Você está na página 1de 2

Gêneros textuais

Imagine que ocorreu uma colisão de automóveis e o motorista de um dos carros tenha falecido.
Você terá de tomar três providências práticas, dependendo do papel que desempenhe:

a) na condição de amigo da vítima, informar a família dele, que mora no interior, por carta, o que
ocorreu e dar a notícia da morte;
b) como jornalista, produzir uma pequena nota, informando sobre o acidente, que causou grande
comoção popular, pelas circunstâncias como ocorreu;
c) como advogado de uma seguradora de veículos, expor a história do caso concreto para, depois,
sustentar diante do juiz que a família da vítima não tem o direito de ser ressarcida pelos danos
materiais ocorridos com o carro.

O mesmo texto poderá ser aproveitado para todas as situações? Por quê?

Quais as características do primeiro texto que você entende que não sejam apropriadas para o
segundo, ou para o terceiro? O conteúdo é diferente, ou a forma de expressá-lo é que muda? Seriam
as duas coisas?

Vamos ler um texto e verificar se estaria adequado para a primeira providência (carta para a
família), a segunda (texto jornalístico) ou a terceira (texto jurídico).

O bancário Kléber Rodrigo Plens, de 27 anos, morreu no último domingo, 17 de fevereiro


de 2008, após dirigir por 4 quilômetros na contramão pela Rodovia Castello Branco, que
liga São Paulo ao interior do Estado.

Imagens de câmeras de segurança da rodovia mostram que o carro do bancário ficou


parado por cerca de dois minutos no acostamento e depois fez uma manobra brusca e
seguiu trafegando pela contramão. Diversos carros conseguiram desviar, mas após 4 km,
a Parati dirigida pelo bancário se chocou contra uma carreta que carregava ferragens.

O motorista da carreta, Alexandre Ferreira da Silva, contou à polícia que chegou a reduzir
a velocidade, mas que não conseguiu frear. Ele disse ainda que o motorista do veículo
não procurou desviar.

A batida arrancou um dos eixos da carreta e destruiu completamente o carro do bancário.


Ele morreu na hora. A polícia informou que Kléber Rodrigo Plens voltava de uma festa de
formatura e que não foram encontradas drogas ou bebidas no carro, o que reforça a
hipótese de suicídio.

Pela forma de construção, tipo de linguagem, organização das ideias, finalidade do texto, etc. essa
redação parece qual produção textual? O que ajuda o falante de nossa língua a perceber isso?

Muitos sustentam que a distinção entre muitos textos como cartas, peças processuais, reportagens,
e-mails, propagandas, bulas, dentre outros, se dá pelo gênero textual. Esses gêneros, ao serem
produzidos, poderiam apresentar diversos tipos textuais diferentes.
Os gêneros textuais são caracterizados por exercer uma função social específica. Essas funções
sociais são pressentidas e vivenciadas pelos usuários. Portanto, pode ser que, intuitivamente,
saibamos em que gênero usar em momentos específicos de interação, de acordo com sua função
social.

Exemplo:
Quando vamos escrever um e-mail, sabemos que ele pode apresentar características que farão com
que ele “funcione” de maneira diferente de outros textos.

Assim, escrever um e-mail para um amigo não é o mesmo que escrever um e-mail para uma
universidade, pedindo informações sobre o quantitativo de vagas, por exemplo.

O que pode influenciar nessa percepção sobre qual gênero utilizar em cada situação concreta?

Algumas questões que devem ser consideradas:


a) a finalidade daquele que escreve
b) o tipo de publicação
c)o público-alvo
d) o lugar em que o texto é veiculado
e) o momento em que o texto é veiculado

a) a finalidade daquele que escreve


qual o objetivo, qual a intenção de quem escreve?

b) o tipo de publicação
em que tipo de publicação o texto será exposto?

c) o público-alvo
quem são os interlocutores?

d) o lugar em que o texto é veiculado


questões regionais ou nacionais? onde o texto foi produzido e onde será veiculado?

e) o momento em que o texto é veiculado


quando o texto é (ou foi) produzido? quando teve (ou terá) sua circulação? assim como o lugar, o
tempo condiciona muitas questões (contexto)