cristo,
a incorruptibilidade. O sal, que é anticorrupção, estava presente
na oferta de Cristo, pois a corrupção não poderia destruir o seu

1490
Bible C hronos D i N elson
corpo na sepultura (At2:26,27): Levítico 2:13: “E em toda a oferta Leitura Bíblica
apresentada colocarás sal. Que não falte à tua oblação o sal do Pacto
P essoal
do Senhor Jeová, teu Deus. Em todas as tuas ofertas oferecerás sal ”.
Detalhes no oferecimento (das oblações) das primícias(Rm 11:16).
Cristo, feito primícias para Israel e para a Igreja: um punhado M ê s :_________A n o :___
cheio tirado pelo sacerdote da massa das primícias era queimado
para santificar toda a oferta das primícias, que era repassada aos 01 02 03 04 05 06 07
sacerdotes. Esta era a massa da qual Paulo falava em Romanos 08 09 10 11 12 13 14
11:16. O texto de Levítico 2:14 concorda: “E se ofereceres ao 15 16 17 18 192021
Senhor Jeová uma oblação de primícias, apresentarás a espiga 22 23 24 25 26 27 28
madura tostada pelo fogo, e farás uma pasta”. A presença do azeite 29 30 31
e do incenso, que são tipos do Espírito Santo, é autorizada, pois
ela é o cheiro agradável diante de Deus e ainda evitava o odor
proveniente do ofertante; são tipos do poder intercessório do
Espírito Santo: Levítico 2:15: “E derramarás azeite sobre elas, e
logo colocarás incenso de especiarias aromáticas sobre elas. É
oferta vegetal (“de manjares”)”. Se as primícias sãosantas, o resto
da massa também é. Desse texto, Paulo tirou a preciosa revelação
descrita aqui em Coríntios(l Co 15:20). Esta parte das primícias,
representada no punhado sacerdotal, era um memorial - Cristo
- que foi sacrificado, enquanto a parte restante permaneceu: o
corpo de Cristo. Observe o que diz Levítico 2:16: “E o sacerdote
queimará o memorial da oferta, uma parte da pasta untada com
azeite e todo o incenso. É oferta queimada ao Senhor”. Embora
esta oferta tivesse um diferencial no azeite e no incenso, um
punhado dela era queimado como memorial, e o restante ficava
como alimento sacerdotal. Um tipode Cristo que morreu para que
nós permanecéssemos (Jo 17:5-9)
1 Coríntios 15:23: Cada um na sua própria ordem:
Cristo, as primícias, depois os que são de Cristo, na
ocasião de sua vinda.
0 corpo do Filho, então, se sujeitará às três pessoas da Divindade
1 Coríntios 15:24: Então virá o fim, quando entregar
o Reino a Deus e Pai, quando tiver aniquilado todo do­
mínio, toda potestade e toda potência. {Dn7:i4,27j
0 Reino do Filho, mas, antes, a unidade do corpo
1 Coríntios 15:25: Porque será necesário que ele
reine até que haja posto todos os seus inimigos debaixo
de seus pés. ís u io .-h
1 Coríntios 15:26: Ora, o último inimigo que será
destruído é a morte, a r m i : i o ; A p 2 0 : i 4 )
0 Pai
1 Coríntios 15:27: Pois se lê: “Todas as coisas su­
jeitou debaixo de seus pés”. Mas quando se diz: “To­
das as coisas lhe foram sujeitas, é evidente que se ex­
cetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas”, (s i s .-ó;
Mt28: I 8; Hb2:8/
Quando o Pai habitará no corpo do Filho (Cl 1:19; 2:9; Ef 4:3-6)
1 Coríntios 15:28: E, quando todas as coisas lhe esti­
verem sujeitas, então também o próprio Filho se sujei­
tará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, a fim de que
Deus seja tudo em todos,iFp3:2i; tco3:23j
1491
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

Até o mundo crê, à sua maneira, na ressurreição


1 Coríntios 15:29: De outra maneira, que farão os
T ema :
que se batizam em lugar dos mortos? Se os mortos não
são ressuscitados, por que se batizam em lugar dos M inistrante :
mortos?
O trabalho dos obreiros não é vão (15:58)
CAP. INICIAL:
1 Coríntios 15:30: E por que nos expomos aos peri­
gos a toda hora? (2 Co i 1.201 CAP. FINAL:
1 Coríntios 15:31 : Eu vos asseguro, meus irmãos, D isc ípu lo :
pela glória que tenho em vós, em nosso Senhor Jesus
Cristo, que eu morro todos os dias. ,/?m8:36; 2 co 4-.w;
11:23.1
1 Coríntios 15:32: Se depois de ter batalhado com as
feras em Éfeso, conforme 0 costume dos homens, de
que me aproveitaria isso? Se os mortos não ressusci­
tam, comamos e bebamos, que amanhã morreremos.
{Is22:13;2Co1:8; Lc I2:19j
Os falsos mestres que ensinam a doutrina dos saduceus. A glória
dos bons costumes. São muitos aqueles que querem destruí-los
1 Coríntios 15:33: Não vos enganeis. “As más con­
versações corrompem os bons costumes”.
0 pecado é o aguilhão da morte
1 Coríntios 15:34: Despertai para a justiça e não
pequeis; porque alguns ainda não conhecem a Deus;
para a vergonha vossa vos digo. a ts4:s; 1 Co0.-5/
1 Coríntios 15:35: Mas alguém dirá: “Como ressus­
citarão os mortos?” E com que tipo de corpo virão?
(Rm 9:19; Ez 37:31
0 corpo é uma sem ente que primeiramente morre
1 Coríntios 15:36: Ó insensato! O que tu semeias
não vivifica, se antes não morrer, /jo 12.24/
Basta um átomo para Deus levantá-lo
1 Coríntios 15:37: 0 que semeias, não é 0 corpo que
há de ser, mas 0 simples grão nu, como ode trigo ou 0
de outra espécie de semente.
A semente humana tem o seu próprio estilo
1 Coríntios 15:38: Mas Deus lhe dá um corpo como
ele quer, e a cada semente 0 seu próprio corpo, icni-.u/ \
As características de cada semente
1 Coríntios 15:39: Nem toda carne é a mesma carne;
senão que uma é a carne dos homens, outra é a carne
dos animais, outra é a das aves e outra é a dos peixes.
A glória de cada corpo terrestre ou celestial
1 Coríntios 15:40: Também há corpos celestiais e
corpos terrestres, mas uma é a glória dos celestiais e
outra a dos terrestres.
Bible C hronos D i N elson

Uma prefiguração da glória do corpo dos justos (Dn 12:3) Leitura Bíblica
1 Coríntios 15:41: Uma é a glória do sol, e outra a P essoal
glória da lua, e outra a glória das estrelas; porque uma
M ÊS:_ _A n o :
estrela é diferente no esplendor de outra estrela.
Corpos incorruptíveis 01 02 03 04 05 06 07
1 Coríntios 15:42: Assim também é a ressurreição 08 09 10 11 12 13 14
dos mortos: São semeados em corrupção e serão res­ 15 16 17 18 192021
suscitados incorruptíveis. (Dn 12:3;Mt 13:43/ 22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
Semeadura em vergonha e a ressurreição em glória e em poder
1 Coríntios 15:43: Semeia-se em desonra, e ressusci­
tará em glória; semeia-se em debilidade, e ressuscitará
em poder. (FP3.2i)
A semente natural e a ressurreição espiritual
1 Coríntios 15:44: Semeia-se corpo animal, ressus­
citará corpo espiritual. Há corpo animal, e há corpo DADOS ESPECIAIS
espiritual.
Adão, a semente animal. Cristo, a semente espiritual
1 Coríntios 15:45: Assim tam bém está escrito: “O
primeiro hom em , Adão, foi feito alma vivente; o último
AdãO, Espírito Vivificante. (Gn2:7;Rm5:14;8:2)
1 Coríntios 15:46: Mas não é primeiro o espiritual,
senão o natural; depois, o espiritual.
Semeia-se como Adão e ressuscita-se como Cristo
1 Coríntios 15:47: O primeiro homem da terra, é
terreno; o segundo homem, que é o Senhor, é do Céu.
(Gn3:13,1 Q;Jo3:3 /; Gn2:7)
A semente de Deus, Cristo
1 Coríntios 15:48: Qual o terreno, tais também
os terrenos; e, qual o celestial, assim também os
celestiais.
À semelhança do ressuscitado
1 Coríntios 15:49: E, assim como trouxem os a
imagem do terreno, traremos também a imagem do
celestial. (Gn5:3;Rm8:29; IJo3:2>
A casca (carne) tem de sair e a corrupção tem de ser sepultada
1 Coríntios 15:50: Mas isto digo, irmãos, que carne
e sangue não podem herdar 0 Reino de Deus, nem a
corrupção herda a incorrupção. m iô:i7;jo3:3,5)
NT

A garantia da transformação
1 Coríntios 15:51: Eis aqui vos digo um mistério:
Nem todos dorm irem os, mas todos serem os
transformados, a Ts4:i s i 7;fP3:4,2iy
A ressurreição e a transformação dos que estiverem vivos
1 Coríntios 15:52: em um momento, em um abrir
e fechar de olhos, ao som da última trombeta; por-
1493
BffiLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

que a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão in­ Local do E studo :


corruptíveis, e nós seremos transformados. íits4:ió;
T ema :
Mt?.4:31;Jo5:25!
Incorruptibilidade e imortalidade M inistrante :
1 Coríntios 15:53: Porque é necessário que este ser
corruptível se revista da incorruptibilidade e que este C a p . INICIAL:
ser mortal se revista da imortalidade, qcos-aí Ca p . final :
0 último inimigo a ser vencido
1 Coríntios 15:54: E, quando este ser corruptível se D isc ípu lo :
revestir da incorruptibilidade, e este ser que é mortal
se revestir da imortalidade, então se cumprirá a palavra
que está escrita: “Sorvida foi a morte na vitória”. ms-.8;
Hb2:! 4; Ap 20:14/

muu.
A vitória sobre a separação
DADOS ESPECIAIS
1 Coríntios 15:55: Onde está, ó morte ( “tenatos”),
0 teu aguilhão? Onde está, ó sepulcro ( “Hades ”), a tua
vitória?,<os i3:Nj
A vitória sobre o pecado e sobre a Lei. Ao cumprir a Lei, Jesus
ganhou o prêmio da ressurreição (Lv 18:5; Rm 10:5), logo, venceu
a morte e o pecado
1 Coríntios 15:56:0 aguilhão da morte é o pecado, e
0 poder do pecado é a Lei. /Rm5:i2;4:is;5:i3i
Cristo venceu o pecado e a morte e cumpriu a lei
1 Coríntios 15:57: Mas graças a Deus que nos dá a
vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.
0 nosso trabalho no Evangelho não é vão no Senhor
1 Coríntios 15:58: Portanto, irmãos meus e amados j
meus, sede firmes e inabaláveis, crescendo sempre IjP
j | A;
na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho, no
Senhor, não é vão. am-.U; / co i&.to,>
• T ex to COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A ABERTURA E O FECHAMENTO DA PRIMEIRA
C arta aos C o r ín t io s , par a melhor
ít
ENTENDIMENTO DE QUEM PERGUNTAVA, 1£
PARA SABER QUEM RESPONDEU E POR QUEM j
FOI ENVIADA, 1 Co 1:1-9; 16:10-24:
• A b er tu r a d e 1 C o r ín t io s :
Introdução 1:1-9. Paulo reafirma seu chamado(At 1:15-23), como
faz no início de todas as suas epístolas
1 Coríntios 1:1: Paulo ( “m enor”), chamado para ser
apóstolo de Jesus Cristo, pela decisão da vontade de
Deus, e o irmão Sóstenes ( “salvador de sua nação”),
(Rm l:1;E}I:1;2Co I:l;Cll:l;At 18:17)

1494
Bible C hronos D i N elson
A Igreja santificada (Jo 17:15-21; Hb 10:10,14) e chamada para a Leitura Bíblica
santidade. A igreja de Corinto foi chamada de santificada, mas logo P essoal
a seguirtambém foi chamada de carnal. Estava santificada, mas era
cam aljl Co 1:2; 3:1). Santificar, segundo a Bíblia, não está ligado a
uma atitude de limpeza depois de um pecado ou uma transgressão. MÊS:_______ A n o :
Jesus se santificou e nunca pecou (Jo 17:19). Lemos em Levítico
que era possível santificar casas, campos, propriedades, animais, e
01 02 03 04 05 06 07
até animais impuros. Que quer dizerisso? (Lv27:15-17). Observe 08 09 10 11 12 13 14
que a santificação tinha a ver, antes de tudo, com avaliação, 15 16 17 18 19 20 21
depois com depósito no santuário de um valor equivalente. 22 23 24 25 26 27 28
Todo o capítulo, ali, fala de duas palavras: santificação (Lv 27:2- 29 30 31
27) e consagração (Lv 27: 28-43). Aquilo que o autor chama de
santificação, diz que é santo, e aquilo que chama de consagração,
diz que é santíssimo. A diferença básica entre as duas palavras
é o montante do depósito feito. Santifica-se aquilo que se quer
usar, que volta para casa, deixando-se o equivalente no santuário,
um depósito equivalente, um valor estipulado pelo sacerdote.
Quando alguém quisesse santificar-se, não vinha ao santuário para
lavar-se, jejuar, consagrar-se, etc. Vinha para depositar um preço
equivalente a si mesmo. Havia uma tabela para as diferentes idades
e até uma criança de um mês podería ser santificada. Santificação
era um depósito equivalente, mas a consagração era um depósito
total, completo, sem retorno. Não se podia arrepender-se depois
do ato de consagração, não havia retorno. Aquilo que se consagra
não se redime, não se resgata. Por isso, chamo a atenção para a
verdadeira versão bíblica desse texto. Mas, graças a Deus, que,
no meio do texto, o Senhor diz que o primogênito não se santifica
porque já é consagrado automaticamente, por ser primogênito
(Lv 27:26). Consagrar é entregar tudo. Santificar é assinar um
contrato de seguro celestial, não é sociedade com Deus, é assinar
um seguro de vida com Deus, executado por anjos. Consagrar
é entregar o todo da promessa a Deus. Hoje, já não se santifica
pessoas por preço, prata ou dinheiro. Jesus já fez isso por nós.
Ele depositou o seu sangue no santuário por nós. Esse foi o preço
que ele pagou. Ele nos santificou, não porque nos lavou com seu
sangue, mas porque pagou com seu sangue o preço no leilão
espiritual da História da humanidade, (Lc4:5,6). Hebreusnosdiz
que ele entregou seu sangue como oferta que nos santifica; isto
quer dizer que, diante do Pai, está o valor do depósito equivalente a
cada um de nós (Hb 10:10-14). Observe um dos textos: “Com uma
só oferta aperfeiçoou para sempre os que são santificados”, o que
equivale à doutrina de Levítico (27:2-8). Por isso, temos um valor
respeitável no mundo espiritual; valemos a equivalência do sangue
de Jesus Cristo (1 Pe 1:18-23)1 Que fazer, agora, se temos sido
santificados, não precisamos santificar nada mais? Não; som ente
fomos santificados como pessoas, não fomos consagrados. Entre
o povo de Deus, temos os santificados, membros e os consagrados,
ministros. Cristo santificou a todos. As pessoas santificadas tinham
seus nomes escritos no livro do templo, quer no Novo, quer no
Antigo Testamento, e esse ato estava associado à oferta; observe
neste texto o apóstolo declarando sua santificação, depois de
ter dado a oferta (At 24:17,18). Que você tam bém possa dizer o
mesmo, “vindo o inimigo, me achou santificado no Templo”. Não
pode fazer nada a meu respeito. Isto é igual no mundo espiritual,
os anjos nos acham santificados no templo perfeito e eterno nos
céus, pelo sangue de Cristo. Paulo era um homem próspero; ele,
inclusive, pagou a oferta de santificação por quatro pessoas que
haviam feito o voto de santificação, mas que não tinham os valores
para cumpri-los. Paulo pagou por elasfAt 21:23-26). Hoje, Cristo
pagou por nós (Jo 17:19)

1495
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

1 Coríntíos 1:2: à Igreja de Deus que está em Corinto Local do Estudo :


( “saciado ”), aos santificados em Cristo Jesus, chama­ T ema :
dos para ser santos, com todos os que em todas as
partes invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, M inistra n te :
Senhor nosso e deles. ,-At i8 :U 7 ; c u :i;R m i.-y.-ArcsQi
Ca p . inicial :
1 Coríntíos 1:3: Graça e paz sejam convosco, da parte
de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. (Rmi.vi Ca p . fin al :
Ações de graças pela confirmação dos chamados com seus dons
D iscípulo :
1 C oríntíos 1:4: Eu, continuamente, rendo graças a j
meu Deus por vós, motivado pela graça de Deus que 1
vos foi dada em Cristo Jesus; (Rmi-.èy
A riqueza da Palavra
1 C oríntíos l:5:para que, em tudo, estejais enriqueci­

WfKfffffâ
dos nele, em toda a Palavra e em todo o conhecimento, j
/1Co12:8;2Co8:7;9:II!
0 testemunho de Cristo
1 C oríntíos 1:6: conforme o testemunho de Cristo
que está confirmado entre vós; <2rm v.8;Ap t.-2j
A Igreja de todos os dons
1 C oríntíos 1:7: de m aneira que dom algum vos falta,
enquanto esperais a m anifestação de nosso Senhor j
JeSUS CriStO, íFp3:W; Tt2:13;2Pe3:12j
A confirmação para o Dia de Cristo
1 C oríntíos 1:8 : 0 qual também vos confirmará até j
0 fim, para que sejais irrepreensíveis no Dia de nosso
Senhor Jesus Cristo.
0 chamado da Igreja
1 C oríntíos 1:9: Fiel é Deus, pelo qual fostes chama- j
dos para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso i
Senhor. (Cl 1:22; ITs3:l3;ís49:7; Ho1:3!
• T exto c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :

• O Fec h a m en to de 1 C o r ín t ío s 1 6 : 5 - 9 ;
E s t é f a n a s , F o r t u n a t o e A c a ic o v o l t a m a
C o r in t o l e v a n d o a C a r t a , d e po is T im ó t eo j
SEGUE PARA CONFIRMAR OS IRMÃOS DALI:
Timóteo, o discípulo. O sustento requerido no início (1 Co 9:1-
14), a honra devida requerida a Timóteo e o galardão do discípulo
(Mt 10:42)
1 C oríntíos 16:10: Ora, se Timóteo ( “que honra a I
D eus”)íox ter convosco, fazei com que ele esteja entre
vós com tranqüilidade, porque ele faz a obra do Senhor, j
assim como eu também, m /&•/,• iw j ,-/ co is.ssj
1496
Beble C hronos Di N elson

1 Coríntios 16:11: Portanto, ninguém o despreze; Leitura Bíblica


P essoal
mas encaminhai-o em paz, para que venha estar comi­
go, porque o espero com os irmãos. // Tm4:i2; At 15.3 31 MÊS:_______ ANO:___

• Texto c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o : 01 02 03 04 05 06 07
• A INCREDULIDADE d o s ir m ã o s a r e speit o 08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 192021
DA VISITA DE PAULO; A OPOSIÇÃO A
22 23 24 25 26 27 28
P a u l o já m o s t r a v a a s s u a s g a r r a s , 29 30 31
1C o 4 :1 7 -2 1 :
Os árduos caminhos das missões de Paulo
1 Coríntios 4:17: Por esta razão vos enviei a Timóteo,
que é meu filho amado e fiel no Senhor; o qual vos re­
cordará o meu proceder no caminho de Cristo, e como
em toda parte eu ensino em todas as igrejas.
A fraqueza dos irmãos sábios sem o poder de Deus
1 Coríntios 4:18: Ora, alguns andam exaltados,
julgando como se eu nunca mais houvesse de ir ter
convosco.
1 Coríntios 4:19: Mas em breve irei ter convosco,
se o Senhor quiser, e então eu hei de conhecer, não as
palavras, mas o poder dos que andam exaltados.{a u m i ;
2 Co i:í5;Rm 15:23}
1 Coríntios 4:20: Porque o Reino de Deus não consis­
te em palavras, mas, sim, em poder, /m i.-s/
1 Coríntios 4:21 : Que preferis? Irei a vós com vara, ou
com amor e com espírito de mansidão? /2Co i.-23; i3.-ioj
• Te x t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :

• A p o l o , o p r e g a d o r E le n ã o q u i s ir
NOVAMENTE, ANTES DE PAULO, POIS ERAM
MUITOS PROBLEMAS.
1 Coríntios 16:12: A respeito do irmão Apoio, meus
irmãos, roguei-lhe que fosse ter convosco; mas de
modo algum teve vontade de ir agora; mas irá quando
tiver Oportunidade.,Í4f 18:24; 1 Co 1:12;3:5,6}
1 Coríntios 16:13: Vigiai, estai firmes na fé, portai-vos
varonilmente, e esforçai-vos! (Fp i.-27; i Ts2:i5;Efò:ioi
1 Coríntios 16:14: Todas as vossas coisas sejam feitas
com amor. n Pe4.-s,-i Co i4:ij
Novos líderes se levantam e devem ser respeitados: auxiliares e
cooperadores
1 Coríntios 16:15: Irmãos, já sabeis que a família
de Estéfanas ( “coroada”) são as primícias da Acaia
1497
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

( “transtorno ”)e que se consagraram ao ministério dos Lo c a i , do Estudo :


santos, m 16:5;2Co 8:4;Hb<>:!0
Tema :
1 C oríntios 16:16: Rogo-vos que também vos sujei­
teis a pessoas como eles, e a todos os que auxiliam e M inistra n te :
cooperam na obra. mi3:i;
0 suprimento emocional e financeiro do missionário C a p . INICIAL:

1 C oríntios 16:17: Regozijo-me com a vinda de Esté- Ca p. final :


fanas (“coroada ”), de Fortunato ( “bem.fretado Ç ede
Acaico ( “quepertence a Acaia ”); pois eles supriram o D iscípulo :
que me faltou da vossa parte. aco7:6,7;ii:Ç;
Uma visita com provisão emocional e econômica recreia o espírito
missionário
1 C oríntios 16:18: Porque recrearam o meu espírito
e o vosso. Reconhecei, pois, a tais pessoas, acoz-i.i-
DADOS ESPECIAIS
Fp2:29i
As igrejas da Ásia (Ap 2 e 3) e a igreja da casa de Áqiiila e Priscila
1 C oríntios 16:19: As igrejas da Ásia vos saúdam.
Áqiiila (“umaáguia”Je Priscila ( “antiga”)vossaúáam
muito, no Senhor, juntamente com a igreja que está em
SUa Casa. íAt Í6:6;fím16:5}
0 beijo dos irmãos. Jesus usava esta saudação (1 Co 16:20;
2 Co 13:12; Lc 7:45; Mc 14:45)
1 C o rín tio s 16:20: Todos os irmãos vos saúdam.
Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo, mm lono-
A saúde de Paulo está melhor
1 C o rín tio s 1 6:21: Esta saudação, eu, Paulo
(“m enor”), a escrevi com meu próprio punho.
Não vale a pena viver se não amamos o Senhorjesus, o Cristo
1 C o ríntios 16:22: Aquele que não ama o Senhor
Jesus Cristo, seja anátema ( “apartado”) ! Maranata!
( “ÓSenhor, vem!"). (W M R m w
0 apóstolo da Graça termina sua carta
1 C oríntios 16:23: A graça de nosso Senhorjesus
Cristo seja convosco.,«m i6:20t
0 amor apostólico em Cristo produz crescimento
1 C oríntios 16:24: O meu amor em Jesus ( “Jeová
é salvação”) Cristo ( “Ungido”) seja com todos vós.
Amém.

• TEXTO CRONOLÓGICO CENTRAL:


• 0387 - D e m é t r io e o alvo ro ço em Éfeso :
P a u l o s a b ia q u e as fo rças do in im ig o
e st a v a m r e u n id a s p a r a t e n t a r pa r a r a s u a
obra. E le t in h a c o n s c iê n c ia d a n e c e s s id a d e

1498
Bible C hronos D i N elson

DE UMA FORTE RESISTÊNCIA CONTRA O MAL, Leitura Bíblica


P essoal
A t 19:23-41:
Ele sentia dentro de si o gozo de uma grande vitória e o motivo de sua glória M ÊS:_______ A N O :_____
era a cruz de Cristo (G14.14). Agora, ele estava pronto para enfrentar mais
uma grande batalha, que seria registrada na carta aos Coríntios (1 Co 4:9-13). 01 02 03 04 05 06 07
Agora vi ria o combate contra as feras, mas ele estava revestido da armadura 08 09 10 11 12 13 14
deD eus(l Co 15:32;2Co 1:8).Em Éfeso, Áqüila e Priscila arriscaram o seu 15 16 17 18 19 2 0 2 1
pescoço em favor de Paulo (2 Co 6:5); provavelmente Andrônico e Júnia, 22 23 24 25 26 27 28
nesse tempo, tenham acompanhado Paulo nas suas prisões 29 30 31
Atos 19:23: E, nesse tempo, houve um grande alvo­
roço a respeito do Caminho. íac io .-q)
Em toda cidade, sempre haverá um empresário que será prejudicado com
a pregação do Evangelho do Reino, quando então todas as suas mentiras
serão reveladas. Demétrio era a fonte dos artífices e o grande exportador
da cidade. Pessoas assim geralmente procuram manter boas relações com
os poderes da cidade. Em Filipos, o evangelho triunfou sobre o negócio do
ocultismo, que dava grande lucro aos senhores (At 16:19); agora, as livrarias
que vendiam livros de ocultismo e a grande indústria de ídolos estavam
destinadas à falência

Atos 19:24: Porque certo fabricante de artefatos de


prata, chamado Demétrio, que fazia miniaturas de
prata do templo de Diana, proporcionava grande lucro
aos artífices,/Af/ó:/ó,/9/
Por trás da vida social das cidades há poderes que as controlam: agiotagem,
clubes noturnos, cartolagens, jogos, indústrias religiosas, corrupção
empresarial, prestadores de serviços superfaturados, tráfico de órgãos,
de pessoas, de jogadores, escravidão profissional, injustiças políticas e
ministeriais, lobbies de todos os tipos, venda e compra de informações,
negociação de todo tipo de censurae todos esses tipos de indústrias do crime
desabrocham em festas comemorativas ou carnavalescas, onde a flor não
mostra as suas raízes nem o seu caule. O verdadeiro profeta de Deus não
teme enfrentá-las nem morrerpor amorà verdade do Evangelho, que pode
li berta r os escravos desses poderes

Atos 19:25: aos quais reuniu, juntamente com os


obreiros de ofícios semelhantes, dizendo-lhes: “Se­
nhores, sabeis que por meio desta indústria vem o
nosso bem-estar,
A influência da indústria local do crime, e também mundial, é temida e é
venerada como meio de sobrevivência do povo que, cego, crê nas mentiras
desses empresários, acreditando que o salário que recebem é fruto da
provisão de Deus, sendo causador de grande maldição sobre a sua vida
e família. O desvio do qual o fabricante fala é a indicação do verdadeiro
caminho da liberdade do poder da indústria que atrai toda maldição sobre
uma cidade. A ignorância do argumento do fabricante Demétrio é visível
na sua fala, na qual ele não teme dizer que seus deuses são feitos por mãos
humanas, fazendo do homem maior que os seus próprios deuses

Atos 19:26: e agora vedes e ouvis que, não somente


em Éfeso, mas em quase toda a Ásia, este Paulo tem
persuadido e atraído após si muita gente, dizendo não
1499
serem deuses estes que sao feitos por mãos humanas. Local do Estudo :

(SI I 15:4; Is44:10 20; Jr 10:3;A117:29) T ema :


Ao concluir seu argumento, ele mostra que Diana poderia ser destruída da
sua majestade. Uma deusa internacional não tem poder contra um homem M inistrante :
persuasivo. Uma deusa que, pelaindústria de suaimagem, interessa apenas
a Demétrio. Este sabia que se Diana fosse estimada como nada, ele seria
Cap. inicial :
estimado como falido. Quem era a “divindade”? Diana ou Demétrio? E
quem era o deus de Demétrio? Diana ou Mamon? Que deusa era esta cuja
majestade poderia ser destruída a qualquer momento? CAP. FINAL:

Atos 19:27: Por isso, não somente estamos em pe­ D iscípulo :


rigo de que esta nossa profissão caia em descrédito,
mas também que o próprio santuário da grande deusa
Diana venha a ser estimado em nada e, aquela a quem
toda aÁsia e o mundo adoram, venha ter a sua majes­

i/titiiVáiàãWtmm*
tade arrasada”.
Os peregrinos que, por superstição, compravam a imagem do templo de
Diana, e os ourives que industrializavam as imagens prateadas ou douradas
da deusa e de seu templo, estavam em perigo. Com a queda dos turistas,
os funcionários sofreriam com baixos salários ou ficariam sem emprego.
As ruas estavam cheias de operários irados para a primeira assembléia de
operários registrada na história bíblica

Atos 19:28: E, ao ouvirem isto, encolerizaram-se e


clamaram, dizendo: “Grande é a Diana dos efésios!”
IAt 18:191
O local de residência dos judeus foi invadido e de lá trouxeram aqueles que
acharam: Gaio, Aristarco. Mas eles queriam capturar Paulo

Atos 19:29: A cidade encheu-se de confusão e todos,


unânimes, concorreram ao teatro, e arrebataram con­
sigo a Gaio e a Aristarco, macedônios, companheiros de
PaUlO. (1 Co l:14;At27:2;Rm 16:23; 1 Co 1:4;A t20:4;27:2;Cl4:10;Fm24)
Paulo estava ministrando na sua escola. Enquanto nas escadarias do templo
os curiosos esperavam, centenas de pessoas procuravam pela cidade a
Paulo. Mais de 25 mil pessoas, segundo a capacidade das escadarias do
teatro, diante do mar, estavam ali misturadas àquele alvoroço. Paulo quis
sair, mas os seus amigos não lhe permitiram. Paulo estava tendo uma prévia
daquilo que aconteceria em Jerusalém. Somente os acusadores seriam
diferentes, mas em ambos os lugares queriam a sua morte

Atos 19:30: E Paulo queria apresentar-se ao povo,


mas os discípulos não lho permitiram.
Os príncipes da Ásia, e, geralmente, responsáveis pelas diversões do povo
e pela manutenção do culto ao Imperador, eram amigos de Paulo, mas não
eram membros da igreja. Eles mesmos intervieram com seus conselhos
favoráveis, os quais salvaram a sua vida. Deus estava presente em todo o
tempo, usando a quem quisesse, a fim de evitar a interrupção da obra do
abortivo

Atos 19:31 : Também alguns dos príncipes da Ásia,


sendo seus amigos, enviaram-lhe mensageiros para
Bible C hronos D i N elson

admoestar-lhe que não se arriscasse apresentando-se Leitura Bíblica


P essoal
no teatro.
Muitos daqueles ali presentes não sabiam porque estavam ali—um exemplo MÉS:_______ A n o :
dos motins, greves e assembléias em que o povo é envolvido pela linguagem
de alguns líderes, cuja influência corre o perigo de falir, razão pela qual Oi 02 03 04 05 06 07
apelam ao movimento descontrolado das massas 08 09 10 11 12 13 14
Atos 19:32: E uns clamavam de um modo e outros de 15 16 17 18 192021
22 23 24 25 26 27 28
outro, porque a assembléia estava confusa; e a maioria 29 30 31
dela não sabia por que estava reunida ali. iAt2 1 -.34)
Os judeus ficaram com medo de ser envolvidos naquele tumulto e
providenciaram que um dos seus falasse ao povo, a fim de explicar que Paulo
não era parte de sua comunidade. Mas algo errado aconteceu

Atos 19:33: Então, do meio da multidão, retiraram a


Alexandre, e os judeus 0 empurraram adiante deles;
e este, acenando com a mão, queria apresentar uma
a p o l o g i a aO POVO. (1 Tm 1:20;2 Tm4:l4;At 12:17!
O povo não sabia qual era a diferença entre o Caminho e a comunidade
judia. De forma espontânea, os judeus estavam ali no teatro. Ao escolher
Alexandre como seu defensor diante da assembléia, a turba percebeu que
ele era judeu, não lhe permitindo falar. Diana também era conhecida como
Artemisa dos efésios

Atos 19:34: Mas, ao reconhecerem que ele era judeu,


todos a uma voz gritaram por quase duas horas: “Gran­
de é a Diana dos efésios!”
O governador da cidade foi chamado. Como líder da cidade, representando
0 poder romano, consciente de seu dever, apelou ao conhecimento da
psicologia, que está obscuro à maioria dos homens, acostumado aos jogos
de palavras do senado, permitiu que a turba se cansasse aos berros, até se
esvaírem o ânimo e a força. Depois disso, entrou silenciosamente e acenou
à turba já cansada. Apelou ao sentimento religioso, exaltando o seu ídolo e
a missão da cidade, mostrando que a deusa não se sustentava por si mesma,
quando caiu ali

Atos 19:35: Então o governador, tendo apaziguado a


multidão, disse: “Varões efésios, todos vós sabeis que
a cidade dos efésios tem sob a sua custódia o templo
da grande deusa Diana, e de sua imagem que caiu de
J ú p ite r . (At 18:191
Quem poderia contestar a história da queda da deusa? Os grandes oradores
apaziguam grandes massas
NT

Atos 19:36: Sendo, pois, estas coisas incontestáveis,


é necessário que vós estejais em paz e não façais nada
precipitadamente.
Os romanos eram mais sensatos quanto ao direito. Não eram perfeitos, mas,
em comparação aos judeus, que tinham em seu poder o direito mosaico, o
mais perfeito código de justiçada História, eram mais razoáveis na aplicação
das leis civis. Todas as vezes em que vemos os romanos agirem, geralmente
salvam a vida de Paulo

*
BIBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

Atos 19:37: Porque estes varões que trouxestes não são Local do E studo :
sacrílegos nem blasfemadores da nossa deusa. iRm2:22i Tema :
O governador apelou para o direito. E isto era bom e agradável a Deus
M inistra n te :
Atos 19:38: Mas, se verdadeiramente Demétrio e os
artífices que estão com ele têm alguma questão contra Ca p . inicial :
alguém, os tribunais estão abertos e há juizes: que lá
demandem uns contra os outros, s m n .:z> CAP. FINAL:
Os homens que tentam manipular o poder se sentem maiores que a justiça,
mas a justiça não se sente menor que eles, pois a justiça é viva e se baseia na D iscípulo :
sualegitimidade, não toma atalhos, não tem paraninfos, não tem padrinhos.
Apelem a justiça os que se sentem injustiçados

Atos 19:39: E, se houver outra demanda, há de ave-


riguar-se em legítima assembléia.
O argumento: poderíam ser acusados de sedição sem causa, sem
justificativa

Atos 19:40: Pois até corremos o risco de sermos acu­


sados de sedição por causa dos acontecimentos de
hoje, já que não temos nenhum a explicação para jus­
tificar este alvoroço”.
A assembléia é soberana, mas a sua consciência é obediente à voz da
prudência. Mas, onde está a deusa Diana dos Efésios? Onde está o
paganismo? Onde está o templo de Artemisa? Onde está o culto a César?
Onde está a imagem do templo de Diana? Onde está o mercantilismo
religioso de Efésios? Ali se estabeleceu a igreja do primeiro amor. Ali
os grandes eventos do cristianismo primitivo tiveram lugar. Ali, João, o
evangelista, escreveu

Atos 19:41: Depois de ter dito isto, despediu a


assembléia.
• T exto c r o n o l ó g ic o c e n t r a l :
• 0388 - A DESPEDIDA DE PAULO DAS REGIÕES DA
M a c e d ô n i a e A c a i a , A t 2 0:1 -3: Ú l t im a v is it a
deP a u l o á M a c e d ô n ia e á A c a i a . E r a o m e s m o
LUGAR PARA ONDE TIMÓTEO E ERASTO TINHAM IDO
(19:22), At 20:1 -3; 1 Co 16:5-9; 2 Co 12:14;
13:1; 2:3,4; RM 15:25-29:
Atos 20:1 : E depois que cessou o alvoroço, Paulo con­
vocou os discípulos e, exortando-os, despediu-se deles
e partiu para a Macedônia. n co 16:5; At / U2A i m i a At t i m i
O mundo espiritual estava em guerra aberta contra Paulo e seus obreiros.
Mas Paulo não deixava de resistir com a Espada do Espírito, q ue é a Palavra
de Deus

Atos 20:2: E após ter percorrido aquelas regiões,


exortando os discípulos com muitas palavras, dirigiu-
se para a Grécia.
1502
Bible C hronos D i N elson

As ciladas de morte que os judaizantes estavam armando ficaram conhecidas Leitura Bíblica
e ele não embarcou e voltou pela Macedônia. Algumas viagens nos levam à P essoal
morte, e devemos sempre estar em vigilância

A tos 20:3: E, depois de ter passado três meses ali, eis M ÈS:______ ANO:

que os judeus lhe armaram ciladas, quando estava 01 02 03 04 05 06 07


para embarcar para a Síria; então propôs retornar pela 08 09 10 II 12 13 14
Macedônia. (At 9:23; 20:19; 23:12; 25:3; 2 Co / 1:261 15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
• T ex to COMPLEMENTAR E COMPARATIVO: 29 30 31
• P a u l o , d u r a n t e a v ia g e m , t e r m in a a
SEGUNDA EPÍSTOLA AOS CORÍNTIOS:
• O p r o p ó s i t o d e P a u l o ( n ã o t in h a
MUITA CERTEZA POR CAUSA DOS RECENTES
FATOS) EM SEU NOVO ITINERÁRIO,
I C O 16:5-7,9: DADOS ESPECIAIS

1 Coríntios 16:5: Mas irei ter convosco depois de


passar pelaMacedônia (“terra estendida pois tenho
de passar pela Macedônia. /At 19:211
Corinto, a igreja escolhida para ajuda econômica; a igreja apta para
enfrentar o inverno e a igreja apta para sustentar e designar uma
missão a Paulo
1 Coríntios 16:6: E talvez me demore convosco e até
mesmo passe 0 inverno, para que me ajudeis a prosse­
guir para onde eu vou.
Um tempo, no inverno, na Igreja Pentecostal de Corinto
1 Coríntios 16:7: Pois não desejo vê-los, agora, ape­
nas de passagem, mas espero ficar convosco um tempo,
se 0 Senhor 0 permitir.
1 Coríntios 16:9: porque me foi aberta uma porta
grande e eficaz; e há muitos adversários
• T ex t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :
• M udança de pla n o s: P a u lo passa
r a p id a m e n t e pelaA c a ia , e v is it a o s
IRMÃOS EM CORINTO, MAS POR CAUSA DAS
TRIBULAÇÕES RECENTES, ELE DECIDE ABORTAR
A SUA VIAGEM, O QUE ELE NÃO QUERIA. DEPOIS,
NT

PREPARA-SE PARA ESCREVER A SEGUNDA CARTA


a o s C o r ín t io s , e m v ia g e m a T r ô a d e ,
2 Co 12:14; 13:1; 2:3,4:
2 Coríntios 12:14: Eis que esta é a terceira vez que es­
tou preparado para ir ter convosco, e não vos serei uma
carga; porque não busco 0 que é vosso, senão a vós; pois
os filhos não devem entesourar para os pais, mas os pais
para OSfilhos. !2Co13:l;1Co10:24,33;4:14,IS;Pv19:14)
1503
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

Paulo avisa que vai aplicar Mateus 18:15-17, quanto ao pecado de Local do Est u d o :
alguns irmãos de Corinto
2 Coríntios 13:1: É esta a terceira vez que vou ter ] Tem a :
convosco: “Pelo testem unho de duas ou três testemu- i
M inistrante :
nhas toda palavra será confirmada”, m i 8.-i6.-2 co i2.-i4,- \
DtlQ:15j
Ca p. inicial :
O apóstolo não queria se decepcionar em esperar ser consolado
por aqueles que deveríam alegrá-lo. Muitas vezes, o líder não
defrauda, não cobra, não é legalista segundo o seu direito, e Ca p . final :
espera ser consolado em honra por aqueles que foram frutos de j
seu ministério. Mas, pelo contrário, recebe decepção e vento, D isc ípu lo :
sendo que a alegria do ministro vem das mãos daqueles que ele
primeiramente resgatou, preparou e ordenou
2 Coríntios 2:3: E vos escrevi a respeito disto m esm o,
para que, chegando lá, eu não tivesse tristeza da par­
te daqueles que deveríam dar-me alegria; confiando {
em todos vós, que a m inha alegria é a de todos vós. j
(2 Co 12:21; 7:16; 8:22:
Motivos das suas cartas molhadas de lágrimas apostólicas: (1)
“Nãoparaquevos entristecésseis”. (2) “Para que conhecésseis o
amor que abundantemente vos tenho”
2 Coríntios 2:4: Porque, em m eio de muita tribulação
e angústia de coração, vos escrevi, com muitas lágri­
mas, não para que vos entristecésseis, mas para que
conhecésseis o amor que abundantemente vos tenho.
[2 Co 7:8,9,12!

• T ex to c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :
• P a u lo r e t o r n o u a C o r in t o d u r a n t e esta
TERCEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA, VINDO DE
ÉFESO E DA MACEDÔNIA. ESTEVE NA CIDADE
POR TRÊS MESES (AT 2 0 : 2 - 3 ) DURANTE O
INVERNO DE 5 5 - 5 6 D .C . NESSE TEMPO, PAULO
TERMINOU A CARTA AOS ROMANOS E FEZ A
COLETA PARA A IGREJA DE JERUSALÉM, RM
1 5 :5 -9 :
Sexto segredo do apostolado: não é dono de seus próprios planos.
“Quero ir a Espanha e passar por Roma, mas, agora, estou indo a
Jerusalém a serviço dos santos”
Romanos 15:25: Mas agora estou de partida para
Jerusalém, a serviço dos santos irmãos. (Aiiv:2 i;24:27)
Quem diria? Que a perseguição que chegou a Jerusalém deixou
rastros terríveis de pobreza na igreja, e, agora, o apóstolo, motivo
de muitas desconfianças, está trazendo provisões enviadas pelos
frutos de seu trabalho missionário aos irmãos da Igreja principal. O
mundo dá muitas voltas. Os irmãos da Macedônia (ao Norte) e da
antiga Acaia (uma província do Império Romano que compreendia
entre o Peloponeso e o Sul da Grécia) queriam cooperar
Romanos 15:26: Porque os nossos irmãos da M a­
cedônia, e os da Acaia, desejaram contribuir com
Beble C hronos D i N elson

uma oferta generosa e dedicá-la aos santos irmãos Leitura Bíblica


mais pobres dentre todos os que vivem em Jerusalém. P essoal
12Co 8:1; 9:2; 1 Ts 1:7,8-
Sétimo segredo do apostolado: bens espirituais se pagam com M ês: _A n O:
bens materiais. Os gentios queriam, generosamente, enviar
01 0 2 0 3 0 4 0 5 0 6 0 7
os seus bens materiais aos irmãos de Jerusalém por causa de
sua maravilhosa função, pois Jerusalém era o centro de envio 0 8 0 9 10 11 12 13 14
missionário, em troca dos bens espirituais que haviam recebido. 15 16 17 18 1 9 2 0 2 1
Observe que bênção maravilhosa era a consideração que os gentios 2 2 23 2 4 25 2 6 27 28
tinham, pois queriam, em troca dos bens espirituais, devolver bens 2 9 3 0 31
materiais. Bens espirituais se pagam com bens materiais. A viúva
de Sarepta pagou antecipadamente os bens espirituais que Elias
lhe concedeu, isto é, a prosperidade de sua casa e a ressurreição
de seu querido filho. Quando Elias disse à viúva: “Prepara-me um
bolo, primeiro para mim”, era o pagamento antecipado dos bens
espirituais que havia de receber. Saul buscava um bem espiritual,
isto é, o conhecimento sobrenatural a respeito da localização das
mulas de seu pai. Ele sabia que era costume em Israel servir com
bens materiais, em agradecimento pelos bens espirituais (ISm DADOS especiais
9:7-9)
Romanos 15:27: Eles assim procederam porque tam- | l i
bém lhes pareceu bem, e porque se consideram seus
devedores; porque, se os gentios têm sido feitos par­
tícipes dos seus bens espirituais, por meio do Espírito i fu
Santo, crêem que devem lhes servir com os seus bens j
j Z"
materiais, (ícoç.-iu
Oitavo segredo do apostolado: há missões inadiáveis que envolvem
a vida humana do missionário. Aquela era uma grande missão na
qual Paulo estava envolvido: levar os bens materiais aos irmãos
necessitados de Jerusalém
Romanos 15:28: Assim que, quando tiver cumprido
esta missão e lhes houver consignado este fruto, irei à
Espanha, passando por vós. • r;
Paulo esperava que os irmãos cuidassem de todas as coisas
relacionadas à sua estadia ali. Ele merecia. A plenitude da bênção
é quando chegamos fartos das virtudes de Deus e satisfeitos
materialmente. O Evangelho de Cristo não nos apresenta apenas
angústias e tribulações. Por um ciclo de tempo assim o é, mas
também chegam os tempos das vacas gordas. Que bom é quando
sabemos reconhecer este tempo, embora não nos ocupemos
somente em desfrutá-lo, pois, muitas vezes, nos esquecemos até de
lutar por este fim; mas quando nos ocupamos das coisas de Deus,
Deus se ocupa das nossas. Jesus viveu a plenitude das bênçãos no
seu ministério. Paulo esperava fazeraquela viagem nesta condição.
Os irmãos gentios sabiam reconhecer o trabalho e o ministério de
NT

seu apóstolo. Sobre a sua viagem a Espanha, devemos lembrar


que, entre os anos 1 e 5 d.C., Paulo nasceu, sob o governo do
imperador Augusto. Entre os anos 33 e 34 d.C., ocorreu o martírio
de Estêvão e a conversão de Paulo, já no governo de Tibério. Nos
anos 34 a 36 d.C., Paulo esteve na Arábia, nos dias do imperador
Calígula. Entre os anos 36 e 37 d.C., aconteceu a primeira viagem
a Jerusalém. Entre os anos 37 e 42 d.C., esteve em Tarso. Em 42 fü i
d.C., Paulo chegou a Antioquia. Em 44 d.C., no ano da grande fome,
Paulo viajou a Jerusalém para trazer ajuda aos irmãos. Nos anos
45 a 48 d.C., ele fez a sua primeira viagem missionária. Entre 48 e

1505
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

49 d.C., houve o Concilio dos Apóstolos em Jerusalém. A seguir, Local do Est u d o :


aconteceu um conflito entre Pedro e Paulo em Antioquia, já no
governo de Cláudio. Entre os anos 49 e 52 d.C., Paulo fez a sua
Tema :
segunda viagem missionária. Entre 49 e 50 d.C., ele permaneceu
em Filipos. Entre 50 e 51 d.C., Paulo esteve em Tessalônica e
Beréia. Entre 51 e 52 d.C., ele esteve em Atenas e Corinto, onde M ínistra n te :
escreveu as duas epístolas aos tessalonicenses. Em 53 a 58 d.C.,
empreendeu a sua terceira viagem missionária. Esteve em Éfeso Cap. inicial :
entre 54 e 57 d.C. Entre 54 e 55 d.C., escreveu a epístola aos
gálatas. Em 56 d.C., produziu a primeira epístola aos coríntios. Ca p . fínal :
Em 57 d.C., teve que fugir de Éfeso, onde havia escrito a segunda
epístola aos coríntios, quando fez sua viagem a Ilíria. Entre 57 e
58, passou o inverno em Corinto, onde escreveu a epístola aos D iscípulo :
romanos. Em 58 d.C., regressa, fazendo a sua última viagem a
Jerusalém. Já sob o governo de Nero, fica, nos anos 58 a 60 d.C.,
preso em Cesaréia. Entre 60 e 61 d.C., faz a sua quarta viagem
missionária para Roma. Passou os anos 61 a 63 d.C. em Roma. Ali,
escreveu as famosas epístolas da prisão. Foi liberto e, nos anos 63
a 66 d.C., fez duas viagens missionárias pelo Oriente. A quinta
viagem: (1) Paulo declarou a Timóteo que gostaria de estar em
Éfeso novamente (1 Tm 4:13), na região ondeTimóteo estava. Dali,
passou por Creta, Mileto, Colossos, Filipos e Corinto. De Corinto,
Pau lo convocou Tito para encontrar-se com ele em Nicópolis (hoje
Bulgária - Trácia e Macedônia, Tt 3:1), provavelmente depois de
uma rápida viagem à Espanha. Na sexta viagem missionária (2 Tm
4:20), ele foi dali para Trôade (2 Tm 4:13), depois a Corinto (2 Tm
4:20). Em Corinto, Paulo foi preso, pois uma parte daquele grupo
de judeus que o ouviu em Roma (At 28:29) o denunciou. Em 66-
67 d.C., Paulo regressou da sua última viagem, tendo passado o
inverno em Nicópolis. Em 67 d.C., foi preso em Corinto e levado
para o seu segundo cativeiro em Roma, onde terminou a segunda
epístola a Timóteo, depois do primeiro “amém” (2 Tm 4:18),
quando foi martirizado
Romanos 15:29: E sei que, quando eu for ter con-
vosco, irei na plenitude da bênção do Evangelho de
Cristo.

• T e x t o CRONOLÓGICO CENTRAL:
• 0 3 8 9 -0 MUNDO ESPIRITUAL ESTAVA EM GUERRA
ABERTA CONTRA PAULO E SEUS OBREIROS. M A S
P a u l o n ã o d e ix a v a d e r esistir c o m a E s p a d a d o
E s p ír it o , q u e é a P a l a v r a d e D e u s , A t 20:4,5;
2 Co 2:12-17; 2 Co 1:13-16; 1:1-12, 17-22;
3:1-7:1; 8:1-9:15; 10:1-13:10; 2:12,13; B
7:2-16; 13:11-13:
Os companheiros de Paulo foram frutos da primeira e da segunda viagem
missionária. Homens fiéis de quase um continente inteiro. Cada um deles
lembrava grandes aventuras missionárias; entre eles, estavam dois grandes
amigos: Timóteo e Gaio. Nesse texto, Paulo também revela quem eram
alguns dos obreiros da Ásia
Atos 20:4: E acompanhava-o Sópater, de Beréia; e os
de Tessalônica, Aristarcoe Segundo; e Gaio, de Derbe,
e Timóteo; e os da Ásia, Tíquico e Trófimo. (A tw m -.Em i;
21:29; 2 Tm 4:20; At 27:2; Cl 4:7; 2 Tm 4:12; Tt3:12; At21:29)

1506
Bible C hronos D i N elson

Atos 20:5: E estes, adiantando-se, aguardavam-nos Leitura Bíblica


P essoal
emTrôade. ( “ T r o a s ”)

• T e x t o COMPLEMENTAR E COMPARATIVO: MÊS:____ ANO:______

• U m OBREIRO INDISPENSÁVEL: UM OBREIRO ; 01 0 2 0 3 0 4 0 5 0 6 0 7


0 8 0 9 10 11 1 2 13 14
PORTEIRO. UM OBREIRO PARA COLOCAR NA
15 16 17 18 1 9 2 0 2 1
PORTA QUE SE ABRIU, 2 CO 2 : 1 2 - 1 7 :
2 2 23 2 4 25 2 6 27 28
Um obreiro indispensável; um obreiro porteiro. Um obreiro para
2 9 3 0 31
colocar na porta que se abriu
2 Coríntios 2:12: Mas quando cheguei a Trôade
( “troiano ”) para pregar o Evangelho de Cristo, e uma
porta me foi aberta no Senhor, (At iò-.8; i Co ióm
A falta que faz um ministro de confiança na hora em que uma
porta se abre. O obreiro indispensável: aquele que abre portas não
estava. Paulo não encontrou Tito. A obra incansável no espírito.
Alguns cansam no corpo. Paulo não levava em conta o cansaço
físico, mas o cansaço no espírito
2 Coríntios 2:13: não tive descanso no meu espírito, ;
por não haver encontrado ali o meu irmão Tito (“enfer­
meiro ”); mas, despedindo-me deles, parti para a Mace-
dônia (“terra estendida ”). (2 Co 7:5,6;Mc 6:46;Rm 15.-26J
Paulo escreveu que o mesmo perfume que, para alguns, era para a
salvação, para outros era prenuncio de morte, lem brando a entrada
triunfal em Roma dos generais romanos com as suas milícias,
cujas famílias os esperavam na entrada do palácio real para serem
aplaudidos e honrados. Roma, naquele dia, sentia um só perfume,
o cheiro das rosas que as famílias felizes lançavam sobre os seus
vitoriosos guerreiros
2 Coríntios 2:14: Mas, graças a Deus, que sempre
nos conduz em triunfo em Cristo, e, por meio de nós
asperge o cheiro do seu conhecimento em todo lugar;
(Rm6:17; Ef5:2; Fp 2: / 8; ! Co 12:8(
Os prisioneiros trazidos como prova de suas conquistas, quando
começavam a sentir o perfume, já próximos de Roma, sabiam que
estavam bem perto da morte. Por isso, Paulo escreveu que somos
o bom cheiro de Cristo, tanto para os que se salvam quanto para os
que se perdem. Foi isto que Jesus representou para os mortos no
Hades: a evidência de sua morte. Mas para os justos, a evidência
da vida eterna (2 Co 2:14-16). O mesmo Evangelho pode ser visto
pelas pessoas de duas maneiras
2 Coríntios 2:15: porque para Deus somos um aroma
grato de Cristo, entre os que se salvam e entre aqueles
q u e Se p e r d e m . (E/5:2;fp4:/8;2Co4:3j
2 Coríntios 2:16: Para uns, somos cheiro de morte
que os leva à morte; mas, para outros, cheiro de vida
que os conduz à vida. E quem é competente para uma
tarefa semelhante? sjo 6:39; í re2:7j
O enviado de Deus é embaixador de Deus, e deve falar a verdade
de Deus sem receio, sem falsificações da Palavra. Não como Eva,
quando discutia usando a Palavra de Deus alterada, mas sim
como Cristo, ao devolver às assertivas de Satanás palavras que i

1507
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

procediam da boca de Deus sem aiteração, tiradas da segunda lei, Local do Est u d o :
Deuteronômio, pois vivemos quando usamos a Palavra genuína
de Deus! T em a :
2 Coríntios 2:17: Porque nós não somos falsificado­
M inistra n te :
res da Palavra de Deus; mas falamos com sinceridade,
como enviados de Deus diante da presença de Deus,
Ca p. inicial :
e m CriStO. ()o 9:39; lPe 2:7)

• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO: Ca p. fin al :

• P a u lo escrev e a s e g u n d a c a r ta a o s D isc ípu lo :


C o r ín t io s e e x p l ic a as su a s r e c e n t e s
TRIBULAÇÕES E A MUDANÇA DE PLANOS,
DEPOIS DO RELATÓRIO DE TIMÓTEO,
2 Co 1:13-16:
Paulo mostra a sua fidelidade na palavra falada: sim, sim e não, não;
bem como agora mostra a sua fidelidade naquilo que escreve
2 Coríntios 1:13: Porque não vos escrevem os outra
coisa fora das que já haveis lido, e também reconheceis,
e eu espero que também até o fim as reconhecereis;
(2 Co2:17; I Co2:4,13}
O reconhecimento, em parte, da Igreja a respeito dos seus pais na
fé; assim como somente no Tribunal de Cristo os ministros terão
pleno gozo. Não devemos nos desanimar, como líderes, se ainda
não temos recebido pleno reconhecimento do nosso trabalho
como ministros de Deus; por isso, Paulo coloca o verbo no futuro:
“vós sereis o nosso” motivo de regozijo
2 Coríntios 1:14: conform e também vós haveis nos
reconhecido, em parte, que nós som os a vossa glória,
assim com o também vós sereis a nossa, no dia de nosso
Senhor Jesus Cristo. tPmi-.iô; i co i .-8/
Duas visitas pastorais: no ir e no vir; isto é, dois benefícios em
graça |í

2 Coríntios 1: 15: E, nesta confiança, m e propus ir pri­


m eiram ente a vós, para que recebésseis um segundo
benefício em graça; (t co4-.i9;Rm m /,- i5:29j j li
A igreja missionária na qual Paulo confiava: “Ser encaminhado
porvós”
2 Coríntios 1:16: e passar por causa de vós à Macedô-
nia (“terra estendida ”)e, outra vez, da Macedônia até a
vós.ep orvósserencam inh adop araajud éia./ icoió.-57) ;

• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:


• A INTRODUÇÃO DA SEGUNDA CARTA (QUE
É A TERCEIRA, POIS UMA FOI PERDIDA), ]
2 CO 1:1-12,17-2:2:
Mais uma vez Paulo está justificando, com razão, o seu chamado j
apostólico, questionado por muitos na sua época. Em todas as suas
epístolas, ele justifica o seu chamado apostólico, desde que Pedro
estabeleceu regras para o novo apóstolo em Atos 1
Bible C hronos D i N elson

2 Coríntios 1:1: Paulo ( “m enor”j, apóstolo de Cristo Leitura Bíblica


( “ungido 7Jesus ( “Jeová é salvação ”), pela vontade de P essoal
Deus, e o irmão Timóteo ( “que honra a D eus”y, àigreja
M Ê S :_________ A n o : ____
de Deus que está em Corinto ( “saciado ”), juntamente
com todos os santos que estão em toda a Acaia ( “trans­ 01 0 2 0 3 0 4 0 5 0 6 0 7
torno ”) í 1Co 1:1;At 16:1; 1 Co 16:10;Fp l:l;C ll:l; I Tm 1:1) ; 0 8 0 9 1 0 11 12 13 14
A graça é para nós, a igreja, a paz vem do Pai e do Filho 15 16 17 18 1 9 2 0 2 1
j 2 2 23 24 25 2 6 27 28
2 Coríntios 1:2: Graça a todos vós e paz da parte
2 9 3 0 31
de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. (Rm i.-7;
1 Co 1:3; Gl 1:3)
Como Deus de Cristo, é consolação; como Pai de Cristo, é
misericordioso. A consolação é fruto e atributo da divindade, assim
como a misericórdia é filha de Deus
2 Coríntios 1:3: Bendito seja o Deus e Pai de nosso
Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus
d e tO da COnSOlaÇãO; (Efl:3; 1Pe 1:3; Rm 15:5;
A razão principal porque somos consolados: para consolar {1:4-7).
O poder da consolação
2 Coríntios 1:4: o qual nos consola em todas as nos­
sas tribulações, para que também possamos consolar
aqueles que estão em qualquer angústia, por meio da
consolação com que nós temos sido consolados por
Deus. (Is51:12;2Co7:6,7,13)
As mesmas tribulações produzem abundantes consolações, se
estivermos em Cristo
2 Coríntios 1:5: Porque da mesma maneira que os
padecimentos de Cristo abundam em nós, assim tam­
bém a nossa consolação transborda por meio de Cristo.
(2 Co 4:10; Cl 1:24j
Paciência na consolação e nos sofrimentos
2 Coríntios 1:6: Mas, se agora somos atribulados, é
para nossa consolação e salvação, pois, quando somos
consolados é para vosso consolo; esta consolação será
eficaz se vós, com paciência, suportais as mesmas afli­
ções que nós também padecemos. (2Co4:isj
Quem participa da tribulação participa da consolação
2 Coríntios 1:7: E a nossa esperança, no que con­
cerne a vós, é firme; sabendo que, assim como sois
participantes nas tribulações, assim também o sereis
na consolação. /Rm8:!7;21m2:12)
O poder de uma circunstância adversa que gera grande desespero
no ministro. ( 1 )0 grau da tribulação: “Em tal grau que estávamos
excessivamente agravados”. (2) O peso das tribulações: “além
de nossas forças”. (3) O efeito da tribulação: “Que perdemos a
esperança de sair dali com vida”
2 Coríntios 1:8: Pois, irmãos, não queremos que ig­
noreis as nossas tribulações, que nos sobreveio na pro­
víncia da Ásia ( “oriente ”), em tal grau que estávamos
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

excessivamente agravados, além de nossas forças, de Local do Est u d o :


maneira tal que perdemos a esperança de sair dali com
Tem a :
vida. (At i 9:23; 1Co 15:32!
A mesma confiança de Abraão quando caminhava para Moriá, M inistrante :
conduzindo Isaque ao altar, mas confiando na sua ressurreição;
uma circunstância que se repete a cada dia na vida de um ministro
de Deus Ca p . jniciai .:

2 Coríntios 1:9: Verdadeiramente tínhamos dentro CAP. FINAL:


de nós mesmos a sentença de morte; para que não
con fiássemos em nós mesmos, mas sim em Deus, que D iscípulo :
ressuscita os mortos, tiri7:5,7i
A contínua batalha ministerial contra a morte e seus intentos. Mas
é Deus quem nos livrou, quem nos livra e quem nos livrará
2 Coríntios 1:10: 0 qual nos livrou de tão terrível
morte e ainda nos livra; e nele confiamos que ainda
continuará livrando-nos;
Muitos intercessores, muitas pessoas gratas; muitos que oram,
muitos que glorificam (2 Co 12:13,14). A cobertura dos ministros
são as orações dos santos
2 Coríntios 1:11: cooperando também vós, com as
vossas intercessões, em nosso favor; pois se muitas pes­
soas suplicaram por nós, também da parte de muitas
pessoas sejam dadas graças a Deus por este benefício a
nós concedido. (Km lS:30;Fp l:l9;2Co4:l5j
Antes do testemunho dos outros, o testemunho da consciência
ministerial. Este testemunho é baseado na graça de Deus. Alguns
fundamentam o seu testemunho na sabedoria carnal. Este
testemunho é sincero e santo
2 Coríntios 1:12: Porque a nossa glória é esta: O
testemunho da nossa consciência que, com santidade
e sinceridade de Deus, e não com sabedoria carnal,
mas sim pela graça de Deus, temos vivido no mundo,
e especialmente para convosco.
2 Coríntios 1:17: Tendo, pois, este propósito, por
acaso usei de leviandade? Ou as coisas que determinei
fazer, as determinei fazer segundo a carne? De modo,
então, que atue como aqueles que primeiro dizem que
“sim”, “sim”, mas depois “não”, “não”? /2Coio-.2,3s
A palavra do ministro: Não é sim e depois não
2 Coríntios 1:18: Mas, como Deus é fiel, a nossa pa­
lavra para convosco não é primeiramente sim, e depois
nãO, (7 Cot:9;2Co2:t7;
O exemplo da palavra de Cristo, que não titubeava jamais entre
o sim e o não
2 Coríntios 1:19: semelhantemente o Filho de Deus,
Jesus Cristo, o qual entre vós foi pregado por nós, isto
é, por mim, Silvano ( “arborizado”) e Timóteo ( “que
Bible C hronos D i N elson

honraaD eus”), não foi primeiramente “sim” e depois Leitura Bíblica


“não”, mas nele houve “sim”. mi6:i6;mi:i;Hbt3:8) P essoal
Isto quer dizer que quando Deus nos faz uma promessa, ele já
tem determinado o seu cumprimento com o “sim”. Nenhuma M ÊS:_________A n o :____
promessa de Deus sai de sua boca sem o seu antecipado
cumprimento pelo sim. Mas somente quando concordamos com 01 02 03 04 05 06 07
o amém, elas são produzidas e vistas na terra. O sim é de Deus, o 08 09 10 11 12 13 14
amém é nosso. O “amém ” fez muita falta aSaul (1 Sm 10:1). Deus 15 16 17 18 19 20 21
acabava de ungi-lo, e dele esperava um amém, mas o amém não 22 23 24 25 26 27 28
foi dito
29 30 31
2 Coríntios 1:20: Porque todas quantas são as mui­
tas promessas de Deus, elas têm nele o “sim”; e por
ele o Amém, por meio de nós, para a glória de Deus.
IRm 15:8,9; 1 Co 14:16}
Samuel acabara de ungir a Saul, e Deus esperava que, na ocasião da
unção de Saul, houvesse alegria e regozijo confirmados com o seu
próprio amém, mas não houve nenhum amém. Mas Paulo (que
já foi um Saul) nos conforta, dizendo que recebemos a unção do
Espírito para sermos reis e sacerdotes; mas Deus sempre recebe
o nosso amém em confirmação da nossa gratidão. A unção que o
ministro recebe vem de Deus, bem como o seu reconhecimento
2 Coríntios 1:21: Mas aquele que nos confirma jun­
tamente convosco, em Cristo, e aquele que nos ungiu
é Deus, (1 Co 1 : 8; IJo 2:20,27}
0 penhor de Deus está no coração dos seus verdadeiros
ministros
2 Coríntios 1:22: o qual nos selou e nos deu o penhor
de seu Espírito em nossos corações. / e/ i :1 3 ;
A moderação do ministro quando sente a falta de consideração da
igreja por seu ministério: esperar o tempo certo
2 Coríntios 1:23: E invoco, porém, a Deus como tes­
temunha sobre a minha alma que, por consideração a
vós, não tenho ido, até agora, a Corinto (“saciado”).
(Cl 1:20;! Co4:2I;2Co2:3j
A fé que mantém a igreja de pé
2 Coríntios 1:24: Não que tenhamos senhorio sobre
a vossa fé, senão que somos cooperadores de vosso
gozo: Porque pela fé vós estais em pé. n Pe5:3;Rm ii:2o;
1 Co 15:1)
O apóstolo evita entristecer e ser entristecido, e decide isto em si
mesmo. A tristeza do apóstolo e o seu perdão àquele que o feriu e
à igreja. O poder do ministério do perdão. Como triunfar sobre a
tristeza: pelo perdão
2 Coríntios 2:1: Mas isto determinei comigo mesmo:
Que não iria ter convosco novamente com tristeza.
12Co 1:23)
Em uma situação de ofensa, o ofensor é aquele que a si mesmo se
ofende, e o regresso de sua alegria tem apenas uma fonte: aquele
que foi entristecido por ele mesmo. No Salmo 137, os donos do
cativeiro pediam aos presos uma canção. Os ofensores não sabem
cantar. Como triunfar sobre a tristeza? Perdoando e recebendo
perdão

1511
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

2 Coríntios 2:2: Porque, se eu vos entristecesse, Local do Est u d o :


quem é, pois, que me alegraria, senão aquele mesmo
que por mim foi entristecido? !2Co7:8i T em a :
O apóstolo não queria se decepcionar em esperar ser consolado
por aqueles que deveríam alegrá-lo. Muitas vezes, o líder não M inistrante :
defrauda, não cobra, não é legalista segundo o seu direito, e
espera ser consolado em honra por aqueles que foram frutos de Ca p . inicial :
seu ministério. Mas, pelo contrário, recebe decepção e vento,
sendo que a alegria do ministro vem das mãos daqueles que ele Ca p. final :
primeiramente resgatou, preparou e ordenou
2 Coríntios 2:3: E vosescrevi a respeito disto mesmo, D iscípulo :
para que, chegando lá, eu não tivesse tristeza da par­
te daqueles que deveríam dar-me alegria; confiando
em todos vós, que a minha alegria é a de todos vós.
(2 Co 12:21; 7:16; 8:22)
Motivos das suas cartas molhadas de lágrimas apostólicas: j
(1) “Não para que vos entristecésseis”. (2) “Para que conhecésseis
o amor que abundantemente vos tenho”
2 Coríntios 2:4: Porque, em meio de muita tribulação j
e angústia de coração, vos escreví, com muitas lágri- 1
mas, não para que vos entristecésseis, mas para que
conhecésseis o amor que abundantemente vos tenho.
Í2 Co 7:8,9,12]
Paulo admoesta que aquele que fere a liderança, fere o corpo.
Paulo prefere ensinar à igreja uma disciplina não exagerada
2 Coríntios 2:5: Mas, se alguém me contristou, não
contristou somente a mim, mas sim, em parte, a todos
vós, e digo para não exagerar neste assunto, a c o 5 .i , 2 )
A repreensão do corpo contra o ofensor basta. Paulo considera o
bastante e respeita a posição da igreja
2 Coríntios 2:6: Basta a esse tal esta repreensão feita
pela maioria de vós. n Co5.4,5)
O ofensor sente mais a dor, uma tristeza que devora. A tristeza
devora o ofensor que pode ser salvo pelo perdão e pelo consolo.
Alguns somente perdoam, outros perdoam e consolam. A tristeza
que devora
2 Coríntios 2:7: De maneira que, pelo contrário,
deveis antes perdoar-lhe e consolá-lo, para que ele não
seja devorado por excessiva tristeza. ígió:1;E}4:32,
Após o perdão, é necessário a demonstração de amor, sentimento
que confirma o membro no corpo de Cristo
2 Coríntios 2:8: Pelo que vos rogo que confirmeis
para com ele o vosso amor.
A prova de obediência pelas cartas de admoestação do apóstolo
2 Coríntios 2:9: E para isso também que escrevi, para
saber se passais na prova de vossa obediência em tudo.
(Fp2:22; 2 Co 7:15; 10:6)
O poder da concordância da igreja como congregação, como
assembléia, cujo respeito foi demonstrado pelo apóstolo sem
nenhuma restrição de sua parte
Bible C hronos D i N elson

2 Coríntios 2:10: E a q u e m v ó s te n d e s p e rd o a d o | Leitura Bíblica


a lg u m a coisa, e u ta m b é m p e rd o o ; p ois, o q u e e u per- : P essoal
d o ei, se é q u e h av ia a lg u m a co isa q u e p erd o ar, o fiz p o r
c a u sa d e v ó s, n a p esso a d e C risto , M ÊS:_________A N O :___

Onde Satanás trabalha na igreja? Nas injustiças e na falta de 01 02 03 04 05 06 07


perdão. Na falta de perdão ele ganha vantagem. Mas o apóstolo
tem informação das suas artimanhas e adverte a igreja por meio 08 09 10 11 12 13 14
doensino 15 16 17 18 192021
2 Coríntios 2:11: p a ra q u e S a ta n á s n ã o g a n h e a lg u ­ 22 23 24 25 26 27 28
m a v a n ta g e m so b re n ó s; p o rq u e n ã o ig n o ra m o s as suas 29 30 31
a rtim a n h a s . (Mt4:!0;Lc22:3I;2Co4:4; I Pe5:8)
Um obreiro indispensável; um obreiro porteiro. Um obreiro para
colocar na porta que se abriu
2 Coríntios 2:12: M a s, q u a n d o c h e g u e i a T rô a d e
( “t r o i a n o 7 p a ra p re g a r o E v a n g e lh o d e C risto , e u m a
p o rta m e foi a b e rta n o S en h o r, (At ió .-8; i co ió .-q<
A falta que faz um ministro de confiançana hora em que uma porta
se abre. O obreiro indispensável: aquele que abre portas não
estava. Paulo não encontrou Tito. A obra incansável no espírito.
Alguns cansam no corpo. Paulo não levava em conta o cansaço
físico, mas o cansaço no espírito
2 Coríntios 2:13: n ã o tiv e d e sc a n s o n o m e u e sp í­
rito , p o r n ã o h a v e r e n c o n tr a d o ali o m e u irm ã o T ito
( “e n f e r m e i r o ”J; m a s , d e s p e d in d o -m e d e le s , p a rti
p a ra a M a c e d ô n ia ( “t e r r a e s t e n d i d a ”). /.2c<>7.5, 6; Mc6:46,■
Rm 15:26}
Paulo escreveu que o mesmo perfume que, para alguns, era para
a salvação, para outros era prenúncio de morte, lembrando a
entrada triunfal em Roma dos generais romanos com as suas
milícias, cujas famílias os esperavam na entrada do palácio real r ::
para serem aplaudidos e honrados. Roma, naquele dia, sentia um
só perfume, o cheiro das rosas que as famílias felizes lançavam

l
sobre os seus vitoriosos guerreiros
2 Coríntios 2:14: M a s, g ra ç a s a D e u s, q u e se m p re
n o s c o n d u z e m triu n fo e m C risto , e, p o r m e io d e n ó s j
a sp e rg e 0 c h e iro d o se u c o n h e c im e n to e m to d o lu g ar; j
(Rm 6:17; Ef5:2; Fp4:18; I Co 12:8)
Os prisioneiros trazidos como prova de suas conquistas, quando
começavam a sentir o perfume, já próximos de Roma, sabiam que
estavam bem perto da morte. Por isso, Paulo escreveu que somos
o bom cheiro de Cristo, tanto para os que se salvam quanto para os
que se perdem. Foi isto que Jesus representou para os mortos no
Hades: a evidência de sua morte. Mas para os justos, a evidência i
da vida eterna (2 Co 2:14-16). O mesmo Evangelho pode servisto
NT

pelas pessoas de duas maneiras


2 Coríntios 2:15: p o rq u e p a ra D e u s so m o s u m aro m a
g ra to d e C risto , e n tr e os q u e se sa lv a m e e n tr e a q u e le s
q u e se p e rd e m . (Ef5:2;Fp4:I8;2Co4:3j
2 Coríntios 2:16: P ara u n s, so m o s c h e iro d e m o rte
q u e os lev a à m o rte ; m a s, p a ra o u tro s , c h e iro d e v id a
q u e os c o n d u z à v id a . E q u e m é c o m p e te n te p a ra u m a
ta re fa s e m e lh a n te ? qo q.-3q; i Pe2:7j

1513
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

O enviado de Deus é embaixador de Deus, e deve falar a verdade Local do Est u d o :


de Deus sem receio, sem falsificações da Palavra. Não como Eva,
quando discutia usando a Palavra de Deus alterada, mas sim Tema :
como Cristo, ao devolver às assertivas de Satanás palavras que
procediam da boca de Deus sem alteração, tiradas da segunda lei,
M ínistrante :
Deuteronômio, pois vivemos quando usamos a Palavra genuína
de Deus!
2 Coríntios 2:17: Porque nós não somos falsificado­ Ca p . inicial :

res da Palavra de Deus; mas falamos com sinceridade,


CAP. FINAL:
como enviados de Deus diante da presença de Deus,
em Cristo, m / p«2:7) D iscípulo .-

• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:


• N esta s e g u n d a e p ís t o l a , P a u l o passaria
A DEFENDER O SEU MINISTÉRIO, QUE ERA
RECOMENDADO, GLORIOSO, HONRADO,
PROVADO, DE CONFIANÇA, DE RECONCILIAÇÃO DADOS ESPECIAIS

E DE EXORTAÇÃO, 2 Co 3:1 -7 :1 :
As novas pedras do Novo Testamento são de carne: os nossos
corações
2 Coríntios 3:1 : Porventura, começamos outra vez
a recomendar-nos a nós mesmos? Ou teremos que vos
recomendar, como fazem alguns, ou pedir-vos cartas
de recomendação? /.2Co5:I2;I2:ii ;au 8:27i
Estas cartas não estão escondidas em arcas
2 Coríntios 3:2: Vós mesmos sois a nossa carta, escrita
em nossos corações, conhecida e lida por todos, / o>9:2
Quem escreveu nessas “pedras”? O Antigo Pacto foi escrito por
Deus e por Moisés. As primeiras pedras foram escritas pelo dedo :

de Deus e as segundas, por Moisés, quando subiu ao monte. Somos !


estas pedras vivas nas quais o Espírito Santo escreveu o Novo
Testamento, por isso os nossos corações são privilegiados
2 Coríntios 3:3: porque é evidente que vós sois a
epístola de Cristo, expedida por nós, escrita não com
tinta, mas com o Espírito do Deus vivente, não em tá­
buas de pedra, mas em tábuas de carne, nos corações.
(Jr3!:33;Ez 11:191
Porque a Palavra está escrita em nossos corações, somos mais do
que uma simples carta, somos a epístola de Cristo
íi
2 Coríntios 3:4: Esta é a confiança que temos diante
de Deus por meio de Cristo; (m-.tp.,<
A glória que temos em nós vem do Espírito que vivifica
2 Coríntios 3:5: não que sejamos capazes de reputar
coisa alguma, como procedente de nós mesmos; senão
que a nossa suficiência vem de Deus. aco*M; / co is.-ioi
A letra era a glória do Antigo Testamento, e o Espírito é a glória do
Novo Testamento. É o Espírito que vivifica, dando testemunho
deste Novo Testamento
2 Coríntios 3:6: Ele também nos capacitou para ser­
mos ministros de um Novo Pacto, não da letra, mas do
Bible C hronos D i N elson

Espírito; porque a letra mata, mas o Espírito vivifica. Leitura Bíblica


■15/3:7; Cl 1:25; Hb 8:6,8; Gl3:10;Jo 6:63) P essoal
A glória do antigo pacto envolveu o trono de Deus, e teve tremendas
manifestações da sua presença, sonido de trombetas, anjos e M ÊS:__ AN O: —
fogo, tremor e glória jamais vista; revelou o trono de Deus aos
anciãos do povo e estabeleceu limites de operação, termos que 01 02 03 04 05 06 07
não poderíam ser ultrapassados, e sangue de touros - tudo isto 08 09 10 11 12 13 14
aconteceu para estabelecer um pacto cuja força era a sua letra. O 15 16 17 18 19 20 21
quanto mais gloriosa será a manifestação do Novo Pacto? Como 22 23 24 25 26 27 28
se manifestará? 29 30 31
2 Coríntios 3:7: 0 ministério que causa morte, o qual
estava gravado com letras em pedras, foi tão glorioso
que os filhos de Israel não podiam fixar os olhos no ros­
to de Moisés, por causa da glória que se refletia no seu
rosto, a qual já estava sendo abolida. (tx34:29-3Sj
O ministrante da letra não supera o que ministra no Espírito, mas
todo Sinai fumegava, pois o Senhor descia sobre ele em fogo.
O monte tremia, o som de buzina crescia e Deus respondia em
voz alta. somente Moisés podia subir ao monte, a passagem era
limitada, havia trovões manifestados. O monte fumegava, o povo
se espantava e recuava. Debaixo dos pés de Deus, havia algo como
uma obra de pedra de safira e era como o parecer do céu na sua
claridade. A glória de Deus habitava no Sinai, a nuvem cobria
Moisés até por seis dias, e o aspecto da glória do Senhor era como
um fogo consumidor no cume do monte aos olhos do povo, e
Moisés entrava naquela nuvem e permanecia por muitos dias.
Toda aquela glória era experimentada somente por uma pessoa,
Moisés. Moisés no lugar do povo (Êx 19:18-21; 20:18,19; 24:15-
18). O ministério do Espírito no Novo Pacto traz todo o povo à
presença de Deus e não há um representante por todos, mas todos
podem achegar-se à glória de Deus. O povo, no Antigo Pacto, teve
medo da manifestação da glória e recuou, pedindo que Moisés
o representasse no santíssimo lugar. No ministério do Espírito,
depois que o véu foi rasgado de alto a baixo, todos, enfim, são
feitos reis e sacerdotes, e podem avançar sobre os limites que
Deus estabeleceu (Êx 19:12-17). No primeiro pacto, Deus queria
que o povo avançasse até o lugar santíssimo, mas o povo temeu e
pediu um mediador (Êx 20:19). O ministério do Espírito não tem
mediador, nem véu, pois o caminho está aberto (Hb 10:19)
2 Coríntios 3:8: Como não será mais glorioso o minis­
tério do Espírito?
O ministrante da condenação não supera o ministrante da
justificação. O Antigo Pacto revelava o pecado e condenava o
homem de forma individual. O Novo Pacto revela o Salvador e
salva o homem de forma individual, provendo a sua justificação
pelo sangue que garante este novo pacto, derramado uma vez
NT

para sempre
2 Coríntios 3:9: Porque, se tinha glória o que minis­
trava condenação, muito mais abunda em glória o que
ministra justificação. (2Co3:7;Rm I:I7;3:2I}
A glória do Antigo Pacto comparada à glória excelsa do Novo
Testamento. A mudança não foi na glória de Deus, mas naqueles
que, transformados, a recebem . O Novo Pacto provê um
caminho ao monte de Deus e aqueles que se dirigem a Deus estão
transformados, pois o sangue que garante este pacto é melhor do
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

que o sangue que garantia o primeiro: é o sangue de Cristo e não Local do Est u d o :
sangue de bezerros (Êx 24:5-8). Esta glória trabalha sobre um povo
transformado e não sobre um homem que intercede pelo povo Tema :
2 Coríntios 3:10: Porque, na verdade, o que foi feito
glorioso, deixou de ser glorioso, se comparado com j M inistrante :
esta excelsa glória.
A glória do Novo Testamento não estava inacessível, sob limites C a p . INICIAL:
intransponíveis. Ela veio até o homem por meio de Cristo (Jo 1:14)
e foi vista por mais de dois homens (Mt 17:1 -5) Ca p . final :

2 Coríntios 3:11: Porque, se aquilo que havia de ser


D iscípulo :
abolido era glorioso, muito maior é a glória daquilo que
permanece.
2 Coríntios 3:12: Assim que, como temos tal esperan­
ça, façamos uso de muito maior ousadia na pregação.
!2 Co 7:4; Ef6: !9j
O véu do Antigo Pacto apregoava o fim do resplendor e o advento
de uma glória maiorque jamais se desvanecería: o Espírito Santo
2 Coríntios 3:13: E não façamos como Moisés, que
trazia um véu sobre o seu rosto, para que os filhos de
Israel não vissem o fim do resplendor que estava sendo
abolido. /Èx34:33;2Co3:7;
O entendimento endurecido perdura nas suas tradições que não
aceitam o Novo Testamento, garantido por uma sangue superior:
o de Cristo
2 Coríntios 3:14: Mas os seus sentidos ficaram en­
durecidos. Porque, até o dia de hoje, ao proceder a
leitura do Antigo Pacto, põem o mesmo véu, o qual não
lhes foi tirado, porque somente foi abolido por Cristo.
ÍRm 11:7;At 13:15;2 Co3:6)
Quando Jesus morreu, o véu do templo foi disputado pelos
soldados romanos, pois Jesus era o templo e a túnica que o cobria
era o véu que estava sobre a arca. Não foi partido pelos soldados,
mas por Deus, de alto a baixo. Mas eles jamais tiraram o véu e
continuam no átrio, sob o comando de um intermediário, o sumo
sacerdote, com o sangue de bezerros e distantes de Deus
2 Coríntios 3:15: Até o dia de hoje, sempre que
Moisés é lido, um véu ainda cobre o coração deles.
Quando o véu é tirado?
2 Coríntios 3:16: Mas, quando se converterem ao
Senhor, o véu será tirado. (Rm 1 1.-23)
O Espírito Santo no Antigo Pacto estava limitado: era dado somente
a uma pessoa, permanecia sobre ela e não dentro dela. Podia
se retirar a qualquer momento. Não era estável. Era dado em
porções e não em plenitude. Era tipificado. Não habitava, mas
estava com, sobre, entre e, jamais, no interior da pessoa; retirava-
se sem a pessoa sentir a sua saída. Com o Novo Testamento, o
Espírito Santo foi dado à Igreja em plenitude, passou a habitar no
espírito daquele que o recebe; não é dado em porção, não é dado
por medida, está em todo o corpo, não se retira da pessoa por
causa de um ato de pecado, embora ele se entristeça, podendo ser
extinguido por causa da continuidade do pecado sem confissão,
sem arrependimento e sem conversão. Éo Espírito que nos dá esta
Bible C hronos D i N elson
liberdade de servirmos a Deus, de entrarmos voluntariamente na Leitura Bíblica
sua presença para adorá-lo sem intermediários e mediadores
P essoal
2 Coríntios 3:17: Agora bem, o Senhor é o Espírito, e
onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade, fi Co isas ; i M ÊS:_________A n o :___

Isól: l,2;Jo 8:32} 01 02 03 04 05 06 07


Moisés transmitiu a glória que se desvaneceu nele, mas ele não 08 09 10 11 12 13 14
foi transformado pela mesma glória. A glória do Novo Pacto, que
refletimos, nos transforma, pois ela é o Espírito de Deus em nós. A
15 16 17 18 192021
glória pertence a Deus. A glória pode ser tipificada pelo Sol e nós os i 22 23 24 25 26 27 28
seus satélites, mas com uma diferença: À medida que refletimos : 29 30 31
esta glória, somos transformados pelo Espírito Santo
2 Coríntios 3:18: Mas todos nós, com rosto desco­
berto, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor,
somos transformados na mesma imagem, de glória em
glória, como pelo Espírito do Senhor, u co i3.i2;2Co4A,ó;
Rm8:2Qj
Não viver neste corpo sem deixar de aproveitar as razões pelas
quais ele está aqui na terra, pois, para isso, Deus nos deu a sua
misericórdia, mesmo realizando este ministério
2 Coríntios 4:1: Pelo qual, tendo este ministério, n
segundo temos alcançado misericórdia, não desfale­
cemos; (2Co3:6; I Co7:25j
A Palavra de Deus é o meio pelo qual o homem vai-se moldando
conforme o homem total, Cristo, para que nasça para a eternidade
segundo a vida de Cristo. Para isto, ele deve evitar torcer a Palavra
de Deus, renunciar as coisas vergonhosas que se fazem em oculto,
deixar toda astúcia e buscar a clara revelação da Palavra de Deus
2 Coríntios 4:2: antes, renunciemos a tudo o que,
por vergonha, se mantém oculto, não andando com
astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; pelo con­
trário, nos recomendamos à consciência de todo ho­
mem, pela clara exposição da verdade diante de Deus.
{2 Co 2:17)
Quem são os que se perdem? Aqueles que não são plenamente
gerados para nascer para a eternidade no Reino de Deus, pelo
nascimento providenciado pelo Espírito de Deus. O grande
Evangelho é a boa notícia de que o homem completa o seu ciclo
de vida humana, depois que nasce do ventre de sua mãe. Foi isto
que Nicodemos, a principio, não compreendeu, pois pensou que
o homem deveria voltar para o ventre de sua mãe. Na linguagem
de Jesus, aquela fase havia passado, e, agora, já na bolsa do
firmamento, estava sendo preparado para nascer do Espírito
para a vida eterna. Isto é, cada homem é um grande feto que se
NT

prepara para nascer para a eternidade, e muitos são os “fetos”


que não querem deixar esta bolsa para nascer para a vida eterna.
O Evangelho veio para anunciar este nascimento, mas muitos
homens não querem sair da bolsa
2 Coríntios 4:3: Mas, se o nosso Evangelho está
encoberto, para aqueles que se perdem é que está
encoberto, Í1 Co 1:I8;2Co2:I2;3:14I
O deus deste século quer que o homem seja abortado deste
firmamento sem ter o privilégio de nascer para a vida eterna. Ele
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

tratará de cegar o entendimento do homem para que não participe Lo c a l d o E s t u d o :


da luz na eternidade
Tem a:
2 Coríntios 4:4: nos quais o deus deste século cegou
os entendim entos dos incrédulos, para que não lhes M in is t r a n t e :
am anheça a luz do Evangelho da glória de Cristo, que
é a im agem de D eus. /cn i.-20; a /.•is-jo 12.31; i .-isi C A P . INICIAL:
O tema de nossa mensagem: Cristo e não nós mesmos. Alguns j
proclamam-se a si mesmos, ordenam-se a si mesmos C A P . FINAL:
2 Coríntios 4:5: Porque não nos pregamos a nós m es­
D is c íp u l o :
m os, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e a nós m esm os
com o vossos servos, por amor de Jesus. ,•-/ co q.-iq, - z i y
A mesma luz que ele ordenou para começar a sua obra criadora
e que depois desapareceu, para que a luz do sol e da luz
resplandecessem em Gênesis, é a mesma luz que ele revela no
rosto de Cristo (Gn 1:3)
Éfe"
2 Coríntios 4:6: Porque Deus, que ordenou: “Res­ DADOS ESPECIAIS

plandeça a luz no m eio das trevas”, é quem resplan­


deceu a sua luz em nossos corações, para dar-nos a luz
do conhecim ento da glória de Deus, na face de Jesus
CriStO. ÍG nl:3;2Pel:l 9)
O conhecimento da glória de Cristo é o grande tesouro que temos
guardados neste corpo humano que amadurece para a vida
eterna
2 Coríntios 4:7: M as tem os este tesouro em vasos de
barro, para que se veja a excelência deste poder, que
vem de Deus, e não de nós m esm os. 12C o S :i / c o z s i
As tribulações da vida humana não conseguem destruir a
motivação principal de nossa fé. Ela não permite lugar para a
angústia, para o desespero, para o sentimento de abandono e para
a destruição
2 Coríntios 4:8: Nós som os atribulados em tudo, mas
não angustiados; perplexos, mas não desesperados;
;2 Co 7:5; 6:! 2!
2 Coríntios 4:9: perseguidos, mas nao abandonados;
abatidos, mas não destruídos; íjo isao-.m iã:5;Si3/:24:
O tempo que um ser passa no ventre de sua mãe é um tipo do
tempo em que passamos no firmamento dos homens. Alguns são
abortados, outros morrem prematuramente sem terem alcançado
a maturidade para nascer (morrer) para a eternidade. Permitir
que a vida de Cristo se manifeste é amadurecer para nascer
para a eternidade. Este é o sentido do Evangelho: que tenhamos
conhecimento do Pai e de Cristo como Deus verdadeiro
2 Coríntios 4:10: trazendo sem pre em nosso cor­
po a m orte do Senhor Jesus, para que tam bém a
vida do Senhor Jesus se m anifeste em nosso corpo;
(Gl ó:I7;fím 8:17j
A vida humana ainda é um feto, comparada à luz que nos espera
quando este feto humano completar o seu ciclo e morrer; a morte
é a apresentação para a luz da eternidade. Somente com a morte
Bible C hronos D i N elson

humana o poder da ressurreição será completamente revelado Leitura BIblica


sobre o homem P essoal
2 Coríntios 4:11: porque nós, que vivemos, estamos
sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que Mês: __ANO:

também a vida de Jesus seja manifestada em nossa 01 0 2 0 3 0 4 0 5 0 6 0 7


carne mortal. (Rm8:36i 0 8 0 9 10 11 12 13 14
O sofrimento dos ministros por amor ao corpo de Cristo. (Ler o 15 16 17 18 19 2 0 21
comentário do verso ló) 22 23 24 25 26 27 28
2 Coríntios 4:12:D em odoquea morte opera em nós, 2 9 3 0 31
mas em vós opera a vida. (2Co /.w
2 Coríntios 4:13: Mas nós temos o mesmo espírito
de fé, segundo está escrito: “Cri, por isso falei”. Nós
também cremos, e por isso também falamos; /siiió.-ioí
Todos os santos triunfantes e militantes serão apresentados vivos
diante de Deus, após a ressurreição dos santos, que precederá o
arrebatamento da Igreja DADOS ESPECIAIS

2 Coríntios 4:14: sabendo que aquele que ressuscitou


ao Senhor Jesus, nos ressuscitará também por meio de
Jesus Cristo, e nos apresentará juntamente convosco.
(t Co6:l4; l Ts4:14j
Milhares de pessoas hão de alcançar a ressurreição dos mortos e
serão apresentadas diante de Deus, como fruto da obra de Cristo
2 Coríntios 4 :1 5: Tudo isto é para o vosso bem, para
que a graça, sendo multiplicada por meio de muitas
pessoas, faça abundar a ação de graças para glória de
Deus.
O homem exterior é composto de alma e corpo, e o homem
interior, do espírito humano e do Espírito Santo que nele habita.
Quando o homem pecou, o seu ser espiritual foi separado de
Deus, isto é, morreu espiritualmente. Seu corpo começou a
morrer gradativamente, enquanto o seu ser espiritual morreu
imediatamente. Como a morte é a separação, o homem exterior
perdeu a luz da vida que fluía diretamente de seu espírito. Mas a
passagem do homem pela terra não se completa até que o homem
exterior não esteja completamente maduro, para que nasça para a
eternidade. Alguns morrem antes do tempo e são abortados desta
vida para a eternidade. Desde as fases: a vida desenvolve-se desde
os gametas masculinos e femininos, quando, após a fecundação,
dá início ao desenvolvimento embrionário do ser e, a partir daí, a
fase fetal que se desabrocha no ventre materno até dar à luz este
mundo, iniciando temporária fase neonato, que não é outra coisa
senão a chegada à grande bolsa do firmamento, onde os homens
são desenvolvidos, afim de nascerem para a eternidade. Para isto,
NT

devem escolher: estar na presença de Deus ou ser enviados para


o esgoto eterno preparado para Satanás e seus anjos. Assim, a
morte não é outra coisa senão dar luz para a eternidade. Assim,
como em todas as fases, a figura do ser vai se desvanecendo para
dar lugar a uma nova figura: O homem exterior vai desvanecendo-
se para dar lugar ao corpo da ressurreição, pois, enquanto o
corpo vai se desvanecendo, o homem interior vai renovando-se
e amadurecendo para viver na eternidade. Hoje, por causa da B
decadência humana, este tempo dura entre setenta e oitenta anos.
Quando o homem luta para não morrer, faz o mesmo que um feto
que se rebela contra os planos naturais de sua nova vida e de j Lo c a l d o E s t u d o :
sua nova imagem, enquanto, de fora, sabemos o que o espera se
permitir que seu curso natural se complete T em a:
2 Coríntios 4:16: Portanto, não desfalecemos; mas
ainda que o nosso homem exterior vá se desgastando, j M in is t r a n t e :

o homem interior, contudo, se renova de dia em dia. j


iRm7:22; d 3:1Oi C A P . INICIAL:
As tribulações produzem um grande tesouro, do qual lançaremos
mão na eternidade para dar continuidade à nossa vida eterna; C a p . f in a l :
pesos de glória serão estimados como moedas na eternidade e j
com ele prestaremos cultos, tal qual os vinte e quatro anciãos que, j i D is c íp u l o :
ao adorarem lançam as suas ofertas em forma de coroas, peso de
glória
2 Coríntios 4:17: Porque a momentânea e efêmera
tribulação, que nós padecemos, produz para nós, em
alto grau, um peso eterno de glória; iRm8:i8; i Pe i:6i
As coisas que se vêem são feitas de átomos, as coisas que não se
vêem e são duradouras são feitas de elementos eternos. Estas
coisas que não se vêem somente podem servistas, hoje, pela fé
2 Coríntios 4:18: não se fixando nas coisas que se j
vêem, mas sim nas coisas que ainda não se vêem; por- j
que as coisas que se vêem são passageiras, enquanto
que as que não se vêem são eternas, mm8:24;m / /.•/,/
O nosso corpo é um tabemáculo e, como tabernáculo, tem todas
as prerrogativas e cerimoniais que lhes são peculiares. O átrio é o
corpo, o lugar santo é a alma e o espírito humano é o santíssimo. Se
este tabernáculo for desfeito pela morte, temos um corpo celestial
não de barro, mas incorruptível
2 Coríntios 5:1: Porque sabemos que, se a nossa casa
terrestre, este tabernáculo, for desfeita, temosde Deus {
um edifício, casa não feita por mãos, eterna, nos Céus.
í2Pe 1:13,14)
Este tabemáculo é corruptível e sente dores, enfermidades, alegria
passageira, desconforto, cansaço, fome, necessidades; porisso, ele
deseja ser revestido. Paulo fala sobre o desejo do homem de não j
ser despido, mas revestido. Isto é, transformado vivo por ocasião
do arrebatamento da Igreja. Ele usa a palavra “revestido” porque
desejava que o seu corpo não morresse, mas fosse transformado
vivo naquele edifício celestial, como Enoque, Elias e Moisés
2 Coríntios 5:2: E, assim, neste tabernáculo, geme­
mos, desejando ardentemente ser revestidos da nossa
habitação, que é celestial, /Rm8:23;2Co5:4i
Para que o seu desejo fosse satisfeito, ele deveria estar vivo na
ocasião do arrebatamento da Igreja. Se isto ocorresse, ele seria j
revestido pelo corpo celestial, sem ter necessidade de passar pela j
morte física. Mas como ele morreu, sua alma ficou sem o corpo,
e agora está nua do corpo. Então, Paulo será achado nu do corpo
nesta ocasião. Porisso que os mortos, em Cristo, deverão assumir
seus corpos celestiais, antes do arrebatamento. Estar nu, neste
sentido, é a alma estar fora do corpo. A alma e o espírito do justo
que morre hoje estão na Novajerusalém (Hb 12.22-24)
2 Coríntios 5:3: se verdadeiramente formos achados
vestidos, e não formos achados nus. ;ap ió.-isj
Beble C hronos D i N elson

Mais uma vez, o apóstolo está declarando que não desejaria que Leitura Bíblica
a sua alma estivesse fora do corpo, mas, sim, que o seu corpo P essoal
fosse transformado naquele que é celestial. Então, sabemos que o
corpo humano será transformado e deixará a digestão ácida pela
M ÉS:_ Ano:
combustão
2 Coríntios 5:4: Porque nós, os que estamos neste 01 0 2 0 3 0 4 0 5 0 6 0 7
tabernáculo, gememos oprimidos, porque não deseja­ 0 8 0 9 10 11 12 13 14
mos ser despidos, mas sim revestidos, para que o mortal 15 16 17 18 1 9 2 0 2 1

sejaabsorvido pela vida. (icoi5:S3,54i 22 23 24 25 26 27 28

O Espírito Santo em nós é a garantia da ressurreição e do i 2 9 3 0 31


recebimento desta casa eterna. Fomos preparados para isso neste
corpo celestial, como o corpo dos anjos que fazem maravilhas j
no meio do fogo. A garantia disso é a presença permanente do
Espírito Santo de Deus em nosso espírito humano, fruto do novo i
nascimento. O Espírito Santo é o penhor que garante a nossa
ressurreição. Este selo é respeitado no mundo espiritual. O corpo
de cada novo nascido é marcado com este selo, e neles o diabo não
pode tocar. O sinal de Caim era espiritual, e é um tipo deste selo
em nós DADOS ESPECIAIS

2 Coríntios 5:5: E foi Deus quem nos preparou para


este fim, o qual também nos deu o Espírito como
p en h o r, (2 Co l:22;Rm8:23)
O corpo físico é a prova de que estamos ausentes do Senhor. É como
os filhos de Israel, que, embora vivessem tão bem em Gósen, no
Egito, estavam longe de Jacó. Ele subiu antes do povo por outro
caminho. Sepultado nas terras da promessa, ele era uma atração
para o seu povo, que sabia que ali no Egito não era o seu lugar. Por
isso José não pôde ser levado para Canaã, na ocasião da sua morte,
mas teve que ir na caixinha de ossos quando o povo saiu do Egito
com Moisés, para dá-nos a entender que o Espírito (como José) é a
nossa garantia; por isso nos acompanhará
2 Coríntios 5:6: Pelo qual estamos sempre de bom
ânimo, e sabendo que, enquanto estamos presentes no
corpo, estamos ausentes do Senhor m / /.-q,mi
A fé tomou o lugar dos olhos espirituais, que não foram abertos
até o novo nascimento. Os olhos da alma é a fé. Algumas vezes,
Deus abriu os olhos da fé: para Agar, para o jovem de Eliseu. A fé
é uma capacitação daqueles que nascem de novo. Anjo não tem
necessidade de fé, pois já vê o invisível e o visível ao mesmo tempo.
A fé é uma graça dos homens que crêem em Cristo. A fé opera
somente para a glória de Deus. Adão e Eva tinham olhos físicos,
pois viram e desejaram o fruto da árvore do conhecimento. Mas
de que olhos Deus estava falando? Dos olhos da alma, que estavam
fechados. Eles seriam abertos depois que o homem passasse no j
teste da obediência. Com o novo nascimento, o homem volta a
viver pela fé (Gn 3:5). Quando o homem busca conhecer o seu
futuro independente da fé, ele peca, pois o faz por meio da feitiçaria
e da bruxaria, falsos profetas e profetisas. Nos dias de Elias, um
NT

profeta verdadeiro poderia ser encontrado entre 451 homens que


se diziam profetas! Hoje, a proporção é ainda mais assustadora
2 Coríntios 5:7: (porque andamos por fé, e não por
ViSta) ;(1 Co 13:12)
Não nos resta outra alternativa
2 Coríntios 5:8: assim, mantemos o bom ânimo, mas i
desejosos, antes, de nos ausentarmos deste corpo, para j
estarmos presentes com o Senhor. /fp I.-23)
1521
Embora possamos estar ausentes dele, uma coisaé certa: podemos Lo c a l d o E s t u d o :

agradá-lo, estando perto ou distante
2 Coríntios 5:9: Pelo que também nos esforçamos, Tema :
para, quer presentes no corpo ou ausentes dele, sermos M in ís t r a n t e :
agradáveis ao Senhor.
O Tribunal de Cristo não é o mesmo evento conhecido como
C a p . INICIAL:
Trono Branco ou Julgamento das nações. O Tribunal de Cristo j
acontecerá após o arrebatamento da Igreja, sete anos antes da
sua manifestação em glória para o mundo. No Tribunal de Cristo, | C a p . FINAL:
as obras dos santos serão julgadas, para que cada um receba o
seu galardão. Não é um julgamento para aquisição ou perda da J D is c íp u l o :
salvação. Não é um julgamento de condenação temporária ou 1
eterna. Éum julgamento das obras dos justos. Neste tribunal, serão
apresentados prêmios ou galardões que representarão o favor de
Deus para com os seus fiéis. Os galardões são: (1) a coroa da justiça
(2 Tm 4:8) - prêmio pelas obras de beneficência e socorros e pelas
injustiças sofridas no mundo; (2) a coroa da vida (Tg 1:12) - prêmio
pela fé na obra salvadora de Cristo; (3) a coroa incorruptível (1
Co 9:25) - prêmio pela fidelidade e pela santidade; (4) a coroa
de glória (1 Pe 5:4; 1 Ts 2:14) - prêmio pelo serviço prestado a
Deus sem interesse nas coisas deste mundo; (5) a coroa do gozo -
prêmio pelo serviço de consolação. No Tribunal de Cristo, as obras
serão julgadas mediante o material que usamos na edificação de
nosso trabalho (1 Co 3:12-14). No Tribunal de Cristo, alguns dos
galardões serão ministrados se a obra daquele servo permanecer
(1 Co 3:14). A obra de cada um deverá estar relacionada à casa de
Deus, ao corpo de Cristo, à cooperação no edifício de Deus. Se a
pessoa teve consciência de que trabalhava para o Reino e não para
si nem para sua família. Se a obra daquele servo for superficial
(madeira, feno e palha), será destruída e ele não será aprovado
para receber o galardão correspondente. As obras, aqui, não têm
objetivo de conceder salvação ao servo, mas premiar a fidelidade
do servo. Tais galardões são coroas que podem ser usadas como j
valores de sacrifícios e ofertas no Reino de Deus (Ap 4:10). Após o
Tribunal de Cristo, a Igreja passará à Ceia do Cordeiro
2 Coríntios 5:10: Porque é necessário que todos nós
compareçamos diante do Tribunal de Cristo, para que
cada um receba o que lhe corresponda, segundo o
que praticou por meio do corpo, bem ou mal. mm m.-io,-
Ap 22:12;F,f6:8!
Os ministros que pregam a Palavra de Deus sem ter escolhido
o Espírito de temor não poderão ter sucesso na sua missão (Is
11:2,3). Jesus tinha como escolher um dos sete Espíritos, como
principal agente de sua vida, se o Espírito de Poder, ou o Espírito do
Senhorjeová, mas ele se deleitou em escolher o Espírito de temor
a Deus. Com este Espírito, todos os seus ministros se mantêm
em santidade diante de Deus e, quando persuadem os homens
à fé, demonstram autoridade na oratória da sua pregação mais
eficaz: a sua vida pessoal. Mas dificilmente o povo reconhece esta
autoridade na sua consciência
2 Coríntios 5:11: Assim, persuadimos os homens à
fé, tendo conhecido o temor do Senhor; mas Deus já
nos conhece, e espero que também sejamos reconhe­
cidos nas vossas consciências, m io:3um23;2Co4:Zí
Os de fora de nosso corpo têm suas razões de se vangloriar, mas
a igreja tem motivos de glória entre os seus santos ministros, de
Bible C hronos D i N elson

coração, diante de Deus e do povo. Maravilhoso é quando a igreja Leitura Bíblica


reconhece os seus heróis, seus santos homens que, como guias, P essoal
dirigem o rebanho segundo a Palavra de Deus e segundo avontade
de Deus
M ÊS: AN O:
2 Coríntios 5:12: Não querendo, outra vez, louvar­
m os a nós m esm os diante de vós, mas, sim, dar-vos 01 02 03 04 05 06 07
ocasião de vos gloriardes por nossa causa, para que 08 09 10 11 12 13 14
tenhais com o responder aos que se gloriam na aparên­
15 16 17 18 19 2021
22 23 24 25 26 27 28
cia, e não no coração. (2Co3.i; i.i4y
29 30 31
A fé atua além dojuízohumanoena fronteira com a razão divina, e
o povo não nos entende. Mas quando estamos sóbrios, descemos
ao nível do povo. Maravilhoso é quando o líder consegue elevar a
fé do povo ao nível de Deus
2 Coríntios 5:13: Porque, se perdem os o juízo,
é para Deus; e se conservam os o juízo, é para vós.
(2 Co 11:1,16,17}
Como o pecado entrou no mundo por um só homem, também a DADOS ESPECIAIS
nossa salvação é operada a partir de um só homem, Cristo. Este
amor inefável demonstrado por todos os homens deseja que
todos sejamos salvos. O mundo não será condenado porque é
pecador, mas porque rejeitou o Salvador dos pecados. Cristo
venceu o pecado, cumpriu a lei e triunfou sobre Satanás e
venceu a morte. Como ele não pecou, por isso não deveria sofrer
a condenação de Adão: a morte. Como ele foi morto, a morte
perdeu o poder condenatório de matar, pois ele era inocente e
Satanás foi condenado pelo seu erro fatal: matar um inocente,
pois somente tinha permissão para matar os pecadores. Como o
sangue inocente de Cristo foi derramado, o preço foi pago em favor
de todos os homens. Assim, a morte não é mais um algoz, mas
tornou-se um castigo que nos traz a paz, pois nos transporta para a
vida eterna. Pela nossa fé, ao recebermos o Salvador dos pecados,
podemos, pelo batismo, testemunhar este fato publicamente. rt
Este ato público revela o que aconteceu na ocasião em que cremos
em Cristo, e esta justiça é operada mediante aquilo que Cristo fez
na cruz por nós, uma vez por todas
f
2 Coríntios 5:14: Pois o amor de Cristo nos constran­
ge, por isso nós assim julgamos: Que um só morreu por
todos, logo nele todos morreram; ,mí i8:5;Rm5:iS;Ci2:20j
A vida que ganhamos agora, tendo morrido com ele, é a vida
eterna, que nos transporta para uma nova família, a família da fé
em Cristo, nosso Salvador. Assim, unindo os versos 13,14 e 15,
entendemos que a sua morte não está limitada à separação de
Deus, por causa dos pecados, mas revela o nosso triunfo sobre a
morte pela fé e pela esperança - pela fé em Cristo e pela esperança
da nossa própria ressurreição (1 Co 15:10-22)
2 Coríntios 5:15: e ele morreu por todos, para que
aqueles que vivem já não vivam mais para si, mas para
NT

aquele que por eles morreu e ressuscitou, m 14:7-9/


Isto quer dizer que não somos mais deste mundo, se morremos.
A nova vida que levamos é a vida de Cristo em nós. O Cristo que
conhecemos agora é o Cristo ressuscitado, vitorioso e imortal que
está assentado à destra de Deus
2 Coríntios 5:16: Portanto, daqui em diante, não
reconhecem os ninguém segundo a carne; ainda que
também tenham os conhecido Cristo segundo a carne,

1523
Bible C hronos - NT EM ordem cronológica

no entanto, agora, já nao o con h ecem os deste m odo. Lo c a l d o E s t u d o :


(2Co ! 1:18;Fp 3:4;Jo8:!5i
Tem a:
O novo nascimento apaga todas as informações negativas no
livro da vida do novo nascido. A regeneração do homem lhe dá
o direito de recomeçar uma nova história. E Deus trata o novo M ínistrante:
nascido como uma nova criação. A nova criação começa com o
pairar do Espírito sobre um mundo sem forma e vazio, em trevas, C a p . in ic ia l :
em abismos. Ele investe, crê, paira, trabalha, germina. A nova
criação separa a luz das trevas, a nova criação separa as águas de
C a p . f ín a l :
cima e as águas de baixo do firmamento. A nova criação tem um
firmamento que se expande. A nova criação separa as águas da
terra seca. A terra seca produz. O mar precisa ser conquistado. Em D is c íp u l o :
Gênesis 1, não temos todos os passos da nova criação do homem
que nasce de novo. Veja o que o texto diz: “Tudo se fez novo". Não
diz: “Tudo se fez de novo”.
2 Coríntios 5:17: Portanto, se alguém está em Cristo,
nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que
tudo se fez novo. iGl6:15;Rm 16:7; A p21:4,5!
Assim, como estávamos afastados de Deus por causa do pecado,
desde Adão, agora, por meio de Cristo, estamos reconciliados com
Deus. Além disso, os que se reconciliaram com Deus receberam
o ministério da reconciliação. Possuem o poder de reconciliar os
homens com Deus por intermédio de Cristo
2 Coríntios 5:18: M as todas as coisas provêm de
Deus, o qualnos reconciliou consigo m esm o por Jesus
Cristo, e nos confiou o ministério da reconciliação; fS
(Cl 1:20; Rm 5:1 Oj
I
Para executarmos este ministério de reconciliação, temos o
maior de seus instrumentos: a Palavra de Deus. Eesta mensagem
apregoa que Deus não tomaria em conta os pecados daqueles que
cressem na mensagem do Evangelho de Cristo
2 Coríntios 5:19: a saber: Q ue Deus estava em Cristo
reconciliando consigo o m undo, não im putando aos
hom ens suas transgressões; e nos imprimiu a palavra
da reconciliação, / a i : 20i
Assim, somos os arautos de Deus que apregoam a mensagem da
reconciliação que vem de Deus
2 Coríntios 5:20: Assim, pois, som os em baixadores
da parte de Cristo, com o se Deus por m eio de nós vos
rogasse: “Rogamos-vos, da parte de Cristo, que vos
reconcilieis com D eu s”. (e/6 :2o;2C o3:ó;6:i /
Ele foi tipificado como os dois bodes: o Emissário e o Expiatório.
Ambos recebiam imposição de mãos, pela qual recebiam as
transgressões sobre si. Assim, o sacerdote declarava que as
transgressões dos filhos de Israel eram transmitidas de sobre o
sacerdote para os bodes, para que morressem em favor do povo.
Aquele ato era uma profecia a respeito de Cristo, o Cordeiro
de Deus que morreu inocente em nosso lugar, levando sobre
si todos os nossos pecados, a fim de que fôssemos justificados.
Esta justiça somente se completa quando nós aceitamos o seu
trabalho expiatório e, pelo batismo, declaramos publicamente
a nossa fé nele; pois este ato, após ouvir-se a Palavra de Deus e,
depois, de nele crer, declara que fomos mortos com ele e com ele

1524
Bible C hronos D i N elson

somos sepultados e ressurretos na sua ressurreição. A garantia de Leitura Bíblica


nossa participação é o preço que ele paga: o seu precioso sangue Pessoal
derramado inocentemente em nosso favor
2 Coríntios 5:21: Aquele que não conheceu pecado, MÈS:. ANO:_
Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos 01 02 03 04 05 06 07
feitOS jUStiça de DeUS. UPe2:22;lJo3:5;CI3:l3j 08 09 10 11 12 13 14
Quando se recebe a graça de Deus em vão? 15 16 17 18 192021
2 Coríntios 6:1: Assim, nós, cooperadores dele, tam­ 22 23 24 25 26 27 28
bém vos exortamos que não recebais a graça de Deus 29 30 31
em vão. (I Co3:9;2Co5:20;Hb 12:15,'
(1) Deixando passar o tempo da salvação. Depois do tempo
aceitável. O que é o tempo aceitável? Somente lendo Levítico 25,
entenderemos o que é o tempo aceitável. Quando alguém dos
filhos de Israel vendia uma casa em cidade murada tinha o prazo
de um ano para resgatá-la. O seu herdeiro deveria lutar para que,
naquele ano, pudesse resgatar a sua propriedade. Se passasse
aquele ano e ele não desse resgate àquela casa, perderia o direito DADOS ESPECIAIS
de seu resgate. Tudo o que ele fizesse seriam em vão. O tempo
aceitável para o homem resgatar a sua casa (alma) em cidade
murada (no corpo) é o tempo da vida física. Este é o seu tempo para
resgatar a sua alma, e este resgate não pode ser feito por ele mesmo
(Ef 2:8,9), mas porCristo, que é o seu parente remidor, pois não o
valor suficiente pedido pelo posseiro para deixar a sua herdade (1
Pe 1:18,19). Este tempo aceitável quejesus veio pregar (Is 61:1)
2 Coríntios 6:2: (Porque diz: No tempo aceitável te
escutei e no dia da salvação te auxiliei; eis que, agora,
é o tempo aceitável, eis que agora é o dia da salvação!)
(!s49:8j
(1) Quando o próprio ministro prega o Evangelho dando motivos
de tropeço, sendo desacreditado diante de quem prega
2 Coríntios 6:3: Sem darmos, em coisa alguma, ne­
nhum motivo de tropeço, para que o nosso ministério
não seja desacreditado; mm i4.-i3; i co9:i?.; 10.3 2 ;
Quais são os motivos de créditos do ministério, para que a graça
não seja em vão? Em (1) muita paciência - a paciência é o tempo
da geração do discípulo; (2) em aflições - são as provações que
premiam a perseverança do discipuíado; (3) em necessidades -
são os motivos que provam a confiança no Deus provedor e não
no homem; (4) em angústias - as angústias mantêm anecessidade
de oração e comunhão com Deus quando o obreiro relaxa na sua
intimidade espiritual
2 Coríntios 6:4: ao contrário, em tudo nos fazemos
acreditar, como ministros de Deus: Em muita paciên­
cia, em aflições, em necessidades, em angústias,
(5) em açoites - (injustamente) são as marcas emocionais ou
físicas que mostram o poder de perdoar do ministro; (6) em prisões
- são os tempos de total dependência da justiça e da operação
divina, quando os homens pensam que estamos nas mãos justiça
humana, mas que verdadeiramente estamos nas mãos de Deus;
(7) em tumultos - (por causa da pregação) são os motivos pelos
quais nossa obra torna-se conhecida e chega a todos os cidadãos,
razão pela qual Deus divulga a sua obra; (8) em trabalhos pesados
- quando o obreiro não quer ser motivo de escândalo para os ricos

1525
A.:
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

que crêem que o ministério não é um trabalho digno, como Paulo Local do Est u d o :
experimentou em Tessalônica; (9) em vigílias-o jejum da alma do
ministro; (10) em jejuns - o jejum do corpo em relação às iguarias Tem a :
deste mundo, a fim de (a) soltar as ligaduras da impiedade; (b)
desfazer as ataduras do jugo; (c) despedaçar o jugo; o jejum do
ministro é alimento do necessitado (Is 58:6,10). O jejum correto M inistrante:
biologicamente deve começar às sete da noite e terminar as
sete da noite do outro dia, pois o relógio biológico começa com Cap. INICIAL:
o processo de alimentação às onze da manhã e vai até as sete da
noite. O processo de absorção começa às sete e termina às três da Ca p . final :
manhã; daí começa o processo de eliminação que vai até as dez
da manhã. Quando um ministro deixa de comer pela manhã e
D isc ípu lo :
“entrega” o seu jejum ao meio-dia, não fez jejum, masalimentou-
se corretamente
2 Coríntios 6:5: em açoites, em prisões, em tum ul­
tos, em trabalhos pesados, em vigílias, em jejuns,
(2 Co 11:23!
(11) com pureza-é a manifestação exterior daquilo que o ministro
vive nas suas quatro paredes; é a ausência completa de malícia com
todo o discernimento; (12) com ciência-é o maior depósito que o
ministro leva consigo, o qual ninguém pode arrebatá-lo, pois leva
consigo e gera compreensão na hora da experimentação; (13) com
longanimidade - é o amor ministerial do ministro sendo alongado
diante de seu inimigo; (14) com mansidão - é o amor do ministro
respondendo às ofensas; (15) com o Espírito Santo - é a prova
da humilhação do eu ministerial, para que o Espírito Santo seja
manifestado plenamente sem bloqueios; é o senhorio que habita
em nós e que, por ele, todas as decisões são tomadas e todos os
propósitos que glorificam a Deus são executados, por quem todos
os dons são dados e manifestados; por quem todos os prodígios
são aprovados, em nome de Jesus; (16) com amor não fingido - é o
amor sacrificia! disposto a tudo por amor a uma alma ou a um corpo
eclesiástico; é o amor que se dá sem esperar retorno, que ama
incondicionalmente e comprova a ausência total de hipocrisia
2 Coríntios 6:6: com pureza, com ciência, com longa-
nimidade, com mansidão, com o Espírito Santo, com
amor não fingido,
(17) com a Palavra da verdade - é a medida correta de todas as
conexões universais da fé; sem ela a heresia se manifesta; é a guia-
mestre pela qual o Espirito Santo nos conduz; são os mandamentos
de Deus que devem ser guardados, obedecidos, cumpridos,
amados, meditados; é o único meio de prosperar sem traumas,
sem decepções, sem frustrações ministeriais; (18) com poder
de Deus - são os sinais que seguem o trabalho do ministro após
a pregação do Evangelho, é a comprovação da presença de Deus
no seu ministério; (19) por meio das armas da justiça, à direita e
à esquerda - são aquelas armas de defesa e de ataque que estão
disponíveis na armadura de Deus, tais como: a espada do Espírito
e o escudo da fé (esquerda e direita)
2 Coríntios 6:7: com a Palavra da verdade, com po­
der de Deus; por meio das armas da justiça, à direita e
à esquerda, (2Co4:2; 10:45;EfÓ:ll,131
(20) por honra - com reconhecimento, com atenção, com
hospitalidade, com assistência, com previdência, com
preeminência, com privacidade, com justiça, com dobrado salário,
com direitos satisfeitos, com acessos, com consideração, com
gratidão, com cidadania; (21) por desonra-sem reconhecimento,

1526
m g
Bible C hronos E
sem atenção, sem hospitalidade, sem assistência, sem Leitura Bíblica
previdência, sem preeminência, sem privacidade, sem justiça
P essoal
alguma, com injusto salário, sem nenhum direito satisfeito, sem
acesso, sem consideração, sem gratidão, sem cidadania; (22) por
infâmia- é o meio usado por Deus para nos divulgar; (23) por boa MÊS:_______ ANO:___
fama - que não toma o lugar de Cristo; (24) como enganadores - é
o ultimo adjetivo que nos dá o invejoso, (25) porém verdadeiros -
01 02 03 04 05 06 07
esta é a verdadeira imagem que os domésticos da fé têm de nós; 08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 192021
2 Coríntios 6:8: por honra e por desonra, por in­
22 23 24 25 26 27 28
fâmia e por boa fama; como enganadores, porém
verdadeiros; 29 30 31
(26) como desconhecidos - dos homens; (27) porém bem
conhecidos dos fiéis, dos anjos de Deus, de Deus, de Satanás e
de seus demônios; (28) como moribundos - “como” sem sê-lo,
com propósitos bem dirigidos e específicos; (29) mas eis que
vivemos - guardados, cheios de saúde, em contraste àqueles que
vivem regaladamente e enfermos e quase mortos; (30) como
castigados - por uma causa nobre (não por pecado), em lugar ou
em favor de outros; (31) mas não mortos - a prova de que Deus
está no controle da vida do ministro e que ninguém pode tirar a
sua vida se a sua missão não for terminada
2 Coríntios 6:9: como desconhecidos, porém
bem conhecidos; como moribundos, mas eis que vi­
vemos; como castigados, mas não mortos; mm 8:36;
2 Co 1:8-10; 4:10, / tj
(33) como pesarosos - por causa dos desafios, da continuidade
do trabalho, das más notícias, das aparentes derrotas, das
desistências, de todas as palavras negativas vividas e descritas
neste texto; (34) mas sempre regozijantes - na esperança de
um galardão na eternidade; (35) como pobres - na condição de
pobres, o conselho tem autoridade, as idéias são sem interesse,
os gastos são menos, a humildade tem oportunidade de fazer a
sua obra; (36) mas enriquecendo a muitos - ajudando outros a
crescer, a prosperar, servindo e produzindo, sendo os próprios
idealizadores e produtores, mas sem nenhum direito, sendo
servo; (37) como não tendo nada - neste mundo; (38) mas
possuindo todas as coisas - em todos os lugares, usufruindo de
lugares, cidades, situações, alimentos, posições, etc., pelos quais
muitos milionários pagariam fortunas para desfrutar e jamais
poderão.
2 Coríntios 6:10: como pesarosos, mas sempre re­
gozijantes; como pobres, mas enriquecendo a muitos;
como não tendo nada, mas possuindo todas as coisas.
iRm 8:32; J Co 3:21!
Paulo mostra que sempre está disposto a falar, a pregar, a
aconselhar, a revelar. O coração dilatado era o campo que a igreja
de Corinto tinha para habitar: um campo de afeto apostólico. Não
NT

lhes faltaria revelação, não lhes faltaria afeto sincero


2 Coríntios 6:11 : Ó coríntios, a nossa boca está aber­
ta para vós, e o nosso coração está dilatado.
Paulo reclama o coração fechado da igreja, algo muito comum em
comparação ao trabalho feito pelo apóstolo
2 Coríntios 6:12: Não tendes lugar estreito em
nosso coração; mas em vossos próprios afetos estais
estreitados.
1527
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

A resposta de quem é amado: corresponder do mesmo modo. Mas, Local do Estudo:


por que a igreja estava tão fria quanto à correspondência de seu
amor? (Veja o verso 14) T ema :
2 Coríntios 6:13: Assim, pois, correspondendo do i j
mesmo modo (falo como a filhos), dilatai também o MlNISTRANTE:
vosso coração, n Co4:i4i
Sempre há uma a razão para o coração atuartão friamente: a união CAP. INICIAL:
com os incrédulos. A presença dos incrédulos no meio do corpo
foi minando a igreja. Assim, a Igreja atual tem sido invadida de Cap. final:
pessoas falsamente convertidas e com outros interesses que não
são o de servir e adorar a Deus, incondicionalmente, mas sim Discípulo:
(1) explorar o povo de Deus como sendo um negócio, (2) uma
oportunidade de ganhar dinheiro, (3) e de mostrar ao mundo, de
:
onde eles verdadeiramente são, que ainda estão de pé. Pior ainda
é quando os mundanos são tidos como celebridades no meio do
povo de Deus e, quando o povo de Deus, com alegria, entrega os
seus filhos em casamento com a falsidade. Isto tem ocupado um
lugarno coração dopovo de Deus, estreitando-o nahora de receber
os verdadeiros servos de Deus. O jugo desigual, desde o princípio
(Gn 6:3), entre os filhos dos poderosos e os filhos de Adão, isto
é, os filhos de Caim e os filhos de Sete, propiciou o nascimento
de uma nova geração sem cobertura espiritual, por meio da qual
Satanás entrou no homem. Entre os frutos resultantes da união
desigual surge sempre um que não se submete a Deus, nem às
coisas de Deus, e transformam-se em moradas de demônios e
forças espirituais da maldade, fruto da desobediência de seus
pais. Somente Deus para ter misericórdia. Isto acontece por falta
de padrão e valores definidos, devido à relatividade de seus pais
indefinidos por motivos convenientes. Jugo desigual não é apenas
de fé, mas de profissão, de ministérios, de visão, de doutrina, de
chamado
2 Coríntios 6:14: Não vos unais em jugo desigual
com os incrédulos; pois que consórcio tem a justiça
com a iniqüidade? Ou que comunhão tem a luz com as
trevas? (Dt7:2,3; I Co5:9, IO;E/5:7,11; IJo l:ój
Jugo desigual de divindades; jugo desigual de fé
2 Coríntios 6:15: Que concórdia há entre Cristo e
Belial? Ou que parte tem o crente com o incrédulo?
Jugo desigual entre o templo do Deus invisível e os ídolos feitos de
madeira ou pedra. Entre o templo do Deus espiritual e o idólatra
2 Coríntios 6:16: E que acordo tem o Templo de
Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus
vivente, assim como Deus disse: “Habitarei neles, e
andarei entre eles; e eu serei o seu Deus, e eles serão o
meu povo. Íls52:l I; 1Co3:!6;Jr3!:l,33;Ez / 1:20;37:27)
Como resolver o problema do jugo desigual? A fé premiada
de quem toma decisões radicais quanto à idolatria, Belial,
iniqüidade
2 Coríntios 6:17: Pelo que saí vós do meio deles e
separai-vos, diz o Senhor; e não toqueis em coisa imun­
da, e eu vos acolherei; i is s z i i;Ap is .-4)
Como Deus honra e acolhe aquele que abandona os ídolos, a
iniqüidade, a injustiça e Belial?
Bible C hronos Di N elson

2 Coríntios 6:18: e eu serei para vós Pai, e vós sereis Leitura Bíblica
para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso”. P essoal
(Os 1:10; Is 43:6)
A carne é a união entre o corpo e a alma atuando MÊS:_______ ANO:___
independentemente do espírito humano. O centro da carne é a
01 02 03 04 05 06 07
mente e o centro do espírito é o coração. Como vemos, o homem
é um tabernáculo. O apóstolo nos exorta a lançarmos fora toda 08 09 10 11 12 13 14
imundícia que contamina o lugar santo e o lugar santíssimo do 15 16 17 18 192021
nosso templo. Carnalidades são imundícias que contaminam a 22 23 24 25 26 27 28
carne. Fogo estranho, fé estranha e doutrina estranhacontaminam 29 30 31
o espírito humano. Pecados contaminam a carne, falsas doutrinas
contaminam o espírito. Aperfeiçoamos a santidade que está sendo
operada em nós quando nos purificamos de toda a imundícia, mas
nada disso é contínuo, perdurável, sem o constante temor a Deus
em tudo. O temor a Deus mantém a nossa santidade
2 Coríntios 7:1: Tendo, pois, tais promessas, amados
meus, purifiquemo-nos de toda a imundícia que conta­
mina a carne e o espírito, aperfeiçoando a santificação DADOS ESPECIAIS
no temor de Deus. (jo 17:■i q; i jo3.-3;2Co 6.-I7, /<?/
• T e x t o c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :
• P a u l o a pela a o s ir m ã o s d a M a c e d ô n ia ,
ESPECIALMENTE AOS DE CORINTO, QUE
USEM DE SUA GRANDE CARACTERÍSTICA: A
GENEROSIDADE PARA COM OS SANTOS. ELE
APRESENTA TAMBÉM A MAIOR REVELAÇÃO COM
RESPEITO À BENEFICÊNCIA: A GLORIFICAÇÃO A
Deus, 2 Co 8:1 -9 :1 5 :
O exemplo dos irmãos da Macedônia. Resultado da operação da
graça de Deus. O que a graça de Deus pode realizar?
2 Coríntios 8:1: Agora, irmãos, querem os que
conheçais a graça que Deus tem dado às igrejas da
Macedônia; (At 16:9/
O exemplo dos irmãos da Macedônia. O melhor momento para
investir- em grande tribulação, em profunda pobreza. Como mudar
o curso de nossa pobreza?
2 Coríntios 8:2: como, em meio de uma grande prova
de tribulação, houve abundância do seu gozo, e a sua
profunda pobreza redundou em riquezas advindas da
sua generosidade. f2Co9:iii
O exemplo dos irmãos da Macedônia. O verdadeiro contribuinte
sabe que a medida “segundo as próprias posses” ainda não é o
suficiente para quem deseja abundar nas riquezas da generosidade.
Sabe que, para sermos enriquecidos de maneira estável, devemos
fazer mais do que as nossas posses anunciam. É andar a segunda
milha, a milha da graça. Duas formas de contribuir: segundo
as suas posses, além de suas posses
2 Coríntios 8:3: Porque sou testemunha de que, se­
gundo as suas posses, e ainda acima de sua capacidade,
contribuíram voluntariamente, n Co ió.-2j

1529
W m m
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

O exemplo dos irmãos da Macedônia. Rogavam para participar do Local do Estudo:


ministério da beneficência. Uma obra de Deus na vida de Tito
2 Coríntios 8:4: rogando-nos, com muita insistên­ Tema:
cia, a concessão do privilégio de participarem deste M inistrante:
ministério de beneficência aos santos; mm 15 :25 ,20,3 1 ;
At24:17;2Co 9:1! Cap. inicial:
Dádivas não somente materiais, mas a si mesmos se dedicaram a
Deus e aos ministros. Outra oferta além das posses que surpreende Ca p. final :
a todos: dar-se a si mesmo
2 Coríntios 8:5: e não somente isto fizeram, como d is c íp u l o .-
nós esperavamos, mas primeiramente a si mesmos
se dedicaram ao Senhor, e depois a nós, conforme a
vontade de Deus;
O ministério de levantar as contribuições, isto é um dom de
Deus à igreja. Mas nem todos têm este ministério. Alguns são
ladrões, assaltantes do corpo e não investem em nenhuma obra
de beneficência, a não ser nos seus próprios bolsos avarentos.
Mas Tito era um homem honrado de Deus e sabia onde estaria
investindo o que recebesse
2 Coríntios 8:6: de maneira que rogamos a Tito, posto
que ele, antes, já havia começado, que assim tam ­
bém terminasse esta obra de graça entre vós. (.2c.o8-.i7;
12:18; 8:10,23,10/
O ministério completo da igreja. Sobressair-se na fé: milagres;
na Palavra: revelada; na ciência: conhecimento em tudo; no zelo:
nos cuidados emergenciais; no amor: para com o seus pastores; na
beneficência: no cuidado dos irmãos necessitados. Não há razão
para ter dúvida. Por que abundavam em tudo? Porque tinham
fé, revelação, conhecimento, zelo. Porque aprenderam como
alcançaras riquezas pela generosidade
2 Coríntios 8:7: Pois, já que abundais em tudo: na fé,
na Palavra, na ciência, em toda a diligência, no vosso
amor para conosco, vede que também abundeis nesta
graça de contribuir, a c o 9:8; i Co us; 12 .13j
O amor é provado na dedicação que demonstramos à pessoa
amada. Prove a sinceridade de seu amor!
2 Coríntios 8:8: Não digo isto como quem manda,
mas para provar, pela diligência de outros, a sincerida­
de da vossa dedicação para com os demais; n co m
O maior exemplo - não é a igreja da Macedônia, mas Cristo
(Fp 2:5-8)
2 Coríntios 8:9: porque conheceis a graça de nosso
Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, por amor de vós
se fez pobre, para que mediante a sua pobreza chegás­
seis a ser enriquecidos. í?.co i3 :i4 ; Hp2:ò,7i
A diferença entre o fazer voluntariamente (querer) e o fazer por
obediência (porque foi mandado). As atitudes relacionadas à
prontidão no ofertar não são frutos de um apelo, mas de uma
convicção que vai sendo gerada em nós. Para a igreja de Corinto, o
seu fruto de generosidade durou um ano para amadurecer
Bible C hronos D i N elson

2 Coríntios 8:10: E nisto dou o meu conselho; porque Leitura Bíblica


isto vos convém, já que começastes antes, desde o ano P essoal
passado, não só em fazer, mas também em querer fazer;
M n s: ______ A n o :____
I! Co7:25;2 Co 9:2; 1Co 16:2,3)
A prontidão do querer é cumprida no ato da oferta. Prontidão não 01 02 03 04 05 06 07
é tudo, enquanto não houver cumprimento 08 09 10 11 12 13 14
2 Coríntios 8:11: agora, pois, acabai de fazer a obra 15 16 17 18 1920 21
também, para que, assim como houve a prontidão no 22 23 24 25 26 27 28
querer, assim também haja no cumprimento, de acordo 29 30 31
com os bens que possuís, a c o u a i
Evite promessas futuras quando tiver oportunidade para dar; o
cumprimento da oferta é no ato da oferta. Os homens inventam
outros modos para suavizar o sacrifício da oferta, mas esta não é
uma atitude perfeita. De acordo com a prontidão do ânimo, nota-se
o valor da oferta, que é medida segundo as posses daquele que dá
2 Coríntios 8:12: Porque, quando há prontidão de
ânimo, o dom é aceito segundo o que alguém tem, e
não segundo o que não tem. ímcí2:43,44;lc2 1 -3)
O equilíbrio dos beneficiadores e dos beneficiados. No tempo das
vacas magras e no tempo das vacas gordas
2 Coríntios 8:13: Pois digo isto não para que outros
tenham folga, e vós aperto,
A colheita e a semeadura. Deus sabe como equilibrar e como pagar
os nossos atos de generosidade: Depende de nossa liberalidade
2 Coríntios 8:14: mas para que haja equilíbrio, quan­
do, neste presente momento de vossa abundância, su­
pris a falta dos outros, para que também a abundância
deles venha a suprir a vossa privação oportunamente,
e assim haja igualdade; /2Co9:i2j
Uma das revelações que poucos irmãos entendem quando veem
um necessitado ou um abastado: de acordo com a sua mesa é 0
seu gasto, é a sua necessidade. Assim, entendemos o sacrifício de
oferecer além das posses
2 Coríntios 8:15: como está escrito: “Nem aquele
que muito colheu tinha sobra; nem aquele que pouco
colheu lhe faltou ” . / ê x i ó .-i s i
Tito, o pastor que tinha o dom da beneficência, rápido, de boa
vontade, cheio de entusiasmo e voluntário
2 Coríntios 8:16: Mas, graças a Deus que pôs 0 mes­
mo cuidado que tenho por vós no coração de Tito.
2 Coríntios 8:17: Porque, na verdade, aceitou anos-
sa solicitação; e, sendo muito zeloso, partiu para vê-
NT

los, com muito entusiasmo e por sua própria vontade.


!2Co8:6j
A recomendação de um irmão sem nome. Quem era este irmão?
Famoso e sem nome. Designado e sem nome. Companheiro
fidedigno e sem nome
2 Coríntios 8:18: E, junto com ele, enviamos 0 irmão
cujo louvor no Evangelho se divulgou por todas as
igrejas: a c o 12:181
1531
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

2 Coríntios 8:19: e não som ente isto, mas que foi Local do E st u d o :
designado pelas igrejas com o nosso com panheiro de
Tem a :
viagem , no tocante a esta beneficência que por nós é
administrada, para glória do Senhor e para provar a M inistrante :
nossa pronta boa vontade; </ Co ió :3,4; 2 co 8:4,6, i n
Evitando a censura na sua administração. Dinheiro Ca p. inic ia l :
2 Coríntios 8:20: assim querendo evitar que n in ­
guém nos censure no tocante a esta abundância, que é Ca p . final :

administrada por nós;


D isc ípu lo :
O nosso dever diante de Deus e diante de “César”. Quem vive do
dinheiro público é julgado pelo público. A palavra “apóstolos” é
evidente no texto em grego
2 Coríntios 8:21 : porque procurando fazer o que é
honrado, não só na presença do Senhor, mas também
diante dos hom ens, mm i 2 : i / ; u - w
O irmão sem nome. Uma provação? Ainda em provação? Um
obreiro que não exige que seu nome apareça em uma obra de
beneficência já foi aprovado
2 Coríntios 8:22: E tem os enviado com eles o nosso
irmão, a quem muitas vezes tem os provado, e em m ui­
tas coisas nos provou ser zeloso, mas agora muito mais
zeloso por causa da muita confiança que tem em vós.
A recomendação de Tito e dos outros apóstolos. A existência de
outros apóstolos é comprovada
2 Coríntios 8:23: Quanto a Tito, ele é m eu companhei­
ro e cooperador para convosco; quanto a nossos irmãos,
são apóstolos das igrejas, e glória para Cristo. (Fpzzss
A comprovação de seu amor testemunhado além das fronteiras
é manifestada quando enviamos outros em nosso nome e em
nosso lugar. Geralmente, esta comprovação falha, mas a igreja de
Corinto não falhou
2 Coríntios 8:24: Portanto, mostrai para com eles, na
presença das igrejas, a prova do vosso amor, e da glória
que nós sentim os a respeito de vós. i2Co7:i4; 7:2}
O ministério de Dorcas ressuscita. O capítulo oito não terminou.
Mas Paulo não queria escrever sobre isto.Graças a Deus, ele
continuou e deu-nos motivos para fazer beneficência: assistência
destinada aos domésticos da fé. Escrever era demais, ele queria
a prática
2 Coríntios 9 : 1: Pois, quanto à assistência destinada
aos santos, já é demasiado que eu vos escreva; a c o 8:4}
No tempo de Homero, a Acaia era a Grécia, dominada pelos
acaianos; depois, tornou-se apenas a costa sul do Golfo de
Corinto. Quando a Grécia caiu sob domínio romano, em 14ó
a.C., o território foi obrigado a ligar-se à província da Macedônia.
Mas, em 27 a.C, organizou-se como província autônoma. No ano
15 d.C., uniu-se novamente à vizinha Macedônia, ficando sob a
alçada de um administrador imperial, até que Cláudio, em 44 d.C.,
devolveu a província ao Senado. A Acaia, nos dias de Paulo, era
uma província romana. Foi, depois, administrada separadamente
por um procônsul, que tinha a sua sede em Corinto (At 18:12). Os

1532
seus limites iam até Tessalônica, no sul da Grécia. Paulo esteve em Leitura Bíblica
Acaia, pela primeira vez, porvolta de 51 d.C. Paulo visitou algumas P essoal
vezes esta terra (At 17:16-18:18; At 19:21). Apoio também esteve
pregando nesta província (At 18:24, 27; ICo 3:3-7; 16:12). A
M ÊS:________ ANO:
prontidão dos acaianos (pois a sua sede era em Corinto) era um
fato. Quem se antecipa influencia e estimula (Mc 14:8) 01 02 03 04 05 06 07
2 Coríntios 9:2: porque con h eço a vossa prontidão, 08 09 10 11 12 13 14
da qual eu m e glorio entre os m acedônios: Q ue a Acaia 15 16 17 18 192021
está preparada para contribuir desde o ano passado; e 22 23 24 25 26 27 28
o vosso zelo tem estim ulado a maioria. t2 C o 7:4; Rm is :2 6 ; 29 30 31
At 18:12;2 Co 8:1Oj
As igrejas generosas se tornam famosas. Os comentários arespeito
de sua generosidade são inevitáveis. As igrejas generosas são
recomendadas, mas Paulo sabia que algo poderia acontecer e ele
não gostaria de ser envergonhado na sua recomendação
2 Coríntios 9:3: Mas enviei estes irmãos, para que o
nosso louvor a respeito de vós não seja em vão neste
particular; para que estejais preparados, com o vos disse
que estarieis, // c o u>:2)
Alguns dos companheiros de Paulo que o acompanharam nas
viagens, tais como: Gaio, Aristarco, Secundo e Sopater, eram
macedônios (At 19:29; At20:4). As igrejas da Macedônia enviaram
ajuda financeira aos seus irmãos pobres de Jerusalém (Rm 15:26),
auxiliando também Paulo nas suas necessidades (2Co 8:1-5; Fp
4:15), e Paulo os respeitava, pois eram mestres neste assunto.
Eram como fiscais da obra assistencial da igreja
2 Coríntios 9:4: para que não aconteça que, se alguns
m acedônios forem com igo e vos encontrarem despre­
venidos, nós (para não dizerm os vós) nos envergonhe­
m os desta confiança em vós depositada, m isaój
O levantamento das ofertas eficazes era feito com tempo, com
propósitos bem definidos. Paulo, um homem muito preparado,
ensinava as suas congregações a respeito de tudo. A organização
neste particular começa com antecipação, com preparativos.
Quando os membros se preparam para uma grande contribuição,
0 tempo é um fator importante. Mas quando os membros são pegos
de surpresa, o levantar das ofertas parece mais uma extorsão do
que um culto, um ato de fé, e isto Paulo queria evitar. Os irmãos
estão sempre prontos a contribuir com alegria quando o propósito é
claro, quando há tempo, quando há preparação. “Quando entrares
na seara do teu próximo, poderás colher espigas com a tua mão,
mas não poderás colher com a foice na seara do teu próximo” (Dt
23:25). Paulo queria que os irmãos contribuíssem com alegria, e
não era de seu agrado que os obreiros coletores chegassem ali com
a foice na seara de Corinto
NT

2 Coríntios 9:5: Portanto, julguei necessário exor­


tar aos irmãos que se adiantassem em visitar-vos, e
com pletássem os preparativos de vossa generosidade,
antes prometida, para que a mesma esteja pronta com o
generosidade e não com o avarenta exigência. /c n ii-ii;
1Sm25:27; Fp4:7;2 Co 12:17,18}
Leis da semeadura na obra de Deus: (1) Haverá colheita se
houver semeadura. (2) Haverá fartura quando houverabundante
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

semeadura. (3) Haverá escassez na colheita quando houver Local do E st u d o :


escassez na semeadura. Generosidade quer dizer “oferecer mais
do que se espera” Tema :
2 Coríntios 9:6: Mas digo isto: Aquele que sem eia
escassam ente, escassam ente também ceifará; e aquele M inistra n te :
que sem eia com generosidade, generosam ente tam­
bém ceifará. /c / ô.-7.o; C a p . INICIAL:
Leis da semeadura na obra de Deus: (4) os valores do coração são
mais generosos do que os valores da mente carnal; (5) a primeira CAP. FINAL:
chuva que rega a semeadura é a nossa alegria, e a alegria é amiga
do retorno bem-sucedido (SI 126:5). Semear com tristeza não é o D iscípulo :
mesmo que semear com lágrimas. Semear com tristeza é semear
obrigado, resmungando, amaldiçoando, em rebelião. Semear com
lágrimas é semear com sacrifício, com dor, mas sob um sentimento
de esperança e de vitória; (6) nenhuma semeadura feita por
convicção de necessidade será aceita como culto voluntário, mas
como obrigação. (7) A alegria é a característica fundamental do
doador e é a marca registrada daquele que Deus ama. O amor de
Deus distingue o contribuinte alegre. O doador alegre conhece os DADOS ESPECIAIS
mistérios da contribuição, conhece o caminho da vitória
2 Coríntios 9:7: Cada um contribua segundo propôs
no seu coração: Não com tristeza, nem por necessida­
de; porque D eus ama o doador alegre. >üt5:7,io; Éx2S:2,
Rm 12:18:2 Co 8:12;
As bênçãos do doador alegre, a quem Deus ama: (1) Deus lhe
acrescenta toda a graça de que necessita para todos os fins. Pois,
sem a graça, não podemos ternada; (2) com a graça será suficiente
em tudo; (3) com a graça terá todas as coisas; (4) com a graça terá
em todo o tempo; (5) com a graça superabundará em bens para
fazer toda e qualquer boa obra para si mesmo e para os demais
2 Coríntios 9:8: E D eus é poderoso para fazer abun­
dar em vós toda a graça, a fim de que tenhais sempre
em tudo suficiência, e superabundeis em toda boa
obra; !Ef3:20;Fp4:!Qj
O futuro do doador alegre, a quem Deus ama: (1) poder para
repartir; (2) a sua justiça perdurará para sempre e as suas gerações
serão beneficiadas. Abraão ofertou a Melquisedeque e Levi foi
beneficiado
2 Coríntios 9:9: segundo o que está escrito: “Repartiu
seus bens entre os pobres; a sua justiça permanece para
sem pre”. /sui2:9j
A fonte: Deus. Ele supre sem ente ao semeador e pão para o
faminto. Mas Ele ama dar semente. Receber semente é melhor do
que receberapenas pão. Ele multiplica a sementeira, ele multiplica
pães. Mas é melhor que ele multiplique a sementeira. O que pode
fazer o supridor na vida do doador alegre? (1) Suprir de semente
- para os dias vindouros. (2) Suprir de pão - para o dia de hoje; (3)
prover e multiplicar a sementeira; (4) aumentar os produtos da
justiça. Os produtos prontos, colhidos, ensacados e empacotados
serão conhecidos, desejados e abençoados
2 Coríntios 9:10: Ora, aquele que supre a sem ente
ao que sem eia, e pão para comer, também multiplicará
a vossa sem enteira, e aumentará os produtos da vossa
justiça. (Is55:10;Os 10 : 12 !
Bible C hronos D i N elson

O objetivo das bênçãos dadas por Deus: gerar produtores de Leitura Bíblica
ação de graças. Que poder há nos produtores de ação de graças? P essoal
Objetivo principal pelo qual Deus abençoa uma pessoa é para que
ela possa ser instrumento de beneficência aos necessitados, a fim
M ê S:_ A N O :___
de que, pelas sua boca, Deus seja gloriflcado e receba ações de
graças. O objetivo de Deus é ser glorificado. Quando um homem 01 02 03 04 05 06 07
próspero entende isto, ele é abençoado e enriquecido, como
Abraão, Jó, Davi, Salomão e Paulo. Isto quer dizer que temos 08 09 10 11 12 13 14
recebido para fazer beneficência, a fim de que quem é beneficiado 15 16 17 18 192021
seja instrumento de glorificação a Deus. Deus quer fazer muitos 22 23 24 25 26 27 28
mais homens prósperos na terra, os quais chamará de produtores 29 30 31
de ações de graças
2 Coríntios 9:11: Para que estejais enriquecidos em
tudo, para toda a beneficência, a qual, por m eio de nós,
produz ações de graças a Deus. // a> i:s, i u
A necessidade dos santos: alimento. O retorno a Deus: em
glórias, em agradecimento, em reconhecimento. O que supre
a necessidade dos santos não são os recursos que recebem,
mas a administração, destes recursos. Sem administração, os
recursos perdem o seu objetivo final. O suprimento dos santos
deve redundar em ações de graças a Deus, o pagamento deste
benefício. Se isto não acontecer, em vão foi feita a operação de
beneficência
2 Coríntios 9:12: Porque a administração deste ser­
viço não só supre as necessidades dos santos, mas tam­
bém redunda em m uitas ações de graças oferecidas a
DeUS; (2Co8:14)
A glorificação a Deus é o fim de tudo, e não o suprimento das
necessidades. Por isso, alguns não dão valor aos suprimentos
que recebem. Os beneficiados glorificam a Deus ao contemplar a
nossa obediência ao Evangelho. Por isso, eles quererão conhecer
a verdade do Evangelho. Os beneficiados glorificam a Deus pela
generosidade da contribuição para eles e para todos, pois eles não
são os únicos a serem beneficiados
2 Coríntios 9:13: porque em vista dessa adm inis­
tração, eles glorificam a D eus pela obediência que
professais ao Evangelho de Cristo, e pela generosidade
de vossa contribuição para com eles, e para com todos;
i2 Co 8:4; Rm 15:3 l;Mt 9:8; 2 Co 2:12)
Os doadores alegres receberão oração da igreja; serão amados
profundamente; tudo isto por causa da graça de Deus que há
neles
2 Coríntios 9:14: assim m esm o na oração deles por
vós, terão por vós ardente saudade, por causa da supe-
rabundante graça de D eus que há em vós.
Paulo termina oferecendo ações de graças, razão pela qual Deus
enriquece um homem
2 Coríntios 9:15: Graças a D eu s pelo seu dom
inefável. (2Co2:14;RmS:15,16)

• T e x t o COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• A DEFESA DE PAULO AO SER ACUSADO DE
COVARDIA E SOBRE A SUA AUTO-AVALIAÇÃO
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

( 1 0 : 1 3 - 1 8 ) ; SOBRE SEU TEMOR DOS FALSOS Local do Est u d o :


MESTRES (11:1-15), A GLÓRIA SEGUNDO
T ema :
A CARNE (1 1:1-12:10); OS SINAIS DE UM
VERDADEIRO APÓSTOLO [2 CO 12:11-17); M inistrante :
A IMPORTÂNCIA DO ARREPENDIMENTO EM
C r ist o (2 Co 12:19-10), 2 Co 10:1 - C a p . INICIAL:
13:10: Ca p . fin al :
Paulo nos ensina como devemos nos conduzir na presença e
na ausência do povo de Deus. Em humildade na presença e em
ousadia na ausência. Humildade não é simplicidade, humildade D iscípulo :
não é pobreza. Humildade é uma manifestação do caráter de
quem pode, de quem sabe e de quem possui, pois tudo o que j
ele pode fazer é, antes de tudo, para a beneficência dos demais;
o seu conhecim ento não é para demonstrar o seu poder de
convencimento, mas a graça de fazer discípulos do bem; vive
livre de toda a jactância de suas posses; e somente uma pessoa foi
verdadeiramente humilde: Cristo, pois detinha todo o poder, sabia
todas as coisas e, sendo Deus, viveu como homem (Fp 2:5-8). Isto
é ser humilde. O povo de Deus vive esperando dos seus líderes
a manifestação real desta grande virtude. A ousadia na ausência j j
é manifestada pela constante cobrança de resultados de seus
liderados; a ousadia, neste aspecto, não pode faltar
2 Coríntios 10:1: Eu, Paulo, vos rogo pela mansidão
e benignidade de Cristo, eu que, em pessoa, estive
entre vós com hum ildade, mas estando ausente, com
ousadia para convosco; i c is z iim u - u
No grupo de doze homens, havia um precipitado, um incrédulo
e um traidor. No aumento deste número, teremos o aumento dos
precipitados, dos incrédulos e dos traidores em igual proporção.
Não somos melhores do que o nosso Mestre. Teremos que nos
acostumar com este tipo de problemas sem permitir que eles
tomem as rédeas da congregação. Esta ousadia está prefigurada
em uma das faces dos querubins: a face de leão, e não na face de
bezerro. Esta ousadia, que deve ser usada à distância, será usada
na presença dos ministros malignos que se disfarçam no meio do
povo de Deus. Os padrões da carne são regras dos maledicentes,
que julgam conforme eles atuariam no lugar daqueles homens de
Deus. Quais são os padrões da carne? (G15:19-21). Os homens ]
malignos nos obrigam a usar a ousadia apostólica
2 Coríntios 10:2: sim, eu vos rogo que, estando pre- j
sente, não tenha que ser obrigado a usar, com confian- |
ça, da ousadia que terei contra alguns que nos julgam
com o se andássem os segundo os padrões da carne.
12Co 13:2,10; 1 Co 4:2!)
Estando no mundo não podemos deixar de viver na carne. A
palavra carne aqui não tem o mesmo significado de carnalidade,
mas corpo físico. Paulo revela este conflito em Gálatas 5:22 e
em Romanos 7. Ele mesmo escreveu que aqueles que andam
segundo a carne não podem agradar a Deus. Por isso, ele sabia o
que significa militar segundo a carne: trabalhar segundo a mente,
segundo o homem psicológico, conforme o mundo, e isto produz
frutos da carne (G15:19-21). A carne milita contra o espírito para
que não façamos o que queremos, pois ela quer independência,
quer exclusividade. Mas o homem interior, o espírito, está ligado
ao Espírito de Deus, e não vai dar ocasião à carne, para que esta j
Bible C hronos D i N elson

tome o controle. Na linguagem de Paulo em Romanos 7, carne Leitura Bíblica


é a união do corpo e da alma atuando independentemente do P essoal
espírito
2 Coríntios 10:3: Porque, ainda que andam os na M ê s:________A no:

carne, não militam os segundo a carne, i2 Co io.-2)


01 02 03 04 05 06 07
As armas da nossa milícia estão à nossa disposição juntamente
08 09 10 11 12 13 14
com a armadura de Deus (Ef 6:10-17). As armas de nossa milícia
são as armas do Espírito: Josafá conheceu a arma do louvor, 15 ló 17 18 19 20 21
Davi conheceu a arma da oração, Paulo conheceu a arma da 22 23 24 25 26 27 28
concordância, Ezequias conheceu a arma da humilhação, Zacarias 29 30 31
conheceu a arma do incenso, Arão conheceu a arma da confiança,
Josué conheceu a arma da obediência e da submissão, Moisés
conheceu a arma da provisão no deserto e o poder do braço de
Deus nas suas mãos simbolizado naquela vara; Jesus conheceu
a arma da fidelidade e do cumprimento dos mandamentos
de seu Pai, Pedro conheceu a arma do dom do Espírito Santo,
Israel conheceu as armas do júbilo, da marcha, do louvor e da
perseverança que afundaram Jericó; Golias experimentou contra
fef'
si m esmo o poder da arma da invocação do Deus dos exércitos, DADOS ESPECIAIS
Miguel conhece as armas da palavra do testemunho e do sangue
do Cordeiro; Isaque conheceu opoderdaarmada semeadura; José
e Daniel conheceram as armas da revelação de sonhos; Jeremias e
Ezequiel conheceram o poder das armas da palavra profética; Elias
experimentou o poder do fogo de Deus e Josué o poder do granizo
que desce do céu; Eliseu experimentou o dom de conhecimento
e com ele podia saber o que acontecia no leito do rei inimigo.
Assim, as armas das nossas milícias são poderosas em Deus para
destruição de fortalezas
2 Coríntios 10:4: (porque as armas da nossa m ilí­
cia não são carnais, m as são poderosas em D eus,
para dem olição das fortalezas); n rm i:i8;2Tniz-3;At7:22;
1 Co2:5;Jr 1:I0J
As armas do Espírito demolem filosofias, altivez, rebelião contra
o conhecimento divino. As armas do Espírito levam cativos os
prisioneiros à submissão de Cristo
2 Coríntios 10:5: derribando argum entos de vãs fi­
losofias e toda altivez que se levanta contra o conheci­
m ento de D eus, e levando cativo todo pensam ento à
obediência de Cristo; n co i:iç ; is 2 :i i, i2;2C o0:i3j
O cumprimento da obediência destrói toda rebelião. A obediência
não dá lugar à desobediência. A desobediência é vingada quando
o povo de Deus começa a obedecer. Os desobedientes não serão
correspondidos quando o povo compreender a bênção da
obediência, então os pecadores não prevalecerão na congregação
dos justos. Os obedientes não respeitarão os desobedientes e não
corresponderão aos seus apelos
2 Coríntios 10:6: assim, estaremos preparados para
vingar toda desobediência, quando a vossa obediência
for cumprida. (2 Co2:vs
Quem age segundo os padrões da carne? Paulo ou os seus
críticos. Quem está em Cristo não está sozinho em Cristo. A
igreja de Deus não é uma denominação exclusiva, pois o corpo
de Cristo é formado do grupo dos fiéis da terra, e não pelo grupo
de denominações. Quem está em Cristo deve saber que não está
sozinho no corpo como se fosse proprietário do dom da salvação,

SSiiiliii 1537
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

da autoridade de amaldiçoar a todos os que não correspondem às Local do Est u d o :


suas expectativas. Quem está em Cristo deve compreender isto
novamente: “Outra vez”. Pois outros também são de Cristo T ema :
2 Coríntios 10:7: Olhais para as coisas segundo a
aparência? Se alguém está convencido ser de Cristo, MINISTRANTE:
considere isto, outra vez, consigo m esm o: Que assim i
com o ele é de Cristo, nós também o som os. ;jo 7:24:, CAP. INICIAL:
1 Co 1:12; 14:371
CAP. FINAL:
Que medida de glória podemos ter de nosso trabalho em Cristo?
A medida que não passe de nossa língua para o mundo exterior.
Mas Paulo considera que, com respeito à autoridade apostólica, D iscípulo :
sua recomendação não seria vergonhosa, pois não passava da
verdade, por isso não seria contradito, pois sabia o que havia
feito e como havia feito
2 Coríntios 10:8: Pois, ainda que eu m e gloriasse um
pouco com respeito à nossa autoridade (que o Senhor
nos deu para a vossa edificação, e não para vossa des­
truição), não seria envergonhado; aco7:4; n .io j
Nas suas cartas, às vezes, por causa dos falsos obreiros, usou de
ousadia, a fim de envergonhar aqueles que queriam destruir a
obra de Deus, para tornar em vão o seu trabalho. O objetivo das
palavras que produziam certo pesar naqueles que as liam não era
a igreja de Deus, mas os falsos obreiros. Depois de algum tempo,
a igreja compreendeu isto
2 Coríntios 10:9: para que não pareça com o se quise­
ra intimidar-vos com m inhas cartas.
As pessoas malignas procuram algo para desabilitar o homem
de Deus. Quando ele é culto, é também sem aparência; quando
é sábio não é orador; quando é poderoso em palavras, tem
problemas na vista; os homens ímpios e invejosos sempre hão
de procurar um motivo para dar suas opiniões como hienas do
ministério. Os homens ímpios que estão disfarçados no meio do
povo de Deus não aceitam heróis ao seu alcance, eles não gostam
de históricos bem-sucedidos, de currículos gloriosos. Como bons
covardes, picham os túmulos de seus próprios mártires, não
podem suportar o sucesso das pessoas sem aparência, por isso
são racistas, triunfalistas e hipócritas, eles não são heróis nem
no quarto de sua casa
2 Coríntios 10:10: Porque dizem alguns: “As suas
cartas são pesadas e fortes, mas a sua presença corpo­
ral é debilitada, e a sua palavra desprezível”, (i co2.-3;
G14.13,14; 1 Co 1:17)
Isto é, ousados. Paulo tratará os falsos obreiros com muita
ousadia
2 Coríntios 10:11: Tais pessoas considerem: O que
tem os sido por escrito, estando ausentes, tam bém
assim serem os com atitudes, estando presentes,
A roda dos escamecedores, a mesa dos amantes de si mesmos:
os obreiros que pregam por disputa, por porfia, em detrimento
de outros colegas; obreiros da iniquidade que estabelecem os
seus próprios padrões e qualidade: eles mesmos. Os tais formam
seus grupos, seus antros - sentem-se senhores do bem e do mal,
capazes de dar vida ou morte, de abrir portas ou de fechá-las. Não
têm nenhum juízo!

1538
Bible C hronos Di N elson

2 Coríntios 10:12: pois não nos atrevemos a enu­ Leitura Bíblica


merar ou a comparar-nos com alguns daqueles que P essoal
se louvam a si mesmos; mas estes que se medem a si
mesmos, e comparam-se consigo mesmos, mostram ; M ÊS:_________A N O :___

que lhes falta o juízo, a c o 3 :i;5:i2> 01 02 03 04 05 06 07


Qual é a regra que Deus instituiu? O princípio de respeito dos 08 09 10 11 12 13 14
limites antigos. No livro de Deuteronômio, Deus instituiu regras a 15 16 17 18 19 2021
respeito dos limites de herança, de possessão. Abase destas regras
22 23 24 25 26 27 28
eram o temor a Deus. Mas qual é a regra? “Anunciar o Evangelho
nos lugares que estão, além daqueles que já o receberam, sem 29 30 31
entrar na obra de outro”
2 Coríntios 10:13: Mas nós não nos gloriaremos além
da medida, mas nos gloriaremos conforme a regra que
Deus nos designou como medida, para chegarmos até
VÓS; (2 Co 10:15!
O poder dos pioneiros e do pioneirismo. A glória de quem pregou
o Evangelho primeiramente. O âmbito em que a igreja de Corinto
estava os incluía. (1) Obreiros piratas são aqueles que estendem
a sua obra além do que convém; (2) obreiros piratas são aqueles
que excedem o limite que não lhes pertencem; (3) obreiros piratas
são aqueles que não têm a glória do pioneirismo no evangelismo
da cidade
2 Coríntios 10:14: porque não nos estendemos além j
do que convém, como se houvéssemos excedido os
limites; pois chegamos também até vós como os pri­
meiros avos levar o Evangelho de Cristo, a c o z - i z
(4) Obreiros piratas são aqueles que se gloriam além da sua medida
e de seu campo de ação. (5) Obreiros piratas são aqueles que se
metem nos trabalhos alheios. (6) Obreiros piratas são aqueles que
não crescem conforme o número de fiéis que ganham, mas com j
o proselitismo. (7) Obreiros piratas são aqueles que pisoteiam a
regra de ouro
2 Coríntios 10:15: não nos gloriando além da me­
dida, metendo-nos em trabalhos alheios; mas tendo
esperança de que, conforme cresça a vossa fé, seremos
cada vez mais engrandecidos entre vós, conforme a
nossa regra: tRm i5.-2o;2 rs i:3i
A regra de ouro do Evangelismo: (1) Anunciar o Evangelho nos
lugares virgens. (2) Não entrar na obra do outro. (3) Não se gloriar
com os frutos que jamais lavrou
2 Coríntios 10:16: Que é anunciar o Evangelho nos
lugares que estão além de vós, sem entrar no campo
de outro, para não nos gloriarmos no que estava já
NT

preparado.
Toda glória recai em Deus, pois ele é quem nos capacita para
pregarmos o Evangelho. Quando ele percebe que temos plena
consciência de que a glória é somente dele, entende que não
estamos enfermos com a mesma enfermidade de Lúcifer. Lúcifer
tomava as pedras afogueadas para si mesmo, e os serafins para tirar
as iniqüidades dos necessitados
2 Coríntios 10:17: Mas aquele que se gloria, glorie-se
no Senhor, n co i:3i;jr9:24i
1539
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

A síndrome de Lúcifer continua atacando os ministros de Deus, Local do E st u d o :


mesmo os verdadeiros têm sofrido. Por isso, têm sido reprovados
e não podem ser recomendados por Deus Tem a :
2 Coríntios 10:18: Porque não é aprovado aquele
que se vangloria a si mesmo, mas sim aquele a quem o M inistra n te :
Senhor recomenda. (Rm2:2Q; / Coa-.s}
Paulo desce o nível dos irmãos de Corinto para fazer-lhes entender Ca p . INICIAL:
o que faziam de errado: emprestavam o seu ouvido para ouvir o
falso e rejeitavam o verdadeiro. Então, ele pede aos irmãos que o CAP. FINAL:
suportem naquela condição, pois esta era a condição dos irmãos
naquele tempo. Para isto, ele pediu aos irmãos que o suportassem D iscípulo :
naquele nível, pois era o círculo comum dos irmãos naquela
região
2 Coríntios 11:1: Quisera que me suportásseis um
pouco na minha loucura! E, em verdade, suportai-me.
(2 Co 11:16,17,21; 5:13)
Este é o trabalho do Espírito Santo: apresentar a Igreja a Cristo.
DADOS ESPECIAIS
No costume judaico antigo, era comum a união matrimonial dar-
se em três etapas: a promessa, o desposamento e as bodas. A
promessa foi feita antes da fundação do mundo, o desposamento
da Igreja e Cristo foi feito na cruz e a apresentação se cumprirá no
arrebatamento, no convite para as Bodas do Cordeiro. O trabalho
do Espírito Santo, por meio do ministro, se constitui em moldes
descritos pelo próprio Paulo em Efésios 4:12-16. Agora, a Igreja
espera que o seu esposo cumpra a sua parte (Jo 14:1 -4)
2 Coríntios 11:2: Porque estou zeloso de vós, com
zelo de Deus; pois vos desposei a um único esposo, 11
Cristo, a quem devo apresentar-vos como virgem pura.
(Os2:19;Ef5:26,27; 2 Co 4:14j
i jS |
! §K
Deus colocou inimizade entre a semente da serpente e a semente
da mulher porque sabia que elas poderíam voltar a conversar.
A falta de comunicação do marido com a sua esposa gera a
necessidade de comunicação com Satanás. A inimizade entre elas
foi estabelecida, mas Satanás volta ase disfarçar em outra coisa, por
isso é importante saber que a comunicação matrimonial bloqueia
qualquer outra comunicação estranha. Isto quer dizer que a obra
do Espírito Santo consiste em manter a Igreja em comunicação
com Cristo e Cristo com a Igreja. Se isto não ocorrer, certamente,
os sentidos da Igreja serão corrompidos e ela se desviará da
simplicidade e da pureza que está em Cristo
2 Coríntios 11:3: Mas temo que, assim como a
serpente, com a sua astúcia, enganou Eva ( “v i d a ”),
vossos sentidos sejam de alguma maneira corrompidos
e vos desvieis da simplicidade e da pureza que está em
Cristo. fGn3: t,4;]o8:44j
Olha aqui a serpente se disfarçando em pregador, em espírito, em
evangelho -a o s quais, a igreja, sem comunicação com o seu Adão,
aceita sem discussão, sem recomendação, sem investigação, sem
crivá-los. E isto não assusta o apóstolo, pois ele sabe como opera
o poder das trevas. E por que a igreja o aceita, em detrimento do
ministério poderoso de Paulo? Hoje em dia, vemos o cumprimento
da profecia dita a Timóteo, no qual vemos as pessoas optando
por movimentos e desprezando o ensinamento puro da Palavra
de Deus, desprezando a simplicidade da Palavra. Não se pode
O
1540
•r-:
Bible C hronos Di N elson

compreender, a não ser escatologicamente, como a igreja procura Leitura Bíblica


ídolos, não importa o que dizem, não importa o que vivem, P essoal
enquanto homens santos de Deus são desprezados
2 Coríntios 11:4: Porque, se alguém vem e vos M ÊS:_____ Ano:

prega a outro Jesus que nós não temos pregado, ou se : 01 02 03 04 05 06 07


aceitais outro espírito que não recebestes, ou a outro ] 08 09 10 11 12 13 14
evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis 15 16 17 18 192021
com facilidade; ,7 Co3:U;Rm 8:15;C,11:6-8) 22 23 24 25 26 27 28
2 Coríntios 11:5: porque julgo que não sou em nada 29 30 31
inferior aos mais eminentes apóstolos, a c o t?.-. i i ; a 2:6}
O julgamento pela aparência mata. Oratória? Sim, mesmo sem
argumentos. Conhecimento? Não, se não tiver aparência ou fama.
Alguns destes santos homens de Deus são verdadeiras fontes de
Deus para a igreja, mas eles são desprezados e mal remunerados,
enquanto, na mesma congregação, seus líderes pagam grandes
somas de dinheiro por causa da fama de determinados eminentes
ministros e estes nada têm a dizer, nenhum sinal no seu
apostolado!
2 Coríntios 11:6: Pois ainda que seja rude na oratória,
não o sou no conhecimento; mas em tudo e de todos
os modos vos temos demonstrado conhecimento em
todas as coisas. ,7 Co l:l7;ff3:4;2C o4:2)
Paulo descobre que tudo aquilo que é dado gratuitamente não
é valorizado. Aquela igreja preferia pagar para os obreiros da
iniqiiidade do verso quatro (2 Co 11:4)
2 Coríntios 11:7: Pequei, porventura, humilhando-
me a mim mesmo, para que vós fôsseis enaltecidos,
pregando-lhes o Evangelho de Deus gratuitamente?
í2C o 12:13; 1 Co 9:18)
O investimento de Paulo - seu próprio salário na igreja de Corinto.
Mas eles gostavam de ouvir a outro. Ele usava o salário recebido
de outrasigrejas para se sustentar naquela. Mas eles não davam
valor àquela atitude
2 Coríntios 11:8: Tenho despojado a outras igrejas,
recebendo salário para vos servir; e quando estava
presente convosco, e tive necessidade, não me tomei j
carga para ninguém, ifP4:15, isj
A ética apostólica
2 Coríntios 11:9: já que os irmãos que vieram da
Macedônia supriram aquilo que me faltava; e em tudo j
evitei de vos ser uma carga, e ainda me guardarei.
NT

(2 Co 12:13,14)
A convicção do apóstolo. Sem esta convicção, o ministro estará
sempre deprimido e sentir-se-á rejeitado, mas pela sua convicção
recebida de Deus ele viverá imune às injustiças contra o seu
chamado. Quando estiver ministrando diante de outro obreiro
como ele, não se sentirá menor, nem menosprezado, jamais.
Quando o obreiro tem consciência de seu trabalho e da obra
pioneira que fez para Deus, não se sente inferior a ninguém, nem
viverá reagindo à sua própria inveja
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

2 C oríntios 11:10: Como está em mim a verdade de Locai , do E st u d o :


Cristo, ninguém poderá tirar-me esta glória nas regiões
Tem a :
da Acaia ( “t r a n s t o r n o ”). wm 9-.i; / co 9.-i5;At 18:12>
A falta de compreensão dos diversos tipos de manifestações M inistrante :
temperamentais enganam. Muitas vezes, uma pessoa introvertida,
que transparece uma imagem diferente daquilo que estamos
esperando, pode ser considerada antipática, melancólica, CAP. INICIAL:
negativa, fria, quando, na verdade, por dentro é amiga,
companheira, pontual, verdadeira, honesta. A igreja de Corinto CAP. FINAL:
tinha um grande problema com Paulo, nesse sentido, e ele sabia
disso e procurava melhorar esta imagem D iscípulo :
2 Coríntios 11:11: Por quê? Será porque não vos de­
monstrei amor fraternal? Bem, Deus o sabe. ;2 Cotz-is;
2 Coríntios 11:12: Mas o que eu faço, isso também
farei, para não dar ocasião aos que buscam ocasião, a
fim de fazer-se iguais a nós naquilo que eles se gloriam. gr.-
DADOS ESPECIAIS
(1 Co 9:12)
(1) Obreiros dolosos. Transformados em apóstolos (ler comentário
do verso 3). Veja a serpente se transformando novamente
2 Coríntios 11:13: Porque os tais são falsos apóstolos,
obreiros dolosos, que se transfiguram em apóstolos de
CriStO. !Gl l:7;2Pe2:l; Pp3:2j
(2) Satanás. Transformado em anjo de luz. (lercomentário do verso
3). Veja a serpente se transformando novamente
2 Coríntios 11:14: E não é de se maravilhar, porque o
próprio Satanás se transforma em anjo de luz.
(3) Os ministros de Satanás. Transformados em ministros
da justiça, (ler comentário do verso 3). Veja a serpente se
transformando novamente. Deus colocou inimizade entre a
semente da serpente e a semente da mulher porque sabia que
elas poderíam voltar a conversar. A falta de comunicação do
marido com a sua esposa gera a necessidade de comunicação com i1
Satanás. A inimizade entre elas foi estabelecida, mas Satanás volta 11
a se disfarçar em outra coisa, por isso é importante saber que a
comunicação entre o casal bloqueia qualquer outra comunicação
estranha
2 C oríntios 11:15: N ãoéum a grande coisa isto, que
os seus ministros se transfigurem em ministros da jus­
tiça; cujo fim será conforme as suas obras. ;Fp3:i9;
Paulo quer dizer: “Não me recebais como a estes falsos obreiros,
mas recebei-me na minha loucura, como vós mesmos me
conceituais”. Isto é, para que eu me glorie na minha fraqueza, na
minha loucura - tal como Davi diante do rei filisteu (1 Sm 21:13)
2 C o rín tio s 11:16: Digo outra vez: Ninguém me
tenha como insensato; ou recebei-me como quem
recebe a um insensato, para que eu também tenha algo
de que me gabar. t2 Co / /.■/,/
2 C oríntios 1 1 :1 7 :0 que falo, não o falo segundo o
Senhor, mas sim como por insensatez, nesta mesma
confiança de gloriar-me. n co 7:ó; i2:2s;A t9:24,25;
Bible C hronos Di N elson

2Coríntios 1 l:18:Jáquem uitossegloriam segundo Leitura Bíblica


a carne, eu também me gloriarei. ífP3:3,4} P essoal
Paulo quer dizer: “Como é possível que sejais tão exigentes, mas
recebeis as serpentes transformadas de obreiros” (2 Co 11:3) MÊS: ANO:

2Coríntios 1 l:19:Pois,sendovóstãosábios,deboa 01 02 03 04 05 06 07
mente tolerais os insensatos. 08 09 10 11 12 13 14
Como podem tolerar o mal e não suportar o bem? As serpentes 15 16 17 18 192021
transformadas em obreiros. Serpentes que os devoram, serpentes 22 23 24 25 26 27 28
que os escravizam, serpentes que se apoderam do que era deles, 29 30 31
serpentes soberbas, serpentes que os ferem vergonhosamente.
Eles rejeitaram Paulo, que reclamava o seu investimento recebido
de outra igreja e o seu trabalho gratuito, e recebiam os obreiros
devoradores
2 Coríntios 11:20: Porque tolerais se aiguém vos
escraviza, se alguém vos devora, se alguém se apodera
do que é vosso, se alguém se ensoberbece, se alguém
vos fere no rosto. DADOS ESPECIAIS
Paulo conclui que, verdadeiramente, não estava usando de seus
direitos e a igreja optava por ministros mais ousados na carne e j
esta era a vergonha de Paulo, como é a mesma vergonha de muitos
hoje
2 Coríntios 11:21: Digo para m inha própria
vergonha, que temos sido demasiadamente fracos;
mas naquilo em que todos os demais se atrevem em
gloriar-se, eu também me atrevo; embora fale como um
in s e n s a to . t2Col0:10;Fp3:4)
A loucura de Paulo em comparar-se com eles; mas eles não
eram suficientes para triunfar sobre o seu currículo apostólico.
(1) A comparação na linhagem -eram iguais
2 Coríntios 11:22: São eles hebreus? Eu também;
são israelitas? Eu também; são da linhagem de Abraão? j
Eu também. (At22:3;Fp3:5;Rm II:l;Ató:I;Rm 9:4!
(2) Acomparação nas obras-eles não tinham chance.Triunfando
sobre a morte em diversos modalidades
2 Coríntios 11:23: São ministros de Cristo? (Falo
como quem perdeu o juízo). Eu ainda mais: Em tra­
balhos, muito mais; em prisões, muito mais; em açoi­
tes, mais severos; em perigo de morte, muitas vezes.
!2Coó:5;At 16:23; 1 Co I5:10j
2 Coríntios 11:24: Da parte dos judeus, cinco vezes
recebi quarentena de açoites, menos um. (Dt2S:3j
NT

2Coríntios 11:25: Três vezes fui açoitado com varas,


uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, um
dia e uma noite estive como náufrago em alto-mar;
(At 16:22; 14:19)
Em perigos
2 Coríntios 11:26: em viagens, muitas vezes; em
perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos
por parte dos da minha nação, em perigos por parte dos j

_' 1543
i
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, Local do E studo :


em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos;
;At 9:23; i 4:5;21:31; Cl2:4; T em a :
Em trabalhos
M ínistra n te :
2 C o rín tio s 11:27: em fadiga e árduo trabalho, em vi­
gílias, muitas vezes; em fome e sede; em jejuns, muitas C a p . INICIAL:
vezes; em frio e nudez, n co *//,• t rsz-9;2Coó:S>
(3) A comparação da responsabilidade - eles se desfizeram como CAP. FINAL:
espuma, pois não tinham nenhuma responsabilidade, pois eram
fraudulentos, sem endereço, sem liderança, oportunistas D iscípulo :
2 Coríntios 11:28: Além dessas coisas, há o que dia­
riamente pesa sobre mim, a responsabilidade de cuidar
de todas as igrejas.
(4) A comparação na compaixão pelas ovelhas - eles não tinham
ovelhas como Paulo
2 Coríntios 11:29: Quem é fraco, sem que eu tam ­
bém seja fraco com ele? Quem se escandaliza, sem que
eu não me arda em indignação? (i co 9:22>j
(5) A comparação dos motivos de sua glória. Eles se gloriavam
daquilo que tinham roubado, mas Paulo gloriava nas suas
fraquezas
2 Coríntios 11:30: Se é preciso gloriar-me, me glo­
riarei nas coisas que são próprias da minha fraqueza.
■v?Co 12:5; I Co2:3}
(6) A comparação do caráter - Paulo não mentia, eles eram
iníquos
2 Coríntios 11:31: O Deus e Pai do Senhor Jesus
Cristo, o qual é eternamente bendito, sabe que não
mintO. iGU:20;Rm9:5j
(7) A comparação em relação aos cuidados de Deus: ele sempre
tinha um escape provido por Deus
2 Coríntios 11:32: Em Damasco, o governador sob
o rei Aretas vigiava a cidade dos damascenos, com o
propósito de prender-me; (At9:24,25;
2Coríntios 11:33: mas por uma janela, em um cesto,
desceram-me muralha abaixo, e assim escapei das suas
mãOS. (A t9:25}
Gloriar-se nas obras executadas, ou pelas revelações recebidas,
custa um alto preço, e Paulo investe mais de três capítulos desta
epístola em tratar desta doutrina. A ética ministerial que inclui até
os limites de um campo e os objetivos do coração do verdadeiro
e falso obreiro, quanto à procura da glória efêmera; pois, desde
o capítulo nove (que fala da transformação de nossos atos de
beneficência e glórias a Deus) até o último capítulo, o apóstolo
investe no assunto; agora, ele cita o seu próprio exemplo para
servir de advertência aos mais novos ministérios. Ele sai do âmbito
terreno e entra no âmbito celestial, cujos rastros nenhum outro,
com exceção de João, pôde persegui-los. Ao passar às visões, ele
entra por uma porta que os demais não conhecem o caminho,
e, aqui, todos eles devem esperar. É como Moisés que sobe o
monte enquanto o povo espera embaixo, é quando Jesus deixa os
Bible C hronos D i N elson

discípulos e entra pelo Getsêmani na presença do Pai. Há lugares Leitura Bíblica


por onde o homem de comunhão peregrina que nem mesmo a P essoal
pessoa mais chegada a ele pode percorrer. O mundo no qual ele
havia experimentado, o mundo das visões, havia sido revelado a
M ÊS:________ AN O:
algumas pessoas da história, entre alguns, de forma diminutiva,
sobressaem estes, de forma grandiosa: Enoque, Abraão, Noé, Jó, 01 02 03 04 05 06 07
Jacó, Agar, Moisés, Josué, Samuel, Davi, Elias, Eliseu, Habacuque,
Daniel, Jeremias, Isaías, Ezequiel, Zacarias, Malaquias, João, 08 09 10 11 12 13 14
Estêvão e, agora, Paulo. Passarás visões e às revelações era entrar 15 16 17 18 19 2021
no círculo onde apenas uma elite privilegiada estava acostumada. 22 23 24 25 26 27 28
Deixar as discussões tolas e passar às visões e às revelações é 29 30 31
dar um tapa com luva de seda naqueles que se comparam aos
excelentes sendo ainda neófitos. O que nos espera este mundo de
visões e revelações do Senhor?
2 Coríntios 12:1: Certamente não é vantajoso gloriar-
me; mas passarei às visões e revelações do Senhor.
(I Co 11:30;2 Co I2:7;CU:12;2:2!
Paulo estava no início de seu ministério, e lembra-se dos quatorze
DADOS ESPECIAIS
anos que ficou esquecido pelo corpo apostólico, após a sua grande
experiência (At 9) com Cristo, depois de seu nascimento abortivo
para o ministério, tempo de grandes provas e de grande meditação,
pois voltou ao seu trabalho comum de fabricante de tendas, quando
Deus fez uma grande incursão em Antioquia, quando os profetas
desceram de Jerusalém para lá, e a igreja de Antioquia começou a
crescer, mas como os seus membros eram, na sua maioria absoluta,
gentios, quem seria o seu pastor? Barnabé, servo de Deus, ministros
da consolação, lembrou-se de um certo Paulo, antes, Saulo, que
tinha aquela visão entre os gentios separados pelo preconceito
dos irmãos de Jerusalém. Paulo narra isto nos dois primeiros
capítulos de Gálatas e sem cortes. Ele havia aproveitado o tempo
da espera. O terceiro céu é o trono de Deus. Muitas conjecturas
têm sido conhecidas, mas o terceiro céu é o trono de nosso Senhor.
Se ele fosse arrebatado no corpo, teria lá permanecido, como
Enoque e Elias. Certamente, foi arrebatado fora do corpo. Observe
a diferença entre “terceiro Céu” e “Paraíso”. O Paraíso, hoje,
está no terceiro Céu (Hb 12:22-24; Is 26:20,21). Paulo fez duas
visitas diferentes, em dois arrebatamentos. As coisas que ele viu
no Paraíso não foram reveladas. O mesmo aconteceu com João,
o Evangelista. Algumas coisas do terceiro Céu, ele as revelou em
Apocalipse, outras foram seladas. Sabemos que os salvos, em
Cristo, estão ali (1x23:43)
2 Coríntios 12:2: Conheço um homem em Cristo que
há catorze anos foi arrebatado até ao terceiro céu fse
no corpo não sei, se fora do corpo não sei, Deus o sabe);
íRm 16:7;F/4:í 0 ;2 Co I !:i /)
P odem os lem brar aqui a exp eriên cia de João para
compreendermos a experiência de Paulo, em Apocalipse 1:9:
NT

9. “Eu, João, estava na ilha chamada Patmos por causa da palavra


de Deus e do testemunho de Jesus”. Estava na ilha por causa da
Palavra (como Paulo, ilhado por quatorze anos) que recebeu e
do testemunho que dava. Isto significa que todos aqueles que
tiverem uma palavra de testemunho ficarão ilhados por um tempo.
A ilha de Patmos é para os profetas. Não há um só profeta de Deus
que não tenha experimentado a perseverança que somente se
encontra na ilha de Patmos. A ilha de Patmos é o aeroporto de onde
saem os transportes que nos levam às visões e às revelações. Se
você está na ilha de Patmos, não chore, alegre-se. Muitos chegam
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA
j
às visões e às revelações sem passarem pela ilha de Patmos; a Local do Est u d o :
ilha de Patmos é a segurança de que aquele que vai ao terceiro
céu voltará para dar testemunho. Se não passarmos pela ilha de Tem a :
Patmos não voltaremos para anunciar aquilo que ouvimos e vimos.
Se o colocarem na ilha de Patmos é porque ainda terá que voltar,
ainda ressurgirá, se levantarás, viverá na terra dos viventes para M inistra n te :
cumprir algum propósito. Aqueles que não passam pela ilha de
Patmos não voltam, não se levantam, não têm nada para dizer aqui. CAP. INICIAL:
Agora, quandojoão testemunha que foi arrebatado, ficou como um
morto. Isto quer dizer que ele foi arrebatado fora do corpo. E “eu CAP. FINAL:
fui arrebatado em espírito (...) e fiquei como morto” (Ap 1:10,17).
Há muita mentira e teatro no testemunho de arrebatamento
D isc ípu lo :
descrito por muitos cristãos carnais. Mas, nos acontecimentos
bíblicos temos vários casos, desde Gênesis: Deus tocou em Adão
e este dormiu profundamente; o seu profundo sono resultou em
uma obra formada genuinamente por Deus. Abraão, na ocasião
de um Novo Pacto, passou por um profundo sono, depois que
lutou contra as aves de rapina. Elias passou por experiências
profundas em sonhos com anjos de Deus. Mas foi Daniel quem
teve as maiores experiências com imposição de mãos angelicais,
além de Isaías (Is 6:1 -3). Não podemos descaracterizar a existência
do ser completo do homem: espírito, alma e corpo. Muitas vezes,
desconhecemos o que acontece no mundo do espírito humano.
Por mais que possamos sentir o que acontece no seu ser psíquico,
ainda não temos competência para discernir isto de forma correta.
A operação divina no ser humano pode ser distinta e sobrenatural.
Nos dias de hoje, temos notícias de aqueles que se dedicaram a
algum tipo de jejum prolongado tiveram experiências profundas,
como foi o caso de Paulo e o de João evangelista, mas não têm valor
canônico. O arrebatamento da alma (provavelmente o de Paulo)
e o arrebatamento do espírito humano são parecidos. Estes casos
são mais profundos e geram melhores resultados espirituais. Os
casos de Daniel, João e Paulo são interessantes, porque eles viram
uma Pessoa e tiveram resultados iguais em dimensões diferentes.
(1) Daniel caiu fisicamente enfraquecido (no corpo) e João ficou
prostrado no corpo (na terra) e no espírito diante de Cristo
(Dn 10:8; Ap 1:13-15), pois havia sido arrebatado em espírito,
enquanto o seu corpo ficou como morto na terra. (2) Outros caem
de temor e pelo poder da presença de Deus (Jo 18:6). (3) Outros
não suportam a força da unção presencial de Deus (Dn 10:7-17). (4)
Outros são arrebatados em espírito, como João (Ap 4:13-14). (5)
Outros dormem profundamente como Adão (Gn 2:21). (6) Outros
caem porque desprendem muitas virtudes por causa do esforço,
como Abraão (Gn 15:2). (7) Outros são arrebatados por demônios,
mas nem todos caem, como não é verdade que somente caem
os endemoninhados. Há dimensões de abrangência da unção e
diferentes resultados, por exemplo: alguns chegam a regozijar-se
em grande êxtase, mas ficam conscientes (Dn 10:7-17). Ainda
escutam o que acontece ao redor, como Daniel
2 Coríntios 12:3: e o tal homem que (se no corpo, se
fora do corpo, não sei, Deus o sabe),
Lendo Lucas 16:19-31, entendem os que o Hades (lugar dos
mortos), antes da morte de Cristo, era dividido em três partes,
o lugar de tormento, o lugar conhecido como Seio de Abraão e o
abismo. O Seio de Abraão funcionou até a morte de Cristo, pois
como o Hades era tipificado pelas cidades de refúgio, e sobre elas
existia a lei que determinava a continuidade do prisioneiro até
a morte do sumo sacerdote. Com a morte do sumo sacerdote, o
prisioneiro deveria regressará sua casa. Como o sumo sacerdote
Bible C hronos Di N elson

tipificava a Cristo, o nosso sumo sacerdote dos bens vindouros, Leitura Bíblica
todos os prisioneiros do Hades, que estavam no Seio de Abraão P essoal
(tipificados pelos presos culposos), foram trasladados à mansão
celestial (Hb 12:22-24). Assim, o lugar chamado por Paulo de
M ÊS:__ __ ANO:
Paraíso é o terceiro céu, como ele mesmo atesta no verso 2. Lá,
ouviu grandes revelações, das quais muitas delas não puderam ser 01 02 03 04 05 06 07
expostas a homem algum. Um exemplo disso temos em Apocalipse ! 08 09 10 11 12 13 14
10:2-4: palavras que foram seladas e que João não pôde escrevê-
las. O Paraíso foi um lugar que existiu no Hades, antes da morte de 15 16 17 18 19 20 21
Cristo, onde Jesus marcou um encontro com o ex-ladrão que estava 22 23 24 25 26 27 28
ao seu lado, na ocasião da sua crucificação; era também conhecido 29 30 31
como Seio de Abraão. Paulo teve uma visão deste lugar no passado,
assim como teve uma visão do futuro no terceiro Céu, para onde
o Paraíso foi levado depois da morte de Cristo. Deus permitiu que
Paulo tivesse esta visão para impulsionar o seu amor pelas almas
que se perdiam. Ele deve ter visto como era o Paraíso antes da
morte de Cristo (Lc 16:23) e depois da morte de Cristo (Hb 12:22-
24), onde ouviu coisas inefáveis.
2 Coríntios 12:4: foi arrebatado ao Paraíso, e ou­
viu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem
expressá-las. /lc23-â 3.}
Os limites da própria glória: Gálatas 6:4. (Este texto tem sido mal
traduzido). Cada um deve provar a sua própria obra e saber se
pode gloriar-se só, em si mesmo e não em outro. Esta ética Paulo
vivia. Ainda assim, ele prefere não se gloriar em si (só) mesmo,
porque tinha como convicção não ser uma transgressão (G16:4).
Ele prefere então gloriar-se nas suas fraquezas. Mas o que é gloriar-
se nas suas fraquezas? Gálatas 1:13-15 é um exemplo; os salmos
estão cheios de exemplos a esse respeito. Gloriar-se nas fraquezas
é testemunhar as fraquezas e exaltar a grande misericórdia de
Deus
2 Coríntios 12:5: A respeito de tal homem poderia
gloriar-me em mim mesmo, mas não me gloriarei, se­
não nas minhas fraquezas.
isto é humildade, literalmente: (1) Saber que pode, por causa da 1
verdade; (2) mas conter-se para não manifestar uma impressão
além dos limites já conhecidos. Somentejesus seria capaz de fazer
isto (Fp 2:5-8)
I
2 Coríntios 12:6: Pois, se quiser gloriar-me, não serei
insensato, porque direi a verdade; mas me contenho,
para que ninguém suponha que sou superior àqui­
lo que em mim vê ou que a respeito de mim ouve.
l2Co 10:8; 11:16;
O espinho na carne não é nenhuma enfermidade de Paulo. O
(■
espinho na carne é a possibilidade iminente de ser esbofeteado,
caso ele passasse além dos limites (G1 6:4) da provação de sua
glória. Este limite foi estabelecido para evitar que não se exaltasse
Z
além da medida (Gn 6:4; 2 Co 12:5). Demônios esbofeteadores
podem ter diversas fisionomias, mas não deixam de ser
mensageiros de Satanás. Estes mensageiros de males poderiam
H
atuar com permissão de Deus, caso ele se vangloriar-se. Este
mensageiro de Satanás poderia ser manifestado segundo a
operação permitida no mundo espiritual, com reações no mundo
físico. Mas Paulo jamais deu oportunidade para tal. O texto a seguir
fala claramente: “A saber”, isto é, um mensageiro de Satanás.

1547
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

Deus continua cobrando as suas pedras afogueadas, continua Local do Est u d o :


cobrando o incenso de sua glória, e dela ele não abre mão. Deus
não envia apenas estes mensageiros. Há vários textos bíblicos Tema :
que provam ser este um trabalho de Deus para a disciplina do
homem (Mt 18:35, se não perdoarmos os nossos irmãos), caso MlNISTRANTE:
haja desobediência às palavra proféticas e insensibilidade à voz de
Deus (1 Rs 22:20,21), para executar os juízos de Deus (SI 78:49)
CAP. INICIAL:
2 Coríntios 12:7: E, para evitar que eu não me exal­
tasse além da medida pela sublimidade das revelações, CAP. FINAL:
foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensa- j
geiro de Satanás, que me esbofeteasse, a fim de que eu D iscípulo :
não me exaltasse além da medida;
O espinho na carne era um mensageiro de Satanás que procurava
ocasião para esbofetear a Paulo, ou envergonhá-lo, mas ele não
quis dar ocasião para ele durante o seu ministério
2 Coríntios 12:8: acerca disso, três vezes roguei ao
Senhor para que o afastasse de mim; (Mt2M4í
A graça era melhor do que se gloriar. A graça é o mel de Deus
derramado sobre uma pessoa que ele ama. A graça alcança boa
vontade diante de Deus e diante dos homens. Se Deus o afastasse
dele, Paulo livremente se vangloriaria, e a sua fortaleza seria
manifestada por suas obras, e as obras de Deus deixariam de
existir. Assim, o poder de Deus trabalha na fraqueza, pois nela
se aperfeiçoa, logo, as nossas fraquezas são a chance de Deus
aperfeiçoar o seu poder neste mundo, para a sua glória. Devemos
permitir que Deus aperfeiçoe o seu poder em nossas fraquezas.
Como Deus aperfeiçoa o seu poder nas nossas fraquezas? Josafá
soube disso antes de Paulo, quando enviou as crianças cantando na
frente de seus exércitos, e o salmista cantou: “Tu suscitaste força
nas crianças de peito, por causa dos seus adversários, para fazer
calar ao inimigo” (SI 8:2). De onde Deus aperfeiçoa o seu poder?
Das canções dos bebês diante de um exército! A Bíblia está cheia
de exemplos
2 Coríntios 12:9: e ele disse-me: “A minha graça te
basta, pois o meu poder se aperfeiçoa na debilidade”.
Portanto, eu, de bom ânimo, decidi gloriar-me nas
minhas fraquezas, a fim de que repouse sobre mim o
poder de Cristo. (2Co!l:30;Fp4:/3;2Col!:30; I Pe4:14!
Quando nas fraquezas estou forte? Porque bem-aventurados os
mansos, porque eles herdarão a terra (Mt 5:15). Quando nas
injúrias estou forte? Bem-aventurado quando disserem todo o
mal contra vós, pois grande é o vosso galardão (Mt 5:11 b, 12).
Quando nas necessidades estou forte? Quando nas perseguições
estou forte? Porque bem-aventurado é o perseguido, porque dele
é Reino dos Céus (Mt 5:11). Quando nas angústias estou forte?
Bem-aventurado os que choram, porque eles serão consolados
(Mt5:4).
2 Coríntios 12:10: Por isso, por amor a Cristo, eu me
deleito nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades,
nas perseguições, nas angústias. Porque quando eu es­
tou fraco, então é que eu sou forte. (Rm5:3;2Co6:4;2 Ts!:4<
A luta de Paulo entre a vontade de se vangloriar e a lembrança do
preço que teria que pagar. Verdadeiramente, ele optava por outra
regra: outros darão testemunho de mim (Jo 5:31; 7:18)
Bible C hronos D i N elson

2 C oríntios 12:11: Fiz-me um insensato em gloriar- Leitura Bíblica


me, mas, para isso, vós me compelistes; porque eu P essoal
deveria ser louvado por vós, visto que em nada fui
MÊS: ANO:
inferior aos mais eminentes apóstolos, ainda que nada
SOU. [2Co 11:1,5; 01 0 2 0 3 0 4 0 5 0 6
Os sinais do apostolado. Hoje, tem-se recebido ensinos 0 8 0 9 10 11 12 13
completamente deturpados a respeito do apostolado, pois todos 15 16 17 18 19 2 0
querem ser apóstolos. Em todas as outras vocações divinas, tais 2 2 2 3 2 4 2 5 26 27
como barbeiro (Ez 5:1), construtor (Gn 11:3), carpinteiro (2 Sm
2 9 3 0 31
5:11), confeiteiro (1 Srn 8:13), embalsamador (Gn 50:3), pescador
(Mt 4:18), joalheiro (Êx 28:17-21), militar (At 10:1), músico (2 Sm
6:5), pintor (Jr 22:14), escultor (Ex 31:5), cobrador de impostos
(Mt 9:9), torneiro (Êx 31:3,4), bem como os demais, a esposa não
é obrigada a se tomar obreira igualmente, tal qual o seu esposo. Por
que, nestes últimos dias, o grande modismo dos líderes exigirem
das esposas que sejam promovidas ao mesmo status? Não há
outra razão senão o nepotismo, a falsa segurança de manter um
de seus parentes na empresa que dirigem, pois a igreja do Senhor
Jesus não é propriedade de uma família, mas do Senhor. Hoje, DADOS ESPECIAIS
temos comprovação do modismo americano de igrejas que fogem
do padrão bíblico, onde casais lideram a obra de Deus e não um
ministério plural de homens de Deus chamados em diferentes
circunstâncias, lugares, situações e status sociais. Assim, homens
e mulheres têm sido ungidos a ministérios para os quais não têm
nenhuma vocação, e muitos são os que se chamam apóstolos sem
terem, no mínimo, sinais de seu ministério pastoral, evangelístico
ou profético. Um ministério apostólico deve ter entre os sinais
de seu apostolado pelo menos os seis rudimentos da doutrina,
entre os quais, consta a ressurreição dos mortos. Os sinais do
ministério apostólico não são uma certidão de depósito bancário,
nem diplomas, nem parentesco próximo, nem a nomeação na
diretoria de uma igreja, nem o montante econômico em seu nome,
nem favores da carne, os sinais estão descritos a seguir. É certo
que algumas esposas têm o seu chamado individual, muitas vezes
anteriores ao seu casamento, mas não são todas, e estas devem
ser honradas. Mas, são muitas aquelas mulheres que apenas
receberam o título ministerial, cujos interesses são: leitura de
revistas femininas, passatempos, novelas, modas, fofocas, intrigas,
venda de produtos, etc., pois não têm chamado algum. Assumem
a posição para executarem sem impedimento o seu espírito de
controle semelhante a Jezabel. São um bloqueio na vida de seus
maridos, pois não têm sinais nem como esposas, quanto mais
de ministros da casa de Deus. Reafirmamos, são poucos aqueles
que verdadeiramente estão preparados para esta honra e que
podem provar os sinais, a seguir, em seu ministério. A estes, nossa
admiração
2 C o rín tio s 12:12: Verdadeiramente os sinais do
meu apostolado foram operados no meio de vós, em
toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas.
(Rm 15:18,19,
Em que Paulo sentiu ofendê-los? Pelo fato de eles jamais terem
se preocupado com Paulo nesse particular: o salário. Nisto, eram
inferiores às demais igrejas
2 C oríntios 12:13: Pois, em que fostes inferiores às
demais igrejas, senão pelo fato de que eu mesmo jamais
fui um peso para vós? Perdoai-me esta ofensa. i2 Con.-7, q;
I Co 9:12,18}
BlBLE CHRONOS - N T EM ORDEM CRONOLÓGICA

Paulo demonstra a sua tristeza pela mesquinhez da igreja em Local do Est u d o :


relação aos seus cuidados pessoais, e a falta de honra pela sua
vocação ministerial. Ele coloca que os pais devem entesourar para Tema :
os seus filhos. Hoje, outro grande grave erro dos pais: nenhuma
preocupação para com os filhos. Pais negociam durante a vida M inistra n te :
inteira sem pensar no futuro, e quando tudo passa, os filhos
herdam pais doentes, plenos na semeadura negativa. São muitos
os ministros triunfalistas que se vangloriam por não ter cuidados Ca p . inicial :
médicos, seguros de vida, salários eclesiásticos, aposentadoria.
Todas estas coisas são virtudes de quem edifica a sua casa, pois CAP. FINAL:
Deus vigia a casa, mas não demite o sentinela; pois o seguro - dizem
- morreu de velho, mas a prudência fez-lhe o enterro. Ninguém D iscípulo :
tem prudência se não tem nada a perder. Pais que pensam no
futuro da sua família querem que a sua vocação prevaleça por
alguém da sua semente
2 Coríntios 12:14: Eis que esta é a terceira vez que
estou preparado para ir ter convosco, e não vos serei
uma carga; porque não busco o que é vosso, senão a
vós; pois os filhos não devem entesourar para os pais,
mas os pais para os filhos. 1 2 c o 1 c o 1 0 :2 4 ,3 3 ; 4: 14,1 5 ;
Pv 19:14)
O amor sacrificial e incondicional de Paulo - o amor sem
interesse de devolução; o amor que espera, suporta, tudo crê. íV -
Paulo sabia que aquele que nos aplaude também atira pedras.
Ele sabia que aquele que vive do público é julgado pelo público;
ele também sabia que a congregação é composta de células que
constantemente estão se multiplicando, e, muitas vezes, com
0 passar dos anos, o seu beneficiador torna-se em um mero
desconhecido de todas as células, pois aquele que vai tão longe e
se ausenta, perde a oportunidade de influenciar; por isso ele sabia í 11
que quanto mais amasse, menos seria amado
2 Coríntios 12:15: E eu de boa vontade investirei, e
me desgastarei em favor de vossas almas. Ainda que,
quanto mais abundantemente vos ame, seja menos
IP
am adO . {Fp2:17; 1 Ts2:8;
A astúcia de Paulo para conquistar os irmãos de Corinto
2 Coríntios 12:16: Mas seja assim; eu mesmo não
me tornei em carga para vós; mas, sendo astuto, vos
prendicom astúcia.
Ele não lhes enviou nenhum obreiro que fosse como Geazi, nem
como o Latoeiro
2 Coríntios 12:17: Porventura, vos explorei por meio
de alguns daqueles que vos enviei?
A unidade da divindade manifestada na vida dos ministros. Paulo
nos faz lembrar de Geazi, depois da maravilhosa cura de Naamã,
quando este jovem, sem autorização, veio pedir em nome de
Eliseu o ouro indevido nas posses do general, e que, segundo o
discernimento do profeta, não lhe pertencia, mas à menina que o
havia enviado. Depois de ter comedido a abominação, o profeta
disse ao jovem: “Não foi contigoomeu espírito?”. Isto significa que
ambos não viviam no mesmo espírito, por isso o jovem discípulo
tinha 0 costume de explorar. Eles não seguiam as mesmas pisadas
(2 Rs 5:20-27)
Bible C hronos D i N elson

2 Coríntios 12:18: Roguei a Tito ( “e n f e r m e i r o e Leitura Bíblica


enviei aquele irmão com ele. Por acaso Tito vos explo­ P essoal 09
rou? Não andamos porventura no mesmo Espírito?
MHS:_ _ANO:_
Não seguimos as mesmas pisadas? >2 C o 8:6, ió , is j
r"
A preocupação apostólica com o caráter dos membros da igreja; 01 02 03 04 05 06 07
a necessidade de recolocar em ordem a igreja, como aconteceu
m
08 09 10 11 12 13 14
na primeira epístola
15 16 17 18 192021
2 Coríntios 12:19: Pensais que em todo este tempo 22 23 24 25 26 27 28
estamos nos justificando diante de vós? Diante de 29 30 31
Deus, argumentamos em Cristo; e tudo isto, amados,
é para vossa edificação. (Rm q. i ; 2C o io .-sj n
O discernimento de Paulo e a preparação para o capítulo treze.
Acarnalidade de alguns membros que já haviam sido advertidos 2J
duas vezes segundo os moldes de Mateus 18:15-17
2 Coríntios 12:20: Porque temo que quando eu che­
õ

gar, não vos encontre tais como eu querería, e que eu j
seja encontrado por vós tal como não quererieis; e que
haja entre vós, de algum modo, contendas, invejas,
j—H
ciúmes, iras, facções, detrações, mexericos, orgulhos j
e desordens; (2Co2:i4; i co m i,-3:3/
Falava na condição. Se aqueles que foram frutos ou sementes
daquele fornicário ainda não haviam sido libertos, nem temeram
a decisão de Paulo (1 Co 5). Veja que o exemplo daquele pecador
continuavainfluenciando a muitos, e Paulo estava preparando-se
para enfrentá-los, com ousadia
o
X
2 Coríntios 12:21: receio que quando eu for outra
vez, o meu Deus me humilhe diante de vós, e que eu :
lamente por causa de muitos daqueles que anterior­
mente pecaram, e que ainda não tenham se arrepen­
dido da imundícia, da fornicação e da lascívia que
cometeram. {2Co2:i,4; i3:2;gis:iqy
W
Paulo avisa que vai aplicar Mateus 18:15-17, quanto ao pecado de
alguns irmãos de Corinto
2 Coríntios 13:1 : É esta a terceira vez que vou ter j
convosco: “Pelo testem unho de duas ou três tes- i
tem unhas toda palavra será confirmada”. isaó-, \
2Col2:l4;Dt 19:15)
Paulo mostra aqui a sua misericórdia. A terceira advertência,
pois se baseava nos ensinamentos de Cristo quanto à confissão.
Pecado conhecido do público deve ser confessado publicamente,
pecado oculto deve ser confessado de acordo com as regras que
Cristo estabeleceu em Mateus 18:15-17, (começando em lugar
privado por duas vezes, mas se nas duas tentativas - em privado -
nãoadmitir, não confessar-parasersalvo e restaurado, e não para
ser excluído - então o seu caso será conhecido da congregação, e
se não admitir, não confessar para ser salvo e restaurado, a igreja
zH
aceitará a sua exclusão, Mateus 18:17). Quanto a esta regra de
edificação da Igreja, que é, primeiramente, fruto da tolerância
e da misericórdia que não quer expor ao ridículo nenhum dos
membros da igreja, muitos líderes a ignoram completamente
em nome de seu autoritarismo e da grande falta de compreensão
bíblica dos ensinamentos de Cristo. Agora, Paulo avisa que a

1551
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

congregação saberá o que eles andaram fazendo, já que não Local do E st u d o :


quiseram ser restaurados
2 Coríntios 13:2: Já vos adverti antes, pela segunda Tema :
vez, e agora, estando ausente, digo aos que pecaram
M inistra n te :
anteriormente e a todos os demais que, se retornar
outravez,jánão vos pouparei, sendo indulgente.
C a p . INICIAL:
A revelação do poder de Deus de maneira forte entre eles não serve
de prova de que Cristo fala pelo apóstolo? O mesmo problema que
CAP. FINAL:
Cristo enfrentava na ocasião de seu ministério: a incredulidade
de uma geração apóstata que atribuía a Satanás as obras de Paulo.
Sendo assim, o Senhor Jesus começou a falar-lhes por Parábola D iscípulo :
e eliminou os sinais dizendo que àquela geração não seria dado
sinal algum :

2 Coríntios 13:3: Posto que exigis uma prova de que


Cristo fala por meu intermédio. Ele não se revela débil
em seu tratamento convosco, antes, poderoso entre
V ÓS. (Mt 10:20; / Co5:4;2Co9:8; :0:4: DADOS ESPECIAIS
Paulo fala da humanidade de Cristo. Aqui, comprovamos que ele
foi crucificado como homem, em fraqueza. Mas, agora, após a sua
ressurreição, ele vive para sempre como Deus. Isto significa que
os apóstolos estavam crucificados em Cristo para servir à igreja, da
mesma forma que Cristo esteve crucificado para nos servir como
nosso redentor, mas nos diz também que não permaneceríam na
cruz, pois haviam de ressurgir como ele, pelo poder de Deus. Paulo
está valorizando os momentos de crucificação com o seu objetivo:
servirá Igreja
2 Coríntios 13:4: Porque, ainda que foi crucificado
em fraqueza, ele, no entanto, vive agora pelo poder de
Deus. Pois nós também somos débeis nele; no entanto,
viveremos com ele, pelo poder de Deus. wp2:7,8; / />«?.?.•/#
Rm 6:4,8;2 Co 13:9!
Jesus somente não estaria neles se eles fossem reprovados. Este
exame daria o resultado final: (1) o exame era ministrado entre
eles mesmos. Ninguém conhece melhor a nós mesmos do que
aquele que conosco convive. O exame inicial era com respeito à
fé de cada um; (2) o segundo exame era a provação aplicada entre
eles mesmos. Por este exame (biológico da engrenagem do corpo)
e esta prova (de resistência), eles saberíam, pelas suas próprias
reações se Cristo estava neles ou não
2 Coríntios 13:5: Examinai-vos a vós mesmos se per­
maneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Porventura,
não sabeis que, no que diz respeito a vós mesmos, Jesus
Cristo está em vós, a não ser que sejais reprovados?
No mesmo exam e que a igreja devia se submeter (13:5), os
apóstolos estão conscientes de que haviam sido aprovados, mas
também esperava que os irmãos reconhecessem isto
2 Coríntios 13:6: Mas eu espero que compreendais
que nós não fomos reprovados.
O nosso propósito de sermos santos não é motivado pela
comprovação diante de outros santos de que somos aprovados
em nossa maneira de viver, isto é, a fim de impressionar, pois isto
é o que fazem os fariseus, mas sim por fazer o que deve ser feito,

1552
Bible C hronos D i N elson

mesmo que sejamos reprovados. Um irmão ou irmã que tem sua Leitura Bíblica
consciência cristã e sabe o que deve ser feito não é aliciado jamais P essoal
à criminalidade ou à corrupção, porque sabe o que deve ser feito:
o que é correto, independentemente de ser cristão ou não. Ele não
MÊS: Ano:
pecará porque é cristão, ele não pecará porque não deve pecar
2 Coríntios 13:7: E rogamos a Deus que não façais 01 02 03 04 05 06 07
mal algum; não para que nós pareçamos aprovados, 08 09 10 11 12 13 14
mas para que façais o que é correto, ainda que nós 15 16 17 18 19 20 21
sejamos vistos como reprovados. 22 23 24 25 26 27 28
A mentira pode ter a cara de verdade, sinais de verdade, 29 30 31
comprovações de verdade, como a túnica de José, que foi
entregue a Jacó, apregoando a morte de seu filho amado. Um
dia, as carruagens de José, o governador do Egito, estacionarão
na porta da tenda do patriarca, assinalando quejosé vive. Quem
se alia à verdade está a favor da verdade, e quem está a favor da
verdade está a favor de Cristo, pois ele é a Verdade
2 Coríntios 13:8: Porque nada podemos fazer contra
a verdade, senão a favor da verdade.
Como uma transfusão de sangue: “Somos enfraquecidos e vós sois
fortalecidos”, como uma senhora mãe de si mesma, com alegria,
amamenta o seu bebê, lutando para o crescimento contínuo
de seu filho, que nunca estará completo, que jamais deixará de
crescer. O enfraquecimento do qual trata o apóstolo não é por
fraquezas pecaminosas, mas pela nutrição da igreja que é gerada
por meio dele
2 Coríntios 13:9: Porque nos regozijamos quando
somos enfraquecidos quando vós sois fortalecidos;
rogamos a Deus, a saber, pelo vosso aperfeiçoamento
constante. (2Co u.-30; iz.-ioj
O objetivo da autoridade ministerial: para a edificação e não
para a demolição. Muitas vezes, é usada para impressionar,
causar medo, terror. O uso da severidade apostólica depende do
comportamento da igreja. Alguns desejam que o ministro esteja
sempre de bom humore que releve todas as situações agravantes
contra o corpo e a santidade de Deus. Mas o bom ministro de
Deus não se deixa enganar pelos liberais e libertinos que atuam
sorrateiramente no meio da congregação
2 Coríntios 13:10: Portanto, escrevo estas coisas
estando ausente, para que, estando presente, não use
de severidade, segundo a autoridade que o Senhor
me deu, para edificação e não para demolição. aco2-3;
Tt !:I3;2 Co !0:8i

• T ex to c o m p l e m e n t a r e c o m p a r a t iv o :
• P a u l o n ã o se e n c o n t r a c o m T i t o , e
M a c e d ô n ia n a p r o f u n d a
e m b a r c a para a
ESPERANÇA DE ENCONTRÁ-LO (2 CO 2:5-7),
2 C o 2 :1 2 ,1 3 :
Um obreiro indispensável; um obreiro porteiro. Um obreiro para
colocar na porta que se abriu
2 Coríntios 2:12: Mas, quando cheguei a Trôade
(“troiano ”) para pregar o Evangelho de Cristo, e uma
porta me foi aberta no Senhor, iai ió.s ,-/ co iw ,
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA

A falta que faz um ministro de confiança na hora em que uma porta Local do Est u d o :
se abre. O obreiro indispensável: aquele que abre portas não
estava. Paulo não encontrou Tito. A obra incansável no espírito. T ema :
Alguns cansam no corpo. Paulo não levava em conta o cansaço
físico, mas o cansaço no espírito MlNISTRANTE:
2 Coríntios 2:13: não tive descanso no meu espí­
rito, por não haver encontrado ali o meu irmão Tito C a p. inicial :
( “en ferm eiro”)-, mas, despedindo-me deles, parti
para a Macedônia ( “terra estendida ”). 12 Co 7:S,6; mc 6m ; Ca p . final :

Rm 15:26}
D iscípulo :
• TEXTO COMPLEMENTAR E COMPARATIVO:
• AS BOAS NOTÍCIAS DE CORINTO ALEGRAM A
P a u l o , p o is ele estava p r e o c u p a d o c o m
A RESPOSTA DOS CORÍNTIOS A RESPEITO DA
CARTA ANTERIOR (2 C o 7:5-9; 8:16, 23), j
2 CO 7:2-16:
Não basta nos afastarmos da imundícia sem sermos pastoreados.
Se não temos amor no coração por nossos fiéis pastores, não temos
como dar continuidade à nossa santidade. Ela precisa ser cuidada
e, para isso, Deus levantou os pastores para cuidar do seu rebanho.
Nossos pastores devem ter nos seus currículos sinais de uma
vida santa: (1) Sem injustiças, (2) sem corrupção, (3) sem abuso
de poder para proveito próprio (defraudar). Pois havia entre os
irmãos determinadas pessoas que assim agiam
2 Coríntios 7:2: Acolhei-nos em vossos corações; pois
a ninguém injustiçamos, a ninguém corrompemos, a
ninguém defraudamos. (2 Co6 .-i2 , i3j
Aceitando o amor incondicional entre membros e ministros:
tanto para morrer como para viver. Este é o amor que o apóstolo
esperava, o amor incondicional que os apóstolos já sentiam pela
Igreja, mas que ainda não havia sido revelado pela igreja
2 Coríntios 7:3: Não o digo para condenar-vos, pois j
já vos tenho dito que estais em nossos corações, para
juntos morrermos e vivermos, izc o ò -.u , i 2j
Grande confiança, grande motivação de glória, grande consolação,
grande gozo por eles, mesmo em meio à grande tribulação
2 Coríntios 7:4: Grande é a minha confiança para
convosco, e tenho em vós grande motivo de glória;
estou cheio de consolação, e transbordo de gozo em
meio a todas as nossas tribulações. a co i.-4, «.•
Homens comuns procuram descanso físico, homens espirituais
procuram descanso no espírito. As lutas externas geram
multiplicação, fortalecimento e crescimento; lutas internas
revelam os obreiros fiéis e os infiéis. Quando os filhos de Israel
estavam sendo perseguidos externamente, o povo crescia.
Quando os egípcios não conseguiram triunfar com as suas lutas
externas, começaram as suas lutas internas, na fonte, por meio
das parteiras egípcias enviadas para matar os meninos recém- j
nascidos. Mas o povo de Deus triunfou sobre as lutas internas e
externas, embora as lutas internas sejam piores do que as lutas
externas
Bible C hronos D i N elson

2 Coríntios 7:5: Porque, mesmo quando chegamos Leitura Bíblica


a Macedônia ( “terra estendida”), a nossa carne não P essoal
teve nenhum sossego, antes, de todos os modos, está­
M é S:_ A N O :_
vamos atribulados: Lutas por fora, por dentro temores.
(2 Co2:13; 4:8; Dt32:25) 01 02 03 04 05 06 07
Os amigos de ministério se consolam entre si. Tito exercia um 08 09 10 II 12 13 14
poderoso ministério de consolo na vida de Paulo. A ida de Tito e 15 16 17 18 192021
Paulo foi importante, pois levavam notícia da igreja de Corinto. Tito
fez o mesmo trabalho de Timóteo para com a igreja de Tessalônica.
22 23 24 25 26 27 28
Assim como Paulo enviou Timóteo, não suportando mais a saudade 29 30 31
da igreja de Tessalônica, Tito foi enviado à igreja de Corinto. Tito foi
um tipo do Espírito de Consolo na vida de Paulo e Paulo se alegrou
com as notícias que Tito recebeu a respeito da igreja de Corinto,
porque Paulo dera altas recomendações daquela igreja a Tito, e
tudo foi confirmado como verdade. Lendo 1 Tessalonicenses2e3,
vemos esta tipologia aplicada a Cristo de maneira mais clara. Em 1
Tessalonicenses 2 e 3, Paulo é tipo de Cristo e Timóteo, do Espírito
Santo. Timóteo traz boas notícias a Paulo, simbolizando a obra do
DADOS ESPECIAIS
Espírito Santo diante de Cristo no seu trono com respeito à sua
Igreja na terra. Da mesma forma, Paulo age aqui por meio de Tito ; Lí v ■ : -
2 Coríntios 7:6: No entanto, Deus, que consola
os abatidos, nos consolou com a chegada de Tito
( “enfermeiro ”); ;2c02:i3; i:3,^7:i3/
L
2 Coríntios 7:7: (e não somente com a sua vinda,
como também pelo consolo com que ele foi consolado
por causa de vós), quando nos informou a respeito de
vossa ardente saudade, do vosso pranto, do vosso zelo
por mim, de maneira que me regozijei ainda mais.
Qual epístola? A primeira epístola (textos nos quais Paulo trata
de assuntos com dureza, tentando salvar a igreja do poder do
erro: 3 :1- a camalidade dos membros, 5:1-13 - especialmente Ti ■
deste caso (2 Co 7:12); 7:32 - sobre o casamento; 11:17- sobre a
desordem no culto; 12:29-sobre a ordem dos dons; 13:11 -sob re
asmeninices; 14:26-sobre a ordem das ministrações; 15:19,20,36
- sobre a incredulidade quanto à ressurreição dos mortos); mas
todas aquelas exortações serviram para padronizar a igreja quanto
à celebração e sua fé pública e privada. Eles ficaram contristados
por um tempo, e esta carta foi um motivo de grande tribulação para
o apóstolo. Mas aquela tristeza operou na igreja grandes resultados
para sua melhoria até os dias de hoje
2 Coríntios 7:8: Porque, ainda que vos tenha entriste­
cido com aquela epístola, agora, não tenho pesar; ainda
que tenha tido, pesar; pois vejo que aquela epístola vos
entristeceu, ainda que por pouco tempo, aco 2:2/,>
NT

A exortação de Paulo transformou-se em bênção para a igreja. A


igreja se arrependeu e não se fixou naquilo que poderia ser dano
emocional ou alguma ofensa, mas operou mudanças na vida da
igreja. Este Espírito trabalha até hoje no corpo de Cristo, fazendo
a obra segundo Deus, trazendo direção, conselhos moralmente
necessários, evitando as meninices dos obreiros e dos membros,
contrariando as falsas doutrinas e os falsos mestres, destruindo
sofismas e mentiras com roupagens da verdade. Este sentimento
de pesar, muitas vezes, é vivido por aquele que ama a obra de Deus
e luta pelo bem-estar moral, emocional, doutrinário e ministerial

1555
T
I§|S§§ÍSS§®K
da congregação. Nestas condições, o obreiro se sente mais triste Local do Estud o :
do que aquele que exortou, mas, com o tempo, ele vai vendo os
resultados. Alguns falsos obreiros tratam de avaliar a poda dos Tem a :
galhos da videira de forma criminosa, a fim de prejudicar a relação
entre os membros e o seu líder, mas Deus, que está no controle, M inistra n te :
também sabe trabalhar para o bem da obra
2 Coríntios 7:9: agora me alegro; não porque fostes Ca p . inic ia l :
entristecidos, mas porque fostes entristecidos para
arrependimento. Porque fostes entristecidos segundo | CAP. FINAL:
Deus, para que não recebésseis dano algum de nossa
parte. D iscípulo :

A salvação da qual ninguém se arrepende. Esta é a prova da obra j


feita corretamente, da excelente poda dos galhos, a fim de que |
dêem mais frutos: o arrependimento para a salvação do corpo, j
Agora, este arrependimento opera uma salvação que tem
arrependimento. O homem se arrepende do ato de pecado, da
pecaminosidade, da vida pecaminosa, mas não se arrepende
para ser salvo. A obra dos falsos obreiros é tentar mudar o j
arrependimento da vida errada para um sentimento de revolta
que causa a morte. Mas, quando a salvação é operada mediante o
poder da Palavra de Deus, pregada e crida corretamente, mesmo
com pesar, por causa do corte violento que o ramo da videira j
brava recebe, a alegria vem quando ela começa a produzir, após o
enxerto na videira verdadeira. Ali é continuamente podada, e não
se arrepende jamais de estar ali, pura graça, graça maravilhosa.
São tão grandes os benefícios da nova vida que se experimenta
após a salvação que se lembrar das melhores proezas do passado j
é o mesmo que trocar o manjar pela comida encontrada no lixo. Os j
benefícios da salvação são incomparáveis. Este é o ponto: permitir
que a tristeza segundo Deus opere e não ouvir os seus próprios
conselhos ou os conselhos do adversário de nossas vidas, pois
seus conselhos tratam de excluir da sua mente e de seu coração
as verdadeiras razões pelas quais haverá cura, arrependimento e
salvação. Aqui está a revelação do mistério: permitir que a tristeza
segundo Deus opere a vida e não a morte
2 Coríntios 7:10: Porque a tristeza segundo Deus !
causa o arrependimento para a salvação, da qual nin­
guém nunca se arrepende; mas a tristeza segundo o
mundo causa a morte. (Atn.-sj
O conflito que causa cura pelo arrependimento - o processo da
tristeza segundo Deus. Causou uma discussão interna e externa;
causou uma indignação contra eles mesmos e contra aquele
que revelou a verdade e o erro; causou um temor a Deus e ao
doutrinador; causou um ardente desejo de mudar de atitude;
causou um sentimento de ciúmes, por causa dos que creram, e um
zeio que motivou os que creram! Causou um desejo de vingança:
da carne e do Espírito. Todo este conflito provou como o Espírito de
Deus opera sobre as obras da carne e sobre as constantes batalhas
que temos entre a carne e o espírito. Mas a Igreja provou que j
estava disposta a fazer o que era certo, por isso foi considerada
pura e inocente neste processo
2 Coríntios 7:11: Vede quanta solicitude vos cau­
sou esta tristeza segundo Deus! Que apologia de
vós mesmos, que indignação, e que temor, e que ar­
dente saudade, e que zelo, e que justa vingança! Em j
tudo vos haveis mostrado inocentes neste assunto. Leitura Bíblica
(2 Co2:ó;Rm3:5j P essoal
1 Coríntios5:l-13-especialmentedestecaso.Oabandonodoerro,
isto é, apoiar a iniqüidade, por temor às pessoas aparentemente M ês:_______ A n o :___
dignas, masverdadeiramente indignas, que geralmente controlam
os mais simples com promessas e sustentos, cujo objetivo é deixar 01 02 03 04 05 06 07
passar desapercebido os seus erros. Isso é uma abominação na 08 09 10 11 12 13 14
congregação. Paulo tratou de eliminar aquele poder das trevas 15 16 17 18 192021
que atuava no seio da igreja que, sem forças, não podia atuar. Mas, 22 23 24 25 26 27 28
em obedecer às ordenanças apostólicas, com pesar de ambas as 29 30 31
partes - apostólica e eclesiástica - a igreja provou que amava o seu
pastor solicitamente
2 Coríntios 7:12: Assim, pois, ainda que vos tenha j
escrito, não foi por causa daquele que praticou o mal, '
nem por causa daquele que padeceu o mal, mas para
que, diante de Deus, vos fosse possível manifestar, por
vós mesmos, vossa solícita dedicação por nós. f2Co7:8;
2:3,0; 1 Co 5:1,2!
Como o espírito de uma pessoa se recreia? Quando vê os frutos
do Espírito sendo gerados entre os seus discípulos. Quando vê na
igreja os frutos de um coração dilatado e não estreito: hospitalidade,
honra, obediência, consideração, primazia, cumprimento, frutos
do caráter de Cristo na vida dos seus discípulos, perdão, piedade,
santidade, dons, obras de beneficência, cuidado entre os irmãos,
fé, amor e esperança
2 Coríntios 7:13: Portanto, temos sido consolados
pela vossa manifestação de afeto; e ainda muito mais
nos alegramos pela alegria de Tito, porquanto o seu
espírito foi recreado por todos vós. p.c<>7:6; / co ió.-isi
Os motivos de elogio do apóstolo a Tito foram confirmados pelo
próprio Tito, e isto foi de grande satisfação para Paulo
2 Coríntios 7:14: Porque, se em algo me gloriei com
ele a respeito de vós, não fui envergonhado; antes,
como vos temos dito com verdade, assim também o j
elogio a respeito de vós referido a Tito foi achado como
verdadeiro. tfCow.ó/
Uma vez mais. Motivos da recreação do espírito na vida dos seus
discípulos, principalmente pela obediência, pela hospitalidade e
pela honra dispensada ao enviado do apóstolo
2 Coríntios 7:15: E seu entranhável carinho é mais
abundante para convosco, quando lembra-se da obedi­
ência de vós todos, e de como o recebestes com temor

zH
e t r e m o r , fFp 2:12; 2 Co 2:91
Quando as razões pelas quais elogiamos uma pessoa são
confirmadas pela pessoa a quem testemunhamos tais feitos,
ganhamos confiança. A confiança é fruto de testemunho, de
respaldo, de cumplicidade na verdade, no ministério, na missão e
na graça de Deus. A confiança é o fundamento do amor mútuo, da
continuidade do amor em comum. A confiança é a tranquilidade
que demonstramos naquele que dá testemunho de nós
2 Coríntios 7:16: Eu me regozijo de que, em tudo,
possa ter plena confiança em vós. a is3:0i
l'
BlBLE CHRONOS - NT EM ORDEM CRONOLÓGICA
: " T V t x t .. ^ -ix v • • - :.' ’,' ■*"••:• ^ '' T ?j~ r:..V ^íi"-'-V •í

• T ex to COMPLEMENTAR E COMPARATIVO: Local do Est u d o :

• A DESPEDIDA DOS IRMÃOS DE CORINTO Tema :


QUE CONSTARÁ NA CARTA QUE SERÁ
ENVIADA A ELES DURANTE ESTA VIAGEM, í M inistra n te :
2 Co 13:11-13:
A unidade pela qual Paulo roga e que atrai a presença de Deus: (1) C a p . INICIAL:
Sendo irmãos, (2) regozijando-se; (3) buscando a perfeição; (4)
consolando-se entre si; (5) tendo um mesmo ânimo, uma mesma C A P . FINAL:
motivação; (ó) vivendo em paz; (7) e todas estas coisas serão uma
atração à presença de Deus entre eles D iscípulo :
2 Coríntios 13:11: Enfim, irmãos meus, regozijai-
vos, procurai a perfeição, sede consolados, sede de um
mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de í
paz estará convosco. (Rm12:10}
A saudação do amor fraternal é recebida em certos lugares com
preconceito, mas é um simples ato pelo qual podemos observar DADOS ESPECIAIS

o racismo, a falsidade, a hipocrisia de muitos que dizem amar os


seus irmãos
2 Coríntios 13:12: S a u d ai-v o s u n s aos o u tro s c o m
ÓSCUlO SantO. (Rm ió.-iói
A Bênção Apostólica comum, exaltando as três pessoas da
única divindade: a graça de Cristo, o amor do Pai (que recebe II
a proeminência de todos) e o vínculo da comunhão, pois é o
instrumento de unidade inseparável dos três; pois é mediante
este vínculo de unidade que não podem ser chamados de três
deuses, pois a unidade deles é verdadeira: eles têm tudo em
comum, um glorifica o outro, um respalda o outro, nenhum deles
faz qualquer coisa sem concordância, cada um testifica de todos.
Assim, podemos perguntar: “Por que não são três deuses se são
três pessoas?”. Por causa do vínculo da unidade, queé o Espírito
Santo, e tal vínculo eterno. Assim, eles têm um só Nome, um só
Corpo e um só Vínculo
2 Coríntios 13:13: Todos os santos vos saúdam. A
graça do Senhor Jesus Cristo, e 0 amor de Deus, e a
comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.

• TEXTO CRONOLÓGICO CENTRAL:


• 0 3 9 0 - Os COMPANHEIROS DE PAULO FORAM
FRUTOS DA PRIMEIRA E DA SEGUNDA VIAGEM
m is s io n á r ia .
H o m e n s f ié is d e q u a s e u m
CONTINENTE INTEIRO. CADA UM DELES LEMBRAVA
GRANDES AVENTURAS MISSIONÁRIAS; ENTRE ELES,
ESTAVAM DOIS GRANDES AMIGOS: TIM ÓTEO E
G a io . N esse t e x t o , Pa u l o t a m b é m rev ela
QUEM ERAM ALGUNS DOS OBREIROS DA ÁSIA,
At 20:4-16:
Atos 20:4: E acompanhava-o Sópater, de Beréia; e os
de Tessalônica, Aristarco e Segundo; e Gaio, de Derbe,