. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Adição de Vetores: O Método Cabeça Para Cauda . . . . . . . . . . . . . xi Prólogo A Física tira você do sério? . . . . . . . . . . . . . . . Quantidades Escalares x Quantidades Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 15 20 23 30 33 37 37 38 38 39 39 40 41 42 43 2 Força e Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . Multiplicação de Vetoriais por Escalares . . . . . . . . . . . . . A Composição e Decomposição de Forças . . . . . . 13 Lei da Ação e Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Diferença Entre Dois Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aceleração . . . . . . Movimento simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como Desenhar um Diagrama de Corpo Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Equilíbrio e Forças Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lei de Aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Sumário Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Primeira Lei do Movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As Três Leis do Movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como funciona a Lei de Ação e Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Equilíbrio x Lei da Ação e Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Força Gravitacional e da Lei da Ação e Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 1 Lei da Ação e Reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Segunda Lei do Movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aceleração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Velocidade e Aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vetores Negativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fundamentos dos Vetores . . . . . . . . 46 46 50 53 58 58 66 73 75 85 86 87 90 90 90 . . . . . . . . . . . As Três Regras do Movimento Acelerado Uniforme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como Expressar Terceira Lei de Newton com uma Equação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leis de Newton: Primeira e Segunda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laboratório: Como Descobrir o Exato Valor de Uma Força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As Três Leis do Movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Movimento de uma bola arremessada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Orientação de Velocidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laboratório: Como Descobrir a Distância Percorrida Quando a Velocidade Varia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lei da Inércia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gravidade e Gravitação Universal . . . . . . . . . . . . . Equilíbrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mudança Em Momento Linear e Impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laboratório: O Espaço Sideral e a Conservação do Momento Linear . . . . . Laboratório: Qual a Diferença entre Momento Linear e Energia cinética? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 Como Medir Massa e Força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Terceira Lei de Newton e a Conservação do Momento Linear . . . . . . . . Laboratório: Diferença no Momento Linear Devido a Diferença na Massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Conservação da Energia Mecânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Distância de Frenagem e Velocidade . . . . . . Energia potencial . . . . . . . . . . . . . . A Propulsão de Um Foguete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 3 Momento Linear . . . . . Laboratório: Como Descobrir o Momento Linear de Um Saque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lei da Conservação do Momento Linear Para Vetores . . . . . . A Transformação da Energia . . . . . . . . . . . . . . Redução de Impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Como Entender o Movimento Parabólico . . . . . . . . Colisão Elástica e Inelástica . . . . . . . . . . . . Experiências de Impulso do Mundo Real . . . . . . . . . . . . . . . . 151 Trabalho e energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Momento Linear e Impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Trabalho e Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Melhorando o Saque de Megumi . . . . . . Como Derivar a Lei da Conservação do Momento Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lei da Ação e Reação x Lei de Conservação do Momento Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conservação da Energia Mecânica . . . Laboratório: A Relação Entre Trabalho e Energia Cinética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Como Usar a Área de Um Gráfico V-T Para Descobrir a Distância Percorrida Por um Objeto . . . . Impulso e Momento Linear em Nossas Vidas . . . . Trabalho e Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . 104 106 109 111 117 120 120 126 129 129 133 139 140 141 143 144 144 146 147 4 Energia . . . . . . . . . .O Objeto Não Tem Força Própria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Como Usar o Cálculo Para Descobrir Aceleração e Velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 Momento Linear e Impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laboratório: O Trabalho e A Conservação da Energia . . . . . . . . . . . . . Unidades Para Momento Linear . . . . . . 93 Como Determinar Peso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Conservação do Momento Linear . . . 92 A Unidade de Força . . . . . . . . . Como Entender o Momento Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O que é Energia? . . . . . . . . . . . . . 152 153 162 164 169 172 175 178 180 184 184 187 viii sumário . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As Molas e A Conservação da Energia . . . . . . . . . A Orientação da Força e do Trabalho . . . . . . . . . . Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Unidades de Medição de Energia . . 191 194 195 200 201 202 203 204 205 207 207 208 210 Epilogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Atrito em Uma Ladeira . . . . . . . . . . . . . . . . . A Força Não Conservadora e a Lei da Conservação da Energia . . Atrito: Uma Força Não Conservadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como Descobrir a Velocidade e a Altura de Uma Bola Arremessada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laboratório: A Conservação da Energia Mecânica em um Ladeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . Velocidade Para Arremessar Para Cima e Altura Atingida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Laboratório: A Lei da Conservação da Energia Mecânica em Ação . . . . . . . . Como Descobrir Uma Quantidade de Trabalho Com Força Não Uniforme (Unidimensional) . . 229 sumário ix . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225 Índice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Colisão de Moedas e A Conservação da Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215 Apêndice Como Entender as Unidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A força da bola empurrando a raquete é maior que a força da raquete empurrando a bola. C. Essa não. A. O que é maior. a força da bola empurrando a raquete ou a força da raquete empurrando a bola? Selecione a resposta correta. B. Por quê? . A relação entre a força da bola empurrando a raquete e a força da raquete empurrando a bola depende do peso da raquete e da velocidade da bola. então. qual foi a sua resposta para a Questão 9? Estamos comparando as respostas... Eu escolhi a C. 9) Suponha que você esteja rebatendo uma bola com uma raquete de tênis. D. A força da raquete empurrando a bola é maior que a força da bola empurrando a raquete. Eu MARQUEI A. A força da bola empurrando a raquete é a mesma que a força da raquete empurrando a bola..Horas antes.. Como foram na prova de Física? Bem.

. Bem. deixe-me ver. tinha uma bola PERTO DE MIM.. A Física tira você do sério? 9 . e tentei atirá-la no cesto.. Bem. Bem. Por que você.. pois ganhou a medalha de prata na Olimpíada Internacional de Física.. Acho que você tem razão Mas não tenho coordenação nenhuma..Ele é muito conhecido na escola. é que... Teria sido melhor se você apenas a entregasse como uma pessoa normal. Pensei que poderia ajudar.

mesmo se eu não quiser empurrar você para trás. 18 Capítulo 1 Lei da Ação e Reação Então eu não posso mover você sem mover a mim mesmo. É mesmo? Quando você tenta usar a força em mim. Ninomiya-san. Porém e sempre que um de nós aplica a força ao outro. nós dois vamos nos mover para trás novamente. Shazam! Rá.Vamos tentar o caminho oposto Se eu empurrar. . o outro vai receber a mesma força na direção oposta. A força será aplicada ao seu corpo.

Tudo bem. Ao considerar o equilíbrio. Força da mão Força da mão Força da gravidade (peso) Força da bola (peso) Equilíbrio Lei da Ação e Reação Equilíbrio x Lei da Ação e Reação 23 . Para a Lei da Ação e Reação. o foco é apenas sobre a força aplicada à bola. porém.Equilíbrio x Lei da Ação e Reação Agora vamos pensar sobre a diferença entre o Equilíbrio e a Lei da Ação e Reação. você precisa considerar tanto a bola como a mão. vou comparar ambos usando duas bolas. Upa Para ficar mais fácil de ver.

como | |. Por outro lado. Fundamentos dos Vetores Um vetor é representado por uma seta. a força é um valor com uma direção. A quantidade com uma direção é chamada de vetor.Uma quantidade com magnitude mas sem direção é referida como quantidade escalar. a a+b b b+a b a A soma de dois vetores (  + b ) é mostrada ao se juntar a ponta do vetor  com o a a   início do vetor b . Talvez você esqueça os termos vetorial e escalar. mas deve ter em mente que existem dois tipos de valores em Física: aqueles só com magnitude e aqueles com magnitude e direção.Quantidades Escalares x Quantidades Vetoriais A Física envolve a medição e a previsão de várias quantidades (ou valores físicos) como força. pois possuem direção. que vamos aprender no Capítulo 4. A velocidade e a aceleração (que são introduzidos no Capítulo 2) e o momento (discutido no Capítulo 3) também são quantidades vetoriais. e velocidade. massa. Dois vetores com a mesma magnitude e direção são equivalentes um ao outro. ou direção. como mostra a  Quantidades Escalares x Quantidades Vetoriais 37 . também são quantidades escalares. Esses valores podem ser classificados como aqueles que só têm magnitude e os que têm ao mesmo tempo magnitude e direção. ou simplesmente a como a. Observe também que a magnitude de um vetor (representada pelo comprimento da seta) pode ser anotada com símbolos de valores absolutos. Orientação a Magnitude | a | Um vetor é equivalentes depois de um movimento paralelo. O comprimento da seta representa a magnitude do vetor. mesmo que não tenham a mesma origem. A massa é uma quantidade escalar. A energia e o trabalho. e depois estendendo a linha do início de  até a ponta de b . Você pode perceber isso pelo fato de que o movimento de um objeto muda se você aplicar a força de uma direção diferente. e a ponta representa sua orientação.

já aprendemos que a distância percorrida pode ser encontrada pelo cálculo da expressão (velocidade × tempo).25 m/s.Laboratório Como Descobrir a Distância Percorrida Quando a Velocidade Varia Vamos mudar o ajuste de modo a aumentar gradualmente a velocidade até 0. 0. que distância o carro de controle remoto percorreu? Hum. Aqui existe um teste para você.25 m/s × 4 s = 1 m! Isso mesmo! Você é muito esperta. Considerando que velocidade atingiu 0..5 m/s em quatro segundos.5 m/s. Então vou calcular.. Quando velocidade é constante. temos 0. assumindo a velocidade média.5 m/s. Antes de lhe dar uma resposta direta. e teve o pico de velocidade de 0. pela velocidade. isso é bem verdade.. dado que d m (metros) representa a distância percorrida em t s (segundos) e a velocidade constante é v m/s. Nonomura-kun. me ensinar é o seu trabalho! Rá rá. vou explicar como podemos descobrir a distância percorrida quando a velocidade varia. Lembre-se.Começou com 0 m/s. Agora. então distância = velocidade × tempo pode ser expressa pela seguinte equação: d = vt Com certeza! Como Descobrir a Distância Percorrida Quando a Velocidade Varia 53 . Mas você pode explicar por que você obteve a resposta certa com esse cálculo? Hum.

o objeto permanece estacionário. Acho que você pode estar certo.* Claro que sim! Tem sempre várias coisas suspensas no ar. no espaço sideral. por exemplo. essa não! Pense. tornando zero seu peso aparente.. Mas é possível um objeto estar em movimento mesmo que as forças estejam zeradas. a soma das forças é zero.. os objetos estão em um estado constante de queda livre. quando forças são aplicadas. . * Na órbita.Se. Certo. um objeto que começou a se mover viaja em linha reta para a frente em velocidade relativa constante. Pou Pou Espaço sideral? Você nunca viu filmes do interior de um ônibus espacial? No assim chamado estado sem peso.

elas devem ser iguais: Se F 1 = m 1a1 e F2 = m2a2. medindo Massa e Força 93 . a ideia de que a massa inercial e a massa gravitacional são a mesma. podemos expressar que relação assim: m 1a1 = m2a2 Como estamos tentando resolver para m2. nós precisamos de um m1 m2 objeto com massa conhecida (vamos chamá-lo de objeto de referência e anotar como m1 em nosso a1 diagrama). então vamos considerar suas magnitudes isoladas. é chamada de massa gravitacional. vamos arranjar um objeto m1 = m2 a2 cuja massa nós queremos medir (vamos chamá-lo de objeto de medição e anotar como m2 em nosso Massa inercial diagrama). vamos rearranjar essa equação assim: m 1a1 m2 = — a2 É claro que essas acelerações realmente estão em direções contrárias. Nosso entendimento dessa relação vem de Einstein. A massa inercial pode ser medida pela combinação da segunda lei de Newton com a lei da 1 2 ação e reação. Embora experiências tenham mostrado que a massa gravitacional é a mesma que a massa inercial. A massa que é medida com base na gravidade. Nessa colisão. Em seguida. A massa calculada pela segunda lei de Newton (massa a2 a1 = força / aceleração) é referida como massa inercial. que fundamentou a relatividade geral no princípio da equivalência. Se tiver essas medidas. devido à lei da ação e reação. Primeiro. que leva em conta o fato de que a força da gravidade Peso que age sobre um objeto (isto é. Nesse momento. não existem forças externas agindo sobre os objetos. você pode descobrir a massa inercial do objeto de medição. nosso objeto de medição. seu peso) é proporcional à sua massa. esta massa não tem relação direta com a gravidade. A aceleração de um objeto pode ser encontrada pela medição da distância que o objeto viaja e pelo tempo que leva para percorrer essa distância. Isto é. m2 Todavia. Essa ainda é uma área de pesquisa ativa. sabemos que F 1 = F2. as leis de Newton não dizem que esse deve ser o caso.medindo Massa e Força Como podemos determinar a massa de um objeto? A massa pode ser medida com uma balança. Portanto. a massa que é calculada usando a Massa gravitacional segunda lei de Newton representa a medição da resistência de um objeto contra a aceleração. as forças do objeto de referência e do objeto de medição que agem umas sobre as outras estão sujeitas à lei da ação e reação. e o objeto de referência de modo que suas forças ajam umas sobre as outras por meio de uma colisão.

Vamos examinar o cenário em termos mais específicos. .Você ainda está me acompanhando.. estou ouvindo. Claro.. Diga. e o tempo do contato entre a raquete e bola é t. Vamos dizer que a massa da bola é m . a velocidade da bola antes da raquete rebater é v 1.. Força da raquete: F momento depois da batida: mv 1 Tempo de contato: t Antes da batida INSTANTE da batida Depois da batida Vamos imaginar o MOMENTO da bola antes e depois dela bater na raquete. MOMENTO da bola.. Ninomiya-san? Hhhhhaaaaaa! Hhhhaaaaaaa! A multidão vai à loucura! O que foi? Sim. e a velocidade depois da batida é v 2 . Pou! A i i i! MOMENTO antes da batida: mv 1 A força da raquete é F.

8 — h km 3600 s s p = mv p = 0.06 kg. F Impulso 0. calcular o momento linear da bola antes de você bater nela.01 segundo Tempo Vamos.2 m/s p = 1. então vamos converter as nossas unidades de velocidade em metros por segundo (m/s) como a seguir: 1 km/h = 1000 m / 3600 s.7 kg × m/s Agora sabemos o momento inicial da bola. Considerando que a velocidade da bola subsequentemente é de 80 km/h.3 kg × m/s 118 Capítulo 3 MOMENTO LINEAR . É um pouco estranho que o valor seja negativo. O cálculo é assim: -100 km 1000 m 1h m — × — × — = -27. Então agora vamos calcular o momento linear da bola depois que você a sacou.06 kg × -27.Vamos. primeiro. A massa de uma bola de tênis é 0. A velocidade é negativa 100 km por hora. o resultado é como a seguir: 80 km 1000 m 1h m — × — × — = 22. Força Isso torna o cálculo muito mais fácil. Como 1 km = 1000 m. mas eu acho isso apenas indica a direção a partir do meu ponto de vista. tendo em vista a direção do retorno. e que sua orientação é positiva. e 1 hora = 3600 segundos.2 — h km 3600 s s p = mv p = 0. assumir a magnitude média de F nesse exemplo.8 m/s p = -1.06 kg × 22. porém.

? Comparada com a Lei de Conservação do MOMENTO. O momento que você terá depende da sua velocidade e da sua massa. mas nem sempre! Quando você quer reduzir a força do impacto... a sua velocidade é zero. Isso significa que o seu momento nesse instante também é zero. a relação entre o impulso (que dizer. vamos dizer que você saltou de uma grande altura. é quando isso é mais importante! Impacto? Na aterrissagem. É difícil de ver na vida real. claro. Redução de Impacto 129 . Ora.. Por exemplo. a força multiplicada pelo tempo) e a mudança do MOMENTO é.EXPLORAÇÃO DO Impulso no Mundo Real Redução de Impacto Como eu consegui colocar isso..

A energia existe em muitas formas.. O farol converte a energia cinética do giro da roda da bicicleta em energia elétrica e depois em energia luminosa. como o farol da bicicleta. sim! Entendi! 156 Capítulo 4 Energia . Oh.Disfarça.. Então a energia é como uma mutante. Ainda que essas formas sejam muito diferentes. e é possível transformá-la entre essas formas. Essa é a Lei de Conservação de Energia. A quantidade total de energia é a mesma Vamos usar um exemplo da vida real. a quantidade total de energia continua a mesma.

. Então deve existir alguma energia armazenada escondida que pode gerar energia cinética.Nesse ponto. Quando o objeto cai. no ponto mais alto. a sua energia cinética desaparece (v = 0). sua energia potencial se transforma em energia cinética. O objeto na mão de Ryota tem energia potencial. você possui energia POTENCIAL GRAVITACIONAL. Então essa é a energia potencial. a sua energia cinética aumenta. e não energia cinética. você fica estacionária. Sim. Mas a medida que você cai. Se Ryota segura um objeto nessa altura. ele armazena energia potencial nesse objeto. Em outras palavras. No momento que você alcança a mais alta posição no salto. a energia potencial de uma altura em particular cria energia cinética em um objeto em queda.

.. determina a velocidade do meu retorno. Então.. Velocidade depois do saque Força Impulso dado pela raquete Velocidade antes do saque momento depois do saque momento depois do saque A relação entre o momento e a força..Pega essa! Não importa quão poderosa seja a cortada dela.. r r r e e e c c Epílogo 215 ..

m (que mede a distância) segundos. Com o uso dessas três medições simples. existem apenas três unidades básicas. pois será importante para obter outras unidades! 1 kg × m/s2 = 1N . Força Considerando a segunda lei de Newton. Lembre-se dessa relação. você pode ver que a velocidade é definida como a variação da distância. e a aceleração é a segunda derivada da distância (ambas com respeito ao tempo). s (que mede o tempo) quilograma.Como Entender as Unidades Quando se trata de mecânica clássica. vamos explorar velocidade e aceleração: velocidade = variação da distância (m) — = m/s tempo (s) variação da velocidade (m/s) — = m/s2 tempo (s) aceleração = Considerando essas relações. você pode obter unidades de medida mais complicadas. As três unidades básicas são as seguintes: metros. kg (que mede a massa) Velocidade e Aceleração Vamos explorar como podemos combinar essas três unidades para derivar outras. como o newton e o joule. e a aceleração é simplesmente a variação dessa variação! Os estudantes de cálculo sabem que isso significa que a velocidade é a primeira derivada da distância. Primeiro. sabemos que força é igual a massa vezes aceleração (F = ma): força = massa (kg) × aceleração (m/s2) = kg × m/s2 = N 2 Para evitar dor de cabeça. nós chamamos um kg × m/s de um newton (N).