Você está na página 1de 9

ARGAMASSAS

⇒Definição:
É uma mistura íntima e homogênea, de um ou mais aglomerantes,
com agregado miúdo e água.

ARGAMASSA = Aglomerante(s) + Agregado Miúdo + Água

CLASSIFICAÇÃO DAS ARGAMASSAS

CRITÉRIO DE
TIPO
CLASSIFICAÇÃO
Argamassa aérea
Natureza do aglomerante
Argamassa hidráulica
Argamassa de cal
Argamassa de cimento Tipo de aglomerante
Argamassa de cimento e cal
Argamassa simples
Número de aglomerantes
Argamassa mista
Argamassa Aditivada
Argamassa de aderência melhorada
Argamassa Colante
Argamassa redutora de permeabilidade
Argamassa de proteção radiológica Propriedades especiais
Argamassa Hidrófuga
Argamassa Termoisolante
Argamassa para injeção
Argamassa Refratária
Argamassa de chapisco
Argamassa de emboço Função
Argamassa de reboco
Argamassa de assentamento
Argamassa dosada em central
Forma de preparo ou
Argamassa preparada em obra
fornecimento
Argamassa industrializada
Mistura semi-pronta para argamassa
Argamassa pobre ou magra
Argamassa cheia Quanto à dosagem
Argamassa rica ou gorda

⇒Características:
1. A adição do agregado miúdo à pasta:
• Barateia o custo;
• Diminui a retração;
• Facilita a passagem do anidrido carbônico do ar, que produz a
recarbonação do hidróxido de cálcio (argamassa de cal).
2. Condições a que uma boa argamassa deve satisfazer:
• Resistência mecânica;
• Compacidade;
• Impermeabilidade;
• Aderência;
• Constância de volume;
• Durabilidade.
4
⇒Propriedade das Argamassas

1. Propriedades Essenciais
• Argamassa fresca:
• Trabalhabilidade;
• Retenção de água.
• Argamassa endurecida:
• Resistência mecânica;
• Aderência;
• Durabilidade.
2. Propriedades Específicas
• Impermeabilidade;
• Resistência a agentes químicos;
• Isolamento termo-acústico;
• Estabilidade de volume.
OBS:
• A adição de cal à argamassa aumenta a trabalhabilidade da mesma.
• A resistência à compressão das argamassas se inicia com o
endurecimento e aumenta continuamente com o tempo;
• A argamassa não é tão importante quando a resistência final da
alvenaria;
• Em muitas aplicações é mais importante a avaliação das
características elásticas de uma argamassa, do que as suas
características resistentes;
• Fatores que podem comprometer a integridade da argamassa:
• Retração na secagem;
• Penetração da água de chuva;
• Temperaturas excessivamente baixas;
• Choque térmico (incêndio);
• Eflorescências;
• Agentes corrosivos externos.
⇒Escolha da Argamassa
1. Argamassa de Cal
• Maior capacidade de retenção de água;
• Endurecimento lento;
• Resistência à compressão ⇒ 1 a 2,5 MPa;
• Resistência à tração ⇒ 0,2 a 0,5 MPa;
• Mais tradicional;
• Mais barata;
• Não resiste bem à umidade;
• Mais leve;
• Baixa retração hidráulica;
• Boa aderência;
• Empregada em rebocos e assentamento de tijolos.
2. Argamassa de Cimento
• Resistência inicial e ao longo do tempo elevado:
• À compressão ⇒ 25 MPa;
• À tração ⇒ 2 MPa;
• Mais caras;
• Mais resistente;
• Aderência menor;
• Mais quebradiças;
• Impermeabilidade boa;
• Mais Duráveis;
• Trabalhabilidade inferior;
• Empregada em:
• Alvenaria abaixo do lençol freático;
• Alvenaria impermeável à percolação d’água;
• Alvenaria de blocos de altíssimas resistências.
3. Argamassa de cal e cimento
• São usadas para combinar propriedades das argamassas de
cimento e de cal. Tanto econômico como tecnicamente se situam
entre umas e outras;
• É a de emprego mais adequado para alvenaria estrutural;
• Exemplos:
• (+) Cal ⇒ Cimento:
• Retarda a pega;
• Diminui a fissuração.
• (+) Cimento ⇒ Cal:
• Maior resistência mecânica;
• Acelera a pega;
• Aumenta a impermeabilidade.
4. Argamassa com aditivos
• Os aditivos tornam a argamassa trabalhável e com capacidade
de retenção de água.
• Quantidades incorretas de aditivos podem ocorrer
conseqüências adversas.
• Boa aderência e elevada resistência.
⇒Uso das Argamassas
• No assentamento de blocos (tijolos) em uma alvenaria
• Nos emboços e rebocos
• Nos assentamentos de revestimentos (Cerâmicas, ladrilhos,
pedras naturais, etc.)
• Nos chapiscos
• Nos reparos de obras de concreto
• Nas injeções
⇒Produção das Argamassas
 Cuidados que se deve ter na produção das argamassas;
• Nunca fazer argamassa no chão;
• Não fazer argamassa diretamente sobre pavimentações
(cerâmicas, principalmente);
• Se a mistura for manual usar estrados de madeira de boa
qualidade;
• Usar preferencialmente betoneiras:
 Melhor homogeneização;
 Precisão na dosagem;
 Garantia da qualidade;
 Localização da betoneira.
 Tempo de mistura;
mín ⇒ 3min.
máx ⇒ 10min.
 A quantidade de água -> mínima possível;
 Boa qualidade de água e dos materiais;
 Os materiais devem ficar bem misturados.

⇒Traço de uma argamassa:


A argamassa é expressa através do traço.
DEFINIÇÃO DE TRAÇO
É a proporção existente entre os componentes que compõem uma
argamassa. Pode ser expresso:
• Traço em peso
• Traço em volume
• Traço com o cimento em massa, e os demais elementos em volume.
REPRESENTAÇÃO DO TRAÇO
a) Argamassa simples

1 : a : x
Aglomerante : Agregado : Água

b) Argamassa composta

1 n : a : x
:
Aglomerante : Aglomerante Agregado. : Água
Secundário :

TRANSFORMAÇÃO DE UM TRAÇO EM PESO, PARA TRAÇO EM


VOLUME

Traço em peso 1 : a : x
Procedimento:
a) Dividir cada elemento do traço por sua massa unitária
b) Multiplicar todos os elementos do traço pelo valor da massa unitária
do primeiro elemento do traço, logo a proporção tornou-se novamente
unitária.
c) Caso a areia esteja úmida, multiplicar o “a” pelo coeficiente de
inchamento.

Ex. : Transforme o traço em peso, para volume.

• 1 : 4 : 0,56
Dados : Mcim = 1,10 g/cm³ - Mareia = 1,48 g/cm³

• 1 : 2 : 9 : 1,3
Dados : Mcal = 0,55 g/cm³

TRAÇO COM CIMENTO EM MASSA, E OS DEMAIS ELEMENTOS


EM VOLUME

1: n : a : x
n a x
1: : :
M CAL
M AREIA
M ÁGUA

OBS: Para a areia úmida, teremos

n a.I
1: : :x
M CAL
M AREIA

Vh
I= ∴→ Vh = I ×Vs
Vs
DIMENSIONAMENTO DE PADIOLAS

PADIOLAS -> São caixotes de forma prismática, com dois cabos laterais,
feitos de madeira e carregados por 02 homens. Atualmente as padiolas são
adaptadas a estrutura de um carro de mão, com o objetivo de redução de
custos.
V=bxlxh
b ⇒ Comprimento
l ⇒ Largura
h ⇒ Altura
b x l ⇒ 30 a 50cm ⇒ adota-se 35x45cm
Dimensiona-se para um saco de cimento (25/50 Kg ou 22,5/45 l)
1a. Alternativa: o traço é fornecido em peso. Multiplica-se todo o traço
unitário por 25/50 Kg e transforma-se as massas da cal e do agregado em
volumes, após dimensionam-se as padiolas de cal e agregado.
2a. Alternativa: o traço é fornecido em volume. Multiplica-se o traço
por 22,5/45 l e calcula as padiolas de cal e agregado, para os respectivos
volumes.
Traço em peso Ex.: Dimensionar a padiola de areia e a quantidade de água, considerando a
areia seca, do traço abaixo:
1 : 4 : 0,56 (em massa)
Mareia = 1,48 g/cm³
Traço referido ao kg de cimento

Ex.: Dimensionar a padiola de areia, considerando a areia seca, do traço em


volume, relativa a um saco de cimento (45l)

1 : 3,81 : 0,79 em volume

Ex.: Dimensionar as padiolas de cal e areia de uma argamassa mista, para


um saco de cimento, cujo traço em peso é:
1 : 2 : 9 : 1,3 em massa
Dados:
Mucal = 0,55 g/cm³
Muareia = 1,48 g/cm³

QUADRO DE VARIAÇÃO NAS PROPRIEDADES DE UMA ARGAMASSA


COM A ALTERAÇÃO DA COMPOSIÇÃO RELATIVA DE CIMENTO E CAL
Propriedades ⇒Aumento na proporção de cal no
aglomerante
Resistência à compressão (E) Decresce ->
Resistência à tração (E) Decresce -> Propriedades
Capacidade de aderência (E) Decresce -> melhoradas
Durabilidade (E) Decresce -> com maior
Impermeabilidade (E) Decresce -> teor relativo
Resistência a altas Decresce -> de cimento
temperaturas. (E)
Resistências iniciai (F) Decresce ->
Retração na secagem inicial (F) Cresce ->
Retenção de água (F) Cresce ->
Plasticidade (F) Cresce -> Propriedades
Trabalhabilidade (F) Cresce -> Melhoradas
Resiliência (E) Cresce -> com maior
Módulo de elasticidade (E) Decresce -> teor relativo
Retração na secagem reversível Decresce -> de cal
(E)
Custo (E) Decresce ->
Obs: Estados: (E) Endurecimento; (F) Recém Fabricado

QUADRO DE VARIAÇÃO NAS PROPRIEDADES DE UMA ARGAMASSA


EM FUNÇÃO DO AGREGADO
PROPRIEDADES CARACTERÍSTICA DA AREIA
Quanto Quanto mais Quanto maior o
menor o
descontínua for teor de grãos
módulo de
a granulometria angulosos
finura
Trabalhabilidade Melhor Pior Pior
Retenção de água Melhor Variável Melhor
Elasticidade Pior Pior Pior
Retração na secagem Aumenta Aumenta Variável
Porosidade Variável Aumenta Variável
Aderência Pior Pior Pior
Resistência.
Variável Pior Variável
Mecânicas
Impermeabilidade Pior Pior Variável

Traços recomendados pelo SENAI


TRAÇO OBSERVAÇÕES
Assentamento de tijolos 1 : 4 de cal Areia média
Embôço interno 1 : 4 de cal
Embôço externo 1 : 4/12 mista Areia grossa
1 : 2,5 de
Chapisco
cimento
Reboco interno e externo 1 : 1 de cal Areia fina peneirada
Reboco interno e externo 1 : 2 de cal
Revestimento de pedra 1 : 3 de cimento Areia média
Pastilhas 1 : 3 de cimento Areia média peneirada
Azulejos 1: 5/8 mista
Enchimento dos
1 : 4/12 mista Areia grossa e média
engradados para estuque
Embôço para estuque 1 : 4/12 mista
Impermeabilização 1 : 3 de cimento Mais impermeabilizante
Inclusive cimentado
Ladrilhos hidráulicos 1 : 4/8 mista
áspero
Inclusive cimentado
Ladrilhos cerâmicos 1 : 5 de cimento
áspero e liso
Tacos de madeira 1 : 5 de cimento
(1) Embora esta recomendação seja do SENAI, não se julga adequada
utilizar a argamassa de reboco mais rica em aglomerante (no caso a cal).
Que a argamassa de emboço