Você está na página 1de 3
 
 

Cópia impressa pelo Sistema CENWIN

   

OUT 1997

NBR 13485

 

Manutenção de terceiro nível (vistoria) em extintores de incêndio

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas

     

Sede:

     

Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210 -3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço Telegráfico:

     

NORMATÉCNICA

     
 

Procedimento

   

Copyright © 1997, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/

Origem: Projeto de Emenda NBR 13485/1997 CB-24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio CE-24:302.03 - Comissão de Estudo de Extintores de Incêndio NBR 13485 - Maintenance of third level (survey) in fire extinguishers - Procedure Descriptors: Extinguishers. Fire Válida a partir de 01.12.1997 Incorpora Emenda nº 1/1997

Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Palavras-chave: Extintor. Extinção de incêndio. Incêndio

2 páginas

1 Objetivo

Esta Norma fixa as condições mínimas exigíveis para a manutenção de terceiro nível (vistoria) em extintores de in- cêndio.

2 Documentos complementares

Na aplicação desta Norma é necessário consultar:

NBR 7195 - Cor na segurança do trabalho - Procedi- mento

NBR 10721 - Extintores de incêndio com carga de pó químico - Especificação

NBR 11715 - Extintores de incêndio com carga d’água - Especificação

NBR 11716 - Extintores de incêndio com carga de gás carbônico - Especificação

NBR 11751 - Extintores de incêndio com carga para espuma mecânica - Especificação

NBR 11762 - Extintores de incêndio portáteis de hi- drocarbonetos halogenados - Especificação

NBR 12274 - Inspeção em cilindros de aço sem costura para gases - Procedimento

NBR 12962 - Inspeção, manutenção e recarga em extintores de incêndio - Especificação

3 Definições

Para os efeitos desta Norma são adotadas as defini- ções de 3.1 a 3.5.

3.1 Inspeção

Exame periódico efetuado por pessoal habilitado, que se realiza no extintor de incêndio com a finalidade de verificar se este permanece em condições origi- nais de operação.

3.2 Manutenção de terceiro nível (vistoria)

Processo de revisão total do extintor, incluindo a exe- cução de ensaios hidrostáticos.

3.3 Recarga

Reposição ou substituição da carga nominal do agen- te extintor ou expelente.

3.4 Componentes originais

Aqueles que formam o extintor como originalmente fabricado ou que são reconhecidos pelo fabricante do extintor.

3.5 Ensaio hidrostático

Aquele executado em alguns componentes do extin- tor de incêndio sujeitos à pressão permanente ou mo- mentânea, utilizando-se normalmente a água como fluido, que tem como principal objetivo avaliar a resis- tência do componente a pressões superiores à pres- são normal de carregamento ou pressão de trabalho do extintor.

2

Cópia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 13485/1997

4 Condições específicas

4.1 A manutenção de terceiro nível (vistoria) consiste em:

a) ensaio hidrostático do recipiente para o agente

extintor e do cilindro para o gás expelente, quando houver;

b) ensaio hidrostático da válvula de descarga e man-

gueira;

c) remoção da pintura existente e aplicação de novo

tratamento superficial do cilindro e componentes,

onde necessário (ver NBR 7195). A remoção da pin- tura existente deve preceder necessariamente ao ensaio hidrostático;

d) recarga do extintor de incêndio conforme especi-

ficado na NBR 12962.

4.2 Para a manutenção das condições de operação do

extintor de incêndio, devem ser utilizados componentes originais conforme definido em 3.4.

4.3 Ocorrendo qualquer situação divergente do previsto

em 4.2, o vistoriador fica impedido de executar a manu- tenção, devendo informar ao solicitante que o extintor de incêndio em questão deve ser posto fora de operação.

4.4 Todos os extintores de incêndio (ver NBR 10721, NBR 11715, NBR 11716, NBR 11751 e NBR 11762) devem ser vistoriados em um intervalo máximo de cinco anos, contados a partir de sua data de fabricação ou da última vistoria, ou quando apresentarem qualquer situação prevista a seguir:

a) corrosão no recipiente ou nas partes que possam

ser submetidas à pressão momentânea ou que este- jam submetidas à pressão permanente, ou nas partes externas contendo mecanismo ou sistemas de acio- namento mecânico;

b) ilegibilidade das gravações da data de fabricação

ou vistoria;

c) defeito no sistema de rodagem, na alça de trans-

porte ou acionamento, desde que estes constituam parte integrante de componentes sujeitos à pressão permanente ou momentânea;

d) existência de reparos na solda ou deformações

mecânicas em partes sujeitas à pressão permanente ou momentânea.

4.5 O recipiente do extintor a ser ensaiado deve ser iden-

tificado à punção, antes do ensaio hidrostático, da seguin- te forma:

a) ano de execução do ensaio hidrostático;

b) logotipo ou marca da empresa vistoriadora;

c) o termo VIST.

4.5.1 Para cilindro de alta pressão usado como recipiente

ou cilindro de gás expelente de extintores, o punciona- mento deve ser executado conforme a NBR 12274.

4.5.2 Para todos os extintores de incêndio, a identificação

da vistoria deve ser executada, sempre que possível, em partes integrantes do recipiente que não estejam subme-

tidas à pressão.

4.5.3 A remarcação das massas cheia e vazia do extintor

de dióxido de carbono (gás carbônico), ou cilindro de gás expelente, deve ser feita sobre a área própria do corpo da

válvula de descarga.

4.5.4 Extintores de incêndio e cilindros de gás expelente

que não possuam a identificação do fabricante ou que não estejam em conformidade com as normas vigentes ficam impedidos de ser vistoriados, devendo o extintor em ques- tão ser posto fora de uso e, com autorização do proprie- tário, ser destruído.

4.6 Executado o serviço, o extintor deve ser lacrado para

permitir identificar, posteriormente, se este foi violado.

4.7 O relatório de ensaio hidrostático deve ser de acordo

com 4.7.1 e 4.7.2.

4.7.1 0 relatório de ensaio hidrostático para recipientes de

baixa pressão deve conter no mínimo as seguintes infor-

mações:

a) data do ensaio e identificação do responsável técnico;

b) identificação do recipiente (número de série e massa do agente extintor);

c) marca e ano de fabricação ou da última vistoria;

d) pressão do ensaio;

e) aprovação ou motivo da reprovação.

4.7.2 O relatório de ensaio hidrostático para cilindros de

alta pressão deve atender ao especificado na NBR 12274.