Você está na página 1de 211

Notas de Aula

Introdução às
Equações Diferenciais Parciais

1
Rodney Josué Biezuner
Departamento de Matemática
Instituto de Ciências Exatas (ICEx)
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Notas de aula da disciplina Introdução às Equações Diferenciais Parciais


dos Cursos de Bacharelado em Matemática e Matemática Computacional,
lecionada pelo autor durante três semestres entre 2005 e 2007.

12 de outubro de 2007

1
E-mail: rodney@mat.ufmg.br; homepage: http://www.mat.ufmg.br/∼rodney.
Sumário

0 Introdução 5
0.1 Condução do Calor em uma Barra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
0.1.1 Modelagem Fı́sica e Matemática do Problema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
0.1.2 Algumas Formas mais Gerais para a Equação do Calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
0.1.3 Condição Inicial e Condição de Fronteira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
0.1.4 Solução do Modelo Matemático: O Método de Separação de Variáveis e Séries de Fourier 11
0.1.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
0.2 Leis de Conservação e Relações Constitutivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
0.2.1 Lei de Conservação Unidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
0.2.2 Lei de Conservação em Várias Dimensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
0.2.3 Relações Constitutivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
0.2.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

1 Séries de Fourier 20
1.1 Propriedades das Funções Seno e Cosseno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.1.1 Periodicidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.1.2 Relações de Ortogonalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.1.3 Produto Interno no Espaço das Funções Quadrado-Integráveis . . . . . . . . . . . . . . 23
1.1.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.2 Cálculo dos Coeficientes da Série de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.3 Teorema de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.3.1 Existência da Série de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.3.2 Funções Contı́nuas por Partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.3.3 O Teorema de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.3.4 Estimativa dos Coeficientes de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
1.3.5 Séries de Fourier de Funções Pares e Ímpares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.3.6 Extensões Periódicas Pares e Ímpares de Funções Definidas em Intervalos . . . . . . . 38
1.3.7 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
1.4 Convergência da Série de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
1.4.1 Convergência Puntual da Série de Fourier: Demonstração do Teorema de Fourier . . . 43
1.4.2 Diferenciação e Integração Termo a Termo da Série de Fourier . . . . . . . . . . . . . 48
1.4.3 Desigualdade de Bessel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
1.4.4 Convergência Uniforme da Série de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
1.4.5 Identidade de Parseval . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
1.4.6 Sistemas Ortogonais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
1.4.7 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

1
Rodney Josué Biezuner 2

2 Equação do Calor Unidimensional 63


2.1 Existência, Unicidade e Estabilidade da Solução para o Problema de Dirichlet . . . . . . . . . 63
2.1.1 Existência de Solução para o Problema de Dirichlet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.1.2 Princı́pio do Máximo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
2.1.3 Unicidade e Estabilidade de Soluções para o Problema de Dirichlet Geral . . . . . . . 71
2.2 Problema de Dirichlet Não Homogêneo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
2.3 Problema de Neumann . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
2.4 Problema de Robin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.5 Unicidade de Solução para os Problemas de Neumann e Robin . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
2.6 Problemas Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
2.6.1 Equação do calor não-homogênea com fonte independente do tempo . . . . . . . . . . 81
2.6.2 Equação do calor não-homogênea com fonte dependente do tempo . . . . . . . . . . . 83
2.6.3 O problema geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
2.7 Alguns problemas especı́ficos de condução do calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.7.1 Problema da barra com convecção de calor em um extremo . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.7.2 Condições de fronteira de Robin complexas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
2.7.3 Problema do anel circular fino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
2.8 Solução da Equação do Calor em R – Núcleo do Calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
2.8.1 Solução do Problema de Cauchy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
2.8.2 O Princı́pio do Máximo em R . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
2.9 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

3 Equação da Onda Unidimensional 97


3.1 Modelo Matemático da Corda Vibrante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
3.1.1 Vibrações Livres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
3.1.2 Condições Iniciais e de Fronteira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
3.1.3 Solução da Equação da Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
3.1.4 Outros Tipos de Vibração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
3.2 Solução pelo Método de Separação de Variáveis e Séries de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . 100
3.2.1 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
3.3 A Solução de D’Alembert . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.3.1 Solução Geral da Equação da Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.3.2 Solução do Problema de Dirichlet para a Equação da Onda pelo Método de D’Alembert108
3.4 Solução da Equação da Onda em R . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
3.4.1 Corda Infinita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
3.4.2 Domı́nio de Dependência e Cone de Influência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
3.4.3 Fenômeno de Huygens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
3.4.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
3.5 Harmônicos, Energia da Corda e Unicidade de Solução para a Equação da Onda . . . . . . . 113
3.5.1 Harmônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
3.5.2 Energia da Corda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
3.5.3 Unicidade de Solução para a Equação da Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
3.6 Apêndice: Corda Suspensa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118

4 Equações Diferenciais Parciais Bidimensionais 120


4.1 Séries de Fourier Duplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
4.1.1 Definição e Cálculo dos Coeficientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
4.1.2 Funções de Duas Variáveis Pares e Ímpares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
4.2 A Equação da Onda Bidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
4.2.1 Problema da Membrana Vibrante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Rodney Josué Biezuner 3

4.2.2 Solução do Problema da Membrana Vibrante pelo Método de Separação de Variáveis


e Séries de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
4.2.3 Linhas Nodais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
4.3 A Equação do Calor Bidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
4.3.1 Dedução da Equação do Calor Tridimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
4.3.2 Equação do Calor Bidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
4.3.3 Solução do Problema da Condução do Calor na Chapa Retangular com Margens Man-
tidas à Temperatura Zero por Separação de Variáveis e Séries de Fourier . . . . . . . . 129
4.3.4 Solução do Problema da Condução do Calor na Chapa Retangular Termicamente Iso-
lada por Separação de Variáveis e Séries de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
4.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

5 A Equação de Laplace 134


5.1 Solução da Equação de Laplace no Retângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
5.1.1 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
5.2 O Princı́pio do Máximo Fraco e a Unicidade de Solução para a Equação de Laplace . . . . . . 138
5.3 Solução da Equação de Poisson no Retângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
5.3.1 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
5.4 A Equação de Laplace no Disco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
5.4.1 A Equação de Laplace em Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
5.4.2 Solução da Equação de Laplace no Disco pelo Método de Separação de Variáveis e
Séries de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
5.4.3 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
5.5 Funções Harmônicas e o Princı́pio do Máximo Forte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.5.1 Identidades de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.5.2 Funções Harmônicas e as Propriedades do Valor Médio . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
5.5.3 Princı́pio do Máximo Forte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
5.5.4 Desigualdade de Harnack . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
5.6 Solução da Equação de Laplace através de Funções de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
5.6.1 Solução Fundamental da Equação de Laplace . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
5.6.2 Função de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
5.6.3 Propriedades da Função de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
5.6.4 Solução da Equação de Laplace em Bolas – Fórmula Integral de Poisson . . . . . . . . 156
5.6.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

6 A Equação da Onda no Disco: Vibrações de uma Membrana Circular 160


6.1 A Membrana Circular Vibrante: Vibrações Radiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
6.2 Funções de Bessel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
6.2.1 Funções de Bessel do Primeiro Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
6.2.2 A Função Gama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
6.2.3 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
6.2.4 Fórmulas de Recursão para as Funções de Bessel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
6.2.5 Funções de Bessel do Segundo Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
6.2.6 Zeros das Funções de Bessel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
6.3 Séries de Funções de Bessel e a Solução do Problema da Membrana Circular Vibrante . . . . 173
6.3.1 Ortogonalidade das Funções de Bessel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
6.3.2 Séries de Bessel de ordem p . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
6.3.3 Solução do Problema da Membrana Circular Vibrante Radial . . . . . . . . . . . . . . 175
6.4 A Membrana Circular Vibrante: Vibrações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
Rodney Josué Biezuner 4

7 Equação de Laplace em Domı́nios Tridimensionais Simétricos 180


7.1 A Equação de Laplace em um Cilindro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
7.1.1 A Equação de Laplace em Coordenadas Cilı́ndricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
7.1.2 Solução de um Problema de Laplace no Cilindro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
7.1.3 Funções de Bessel Modificadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
7.1.4 Solução de outro Problema de Laplace no Cilindro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
7.2 A Equação de Laplace em uma Bola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
7.2.1 A Equação de Laplace em Coordenadas Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
7.2.2 A Equação de Legendre e Polinômios de Legendre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
7.2.3 Séries de Polinômios de Legendre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
7.2.4 Solução da Equação de Laplace na Bola com Simetria Radial . . . . . . . . . . . . . . 189

8 Transformada de Fourier 191


8.1 A Integral de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
8.1.1 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
8.2 A Transformada de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
8.2.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
8.2.2 Propriedades Operacionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
8.2.3 Transformada de Fourier da Função Gaussiana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
8.2.4 Tabela de Transformadas de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
8.2.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
8.3 O Método da Transformada de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
8.3.1 A Equação do Calor para uma Barra Infinita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
8.3.2 A Equação da Onda em uma Corda Infinita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
8.3.3 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
Capı́tulo 0

Introdução

Uma equação diferencial parcial (EDP) é uma equação matemática envolvendo derivadas parciais. Uma
solução para uma equação diferencial parcial é uma função cujas derivadas parciais satisfazem a equação.
Dizemos que uma equação diferencial parcial tem ordem m quando a derivada parcial de ordem mais alta
tem ordem m.
A maioria das equações diferenciais parciais surgem de modelos fı́sicos. Uma outra classe importante
surge de problemas em geometria diferencial. Nestas notas, cada equação que estudarmos será precedida
pela introdução de um modelo fı́sico. O modelo fı́sico, além de prover uma motivação para o estudo de
determinada equação (por que estudar exatamente esta equação diferencial parcial, já que existem infinitas
outras possibilidades matemáticas?), sugere as propriedades matemáticas que as soluções desta equação
devem ter e, muitas vezes, métodos para resolvê-la ou até mesmo a expressão exata da solução.
Como exemplos de áreas que são altamente dependentes do estudo de EDPs, destacamos as seguintes:
acústica, aerodinâmica, elasticidade, eletrodinâmica, dinâmica dos fluidos, geofı́sica (propagação de ondas
sı́smicas), transferência do calor, meteorologia, oceanografia, ótica, prospecção de petróleo, fı́sica do plasma,
mecânica quântica, relatividade, circulação de fluidos dentro de organismos vivos e crescimento de tumores.
Nesta introdução veremos como muitas equações diferenciais parciais importantes surgem através de leis
de conservação. Veremos antes um exemplo concreto: a equação do calor unidimensional, que é a forma
diferencial da lei de conservação da energia térmica. Além disso, introduziremos um método de solução para
equações diferenciais parciais lineares: o método de separação de variáveis e o uso de séries de Fourier, cuja
teoria será desenvolvida a partir do primeiro capı́tulo.

0.1 Condução do Calor em uma Barra


0.1.1 Modelagem Fı́sica e Matemática do Problema
Considere uma barra uniforme de comprimento L, feita de material homogêneo condutor de calor. Por
barra uniforme, entendemos que ela é geometricamente gerada pela translação de uma determinada figura
geométrica plana na direção perpendicular ao seu plano (em outras palavras, um cilindro reto cuja base pode
ser qualquer figura geométrica, como por exemplo um disco (cilindro circular reto), uma elipse (cilindro
elı́ptico reto), um triângulo (prisma reto), um retângulo (paralelepı́pedo reto), ou qualquer outra figura
geométrica plana). Em particular, a sua seção transversal é sempre igual a esta figura e portanto tem área
constante, que denotaremos por A. Suponha que a superfı́cie lateral da barra esteja isolada termicamente,
de modo a não permitir transferências de calor através dela com o ambiente. Transferências de calor, se é
que acontecem, podem ocorrer apenas através das extremidades da barra.
A uniformidade da barra, a homogeneidade do material e o isolamento térmico lateral implicam que
o fluxo de calor acontece somente na direção longitudinal (isto é, ao longo do comprimento da barra).

5
Rodney Josué Biezuner 6

Portanto, este é um problema de condução de calor unidimensional. Em outras palavras, as variáveis fı́sicas
são constantes em cada seção transversal da barra, podendo variar apenas de uma seção para outra.
Consideremos a barra posicionada no eixo x, com uma das extremidades na origem x = 0; logo a outra
extremidade ocupa a posição x = L. Queremos determinar como a temperatura em cada ponto da barra
varia à medida que o tempo passa. Para isso, vamos analisar o fluxo de calor ao longo da barra. Inicialmente,
considere duas seções transversais da barra, localizadas em x e x + ∆x, delimitando uma fatia da barra.
Através destas seções, calor flui (entra ou sai) para ou desta fatia. Denotaremos o fluxo de calor, isto é, a
quantidade de calor por unidade de tempo fluindo para a direita por unidade de área, por φ(x, t); no S.I., o
fluxo de calor tem como unidades Joules/m2 s.

φ(x, t) = fluxo de calor (quantidade de calor por unidade de tempo


fluindo para a direita por unidade de área).
Se φ(x, t) < 0, o calor está fluindo para a esquerda. A quantidade total de calor que entra na fatia por
unidade de tempo é dada pela diferença entre a quantidade de calor que entra pela seção transversal em x
e a quantidade de calor que sai pela seção transversal em x + ∆x, isto é,
φ(x, t)A − φ(x + ∆x, t)A.
É claro que calor pode sair da fatia pela seção transversal em x (se φ(x, t) < 0), assim como calor pode
entrar na fatia pela seção transversal em x + ∆x (se φ(x + ∆x, t) < 0); se a diferença acima for negativa,
então o resultado final é que calor sai da fatia.

Esta quantidade de calor total que entra ou sai da fatia por instante de tempo pode ser calculada em função
das temperaturas nas seções transversais que delimitam a fatia através da Lei de Condução do Calor de
Fourier (esta lei foi empiricamente observada por Fourier):
Lei de Condução do Calor de Fourier. Sejam P1 e P2 duas placas formadas de um mesmo material
e de mesma área igual a A, mantidas a temperaturas constantes respectivas T1 e T2 . Se elas forem
colocadas paralelamente a uma distância d uma da outra, haverá passagem de calor da placa mais
quente para a placa mais fria e a quantidade de calor transferida de uma placa para a outra por
unidade de tempo (ou seja, a taxa de transferência de calor, medida em Joules/s) é dada por
|T2 − T1 |
Φ = kA ,
d
Rodney Josué Biezuner 7

onde k é uma constante especı́fica do material entre as placas, chamada condutividade térmica do
material.

Denotemos

u(x, t) = temperatura do ponto x da barra no instante de tempo t.


As seções transversais da barra, localizadas em x e x + ∆x, fazem o papel das duas placas P1 e P2 . Denote
as temperaturas nestas seções, no instante de tempo t, por T1 = u(x, t) e T2 = u(x + ∆x, t). Então, pela Lei
de Fourier, o fluxo de calor na direção positiva do eixo x que passa pela seção transversal localizada em x é
dado por (lembre-se que o fluxo de calor é definido como sendo a taxa de transferência de calor por unidade
de área)
u(x + ∆x, t) − u(x, t)
φ(x, t) = − lim k = −kux (x, t),
∆x→0 ∆x
de modo que quando a temperatura cresce com x, ux é positivo, mas o calor flui para a esquerda, portanto φ
é negativo; se a temperatura decresce com x, ux é negativo e o calor flui para a direita, portanto φ é positivo.
Agora fixe um segmento qualquer da barra entre as posições x = a e x = b. Vamos calcular a quantidade
total de calor Q que entra neste segmento no perı́odo de tempo que vai de t0 até t1 . Esta é a diferença entre
o calor que entra na seção transversal que ocupa a posição x = a e o calor que sai pela seção transversal que
ocupa a posição x = b durante o perı́odo de tempo considerado:
Z t1 Z t1
Q= φ(a, t)A dt − φ(b, t)A dt
t0 t0
Zt1
= kA[ux (b, t) − ux (a, t)] dt.
t0

Mas, pelo Teorema Fundamental do Cálculo, podemos escrever


Z b
ux (b, t) − ux (a, t) = uxx (x, t) dx.
a

Logo, como k é constante (pois assumimos que a barra é feita de um único material homogêneo), temos
Z t1 Z b
Q = kA uxx (x, t) dxdt. (1)
t0 a

Por outro lado, também é observado experimentalmente que a quantidade de calor absorvida por uma
substância em um perı́odo de tempo é diretamente proporcional à massa desta substância e à variação média
de sua temperatura durante o intervalo de tempo considerado:

Q = cm∆u.

A constante de proporcionalidade, denotada por c, depende de cada substância e é chamada o calor especı́fico
da substância; em outras palavras, o calor especı́fico nada mais é que a quantidade de calor necessária para
elevar em um grau a temperatura de uma unidade de massa da substância; no S.I., o calor especı́fico tem
como unidades Joules/kgK. Embora o calor especı́fico de uma substância em geral varie com a temperatura
em que ela se encontra (isto é, c = c(u)), para diferenças de temperaturas não muito grandes o calor especı́fico
é aproximadamente constante.
Aplicamos esta lei empı́rica novamente a um segmento qualquer da barra entre as posições x = a e x = b.
A variação média da temperatura neste segmento da barra no intervalo de tempo que vai de t0 até t1 é
obtida tomando-se a média das variações médias das temperaturas de todos os pontos da barra, ou seja
Z b
1
∆u = [u(x, t1 ) − u(x, t0 )] dx.
b−a a
Rodney Josué Biezuner 8

Pelo Teorema Fundamental do Cálculo, segue que


Z b ·Z t1 ¸
1
∆u = ut (x, t) dt dx.
b−a a t0

Logo, a quantidade de calor absorvida por este segmento é dada por


Z b Z t1
cm
Q = cm∆u = ut (x, t) dt dx.
b−a a t0

sendo m a massa deste segmento e c o calor especı́fico do material que constitui a barra. Por outro lado,
escrevendo m = ρA(b − a), onde ρ é a densidade volumétrica da barra, e trocando a ordem dos limites de
integração, obtemos
Z t1 Z b
Q = cρA ut (x, t) dxdt. (2)
t0 a

Igualando as duas expressões obtidas em (1) e (2) para a quantidade total de calor Q que entra no
segmento da barra entre x = a e x = b no perı́odo de t0 até t1 , obtemos a equação do calor em sua forma
integral:
Z t1 Z b Z t1 Z b
cρ ut (x, t) dxdt = k uxx (x, t) dxdt.
t0 a t0 a

Mas a, b, t0 , t1 são arbitrários, logo os integrandos são necessariamente iguais e assim obtemos a equação do
calor na sua forma diferencial
ut = Kuxx , (3)
k
onde K = é chamada a difusividade térmica do material. A equação (3) é chamada simplesmente

a equação do calor, e representa a lei de variação da temperatura u(x, t) de uma barra uniforme com
superfı́cie lateral termicamente isolada. Ela descreve como o calor se espalha ou se difunde com o passar do
tempo, um processo fı́sico conhecido como difusão. Outras quantidades fı́sicas também se difundem seguindo
esta mesma equação diferencial parcial (em situações unidimensionais), como por exemplo a concentração de
substâncias quı́micas, tais como perfumes ou polutantes, e por este motivo a equação (3) também é chamada
mais geralmente de equação de difusão.

Observação: A forma diferencial da equação do calor também pode ser obtida mais diretamente. De fato,
diferenciando a lei de Fourier
φ(x, t) = −kux (x, t)
em relação a x obtemos
φx = −kuxx . (4)
Por outro lado, vimos acima que
Z t1 Z b Z t1
Q=− [φ(b, t) − φ(a, t)]A dt = cρA ut (x, t) dt dx.
t0 a t0

Agora, ao invés de usar a lei de Fourier na integral do lado esquerdo como fizemos acima para obter (1),
usamos o Teorema Fundamental do Cálculo para escrevê-la na forma
Z t1 Z "Z #
t1 b
[φ(b, t) − φ(a, t)]A dt = φx (x, t) dx A dt.
t0 t0 a
Rodney Josué Biezuner 9

Logo,
Z b Z t1 Z b Z t1
− φx (x, t) dt dx = cρ ut (x, t) dt dx.
a t0 a t0
Como a, b, t0 , t1 são arbitrários, os integrandos devem ser iguais e portanto obtemos a equação
φx = −cρut . (5)
Igualando as expressões (4) e (5) para φx , obtemos novamente a equação do calor.

0.1.2 Algumas Formas mais Gerais para a Equação do Calor


Pode acontecer que a condutividade térmica ao longo da barra não seja constante, mas dependa de x. Esta
situação pode ocorrer, por exemplo, se tivermos uma barra formada por várias barras, cada uma delas
constituı́da por um material diferente. Neste caso, usando a lei de Fourier como fizemos para obter (1),
desta vez segue que Z t1
Q= A[k(b)ux (b, t) − k(a)ux (a, t)] dt,
t0
e usamos o Teorema Fundamental do Cálculo para escrever
Z b
k(b)ux (b, t) − k(a)ux (a, t) = [k(x)ux (x, t)]x dx,
a

de modo que
Z t1 Z b
Q=A [k(x)ux (x, t)]x dxdt.
t0 a
Do mesmo modo, pode ocorrer que o calor especı́fico do material que constitui a barra varie com x, assim
como a sua densidade linear (o que certamente ocorrerá na situação dada acima como exemplo). Logo,
Z t1 Z b
Q=A c(x)ρ(x)ut (x, t) dxdt
t0 a

Portanto, nesta situação, a equação do calor que descreve a variação da temperatura da barra com o passar
do tempo se torna
c(x)ρ(x)ut = [k(x)ux ]x , (6)
Esta equação é chamada a equação do calor na forma divergente.
Pode também ocorrer que exista uma fonte interna de calor em regiões da barra, devida por exemplo a
reações quı́micas, nucleares ou aquecimento elétrico. Denotemos

q(x, t) = quantidade de calor gerada por unidade de volume por unidade de tempo.

À quantidade total de calor Q que entra no segmento da barra entre x = a e x = b no perı́odo de t0 até t1 ,
devido ao fenômeno de condução do calor ao longo da barra, deve ser somada a quantidade de calor gerada
internamente no segmento durante este perı́odo, antes de igualar à expressão obtida em (2) (isso nada mais
é que a lei de conservação do calor, um caso particular da lei de conservação da energia). Pela definição de
q(x, t), este calor gerado internamente é dado por
Z t1 Z b
q(x, t)A dxdt.
t0 a

Portanto, temos que


Z t1 Z b Z t1 Z b
[kuxx (x, t) + q(x, t)] dxdt = cρ ut (x, t) dxdt
t0 a t0 a
Rodney Josué Biezuner 10

e daı́ obtemos a equação


ut = Kuxx + q(x, t). (7)

É claro que nada impede que as duas situações acima ocorram simultaneamente. Neste caso, a equação
completa que descreve o fenômeno da condução de calor na barra será

c(x)ρ(x)ut = [k(x)ux ]x + q(x, t). (8)

0.1.3 Condição Inicial e Condição de Fronteira


A equação do calor (3) tem um número infinito de soluções. Por exemplo, qualquer função constante
u(x, t) = C ou afim u(x, t) = Ax + B, onde A, B, C são quaisquer constantes reais, satisfazem (3). Um
problema fisico real, no caso a distribuição de temperaturas em uma barra, deve ter uma solução única.
Portanto, é necessário impor restrições adicionais sobre o problema, de modo que possamos obter uma
solução única para a equação do calor.
Intuitivamente, parece óbvio que a distribuição de temperaturas na barra ao longo do tempo depende da
distribuição inicial de temperaturas, chamada a condição inicial do problema:

u(x, 0) = f (x).

Esta é a única condição inicial necessária. Matematicamente, esta necessidade é expressa pelo fato da equação
diferencial parcial (3) possuir uma derivada parcial em relação ao tempo de primeira ordem (como no caso de
equações diferenciais ordinárias de primeira ordem, em que é necessário saber apenas uma condição inicial,
o valor da função no instante inicial, para se conhecer a solução única da equação).
Além disso, a distribuição de temperaturas na barra ao longo do tempo também deve depender do que
se passa nas extremidades da barra, que podem não estar isoladas termicamente e portanto podem permitir
a entrada ou saı́da de calor, influindo na distribuição de temperaturas na barra com o passar do tempo. As
condições nas extremidades da barra são chamadas de condições de fronteira. Matematicamente, isso se
deve ao fato da equação diferencial parcial (3) depender também da variável x. Podemos imaginar vários
tipos de condições de fronteira para o problema da barra:

1. Extremidades mantidas a temperaturas constantes:

u(0, t) = T1 e u(L, t) = T2 .

2. Temperaturas nas extremidades variando com o tempo de acordo com funções conhecidas:

u(0, t) = g1 (t) e u(L, t) = g2 (t).

3. Extremidades isoladas termicamente (ou seja, o fluxo de calor através das extremidades é nulo e a
barra está completamente isolada):

ux (0, t) = ux (L, t) = 0.

4. Fluxo de calor através das extremidades conhecido:

ux (0, t) = h1 (t) e ux (L, t) = h2 (t).

5. Combinação de quaisquer duas das condições acima:

u(0, t) = 0 e ux (L, t) = 0.
Rodney Josué Biezuner 11

Com uma condição inicial e qualquer uma destas condições de fronteira o problema matemático está
bem posto, admitindo uma única solução, conforme veremos em detalhes em um capı́tulo posterior. Uma
condição do tipo 1 ou 2, em que são dados valores para a solução da equação diferencial parcial na fronteira,
é chamada uma condição de Dirichlet. Uma condição do tipo 3 ou 4, em que são dados valores para a
derivada da solução da equação diferencial parcial na fronteira em relação à variável espacial, é chamada
uma condição de Neumann. Uma condição mista, envolvendo tanto o valor da solução como o de sua
derivada espacial na fronteira, exemplificada pela condição do tipo 5, é chamada uma condição de Robin.

Observação: O fato da equação do calor (3) ter uma derivada parcial em relação à variável x de segunda
ordem não tem nada a ver com o fato de precisarmos de duas condições de fronteira. Se fôssemos usar a
analogia com equações diferenciais ordinárias, seria por exemplo suficiente especificar u(0, t) e ux (0, t), mas
este tipo de problema não tem solução em geral (é chamado sobredeterminado). O fato de precisarmos de
duas condições de fronteira é uma simples conseqüência da fronteira de um segmento ser formada por dois
pontos (no caso, a fronteira do segmento [0, L] é formada pelos pontos 0 e L). Na verdade, essencialmente
temos apenas uma condição de fronteira; o que ocorre é que, no caso de um segmento, a fronteira é desconexa
e esta condição de fronteira é mais facilmente expressa por duas sentenças. Este conceito ficará mais claro
quando estudarmos equações diferenciais parciais em regiões do plano e do espaço.

Uma condição de fronteira de grande interesse prático ocorre quando a barra está em contato com um
fluido em movimento, como ar ou água. Como exemplo desta situação, imagine uma barra quente em contato
com ar mais frio em movimento. Calor deixa a barra, aquecendo o ar, que leva o calor embora, no conhecido
processo de convecção. Experimentos mostram que o fluxo do calor que deixa a barra é proporcional à
diferença de temperatura entre a barra e a temperatura exterior:
Kux (0, t) = H[u(0, t) − T ];
T é a temperatura externa e a constante de proporcionalidade H é chamada o coeficiente de transferência de
calor ou coeficiente de convecção; a constante H depende do material que forma a barra e das propriedades
do fluido (tais como sua velocidade). Esta é a chamada lei de resfriamento de Newton. Note que esta
condição de fronteira envolve uma combinação linear entre u e ux e é uma condição de Robin. Como pela
lei de Fourier o fluxo de calor é dado por φ = −kux , temos que φ(0, t) = −kH[u(0, t) − T ], de modo que se a
barra está mais quente que o ambiente exterior (u(0, t) > T ), o fluxo é negativo, isto é, na direção negativa
do eixo x, saindo da extremidade da barra localizada em x = 0 para o ambiente externo, e vice-versa. Por
causa disso, no caso da outra extremidade, localizada no ponto x = L, a lei de resfriamento de Newton deve
então ser escrita na forma
Kux (L, t) = −H[u(L, t) − T ].

0.1.4 Solução do Modelo Matemático: O Método de Separação de Variáveis e


Séries de Fourier
O modelo matemático que obtivemos, para a distribuição de temperaturas com o passar do tempo em uma
barra cuja superfı́cie lateral está isolada termicamente, é uma equação diferencial parcial com condição inicial
e condição de fronteira. Vamos tentar resolver o problema especı́fico em que as extremidades da barra estão
mantidas à temperatura constante igual a 0 (correspondente ao primeiro problema de Dirichlet da subseção
anterior): 
 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,
u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L, (9)

u(0, t) = u(L, t) = 0. se t > 0.
Tentaremos resolver este problema pelo chamado método de separação de variáveis. No método de
separação de variáveis, supomos que a solução u(x, t) do problema pode ser escrita como o produto de duas
funções de uma variável, uma dependendo apenas de x e a outra dependendo apenas de t:
u(x, t) = F (x)G(t). (10)
Rodney Josué Biezuner 12

Esta é apenas uma suposição, que pode ou não ser correta (na verdade, veremos que em geral esta suposição
está errada, mas ainda assim ela nos ajudará a encontrar a solução correta para o problema). A vantagem
de fazer esta suposição é que ela simplifica consideravelmente o problema, transformando um problema de
encontrar a solução de uma equação diferencial parcial, que não sabemos como resolver, em um problema de
encontrar a solução de uma equação diferencial ordinária, que sabemos resolver. De fato, substituindo (10)
na equação do calor, obtemos
F (x)G0 (t) = KF 00 (x)G(t)
donde
F 00 (x) 1 G0 (t)
= .
F (x) K G(t)
Note que o lado esquerdo desta equação depende apenas de x, enquanto que o lado direito depende apenas
de t. Isso só pode ser possı́vel se na verdade ambos os lados forem independentes de x e t, isto é,

F 00 (x) 1 G0 (t)
=σ e =σ
F (x) K G(t)

onde σ ∈ R é uma constante. Portanto o problema se reduz a resolver duas equações diferenciais ordinárias:

• A equação diferencial de segunda ordem

F 00 (x) − σF (x) = 0 (11)

para 0 < x < L.


• A equação diferencial de primeira ordem

G0 (t) − σKG(t) = 0 (12)

para t > 0.

Vamos resolver primeiro (11). Fazemos isso, apesar dela ser uma equação mais complexa que (12), porque
as condições de fronteira de (9) implicam que F satisfaz as condições

F (0) = F (L) = 0. (13)

De fato, a condição de fronteira u(0, t) = 0 implica que F (0)G(t) = 0 para todo t > 0, o que por sua vez
implica que F (0) = 0 (a menos que G(t) = 0 para todo t, o que significaria que u ≡ 0, uma solução que não
nos interessa, exceto no caso raro em que a condição inicial seja também f ≡ 0); similarmente a condição de
fronteira u(L, t) = F (L)G(t) = 0 implica que F (L) = 0. Assim, apesar da equação (11) ser mais complexa,
ela está sujeita a restrições, o que não ocorre com a equação (12): a condição (13) restringe as soluções
de (11), o que ultimamente limitará os valores possı́veis de σ. Em princı́pio, há três soluções possı́veis,
dependendo do sinal de σ:

1. σ > 0 : Neste caso, a solução geral de (11) é da forma


√ √
σx
F (x) = c1 e + c2 e−σx
.

Logo, a condição (13) implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o sistema
½
c1 + c =0 √
√ 2 .
c1 e σL + c2 e− σL = 0

Mas a única solução deste sistema é c1 = c2 = 0, o que levaria a F ≡ 0 e portanto u ≡ 0, solução que
não nos interessa (a não ser que a condição inicial fosse u(x, 0) ≡ 0).
Rodney Josué Biezuner 13

2. σ = 0 : A solução geral de (11) neste caso é da forma

F (x) = c1 x + c2 .

A condição (13) implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o sistema


½
c2 = 0
.
c1 L + c2 = 0

cuja única solução também é c1 = c2 = 0 e novamente F ≡ 0, o que não nos interessa.



3. σ < 0 : Denotando λ = −σ, a solução geral de (11) neste último caso é da forma

F (x) = c1 cos λx + c2 sen λx.

A condição (13) implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o sistema


½
c1 = 0
.
c2 sen λL = 0

Como não queremos c2 = 0, devemos ter sen λL = 0, o que implica λL = nπ, onde n ∈ N pode ser um
inteiro positivo qualquer.
Portanto, para cada valor de n uma solução não nula para o problema (11), (13) é da forma

Fn (x) = sen x, (14)
L
por este motivo chamada uma autofunção para o problema (11), (13) associada ao autovalor

n2 π 2
−σ = λ2n = . (15)
L2

A equação (12) é imediatamente resolvida através de uma integração simples. A solução de (12) é da
forma
G(t) = ceσKt ,
onde c ∈ R é uma constante real. Como o valor de σ para que o problema (9) tenha soluções não nulas é o
dado em (15), segue que para cada valor de n temos uma solução relevante de (12) dada por (a menos da
constante)
n2 π 2
Gn (x) = e− L2
Kt
. (16)
Segue que para cada n = 1, 2, 3, . . ., temos uma função
n2 π 2 nπ
un (x, t) = e− L2
Kt
sen x
L
que é uma solução para a equação diferencial parcial do problema (9) satisfazendo às suas condições de
fronteira.
Por outro lado, precisamos de uma solução que também satisfaça à condição inicial u(x, 0) = f (x). Logo,
as soluções que encontramos só funcionam se a função f (x) tem uma forma muito particular, ou seja, se
f (x) for um múltiplo escalar da função seno. Por exemplo,
π
se f (x) = 3 sen x, então (9) tem solução u(x, t) = 3u1 ;
L

se f (x) = 17 sen x, então (9) tem solução u(x, t) = 17u5 .
L
Rodney Josué Biezuner 14

É óbvio que isso raramente ocorre.


Na verdade, porém, ainda podemos obter soluções para o problema (9) a partir destas soluções se f (x)
for apenas uma combinação linear de senos. Por exemplo,
π 9π
se f (x) = 3 sen x + 25 sen x, então (9) tem solução u(x, t) = 3u1 + 25u9 ;
L L
2π 2 22π √ 901π 2 √
se f (x) = 4 sen x − sen x + 5 sen x, então (9) tem solução u(x, t) = 4u2 − u22 + 5u901 .
L 3 L L 3
Isso é verdade porque a equação do calor é uma equação linear, o que significa que combinações lineares
de soluções da equação diferencial são também soluções da equação diferencial e, além disso, as condições
de fronteira de (9) são homogêneas, logo combinações lineares de soluções que satisfazem as condições de
fronteira continuam satisfazendo as condições de fronteira (veja o Exercı́cio 0.1). Assim, qualquer expressão
da forma (isto é, qualquer combinação linear de soluções)
N
X
u(x, t) = cn un (x, t)
n=1

é uma solução da equação do calor satisfazendo as condições de fronteira em (9). Em particular, se


N
X nπ
f (x) = cn sen x,
n=1
L

segue que
N
X n2 π 2 nπ
u(x, t) = cn e− L2
Kt
sen x (17)
n=1
L

é uma solução do problema (9).


Mas, na maioria dos casos, a temperatura inicial f não é uma combinação linear de senos. Então Fourier
(em 1807) teve a idéia de tomar “combinações lineares infinitas”, isto é, séries infinitas, assumindo que toda
função pode ser escrita como uma série infinita de senos. Em outras palavras, assumindo que podemos
escrever toda função f na forma
X∞

f (x) = cn sen x
n=1
L
para certos coeficientes bem determinados cn , o que atualmente chamamos a série de Fourier de f , então o
candidato para solução do problema de valor inicial e de condição de fronteira (9) seria a função

X n2 π 2 nπ
u(x, t) = cn e− L2
Kt
sen x. (18)
n=1
L

Isso nos leva às seguintes indagações:

1. Será que toda função f (x) realmente pode ser escrita como uma série de Fourier?
2. Se a resposta à pergunta anterior for negativa, quais são as funções que possuem séries de Fourier?
Será que elas formam uma classe suficientemente grande para abranger todas ou uma quantidade
significativa das funções que surgem nos problemas práticos?
3. Mesmo que f (x) possa ser representada por uma série de Fourier, será que a série definida acima para
u(x, t) converge para uma função diferenciável em t e duas vezes diferenciável em x que é a solução de
(9)?
Rodney Josué Biezuner 15

Estas perguntas mostram a necessidade de se desenvolver uma teoria para as séries de Fourier. Faremos isso
no próximo capı́tulo.

Observação: Note que nem o candidato à solução (18), e nem mesmo a solução (17), são produtos de duas
funções de uma variável, uma dependendo apenas de x e outra dependendo apenas de t (elas são na realidade
somas de produtos de funções de uma variável, soma finita em um caso, soma infinita no outro). Portanto a
suposição inicial de que partimos no método de separação de variáveis é errada para a maioria das condições
iniciais, a não ser que elas sejam múltiplos de sen(nπx/L). Mas, usando a linearidade da equação do calor,
pudemos usar as soluções obtidas através do método de separação de variáveis e a partir delas construir a
solução para o problema geral. Este é um método freqüentemente usado em ciências exatas: simplificar um
problema complexo através de uma suposição que em geral não é válida, mas a partir da solução para o
problema simplificado, construir a solução correta para o problema complicado.

0.1.5 Exercı́cios
Exercı́cio 0.1. Mostre que a equação do calor é linear, isto é, se u1 (x, t) e u2 (x, t) são soluções da equação
diferencial parcial ut = Kuxx , então au1 (x, t) + bu2 (x, t) também é, quaisquer que sejam a, b ∈ R.
Além disso, se elas satisfazem as condições de fronteira homogêneas u(0, t) = u(L, t) = 0, então
au1 (x, t) + bu2 (x, t) também satisfaz.
Exercı́cio 0.2. Mostre que a equação mais geral do calor, c(x)ρ(x)ut = [K(x)ux ]x + q(x, t), também é uma
equação linear.
Exercı́cio 0.3. Proceda como fizemos no texto e encontre um candidato à solução para o seguinte problema
de valor inicial com condição de fronteira de Neumann homogênea:

 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,
ux (0, t) = ux (L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.

0.2 Leis de Conservação e Relações Constitutivas


0.2.1 Lei de Conservação Unidimensional
A dedução da equação do calor é um exemplo de uma situação bem mais geral. Muitas das equações
fundamentais que aparecem nas ciências naturais são obtidas através de leis de conservação.
Leis de conservação são essencialmente leis de balanceamento, expressando o fato de que alguma substância
é balanceada. Aqui, o termo substância pode indicar uma substância realmente material, ou até mesmo um
conceito abstrato, tal como energia ou uma população de animais. Por exemplo, a primeira lei da ter-
modinâmica é a lei de conservação da energia: a variação de energia interna de um sistema é igual ao calor
total adicionado ao sistema mais o trabalho realizado sobre o sistema. Como outro exemplo, considere um
fluido escoando em alguma região do espaço, consistindo de substâncias sofrendo reações quı́micas: para
cada substância quı́mica individual, a taxa de variação da quantidade total da substância na região é igual
à taxa com que a substância flui para dentro da região, menos a taxa com que ela flui para fora da região,
mais a taxa com que ela é criada, ou consumida, pelas reações quı́micas. Como último exemplo, a taxa de
variação de uma dada população de animais em uma região é igual à taxa de nascimentos, menos a taxa de
mortes, mais a taxa de migração para dentro ou fora da região.
Matematicamente, leis de conservação traduzem-se em equações integrais, de onde podem ser deduzidas
equações diferenciais, na maior parte dos casos. Estas equações descrevem como o processo evolui com o
tempo. Por este motivo, elas são também chamadas de equações de evolução. Vamos examinar primeiro
o caso unidimensional.
Rodney Josué Biezuner 16

Seja u = u(x, t) a densidade ou concentração de alguma substância, por unidade de volume, que depende
apenas de uma variável espacial x ∈ R e do tempo t > 0. Novamente enfatizamos que a substância cuja
densidade estamos medindo pode ser massa, momento, energia, população, ou qualquer outra coisa, material
ou abstrata. Por exemplo, no caso da equação do calor, a temperatura u é uma medida da densidade de
energia térmica. De fato, se e(x, t) denota a densidade de energia térmica, isto é, a quantidade de energia
térmica por unidade de volume, então a densidade de energia térmica e a temperatura estão relacionadas
através da equação
e(x, t) = c(x)ρ(x)u(x, t),
cujo significado é: a energia térmica por unidade de volume é igual à energia térmica por unidade de massa
por unidade de temperatura (i.e., o calor especı́fico), vezes a temperatura, vezes a densidade volumétrica de
massa.
Imaginamos que a substância está distribuı́da em um tubo uniforme com seção transversal de área
constante A. Por hipótese, u é constante em cada seção transversal do tubo, variando apenas na direção x.
Considere um segmento arbitrário do tubo, entre as seções transversais localizadas em x = a e em x = b.
Chamamos este segmento de volume de controle. A quantidade total da substância dentro do volume de
controle no instante de tempo t é
Z b
Quantidade total da substância
= u(x, t)A dx.
dentro do volume de controle a

Assuma agora que existe movimento da substância através do tubo na direção axial. Definimos o fluxo
φ(x, t) da substância no tempo t como sendo a quantidade da substância fluindo através da seção transversal
em x no tempo t por unidade de área, por unidade de tempo. Assim as dimensões de φ são [φ] = quantidade
da substância / (área × tempo). Por convenção, φ será positivo se a substância estiver se movendo na direção
positiva do eixo x, e negativo se ela estiver se movendo na direção negativa do eixo x. Portanto, no tempo t,
a quantidade lı́quida de substância permanecendo no volume de controle será a diferença entre a quantidade
da substância entrando em x = a e a quantidade da substância saindo em x = b:

Taxa de transferência lı́quida da substância


= φ(a, t)A − φ(b, t)A.
para dentro do volume de controle
A substância pode ser criada ou destruı́da dentro do volume de controle por uma fonte interna ou externa.
A taxa de criação ou destruição da substância, que chamaremos de termo fonte e denotaremos por f (x, t, u),
tem dimensões [f ] = quantidade da substância / (volume × tempo), tendo sinal positivo se a substância é
criada dentro do volume de controle e negativa se a substância for destruı́da dentro do volume de controle.
Observe que ela pode depender da própria quantidade da substância disponı́vel, medida pela densidade u.
A taxa de criação ou destruição da substância dentro do volume de controle é então dada por
Z b
Taxa de criação da substância
= f (x, t, u)A dx.
dentro do volume de controle a

A lei de conservação para a substância pode ser formulada da seguinte forma:

Taxa de variação Taxa de transferência lı́quida de substância


Taxa de criação da substância
da quantidade de substância = para dentro do volume de controle +
dentro do volume de controle
dentro do volume de controle através de sua fronteira

ou, em termos matemáticos, após cancelar o termo comum A,


Z b Z b
d
u(x, t) dx = φ(a, t) − φ(b, t) + f (x, t, u) dx. (19)
dt a a
Rodney Josué Biezuner 17

Esta é a lei de conservação na forma integral, valendo mesmo se u, φ ou f não forem funções diferenciáveis
(o que pode ocorrer em certos fenômenos fı́sicos, como por exemplo naqueles que envolvem ondas de choque
ou outros tipos de descontinuidade). Se estas funções forem continuamente diferenciáveis, podemos derivar
sob o sinal de integração na primeira integral
Z Z b
d b
u(x, t) dx = ut (x, t) dx,
dt a a

e usar o Teorema Fundamental do Cálculo para escrever


Z b
φ(a, t) − φ(b, t) = − φx (x, t) dx,
a

obtendo a equação diferencial parcial


ut + φx = f (x, t, u) (20)
que é a lei de conservação na forma diferencial.

0.2.2 Lei de Conservação em Várias Dimensões


Vamos formular a lei de conservação nas formas integral e diferencial para os espaços Rn , n = 2 ou n = 3
(na verdade, tudo o que deduzirmos aqui, vale para qualquer n > 2). Considere um volume de controle V em
Rn , em que a densidade ou concentração u = u(x, t) de alguma substância por unidade de volume depende
de n variáveis espaciais x = (x1 , . . . , xn ) e do tempo t > 0. Temos
Z
Quantidade total da substância
= u(x, t) dV
dentro do volume de controle V

e, se f (x, t, u) denota o termo fonte,


Z
Taxa de criação da substância
= f (x, t, u) dV.
dentro do volume de controle V

Em n dimensões, o fluxo pode ser em qualquer direção, logo ele é uma grandeza vetorial que denotaremos
por φ(x, t). Se η(x) denota o vetor unitário normal apontando para fora da região V , a taxa de transferência
lı́quida da substância para fora do volume de controle através de sua fronteira ∂V é dada por
Z
Taxa de transferência lı́quida da substância
= φ(x, t) · η(x) dS.
para fora do volume de controle ∂V

A lei de conservação é, portanto,


Z Z Z
d
u(x, t) dV = − φ(x, t) · η(x) dS + f (x, t, u) dV. (21)
dt V ∂V V

Se u, φ e f forem todas de classe C 1 (assim como a região V ), podemos derivar sob o sinal de integração e
usar o Teorema da Divergência
Z Z
φ(x, t) · η(x) dS = div φ(x, t) dV,
∂V V

para obter a lei de conservação em forma diferencial

ut + div φ = f (x, t, u). (22)


Rodney Josué Biezuner 18

0.2.3 Relações Constitutivas


A lei de conservação na forma diferencial é uma equação diferencial parcial em duas incógnitas, u e φ.
Precisamos, portanto, de uma segunda equação para obter um sistema bem determinado. A equação adicional
é freqüentemente baseada nas propriedades fı́sicas do meio, as quais freqüentemente decorrem de observações
empı́ricas. Tais equações são chamadas de relações constitutivas ou equações de estado.

Exemplo 0.1. (Equação do Calor) No caso da equação do calor, a relação constitutiva é a lei de Fourier:

φ(x, t) = −kux (x, t).

Em dimensões mais altas, a lei de Fourier assume a forma

φ(x, t) = −k∇u(x, t). (23)

De fato, para materiais isotrópicos (isto é, materiais em que não existem direções preferenciais) verifica-
se experimentalmente que o calor flui de pontos quentes para pontos frios na direção em que a diferença
de temperatura é a maior. O fluxo de calor é proporcional à taxa de variação da temperatura nesta
direção, com a constante de proporcionalidade k sendo por definição a condutividade térmica, como
no caso unidimensional. Como sabemos, a direção onde uma função cresce mais rápido é exatamente
aquela dada pelo vetor gradiente da função, e o módulo do gradiente fornece a magnitude da taxa
de variação da função nesta direção. O sinal negativo ocorre, como no caso unidimensional, porque o
vetor gradiente aponta na direção de crescimento da temperatura, enquanto que o fluxo do calor se dá
na direção oposta (da temperatura maior para a temperatura menor). O fluxo do calor em uma região
bi ou tridimensional pode ser facilmente visualizado quando se lembra que o gradiente de uma função é
perpendicular às superfı́cies de nı́vel da função. No caso em que a função é a temperatura, as superfı́cies
de nı́vel são chamadas superfı́cies isotérmicas ou, simplesmente, isotermas. Assim, o calor flui das
isotermas mais quentes para as isotermas mais frias, e em cada ponto da isoterma perpendicularmente
à isoterma. Em outras palavras, as linhas de corrente do fluxo de calor correspondem às linhas de fluxo
do campo gradiente da temperatura.
Portanto, a equação do calor em Rn com termo fonte independente de u tem a forma

ut = K∆u + f (x, t), (24)

onde ∆u denota o laplaciano de u:

∂2u ∂2u
∆u = div ∇u = + . . . + . (25)
∂x21 ∂x2n

¤
Exemplo 0.2. (Equação da Difusão) Em muitos outros processos fı́sicos observa-se que a substância flui
a uma taxa diretamente proporcional ao gradiente de densidade, de regiões de maior densidade para
regiões de menor densidade. Esta relação geral é chamada de lei de Fick :

φ(x, t) = −D∇u(x, t), (26)

onde D é a constante de difusão. Se o termo fonte é independente de u, obtemos a equação da


difusão
ut = D∆u + f (x, t). (27)
O nome difusão vem do fato de que a substância difunde-se para regiões adjacentes por causa de
gradientes (i.e., diferenças) de concentração, e não porque é transportada pela corrente (i.e., não
através de convecção). Por este motivo, o termo D∆u é chamado de termo difusivo.
Rodney Josué Biezuner 19

Além do calor, exemplos de outras substâncias que se comportam assim são substâncias quı́micas
dissolvidas em algum fluido (neste caso, u representa a concentração quı́mica) e até mesmo populações
de insetos. Além de ser confirmada através de observações empı́ricas, a lei de Fick que governa estes
e vários outros fenômenos fı́sicos e biológicos pode ser justificada teoricamente através de argumentos
baseados em modelos probabilı́sticos e caminhos aleatórios. ¤
Exemplo 0.3. Quando o termo fonte não é independente de u, processos governados pela lei de conservação
e pela lei de Fuck são regidos pela chamada equação da difusão-reação

ut = ∆u + f (x, t, u). (28)

O termo fonte, também chamado termo de reação, pode ser não linear em u. Exemplos importantes
aparecem na teoria de combustão e em biologia. ¤
Exemplo 0.4. (Equação da Continuidade) Se ρ denota a densidade de um fluido e V é o campo de ve-
locidades de escoamento do fluido, o fluxo de massa (taxa de transferência de massa, medida em
quantidade de massa / (área)×(tempo)) é dado por

φ = ρV.

Note que a densidade ρ = ρ(x, t) de um fluido movendo-se no espaço, assim como o seu campo de
velocidades V = V(x, t), são funções da posição no espaço e do instante de tempo considerado. A lei
de conservação de massa implica então a equação da continuidade

ρt + div(ρV) = 0.

A equação da continuidade é a primeira das equações de Navier-Stokes que governam a dinâmica


dos fluidos. ¤
Exemplo 0.5. (Equação da Advecção) Quando a velocidade do fluido é constante, o fluxo de massa é dado
por uma relação linear simples. No caso unidimensional (por exemplo, quando o fluido está restrito a
um tubo ou cano), o fluxo é
φ = cu, (29)
onde c é a velocidade do fluido e denotamos a densidade por u. Neste caso, a equação da continuidade
torna-se
ut + cux = 0. (30)
Esta é a chamada equação da advecção ou equação do transporte. Advecção refere-se ao movi-
mento horizontal de uma propriedade fı́sica. Esta equação de primeira ordem linear é o modelo mais
simples de convecção. ¤

0.2.4 Exercı́cios
Exercı́cio 0.4. Identifique as relações constitutivas para as seguintes leis de conservação escritas em forma
diferencial:

1. Equação de Burgers:
ut + u ux = 0.
2. Equação de Korteweg-deVries (KdV):

ut + u ux + uxxx = 0.

3. Equação dos meios porosos:


ut + (uγ )xx = 0.
Capı́tulo 1

Séries de Fourier

Para determinar a possibilidade de uma determinada função poder ser expressa como uma série de Fourier,
bem como para obter os coeficientes da série de Fourier da função quando isso ocorrer, precisamos antes
estudar certas propriedades das funções seno e cosseno.

1.1 Propriedades das Funções Seno e Cosseno


1.1.1 Periodicidade
Definição. Uma função f : R −→ R é periódica se existe T ∈ R, T 6= 0, tal que f (x + T ) = f (x) para
todo x ∈ R. O número real T é chamado um perı́odo para a função f .

Claramente, se T é um perı́odo para a função f , então qualquer múltiplo inteiro de T também é um perı́odo
para f : 2T , −2T , 3T , −3T , 4T , −4T , etc. Por exemplo,

f (x + 3T ) = f ((x + 2T ) + T ) = f (x + 2T ) = f ((x + T ) + T ) = f (x + T ) = f (x).

Definição. O menor perı́odo positivo de uma função periódica f é chamado o perı́odo fundamental.

Em geral, o perı́odo fundamental de uma função periódica é referido simplesmente como o perı́odo da função.
Porque o valor de uma função periódica repete-se a cada intervalo de comprimento igual ao seu perı́odo,
para conhecer uma função periódica de perı́odo T basta descrevê-la em qualquer intervalo de comprimento
T ; o seu gráfico é obtido repetindo-se o gráfico neste intervalo em qualquer outro intervalo de comprimento
T.

Exemplo 1.1.
(a) As funções seno e cosseno são periódicas e ambas têm perı́odo 2π.
(b) Funções constantes são funções periódicas que não possuem perı́odo fundamental, pois qualquer número
real não nulo é um perı́odo para a função constante, logo não existe um menor perı́odo positivo. Do
mesmo modo, a função ½
1 se x é racional,
f (x) =
0 se x é irracional,
é uma função periódica que não possui perı́odo fundamental, pois todo número racional não nulo é um
perı́odo para f (observe que números irracionais não são perı́odos para f ).

20
Rodney Josué Biezuner 21

(c) A função f (x) = x − bxc, onde bxc é o maior inteiro menor que ou igual a x, é periódica de perı́odo 1.

0,8

0,6

0,4

0,2

0
-3 -2 -1 0 1 2 3
x

(d) Podemos encontrar uma infinidade de exemplos de funções periódicas, simplemente definindo uma função
em um intervalo de comprimento T e declarando que ela é periódica de perı́odo T , desta forma definindo
ela na reta toda. Ou seja, suponha que a função f foi inicialmente definida no intervalo I de compri-
mento T ; dado x ∈ R, se x ∈ / I, determine um inteiro k tal que x + kT ∈ I (k é positivo se x está
localizado à esquerda do intervalo I e negativo se x está à direita de I) e defina
f (x) = f (x + kT ).
Desta forma, definimos uma função f na reta toda que é automaticamente periódica de perı́odo T . Por
exemplo, podemos definir uma função g por
½
−x se − L 6 x < 0,
g(x) =
x se 0 6 x < L,
e declará-la periódica de perı́odo 2L.

0,8

0,6

0,4

0,2

0
-2 -1 0 1 2
x

Para que a definição desta extensão periódica seja consistente, observe que o intervalo I deve ser fechado
em um extremo e aberto no outro ou, se o intervalo I for fechado nos dois extremos, a função deve ter
os mesmos valores nestes extremos. ¤
Com relação aos perı́odos das funções que constituem a série de Fourier, fazemos a seguinte importante
observação:
Rodney Josué Biezuner 22

nπx nπx 2L
Proposição 1.2. As funções sen e cos têm o mesmo perı́odo fundamental, igual a .
L L n
Prova. De fato, na verdade vale a seguinte afirmação mais geral: para qualquer valor α ∈ R, α 6= 0,

sen αx e cos αx têm perı́odo fundamental igual a .
α
Isso pode ser determinado através do seguinte argumento: queremos encontrar o menor valor positivo de T
para o qual vale
sen α(x + T ) = sen αx para todo x ∈ R,
ou seja,
sen αx cos αT + cos αx sen αT = sen αx para todo x ∈ R.
Para determinar αT , o que conseqüentemente determinará T , basta obter os valores de sen αT e cos αT ,
pois um ângulo fica completamente determinado quando se conhece os valores de seu seno e de seu cosseno,
a menos de múltiplos de 2π. Para isso, observamos que a equação acima é válida para qualquer valor de x.
Em particular, substituindo o valor x = 0 na expressão acima, obtemos

sen αT = 0,
π
o que implica que αT é um múltiplo de π. Agora, substituindo o valor x = na expressão acima, obtemos

cos αT = 1.

Logo, αT é necessariamente um múltiplo de 2π. Como queremos o menor valor positivo de T , segue que

αT = 2π

e, portanto,

T = .
α
A mesma conclusão vale para a função cos αx, já que a função cosseno nada mais é que a função seno
defasada. ¥
Como conseqüência deste resultado, já que qualquer múltiplo inteiro do perı́odo fundamental é um perı́odo,
nπx nπx
segue que para todo n as funções sen e cos têm o valor 2L como perı́odo comum.
L L

1.1.2 Relações de Ortogonalidade


Para o cálculo dos coeficientes da série de Fourier de uma função (quando existir), as seguintes relações de
nπx nπx
ortogonalidade entre as funções sen e cos desempenham um papel fundamental:
L L
Proposição 1.3. (Relações de Ortogonalidade) Valem as seguintes identidades:
Z L
nπx mπx
cos sen dx = 0 para todos n, m;
−L L L
Z L ½
nπx mπx L se n = m,
cos cos dx = (1.1)
−L L L 0 se n =
6 m;
Z L ½
nπx mπx L se n = m,
sen sen dx =
−L L L 0 se n =
6 m.
Rodney Josué Biezuner 23

Prova. Estas relações podem ser obtidas através de integração direta e uso das identidades trigonométricas.
Por exemplo, se n 6= m, escrevemos
Z L Z · ¸
nπx mπx 1 L (n − m)πx (n + m)πx
sen sen dx = cos − cos dx
−L L L 2 −L L L
· ¯L
11 1 (n − m)πx 1 (n + m)πx ¯¯
= sen − sen ¯
2π n−m L n+m L −L
= 0.

Se n = m, escrevemos
Z Z ³ Z · ¸
L
nπx mπx L
nπx ´2 1 L 2nπx
sen sen dx = sen dx = 1 − cos dx
−L L L −L L 2 −L L
· ¯L
1 L 2nπx ¯¯
= x− sen
2 2nπ L ¯−L
= L.

1.1.3 Produto Interno no Espaço das Funções Quadrado-Integráveis


O nome relações de ortogonalidade deve-se ao fato de que as expressões acima significam que as funções
nπx nπx
sen e cos são ortogonais no espaço vetorial das funções quadrado-integráveis definidas no intervalo
L L
[−L, L]. De fato, no espaço
( Z b )
2 2
L ([a, b]) = u : [a, b] −→ R : u (x) dx < ∞
a

das funções definidas no intervalo [a, b] cujo quadrado é integrável, podemos definir um produto interno por
Z b
hu, vi = u(x)v(x) dx.
a

Porque as funções são quadrado-integráveis, a integral acima está bem definida e é finita (caso contrário, se
duas funções são apenas integráveis, o produto delas não é necessariamente integrável; tome, por exemplo,
u(x) = v(x) = x−1/2 no intervalo [0, 1]). De fato, como para quaisquer A, B ∈ R vale a desigualdade
2AB 6 A2 + B 2 , segue que
Z b Z b Z b
1 1
u(x)v(x) dx ≤ u2 (x) dx + v 2 (x) dx < ∞.
a 2 a 2 a

Como o ângulo entre dois vetores é definido por

hu, vi
](u, v) = arccos ,
kuk kvk

segue que duas funções são ortogonais se


Z b
u(x)v(x) dx = 0.
a
Rodney Josué Biezuner 24

1.1.4 Exercı́cios
Exercı́cio 1.1. Sejam f, g : R → R funções periódicas de perı́odo T . Mostre que
(a) f + g é periódica de perı́odo T .
(b) αf é periódica de perı́odo T para qualquer escalar α ∈ R.
(c) O conjunto PT (R) das funções periódicas de perı́odo T é um subespaço vetorial do espaço F(R) das
funções reais definidas na reta.
(d) f g é periódica de perı́odo T .
(e) f /g é periódica de perı́odo T (assuma que g nunca se anula).
³x´
(f ) f é periódica de perı́odo aT .
a
T
(g) f (ax) é periódica de perı́odo .
a
(h) Se h é uma função qualquer (não necessariamente periódica), então a composta h ◦ f é periódica de
perı́odo T .
Exercı́cio 1.2. Sejam f, g : R → R funções periódicas de perı́odos fundamentais diferentes. Podemos
concluir que f + g é periódica? Podemos concluir que f + g não é periódica?
Exercı́cio 1.3. Sejam f1 , f2 : R → R funções periódicas de perı́odos T1 , T2 , respectivamente. Prove que se
existem inteiros n, m tais que
nT1 = mT2 ,
então f1 + f2 é periódica de perı́odo nT1 .
Exercı́cio 1.4. Mostre que sen ax + sen bx é periódica se e somente se a/b é racional.
Exercı́cio 1.5. Seja f : R → R uma função diferenciável, periódica de perı́odo T . Mostre que f 0 também é
periódica de perı́odo T .
Exercı́cio 1.6. Seja f : R → R uma função periódica de perı́odo T , localmente integrável (i.e., integrável
em qualquer intervalo). Mostre que a função
Z x
F (x) = f
0

é periódica de perı́odo T se e somente se


Z T
f = 0.
0

Exercı́cio 1.7. Seja f : R → R uma função periódica de perı́odo T , localmente integrável. Determine a
constante a para que a função abaixo seja periódica de perı́odo T :
Z x
F (x) = f (t) dt − ax.
0

Exercı́cio 1.8. Seja f : R → R uma função periódica de perı́odo T , localmente integrável. Mostre que
Z a+T Z T
f= f.
a 0

Exercı́cio 1.9. Mostre que uma função periódica contı́nua não constante possui perı́odo fundamental.
Rodney Josué Biezuner 25

1.2 Cálculo dos Coeficientes da Série de Fourier


Suponha que possamos expressar uma função f : R → R na forma

a0 X ³ nπx ´

nπx
f (x) = + an cos + bn sen , (1.2)
2 n=1
L L

ou seja, que o lado direito desta identidade seja uma série convergente que converge para o valor f (x) em
todo ponto x ∈ R. A série no lado direito da expressão acima é chamado a série de Fourier de f . [O
a0
motivo de termos escolhido escrever ao invés de simplesmente a0 ficará claro a seguir.] Em particular,
2
para que isso seja possı́vel vemos que f tem que ser periódica com perı́odo 2L, pois este é o perı́odo comum
nπx nπx
das funções sen e cos ; portanto, funções definidas na reta toda que não satisfazem esta condição
L L
não podem possuir séries de Fourier.
Suponha, além disso, que a função f seja integrável no intervalo [−L, L] e que a série do lado direito
possa ser integrada termo a termo. Obtemos, pelas relações de ortogonalidade,
Z L Z ∞
à Z Z L !
a0 L X L
nπx nπx
f (x) dx = dx + an cos dx + bn sen dx
−L 2 −L n=1 −L L −L L
= a0 L,
donde
Z L
1
a0 = f (x) dx. (1.3)
L −L

Os outros coeficientes também podem ser obtidos facilmente explorando as relações de ortogonalidade. Mul-
nπx
tiplicando ambos os lados da equação (1.2) por cos e integrando de −L a L, obtemos
L
Z L Z ∞
à Z Z L !
nπx a0 L nπx X L
mπx nπx mπx nπx
f (x) cos dx = cos dx + am cos cos dx + bm sen cos dx
−L L 2 −L L m=1 −L L L −L L L
= an L,
donde
Z L
1 nπx
an = f (x) cos dx. (1.4)
L −L L

a0
[Por este motivo escrevemos o termo constante da série de Fourier na forma : deste modo, a fórmula para
2
os coeficientes an é a mesma, independente se n = 0 ou n 6= 0.] Analogamente, multiplicando ambos os lados
nπx
da equação (1.2) por sen e integrando de −L a L, obtemos
L
Z
1 L nπx
bn = f (x) sen dx. (1.5)
L −L L

Exemplo 1.4. Admitindo que exista uma série de Fourier que convirja para a função periódica f de perı́odo
2L, definida no intervalo [−L, L] por
½
−x se − L 6 x 6 0,
f (x) =
x se 0 6 x 6 L,
calcule os seus coeficientes.
Rodney Josué Biezuner 26

Solução. Temos
Z " Z Z L # µ ¶
L 0
1 1 1 L2 L2
a0 = f (x) dx = − x dx + x dx = + = L.
L −L L −L 0 L 2 2

Os outros coeficientes podem ser calculados através de integração por partes. Temos
Z " Z Z L #
1 L nπx 1 0
nπx nπx
an = f (x) cos dx = − x cos dx + x cos dx
L −L L L −L L 0 L
"Ã ¯0 Z 0 ! Ã ¯L Z L !#
1 L nπx ¯¯ L nπx L nπx ¯¯ L nπx
= − x sen + sen dx + x sen − sen dx
L nπ L ¯−L nπ −L L nπ L ¯0 nπ 0 L
" ¯0 ¯L #
1 L2 nπx ¯¯ L2 nπx ¯¯
= − 2 2 cos + 2 2 cos
L n π L ¯−L n π L ¯0
· ¸
1 L2 L2 L2 L2
= − 2 2 + 2 2 cos nπ + 2 2 cos nπ − 2 2
L n π n π n π n π
2L
= 2 2 (cos nπ − 1)
n π
(
0 se n é par,
= 4L
− 2 2 se n é ı́mpar.
n π
e
Z " Z Z L #
L 0
1 nπx 1 nπx nπx
bn = f (x) sen dx = − x sen dx + x sen dx
L −L L L −L L 0 L
"Ã ¯0 Z 0 ! Ã ¯L Z L !#
1 L nπx ¯¯ L nπx L nπx ¯¯ L nπx
= x cos − cos dx + − x cos + cos dx
L nπ L ¯−L nπ −L L nπ L ¯0 nπ 0 L
" ¯0 ¯L #
1 L2 L2 nπx ¯¯ L2 L2 nπx ¯¯
= cos nπ − 2 2 sen − cos nπ + 2 2 sen
L nπ n π L ¯−L nπ n π L ¯0
= 0.

Portanto,

L 4L X 1 (2n − 1)πx
f (x) = − 2 2
cos .
2 π n=1 (2n − 1) L
Observe que a série do lado direito
¯ é de fato convergente
¯ em todo ponto x, já que os coeficientes
X∞
1 ¯ (2n − 1)πx ¯ 1
diminuem na razão de , ¯cos ¯ 6 1 e a série é sabidamente convergente.
(2n − 1)2 ¯ L ¯
n=1
n2

Na figura a seguir ilustramos o gráfico da série truncada em vários valores de n (vermelho corresponde
a truncar a série em n = 1, azul a truncá-la em n = 2 e verde a truncá-la em n = 3; preto corresponde
Rodney Josué Biezuner 27

a truncar a série em n = 100, indistinguı́vel do gráfico da função f propriamente dita):

0,8

0,6

0,4

0,2

0
-2 -1 0 1 2
x

Por outro lado, a convergência parece ser mais lenta nas quinas (isto é, nos pontos onde f não é
diferenciável), como pode ser observado na figura acima. Para ver isso melhor, tome L = x = π, de
modo que obtemos

π 4X 1
π= − cos(2n − 1)π
2 π n=1 (2n − 1)2
ou
X∞
π2 1 1 1 1
= 2
=1+ + + + ...
8 n=1
(2n − 1) 9 25 49
Enquanto que π = 3.1415926536 é uma aproximação para π com 10 casas decimais, temos:
v 
u k  3.141274327 se k = 1000,
u X 1
t8 = 3.141589470 se k = 100000,
(2n − 1)2 
n=1 3.141592335 se k = 1000000.
¤

1.3 Teorema de Fourier


Vamos determinar condições suficientes para que uma função f possua uma série de Fourier e que esta
convirja para f pelo menos na maioria dos pontos de seu domı́nio.
Rodney Josué Biezuner 28

1.3.1 Existência da Série de Fourier


Primeiramente, vamos ver que condições a função f deve satisfazer para que a sua série de Fourier esteja
definida, mesmo que ela possa não convergir para f em nenhum ponto. Para que a série de Fourier de f
exista, os coeficientes de Fourier de f precisam estar definidos.

Definição. Dizemos que uma função integrável f : R −→ R é absolutamente integrável no intervalo


[a, b] se
Z b
|f (x)| dx < ∞.
a

Denotamos isso por f ∈ L1 ([a, b]).


Se f é localmente absolutamente integrável (isto é, se f é absolutamente integrável em todo intervalo),
denotamos isso por f ∈ L1loc (R).
Proposição 1.5. Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L. Se f é absolutamente integrável
no intervalo [−L, L], então os coeficientes de Fourier de f
Z L
1 nπx
an = f (x) cos dx, n = 0, 1, 2, . . . ,
L −L L
Z L
1 nπx
bn = f (x) sen dx, n = 1, 2, . . . ,
L −L L

estão bem definidos.

Prova. De fato,
¯Z ¯ Z Z L
¯ L nπx ¯¯ L ¯ nπx ¯¯
¯ ¯
¯ f (x) cos dx¯ 6 |f (x)| ¯cos ¯ dx < |f (x)| dx < ∞,
¯ −L L ¯ −L L −L
¯Z ¯ Z Z L
¯ L nπx ¯¯ L ¯ nπx ¯¯
¯ ¯
¯ f (x) sen dx¯ 6 |f (x)| ¯sen ¯ dx < |f (x)| dx < ∞.
¯ −L L ¯ −L L −L

¥
Portanto, quando f ∈ L1loc (R) é uma função periódica de perı́odo 2L, podemos construir formalmente a série

a0 X ³ nπx ´

nπx
+ an cos + bn sen .
2 n=1
L L

A próxima questão é se esta série converge em cada ponto x e se ela converge para o valor f (x).

1.3.2 Funções Contı́nuas por Partes


Definição. Uma função real f é contı́nua por partes no intervalo [a, b] se existir um número finito de
pontos a = x0 < x1 < . . . < xn−1 < xn = b tais que

(i) f é contı́nua em cada subintervalo [xi−1 , xi ], i = 1, . . . , n;


(ii) existem os limites laterais à esquerda e à direita nos extremos de cada subintervalo.

Exemplo 1.6.
Rodney Josué Biezuner 29

(a) A função 
 −1 se n < x < n + 1 e n é par,
f (x) = 0 se x = n ∈ Z,

1 se n < x < n + 1 e n é ı́mpar.
é contı́nua por partes em qualquer intervalo fechado da reta. Seus pontos de descontinuidade são os
pontos com valores inteiros e os limites laterais nestes pontos são −1 e 1.

0,5

0
-3 -2 -1 0 1 2 3
-0,5x
-1

(b) A função 

 1 se x < 0,
g(x) = 0 se x = 0,
 sen 1

se x > 0,
x
não é contı́nua por partes no intervalo [−1, 1] pois não existe o limite lateral à direita em x = 0.

0,5

0
-1 -0,5 0 0,5 1
x

-0,5

-1
Rodney Josué Biezuner 30

(c) Similarmente, a função


 1

 −x
 se x < 0,
h(x) =

 0 se x = 0,

1 se x > 0,
não é contı́nua por partes no intervalo [−1, 1], pois não existe o limite lateral à esquerda em x = 0.

20

15

10

0
-1 -0,5 0 0,5 1
x

1.3.3 O Teorema de Fourier


Agora enunciaremos o Teorema de Fourier, que dá condições suficientes sobre uma função periódica f para
que a sua série de Fourier convirja puntualmente para f nos pontos de continuidade de f . A demonstração
deste resultado será adiada para uma seção posterior.

Teorema 1.7. (Teorema de Fourier) Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, tal que f e f 0
são contı́nuas por partes no intervalo [−L, L]. Então a série de Fourier de f

a0 X ³ nπx ´

nπx
+ an cos + bn sen
2 n=1
L L

onde
Z L
1 nπx
an = f (x) cos dx, n = 0, 1, 2, . . . ,
L −L L
Z L
1 nπx
bn = f (x) sen dx, n = 1, 2, . . . ,
L −L L

f (x+) + f (x−)
converge para f (x), se f é contı́nua em x, e para , se f é descontı́nua em x.
2
Em geral, se uma função f e a sua derivada f 0 forem contı́nuas por partes, diremos simplesmente que f é
diferenciável por partes. Observe que se f é contı́nua em x, então a média dos limites laterais de f em x
é exatamente igual a f (x); o teorema poderia ter sido enunciado em uma forma mais compacta simplesmente
Rodney Josué Biezuner 31

afirmando que se f satisfaz as condições do enunciado, então a série de Fourier de f converge sempre para
f (x+) + f (x−)
.
2
Exemplo 1.8.
(a) Defina (
1
x2 sen se x 6= 0,
f (x) = x
0 se x = 0.
1
Observe que f é contı́nua ( lim x2 sen = 0), mas f 0 não é contı́nua por partes, pois apesar da derivada
x→0 x
existir em x = 0, não existe nenhum dos limites laterais da derivada em x = 0:
(
1 1
0 2x sen − cos se x 6= 0,
f (x) = x x
0 se x = 0.

0,04

0,5
0,02
x
-0,3 -0,2 -0,1 0 0,1 0,2 0,3
0 0
-0,3 -0,2 -0,1 0 0,1 0,2 0,3
x

-0,02
-0,5

-0,04
-1

(b) (Onda quadrada) Defina f : R −→ R por


½
0 se − L < x < 0,
f (x) =
L se 0 < x < L,
e f periódica de perı́odo 2L.

1
0,8
0,6
0,4
0,2
0
-3 -2 -1 0 1 2 3
x
Rodney Josué Biezuner 32

Vamos calcular a série de Fourier de f e verificar onde ela converge. Temos


Z Z L
1 L
a0 = f (x) dx = dx = L,
L −L 0
Z Z L
1 L nπx nπx L nπx ¯¯L
an = f (x) cos dx = cos dx = sen ¯
L −L L 0 L nπ L 0
= 0,
Z Z
1 L
nπx L
nπx L nπx ¯¯L L
bn = f (x) sen dx = sen dx = − cos ¯ = (1 − cos nπ)
L −L L 0 L nπ L 0 nπ
(
0 se n é par,
= 2L
se n é ı́mpar.

Portanto,

L 2L X 1 (2n − 1)πx
f (x) = + sen .
2 π n=1 2n − 1 L
Veja a figura abaixo, representando a soma parcial truncada em n = 10:

0,8

0,6

0,4

0,2

0
-4 -2 0 2 4
x

Para os valores de descontinuidade (x = kL, k ∈ Z), os senos se anulam e a série de Fourier de f tem
valor igual a L/2, exatamente a média dos limites laterais nestes pontos. Nos demais pontos, a série
de Fourier converge para f , mas com uma convergência lenta, já que os seus coeficientes são da ordem
de 1/(2n − 1).
(c) (Onda triangular ) Defina g : R −→ R por
½
−x se − L 6 x < 0,
g(x) =
x se 0 6 x < L,

e g periódica de perı́odo 2L. Observe que g é contı́nua e diferenciável por partes (isto é, g 0 é contı́nua
por partes), logo a série de Fourier de g converge para g em todo ponto. ¤
Rodney Josué Biezuner 33

1.3.4 Estimativa dos Coeficientes de Fourier


Se f possui maior regularidade, é possı́vel provar diretamente que a sua série de Fourier converge sem recorrer
ao Teorema de Fourier. A idéia é obter estimativas para os coeficientes de Fourier e então usar o teste da
comparação para concluir que a série de Fourier converge.
Seja f uma função periódica de perı́odo 2L. Em primeiro lugar, se f é localmente absolutamente in-
tegrável, podemos obter a seguinte estimativa simples para os coeficientes de Fourier: como
¯ Z ¯ Z Z
¯1 L nπx ¯¯ 1 L ¯ nπx ¯¯ 1 L
¯ ¯
|an | = ¯ f (x) cos dx¯ 6 |f (x)| ¯cos ¯ dx < |f (x)| dx,
¯ L −L L ¯ L −L L L −L
¯ Z ¯ Z Z
¯1 L nπx ¯¯ 1 L ¯ nπx ¯¯ 1 L
¯ ¯
|bn | = ¯ f (x) sen dx¯ 6 |f (x)| ¯sen ¯ dx < |f (x)| dx.
¯ L −L L ¯ L −L L L −L

se denotarmos Z L
1
M0 = |f (x)| dx,
L −L
segue que
|an | , |bn | 6 M0 para todo n 6= 0. (1.6)
Em outras palavras, se f é localmente absolutamente integrável, então as seqüências (an ) e (bn ) dos coefi-
cientes de Fourier de f são uniformemente limitadas.
Se, além disso, f for contı́nua e diferenciável e sua derivada f 0 for localmente absolutamente integrável,
podemos integrar por partes para obter
Z Z L
1 L nπx 1 nπx ¯¯L 1 nπx
an = f (x) cos dx = f (x) sen ¯ − f 0 (x) sen dx
L −L L nπ L −L nπ −L L

de modo que
Z L
1 nπx
an = − f 0 (x) sen dx. (1.7)
nπ −L L
Analogamente,
Z Z L
1 L
nπx 1 nπx ¯¯L 1 nπx
bn = f (x) sen dx = − f (x) cos ¯ + f 0 (x) cos dx
L −L L nπ L −L nπ −L L
Z L
1 1 nπx
=− (f (L) cos nπ − f (−L) cos(−nπ)) + f 0 (x) cos dx
nπ nπ −L L

de modo que
Z L
1 nπx
bn = f 0 (x) cos dx. (1.8)
nπ −L L
Segue que
¯ ¯
¯ 1 Z L nπx ¯ 1
Z L
¯ ¯
|an | = ¯ f 0 (x) sen dx¯ 6 |f 0 (x)| dx,
¯ nπ −L L ¯ nπ −L
¯ ¯
¯ 1 Z L nπx ¯¯ 1
Z L
¯
|bn | = ¯ f 0 (x) cos dx¯ 6 |f 0 (x)| dx.
¯ nπ −L L ¯ nπ −L

Se Z L
1
M1 = |f 0 (x)| dx,
π −L
Rodney Josué Biezuner 34

temos
M1
|an | , |bn | 6 para todo n 6= 0. (1.9)
n
Assim, neste caso as seqüências (an ) e (bn ) dos coeficientes de Fourier de f convergem para 0 a uma taxa
proporcional a 1/n.
Se, além das hipóteses acima, f for duas vezes diferenciável, f 0 for contı́nua em [−L, L] e a derivada
segunda f 00 for localmente absolutamente integrável, podemos integrar por partes duas vezes para obter
Z L " Z L #
1 0 nπx 1 L 0 nπx ¯¯L L 00 nπx
an = f (x) sen dx = − f (x) cos ¯ + f (x) cos dx
nπ −L L nπ nπ L −L nπ −L L
Z L
L nπx
= 2 2 f 00 (x) cos dx,
n π −L L
Z L " Z L #
1 0 nπx 1 L 0 nπx ¯¯L L 00 nπx
bn = f (x) cos dx = f (x) sen ¯ − f (x) sen dx
nπ −L L nπ nπ L −L nπ −L L
Z L
L nπx
= 2 2 f 00 (x) sen dx,
n π −L L

e daı́
¯ ¯
¯ L Z L nπx ¯¯ L
Z L
¯ 00
|an | = ¯ 2 2 f (x) cos dx¯ 6 2 2 |f 00 (x)| dx,
¯ n π −L L ¯ n π −L
¯ ¯
¯ L Z L nπx ¯¯ L
Z L
¯ 00
|bn | = ¯ 2 2 f (x) sen dx¯ 6 2 2 |f 00 (x)| dx,
¯ n π −L L ¯ n π −L

de modo que, se
Z L
L
M2 = 2 |f 00 (x)| dx,
π −L
temos
M2
|an | , |bn | 6 para todo n 6= 0. (1.10)
n2
Nestas condições, sem usar o Teorema de Fourier, concluı́mos pelo teste da comparação que a série de Fourier
P∞ 1
converge, pois a série 2
é convergente.
n=1 n
Os cálculos acima mostram ainda que é possı́vel calcular os coeficientes de Fourier das derivadas de uma
função a partir dos coeficientes de Fourier da própria função, em certas condições, sem que haja a necessidade
de calcular novas integrais. Na prática, o que estamos fazendo é derivar a série de Fourier termo a termo
(veja o Teorema 1.19 e o Exemplo 1.20 para maiores detalhes):

Proposição 1.9. (Coeficientes de Fourier das Derivadas de uma Função) Seja f : R −→ R uma função
periódica de perı́odo 2L, k vezes diferenciável, tal que f, f 0 , f 00 , ..., f (k−1) são contı́nuas em R e f (k)
(j) (j)
é localmente absolutamente integrável. Então, se an , bn denotam os coeficientes de Fourier de f (j) ,
Rodney Josué Biezuner 35

temos para 2 6 j 6 k
nπ nπ
a0n = bn b0n = − an
L L
n2 π 2 n2 π 2
a00n = − an b00n = − bn
L2 L2
n3 π 3 n3 π 3
a000
n =− bn , b000
n = an ,
L3 L3
(4) n4 π 4 (4) n4 π 4
an = an , bn = bn ,
L4 L4
.. ..
 .  .
j j j j
 σj n π an

se n é par,  σj+1 n π bn

se n é par,
(j) L j (j) L j
an = j j bn = j j

 σj n π 
 σj+1 n π
bn se n é ı́mpar, an se n é ı́mpar,
Lj Lj
onde ½
1 se j = 0 mod 4 ou j = 1 mod 4,
σj =
−1 se j = 2 mod 4 ou j = 3 mod 4.

Prova: Dos resultados que obtivemos acima segue que


Z L Z
1 0 nπx L 1 L 0 nπx L
an = − f (x) sen dx = − f (x) sen dx = − b0n ,
nπ −L L nπ L −L L nπ
Z L Z L
1 nπx L 1 nπx L 0
bn = f 0 (x) cos dx = f 0 (x) cos dx = a .
nπ −L L nπ L −L L nπ n
donde
nπ nπ
a0n = bn e b0n = − an .
L L
O resultado geral segue por indução:
nπ 0 nπ ³ nπ ´ n2 π 2
a00n = bn = − an = − 2 an ,
L L L L
nπ nπ ³ nπ ´ n2 π 2
b00n = − a0n = − bn = − 2 bn ,
L µL 2L2 ¶ L
000 nπ 00 nπ n π n3 π 3
an = b = − 2 bn = − 3 bn ,
L n L L L
µ 2 2 ¶
nπ 00 nπ n π n3 π 3
b000
n =− an = − − 2 an = an ,
L L L L3
µ ¶
nπ 000 nπ n3 π 3 n4 π 4
a(4)
n = bn = 3
an = an ,
L L L L4
µ 3 3 ¶
nπ 000 nπ n π n4 π 4
b(4)
n = − a n = − − 3 bn = bn ,
L L L L4
µ ¶
(5) nπ (4) nπ n4 π 4 n5 π 5
an = bn = 4
bn = bn ,
L L L L5
µ 4 4 ¶
nπ (4) nπ n π n5 π 5
b(5)
n =− an = − an = − bn ,
L L L4 L5
e assim por diante. ¥
Rodney Josué Biezuner 36

1.3.5 Séries de Fourier de Funções Pares e Ímpares


As séries de Fourier de funções pares e de funções ı́mpares são muito mais simples do que as séries de
Fourier de funções arbitrárias. Nas aplicações, freqüentemente poderemos arranjar ou definir os parâmetros
do problema de forma a encontrar um ou outro membro destas classes de funções.

Definição. Uma função real f : R −→ R é par se f (−x) = f (x) e ı́mpar se f (−x) = −f (x).
Exemplo 1.10.
nπx 2
(a) As funções constantes, |x|, x2 , x4 , x2n e cos para qualquer n ∈ N, e ex são funções pares.
L
nπx
(b) As funções x, x3 , x2n+1 e sen para qualquer n ∈ N, são funções ı́mpares.
L
(c) As funções ex , x2 + x + 1 não são nem pares, nem ı́mpares. ¤

A terminologia par-ı́mpar é justificada pela seguinte proposição:

Proposição 1.11. (Propriedades elementares das funções pares e ı́mpares)


(i) A soma de duas funções pares é uma função par; a soma de duas funções ı́mpares é uma função ı́mpar.

(ii) A soma de uma função par e uma função ı́mpar não é par, nem ı́mpar.
(iii) O produto de duas funções pares é uma função par; o produto de duas funções ı́mpares é uma função
par.
(iv) O produto de uma função par e uma função ı́mpar é uma função ı́mpar.

Prova: A verificação destas propriedades é muito fácil: por exemplo, se f e g são ı́mpares, então

(f + g)(−x) = f (−x) + g(−x) = −f (x) + (−g(x)) = −(f + g)(x),


(f g)(−x) = f (−x)g(−x) = (−f (x))(−g(x)) = f (x)g(x) = (f g)(x).

Proposição 1.12. (Integração de funções pares e ı́mpares) Seja f : R −→ R uma função localmente in-
tegrável.
(i) Se f é uma função par, para todo L ∈ R vale
Z L Z L
f (x) dx = 2 f (x) dx. (1.11)
−L 0

(ii) Se f é uma função ı́mpar, para todo L ∈ R vale


Z L
f (x) dx = 0. (1.12)
−L

Prova: Temos Z Z Z
L 0 L
f (x) dx = f (x) dx + f (x) dx.
−L −L 0
Rodney Josué Biezuner 37

Fazendo a mudança de variável t = −x na primeira integral, se f for par temos


Z L Z 0 Z L Z 0 Z L
f (x) dx = f (−t) (−dt) + f (x) dx = − f (t) dt + f (x) dx
−L L 0 L 0
Z L Z L Z L
= f (t) dt + f (x) dx = 2 f (x) dx,
0 0 0

e se f for ı́mpar temos


Z L Z 0 Z L Z 0 Z L
f (x) dx = f (−t) (−dt) + f (x) dx = f (t) dt + f (x) dx
−L L 0 L 0
Z L Z L
=− f (t) dt + f (x) dx = 0.
0 0

¥
Como conseqüência destas duas proposições, obtemos que a série de Fourier para uma função par é uma
série de cossenos, enquanto que a série de Fourier para uma função ı́mpar é uma série de senos:

Proposição 1.13. (Séries de Fourier de funções pares e ı́mpares)


(i) Seja f : R −→ R uma função par que satisfaz as hipóteses do Teorema de Fourier. Então,
Z
2 L nπx
an = f (x) cos dx, n = 0, 1, 2, . . . ,
L 0 L
bn = 0 para todo n.

Logo,

a0 X nπx
f (x) = + an cos .
2 n=1
L

(ii) Seja f : R −→ R uma função ı́mpar que satisfaz as hipóteses do Teorema de Fourier. Então,

an = 0 para todo n,
Z L
2 nπx
bn = f (x) sen dx, n = 1, 2, . . .
L 0 L

Logo,

X nπx
f (x) = bn sen .
n=1
L

Prova: Segue imediatamente da expressão para os coeficientes de Fourier dada pelo Teorema 1.7 juntamente
com a proposição anterior. ¥

Exemplo 1.14 (Onda em dente de serra) Considere a função f (x) = x, se −L < x < L, f (−L) = f (L) = 0,
Rodney Josué Biezuner 38

periódica de perı́odo 2L.

0,5

0
-3 -2 -1 0 1 2 3
x

-0,5

-1

Como f é ı́mpar, temos an = 0 e


Z Z " Z L #
2 L
nπx 2 L
nπx 2 L nπx ¯¯L L nπx
bn = f (x) sen dx = x sen dx = − x cos ¯ + cos dx
L 0 L L 0 L L nπ L 0 nπ 0 L
· ¸
2 L nπx ¯¯L 2L
= L cos nπ + sen ¯ = cos nπ
nπ nπ L 0 nπ
2L
= (−1)n ,

logo a série de Fourier de f é a série de senos

2L X (−1)n+1 nπx
f (x) = sen .
π n=1 n L

1.3.6 Extensões Periódicas Pares e Ímpares de Funções Definidas em Intervalos


Dada uma função f : [0, L] −→ R definida em um intervalo fechado, diferenciável por partes, podemos
obter várias séries de Fourier diferentes para f . De fato, para obter uma série de Fourier para f , precisamos
estender f a uma função definida na reta toda e que seja periódica, de perı́odo 2L. No entanto, esta extensão
pode ser realizada através de uma infinidade de maneiras diferentes, desde que a função resultante satisfaça
as hipóteses do Teorema de Fourier. As extensões mais utilizadas na prática são as extensões de f a uma
função par, de modo que a série de Fourier de f é uma série exclusivamente de cossenos, e de f a uma função
ı́mpar, de modo que a série de Fourier de f é uma série exclusivamente de senos. Qual delas é escolhida
depende da aplicação prática que se tem em mente, como veremos mais tarde, embora às vezes a escolha
também é ditada pela diferença da velocidade de convergência entre as séries obtidas (veja o exemplo a
seguir).

Definição. Extensão periódica par de f :


Rodney Josué Biezuner 39

Defina f (x) = f (−x) para x ∈ [−L, 0] e declare f periódica de perı́odo 2L.

2,5

1,5

0,5

-2 -1 0 1 2
x

Definição. Extensão periódica ı́mpar de f :


Defina f (x) = −f (−x) para x ∈ [−L, 0) e declare f periódica de perı́odo 2L.

0
-2 -1 0 1 2
x
-1

-2

-3

Exemplo 1.15. Considere a função f (x) = x se 0 6 x 6 L. Se tomarmos a extensão periódica par de f ,


obteremos a função
½
−x se − L 6 x < 0,
f (x) =
x se 0 6 x < L,
f (x) = f (x + 2L),
que é a onda triangular, cuja série de Fourier é a série de cossenos que já obtivemos anteriormente no
Exemplo 1.4:

L 4L X 1 (2n − 1)πx
f (x) = − 2 cos .
2 π n=1 (2n − 1)2 L
Por outro lado, se tomarmos a extensão periódica ı́mpar de f (redefinindo f (L) = 0), obteremos a
função
f (x) = x se − L < x < L,
f (x) = f (x + 2L), f (−L) = f (L) = 0,
que é a onda em dente de serra, cuja série de Fourier é a série de senos calculada no Exemplo 1.14:

2L X (−1)n nπx
f (x) = sen .
π n=1 n L

1
Os coeficientes de Fourier da série de cossenos de f decrescem na ordem de 2 , enquanto que os
n
1
coeficientes de Fourier da série de senos de f decrescem na ordem de . Portanto, a convergência
n
Rodney Josué Biezuner 40

da expansão em cossenos de f é muito mais rápida do que a convergência da expansão em senos de


f . Isso se deve ao fato de que a extensão de f a uma função par ser uma função contı́nua na reta
toda, enquanto que a extensão de f a uma função ı́mpar é uma função que possui descontinuidades nos
pontos da forma x = 2kL, k ∈ Z. Em geral, como vimos na seção sobre estimativas dos coeficientes
de Fourier, quanto maior a regularidade de f (isto é, quanto maior o grau de diferenciabilidade de f ),
mais rápida é a convergência da sua série de Fourier. ¤

1.3.7 Exercı́cios
Exercı́cio 1.10. Calcule a série de Fourier das seguintes funções:
(a) f (x) = |x|, −π 6 x < π, f é periódica de perı́odo 2π.
(b) f (x) = |sen x| .
(c) f (x) = |cos x| .
(d) f (x) = x2 , −π 6 x 6 π, f é periódica de perı́odo 2π.
(e) f (x) = 1 + sen x + cos 2x.
(f ) f (x) = sen2 x.
(g) f (x) = cos2 x.
(h) f (x) = ex , −π 6 x < π, f é periódica de perı́odo 2π.
(i) f (x) = e−|x| , −π 6 x 6 π, f é periódica de perı́odo 2π.
+
(j) f (x) = (sen x) , isto é, ½
sen x se sen x > 0,
f (x) =
0 se sen x 6 0.
½
−L se − L 6 x < 0,
(k) f (x) = , f é periódica de perı́odo 2L.
L se 0 < x < L,
½
0 se − L 6 x < 0,
(l) f (x) = , f é periódica de perı́odo 2L.
x2 se 0 < x < L.
½
x+L se − L 6 x 6 0,
(m) f (x) = , f é periódica de perı́odo 2L.
L se 0 6 x < L.

 L

 0 se − L 6 x < − ,

 2
L L
(n) f (x) = 1 se − 6 x 6 , , f é periódica de perı́odo 2L.

 2 2

 L
 0 se 6 x 6 L,
2
 c

 a (x + a)
 se − a 6 x 6 0,
(o) f (x) = 0 se a 6 |x| 6 b, , f é periódica de perı́odo 2b.

 − c (x − a)

se 0 6 x 6 a,
a

 x+b

 se − b 6 x 6 −a,
 b−a
(p) f (x) = 1 se − a 6 x 6 a, , f é periódica de perı́odo 2b.

 x−b

 − se a 6 x 6 b,
b−a
Rodney Josué Biezuner 41

Exercı́cio 1.11. Usando algum software matemático (Scilab, Maple, Matlab, etc.) ou algum pacote gráfico
Pk
(OpenGL, Java2D, etc.), plote os gráficos das somas parciais n=1 de algumas das séries de Fourier
do exercı́cio anterior para valores de k = 1, 2, 3, 5, 10, 100.
Exercı́cio 1.12. Quais são as relações entre os coeficientes de Fourier da função f e da função
(a) g(x) = f (x + c), c ∈ R?
(b) g(x) = f (x) + c, c ∈ R?
(c) g(x) = f (cx), c > 0? [Observe que se f tem perı́odo 2L, então g tem perı́odo 2L/c .]
Exercı́cio 1.13. Quais são as relações entre os coeficientes de Fourier das funções f e g e da função αf + βg,
onde α, β ∈ R?
Exercı́cio 1.14. Mostre que se f : R −→ R é uma função par [ı́mpar] diferenciável, então f 0 será ı́mpar
[par].
Exercı́cio 1.15. Existe alguma função que é ao mesmo tempo par e ı́mpar?
Exercı́cio 1.16. Usando o Teorema de Fourier, mostre que qualquer função f : R −→ R contı́nua, periódica,
diferenciável por partes, pode ser escrita como a soma de uma função par e uma função ı́mpar.
Exercı́cio 1.17. Mostre que qualquer função f : R −→ R pode ser escrita de maneira única como a soma de
uma função par e uma função ı́mpar, chamadas as suas componentes par e ı́mpar. Em outras palavras,
F = P ⊕ I.
Sugestão: se f (x) = g(x) + h(x) com g par e h ı́mpar, qual é o valor de f (−x)?
Exercı́cio 1.18. Prove a seguinte fórmula devida a Kronecker. Se f é uma função contı́nua e p é um
polinômio de grau N , então
Z
pf = pf1 − p0 f2 + p00 f3 − . . . + (−1)N p(N ) fN +1 + C,

onde C é uma constante, p, p0 , p00 , . . . , p(N ) são as primeiras N derivadas de p, f1 é uma antiderivada
de f , e para k = 1, ..., N , fk+1 é uma antiderivada de fk .
(a) Use esta fórmula para calcular as seguintes integrais para N = 1, 2, 3, 4:
Z π Z π
xN cos nx e xN sen nx.
0 0

(b) Calcule a série de Fourier para a função f de perı́odo 2π definida por f (x) = x2 se −π 6 x 6 π.
(c) Calcule a série de Fourier para a função f de perı́odo 2π definida por f (x) = x3 se −π 6 x 6 π.
(d) Calcule a série de Fourier para a função f de perı́odo 2π definida por f (x) = x4 se −π 6 x 6 π.
(e) Calcule a série de Fourier para a função f de perı́odo 2π definida por f (x) = x4 − 2π 2 x2 se −π 6 x 6 π.
Exercı́cio 1.19. Usando a série de Fourier da onda quadrada (Exemplo 1.8), mostre que
X∞ n
π 1 1 1 (−1)
= 1 − + − + ... = .
4 3 5 7 n=1
2n + 1

Esta é uma maneira rápida de calcular π? (Para responder a esta pergunta, use algum software
matemático ou desenvolva algum programa simples para calcular as somas parciais desta série.) Com-
pare a velocidade de convergência desta série com a da série obtida no Exemplo 1.4.
Rodney Josué Biezuner 42

Exercı́cio 1.20. Considere a função periódica f : R −→ R de perı́odo 2 definida no intervalo [0, 2) por
f (x) = x2 .
(a) Calcule a série de Fourier de f.
(b) Esboce o gráfico de f e o gráfico da série de Fourier de f .
(c) Usando a série de Fourier de f , prove que
X∞
π2 1 1 1 1
= 1 + 2 + 2 + 2 + ... = 2
.
6 2 3 4 n=1
n

Compare a velocidade de convergência desta série com a série do exercı́cio anterior e com a série do
Exemplo 1.4.
Exercı́cio 1.21. Mostre que para 0 < x < 2π podemos escrever
X∞ µ ¶ X∞ µ ¶
4 16π 4 2π 2 3 3 π2
x = + 16 − 4 cos nx + 16π − sen nx.
5 n=1
n2 n n=1
n3 n

A partir daı́, deduza as seguintes fórmulas:



X ∞
X ∞
X
π4 1 7π 4 (−1)n+1 π4 1
= , = , = .
90 n=1 n4 720 n=1 n4 96 n=1 (2n − 1)4

Exercı́cio 1.22. Use a série de Fourier da função do Exercı́cio 1.18 (c) para obter a seguinte série
X∞ n
π3 1 1 1 (−1)
= 1 − 3 + 3 − 3 + ... = .
32 3 5 7 n=0
(2n + 1)3

Tente calcular o valor da série


X∞
1
3
.
n=1
n
A função zeta de Riemann, de grande importância em teoria dos números, é definida para t > 1 por
X∞
1
ζ(t) = t
.
n=1
n

Usando séries de Fourier, é possı́vel calcular ζ(2n) para qualquer inteiro positivo n, como fizemos em
alguns casos acima. Por exemplo:
t 2 4 6 8 10
2 4 6 8
π π π π π 10
ζ(t)
6 90 945 9450 93555

Exercı́cio 1.23. Prove que se a ∈ R\Z, então


" ∞
#
2a sen aπ 1 X (−1)
n
cos ax = + cos nx
π 2a2 n=1 a2 − n2

para todo x ∈ [−π, π]. A partir disso, derive a seguinte fórmula devida a Euler:
X∞ n
aπ (−1)
= 1 + 2a2 .
sen aπ n=1
a 2 − n2
Rodney Josué Biezuner 43

1.4 Convergência da Série de Fourier


Nesta seção provaremos o Teorema de Fourier, entre outras coisas. Vale a pena observar antes que, embora
as hipóteses do Teorema de Fourier não sejam as mais gerais possı́veis (existem vários outros teoremas que
dão condições suficientes para a convergência da série de Fourier em um ponto, a maioria deles além do nı́vel
deste curso; veja o Exercı́cio 1.24), não basta uma função ser contı́nua em um ponto para a sua série de
Fourier convergir para o valor da função naquele ponto; na verdade continuidade em um ponto não garante
nem que a série de Fourier seja convergente no ponto. De fato, em 1873, Du Bois-Reymond deu um exemplo
de uma função contı́nua e limitada em (−π, π) cuja série de Fourier diverge na origem; três anos mais tarde,
ele produziu um exemplo de uma função contı́nua tal que em qualquer vizinhança de seu domı́nio existe pelo
menos um ponto em que sua série de Fourier diverge, ou seja, que possui um conjunto denso de pontos onde
a série de Fourier diverge. Por muito tempo não se sabia sequer se a série de Fourier de uma função contı́nua
convergia em algum ponto do seu domı́nio. Esta questão foi resolvida em 1966 por Carleson, que provou que
se f ∈ L2 (−π, π) então o conjunto de pontos onde a sua série de Fourier não converge tem medida nula. Isso
inclui funções contı́nuas limitadas, que são evidentemente quadrado-integráveis. Também no mesmo ano,
Kahane e Katznelson provaram que, dado qualquer subconjunto de medida nula S ⊂ (−π, π), existe uma
função contı́nua em (−π, π) cuja série de Fourier diverge em S, mostrando que o resultado de Carleson é o
melhor possı́vel. Fora da classe das funções quadrado-integráveis, o pior pode ocorrer: em 1926, Kolmogorov
deu um exemplo de uma função integrável (no sentido de Lebesgue) cuja série de Fourier diverge em todo
ponto. Para demonstrações avançadas destes resultados veja [7] e [9].

1.4.1 Convergência Puntual da Série de Fourier: Demonstração do Teorema de


Fourier
A demonstração do Teorema de Fourier é devida a Dirichlet (em 1829, para funções limitadas, e em 1854,
para o caso mais geral). O uso do Lema de Riemann-Lebesgue a seguir permite dar uma demonstração
muito mais curta e assimilável que a originalmente dada por Dirichlet.

Lema 1.16. (Lema de Riemann-Lebesgue, 1854) Seja f : [a, b] −→ R uma função absolutamente integrável.
Então
Z b
lim f (x) sen tx dx = 0, (1.13)
t→∞ a
Z b
lim f (x) cos tx dx = 0. (1.14)
t→∞ a

Prova. Forneceremos uma demonstração válida apenas para funções contı́nuas por partes, já que o nosso
propósito é provar o Teorema de Fourier na forma enunciada neste capı́tulo. Para uma demonstração do
lema no caso geral, veja [4]. Consideraremos apenas o primeiro limite, já que a demonstração do segundo é
completamente análoga.
Como f é contı́nua por partes em [a, b], o intervalo [a, b] pode ser subdividido em um número finito de
subintervalos tais que f é contı́nua em cada um destes subintervalos, exceto possivelmente nas extremidades.
Já que o limite da integral no intervalo [a, b] é a soma (finita) dos limites da integral em cada subintervalo,
basta provar que o limite é zero em cada um destes subintervalos. Podemos portanto assumir, sem perda
de generalidade, que f é contı́nua em [a, b], redefinindo f nos extremos se necessário (isto é, redefinindo
f (a) = f (a+) e f (b) = f (b−), pois o valor da função nas extremidades do intervalo não afeta o valor da
integral).
Rodney Josué Biezuner 44

Divida o intervalo [a, b] em n subintervalos de comprimentos iguais, através dos pontos a = x0 < x1 <
. . . < xn−1 < xn = b. Escreva
Z b X Z xi+1
n−1
f (x) sen tx dx = f (x) sen tx dx
a i=0 xi
n−1
X Z xi+1 X Z xi+1
n−1
= f (xi ) sen tx dx + [f (x) − f (xi )] sen tx dx.
i=0 xi i=0 xi

Se M = max |f |, segue que


[a,b]

¯Z ¯
¯ b
¯
¯
¯ X ¯¯Z xi+1
n−1 ¯ n−1 Z
¯ X xi+1
¯ f (x) sen tx dx ¯ 6 M ¯ sen tx dx ¯ + |f (x) − f (xi )| dx.
¯ a ¯ ¯ ¯
xi i=0 xi i=0

Temos ¯Z ¯ ¯¯ ¯ ¯
¯ xi+1 ¯ ¯ cos tx ¯xi+1 ¯¯ 1 2
¯ sen tx dx¯¯ = ¯ ¯ ¯ = |cos txi+1 − cos txi | 6 .
¯ ¯ t ¯xi ¯ t t
xi

Além disso, se mi = min f e Mi = max f , podemos escrever


[xi ,xi+1 ] [xi ,xi+1 ]

X Z xi+1
n−1 n−1
X Z xi+1 n−1
X
|f (x) − f (xi )| dx 6 (Mi − mi ) dx = (Mi − mi )(xi+1 − xi )
i=0 xi i=0 xi i=0
n−1
X n−1
X
= Mi (xi+1 − xi ) − mi (xi+1 − xi ),
i=0 i=0

ou seja, a diferença entre a soma superior e a soma inferior de Riemann na partição [a, x1 , . . . , xn−1 , b]. Como
f é integrável em [a, b] (pois é contı́nua em [a, b]), tanto a soma superior quanto a soma inferior convergem
para o valor da integral de f em [a, b], à medida que tomamos partições do intervalo [a, b] com subintervalos
de comprimento cada vez menor, ou seja, um número n de pontos cada vez maior. Assim, dado qualquer
ε > 0 arbitrário, por menor que seja, podemos sempre encontrar n suficientemente grande para que tenhamos

X Z xi+1
n−1
|f (x) − f (xi )| dx 6 ε.
i=0 xi

Portanto, obtemos ¯Z ¯
¯ b ¯ 2nM
¯ ¯
¯ f (x) sen tx dx¯ 6 + ε.
¯ a ¯ t
Fazendo t → ∞, concluı́mos que ¯Z ¯
¯ b ¯
¯ ¯
¯ f (x) sen tx dx¯ 6 ε.
¯ a ¯
Como ε é arbitrário, temos que ter necessariamente
Z b
f (x) sen tx dx = 0.
a

¥
Rodney Josué Biezuner 45

Usando a identidade trigonométrica cos(a−b) = cos a cos b+sen a sen b, a soma parcial da série de Fourier
n µ ¶
a0 X kπx kπx
Sn (x) = + ak cos + bk sen
2 L L
k=1
Z L " n µ ¶#
1 1 X kπx kπt kπx kπt
= f (t) + cos cos + sen sen dt
L −L 2 L L L L
k=1

pode ser reescrita na forma integral e compacta


Z " n
#
1 L
1 X kπ(x − t)
Sn (x) = f (t) + cos dt. (1.15)
L −L 2 L
k=1

Definição. A função à !
n
1 1 X kπx
Dn (x) = + cos (1.16)
L 2 L
k=1

é chamada o núcleo de Dirichlet.

O núcleo de Dirichlet é uma função par, contı́nua e periódica de perı́odo 2L. Além disso,
Z L
Dn (x) dx = 1, (1.17)
−L
µ ¶
1 1
Dn (0) = n+ .
L 2
Para os nossos propósitos, a seguinte expressão compacta para o núcleo de Dirichlet (que não envolve uma
somatória) será extremamente útil:

Lema 1.17. Se x 6= 2kL, k ∈ Z, então

(n + 1/2)πx
1 sen L
Dn (x) = πx . (1.18)
2L sen
2L

Prova. Temos à !
n
X n
X
ikθ
1+ cos kθ = Re 1 + e .
k=1 k=1

Por outro lado, se z 6= 1, temos


1 − z n+1
1 + z + . . . + zn = ,
1−z
logo
n
X 1 − ei(n+1)θ
1+ eikθ =
1 − eiθ
k=1
Rodney Josué Biezuner 46

para θ 6= 2kπ, k ∈ Z. Portanto, nestas condições,


n
X 1 − ei(n+1)θ eiθ/2 (e−iθ/2 − ei(n+1/2)θ ) e−iθ/2 − ei(n+1/2)θ
1+ cos kθ = Re = Re = Re ,
1 − eiθ eiθ/2 (e−iθ/2 − eiθ/2 ) e−iθ/2 − eiθ/2
k=1
cos θ2 − i sen θ2 − cos(n + 12 )θ − i sen(n + 12 )θ
= Re
−2i sen θ2
i cos θ2 + sen θ2 − i cos(n + 12 )θ + sen(n + 12 )θ
= Re
2 sen θ2
sen θ2 + sen(n + 12 )θ
=
2 sen θ2
1 1 sen(n + 12 )θ
= + .
2 2 sen θ2

A identidade que acabamos de obter, isto é,


µ ¶
1
n sen n + θ
1 X 1 2
+ cos kθ = , (1.19)
2 2 θ
k=1 sen
2
é chamada a identidade trigonométrica de Lagrange e é válida para θ 6= 2kπ, k ∈ Z (veja outra maneira de
πx
obtê-la no Exercı́cio 1.23). Tomando θ = obtemos o resultado desejado. ¥
L
Pela definição do núcleo de Dirichlet, podemos escrever as somas parciais na forma
Z L
Sn (x) = f (t)Dn (x − t) dt. (1.20)
−L

Fazendo a mudança de variáveis s = x − t, segue que


Z x−L Z x+L
Sn (x) = − f (x − s)Dn (s) ds = f (x − s)Dn (s) ds,
x+L x−L

donde Z L
Sn (x) = f (x − s)Dn (s) ds, (1.21)
−L

pois ambas f e Dn tem perı́odo comum 2L, logo o seu produto é uma função periódica de perı́odo 2L e o
valor da sua integral sobre qualquer intervalo de comprimento 2L é o mesmo. Por outro lado, usando o fato
que Dn é uma função par, podemos escrever
Z 0 Z 0 Z L
f (x − s)Dn (s) ds = − f (x + s)Dn (−s) ds = f (x + s)Dn (s) ds,
−L L 0

donde Z L
Sn (x) = [f (x + s) + f (x − s)]Dn (s) ds. (1.22)
0
Usaremos esta expressão para as somas parciais e o Lema 1.17 para obter um teste que dará condições
suficientes para que a série de Fourier de uma função convirja para a média dos seus limites laterais:
Rodney Josué Biezuner 47

Teorema 1.18. (Teste de Dini, 1880) Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, absolutamente
integrável em [−L, L]. Fixado x ∈ [−L, L], se existem os limites laterais f (x+), f (x−) e existe δ0 > 0
tal que
Z δ0 ¯ ¯
¯ [f (x + s) − f (x+)] + [f (x − s) − f (x−)] ¯
¯ ¯ ds < ∞, (1.23)
¯ s ¯
0
então
f (x+) + f (x−)
Sn (x) → .
2
Prova. Mais uma vez, provaremos o resultado apenas para funções contı́nuas por partes. Denote

g(x, s) = [f (x + s) − f (x+)] + [f (x − s) − f (x−)].


g(x, s)
Por hipótese, fixado x, existe δ0 > 0 tal que ∈ L1 ([0, δ0 ]). Usando o fato que
s
Z L Z L
1= Dn (x) dx = 2 Dn (s) ds,
−L 0

podemos escrever
Z L Z L
f (x+) + f (x−)
Sn (x) − = [f (x + s) + f (x − s)]Dn (s) ds − [f (x+) + f (x−)]Dn (s) ds
2 0 0
Z L
= g(x, s)Dn (s) ds.
0

Em seguida, para qualquer 0 < δ < δ0 , decompomos


Z L Z δ Z L
g(x, s)Dn (s) ds = g(x, s)Dn (s) ds + g(x, s)Dn (s) ds,
0 0 δ

de modo que, usando o Lema 1.17, temos


Z δ Z L
f (x+) + f (x−) g(x, s) 1 (n + 1/2)πs g(x, s)
Sn (x) − = sDn (s) ds + sen πs ds. (1.24)
2 0 s 2L δ L sen
2L
A segunda integral em (1.24) torna-se arbitrariamente pequena quando n → ∞ pelo lema de Riemann-
Lebesgue aplicado à função contı́nua por partes (note que o denominador nunca se anula no intervalo [δ, L])
g(x, s)
πs .
sen
2L
Podemos fazer com que a primeira integral de (1.24) fique arbitrariamente pequena, independente de n,
escolhendo δ > 0 suficientemente pequeno. De fato, pelo Lema 1.17 temos
¯ ¯
¯ (n + 1/2)πx ¯
¯
1 ¯ sen ¯ 1 1
L ¯ ¯ ¯.
|Dn (s)| = ¯ πx ¯6
2L ¯ sen ¯ 2L ¯sen πx ¯¯
¯
¯ 2L ¯ 2L
Daı́, podemos estimar
¯Z ¯ Z ¯ ¯ Z δ ¯ ¯
¯ δ g(x, s) ¯¯ δ ¯ g(x, s) ¯ ¯ g(x, s) ¯
¯
sDn (s) ds¯ 6 ¯
s |Dn (s)| ¯ ¯ ds 6 1 s ¯ ¯
¯
¯ 0 s ¯ s ¯ 2L 0 sen πs ¯ s ¯ ds.
0
2L
Rodney Josué Biezuner 48

Agora, observe que a função


s
h(s) = πs
sen
2L
é contı́nua no intervalo (0, L] e existe o limite lateral direito em 0, porque pela regra de L’Hôpital
s 1 2L
h(0+) = lim πs = s→0+
lim π πs = π ,
s→0+
sen cos
2L 2L 2L
2L
de modo que se definirmos h(0) = , h será contı́nua no intervalo [0, L]; além disso, h é crescente neste
π
intervalo, pois
πs πs πs
sen − cos
0
h (s) = 2L 2L 2L > 0
πs
sen2
2L
pois tan y > y para y ∈ [0, π/2). Segue que o valor máximo de h no intervalo [0, L] é atingido em s = L,
onde h tem valor exatamente igual a L, e portanto
s
πs 6 L para todo s ∈ [0, L].
sen
2L
Logo, ¯Z ¯
¯ δ Z ¯ ¯
¯ g(x, s) ¯¯ 1 δ ¯¯ g(x, s) ¯¯
¯ sDn (s) ds¯ 6 ds.
¯ 0 s ¯ 2 0 ¯ s ¯
g(x, s)
Assim, como é absolutamente integrável em [0, δ0 ], se δ > 0 é escolhido suficientemente pequeno
s
podemos garantir que ¯Z ¯
¯ δ g(x, s) ¯¯
¯
¯ sDn (s) ds¯ 6 ε
¯ 0 s ¯
qualquer que seja ε > 0 dado. ¥
Agora estamos em condições de aplicar o teste de Dini para facilmente provar o Teorema de Fourier:
Prova do Teorema de Fourier. Se f é contı́nua por partes em [−L, L], então em particular os limites
laterais existem para todo x ∈ [−L, L]. Além disso, se f 0 também é contı́nua por partes em [−L, L], então
as derivadas laterais em x existem para todo x ∈ [−L, L]:
f (x + s) − f (x+)
lim = f 0 (x+),
s→0 s
f (x − s) − f (x−)
lim = f 0 (x−),
s→0 s
e portanto a integral
Z δ
[f (x + s) − f (x+)] + [f (x − s) − f (x−)]
ds
0 s
é finita para algum δ > 0 suficientemente pequeno. ¥

1.4.2 Diferenciação e Integração Termo a Termo da Série de Fourier


Quando formos resolver equações diferenciais parciais através de séries de Fourier, será importante diferenciar
as séries de Fourier termo a termo (por exemplo, precisaremos calcular ut e uxx para o candidato à solução
da equação do calor obtido na Introdução para verificar se ut = Kuxx ), portanto é necessário saber em que
condições isso pode ser feito (o resultado a seguir é um caso especial da Proposição 1.9):
Rodney Josué Biezuner 49

Teorema 1.19. (Diferenciação Termo a Termo da Série de Fourier) Seja f : R −→ R uma função periódica
de perı́odo 2L, tal que f é contı́nua em R e f 0 é contı́nua por partes, de modo que vale o Teorema de
Fourier e a série de Fourier de f é dada por

a0 X ³ nπx ´

nπx
f (x) = + an cos + bn sen .
2 n=1
L L

Então a série de Fourier de f 0 é a série obtida derivando termo a termo a série de Fourier de f :
∞ ³
X nπ nπx nπ nπx ´
− an sen + bn cos .
n=1
L L L L

Prova: Como f 0 é contı́nua por partes, em particular é absolutamente integrável, logo seus coeficientes de
Fourier estão bem definidos. Seja

A0 X ³ nπx ´

nπx
+ An cos + Bn sen
2 n=1
L L

a série de Fourier (formal, se não convergir) de f 0 . Para provar o teorema, basta provar que

A0 = 0,

An = bn ,
L

Bn = − an .
L
Pelo Teorema Fundamental do Cálculo, temos
Z L
1 1
A0 = f 0 (x) dx = (f (L) − f (−L)) = 0,
L −L L

porque f tem perı́odo 2L, logo f (L) = f (−L). Assumindo, para simplificar a demonstração, que f 0 é
contı́nua, podemos integrar por partes para obter os outros coeficientes:
Z " Z #
1 L 0 nπx 1 nπx ¯¯L nπ L nπx
An = f (x) cos dx = f (x) cos ¯ + f (x) sen dx
L −L L L L −L L −L L
" Z #
1 nπ 1 L nπx
= (f (L) cos nπ − f (−L) cos(−nπ)) + f (x) sen dx
L L L −L L

= bn .
L

Z " Z #
1 L
0 nπx 1 nπx ¯¯L nπ L nπx
Bn = f (x) sen dx = f (x) sen ¯ − f (x) cos dx
L −L L L L −L L −L L
" Z #
nπ 1 L nπx
=− f (x) cos dx
L L −L L

= − an .
L
¥
Rodney Josué Biezuner 50

Exemplo 1.20. Se f é descontı́nua, então a conclusão deste teorema falha: mesmo que f possua uma série
de Fourier que convirja para f em seus pontos de continuidade, não podemos derivar a série de Fourier
de f termo a termo para encontrar a série de Fourier de f 0 . Por exemplo, se f : R −→ R é a onda em
dente de serra, isto é, a função periódica de perı́odo 2L definida no intervalo fechado [−L, L] por
½
x se − L < x < L,
f (x) =
0 se x = L, −L,

então a série de Fourier de f é a série de senos dada por



2L X (−1)n+1 nπx
f (x) = sen ,
π n=1 n L

como vimos no Exemplo 1.14. Como f 0 satisfaz também as hipóteses do Teorema de Fourier, sabemos
que f 0 também possui uma série de Fourier que converge para f 0 nos pontos de continuidade e para a
média dos limites laterais nos pontos de descontinuidade. No entanto, como f não é contı́nua, ocorre
que esta série de Fourier não pode ser obtida através da derivação termo a termo da série de Fourier
de f . De fato, a derivada termo a termo da série de Fourier de f

X nπx
2 (−1)n+1 cos
n=1
L

não é nem mesmo uma série convergente em nenhum ponto, divergindo tanto nos pontos de descon-
tinuidade como em pontos de continuidade de f . Por exemplo, no ponto x = 0, a série é

X
2 (−1)n+1 = 2(1 − 1 + 1 − 1 + ...)
n=1

que oscila entre os valores 2 e 0, enquanto que no ponto x = L, a série é



X
2 (−1)n+1 = 2(−1 + 1 − 1 + 1 − ...)
n=1

que oscila entre os valores −2 e 0. Em geral, a série diverge em qualquer ponto porque

lim cos nx 6= 0
n→∞

para todo x ∈ R. Para provar isso, suponha por absurdo que lim cos nx = 0 para algum x. Isso
n→∞
³ ´2
implica evidentemente que lim cos nx = 0 também, pois lim cos2 nx = lim cos nx . Também
2
n→∞ n→∞ n→∞
segue que lim cos 2nx = 0, pois {cos 2nx} é uma subseqüência de {cos nx}. Mas então, tomando o
n→∞
limite quando n → ∞ em ambos os lados da identidade trigonométrica
1 + cos 2nx
cos2 nx = ,
2
obteremos o absurdo 0 = 1/2. Isso prova que lim cos nx 6= 0 para todo x ∈ R e portanto a série
n→∞
diverge em todos os pontos.
Podemos calcular a série de Fourier de f 0 diretamente a partir da definição de f 0 : temos que f 0 (x) = 1
se −L < x < L, f 0 não está definida nos pontos múltiplos de L (mas podemos redefinir nestes pontos
Rodney Josué Biezuner 51

como valendo 1) e é periódica de perı́odo 2L, logo seus coeficientes de Fourier (note que f 0 é par) são
Z Z
1 2L 1 2L
a0 = f (x) dx = dx = 2,
L 0 L 0
Z
1 2L nπx
an = cos dx = 0,
L 0 L
bn = 0,
e sua série de Fourier é, portanto,
f 0 (x) ≡ 1.
Poderı́amos ter chegado a este resultado imediatamente, sem precisar de calcular os coeficientes de
Fourier de f 0 , porque a série de Fourier de uma função definida na reta é única. ¤
No caso da questão de se é permitido integrar termo a termo a série de Fourier de f , as hipóteses sobre
f para que isso seja possı́vel são muito mais fracas. Podemos integrar a série de Fourier de f termo a
termo para obter a integral de f mesmo quando a série de Fourier de f não converge uniformemente para
f . De fato, podemos integrar a série de Fourier de f mesmo quando a série de Fourier de f não converge
pontualmente para f , e mesmo quando ela não é uma série convergente! Para mostrarmos isso, vamos provar
rigorosamente o resultado intuitivamente óbvio que a integral de uma função periódica de perı́odo T tem o
mesmo valor em qualquer intervalo de comprimento T :
Proposição 1.21. Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo T . Então, para qualquer a ∈ R vale
Z T Z a+T
f (x) dx = f (x) dx.
0 a

Prova: Definindo uma função F : R −→ R por


Z a+T
F (a) = f (x) dx,
a

basta provar que F é constante, pois isso implicará que F (0) = F (a) para todo a ∈ R. Para isso, mostraremos
que F 0 ≡ 0. De fato, escrevendo
Z 0 Z a+T Z a Z a+T
F (a) = f (x) dx + f (x) dx = − f (x) dx + f (x) dx
a 0 0 0

segue do teorema fundamental do cálculo que


F 0 (a) = −f (a) + f (a + T ) = 0.
¥
Teorema 1.22. (Integração Termo a Termo da Série de Fourier) Seja f : R −→ R uma função periódica de
perı́odo 2L, tal que f é contı́nua por partes. Então, mesmo se a série de Fourier de f

a0 X ³ nπx ´

nπx
+ an cos + bn sen
2 n=1
L L

não for convergente, ainda assim temos


Z t ∞ · µ ¶¸
a0 L X an nπt bn nπt
f (x) dx = t + sen − cos −1
0 2 π n=1 n L n L

para todo t ∈ R.
Rodney Josué Biezuner 52

Prova: Defina Z th
a0 i
F (t) = f (x) − dx.
0 2
Em primeiro lugar, vamos verificar que F satisfaz as hipóteses do Teorema de Fourier. De fato, F é periódica
de perı́odo 2L, pois
Z t+2L h Z th Z t+2L h
a0 i a0 i a0 i
F (t + 2L) = f (x) − dx = f (x) − dx + f (x) − dx
0 2 0 2 t 2
Z t+2L h
a0 i
= F (t) + f (x) − dx
t 2
e
Z Z t+2L Z Z t+2L Ã Z !
t+2L h a0 i a0 t+2L 1 1 L
f (x) − dx = f (x) dx − dx = f (x) dx − f (x) dx 2L
t 2 t 2 t t 2 L −L
Z L Z L
= f (x) dx − f (x) dx = 0.
−L −L

Além disso, F é contı́nua na reta toda, pois é a integral de uma função contı́nua por partes, e F 0 = f é
contı́nua por partes por hipótese. Portanto, F possui uma série de Fourier que converge para F em todo
ponto:
∞ µ ¶
A0 X nπt nπt
F (t) = + An cos + Bn sen .
2 n=1
L L
Calculando os coeficientes da série de Fourier de F , através de integração por partes obtemos
Z " ¯L Z L #
1 L nπt 1 L nπt ¯¯ L 0 nπt
An = F (t) cos dt = F (t) sen − F (t) sen dt
L −L L L nπ L ¯−L nπ −L L
"Z # " Z #
L ³
1 a0 ´ nπx 1 a0 L nπx
=− f (t) − sen dt = − Lbn − sen dt
nπ −L 2 L nπ 2 −L L
L
=− bn ,

Z " ¯L Z L #
L
1 nπt 1 L nπt ¯¯ L 0 nπt
Bn = F (t) sen dt = − F (t) cos + F (t) cos dt
L −L L L nπ L ¯−L nπ −L L
"Z # " Z #
L ³
1 a0 ´ nπx 1 a0 L nπx
= f (t) − cos dt = Lan − cos dt
nπ −L 2 L nπ 2 −L L
L
= an .

Falta calcular A0 . Para isso, notamos que da definição de F segue que F (0) = 0, logo
X∞ ∞
A0 L X bn
=− An = .
2 n=1
π n=1 n

Assim,
Z th ∞ µ ¶
a0 i

L X bn LX bn nπt an nπt
f (x) − dx = + − cos + sen ,
0 2 π n=1 n π n=1 n L n L
Rodney Josué Biezuner 53

donde
Z Z ∞ ∞ µ ¶
t
a0 t
L X bn LX bn nπt an nπt
f (x) dx = dx + + − cos + sen
0 0 2 π n=1 n π n=1 n L n L
∞ · µ ¶¸
a0 L X an nπt bn nπt
= t+ sen − cos −1
2 π n=1 n L n L

como desejado. ¥

Exemplo 1.23. A demonstração do teorema anterior produz como conseqüência não-intencional um teste
para determinar que uma determinada série trigonométrica não pode ser a série de Fourier de nenhuma
função contı́nua por partes. De fato, provamos lá que
Z
π th a0 i
X∞
bn
= f (x) − dx,
n=1
n L 0 2

o que significa em particular que a série


X∞
bn
n=1
n
converge. Assim, por exemplo, a série trigonométrica

X 1
sen nx
n=2
log n

não pode ser a série de Fourier de uma função contı́nua por partes porque a série
X∞ X∞
bn 1
=
n=1
n n=2
n log n

diverge (este exemplo foi dado por Fatou em 1906). ¤

1.4.3 Desigualdade de Bessel


Queremos agora estudar como as somas parciais da série de Fourier aproximam a função. Como conseqüência,
obteremos uma desigualdade que será importante no estabelecimento da convergência uniforme da série de
Fourier na próxima seção.

Definição. Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, quadrado-integrável no intervalo [−L, L].
O erro quadrático médio na aproximação de f pelas somas parciais da sua série de Fourier é definido
por
Z L
1 2
En = |f (x) − Sn (x)| dx. (1.25)
2L −L
2
Observe que En nada mais é que a média dos quadrados dos erros |f (x) − Sn (x)| sobre o intervalo [−L, L],
daı́ o nome.

Teorema 1.24. Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, quadrado-integrável no intervalo
[−L, L]. Então
Z L n
1 2 a2 1 X¡ 2 ¢
En = |f (x)| dx − 0 − ak + b2k . (1.26)
2L −L 4 2
k=1
Rodney Josué Biezuner 54

Prova: Temos
Z L
1 2
En = |f (x) − Sn (x)| dx
2L −L
Z L Z L Z L
1 12 1 2
= |f (x)| dx − f (x)Sn (x) dx + |Sn (x)| dx.
2L −L L −L 2L −L

Para obter o resultado, observe que a segunda integral é


Z Z " n µ ¶#
1 L 1 L a0 X kπx kπx
f (x)Sn (x) dx = f (x) + ak cos + bk sen dx
L −L L −L 2 L L
k=1
Z n
à Z Z !
a0 1 L X 1 L kπx 1 L kπx
= f (x) dx + ak f (x) cos dx + bk f (x) sen dx
2 L −L L −L L L −L L
k=1
n
a2 X ¡ 2 ¢
= 0+ ak + b2k ,
2
k=1

enquanto que a terceira integral é, usando as relações de ortogonalidade,


Z Z " n µ ¶#2
1 L
2 1 L
a0 X kπx kπx
|Sn (x)| dx = + ak cos + bk sen dx
2L −L 2L −L 2 L L
k=1
Z n
à Z L Z L !
1 L
a20 X 1 kπx 1 kπx
= dx + a2k cos2 dx + b2k sen2 dx
2L −L 4 2L −L L 2L −L L
k=1
n
1 X¡ 2
a20 ¢
= + ak + b2k .
4 2
k=1

¥
Pode-se provar que, dentre os polinômios trigonométricos, as somas parciais da série de Fourier de uma
função são aquelas que minimizam o erro quadrático médio (veja o Exercı́cio 1.27).

Corolário 1.25. (Desigualdade de Bessel) Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, quadrado-
integrável no intervalo [−L, L]. Então
∞ Z
a20 X ¡ 2 ¢ 1 L
2
+ an + b2n 6 |f (x)| dx. (1.27)
2 n=1
L −L

Prova: Segue diretamente do teorema anterior, lembrando que En > 0 por definição e tomando o limite
quando n → ∞. ¥
Em particular, este resultado mostra que os coeficientes de Fourier de uma função quadrado-integrável são
quadrado-somáveis, isto é,

a20 X ¡ 2 ¢
+ an + b2n < ∞.
2 n=1
P∞ P∞
Em geral, nós não temos n=1 an < ∞ ou n=1 bn < ∞ (veja, por exemplo, os coeficientes de Fourier da
função do Exemplo 1.14).
Mais tarde, veremos que a desigualdade de Bessel é uma identidade, a identidade de Parseval.
Rodney Josué Biezuner 55

1.4.4 Convergência Uniforme da Série de Fourier


Para estabelecer que as soluções das equações diferenciais parciais construı́das a partir de séries de Fourier,
como aquela da equação do calor na Introdução, de fato satisfazem as condições de continuidade e diferencia-
bilidade (por exemplo, ser de classe C 2 na variável x) precisaremos de um conceito mais forte de convergência
do que a convergência puntual.
Definição. Seja (fn )n∈N uma seqüência de funções reais definidas em um conjunto X. Dizemos que a
seqüência (fn ) converge uniformemente para a função f em X, e escrevemos fn → f uniformemente
em X, se dado ε > 0 existe n0 ∈ N tal que se n > n0 então
|fn (x) − f (x)| < ε para todo x ∈ X. (1.28)
P

Dizemos que a série fn de funções reais definidas em um conjunto X converge uniformemente
n=1
P

para a função f em X, e escrevemos fn → f uniformemente em X, se a seqüência de somas parciais
n=1
da série converge uniformemente para f .
Se uma seqüência de funções contı́nuas converge puntualmente para uma função f , a função f não precisa ser
contı́nua (considere, por exemplo, a seqüência fn (x) = x1/n no intervalo [0, 1], que converge puntualmente
para a função f definida por f (x) = 1 se x ∈ (0, 1] e f (0) = 0. Se a convergência for uniforme, no entanto,
a função limite é necessariamente contı́nua:
Teorema 1.26. Se (fn )n∈N é uma seqüência de funções reais contı́nuas definidas em um conjunto X ⊂ R
tal que fn → f uniformemente em X, então f é contı́nua.
Prova: Fixe x0 ∈ X. Dado ε > 0, existe N ∈ N tal que
ε
|fN (x) − f (x)| < para todo x ∈ X.
3
Como fN é contı́nua em x0 , existe δ > 0 tal que se |x − x0 | < δ então
ε
|fN (x) − fN (x0 )| < .
3
Portanto, se |x − x0 | < δ, segue que
ε ε ε
|f (x) − f (x0 )| 6 |f (x) − fN (x)| + |fN (x) − fN (x0 )| + |fN (x0 ) − f (x0 )| < + + = ε.
3 3 3
¥
P

Corolário 1.27. Se fn é uma série de funções reais contı́nuas definidas em um conjunto X ⊂ R tal
n=1
P

que fn → f uniformemente em X, então f é contı́nua.
n=1

Prova: Segue imediatamente do teorema anterior porque cada soma parcial de funções contı́nuas é uma
função contı́nua. ¥
Um teste usualmente fácil de aplicar para estabelecer que uma série converge uniformemente é o teste-M
de Weierstrass:
P

Teorema 1.28. (Teste-M de Weierstrass) Seja fn uma série de funções reais definidas em um conjunto
n=1
X. Suponha que para cada n ∈ N existe Mn > 0 tal que
|fn (x)| 6 Mn para todo x ∈ X
P
∞ P

e a série Mn converge. Então fn converge uniformemente.
n=1 n=1
Rodney Josué Biezuner 56

P

Prova: Para cada x ∈ X, a série fn (x) converge absolutamente pelo teste da comparação. Logo
n=1
podemos definir uma função real f : X −→ R por

X
f (x) = fn (x).
n=1

P

Vamos provar que fn → f uniformemente em X. Para todo x ∈ X, escreva
n=1
¯ ¯ ¯ ∞ ¯
¯ k
X ¯ ¯ X ¯ ∞
X ∞
X
¯ ¯ ¯ ¯
¯f (x) − fk (x)¯ = ¯ fn (x)¯ 6 | fn (x)| 6 Mn .
¯ ¯ ¯ ¯
n=1 n=k+1 n=k+1 n=k+1

P
∞ P

Como a série Mn é convergente, dado ε > 0 existe k0 ∈ N tal que se k > k0 então Mn < ε. ¥
n=1 n=k0 +1
Vale a pena observar, no entanto, que existem séries uniformemente convergentes que não satisfazem o
teste-M de Weierstrass.

Teorema 1.29. (Convergência Uniforme da Série de Fourier) Seja f : R −→ R uma função periódica de
perı́odo 2L, tal que f é contı́nua em R e f 0 é contı́nua por partes. Então a série de Fourier de f
converge uniformemente em R.

Prova: Vamos estabelecer a convergência uniforme da série de Fourier de f

a0 X ³ nπx ´

nπx
+ an cos + bn sen
2 n=1
L L

através do teste-M de Weierstrass. Basta provar que para todo n existe Mn > 0 tal que
¯ nπx nπx ¯¯
¯
¯an cos + bn sen ¯ 6 Mn
L L
P

e a série Mn é convergente.
n=1
De fato, usando a desigualdade 2AB 6 A2 + B 2 , temos que
¯ nπx nπx ¯¯2 nπx nπx nπx nπx
¯
¯an cos + bn sen ¯ = a2n cos2 + 2an cos bn sen + b2n sen2
L L L L L L
2 2 nπx 2 2 nπx
6 2an cos + 2bn sen
¡ 2 L
¢ L
6 2 an + b2n ,

e daı́, mais uma vez usando a desigualdade 2AB 6 A2 + B 2 , segue que


¯ nπx nπx ¯¯ √ p 2 1p 2 2
¯
¯an cos + bn sen ¯ 6 2 an + b2n < 2 n (an + b2n )
L L n
1 ¡ ¢
6 2 + n2 a2n + b2n .
n
P∞ 1
Como a série 2
é convergente, para terminar a demonstração do teorema falta apenas provar que
n=1 n


X ¡ ¢
n2 a2n + b2n
n=1
Rodney Josué Biezuner 57

é convergente. Pela Proposição 1.9, os coeficientes de f 0 são exatamente


nπ nπ
a0n = bn e b0n = − an .
L L
Logo, o resultado segue aplicando a desigualdade de Bessel a f 0 :

X ∞ h i Z
¡ ¢ L2 X 2 2 L L 0 2
n2 a2n + b2n = 2 (a0n ) + (b0n ) 6 2 |f (x)| dx.
n=1
π n=1
π −L

1.4.5 Identidade de Parseval


Ao invés de considerarmos as somas parciais da série de Fourier, vamos aproximar a função através das
médias aritméticas das somas parciais. O conceito de se tomar as médias aritméticas de somas parciais
foi introduzido por Frobenius em 1880 no estudo de séries de potências. A utilidade do conceito está na
existência de séries divergentes tais que as médias aritméticas de suas somas parciais formam uma seqüência
convergente (enquanto que as seqüências formadas pelas médias aritméticas das somas parciais de séries
convergentes certamente são convergentes, com o limite da seqüência sendo igual ao limite da série); tais
séries são chamadas Cesàro-somáveis.
P
n
Exemplo 1.30. A série (−1)n+1 é divergente (oscila entre 0 e 1), mas a seqüência das médias aritméticas
k=1
de suas somas parciais é a seqüência (σn ) definida por
n n
σ2n−1 = e σ2n = ,
2n − 1 2n
que converge para 1/2. Portanto, a série é Cesàro-somável. ¤

Em 1904, Féjer provou que a série de Fourier de uma função contı́nua por partes é Cesàro-somável (já
vimos que a série de Fourier de uma função apenas contı́nua não precisa ser convergente). O resultado
de Féjer será uma ferramenta importante na demonstração da identidade de Parseval, além de servir para
provar outros resultados sobre séries de Fourier. As médias aritméticas das somas parciais da série de Fourier
receberam o nome de somas de Féjer :

Definição. Denote por


a0
S0 (x) = ,
2
n µ ¶
a0 X kπx kπx
Sn (x) = + ak cos + bk sen ,
2 L L
k=1

as somas parciais da série de Fourier de uma função f . Definimos as somas de Féjer por
n
1 X
σn (x) = Sk (x). (1.29)
n+1
k=0

Lembrando que as somas parciais da série de Fourier podem ser escritas na forma
Z L
Sn (x) = f (t)Dn (x − t) dt,
−L
Rodney Josué Biezuner 58

onde Dn é o núcleo de Dirichlet (definimos D0 ≡ 1 para abranjer também o caso n = 0), obtemos a seguinte
expressão para as somas de Féjer:
n Z Z L " n
#
1 X L 1 X
σn (x) = f (t)Dk (x − t) dt = f (t) Dk (x − t) dt.
n+1 −L −L n+1
k=0 k=0

Isso sugere definir o núcleo de Féjer:


n
1 X
Fn (x) = Dk (x). (1.30)
n+1
k=0

Lema 1.31. O núcleo de Féjer é uma função par, contı́nua, periódica de perı́odo 2L que satisfaz as seguintes
propriedades adicionais:
 2
(n + 1)πx
1 sen
 2L 
Fn (x) =  πx  (1.31)
2L (n + 1) sen
2L
para x 6= 2kL, k ∈ Z,
Z L
Fn (t) dt = 1 (1.32)
−L
e
n+1
Fn (0) = .
2L
Prova: Demonstraremos apenas a primeira identidade já que as outras identidades e demais propriedades do
núcleo de Féjer seguem diretamente da definição e das correspondentes propriedades do núcleo de Dirichlet.
Pelo Lema 1.17, temos
n
X
1 (k + 1/2)πx
Fn (x) = πx sen .
2L (n + 1) sen L
k=0
2L
Para calcular
n
X (k + 1/2)πx
sen ,
L
k=0

observamos que para θ 6= 2kπ, k ∈ Z temos


n µ ¶ n
à n
! µ ¶
X 1 X X θ 1 − e
i(n+1)θ
i(k+ 12 )θ i θ2 ikθ
sen k + θ = Im e = Im e e = Im ei 2 .
2 1 − eiθ
k=0 k=0 k=0

(a última igualdade segue como no Lema 1.17). Daı́,


µ i(n+1)θ

i θ2 1 − e 1 − ei(n+1)θ 1 − cos(n + 1)θ − i sen(n + 1)θ
Im e = Im = Im ,
1 − eiθ e−iθ/2 − eiθ/2 θ
−2i sen
2
i − i cos(n + 1)θ + sen(n + 1)θ 1 − cos(n + 1)θ
= Im =
θ θ
2 sen 2 sen
2 2
(n + 1)θ
sen2
= 2 .
θ
sen
2
Rodney Josué Biezuner 59

πx
Tomando θ = , segue que
L
 2
(n + 1)πx (n + 1)πx
1 sen2 1 sen
2L  2L 
Fn (x) = πx πx =  πx  .
2L (n + 1) sen sen 2L (n + 1) sen
2L 2L 2L
¥

Teorema 1.32. (Teorema de Féjer) Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, limitada e
integrável no intervalo [−L, L]. Então, se os limites laterais f (x+), f (x−) existem para todo ponto
x ∈ R, a seqüência de somas de Féjer converge para a média dos limites laterais em todo ponto x.

f (x+) + f (x−)
σn (x) → .
2
Em particular, se f é contı́nua em x, então σn (x) → f (x).
Além disso, se f é contı́nua, a convergência é uniforme.

Prova: Usando a expressão (obtida logo antes da demonstração do Teorema 1.18)


Z L
Sn (x) = [f (x + s) + f (x − s)]Dn (s) ds
0

e a definição do núcleo de Féjer, obtemos


Z L
σn (x) = [f (x + s) + f (x − s)]Fn (s) ds. (1.33)
0

Daı́, como
Z L Z L
1= Fn (x) dx = 2 Fn (s) ds,
−L 0

temos (como no Lema 1.17)


Z L Z L
f (x+) + f (x−)
σn (x) − = [f (x + s) + f (x − s)]Fn (s) ds − [f (x+) + f (x−)]Fn (s) ds
2 0 0
Z L
= g(x, s)Fn (s) ds,
0

onde, para simplificar a notação, definimos

g(x, s) = f (x + s) − f (x+) + f (x − s) − f (x−).

A existência de f (x+) e f (x−) significa que, dado ε > 0, existe δ = δ(x) > 0 tal que se 0 < s < δ temos
ε ε
|f (x + s) − f (x+)| < e |f (x − s) − f (x−)| < ,
2 2
ou seja,
|g(x, s)| < ε.
Além disso, como f é limitada, temos que
|g(x, s)| < M
Rodney Josué Biezuner 60

se δ < s < L, para alguma constante M > 0. Portanto (observe os paralelos com a demonstração do Lema
1.17),
¯ ¯ Z L
¯ ¯
¯σn (x) − f (x+) + f (x−) ¯ 6 |g(x, s)| Fn (s) ds
¯ 2 ¯
0
Z δ Z L
<ε Fn (s) ds + M Fn (s) ds
0 δ
Z L
6ε+M Fn (s) ds.
δ

Para terminar, basta provar que


Z L
Fn (s) ds → 0 quando n → ∞.
δ

Para isso, observe que, pelo Lema 1.31,


¯Z ¯ Z L
¯ L ¯ 1 1 L−δ 1
¯ ¯
¯ F (s) ds¯ 6 ds < →0
¯ δ n ¯ 2L (n + 1) δ πδ πδ n + 1
sen2 2L sen2
2L 2L
quando n → ∞.
Finalmente, se f é contı́nua, então em particular f é uniformemente contı́nua em [−L, L] e portanto o
mesmo δ pode ser tomado para todo x ∈ R, logo a convergência é uniforme. ¥
Observe que o teorema de Féjer aplica-se a funções periódicas contı́nuas por partes, pois elas são limitadas
e localmente integráveis.

Corolário 1.33. Sejam f, g : R −→ R duas funções periódicas de perı́odo 2L e contı́nuas. Se elas possuem
a mesma série de Fourier, então f = g.

Prova: Pois, pelo teorema anterior, σn (x) → f (x) e σn (x) → g(x). ¥

Corolário 1.34. Se os coeficientes de Fourier de uma função periódica e contı́nua são nulos, então ela é a
função identicamente nula.

Podemos agora mostrar que o erro quadrático médio com relação às somas parciais da série de Fourier
tende a 0 quando tomamos somas parciais cada vez maiores, como era de se esperar:

Teorema 1.35. Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, quadrado-integrável no intervalo
[−L, L]. Então
lim En = 0. (1.34)
n→∞

Prova: Se nos limitarmos a funções contı́nuas, o resultado segue do Teorema de Féjer e do Exercı́cio 1.27.
De fato, pelo Teorema de Féjer, σn → f uniformemente, logo

max |f (x) − σn (x)| → 0 quando n → ∞


[−L,L]

e, portanto,
Z L µ ¶2
1 2
|f (x) − σn (x)| dx 6 max |f (x) − σn (x)| → 0 quando n → ∞.
2L −L [−L,L]
Rodney Josué Biezuner 61

Por outro lado, σn (x) é um polinômio trigonométrico de ordem n, logo pelo Exercı́cio 1.27
Z L Z L
1 1 2 2
En = |f (x) − Sn (x)| dx 6 |f (x) − σn (x)| dx.
2L −L 2L −L

Para o caso mais geral, veja [4]. ¥


Usando os Teoremas 1.24 e 1.35 juntos, obtemos um resultado mais forte que a desigualdade de Bessel:

Corolário 1.36. (Identidade de Parseval) Seja f : R −→ R uma função periódica de perı́odo 2L, quadrado-
integrável no intervalo [−L, L]. Então
Z ∞
1 L
2 a20 X ¡ 2 ¢
|f (x)| dx = + an + b2n . (1.35)
L −L 2 n=1

1.4.6 Sistemas Ortogonais


Já vimos que podemos definir um produto interno no espaço L2 ([a, b]) das funções quadrado-integráveis no
intervalo [a, b] por
Z b
hf, gi = f (x)g(x) dx. (1.36)
a
A partir do produto interno, podemos definir uma norma:
ÃZ !1/2
p b
2
kf k = hf, f i = |f (x)| dx . (1.37)
a

Definição. Um conjunto de funções {ϕn } ⊂ L2 ([a, b]) é chamado um sistema ortogonal se ele satisfaz as
duas condições seguintes:

(i) hϕn , ϕm i = 0 se n 6= m;
(ii) kϕn k > 0 para todo n.
Se kϕn k = 1 para todo n, então dizemos que {ϕn } é um sistema ortonormal.
½ ¾ ½ ¾
kπx kπx
Os conjuntos cos e sen são exemplos de sistemas ortogonais.
L n=0,1,... L n=1,2,...

Definição. Um sistema ortogonal {ϕn } ⊂ L2 ([a, b]) é completo se ele não for um subconjunto próprio de
nenhum outro sistema ortogonal, isto é, se hf, ϕn i = 0 para todo n, então f = 0.

Quando dizemos f = 0 para uma função quadrado-integrável, queremos dizer que o conjunto dos pontos x
tais que f (x) 6= 0 tem medida nula. O próximo resultado esclarece melhor o significado da identidade de
Parseval. Sua demonstração está além do nı́vel deste curso.

Teorema 1.37. Um sistema ortogonal {ϕn } ⊂ L2 ([a, b]) é completo se e somente se para toda função
f ∈ L2 ([a, b]) existem coeficientes cn tais que
2
X 2
kf k = c2n kϕn k . (1.38)
n

½ ¾
kπx kπx
Decorre da identidade de Parseval e deste resultado que o sistema ortonormal 1, cos , sen
L L n=1,2,...
é um sistema completo.
Rodney Josué Biezuner 62

1.4.7 Exercı́cios
Exercı́cio 1.23. Obtenha a identidade trigonométrica de Legendre
µ ¶
1
n sen n + θ
1 X 1 2
+ cos kθ =
2 2 θ
k=1 sen
2
de uma maneira diferente da utilizada no Lema 1.17 usando a identidade trigonométrica
θ 1 1
cos kθ sen = sen(k + )θ − sen(k − )θ.
2 2 2
Exercı́cio 1.24. Obtenha a identidade trigonométrica
µ ¶ n+1
n
X 1 sen2
θ
sen k + θ= 2
2 θ
k=0 sen
2
de uma maneira diferente da utilizada no Lema 1.31 usando a identidade trigonométrica
θ θ k−1 k+1
2 sen k sen = cos θ − cos θ.
2 2 2 2
Exercı́cio 1.25. Usando o teste de Dini, prove o seguinte teorema:
(Lipschitz, 1867) Seja f uma função periódica localmente integrável. Se f é contı́nua de Lipschitz em
algum intervalo aberto centrado em x, isto é, se existem δ, M > 0 tais que
|f (x + t) − f (x)| 6 M t para todo t ∈ (−δ, δ) ,
então a série de Fourier de f converge para f (x).
Exercı́cio 1.26. Use o teste de Dini para provar o seguinte resultado:
Seja f uma função periódica localmente integrável. Se f é contı́nua de Hölder em algum intervalo
aberto centrado em x, isto é, se existem δ, M > 0 e 0 < α 6 1 tais que
|f (s) − f (t)|
α 6M para todos s, t ∈ (x − δ, x + δ) ,
|s − t|
então a série de Fourier de f converge para f (x).
Conclua que se uma função periódica f localmente integrável tem derivada em x, então a série de
Fourier de f converge para f (x).
Exercı́cio 1.27. Mostre as que somas parciais da série de Fourier de uma função f são os polinômios
trigonométricos que melhor aproximam f . Ou seja, se
n µ ¶
e c0 X kπx kπx
Sn = + ck cos + dk sen ,
2 L L
k=1

onde ck , dk ∈ R são coeficientes quaisquer, e se definirmos o erro quadrático médio com relação a este
polinômio trigonométrico por
Z L¯ ¯2
en = 1
E
¯ ¯
¯f (x) − Sen (x)¯ dx,
2L −L
então temos
En 6 E en .
Capı́tulo 2

Equação do Calor Unidimensional

2.1 Existência, Unicidade e Estabilidade da Solução para o Prob-


lema de Dirichlet
De acordo com o modelo matemático que obtivemos na Introdução para a condução do calor em uma barra
uniforme, homogênea, de comprimento L, cuja superfı́cie lateral é isolada termicamente e cujas extremidades
são mantidas à temperatura inicial 0, a distribuição de temperaturas u(x, t) em um ponto x da barra no
instante de tempo t é a solução do problema de valor inicial e de valor de fronteira

 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0, (2.1)

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,
onde K é uma constante positiva e f : [0, L] → R é uma função dada.
Em outras palavras, a distribuição de temperaturas na barra de acordo com o tempo é governada por
uma equação diferencial parcial, a equação do calor. Neste caso, a equação diferencial parcial está definida
na região aberta R = {(x, t) ∈ R2 : 0 < x < L e t > 0} = (0, L) × (0, +∞), que é uma região ilimitada
do plano (uma faixa retangular ilimitada). Na fronteira (isto é, bordo ou contorno) desta região, que é
constituı́da pelo segmento de reta [0, L] × {0} e pelos raios {0} × [0, +∞) e {L} × [0, +∞), o valor de u(x, t)
está fixado; este tipo de condição de fronteira, em que o valor da solução u é fixado na fronteira, é chamada
uma condição de Dirichlet, como vimos.
Através do método de separação de variáveis e um argumento indutivo, chegamos ao seguinte candidato
a uma solução deste problema:
X∞
n2 π 2 nπx
u(x, t) = cn e− L2 Kt sen , (2.2)
n=1
L
onde os coeficientes cn são escolhidos de tal forma que podemos escrever a distribuição inicial de temperaturas
f na série de senos
X∞
nπx
f (x) = cn sen .
n=1
L
Pelo Teorema de Fourier, será sempre possı́vel escrever f desta forma se f e sua derivada f 0 forem contı́nuas
por partes; neste caso, os coeficientes cn são exatamente os coeficientes de Fourier da extensão periódica
ı́mpar de f :
Z
2 L nπx
cn = f (x) sen dx
L 0 L
e a série de Fourier de f em x converge para f (x) em todos os pontos x ∈ [0, L], exceto se x for um ponto
de descontinuidade de f , mas existe apenas um número finito de tais pontos.

63
Rodney Josué Biezuner 64

É necessário provar que o nosso candidato à solução u definido em (2.2) é de fato uma solução para o
problema de Dirichlet (2.1). Para isso precisamos definir mais precisamente o conceito de solução. Talvez
surpreendentemente, a definição deste conceito depende fortemente do tipo de aplicação que se tem em
mente, ou seja, do tipo de resposta que se espera do modelo matemático. Por exemplo, a função

 f (x) se 0 6 x 6 L e t = 0,
u(x, t) = 0 se x = 0, L e t > 0,

1000 se 0 < x < L e t > 0,

satisfaz todas as condições do problema (2.1), mas não parece ser uma solução fisicamente aceitável, pois
os valores da função no interior da faixa retangular não tem qualquer relação com os valores na fronteira e
não sofrem nenhuma influência destes. Em geral, esperamos que a distribuição de temperaturas na barra
varie de maneira contı́nua com o tempo, a partir da distribuição de temperaturas inicial, e que em qualquer
instante de tempo considerado a distribuição de temperaturas ao longo da barra também seja contı́nua
e, em particular, que não haja um salto descontı́nuo na temperatura da barra em seus extremos. Estas
considerações levariam à seguinte definição de solução para o problema (2.1):

Dizemos que uma função u : R → R é uma solução de (2.1),


se u ∈ C 2,1 (R), u ∈ C 0 (R) e u satisfaz todas as condições de (2.1).

O sı́mbolo C 2,1 significa que exigimos que a nossa solução tenha derivadas parciais contı́nuas até a segunda
ordem em x e derivadas parciais contı́nuas de primeira ordem em t. Observe que, em particular, esta
definição exige que a distribuição inicial de temperaturas seja contı́nua e que f (0) = f (L) = 0 (note que,
como conseqüência destes dois fatos, a extensão periódica ı́mpar de f também será uma função contı́nua).
No entanto, esta condição sobre f pode ser uma restrição muito grande em certos problemas fı́sicos e não
corresponder à realidade observada. Um exemplo de uma situação fı́sica plausı́vel em que isso não ocorre
é quando consideramos duas barras homogêneas formadas de um mesmo material e possuindo a mesma
geometria uniforme, inicialmente isoladas uma da outra (e do meio ambiente) e mantidas a temperaturas
constantes mas diferentes (por exemplo, uma é mantida à temperatura constante de 0◦ C, enquanto que a
outra é mantida à temperatura constante de 100◦ C); se elas forem colocadas imediatamente uma em contato
com a outra através de uma de suas extremidades, então temos um sistema que na prática é uma única
barra com uma distribuição inicial de temperaturas dada por uma função descontı́nua (porém contı́nua por
partes). Por outro lado, não é razoável que a solução u(x, t) esteja totalmente desconectada da distribuição
de temperaturas inicial. Para conciliar estas diferenças, utilizaremos a seguinte definição de solução para a
equação do calor:

Definição. Dizemos que uma função u : R → R é uma solução de (2.1) se u ∈ C 2,1 (R), u é contı́nua
b
em R={(x, t) ∈ R2 : 0 6 x 6 L e t > 0}, lim u(x, t) = f (x) se f é contı́nua em x, e u satisfaz todas as
t→0
condições de (2.1).

Estas são condições que uma função u(x, t) deve satisfazer para ser considerada uma solução para o
problema de valor inicial e de valor de fronteira (2.1). O próprio problema de valor de fronteira deve ainda
satisfazer duas condições importantes para que ele seja considerado um modelo matemático válido para
o problema fı́sico em questão: ele deve possuir uma única solução e esta única solução deve ser estável.
De fato, esperamos que se um problema fı́sico foi bem compreendido, com todas as variáveis levadas em
consideração, ele deva ter uma única solução; se o correspondente modelo matemático possuir mais de uma
solução, é sinal de que ele ainda não é um modelo matemático correto para o problema em questão e que são
necessárias hipóteses adicionais para limitar o número de soluções a uma única solução. Da mesma forma, na
medição experimental de fenômenos fı́sicos, esperamos um certo grau de incerteza e que as medidas obtidas
sejam apenas aproximações. Por exemplo, a medição da temperatura inicial da barra é uma aproximação e
certamente deve conter erros. Analogamente, não é razoável esperar que as temperaturas nas extremidades
da barra possam ser mantidas o tempo todo na temperatura exata 0; pequenas flutuações em algumas casas
Rodney Josué Biezuner 65

decimais devem ocorrer. Conseqüentemente, a solução do modelo matemático é apenas uma aproximação da
solução real. Para que ela seja uma boa aproximação, deveremos requerer que a solução do problema dependa
continuamente da condição inicial e das condições de fronteira, isto é, pequenas mudanças na condição inicial
ou nas condições de fronteira acarretam apenas pequenas mudanças na solução. Um problema que satisfaz
todas estas condições, isto é, possui uma solução única estável, é chamado um problema bem-posto no
sentido de Hadamard.

Exemplo 2.1. Considere o problema de Dirichlet (condução do calor em uma barra infinita; Rothe, 1928):
½
ut = Kuxx se − ∞ < x < ∞ e t > 0,
u(x, 1) = f (x) se − ∞ < x < ∞.

Este não é um problema bem-posto no sentido de Hadamard. De fato, se f ≡ 0, então u ≡ 0 é a única


solução. Porém, se c > 0 e
x
f (x) = c sen √ ,
c K
então a solução é
1−t x
u(x, t) = ce c2 sen √ .
c K
Embora, se escolhermos a constante positiva c suficientemente pequena, possamos tornar f tão próxima
da função identicamente nula quanto desejado, a solução u acima não tende à solução identicamente
nula no intervalo 0 < t < 1 . Ao contrário, quando c → 0, a solução torna-se ilimitada. Logo, uma
pequena mudança na condição inicial acarreta uma enorme mudança na solução. ¤

2.1.1 Existência de Solução para o Problema de Dirichlet


O problema de Dirichlet para a condução do calor na barra finita é um problema bem-posto no sentido de
Hadamard. A unicidade e a estabilidade da solução seguem do princı́pio do máximo para a equação do calor,
conforme veremos no final desta seção. A existência da solução para o problema de Dirichlet homogêneo, isto
é, a confirmação de que o nosso candidato à solução é de fato a solução para o problema segue do teorema
a seguir. Para prová-lo, precisaremos de um segundo teste de convergência uniforme (além do teste-M de
Weierstrass) que estabelece a convergência uniforme de uma série de produtos de funções:

Lema 2.2. (Teste de Abel) Seja S um conjunto e fn , gn : S −→ R seqüências de funções tais que:
P

(i) fn converge uniformemente em S;
n=1
(ii) ou gn (s) 6 gn+1 (s) , ou gn+1 (s) 6 gn (s) , para todo n ∈ N e para todo s ∈ S;
(iii) existe uma constante M > 0 tal que |gn (s)| 6 M para todo n ∈ N e para todo s ∈ S.

Então a série

X
fn gn
n=1

converge uniformemente em S.

Prova: O resultado segue através da fórmula de soma por partes também devida a Abel. Ela pode ser
P

obtida da seguinte forma. Denote as somas parciais da série fn por
n=1

n
X
Fn = fk .
k=1
Rodney Josué Biezuner 66

Então, para 1 < m < n, temos


n
X n
X n
X n
X
fk gk = (Fk − Fk−1 ) gk = Fk gk − Fk−1 gk
k=m k=m k=m k=m
n
X n−1
X
= Fk gk − Fk gk+1
k=m k=m−1
n−1
X n−1
X
= Fn gn + Fk gk − Fm−1 gm − Fk gk+1 ,
k=m k=m

de modo que a fórmula de soma por partes é dada por


n
X n−1
X
fk gk = Fn gn − Fm−1 gm − Fk (gk+1 − gk ) . (2.3)
k=m k=m

P

Assuma agora as hipóteses deste teorema e denote f = fn . Como, para 1 < m < n, temos
n=1

n−1
X
(gk+1 − gk ) = gn − gm ,
k=m−1

segue da fórmula de soma por partes que


n n−1
" n−1
#
X X X
fk gk = Fn gn − Fm−1 gm − Fk (gk+1 − gk ) − f gn − gm − (gk+1 − gk )
k=m k=m k=m−1
n−1
X
= (Fn − f ) gn − (Fm−1 − f ) gm − (Fk − f ) (gk+1 − gk ) .
k=m

P

Como fn converge uniformemente, existe N suficientemente grande tal que para todo k > N temos
n=1

ε
|Fk − f | <
4M
sempre que k > n. Logo, se n > m > N , temos
¯ ¯
¯Xn ¯ n−1
X
¯ ¯
¯ fk gk ¯ 6 |Fn − f | |gn | + |Fm−1 − f | |gm | + |Fk − f | |gk+1 − gk |
¯ ¯
k=m k=m
n−1
X
ε ε ε
6 M+ M+ |gk+1 − gk |
4M 4M 4M
k=m
ε ε
= + |gn − gm |
2 4M
= ε.
P

Isso mostra que as somas parciais da série fn gn constituem uma seqüência de Cauchy uniforme, logo a
n=1
série converge uniformemente. ¥
Outro resultado que precisaremos é o fato de que podemos derivar termo a termo uma série uniformemente
convergente. Por sua vez, isto segue do fato de podermos integrar termo a termo uma série uniformemente
convergente:
Rodney Josué Biezuner 67

P

Lema 2.3. (Integração termo a termo de uma série uniformemente convergente) Seja fn uma série
n=1
uniformemente convergente no intervalo [a, b] de funções integráveis limitadas fn : [a, b] −→ R. Então
o seu limite é integrável e
Z bX ∞ X∞ Z b
fn = fn .
a n=1 n=1 a

P
n P

Prova: Seja Fn = fk a soma parcial de ordem n da série e f = fn o limite da série. Denote
k=1 n=1

sn = sup |f (x) − Fn (x)|


x∈[a,b]

e, para uma partição a = x0 < x1 < . . . < xn−1 < xn = b do intervalo [a, b], sejam

mi = inf f e Mi = sup f,
[xi−1 ,xi ] [xi−1 ,xi ]

e denote as somas inferior e superior da função no intervalo [a, b] por


n
X n
X
L = sup mi (xi − xi−1 ) e U = inf Mi (xi − xi−1 ) ,
i=1 i=1

onde o sup e o inf são tomados sobre todas as partições do intervalo [a, b]. Temos
Z b Z b
(Fn − sn ) 6 L 6 U 6 (Fn + sn ) .
a a

Logo,
0 6 U − L 6 2sn (b − a) .
Como sn → 0 porque a convergência é uniforme, concluı́mos que U = L; em outras palavras, as somas
inferior e superior são iguais, o que significa que f é integrável.
Para provar a integração termo a termo, escreva
¯Z Z b ¯¯ ¯¯Z b ¯ Z
¯ b ¯ b
¯ ¯ ¯ ¯
¯ f− Fn ¯ = ¯ (f − Fn )¯ 6 |f − Fn | 6 sn (b − a) → 0.
¯ a a ¯ ¯ a ¯ a

¥
P

Lema 2.4. (Derivação termo a termo de uma série uniformemente convergente) Seja fn uma série
n=1
puntualmente convergente de funções continuamente diferenciáveis fn : [a, b] −→ R, tal que a série
P∞
fn0 converge uniformemente em [a, b]. Então o seu limite é diferenciável em [a, b] e
n=1
à ∞
!0 ∞
X X
fn = fn0 .
n=1 n=1

Prova: As derivadas fn0 são continuamente diferenciáveis, logo em particular são integráveis. Podemos
portanto aplicar o lema anterior à série das derivadas, obtendo para cada x ∈ [a, b]
Z ∞
xX ∞ Z
X x ∞
X ∞
X ∞
X
fn0 = fn0 = [fn (x) − fn (a)] = fn (x) − fn (a) .
a n=1 n=1 a n=1 n=1 n=1
Rodney Josué Biezuner 68

Derivando ambos os lados desta igualdade em relação a x, obtemos o resultado desejado:


ÃZ ∞ ! ∞
̰ !
xX X
d 0 0 d X
fn = fn = fn (x) .
dx a n=1 n=1
dx n=1

¥
Agora estamos em condição de provar a existência de solução para o problema de Dirichlet para a equação
de calor unidimensional:

Teorema 2.5. (Existência de Solução para o Problema de Dirichlet Homogêneo) Seja f : [0, L] → R uma
função contı́nua por partes tal que f 0 também é contı́nua por partes. Então

X n2 π 2 nπx
u(x, t) = cn e− L2
Kt
sen
n=1
L

com Z L
2 nπx
cn = f (x) sen dx
L 0 L
é uma solução para (2.1), de classe C 2,1 b Além disso, lim u(x, t) = f (x) se f
em R e contı́nua em R.
t→0
é contı́nua em x.

Prova: Pelo Lema de Riemann-Lebesgue temos que cn → 0 quando n → ∞, logo existe M > 0 tal que
|cn | < M . Portanto, para todo t > t0 , qualquer que seja t0 > 0, vale
¯ ¯
¯X∞
nπx ¯¯ X∞
¯ 2 2
− nLπ
2 Kt
n2 π 2
¯ cn e sen ¯6M e− L2 Kt0 .
¯ L ¯
n=1 n=1

A série numérica do lado direito converge, por exemplo pelo teste da raiz:
µ ¶1/n
π 2 Kt π 2 Kt0
− L2 0 n2
lim e = lim e− L2 n = 0.
n→∞ n→∞

Segue do teste-M de Weierstrass que a série do lado esquerdo converge uniformemente no conjunto [0, L] ×
[t0 , ∞) e portanto u(x, t) é contı́nua neste conjunto. Mas t0 é arbitrário, logo isso prova que u(x, t) é contı́nua
em R. b
Agora, fixado x ∈ (0, L), diferenciando a série de u(x, t) termo a termo em relação a t, obtemos a série

π 2 X 2 − n2 π2 2 Kt nπx
− K n cn e L sen ,
L2 n=1 L

Aplicamos o teste-M de Weierstrass a esta série:


¯ ¯
¯X∞
nπx ¯ ∞
X
¯ 2 2
− nLπ Kt ¯ n2 π 2
¯ 2
n cn e 2
sen ¯6M n2 e− L2 Kt0 .
¯ L ¯
n=1 n=1

Pelo teste da raiz: µ ¶1/n


π 2 Kt0
³ ´2 π 2 Kt0
n2
lim n2 e− L2 = lim n1/n lim e− L2
n
= 0,
n→∞ n→∞ n→∞

o lado direito converge, logo concluı́mos que a série do lado esquerdo é uniformemente convergente em
t ∈ [t0 , ∞). Pelo Lema 2.4, isto implica que esta série é ut (x, t) para todo t > t0 . Mas o teste-M de
Weierstrass também dá a convergência uniforme desta série em (x, t) ∈ (0, L) × [t0 , ∞) para todo t > t0 ,
Rodney Josué Biezuner 69

portanto concluı́mos também que ut (x, t) é contı́nua em R. Analogamente, fixado t, diferenciando a série de
u(x, t) termo a termo duas vezes em relação a x, obtemos a série

π 2 X 2 − n2 π2 2 Kt nπx
− 2
n cn e L sen ,
L n=1 L

e pelo mesmo argumento concluı́mos que esta série é uxx (x, t) e que uxx (x, t) é contı́nua em R. Comparando
as duas séries, vemos que ut (x, t) = Kuxx (x, t) para todo (x, t) ∈ R. Além disso,

X nπx
u(x, 0) = cn sen = f (x),
n=1
L
u(0, t) = u(L, t) = 0.

Suponha agora que f é contı́nua em x0 . Considere as séries de funções definidas no intervalo [0, ∞)
nπx0
fn (t) ≡ cn sen ,
L
n2 π 2
gn (t) = e− L2
Kt
.

P

Pelo Teorema de Fourier, fn é uma série numérica convergente, e portanto uniformemente em t ∈ [0, ∞).
n=1
A seqüência de funções (gn (t)) satisfaz |gn (t)| 6 1 e gn+1 (t) 6 gn (t) para todo n ∈ N e para todo t ∈ [0, ∞).
P
∞ n2 π 2 nπx0
Pelo teste de Abel, concluı́mos que cn e− L2 Kt sen converge uniformemente em t ∈ [0, ∞). Em
n=1 L
particular, u (x, t) → u (x, 0) = f (x). Isso termina a demonstração do teorema. ¥

Corolário 2.6. (Regularidade da Solução da Equação do Calor) A solução obtida no teorema anterior é de
classe C ∞ em R.

Prova: De fato, nada nos impede de diferenciar termo a termo a solução u (x, t) acima quantas vezes
quisermos em relação a x e t e usar o mesmo argumento do teorema (teste da raiz e teste-M de Weierstrass)
para concluir a convergência uniforme em cada etapa. Em linhas gerais, ao derivar a série de u (x, t) termo
a termo i vezes em relação a t e j vezes em relação a x obteremos a série

X n2 π 2 nπx
C (L, π) cn np e− L2
Kt
sen
n=1
L

onde p = 2i + j e C (L, π) é uma constante que depende apenas de L e π. Logo


¯ ¯
¯ ∞
X nπx ¯¯

X
¯ 2 2
p − nLπ
2 Kt
n2 π 2
¯C (L, π) cn n e sen ¯6M np e− L2 Kt0 .
¯ L ¯
n=1 n=1

Pelo teste da raiz,


µ ¶1/n ³ ´p
π 2 Kt0 π 2 Kt0
p − n2
lim n e L2 = lim n1/n lim e− L2 n = 0,

logo o lado direito converge e podemos aplicar o teste-M de Weierstrass. ¥


O teorema anterior e seu corolário afirmam um resultado muito importante: mesmo que a distribuição
inicial de temperaturas não seja contı́nua, o calor se propaga tão rapidamente de modo que quaisquer
descontinuidades inicialmente presentes são suavizadas de tal maneira que, imediatamente após o instante
inicial (isto é, em qualquer instante de tempo t > 0), a distribuição de temperaturas já é contı́nua; mais
Rodney Josué Biezuner 70

que isso, ela é suave! O motivo disso pode ser melhor compreendido se analizarmos a expressão em série de
u (x, t)
X∞
n2 π 2 nπx
u(x, t) = cn e− L2 Kt sen
n=1
L
da seguinte forma. As exponenciais em t tendem a 0 rapidamente, como sabemos ser o comportamento
de uma exponencial negativa. Assim, passado um instante de tempo t (por menor que seja), os termos da
série a partir de uma certa ordem são arbitrariamente pequenos. É quase como se pudéssemos desprezar
completamente os termos da série a partir de uma certa ordem e a série infinita transformasse-se em uma
série finita. A descontinuidade presente na condição inicial surge exatamente da presença de um número
infinito de termos da série, pois uma série finita (combinação linear finita) de senos é sempre uma função
contı́nua, e à medida que o tempo passa o efeito é sentido como se um número infinito de termos se anulasse
e só restasse um número finito de termos.

2.1.2 Princı́pio do Máximo


Para mostrar que o problema de Dirichlet para a equação do calor unidimensional é bem-posto no sentido
de Hadamard, usaremos o Princı́pio do Máximo, que é um resultado interessante e muito importante por si
só:

Lema 2.7. (Princı́pio do Máximo para a Equação do Calor) Considere o retângulo R = (x1 , x2 ) × (t1 , t2 ).
Suponha que u(x, t) : R → R seja contı́nua em R e satisfaça a equação do calor ut = Kuxx em R ∪ `4
onde `4 = (x1 , x2 ) × {t2 }. Então o máximo e o mı́nimo de u são assumidos em um dos outros três
lados do retângulo R:

`1 = {x1 } × [t1 , t2 ],
`2 = {x2 } × [t1 , t2 ],
`3 = [x1 , x2 ] × {t1 }.

Prova: Suponha por absurdo que

m := max u < max u =: M.


`1 ∪`2 ∪`3 R

Então existe um ponto (x0 , t0 ) ∈ R ∪ `4 tal que u(x0 , t0 ) = maxR u. Defina a função

M −m
v(x, t) = u(x, t) + (x − x0 )2 ,
4L2
onde L = x2 − x1 . Como em `1 ∪ `2 ∪ `3 temos
M −m 2 3 M
v(x, t) 6 m + L = m+ < M,
4L2 4 4
e u(x0 , t0 ) = v(x0 , t0 ) = M , segue que o máximo de v também é assumido em um ponto de R ∪ `4 , digamos
em (x, t) ∈ R ∪ `4 . Como (x, t) é um ponto de máximo para v, devemos ter

vt (x, t) > 0,
vxx (x, t) 6 0.

Em particular,
vt (x, t) > Kvxx (x, t).
Rodney Josué Biezuner 71

Por outro lado, da definição de v, para todo (x, t) obtemos


vt (x, t) = ut (x, t),
M −m
vxx (x, t) = uxx (x, t) + ,
4L2
e como u satisfaz a equação do calor, segue que
M −m
vt (x, t) = ut (x, t) = Kuxx (x, t) = Kvxx (x, t) − K < Kvxx (x, t)
4L2
para todo (x, t), uma contradição.
Para provar que o mı́nimo de u também é atingido em `1 ∪ `2 ∪ `3 , basta observar que −u também satisfaz
a equação do calor e que min u = − max(−u). ¥
No caso da equação do calor, o princı́pio do máximo nada mais é que a expressão matemática do fato de que
o calor flui de regiões mais quentes para regiões mais frias. Se a temperatura mais alta da barra estivesse
localizada em um ponto x0 com 0 < x0 < L em um instante t0 > 0, então a temperatura estaria crescendo
em x0 por algum tempo antes do instante t0 (a menos que a temperatura seja a mesma em todos os pontos
da barra). Mas então o calor necessário para aumentar a temperatura em x0 deveria vir de algum ponto
próximo a x0 com temperatura maior em algum instante de tempo t < t0 , logo a temperatura mais alta não
pode ocorrer em (x0 , t0 ). O mesmo argumento vale para a temperatura mı́nima.
A porção `1 ∪ `2 ∪ `3 da fronteira ∂R é muitas vezes chamada a fronteira parabólica de R.

2.1.3 Unicidade e Estabilidade de Soluções para o Problema de Dirichlet Geral


Usando o princı́pio do máximo, vamos agora demonstrar que o problema de Dirichlet é bem-posto no sentido
de Hadamard. Começamos provando a unicidade de soluções:
Teorema 2.8. (Unicidade da Solução do Problema de Dirichlet) Se existir uma solução contı́nua em R
para o problema de Dirichlet


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

 u(0, t) = g (t) se t > 0,

u(L, t) = h (t) se t > 0,
onde f, g, h são funções quaisquer, ela é única.
Prova: Suponha que u1 (x, t) e u2 (x, t) sejam duas soluções contı́nuas para (2.1). Então, como a equação
do calor é uma equação linear, a diferença u = u1 − u2 é uma solução contı́nua do problema de Dirichlet

 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,
u(x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L,

u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0.

Em particular, em qualquer retângulo RT = {(x, t) ∈ R2 : 0 6 x 6 L e 0 6 t 6 T } ⊂ R segue do princı́pio


do máximo para a equação do calor que
min u = max u = 0,
R R

ou seja, u ≡ 0 em R. Como T > 0 é arbitrário, segue que u ≡ 0 em R. ¥


Além disso, outra conseqüência imediata do princı́pio do máximo para a equação do calor é que a solução
de (2.1), quando existir, nunca assume valores negativos se f > 0, o que é esperado se a temperatura for
medida em graus Kelvin.
Agora vamos estabelecer a dependência contı́nua da solução do problema de Dirichlet geral com relação
aos dados iniciais e às condições de fronteira:
Rodney Josué Biezuner 72

Teorema 2.9. (Estabilidade da Solução do Problema de Dirichlet) Se o problema de Dirichlet com condições
inicial e de fronteira contı́nuas possuir uma solução contı́nua, então ele é bem-posto no sentido de
Hadamard.

Prova: Já sabemos pelo teorema anterior que se existir solução contı́nua, ela é única. Resta provar apenas
a dependência contı́nua das soluções com as condições iniciais e de fronteira. Mediremos a proximidade das
condições inicial e de fronteira através da norma do sup. Sejam u1 e u2 soluções dos problemas de Dirichlet


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f1 (x) se 0 6 x 6 L,

 u(0, t) = g1 (t) se t > 0,

u(L, t) = h1 (t) se t > 0,
e 

 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f2 (x) se 0 6 x 6 L,

 u(0, t) = g2 (t) se t > 0,

u(L, t) = h2 (t) se t > 0,
respectivamente, onde f1 , f2 , g1 , g2 , h1 , h2 , são funções contı́nuas e limitadas. Então u = u1 − u2 é solução
do problema de Dirichlet


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f1 (x) − f2 (x) se 0 6 x 6 L,

 u(0, t) = g1 (t) − g2 (t) se t > 0,

u(L, t) = h1 (t) − h2 (t) se t > 0.

Pelo princı́pio do máximo para a equação do calor, segue que

sup (u1 − u2 ) 6 sup (f1 − f2 ) + sup (g1 − g2 ) + sup (h1 − h2 )


R [0,L] [0,∞) [0,∞)

6 sup |f1 − f2 | + sup |g1 − g2 | + sup |h1 − h2 | .


[0,L] [0,∞) [0,∞)

Analogamente, considerando u = u2 − u1 , provamos que

sup |u1 − u2 | 6 sup |f1 − f2 | + sup |g1 − g2 | + sup |h1 − h2 | .


R [0,L] [0,∞) [0,∞)

Reunindo as duas desigualdades, obtemos o resultado desejado. ¥


Para concluir esta seção, analizaremos o comportamento assintótico da solução, isto é, o que acontece
quando t → ∞ (em outras palavras, o que acontece com a distribuição de temperaturas na barra depois que
transcorreu um intervalo de tempo suficientemente grande; na maioria das situações, em termos fı́sicos este
intervalo pode ser da ordem de minutos, segundos ou muito menos que isso). Como os coeficientes da série
de Fourier de f são limitados, digamos |cn | 6 M para algum M > 0, temos

X ¯ nπx ¯¯ X∞
n2 π 2 ¯ n2 π 2
|u(x, t)| 6 |cn | e− L2
Kt
¯sen ¯6M e− L2 Kt .
n=1
L n=1

π2 2
Definindo α = 2 K, notando que e−n αt 6 e−nαt = (e−αt )n , já que e−αt < 1 para t > 0, e lembrando que
L
P∞ r
rn = para |r| < 1, concluı́mos que
n=1 1 − r

e−αt
|u(x, t)| 6 M ,
1 − e−αt
Rodney Josué Biezuner 73

de modo que
lim u(x, t) = 0.
t→∞

Isso era esperado, já que as extremidades da barra não estão termicamente isoladas, a temperatura em
todos os pontos da barra deve decair até atingir a mesma temperatura que as suas extremidades, com o
calor escapando da barra através delas. Na verdade, a desigualdade acima mostra que a temperatura decai
rapidamente, com decaimento exponencial da ordem de e−αt .

2.2 Problema de Dirichlet Não Homogêneo


Agora consideraremos o problema da condução de calor em uma barra uniforme homogênea de comprimento
L, cuja superfı́cie lateral é isolada termicamente e cujas extremidades são mantidas a temperaturas constantes
T1 , T2 > 0, respectivamente. O modelo matemático para esta situação é o problema de Dirichlet


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(0, t) = T1 se t > 0,
(2.4)

 u(L, t) = T 2 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.

Para este problema, o princı́pio de superposição de soluções não funciona, pois apesar da equação do calor ser
linear, as condições de contorno não são homogêneas. Vamos obter a solução através de algumas considerações
fı́sicas.
É de se esperar que após decorrido um tempo suficientemente longo, devido ao fato do calor se propagar
rapidamente, os efeitos da distribuição inicial de temperaturas na barra se dissiparão e será atingida uma
distribuição de temperaturas permanente v(x), ou seja, independente do tempo t e da condição inicial. Como
v deve obedecer à equação do calor, mas vt ≡ 0, segue que v é uma solução do problema
½ 00
v (x) = 0 se 0 < x < L,
(2.5)
v(0) = T1 , v(L) = T2 .

v é chamada a solução de estado estacionário. Da equação de v obtemos que v(x) = ax+b; os valores das
constantes a, b são obtidos através das condições de contorno, de modo que a solução de estado estacionário

T2 − T1
v(x) = x + T1 . (2.6)
L
O fato da distribuição de temperaturas no estado estacionário ter a forma de uma reta é sugerida pela
própria equação do calor ut = Kuxx . O significado da equação é que a variação da temperatura ut em um
ponto da barra com o passar do tempo é proporcional à curvatura da função temperatura naquele ponto
(isto é, uxx ). Logo, se a curvatura da função temperatura é positiva (uxx > 0, concavidade para cima),
então ut é positiva também, e portanto a tendência nesta região da curva é que as temperaturas aumentem
com o passar do tempo, diminuindo a concavidade e retificando a curva na região; se a curvatura da função
temperatura é negativa (uxx < 0, concavidade para baixo), então ut é também negativa, o que significa que a
tendência é que as temperaturas diminuam naquela região com o passar do tempo, diminuindo a concavidade
e rectificando a curva na região.
Para encontrar a solução u(x, t) para (2.4), tentamos expressá-la como a soma da solução de estado
estacionário v(x) e uma outra distribuição de temperatura w(x, t):

u(x, t) = v(x) + w(x, t). (2.7)

A distribuição de temperatura w(x, t) é chamada transiente, porque ela desaparece à medida que o tempo
passa (ou seja, torna-se arbitrariamente pequena, até o ponto de não poder ser registrada pelos instrumentos
Rodney Josué Biezuner 74

de medição), permanecendo apenas a solução de estado estacionário. Como w(x, t) = u(x, t) − v(x), segue
que w(x, t) satisfaz o problema de Dirichlet homogêneo


 wt = Kwxx se 0 < x < L e t > 0,

w(0, t) = w(L, t) =
µ 0 ¶ se t > 0,
(2.8)

 T2 − T1
 w(x, 0) = f (x) − x + T1 se 0 6 x 6 L,
L

cuja solução já vimos na seção anterior:



X n2 π 2 nπx
w(x, t) = cn e− L2
Kt
sen , (2.9)
n=1
L
µ ¶
T2 − T1
onde agora cn são os coeficientes da série de Fourier de f − x + T1 , isto é
L
Z L · µ ¶¸
2 T2 − T1 nπx
cn = f (x) − x + T1 sen dx. (2.10)
L 0 L L

Como vimos no final da seção anterior, de fato w(x, t) → 0 quando t → ∞. Portanto, a solução do problema
(2.4) é a soma da solução de estado estacionário e a solução transiente:

X∞
T2 − T1 n2 π 2 nπx
u(x, t) = x + T1 + cn e− L2 Kt sen . (2.11)
L n=1
L

2.3 Problema de Neumann


Nesta seção consideraremos o problema da condução de calor em uma barra uniforme homogênea de compri-
mento L, cuja superfı́cie lateral está isolada termicamente e cujas extremidades também estão termicamente
isoladas, de modo que não há transferência de calor através delas e portanto ux (0, t) = ux (L, t) = 0. Este
tipo de condição de fronteira envolvendo as derivadas de u é chamada uma condição de Neumann, como
vimos. O modelo matemático para a barra com extremidades isoladas é portanto o problema de Neumann
homogêneo 
 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,
ux (0, t) = ux (L, t) = 0 se t > 0, (2.12)

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.
Vamos resolver este problema pelo método de separação de variáveis. Escrevendo u(x, t) = F (x)G(t),
obtemos as equações diferenciais ordinárias
½ 00
F (x) − σF (x) = 0 se 0 < x < L,
(2.13)
F 0 (0) = F 0 (L) = 0,

(a única coisa que mudou aqui foi a condição de contorno desta equação diferencial) e

G0 (t) − σKG(t) = 0. (2.14)

Novamente, para resolver (2.13), precisamos analizar o sinal de σ.

1. σ > 0: A solução geral de (2.13) é da forma


√ √
σx
F (x) = c1 e + c2 e− σx
,
Rodney Josué Biezuner 75

de modo que √ √ √ √
F 0 (x) = c1 σe σx − c2 σe− σx .
A condição de fronteira F 0 (0) = F 0 (L) = 0 implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o
sistema ½ √ √
c1 σ + c2 σ = 0 √
√ √ √ .
c1 σe σL − c2 σe− σL = 0
cuja única solução é c1 = c2 = 0, mas F (x) ≡ 0 não nos interessa.
2. σ = 0: A solução geral de (2.13) é da forma

F (x) = c1 x + c2 ,

de modo que
F 0 (x) = c1 .
A condição de fronteira F 0 (0) = F 0 (L) = 0 implica c1 = 0, mas desta vez podemos ter c2 6= 0 e portanto
uma solução aceitável é a solução constante

F (x) ≡ c0 .

3. σ < 0: Denotando λ = −σ, a solução geral de (2.13) é da forma

F (x) = c1 cos λx + c2 sen λx,

de modo que
F 0 (x) = −c1 λ sen λx + c2 λ cos λx.
A condição de fronteira F 0 (0) = F 0 (L) = 0 implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o
sistema ½
c2 λ = 0
.
−c1 λ sen λL = 0
Logo c2 = 0 e como não queremos c1 = 0, devemos ter sen λL = 0, o que implica λL = nπ, onde n ∈ N
pode ser um inteiro positivo qualquer. Portanto, para cada valor de n, uma solução para (2.13) é a
função

Fn (x) = cos x,
L
chamada uma autofunção para o problema (2.13) associada ao autovalor

n2 π 2
−σ = λ2n = .
L2

A solução de (2.14) continua sendo


G(t) = ceσKt .
Procedendo como fizemos antes, concluı́mos que um candidato à solução do problema de Neumann ho-
mogêneo (2.12) é a função
X∞
1 n2 π 2 nπx
u(x, t) = c0 + cn e− L2 Kt cos , (2.15)
2 n=1
L
onde cn são os coeficientes de Fourier da extensão par de f , isto é,
Z
2 L nπx
cn = f (x) cos dx.
L 0 L
Pode-se provar rigorosamente que esta é de fato uma solução para o problema de Neumann homogêneo:
Rodney Josué Biezuner 76

Teorema 2.10. (Existência de Solução para o Problema de Neumann Homogêneo) Seja f : [0, L] → R uma
função contı́nua por partes tal que f 0 também é contı́nua por partes. Então
X∞
1 n2 π 2 nπx
u(x, t) = c0 + cn e− L2 Kt cos ,
2 n=1
L

com Z L
2 nπx
cn = f (x) cos dx.
L 0 L
b Além disso, lim u(x, t) = f (x) se
é uma solução para (2.12), de classe C 2,1 em R e contı́nua em R.
t→0
f é contı́nua em x.

Prova: A demonstração é completamente análoga à do Teorema 2.5. ¥


Provaremos mais adiante que esta é de fato a única solução de (2.12), e que (2.12) é um problema bem-posto
no sentido de Hadamard. Não podemos desta vez usar o princı́pio do máximo para a equação do calor, porque
os valores de u não estão especificados na fronteira. No entanto, dadas as condições nas extremidades, através
de argumentos fı́sicos é de se esperar que u atinja os seus valores máximo e mı́nimo em t = 0. De fato, como
as extremidades permanecem termicamente isoladas o tempo todo, calor não pode entrar na barra através
delas. Em particular, a temperatura não pode atingir o máximo em uma extremidade em algum instante de
tempo t0 > 0, pois o calor necessário para atingir esta temperatura teria que vir de algum ponto próximo
dentro da barra em algum instante de tempo anterior. Este novo tipo de princı́pio do máximo será provado
para situações mais gerais mais adiante.
Finalmente, observe que como a barra está completamente isolada do meio ambiente (em outras palavras,
constitui um sistema fechado), o conteúdo total de calor na barra permanece constante. É, então, de se
esperar que quaisquer diferenças de temperatura entre pontos da barra presentes na distribuição inicial
de temperatura desaparecerão, e a temperatura em qualquer ponto da barra tenderá ao valor médio da
distribuição inicial de temperaturas. Dizendo isso de outra maneira, esperamos que a solução de estado
estacionário neste caso é a função constante igual à média da temperatura inicial. De fato, analizando da
mesma forma que fizemos na seção anterior, concluı́mos que
Z L
1 1
lim u(x, t) → c0 = f (t) dt. (2.16)
t→∞ 2 L 0

2.4 Problema de Robin


Considere agora o problema da condução de calor em uma barra uniforme homogênea de comprimento L, cuja
superfı́cie lateral está isolada termicamente, uma das extremidades é mantida à temperatura constante zero e
a outra extremidade é termicamente isolada, digamos u(0, t) = ux (L, t) = 0. Esta é uma condição de fronteira
mista: em parte da fronteira impomos uma condição de Dirichlet, e na outra parte uma condição de Neumann.
Esta condição de fronteira também é chamada condição de Robin, como vimos; mais especificamente, esta é
uma condição de Robin homogênea. O modelo matemático para esta situação é

 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = ux (L, t) = 0 se t > 0, (2.17)

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.

Resolveremos este problema também pelo método de separação de variáveis. Escrevendo u(x, t) =
F (x)G(t), obtemos como de costume as equações diferenciais ordinárias
½ 00
F (x) − σF (x) = 0 se 0 < x < L,
(2.18)
F (0) = F 0 (L) = 0,
Rodney Josué Biezuner 77

e
G0 (t) − σKG(t) = 0.
Para resolver (2.18), analizamos o sinal de σ:

1. σ > 0: A solução geral de (2.18) é da forma


√ √
σx
F (x) = c1 e + c2 e− σx
,

de modo que √ √ √ √
F 0 (x) = c1 σe σx − c2 σe− σx .
A condição de fronteira F (0) = F 0 (L) = 0 implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o
sistema ½
c1 + c2√= 0
√ √ √ .
c1 σe σL − c2 σe− σL = 0
cuja única solução é c1 = c2 = 0, o que não nos interessa.
2. σ = 0: A solução geral de (2.18) é da forma

F (x) = c1 x + c2 ,

de modo que
F 0 (x) = c1 .
A condição de fronteira F (0) = F 0 (L) = 0 implica c1 = c2 = 0, e novamente isto não é interessante.

3. σ < 0: Denotando λ = −σ, a solução geral de (2.18) é da forma

F (x) = c1 cos λx + c2 sen λx,

de modo que
F 0 (x) = −c1 λ sen λx + c2 λ cos λx.
A condição de fronteira F (0) = F 0 (L) = 0 implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o
sistema ½
c1 = 0
.
c2 λ cos λL = 0
(2n − 1)π
Como não queremos c2 = 0, devemos ter cos λL = 0, o que implica λL = , onde n ∈ N pode
2
ser um inteiro positivo qualquer. Portanto, para cada valor de n, uma solução para (2.18) é a função

(2n − 1)π
Fn (x) = sen x,
2L
chamada uma autofunção para o problema (2.18) associada ao autovalor

(2n − 1)2 π 2
−σ = λ2n = .
4L2

Portanto, um candidato à solução do problema com condições de fronteira mistas (2.17) será a função

X (2n−1)2 π 2 (2n − 1)πx
u(x, t) = c2n−1 e− 4L2
Kt
sen
n=1
2L
Rodney Josué Biezuner 78

se pudermos encontrar uma série de Fourier para a condição inicial f da forma



X (2n − 1)πx
f (x) = c2n−1 sen
n=1
2L

2n − 1
o que não é imediatamente claro, pois não é um inteiro. No entanto, podemos imaginar que 2L está
2
fazendo o papel de L na série de Fourier, de modo que o que temos que obter é uma extensão periódica ı́mpar
de perı́odo 4L de f . Ainda assim, sobra o problema de que aparecem apenas os termos de coeficiente ı́mpar
nesta série de senos de f . Precisamos determinar uma extensão ı́mpar de f de tal modo que os coeficientes
nπx
de Fourier de f correspondentes aos inteiros pares sejam iguais a zero. Observando que as funções sen
2L
são ı́mpares em relação à reta x = L se n é par, e pares se n é ı́mpar, parece razoável considerar a extensão
para f que é “par” em relação a esta reta, de forma a eliminar os coeficientes pares. Assim, definimos a
seguinte extensão para f :

 f (x) se 0 6 x 6 L,
fe(x) = f (2L − x) se L 6 x 6 2L,

−f (−x) se − 2L 6 x 6 0,
f é periódica de perı́odo 4L;

observe que ao extendermos f no intervalo [L, 2L], o fizemos de tal modo que o gráfico de fe é simétrico em
relação à reta x = L; ou seja, fe é uma função “par” em relação a esta reta. Os coeficientes de Fourier desta
extensão de f são dados por
an = 0,
Z 2L Z Z
2 nπx 1 L nπx 1 2L nπx
bn = fe(x) sen dx = f (x) sen dx + f (2L − x) sen dx
2L 0 2L L 0 2L L L 2L
Z Z
1 L nπx 1 0 nπ(2L − t)
= f (x) sen dx − f (t) sen dt
L 0 2L L L 2L
Z L Z L µ ¶
1 nπx 1 nπt
= f (x) sen dx + f (t) cos nπ sen − dt
L 0 2L L 0 2L
Z Z
1 L nπx 1 L nπt
= f (x) sen dx + f (t)(−1)n+1 sen dt
L 0 2L L 0 2L

 0 Z se n é par,
= 2 L nπx
 f (x) sen dx se n é ı́mpar.
L 0 2L
Uma vez estabelecidos os coeficientes do candidato à solução, pode-se provar rigorosamente que este é de
fato uma solução para o problema de Robin homogêneo:
Teorema 2.11. (Existência de Solução para o Problema de Robin Homogêneo) Seja f : [0, L] → R uma
função contı́nua por partes tal que f 0 também é contı́nua por partes. Então

X (2n−1)2 π 2 (2n − 1)πx
u(x, t) = c2n−1 e− 4L2
Kt
sen
n=1
2L
com Z L
2 (2n − 1)πx
c2n−1 = f (x) sen dx
L 0 2L
é uma solução para (2.17), de classe C 2,1 b Além disso, lim u(x, t) = f (x) se
em R e contı́nua em R.
t→0
f é contı́nua em x.
Rodney Josué Biezuner 79

Prova: A demonstração deste caso também é completamente análoga à do Teorema 2.5. ¥


Veremos na próxima seção que (2.17) é um problema bem-posto no sentido de Hadamard.

2.5 Unicidade de Solução para os Problemas de Neumann e Robin


Vamos ver agora como usar o princı́pio do máximo levando em conta as condições de fronteira:

Lema 2.12. (Princı́pio do Máximo para a Equação do Calor com Condições de Fronteira) Sejam
© ª
R = (x, t) ∈ R2 : 0 < x < L e t > 0 ,

RT = {(x, t) ∈ R : t 6 T } .
Suponha que u : RT → R seja contı́nua em RT e satisfaça a equação do calor ut = Kuxx em RT .
Denote por ∂∗ RT = RT \RT a fronteira parabólica de RT . Então u atinge os seus valores máximo e
mı́nimo em RT na fronteira parabólica ∂∗ RT .
Denote
∂0 RT = {(x, t) ∈ ∂∗ RT : x = 0 e t > 0} ,
∂L RT = {(x, t) ∈ ∂∗ RT : x = L e t > 0} .
Sejam a1 , b1 , a2 , b2 ∈ R constantes não-negativas tais que a1 , b1 não são simultaneamente nulas e a2 , b2
não são simultaneamente nulas.
(1) Suponha que u satisfaz a condição de fronteira

a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) = 0 se t > 0. (2.19)

Se u atinge um mı́nimo negativo em R então u atinge este valor mı́nimo em ∂∗ RT \∂0 RT ; se u atinge
um máximo positivo em R então u atinge este valor máximo em ∂∗ RT \∂0 RT .
(2) Suponha que u satisfaz a condição de fronteira

a2 u (L, t) + b2 ux (L, t) = 0 se t > 0. (2.20)

Se u atinge um mı́nimo negativo em R então u atinge este valor mı́nimo em ∂∗ RT \∂L RT ; se u atinge
um máximo positivo em R então u atinge este valor máximo em ∂∗ RT \∂L RT .

Prova: Já sabemos pelo princı́pio do máximo (Lema 2.7) que u atinge os seus valores máximo e mı́nimo em
RT na fronteira parabólica ∂∗ RT de RT . Vamos provar (1). Assuma que u satisfaz a condição de fronteira
(2.19), que u atinge um mı́nimo negativo e suponha por absurdo que u atinge este mı́nimo negativo em
∂0 RT , isto é, que existe t0 > 0 tal que

u (0, t0 ) = m < 0 e m<M = min u.


∂∗ RT \∂0 RT

Como o mı́nimo ocorre em (0, t0 ), devemos ter ux (0, t0 ) > 0. Daı́, segue da condição (2.19) e das hipóteses
sobre os coeficientes a1 , b1 que
ux (0, t0 ) = 0,
caso contrário terı́amos a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) < 0, pois a1 , b1 não são simultaneamente nulos (u (0, t0 ) < 0
não implica em contradição, pois pode ser que a1 = 0). Agora, defina uma função v : RT → R por

M −m
v (x, t) = u (x, t) − x.
2L
Rodney Josué Biezuner 80

Então v é contı́nua e satisfaz a equação do calor, logo v também atinge o seu valor mı́nimo na fronteira
parabólica ∂∗ RT . Por outro lado, v = u em ∂0 RT , mas se (x, t) ∈ ∂∗ RT \∂0 RT temos
M −m M −m M +m
v (x, t) > u (x, t) − L>M− = > m,
2L 2 2
o que prova que v tem um mı́nimo em (0, t0 ), contradizendo o fato que
M −m M −m
vx (0, t0 ) = ux (0, t0 ) − =− < 0.
2L 2L
Para provar o resultado sobre o máximo, basta considerar −u.
A demonstração de (2) é análoga, bastando considerar
M −m
v (x, t) = u (x, t) − (L − x) .
2L
¥
Corolário 2.13. Suponha que u : R → R é uma solução contı́nua para o problema


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

 a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) = 0 se t > 0,

a2 u (L, t) + b2 ux (L, t) = 0 se t > 0.
Se
m0 = min f (x) e M0 = max f (x)
[0,L] [0,L]

então
min (0, m0 ) 6 u (x, t) 6 max (0, M0 )
para todo (x, t) ∈ R.
Prova: Seja T > 0 arbitrário. Pelo princı́pio do máximo, u atinge o seu valor máximo M em RT na fronteira
parabólica ∂∗ RT . Ou M 6 0 e então u (x, t) 6 0 para todo t 6 T , ou M > 0. Neste último caso, pelo
lema anterior segue que u atinge o seu máximo em ∂∗ RT \ (∂0 RT ∪ ∂L RT ), logo u (x, t) 6 M0 para todo
t 6 T . Como T é arbitrário, isso prova que u 6 max (0, M0 ) em R. A demonstração da outra desigualdade
é análoga. ¥
Provaremos agora a unicidade e a estabilidade da solução para os problemas de Neumann e de Robin:
Teorema 2.14. (Unicidade da Solução para Problemas de Neumann e de Robin) Se o problema


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,
 a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) = g (t)
 se t > 0,

a2 u (L, t) + b2 ux (L, t) = h (t) se t > 0,
possuir solução contı́nua, então ela é única.
Prova: Se u1 , u2 são duas soluções para este problema, então u = u1 − u2 é solução de


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L,
 a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) = 0
 se t > 0,

a2 u (L, t) + b2 ux (L, t) = 0 se t > 0,
e o resultado segue imediatamente do Corolário 2.13. ¥
A estabilidade com relação à condição inicial é vista no Exercı́cio 2.13 (para a estabilidade com relação
às condições de fronteira, veja [5]).
Rodney Josué Biezuner 81

2.6 Problemas Gerais


Quando há geração interna de calor, a equação diferencial parcial que modela a condução de calor na barra
é, como vimos na Introdução,

ut = Kuxx + q(x, t) se 0 < x < L e t > 0. (2.21)


Quando a geração interna de calor independe do tempo, a resolução é em geral mais simples.

2.6.1 Equação do calor não-homogênea com fonte independente do tempo


Neste caso, a equação diferencial parcial que modela a condução de calor na barra é simplesmente

ut = Kuxx + q(x) se 0 < x < L e t > 0. (2.22)


A estratégia mais simples para resolver este tipo de problema é primeiro encontrar a solução de estado
estacionário e depois encontrar a solução transiente; a soma delas será a solução do problema. No entanto,
dependendo das condições de fronteira do problema, pode ser que uma solução de estado estacionário não
exista. Por exemplo, em um problema com geração interna de calor em que as extremidades da barra
também estão isoladas termicamente, como o calor não tem para onde escapar, a temperatura na barra deve
aumentar constantemente sem limites e nunca será atingida uma situação de equilı́brio.

Exemplo 2.15. Considere o seguinte problema de condução de calor em uma barra uniforme, homogênea,
cuja superfı́cie lateral é isolada termicamente:


 ut = uxx + sen x se 0 < x < π e t > 0,

u(0, t) = 1 se t > 0,

 ux (π, t) = 2 se t > 0,

u(x, 0) = 1 + sen x se 0 6 x 6 π.

Observe que uma das extremidades da barra é mantida a uma temperatura constante, enquanto que a
outra extremidade tem uma taxa de fluxo de calor constante (condição de fronteira de Robin). Além
disso, vemos que calor é gerado internamente na barra (a função seno é positiva no intervalo (0, π)),
dependendo do ponto da barra, mas independente do tempo.
Vamos encontrar primeiro a solução de estado estacionário v(x). Embora, à primeira vista, fisicamente
talvez não seja tão claro que ela exista nestas condições, se pudermos encontrá-la matematicamente
isso por si só será prova suficiente da sua existência. Como v deve obedecer à equação do calor, mas
vt ≡ 0, segue que v satisfaz à equação 0 = v 00 (x) + sen x, logo v é uma solução do problema
 00
 v (x) = − sen x se 0 < x < L,
v(0) = 1, (2.23)
 0
v (π) = 2.

Por integração simples, a solução deste problema é

v 0 (x) = cos x + c1 ,

v(x) = sen x + c1 x + c2 .
As constantes de integração c1 e c2 são determinadas através das condições de fronteira. A condição de
fronteira v(0) = 1 permite concluir que c2 = 1, enquanto que a condição v 0 (π) = 2 implica que c1 = 3.
Assim, a solução de estado estacionário é

v(x) = sen x + 3x + 1.
Rodney Josué Biezuner 82

Escrevendo u(x, t) = v(x) + w(x, t), segue que a solução transiente w satisfaz o problema

 wt = wxx se 0 < x < π e t > 0,
w(0, t) = wx (π, t) = 0 se t > 0,

w(x, 0) = −3x se 0 6 x 6 π.

Como vimos antes, a solução para este problema de condição mista é



X (2n−1)2 (2n − 1)x
w(x, t) = c2n−1 e− 4 t
sen ,
n=1
2

com Z π
6 (2n − 1)x 24(−1)n
c2n−1 = − x sen dx = .
π 0 2 π(2n − 1)2
Portanto, a solução do problema é

24 X (−1)n − (2n−1)2 t (2n − 1)x
u(x, t) = sen x + 3x + 1 + e 4 sen .
π n=1 (2n − 1)2 2

¤
Exemplo 2.16. Considere uma barra homogênea, completamente isolada termicamente (ou seja, inclusive
nas suas extremidades), feita de material radiativo de modo que calor é gerado internamente à uma
taxa constante. O modelo matemático para este problema é

 ut = Kuxx + q se 0 < x < L e t > 0,
ux (0, t) = ux (L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.

Fisicamente, não deve haver uma temperatura de estado estacionário. Matematicamente, se supuser-
mos que existe uma solução de estado estacionário v(x) independente do tempo e tentarmos resolver o
correspondente problema para v
½ 00
v (x) = a se 0 < x < L,
v 0 (0) = v 0 (L) = 0

onde a = −q/K, obteremos por integração simples

v 0 (x) = ax + c1 ,

donde
a 2
v(x) = x + c1 x + c2 .
2
A condição de fronteira v 0 (0) = 0 permite concluir que c1 = 0, mas então a condição de fronteira
v 0 (L) = 0 implica que a = 0, uma contradição (pois q 6= 0; além disso, observe que a constante c2
permanece indeterminada).
Este problema pode ser resolvido pelo método de variação dos parâmetros, como veremos na próxima
subseção. ¤
Rodney Josué Biezuner 83

2.6.2 Equação do calor não-homogênea com fonte dependente do tempo


Vamos considerar o problema de Dirichlet homogêneo para a equação de calor não-homogênea:

 ut = Kuxx + q (x, t) se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0, (2.24)

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.

Para resolver este problema, usaremos o método de variação dos parâmetros. A sua motivação é a seguinte.
Se tivéssemos g = 0, então a solução do problema seria

X n2 π 2 nπx
u(x, t) = cn e− L2
Kt
sen .
n=1
L

Então tentaremos uma solução da forma



X nπx
u(x, t) = cn (t) sen . (2.25)
n=1
L

Esta solução já satisfaz as condições de fronteira. Precisamos escolher os coeficientes cn (t) de tal forma
que u (x, t) satisfaça a equação do calor não-homogênea e a condição inicial; esta última obviamente será
satisfeita se tivermos Z
2 L nπx
cn (0) = f (x) sen dx. (2.26)
L 0 L
Formalmente, substituindo a expressão acima na equação do calor, temos

X ∞
nπx π2 X 2 nπx
c0n (t) sen = −K 2 n cn (t) sen + q (x, t) .
n=1
L L n=1 L

Se para cada t > 0 fixado a função q (x, t) é representada por sua série de Fourier de senos

X nπx
q (x, t) = qn (t) sen ,
n=1
L

obtemos para cada n ∈ N a equação diferencial ordinária

π 2 n2
c0n (t) = −K cn (t) + qn (t) (2.27)
L2
sujeita à condição inicial (2.26). A solução para este problema é
2 2 2 2
Z t
n2 π 2
− nLπ
2 Kt − nLπ
2 Kt Ks
cn (t) = cn (0) e +e qn (s) e L2 ds. (2.28)
0

Assim como fizemos no Teorema 2.5, pode-se provar que esta é a solução do problema (2.24) (veja Exercı́cio
2.9, para o caso em que q é apenas uma função de x). Observe que este método também funciona quando
consideramos condições de Neumann ou de Robin homogêneas.

Exemplo 2.17. Como exemplo, vamos usar o método de variação de parâmetros para resolver o problema
de Neumann do Exemplo 2.16. Escrevemos

c0 (t) X nπx
u(x, t) = + cn (t) cos .
2 n=1
L
Rodney Josué Biezuner 84

Como

q0 = q,
qn = 0 para todo n > 1,

segue que

c0 (0)
c0 (t) = qt + ,
2
n2 π 2
cn (t) = cn (0) e− L2
Kt
para todo n > 1,

logo

c0 X n2 π 2 nπx
u(x, t) = qt + + cn e− L2 Kt cos ,
2 n=1
L
onde cn são os coeficientes da série de Fourier de f . Note que quando t → ∞ a solução se comporta
como
c0
v (x, t) = qt + .
2
Neste sentido, podemos chamar v (x, t) de solução de estado estacionário. Observe como a temperatura
aumenta a uma taxa constante à medida que o tempo passa tornando-se arbitrariamente grande, como
esperávamos. ¤

2.6.3 O problema geral


Considere o problema


 ut = Kuxx + q (x, t) se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,
(2.29)

 a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) = g (t) se t > 0,

a2 u (L, t) + b2 ux (L, t) = h (t) se t > 0,

onde a1 , b1 , a2 , b2 ∈ R são constantes não-negativas tais que a1 , b1 não são simultaneamente nulas e a2 , b2
não são simultaneamente nulas.
Embora não faça sentido obter uma solução de estado estacionário, já que o problema todo é dependente
do tempo, ainda assim podemos considerar escrever

u (x, t) = v (x, t) + w (x, t) , (2.30)

onde desta vez a “solução de estado estacionário” v (x, t) satisfaz o problema



 vxx = 0 se 0 < x < L e t > 0,
a1 v (0, t) − b1 vx (0, t) = g (t) se t > 0, (2.31)

a2 v (L, t) + b2 vx (L, t) = h (t) se t > 0.

A solução deste problema é ainda uma função linear em x, mas desta vez os coeficientes lineares dependem
de t:
v (x, t) = A (t) x + B (t) . (2.32)
Os coeficientes A (t) e B (t) são determinados pelas condições de fronteira. Resolvendo o sistema resultante
½
a1 B (t) − b1 A (t) = g (t)
,
a2 [A (t) L + B (t)] + b2 A (t) = h (t)
Rodney Josué Biezuner 85

obtemos
a1 h (t) − a2 g (t) b1 h (t) + (La2 + b2 ) g (t)
v (x, t) = x+ . (2.33)
(La1 + b1 ) a2 + a1 b2 (La1 + b1 ) a2 + a1 b2
Observe que para resolvermos este sistema, teremos que supor que a1 , a2 também não são simultaneamente
nulas. Isso significa que esta estratégia não funcionará para um problema de Neumann, porque neste caso não
seremos capazes de determinar B (t). Assumindo esta hipótese adicional, a “solução transiente” w = u − v
satisfazerá então, o problema


 wt = Kwxx + q (x, t) − vt (x, t) se 0 < x < L e t > 0,

w(x, 0) = f (x) − v (x, 0) se 0 6 x 6 L,
(2.34)

 a1 w (0, t) − b1 wx (0, t) = 0 se t > 0,

a2 w (L, t) + b2 wx (L, t) = 0 se t > 0,

Para este problema, como as condições de fronteira agora são homogêneas, podemos usar o método de
variação de parâmetros introduzido na subseção anterior, desde que tenhamos um problema de Dirichlet
ou um problema de Robin do tipo tratado anteriormente. Caso contrário, a situação fica mais complicada,
como mostrado na próxima seção.

2.7 Alguns problemas especı́ficos de condução do calor


2.7.1 Problema da barra com convecção de calor em um extremo
Considere uma barra uniforme homogênea de comprimento L, cuja superfı́cie lateral está isolada termica-
mente, uma das extremidades é mantida a uma temperatura constante T1 , mas a outra extremidade não é
termicamente isolada, de modo que ela pode trocar calor com o meio ambiente. Como vimos na Introdução,
pela lei de resfriamento de Newton, esta extremidade perde ou ganha calor (através de radiação ou de con-
vecção, ou ambos) a uma taxa que é proporcional à diferença de temperatura entre este ponto da barra e o
seu meio, isto é,
ux (L, t) = −h[u(L, t) − T2 ],
onde T2 é a temperatura do meio-ambiente e h é uma constante positiva (h = H/K). Portanto, o modelo
matemático para esta situação é o problema com condição de Robin


 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(0, t) = T1 se t > 0,
(2.35)

 ux (L, t) + hu(L, t) = hT2 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.

Para resolver este problema, primeiro procuramos a solução de estado estacionário, já que as condições
nos extremos não são homogêneas. A solução de estado estacionário v = v(x) deve satisfazer o problema
 00
 v (x) = 0 se 0 < x < L,
v(0) = T1 ,
 0
v (L) + hv(L) = hT2 .

Obtemos v(x) = ax + b, com as constantes a, b sendo as soluções do sistema linear


½
b = T1
a + h(aL + b) = hT2

ou seja,
h(T2 − T1 )
v(x) = + T1 .
1 + hL
Rodney Josué Biezuner 86

Definindo w(x, t) = u(x, t) − v(x), segue que a solução transiente w(x, t) satisfaz o problema homogêneo


 wt = Kwxx se 0 < x < L e t > 0,

w(0, t) = 0 se t > 0,

 wx (L, t) + hw(L, t) = 0 se t > 0,

w(x, 0) = g(x) se 0 6 x 6 L,

onde g(x) = f (x) − v(x). Usando o método de separação de variáveis, escrevendo w(x, t) = F (x)G(t),
concluı́mos que F e G devem satisfazer
 00
 F (x) − σF (x) = 0 se 0 < x < L,
F (0) = 0, (2.36)
 0
F (L) + hF (L) = 0,
e
G0 (t) − σKG(t) = 0.
Como antes, é possı́vel
√ verificar que apenas no caso σ < 0 temos soluções que não são identicamente nulas.
Denotando λ = −σ, a solução geral de (2.36) é então da forma

F (x) = c1 cos λx + c2 sen λx,

de modo que
F 0 (x) = −c1 λ sen λx + c2 λ cos λx.
A condição F (0) = 0 implica que c1 = 0, enquanto que a condição F 0 (L) + hF (L) = 0 implica que

c2 λ cos λL = −hc2 sen λL,

ou seja,
λ
tan λL = − .
h
Existem infinitas soluções para esta equação transcendental em λ (pois a reta de inclinação −1/h intercepta
o gráfico de tan λL infinitas vezes); de fato, para cada n ∈ N existe uma única solução λn satisfazendo

(2n − 1)π nπ
< λn < .
2L L
Portanto, generalizando, gostarı́amos de escrever a solução na forma

X n2 π 2
w(x, t) = cn e− L2
Kt
sen λn x, (2.37)
n=1

assumindo que toda função razoável g pode ser escrita como uma série de Fourier generalizada

X
g(x) = cn sen λn x.
n=1

Os valores de λn podem ser obtidos através de métodos numéricos (eles certamente não são uma constante
vezes n, como no caso da série de Fourier). A resolução completa deste problema pede portanto uma teoria
de séries de Fourier generalizadas, o que não faremos neste curso (para ver o desenvolvimento desta teoria,
uma boa referência é [5]).
Rodney Josué Biezuner 87

2.7.2 Condições de fronteira de Robin complexas


A mesma observação da subseção anterior vale para um problema com condições de fronteira de Robin mais
complicadas: 

 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,
(2.38)

 a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) = 0 se t > 0,

a2 u (L, t) + b2 ux (L, t) = 0 se t > 0.
Usando o método de separação de variáveis, caı́mos em um problema de Sturm-Liouville da forma
 00
 F (x) − σF (x) = 0 se 0 < x < L,
a1 F (0) − b1 F 0 (0) = 0, (2.39)

a2 F (L) + b2 F 0 (L) = 0,

e é necessário determinar os autovalores σn e as correspondentes autofunções Fn deste problema. Admitindo


que seja possı́vel encontrá-los, poderemos verificar se existe uma série de Fourier associada a este conjunto
de autofunções (em outras palavras, será que o conjunto de autofunções constitui um sistema ortogonal?) e
escrever a solução na forma

X
u (x, t) = cn eσn Kt Fn (x) .
n=1

A partir daı́, o correspondentes problema com a equação do calor não-homogênea seria resolvido usando
o método de variação de parâmetros como fizemos na seção anterior. Para ver se é realmente possı́vel
fazer isso, como observado antes terı́amos que nos aprofundar mais no estudo da teoria de problemas de
Sturm-Liouville.

2.7.3 Problema do anel circular fino


Considere um fio fino cuja superfı́cie lateral é termicamente isolada (através de uma capa plástica ou fita
isolante, por exemplo), de comprimento 2L, e que é dobrado na forma de um anel circular, através da
união das duas extremidades em x = −L e x = L (escolhemos as coordenadas no fio de modo que o seu
ponto médio corresponde à origem; esta escolha é feita para que as fórmulas obtidas aqui tenham a mesma
aparência que as anteriores). Se o fio é suficientemente fino, é razoável assumir que a temperatura no fio é
constante ao longo de seções transversais, como no caso da barra, e que o calor se propaga uniformemente e
perpendicularmente através das seções transversais. Neste caso, o modelo matemático para este problema é


 ut = Kuxx se − L < x < L e t > 0,

u(−L, t) = u(L, t) se t > 0,

 ux (−L, t) = ux (L, t) se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se − L 6 x 6 L,

onde x é o comprimento de arco ao longo do fio. Observe que as condições de fronteira são uma conseqüência
da hipótese de que o contato entre as duas extremidades do fio é perfeito do ponto de vista térmico. Este é
evidentemente um problema de condições de fronteira mistas. Estas não são exatamente prescritas, mas são
condições de fronteira periódicas, já que podemos imaginar o problema definido para todo x (não apenas para
x entre −L e L), com o ponto x sendo fisicamente igual ao ponto x + 2L, logo tendo a mesma temperatura.
Resolvendo este problema pelo método de separação de variáveis, chegamos ao problema de Sturm-
Liouville periódico  00
 F (x) − σF (x) = 0 se − L < x < L,
F (−L) = F (L), (2.40)
 0
F (−L) = F 0 (L).
Rodney Josué Biezuner 88

A única solução periódica para este problema, além da solução constante F0 (x) = c (correspondente à σ = 0),

F (x) = c1 cos λx + c2 sen λx.

onde, como de costume, λ = −σ. Usando a primeira condição de fronteira, obtemos

c1 cos(−λL) + c2 sen(−λL) = c1 cos(λL) + c2 sen(λL),

donde
2c2 sen(λL) = 0.
Usando a segunda condição de fronteira, obtemos

−λc1 sen(−λL) + λc2 cos(−λL) = −λc1 sen(λL) + λc2 cos(λL),

donde
2λc1 sen(λL) = 0.
Se sen(λL) 6= 0, então c1 = c2 = 0. Portanto, teremos uma solução não identicamente nula somente se

sen(λL) = 0,

nπ n2 π 2
o que corresponde a λ = . Logo, σ = − 2 e
L L
nπx nπx
Fn (x) = an cos + bn sen ,
L L
n2 π 2
Gn (t) = e− L2
Kt
.
Assim, a solução do problema é
∞ ∞
a0 X n2 π 2 nπx X n2 π 2 nπx
u(x, t) = + an e− L2 Kt cos + bn e− L2 Kt sen , (2.41)
2 n=1
L n=1
L

onde an e bn são os coeficientes da série de Fourier da extensão periódica de f de perı́odo 2L. Este é um
exemplo de uma solução que envolve ambos senos e cossenos.

2.8 Solução da Equação do Calor em R – Núcleo do Calor


Queremos resolver o problema da barra infinita:
½
ut = Kuxx se x ∈ R e t > 0,
(2.42)
u(x, 0) = f (x) se x ∈ R,

onde f : R → R é uma função adequada. Este é um problema apenas de valor inicial, chamado problema
de Cauchy. Ele pode ser pensado como o modelo matemático para uma barra muito longa, de modo que
as condições sobre as suas extremidades podem ser desprezadas. Este problema não pode ser resolvido por
séries de Fourier se a funções f não for periódica.
Rodney Josué Biezuner 89

2.8.1 Solução do Problema de Cauchy


Para simplificar a exposição, vamos supor K = 1. Não há perda de generalidade ao se fazer esta hipótese:
basta fazer a mudança de variáveis v (x) = u (Kx) e a nova função v satisfazerá a equação vt = vxx :

vt (x) = Kut (Kx) = K 2 uxx (Kx) = vxx (x) .

Assim, se sabemos resolver o problema de Cauchy


½
ut = uxx se x ∈ R e t > 0,
(2.43)
u(x, 0) = f (x) se x ∈ R,

sabemos resolver o problema (2.42).


Procuramos uma solução fundamental para a equação do calor, uma solução tal que qualquer solução
especı́fica para o problema de Cauchy possa ser de alguma forma construı́da a partir desta solução. Ob-
serve que a equação do calor é uma equação linear envolvendo uma derivada em t e duas derivadas em x.
Conseqüentemente, se u é uma solução para a equação do calor, então

v(x, t) = u(λx, λ2 t)

também é uma solução, para qualquer valor de λ ∈ R. Em outras palavras, a equação do calor é invariante
x2
sob mudanças de coordenadas lineares que deixam invariante a razão . Isso sugere procurar por uma
t
solução que tenha a forma µ 2¶
x
u(x, t) = v (2.44)
t
para alguma função especial v a ser determinada. No entanto, chegaremos ao nosso objetivo de uma maneira
algebricamente mais simples se tentarmos soluções da forma
µ 2¶
x
u(x, t) = w(t)v , (2.45)
t

onde v e w devem ser determinadas. Temos


µ ¶ µ ¶
x2 x2 x2
ut = w0 (t)v − w(t)v 0
t t2 t
e µ ¶
0 x2 2x
ux = w(t)v ,
t t
donde µ ¶ µ ¶
x2 4x2 x2 2
uxx = w(t)v 00 + w(t)v 0 .
t t2 t t
Logo, µ ¶ µ ¶ µ ¶ µ ¶
0 x2 x2 x2 4x2 x2 2 x2
ut − uxx = w (t)v − 2 w(t)v 0 − 2 w(t)v 00 − w(t)v 0 .
t t t t t t t
Portanto, v e w devem satisfazer
µ 2¶ · µ ¶ µ 2¶ µ 2 ¶¸
x w(t) x2 00 x2 x2 x x
w0 (t)v − 4 v + v0 + 2v 0 = 0. (2.46)
t t t t t t t

Escolhendo
s
v(s) = e− 4 ,
Rodney Josué Biezuner 90

segue que
4v 00 (s) + v 0 (s) = 0,
logo a equação acima transforma-se em
µ ¶ µ ¶
x2 2 x2
w0 (t)v − w(t)v 0 =0
t t t
ou, µ ¶
1 2
w0 (t) − w(t) e−x /4t = 0,
2t
donde
1
w0 (t) − w(t) = 0. (2.47)
2t
A solução desta equação é
w(t) = t−1/2 . (2.48)
Concluı́mos que
2
u(x, t) = t−1/2 e−x /4t
. (2.49)
Definição. A solução fundamental para a equação do calor é a função
1 − x2
Γ(x, t) = √ e 4t se x ∈ R e t > 0. (2.50)
4πt
Ela também é chamada o núcleo do calor.
Γ satisfaz a equação do calor em R × (0, +∞), por construção; isso também pode ser diretamente verificado:
x2 − 2t x2
Γt (x, t) = √ 5/2 e− 4t = Γxx (x, t).
8 πt

O núcleo do calor, que é uma função integrável em R; a escolha da constante 1/ 4π é para normalizar a
integral:
Lema 2.18. Para todo t > 0 vale Z
Γ(x, t) dx = 1. (2.51)
R

Prova. Z Z Z Z
1 2
− x4t 1 −y 2
√ 1 2
Γ(x, t) dx = √ e dx = √ e 2 t dy = √ e−y dy = 1.
R 4πt R 4πt R π R
¥
A função Γ é chamada solução fundamental, porque soluções para o problema de Cauchy podem ser
construı́das a partir dela. De fato, fazendo uma convolução entre o núcleo do calor e a condição inicial,
obtemos uma fórmula de representação para a solução limitada do problema de valor inicial da equação do
calor (é uma condição fı́sica razoável que a temperatura inicial da barra infinita seja limitada):
Teorema 2.19. (Solução do Problema de Cauchy) Suponha que f é uma função contı́nua e limitada. Defina
Z Z
1 (x−y)2
u(x, t) = Γ(x − y, t)f (y) dy = √ e− 4t f (y) dy (2.52)
R 4πt R
para x ∈ R e t > 0. Então u é a única solução limitada de classe C ∞ (R × (0, +∞)) ∩ C 0 (R × [0, +∞))
para o problema de valor inicial (2.43). Mais precisamente, temos
sup |u (x, t)| 6 sup |f (x)| para todo t > 0. (2.53)
x∈R x∈R
Rodney Josué Biezuner 91

Prova. Note que Γ ∈ C ∞ (R × (0, +∞)). Além disso, usando indução, podemos ver que as derivadas parciais
de Γ são dadas por
∂ p+q Γ P (x, t) − x2
Γxp tq (x, t) = p q
(x, t) = e 4t
∂x ∂t Q (t)
P √
para algum polinômio P (x, t) = aij xi tj e algum monômio Q (t) = ak πtk/2 . Por exemplo,
−x − x2
Γx (x, t) = √ e 4t ,
2t 4πt
x2 − 2t − x2
Γt (x, t) = √ e 4t ,
8 πt5/2
x2 − 2t − x2
Γxx (x, t) = √ e 4t ,
8 πt5/2
x4 − 12x2 t + 12t2 − x2
Γtt (x, t) = √ e 4t ,
32 πt9/2
−x3 + 6xt − x2
Γxt (x, t) = √ e 4t .
16 πt7/2
Portanto, vemos que as derivadas parciais de Γ são integráveis em R para todo t > 0, logo podemos derivar
sob o sinal de integração para obter
Z
uxp tq (x, t) = Γxp tq (x − y, t)f (y) dy
Rn

para todos p, q > 0, e portanto u ∈ C ∞ (R × (0, +∞)). Como Γ é uma solução para a equação do calor, segue
em particular que Z
[ut − uxx ] (x, t) = [Γt − Γxx ] (x − y, t)f (y) dy = 0,
R
de modo que u satisfaz a equação do calor porque Γ satisfaz.
Para provar que u é contı́nua até a fronteira temos que provar que

lim u(x, t) = f (x0 ) para todo x0 ∈ R. (2.54)


(x,t)→(x0 ,0)

Para provar isso, dados x0 ∈ R e ε > 0, escolha δ > 0 tal que |f (y) − f (x0 )| < ε se |y − x0 | < δ. Então, se
δ
|x − x0 | < , temos (usando o Lema 2.18)
2
¯Z ¯
¯ ¯
|u(x, t) − f (x0 )| = ¯¯ Γ(x − y, t) [f (y) − f (x0 )] dy ¯¯
R
Z x0 +δ Z
6 Γ(x − y, t) |f (y) − f (x0 )| dy + Γ(x − y, t) |f (y) − f (x0 )| dy
x0 −δ |y−x0 |>δ
Z
6 ε + 2 kf kL∞ Γ(x − y, t) dy.
|x−x0 |>δ

Mas, para y satisfazendo |y − x0 | > δ temos

δ 1
|y − x0 | 6 |x − y| + |x − x0 | < |x − y| + 6 |x − y| + |y − x0 | ,
2 2
de modo que
1
|x − y| > |y − x0 | ,
2
Rodney Josué Biezuner 92

e portanto
Z Z Z +∞
1 (x−y)2 1 (y−x0 )2 2 y2
√ e− 4t dy 6 √ e− 16t dy = √ e− 16t dy
4πt |y−x0 |>δ 4πt |y−x0 |>δ 4πt δ
Z +∞ √ Z +∞
1 −z 2 4 2
=√ √ e 4 t dz = √ e−z dz → 0
πt δ/4 t π δ/4t1/2
R +∞ 2 √ δ
quando t → 0+ , porque 0
e−z dz = π < ∞. Portanto, se |x − x0 | < e t > 0 é suficientemente
2
pequeno, temos |u(x, t) − f (x0 )| < 2ε.
O fato de que u é limitada segue imediatamente da fórmula de representação; de fato, para todo x ∈ R
e para todo t > 0 temos Z
|u (x, t)| 6 sup |f | Γ(x − y, t) dy = sup |f | .
R R R

A unicidade decorrerá do princı́pio do máximo que consideraremos a seguir. ¥

2.8.2 O Princı́pio do Máximo em R


O princı́pio do máximo e o resultado de unicidade podem ser extendidos para o domı́nio limitado R, desde
que a solução u satisfaça uma condição de crescimento no infinito:

Lema 2.20. (Princı́pio do Máximo em R) Suponha que u ∈ C 2,1 (R × (0, T )) ∩ C 0 (R × [0, T ]) satisfaz
½
ut = uxx se x ∈ R e t > 0.
(2.55)
u (x, 0) = f (x) se x ∈ R,
e existem constantes M, a > 0 tais que
2
u(x, t) 6 M ea|x| para todo x ∈ R e para todo 0 6 t 6 T. (2.56)

Então
sup u 6 sup f. (2.57)
R×[0,T ] R

1
Prova. Basta provar o resultado assumindo que T < , pois podemos sempre dividir o intervalo [0, T ]
4a
em subintervalos iguais de comprimento menor que 1/4a e aplicar o argumento sucessivamente a estes
subintervalos.
1
Portanto, podemos assumir que existe ε > 0 tal que a < . Fixado y ∈ R e µ > 0, defina
4(T + ε)
µ (x−y)2
v(x, t) = u(x, t) − √ e 4(T +ε−t) .
T +ε−t
O segundo termo também satisfaz a equação do calor, como pode ser verificado diretamente, logo v também
satisfaz a equação do calor. Considere o retângulo

RT = (y − ρ, y + ρ) × (0, T )

Pelo princı́pio do máximo para domı́nios limitados, temos que

v(y, t) 6 max v.
∂ ∗ RT

Temos
v(x, 0) 6 u(x, 0) 6 sup f,
R
Rodney Josué Biezuner 93

enquanto que na outra parte da fronteira parabólica de RT , em que x = y + ρ ou x = y − ρ, temos


2 µ ρ2 2 µ ρ2
v(x, t) 6 M eax − n/2
e 4(T +ε−t) 6 M ea(|x|+ρ) − n/2
e 4(T +ε)
(T + ε − t) (T + ε)
a(|y|+ρ)2 n/2 (a+γ)ρ2
= Me − µ [4 (a + γ)] e ,

onde γ > 0 é tal que


1
a+γ = .
4(T + ε)
Segue que se ρ é suficientemente grande, temos

v(x, t) 6 sup f.
R

Fazendo µ → 0, concluı́mos o teorema. ¥

2.9 Exercı́cios
Exercı́cio 2.1. Resolva os seguintes problemas de valor inicial e de fronteira. Encontre a solução de estado
estacionário, se existir.

 ut = uxx se 0 < x < 1 e t > 0,
(a) u(0, t) = 0, u(1, t) = 100 se t > 0,

u(x, 0) = 100x (1 − x) se 0 6 x 6 1.


 ut = uxx se 0 < x < 10 e t > 0,

u(0, t) = 0,
½ u(10, t) = 100 se t 6 0,
(b)

 0 se 0 6 x < 5,
 u(x, 0) =
100 se 5 < x 6 10.

 ut = uxx se 0 < x < π e t > 0,
(c) ux (0, t) = u(π, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = x se 0 6 x 6 π.

Exercı́cio 2.2. Usando algum software matemático (Scilab, Maple, Matlab, etc.) ou algum pacote gráfico
(OpenGL, Java2D, etc.), plote os gráficos de algumas das soluções do problema anterior e veja como a
solução evolui com o tempo.
Exercı́cio 2.3. O problema de valor inicial e de fronteira para tempo negativo

 ut = Kuxx se 0 < x < L e t < 0,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t 6 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

é bem-posto no sentido de Hadamard? (Sugestão: determine a solução correspondente a


1 nπx
f (x) = sen ,
n L
onde n ∈ N.)
Exercı́cio 2.4. Determine se o princı́pio do máximo vale para a equação do calor não homogênea

ut = Kuxx + q,

onde q é uma função contı́nua tal que q > 0. (Sugestão: considere a função u(x, t) = (1 − e−t ) sen x.)
Rodney Josué Biezuner 94

Exercı́cio 2.5. Mostre que o problema de Neumann




 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

ux (0, t) = 0 se t > 0,

 ux (L, t) = ε se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,
onde ε é uma constante positiva, não possui uma solução limitada em [0, L] × [0, +∞) (em outras
palavras, este problema não possui uma solução de estado estacionário).
Exercı́cio 2.6. (Equação do Calor em uma Barra com Convecção na Superfı́cie Lateral) Assuma que uma
barra uniforme homogênea é isolada termicamente apenas em suas extremidades e que ela perde calor
através de sua superfı́cie lateral a uma taxa por unidade de comprimento diretamente proporcional
à diferença u (x, t) − T , onde T é a temperatura do meio ambiente ao redor da barra. Mostre que a
equação de propagação do calor agora é
ut = Kuxx − h (u − T ) ,
onde h é uma constante positiva. Resolva o problema (de Neumann) associado, usando a função
v = eht (u − T )
para reduzir o problema a um já resolvido.
Exercı́cio 2.7. Mostre que ao introduzirmos as variáveis adimensionais
x K2
ξ= e τ= t,
L L2
a equação do calor
ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0
é transformada em
ut = uxx se 0 < x < 1 e t > 0.
Exercı́cio 2.8. Encontre uma solução para o problema

 ut = Kuxx + g (x, t) se 0 < x < L e t > 0,
ux (0, t) = ux (L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L.

Exercı́cio 2.9. Prove o seguinte teorema, repetindo os passos do Teorema 2.5:


Sejam f, g : [0, L] −→ R contı́nuas com derivadas contı́nuas por partes. Então a solução do problema

 ut = Kuxx + g (x) se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,


X nπx
u(x, t) = cn (t) sen ,
n=1
L
com · ¸
L2 2 2
− nLπ
2 Kt
L2
cn (t) = gn + e f n − gn ,
n2 π 2 K n2 π 2 K
onde Z Z
L L
2 nπx 2 nπx
fn = f (x) sen dx e gn = g(x) sen dx
L 0 L L 0 L
Rodney Josué Biezuner 95

Exercı́cio 2.10. Resolva os seguintes problemas de valor inicial e de fronteira. Encontre a solução de estado
estacionário, se existir.

 ut = Kuxx + a se 0 < x < L e t > 0,
(a) u(0, t) = b, u(L, t) = c se t > 0, onde a, b, c ∈ R.

u(x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L,

 ut = Kuxx + Ce−px se 0 < x < L e t > 0,
(b) u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0, onde p, C são constantes positivas.

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

Exercı́cio 2.11. Encontre o valor constante de q e o menor valor da constante M para os quais o problema

 ut = Kuxx + q se 0 < x < 1 e t > 0,
ux (0, t) = 1, ux (1, t) = 3 se t > 0,

u(x, 0) = x (1 − 2x) + M se 0 6 x 6 1,

possui uma solução de estado estacionário e encontre esta solução.


Exercı́cio 2.12. (Princı́pio de Duhâmel) Mostre que se f = 0, então a solução de (2.24) pode ser obtida
pela fórmula Z t
u (x, t) = u (x, t; s) ds,
0

onde u (x, t, s) é a solução do problema de Dirichlet para a equação do calor homogênea



 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > s,
u(0, t; s) = u(L, t; s) = 0 se t > s,

u(x, s; s) = g (x, s) se 0 6 x 6 L.

Exercı́cio 2.13. Prove que se o problema




 ut = Kuxx se 0 < x < L e t > 0,

u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,
 a1 u (0, t) − b1 ux (0, t) = 0
 se t > 0,

a2 u (L, t) + b2 ux (L, t) = 0 se t > 0,

possuir solução contı́nua para qualquer condição inicial contı́nua, então ela depende continuamente da
condição inicial (assuma que a1 , b1 , a2 , b2 ∈ R satisfazem as mesmas condições do Lema 2.12).
Exercı́cio 2.14. Prove o seguinte princı́pio do máximo, usando a notação do Lema 2.7: Considere o
retângulo R = (x1 , x2 ) × (t1 , t2 ). Suponha que u(x, t) : R → R seja contı́nua em R e satisfaça a
desigualdade
ut 6 Kuxx
em R ∪ `4 . Então o máximo de u é assumido na fronteira parabólica ∂∗ R = `1 ∪ `2 ∪ `3 do retângulo
R.
Exercı́cio 2.15. Prove o seguinte princı́pio do mı́nimo, usando a notação do Lema 2.7: Considere o retângulo
R = (x1 , x2 ) × (t1 , t2 ). Suponha que u(x, t) : R → R seja contı́nua em R e satisfaça a desigualdade

ut > Kuxx

em R ∪ `4 . Então o mı́nimo de u é assumido na fronteira parabólica ∂∗ R = `1 ∪ `2 ∪ `3 do retângulo


R.
Rodney Josué Biezuner 96

Exercı́cio 2.16. Prove o seguinte princı́pio de comparação: Se u e v são duas soluções da equação do
calor que satisfazem as mesmas condições de fronteira (com a1 , b1 , a2 , b2 ∈ R satisfazendo as mesmas
hipóteses do Lema 2.12) e tais que
u (x, 0) 6 v (x, 0)
para todo 0 6 x 6 L,então
u (x, t) 6 v (x, t)
para todo 0 6 x 6 L e para todo t > 0.
Capı́tulo 3

Equação da Onda Unidimensional

3.1 Modelo Matemático da Corda Vibrante


3.1.1 Vibrações Livres
Neste capı́tulo estudaremos o problema de descrever o movimento de uma corda sujeita a pequenas vibrações
transversais. O modelo fı́sico é o seguinte:

1. As vibrações ocorrem em um plano. Denotaremos as coordenadas deste plano por (x, u), de modo que
u(x, t) denota a posição do ponto x da corda no instante de tempo t.
2. As vibrações são transversais. Ou seja, as partı́culas constituintes da corda deslocam-se apenas na
direção do eixo u.
3. A corda é flexı́vel. Isso significa que a corda não oferece resistência a ser dobrada (ou seja, resistência
a flexão, daı́ o nome). Como conseqüência, a força atuando em cada ponto da corda é sempre tangente
à corda, chamada a tensão da corda.

Como não há movimento da corda na direção do eixo x, isso significa que a resultante das componentes
horizontais das tensões atuando em cada pedaço da corda é nula. Portanto, se T (x1 , t) e T (x2 , t) são as
tensões atuando nos pontos x1 e x2 e θ(x1 , t) e θ(x2 , t) são os ângulos destas forças com relação à horizontal
(o eixo x), no instante de tempo t, segue que

T (x1 , t) cos θ(x1 , t) = T (x2 , t) cos θ(x2 , t)

para todos x1 , x2 . Portanto, a componente horizontal da tensão é constante ao longo da corda, independente
do ponto x, embora ela possa depender do tempo t. Vamos denotar esta constante positiva por τ (t):

τ (t) := T (x, t) cos θ(x, t).

Para calcular a resultante vertical da tensão atuando no pedaço da corda compreendido entre x1 e x2 ,
observamos primeiro que a força vertical atuando em um elemento infinitesimal da corda compreendido entre
os pontos x e x + ∆x é dada por:

T (x + ∆x, t) sen θ(x + ∆x, t) − T (x, t) sen θ(x, t) = τ (t) [tan θ(x + ∆x, t) − tan θ(x, t)] .

Usando o fato de que tan θ(x, t) é a inclinação de u(x, t) no instante de tempo t, ou seja, a derivada ux (x, t)
da função u com relação a x, obtemos

τ (t) [tan θ(x + ∆x, t) − tan θ(x, t)] = τ (t) [ux (x + ∆x, t) − ux (x, t)] = τ (t)uxx (x, t)∆x

97
Rodney Josué Biezuner 98

onde, pelo Teorema do Valor Médio, x é algum ponto entre x e x + ∆x. Portanto, a resultante vertical da
tensão atuando no pedaço da corda compreendido entre x1 e x2 é dada por
Z x2
resultante vertical = τ (t) uxx (x, t) dx. (3.1)
x1

Isso significa que em cada ponto x da corda, a força devida à tensão atuando nele no instante de tempo t
é dada por τ (t)uxx (x, t), o produto da tensão horizontal naquele ponto pela curvatura da corda no ponto.
Intuitivamente isso faz sentido, pois a tensão atuando na corda é principalmente uma força horizontal e
quanto maior é a curvatura em um ponto na corda, maior deve ser a tensão naquele ponto: imagine uma
corda presa nas suas extremidades; ao tentarmos flexioná-la, ela oferece resistência exatamente por estar
presa (as extremidades presas “puxam” a corda em suas direções), e quanto mais puxarmos a corda em um
determinado ponto, o que significa que estamos cada vez aumentando mais a curvatura da corda naquele
ponto, maior é a tensão na corda, isto é, a sua resistência a ser assim flexionada.
Além das forças de tensão (forças internas à corda), a corda pode também estar sujeitas a forças externas,
tais como a força da gravidade e a resistência ao movimento da corda imposta pelo meio onde ela está
situada (forças de atrito ou fricção), mas estamos assumindo que a contribuição destas forças é negligı́vel
(por exemplo, a corda é feita de um material muito leve e o meio não oferece resistência significativa), ou
seja, estamos assumindo que as vibrações são livres.
Por outro lado, se utt (x, t) é a aceleração em um ponto x da corda no instante de tempo t (representada
apenas pelo seu componente vertical, já que o seu componente horizontal é nulo) e se a densidade linear da
corda no ponto x é ρ(x), segue da segunda lei de Newton que em cada elemento infinitesimal da corda a
força atuando nele é dm utt (x, t) = ρ(x)dx utt (x, t), de modo que
Z x2
resultante vertical = ρ(x)utt (x, t) dx. (3.2)
x1

Igualando (3.1) a (3.2), usando o fato de que x1 e x2 são arbitrários, e denotando c2 = c2 (x, t) = τ (t)/ρ(x),
obtemos a equação da onda:
utt = c2 uxx . (3.3)

Fisicamente, ela significa que a aceleração em cada ponto da corda é proporcional à curvatura da corda
naquele ponto. Pontos com concavidade para cima (isto é, uxx > 0) tendem a mover para cima (utt > 0),
enquanto que pontos com concavidade para baixo (uxx < 0) tendem a se mover para baixo (utt < 0); é claro
que deve-se levar em conta também a velocidade e a direção em que a corda está-se movendo no momento.
Quando a corda é homogênea (ρ(x) ≡ constante) e as vibrações são pequenas, de modo que θ(x, t) ∼ 0
e conseqüentemente cos θ(x, t) ∼ 1, e a força de tensão não varia com o tempo (por exemplo, uma corda
com as extremidades fixadas), temos que o parâmetro c é uma constante. Observe que o parâmetro c tem
dimensão de velocidade, e o significado fı́sico disso será explicado mais tarde.

3.1.2 Condições Iniciais e de Fronteira


A equação da onda é uma equação de segunda ordem em ambas as variáveis x e t. Conseqüentemente, para
que o problema seja bem posto (isto é, tenha uma única solução), é necessário dar duas condições iniciais: a
posição inicial da corda e a sua velocidade inicial, bem como as condições de fronteira nas extremidades da
corda. No caso da corda, é óbvio que as condições iniciais devem ser funções contı́nuas.
Por exemplo, o modelo matemático para uma corda homogênea de comprimento L, sujeita a vibrações
de pequena amplitude e com as extremidades fixadas, é o problema de Dirichlet


 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,

u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = g(x) se 0 6 x 6 L,
Rodney Josué Biezuner 99

onde as condições iniciais f e g são funções contı́nuas. Este é o caso de uma corda de violão, em que a corda
é deslocada e depois solta para começar a sua vibração (f 6= 0 e g ≡ 0) ou da corda de um piano, em que a
corda em repouso é percurtida por um golpe de martelo (f ≡ 0 e g 6= 0).
Podemos também considerar o problema da corda com extremidades livres, em que as extremidades
da corda são presas a trilhos colocados perpendicularmente à corda, no plano de vibração:


 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,

ux (0, t) = ux (L, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = g(x) se 0 6 x 6 L.
Este é um problema de Neumann
Podemos ainda considerar condições de fronteira mistas (uma extremidade fixa, uma extremidade livre)
ou um problema em que as extremidades da corda se movem transversalmente de acordo com uma lei
conhecida: 

 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,


 u(0, t) = a(t) se t > 0,
u(L, t) = b(t) se t > 0,



 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = g(x) se 0 6 x 6 L.

3.1.3 Solução da Equação da Onda


O problema da corda vibrante é um problema bem posto no sentido de Hadamard se f é de classe C 2 e g é
de classe C 1 .
Definição. Dizemos que uma função u : R → R é uma solução do problema da corda vibrante, se u
é contı́nua em R={(x, t) ∈ R2 : 0 6 x 6 L e t > 0}, u ∈ C 2 (R) e u satisfaz todas as condições iniciais
e de fronteira.

3.1.4 Outros Tipos de Vibração


A equação (3.3) descreve o movimento de uma corda vibrando livremente. No caso em que atuam forças
externas na corda, a resultante vertical das forças atuando sobre a corda é modificada levando-se em conta
estas forças, de modo que obtemos diferentes equações para descrever o movimento da corda:
1. Vibrações forçadas: Se F (x, t) é uma força externa transversal atuando em cada ponto x da corda no
instante de tempo t, levando em conta este termo na dedução da equação da onda acima, vemos que
a equação que descreve o movimento da onda é dada por
F (x, t)
utt = c2 uxx + .
ρ
Por exemplo, se a única força externa que atua na corda é a força gravitacional, então F (x, t) = −ρ(x)g
e portanto
utt = c2 uxx − g
2. Vibrações amortecidas: Se a corda estiver imersa em um fluido que opõe uma resistência ao movimento
da corda, e esta força for proporcional à velocidade da corda, temos
utt = c2 uxx − kut .
Se o atrito depender do quadrado da velocidade da corda, então teremos uma equação não-linear:
utt = c2 uxx − ku2t .
Neste curso não estudamos equações não lineares.
Rodney Josué Biezuner 100

3. Vibrações sob a ação de uma força restauradora:

utt = c2 uxx − ku.

3.2 Solução pelo Método de Separação de Variáveis e Séries de


Fourier
Vamos resolver o problema da corda vibrante com extremidades fixas pelo método de separação de variáveis:


 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,

u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,
(3.4)

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = g(x) se 0 6 x 6 L,

onde f (0) = f (L) = f 00 (0) = f 00 (L) = g(0) = g(L) = 0 e c é uma constante. Escrevendo u(x, t) = F (x)G(t),
obtemos as equações diferenciais ordinárias
½ 00
F (x) − σF (x) = 0 se 0 < x < L,
(3.5)
F (0) = F (L) = 0,
e
G00 (t) − σc2 G(t) = 0. (3.6)
Como de costume, para resolver (3.5), analizamos o sinal de σ e concluı́mos que a única possibilidade
√ de
se obter soluções que não sejam identicamente nulas é quando σ < 0. Neste caso, denotando λ = −σ, a
solução geral de (3.5) é da forma
F (x) = c1 cos λx + c2 sen λx.
A condição inicial F (0) = F (L) = 0 implica que as constantes reais c1 , c2 devem satisfazer o sistema
½
c1 = 0
c2 λ sen λL = 0

e portanto devemos ter λL = nπ, onde n ∈ N pode ser um inteiro positivo qualquer. Portanto, para cada
valor de n, uma solução para o problema de Sturm-Liouville (3.5) é a autofunção
nπx
Fn (x) = sen , (3.7)
L
associada ao autovalor
n2 π 2
−σ = λ2n = .
L2
Agora o problema (3.6) é
c2 n2 π 2
G00 (t) + G(t) = 0,
L2
cuja solução geral é
cnπt cnπt
Gn (t) = an cos + bn sen . (3.8)
L L
Portanto, as soluções fundamentais da equação da onda que satisfazem às condições de fronteira são as
funções µ ¶
nπx cnπt cnπt
un (x, t) = sen an cos + bn sen . (3.9)
L L L
Rodney Josué Biezuner 101

O candidato à solução de (3.4) é a série infinita


X µ ¶
nπx cnπt cnπt
u(x, t) = sen an cos + bn sen .
n=1
L L L

Os seus coeficientes an , bn são determinados através das condições iniciais. Como u(x, 0) = f (x), temos

X nπx
f (x) = an sen ,
n=1
L

ou seja, cn são os coeficientes da série de Fourier em senos de f :


Z L
2 nπx
an = f (x) sen dx.
L 0 L

Derivando termo a termo a série acima em relação a t, encontramos


X∞ µ ¶
cnπ nπx cnπt cnπt
ut (x, t) = sen −an sen + bn cos .
n=1
L L L L

Como ut (x, 0) = g(x), segue que


X∞
cnπ nπx
g(x) = bn sen
n=1
L L
cnπ
e bn são portanto os coeficientes da série de Fourier em senos de g:
L
Z L
2 nπx
bn = g(x) sen dx.
cnπ 0 L

Exemplo 3.1. Resolva o problema




 utt = uxx se 0 < x < π e t > 0,

u(0, t) = u(π, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = sen x se 0 6 x 6 π,

ut (x, 0) = 0 se 0 6 x 6 π.

Pelo método de separação de variáveis, obtemos

u(x, t) = sen x cos t.

Observe que em cada instante de tempo t a forma da corda é uma senoidal, cuja amplitude varia de
maneira periódica. Por exemplo,

u(x, 0) = √
sen x, u(x, 5π/4) = − 22 sen x,
u(x, π/4) = 22 sen x, u(x, 3π/2) √= 0,
u(x, π/2) =√
0, u(x, 7π/4) = 22 sen x
u(x, 3π/4) = − 22 sen x, u(x, 2π) = sen x.
u(x, π) = − sen x,

¤
Rodney Josué Biezuner 102

O exemplo anterior ilustra de forma clara a diferença da equação do calor para a equação da onda. Na
equação da onda, o termo dependente de t também é uma função periódica, de modo que a corda vibra. Na
equação do calor, diferentemente, o termo dependente de t é um decaimento exponencial em t: o calor se
propaga (e se dissipa) rapidamente.

Exemplo 3.2. Resolva o problema




 utt = uxx se 0 < x < π e t > 0,

u(0, t) = u(π, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = 0 se 0 6 x 6 π,

ut (x, 0) = sen x se 0 6 x 6 π.

Pelo método de separação de variáveis, obtemos

u(x, t) = sen x sen t.

Aqui também a forma da corda é uma senoidal em cada instante de tempo t, cuja amplitude varia de
maneira periódica. Apenas o intervalo de tempo é deslocado de uma constante, porque a corda começa
do repouso: √
2
u(x, 0) =

0, u(x, 5π/4) = − 2 sen x,
2
u(x, π/4) = 2 sen x, u(x, 3π/2) = √
sen x,
u(x, π/2) =√sen x, u(x, 7π/4) = − 22 sen x
2
u(x, 3π/4) = 2 sen x, u(x, 2π) = 0.
u(x, π) = 0,
¤

Mais uma vez, é possı́vel provar rigorosamente que este candidato é de fato a única solução para o
problema (3.4) sob hipóteses razoáveis:

Teorema 3.3. Sejam f, g : [0, L] → R, f de classe C 2 e g de classe C 1 , tais que f (0) = f (L) = f 00 (0) =
f 00 (L) = g(0) = g(L) = 0. Suponha, além disso, que f 000 e g 00 são contı́nuas por partes. Então

X µ ¶
nπx cnπt cnπt
u(x, t) = sen an cos + bn sen
n=1
L L L

com
Z L
2 nπx
an = f (x) sen dx,
L 0 L
Z L
2 nπx
bn = g(x) sen dx,
cnπ 0 L

é uma solução para (3.4), contı́nua em R e de classe C 2 em R.

Prova: Para mostrar que u é contı́nua em R, mostraremos que a série que defina u converge uniformemente
em R. Para provar isso pelo teste-M de Weierstrass, basta mostrar que

X
(|an | + |bn |) (3.10)
n=1
Rodney Josué Biezuner 103

é convergente. Integrando por partes duas vezes (como fizemos para estimatir os coeficientes de Fourier no
Capı́tulo 1) e usando as hipóteses que f é de classe C 2 e que f (0) = f (L) = 0, obtemos
Z " Z L #
2 L nπx 2 L nπx ¯¯L L 0 nπx
an = f (x) sen dx = − f (x) cos ¯ + f (x) cos dx
L 0 L L nπ L 0 nπ 0 L
Z L " Z L #
2 0 nπx 2 L 0 nπx ¯¯L L 00 nπx
= f (x) cos dx = f (x) sen ¯ − f (x) sen dx
nπ 0 L nπ nπ L 0 nπ 0 L
Z L
2L nπx
=− 2 2 f 00 (x) sen dx.
n π 0 L
Como pelo Lema de Riemann Lebesgue
Z L
nπx
f 00 (x) sen dx → 0 quando n → ∞,
0 L
segue que existe uma constante C independente de n tal que
C
|an | 6 . (3.11)
n2
Analogamente, integrando por partes uma vez e usando as hipóteses que g(0) = g(L) = 0 e g é de classe C 1 ,
obtemos
Z L " Z L #
2 nπx 2 L nπx ¯¯L L 0 nπx
bn = g(x) sen dx = bn = − g(x) cos ¯ + g (x) cos dx
cnπ 0 L cnπ nπ L 0 nπ 0 L
Z L
2L nπx
= 2 2 g 0 (x) cos dx,
cn π 0 L
de modo que concluı́mos também que existe uma constante C independente de n tal que
C
|bn | 6 . (3.12)
n2
Segue de (3.11) e (3.12) que a série (3.10) converge, logo u é contı́nua em R.
Se integrarmos por partes (3.11) mais uma vez e usarmos as hipóteses f 00 (0) = f 00 (L) = 0 e que f 000 é
contı́nua por partes, obtemos
" Z L #
2L L 00 nπx ¯¯L L 000 nπx
an = − 2 2 − f (x) cos ¯ + f (x) cos dx
n π nπ L 0 nπ 0 L
Z L
2L2 nπx
=− 3 3 f 000 (x) sen dx
n π 0 L
2L2
= − 3 3 cn , (3.13)
n π
onde cn são os coeficientes de Fourier de f 000 . Da mesma forma, integrando por partes (3.12) mais uma vez
obtemos
" Z L #
2L L 0 nπx ¯¯L L 00 nπx
bn = 2 2 g (x) sen ¯ − g (x) sen dx
cn π nπ L 0 nπ 0 L
Z L
2L2 nπx
= 3 3 g 00 (x) sen dx
cn π 0 L
2L2
= 3 3 dn , (3.14)
cn π
Rodney Josué Biezuner 104

onde dn são os coeficientes de Fourier de g 00 . Porque f 000 e g 00 são contı́nuas por partes, pelo lema de Riemann-
Lebesgue temos que cn , dn → 0 quando n → ∞, logo segue de (3.13) e (3.14) que existe uma constante C > 0
tal que
C
|an | , |bn | 6 3 ,
n
logo a série

X
n (|an | + |bn |)
n=1
1
converge, o que prova que u é de classe C em R e que podemos derivar a série que define u termo a termo
para obter
∞ µ ¶
πX nπx cnπt cnπt
ux (x, t) = n cos an cos + bn sen ,
L n=1 L L L
∞ µ ¶
cπ X nπx cnπt cnπt
ut (x, t) = n sen −an sen + bn cos .
L n=1 L L L

Usando (3.13) e (3.14) novamente, podemos escrever


C C
|an | 6|cn | e |bn | 6 3 |dn | .
n3 n
¡ ¢
Logo, usando a desigualdade ab 6 12 a2 + b2 , temos
µ ¶
C 1 2
n2 |an | 6 + |cn | ,
2 n2
µ ¶
C 1 2
n2 |bn | 6 + |d n | .
2 n2
Daı́, "∞ #

X ∞ ∞
2 C X 1 X 2
X 2
n (|an | + |bn |) 6 + |cn | + |dn | .
n=1
2 n=1 n2 n=1 n=1

Como as três séries do lado direito são convergentes (as duas últimas pela desigualdade de Bessel), segue
que u é de classe C 2 em R e que podemos derivar as séries que definem as derivadas primeiras de u termo a
termo para obter as derivadas segundas de u:
∞ µ ¶
π2 X 2 nπx cnπt cnπt
uxx (x, t) = − 2 n sen an cos + bn sen ,
L n=1 L L L
∞ µ ¶
c2 π 2 X 2 nπx cnπt cnπt
utt (x, t) = − 2 n sen an cos + bn sen ;
L n=1 L L L

em particular, vemos que utt = c2 uxx . É fácil ver que as condições inicial e de fronteira são verificadas. ¥
Como veremos no Teorema 3.5, as hipóteses sobre a derivada terceira de f e a derivada segunda de g podem
ser removidas; de fato, não é nem mesmo necessário que existam f 000 e g 00 para que a equação da onda possua
solução de classe C 2 .

3.2.1 Exercı́cios
Exercı́cio 3.1. Use o método de separação de variáveis para resolver os seguintes problemas de valor ini-
cial e de fronteira (em alguns problemas, pode ser necessário encontrar antes a solução de “estado
estacionário”).
Rodney Josué Biezuner 105

 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,
(a) ux (0, t) = 0, ux (L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) , ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.

 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,
(b) u(0, t) = 0, ux (L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) , ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.

 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,
(c) u(0, t) = A, u(L, t) = B se t > 0,

u(x, 0) = f (x) , ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.

 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,
(d) u(0, t) = A + Bt, u(L, t) = C + Dt se t > 0,

u(x, 0) = f (x) , ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.
(e) (Corda sujeita à ação da gravidade)

 utt = c2 uxx − g se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = 0, u(L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) , ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.

(f ) (Corda sujeita à ação de uma força restauradora)



 utt = c2 uxx − αu se 0 < x < L e t > 0, α > 0,
u(0, t) = 0, u(L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) , ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.

(g) (Corda sujeita à ação de uma força dissipativa)



 utt = c2 uxx − 2but se 0 < x < L e t > 0, b > 0,
u(0, t) = 0, u(L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = f (x) , ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.

(h) (Corda Dedilhada)


 
 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,

  hx
 se 0 6 x 6 a,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0, a
com f (x) = L−x

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L, 
 h se a 6 x 6 L.

ut (x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L, L−a

(i) (Corda percurtida por um martelo plano) Para 0 < a < L e δ > 0 pequeno:


 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0, ½

u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0, v se |x − a| 6 δ,
com g(x) =

 u(x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L, 0 se |x − a| > δ.

ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L,

(j) (Corda percurtida por um martelo convexo) Para 0 < a < L e δ > 0 pequeno:


 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0, (
 π (x − a)
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0, v cos se |x − a| 6 δ,
com g(x) = 2δ

 u(x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L, 0 se |x − a| > δ.

ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L,
Rodney Josué Biezuner 106

Exercı́cio 3.2. Usando algum software matemático (Scilab, Mupad, Maple, Matlab, Mathematica, etc.) ou
algum pacote gráfico (OpenGL, Java2D, etc.), plote os gráficos de algumas das soluções do exercı́cio
anterior e veja como a solução evolui com o tempo.
Exercı́cio 3.3. Prove que as soluções que você encontrou no Exercı́cio 3.2 (a), (c), (d) e (e) são contı́nuas
em R e de classe C 2 em R. O que você pode dizer sobre as soluções que você encontrou nos ı́tens (f),
(g) e (h)?
Exercı́cio 3.4. (Princı́pio de Duhâmel) Mostre que a solução do problema de Dirichlet para a equação da
onda não-homogênea com condições iniciais homogêneas
 2
 utt = c uxx + q(x, t)


se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L,

é dada por Z t
u(x, t) = u(x, t; s) ds,
0

onde u (x, t, s) é a solução do problema de Dirichlet para a equação da onda homogênea




 utt (x, t; s) = c2 uxx (x, t; s) se 0 6 x 6 L e t > s,

u(0, t; s) = u(L, t; s) = 0 se t > s,

 u(x, s; s) = 0 se 0 6 x 6 L,

ut (x, s; s) = q(x, s) se 0 6 x 6 L.

Exercı́cio 3.5. Use o exercı́cio anterior para resolver o problema


 2
 utt = c uxx + q(x, t)


se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = g (x) se 0 6 x 6 L.

3.3 A Solução de D’Alembert


3.3.1 Solução Geral da Equação da Onda
Em geral, a existência de uma solução geral é tı́pico das equações diferenciais ordinárias e excepcional em
se tratando de equações diferenciais parciais. Vamos agora ver que a equação das ondas é uma equação
diferencial parcial atı́pica, no sentido de que ela possui uma solução geral:

Teorema 3.4. (Solução de D’Alembert, 1747) Suponha que u é uma função de classe C 2 que satisfaz a
equação da onda
utt = c2 uxx
onde c é uma constante. Então existem funções F, G : R → R de classe C 2 tais que

u(x, t) = F (x + ct) + G(x − ct). (3.15)

Além disso, esta é a solução geral da equação da onda.


Rodney Josué Biezuner 107

Prova: Vamos introduzir novas variáveis


r = x + ct e s = x − ct
e definir uma nova função v(r, s) por
v(r, s) = v(x + ct, x − ct) = u(x, t).
Pela regra da cadeia, segue que
ux = vr rx + vs sx = vr + vs ,
uxx = (ux )x = (vr + vs )x = vrr rx + vrs sx + vsr rx + vss sx = vrr + 2vrs + vss ,
e
ut = vr rt + vs st = c(vr − vs ),
utt = (ut )t = c(vr − vs )t = c[vrr rt + vrs st − vsr rt − vss st ] = c2 (vrr − 2vrs + vss ).
Aqui usamos o fato de que v é de classe C 2 para garantir que vrs = vsr .
Como utt = c2 uxx , segue que
c2 (vrr − 2vrs + vss ) = c2 (vrr + 2vrs + vss )
e, portanto,
vrs = 0.
É fácil resolver esta equação por integração simples. Por exemplo, (vr )s = 0 implica que vr é constante em
relação a s, isto é, vr é uma função apenas de r:
vr (r, s) = f (r);
em particular, f é de classe C 1 . Daı́, integrando novamente obtemos
Z
v(r, s) = f (r)dr + G(s).
R
Definindo F (r) = f (r)dr, segue que F é de classe C 2 e
v(r, s) = F (r) + G(s).
Como G(s) = v(r, s) − F (r), temos que G também é de classe C 2 .
Voltando às variáveis originais x, t, concluı́mos portanto que
u(x, t) = v(x + ct, x − ct) = F (x + ct) + G(x − ct)
com F e G de classe C 2 .
Reciprocamente, qualquer função u da forma u(x, t) = F (x + ct) + G(x − ct), onde F, G são funções de
classe C 2 , é uma solução de classe C 2 da equação da onda, pois
ux = F 0 (x + ct) + G0 (x − ct),
uxx = F 00 (x + ct) + G00 (x − ct),
ut = cF 0 (x + ct) − cG0 (x − ct),
utt = c2 F 00 (x + ct) + c2 G00 (x − ct) = c2 uxx .
¥
A expressão F (x + ct) é chamada uma onda viajante movendo-se para a esquerda com velocidade c, porque
o gráfico de F (x + ct) é o gráfico de F (x) deslocado ct unidades para a esquerda. Analogamente, G(x − ct)
é uma onda viajante movendo-se para a direita com velocidade c. A solução da equação da onda é portanto
a soma de duas ondas viajantes, movendo-se com a mesma velocidade mas em sentidos opostos.
Rodney Josué Biezuner 108

3.3.2 Solução do Problema de Dirichlet para a Equação da Onda pelo Método


de D’Alembert
O teorema da subseção anterior não nos diz que forma as funções F e G devem assumir, especialmente se
quisermos considerar um problema com valores inicial e de fronteira especificados. A forma de F e G para
o problema de Dirichlet é sugerida quando comparamos a solução de D’Alembert com a solução obtida para
o problema através do método de separação de variáveis e séries de Fourier na seção anterior
X∞ µ ¶
nπx cnπt cnπt
u(x, t) = sen an cos + bn sen ,
n=1
L L L

onde
Z L
2 nπx
an = f (x) sen dx,
L 0 L
Z L
2 nπx
bn = g(x) sen dx.
cnπ 0 L
De fato, usando as identidades trigonométricas, temos
· ¸
nπx cnπt 1 nπ(x + ct) nπ(x − ct)
sen cos = sen + sen ,
L L 2 L L
· ¸
nπx cnπt 1 nπ(x − ct) nπ(x + ct)
sen sen = cos − cos ,
L L 2 L L
de modo que
∞ · ¸ ∞ · ¸
1X nπ(x + ct) nπ(x + ct) 1X nπ(x − ct) nπ(x − ct)
u(x, t) = an sen − bn cos + an sen + bn cos ,
2 n=1 L L 2 n=1 L L

ou seja,

1 Xh nπr i

nπr
F (r) = an sen − bn cos ,
2 n=1 L L
1 Xh nπs i

nπs
G(s) = an sen + bn cos .
2 n=1 L L

Como an são os coeficientes de Fourier da extensão periódica ı́mpar de perı́odo 2L da função f , que deno-
taremos por fe, segue que

1X nπx 1
an sen = fe(x) .
2 n=1 L 2
cnπbn
Por outro lado, são os coeficientes de Fourier da extensão periódica ı́mpar de perı́odo 2L da função
L
g; bn não são os coeficientes de Fourier da extensão periódica par de perı́odo 2L da função g. Para resolver
este problema, observe que ao integramos termo a termo
X∞
cnπbn nπx
g (x) = sen ,
n=1
L L

obtemos Z x ∞
X nπx
g (ξ) dξ = −c bn cos
0 n=1
L
Rodney Josué Biezuner 109

Assim, se denotarmos por ge a extensão periódica ı́mpar de perı́odo 2L da função g, temos que
∞ Z x
1X nπr 1
bn cos =− ge(ξ) dξ.
2 n=1 L 2c 0

Em outras palavras,
Z r
1e 1
F (r) = f (r) + ge(ξ) dξ,
2 2c 0
Z s
1 1
G(s) = fe(s) − ge(ξ) dξ,
2 2c 0
e
Z x+ct Z x−ct
1e 1 1 1
u(x, t) = f (x + ct) + g(ξ) dξ + fe(x − ct) − ge(ξ) dξ
2 2c 0 2 2c 0
Z x+ct
1 1
= [fe(x + ct) + fe(x − ct)] + ge(ξ) dξ.
2 2c x−ct

Agora observe que, diferentemente do enunciado do Teorema 3.3, as funções F e G, e portanto a solução
u, serão de classe C 2 simplesmente se exigirmos que f seja de classe C 2 (desde que, além disso, f 00 (0) =
f 00 (L) = 0) e g seja de classe C 1 . Estas considerações nos levam a enunciar o seguinte resultado:

Teorema 3.5. (Solução de D’Alembert para o Problema de Dirichlet) Sejam f, g : [0, L] → R, f de classe
C 2 e g de classe C 1 , tais que f (0) = f (L) = f 00 (0) = f 00 (L) = g(0) = g(L) = 0. Então
Z x+ct
1 e e 1
u(x, t) = [f (x + ct) + f (x − ct)] + ge(s) ds, (3.16)
2 2c x−ct

onde fe, ge são as extensões periódicas ı́mpares de f, g, respectivamente, com perı́odo 2L, é a única
solução para (3.4), contı́nua em R e de classe C 2 em R. Além disso, (3.4) é bem posto no sentido de
Hadamard.

Prova: Pelo Teorema 3.4, existem funções F, G : R → R de classe C 2 tais que

u(x, t) = F (x + ct) + G(x − ct).

As funções F e G não podem ser determinadas de maneira única, porque se c é uma constante arbitrária,
então F + c e G − c levam à mesma solução para o problema. Mas, por este mesmo motivo, não há perda
de generalidade se impusermos a condição
F (0) = 0.
Além disso, o problema envolve apenas os valores de x e t tais que 0 6 x 6 L e t > 0, logo apenas os
valores de F em [0, +∞) e de G em (−∞, L] são relevantes para a solução. Estes valores serão unicamente
determinados pelas condições iniciais e de fronteira.
Das condições iniciais do problema, obtemos

F (x) + G(x) = f (x),


cF (x) − cG0 (x) = g(x),
0

se 0 6 x 6 L. Como f (0) = F (0) = 0, segue que G(0) = 0. Integrando a última expressão, obtemos
Z
1 x
F (x) − G(x) = g(s) ds
c 0
Rodney Josué Biezuner 110

se 0 6 x 6 L. Concluı́mos que
Z x
1 1
F (x) = f (x) + g(s) ds,
2 2c 0
Z x
1 1
G(x) = f (x) − g(s) ds
2 2c 0

para x ∈ [0, L]. Para encontrar os valores de F e G além deste intervalo, usamos as condições de fronteira.
De u(0, t) = 0 para todo t > 0, obtemos F (ct) + G(−ct) = 0 para todo t > 0, isto é,

F (x) + G(−x) = 0 para todo x > 0, (3.17)

e de u(L, t) = 0 para todo t > 0, obtemos F (L + ct) + G(L − ct) = 0 para todo t > 0, isto é,

F (L + x) + G(L − x) = 0 para todo x > 0. (3.18)

Em particular, de (3.17) segue que G(x) = −F (−x) para todo x 6 0, logo


Z −x
1 1
G(x) = −F (−x) = − f (−x) − g(s) ds para todo − L 6 x 6 0.
2 2c 0

(Em outras palavras, G em [−L, 0] é a extensão ı́mpar da restrição de F ao intervalo [0, L].) Agora, se fe, ge
são as extensões periódicas ı́mpares de f, g, respectivamente, com perı́odo 2L, então para x 6 0 temos

fe(x) = −f (−x),
Z −x Z −x Z x
g(s) ds = − ge(−s) ds = ge(s) ds,
0 0 0

de modo que Z x
1 1
G(x) = fe(x) − ge(s) ds para todo − L 6 x 6 L.
2 2c 0

De (3.17), segue que Z x


1e 1
F (x) = f (x) + ge(s) ds para todo − L 6 x 6 L.
2 2c 0

Por outro lado, de (3.18) e (3.17) segue que

G(L − x) = −F (L + x) = −G(−L − x) para todo x > 0,

ou, tomando x = −y + L,
G(y) = G(y − 2L) para todo y 6 L,
o que significa que G é a restrição a (−∞, L] de uma função periódica de perı́odo 2L. Segue então de (3.17)
que o gráfico de F em [0, +∞) é obtido do gráfico de G em (−∞, 0] por simetria com respeito à origem, de
modo que F é a restrição a [0, +∞) de uma função periódica de perı́odo 2L. Portanto,
Z
1 1 x
F (x) = fe(x) + ge(s) ds para todo x > 0,
2 2c Z 0 (3.19)
x
1 1
G(x) = fe(x) − ge(s) ds para todo x 6 L.
2 2c 0

Para que F e G sejam de classe C 2 , precisamos que f seja de classe C 2 e que g seja de classe C 1 . Além
disso, como fe é ı́mpar, derivando fe(x) = −fe(−x) duas vezes produz fe00 (x) = −fe00 (−x) para todo x; em
Rodney Josué Biezuner 111

particular, fe00 (0) = −fe00 (0), o que implica fe00 (0) = 0, e fe00 (L) = −fe00 (−L) = −fe00 (L) (porque fe tem perı́odo
2L), logo fe00 (L) = 0 também.
Como F e G foram determinadas de maneira única nos intervalos [0, +∞) e (−∞, L], respectivamente,
segue que a única solução para o problema é
Z x+ct
1 e e 1
u(x, t) = [f (x + ct) + f (x − ct)] + ge(s) ds.
2 2c x−ct

É fácil verificar a partir daı́ que a solução depende continuamente dos valores iniciais, pois se u1 e u2 são
soluções de (3.4) correspondentes aos valores iniciais f1 , g1 e f2 , g2 , respectivamente, então
¯Z ¯
1 ¯¯ ¯
¯ 1 ¯¯ x+ct ¯
|u1 (x, t) − u2 (x, t)| 6 ¯fe1 (x + ct) + fe1 (x − ct) − fe2 (x + ct) − fe2 (x − ct)¯ + ¯ [ g
e1 (s) − g
e2 (s)] ds ¯
¯
2 2c x−ct
Z
1 ¯¯ ¯ 1¯
¯ ¯
¯
¯ 1 x+ct
6 ¯fe1 (x + ct) − fe2 (x + ct)¯ + ¯fe1 (x − ct) − fe2 (x − ct)¯ + max |ge1 − ge2 | ds,
2 2 2c [x−ct,x+ct] x−ct

Como
¯ ¯
¯e ¯
¯f1 (x + ct) − fe2 (x + ct)¯ 6 max |f1 − f2 | ,
[0,L]
¯ ¯
¯e ¯
¯f1 (x − ct) − fe2 (x − ct)¯ 6 max |f1 − f2 | ,
[0,L]

porque fe1 − fe2 tem perı́odo 2L e é ı́mpar, e


¯Z x+ct ¯ ¯¯Z L ¯ Z
¯ L
¯ ¯ ¯ ¯
¯ [ge1 (s) − ge2 (s)] ds¯¯ 6 ¯ [ge1 (s) − ge2 (s)] ds¯ 6 |ge1 (s) − ge2 (s)| ds
¯ ¯ 0 ¯
x−ct 0
Z L
6 max |g1 − g2 | ds = L max |g1 − g2 |
[0,L] 0 [0,L]

porque ge1 − ge2 tem perı́odo 2L e é ı́mpar, segue que


L
|u1 − u2 | 6 max |f1 − f2 | + max |g1 − g2 | .
[0,L] 2c [0,L]

¥
Compare a expressão obtida em (3.19) com a expressão para F e G obtida através de séries de Fourier.

3.4 Solução da Equação da Onda em R


3.4.1 Corda Infinita
Usando a solução de D’Alembert podemos resolver o problema da corda infinita:

 utt = c2 uxx se x ∈ R e t > 0,
u(x, 0) = f (x) se x ∈ R,

ut (x, 0) = g(x) se x ∈ R,

onde f, g : R → R são funções de classe C 2 . Este é um problema de valor inicial apenas, também chamado
de problema de Cauchy. Ele pode ser pensado como o modelo matemático para uma corda muito longa,
de modo que as condições sobre as suas extremidades podem ser desprezadas. Este problema não pode ser
resolvido por séries de Fourier se as funções f e g não forem periódicas, mas usando o mesmo argumento do
Rodney Josué Biezuner 112

Teorema 3.5 (este caso é ainda mais simples e muitos dos detalhes daquela demonstração são desnecessários),
obtemos a solução como sendo
Z x+ct
1 1
u(x, t) = [f (x + ct) + f (x − ct)] + g(s) ds. (3.20)
2 2c x−ct

3.4.2 Domı́nio de Dependência e Cone de Influência


Observando a solução de D’Alembert, vemos que o valor da solução u da equação da onda no ponto (x, t)
depende apenas dos valores das condições iniciais no intervalo [x − ct, x + ct]. Este é chamado o intervalo de
dependência do ponto (x, t). Assim o valor de u em (x, t) é obtido através de informação que se propaga
a partir de todos os pontos s no intervalo de dependência. Esta informação propaga-se com velocidade
diferente para cada ponto s, porque cada ponto está a uma distância diferente do ponto x. Por exemplo,
a informação devida ao próprio ponto x (que está no centro do intervalo de dependência) chega ao ponto
x instantaneamente, é claro, logo a velocidade de propagação da informação é 0. Os pontos mais distantes
do ponto x dentro do intervalo de dependência são os pontos x − ct e x + ct; a informação provinda destes
pontos chega ao ponto x no instante de tempo t com velocidade c. A informação provinda dos outros pontos
do intervalo de dependência chega ao ponto x com velocidade menor que c. Portanto, a velocidade da
informação que chega no ponto (x, t) é sempre menor ou igual a c. Isso contrasta com a equação do calor,
em que a velocidade de propagação é infinita. De fato, como vimos, a solução da equação do calor na barra
infinita é dada por Z
1 (x−y)2
u(x, t) = √ e− 4t f (y) dy,
4πt R
o que implica que o valor da solução u em (x, t) é influenciado pelos valores da condição inicial f em todos
os pontos y da barra (exceto que o peso destes valores diminui exponencialmente com a distância de y ao
ponto x). As retas que ligam (x − ct, 0) a (x, t) e (x + ct, 0) a (x, t) são chamadas retas caracterı́sticas.
Elas têm inclinação 1/c e −1/c, respectivamente.
A fórmula de D’Alembert também implica que os valores das condições iniciais f e g no ponto (x, 0)
influenciam os valores de u apenas no setor determinado pelas semi-retas emanando de (x, 0) com inclinações
1/c e −1/c. Este setor é chamado o cone de influência de x (cone, em analogia ao problema da onda
tridimensional). Pontos (y, t) fora do cone de influência de x não são afetados pelas condições iniciais em x,
porque a velocidade de propagação da informação não pode exceder c.

3.4.3 Fenômeno de Huygens


Ainda examinando a solução de D’Alembert, vemos que se a velocidade inicial é 0, o valor da solução u da
equação da onda no ponto (x, t) depende apenas do valor da posição inicial nos extremos x − ct e x + ct do
intervalo [x − ct, x + ct]:
1
u(x, t) = [f (x + ct) + f (x − ct)].
2
Esta observação é a base para a explicação do princı́pio de Huygens: uma perturbação (pulso) originando em
um determinado ponto propaga-se ao longo da frente de onda com velocidade c em dimensões 1 e 3 (ondas
unidimensionais e tridimensionais), mas em dimensão 2 (ondas bidimensionais) continua tendo efeitos mesmo
depois que a frente de onda passou. Em outras palavras, fixado um ponto x longe da perturbação inicial,
esta demora um certo tempo até chegar a x viajando à velocidade c, perturba x durante um momento e
depois afasta-se, deixando o ponto x em repouso. No caso de ondas tridimensionais, o fenômeno de Huygens
ocorre mesmo quando a velocidade inicial não é nula. Esta é a diferença entre a propagação de ondas no ar e
no mar. Em ondas bidimensionais a perturbação inicial continua sempre afetando o ponto x, como pode ser
observado quando se joga uma pedra na superfı́cie de um lago. Examinaremos a solução para as equações
da onda bidimensional e tridimensional mais tarde, e então teremos a oportunidade de constatar estes fatos.
Rodney Josué Biezuner 113

3.4.4 Exercı́cios
Exercı́cio 3.6. Usando algum software matemático (Scilab, Mupad, Maple, Matlab, Mathematica, etc.) ou
algum pacote gráfico (OpenGL, Java2D, etc.), crie uma animação para ver como as funções F e G se
sobrepõe para criar a solução u para o problema de Dirichlet da equação da onda em um intervalo
[0, L]. Escolha vários pares de funções F e G que satisfaçam as condições do Teorema 3.5.
Exercı́cio 3.7. Mostre que a solução geral para a equação da onda não-homogênea

utt = c2 uxx − g


g
u (x, t) = x (x − 1) + F (x + ct) + G(x − ct),
2c2
onde F e G são funções arbitrárias de classe C 2 .
Exercı́cio 3.8. Encontre a solução de D’Alembert do problema de Neumann homogêneo para a equação da
onda.
Exercı́cio 3.9. Encontre a solução de D’Alembert do problema de Robin homogêneo para a equação da
onda com condições de fronteira u(0, t) = 0, ux (L, t) = 0.
Exercı́cio 3.10. Mostre que a solução geral para a equação da onda não-homogênea

utt = c2 uxx + q (x, t)

é Z
1
u (x, t) = F (x + ct) + G(x − ct) + q (r, s) drds,
2c T

onde F e G são funções arbitrárias de classe C 2 e T é o triângulo de vértices (x − ct, 0), (x + ct, 0) e
(x, t).

3.5 Harmônicos, Energia da Corda e Unicidade de Solução para


a Equação da Onda
3.5.1 Harmônicos
A solução de D’Alembert é simples se comparada com a solução usando séries de Fourier (solução dada por
Bernoulli), mas ela tem um inconveniente sério: é muito difı́cil enxergar as vibrações através dela, pois a
periodicidade da solução com respeito à variável t não é visı́vel, a não ser nos casos mais simples.
A vantagem da solução em série de Fourier é que as vibrações da corda são facilmente discernı́veis. Con-
sidere a solução para o problema da corda livremente vibrante em pequenas amplitudes, com extremidades
fixadas, que obtivemos anteriormente:

X µ ¶
nπx cnπt cnπt
u(x, t) = sen an cos + bn sen .
n=1
L L L

Esta expressão pode ser simplificada se definirmos


an
θn = arctan
bn
e p
αn = a2n + b2n ,
Rodney Josué Biezuner 114

de modo que podemos escrever


µ ¶
cnπt cnπt cnπt
an cos + bn sen = αn sen + θn
L L L
porque
µ ¶
cnπt cnπt cnπt
αn sen + θn = αn sen cos θn + αn cos sen θn
L L L
cnπt c cnπt d
= αn sen p n + +αn cos p n
L 2
cn + dn2 L cn + d2n
2

cnπt cnπt
= an cos + bn sen .
L L
Portanto,

X µ ¶
nπx cnπt
u(x, t) = αn sen sen + θn . (3.21)
n=1
L L

Esta é a chamada solução de Bernoulli (1753) e é imediatamente passı́vel de interpretações fı́sicas. Para
cada n, as vibrações individuais
µ ¶
nπx cnπt
un (x, t) = αn sen sen + θn
L L

são chamadas harmônicos. A vibração da corda é a superposição destes infinitos harmônicos. Se consider-
armos apenas o harmônico un cada ponto da corda se move com as seguintes caracterı́sticas:
nπx
amplitude αn sen ,
L
fase θn ,
2L
perı́odo ,
cn
cn
freqüência .
2L
Em particular, a freqüência em todos pontos da corda para cada harmônico é um múltiplo inteiro de c/2L
aumentando linearmente com n. A freqüência do primeiro harmônico, chamado o harmônico fundamental,
é a chamada a freqüência fundamental da corda:
r
c 1 τ
ω1 = = .
2L 2L ρ
nπx
Note ainda que para cada harmônico existem pontos da corda que não se movem (os zeros da função sen );
L
estes são chamados pontos nodais.
O ouvido humano é capaz de distinguir poucos harmônicos. Isso se deve não só pelo fato da freqüência dos
harmônicos aumentar linearmente com o ı́ndice n, como também porque a amplitude e, conseqüentemente,
a energia destes harmônicos decrescer com n. Para ver isso, vamos calcular a energia de cada harmônico.

3.5.2 Energia da Corda


A energia de uma corda vibrante, em cada instante de tempo, tem duas componentes: a energia potencial,
devida à tensão da corda, e a energia cinética, devida à sua velocidade. Se a tensão τ é constante, estas são
Rodney Josué Biezuner 115

dadas, respectivamente, por


Z L
1
U= τ u2x (x, t) dx,
2 0
Z L
1
K= ρ(x)u2t (x, t) dx.
2 0

A segunda é clara. Para ver como foi obtida a primeira, observe que o trabalho da força de tensão vertical
na direção transversal em um ponto x da corda é dado por

T (x) = τ uxx (x, t)dx du = τ uxx (x, t)ut dxdt

de modo que o trabalho total realizado pela força de tensão na corda desde o instante 0 até o instante t0 é
Z t0 Z L
T = τ uxx (x, t)ut dxdt.
0 0

Integrando por partes, obtemos


Z " Z #
t0 L
L
T= τ ux (x, t)ut (x, t)|0 − τ ux (x, t)utx (x, t) dx dt
0 0
Z t0 Z L
=− τ ux (x, t)uxt (x, t) dxdt,
0 0

se as extremidades da corda estão fixadas de modo que ut (0, t) = ut (L, t) = 0, ou se as condições de fronteira
são tais que ux (0, t) = ux (L, t) = 0. Logo,
Z t0 ÃZ !
L
1 d 2
T=− τ ux (x, t) dx dt
0 2 dt 0
Z Z
1 L 2 1 L 2
= τ ux (x, 0) dx − τ ux (x, t0 ) dx,
2 0 2 0
o que mostra que o trabalho da tensão para levar a corda da configuração inicial para a configuração final
depende apenas destas duas e portanto independe das configurações intermediárias, o que nos permite definir
esta expressão como uma energia potencial.
Assim, para cada n, a energia total do harmônico un é (supondo τ e ρ constantes)
Z Z
1 L 1 L
En = Un + Kn = τ [(un )x ]2 dx + ρ(x)[(un )t ]2 dx
2 0 2 0
Z µ ¶ Z µ ¶
τ αn2 n2 π 2 L 2 nπx 2 cnπt ρ αn2 c2 n2 π 2 L 2 nπx 2 cnπt
= cos sen + θn dx + sen cos + θn dx
2 L2 0 L L 2 L2 0 L L
µ ¶Z L µ ¶Z L
τ αn2 n2 π 2 2 cnπt 2 nπx ρ αn2 c2 n2 π 2 2 cnπt nπx
= 2
sen + θn cos dx + 2
cos + θ n sen2 dx
2 L L 0 L 2 L L 0 L
µ ¶ µ ¶
τ αn2 n2 π 2 2 cnπt L ρ αn2 c2 n2 π 2 2 cnπt L
= 2
sen + θn + 2
cos + θn
2 L L 2 2 L L 2
· µ ¶ µ ¶¸
αn2 n2 π 2 cnπt cnπt
= τ sen2 + θn + ρc2 cos2 + θn .
4L L L

Como c2 = τ /ρ, segue que


αn2 ρc2 n2 π 2
En = = M π 2 αn2 ωn2 ,
4L
Rodney Josué Biezuner 116

cn
onde M = Lρ é a massa total da corda, αn é a amplitude máxima do harmônico e ωn = 2L a freqüência do
harmônico. Desta expressão, não parece óbvio que a energia de cada harmônico decresce, mas a observação
seguinte prova que isso tem que acontecer.
A energia total da corda é soma das energias dos harmônicos. De fato, como a corda vibrante nesta
situação é um sistema conservativo (não há forças dissipadoras de energia e o sistema é isolado de influências
externas ou estas são desprezı́veis), a energia total da corda é a sua energia no instante 0, ou seja,
Z L Z L
1 1
E= τ u2x (x, 0) dx + ρ(x)u2t (x, 0) dx
2 0 2 0
Z L Z L
1 1
= τ [f 0 (x)]2 dx + ρ(x)[g(x)]2 dx.
2 0 2 0

Usando as expressões em série de Fourier de f 0 e g e a identidade de Parseval, obtemos


∞ ∞ ∞
τ X αn2 n2 π 2 L ρ X αn2 c2 n2 π 2 L X
E= + = En .
2 n=1 L2 2 2 n=1 L2 2 n=1

Exemplo 3.6. No caso da corda dedilhada (por exemplo, a corda de um violão), o movimento da corda é
descrito pelo problema


 utt = c2 uxx se 0 < x < L e t > 0,

u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L,

onde 
 hx
 se 0 6 x 6 a,
f (x) = a
 L−x
 h se a 6 x 6 L.
L−a
(Supõe-se que o músico dedilha a corda em um ponto distante a da extremidade 0 a uma altura h.) Os
harmônicos deste problema são encontrados diretamente encontrando a série de Fourier de f (já que
dn = 0, pois não há velocidade inicial, o músico simplesmente solta a corda):
µ ¶
2h L2 nπa nπx cnπt
un (x, t) = 2 2
sen sen cos .
a(L − a) n π L L L

A vibração total da corda é a superposição destes harmônicos. Observe que, dependendo do ponto
a, alguns harmônicos podem estar ausentes (correspondentes a sen nπa L = 0); estes são os chamados
harmônicos mudos. Por exemplo, se a = L/2, todos os harmônicos pares são mudos. Em geral, se o
ponto a for um ponto nodal do n-ésimo harmônico, este será mudo. O primeiro harmônico (que não
possui pontos nodais) nunca é mudo.
A altura do som é medida pela freqüência, e em geral ela é dada pelo harmônico fundamental
r
1 τ
ω1 = .
2L ρ

Assim, quanto menor o comprimento da corda, maior é a freqüência, recurso utilizado nos instrumentos
musicais e pelos músicos. Além disso, a freqüência depende da tensão, daı́ a necessidade de se afinar
os instrumentos musicais, pois com o passar do tempo a tensão em suas cordas varia.A intensidade
depende da energia, já o timbre é uma qualidade que depende da forma global de u(x, t) e portanto
permite distinguir entre instrumentos diferentes. ¤
Rodney Josué Biezuner 117

3.5.3 Unicidade de Solução para a Equação da Onda


Apesar de termos obtido a unicidade para a solução da equação da onda um caso particular acima, no caso
geral isso pode ser obtido através do princı́pio de conservação de energia (obviamente não existe um
princı́pio do máximo para a equação da onda, como existe para a equação do calor).

Teorema 3.7. (Princı́pio de Conservação da Energia) Suponha que u(x, t) seja uma solução para a equação
da onda
utt = c2 (x, t)uxx
onde c(x, t) = τ /ρ(x) e τ é uma constante positiva satisfazendo

ux (0, t) = ux (L, t) = 0

ou
ut (0, t) = ut (L, t) = 0.
Se a energia da solução u no instante t é definida por
Z L Z L
1 1
E(t) = τ u2x (x, t) dx + ρ(x)u2t (x, t) dx,
2 0 2 0

então ela é constante.

Prova: Escreva a equação da onda na forma

ρ(x)utt = τ uxx .

Temos
" Z Z #
0 d 1 L 2 1 L 2
E (t) = τ ux (x, t) dx + ρ(x)ut (x, t) dx
dt 2 0 2 0
Z L Z L
=τ ux (x, t)uxt (x, t) dx + ρ(x)ut (x, t)utt (x, t) dx
"0Z 0
Z #
L L
=τ ux (x, t)uxt (x, t) dx + uxx (x, t)ut (x, t) dx .
0 0

Integrando por partes a terceira integral (chamando u = ut , dv = uxx dx, obtemos


Z L Z L Z L
L
uxx (x, t)ut (x, t) dx = ux (x, t)ut (x, t)|0 − uxt (x, t)ut (x, t) dx = − uxt (x, t)ut (x, t) dx,
0 0 0

e portanto concluı́mos que E 0 (t) = 0 para todo t. ¥

Teorema 3.8. A solução do problema geral da onda, se existir, é única:




 utt = c2 (x, t)uxx + k(x, t) se 0 < x < L e t > 0,


 u(0, t) = h1 (t) se t > 0,
u(L, t) = h2 (t) se t > 0,



 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = g(x) se 0 6 x 6 L.
Rodney Josué Biezuner 118

Prova: Suponha que u1 e u2 sejam duas soluções do problema acima. Então u = u1 − u2 é solução do
problema 
 utt = c2 (x, t)uxx se 0 < x < L e t > 0,
u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,

u(x, 0) = ut (x, 0) = 0 se 0 6 x 6 L.
É claro que a energia inicial é E(0) = 0. Logo, pelo princı́pio de conservação da energia,
Z L Z L
1 1
E(t) = τ (t)u2x (x, t) dx + ρ(x)u2t (x, t) dx = 0
2 0 2 0

para todo t. Como τ (t) e ρ(x) são funções positivas, segue que ux (x, t) = ut (x, t) = 0, portanto u é constante.
Mas u(0, t) = 0, logo esta constante é a constante nula, isto é, u ≡ 0 e portanto u1 = u2 . ¥

3.6 Apêndice: Corda Suspensa


O problema que descreve uma corda sujeita à ação da gravidade é


 utt = c2 uxx − g se 0 < x < L e t > 0,

u(0, t) = u(L, t) = 0 se t > 0,

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 L,

ut (x, 0) = g(x) se 0 6 x 6 L.

Se as oscilações são pequenas, temos que c é uma constante e a solução independente do tempo é
g 2
v(x) = (x − Lx).
2
Isso não corresponde à situação observada na realidade, em que a forma de uma corda suspensa é uma
catenária (isto é, o gráfico de uma função do tipo cosseno hiperbólico). Isso mostra os limites do nosso
modelo fı́sico. O seu maior limite é neste caso é que o cabo suspenso está sujeito a grandes oscilações. Para
obter a equação diferencial correta que modela uma corda ou cabo suspenso, é necessário ter um modelo
fı́sico mais acurado que permita grandes oscilações.
Observe a situação mostrada na figura abaixo:

Nela consideramos a porção do cabo suspenso entre os dois pontos marcados na figura, onde um dos pontos
é o ponto mais baixo do cabo e o outro ponto está situado à sua direita. Denote por H a força da tensão
horizontal atuando no ponto mais baixo da curva e por T a tensão atuando no ponto à direita. Se entre
estes dois pontos o comprimento do cabo for s e a sua densidade linear for ρ, de modo que o seu peso é
Rodney Josué Biezuner 119

P = mg = (ρs)g, e a tensão T faz um ângulo θ com a horizontal, do equilı́brio das forças resultantes segue
que:

T cos θ = H,
T sen θ = gρs.

Daı́,

v 0 (x) = tan θ =
s.
H
Denotando a constante a = gρ/H, e derivando esta expressão uma segunda vez, obtemos

v 00 (x) = as0 (x).

Por outro lado, como s = s(x) nada mais é que a função comprimento de arco, temos
p
s0 (x) = 1 + [v 0 (x)]2 .

Portanto, a equação diferencial ordinária que o cabo suspenso satisfaz é


p
v 00 (x) = a 1 + [v 0 (x)]2 , (3.22)

bem diferente da equação anterior v 00 (x) = a. Note que esta é uma equação diferencial não-linear. A solução
geral desta equação diferencial ordinária de segunda ordem é
³x ´
v(x) = a cosh + c1 + c2 . (3.23)
a
Substituindo as condições v(0) = 0 e v(L) = 0, obtemos os valores das constantes c1 e c2 .
Capı́tulo 4

Equações Diferenciais Parciais


Bidimensionais

Neste capı́tulo estudaremos as equações da onda e do calor em dimensões 2 e 3. Isso nos levará naturalmente
ao estudo da equação de Laplace.

4.1 Séries de Fourier Duplas


4.1.1 Definição e Cálculo dos Coeficientes
Seja f : [0, a] × [0, b] → R uma função de duas variáveis. Gostarı́amos de representar f através de uma
série infinita de senos e cossenos, da mesma forma que fizemos para funções de uma variável, para com isso
resolver equações diferenciais parciais bidimensionais.
Primeiro fixe y, de modo a produzir uma função fy (x) = f (x, y) de uma variável. Suponha que para cada
y fixado a função fy : [0, a] → R seja regular o suficiente (por exemplo, satisfaz as hipóteses de regularidade
do teorema de Fourier). Se estendermos fy a uma função periódica de perı́odo 2a, então podemos escrever

a0 (y) X h nπx i

nπx
f (x, y) = fy (x) = + an (y) cos + bn (y) sen ,
2 n=1
a a

onde, para cada y ∈ [0, b], os coeficientes de Fourier são dados por
Z
1 a nπx
an (y) = f (x, y) cos dx para n > 0,
a −a a
Z
1 a nπx
bn (y) = f (x, y) sen dx para n > 1.
a −a a
Em seguida, suponha que cada um dos coeficientes an , bn : [0, b] → R, que na verdade são funções de y, tenha
regularidade suficiente, de modo que se estendermos cada um deles a uma função periódica de perı́odo 2b,
podemos escrever
∞ ³
an0 X mπy mπy ´
an (y) = + anm cos + bnm sen para n > 0,
2 m=1
b b
∞ ³
cn0 X mπy mπy ´
bn (y) = + cnm cos + dnm sen para n > 1,
2 m=1
b b

onde

120
Rodney Josué Biezuner 121

Z b
1 mπy
anm = an (y) cos dy para m > 0,
b −b b
Z b
1 mπy
bnm = an (y) sen dy para m > 1,
b −b b
e
Z b
1 mπy
cnm = bn (y) cos dy para m > 0,
b −b L
Z b
1 mπy
dnm = bn (y) sen dy para m > 1.
b −b L

Em outras palavras,
" ∞ ³
#
1 a00 X mπy mπy ´
f (x, y) = + a0m cos + b0m sen
2 2 m=1
b b
" ∞ ³
#
mπy ´
X∞ X
an0 mπy nπx
+ + anm cos + bnm sen cos
n=1
2 m=1
b b a
" ∞ ³
#
mπy ´
X∞ X
cn0 mπy nπx
+ + cnm cos + dnm sen sen ,
n=1
2 m=1
b b a

de modo que

1 X³ nπx ´ 1 X ³ mπy ´
∞ ∞
a00 nπx mπy
f (x, y) = + an0 cos + cn0 sen + a0m cos + b0m sen (4.1)
4 2 n=1 a a 2 m=1 b b
∞ ³
X nπx mπy nπx mπy nπx mπy nπx mπy ´
+ anm cos cos + bnm cos sen + cnm sen cos + dnm sen sen ,
n,m=1
a b a b a b a b

onde Z Z
1 a b nπx mπy
anm = f (x, y) cos cos dxdy para n, m > 0,
ab −a −b a b
Z aZ b
1 nπx mπy
bnm = f (x, y) cos sen dxdy para n > 0, m > 1,
ab −a −b a b
Z aZ b (4.2)
1 nπx mπy
cnm = f (x, y) sen cos dxdy para n > 1, m > 0,
ab −a −b a b
Z aZ b
1 nπx mπy
dnm = f (x, y) sen sen dxdy para n, m > 1.
ab −a −b a b
Precisamos enunciar com mais rigor as condições que f precisa satisfazer para que a série definida acima seja
convergente e convirja para f . Isto é feito através do seguinte teorema, cuja demonstração não será dada
aqui (veja [5]):

Teorema 4.1. Seja f : R2 −→ R uma função de classe C 1 , periódica de perı́odo 2a na variável x e periódica
de perı́odo 2b na variável y e tal que existe a derivada parcial mista fxy em cada ponto. Então a série
de Fourier de f definida acima converge uniformemente para f .
Rodney Josué Biezuner 122

4.1.2 Funções de Duas Variáveis Pares e Ímpares


Suponha que f : R2 −→ R seja uma função periódica nas duas variáveis, de perı́odo 2a na variável x e de
perı́odo 2b na variável y, que possui uma série de Fourier dupla. Temos as seguintes situações:

• f é par com relação a ambas as variáveis x e y:

Z "Z # Z " Z b #
a b
1 mπy nπx 1 a mπy nπx
anm = f (x, y) cos cos dxdy = 2 f (x, y) cos dy cos dx
ab −a −b b a ab −a 0 b a
Z ·Z a ¸ Z · Z a ¸
2 b nπx mπy 2 b nπx mπy
= f (x, y) cos dx cos dy = 2 f (x, y) cos dx cos dy
ab 0 −a a b ab 0 0 a b
Z Z
4 a b nπx mπy
= f (x, y) cos cos dxdy,
ab 0 0 a b
Z "Z b #
1 a mπy nπx
bnm = f (x, y) sen dy cos dx = 0,
ab −a −b b a
Z ·Z a ¸
1 b nπx mπy
cnm = f (x, y) sen dx cos dy = 0,
ab −b −a a b
Z ·Z a ¸
1 b nπx mπy
dnm = f (x, y) sen dx sen dy = 0.
ab −b −a a b

• f é ı́mpar com relação a ambas as variáveis x e y:

Z "Z #
a b
1 mπy nπx
anm = f (x, y) cos cos dxdy = 0,
ab −a −b b a
Z ·Z a ¸
1 1 b nπx mπy
bnm = = f (x, y) cos dx sen dy = 0,
ab ab −b −a a b
Z "Z b #
1 a mπy nπx
cnm = f (x, y) cos dy sen dx = 0,
ab −a −b b a

Z "Z # Z · Z a ¸
a b
1 nπx mπy 1 b nπx mπy
dnm = f (x, y) sen dx sen dy = 2 f (x, y) sen dx sen dy
ab −a −b a b ab −b 0 a b
Z "Z b # Z " Z b #
2 a mπy nπx 2 a mπy nπx
= f (x, y) sen dy sen dx = 2 f (x, y) sen dy sen dx
ab 0 −b b a ab 0 0 b a
Z Z
4 a b nπx mπy
= f (x, y) sen sen dxdy.
ab 0 0 a b

É claro que outras situações são possı́veis, por exemplo f par em uma variável e ı́mpar na outra. Em cada
caso, os coeficientes de Fourier correspondentes devem ser calculados usando os argumentos acima.
Rodney Josué Biezuner 123

4.2 A Equação da Onda Bidimensional


4.2.1 Problema da Membrana Vibrante
A equação da onda se generaliza para dimensão 2 e 3 (e mesmo dimensões mais altas). Considere uma
membrana fina e elástica, esticada sobre uma armação retangular com dimensões a e b. Suponha que as
margens da membrana são fixadas aos braços da armação e a membrana possa vibrar livremente na direção
normal à armação (ou seja, estamos assumindo que não existem forças externas ou dissipativas atuando sobre
a membrana e que todas as suas vibrações são transversais, o que quer dizer, que cada ponto da membrana
vibra apenas na direção perpendicular ao plano do retângulo). As vibrações desta membrana são então
governadas pela equação bidimensional da onda
utt = c2 (uxx + uyy ),
onde u(x, y, t) é o deslocamento com relação ao plano do retângulo no instante de tempo t e c(x, y, t) =
τ (t)/ρ(x, y).
As condições de fronteira são (margens fixadas)
u(x, 0, t) = u(x, b, t) = u(0, y, t) = u(a, y, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0.
O movimento da membrana dependerá evidentemente das condições iniciais
u(x, y, 0) = f (x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b,
ut (x, y, 0) = g(x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b.
Denote o interior deste retângulo por R, ou seja,
R = (0, a) × (0, b),
de modo que o seu fecho é R = [0, a]×[0, b] e a sua fronteira é ∂R = {(x, y) : x = 0, ou x = a, ou y = 0 ou y = b}.
Nesta notação mais compacta, o problema da onda bidimensional pode ser escrito na forma:


 utt = c2 ∆u se (x, y) ∈ R e t > 0,
 u(x, y, t) = 0 se (x, y) ∈ ∂R e t > 0,
(4.3)

 u(x, y, 0) = f (x, y) se (x, y) ∈ R,

ut (x, y, 0) = g(x, y) se (x, y) ∈ R.
Mais geralmente, o problema da equação da onda pode ser em princı́pio considerado em qualquer região
limitada Ω ⊂ R2 , isto é, qualquer tipo de armação ∂Ω, não necessariamente retangular:


 utt = c2 ∆u se (x, y) ∈ Ω e t > 0,
 u(x, y, t) = 0 se (x, y) ∈ ∂Ω e t > 0,
(4.4)

 u(x, y, 0) = f (x, y) se (x, y) ∈ Ω,

ut (x, y, 0) = g(x, y) se (x, y) ∈ Ω.
Um caso interessante é quando Ω = D, onde D é um disco (o caso da membrana vibrante de um tambor).

4.2.2 Solução do Problema da Membrana Vibrante pelo Método de Separação


de Variáveis e Séries de Fourier
Vamos resolver o problema da membrana vibrante no retângulo pelo método de separação de variáveis. Seja
R = (0, a) × (0, b) e suponha que f, g : [0, a] × [0, b] → R sejam funções de classe C 2 . Queremos portanto
encontrar uma solução para o problema:


 utt = c2 (uxx + uyy ) se 0 < x < a, 0 < y < b e t > 0,

u(x, 0, t) = u(x, b, t) = u(0, y, t) = u(a, y, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0,
(4.5)

 u(x, y, 0) = f (x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b,

ut (x, y, 0) = g(x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b.
Rodney Josué Biezuner 124

Tentaremos primeiro encontrar uma solução para o problema que seja o produto de três funções, uma depen-
dendo exclusivamente de x, uma dependendo exclusivamente de y e a terceira dependendo exclusivamente
de t:
u(x, y, t) = F (x)G(y)H(t).
Temos

utt = F (x)G(y)H 00 (t),


uxx = F 00 (x)G(y)H(t),
uyy = F (x)G00 (y)H(t).

Substituindo estas expressões na equação bidimensional da onda, obtemos

F (x)G(y)H 00 (t) = c2 [F 00 (x)G(y)H(t) + F (x)G00 (y)H(t)].

Dividindo ambos os lados por c2 F (x)G(y)H(t), obtemos

1 H 00 (t) F 00 (x) G00 (y)


2
= + .
c H(t) F (x) G(y)

Como o lado esquerdo desta equação é uma função somente de t e o lado direito é uma função apenas de
x, y, segue que ambos os lados são constante:

1 H 00 (t) F 00 (x) G00 (y)


= + = σ.
c2 H(t) F (x) G(y)

Agora, podemos escrever


F 00 (x) G00 (y)
=− +σ
F (x) G(y)
e, novamente, já que o lado esquerdo depende apenas de x, enquanto que o lado direito depende apenas de
y, concluı́mos que os dois lados desta equação também são constantes:

F 00 (x) G00 (y)


=− + σ = ρ.
F (x) G(y)

Pelo método de separação de variáveis, chegamos portanto às seguintes equações diferenciais ordinárias:

F 00 (x) − ρF (x) = 0,
G00 (y) + (ρ − σ)G(y) = 0,
H 00 (t) − σc2 H(t) = 0.

As condições de fronteira produzem os seguintes problemas de valor de contorno:


½ 00
F (x) − ρF (x) = 0,
F (0) = F (a) = 0,
e ½
G00 (y) − (σ − ρ)G(y) = 0,
G(0) = G(b) = 0;
de fato, temos F (0)G(y)H(t) = F (a)G(y)H(t) = 0 e F (x)G(0)H(t) = F (x)G(b)H(t) = 0 e a menos que u
seja a solução identicamente nula, necessariamente F (0) = F (a) = 0 e G(0) = G(b) = 0 (porque as soluções
das equações diferenciais ordinárias de F , G e H não produzem nenhuma solução que se anula em conjuntos
diferentes de pontos isolados). Fazendo análise semelhante à que fizemos para os problemas unidimensionais,
Rodney Josué Biezuner 125

concluı́mos que para que as soluções não sejam identicamente nulas, temos que ter ρ < 0 e σ − ρ < 0, isto é,
σ > ρ. Os problemas acima podem ser escritos têm como soluções fundamentais não nulas (autofunções)

nπx n2 π 2
Fn (x) = sen para ρ = − ,
a a2
e
mπy m2 π 2
Gm (y) = sen para σ − ρ = − .
b b2
Em particular, µ ¶
m2 π 2 n2 π 2 m2 π 2 n2 m2
σ =ρ− 2
=− 2 − = −π 2 + 2 ,
b a b2 a 2 b
e o problema em t é µ ¶
n2 m2
H 00 (t) + c2 π 2 2
+ 2 H(t) = 0,
a b
cujas solução geral é
Hnm (t) = Anm cos λnm t + Bnm sen λnm t
para r
n2 m2
λnm = cπ
2
+ 2. (4.6)
a b
Estas são as chamadas freqüências caracterı́sticas da membrana, enquanto que as soluções
nπx mπy
unm (x, y, t) = sen sen (Anm cos λnm t + Bnm sen λnm t) (4.7)
a b
são chamados os modos normais de vibração da membrana (correspondentes aos harmônicos no caso da corda
vibrante). Note que as freqüências caracterı́sticas não são múltiplos inteiros da freqüência fundamental, o
que torna a membrana vibrante inútil para a maioria dos propósitos musicais (além de manter um ritmo de
batidas), já que por causa disso o som do tambor não é tão agradável (tão harmonioso) quanto o de outros
instrumentos musicais, porque é difı́cil ao ouvido humano distingüir entre os seus harmônicos ou ordená-los
em uma escala em tempo real.
A solução do problema é

X nπx mπy
u(x, y, t) = sen sen (Anm cos λnm t + Bnm sen λnm t) . (4.8)
n,m=1
a b

onde os coeficientes Anm , Bnm são determinados como sendo os coeficientes das séries de Fourier duplas das
funções apropriadas. Temos

X nπx mπy
f (x, y) = u(x, y, 0) = Anm sen sen ,
n,m=1
a b

de modo que, estendendo f a uma função periódica ı́mpar de perı́odo 2a na variável x e a uma função
periódica ı́mpar de perı́odo 2b na variável y, obtemos
Z Z
4 a b nπx mπy
Anm = f (x, y) sen sen dxdy. (4.9)
ab 0 0 a b
Do mesmo modo, derivando a série de u com relação a t termo a termo, temos

X nπx mπy
ut (x, y, t) = λnm sen sen (−Anm sen λnm t + Bnm cos λnm t)
n,m=1
a b
Rodney Josué Biezuner 126

e, portanto,

X nπx mπy
g(x, y) = ut (x, y, 0) = λnm Bnm sen sen ,
n,m=1
a b

logo, procedendo de modo análogo estendendo f a uma função periódica ı́mpar de perı́odo 2a na variável x
e a uma função periódica ı́mpar de perı́odo 2b na variável y, obtemos
Z aZ b
4 nπx mπy
Bnm = g(x, y) sen sen dxdy. (4.10)
abλnm 0 0 a b

4.2.3 Linhas Nodais


No caso de uma corda vibrante, quando ela vibra como um harmônico, aparecem pontos que não se movem,
os chamado pontos nodais, como vimos no capı́tulo anterior. No caso de uma membrana retangular vibrante,
aparecem retas onde a membrana não se move (uma maneira de ver isso é espalhar areia na membrana: a
areia se acumula precisamente ao longo destas retas onde não há vibração). Estas retas são chamadas retas
nodais.
Para entender porque este fenômeno ocorre, considere o modo normal unm de vibração da membrana:
nπx mπy
unm (x, y, t) = sen sen (Anm cos λnm t + Bnm sen λnm t) .
a b
Os pontos (x, y) que permanecem fixos são os pontos que resolvem a equação
nπx mπy
sen sen = 0,
a b
o que é equivalente a
nπx mπy
sen
= 0 ou sen = 0.
a b
Por exemplo, quando a = b = π, as retas nodais de u22 correspondem a x = 1/2 e y = 1/2.

4.3 A Equação do Calor Bidimensional


4.3.1 Dedução da Equação do Calor Tridimensional
Considere uma região limitada Ω no espaço. Recordamos que a quantidade de calor absorvida por uma
substância em um perı́odo de tempo é diretamente proporcional à massa desta substância e à variação média
de sua temperatura durante o intervalo de tempo considerado:

Q = cm∆u,

onde c é o calor especı́fico da substância. A variação média da temperatura da substância que ocupa esta
região do espaço no intervalo de tempo que vai de t0 até t1 é obtida tomando-se a média das variações médias
das temperaturas de todos os pontos da barra, ou seja
Z
1
∆u = [u(x, t1 ) − u(x, t0 )] dv,
vol Ω Ω

onde x = (x1 , ..., xn ). Pelo Teorema Fundamental do Cálculo, segue que


Z ·Z t1 ¸
1
∆u = ut (x, t) dt dv.
vol Ω Ω t0
Rodney Josué Biezuner 127

Logo, a quantidade de calor absorvida por esta região é dada por


Z Z t1 Z t1 Z
cm
Q = cm∆u = ut (x, t) dt dv = cρ ut (x, t) dv dt.
vol Ω Ω t0 t0 Ω

A taxa instantânea de variação do calor na região é portanto (usando novamente o Teorema Fundamental
do Cálculo) Z
cρ ut (x, t) dv. (4.11)

Por outro lado, pelo princı́pio de conservação do calor, a taxa de variação do calor na região também é dada
pela soma da taxa de calor que sai ou entra na região através da fronteira ∂Ω por unidade de tempo somada
ao calor gerado internamente por unidade de tempo. A primeira é dada por
Z
− φ · η ds
∂Ω

onde φ é o fluxo de calor, que é um vetor, já que o calor flui em alguma direção no espaço; a intensidade
de φ é a quantidade de calor fluindo por unidade de tempo por unidade de área. Se o fluxo de calor é
paralelo à fronteira, então nenhum calor cruza a fronteira; a componente do fluxo de calor que nos interessa
é a componente do fluxo perpendicular à fronteira. Na integral acima seguimos a convenção de que η é o
vetor unitário normal à superfı́cie apontando para fora. Assim, o sinal negativo explica-se como no caso
unidimensional porque se sai calor da região (isto é, a componente perpendicular do fluxo tem a mesma
direção de η e portanto a integral é positiva), então a variação de calor na região deve ser negativa. A taxa
do calor gerado internamente na região é dada por
Z
q(x, t) dv, (4.12)

onde q(x, t) é taxa de calor gerada por unidade de volume. Portanto, do princı́pio de conservação do calor
segue que Z Z Z
cρ ut dv = − φ · η ds + q dv. (4.13)
Ω ∂Ω Ω
Por outro lado, pelo teorema da divergência,
Z Z
φ · η ds = div φ dv.
∂Ω Ω

Logo, temos que


cρut = − div φ + q.
Precisamos também de uma lei de Fourier n-dimensional. Experimentalmente, para materiais isotrópicos
(isto é, materiais em que não existem direções preferenciais) verifica-se que o calor flui de pontos quentes
para pontos frios na direção em que a diferença de temperatura é a maior. O fluxo de calor é proporcional à
taxa de variação da temperatura nesta direção, com a constante de proporcionalidade k sendo por definição a
condutividade térmica, como no caso unidimensional. Como sabemos, a direção onde uma função cresce mais
rápido é exatamente a dada pelo vetor gradiente da função, e o módulo do gradiente fornece a magnitude
da taxa de variação da função nesta direção (i.e., na direção do gradiente). Portanto,

φ = −k∇u. (4.14)

O sinal negativo ocorre, como no caso unidimensional, porque o vetor gradiente aponta na direção de cresci-
mento da temperatura, enquanto que o fluxo do calor se dá na direção oposta (da temperatura maior para
a temperatura menor). O fluxo do calor em uma região bi ou tridimensional pode ser facilmente visualizado
uma vez que você se lembre que o gradiente de uma função é perpendicular às superfı́cies de nı́vel da função.
Rodney Josué Biezuner 128

No caso em que a função é a temperatura, as superfı́cies de nı́vel são chamadas superfı́cies isotérmicas ou
simplesmente isotermas. Assim, o calor flui das isotermas mais quentes para as isotermas mais frias em cada
ponto da isoterma perpendicularmente à isoterma. Em outras palavras, as linhas de corrente do fluxo de
calor correspondem às linhas de fluxo do campo gradiente da temperatura.
Segue que
cρut = k∆u + q, (4.15)
onde ∆u = div ∇u é o Laplaciano de u. Se q ≡ 0, escrevemos

ut = K∆u, (4.16)

onde K = k/cρ. Esta é a equação de calor tridimensional. Em outras palavras,

ut = K(uxx + uyy + uzz ).

Para que o problema possua uma solução única, é necessário dar a condição inicial e a condição de fronteira,
como no caso unidimensional. Por exemplo, denotando x = (x1 , ..., xn ), podemos ter um problema de
Dirichlet homogêneo: 
 ut = k∆u se x ∈ Ω e t > 0,
u(x, t) = 0 se x ∈ ∂Ω e t > 0, (4.17)

u(x, 0) = f (x) se x ∈ Ω,
ou um problema de Neumann homogêneo:


 ut = k∆u se x ∈ Ω e t > 0,
 ∂u
(x, t) = 0 se x ∈ ∂Ω e t > 0, (4.18)

 ∂η
 u(x, 0) = f (x) se x ∈ Ω,

ou também problemas não-homogêneos ou com condições mistas (condições de Dirichlet em porções da


fronteira ∂Ω e condições de Neumann em outras porções da fronteira).

4.3.2 Equação do Calor Bidimensional


Considere uma chapa homogênea Ω, cuja superfı́cie está isolada termicamente, exceto possivelmente pelas
margens. Como o calor não flui na direção perpendicular à chapa, que tomamos como sendo o eixo z, segue
que uzz = 0 e podemos desprezar esta variável no estudo da condução do calor na chapa. Segue que a
equação do calor para esta região tem a forma

ut = K(uxx + uyy );

esta é a equação do calor bidimensional. Assumimos que existe uma distribuição inicial de temperaturas
nas margens:
u(x, y, 0) = f (x, y) para todo (x, y) ∈ ∂Ω
onde f : ∂Ω → R é uma função com alguma regularidade; no caso em que Ω é um retângulo R = (0, a)×(0, b)
(chapa retangular), esta condição inicial se escreve como

u(x, y, 0) = f (x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b.

As condições de fronteira podem ser as mais diversas possı́veis. As margens podem estar mantidas a tem-
peratura constante igual a 0:

u(x, y, t) = 0 para todo (x, y) ∈ ∂Ω e t > 0;


Rodney Josué Biezuner 129

no caso em que Ω = R = (0, a) × (0, b), esta condição de Dirichlet se escreve como

u(x, 0, t) = u(x, b, t) = u(0, y, t) = u(a, y, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0.

Ou as margens podem estar termicamente isoladas:


∂u
(x, y, t) = 0 para todo (x, y) ∈ ∂Ω e t > 0,
∂η

onde η = η(x, y) é o vetor normal à fronteira ∂Ω no ponto (x, y) da fronteira (significando que se houver
transferência de calor, esta só pode se dar ao longo da fronteira, isto é, na direção tangente à fronteira, o que
certamente ocorrerá se por exemplo a distribuição de temperaturas inicial na fronteira não for constante);
no caso em que Ω = R = (0, a) × (0, b), esta condição de Neumann se escreve como

uy (x, 0, t) = uy (x, b, t) = ux (0, y, t) = ux (a, y, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0;

Ou ainda, as margens podem estar sujeitas a condições mistas ou mesmo condições mais complicadas.
Resumindo, o problema com condição de Dirichlet homogênea é

 ut = K∆u se (x, y) ∈ Ω e t > 0,
u(x, y, t) = 0 se (x, y) ∈ ∂Ω e t > 0, (4.19)

u(x, y, 0) = f (x, y) se (x, y) ∈ Ω,

e o problema com condição de Neumann homogênea é




 ut = K∆u se (x, y) ∈ Ω e t > 0,
 ∂u
(x, y, t) = 0 se (x, y) ∈ ∂Ω e t > 0, (4.20)

 ∂η
 u(x, y, 0) = f (x, y) se (x, y) ∈ Ω.

4.3.3 Solução do Problema da Condução do Calor na Chapa Retangular com


Margens Mantidas à Temperatura Zero por Separação de Variáveis e
Séries de Fourier
Vamos resolver o problema da condução do calor em uma chapa retangular homogênea, cujas superior e
inferior estão termicamente isoladas, e cujas bordas estão mantidas à temperatura constante igual a 0, pelo
método de separação de variáveis e séries de Fourier duplas.
Seja R = (0, a)×(0, b) e suponha que f : [0, a]×[0, b] → R é uma função de classe C 2 . Queremos portanto
encontrar uma solução para o problema:

 ut = K(uxx + uyy ) se 0 < x < a, 0 < y < b e t > 0,
u(x, 0, t) = u(x, b, t) = u(0, y, t) = u(a, y, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0, (4.21)

u(x, y, 0) = f (x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b.

Novamente, vamos tentar encontrar uma solução para o problema que seja o produto de três funções de uma
variável:
u(x, y, t) = F (x)G(y)H(t).
Temos

ut = F (x)G(y)H 0 (t),
uxx = F 00 (x)G(y)H(t),
uyy = F (x)G00 (y)H(t).
Rodney Josué Biezuner 130

Substituindo estas expressões na equação bidimensional do calor, obtemos

F (x)G(y)H 0 (t) = K[F 00 (x)G(y)H(t) + F (x)G00 (y)H(t)].

Dividindo ambos os lados por c2 F (x)G(y)H(t), obtemos


1 H 0 (t) F 00 (x) G00 (y)
= + .
K H(t) F (x) G(y)
Como o lado esquerdo desta equação é uma função somente de t e o lado direito é uma função apenas de
x, y, segue que ambos os lados são constante:
1 H 0 (t) F 00 (x) G00 (y)
= + = σ,
K H(t) F (x) G(y)
donde
F 00 (x) G00 (y)
=− + σ = ρ.
F (x) G(y)
Como na subseção anterior, obtemos os problemas
½ 00 ½
F (x) − ρF (x) = 0, G00 (y) − (σ − ρ)G(y) = 0,
e
F (0) = F (a) = 0, G(0) = G(b) = 0,

que têm como autofunções, respectivamente,


nπx n2 π 2
Fn (x) = sen para ρ = − ,
a a2
e
mπy m2 π 2
Gm (y) = sen para σ − ρ = − .
b b2
Segue que µ ¶
m2 π 2 n2 π 2 m2 π 2 n2 m2
σ =ρ− = − − = −π 2 +
b2 a2 b2 a2 b2
e o problema em t é µ ¶
0 2 n2 m2
H (t) − Kπ + H(t) = 0,
a2 b2
cujas solução geral é  
n2 2
−π 2 +m Kt
Hnm (t) = Anm e a2 b2 .
A solução do problema de calor da chapa com margens termicamente isoladas é, portanto,
∞  
X −π 2 n2
+m
2
Kt nπx mπy
u(x, y, t) = Anm e a2 b2 sen sen , (4.22)
n,m=1
a b

onde os coeficientes Anm são os coeficientes da série de Fourier dupla da extensão de f a uma função periódica
ı́mpar de perı́odo 2a na variável x e a uma função periódica ı́mpar de perı́odo 2b na variável y:

X nπx mπy
f (x, y) = u(x, y, 0) = Anm sen sen ,
n,m=1
a b

ou seja,
Z aZ b
4 nπx mπy
Anm = f (x, y) sen sen dxdy. (4.23)
ab 0 0 a b
Rodney Josué Biezuner 131

4.3.4 Solução do Problema da Condução do Calor na Chapa Retangular Ter-


micamente Isolada por Separação de Variáveis e Séries de Fourier
Vamos resolver o problema da condução do calor em uma chapa retangular homogênea, termicamente isolada,
pelo método de separação de variáveis e séries de Fourier duplas.
Seja R = (0, a)×(0, b) e suponha que f : [0, a]×[0, b] → R é uma função de classe C 2 . Queremos portanto
encontrar uma solução para o problema:

 ut = K(uxx + uyy ) se 0 < x < a, 0 < y < b e t > 0,
uy (x, 0, t) = uy (x, b, t) = ux (0, y, t) = ux (a, y, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0, (4.24)

u(x, y, 0) = f (x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b.

Escrevendo
u(x, y, t) = F (x)G(y)H(t),
temos

ut = F (x)G(y)H 0 (t),
uxx = F 00 (x)G(y)H(t),
uyy = F (x)G00 (y)H(t),

e substituindo estas expressões na equação bidimensional do calor, obtemos

F (x)G(y)H 0 (t) = K[F 00 (x)G(y)H(t) + F (x)G00 (y)H(t)].

Dividindo ambos os lados por c2 F (x)G(y)H(t), encontramos

1 H 0 (t) F 00 (x) G00 (y)


= + = σ,
K H(t) F (x) G(y)

donde
F 00 (x) G00 (y)
=− + σ = ρ.
F (x) G(y)
As condições de fronteira implicam, como sempre, condições de fronteira sobre as equações diferenciais
ordinárias de F e G:

uy (x, 0, t) = 0 =⇒ F (x)G0 (0)H(t) = 0 =⇒ G0 (0) = 0,


uy (x, b, t) = 0 =⇒ F (x)G0 (b)H(t) = 0 =⇒ G0 (b) = 0,
ux (0, y, t) = 0 =⇒ F 0 (0)G(y)H(t) = 0 =⇒ F 0 (0) = 0,
ux (a, y, t) = 0 =⇒ F 0 (a)G(y)H(t) = 0 =⇒ F 0 (a) = 0.

Temos portanto os seguintes problemas


½ 00 ½
F (x) − ρF (x) = 0, G00 (y) − (σ − ρ)G(y) = 0,
e
F 0 (0) = F 0 (a) = 0, G0 (0) = G0 (b) = 0.

As autofunções correspondentes são, respectivamente,

F0 (x) = c para ρ = 0,
nπx n2 π 2
Fn (x) = cos para ρ = ,
a a2
Rodney Josué Biezuner 132

G0 (x) = c para σ = ρ,
mπy m2 π 2
Gm (y) = cos para σ − ρ = − .
b b2
Segue que o problema em t é µ ¶
n2 π 2 m2 π 2
H 0 (t) − K 2
+ H(t) = 0,
a b2
cujas solução geral é

H00 (t) = c,
2 n2
Hn0 (t) = e−π a2
Kt
,
2
−π 2 m Kt
H0m (t) = e a2 ,
 
2 n2 2
−π +m Kt
Hnm (t) = e a2 b2 .

A solução do problema de calor da chapa com margens termicamente isoladas é, portanto,
∞  
X −π 2 n2
+m
2
Kt nπx mπy
u(x, y, t) = Anm e a2 b2 cos cos , (4.25)
n,m=0
a b

o que é equivalente a escrever (redefinindo os coeficientes, de forma a obter uma mesma fórmula integral
para todos os coeficientes)
∞ ∞
A00 1X −π 2 n
2
2 Kt
nπx 1 X 2 m2 mπy
u(x, y, t) = + An0 e a cos + A0m e−π a2 Kt cos
4 2 n=1 a 2 m=1 b
∞  
X −π 2 n2
+m
2
Kt nπx mπy
+ Anm e a2 b2 cos cos ,
n,m=1
a b

onde os coeficientes Anm são os coeficientes da série de Fourier dupla da extensão de f a uma função periódica
par de perı́odo 2a na variável x e a uma função periódica par de perı́odo 2b na variável y:
∞ ∞ ∞
A00 1X nπx 1 X mπy X nπx mπy
f (x, y) = u(x, y, 0) = + An0 cos + A0m cos + Anm cos cos ,
4 2 n=1 a 2 m=1 b n,m=1
a b

ou seja,
Z aZ b
4 nπx mπy
Anm = f (x, y) cos cos dxdy, n, m > 0. (4.26)
ab 0 0 a b

4.4 Exercı́cios
Exercı́cio 4.1. Resolva o problema da membrana vibrante
 2

 utt = uxx + uyy ) se (x, y) ∈ (0, 1) e t > 0,
 u(x, 0, t) = u(x, 1, t) = u(0, y, t) = u(1, y, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0,
2

 u(x, y, 0) = x (x − 1) y (y − 1) se (x, y) ∈ [0, 1] ,
 2
ut (x, y, 0) = 0 se (x, y) ∈ [0, 1] .

Usando algum software matemático (Scilab, Mupad, Maple, Matlab, Mathematica, etc.) ou algum
pacote gráfico (OpenGL, Java2D, etc.), crie uma animação para visualizar a solução do problema.
Rodney Josué Biezuner 133

Exercı́cio 4.2. Use algum software matemático ou algum pacote gráfico para visualizar os modos normais
de vibração da membrana do exercı́cio anterior.

Exercı́cio 4.3. Encontre uma solução formal para o problema de Dirichlet para a equação da onda tridi-
mensional em um domı́nio na forma de uma caixa:


 utt = c2 (uxx + uyy + uzz ) se 0 < x < a, 0 < y < b, 0 < z < c e t > 0,



 u(0, y, z, t) = u(a, y, z, t) = 0 se 0 6 y 6 b, 0 6 z 6 c e t > 0,

u(x, 0, z, t) = u(x, b, z, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 z 6 c e t > 0,

 u(x, y, 0, t) = u(x, y, c, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0,



 u(x, y, 0) = f (x, y) se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e 0 6 z 6 c,

ut (x, y, 0) = g(x, y) se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e 0 6 z 6 c.

Exercı́cio 4.4. Encontre uma solução formal para o problema de Dirichlet para a equação do calor tridi-
mensional em um domı́nio na forma de uma caixa:


 ut = K(uxx + uyy + uzz ) se 0 < x < a, 0 < y < b, 0 < z < c e t > 0,


 u(0, y, z, t) = u(a, y, z, t) = 0 se 0 6 y 6 b, 0 6 z 6 c e t > 0,
u(x, 0, z, t) = u(x, b, z, t) = 0 se 0 6 x 6 a, 0 6 z 6 c e t > 0,


 u(x, y, 0, t) = u(x, y, c, t) = 0
 se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e t > 0,

u(x, y, 0) = f (x, y) se 0 6 x 6 a, 0 6 y 6 b e 0 6 z 6 c.
Capı́tulo 5

A Equação de Laplace

A solução de estado estacionário para a equação do calor em um aberto Ω ⊂ R2

ut = K∆u

(ou seja, ut = 0) é a equação homogênea


∆u = 0. (5.1)
Esta é chamada a equação de Laplace. Como não há dependência com o tempo, problemas envolvendo
a equação de Laplace não possuem condições iniciais, mas apenas uma condição de fronteira, que pode ser
uma condição de Dirichlet: ½
∆u = 0 se (x, y) ∈ Ω,
(5.2)
u(x, y) = f (x, y) se (x, y) ∈ ∂Ω,
uma condição de Neumann: 
 ∆u = 0 se (x, y) ∈ Ω,
∂u (5.3)
 (x, y) = f (x, y) se (x, y) ∈ ∂Ω,
∂η
ou uma condição mista, especificando uma condição de Dirichlet em uma parte da fronteira e uma condição
de Neumann na outra parte, e mesmo uma condição de Robin mais geral:

 ∆u = 0 se (x, y) ∈ Ω,
∂u (5.4)
 a (x, y) u (x, y) + b (x, y) (x, y) = f (x, y) se (x, y) ∈ ∂Ω.
∂η

. Quando há geração ou absorção de calor interna independente do tempo

ut = K∆u + q(x),

a solução de estado estacionário é a solução da equação de Laplace não-homogênea, também chamada


equação de Poisson
∆u = f (x) .
Além de descrever a distribuição de temperaturas no estado estacionário, a equação de Laplace descreve
diversos outros fenômenos fı́sicos de equilı́brio Também o potencial escalar de um campo vetorial conservativo,
tal como o campo elétrico, o campo gravitacional ou o campo de velocidades do escoamento de um fluido
irrotacional, pode ser escrito como a solução de uma equação de Poisson.

134
Rodney Josué Biezuner 135

5.1 Solução da Equação de Laplace no Retângulo


Vamos resolver o problema de Dirichlet para a equação de Laplace em um domı́nio retangular através do
método de separação de variáveis e séries de Fourier. Em um retângulo, R = [0, a] × [0, b], o problema de
Dirichlet geral para a equação de Laplace se escreve na forma:

 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e 0 < y < b,
u(x, 0) = f1 (x), u(x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a, (5.5)

u(0, y) = g1 (y), u(a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.
Por linearidade, se u1 , u2 , u3 , u4 são respectivamente soluções dos problemas de Dirichlet particulares
 
 uxx + uyy = 0  uxx + uyy = 0
u(x, 0) = f1 (x), u(x, b) = 0 , u(x, 0) = 0, u(x, b) = f2 (x) ,
 
u(0, y) = u(a, y) = 0 u(0, y) = u(a, y) = 0
 
 uxx + uyy = 0  uxx + uyy = 0
u(x, 0) = u(x, b) = 0 , u(x, 0) = u(x, b) = 0 ,
 
u(0, y) = g1 (y), u(a, y) = 0 u(0, y) = 0, u(a, y) = g2 (y)

então
u = u1 + u2 + u3 + u4 .
Para obter a solução geral do problema de Dirichlet, basta portanto resolver cada um dos quatro problemas
acima. À tı́tulo de exemplo, vamos resolver o segundo explicitamente:

 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e 0 < y < b,
u(x, 0) = 0, u(x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

u(0, y) = u(a, y) = 0 se 0 6 y 6 b.

Escrevendo
u(x, y) = F (x)G(y),
segue que F 00 (x)G(y) + F (x)G00 (y) = 0 e portanto

F 00 (x) G00 (y)


=− = σ.
F (x) G(y)

As condições de fronteira implicam as seguintes condições sobre as equações diferenciais ordinárias acima:

u(x, 0) = 0 =⇒ F (x)G(0) = 0 =⇒ G(0) = 0,


u(0, y) = 0 =⇒ F (0)G(y) = 0 =⇒ F (0) = 0,
u(a, y) = 0 =⇒ F (a)G(y) = 0 =⇒ F (a) = 0.

Logo, ½
F 00 (x) − σF (x) = 0,
F (0) = F (a) = 0,
e ½
G00 (y) + σG(y) = 0,
G(0) = 0.
As autofunções do primeiro problema são

nπx n2 π 2
Fn (x) = sen para σn = .
a a2
Rodney Josué Biezuner 136

A solução geral do segundo problema (de valor inicial) é conveniente escrever na forma
nπy nπy
G(y) = c1 cosh + c2 senh
a a
porque a condição G(0) = 0 implica que c1 = 0. Assim, as soluções obtidas através de separação de variáveis
são os produtos
nπx nπy
sen senh .
a a
A solução u2 do segundo problema será a função

X nπx nπy
u2 (x, y) = bn sen senh ,
n=1
a a
onde Z a
2 nπx
bn = f2 (x) sen dx,
nπb 0 a
a senh
a
pois
X∞ µ ¶
nπb nπx
f2 (x) = u2 (x, b) = bn senh sen .
n=1
a a
nπb
É mais conveniente, para efeitos de memorização, incorporar a constante senh na solução, escrevendo-a
a
na forma
nπy
nπx senh a
X∞
u2 (x, y) = bn sen (5.6)
a nπb
n=1 senh
a
de modo que Z
2 a nπx
bn = f2 (x) sen dx (5.7)
a 0 a
tem a forma padrão dos coeficientes da série de Fourier.
De maneira análoga, obtemos as soluções para os outros problemas:
nπ(b − y) Z
nπx senh

X a
a 2 nπx
u1 (x, y) = an sen , an = f1 (x) sen dx, (5.8)
a nπb a 0 a
n=1 senh
a
nπ(a − x) Z
X∞ senh nπy 2 b
nπy
u3 (x, y) = cn b sen , cn = g1 (y) sen dy, (5.9)
nπa b b b
n=1 senh 0
b
nπx Z
X∞ senh nπy 2 b
nπy
u4 (x, y) = dn b
nπa sen b , dn = b
g2 (y) sen
b
dy. (5.10)
n=1 senh 0
b
Portanto, a solução do problema de Dirichlet (5.5) é
nπ(b − y) nπy
nπx senh senh

X X∞
a nπx a
u(x, y) = an sen + bn sen (5.11)
a nπb a nπb
n=1 senh n=1 senh
a a
nπ(a − x) nπx
nπy senh nπy senh b
X∞ X∞
+ cn sen b + d sen ,
b nπa n
b senh nπa
n=1 senh n=1
b b
Rodney Josué Biezuner 137

com os coeficientes an , bn , cn , dn dados pelas expressões acima.

5.1.1 Exercı́cios
Exercı́cio 5.1. Resolva o problema de Neumann

 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e 0 < y < b,
uy (x, 0) = f (x), uy (x, b) = 0 se 0 6 x 6 a,

ux (0, y) = ux (a, y) = 0 se 0 6 y 6 b.
Por que é necessário assumir Z a
f (x) dx = 0
0
para que este problema tenha solução? Além disso, observe que a solução só está determinada a menos
de uma constante (leia o enunciado da Proposição 5.4).
Exercı́cio 5.2. Resolva os seguintes problemas de fronteira para a equação de Laplace no retângulo. Veri-
fique que condições os dados de fronteira devem satisfazer para existir solução e se a solução que você
obteve é única ou única a menos de uma constante.

 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e 0 < y < b,
(a) u y (x, 0) = f 1 (x), u y (x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

u(0, y) = g1 (y), u(a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.

 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e 0 < y < b,
(b) u(x, 0) = f1 (x), u(x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

ux (0, y) = g1 (y), u(a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.

 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e 0 < y < b,
(c) uy (x, 0) = f1 (x), uy (x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

ux (0, y) = g1 (y), ux (a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.
Exercı́cio 5.3. Encontre as soluções de estado estacionário, se existirem, para os seguintes problemas de
condução do calor no retângulo:
 √
 ut = π (uxx + uyy ) se 0 < x < a e 0 < y < b,
(a) u(x, 0) = f1 (x), u(x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

ux (0, y) = g1 (y), ux (a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.
 √
 ut = e log π (uxx + uyy ) se 0 < x < a e 0 < y < b,
(b) u (x, 0) = f1 (x), u(x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,
 y
u(0, y) = g1 (y), ux (a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.

Exercı́cio 5.4. Encontre as curvas de nı́vel de temperatura (chamadas isotermas) para a solução de estado
estacionário para o seguinte problema de condução do calor no retângulo:

 ut = K (uxx + uyy ) se 0 < x < a e 0 < y < b,
u(x, 0) = 1, u(x, b) = 1 se 0 6 x 6 a,

u(0, y) = 1, u(a, y) = 1 se 0 6 y 6 b.

Exercı́cio 5.5. Use o computador para encontrar as isotermas para a solução de estado estacionário, se
existir, para o seguinte problema de condução do calor no retângulo:

 ut = K (uxx + uyy ) se 0 < x < 1 e 0 < y < 1,
u(x, 0) = 0, u(x, 1) = 0 se 0 6 x 6 1,

u(0, y) = 0, u(1, y) = 100 se 0 6 y 6 1.
Você consegue obter uma expressão analı́tica para estas curvas de nı́vel?
Rodney Josué Biezuner 138

Exercı́cio 5.6. Use o computador para encontrar as isotermas para as soluções de estado estacionário, se
existirem, dos seguintes problemas de condução do calor no retângulo:

 ut = K (uxx + uyy ) se 0 < x < π e 0 < y < π,
(a) u(x, 0) = 100, u(x, π) = 100 se 0 6 x 6 π,

ux (0, y) = 0, ux (π, y) = 0 se 0 6 y 6 π.

 ut = K (uxx + uyy ) se 0 < x < π e 0 < y < π,
(b) u(x, 0) = 0, u(x, π) = 100 se 0 6 x 6 π,

ux (0, y) = 0, ux (π, y) = 0 se 0 6 y 6 π.

 ut = K (uxx + uyy ) se 0 < x < 1 e 0 < y < 2,
(c) u(x, 0) = 100, uy (x, 2) = 0 se 0 6 x 6 1,

ux (0, y) = 0, ux (1, y) = 0 se 0 6 y 6 2.

Exercı́cio 5.7. Resolva o seguinte problema de valor de fronteira para a equação de Laplace para a faixa
semi-infinita: 
 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e y > 0,

 u(x, 0) = f (x) se 0 6 x 6 a,
 u(0, y) = u(a, y) = 0 se y > 0,

 lim u (x, y) = 0.
y→∞

Encontre a solução e as curvas de nı́vel (se precisar, use o computador) se

(a) f (x) ≡ 100.


(b) f (x) = x (a − x) .

Exercı́cio 5.8. Prove que se as condições de fronteira satisfazem hipóteses adequadas, a solução (5.11) para
o problema de Dirichlet da equação de Laplace é de classe C 2 no interior do retângulo e contı́nua até
a fronteira do retângulo.

5.2 O Princı́pio do Máximo Fraco e a Unicidade de Solução para


a Equação de Laplace
Lema 5.1. (Princı́pio do Máximo Fraco) Seja Ω ⊂ R2 uma região limitada. Se u : Ω → R é uma função
contı́nua que satisfaz a equação de Laplace em Ω, isto é, ∆u = 0 em Ω, então u atinge o seu máximo
e o seu mı́nimo na fronteira de Ω.

Prova: Sejam
M = max u e m = max u
Ω ∂Ω

e suponha por absurdo que m < M . Então existe um ponto (x0 , y0 ) ∈ Ω\∂Ω tal que u(x0 , y0 ) = M . Defina
a função
M −m
v(x, y) = u(x, y) + [(x − x0 )2 + (y − y0 )2 ],
4d2
onde d = diam Ω. Se (x, y) ∈ ∂Ω, temos
M −m 2 3 M
v(x, y) 6 m + 2
d = m+ < M,
4d 4 4
e como u(x0 , y0 ) = v(x0 , y0 ) = M , segue que o máximo de v também é assumido em um ponto de Ω − ∂Ω,
digamos em (x, y). Mas, como (x, y) é um ponto de máximo para v, devemos ter

∆v(x, y) 6 0,
Rodney Josué Biezuner 139

enquanto que, pela definição de v e pelo fato de u satisfazer a equação de Laplace, para todo (x, y) temos

M −m M −m
∆v(x, y) = ∆u(x, y) + = > 0,
4d2 4d2
uma contradição. Isso mostra que u atinge o seu máximo em ∂Ω. Para provar que o mı́nimo de u também é
atingido em ∂Ω, basta observar que −u também satisfaz a equação de Laplace e que min u = − max(−u). ¥

Teorema 5.2. (Unicidade de Solução para o Problema de Dirichlet) Se o problema de Poisson


½
∆u = f (x, y) se (x, y) ∈ Ω,
u(x, y) = g(x, y) se (x, y) ∈ ∂Ω,

tiver solução, então ele possui uma única solução.

Prova: Se u1 e u2 são duas soluções para o problema de Poisson acima, então u = u1 − u2 é uma solução
para o problema de Laplace com condição de fronteira homogênea
½
∆u = 0 se (x, y) ∈ Ω,
u(x, y) = 0 se (x, y) ∈ ∂Ω.

Em particular, u satisfaz o princı́pio do máximo e portanto, como u = 0 na fronteira ∂Ω,

max u = max u = 0,
Ω ∂Ω

min u = min u = 0,
Ω ∂Ω

logo u ≡ 0 em Ω, o que significa que u1 = u2 . ¥

5.3 Solução da Equação de Poisson no Retângulo


Vamos tratar agora do problema de Dirichlet para a equação de Poisson em retângulos:

 uxx + uyy = F (x, y) se 0 < x < a e 0 < y < b,
u(x, 0) = f1 (x), u(x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

u(0, y) = g1 (y), u(a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.

onde F : (0, a)×(0, b) → R é uma função de classe C 1 que possui uma série de Fourier dupla convergindo para
F (veja o capı́tulo anterior). Usando a linearidade do operador laplaciano, podemos dividir este problema
em dois: ½
uxx + uyy = F (x, y) se 0 < x < a e 0 < y < b,
u(x, 0) = u(x, b) = u(0, y) = u(a, y) = 0 se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b.
e 
 uxx + uyy = 0 se 0 < x < a e 0 < y < b,
u(x, 0) = f1 (x), u(x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

u(0, y) = g1 (y), u(a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.
O segundo problema é o problema de Dirichlet para a equação de Laplace no retângulo, que já resolvemos
no inı́cio deste capı́tulo. O primeiro é a equação de Poisson com condição de Dirichlet homogênea. Para
resolvê-lo, observamos que a função
nπx mπy
unm (x, y) = sen sen
a b
Rodney Josué Biezuner 140

satisfaz as condições de fronteira. Logo, se escrevermos



X nπx mπy
u (x, y) = anm sen sen , (5.12)
n,m=1
a b

u será a solução se pudermos encontrar coeficientes anm tais que



X µ ¶
2 n2 m2 nπx mπy
uxx + uyy = − anm π + sen sen = F (x, y) .
n,m=1
a2 b2 a b

Como vimos no capı́tulo anterior, temos


Z aZ b
4 nπx mπy
anm = − µ ¶ F (x, y) sen sen dxdy. (5.13)
n2 m2 0 0 a b
abπ 2 +
a2 b2

5.3.1 Exercı́cios
Exercı́cio 5.9. Resolva o problema de Dirichlet homogêneo
½
uxx + uyy = F (x, y) se 0 < x < 1 e 0 < y < 1,
u(x, 0) = u(x, 1) = u(0, y) = u(1, y) = 0 se 0 6 x 6 1 e 0 6 y 6 1.

Exercı́cio 5.10. Resolva o problema de Neumann homogêneo



 uxx + uyy = F (x, y) se 0 < x < a e 0 < y < b,
uy (x, 0) = f1 (x), uy (x, b) = f2 (x) se 0 6 x 6 a,

ux (0, y) = g1 (y), ux (a, y) = g2 (y) se 0 6 y 6 b.

Exercı́cio 5.11. Usando séries de Fourier triplas, resolva o problema de Dirichlet




 uxx + uyy + uzz = F (x, y, z) se 0 < x < a, 0 < y < b e 0 < z < c,

u(0, y, z) = f1 (x, y), u(a, y, z) = f2 (x, y) se 0 6 y 6 b e 0 6 z 6 c,
 u(x, 0, z) = g1 (x, y), u(x, b, z) = g2 (x, y)
 se 0 6 x 6 a e 0 6 z 6 c,

u(x, y, 0) = h1 (x, y), u(x, y, c) = h2 (x, y) se 0 6 x 6 a e 0 6 y 6 b.

5.4 A Equação de Laplace no Disco


É uma conseqüência do princı́pio do máximo que as soluções da equação de Laplace em domı́nios simétricos
com uma condição de fronteira simétrica são simétricas (este é um resultado altamente não elementar, cuja
demonstração é bem recente). Em vista disso as soluções da equação de Laplace no disco são radialmente
simétricas, o que transforma o problema de Laplace no disco em um problema essencialmente unidimensional,
isto é, a equação diferencial parcial transforma-se em uma única equação diferencial ordinária. Para obter-
mos esta equação diferencial ordinária, precisamos obter uma expressão para o Laplaciano em coordenadas
polares.

5.4.1 A Equação de Laplace em Coordenadas Polares


A relação entre coordenadas cartesianas retangulares e coordenadas polares é dada pelas seguintes relações:
½
x = r cos θ
(5.14)
y = r sen θ
Rodney Josué Biezuner 141

e (p
r = x2 + y 2 ,
y (5.15)
θ = arctan .
x
Para obter a expressão para o Laplaciano em coordenadas polares, usamos estas relações e a regra da
cadeia. Como
ux = ur rx + uθ θx ,
segue que
∂ ∂ ∂
uxx = [ur rx + uθ θx ] = (ur ) rx + ur rxx + (uθ ) θx + uθ θxx
∂x ∂x ∂x
= urr rx2 + urθ θx rx + ur rxx + urθ rx θx + uθθ θx2 + uθ θxx ,

donde
uxx = urr rx2 + uθθ θx2 + 2urθ rx θx + ur rxx + uθ θxx . (5.16)
Trocando x por y, obtemos também

uyy = urr ry2 + uθθ θy2 + 2urθ ry θy + ur ryy + uθ θyy . (5.17)

Diferenciando r2 = x2 + y 2 implicitamente com relação a x, obtemos 2rrx = 2x, logo


x
rx = .
r
Daı́,
x2
r − xrx r− 2 2 2
rxx = = r = r −x = y .
r 2 r 2 r 3 r 3

Similarmente,
y x2
ry = e ryy = .
r r3
y
Por outro lado, diferenciando θ = arctan com relação a x, obtemos
x
1 ³ y ´ y y
θx = ³ y ´2 − 2 = − 2 = − 2,
x x + y2 r
1+
x
e com relação a y obtemos µ ¶
1 1 x x
θy = ³ y ´2 = 2 = 2.
x x + y2 r
1+
x
Diferenciando estas expressões uma segunda vez com relação a x e y, respectivamente, encontramos

y (2rrx ) 2xy
θxx = = 4
r4 r
e
−x (2rrx ) 2xy
θyy = =− 4 .
r4 r
Em particular, valem as seguintes identidades:

θxx + θyy = 0 e rx θx + ry θy = 0.
Rodney Josué Biezuner 142

Usando as relações obtidas, temos


uxx + uyy = urr (rx2 + ry2 ) + uθθ (θx2 + θy2 ) + 2urθ (rx θx + ry θy ) + ur (rxx + ryy ) + uθ (θxx + θyy )
x2 + y 2 x2 + y 2 x2 + y 2
= 2
urr + 4
uθθ + ur
r r r3
1 1
= urr + 2 uθθ + ur .
r r
Em outras palavras, o Laplaciano de u em coordenadas polares é dado por
1 1
∆u(r, θ) = urr + ur + 2 uθθ . (5.18)
r r

5.4.2 Solução da Equação de Laplace no Disco pelo Método de Separação de


Variáveis e Séries de Fourier
Em coordenadas polares, a equação de Laplace no disco D = [0, R) × [0, 2π) se torna
(
1 1
urr + ur + 2 uθθ = 0 se 0 < r < R e 0 < θ < 2π,
r r
u(R, θ) = f (θ) se 0 6 θ 6 2π,

onde f é uma função contı́nua que satisfaz f (0) = f (2π). Resolver este problema nestas coordenadas significa
encontrar uma função u(r, θ) contı́nua em D e de classe C 2 em (0, R) × (0, 2π) tal que u(r, 0) = u(r, 2π) para
todo 0 < r < R.
Escrevendo
u(r, θ) = F (r)G(θ),
obtemos
1 1
F 00 (r)G(θ) + F 0 (r)G(θ) + 2 F (r)G00 (θ) = 0,
r r
donde
F 00 (r) F 0 (r) G00 (θ)
r2 +r =− = σ.
F (r) F (r) G(θ)
Do fato de G(θ) satisfazer a equação diferencial ordinária
G00 (θ) + σG(θ) = 0
e ser uma função periódica de perı́odo 2π, concluı́mos que
σ = n2
para algum n > 0, e
Gn (θ) = an cos nθ + bn sen nθ. (5.19)
Em particular, F satisfaz a equação diferencial ordinária
r2 F 00 (r) + rF 0 (r) − n2 F (r) = 0.
Esta é a equação de Euler, cuja solução geral é
½
c1 + c2 log r se n = 0,
F (r) =
c1 rn + c2 r−n se n > 1.

Como a solução u é contı́nua, devemos ter F (r) limitada próximo a r = 0, o que implica que c2 = 0. Portanto,
as soluções de F admissı́veis para este problema são
Fn (r) = rn para n > 0.
Rodney Josué Biezuner 143

As soluções produto são então


a0
u0 (r, θ) = ,
2
un (r, θ) = rn [an cos nθ + bn sen nθ] para n > 1.
A solução do problema é

a0 X r n
u(r, θ) = + [an cos nθ + bn sen nθ], (5.20)
2 n=1
Rn
onde an , bn são os coeficientes de Fourier de f (lembre-se que f está definida no intervalo [0, 2π], satisfaz
f (0) = f (2π) e é natural supor que ela é perı́ódica de perı́odo 2π)
Z
1 2π
an = f (θ) cos nθ dθ, n > 0,
πZ0 (5.21)

1
bn = f (θ) sen nθ dθ, n > 1.
π 0
Exemplo 5.3. Encontre a distribuição de temperatura de estado estacionário em um disco de raio 1, se a
metade superior da circunferência é mantida a uma temperatura constante igual a 100◦ e a metade
inferior é mantida à temperatura constante 0.
Solução. Em outras palavras, queremos resolver o problema de Dirichlet em coordenadas polares
½
∆u = 0 se 0 < r < R e 0 < θ < 2π,
u(1, θ) = f (θ) se 0 6 θ 6 2π,
onde ½
100 se 0 < θ < π,
f (θ) =
0 se π < θ < 2π.
Temos Z π ½
100 100 se n = 0,
an = cos nθ dθ =
π 0 0 se n > 1,
e (
Z π 0 se n é par,
100 100
bn = sen nθ dθ = (1 − cos nπ) = 200 .
π 0 nπ se n é ı́mpar.

Logo, a solução é

200 X (−1)n+1 2n−1
u(r, θ) = 50 + r sen(2n − 1)θ.
π n=1 2n − 1

Observação. A solução obtida acima pode ser escrita em forma fechada com o auxı́lio da seguinte identidade

X sen nθ r sen θ
rn = arctan . (5.22)
n=1
n 1 − r cos θ

De fato, usando a identidade cos nπ sen nθ = sen n(θ − π) e reescrevendo a solução anterior, obtemos

100 X 1 − cos nπ n
u(r, θ) = 50 + r sen nθ
π n=1 n
∞ ∞
100 X n sen nθ 100 X n sen n(θ − π)
= 50 + r − r
π n=1 n π n=1 n
100 r sen θ 100 r sen(θ − π)
= 50 + arctan − arctan
π 1 − r cos θ π 1 − r cos(θ − π)
Rodney Josué Biezuner 144

de modo que µ ¶
100 r sen θ r sen θ
u(r, θ) = 50 + arctan + arctan . (5.23)
π 1 − r cos θ 1 + r cos θ
Esta solução é prontamente escrita em coordenadas cartesianas:
µ ¶
100 y y
u(x, y) = 50 + arctan + arctan . (5.24)
π 1−x 1+x

Em particular torna-se fácil determinar as isotermas (isto é, curvas de temperatura constante) desta
solução. Igualando o lado direito a um valor T , temos

y y π(T − 50)
arctan + arctan = .
1−x 1+x 100
Aplicando tan a ambos os lados desta equação e usando a identidade trigonométrica
tan a + tan b
tan(a + b) = ,
1 − tan a tan b
obtemos y y µ ¶
1−x + 1+x πT π πT
³ ´³ ´ = tan − = − cot ,
1− y y 100 2 100
1−x 1+x

donde
2y πT
2 2
= − cot ,
1−x −y 100
ou
x2 + y 2 − 1 πT
= tan .
2y 100
Portanto, a isoterma correspondente à temperatura T é o cı́rculo
µ ¶2
πT πT πT
x2 + y − tan = 1 + tan2 = sec2 ,
100 100 100
µ ¶
πT πT
centrado em 0, tan e de raio sec . Em particular, os centros destes arcos isotermais estão
100 100
centrados no eixo y. Por exemplo, T = 100 corresponde ao semicı́rculo superior, T = 50 corresponde
ao segmento do eixo x e T = 0 corresponde ao semicı́rculo inferior; os outros arcos isotermais ocupam
posições intermediárias, deformando-se continuamente de uma destas posições para a outra.

5.4.3 Exercı́cios
Exercı́cio 5.12. Encontre a solução limitada para a equação de Laplace na região fora do cı́rculo r = a que
satisfaz as condições de contorno:

u(a, θ) = f (θ) se 0 6 θ 6 2π.

Exercı́cio 5.13. Encontre a solução para a equação de Laplace na região semicircular r < a, 0 < θ < π,
que satisfaz as condições de contorno:

u (r, 0) = u (r, π) = 0 se 0 6 r < a,


u(a, θ) = f (θ) se 0 6 θ 6 2π.
Rodney Josué Biezuner 145

Exercı́cio 5.14. Encontre a solução para a equação de Laplace na região anular a < r < b, 0 6 θ 6 2π, que
satisfaz as condições de contorno:
u(a, θ) = A se 0 6 θ 6 2π,
u(b, θ) = B se 0 6 θ 6 2π,
onde A, B ∈ R.
Exercı́cio 5.15. Encontre uma solução para o problema de Neumann no disco:
(
1 1
urr + ur + 2 uθθ = 0 se 0 < r < R e 0 < θ < 2π,
r r
ur (R, θ) = g(θ) se 0 6 θ 6 2π.

Exercı́cio 5.16. A função potencial da velocidade φ de escoamento de um fluido invı́scido incompressı́vel


em torno de um cilindro satisfaz o problema de valor de fronteira

 1 1

 φrr + φr + 2 φθθ = 0 se r > a e 0 6 θ 6 2π,
r r
 φr (a, θ) = 0, φ (r, θ) = φ (r, −θ)

se 0 6 θ 6 2π.
 lim φ (r, θ) = φ0 r cos θ,
r→∞

onde φ0 ∈ R. Use o método de separação de variáveis para obter a solução


φ0 ¡ 2 ¢
φ (r, θ) = r + a2 cos θ.
r
Como φ é o potencial da velocidade V = (u, v) de escoamento do fluido, ou seja, V = ∇φ, deduza que
φ0 ¡ 2 ¢
u= 2
r − a2 cos 2θ,
r
φ0
v = − 2 a2 sen 2θ.
r
A partir daı́, esboce as linhas de fluxo para o campo de velocidades do fluido em torno do cilindro.
Isso pode ser feito de maneira mais fácil, observando-se que em coordenadas retangulares a função
potencial é dada por µ ¶
a2
φ (x, y) = φ0 x 1 + 2 ,
x + y2
e que a função corrente para o escoamento é
µ ¶
a2
ψ (x, y) = φ0 y −1 ,
x2 + y 2
isto é, ∇φ · ∇ψ = 0. Como V = ∇φ, conclua que as linhas de fluxo do campo de velocidades do
fluido são as curvas de nı́vel de ψ (daı́ o nome função corrente, porque as linhas de fluxo são também
chamadas linhas de corrente).

5.5 Funções Harmônicas e o Princı́pio do Máximo Forte


5.5.1 Identidades de Green
Seja Ω ⊂ Rn . O problema de Dirichlet para a equação de Laplace é, dada uma função f ∈ C 0 (∂Ω), encontrar
uma função u ∈ C 2 (Ω) ∩ C 0 (Ω) que satisfaça
½
∆u = 0 em Ω,
(D)
u=f sobre ∂Ω.
Rodney Josué Biezuner 146

O problema de Neumann para a equação de Laplace é, dada uma função g ∈ C(∂Ω), encontrar uma função
u ∈ C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω) que satisfaça
(
∆u = 0 em Ω,
∂u (N)
=g sobre ∂Ω,
∂ν
onde ν é o vetor normal unitário apontando para fora. Enquanto o problema de Dirichlet tem solução única,
como já vimos no Teorema 5.2 (conseqüência do Princı́pio do Máximo Fraco, cuja demonstração pode ser
facilmente generalizada para Rn , n > 2), o problema de Neumann pode não possuir solução, porque a função
g não pode ser prescrita arbitrariamente. Por exemplo, se a fronteira ∂Ω é de classe C 1 , uma conseqüência
do Teorema da Divergência para campos vetoriais F ∈ C 1 (Ω; Rn )
Z Z
div F = F·ν (5.25)
Ω ∂Ω

é a fórmula de Green Z Z
∂u
∆u = (Fórmula de Green)
Ω ∂Ω ∂ν
(basta tomar F = ∇u). Logo, se existe uma solução para o problema de Neumann (N), então g deve satisfazer
Z
g = 0. (5.26)
∂Ω

Definimos o problema de Dirichlet para a equação de Poisson de maneira análoga: dadas funções f ∈
C 0 (Ω), g ∈ C 0 (∂Ω), encontrar uma função u ∈ C 2 (Ω) ∩ C 0 (Ω) que satisfaça
½
∆u = f em Ω,
(DP)
u=g sobre ∂Ω,

e o problema de Neumann, ou seja, encontrar uma função u ∈ C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω) que satisfaça
(
∆u = f em Ω,
∂u (NP)
=g sobre ∂Ω.
∂ν
Para que exista uma solução para o problema de Neumann para a equação de Poisson, uma condição
necessária pela fórmula de Green é que f e g satisfaçam
Z Z
f= g.
Ω ∂Ω

De agora em diante, assumiremos que a fronteira ∂Ω é sempre de classe C 1 . As seguintes identidades de


Green serão freqüentemente usadas neste capı́tulo. Assuma que u, v ∈ C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω).
Z Z Z
∂v
∇u · ∇v = u − u∆v (Primeira Identidade de Green)
Ω ∂Ω ∂ν Ω
Z Z µ ¶
∂v ∂u
(u∆v − v∆u) = u −v (Segunda Identidade de Green)
Ω ∂Ω ∂ν ∂ν
A primeira identidade segue diretamente do Teorema da Divergência escolhendo F = u∇v e a segunda é
obtida da primeira permutando u e v e subtraindo as duas identidades.

Proposição 5.4. Se (DP) possui uma solução de classe C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω), então a solução é única. Se (NP)
possui uma solução de classe C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω), então a solução é única a menos de uma constante.
Rodney Josué Biezuner 147

Prova. Suponha que u1 e u2 são duas soluções para (DP) ou (NP). Então w = u1 − u2 satisfaz
½
∆w = 0 em Ω,
w=0 sobre ∂Ω,
ou (
∆w = 0 em Ω,
∂w
=0 sobre ∂Ω,
∂ν
respectivamente. Em qualquer um dos dois casos, tomando u = v = w na primeira identidade de Green,
segue que Z
2
|∇w| = 0,

e portanto ∇w = 0 em Ω, logo w é constante em Ω. No caso do problema de Dirichlet, como w = 0 na


fronteira ∂Ω, segue que esta constante é nula e portanto u1 = u2 . No caso do problema de Neumann,
concluı́mos que u1 e u2 são iguais a menos de uma constante; além disso, se u é uma solução para (NP) e
C ∈ R é uma constante, então u + C também é uma solução para (NP). ¥
Observe que para provar a Proposição 5.4 exigi-se que a solução u seja de classe C 1 (Ω) (em outras palavras,
de classe C 1 até a fronteira). Esta exigência é necessária para que possamos usar a identidade de Green. No
entanto, para o problema de Dirichlet, já vimos que usando o Princı́pio do Máximo podemos estabelecer a
unicidade mesmo se u for apenas de classe C 0 (Ω) (isto é, apenas contı́nua até a fronteira).

5.5.2 Funções Harmônicas e as Propriedades do Valor Médio


Uma função u ∈ C 2 (Ω) que satisfaz a equação de Laplace ∆u = 0 é chamada uma função harmônica
em Ω. Portanto, soluções para o problema de Laplace são funções harmônicas que satisfazem a condição de
fronteira (Dirichlet ou Neumann) dada. Segue da Primeira Identidade de Green que se u é harmônica em
Ω, então Z
∂u
=0 (5.27)
∂Ω ∂ν
e Z Z
2 1 ∂ 2
|∇u| = (u ). (5.28)
Ω 2 ∂Ω ∂ν
Se u ∈ C 0 (Ω) é uma função qualquer e BR = BR (x) ⊂⊂ Ω, pelo Teorema do Valor Médio para Integrais
temos
Z
1
u(x) = lim u,
r→0 |∂BR | ∂B
Z R

1
u(x) = lim u.
r→0 |BR | B
R

Se u é harmônica, o valor de u no centro da esfera ou bola é igual ao valor da média da integral em qualquer
esfera ou bola e não apenas o limite das médias:
Teorema 5.5. (Teorema do Valor Médio para Funções Harmônicas) Seja u harmônica em Ω. Então, para
qualquer bola BR = BR (x) ⊂⊂ Ω, vale
Z Z
1 1
u(x) = u= u (5.29)
|∂BR | ∂BR nωn Rn−1 ∂BR
e Z Z
1 1
u(x) = u= u. (5.30)
|BR | BR ωn Rn BR

Aqui, ωn = 2π n/2 /nΓ(n/2) denota o volume da bola unitária em Rn .


Rodney Josué Biezuner 148

Prova. Para provar a segunda desigualdade, seja x ∈ Ω e BR = BR (x) ⊂⊂ Ω. Defina para r ∈ (0, R] a
função Z
1
φ(r) = u.
|∂Br | ∂Br
Para obter a derivada da função φ, fazemos a mudança de variáveis
y−x
ω= ,
r
de modo que
Z Z Z
1 1 1
φ(r) = u(y) ds = u(x + rω) dω = u(x + rω) dω,
nωn rn−1 ∂Br nω n ∂B1 (0) |∂B1 (0)| ∂B1 (0)

e daı́
Z Z
1 1 y−x
φ0 (r) = ∇u(x + rω) · ω dω = ∇u(y) · ds
|∂B1 (0)| ∂B1 (0) |∂Br | ∂Br r
Z
1 ∂u
= ds,
|∂Br | ∂Br ∂ν
y−x
pois o vetor normal unitário à ∂Br (x) apontando para fora é exatamente o vetor . Em outras palavras,
r
provamos que µ Z ¶ Z
d 1 1 ∂u
u = . (5.31)
dr |∂Br | ∂Br |∂Br | ∂Br ∂r
Mas, pela harmonicidade de u, temos que Z
∂u
= 0,
∂Br ∂ν
logo
φ0 (r) ≡ 0
e φ(r) é uma função constante. Portanto,
Z Z
1 1
u ≡ u
|∂Br | ∂Br |∂BR | ∂BR

para todo 0 < r 6 R. Usando o Teorema do Valor Médio para Integrais


Z
1
lim u = u(x),
r→0 |∂Br | ∂B
r

obtemos a primeira identidade. Em particular, agora sabemos que vale a igualdade


Z
n−1
nωn r u(x) = u
∂Br

para todo r, e a segunda identidade pode então ser obtida integrando-se esta equação de r = 0 até r = R. ¥
Proposição 5.6. (Caracterização das Funções Harmônicas) Suponha que u ∈ C 2 (Ω) satisfaça qualquer uma
das propriedades do valor médio enunciadas na proposição anterior. Então u é harmônica em Ω.
Prova. Suponha que exista um ponto x ∈ Ω tal que ∆u(x) > 0. Então, de acordo com a demonstração da
proposição anterior, para todo r suficientemente pequeno temos
· Z ¸ Z Z
∂ 1 ∂u
0 = |∂Br | u ds = = ∆u > 0,
∂r |∂Br | ∂Br ∂Br ∂ν Br

uma contradição. Analogamente, eliminamos a possibilidade de que ∆u < 0. ¥


É possı́vel remover a hipótese de que u ∈ C 2 (Ω).
Rodney Josué Biezuner 149

5.5.3 Princı́pio do Máximo Forte


Teorema 5.7. (Princı́pio do Máximo Forte) Suponha que u ∈ C 2 (Ω) satisfaça ∆u = 0. Se Ω é conexo e
existe um ponto x0 ∈ Ω tal que u(x0 ) = max u, então u é constante. Em outras palavras, uma função

harmônica não pode assumir um máximo no interior a menos que ela seja constante.

Prova. Denote M = max u e considere o conjunto A = {x ∈ Ω : u(x) = M }. Por hipótese, A é não-vazio



e fechado em Ω, pois u é contı́nua em Ω. Como Ω é conexo, para provar que A = Ω e portanto que u é
constante, basta provar que A é aberto. De fato, dado x ∈ A e uma bola BR = BR (x) ⊂⊂ Ω, temos pela
propriedade do valor médio para funções harmônicas que
Z Z
1 1
M = u(x) = u6 M = M.
|BR | BR |BR | BR

Se houvesse pelo menos um ponto em BR (x) cujo valor é estritamente menor que M , então a desigualdade
acima seria estrita, o que constituiria uma contradição. Concluı́mos que u ≡ M em BR (x), logo A é aberto.
¥
Analogamente, pode-se provar que se uma função harmônica assume um mı́nimo no interior, então ela é
constante.

Exemplo 5.8. A hipótese de Ω ser limitada não pode ser removida do Teorema 5.7. Com efeito, se Ω =
{(x, y) ∈ R2 : y > |x|}, então a função

u(x, y) = y 2 − x2

é harmônica em Ω, u ≡ 0 em ∂Ω e sup u = +∞. ¤


5.5.4 Desigualdade de Harnack


Para funções harmônicas u não-negativas em um aberto Ω, o máximo e o mı́nimo de u em qualquer subcon-
junto compacto de Ω são comparáveis, e a constante de comparação independe da solução:

Teorema 5.9. (Desigualdade de Harnack) Suponha que u é uma função harmônica não-negativa em Ω ⊂
Rn . Então, para qualquer subconjunto limitado Ω0 ⊂⊂ Ω, existe uma constante C = C(n, Ω0 , dist(Ω0 , ∂Ω))
tal que
sup u 6 C inf0 u.
Ω0 Ω

Em particular,
1
u(y) 6 u(x) 6 Cu(y) para todos x, y ∈ Ω0 .
C
Prova. Seja
1
R= dist(Ω0 , ∂Ω).
4
Então, para quaisquer pontos x, y ∈ Ω0 tais que |x − y| 6 R, vale a desigualdade
Z Z
1 1 1
u(x) = u> u = n u(y).
ωn (2R)n B2R (x) ωn (2R)n BR (y) 2

Segue que
sup u 6 2n inf u.
BR (y) BR (y)
Rodney Josué Biezuner 150

Como Ω0 é compacto, podemos cobrir Ω0 por um número finito de bolas abertas B1 , . . . , BN de raio R tais
que Bi ∩ Bi+1 6= ∅ para i = 1, . . . , N − 1. Daı́,
1
u(x) > u(y)
2nN
para todos x, y ∈ Ω0 . ¥
Note que este resultado afirma que os valores de uma função harmônica não-negativa u em Ω0 são todos
comparáveis: u não pode ser muito pequena (ou muito grande) em um ponto de Ω0 , a menos que u seja muito
pequena (ou muito grande) em todos os pontos de Ω0 . Em outras palavras, funções harmônicas não-negativas
não podem oscilar violentamente em abertos limitados.

5.6 Solução da Equação de Laplace através de Funções de Green


5.6.1 Solução Fundamental da Equação de Laplace
O operador laplaciano é invariante sob rotações e reflexões. Lembre-se que uma rotação do espaço Rn é uma
transformação linear ortogonal P : Rn → Rn com determinante positivo (+1), enquanto que uma reflexão é
uma transformação linear ortogonal com determinante negativo (−1).

Teorema 5.10. (Invariância do Laplaciano sob Rotações) Seja u : U ⊂ Rn → R, x 7→ u(x) uma função de
classe C 2 . Considere uma mudança de coordenadas

y = Px,

onde P é uma matriz ortogonal. Seja V = PU e defina v : V ⊂ Rn → R, y 7→ v(y) por

v(y) = u(P−1 (y)).

Então, para todo y = Px , vale


n
X n
X
∂2u ∂2v
∆u(x) = 2 (x) = (y) = ∆v(y).
i=1
∂xi i=1
∂yi2

Prova. Denote P = (pij ). Então


∂yi
= pij .
∂xj
Como u(x) = v(Px), pela regra da cadeia segue que

X ∂vn X ∂v n
∂u ∂yj
(x) = (Px) = (Px)pji
∂xi j=1
∂yj ∂xi j=1
∂yj

e · ¸ " n #
Xn Xn X ∂2v n
X
∂2u ∂ ∂v ∂yk ∂2v
2 (x) = (Px) pji = (Px) pji = (y)pji pki .
∂xi j=1
∂xi ∂yj j=1
∂yj ∂yk ∂xi ∂yj ∂yk
k=1 j,k=1
t
Por definição de matriz ortogonal (PP = I), temos
n
X ½
1 se j = k,
pji pki = δjk =
0 se j =
6 k.
i=1
Rodney Josué Biezuner 151

Logo,
n
X n X
X n n
X Xn
∂2u ∂2v ∂2v
∆u(x) = 2 (x) = (y)pji pki = (y) pji pki
i=1
∂xi i=1 j,k=1
∂yj ∂yk ∂yj ∂yk i=1
j,k=1
n
X 2 n
X
∂ v ∂2v
= δjk (y) = (y).
∂yj ∂yk i=1
∂yi2
j,k=1

¥
Esta invariância do laplaciano com respeito a rotações torna plausı́vel a existência de soluções radiais para
a equação de Laplace. Veremos que a equação de Laplace de fato possui uma solução radial fundamental, a
partir da qual soluções mais complexas podem ser construı́das.
Seja u(x) = u(|x|) = u(r) uma função radial. Para uma função radial, o laplaciano é dado por

d2 u n − 1 du
∆u = + .
dr2 r dr
De fato, como
¡ ¢1/2
r = |x| = x21 + . . . x2n ,
temos
∂r 1 2xi xi
= = .
∂xi 2 (x2 + . . . x2 )1/2 r
1 n
Logo,
∂u ∂u ∂r du xi
= =
∂xi ∂r ∂xi dr r
e  
x2i µ ¶
∂ u2 2
d u xi xi du  r− d2 u x2i du 1 x2i
= 2 +  r  = + − ,
∂x2i dr r r dr r2 dr2 r2 dr r r3

donde µ ¶ µ ¶
n
X n n
∂2u d2 u X x2i du X 1 x2i d2 u du n 1 d2 u n − 1 du
2 = 2 2
+ − 3 = 2 + − = + .
i=1
∂xi dr i=1 r dr i=1 r r dr dr r r dr2 r dr

Logo, se u = u(r) é uma função radial harmônica, ela satisfaz a equação diferencial ordinária de segunda
ordem
n−1 0
u00 (r) + u (r) = 0.
r
Esta equação pode ser facilmente resolvida substituindo-se w(r) = u0 (r). Então w(r) satisfaz
n−1
w0 (r) + w(r) = 0,
r
ou
w0 (r) n−1
=− ;
w(r) r
esta equação pode ser integrada para obtermos, a menos de constantes multiplicativas e aditivas,

log w(r) = −(n − 1) log r = log r−(n−1) ,

donde
1
w(r) = .
rn−1
Rodney Josué Biezuner 152

Integrando esta equação, obtemos, a menos de constantes multiplicativas e aditivas,


(
log r se n = 2,
u(r) = 1
se n > 3.
rn−2
Observe que esta função possui uma singularidade na origem. Escolhendo constantes convenientes, chegamos
à seguinte definição:

Definição. A função Γ : Rn \{0} → R definida por



 1
 − log |x| se n = 2,
Γ(x) = 2π (5.32)
 1 1
 se n > 3,
n(n − 2)ωn |x|n−2

é chamada a solução fundamental para a equação de Laplace.

O motivo para se usar as constantes multiplicativas acima na definição da solução fundamental é para que
as mesmas não apareçam na fórmula de representação de Green (veja a próxima subseção). Observe que a
função Γ é harmônica e de classe C ∞ em Rn \{0}.
Para muitos resultados subseqüentes deste capı́tulo será utilizado o seguinte fato que lembramos: se
f (x) = f (|x|) é uma função radial, então
Z Z R
f = nωn f (r)rn−1 dr. (5.33)
BR (0) 0

A função Γ é integrável em qualquer vizinhança limitada da singularidade na origem, mas não é integrável
em todo o Rn , pois
 Z R


Z Z R  −
 r log r dr se n = 2,
n−1 0
Γ(x) dx = nωn Γ(r)r dr = Z R
BR (0) 0 
 1

 r dr se n > 3.
n−2 0

As derivadas parciais de primeira e segunda ordem de Γ são dadas por


∂Γ 1 xi
(x) = − ,
∂xi nωn |x|n
à !
∂2Γ 1 δij nxi xj
(x) = − − n+2 .
∂xi ∂xj nωn |x|n |x|
Note que as derivadas parciais de segunda ordem de Γ não são integráveis em uma vizinhança da singulari-
dade. As seguintes estimativas serão úteis mais tarde:
1 1
|DΓ| 6 ,
nωn |x|n−1
µ ¶
¯ 2 ¯
¯D Γ¯ 6 1 1
n .
ωn |x|
Rodney Josué Biezuner 153

5.6.2 Função de Green


Dada uma função u ∈ C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω), pretendemos obter uma fórmula de representação integral para u(y)
em termos da solução fundamental Γ(x − y), onde y ∈ Ω é um ponto arbitrário. Para isso, gostarı́amos de
usar a Segunda Identidade de Green, colocando diretamente Γ(x − y) no lugar de v, mas isso não pode ser
feito porque Γ(x − y) possui uma singularidade em y. Uma maneira de superar esta dificuldade é aplicar a
Segunda Identidade de Green na região Ω\B ε (y) e fazer ε → 0. Fazendo isso, chegamos ao seguinte resultado:

Teorema 5.11. (Fórmula de Representação de Green) Seja Ω um aberto limitado e u ∈ C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω).
Então, para todo y ∈ Ω,
Z µ ¶ Z
∂Γ ∂u
u(y) = − u (x − y) − Γ(x − y) − ∆uΓ(x − y) (5.34)
∂Ω ∂ν ∂ν Ω

Prova. Seja ε > 0 suficientemente pequeno para que tenhamos B ε (y) ⊂ Ω. Então Γ(x − y) é de classe C 1
(na verdade, de classe C ∞ ) em Ω\B ε (y) e podemos aplicar a Segunda Identidade de Green a esta região
para obter
Z µ ¶ Z Z
∂u ∂Γ
Γ(x − y) − u (x − y) = (∆uΓ(x − y) − u∆Γ(x − y)) = ∆uΓ(x − y).
∂[Ω\B ε (y)] ∂ν ∂ν Ω\B ε (y) Ω\B ε (y)

Como ∂[Ω\B ε (y)] = ∂Ω ∪ ∂B ε (y), segue que


Z µ ¶ Z µ ¶ Z
∂u ∂Γ ∂u ∂Γ
Γ(x − y) − u (x − y) + Γ(x − y) − u (x − y) = ∆uΓ(x − y).
∂Ω ∂ν ∂ν ∂Bε (y) ∂ν ∂ν Ω\B ε (y)

(observe que na segunda integral do lado direito, o vetor normal unitário ν aponta para dentro da bola
∂Bε (y)). Mas, se C = supΩ |∇u|, temos
¯Z ¯ Z (
¯ ∂u ¯ Cε log ε se n = 2,
¯ ¯
¯ Γ(x − y)¯ 6 C Γ(x − y) = CΓ(ε)nωn εn−1 = C
¯ ∂Bε (y) ∂ν ¯ ∂Bε (y) ε se n > 3,
n−2
logo Z
∂u
Γ(x − y) → 0 quando ε → 0;
∂Bε (y) ∂ν
por outro lado,
Z Z Z Z
∂Γ 1 1
u (x − y) = −Γ0 (ε) u= n−1
u= u,
∂Bε (y) ∂ν ∂Bε (y) nω nε ∂Bε (y) |∂B ε (y)| ∂Bε (y)

donde Z
∂Γ
− u (x − y) → −u(y) quando ε → 0.
∂Bε (y) ∂ν
Além disso, como a função Γ é integrável em uma vizinhança da singularidade, temos que
Z Z
∆uΓ(x − y) → ∆uΓ(x − y) quando ε → 0.
Ω\B ε (y) Ω

Portanto, fazendo ε → 0, obtemos o resultado desejado. ¥


A partir da fórmula de representação de Green obtemos imediatamente uma fórmula de representação
para funções harmônicas, a qual permite concluir o alto grau de regularidade destas:
Rodney Josué Biezuner 154

Corolário 5.12. (Fórmula de Representação para Funções Harmônicas) Seja Ω um aberto limitado e u ∈
C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω) uma função harmônica. Então, para todo y ∈ Ω,
Z µ ¶
∂Γ ∂u
u(y) = − u (x − y) − Γ(x − y) . (5.35)
∂Ω ∂ν ∂ν
Conseqüentemente, toda função harmônica é de classe C ∞ em Ω. Além disso, qualquer derivada
parcial Dα u de u também é uma função harmônica.

Prova. De fato, como y ∈ / ∂Ω, o integrando nesta fórmula de representação é infinitamente diferenciável
com respeito a y. Além disso, mudando a ordem de derivação, temos

∆ [Dα u] (y) = Dα [∆u] (y) = 0.

¥
Agora, para cada y ∈ Ω, suponha que hy ∈ C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω) satisfaz o problema de Dirichlet
½
∆hy = 0 em Ω,
hy (x) = Γ(x − y) sobre ∂Ω.

Então, novamente pela Segunda Identidade de Green temos


Z µ ¶ Z
∂u ∂hy
hy − u = hy ∆u
∂Ω ∂ν ∂ν Ω

ou Z µ ¶ Z
∂u ∂hy
Γ(x − y) − u = hy ∆u.
∂Ω ∂ν ∂ν Ω
Subtraindo esta identidade da Fórmula de Representação de Green, obtemos
Z µ ¶ Z Z µ ¶ Z
∂Γ ∂u ∂u ∂hy
u(y) = − u (x − y) − Γ(x − y) − ∆uΓ(x − y) − Γ(x − y) − u + hy ∆u
∂Ω ∂ν ∂ν Ω ∂Ω ∂ν ∂ν Ω
Z · ¸ Z
∂Γ ∂hy
=− u (x − y) − (x) − ∆u [Γ(x − y) − hy (x)] .
∂Ω ∂ν ∂ν Ω

Definição. A função G : Ω × Ω\{x = y} → R definida por

G(x, y) = Γ(x − y) − hy (x)

é chamada a função de Green para o laplaciano na região Ω.

Portanto, Z Z
∂G
u(y) = − u(x) (x, y) − ∆u(x)G(x, y). (5.36)
∂Ω ∂ν Ω

Proposição 5.13. Seja Ω um aberto limitado. Então toda solução u ∈ C 2 (Ω) ∩ C 1 (Ω) do problema de
Dirichlet ½
−∆u = f em Ω,
u=g sobre ∂Ω,
satisfaz Z Z
∂G
u(y) = − g(x) (x, y) + f (x)G(x, y). (5.37)
∂Ω ∂ν Ω

Assim, temos uma fórmula para construir a solução de qualquer problema de Dirichlet para o laplaciano em
um aberto limitado Ω, desde que conheçamos a função de Green para Ω. A dificuldade é obter a função de
Green para um dado domı́nio Ω.
Rodney Josué Biezuner 155

5.6.3 Propriedades da Função de Green


Antes de buscarmos funções de Green para outros domı́nios, vamos examinar algumas das propriedades
gerais da função de Green.

Proposição 5.14. A função de Green é simétrica, isto é,

G(x, y) = G(y, x). (5.38)

Prova. Seja G a função de Green para um aberto Ω ⊂ Rn . Fixe x, y ∈ Ω, x 6= y. Defina

v(z) = G(z, x),


w(z) = G(z, y).

Mostraremos que v(y) = w(x). Observe que, por construção, a função de Green G(x, y) = Γ(x − y) − hy (x)
é harmônica na primeira variável em x 6= y. Segue que

∆v(z) = 0 para z 6= x,
∆w(z) = 0 para z =
6 y,

e v = w = 0 em ∂Ω. Logo, podemos aplicar a segunda identidade de Green em Ω\ [Bε (x) ∪ Bε (y)], para
todo ε 6 ε0 para algum ε0 suficientemente pequeno, para obter
Z µ ¶ Z
∂w ∂v
v −w = (v∆w − w∆v) = 0,
∂(Ω\[Bε (x)∪Bε (y)]) ∂ν ∂ν Ω\[Bε (x)∪Bε (y)]

ou Z µ ¶ Z µ ¶
∂w ∂v ∂v ∂w
v −w = w −v (5.39)
∂Bε (x) ∂ν ∂ν ∂Bε (y) ∂ν ∂ν
onde ν denota o vetor normal unitário apontando para dentro das bolas Bε (x) e Bε (y). Tomando o limite
quando ε → 0, como w é suave na vizinhança de x, segue como na demonstração do Teorema 5.11 e do fato
que hx é contı́nua que
Z Z Z
∂w ∂w ∂w
v = Γ(z − x) + hx → 0;
∂Bε (x) ∂ν ∂Bε (x) ∂ν ∂Bε (x) ∂ν

analogamente, como v é suave na vizinhança de y e hy é contı́nua temos também


Z Z Z
∂v ∂v ∂v
w = Γ(z − y) + hy → 0.
∂Bε (y) ∂ν ∂Bε (y) ∂ν ∂Bε (y) ∂ν

Da mesma forma, como na demonstração daquele teorema, podemos provar que


Z Z Z
∂v ∂Γ ∂hx
w = w (z − x) + w (z) → w(x),
∂Bε (x) ∂ν ∂Bε (x) ∂ν ∂Bε (x) ∂ν
Z Z Z
∂w ∂Γ ∂hy
v = v (z − y) + v (z) → v(y),
∂Bε (y) ∂ν ∂Bε (y) ∂ν ∂Bε (y) ∂ν

quando ε → 0. O resultado segue. ¥

Corolário 5.15. As funções


∂G
Ge
∂ν
são harmônicas nas duas variáveis em x 6= y.
Rodney Josué Biezuner 156

5.6.4 Solução da Equação de Laplace em Bolas – Fórmula Integral de Poisson


Considere a transformação T : Rn \{0} → Rn \{0}, T : x 7→ x = T (x) definida por
x
x = R2 2.
|x|

Esta transformação é chamada a inversão através da esfera ∂BR (0) de raio R. A inversão é um difeomorfismo
que transforma o interior da bola BR (0) em seu exterior Rn \BR (0), mantendo fixada a esfera ∂BR (0); a sua
inversa é ela própria. Usaremos a inversão para calcular a função de Green para a bola BR (0).
Para encontrar a função de Green para a bola BR (0), fixado y ∈ BR (0) precisamos encontrar uma função
harmônica hy ∈ C 2 (BR (0)) ∩ C 1 (B R (0)) solução para o problema de Dirichlet
½
∆hy = 0 em BR (0),
(5.40)
hy (x) = Γ(x − y) sobre ∂BR (0).

Se y = 0, basta tomar hy como sendo a função constante hy (x) ≡ Γ(R). Se y 6= 0, a situação é mais compli-
cada. Em princı́pio, poderı́amos tomar a própria função Γ, exceto pelo fato que Γ possui uma singularidade
em y. Mas isso pode ser corrigido através da inversão. De fato, a função
à !
Rn−2 R2 y
hy (x) = n−2 Γ x − 2 . (5.41)
|y| |y|

é harmônica em BR (0), porque o laplaciano é um operador linear invariante por translações. Esta função
R2 y
deixa de ser harmônica apenas em y = 2 que é a imagem do ponto y pela inversão através da esfera
|y|
∂BR (0), logo é um ponto fora da bola BR (0). Note que podemos escrever
à à !!
|y| R2 y
hy (x) = Γ x− 2 , (5.42)
R |y|

pois
à à !!
|y| R2 y 1 1 Rn−2 1 1
Γ x− 2 = ¯ ¯n−2 = n−2 ¯ ¯n−2
R |y| n(n − 2)ωn |y|n−2 ¯ R2 y ¯¯ |y| n(n − 2)ωn ¯ R2 y ¯¯
¯ ¯
¯x − 2¯ ¯x − 2¯
Rn−2 ¯ |y| ¯ ¯ |y| ¯
à !
Rn−2 R2 y
= n−2 Γ x − 2 .
|y| |y|

Além disso, para x ∈ ∂BR (0), temos


¯ Ã !¯  ¯ ¯2  12 " Ã !# 12
¯ |y| R 2
y ¯ 2 ¯ 2 ¯ 2
R4 ³ ´1
¯ ¯  |y| ¯ R y ¯  |y| 2 2x· y 2 2 2
¯ x− 2 ¯ = ¯x − 2 ¯ = |x| − 2R 2 + 2 = |y| − 2x · y + |x|
¯R |y| ¯ R2 ¯ |y| ¯ R2 |y| |y|
= |x − y| , (5.43)

logo
hy (x) = Γ(x − y) em ∂BR (0).
Justificamos apenas para n > 3, mas as conclusões são válidas também para n = 2, como o leitor pode
prontamente verificar. Portanto, a função hy definida acima é a solução procurada para o problema de
Rodney Josué Biezuner 157

Dirichlet (7.2) no caso y 6= 0. Concluı́mos que a função de Green para a bola BR (0) é a função G(x, y) =
Γ(x − y) − hy (x) dada por
 Ã Ã !!

 |y| R2 y
Γ(x − y) − Γ x− 2 se y 6= 0,
G(x, y) = R |y| (5.44)


Γ(x) − Γ (R) se y = 0.

Segue da Proposição 5.13 que se u ∈ C 2 (BR (0)) ∩ C 1 (B R (0)) é harmônica, então


Z
∂G
u(y) = − u(x) (x, y) ds(x).
∂BR (0) ∂ν
∂G
A derivada normal em ∂BR (0) pode ser calculada da seguinte maneira. Como o vetor normal unitário
∂ν
x
apontando para fora é , segue que
R
n n · µ ¶¸
∂G x 1 X ∂G 1 X ∂ ∂ |y|
(x, y) = ∇x G(x, y) · = xi (x, y) = xi Γ(x − y) − Γ (x − y) .
∂ν R R i=1 ∂xi R i=1 ∂xi ∂xi R

Temos
∂ 1 xi − yi
Γ(x − y) = −
∂xi nωn |x − y|n
e

|y| R2 yi |y|
2
µ ¶ (x − y ) 2 xi − 2 xi − yi
∂ |y| 1 R i i |y| 1 |y| |y| 1 R 2
Γ (x − y) = − ¯ ¯n =− ¯ Ã !¯ n = −
∂xi R nωn ¯¯ |y| ¯ R
¯ nωn R2 ¯¯ |y| R2 y ¯¯ nωn |x − y|n
¯ R (x − y)¯ ¯ x− 2 ¯
¯R |y| ¯

onde usamos (5.43). Para x ∈ ∂BR (0), segue que


n
" Ã !# n
" #
∂G 1 X |y|
2
1 X 2
|y| 2
2
(x, y) = − n xi xi − yi − xi − yi =− n x − 2 xi
∂ν nωn R |x − y| i=1 R2 nωn R |x − y| i=1 i R
2
1 R2 − |y|
=− .
nωn R |x − y|n
Assim, trocando as variáveis, obtemos a fórmula de representação
2 Z
R2 − |x| u(y)
u(x) = n ds(y). (5.45)
nωn R ∂BR (0) |x − y|

Esta fórmula é chamada a fórmula integral de Poisson. A função


2
1 R2 − |x|
K(x, y) = , x ∈ BR (0), y ∈ ∂BR (0), (5.46)
nωn R |x − y|n
é chamada o núcleo de Poisson para a bola BR (0). Usaremos agora a fórmula integral de Poisson para
provar que o problema de Dirichlet para a equação de Laplace na bola possui solução:

Lema 5.16. Para todo x ∈ BR (0), vale


Z
K(x, y) ds(y) = 1. (5.47)
∂BR (0)
Rodney Josué Biezuner 158

Prova. Basta tomar u ≡ 1 na fómula integral de Poisson. ¥

Teorema 5.17. Seja g ∈ C 0 (∂BR (0)). Defina


2 Z
R2 − |x| g(y)
u(x) = n ds(y). (5.48)
nωn R ∂BR (0) |x − y|

Então u ∈ C 2 (BR (0)) ∩ C 0 (B R (0)) e u é a solução do problema de Dirichlet


½
∆u = 0 em BR (0),
u=g sobre ∂BR (0).

∂G
Prova. Como vimos no Corolário 5.15, a função (y, x) também é harmônica com relação à segunda
∂ν
variável x e x ∈ BR (0), logo podemos derivar
Z
∂G
u(x) = − u(y) (y, x) ds(y)
∂BR (0) ∂ν

dentro do sinal de integração para obter ∆u(x) = 0 se x ∈ BR (0). Resta estabelecer a continuidade até a
fronteira, isto é, que para todo x0 ∈ ∂Ω, temos

lim u(x) = g(x0 ).


x→x0

Como g é contı́nua, dado ε > 0, escolha δ0 > 0 tal que |g(y) − g(x0 )| < ε se |y − x0 | < δ0 e seja M =
max∂BR (0) g. Pelo Lema 5.16, temos
Z
g(x0 ) = g(x0 )K(x, y) ds(y).
∂BR (0)

Portanto,
¯Z ¯ Z
¯ ¯
¯ ¯
|u(x) − g(x0 )| = ¯ K(x, y) (g(y) − g(x0 )) ds(y)¯ 6 K(x, y) |g(y) − g(x0 )| ds(y)
¯ ∂BR (0) ¯ ∂BR (0)
Z Z
= K(x, y) |g(y) − g(x0 )| ds(y) + K(x, y) |g(y) − g(x0 )| ds(y)
|y−x0 |6δ0 |y−x0 |>δ0
Z Z
6ε K(x, y) ds(y) + 2M K(x, y) ds(y)
∂BR (0) |y−x0 |>δ0
2 2 Z
R − |x| 1
= ε + 2M n ds(y)
nωn R |y−x0 |>δ0 |x − y|
2 2 µ ¶n
R − |x| 2
6 ε + 2M |∂BR (0)|
nωn R δ0
2
R2 − |x|
= ε + 2n+1 M Rn−2 .
δ0n
2
Como R2 − |x| → 0 se x → x0 ∈ ∂BR (0), existe δ > 0 tal que se |x − x0 | < δ podemos garantir que
|u(x) − g(x0 )| 6 2ε. ¥
Rodney Josué Biezuner 159

5.6.5 Exercı́cios
Exercı́cio 5.17. Deduza da fórmula integral de Poisson a seguinte versão para a desigualdade de Harnack:
Seja u uma função harmônica não-negativa em BR (0) ⊂ Rn . Então, para todo x ∈ BR (0), vale
µ ¶n−2 µ ¶n−2
R R − |x| R R + |x|
u(0) 6 u(x) 6 u(0)
R + |x| R + |x| R − |x| R − |x|

Exercı́cio 5.18. Deduza o Teorema de Liouville a partir da versão para a desigualdade de Harnack provada
no item anterior:
Se u é uma função harmônica não-negativa em Rn , então u é constante.
Exercı́cio 5.19. Mostre que o problema de Dirichlet não-linear
½
∆u = u3 em Ω,
u=0 sobre ∂Ω,

onde Ω ⊂ Rn é um aberto limitado, possui como solução apenas a função identicamente nula.
Exercı́cio 5.20. Mostre que se u e v são funções harmônicas, então seu produto uv é harmônico se e somente
se ∇u · ∇v = 0. Conclua que se u é uma função harmônica tal que u2 é harmônica, então u é constante.
Capı́tulo 6

A Equação da Onda no Disco:


Vibrações de uma Membrana Circular

6.1 A Membrana Circular Vibrante: Vibrações Radiais


Considere uma membrana elástica fina, com densidade uniforme, esticada sobre uma armação circular de
raio R e vibrando na direção perpendicular ao disco D definido pelo cı́rculo, em um meio que não opõe
resistência ao seu movimento. As vibrações desta membrana são descritas pelo problema de valor inicial e
de fronteira 

 utt = c2 (uxx + uyy ) se (x, y) ∈ D e t > 0,
 u(x, y, t) = 0 se (x, y) ∈ ∂D e t > 0,

 u(x, y, 0) = f (x, y) se (x, y) ∈ D,

ut (x, y, 0) = g(x, y) se (x, y) ∈ D,
com f (x, y) = g(x, y) = 0 se (x, y) ∈ ∂D. Em coordenadas polares, este problema se torna
 µ ¶

 2 1 1

 u = c urr + ur + 2 uθθ se 0 < r < R, 0 < θ < 2π e t > 0,
 tt r r
u(R, θ, t) = 0 se 0 6 θ 6 2π e t > 0,



 u(r, θ, 0) = f (r, θ) se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

ut (r, θ, 0) = g(r, θ) se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

com f, g funções periódicas de perı́odo 2π na variável θ, satisfazendo f (R, θ) = g(R, θ) = 0 para todo
0 6 θ 6 2π. Se restringirmos nossa atenção aos casos em que a posição inicial f e a velocidade inicial g
são funções radialmente simétricas f (r, θ) = f (r) e g(r, θ) = g(r) (ou seja, a posição e velocidade iniciais de
um ponto da membrana dependem apenas da distância dele ao centro e não do ângulo polar θ), a simetria
da situação implica que a solução u também deverá ser radialmente simétrica, isto é, u(r, θ, t) = u(r, t) (a
posição de um ponto da membrana em qualquer instante de tempo não dependará do ângulo θ). Então o
problema se simplifica consideravelmente:
 µ ¶

 2 1

 u = c urr + ur se 0 < r < R, 0 < θ < 2π e t > 0,
 tt r
u(R, t) = 0 se t > 0, (6.1)



 u(r, 0) = f (r) se 0 6 r 6 R,

ut (r, 0) = g(r) se 0 6 r 6 R,

com f (R) = g(R) = 0.

160
Rodney Josué Biezuner 161

Vamos tentar resolver este problema pelo método de separação de variáveis. Suponha que possamos
escrever
u(r, t) = F (r)G(t).
Então · ¸
00 200 1 0
F (r)G (t) = c F (r)G(t) + F (r)G(t) ,
r
donde
1 G00 (t) F 00 (r) 1 F 0 (r)
2
= + = −λ2 .
c G(t) F (r) r F (r)
Aqui, nos adiantamos na análise da constante de separação de variáveis e decidimos que ela é negativa porque
esperamos obter soluções de G periódicas, pois as vibrações de uma membrana que não está sujeita a forças
externas ou dissipativas devem ser periódicas no tempo. Isso nos leva às seguintes equações diferenciais
ordinárias: ½
rF 00 (r) + F 0 (r) + λ2 rF (r) = 0 se 0 < r < R,
(6.2)
F (R) = 0,
e
G00 (t) + c2 λ2 G(t) = 0.
A primeira equação é conhecida como a equação de Bessel de ordem 0 e parâmetro λ. Ela não possui
soluções em forma fechada. No entanto, ela aparece tão freqüentemente nas aplicações que as suas soluções
receberam um nome especial: as funções de Bessel.
Observação: Poderı́amos em princı́pio também ter λ = 0, pois funções constantes também são periódicas
com perı́odo 2π, e neste caso terı́amos uma equação de Euler. No entanto, a solução geral para esta equação
de Euler seria F (r) = c1 + c2 log r e a condição F (R) = 0 implicaria que F ≡ 0.

6.2 Funções de Bessel


Para facilitar o estudo da equação de Bessel, vamos nos livrar do parâmetro λ através da mudança de variável
x = λr, considerando a função ³x´
y(x) = F . (6.3)
λ
Então
1 1
y 0 (x) = F 0 (r) e y 00 (x) = 2 F 00 (r),
λ λ
de modo que a equação de Bessel de ordem 0 torna-se

x2 y 00 + xy 0 + x2 y = 0.

Mais geralmente, vamos estudar a equação de Bessel de ordem p, já que esta equação surgirá nos
problemas da membrana circular vibrante sem simetria radial:

x2 y 00 + xy 0 + (x2 − p2 )y = 0. (6.4)

Como observado antes, esta equação não possui uma solução em forma fechada. Para resolvê-la, usaremos
um método que estende o método de séries de potências, chamado método de Frobenius.
Rodney Josué Biezuner 162

6.2.1 Funções de Bessel do Primeiro Tipo


Escrevendo

X ∞
X
y(x) = xc an xn = an xn+c ,
n=0 n=0

onde c é uma constante não necessariamente inteira, diferenciando termo a termo e substituindo na equação
diferencial, obtemos

X ∞
X ∞
X
(n + c)(n + c − 1)an xn+c + (n + c)an xn+c + (x2 − p2 )an xn+c = 0
n=0 n=0 n=0

que é a série

[c(c − 1) + c − p2 ]a0 + [(1 + c)(1 + c − 1) + (1 + c) − p2 ]a1 x1+c


X∞
© ª
+ [(n + c)(n + c − 1) + (n + c) − p2 ]an + an−2 xn+c = 0,
n=2

ou seja,

X
2 2 2 2 1+c
© ª
(c − p )a0 + [(1 + c) − p ]a1 x + [(n + c)2 − p2 ]an + an−2 xn+c = 0.
n=2

Daı́, obtemos as relações

(c2 − p2 )a0 = 0, (6.5)


2 2
[(1 + c) − p ]a1 = 0, (6.6)
2 2
[(n + c) − p ]an = an−2 , (6.7)

a última relação valendo para n > 2. Assumindo a0 6= 0, obtemos a chamada equação indicial c2 − p2 = 0,
donde
c = p ou c = −p.
Isso implica que a1 = 0 (exceto no caso p = −1/2). Escolhendo c = p, a relação (6.7) produz a fórmula
recursiva
an−2
an = − se n > 2. (6.8)
n(n + 2p)
Como a1 = 0, todos os coeficientes com ı́ndices ı́mpares são iguais a 0:

a2k−1 = 0 para todo k > 1. (6.9)

Escrevendo n = 2k, encontramos os coeficientes com ı́ndices pares:


1
a2k = − a2(k−1) ,
22 k(k + p)
ou seja,
1
a2 = − a0 ,
22 (1 + p)
1 1
a4 = − 2 a2 = 4 a0 ,
2 2(2 + p) 2 2(1 + p)(2 + p)
1 1
a6 = − 2 a4 = − 6 a0 ,
2 3(3 + p) 2 3!(1 + p)(2 + p)(3 + p)
Rodney Josué Biezuner 163

e assim por diante, de maneira que

(−1)k
a2k = a0 . (6.10)
22k k!(1 + p)(2 + p) · · · (k + p)
Usando a função gama Γ(x) (se você não conhece esta função, veja a próxima subseção) podemos simplificar
a notação. Utilizando a propriedade Γ(x + 1) = xΓ(x), segue que

Γ(1 + p)[(1 + p)(2 + p) · · · (k + p)] = Γ(2 + p)[(2 + p) · · · (k + p)]


= Γ(3 + p)[(4 + p) · · · (k + p)]
= ...
= Γ(k + p + 1),

logo
Γ(k + p + 1)
(1 + p)(2 + p) · · · (k + p) = . (6.11)
Γ(1 + p)
Escolhendo
1
a0 = , (6.12)
2p Γ(1 + p)
temos que a primeira solução da equação de Bessel pode ser escrita na forma

X (−1)k ³ x ´2k+p
y(x) = (6.13)
k!Γ(k + p + 1) 2
k=0

desde que p não seja um inteiro negativo, pois se p for um inteiro negativo então Γ(k + p + 1) não está
definido para k = 0, . . . , p − 1.

Definição. Seja p ∈ R um número real que não é um inteiro negativo. A função Jp definida por

X (−1)k ³ x ´2k+p
Jp (x) = (6.14)
k!Γ(k + p + 1) 2
k=0

em [0, +∞), se p > 0, e em (0, +∞) se p < 0, é chamada uma função de Bessel do primeiro tipo
de ordem p.

Observe que se p é um inteiro não-negativo, temos simplesmente

(−1)k ³ x ´2k+p

X
Jp (x) = (6.15)
k!(k + p)! 2
k=0

e
(−1)k ³ x ´2k

X
J0 (x) = 2 . (6.16)
(k!) 2
k=0

Para obter a solução geral para a equação de Bessel, precisamos obter uma segunda solução linearmente
independente de Jp , pois a equação de Bessel é uma equação diferencial ordinária linear de segunda ordem.
Para isso, quando p não é um inteiro positivo, basta fazer a segunda escolha possı́vel para c, ou seja, c = −p.
Neste caso obtemos

X (−1)k ³ x ´2k−p
J−p (x) = . (6.17)
k!Γ(k − p + 1) 2
k=0

É claro que esta definição é consistente com a anterior, no sentido que J−(−p) = Jp . Além disso, verificaremos
daqui a pouco que Jp e J−p são linearmente independentes se p não é um inteiro. Portanto, possuı́mos uma
Rodney Josué Biezuner 164

definição consistente para Jp e J−p sempre que p não é um inteiro, e uma definição para Jp se p é um inteiro
positivo ou nulo (obviamente igual a J−p se p é um inteiro negativo). Falta definir J−p se p é um inteiro
positivo. Observe que se p é um inteiro positivo então Γ(k − p + 1) não está definido para k = 0, . . . , p − 1,
porque |Γ(x)| → ∞ quando x → k − p + 1 com estes valores de k. Mas, por este mesmo motivo, se na fórmula
para Jp fizermos p tender a um valor inteiro negativo n, podemos desprezar os primeiros termos da série de
k = 0 até k = p − 1 e definir

X (−1)k ³ x ´2k−n
J−n (x) = . (6.18)
k!Γ(k − n + 1) 2
k=n

Contudo, com esta definição, as funções Jn e J−n são linearmente dependentes, pois

(−1)k ³ x ´2k−n X (−1)l+n ³ x ´2l+n X (−1)k ³ x ´2k+n



X ∞ ∞
J−n (x) = = = (−1)n = (−1)n Jn (x).
k!(k − n)! 2 (l + n)!l! 2 k!(k + n)! 2
k=n l=0 k=0

Resumindo, fazemos a seguinte definição:

Definição. Seja p ∈ Z um inteiro negativo. Definimos

J−p (x) = (−1)p Jp (x). (6.19)

Desta forma Jp está definida para todo p ∈ R e Jp , J−p são duas soluções para a equação de Bessel de ordem
p.

Proposição 6.1. As funções de Bessel Jp estão definidas em [0, +∞) se p > 0, e em (0, +∞) se p < 0.
Além disso, elas são de classe C 2 .

Prova: Temos
¯ ³ x ´2(k+1)+p ¯¯
¯ (−1)k+1
¯ ¯
¯ (k + 1)!Γ(k + 1 + p + 1) 2 ¯ k!Γ(k + p + 1)x2k+p x2k+2+p x2
¯ ¯= = →0
¯ (−1)k ³ ´ ¯ 2k+2+p x2k+p
¯ x 2k+p ¯ (k + 1)!Γ(k + p + 2)x 4 (k + 1) (k + p + 1)
¯ ¯
k!Γ(k + p + 1) 2

quando k → ∞. Segue do teste da razão que Jp está bem definida para todo x > 0. Mais que isso, usando o
teste-M de Weierstrass, vemos que a convergência é uniforme em todo intervalo limitado, logo a função Jp é
contı́nua. O mesmo argumento pode ser usado para mostrar que podemos derivar termo a termo a série que
define Jp duas vezes, pois as séries obtidas deste modo:

(−1)k (2k + p) ³ x ´2k+p−1



X
Jp0 (x) =
22k+p k!Γ(k
+ p + 1) 2
k=0

e
(−1)k (2k + p) (2k + p − 1) ³ x ´2k+p−2

X
Jp00 (x) =
24k+2p−1 k!Γ(k + p + 1) 2
k=0

serão uniformemente convergentes em cada intervalo limitado. ¥


O comportamento das funções de Bessel na origem será uma ferramenta importante na demonstração de
alguns dos resultados deste capı́tulo:

Lema 6.2. Seja p ∈ R um número real que não é um inteiro negativo. Então

(i) Jp (x) > 0 para todo x > 0 suficientemente pequeno,


(ii) J0 (0) = 1,
Rodney Josué Biezuner 165

(iii) se p > 0, Jp (0) = 0 e


(iv) se p < 0, |Jp (x)| → ∞ quando x → 0+ .

Prova: Ítens (ii) e (iii) seguem diretamente da definição. Os ı́tens (i) e (iv) seguem do fato de que para x
pequeno a função Jp tem o comportamento da função
1 ³ x ´p
. (6.20)
Γ(p + 1) 2
De fato, temos

X (−1)k ³ x ´2k+p 1 ³ x ´p X ∞
(−1)k ³ x ´2k
Jp (x) = = .
k!Γ(k + p + 1) 2 Γ(p + 1) 2 k!(p + k) . . . (p + 1) 2
k=0 k=0

Definindo

X (−1)k ³ x ´2k
Fp (x) = ,
k!(p + k) . . . (p + 1) 2
k=0
temos ³ x ´p
1
Jp (x) = Fp (x) .
Γ(p + 1) 2
Notando que Fp é contı́nua em 0 (para estabelecer isso, basta usar o mesmo argumento da Proposição 6.1)
e que portanto
lim Fp (x) = Fp (0) = 1,
x→0+

obtemos o resultado acima. ¥


Agora mostraremos que se p não é um inteiro, então as funções de Bessel Jp e J−p são duas soluções
linearmente independentes para a equação de Bessel de ordem p.

Teorema 6.3. Se p não é um inteiro, a solução geral para a equação de Bessel de ordem p é

y(x) = c1 Jp (x) + c2 J−p (x). (6.21)

Prova: Os ı́tens (iii) e (iv) do lema anterior mostram que Jp não pode ser múltiplo escalar de J−p . ¥

Exemplo 6.4. (As funções de Bessel do primeiro tipo de ordem p = ±1/2.) Temos
r
2
J 12 (x) = sen x,
πx
r
2
J− 12 (x) = cos x.
πx
De fato,

X (−1)k ³ x ´2k+ 12
J 21 (x) = ,
k=0
k!Γ(k + 12 + 1)! 2
e pode ser provado (veja Exercı́cio 6.1) que
µ ¶
1 (2k + 1)! √
Γ k + + 1 = 2k+1 π,
2 2 k!
de modo que r r
2 X (−1)k ³ x ´2k+1

2
J 12 (x) = = sen x .
πx (2k + 1)! 2 πx
k=0
Rodney Josué Biezuner 166

Analogamente, utilizando o fato que

1 (2k)! √
Γ(k + ) = 2k π,
2 2 k!
obtém-se a forma apresentada acima para J−1/2 . ¤

6.2.2 A Função Gama


A função gama é definida pra x > 0 por
Z ∞
Γ(x) = tx−1 e−t dt. (6.22)
0

A propriedade mais importante da função gama é

Γ(x + 1) = xΓ(x). (6.23)

Esta propriedade é fácil de ser verificada através de integração por partes:


Z ∞ Z ∞ Z ∞
x −t
¯
x −t ¯∞ x−1 −t
Γ(x + 1) = t e dt = − t e 0 + x t e dt = x tx−1 e−t dt = xΓ(x).
0 0 0
R∞
Como Γ(1) = 0
e−t dt = 1, esta propriedade aplicada sucessivas vezes implica que se n é um número
natural, então

Γ(n + 1) = nΓ(n)
= n(n − 1)Γ(n − 2)
= n(n − 1)(n − 2)Γ(n − 3)
= ...
= n(n − 1)(n − 2) . . . 3 · 2 · Γ(1) = n!

Assim, a função gama pode ser vista como uma extensão da função fatorial, que é definida apenas para
números naturais, a uma função definida para todos os números reais positivos. Por este motivo, ela é às
vezes chamada de função fatorial generalizada.
É possı́vel também defini-la para números reais negativos que não sejam inteiros negativos (isto é, para
x < 0, exceto para x = 0, −1, −2, ...). De fato, basta aplicar a propriedade
1
Γ(x) = Γ(x + 1)
x
sucessivamente. Como os limites laterais desta função em inteiros negativos são infinitos, não faz sentido
defini-la nestes números.

6.2.3 Exercı́cios
Exercı́cio 6.1. Aplique uma mudança de variáveis para provar que
µ ¶
1 √
Γ = π.
2

Usando isso, mostre que µ ¶


1 (2n)! √
Γ n+ = 2n π.
2 2 n!
Rodney Josué Biezuner 167

Exercı́cio 6.2. Mostre que Z µ ¶



x −t2 1 x+1
t e dt = Γ
0 2 2
para todo x > 0.
Exercı́cio 6.3. Use o resultado do exercı́cio anterior para provar que para todos inteiros não-negativos m e
n temos µ ¶ µ ¶
m+1 n+1
Z π/2 Γ Γ
1 2 2
cosm θ senn θ dθ = µ ¶ .
0 2 m+n+2
Γ
2
(Sugestão: calcule a integral dupla
Z ∞ Z ∞
e−(x +y 2 ) m n
2
x y dx dy
0 0

de duas formas: através do Teorema de Fubini e através de coordenadas polares.)


Exercı́cio 6.4. Mais geralmente, mostre que para todos x, y > 0 vale
Z π/2
1 Γ (x) Γ (y)
cos2x−1 θ sen2y−1 θ dθ = .
0 2 Γ (x + y)
(Sugestão: Faça uma mudança de variáveis adequada e então use uma idéia semelhante à sugerida no
exercı́cio anterior.)
Exercı́cio 6.5. Mostre que
π
Γ (x) Γ (1 − x) = .
sen πx
(Sugestão: Usando variáveis complexas é possı́vel provar que
Z π/2
1 π
tan2x−1 θ dθ = .
0 2 sen πx
Use este fato e uma idéia semelhante à sugerida no Exercı́cio 6.3.)
Exercı́cio 6.6. Use o resultado do Exercı́cio 6.4 para estabelecer as fórmulas de Wallis para todo inteiro
não-negativo k:
Z π/2
π (2k)!
sen2k θ dθ = ,
0 2 22k (k!)2
Z π/2 2
22k (k!)
sen2k+1 θ dθ = .
0 (2k + 1)!

6.2.4 Fórmulas de Recursão para as Funções de Bessel


Derivando termo a termo a série que define as funções de Bessel, obteremos algumas fórmulas para as funções
de Bessel que usaremos mais tarde para estabelecer propriedades importantes das mesmas.
Lema 6.5. Seja p ∈ R e x > 0. Então
d p
[x Jp (x)] = xp Jp−1 (x)
dx
e
d £ −p ¤
x Jp (x) = −x−p Jp+1 (x) .
dx
Rodney Josué Biezuner 168

Prova: Se p não é um inteiro negativo, derivando termo a termo temos

(−1)k 2 (k + p) ³ x ´2k+2p−1
∞ ∞
d p d X (−1)k x2k+2p X
[x Jp (x)] = =
dx dx k!Γ(k + p + 1) 22k+p k!Γ(k + p + 1)22k+p 2
k=0 k=0

X (−1) k ³ x ´2k+p−1
= xp = xp Jp−1 (x) .
k!Γ(k + p) 2
k=0

A segunda identidade pode ser provada de maneira análoga. Se p é um inteiro negativo, segue da segunda
identidade aplicada a −p que
d p d p £ ¤
[x Jp (x)] = (−1)p [x J−p (x)] = (−1)p [−xp J−p+1 (x)] = xp (−1)p+1 J−p+1 (x) = xp Jp−1 (x) .
dx dx
¥

Corolário 6.6. Seja p ∈ R e x > 0. Então

xJp0 (x) + pJp (x) = xJp−1 (x)

e
xJp0 (x) − pJp (x) = −xJp+1 (x) .

Prova: Derivando explicitamente o lado esquerdo das identidades obtidas no lema anterior, obtemos

pxp−1 Jp (x) + xp Jp0 (x) = xp Jp−1 (x)

e
−px−p−1 Jp (x) + x−p Jp0 (x) = −x−p Jp−1 (x) .
Multiplicando a primeira por x1−p e a segunda por xp+1 , obtemos os resultados respectivos. ¥

Corolário 6.7. Seja p ∈ R e x > 0. Então

Jp−1 (x) + Jp+1 (x)


Jp (x) = x
2p
e
Jp−1 (x) − Jp+1 (x)
Jp0 (x) = .
2
Prova: Cada identidade segue subtraindo e somando, respectivamente, as identidades obtidas no corolário
anterior. ¥

Corolário 6.8. Seja p ∈ R e x > 0. Então, para todo α 6= 0, temos


Z
xp
xp Jp−1 (αx) dx = Jp (αx) + C
α
e Z
x−p
x−p Jp+1 (αx) dx = − Jp (αx) + C.
α
Prova: Seguem diretamente do Lema 6.5 através do Teorema Fundamental do Cálculo. ¥
Rodney Josué Biezuner 169

6.2.5 Funções de Bessel do Segundo Tipo


Falta obter uma segunda solução linearmente independente de Jp para a equação de Bessel de ordem p, se
p é um inteiro. Se p não é um inteiro, defina
Jp (x) cos pπ − J−p (x)
Yp (x) = . (6.24)
sen pπ
Como Yp é uma combinação linear de soluções da equação de Bessel, ela também é uma solução para a
equação de Bessel. Se p é um inteiro, defina
Yp = lim Yq .
q→p

Pode-se obter uma expansão em série para as funções Yp também quando p é um inteiro:

2³ ´ 2 X (−1)k ϕ (k) ³ x ´2k



x
Y0 (x) = log + γ J0 (x) − 2
π 2 π (k!) 2
k=1

e, se p é um inteiro positivo,

2³ ´ 1 X (n − k − 1)! ³ x ´2k−n ϕ (n) ³ x ´n


n−1
x
Yp (x) = log + γ Jp (x) − −
π 2 π k! 2 πn! 2
k=0

1 X (−1)k [ϕ (k) + ϕ (k + n)] ³ x ´2k+n



− ,
π k! (k + n)! 2
k=1

onde
1 1 1
ϕ (k) = 1 + + + ... +
2 3 k
e γ é a constante de Euler :
γ = lim [ϕ (k) − log k] .
k→∞
Para uma motivação das definições e resultados acima, veja [5], págs. 363-364, e as referências lá citadas. A
partir destas definições de Yp para p > 0 em forma de série, é possı́vel provar que elas são de classe C 2 em
(0, +∞) e, derivando termo a termo, que elas satisfazem a equação de Bessel de ordem p. As funções Yp são
chamadas funções de Bessel de ordem p do segundo tipo e são também soluções para a equação de
Bessel, linearmente independente de Jp quando p é um inteiro. De fato, o comportamento de Yp próximo à
origem é dado pelo seguinte resultado:
Lema 6.9. Se p é um inteiro não-negativo, então Yp (x) → −∞ quando x → 0.
Prova: Segue da expansão em série para Yp . Para p = 0 temos que Y0 tem o comportamento de
2 x
log
π 2
para x próximo de 0 já que J0 (0) = 1 e a série à direita na definição de Y0 é convergente. Para p > 0, como
xm log x → 0 quando x → 0 para todo m, o primeiro termo na expansão em série de Yp converge para 0,
logo Yp tem o comportamento de
(n − 1)! ³ x ´−n

π 2
para x próximo de 0. ¥
Com isso, obtemos a solução geral para a equação de Bessel de ordem p também para o caso em que p é um
inteiro não-negativo:
Teorema 6.10. Se p é um inteiro não-negativo, a solução geral para a equação de Bessel de ordem p é
y(x) = c1 Jp (x) + c2 Yp (x).
Rodney Josué Biezuner 170

6.2.6 Zeros das Funções de Bessel


Nesta subseção, determinaremos que as funções de Bessel possuem um número infinito de zeros, um fato que
é crucial no seu uso na solução de equações diferenciais parciais, pois precisaremos de uma seqüência infinita
de autovalores no problema de Sturm-Liouville associado. Para √ atingir este objetivo, primeiro mostraremos
que as funções de Bessel se comportam como a função cos x/ x no infinito. Antes, introduzimos a notação
“grande O”:

Definição. Dizemos que uma função f (x) é da ordem de g (x) quando x → ∞ se existe uma constante
M > 0 tal que
|f (x)| 6 M |g (x)|
para todo x suficientemente grande. Denotamos isso por

f (x) = O (g (x)) .

Teorema 6.11. Para qualquer p ∈ R, existem constantes Ap > 0 e θp ∈ R tais que

Ap ³ ´
Jp (x) = √ cos (x + θp ) + O x−3/2
x
para x > 0. O mesmo resultado vale para Yp .

Prova: Para x > 0 defina √


u (x) = xJp (x) .
A função u satisfaz a equação diferencial ordinária
µ ¶
1 1
u00 + u + − p2 u = 0, (6.25)
x2 4

porque o lado esquerdo desta equação é igual a



x £ 2 00 ¤
2
x Jp + xJp0 + (x2 − p2 )Jp
x
e Jp é uma solução para a equação de Bessel. Observe que para valores grandes de x a equação √ (6.25) é
aproximadamente a equação u00 +u = 0, cuja solução geral é da forma Ap cos (x + θp ) o que sugere xJp (x) ≈
Ap cos (x + θp ).
Para resolver (6.25), vamos transformá-la no sistema de primeira ordem acoplado:
 0
 u =v µ ¶
0 1 2 1 .
 v = −u + 2 p − u
x 4

e fazer a substituição

u = R cos θ,
v = −R sen θ,

onde R e θ são funções de x, escolhidas de tal forma que R (1) > 0; observe que u está próximo à forma
desejada. Com esta substituição, o sistema transforma-se em
 0
 R cos θ − Rθ0 sen θ = −R sen θ µ ¶
0 0 R 2 1 .
 −R sen θ − Rθ cos θ = −R cos θ + 2 p − cos θ
x 4
Rodney Josué Biezuner 171

Multiplicando a primeira equação por sen θ e a segunda por cos θ, somamos as duas equações para obter
µ ¶
1 1
θ0 = 1 + 2 p2 − cos2 θ; (6.26)
x 4

multiplicando a primeira equação por cos θ e a segunda por − sen θ, somamos as duas equações para obter
µ ¶
R0 1 2 1
=− 2 p − sen θ cos θ. (6.27)
R x 4

Integrando (6.26) de 1 a x, obtemos


µ ¶Z x
1 1
θ (x) = θ (1) + x − 1 + p2 − 2
cos2 t dt; (6.28)
4 1 t

integrando (6.27) de 1 a x, obtemos


Rx
R (x) = R (1) e−(p − 14 )
2 1
sen t cos t dt
1 t2 . (6.29)

Agora, defina µ ¶Z ∞
2 1 1
θp = lim [θ (x) − x] = θ (1) − 1 + p − cos2 t dt (6.30)
x→∞ 4 1 t2
(a integral do lado direito desta expressão converge porque a integral de 1/t2 é convergente em (1, +∞) e
cos2 t é uma função limitada), de modo que
µ ¶Z ∞
2 1 1
θ (x) = x + θp − p − cos2 t dt. (6.31)
4 x t2

Analogamente, defina R∞
Ap = lim R (x) = R (1) e−(p − 14 )
2 1
sen t cos t dt
1 t2 , (6.32)
x→∞

de modo que R∞
R (x) = Ap e(p − 4 )
2 1 1
sen t cos t dt
x t2 . (6.33)
Note que Ap > 0, porque a única outra possibilidade seria R (1) = 0, o que implicaria
2
0 = R2 (1) = u2 (1) + [u0 (1)]

e portanto u (1) = u0 (1) = 0, de modo que u ≡ 0 e Jp ≡ 0, uma contradição.


Para obter o resultado desejado, observamos que

u (x) = R (x) cos θ (x)


· µ ¶Z ∞ ¸ R∞
1 1
e(p − 4 ) x
2 1 1
sen t cos t dt
= Ap cos x + θp − p2 − 2
cos2
t dt t2
4 x t
µ ¶
ψ (x) r(x)/x
= Ap cos x + θp + e .
x

onde, para simplificar a expressão, denotamos


µ ¶Z ∞
2 1 1
ψ (x) = −x p − 2
cos2 t dt,
4 x t
µ ¶Z ∞
2 1 1
r (x) = x p − 2
sen t cos t dt
4 x t
Rodney Josué Biezuner 172

Usando o Teorema do Valor Médio, escrevemos


· ¸ · ¸
ψ (x) ψ (x) ψ (x)
cos x + θp + = cos (x + θp ) − sen x + θp + ξ
x x x
ψ (x)
para algum x + θp < ξ < x + θp + ,e
x
r (x) ζr(x)/x
er(x)/x = 1 + e
x
r (x)
para algum 0 < ζ < . A demonstração do teorema é terminada quando se observa que
x
µ ¶ · ¸ ³ ´
r (x) ζr(x)/x ψ (x) ψ (x)
1+ e sen x + θp + ξ = O x−3/2 .
x x x
O resultado também é válido para Yp porque a única propriedade de Jp usada na demonstração foi o fato
de que ela é uma solução da equação de Bessel. ¥

Corolário 6.12. Jp (x) → 0 e Yp (x) → 0 quando x → ∞.


Corolário 6.13. Para qualquer p ∈ R, existe uma seqüência {xk } tal que

Jp (xk ) = 0 para todo k,

0 < x 1 < x2 < . . . < x k < . . . ,


xk → ∞,
e tal que cada xk é um zero simples para Jp e Jp não possui nenhum outro zero positivo. O mesmo
vale para Yp .

Prova: Sejam {yk } e {zk } as seqüências crescentes de máximos e mı́nimos da função Ap cos (x + θp ), x > 0;
ou seja, esta função atinge o valor máximo Ap em yk e o valor mı́nimo −Ap em zk . Em outras palavras,

yk = 2kπ − θp e zk = (2k − 1) π − θp

Segue do Teorema 6.11 que, para x suficientemente grande, existe pelo menos um zero xk de xJp (x) entre
yk e zk . Com efeito, dado 0 < ε < Ap , existe M > 0 tal que se x > M , temos

Ap cos (x + θp ) − ε < xJp (x) < Ap cos (x + θp ) + ε.

Isso implica que a função xJp (x) é positiva em yk e negativa em zk , para yk , zk > M . Os zeros de Jp
são isolados porque Jp é uma série de potências e não é uma função constante. Além disso, os zeros são
simples porque se Jp possuı́sse um zero múltiplo em x0 , então a função u da demonstração do Teorema
6.11 também possuiria um zero múltiplo em x0 e terı́amos u (x0 ) = u0 (x0 ) = 0 implicaria que a solução da
equação diferencial que u satisfaz é a solução identicamente nula, uma contradição. ¥

Corolário 6.14. Para qualquer p ∈ R, e para qualquer constante h ∈ R, existe uma seqüência {xk } tal que

0 < x 1 < x2 < . . . < x k < . . . ,

xk → ∞,
e tal que a função
Fp (x) = hJp (x) + xJp0 (x)
possui um zero em cada xk e nenhum outro zero positivo. O mesmo vale para Yp .
Rodney Josué Biezuner 173

Prova: Sejam r, s > 0 dois zeros consecutivos de Jp . Como os zeros são simples, segue que

Jp0 (r) Jp0 (s) < 0.

Logo,
Fp (r) Fp (s) = rsJp0 (r) Jp0 (s) < 0
e o Teorema do Valor Intermediário implica que Fp possui um zero entre r e s. Os zeros de Fp são isolados
pelo mesmo motivo do corolário anterior. ¥
Os valores de Ap e θp do Teorema 6.11 são na verdade conhecidos:
r µ ¶ ³ ´
2 2p + 1
Jp (x) = cos x − π + O x−3/2 ,
πx 4
r µ ¶ ³ ´
2 2p + 1
Yp (x) = sen x − π + O x−3/2 ,
πx 4

mas a demonstração destes fatos é longa (veja [5], pág. 370, para referências).

6.3 Séries de Funções de Bessel e a Solução do Problema da Mem-


brana Circular Vibrante
6.3.1 Ortogonalidade das Funções de Bessel
Para entender as relações de ortogonalidade das funções de Bessel, recorde as relações de ortogonalidade das
nπx
funções sen :
L Z L ½
nπx mπx 2L se n = m,
sen sen dx =
0 L L 0 se n 6= m.
nπx
A chave aqui é notar que as funções sen foram construı́das a partir de uma única função, a função sen x
L
e seus zeros nπ escalados pelo fator 1/L. Da mesma forma, para construir sistemas ortogonais de funções
de Bessel, escolhemos uma função de Bessel e tomamos os seus zeros escalados.
Fixe uma ordem p > 0 e considere a função de Bessel Jp (x). Como provado no Corolário 6.13, a função
de Bessel Jp (x) tem um número infinito de zeros positivos isolados crescendo arbitrariamente em módulo.
Denotaremos estes zeros em ordem crescente por

0 < αp,1 < αp,2 < . . . < αp,n < . . . (6.34)

Diferentemente da função seno, não há uma fórmula para os zeros das funções de Bessel; estes devem ser
determinados por métodos numéricos.
Consideramos as funções de Bessel escaladas
³α x´
p,n
Jp . (6.35)
R
São válidas as seguintes relações de ortogonalidade para as funções de Bessel:

Proposição 6.15. (Relações de Ortogonalidade para as Funções de Bessel) Para qualquer p ∈ R, vale

Z R ³ ´ ³ ´  R2 2
αp,n x αp,m x J (αp,n ) se n = m,
Jp Jp x dx = 2 p+1
0 R R  0 se n =
6 m.
Rodney Josué Biezuner 174

Prova: Fixe p ∈ R e denote


αp,n
. λn =
R
Observe que a função de Bessel escalada yn (x) = Jp (λn x) é solução da equação de Bessel na forma
paramétrica
x2 y 00 + xy 0 + (λ2 x2 − p2 )y = 0
para λ = λn . Esta equação de Bessel pode ser reescrita na forma
0 λ2 x2 − p2
(xy 0 ) = − y. (6.36)
x
Daı́, podemos escrever
λ2n x2 − p2
0
(xyn0 ) = − yn ,
x
2 2 2
0 0 λ x −p
(xym ) =− m ym .
x
Multiplicando a primeira equação por ym , a segunda por yn e subtraindo as equações resultantes, obtemos
¡ 2 ¢ 0 0 0 d
λm − λ2n xyn ym = ym (xyn0 ) − yn (xym ) = (ym xyn0 − yn xym
0
).
dx
Integrando de x = 0 até x = R, obtemos pelo teorema fundamental do cálculo
Z
¡ 2 ¢ R 0 x=R
λm − λ2n yn (x) ym (x) x dx = [ym xyn0 − yn xym |x=0 = 0
0
porque yn (R) = ym (R) = 0. Obtemos o resultado para n 6= m.
Para obter o resultado para n = m, denote yn = y e multiplique a equação (6.36) por xy 0 , de modo que
obtemos h i
2 0 ¡ ¢ ¡ ¢0
(xy 0 ) = − λ2 x2 − p2 y 2 .
Integrando esta equação de x = 0 até x = R, obtemos no lado esquerdo pelo teorema fundamental do cálculo
Z Rh i
2 0 2
(xy 0 ) dx = [Ry 0 (R)]
0
e no lado direito, integrando por partes,
Z R Z R
¡ 2 2 ¢ ¡ ¢0 £ ¡ ¢¯x=R
− λ x − p2 y 2 dx = − y 2 (x) λ2 x2 − p2 ¯x=0 + 2λ2 y 2 (x) x dx
0 0
Z R
= 2λ2 y 2 (x) x dx,
0
onde usamos pJp (0) = 0 para todo p. Portanto,
Z R · ¸2
R2 y 0 (R)
y 2 (x) x dx =
0 2 λ
ou seja,
Z R ³α ´
p,n x R2 £ 0 ¤2
Jp2 x dx = Jp (αp,n ) .
0 R 2
Pelo Corolário 6.6 temos
xJp0 (x) − pJp (x) = −xJp+1 (x) ;
logo, tomando x = αp,n , segue que
Jp0 (αp,n ) = −Jp+1 (αp,n ) ,
o que termina a demonstração
³ α desta´ proposição. ¥
p,n x
Dizemos que as funções Jp são ortogonais no intervalo [0, R] com respeito ao peso x.
R
Rodney Josué Biezuner 175

6.3.2 Séries de Bessel de ordem p


Por causa da ortogonalidade das funções de Bessel, da mesma forma que podemos escrever funções razoavel-
mente regulares em séries de Fourier, da mesma forma podemos escrever estas mesmas funções em séries de
Bessel:
X∞
f (x) = an Jp (λpn x). (6.37)
n=1

Esta série é chamada a³série de´ Bessel de ordem p de f . Para encontrar os coeficientes an , multiplicamos
αp,m x
ambos os lados por Jp x e integramos termo a termo no intervalo (0, R). Devido às relações de
R
ortogonalidade que vimos na seção anterior, segue que
Z R ³α ´ ∞
X Z R ³α ´ ³α ´ Z R ³α ´
p,m x p,n x p,m x p,m x
f (x)Jp x dx = an Jp Jp x dx = am Jp2 x dx
0 R n=1 0 R R 0 R
R2 Jp+1
2
(αp,m )
= am .
2
Portanto,
Z R ³α ´
2 p,n x
an = 2 (α f (x)Jp x dx. (6.38)
R2 Jp+1 p,n ) 0 R
A demonstração do resultado a seguir está além do nı́vel deste curso (veja ??, pág. 376, para referências).

Teorema 6.16. Se f : [0, R] → R é uma função contı́nua por partes tal que sua derivada também é contı́nua
por partes, então f tem uma série de Bessel de ordem p no intervalo (0, R). No intervalo (0, R), a
f (x+) + f (x−)
série converge para f (x) se f é contı́nua em x, e para nos pontos de descontinuidade
2
de f .

6.3.3 Solução do Problema da Membrana Circular Vibrante Radial


Retornando ao problema da membrana circular vibrante, observamos que a equação de Bessel (6.2):
½
rF 00 (r) + F 0 (r) + λ2 rF (r) = 0 se 0 < r < R,
F (R) = 0,

é de ordem 0. Logo, a sua solução geral é da forma

F (r) = c1 J0 (λr) + c2 Y0 (λr) (6.39)

onde
(−1)k ³ x ´2k

X
J0 (x) =
(k!)2 2
k=0
e
Jq (x) cos qπ − J−q (x)
Y0 = lim .
q→0 sen qπ
No entanto, a função Y0 não é limitada perto de 0 e esperamos que as soluções da membrana vibrante sejam
contı́nuas e, portanto, limitadas. Assim, devemos ter c2 = 0. Segue que

F (r) = c1 J0 (λr). (6.40)

Da condição F (R) = 0, temos que


λR = α0,n
Rodney Josué Biezuner 176

e daı́
α0,n
λn = . (6.41)
R
As soluções desta equação de Bessel são portanto
³α ´
0,n
Fn (r) = J0 r (6.42)
R
para n = 1, 2, . . . As soluções da equação diferencial que G satisfaz são então
α0,n ct α0,n ct
Gn (t) = cn cos + dn sen . (6.43)
R R
A solução do problema da membrana circular vibrante deve ser da forma
X∞ ³α ´· α0,n ct α0,n ct
¸
0,n
u(r, t) = J0 r cn cos + dn sen . (6.44)
n=1
R R R

Os coeficientes cn , dn são determinados da seguinte forma:



X ³α ´
0,n
f (r) = u(r, 0) = cn J0 r ,
n=1
R

donde Z
2 R ³α ´
0,n r
cn = 2 2 f (r)J0 r dr, (6.45)
R J1 (α0,n ) 0 R
e
α0,n c ³ α0,n ´

X
g(r) = ut (r, 0) = dn J0 r ,
n=1
R R
donde Z
2c R ³α ´
0,n r
dn = g(r)J0 r dr. (6.46)
Rα0,n J12 (α0,n ) 0 R

6.4 A Membrana Circular Vibrante: Vibrações Gerais


Consideremos agora o problema geral da membrana circular vibrante:
 µ ¶

 2 1 1

 u = c urr + ur + 2 uθθ se 0 < r < R, 0 < θ < 2π e t > 0,
 tt r r
u(R, θ, t) = 0 se 0 6 θ 6 2π e t > 0,



 u(r, θ, 0) = f (r, θ) se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

ut (r, θ, 0) = g(r, θ) se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

com f (R, θ) = g(R, θ) = 0 para todo 0 6 θ 6 2π. Pelo método de separação de variáveis, tentamos escrever

u(r, t) = F (r)G(θ)H(t),

de modo que
µ ¶
00 2
00 1 0 1 00
F (r)G(θ)H (t) = c F (r)G(θ)H(t) + F (r)G(θ)H(t) + 2 F (r)G (θ)H(t) ,
r r
e daı́
1 H 00 (t) F 00 (r) 1 F 0 (r) 1 G00 (θ)
= + + = −λ2 .
c2 H(t) F (r) r F (r) r2 G(θ)
Rodney Josué Biezuner 177

Mais uma vez, tomamos a constante de separação de variáveis negativa porque esperamos obter soluções
periódicas no tempo. Obtemos, então,
H 00 (t) + c2 λ2 G(t) = 0 (6.47)
e
F 00 (r) 1 F 0 (r) 1 G00 (θ)
+ = −λ2 − 2 ,
F (r) r F (r) r G(θ)
donde
F 00 (r) F 0 (r) G00 (θ)
r2 +r + λ2 r 2 = − = µ2 ,
F (r) F (r) G(θ)
e mais uma vez escolhemos o sinal da constante de separação de variáveis de acordo com a nossa expectativa
que G(θ) é periódica de perı́odo 2π. Portanto, usando as condições de fronteira, obtemos as equações
diferenciais ½ 00
G (θ) + µ2 G(θ) = 0 se 0 < θ < 2π,
G(0) = G(2π),
donde concluı́mos que µ = m e a sua solução geral é

Gn (θ) = an cos nθ + bn sen nθ (6.48)

para n = 0, 1, 2, . . ., e
½
r2 F 00 (r) + F 0 (r) + (λ2 r2 − n2 )F (r) = 0 se 0 < r < R,
(6.49)
F (R) = 0.

Esta última é uma equação de Bessel na forma paramétrica. Fazendo a mudança de variáveis y(r) = F (r/λ),
como no caso radial, concluı́mos que as suas soluções são da forma

F (r) = Jn (λr), n = 0, 1, 2, . . .

(pois as soluções Yn são ilimitadas e podem ser descartadas). Como F (R) = 0, segue que λR = αn,m é um
zero da função de Bessel Jn , logo
αn,m
λ= .
R
Assim, as soluções da equação de Bessel acima são
³α r´
n,m
Fnm = Jn (6.50)
R
para n = 0, 1, 2, . . ., m = 1, 2, . . ., e as soluções de H são
αn,m ct αn,m ct
Hnm (t) = Anm cos + Bnm sen (6.51)
R R
para n = 0, 1, 2, . . . , m = 1, 2, . . . A solução geral é, portanto,
³α r´ µ ¶
n,m αn,m ct αn,m ct
unm (r, θ, t) = Jn (an cos nθ + bn sen nθ) Anm cos + Bnm sen , (6.52)
R R R
e daı́ a solução do problema deve ser
∞ X
X ∞ ³α ´ µ ¶
n,m r αn,m ct αn,m ct
u(r, θ, t) = Jn (an cos nθ + bn sen nθ) Anm cos + Bnm sen (6.53)
n=0 m=1
R R R

com os coeficientes a serem determinados. Como no caso da equação de Laplace no retângulo, é mais fácil
resolver o problema geral (isto é, encontrar os coeficientes da solução em série acima) se usarmos a sua
linearidade decompondo-o em dois problemas mais fáceis, cada um com uma das condições iniciais nulas.
Rodney Josué Biezuner 178

O primeiro problema é
 µ ¶

 2 1 1

 utt = c urr + ur + uθθ se 0 < r < R, 0 < θ < 2π e t > 0,
 r r2
u(R, θ, t) = 0 se 0 6 θ 6 2π e t > 0,



 u(r, θ, 0) = f (r, θ) se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

ut (r, θ, 0) = 0 se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

cuja solução é
∞ X
X ∞ ³α ´
n,m r αn,m ct
u1 (r, θ, t) = Jn (anm cos nθ + bnm sen nθ) cos , (6.54)
n=0 m=1
R R

devido à condição inicial ut (r, θ, 0) = 0. Usando a outra condição inicial, obtemos


∞ X
X ∞ ³α ´
n,m r
f (r, θ) = u1 (r, θ, 0) = Jn (anm cos nθ + bnm sen nθ).
n=0 m=1
R

Para obter os coeficientes, fixamos r de modo que fr (θ) = f (r, θ) é uma função apenas da variável θ,
escrevemos
à ∞ !

X ³α r´ X ∞ X ³α r´
0,m n,m
fr (θ) = a0m J0 + anm Jn cos nθ
m=1
R n=1 m=1
R
à ∞ !
X∞ X ³α r´
n,m
+ bnm Jn sen nθ.
n=1 m=1
R

Definindo

X ³α ´
0,m r
a0 (r) = 2 a0m J0 ,
m=1
R

X ³α ´
n,m r
an (r) = anm Jn ,
m=1
R
X∞ ³α ´
n,m r
bn (r) = bnm Jn ,
m=1
R

segue que
Z R ³α ´
1 0,m r
a0m = 2 2 a0 (r)J0 r dr,
R J1 (α0,m ) 0 R
Z R ³α ´
2 n,m r
anm = 2 2 an (r)Jn r dr,
R Jn+1 (αn,m ) 0 R
Z R ³α ´
2 n,m r
bnm = 2 2 bn (r)Jn r dr.
R Jn+1 (αn,m ) 0 R

Por outro lado, como



a0 (r) X
fr (θ) = + (an (r) cos nθ + bn (r) sen nθ) ,
2 n=1
Rodney Josué Biezuner 179

temos que 2a0 (r), an (r) e bn (r) são os coeficientes de Fourier da função fr (θ), logo
Z 2π
1
a0 (r) = f (r, θ) dθ,
π 0
Z 2π
1
an (r) = f (r, θ) cos nθ dθ,
π 0
Z 2π
1
bn (r) = f (r, θ) sen nθ dθ.
π 0

Portanto,
Z R Z 2π ³α ´
1 0,m r
a0m = 2 2 f (r, θ)J0 r dθdr,
πR J1 (α0,m ) 0 0 R
Z R Z 2π ³α ´
2 n,m r
anm = 2 f (r, θ) cos nθJn r dθdr, (6.55)
πR2 Jn+1 (αn,m ) 0 0 R
Z R Z 2π ³α ´
2 n,m r
bnm = 2 f (r, θ) sen nθJn r dθdr,
πR2 Jn+1 (αn,m ) 0 0 R

para m = 1, 2, . . .
O segundo problema é
 µ ¶

 2 1 1

 u = c urr + ur + 2 uθθ se 0 < r < R, 0 < θ < 2π e t > 0,
 tt r r
u(R, θ, t) = 0 se 0 6 θ 6 2π e t > 0,



 u(r, θ, 0) = 0 se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

ut (r, θ, 0) = g(r, θ) se 0 6 r 6 R e 0 6 θ 6 2π,

cuja solução é
∞ X
X ∞ ³α ´
n,m r αn,m ct
u2 (r, θ, t) = Jn (cnm cos nθ + dnm sen nθ) sen , (6.56)
n=0 m=1
R R

devido à condição inicial u(r, θ, 0) = 0. Usando um argumento similar ao usado no primeiro caso, obtemos
Z R Z 2π ³α ´
1 0,m r
c0m = g(r, θ)J0 r dθdr,
πcα0,m RJ12 (α0,m ) 0 0 R
Z R Z 2π ³α ´
2 n,m r
cnm = 2 g(r, θ) cos nθJn r dθdr, (6.57)
πcαn,m RJn+1 (αn,m ) 0 0 R
Z R Z 2π ³α ´
2 n,m r
dnm = 2 g(r, θ) sen nθJn r dθdr,
πcαn,m RJn+1 (αn,m ) 0 0 R

para m = 1, 2, . . .
Portanto a solução do problema geral é u = u1 + u2 , ou seja,
∞ X
X ∞ ³α ´
n,m r αn,m ct
u(R, θ, t) = Jn (anm cos nθ + bnm sen nθ) cos
n=0 m=1
R R
∞ X
X ∞ ³α ´
n,m r αn,m ct
+ Jn (cnm cos nθ + dnm sen nθ) sen ,
n=0 m=1
R R

com os coeficientes anm , bnm , cnm , dnm definidos como acima.


Capı́tulo 7

Equação de Laplace em Domı́nios


Tridimensionais Simétricos

Neste capı́tulo desenvolveremos a teoria da equação de Laplace tridimensional em domı́nios simétricos tais
como o cilindro e a bola. Não desenvolveremos a teoria para domı́nios cúbicos tais como paralelepı́pedos,
pois esta é uma extensão trivial da teoria para domı́nios retangulares: ao invés de séries de Fourier duplas e
seus coeficientes expressos como integrais duplas, basta considerar séries de Fourier triplas cujos coeficientes
são integrais triplas.

7.1 A Equação de Laplace em um Cilindro


7.1.1 A Equação de Laplace em Coordenadas Cilı́ndricas
A relação entre coordenadas cartesianas (x, y, z) e coordenadas cilı́ndricas (r, θ, z) é dada pelas seguintes
relações: 
 x = r cos θ,
y = r sen θ, (7.1)

z = z.
e  p
 2 2
 r = x + yy ,
θ = arctan , (7.2)

 x
z = z.
O Laplaciano em três dimensões é dado por

∆u(x, y, z) = uxx + uyy + uzz .

Como no plano xy as coordenadas cilı́ndricas são exatamente as coordenadas polares, aproveitamos os


cálculos que realizamos para obter o Laplaciano em coordenadas polares para concluir que o Laplaciano em
coordenadas cilı́ndricas é dado por
1 1
∆u(r, θ, z) = urr + ur + 2 uθθ + uzz . (7.3)
r r

7.1.2 Solução de um Problema de Laplace no Cilindro


Considere o problema de encontrar a temperatura de estado estacionário em um cilindro cujas superfı́cies
lateral e inferior são mantidas à temperatura inicial 0 com condições de fronteira na superfı́cie superior

180
Rodney Josué Biezuner 181

radialmente simétricas. Em particular, não existe dependência da variável θ: ou seja, u = u(r, z). Considere
um cilindro com raio da base R e altura H. Este problema é modelado pela seguinte equação diferencial
parcial e pelas seguintes condições de fronteira:

 1
 urr + ur + uzz = 0 se 0 < r < R e 0 < z < h,
r
 u(r, 0) = u(R, z) = 0 se 0 6 r 6 R e 0 6 z 6 h,

u(r, H) = f (r) se 0 6 r 6 R.

Escrevendo
u(r, z) = F (r)G(z),
obtemos
1
F 00 (r)G(z) + F 0 (r)G(z) + F (r)G00 (z) = 0.
r
Dividindo a equação por F (r)G(z), segue que

F 00 (r) F 0 (r) G00 (z)


r2 +r =− = σ.
F (r) F (r) G(z)

As condições de fronteira implicam as seguintes condições sobre F e G:

u(r, 0) = 0 =⇒ F (r)G(0) = 0 =⇒ G(0) = 0,


u(R, z) = 0 =⇒ F (R)G(z) = 0 =⇒ F (R) = 0.

Logo temos dois problemas de Sturm-Liouville:


½ 2 00
r F (r) + rF 0 (r) + σr2 F (r) = 0,
F (R) = 0,
e ½
G00 (z) + σG(z) = 0,
G(0) = 0.
Se σ = 0, a equação em F seria uma equação de Euler com solução geral F (r) = c1 + c2 log r, e a condição
F (R) = 0 implicaria portanto que F ≡ 0. Esta possibilidade deve ser então descartada. A possibilidade
σ > 0 também deve ser ignorada, porque a equação resultante seria a forma paramétrica da equação de
Bessel modificada:
r2 F 00 (r) + rF 0 (r) − λ2 r2 F (r) = 0,
onde escrevemos σ = λ2 . Esta possibilidade deve ser descartada porque as soluções desta equação, chamadas
as funções de Bessel modificadas de primeiro e segundo tipos, não podem satisfazer a condição F (R) = 0, a
não ser que F ≡ 0 (veja a próxima subseção).
Portanto, σ = −λ2 e os problemas são
½ 2 00
r F (r) + rF 0 (r) + λ2 r2 F (r) = 0,
F (R) = 0,

onde a equação diferencial ordinária é uma equação de Bessel de ordem 0, e


½ 00
G (z) − λ2 G(z) = 0,
G(0) = 0.

Levando em conta que F deve ser limitada na origem, as autofunções do primeira problema são
³α ´
0,n
Fn (r) = J0 r ,
R
Rodney Josué Biezuner 182

α0,n
com λ = . Levando em conta que G(0) = 0, as autofunções do segundo problema são (aqui é mais
R
conveniente escrever a solução geral da equação diferencial ordinária de G na forma G(z) = c1 cosh λz +
c2 senh λz) ³α ´
0,n
Gn (z) = senh z .
R
Assim, a solução do problema é
X∞ ³α ´ ³α ´
0,n 0,n
u(r, z) = an J0 r senh z . (7.4)
n=1
R R
Como
X∞ h ³α ´i ³ α ´
0,n 0,n
f (r) = u(r, H) = an senh H J0 r ,
n=1
R R
segue que
Z R ³α ´
2 0,n r
an = ³α ´ f (r)J0 r dr. (7.5)
R2 senh
0,n
H J12 (α0,n ) 0 R
R

7.1.3 Funções de Bessel Modificadas


A equação de Bessel modificada de ordem p é definida por
x2 y 00 + xy 0 − (x2 + p2 )y = 0. (7.6)
Se p não é um inteiro, a sua solução geral é
y(x) = c1 Ip (x) + c2 I−p (x), (7.7)
onde Ip é a chamada função de Bessel modificada de ordem p do primeiro tipo, definida por

X 1 ³ x ´2k+p
Ip (x) = . (7.8)
k!Γ(k + p + 1) 2
k=0

Para ver que Ip é a solução da equação de Bessel modificada de ordem p note que
Jp (ix)
Ip (x) = , (7.9)
ip

onde i = −1. De fato,

X µ ¶2k+p ∞
X ³ x ´2k+p
(−1)k ix (−1)k i2k
Jp (ix) = = ip
k!Γ(k + p + 1) 2 k!Γ(k + p + 1) 2
k=0 k=0

(−1)k (i2 )k ³ x ´2k+p X (−1)k (−1)k ³ x ´2k+p



X ∞
p
=i = ip
k!Γ(k + p + 1) 2 k!Γ(k + p + 1) 2
k=0 k=0
X∞
1 ³ x ´2k+p
= ip = ip Ip (x).
k!Γ(k + p + 1) 2
k=0

Assim,
1 £ 2 2 00 ¤
x2 Ip00 (x) + xIp0 (x) − (x2 + p2 )Ip (x) = x i Jp (ix) + xiJp0 (x) − (x2 + p2 )Jp (ix)
ip
1 £ ¤
= p (ix)2 Jp00 (ix) + ixJp0 (x) − (−(ix)2 + p2 )Jp (ix)
i
1 £ 2 00 ¤
= p z Jp (z) + zJp0 (z) + (z 2 − p2 )Jp (z)
i
= 0,
Rodney Josué Biezuner 183

onde denotamos z = ix.


Para resolver a equação de Bessel modificada de ordem p quando p é um inteiro, definimos a função de
Bessel modificada de ordem p do segundo tipo (às vezes chamada do terceiro tipo)
π
Kp (x) = [I−p (x) − Ip (x)] (7.10)
2 sen pπ
se p não é um inteiro, e
Kp (x) = lim Kq (x) (7.11)
q→p

quando p é um inteiro. A solução geral para a equação de Bessel modificada de ordem p é então

y(x) = c1 Ip (x) + c2 Kp (x). (7.12)

A função de Bessel modificada I0 é estritamente crescente para x > 0, logo não pode satisfazer I0 (R) = 0,
enquanto que as funções de Bessel modificadas próximas à origem são ilimitadas.

7.1.4 Solução de outro Problema de Laplace no Cilindro


Considere o problema de encontrar a temperatura de estado estacionário em um cilindro cujas superfı́cies
inferior e superior são mantidas à temperatura constante 0 com condições de fronteira na superfı́cie lateral
dependendo apenas da altura z. A situação é a de uma barra cilı́ndrica com as extremidades mantidas à
temperatura constante 0, mas cuja superfı́cie lateral não é isolada termicamente. Neste problema também
não há dependência da variável θ e ele é modelado pela seguinte equação diferencial parcial e pelas seguintes
condições de fronteira:

 1
 urr + ur + uzz = 0 se 0 < r < R e 0 < z < h,
r
 u(r, 0) = u(r, H) = 0 se 0 6 r 6 R ,

u(R, z) = f (z) se 0 6 z 6 h.

Escrevendo
u(r, z) = F (r)G(z),
obtemos como antes
F 00 (r) F 0 (r) G00 (z)
r2 +r =− = σ.
F (r) F (r) G(z)
As condições de fronteira implicam as seguintes condições sobre G:

u(r, 0) = 0 =⇒ F (r)G(0) = 0 =⇒ G(0) = 0,


u(r, H) = 0 =⇒ F (r)G(H) = 0 =⇒ G(H) = 0.

Logo temos o problema de Sturm-Liouville


½
G00 (z) + σG(z) = 0,
G(0) = G(H) = 0,

cujas autofunções são


nπz
Gn (z) = sen ,
H
associadas aos autovalores
n2 π 2
σ=− ,
H2
Rodney Josué Biezuner 184


e conseqüentemente a equação de Bessel modificada de ordem 0 e parâmetro :
H
n2 π 2 2
r2 F 00 (r) + rF 0 (r) + r F (r) = 0.
H2
Como a função de Bessel modificada do segundo tipo é ilimitada na origem, a solução geral desta equação
pertinente ao nosso problema é ³ nπr ´
Fn (z) = I0 .
H
Assim, a solução do problema é
X∞ ³ nπr ´ nπz
u(r, z) = bn I0 sen . (7.13)
n=1
H H
Como
∞ ·
X µ ¶¸ ³α ´
nπR 0,n
f (z) = u(R, z) = bn I0 J0 r ,
n=1
H R
segue que
Z H
2 nπz
bn = ¡ nπR ¢ f (z) sen dz. (7.14)
H I0 H 0 H

7.2 A Equação de Laplace em uma Bola


7.2.1 A Equação de Laplace em Coordenadas Esféricas
A relação entre coordenadas cartesianas (x, y, z) e coordenadas esféricas (r, θ, φ) é dada pelas seguintes
relações: 
 x = r cos φ sen θ,
y = r sen φ sen θ, (7.15)

z = r cos θ.
e  p
 2
 r = x +y +z ,
2 2

 y
φ = arctan ,
x
p (7.16)

 x 2 + y2

 θ = arctan .
z
Introduzindo a variável p
ρ = x2 + y 2 = r sen θ,
segue que ½
x = ρ cos φ,
y = ρ sen φ.
Fazendo a analogia com coordenadas polares, temos
1 1
uxx + uyy = uρρ + uρ + 2 uφφ . (7.17)
ρ ρ
Por outro lado, também temos ½
z = r cos θ,
ρ = r sen θ.
Daı́, novamente fazendo a analogia com coordenadas polares, segue que
1 1
uzz + uρρ = urr + ur + 2 uθθ . (7.18)
r r
Rodney Josué Biezuner 185

Portanto, somando as duas expressões obtidas, obtemos

∆u(x, y, z) = uxx + uyy + uzz


1 1 1 1
= urr + ur + 2 uθθ + uρ + 2 uφφ
r r ρ ρ
1 1 1 1
= urr + ur + 2 uθθ + uρ + 2 uφφ . (7.19)
r r ρ r sen2 θ
Falta apenas expressar uρ em coordenadas esféricas. Pela regra da cadeia,

uρ = ur rρ + uθ θρ + uφ φρ = ur rρ + uθ θρ ,

pois φ não depende de ρ (ρ está definida em termos das variáveis r, θ apenas) e portanto φρ = 0. Diferenciando
ρ
θ = arctan , obtemos
z
1 1 z r cos θ cos θ
θρ = ³ ρ ´2 = 2 2
= 2 2 2 2
= .
z z +ρ r cos θ + r sen θ r
1+
z
Diferenciando ρ = r sen θ implicitamente com relação à ρ, temos

1 = rρ sen θ + r cos θθρ = rρ sen θ + cos2 θ,

donde
1 − cos2 θ
rρ = = sen θ.
sen θ
Logo,
cos θ
uρ = sen θur + uθ
r
e µ ¶
1 1 cos θ 1 cot θ
uρ = sen θur + uθ = ur + 2 uθ
ρ r sen θ r r r
Concluı́mos que o Laplaciano em coordenadas esféricas é dado por
2 1 ¡ ¢
∆u(r, θ, φ) = urr + ur + 2 uθθ + cot θ uθ + csc2 θuφφ . (7.20)
r r

7.2.2 A Equação de Legendre e Polinômios de Legendre


Na resolução da equação de Laplace na bola, como veremos a seguir, aparece a equação de Legendre:

(1 − x2 )y 00 (x) − 2xy 0 (x) + σy(x) = 0,

onde −1 < x < 1. Vamos obter as suas soluções usando o método de séries de potências, escrevemos

X
y(x) = am xm
m=0

e substituı́mos na equação de Legendre para obter os coeficientes am :



X ∞
X ∞
X
(1 − x2 ) am m(m − 1)xm−2 − 2x am mxm−1 + σ am xm = 0,
m=2 m=1 m=0
Rodney Josué Biezuner 186

donde

X ∞
X ∞
X ∞
X
am m(m − 1)xm−2 − am m(m − 1)xm − 2 am mxm + σ am xm = 0.
m=2 m=2 m=1 m=0

Podemos escrever estes somatórios na forma



X ∞
X ∞
X ∞
X
am+2 (m + 2)(m + 1)xm − am m(m − 1)xm − 2 am mxm + σ am xm = 0,
m=0 m=0 m=0 m=0

porque os termos adicionados aos dois somatórios intermediários são todos nulos e reindexando o primeiro
somatório. Segue que

X
[(m + 2)(m + 1)am+2 + (−m(m − 1) − 2m + σ) am ] xm = 0.
m=0

Logo,
(m + 2)(m + 1)am+2 − (m(m + 1) − σ) am = 0,
donde obtemos a relação recursiva
m(m + 1) − σ
am+2 = am . (7.21)
(m + 2)(m + 1)
As duas soluções linearmente independentes da equação de Legendre são obtidas escolhendo a0 = 0, a1 = 1
e a0 = 1, a1 = 0. No primeiro caso obtemos uma série consistindo apenas dos termos ı́mpares, enquanto que
no segundo caso obtemos uma série consistindo apenas dos termos pares. Assim, estas duas soluções podem
ser respectivamente escritas nas formas

X 2(k + 1)(2k + 1) − σ
y1 (x) = x2k+1 (7.22)
2(k + 1)(2k + 3)
k=0

e

X 2k(2k + 1) − σ 2k
y2 (x) = x . (7.23)
2(k + 1)(2k + 1)
k=0

Estas séries são chamadas funções de Legendre.


Se σ = n(n + 1) > 0, então an+2 = 0, logo uma das funções de Legendre é um polinômio de grau n
(qual delas dependerá se n é par ou ı́mpar). Caso contrário, para qualquer outro valor de σ ambas as séries
de Legendre são séries infinitas e qualquer série infinita de Legendre divergem em um ou ambos os pontos
x = ±1, e portanto são ilimitadas na vizinhança deles. Como nas nossas aplicações estamos interessados
apenas em soluções limitadas, vamos considerar apenas o caso σ = n(n + 1):

(1 − x2 )y 00 (x) − 2xy 0 (x) + n(n + 1)y(x) = 0, (7.24)

e a sua solução polinomial. Para σ = n(n + 1), a relação recursiva torna-se

m(m + 1) − n(n + 1)
am+2 = am ,
(m + 2)(m + 1)
ou
(n − m)(n + m + 1)
am+2 = − am . (7.25)
(m + 2)(m + 1)
Rodney Josué Biezuner 187

Daı́ obtemos
n(n + 1)
a2 = − a0 ,
2
(n − 2)n(n + 1)(n + 3)
a4 = a0 ,
4·3·2
(n − 4)(n − 2)n(n + 1)(n + 3)(n + 5)
a6 = − a0 ,
6·5·4·3·2
..
.

e
(n − 1)(n + 2)
a3 = − a1 ,
3·2
(n − 3)(n − 1)(n + 2)(n + 4)
a5 = a1 ,
5·4·3·2
(n − 5)(n − 3)(n − 1)(n + 2)(n + 4)(n + 6)
a7 = a1 ,
7·6·5·4·3·2
..
.

Assim, a solução geral desta equação de Legendre é

y(x) = a0 y1 (x) + a1 y2 (x),

onde
n(n + 1) 2 (n − 2)n(n + 1)(n + 3) 4 (n − 4)(n − 2)n(n + 1)(n + 3)(n + 5) 6
y1 (x) = 1 − x + x − x + ...
2 4! 6!
e
(n − 1)(n + 2) 3 (n − 3)(n − 1)(n + 2)(n + 4) 5 (n − 5)(n − 3)(n − 1)(n + 2)(n + 4)(n + 6) 7
y2 (x) = x− x + x − x +. . .
3! 5! 7!
Se n é par, então a série y1 é na verdade o polinômio

n(n + 1) 2 (n − 2)n(n + 1)(n + 3) 4 (n − 4)(n − 2)n(n + 1)(n + 3)(n + 5) 6


y1 (x) = 1 − x + x − x
2 4! 6!
n n
−1 −1
n 2Q 2Q
(−1) 2 (n − 2k) (n + 2k + 1)
k=0 k=0
+ ... + xn .
n!
Se n é ı́mpar, então a série y2 é na verdade o polinômio

(n − 1)(n + 2) 3 (n − 3)(n − 1)(n + 2)(n + 4) 5 (n − 5)(n − 3)(n − 1)(n + 2)(n + 4)(n + 6) 7


y2 (x) = x − x + x − x
3! 5! 7!
n−1 n−1
n−1 2Q−1 Q
2
(−1) 2 (n − 2k − 1) (n + 2k)
k=0 k=0
+ ... + xn .
n!
No entanto, é costume normalizar as soluções, escolhendo

(2n)!
an = . (7.26)
2n (n!)2
Rodney Josué Biezuner 188

Os outros coeficientes são então determinados por uma relação recursiva reversa. Temos

(m + 2)(m + 1)
am = − am+2 ,
(n − m)(n + m + 1)

ou (trocando m por m − 2)
m(m − 1)
am−2 = − am . (7.27)
(n − m + 2)(n + m − 1)
Assim,

n(n − 1) n(n − 1) (2n)! (2n − 2)!


an−2 = − an = − n 2
=− n ,
2(2n − 1) 2(2n − 1) 2 (n!) 2 (n − 1)!(n − 2)!
(n − 2)(n − 3) (2n − 4)!
an−4 =− an−2 = n ,
4(2n − 3) 2 2!(n − 2)!(n − 4)!

e, em geral,
(2n − 2m)!
an−2m = (−1)m . (7.28)
2n m!(n − m)!(n − 2m)!
n n−1
Tomando M = , se n é par, e M = , se n é ı́mpar, o n-ésimo polinômio de Legendre é
2 2

M
1 X (2n − 2m)!
Pn (x) = (−1)m xn−2m . (7.29)
2n m=0 m!(n − m)!(n − 2m)!

Por exemplo, os primeiros polinômios de Legendre são:

P0 (x) = 1,
P1 (x) = x,
1
P2 (x) = (3x2 − 1),
2
1
P3 (x) = (5x3 − 3x),
2
1
P4 (x) = (35x4 − 30x2 + 3),
8
1
P5 (x) = (63x5 − 70x3 + 15x),
8
1
P6 (x) = (231x6 − 315x4 + 105x2 − 5),
16
1
P7 (x) = (429x7 − 693x5 + 315x3 − 35x).
16

7.2.3 Séries de Polinômios de Legendre


Os polinômios de Legendre satisfazem as seguintes relações de ortogonalidade:
Z 1 (
0 se n 6= m,
Pn (x)Pm (x) dx = 2 (7.30)
−1 se n = m.
2n + 1
Usando esta propriedade, é possı́vel provar que toda função razoavelmente regular possui uma série de
Legendre:
Rodney Josué Biezuner 189

Teorema 7.1. Se f é uma função contı́nua por partes cuja derivada é contı́nua por partes no intervalo
[−1, 1], então f tem uma expansão em série de Legendre

X
f (x) = An Pn (x)
n=0

com Z 1
2n + 1
An = f (x)Pn (x) dx.
2 −1

Além disso, a série de Legendre de f em x converge para f (x) se f é contı́nua em x e para a média
f (x+) + f (x−)
dos limites laterais , caso contrário.
2

7.2.4 Solução da Equação de Laplace na Bola com Simetria Radial


Considere o problema de encontrar a temperatura de estado estacionário em uma bola de raio R cuja
superfı́cie exterior (casca esférica) é mantida a uma temperatura f (θ), independente do ângulo azimutal φ.
Neste problema não há dependência da variável φ e ele é modelado pela seguinte equação diferencial parcial
e pelas seguintes condições de fronteira:
(
2 1
urr + ur + 2 (uθθ + cot θ uθ ) = 0 se 0 < r < R e 0 < θ < π,
r r
u(R, θ) = f (θ) se 0 6 θ 6 π.
Usando o método de separação de variáveis, escrevemos

u(r, θ) = F (r)G(θ).

Substituindo esta expressão na equação de Laplace acima, temos


1 1
F 00 (r)G(θ) + F 0 (r)G(θ) + 2 [F (r)G00 (θ) + cot θ F (r)G0 (θ)] = 0.
r r
Dividindo a última expressão por F (r)G(θ), segue que
· 00 ¸
F 00 (r) F 0 (r) G (θ) G0 (θ)
r + =− + cot θ = σ.
F (r) F (r) G(θ) G(θ)

Temos então a equação de Euler:


r2 F 00 (r) + 2rF 0 (r) − σF (r) = 0
e a seguinte equação em θ:
G00 (θ) + cot θG0 (θ) + σG(θ) = 0.
Esta pode ser reduzida à equação de Legendre através da seguinte mudança de variável:

s = cos θ.

Note que −1 < s < 1. De fato, pela regra da cadeia,


ds
G0 (θ) = G0 (s) = − sen θG0 (s),

d ds
G00 (θ) = − [sen θG0 (s)] = − cos θG0 (s) − sen θG00 (s) = − cos θG0 (s) + sen2 θG00 (s)
dθ dθ
= (1 − s2 )G00 (s) − sG0 (s).
Rodney Josué Biezuner 190

Portanto,
cos θ
G00 (θ) + cot θG0 (θ) + σG(θ) = (1 − s2 )G00 (s) − sG0 (s) + [− sen θG0 (s)] + σG(s)
sen θ
= (1 − s2 )G00 (s) − sG0 (s) − sG0 (s) + σG(s)
= (1 − s2 )G00 (s) − 2sG0 (s) + σG(s),

e a equação transforma-se na equação de Legendre

(1 − s2 )G00 (s) − sG0 (s) + σG(s) = 0.

Como vimos acima, esta equação só possui soluções limitadas se

σ = n(n + 1) (7.31)

e as soluções são dadas pelos polinômios de Legendre Pn (s). Logo,

Gn (θ) = Pn (cos θ). (7.32)

A equação de Euler torna-se então

r2 F 00 (r) + 2rF 0 (r) − n(n + 1)F (r) = 0,

cuja solução geral é


F (r) = c1 rn + c2 r−(n+1) .
As únicas soluções aceitáveis são as soluções limitadas, logo

Fn (r) = rn . (7.33)

Portanto,
un (r, θ) = rn Pn (cos θ).
Levando em consideração a condição de fronteira, obtemos

X ³ r ´n
u(r, θ) = An Pn (cos θ) (7.34)
n=0
R

com Z π
2n + 1
An = f (θ)Pn (cos θ) sen θ dθ. (7.35)
2 0

Para obter esta expressão para os coeficientes An , multiplique a série de u(R, θ) = f (θ) por Pm (cos θ) sen θ,
integre termo a termo e use a substituição x = cos θ nas integrais resultantes sob o somatório. Isso produz
Z π ∞
X Z π
f (θ)Pm (cos θ) sen θ dθ = An Pn (cos θ)Pm (cos θ) sen θ dθ
0 n=0 0

X∞ µ Z −1 ¶
= An − Pn (x)Pm (x) dx
n=0 1

2m + 1
= Am .
2
Capı́tulo 8

Transformada de Fourier

8.1 A Integral de Fourier


Se f : R → R é uma função periódica de perı́odo 2L, suave por partes, então

a0 X ³ nπx ´

nπx
f (x) = + an cos + bn sen (8.1)
2 n=1
L L

nos pontos de continuidade de f , com


Z
1 L nπt
an = f (t) cos dt, n > 0,
L −L L
Z L (8.2)
1 nπt
bn = f (t) sen dt, n > 1.
L −L L

Se f não é uma função periódica, então ela não pode ser representada por uma série de Fourier. Podemos,
no entanto, representar f por uma integral de Fourier, se f for pelo menos suave por partes e satisfizer além
disso a condição Z ∞
|f (x)| dx < ∞,
−∞

ou seja, se f for absolutamente integrável. Neste caso, podemos escrever


Z ∞
f (x) = (A(ω) cos xω + B(ω) sen xω) dω (8.3)
0

para todo x ∈ R que seja um ponto de continuidade de f , com


Z
1 ∞
A(ω) = f (t) cos ωt dt, ω > 0,
π Z−∞
1 ∞ (8.4)
B(ω) = f (t) sen ωt dt, ω > 0.
π −∞

Mais precisamente,

Teorema 8.1. Seja f : R → R uma função suave por partes, absolutamente integrável. Então f tem uma
representação por integral de Fourier que converge para f (x) nos pontos de continuidade de f e para
a média dos limites laterais nos pontos de descontinuidade de f .

191
Rodney Josué Biezuner 192

Esta representação integral para f pode ser motivado da seguinte forma: restrinja f ao intervalo fechado
[−L, L] e estenda ela periodicamente fora deste intervalo. Então, no intervalo [−L, L], f tem a representação
em série de Fourier dada em (8.1) com os coeficientes dados em (8.2). Fazendo L → ∞, como a função f
é integrável em R, segue que necessariamente a0 → 0. Além disso, a integrabilidade de f também implica
que a integral de f em R pode ser aproximada pela integral de f no intervalo [−L, L], desde que L seja
suficientemente grande. Assim, temos que os coeficientes an e bn podem ser aproximados por
Z
1 ∞ nπt π ³ nπ ´
an ≈ f (t) cos dt = A ,
L −∞ L L L
Z ∞
1 nπt π ³ nπ ´
bn ≈ f (t) sen dt = B .
L −∞ L L L
Logo,
∞ h ³
X nπ ´ nπx ³ nπ ´ nπx i π
f (x) ≈ A cos +B sen .
n=1
L L L L L
Mas, se denotarmos ωn = nπ/L e ∆ω = π/L, o que equivale a fazer uma partição do intervalo [0, ∞) em
subintervalos de comprimento ∆ω, reconhecemos uma soma de Riemann:

X
f (x) ≈ [A(ωn ) cos ωn x + B(ωn ) sen ωn x] ∆ω.
n=1

Fazendo L → ∞, o que corresponde a fazer a norma da partição ∆ω → 0, esta soma de Riemann converge
para a integral de Fourier de f .
Exemplo 8.2. Obtenha a representação integral de Fourier da função
½
1 se |x| 6 1,
f (x) =
0 se |x| > 1.
Temos
Z ∞ Z 1
1 1 2
A(0) = f (t) dt = dt = ,
π −∞ π −1 π
Z ∞ Z 1 ¯1
1 1 sen ωt ¯¯ 2 sen ω
A(ω) = f (t) cos ωt dt =
cos ωt dt = ¯ =π ω ,
π −∞ −1 π πω −1
Z ∞ Z 1 ¯1
1 1 cos ωt ¯¯
B(ω) = f (t) sen ωt dt = sen ωt dt = = 0.
π −∞ π −1 πω ¯−1
Observe que lim A(ω) = A(0) (ou seja, obtivemos neste caso a função A(ω) contı́nua) e a função B é
ω→0
a função identicamente nula, o que era de se esperar, porque f é uma função par. Logo
Z
2 ∞ sen ω
f (x) = cos xω dω.
π 0 ω
Em particular, segue do teorema da integral de Fourier que

Z ∞  π/2 se |x| < 1,
sen ω
cos xω dω = π/4 se |x| = 1,
0 ω 
0 se |x| > 1,
e, escolhendo x = 0, obtemos o valor da integral de Dirichlet
Z ∞
sen ω π
dω = .
0 ω 2
Rodney Josué Biezuner 193

Como vemos no exemplo acima, quando uma função é par ou ı́mpar, sua integral de Fourier é mais
simples (da mesma forma e pelo mesmo motivo que a série de Fourier de uma função periódica par ou ı́mpar
é mais simples):

• Se f é par, então B(ω) ≡ 0 e a integral de Fourier de f é dada simplesmente por


Z ∞
f (x) = A(ω) cos xω dω,
0

também chamada a integral de Fourier cosseno de f .


• Se f é ı́mpar, então A(ω) ≡ 0 e a integral de Fourier de f é dada simplesmente por
Z ∞
f (x) = B(ω) sen xω dω,
0

também chamada a integral de Fourier seno de f .

8.1.1 Exercı́cios
Exercı́cio 8.1. Encontre a representação integral de Fourier das funções dadas (em todos os casos, a > 0).
½ ½
1 se 0 < x < 1, x se 0 < x < a,
a) f (x) = h) f (x) =
0 caso contrário. 0 caso contrário.
½ ½
1 se − a < x < a, x2 se 0 < x < a,
b) f (x) = i) f (x) =
0 caso contrário. 0 caso contrário.

 −1 se − 1 < x < 0, ½
1 − |x| se − 1 < x < 1,
c) f (x) = 1 se 0 < x < 1, j) f (x) =
 0 caso contrário.
0 caso contrário.

 0 se − 1 < x < 1, ½
1 − x2 se − 1 < x < 1,
d) f (x) = 1 se 1 < |x| < 2, k) f (x) =
 0 caso contrário.
0 caso contrário.
½
x se − 1 < x < 1,
e) f (x) = l) f (x) = e−|x| .
0 caso contrário.
( π π
cos x se − <x< , 2
f ) f (x) = 2 2 m) f (x) = e−x .
0 caso contrário.

½  x se 0 < x < 1,
sen x se 0 < x < π,
g) f (x) = n) f (x) = 2−x se 1 < x < 2,
0 caso contrário. 
0 caso contrário.
Exercı́cio 8.2. (a) Use o Exemplo 8.2 para mostrar que
Z ∞
sen ω cos ω π
dω = .
0 ω 4

(b) Use integração por partes e o item anterior para obter


Z ∞
sen2 ω π
2
dω = .
0 ω 2
Rodney Josué Biezuner 194

(c) Use a identidade trigonométrica sen2 ω + cos2 ω = 1 e o item anterior para obter
Z ∞
sen4 ω π
2
dω = .
0 ω 4
1
(Sugestão: sen2 ω = sen4 ω + sen2 ω cos2 ω = sen4 ω + 4 sen2 2ω.)
Exercı́cio 8.3. Usando a representação integral de Fourier, prove que as seguintes integrais impróprias têm
os valores especificados abaixo.

Z ∞  0 se x < 0,
cos xω + w sen xω
a) dω = π/2 se x = 0,
1 + ω2 
0 πe−x se x > 0.
Z ∞ ½
1 − cos πω π/2 se 0 < x < π,
b) sen xω dω =
0 ω 0 se x > π.
Z ∞
cos xω π
c) 2
dω = e−x se x > 0.
0 1+ω 2
πw  π π
Z ∞ cos cos xω  cos x se |x| < ,
d) 2 dω = 2 2
 π
0 1 − ω2 0 se |x| > .
2
Z ( π

sen πω sen xω sen x se 0 6 x 6 π,
e) dω = 2
0 1 − ω2 0 se x > π.
Z ∞
ω 3 sen xω π
f) dω = e−x cos x se x > 0.
0 ω4 + 4 2

8.2 A Transformada de Fourier


8.2.1 Definição
Recordamos a fórmula de Euler:
eiθ = cos θ + i sen θ.
Dela segue que
eiθ + e−iθ eiθ − e−iθ
cos θ = e sen θ = .
2 2i
Rodney Josué Biezuner 195

Vamos escrever a integral de Fourier na forma complexa. Temos


Z ∞
f (x) = (A(ω) cos xω + B(ω) sen xω) dω
0
Z ∞Z ∞
1
= f (t)(cos ωt cos xω + sen ωt sen xω) dtdω
π 0 −∞
Z ∞Z ∞
1
= f (t) cos ω(x − t) dtdω
π 0 −∞
Z ∞Z ∞
1
= f (t)(eiω(x−t) + e−iω(x−t) ) dtdω
2π 0 −∞
Z ∞Z ∞ Z ∞Z ∞
1 iω(x−t) 1
= f (t)e dtdω + f (t)e−iω(x−t) dtdω
2π 0 −∞ 2π 0 −∞
Z ∞Z ∞ Z 0 Z ∞
1 1
= f (t)eiω(x−t) dtdω + f (t)eiω(x−t) dtdω
2π 0 −∞ 2π −∞ −∞
Z Z
1 ∞ ∞
= f (t)eiω(x−t) dtdω.
2π −∞ −∞
onde no último passo fizemos a mudança de variável −ω. Portanto, a forma complexa da integral de
Fourier é Z Z
1 ∞ ∞
f (x) = f (t)eiω(x−t) dtdω. (8.5)
2π −∞ −∞
Por sua vez, a forma complexa da integral de Fourier pode ser escrita como
Z ∞· Z ∞ ¸
1 1 −iωt
f (x) = √ √ f (t)e dt eiωx dω.
2π −∞ 2π −∞

Defina a função fb : R → C por Z ∞


1
fb(ω) = √ f (t)e−iωt dt. (8.6)
2π −∞

Observe que apesar da função f ser uma função definida na reta (isto é, uma função de uma variável real)
tomando valores reais, em geral a função fb é uma função definida na reta tomando valores complexos. De
fato, a função fb pode ser escrita mais explicitamente, usando a fórmula de Euler, na forma
µZ ∞ Z ∞ ¶
1
fb(ω) = √ f (t) cos ωt dt − i f (t) sen ωt dt .
2π −∞ −∞

A parte complexa de fb será nula e portanto fb será uma função real se e somente se a integral
Z ∞
f (t) sen ωt = 0.
−∞

Isso ocorrerá se e somente se a função f for par. Portanto, no estudo da transformada de Fourier é inevitável
o aparecimento de funções de R em C, já que a maioria das funções não são pares. Diremos que uma função
de R em C é absolutamente integrável se as suas partes real e imaginária (que são funções de de R em R)
forem absolutamente integráveis. O espaço de tais funções será denotado por L1 (R, C). Na notação acima,
temos que Z ∞
1
f (x) = √ fb(ω)eiωx dω. (8.7)
2π −∞
Isso nos leva à seguinte definição. Definimos a transformada de Fourier de f , como sendo a função F
que associa a cada função absolutamente integrável f : R → R a função fb : R → C definida pela expressão
Rodney Josué Biezuner 196

(8.6); a sua inversa, chamada a transformada de Fourier inversa, é a função F −1 que associa a cada
função fb : R → C que pertença ao conjunto imagem de F a função absolutamente integrável f : R → R
definida pela expressão (8.7). Assim, se f é contı́nua,

F −1 (F(f )) = f. (8.8)

Isso é uma conseqüência imediata das definições acima:


Z ∞ Z ∞· Z ∞ ¸
1 1 1
F −1 (F(f ))(x) = √ F(f )(ω)eiωx dω = √ √ f (t)e−iωt dt eiωx dω
2π −∞ 2π −∞ 2π −∞
Z Z
1 ∞ ∞
= f (t)eiω(x−t) dtdω = f (x).
2π −∞ −∞

Exemplo 8.3. A transformada de Fourier de uma função absolutamente integrável, apesar de ser uma
função contı́nua, não é em geral uma função absolutamente integrável. O contra-exemplo clássico é a
função pulso ½
1 se |x| 6 1,
f (x) =
0 se |x| > 1.
De fato, calculando a transformada de Fourier de f , obtemos
Z ∞ Z 1
1 1 1 ¯1
fb(ω) = √ f (t)e−iωt dt = √ e−iωt dt = − √ e−iωt ¯−1
2π −∞ 2π −1 2πiω
1 ¡ −iω ¢ 1
= −√ e − eiω = − √ (cos ω − i sen ω − cos ω − i sen ω)
2πiω 2πiω
2i sen ω 2 sen ω
= √ = √ .
2πiω 2πω
Segue que a transformada de Fourier de f é a função
r
b 2 sen ω
f (ω) = ,
π ω
que não é uma função absolutamente integrável, como pode ser verificado. Observe porém que a
descontinuidade da função pulso foi suavizada pela sua transformada de Fourier, já que fb é uma
função contı́nua. Com efeito,
Z ∞ Z 1 r
1 1 2 2
fb(0) = √ f (t)e−iω0 dt = √ dx = √ =
2π −∞ 2π −1 2π π

e portanto lim fb(ω) = fb(0). Isso não foi um acidente e é sempre verdade.
ω→0

Teorema 8.4. Se f : R → R é uma função absolutamente integrável, então sua transformada de Fourier
fb : R → C é uma função contı́nua e limitada. Se, além disso, fb for absolutamente integrável