Você está na página 1de 6

Quarta-feira, 22 de Abril de 2020 I SÉRIE —

­ Número 76

BOLETIM DA REPÚBLICA
   PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E. P. Normas e Critérios de Organização


das Direcções Provinciais
AVISO
CAPÍTULO I
A matéria a publicar no «Boletim da República» deve ser remetida
em cópia devidamente autenticada, uma por cada assunto, donde Disposições Gerais
conste, além das indicações necessárias para esse efeito, o averbamento ARTIGO 1
seguinte, assinado e autenticado: Para publicação no «Boletim
da República». (Objecto)

O presente Decreto estabelece as normas e critérios


de organização das Direcções Provinciais.
SUMÁRIO ARTIGO 2
Conselho de Ministros: (Âmbito)
Decreto n.º 21/2020: As normas e critérios de organização das Direcções
Aprova as Normas e os Critérios de Organização das Direcções Provinciais aplicam-se ao Gabinete do Governador de Província
Provinciais e revoga os Decretos n.º 24/2015, de 30 de e às Direcções Provinciais.
Outubro, que aprova as normas e os Critérios de Organização
das Direcções Provinciais e n.º 80/2017, de 28 de Dezembro, ARTIGO 3
relativo à revisão do Decreto n.º 24/2015, de 30 de Outubro,
(Princípios de organização e funcionamento)
que aprova as normas e os Critérios de Organização
das Direcções Provinciais. 1. A organização das Direcções Provinciais observa os
princípios e normas previstas na Lei de Base da Organização
e Funcionamento da Administração Pública e demais normas
aplicáveis.
CONSELHO DE MINISTROS 2. A organização das Direcções Provinciais obedece, entre
outros, aos seguintes princípios:
Decreto n.º 21/2020 a) racionalidade, que implica a justa proporção entre
a estrutura operativa e a estrutura de apoio com vista
de 22 de Abril à prossecução dos objectivos preconizados bem como
Havendo necessidade de definir as normas e os critérios a simplificação de procedimentos;
b) especialização, determina a agregação de funções
de organização das Direcções Provinciais, ao abrigo do disposto
homogéneas das Direcções Provinciais,
no n.º 6 do artigo 48 da Lei n.º 4/2019, de 31 de Maio, o Conselho
preferencialmente de média ou grande dimensão,
de Ministros decreta: com funções devidamente definidas, de acordo com
Artigo 1. São aprovadas as Normas e os Critérios o princípio de segregação de funções, com vista
de Organização das Direcções Provinciais, em anexo, que à responsabilidade pelos resultados e à promoção
são parte integrante do presente Decreto. de desburocratização;
Art. 2. As Normas e os Critérios de Organização das c) coordenação e articulação, impõe a necessidade de
Direcções Provinciais, são aplicáveis ao Gabinete do Governador assegurar a existência de mecanismos de interacção
de Província e às Direcções Provinciais. eficientes entre os vários serviços da Administração
Art. 4. São revogados os Decretos n.º 24/2015, de 30 Pública;
de Outubro, que aprova as normas e os Critérios de Organização d) eficiência organizacional, impõe que o desempenho das
das Direcções Provinciais e n.º 80/2017, de 28 de Dezembro, funções comuns, seja atribuído a unidades orgânicas
relativo à revisão do Decreto n.º 24/2015, de 30 de Outubro, que iguais nas Direcções Provinciais, não determinando
aprova as normas e os Critérios de Organização das Direcções a criação de novas unidades orgânicas sendo que
Provinciais. as unidades orgânicas são criadas quando estejam
O presente Decreto entra em vigor na data da sua publicação. cumulativamente reunidos os seguintes requisitos:
i. a natureza, frequência e complexidade das funções que
Aprovado pelo Conselho de Ministros, aos 12 de Março
lhe forem expressamente conferidas o justificarem;
de 2020.
ii. existência de um volume de recursos humanos
Publique-se. e materiais que exijam direcção, coordenação
O Primeiro-Ministro, Carlos Agostinho do Rosário. e supervisão específicas;
404 I SÉRIE — NÚMERO 76

iii. A simplificação de procedimentos impõe a sempre que haja motivo justificado e ponderoso para o efeito,
redução do número de níveis hierárquicos de designadamente:
decisão ao mínimo indispensável à prossecução a) redefinição de atribuições ou de competências;
das atribuições e competências das direcções b) aprovação de políticas e estratégias com especial impacto
provinciais e/ou funções das unidades orgânicas; na missão da direcção provincial;
iv. A modificabilidade dos serviços públicos traduz- c) descentralização e desconcentração de competências.
se em privilegiar, face à emergência de novas
atribuições e ou competências, a reestruturação ARTIGO 8
das Direcções Provinciais existentes, sem prejuízo (Regulamento Interno)
da possibilidade de criação de novas. A definição
de novas atribuições ou competências apenas 1. O Regulamento Interno estabelece a estrutura interna das
implicará a criação de novas Direcções Provinciais unidades orgânicas da Direcção Provincial, tendo em conta, entre
outros os seguintes factores:
se tal se mostrar estritamente necessário para
a prossecução eficiente da missão. a) estatuto orgânico;
b) políticas e estratégias gerais e/ou sectoriais;
CAPÍTULO II c) recursos humanos e financeiros.
Organização das Direcções Provinciais 2. O Regulamento Interno especifica por unidade orgânica,
entre outros, os seguintes elementos:
ARTIGO 4
a) unidades orgânicas, suas funções e direcção;
(Organização) b) âmbito de actuação das unidades orgânicas;
c) colectivos, sua natureza, funções, composição
1. As Direcções Provinciais organizam-se de acordo com os
e periodicidade das sessões.
respectivos âmbitos de actividade e estruturam-se em unidades
orgânicas, sendo departamentos e repartições, dispondo ainda 3. Compete ao Governador de Província, sob proposta
de colectivos. do respectivo Director, aprovar o Regulamento Interno
2. As Direcções Provinciais integram até um máximo de 4 da Direcção Provincial e do Gabinete do Governador de Província,
departamentos e 8 repartições. no prazo de 60 (sessenta) dias a contar da data da publicação do
Estatuto Orgânico.
3. As unidades orgânicas comportam um ou mais âmbitos
de actividades integradas na estrutura da Direcção Provincial. CAPÍTULO III

ARTIGO 5 Estrutura do Gabinete do Governador de Província


SECÇÃO I
(Estatuto Orgânico)
Gabinete do Governador de Província
1. Nos Estatutos Orgânicos das Direcções Provinciais deve
constar o sistema orgânico e os colectivos. ARTIGO 9
2. A organização e funcionamento das Direcções Provinciais (Gabinete)
deve ter em conta entre outros, os seguintes factores:
1. O Gabinete do Governador de Província organiza-se em:
a) natureza e funções;
a) Inspecção;
b) instrumentos programáticos vigentes no momento b) Departamentos;
da aprovação do Estatuto Orgânico; c) Repartições;
c) experiência de funcionamento das extintas direcções d) Secretariado do Conselho Executivo Provincial.
provinciais;
2. No Gabinete do Governador de Província podem ser criadas
d) funcionários e agentes do Estado, recursos materiais
até um máximo de 3 departamentos e 6 repartições.
e financeiros disponíveis e necessários.
3. A Inspecção Provincial é dirigida por um Chefe
3. O Estatuto Orgânico especifica de forma expressa de Departamento nomeado pelo Governador de Província.
os seguintes elementos:
a) natureza da direcção provincial; ARTIGO 10
b) funções e âmbito de actuação; (Direcção Provincial)
c) unidades orgânicas, suas funções e direcção;
d) colectivos, natureza, funções, composição e periodicidade 1. A Direcção Provincial organiza-se em:
das sessões; a) Unidade de controlo interno;
e) indicação do prazo e o órgão competente para aprovar b) Departamentos;
o regulamento interno. c) Repartições.
2. A Direcção Provincial é dirigida por um Director Provincial
ARTIGO 6
que pode ser coadjuvado por um director adjunto nomeados pelo
(Aprovação do Estatuto Orgânico) Governador de Província.
3. A nomeação de um Director Provincial Adjunto deve ter
Compete à Assembleia Provincial aprovar os estatutos
em conta a especificidade e necessidade da Direcção Provincial
orgânicos das direcções provinciais sob proposta do Governador
de acordo com as funções atribuídas.
de Província no prazo de 60 (sessenta) dias após a sua instalação.
ARTIGO 11
ARTIGO 7
(Departamento)
(Revisão do Estatuto Orgânico)
1. O departamento provincial realiza actividades que
Os Estatutos Orgânicos das Direcções Provinciais podem ser concorrem de forma directa para a realização das funções
revistos, mediante proposta do respectivo director provincial da Direcção Provincial.
22 DE ABRIL DE 2020 405

2. O Departamento provincial é dirigido por um chefe 4. São funções da unidade de controlo interno, entre outras
de Departamento Provincial. as que constem de Estatuto Orgânico da Direcção Provincial
ou demais normas aplicáveis as seguintes:
ARTIGO 12
a) realizar de forma periódica, planificada ou por
(Repartição) determinação superior, o controlo interno aos órgãos
da Direcção Provincial e instituições que desenvolvem
1. A Repartição Provincial é uma unidade orgânica do
actividades relacionadas ao sector;
departamento provincial que realiza actividades que concorrem
b) fiscalizar a correcta administração dos meios humanos,
de forma directa para a realização das funções da Direcção
materiais e financeiros postos à disposição da
Provincial.
direcção e instituições que desenvolvem actividades
2. A Repartição é dirigida por um chefe de repartição provincial
relacionadas ao sector;
nomeado pelo Governador de Província.
c) prestar informações sobre as condições de funcionamento,
CAPÍTULO IV de organização e de eficiência das áreas inspeccionadas
e propor as devidas correcções;
Funções Comuns das Direcções Provinciais
d) realizar inquéritos e sindicâncias por determinação
ARTIGO 13 superior;
(Funções comuns) e) efectuar estudos e exames periciais;
f) elaborar pareceres ou relatórios informativos no âmbito
1. Sem prejuízo de funções específicas desenvolvidas em cada das suas atribuições;
direcção provincial, os Estatutos Orgânicos devem compreender g) comunicar o resultado das inspecções às entidades
e enquadrar funções comuns das Direcções Provinciais. inspeccionadas em conformidade com o princípio
2. Para efeitos do disposto no número anterior, são funções do contraditório.
comuns das Direcções Provinciais as seguintes:
5. A Unidade de Controlo Interno é dirigida por um Chefe
a) Gestão de Recursos Humanos; de Repartição Provincial.
b) Estudos e Planificação;
c) Administração e Finanças; SECÇÃO I
d) Tecnologias de Informação e Comunicação; Funções Comuns
e) Assessoria jurídica;
f) Gestão documental; ARTIGO 16
g) Gestão e execução de aquisições e contratos; (Gestão de Recursos Humanos)
h) Comunicação e Imagem;
1. São funções comuns de Gestão de Recursos Humanos
i) Outras que sejam definidas pelo Governo ou outro órgão
das Direcções Provinciais, as seguintes:
competente.
a) assegurar o cumprimento do Estatuto Geral dos
ARTIGO 14 Funcionários e Agentes do Estado e demais normas
(Regime geral de organização das funções comuns)
aplicáveis aos funcionários e Agentes do Estado;
b) elaborar e gerir o quadro de Pessoal;
1. Salvo disposição legal específica, as funções comuns das c) assegurar a realização da avaliação do desempenho
Direcções Provinciais são realizadas por unidades orgânicas dos funcionários e agentes do Estado;
constituídas em repartições. d) organizar, controlar e manter actualizado o e-SNGRHE
2. Excepcionalmente, as funções comuns podem ser do sector, de acordo com as orientações e normas
prosseguidas por unidade orgânica constituída em Departamento, definidas pelos órgãos competentes;
quando o volume e complexidade de trabalho o justifiquem e) produzir estatísticas internas sobre recursos humanos;
e preencha um dos seguintes requisitos: f) implementar e monitorar a política de desenvolvimento
a) Congregar duas ou mais áreas de actividades; de recursos humanos do sector;
b) Prosseguir funções comuns por unidade orgânica g) planificar, coordenar e assegurar as acções de formação
constituída em departamento, condicionada e capacitação profissional dos funcionários e agentes
à verificação das exigências específicas previstas no do Estado dentro e fora do país;
presente Decreto. h) implementar as actividades no âmbito das políticas
e Estratégias do HIV e SIDA, Género e Pessoa
ARTIGO 15 Deficiente;
(Unidade de Controlo Interno) i) implementar as normas e estratégias relativas à saúde,
higiene e segurança no trabalho;
1. Na direcção provincial deve ser criada uma unidade j) assistir o respectivo dirigente nas acções de diálogo
de controlo interno. social e consulta no domínio das relações laborais
2. A unidade de controlo interno exerce funções com natureza e da sindicalização;
vertical, as quais se circunscrevem na respectiva direcção k) implementar as normas de previdência social dos
provincial e a outras instituições a nível local que exercem funções funcionários e agentes do Estado;
relacionadas ao sector. l) gerir o sistema de remunerações e benefícios dos
3. A unidade de controlo interno realiza funções permanentes funcionários e agentes do Estado;
de acompanhamento e de avaliação de execução das actividades m) planificar, implementar e controlar os estudos colectivos
da Direcção Provincial. de legislação.
406 I SÉRIE — NÚMERO 76

2. As funções de gestão de recursos humanos podem ser b) propor normas concernentes ao acesso, utilização e
realizadas por um departamento quando o quadro de pessoal da segurança dos sistemas e tecnologias de comunicação
Direcção Provincial preveja um número igual ou superior a 100 no sector;
funcionários. c) elaborar propostas de planos de introdução das novas
tecnologias de informação e comunicação no sector;
ARTIGO 17 d) conceber e propor os mecanismos de uma rede informática
(Estudos e planificação) no sector para apoiar a actividade administrativa;
e) propor a definição de padrões de equipamento informático
São funções comuns de estudos e planificação, as seguintes: hardware e software a adquirir;
a) sistematizar as propostas de Plano Económico Social f) administrar, manter e desenvolver a rede de computadores
e programa de actividades anuais; da direcção;
b) formular propostas de políticas e perspectivar estratégias g) gerir e coordenar a informatização de todos os sistemas
de desenvolvimento a curto, médio e longos prazos; de informação;
c) elaborar e controlar a execução dos programas e projectos h) orientar e propor a aquisição, expansão e substituição de
de desenvolvimento do sector, a curto, médio e longo equipamentos de tratamento de informação;
prazos e os programas de actividades; i) participar na criação, manutenção e desenvolvimento
d) elaborar, divulgar e controlar o cumprimento das normas de um banco de dados para o processamento de
e metodologias gerais do sistema de planificação informação estatística;
sectorial; j) propor e orientar a formação do pessoal na área
e) dirigir e controlar o processo de recolha, tratamento, de informática e tecnologias de informação
análise da informação estatística; e comunicação;
f) proceder ao diagnóstico do sector, visando avaliar k) promover trocas de experiências sobre o acesso
a eficácia interna e externa bem como a utilização dos e utilização das novas tecnologias de comunicação
recursos humanos, materiais e financeiros do mesmo. e informação.

ARTIGO 18 ARTIGO 20
(Administração e Finanças) (Assessoria jurídica)

1. São funções comuns de administração e finanças, as São funções comuns de assessoria jurídica, as seguintes:
seguintes: a) emitir pareceres e prestar assessoria jurídica;
a) elaborar a proposta do orçamento da Direcção Provincial, b) zelar pelo cumprimento e observância da legislação
de acordo com as metodologias e normas estabelecidas; aplicável ao sector;
b) executar o orçamento de acordo com as normas de c) propor providências legislativas que julgue necessárias;
despesa internamente estabelecidas e as disposições d) pronunciar-se sobre o aspecto formal das providências
legais vigentes; legislativas das áreas de serviço e colaborar no estudo
c) controlar a execução dos fundos alocados aos projectos e elaboração de projectos de diplomas legais;
a nível da direcção provincial e prestar contas às e) emitir parecer sobre processos de natureza disciplinar,
entidades interessadas; regularidade formal da instrução e adequação legal
d) administrar os bens patrimoniais da Direcção Provincial da pena proposta;
de acordo com as normas e regulamentos estabelecidos f) emitir parecer sobre processos de inquérito e sindicância
pelo Estado e garantir a sua correcta utilização, e sobre adequação do relatório final à matéria
manutenção, protecção, segurança e higiene; investigada;
e) determinar as necessidades de material de consumo g) emitir parecer sobre as petições e reportar aos órgãos
corrente e outro, e proceder à sua aquisição, competentes sobre os respectivos resultados;
armazenamento, distribuição e ao controlo da sua h) analisar e dar forma aos contratos, acordos e outros
utilização;
instrumentos de natureza legal;
f) elaborar o balanço anual da execução do orçamento
i) assessorar o dirigente quando em processo contencioso
e submeter às entidades competentes.
administrativo.
2. Excepcionalmente, as funções de administração e finanças
podem ser realizadas por um departamento quando, para além dos ARTIGO 21
requisitos aplicáveis no presente Decreto, a Direcção Provincial
(Gestão Documental)
tenha sob sua gestão volume de recursos financeiros e natureza
e dimensão de infra-estruturas que o justifiquem. São funções comuns de gestão documental, as seguintes:
a) implementar o Sistema Nacional de Arquivo do Estado;
ARTIGO 19
b) propor a criação das Comissões de Avaliação de
(Tecnologias de Informação e Comunicação) Documentos, nos termos previstos na lei e garantir a
capacitação técnica dos seus membros e dos demais
São funções comuns de Tecnologias de Informação
funcionários e agentes do Estado responsáveis pela
e Comunicação as seguintes:
gestão de documentos e arquivos;
a) coordenar a manutenção e instalação da rede que c) organizar e gerir os arquivos correntes e intermediários,
suporta os sistemas de informação e comunicação e de acordo com as normas e procedimentos em vigor;
estabelecer os padrões de ligação e uso dos respectivos d) avaliar regularmente os documentos de arquivo e dar
equipamentos terminais; o devido destino;
22 DE ABRIL DE 2020 407

e) monitorar e avaliar regularmente o processo de gestão ARTIGO 25


de documentos e arquivos do Estado na instituição, (Colectivo de Direcção)
incluindo o funcionamento das Comissões de avaliação
de documentos; 1. O Colectivo de Direcção é o órgão com função de analisar
f) garantir a circulação eficiente do expediente, o tratamento e emitir parecer sobre matérias inerentes ao serviço é dirigido
pelo director provincial.
da correspondência, o registo e arquivo da mesma.
2. O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente de quinze
ARTIGO 22 em quinze dias e extraordinariamente sempre que as necessidades
da direcção o exijam.
(Gestão e execução de aquisições) 3. Fazem parte do Colectivo de Direcção:
1. As funções comuns de gestão e execução de aquisições a) Director Provincial;
compreendem todas as fases do ciclo de contratação, desde b) Chefes de Departamentos.
a planificação até à recepção de obras, bens e serviços. 4. Podem ser convidados a participar no Colectivo de
2. As funções de gestão e execução de aquisições constam Direcção em função da matéria, chefes de repartição, técnicos
de legislação específica. e especialistas.

ARTIGO 23 CAPÍTULO VI
Disposição Final e Transitória
(Comunicação e Imagem)
ARTIGO 26
São funções comuns de comunicação e imagem, as seguintes:
(Quadro de pessoal)
a) planificar e desenvolver uma estratégia integrada
de comunicação e imagem; 1. O quadro de pessoal da Direcção Provincial é aprovado pela
b) promover, no seu âmbito ou em colaboração com Assembleia Provincial no prazo de 60 (sessenta) dias, a contar
os demais sectores, a divulgação dos factos mais da publicação do respectivo Estatuto Orgânico.
2. A aprovação do quadro de pessoal da Direcção Provincial
relevantes;
deve ter em conta, entre outros, os seguintes factores:
c) apoiar tecnicamente o dirigente na sua relação com os
órgãos e agentes da Comunicação Social; a) O Estatuto Orgânico e o Regulamento Interno
da respectiva direcção provincial;
d) desenvolver actividades de divulgação, publicidade
b) A disponibilidade financeira para as despesas com
e marketing;
o pessoal;
e) promover a interacção entre a instituição e o público; c) A experiência anterior do preenchimento e gestão
f) coordenar a criação de símbolos e materiais de identidade do quadro de pessoal da direcção provincial caso
visual. exista;
d) A criação de uma nova instituição da governação
CAPÍTULO V descentralizada provincial, implica necessariamente
Colectivos a revisão do quadro de pessoal, sempre que as
atribuições competências e objectivos da instituição
ARTIGO 24 criada coincidirem com as atribuições competências
(Colectivos) e objectivos pré-existentes da Direcção Provincial;
e) A revisão referida no número anterior deve ser proposta
1. A Direcção Provincial dispõe necessariamente de um pelo governador de província ao órgão competente no
Colectivo de Direcção. prazo de 30 dias a contar da publicação do Estatuto
2. De acordo com a especificidade, o estatuto orgânico da Orgânico da instituição criada e implica a transferência
direcção provincial pode estabelecer outros órgãos colegiais, suas de lugares do quadro de pessoal da direcção provincial
competências, composição e periodicidade das sessões. para o quadro de pessoal da nova instituição.
Preço — 30,00 MT

IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P.