Capítulo 16

– Tem po –

        Quando   recebi   uma   mensagem   de   Bella   na   metade   da   manhã   de   segunda   feira,   falando   nada   mais   do   que   um   curto   “não   vá   para   minha   casa   hoje”,   é   claro   que   minha   primeira   reação   foi   ligar   para   ela   de   volta,   mas   não   tive   resposta.   Pouco   depois  outra  mensagem  chegava.     “Estou  na  aula.”     “O  que  aconteceu?”  enviei  de  volta,  interrompendo  a  ronda  que  fazia  pelo  hospital,   me  encostando  em  um  dos  corredores  da  ala  infantil.     “Só  não  apareça,  por  favor.”     Mas   é   claro   que   eu   fui.   Às   três   e   meia   da   tarde   eu   batia   à   sua   porta,   tendo   aproveitado   a   saída   de   um   morador   para   entrar   no   edifício,   sem   precisar   tocar   o   interfone   para   o   apartamento   de   Bella.   Cheguei   a   pensar   que   ela   talvez   estivesse   chegando   naqueles   dias   de   novo,   apesar   de   ainda   não   estar   na   época,   ou   talvez   algo   tivesse  acontecido  na  escola,  mas  quando  Bella  abriu  a  porta,  logo  vi  que  o  problema   era  comigo.     —  Eu  lembro  de  ter  falado  para  você  não  vir  hoje  —  ela  reclamou,  mantendo  a  porta   bloqueada,   mas   eu   simplesmente   empurrei   a   porta   de   leve,   entrando   no   seu   apartamento.  —  O  que  eu  falo  não  importa  nada  para  você,  não  é?     —   O   que   aconteceu?   —   perguntei   calmo,   não   vendo   motivo   para   me   estressar   quando  sabia  que  não  eu  não  tinha  feito  nada.     Parecendo  tentar  se  controlar,  Bella  respirou  fundo,  esfregando  o  rosto  com  as  duas   mãos,   seu   pé   descalço   batendo   rapidamente   no   chão,   fazendo   a   saia   do   seu   uniforme   acompanhar   o   movimento.   Ainda   assim,   mesmo   depois   de   quase   um   minuto,  quando  Bella  falou  seu  tom  não  saiu  nada  calmo.     —  O  que  aconteceu,  Carlisle,  é  que  por  causa  daquela  viagem  idiota  que  você  insistiu   para  que  eu  fosse,  não  estudei  o  suficiente  para  a  prova  que  tive  na  terça  feira  e  tirei   “A-­‐”!   —   Bella   gritou   e   eu   não   ficaria   surpreso   se   ela   tentasse   me   bater,   tamanha   era   a   raiva   estampada   nos   seus   olhos.   —   “A-­‐”   em   Física!   Mais   um   pouco   e   eu   teria   perdido  minha  bolsa  de  estudos.  E  eu  sei  que  já  tinha  combinado  de  ir  para  a  praia   antes,   mas   só   decidi   isso   porque   você   me   convenceu   de   que   eu   precisava   de   um   tempo  para  descansar.    

—   Mas   você   precisa,   Bella   —   retruquei,   mantendo   o   tom   baixo,   tentando   provar   meu  ponto  de  vista,  mas  ela  não  me  deixou  continuar.     —   Não,   eu   não   preciso!   Eu   preciso   estudar!   Eu   preciso   manter   minha   bolsa   de   estudos  porque  não  tenho  dinheiro  para  jogar  no  lixo  como  você  tem,  Carlisle.  Sem   essa   bolsa,   eu   posso   dar   adeus   à   Yale.   —   Com   um   novo   suspiro,   Bella   se   afastou,   indo  até  a  cozinha  e  eu  a  segui  em  silêncio,  torcendo  para  que  ela  se  acalmasse  um   pouco,  mas  parecia  que  quanto  mais  ela  pensava,  piores  eram  suas  palavras.  —  Até   te   conhecer,   Carlisle,   eu   passava   minhas   tardes   estudando   e   minhas   noites   estudando   ainda   mais.   Agora   meu   tempo   se   ocupa   em   passar   a   tarde   com   você   satisfazendo  seus  desejos  e  a  noite  esperando  você  ligar,  porque  você  sempre  liga,   nem   que   seja   para   falar   alguma   porcaria,   nem   se   importando   com   o   que   eu   estou   fazendo.       —   Eu   sempre   pergunto   se   você   está   podendo   falar,   Bella   —   me   defendi,   porque   não   admitia  ser  acusado  de  algo  sem  qualquer  fundamento.     —   É,   mas   o   problema   é   que   eu   quero   falar   com   você,   mesmo   sabendo   que   tenho   muito   o   que   estudar.   Você   me   envolveu   de   tal   forma   nisso   tudo   que   eu   parei   de   pensar  no  que  mais  importa  para  mim.  Não  penso  mais  em  estudar  o  tempo  todo,   porque  quando  nós  não  estamos  juntos,  estou  pensando  em  você.  E  eu  não  posso   fazer  isso!  Eu  não  posso  continuar  dessa  forma!     Aquelas   palavras   me   desesperam   de   tal   forma   que   o   fôlego   faltou   e   eu   senti   meu   peito  doendo.       —  Bella,  o  que  você–     —   Sai   daqui,   Carlisle.   Por   favor,   vá   embora   —   ela   pediu,   evitando   meu   olhar   e   se   afastou  quando  tentei  me  aproximar.  —  Eu  preciso  estudar.     —  Me  deixa  ficar.  Nós  temos  que  conversar.     —   Eu   não   quero   conversar!   —   ela   me   cortou,   se   afastando   ainda   mais.   —   Porque   você   não   quer   só   conversar,   Carlisle.   Você   nunca   quer   só   conversar.   Está   sempre   dando   um   jeito   de   tirar   a   minha   roupa   e   me...   e   me...   me   foder!   Não   é   assim   que   você  gosta  de  falar?     —  Pequena–     —   Não   me   chama   de   pequena!   —   ela   gritou   mais   uma   vez,   levando   as   mãos   aos   cabelos  em  frustração.  —  Você  disse  que  não  é  só  para  isso  que  eu  sirvo,  mas  ontem   não   perdeu   tempo   em   tirar   a   minha   roupa   na   sua   casa,   nem   se   importando   se   eu   queria   ou   não.   Nem   se   importando   com   o   fato   de   que   eu   estava   te   odiando   naquele   instante,  apesar  de  ser  idiotice  minha.  Mas  ver  você  beijando  sua  esposa  na  minha   frente   me   magoou,   Carlisle.   Mas   você   não   se   importa   com   o   que   eu   sinto,   não   é?  

Porque   eu   sou   apenas   a   sua   amante   que   só   precisa   estar   disponível   quando   você   precisar  e  que  se  dane  o  resto.     —   Você   sabe   que   não   é   assim,   Bella   —   falei   apressado,   agora   me   sentindo   ainda   mais  desesperado  com  tudo  aquilo.  Porque  eu  tinha  mesmo  percebido  que  ela  ficara   mal   por   me   ver   beijando   Esme,   mas   deixara   o   desejo   falar   mais   alto   e   esquecera   completamente  de  conversar  a  respeito.  —  Eu  não–     —   Vá   embora!   —   ela   gritou,   me   interrompendo   mais   uma   vez.   —   Por   favor,   vá   embora,  Carlisle.  É  só  o  que  eu  te  peço.     —  Mas,  Bella–     —  Sai  daqui!     Aquele  seu  novo  grito  talvez  não  tivesse  me  feito  recuar,  se  não  fosse  pelo  fato  dos   seus   olhos   encontrarem   os   meus   no   mesmo   instante   e   eu   ter   visto   que   ela   estava   prestes  a  chorar.     Isso   e   o   pensamento   de   que   talvez   ela   precisasse   de   um   tempo   para   se   acalmar   e   poder  me  ouvir,  foi  o  me  fez  sair,  deixando-­‐a  sozinha,  mas  não  sem  antes  perceber   que  Bella  não  estava  usando  a  pulseira  que  lhe  dei.     Enquanto   saía   do   apartamento   várias   coisas   passavam   pela   minha   cabeça.   Uma   delas  e  talvez  a  mais  estúpida,  era  o  fato  de  que  Bella  tinha  brigado  comigo  por  ter   tirado  um  “A-­‐”.  Essa  nota,  até  onde  eu  lembrava,  era  considerada  muito  boa,  mesmo   para   alguém   que   estudasse   com   bolsa.   Tudo   bem   que   ela   não   poderia   tirar   notas   baixas,   mas   até   onde   eu   sabia,   nota   baixa   era   algo   em   torno   de   “C”.   E   disso   Bella   estava  bem  longe.     Mas   eu   sabia   que   esse   não   tinha   sido   o   real   motivo   da   briga.   Tinha   sido,   provavelmente,  apenas  o  estopim.       De  fato  eu  tinha  agido  da  forma  mais  errada  possível  nesse  final  de  semana.  Não  só   gritara  com  ela,  acusando-­‐a  de  tentar  destruir  meu  casamento,  como  praticamente   esfregara   na   sua   cara   o   meu   relacionamento   com   Esme   e   depois   me   comportara   como   uma   pessoa   sem   coração   algum,   praticamente   arrastando   Bella   para   transar   dentro  da  mesma  casa  que  eu  transava  com  a  minha  esposa.       Talvez  eu  estivesse  querendo  arrumar  uma  desculpa  ao  pensar  que  só  fizera  aquilo   naquele  final  de  semana  por  não  ter  conseguido  lidar  bem  com  o  fato  de  que  Bella   estava  debaixo  do  mesmo  teto  que  eu.  Mas  não  apenas  uma  vez  eu  tinha  dito  que   não  estava  com  ela  apenas  pelo  sexo.  E  então  contrariara  todas  as  minhas  palavras,   agindo  daquela  forma.     Eu  queria  voltar  e  pedir  desculpas  pelo  meu  comportamento,  mas  sabia  que  aquilo   não   adiantaria   agora.   Bella   estava   chateada   demais   para   ouvir   um   “sinto   muito”.   Ela  

precisava   de   tempo   e   eu   sabia   disso.   Então,   mesmo   querendo   mais   que   tudo   ficar   logo   bem   com   ela,   eu   lhe   dei   esse   tempo.   Não   liguei   aquela   noite,   nem   no   dia   seguinte.   O   problema   é   que   isso   poderia   até   fazer   bem   para   ela,   mas   para   mim...   Posso   apenas   dizer   que   minha   completa   ausência   de   bom   humor   foi   notada   por   todos,   seja   na   minha   casa   ou   no   trabalho.   A   primeira   a   perceber,   talvez   da   pior   forma  possível,  foi  Esme.     Na  segunda  feira  mesmo,  quando  cheguei  do  trabalho,  ela  ainda  não  havia  chegado.   Apenas   quando   já   estava   saindo   do   banho   depois   de   jantar,   ainda   enrolado   na   toalha,  a  vi  entrando  no  quarto  carregada  com  sacolas.  Um  comentário  irônico  logo   surgiu   na   minha   mente   e   eu   não   estava   concentrado   o   suficiente   para   filtrar   qualquer  coisa  inútil  que  ameaçasse  sair  da  minha  boca.     —  Tempo  para  jantar  em  casa  você  não  tem,  mas  para  comprar  mais  porcarias,  isso   nunca  falta,  não  é?     Ela  estancou  no  meio  do  quarto,  me  encarando  com  o  cenho  franzido.     —  Oi  para  você  também,  Carlisle  —  ela  falou  com  ironia,  antes  de  andar  até  a  cama,   colocando   as   sacolas   em   cima.   —   E   isso   não   é   porcaria   nenhuma.   Tenho   outra   reunião  com  o  diretor  nacional  amanhã  e  preciso  causar  boa  impressão.     —  Apenas  se  certifique  de  que  a  saia  é  curta  o  bastante  e  cruze  as  pernas  da  forma   certa.  Sem  dúvida  ele  ficará  impressionado.     Mais   uma   vez   ela   se   interrompeu   no   meio   de   um   movimento,   parando   com   um   blazer  cinza  nas  mãos  e  então  meneou  a  cabeça,  desviando  o  olhar  do  meu.     —   Seja   lá   o   que   quer   que   tenha   te   deixado   idiota   desse   jeito,   tenho   certeza   que   não   foi  minha  culpa.  Então  não  desconte  em  mim,  está  bem?     Sabia   que   ela   estava   certa,   então   não   falei   nada,   indo   me   trocar   em   silêncio   no   closet.  Mais  tarde,  quando  ela  saiu  do  banho,  fingi  que  estava  dormindo.     No  dia  seguinte,  ao  final  da  tarde,  acabei  gritando  com  minha  secretária,  apenas  por   ela   ter   escrito   o   nome   de   um   medicamento   errado,   me   fazendo   ligar   para   o   laboratório  errado  em  consequência.  À  noite,  cheguei  a  pegar  o  celular  e  digitar  uma   mensagem  para  Bella,  não  pedindo  desculpas,  porque  aquilo  não  era  algo  que  queria   fazer   por   mensagens,   mas   ao   menos   para   saber   se   ela   já   estava   disposta   a   falar   comigo,  mas  deletei  o  texto  antes  mesmo  de  enviar.  Fiquei  mais  de  uma  hora  ali  no   escritório   apenas   olhando   a   única   foto   que   tinha   de   Bella.   Aquela   em   que   ela   segurava   o   peixe   ainda   preso   ao   anzol,   com   uma   expressão   que   era   um   misto   de   medo   pelo   animal   que   não   parava   de   se   debater   e   orgulho   por   ter   conseguido   pegá-­‐ lo.      

Quando  cheguei  no  quarto  já  bem  tarde  e  Esme  veio  tentar  me  abraçar,  apenas  falei   que  estava  com  muita  dor  de  cabeça  e  virei  para  o  lado,  fingido  pegar  no  sono  em   pouco  tempo.     Mas  na  quarta  à  noite,  tentei  falar  com  Bella.  Liguei  para  o  seu  celular  uma  vez,  duas   vezes,   três.   Em   nenhuma   delas   Bella   atendeu.   E   quando   liguei   a   quarta   vez   e   caiu   na   caixa  postal,  percebi  que  ela  ainda  não  estava  querendo  falar  comigo.     Com  o  passar  dos  dias,  no  entanto,  meu  humor  só  piorava.  Esme  desistiu  de  tentar   transar   lá   pela   quinta   feira,   quando   apenas   falei   que   não   queria   sem   me   dar   ao   trabalho  de  inventar  qualquer  desculpa.       E   eu   continuei   tentando   falar   com   Bella,   mas   ela   continuava   me   ignorando,   seja   desligando  o  celular  novamente  ou  apenas  não  atendendo  ou  respondendo  minhas   mensagens.   Sim,   porque   eu   desisti   de   esperar   o   tempo   que   ela   talvez   ainda   precisasse,  porque  naquele  momento  eu  só  precisava  falar  com  ela.  Perdi  a  conta  de   quantas   mensagens   enviei,   seja   pedindo   desculpas   ou   apenas   pedindo   para   falar   com   ela.   E   acho   que   até   chegar   o   final   de   semana   já   tinha   deixado   cerca   de   dez   recados   no   seu   correio   de   voz.   Só   o   que   me   fez   parar   foi   perceber   que   estava   passando   dos   limites   com   aquela   perseguição.   A   essa   altura   Bella   já   sabia   que   eu   queria  falar  com  ela.  Claro  que  não  ia  esperar  que  ela  viesse  até  mim,  mas  lhe  daria   apenas   mais   algum   tempo,   ao   menos   para   ela   não   achar   que   eu   era   um   tipo   de   maníaco  perseguidor.  Já  bastava  ela  pensar  que  eu  era  um  viciado  em  sexo.     Mas  é  claro  que  não  falar  com  ela  não  significava  que  eu  tivesse  conseguido  parar  de   pensar   nela.   Tanto   que   quando   passei   perto   da   porta   que   levava   à   piscina   na   manhã   de  sábado,  mesmo  estando  longe,  consegui  captar  um  som  que  parecia  muito  com  o   seu   nome.   Podia   ser   loucura   da   minha   cabeça,   mas   resolvi   me   aproximar,   encontrando   Edward   e   Emmett   sentados   em   uma   das   mesas   debaixo   de   um   guarda-­‐ sol,   cada   um   com   seu   laptop   aberto.   E   não   sei   se   deveria   ficar   animado   ou   desesperado,  mas  eles  estavam  mesmo  falando  de  Bella.  O  que  me  animaria  era  o   fato   de   finalmente   ter   alguma   notícia   sua,   mesmo   que   através   dos   meus   filhos.   O   que  me  deixou  desesperado,  no  entanto,  foi  entender  do  que  eles  estavam  falando.     —  Sério,  cara.  Se  não  fosse  pela  Rose,  eu  pegaria  —  Emmett  falava,  seu  olhar  fixo  na   tela  à  sua  frente.     —   Não   sei.   Talvez   se   Bella   fosse   um   pouco   mais   divertida.   Mas   eu   tenho   que   admitir   que  ela  ficou  muito  gostosa.     —  Muito!  —  Emmett  concordou,  abrindo  um  sorriso  enorme.  —  Quem  diria  que  por   trás  daquela  pose  de  intelectual  teria  um  corpão  desse.     Minhas   pernas   moveram-­‐se   de   forma   automática,   me   arrastando   até   onde   eles   estavam   e   parei   atrás   de   Edward,   vendo   que   ele   estava   com   o   facebook   aberto   num   álbum  intitulado  “18  Anos  de  Alice  Brandon”.      

Sabia   que   essa   festa   tinha   acontecido   na   quinta   feira,   de   tanto   que   ouvira   os   meninos  comentando  dentro  de  casa  e  lembrava  também  que  Bella  tinha  dito  que   Alice   a   convidara.   Mas   jamais   me   passara   pela   cabeça   que   ela   iria   de   fato,   logo   naquela  semana  que  ela  disse  que  precisava  tanto  estudar.  Precisava  tanto  a  ponto   de  me  expulsar  da  sua  casa.  E  isso  deveria  ter  me  deixado  irritado  a  ponto  de  ligar   para   ela   mais   uma   vez,   mas   ao   ver   Edward   passando   as   fotos   uma   a   uma,   a   raiva   foi   sendo  substituída  por  outra  coisa.       Bella   estava   linda,   para   se   dizer   o   mínimo.   Deslumbrante,   na   verdade.   E   vê-­‐la   ali   naquelas   fotos,   sorridente   e   arrebatadora   naquele   vestido   justo,   me   deixou   com   um   misto  de  saudade,  tesão  e  ciúmes.  

—  Olha  essas  pernas,  cara!  —  Edward  falou  de  repente,  me  sobressaltando.     —  E  essa  bunda!  —  Emmett  concordou  de  pronto.  —  Imagina  isso  de  quatro.     —   Cale   a   boca,   Emmett!   —   gritei   de   repente,   assustando   meus   dois   filhos   que   olharam  para  mim  alarmados.       —  Que  foi?     Sabia   que   minha   reprimenda   não   tinha   justificativa   nenhuma   à   vista   deles,   mas   como  eu  poderia  ouvir  meu  filho  imaginando  a  minha  pequena  naquela  posição  sem   falar  nada?  Ainda  assim,  tentei  remediar  a  situação.     —  Isso...  Isso  não  é  coisa  que  se  fale  de  uma  amiga  da  escola.     Os  dois  ainda  me  encararam  por  um  tempo  sem  falar  nada  e  então  explodiram  em   gargalhadas,   zombando   do   que   eles   chamaram   de   “comportamento   antiquado”,   logo  passando  a  me  ignorar.    

—  Agora  imagina  ela  com  mais...  —  Edward  falou,  fazendo  um  gesto  de  com  as  mãos   em  forma  de  conchas  em  frente  ao  peito,  como  se  tivesse  apertando  seios  invisíveis.     —  Bem  mais.  Algo  entre...     Mas   eu   não   fiquei   ali   para   ouvir   que   tipo   de   seios   fartos   eles   achavam   ideal.   Não   podia  ouvir  aquela  conversa  baixa  e  agir  com  naturalidade.  O  fato  de  não  poder  falar   nada   era   algo   que   estava   me   corroendo   por   dentro,   me   deixando   com   tanta   raiva   dos  meus  filhos  que  tinha  vontade  de  bater  nos  dois.  Mas  ao  invés  de  falar  qualquer   coisa   que   pudesse   deixá-­‐los   com   suspeitas,   ou   bater   neles,   simplesmente   fui   até   o   modem   da   internet   e   o   desliguei.   Não   levou   nem   dez   segundos   e   ouvia   os   dois   gritando  lá  de  fora,  perguntando  o  que  tinha  acontecido.       Não  sei  se  por  ter  ficado  com  raiva  de  Bella  por  ter  ido  àquela  festa  com  aquele  traje,   dando  margem  a  comentários  como  os  dos  meus  filhos,  ou  por  ter  ficado  ainda  mais   louco   de   tesão   pelo   mesmo   motivo   —   convenhamos,   aquele   vestido   era   curto   e   justo  demais  para  minha  sanidade  —,  mas  quando  Esme  deitou  ao  meu  lado  aquela   noite,   eu   tentei   transar   com   ela.   Destacando   bem   o   “tentei”.   Estava   tudo   bem   apenas  até  ela  gemer.  Isso  porque,  enquanto  estava  com  ela  ali,  primeiro  sentindo-­‐a   me  chupar  e  depois  tentando  retribuir,  em  todo  momento  imaginava  que  era  Bella   comigo.  Bloquear  a  visão  era  fácil,  mas  seria  impossível  deixar  de  ouvir  os  gemidos   de  Esme.  Os  gemidos  errados.  Então  tudo  que  fiz,  já  completamente  broxado,  foi  me   deixar  tombar  ao  seu  lado,  murmurando  um  “desculpe,  mas  não  consigo”.       —   O   que   aconteceu?   —   ela   perguntou   atenciosa,   acariciando   meus   cabelos   enquanto  eu  continuava  com  o  rosto  enterrado  no  travesseiro,  deitado  de  bruços.     —  Não  estou  conseguindo  me  concentrar.  Sinto  muito  —  falei,  girando  o  rosto  para   poder  encará-­‐la.     —  Algum  problema  no  trabalho?  —  Apenas  assenti,  mentindo,  mas  ao  menos  aquela   era  uma  explicação  fácil.  Uma  mentira  fácil.  —  Quer  conversar?     Mais   uma   vez   não   respondi,   apenas   meneando   a   cabeça   em   negativa   e   ela   entortou   um   pouco   os   lábios,   provavelmente   pensando   em   insistir   no   assunto,   mas   depois   resolveu  deixar  aquilo  para  lá,  beijando  minha  testa  antes  de  se  acomodar  melhor  na   cama,  pronta  para  dormir.     Naquela   noite   eu   sonhei   com   Bella.   Sonhei   com   ela   usando   aquele   mesmo   vestido   idiota,  mas  no  sonho  ela  dançava  apenas  para  mim,  como  tinha  feito  na  sala  da  sua   casa.   E   é   claro   que   eu   acordei   na   manhã   de   domingo   como   uma   ereção   vergonhosa.   Por  sorte  Esme  ainda  estava  dormindo  quando  saí  do  banheiro  depois  de  bater  uma,   antes  de  sair  para  correr,  apenas  por  querer  evitar  qualquer  pessoa  naquele  dia.     ~~~~~    

Sabia   que   era   idiotice   minha   ligar   para   Bella   no   estado   em   que   estava,   bêbado   a   ponto  de  ter  que  voltar  de  táxi  para  casa,  mas  foi  impossível  controlar  meus  dedos   que   discaram   seu   número   sem   que   eu   pudesse   controlar.   Se   o   motorista   do   táxi   achou  estranho  o  que  eu  falava  para  ela,  ele  nada  comentou.     —   O   que   deu   em   você   para   vestir   aquela   roupa,   Bella?   Não   viu   que   o   vestido   estava   curto   demais?   Como   sua   mãe   deixou   você   sair   de   casa   daquele   jeito?   Você   queria   que  os  homens  ficassem  caindo  aos  seus  pés,  não  era?  Tenho  certeza  que  era  isso.   Porque   é   isso   que   você   gosta.   Você   gosta   de   deixar   os   homens   completamente   loucos,   para   depois   dar   uma   patada   e   jogá-­‐los   no   lixo.   Você   tem   noção   do   que   meus   filhos   falaram   das   suas   fotos?   Nunca   senti   tanta   vontade   de   bater   neles   como   naquele   dia.   Mas   por   que   eu   estou   te   falando   essas   coisas?   Você   nem   se   importa   comigo,   não   é?   Não   atende   mais   minhas   ligações,   não   responde   minhas   mensagens.   Esqueceu  que  eu  existo,  Bella?  Mas  eu  não  esqueci  que  você  existe.  Acho  que  nunca   vou  ser  capaz  de  te  esquecer.  E  sim,  antes  que  você  se  pergunte,  eu  estou  um  pouco   bêbado.   Minha   voz   está   coerente?   Espero   que   sim.   Quanto   tempo   eu   tenho   para   falar  aqui?  Será  que  eu  ainda–     Soltei  um  suspiro  exasperado  e  apertei  o  botão  para  discar  seu  número  novamente,   esperando  até  cair  na  caixa  postal  de  novo.     —   Acabei   de   descobrir   quanto   tempo   ainda   tinha   —   murmurei   para   o   telefone,   minha   cabeça   repousada   no   encosto   do   banco   traseiro,   encarando   o   teto   do   carro   que  cheirava  a  alguma  comida  apimentada.  —  O  que  eu  estava  falando  mesmo?  —   Tentei  pensar  um  pouco,  mas  não  conseguia  lembrar.  —  Deixa  isso  para  lá.  Acabei   de  sair  de  um  bar,  coisa  que  não  fazia  há  muito  tempo.  Encontrei  uma  mulher  lá  que   me   lembrou   você.   Quer   dizer,   ela   tinha   cabelos   castanhos   e   olhos   castanhos,   mas   acho  que  era  só  isso.  Passou  a  noite  dando  em  cima  de  mim,  mas  eu  não  consegui   dizer  sim  para  ela,  pequena.  Porque  eu  não  queria  transar  com  ela.  Não  é  só  isso  que   eu  quero.  Não  é  só  um  caso  fora  do  casamento  que  eu  quero.  Eu  quero  você.  Sinto   tanto   a   sua   falta,   pequena.   Você   não   faz   ideia.   Por   favor,   fala   comigo.   Vamos   conversar.  É  só  isso  que  eu  te  peço.  Por  favor.  Sexta  eu  vou  na  sua  casa,  está  bem?   Nós  precisamos  conversar.  Por  favor,  esteja  lá.  E  me  deixe  entrar.  Por  favor,  peque–     Mais  uma  vez  o  apito  avisando  o  final  do  tempo  soou  e  eu  quase  joguei  o  telefone   pela   janela.   Mas   o   recado   havia   sido   dado.   Eu   só   esperava   que   Bella   não   ficasse   muito   chateada   comigo   por   ligar   às   duas   da   manhã   em   plena   madrugada   de   terça   feira.        

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful