Você está na página 1de 6

Memórias Semicondutoras

Introdução:
É um circuito que permite o armazenamento de um ou mais bits por tempo
indeterminado é denominado memória. Tais bits podem ser acessados (procedimento de
leitura) ou substituídos (procedimento de escrita ou armazenamento).

O desenvolvimento e expansão da tecnologia de fabricação de circuitos integrados


para armazenamento de dados determinaram o grande avanço dos computadores digitais.
Até 1970, as memórias de núcleo de ferrite eram de uso corrente. Entretanto, por
causa do seu alto custo, grande consumo e limitações em velocidade forma substituídas
pelas memórias semicondutoras que lideram o mercado até hoje.
A seguir apresentamos algumas características que podem ser usadas quando
queremos avaliar o desempenho de um determinado dispositivo de memória.

Número de bits armazenados por área física. Está relacionado à


capacidade total de armazenamento.

Hoje em dia, existem várias maneiras de se armazenar dados como, por exemplo,
através de fita magnética (memória do tipo sequencial), através de circuitos biestáveis
(flipflop
tipo D, e.g.), através de cargas elétricas sobre capacitores, através da modificação de
índices ópticos de superfícies e sólidos, através de modificação do estado quântico de uma
molécula ou átomo, etc. Na linha evolutiva das memórias utilizadas em computadores
pode-se citar as fitas K-7, fitas perfuradas de papel, cartões perfurados, memória de
tambor, matrizes de mini-toróides magnéticos, discos magnéticos, mídias ópticas e as
famosas memórias em estado sólido. As memórias em estado sólido (ou semicondutoras)
são conhecidas por este nome pelo fato de não terem partes móveis. Nos idos de 40 e 50
estabeleceu-se o que se conhecia por “lei do transistor”: quanto menor a quantidade de
partes móveis, melhor é a máquina. Com certeza isso foi verdade no caso das memórias de
computador.
A memória semicondutora produzida com componentes de estado sólido, é um dos
(103)4

A memória semicondutora produzida com componentes de estado sólido, é um dos


tipos de memórias mais utilizados em circuitos digitais atualmente. Este tipo de memória
divide-se, basicamente em 2 tipos: RAM (Random Access Memory) e ROM (Read Only
Memory). Uma memória qualquer tem que ter no mínimo uma via através da qual possa se
se faça um acesso a um dado específico (barramento de endereçamento), uma via por
onde os dados possam entrar e/ou sair (barramento de dados) e uma via através da qual se
possa controlar outros aspectos da memória (barramento de controle). Deste modo,
detalha-se a seguir os três tipos de barramentos das memórias:
- Barramento de dados (Data Bus) → permite a entrada (escrita) e/ou saída
(leitura) dos dados. Em grande parte dos circuitos integrados de memórias uma
mesma linha física é utilizada como entrada e como saída (nunca
simultaneamente, claro), diminuindo pela metade o número de pinos necessários
para a transferência de dados.
- Barramento de endereçamento (Address Bus) ® permite que uma posição de
memória seja acessada através da combinação de zeros e uns neste barramento.
- Barramento de Controle (Control Bus) ® é um conjunto de linhas que
permitem controles do tipo: habilitação do C.I. para o funcionamento (Chip
Enable), habilitação da operação de escrita (Write Enable), habilitação da função
de leitura (Read Enable, estas duas geralmente num único pino do tipo
Write/read), habilitação do barramento de dados, estado de stand by, estado de
saídas em alta impedância ou tri-state (Output Enable) etc.
A figura (1A) apresenta uma memória com 3 bits de linhas de endereço,
possibilitando a discriminação ou acesso a 23 = 8 posiçoes de memória. Cada uma das oito
Memórias Semicondutoras.

Existem Diferentes Tipos de Memórias:

A maneira a mais fácil de classificar uma memória é pelo fator de forma. O fator de forma
de todo módulo de memória descreve a sua capacidade e a configuração de pinagem. A
maioria dos sistemas computatorizados têm soquetes de memória que podem aceitar
somente um fator de forma. Alguns sistemas computatorizados são projetados com mais de
um tipo de soquete de memória, permitindo uma escolha entre dois ou mais fatores de
forma. Tais projetos são geralmente um resultado dos períodos de transição na indústria,
quando não está definido que fatores de forma ganharão a predominância ou quais estarão
mais disponíveis.

SIMMS

O termo SIMM é a abreviação de Single In-Line Memory Module. Com os SIMMs, as


pastilhas de memória são soldadas em uma placa de circuito impresso modular (PWB), que
é introduzida em um soquete na placa do sistema.

Os primeiros SIMMs transferiam 8 bits de dados de uma só vez. Mais tarde, quando as
CPUs começaram a ler os dados em pedaços de 32-bits, um SIMM mais largo foi
desenvolvido, capz de fornecer 32 bits de dados de uma só vez. A maneira mais fácil para
diferenciar-se entre estes dois tipos diferentes de SIMMs era pelo número de pinos dos
conectores. Os módulos mais adiantados tinham 30 pinos e os módulos mais atrasados
tinham 72 pinos. Assim, tornaram-se conhecidos geralmente como SIMMs de 30-pinos e
SIMMs de 72-pinos.

Uma outra diferença importante entre os SIMMs de 30-pinos e os de 72-pinos é que os


SIMMs de 72-pinos são 3/4 de uma polegada (aproximadamente 1,9 centimetros) mais
largos do que os SIMMs de 30-pinos e tem um entalhe no meio do cartão. A figura abaixo
compara os dois tipos de SIMMs e mostra suas larguras de dados.
SIMM de 72-pinos 4-1/4 "

SIMM de 30-pinos 3-1/2 "

Comparação de SIMM de 30-pinos e de 72-pinos

DIMMS

Os “double in-line memory modules”, ou DIMMs , assemelham-se aos SIMMs. Como os


SIMMs, a maioria dos DIMMs se instalam verticalmente nos soquetes. A diferença
principal entre os dois está em que um SIMM os pinos em lados opostos da placa são
conectados para formar um único contato elétrico; em um DIMM, os pinos opostos
permanecem isolados eletricamente para formar dois contatos separados.

Os DIMMs de 168-pinos transferem 64 bits de dados de uma só vez e são usados


tipicamente nas configurações de computador que suportam um barramento de 64-bits ou
mais de largura de memória. Algumas das diferenças físicas entre DIMMs de 168-pinos e
SIMMs de 72-pinos incluem: o comprimento do módulo, o número dos entalhes no
módulo, e a maneira como o módulo se encaixa no soquete. Uma outra diferença é que os
SIMMs de 72-pinos instalam-se em um ângulo inclinado, já os DIMMs de 168-pinos
instalam-se verticalmente no soquete de memória e permanecem completamente verticais
com relação à placa mãe do sistema. A ilustração abaixo compara um DIMM de 168-pinos
a um SIMM de 72-pinos.

SO DIMMS
Um tipo de memória usado geralmente em computadores notebook é chamado SO DIMM
ou Small Outline DIMM. A diferença principal entre um SO DIMM e um DIMM é que o
SO DIMM, que é destinado para o uso em computadores notebook, é significativamente
menor do que o DIMM padrão. Os SO DIMM de 72-pinos possuem 32 bits de largura e os
SO DIMM de 144-pinos possuem 64 bits de largura.
RIMMS E SO-RIMMS

RIMM é a marca registrada para o módulo de memória Direct Rambus. Os RIMMs


parecem similares às DIMMs, mas tem um número diferente de pinos. A largura de
transferência dados das RIMMs é de 16-bits. A velocidade de acesso é mais rápida e a
transferência gera mais calor. Uma tampa de alumínio, chamada dissipador de calor ,
cobre o módulo para proteger as pastilhas do superaquecimento.

Um RIMM Rambus de 184-pinos é mostrado com os dissipadores de calor afastados.

MEMÓRIA FLASH

A memória flash é uma memória de estado sólido, permanente, re-escrevível e que combina
as funções de uma RAM com as de um disco rígido. A memória flash armazena bits de
dados em pastilhas de memória, assim como a DRAM, mas trabalha também como disco
rígido, pois quando a energia é desligada, os dados permanecem na memória. Por causa de
sua alta velocidade, durabilidade, e exigência de baixa tensão, a memória flash é ideal para
o uso em muitas aplicações - tais como câmeras digitais, telefones celulares, impressoras,
computadores de mão e pagers

PC CARD AND CREDIT CARD

Antes que as SO DIMMs se tornassem populares, a maioria das memórias de notebook foi
desenvolvida usando projetos proprietários. É sempre melhor em termos de custo que um
fabricante de sistemas use componentes padrão, e em um certo ponto, tornou-se popular
usar o mesmo "cartão crédito" para empacotar a memória que é usada em cartões de PC.
Porque os módulos se parecem com cartões de PC, muitas
pessoas acharam que os cartões de memória eram o
mesmo que os cartões de PC, e poderiam caber em “slots” de cartão do PC. Então, esta
memória foi descrita como de "a memória de cartão crédito" porque o fator de forma era do
tamanho aproximado de um cartão de crédito. Por causa de seu fator de forma compacto, a
memória de cartão de crédito era ideal para as aplicações no notebook onde o espaço é
limitado.

Os cartões de PC usam um protocolo de E/S que é conhecido como PCMCIA (Associação


Internacional do Cartão de Memória do Computador Pessoal). Este padrão foi projetado
para ligar dispositivos de E/S tais como adaptadores da rede, fax/modems, e outros aos
computadores notebook. Porque a memória do cartão de PC se assemelha a alguns tipos de
cartões projetados para o uso no “slot” de cartão do PC de um computador notebook,
algumas pessoas pensaram equivocadamente que os módulos da memória poderiam ser
usados no “slot” de cartão do PC. Para constar, a RAM não foi empacotada em um cartão
de PCMCIA porque esta tecnologia não permite que o processador se comunique
suficientemente rápido com a memória. Atualmente, o tipo o mais comum de memória nos
módulos de cartão do PC é a memória flash.

Por fora, a memória de cartão de crédito não se assemelha a uma configuração típica de
módulo da memória. Entretanto, no interior você encontrará pastilhas de memória.

É geralmente fácil dizer que os fatores de forma dos módulos de memória diferem-se por
causa das diferenças físicas. A maioria dos fatores de forma do módulo podem suportar
várias tecnologias de memória. Assim, é possível que dois módulos pareçam ser os mesmos
quando, de fato, não o são. Por exemplo, um DIMM de 168-pinos pode ser usado para
EDO, ou synchronous DRAM, ou ainda algum outro tipo de memória. A única maneira de
dizer precisamente que tipo de memória um módulo contem deve levar em conta a
informação escrita nas pastilhas. Cada fabricante de pastilha de DRAM tem marcas e
números de fabricação diferentes para identificar a tecnologia da pastilha.

FAST PAGE MODE (FPM)

Há algum tempo, a FPM era o formato mais comum de DRAM encontrado nos
computadores. De fato, era que os pessoas chamavam simplesmente "DRAM”. A FPM
ofereceu uma vantagem sobre as tecnologias de memória mais adiantadas porque permitiu
um acesso mais rápido aos dados situados dentro da mesma linha.

EXTENDED DATA OUT (EDO)

Em 1995, a EDO transformou-se na inovação seguinte de memória. Era similar a FPM, mas
com uma modificação ligeira que permitiu que os acessos de memória consecutivos
ocorressem muito mais rapidamente. Isto resultou em que o controlador de memória
poderia ganhar tempo pulando algumas etapas no processo de leitura. A EDO permitiu que
o processador central lesse a memória 10 a 15% mais rápido do que com a FPM.
DRAM SYNCHRONOUS (SDRAM)

Em fins de 1996, a SDRAM começou a aparecer nos sistemas. Ao contrário das tecnologias
anteriores, a SDRAM é projetado para sincronizar-se com o relógio do processador central.
Isto permite que o controlador de memória saiba o ciclo de relógio exato em que os dados
pedidos estarão prontos. Desse modo o processador central não tem mais que esperar por
muito tempo entre os acessos de memória. Os módulos de SDRAM vêm em diversas
velocidades diferentes para sincronizar-se às velocidades de relógio dos sistemas em que
serão usados. Por exemplo, a SDRAM PC66 funciona em 66MHz, SDRAM PC100
funciona em 100MHz, a SDRAM PC133 em 133MHz, e assim por diante. Velocidades
mais rápidas de SDRAM, tais como 200MHz e 266MHz, estão atualmente em
desenvolvimento.

DOUBLE RATE SYNCHRONOUS RAM (DDR SDRAM)

O DDR SDRAM é uma tecnologia da nova geração de SDRAM. Permite que a pastilha de
memória execute transações tanto nas bordas de subida e descida do relógio. Por exemplo,
com o DDR SDRAM, a uma taxa de relógio do barramento de memória de 100 ou 133MHz
permitem uma taxa efetiva de dados de 200MHz ou 266MHz. Os sistemas que usam DDR
SDRAM devem ser lançados no fim do ano 2000.

DIRECT RAMBUS

o Direct Rambus é uma arquitetura de DRAM inovodora em relação aos principais projetos
de memória convencionais. A tecnologia Direct Rambus é extraordinariamente rápida se
comparada com tecnologias antifas de memória. Ela transfere dados a velocidades de até
800MHz em um barramento de 16-bits chamado Direct Rambus Channel. Esta alta taxa
de transferência é possível devido a uma facilidade chamada "double clocked," que permite
que operações ocorram tanto no lado de subida como o de descida do relógio. Além disso,
cada dispositivo de memória em um módulo RDRAM provê um largura de banda de até 1.6
gigabytes por segundo, duas vezes a largura de banda das memórias atuais SDRAM de 100
Mhz.