Você está na página 1de 15

Escola Secundária 3EB Dr.

Jorge Correia – Tavira


Direcção Regional de Educação do Algarve

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA


QUADRIÉNIO 2009-2013
I – Introdução

O presente plano visa ser uma orientação da acção e desejo de evolução da Biblioteca Escolar para
o quadriénio de 2009 / 2013. Para a sua elaboração, teve-se como suporte de opções de intervenção
na acção educativa o Projecto Educativo da nossa escola (2009-2011) e o documento Modelo de
Auto-avaliação da Biblioteca escolar, RBE (12 Nov. 2009), conclusões do grau de satisfação dos
utentes da BE retiradas no momento da elaboração do PEA e relatórios elaborados pela equipa de
avaliação interna que, durante o ano lectivo de 2008-2009, aplicou inquéritos a professores, alunos
e EE.

II - Caracterização da Escola

A Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Augusto Correia, integrada na área Educativa do
Algarve, é a única do concelho de Tavira com este nível de ensino. Situa-se na rua Luís de Camões
e tem uma boa acessibilidade. Os alunos são provenientes das áreas limítrofes e da área do concelho
(611 Km2) que se estende do interior da serra algarvia ao meio litoral, incluindo o meio piscatório,
e que integra as freguesias de Santiago, Santa Maria, Conceição, Cabanas, Santa Luzia, Santo
Estêvão, Santa Catarina e Cachopo. A esta heterogeneidade da população escolar, tanto pela origem
como pelos contextos socioculturais, acrescem alunos de famílias provenientes um pouco de todo o
mundo.
A actual Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira começa a sua história em 1961
como Escola Técnica. Após o 25 de Abril de 1974, a antiga Escola Técnica passa a ser designada
por Escola Polivalente de Tavira, só adquirindo o seu título actual com a reforma do sistema
educativo na década de 80. Desde Fevereiro de 2006 que a escola tem um patrono na figura do Dr.
Jorge Correia, um ilustre tavirense médico, político e “diletante da escrita”.
Hoje, a escola é constituída por cinco blocos independentes, um pavilhão gimnodesportivo e
um espaço exterior desportivo. A Biblioteca Escolar (BE), localizada no 1º andar do Bloco 2, está
ao serviço da aprendizagem e da autonomia do aluno, bem como do enriquecimento e actualização
científica e cultural dos professores e funcionários. Esta tem ao dispor dos seus utentes uma
colecção constituída por cerca de 10 mil volumes impressos e material não livro (CD-ÁUDIO, CD-
ROM e DVD), na sua quase totalidade já registada numa base de catalogação, Bibliobase, também
acessível on-line, o que muito facilita a pesquisa das fontes documentais à disposição do utilizador.
Na zona de leitura informal, pode aceder-se livremente a periódicos diversos, havendo também,
noutras áreas deste espaço educativo, uma TV com videogravador e outra com leitor de DVD. Além
disso, há oito computadores disponíveis para utilização rotativa com acesso livre à Internet.
A BE pertence à Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), ao Grupo Concelhio de Bibliotecas,
que também inclui a Biblioteca Municipal, conforme formalizado no protocolo SABE (Serviço de
Apoio a Bibliotecas Escolares) e colabora com instituições culturais da cidade, nomeadamente a
Associação Internacional de Paremiologia, com sede em Tavira, e a Associação Cultural Tavirense
e ainda a Autarquia, parceiro sempre disponível para o apoio a iniciativas culturais.

A escola é única no seu agrupamento e no ano de 2009/2010 serve um total de 701 alunos,
no regime diurno, 452 matriculados em cursos regulares, 218 em Cursos profissionais e 31 em
Cursos de Educação e Formação. No Regime Iniciativa Novas Oportunidades (INO), há 642
formandos. O corpo docente é constituído por 115 professores, 34 assistentes operacionais, 12

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 1


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve
funcionários administrativos e uma psicóloga no SPO, ainda que em acumulação
com outras escolas do concelho.

Quadro de identificação de Cursos e Número de Turmas e Alunos

Ano Curso Turmas Alunos


10º Ciências e Tecnologias 5 112
10º Línguas e Humanidades 2 39
10º Artes Visuais 1 23
Total de alunos 10º ano 174
11º Ciências e Tecnologias 4 81
11º Línguas e Humanidades 1 25
11º Artes Visuais 1 27
Total de alunos 11º ano 133
12º Ciências e Tecnologias 3 78
12º Línguas e Humanidades 1 22
12º Ciências Sociais e Humanas 1 20
12º Artes Visuais 1 25
Total de alunos 12º ano 145
9º+1 CEF – Electricistas de Instalações TP3 1 10
9º+1 CEF – Prát. Técnicos Comerciais TP3 1 21
Total de alunos CEF 31
1º Curso Profissional de Técnico de Comércio 1 24
1º Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas 2 45
Informáticos
1º Curso Profissional de Técnico de Segurança e Salvamento em Meio 1 17
Aquático
Total de alunos, Cursos Profissionais – 1º ano (= 10º ano) 86
2º Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial 1 22
2º Curso Profissional de Técnico de Gestão 1 11
2º Curso Profissional de Técnico de Instalações Eléctricas 1 09
2º Curso Profissional de Técnico de Multimédia 1 17
2º Curso Profissional de Técnico de Turismo 1 14
Total de alunos, Cursos Profissionais – 2º ano (= 11º ano) 73
3º Curso Profissional de Técnico de Animador Sociocultural 1 21
3º Curso Profissional de Técnico de Banca e Seguros 1 10
3º Curso Profissional de Técnico de Conta bilidade 1 14
3º Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas 1 07
Informáticos
3º Curso Profissional de Técnico de Informática e Gestão 1 07
Total de alunos, Cursos Profissionais – 3º ano (= 12º ano) 59
B3 Curso de Educação e Formação de Adultos 1 18
1 Curso de Educação e Formação de Adultos 1 25
2 Curso de Educação e Formação de Adultos 1 26
3 Curso de Educação e Formação de Adultos 1 15
DC Curso de Educação e Formação de Adultos – Electricistas de 1 10
Instalações eléctricas
RVCC – em fase de diagnóstico 108
Básico RVCC – Nível Básico – em fase de reconhecimento 100
Secun- RVCC – Nível Secundário – em fase de diagnóstico 340
dário
Total de formandos Iniciativa Novas Oportunidades 642
Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 2
Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

III - Pontos fortes e fracos da BE

Tendo em conta as directrizes da IFLA para as BE, determinaram-se os seguintes pontos fortes e
pontos a necessitar de maior prioridade e investimento:

PONTOS FORTES PONTOS FRACOS


1. EQUIPA
• Professora bibliotecária com formação nas
áreas da BE que coordena uma equipa e
formula e promove políticas para o
desenvolvimento e organização dos serviços.

• Integração no Grupo de trabalho concelhio das


BE que facilita a cooperação com a BM e
recebe orientações da coordenadora
interconcelhia bem como orientações da RBE

• Assistente operacional da BE com vínculo • Necessidade de mais um(a) assistente opercaional para
estável e com formação nas áreas da BE. abranger todas as horas de funcionamento da biblioteca.

• Equipa e professores colaboradores da BE de • Constituição da equipa e dos professores colaboradores


diversas áreas científicas, bons conhecedores sem continuidades entre anos lectivos.
dos currículos, com bom entendimento da
política de serviços e deveres e • Excessivo número de elementos com reduzido número
responsabilidades bem definidos. de horas cada

•Relacionamento interpessoal caracterizado pela • Ausência de formação especializada dos professores


capacidade de comunicação positiva com as colaboradores da BE
diversas camadas etárias e conhecimento da
colecção da biblioteca e das formas de lhe • Nem todos os departamentos têm professores afectos à
aceder. BE

2. CARACTERÍSTICAS DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO


• Colecção alargada e equilibrada onde todas as • Predominância desproporcionada de material livro, pois
áreas da CDU estão contempladas. só recentemente o PTE permitiu um actualização do
hardware
• Número de exemplares, de cada área de
especialidade, razoável. • Utilização menos frequente do espaço BE nos
currículos científicos e tecnológicos, justificada pela
• Requisições elevadas de material livro nas evolução vertiginosa da ciência e das tecnologias com
áreas de línguas e literatura e artes, devido a consequente desactualização mais acelerada do material
maior longevidade da informação actualizada e livro
maior motivação dos professores para os
recursos da BE • Carência de recursos que sirvam os novos cursos,
currículos e disciplinas
• Política de gestão da colecção já formalizada.
• Listagem das novas necessidades de cada grupo
• Acesso a bibliotecas digitais que disciplinar não delineadas de um ano para o seguinte
complementam o catálogo privativo da BE
• Ausência de abatimento de documentos antiquados ou
desactualizados.

• Ausência de planificação diferenciada/desfasada do


mesmo grupo disciplinar, pelo que um mesmo conjunto
de documentos é requerido por todo escolar.

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 3


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

PONTOS FORTES PONTOS FRACOS


3. ESPAÇO E EQUIPAMENTO

• Adequada multifuncionalidade com


isolamento ao ruído exterior e iluminação
apropriada e suficiente. • Localização não centralizada, sem ser em piso térreo.

• Dimensão adequada, permitindo diferenciar • Temperatura ambiente não condicionada.


áreas.

• Existência de zonas mais recolhidas para


leitura silenciosa e moderno,
• Equipamento concentrada. esteticamente • Incompatibilidade entre os novos computadores PTE e
harmonioso e adequado aos diferentes espaços as impressoras existentes.
e público-alvo.
• Ligação Internet muito instável.
• Sobriedade do espaço de modo a promover o
recolhimento aconselhável para a leitura.

• Disposição dos espaços específicos de modo a


proporcionar o acesso directo por parte dos
utilizadores. • Falta de formação ou de experiência consistente dos
professores com os novos ambientes digitais
• Intervenção PTE permitiu o aumento e a
modernização dos computadores disponíveis
para os utentes

4. SISTEMA DE TRATAMENTO TÉCNICO

• Sistema de tratamento técnico normalizado e • Guia de Procedimentos incompleto.


com informatização actualizada.
• Professores colaboradores sem formação na área do
• Boa rapidez, eficiência e autonomia na tratamento técnico.
recuperação de documentos e informações,
com acesso livre pela Internet ( catálogo on-
line)

5. COMUNICAÇÃO/PROMOÇÃO/ANIMAÇÃO

• Actividades do PA da BE divulgadas em • Inexistência de boletim mensal.


suporte impresso e digital (e-mail; site da
escola; Biblioblogue).

• Reportagens da realização das actividades


divulgadas em suporte impresso (Jornal escolar
Eco Estudantil, editado pela BE) e on-line
(Biblioblogue).
• Sistemática participação e envolvimento dos • Pouca diversidade. As actividades centram-se na
alunos nas actividades de animação, realizadas promoção da literatura.
com frequência adequada na própria Biblioteca
ou no Auditório. • Raros instrumentos de avaliação qualitativa, das
actividades de animação.
• Selecção de turmas convidadas em função das
áreas de interesse e utilização de modelos
adequados consoante os diferentes perfis.
Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 4
Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

6. FORMAÇÃO DE LEITORES

• Formação de utilizadores com particular • Inexistência de projecto de formação no domínio da


incidência para as turmas recém-chegadas à leitura e das literacias ( científica, matemática e da
comunidade escolar informação).

• Incipiente domínio de técnicas de pesquisa e de


• Apoio informal e formal aos alunos nos
tratamento e selecção da informação com rigor, por
domínios da leitura e da literacia. parte dos alunos.
• Contratos de leitura recreativa promovidas pelo • Fraco investimento dos professores no ensino de
Grupo de Português interligados com a BE, técnicas de pesquisa e de tratamento e selecção da
com a consequente divulgação de apreciações informação não favorecendo a transformação da
de leitura redigidas pelos alunos ou a informação em aquisição de conhecimento por parte
realização de encontros com escritores e a dos alunos
participação em concursos.

• Crescente aumento da frequência da BE como


espaço/recurso de pesquisa e de trabalho de
grupo, independentemente do curso e da área
curricular.

• Intervenção PTE

7. GESTÃO DE EVIDÊNCIAS /AVALIAÇÃO

• O modelo de auto-avaliação da BE, difundido • Inexperiência na aplicação do Modelo de


pela RBE, é uma mais- valia
Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares (MAABE)
• Formação da professora bibliotecária nesse
modelo orientador e regulador

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 5


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

IV- Metas/ objectivos gerais para os quatro

DOMÍNIO METAS OBJECTIVOS GERAIS


• Proceder à articulação curricular
da BE com as estruturas de
A
coordenação educativa, a
Apoio ao • Conceber a BE como pólo de supervisão pedagógica e os
desenvolvimento articulação curricular docentes.
curricular
• Promover as literacias da
informação, tecnológica e digital.

• Contribuir para o plano de


• Formar jovens com
desenvolvimento da leitura e da
competências de leitura e de
literacia traçado pelo Projecto
literacia consistentes e
B Eucativo da escola .
facilitadoras de uma
Leitura e Literacia aprendizagem ao longo da • Desenvolver hábitos culturais
vida promotores de um contínuo
enriquecimento cultural

C • Abrir a BE à comunidade • Desenvolver um trabalho


local e a outras regiões, colaborativo com outras entidades
Projectos parcerias vocacionadas para a promoção de
e actividades livres impondo-a como pólo
divulgador e dinamizador de actividades culturais ou de carácter
e de abertura à lúdico.
comunidade projectos e parcerias.

• Articular os serviços e a acção


prestada pela BE com a acção da
escola
• Gerir a BE como espaço • Desenvolver as condições
pedagógico eficiente ao humanas e materiais para uma
D
serviço da comunidade melhor prestação de serviços da
Gestão da BE educativa. BE
• Gerir a colecção/informação da
BE como recurso gerador de
conhecimento e saber.

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 6


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve
V - Planificação das actividades
Domínio A - Apoio ao Desenvolvimento Curricular
A.1 Articulação Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão
Pedagógica e os Docentes
Avalia-
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13 ção

• Cooperar com as • Reuniões, formais e informais,


estruturas educativas para articulação de actividades
do agrupamento • Construção de Plano de
(Conselho Pedagógico, actividades anual em articulação
Departamentos, com o Projecto Educativo e os
Conselhos de Turma). Projecto Curriculares de Turma
• Estabelecer parcerias • Formalização de um projecto de
com os docentes parceria entre a Área de Projecto e
responsáveis pelas a BE
áreas curriculares não • Apoio ao desenvolvimento dos
disciplinares (ACND) trabalhos de Área de Projecto
da escola.
• Articular actividades • Colaboração na consecução dos
com os responsáveis planos de trabalho dos docentes
pelos Serviços de de educação especial e de apoio
Apoio Especializados educativo
e educativos (SAE).
•Participação no PTE e na
promoção da utilização das TIC
no contexto das actividades
curriculares

ANO LECTIVO 2012 /2013


• Participar no PTE e • Cooperação com os docentes
noutros projectos e responsáveis por Clubes e
programas. Projectos
• Divulgação e acompanhamento do
PNL no contexto das aulas de
Português e como actividade de
leitura recreativa
• Construção/compilação de Prioridade Prioridade
Prioridade Prioridade
Departamento Departamento
ficheiros promotores do estudo Depart. de Depart. de
• Integrar a BE no plano de Ciências de Ciências
autónomo Línguas Expressões
Sociais Experimentais
de ocupação dos
• Disponibilização do espaço BE,
Tempos de Escola
(OTE). seus recursos e actividades como
suporte ao desenvolvimento dos
TE
• Visitas acompanhadas à BE e à
BM
• Apoio, formal e informal, a Aumentar em
5% o uso pelos Aproximar-
actividades curriculares com
docentes dos se ou igualar
• Colaborar com os recurso à BE Aumentar em
recursos da BE a meta de
docentes na 5% ao uso
c/ prioridade 80% dos
pelos docentes
concretização de para as docentes a
dos recursos
actividades actividades dos usar a BE
da BE
currículos em
curriculares com científicos e actividades
recurso ao espaço BE, tecnológicos curriculares.
seu equipamento ou a
requisição de materiais • Produção/Colaboração na
do seu catálogo. construção/compilação de materiais Prioridade Prioridade
Prioridade Prioridade
didácticos disponibilizados em Departamento Departamento
Depart. de Depart. de
suporte impresso, em suporte de Ciências de Ciências
Línguas Expressões
Sociais Experimentais
digital, no Bibliomoodle e/ou
noutros recurso on-line.

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 7


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

A.2 Promoção das Literacias da Informação, Tecnológica e Digital


Avalia-
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13
ção
• Sessões de Prioridade Prioridade
Prioridade Prioridade
formação de Departamento Departamento
Departamento Departamento
utilizadores, de Ciências de Ciências
de Línguas de Expressões
formais e informais Sociais Experimentais
• Organizar • Produção de
actividades de materiais
formação de informativos de apoio
Utilizadores da à formação de
BE a alunos e utilizadores
docentes. (pesquisa
presencial, pesquisa
com recurso à
Internet)
• Apoio aos Aproximar-se
professores na ou igualar a
Aumentar em
planificação e Aumentar em meta de 80%
5% o uso
acompanhamento 5% o uso dos docentes a
rentabilização
pelos docentes usar a BE em
do trabalho de dos recursos
pelos docentes
contexto de
pesquisa a realizar dos recursos da
da BE competências
pelos seus alunos na BE
da informação ,
BE. tecnológicas e
• Promover o digitais.
ensino em • Formalização de um
contexto das modelo de pesquisa

ANO LECTIVO 2012 /2013


competências de informação
da informação, comum à escola
tecnológicas e • Determinação das
digitais. competências de
informação
transversais aos
currículos
• Elaboração de
ficheiro de sites Prioridade Prioridade
Prioridade Prioridade
Departamento Departamento
aconselhados por Departamento
de Ciências de Ciências
Departamento
disciplina, tema e de Línguas de Expressões
Sociais Experimentais
ano
• Avaliação do
impacto da BE com
• Conhecer o
recurso a
real impacto da
questionários a
BE nas
docentes e alunos.
competências
• Observação, com
tecnológicas,
grelha de registo, da
digitais e de
utilização da BE e
informação dos
de trabalhos
alunos.
escolares dos
alunos
• Favorecer o • Dinamização/ Aproximar-se
desenvolvimen Colaboração em ou igualar a
to de valores e sessões de meta de 80%
formação para a dos alunos
atitudes corresponde
próprios de cidadania favoravelmente
uma formação ao objectivo
para a formulado.
cidadania e a
aprendizagem • Revisão/
ao longo da Actualização do
vida Regimento da BE

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 8


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

Domínio B – Leitura e Literacia

Avalia-
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13
ção

• Sessões de formação/
divulgação/partilha de leituras
recreativas e/ou informativas
(encontro com autores, semana da
leitura, …), incluindo as propostas do
PNL para o ensino secundário.

Prioridade
• Actualização progressiva da Prioridade Prioridade Prioridade
Cursos
• Promover a coleccção, ajustada aos novos cursos PNL EFA CNO
Profissionais
leitura na e seu público.
escola.

• Publicação de apreciações
críticas/fichas de leitura redigidas por
alunos no Ecoestudantil (jornal
impresso) e no Biblioblogue

ANO LECTIVO 2009 / 2010


• Difusão das novas aquisições de
material livro e não livro na mesa de
destaques da BE e por divulgação
impressa e electrónica.

Prioridade
• Cooperar com os grupos disciplinares Prioridade Prioridade
Departamen Prioridade
e disponibilizar livros, instrumentos Depart. Depart. de
to de Depart. de
de apoio e outros recursos para de Ciências
• Integrar a BE Ciências Expressões
trabalho na sala de aula ou na BE. Línguas Experimentais
nas estratégias Sociais
e programas de
leitura da Prioridade
• Sessões formativas dirigidas ao Prioridade Prioridade
escola. Departamen Prioridade
desenvolvimento da leitura e da Depart. Departament
to de Depart. de
literacia em articulação com a BM, a de o de Ciências
Ciências Expressões
UALG e outras instituições culturais. Línguas Experimentais
Sociais
Aproximar
Aumentar
• Conhecer o -se ou
em 5% a
impacto do igualar a
Aplicação percentage
trabalho da BE meta de
de Plano de m de
nas atitudes e Prioridade 80% dos
• Aplicação do Modelo de auto- Melhoria alunos a
competências Domínio B alunos a
avaliação da BE para o usar a BE
da leitura e usar a BE
Domínio B em
literacia. em
contextos
contextos
de leitura
de leitura

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 9


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

Domínio C – Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade

C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular

Avalia
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13 ção

• Apoio, formal e informal, ao


estudo autónomo dos alunos. Aplicação
• Apoiar a aquisição e de Plano
desenvolvimento de de
• Sessões de formação sobre Melhoria
métodos de trabalho e métodos de trabalho.
de estudo autónomos. para o
Domínio C

• Realização de iniciativas de
Aplicação
animação cultural (exposições,
de Plano
• Dinamizar actividades concursos, celebração de
de
livres , de carácter efemérides e outros) dirigidas
Melhoria
lúdico e cultural, na ao desenvolvimento da
para o
escola. sensibilidade estética e o gosto
Domínio C
e interesse pelas artes, ciências

ANO LECTIVO 2010 /2011


e humanidades.

• Sensibilizar o órgão de direcção


e os elementos responsáveis
pela construção dos horários e
Aplicação
gestão dos recursos humanos
• Apoiar a utilização de Plano
para o alargamento do horário
autónoma e voluntária de
de abertura da BE.
da BE como espaço de Melhoria
lazer e livre fruição para o
dos recursos.. Domínio C
• Campanhas de incentivo ao
empréstimo domiciliário, em
particular antes dos períodos de
férias.

• Colaboração com a Associação


de Estudantes na organização
Aplicação
• Apoiar a iniciativa e de projectos e actividades com
de Plano
intervenção livre dos recurso à BE.
de
alunos
Melhoria
disponibilizando o
para o
espaço e os recursos da • Apoio à realização de
Domínio C
BE. workshops da iniciativa dos
alunos e em que os monitores
são também alunos.

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 10


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

C.2 Projectos e parcerias

Avalia
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13 ção

• Divulgação e cooperação com


os professores responsáveis por Aplicação
projectos a decorrer na escola. de Plano
• Envolver a BE em
de
projectos da escola ou
Melhoria
em parceria com
• Dinamização, em pareceria com para o
outras entidades
outras entidades locais e Domínio C
regionais, de actividades
culturais.

• Intercâmbio interconcelhio

ANO LECTIVO 2010 /2011


entre escolas secundárias.

Aplicação
• Realização conjunta de de Plano
• Desenvolver trabalho e
actividades de formação e de de
serviço colaborativo
promoção das leituras e Melhoria
com outras escolas,
literacias, com o grupo para o
agrupamentos e BE.
Concelhio. Domínio C

• Colaboração na implementação
do catálogo concelhio

• Acções formativas para a


comunidade e o público adulto, Aplicação
tendo em vista a aprendizagem de Plano
• Promover a BE junto ao longo da vida. de
da comunidade local Melhoria
para o
• Divulgação e promoção dos Domínio C
recursos da BE junto da
comunidade local

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 11


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

Domínio D – Gestão da BE
D.1 Articulação da BE com a Escola, acesso e serviços prestados pela BE

Avalia
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13 ção

• Revisão dos documentos


normativos e de gestão da Aplicação
escola e da BE (Regulamento do plano
Interno, Regimento da BE, de
Guia do utilizador da BE,…) melhoria
• Integrar a BE na para o
escola. Domínio
• Articulação da acção da BE D
com o Projecto Educativo, o
Plano Anual de Actividades de
Escola e os Projectos
Curriculares de Turma.

Aplicação
• Reuniões com os órgãos de
do plano
• Potenciar a valorização direcção, administração e
de
da BE pelos órgãos de gestão da escola (conselho
melhoria
direcção, geral, director e conselho
para o
administração e gestão pedagógico) para uma melhor
Domínio
da escola. planificação/articulação/acção
D
da BE.

ANO LECTIVO 2011 /2012


Aproximar-
• Dinamização/promoção de se da meta
Aumentar a
actividades e oferta de serviços de 80% dos
percentagem
que vão ao encontro dos utilizadores Aplicação
de
Projectos Curriculares de avalia do plano
utilizadores
Turma e do Plano Anual de positivamen de
da BE
• Corresponder às actividades da Escola. te o trabalho melhoria
necessidades da da BE para o
escola. Domínio
Aumentar a Aproximar- D
• Acções, formais e informais, percentagem se da meta
de acompanhamento e de de 80% dos
formação de utilizadores. utilizadores utilizadores
da BE frequenta a
BE

• Aplicação do Modelo de Auto-


Avaliação da BE, com Domínio Domínio Domínio Domínio
incidência sobre domínios B C D A
sucessivos.
Aplicação e
• Avaliar o processo de monitoriza-
• Construção / Aprovação /
funcionamento e a ção do Pla.
Divulgação e Implementação de Aplicação e de Melhoria
actuação da BE na Construção Aplicação e
Plano de Melhoria para cada Monitorização do Monitorização para o
escola do Plano de
do Plano de Dom. D.
um dos domínios, após a sua Melhoria para Plano de
avaliação. o domínio B melhoria para o melhoria para Construção
(Julho 2010) Domínio B o Domínio C do Plano de
Melhoria
para o
domínio A
(Julho 2013)

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 12


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

Domínio D – Gestão da BE

D.2 Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços

Avalia
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13 ção
Aplicação
• Frequência de acções de do plano
• Proporcionar a
formação relacionadas com as de
actualização dos
áreas da Biblioteca e/ou das melhoria
conhecimentos e
TIC, pelos recursos humanos para o
competências de gestão
afectos à BE. domínio
da BE aos recursos
D
humanos afectos à BE.

Aplicação
• Reuniões com os órgãos de
do plano
• Potenciar a valorização direcção, administração e
de
da BE pelos órgãos de gestão da escola (conselho
melhoria
direcção, geral, director e conselho
para o
administração e gestão pedagógico) para uma melhor
domínio
da escola. planificação/articulação/acção
D
da BE.

• Reajuste/remodelação do

ANO LECTIVO 2011 /2012


espaço em articulação com a
intervenção do Plano PTE. Aplicação
do plano
• Potenciar a adequação de
do espaço da BE às • Sensibilização/Insistência junto melhoria
necessidades da dos órgãos de direcção para a para o
escola/agrupamento. necessidade de equipar a BE domínio
com um novo equipamento de D
ar condicionado adequado às
suas dimensões e frequência
pelos utilizadores.

• Gestão e manutenção dos


computadores e dos
equipamentos tecnológicos da
BE em articulação com o
coordenador PTE Aplicação
• Adequar os
do plano
computadores e
de
equipamentos
• Utilização dos dispositivos da Aumentar Aproximar- melhoria
tecnológicos ao
WEB2 ( WEB, plataforma a se da meta para o
trabalho da BE e aos
Moodle, …) para desenvolver percentagem de 80% domínio
utilizadores da escola.
processos de diálogo e de de dos D
formação de utilizadores utilizadores utilizadores
de recursos avaliam
da Web2 positivame
via BE nte a BE

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 13


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

D.3 Gestão da colecção/ da informação

Avalia
Objectivos Actividades 09/10 10/11 11/12 12/13 ção

• Análise das necessidades


• Gerir a colecção de Aplicação
curriculares inventariadas por
acordo com a do Plano
cada Departamento/Grupo
inventariação das de
Disciplinar e subsequente 1º e 3º 1º e 3º 1º e 3º
necessidades melhoria
processo de actualização do períodos períodos períodos
curriculares e das para o
catálogo de acordo com as
necessidades dos Domínio
prioridades definidas na
utilizadores. D
Politica Documental.

• Adequar os livros e
Aplicação
outros recursos de • Actualização progressiva do
do Plano
informação ( no local e catálogo em suporte impresso, Prioridade Prioridade Prioridade
de
on-line) às digital e on-line. para o para o para o
melhoria
necessidades suporte suporte suporte on-
para o
curriculares e aos impresso digital line
Domínio
interesses dos
D
utilizadores.

ANO LECTIVO 2011 /2012


Aproximar
• Divulgação e incentivo ao -se da meta
Aumentar
empréstimo domiciliário das de 80%
a
novas aquisições da BE e de dos
percentage
outras ajustadas ao cumprimento docentes e
m de
dos currículos em vigor e aos 80% dos Aplicação
empréstim
cursos ministrados na escola. alunos do Plano
os
recorre aos de
• Potenciar o uso da domiciliári
fundos melhoria
colecção pelos os
documenta para o
utilizadores da escola.
is da BE Domínio
Prioridade D
• Articulação de actividades (de Prioridade para o
Prioridade
pesquisa, de leitura, de para o Depart. de
para o
formação de utilizadores) com Depart. de Ciências
Depart. de
os departamentos e grupos Ciências Experimen
Línguas
disciplinares. Sociais. tais e
Exactas.
Prioridade Prioridade
• Continuação da informatização Aplicação
para as para as Classes 7 e
• Melhorar a do catálogo e sua optimização do Plano
Classes 8, Classes 9, 3
organização da (completar indexação e CDU). de
0e5 1e6
informação e a melhoria
informatização da para o
colecção. • Inclusão de recursos digitais no Domínio
catálogo da BE. D

• Realização de actividades
Aplicação
(exposições, Biblioblogue;
do Plano
Bibliomoodle, Jornal
de
Ecoestudantil,…) e de
melhoria
• Difundir a informação instrumentos (listagens de
para o
recursos; tutoriais, guias,…) de
Domínio
difusão de recursos de
D
informação, incentivando o seu
uso.

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 14


Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia – Tavira
Direcção Regional de Educação do Algarve

V- Avaliação/Revisão do Plano

Calendarização da auto-avaliação
DOMÍNIO

A - Apoio ao desenvolvimento curricular •Ano lectivo 2012 /2013

B -Leitura e Literacia •Ano lectivo 2009 /2010

C - Projectos parcerias e actividades livres e de


abertura à comunidade •Ano lectivo 2010 /2011

D - Gestão da BE •Ano lectivo 2011 /2012

O presente Plano de Acção será revisto em Julho de 2011, não só porque nos encontraremos
a meio do percurso do quadriénio como também porque nessa altura será delineado um novo
Projecto Educativo para a escola.

Ana Cristina Matias Plano de Acção 2009/2013 15