Você está na página 1de 127

Biofı́sica

para
Biologia Humana

Miguel António da Nova Araújo

Departamento de Fı́sica
Universidade de Évora

2017-2019
Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Avaliações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Conselhos ao estudante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
0.1 Trigonometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
0.2 Adição de vectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
0.3 Teorema de Pitágoras generalizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
0.4 Exercı́cios: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
0.5 Produto interno de vectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
0.6 A função logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
0.7 Exercı́cios: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

1 Mecânica em uma dimensão espacial 17


1.1 Posição, velocidade, aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.1.1 Movimento rectilı́neo uniforme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.1.2 Movimento rectilı́neo uniformemente acelerado . . . . . . . . . . . . 18
1.2 Momento linear e energia cinética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.3 Dinâmica em uma dimensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.4 Trabalho realizado por uma força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.5 Força conservativa e energia potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.6 Conservação da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.7 Peso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.8 Lei do impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.9 Impulso e trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.10 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

2 Aplicações a seres vivos 25


2.1 A forma de um ser vivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.2 Força especı́fica de um animal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.3 Fracturas ósseas motivadas por saltos verticais . . . . . . . . . . . . . . . . 27
2.4 Velocidade com que caminha um animal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.4.1 Número de Froude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

1
2

2.4.2 Como corriam os dinossauros? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32


2.5 A energética do salto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.6 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

3 Mecânica vectorial 36
3.1 Cinemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.1.1 Posição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.1.2 Velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.1.3 Aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.1.4 Movimento circular uniforme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.2 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.3 Dinâmica: As três Leis de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.4 Lei do impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.5 Pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.6 Aplicações simples das leis de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.6.1 Corpo sobre uma mesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.6.2 Corpo num plano inclinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.6.3 Corpo suspenso por um fio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.6.4 O vôo da águia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.7 Forças conservativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.8 Força de resistência num fluido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
3.9 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

4 Trabalho e Energia 50
4.1 Energia cinética e trabalho realizado por uma força . . . . . . . . . . . . . 50
4.1.1 Definição de energia cinética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4.1.2 Definição de trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4.1.3 Relação entre trabalho e variação da energia cinética . . . . . . . . 51
4.1.4 Trabalho realizado por uma força conservativa . . . . . . . . . . . . 52
4.1.5 Trabalho realizado pela força gravı́tica. Energia potencial gravı́tica. 52
4.2 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

5 Sistema de partı́culas 56
5.1 Centro de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
5.2 Centro de massa de um corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
5.3 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
5.4 Distribuição de massa no corpo humano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
3

6 Momento de uma força 60


6.1 Produto externo de vectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
6.2 Estática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
6.3 Forças musculares nas articulações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
6.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

7 Fluidos 67
7.1 Massa volúmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
7.2 Pressão num fluido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
7.2.1 Medição da pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
7.2.2 Unidades em que se exprime a pressão . . . . . . . . . . . . . . . . 69
7.2.3 Equilı́brio de um fluido. Vasos comunicantes . . . . . . . . . . . . . 69
7.3 Impulsão e Princı́pio de Arquimedes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
7.3.1 Força de impulsão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
7.3.2 Corpo menos denso do que o lı́quido . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
7.3.3 Utilização do Princı́pio de Arquimedes para a determinação do ma-
terial que constitui um corpo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
7.4 Escoamento de fluidos ideais e incompressı́veis. . . . . . . . . . . . . . . . . 72
7.4.1 Equação da continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
7.4.2 Equação de Bernoulli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
7.4.3 O tubo de Venturi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
7.5 Viscosidade e turbulência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
7.5.1 Geometria planar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
7.5.2 Fluxo num tubo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
7.5.3 Escoamento laminar e escoamento turbulento . . . . . . . . . . . . 77
7.6 Medição da pressão arterial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
7.7 Tensão superficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
7.7.1 Bolas de sabão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
7.7.2 Bolha de gás num meio lı́quido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
7.7.3 Contacto entre um lı́quido e uma parede. Capilaridade. . . . . . . . 79
7.8 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

8 Termodinâmica 83
8.1 Temperatura e calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
8.2 Capacidade calorı́fica, capacidade térmica mássica e calor de fusão . . . . . 84
8.3 Crescimento de uma célula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
8.4 Taxa metabólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4

8.5 Mecanismos de perda de calor: condução, convecção, radiação, evaporação 86


8.5.1 Condutividade térmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
8.5.2 Aplicação: o tamanho dos mamı́feros aquáticos . . . . . . . . . . . 87
8.5.3 Convecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
8.5.4 Emissão e absorção de radiação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
8.5.5 Evaporação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
8.6 Entropia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
8.6.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
8.6.2 Significado do conceito de entropia . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
8.7 Leis da Termodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
8.7.1 Enunciado das Leis da Termodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . 92
8.7.2 Demonstração de que o calor passa do corpo mais quente para o
mais frio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
8.7.3 Cálculo da temperatura final de equilı́brio dos dois corpos . . . . . 92
8.8 Pressão de um gás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
8.9 Teorema da equipartição da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
8.10 Pressão osmótica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
8.11 Movimento Browniano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
8.12 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

9 Oscilações e Ondas 101


9.1 Oscilador harmónico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
9.2 Força elástica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
9.3 Energia potencial elástica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
9.4 Ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
9.5 Intensidade de uma onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
9.6 Percepção da intensidade sonora: a escala dos decibeis . . . . . . . . . . . 104
9.7 Efeito Doppler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
9.8 Dualidade corpúsculo-onda e relações de de Broglie . . . . . . . . . . . . . 106
9.9 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

10 Óptica 110
10.1 Regras gerais para espelhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
10.2 Regras gerais para lentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
10.2.1 Lente convergente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
10.2.2 Lupa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
10.2.3 Microscópio composto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
5

10.2.4 Telescópio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113


10.2.5 Lente divergente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
10.2.6 Alguns termos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
10.3 Poder de resolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
10.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

11 Electromagnetismo 117
11.1 Lei de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
11.2 A força de Coulomb é conservativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
11.3 Potencial eléctrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
11.4 Campo eléctrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
11.5 Um plano de carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
11.6 Condensador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
11.7 Membrana celular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
11.8 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

12 Fı́sica atómica e nuclear 122


12.1 Decaimento radioactivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
12.1.1 Decaimento α . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
12.1.2 Decaimento β . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
12.1.3 Decaimento γ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
12.2 Semi-vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
12.3 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Informações

Bibliografia
1. Marcelo Alonso e Edward Finn, Fı́sica, Addison-Wesley, 1999.

2. David Halliday e Robert Resnick, Fundamentals of Physics, 3 ed., Wiley, 1988. Existe
uma tradução para português do Brasil desta referência.

3. Paul Davidovits, Physics in Biology and Medicine, Elsevier Academic Press.

4. José Maria Durán, Biofı́sica: fundamentos e aplicações, Ed: Prentice Hall.

Os alunos devem consultar regularmente a plataforma moodle. Lá podem ser encon-
tradas informações sobre as datas e resultados dos testes e elementos bibliográficos para
download. O docente utilizará esta plataforma para enviar emails aos estudantes com
informações relevantes.

Planificação das aulas teóricas


Encontram-se previstas 13 aulas Teóricas, 13 Teórico-Práticas Em caso de necessidade
poderão ser marcadas aulas extra.
Nas aulas Teóricas, o programa irá ser leccionado pela seguinte ordem:
Aulas 1 a 7: Capı́tulos 1-7
Aula 8: Primeira frequência. Sobre os conteúdos leccionados até à aula número 6.
Aulas 8-13: Capı́tulos 7-12.

Regime de faltas
A comparência a todas as aulas é obrigatória para todos os alunos que frequentam a
disciplina pela primeira vez. O limite de faltas para cada tipo de aula (teórica, teórico-
prática) é de duas faltas. A terceira falta, se não justificada, implica reprovação imediata.

6
7

Este regime de faltas não se aplica aos alunos em regime de trabalhador-estudante ou


estudantes inscritos na disciplina pela segunda vez.

Avaliações
A aprovação necessita de uma nota igual ou superior a 10 valores.
Existem dois métodos de avaliação alternativos:

1. Dois testes teóricos (frequências), facultativos. A nota final será a média das classi-
ficações obtidas nos dois testes. A nota mı́nima exigida em qualquer um dos testes
é de 8,0 valores, sem arredondamentos. Se a nota mı́nima exigida não for alcançada,
o estudante deve realizar exame.
A avaliação por frequências é permitida apenas aos alunos que comparecem às aulas
teoricas regularmente e respeitam o regime de faltas. Os restantes só podem realizar
os exames.

2. Alternativamente, o aluno pode ir a exame teórico e fica com a nota do exame.

Todos os estudantes podem ir a exame de recurso podendo este servir para melhoria
de nota.

Regras para as provas de avaliação


Nas provas escritas de avaliação é proibida a utilização de:
telemóveis,
máquinas de calcular ou computadores,
formulários.

Esclarecimento de dúvidas
O horário de atendimento (duas horas/semana) para esclarecimento de dúvidas:
quintas-feiras das 14:00 às 15:00;
sextas-feiras das 14:00 às 15:00 no gabinete do Professor (gabinete 080 no CLAV).
Os alunos também podem contactar o Professor fora desse horário, ficando contudo
dependentes da disponibilidade deste.
8

Calendário de avaliações:
O calendário de testes/exames é combinado com os estudantes na primeira aula.
Testes:
primeira frequência:
de 2018 na aula teórica;
segunda frequência + Exame de época normal:
de Janeiro de 2019, sala: hora:
Exame de recurso:
de Janeiro de 2018, sala: hora:

Conselhos ao estudante
1. Estude regularmente mantendo-se a par do que vai sendo dado nas aulas. Na uni-
versidade é difı́cil manter todas as disciplinas em dia e é normal o estudo ficar uma
semana atrasado em relação às aulas de algumas disciplinas. Com duas semanas
de atraso convém dedicar algum tempo a recuperar. Mas três semanas de atraso
numa disciplina já é motivo para “soarem os alarmes” e deve-se recuperar o mais
brevemente possı́vel.

2. Só estudando regularmente se consegue compreender as matérias, reflectir sobre elas


e habituar-se aos novos conceitos. Assim se faz uma aprendizagem. O estudo à
pressa de grande quantidade de matéria nos poucos dias que antecedem uma prova
levam a que o estudante fique mal preparado para as disciplinas que vêm a seguir.

3. Ao longo do curso aprende-se muita coisa e não é possı́vel uma pessoa lembrar-se de
tudo. Em várias ocasiões vai surgir a necessidade de relembrar o que se aprendeu
sobre um tema. Mas para isso é muito importante saber onde estão os apontamentos
ou o livro que explicava esse assunto, para se poder ir lá rapidamente consultar.
Manter esses recursos de apoio é de grande importância, não só durante o Curso mas
também depois.

4. Os novos alunos tendem a ser prejudicado pelos os estudantes mais antigos, perdendo
demasiado tempo em praxes académicas e festas de recepção ao caloiro. Estas ac-
tividades de lazer prolongam-se demasiado para dentro do semestre sobrepondo-se a
testes de avaliação ou à entrega de trabalhos, o que normalmente tem repercussões
negativas na prestação dos novos alunos. É necessário procurar manter um justo
equilı́brio entre o estudo e a diversão, não deixando que esta prejudique o primeiro.
9

O bom senso, infelizmente, nem sempre existe. A observância do ponto 1 acima já é
um bom ponto de referência.
5. Em algumas aulas práticas serão realizadas experiências. Leia a descrição da ex-
periência antes de vir para a aula. Evite vir para uma aula laboratorial sem saber
que experiência vai realizar.
6. Ao resolver um exercı́cio de Fı́sica ou Matemática escreva as equações com
clareza, com letra grande, e poucas equações por página. Não se trata de mostrar
aos outros o que se escreveu. Trata-se de ser claro e amigo de si próprio: se eu hoje
escrever de modo a que amanhã consiga ler sem esforço o que escrevi, então estou a
ajudar-me; caso contrário estou a prejudicar-me. Só de olhar para garatujas ou uma
escrita muito densa fica-se sem paciência e com sensação de grande esforço, perdendo-
se logo a vontade de analisar o que ali está. Por isso a escrita deve ser muito clara
e facilmente legı́vel. É uma questão de higiene no trabalho. Se o estudante seguir
este conselho verificará que consegue estudar mais cansando-se menos. Escrever com
clareza é, contudo, um hábito que leva o seu tempo a adquirir: no princı́pio tem-se
tendência para escrever umas linhas e ir apressando a escrita estragando o texto à
medida que se avança. Depois de umas férias é também normalmente necessário
re-aprender o hábito.
7. Na resolução de exercı́cios procure sempre fazer um gráfico ilustrativo da situação
de que fala o texto ou o problema que está a resolver: se o problema fala do vector
velocidade então procure representá-lo num sistema de eixos; se fala de uma partı́cula
que vai numa trajectória, procure desenhá-la; tente, na medida do possı́vel, fazer
os gráficos das funções mencionadas nos problemas. Fazer gráficos é fundamental
para a capacidade de raciocinar porque não se pode raciocinar sobre uma coisa sem
se ter uma imagem mental dela. Lembre-se do que é a raı́z quadrada de dois: a
hipotenusa de um triângulo rectângulo com catetos iguais. A representação gráfica
de um conceito é a forma mais básica de pensamento. Para pensar é preciso uma
imagem mental, mesmo que esta seja rudimentar.
8. Quando não conseguir resolver um problema tente pelo menos identificar a dificuldade
e procure a ajuda do Professor. Quando lhe for pedir ajuda, mostre-lhe as tentativas
que já fez e onde ficou bloqueado(a). Se disser ao Professor qual foi o ponto de
partida que usou para resolver o problema e onde encalhou, ele poderá dizer-lhe o
que falta para chegar à solução.
Se for perguntar ao Professor como se resolve um problema desde o princı́pio, sem
antes ter feito uma tentativa, ele vai dar-lhe a resposta, é claro, mas você aprenderá
10

pouco.

9. Vá à biblioteca e consulte os livros que ensinam o que está a ser dado nas aulas.
Conheça os livros, não se fique apenas pelos apontamentos das aulas. Imagine que
um amigo lhe pergunta: “Gostava de aprender alguma coisa sobre o assunto X. És
capaz de me aconselhar um livro?”. Não saber responder é embaraçoso, não é?

10. Conheça os seus Professores, saiba quem eles são. Não saber o nome dum Professor
que se teve numa disciplina causa muito má impressão. A este respeito, relato aqui
um episódio que presenciei: numa entrevista para um emprego, e num tom perfeita-
mente amigável logo no inı́cio da mesma, perguntou-se ao candidato qual o Professor
que lhe deu a disciplina X na universidade. Ele respondeu que não sabia! Aquele
candidato não teve chance nenhuma... acabou. E não é por acaso: isso deixa uma
impressão de desleixo incrı́vel.

11. Copiar textos da internet ou de um colega para entregar ao Professor constitui uma
fraude académica e um plágio. É muito fácil a um Professor detectar uma situação
destas e isso resulta na anulação daquele trabalho.

12. Finalmente: o perı́metro da circunferência, a área do cı́rculo, os volumes da esfera e


do cilindro devem ser sabidos de cor! Causa má impressão perguntar isso por aı́.
Noções básicas de Matemática

0.1 Trigonometria
As funções trigonométricas fundamentais para um ângulo são o seno e o coseno como se
mostra na figura 1.
b a
senα = , cos α = (1)
c c
Satisfazem o teorema fundamental da trigonometria: sen2 α + cos2 α = 1.
Outras funções trigonométricas importantes são a tangente e a cotangente:
b 1
tgα = , ctgα = (2)
a tgα

Figura 1: Funções seno e coseno para de um ângulo.

O seno e o coseno podem ser determinados geometricamente usando um cı́rculo de raio


1, como se mostra na figura 2.

0.2 Adição de vectores


Um vector é um segmento de recta orientado. Como tal, ele tem de possuir três carac-
terı́sticas:

11
12

Figura 2: O seno e coseno de um ângulo são os comprimentos dos catetos obtidos no cı́rculo trigonométrico.

1. direcção: é a definida pela recta que contém o vector. De uma maneira geral, direcção
é o que há de comum num feixe de rectas paralelas.

2. sentido: é a orientação dentro da direcção. Existem dois sentidos possı́veis, uma vez
definida a direcção.

3. módulo: é o comprimento do vector. Também se chama norma.

De uma maneira mais simples: um vector é uma seta.


Um vector representa-se por uma letra com uma seta por cima. Por exemplo, os
~ ~b, etc.
vectores ~u, A,
Quando se multiplica um número (escalar) por um vector, o resultado é um novo vector
com a mesma direcão. Se o escalar for positivo, o sentido será o mesmo; se o escalar for
negativo, o sentido será o oposto. O comprimento do novo vector é igual ao comprimento
do primeiro vector multiplicado pelo módulo do escalar.
Por exemplo, −~u é um vector com a mesma direcão e comprimento do vector ~u mas
com sentido oposto.
Por exemplo, −2~u é um vector com a mesma direcão de ~u, mas com o dobro do
comprimento e sentido oposto.
Pode-se somar ou multiplicar dois vectores. Para somar dois vectores podem ser usadas
duas regras:

1. Regra do paralelogramo: colocam-se os vectores na mesma origem; desenha-se um


paralelogramo: o vector soma vai da origem dos dois vectores até ao vértice oposto
do paralelogramo. Ver figura 3(a).
13

2. Outra regra é colocar a origem do segundo vector na extremidade do primeiro. Então


a soma vai da origem do primeiro vector até à extremidade do segundo. Ver figura
3(b).

Figura 3: Duas regras para somar vectores. O resultado da soma é o vector a vermelho.

Figura 4: Teorema de Pitágoras generalizado para todos os triângulos.

0.3 Teorema de Pitágoras generalizado


Todos alunos devem conhecer o Teorema de Pitágoras para triângulos rectângulos: o
quadrado da hipotenusa é a soma dos quadrados dos catetos.
Se o triângulo não for rectângulo, existe uma fórmula mais geral. Pode-se calcular o
tamanho de um lado qualquer sabendo o ângulo oposto e os outros dois lados. Ver figura
4.
14

Uma boa revisão sobre vectores pode ser encontrada no capı́tulo 3 do livro de Alonso
e Finn.

0.4 Exercı́cios:
1. Os vectores ~u e ~v têm comprimentos de 6 e 9 unidades, respectivamente. Desenhe
a soma ~u + ~v e calcule |~u + ~v | nos casos em que ~u e ~v fazem entre si um ângulo de:
zero graus; 600 ; 900 ; 1500 ; 1800 .

2. Considere um sistema de eixos cartesianos, Ox e Oy. Determine as componentes


segundo Ox e segundo Oy de um vector de 15 unidades de comprimneto que forma,
com o eixo Ox, um ângulo de 500 .

3. A soma de dois vectores, ~u + ~v , tem 30 unidades de comprimento. Forma com o


vector ~u um ângulo de 250 e com o vector ~v um ângulo de 500 . Calcule os módulos
de ~u e de ~v.

4. Dados os vectores:
~ = (3, 4)
A ~ = (−1, 2) ,
B
determine: A ~+B ~ e o seu módulo; A
~−B
~ e o seu módulo. Desenhe os vectores.
Calcule o ângulo entre eles.

0.5 Produto interno de vectores


Acima vimos a soma de dois vectores. Agora veremos uma operação de multiplicação
entre vectores que se chama produto interno ou produto escalar. Essa operação indica-se
por um ponto entre os dois vectores: o produto escalar de ~a por ~b representa-se por ~a · ~b.
O resultado do produto escalar de dois vectores é um número que se calcula da seguinte
forma:
~a · ~b = |~a| · |~b| · cos α (3)
onde α é o ângulo entre os dois vectores. O ângulo α pode ir de zero a cento e oitenta
graus e o seu coseno pode ser positivo, negativo ou nulo.
Se 0 < α < 900 então cos α > 0; se 900 < α < 1800 então cos α < 0.
Portanto, se os dois vectores formam um ângulo inferior a 900, o seu produto interno
é positivo; se os dois vectores formam um ângulo entre 900 e 1800, o seu produto interno
é negativo.
15

0.6 A função logarı́tmica


Iremos trabalhar no capı́tulo 9 com o logaritmo de base 10. O logaritmo de base 10 de
um número x é o expoente a que se deve elevar 10, para obter x:

log10 x = y ⇔ 10y = x (4)

Então torna-se claro que

log10 10 = 1 porque 101 = 10


log10 100 = 2 porque 102 = 100
log10 0, 1 = −1 porque 10−1 = 0, 1

Das propriedades das potências sabemos que:

10x × 10y = 10x+y (5)

e daqui concluimos que

log10 (xy) = log10 x + log10 y (6)


x
log10 ( ) = log10 x − log10 y (7)
y
Também é fácil ver que log10 (a2 ) = log10 (a · a) = log10 a + log10 a = 2 log10 a. Então
temos a regra geral:

log10 ab = b log10 a (8)

Qualquer número elevado a 0 dá 1, e concretamente, 100 = 1. Então

log10 1 = 0 (9)

0.7 Exercı́cios:
1. Desenhe dois vectores ~u e ~v fazendo um ângulo de 30 graus. Os comprimentos deles
são |~u| = 2 e |~v | = 3. Desenhe: ~u − ~v ; 2~u + ~v ; ~u − 2~v .

2. Os vectores ~u = (−1, 3) e ~v = (2, 2). Calcule os comprimentos dos vectores e o


ângulo que fazem entre si.

3. Dados os vectores

~v1 = (3~ux − 2~uy ) , ~v2 = (5~ux + 3~uy ) , (10)

onde ~ux e ~uy são dois versores ortonormais:


16

(a) calcular o módulo de ambos os vectores;


(b) representar ambos os vectores num gráfico
(c) calcular o vector ~v1 + ~v2 em coordenadas cartesianas.
(d) Calcule o produto escalar ~v1 · ~v2 .
(e) Calcule o ângulo entre os dois vectores.

4. Expanda: sen(α + β) = ... ; cos(α + β) = ...

5. Se tirar a derivada da área do cı́rculo, o que obtém?

6. Se tirar a derivada do volume da esfera, o que obtém?

7. Calcule para um raio R=3 m:

(a) a área de um cı́rculo


(b) o perı́metro da circunferência
(c) a área de superfı́cie da esfera
(d) o volume da esfera

NOTA: estas fórmulas devem ser sabidas de cor !

8. Considere o logaritmo de base 10. Se o argumento aumentar 100 vezes, como varia
o logaritmo?

9. Desenvolva:
ax by
!
log10 1000 z (11)
c
Capı́tulo 1

Mecânica em uma dimensão espacial

A Mecânica é o ramo da Fı́sica que estuda o movimento dos corpos. Ela inclui a
Cinemática e a Dinâmica. A Cinemática ocupa-se apenas da descrição do movimento
enquanto que a Dinâmica estuda a relação entre o movimento e as suas causas. Assim, os
conceitos de velocidade e aceleração, por exemplo, fazem parte da Cinemática. A previsão
de como um corpo se irá mover em consequência das forças que nele actuam faz parte da
Dinâmica.
Chama-se partı́cula a um corpo que é muito pequeno comparado com as distâncias que
percorre. Se estudarmos, por exemplo, o movimento de translação da Terra em torno do
Sol então poderemos considerar a Terra como partı́cula. Mas se estivermos interessados
em estudar o movimento de rotação da mesma sobre o seu eixo, já não a poderemos
considerar uma partı́cula. Subjacente ao conceito de partı́cula está portanto a ideia de
que a forma ou o tamanho do corpo não têm interesse para o tipo de movimento em
estudo.
O movimento ao longo de uma linha recta não envolve o uso de vectores e é por isso
mais simples para o estudante. Mais tarde estudaremos o movimento em várias dimensões
espaciais (no plano ou no espaço), onde utilizaremos vectores.

1.1 Posição, velocidade, aceleração


Se consideramos que o movimento de uma partı́cula ocorre ao longo de uma recta. Então
precisamos de indicar a posição dela em cada instante. Podemos considerar que a recta é
o eixo Ox, e a posição em função do tempo será uma função x(t), contı́nua.
A velocidade instantânea, ou simplesmente velocidade, é definida como a derivada de
x(t):
dx
v(t) = (1.1)
dt

17
CAPÍTULO 1. MECÂNICA EM UMA DIMENSÃO ESPACIAL 18

A velocidade v(t) mede a taxa de variação de posição, em cada instante t. Num intervalo
de tempo infinitesimal, o módulo da velocidade, |v| mede o espaço percorrido por unidade
de tempo.
A aceleração instantânea, ou simplesmente aceleração, é definida como a derivada de
v(t):
dv d2 x
a(t) = = 2 (1.2)
dt dt
A aceleração a(t) mede a taxa de variação de velocidade, em cada instante t.

1.1.1 Movimento rectilı́neo uniforme

É o movimento de uma partı́cula que se desloca ao longo de uma linha recta com velocidade
constante. Pode expressar-se por:

x(t) = x0 + vt . (1.3)

onde v é constante e é a velocidade.


Problema: Verifique que a aceleração é nula.
dv d2 x
Resolução: a = dt = dt2 = 0.

1.1.2 Movimento rectilı́neo uniformemente acelerado

Neste caso a partı́cula tem aceleração constante igual a a. A sua posição no eixo Ox é
dada por
1
x(t) = x0 + v0 t + at2 , (1.4)
2
e a velocidade vai aumentando linearmente com o tempo:

v(t) = v0 + at . (1.5)
Problema: Usando (1.4) demonstre a equação (1.5).
dx
Resolução: v(t) = dt = v0 + at.

1.2 Momento linear e energia cinética


O momento linear, p é definido como o produto da massa pela velocidade:

p = mv (1.6)

A energia cinética, Ec , é definida como:


1
Ec = mv 2 (1.7)
2
CAPÍTULO 1. MECÂNICA EM UMA DIMENSÃO ESPACIAL 19

Comparando as duas expressões podemos verificar a relação entre energia cinética e mo-
mento:
p2
Ec = .
2m

1.3 Dinâmica em uma dimensão


Aqui temos de introduzir o conceito de força. Se o momento linear variar com o tempo,
isso necessita de uma causa. A força que actua na partı́cula é a causa da variação de
momento linear da mesma. A definição de força, F , é
dp
F = (1.8)
dt
Usando p = mv então F é a derivada do produto:
d dm dv dm
F = (mv) = v+m = v + ma (1.9)
dt dt dt dt
Em muito casos a massa da partı́cula é constante (mas nem sempre: imagine um carro
ou um foguetão que vai perdendo massa sob a forma de combustı́vel). No caso em que a
massa é constante fica então, F = ma.

1.4 Trabalho realizado por uma força


Se uma partı́cula se desloca sob acção de uma força, então a força realiza trabalho. Su-
ponhamos que a partı́cula vai da posição xi para a posição xf sob acção de uma força
constante. A variação de posição vale ∆x = xf − xi e chama-se deslocamento.
O trabalho realizado, W , define-se pelo produto da força pelo deslocamento:
W = F ∆x (1.10)
Utilizando o facto de F = ma, a força provoca aceleração e então o trabalho costuma
ser acompanhado de uma variação de velocidade, e portanto de energia cinética, ∆Ec =
Ec (f inal) − Ec (inicial). Existe o teorema do trabalho-energia cinética: o trabalho é igual
à variação de energia cinética:
W = ∆Ec (1.11)
1  2 
⇔ F (xf − xi ) = m vf − vi2 (1.12)
2
Este resultado continua válido mesmo que a força F não seja constante.

Exemplo: Sobre uma partı́cula de massa 6 kg actua a força F = 12 N. Sabendo que a partı́cula tinha
inicialmente a velocidade v = 2 m · s−1 ,
CAPÍTULO 1. MECÂNICA EM UMA DIMENSÃO ESPACIAL 20

1. calcule a velocidade ao fim de 2 segundos;


Resolução: A aceleração é de F/m = 2 m.s−2 . Então a velocidade final é de

vf = vi + at = 2 + 2 × 2 = 6 m · s−1 .

2. verifique que o trabalho foi igual à variação da energia cinética.


Resolução: A variação de energia cinética foi de ∆Ec = 12 mvf2 − 21 mvi2 = 108 − 12 = 96 J.
Como o deslocamento foi de vi t + 21 at2 = 2 × 2 + 21 × 2 × 22 = 8 m, então o trabalho foi W = F ∆x =
12 × 8 = 96 J. Logo W = ∆Ec .

Podemos aplicar este teorema a uma situação que vai ocorrer muitas vezes: uma
partı́cula parte do repouso e sob acção de uma forçconstante, F , percorre uma distância
d. Qual é a velocidade v adquirida? O trabalho realizado é W = F d. A variação de
energia cinética vai ser igual à energia cinética final, porque a inicial era nula. Então
s
1 2F d
W = F d = mv 2 ⇒ v = (1.13)
2 m
Um exemplo concreto é o de um corpo que é largado de uma altura h e cai sob acção
da gravidade. A força gravı́tica (peso) é F = mg, onde g é a aceleração da gravidade.
Substituindo no resultado anterior d = h e F = mg obtemos
q
v= 2gh

que é a velocidade com que atinge o solo.

1.5 Força conservativa e energia potencial


Se a força F é uma função do ponto do espaço onde a partı́cula se encontra, F (x), então
ela é conservativa. Uma força conservativa está sempre associada a uma função do espaço,
Ep (x), que se chama energia potencial. A relação entre F e Ep é, por definição,
dEp
F (x) = − (1.14)
dx
No caso trivial de uma força constante, a equação (1.14) será satisfeita para uma
energia potencial Ep (x) = −F x + constante arbitrária.
Imagine, por exemplo, que F (x) = −Cx onde C é constante. Então neste caso Ep será
Ep (x) = 21 Cx2 + constante arbitrária. (Verifique).

Portanto, a uma energia potencial corresponde uma força conservativa e vice-versa.


São duas maneiras de falar da mesma coisa.
CAPÍTULO 1. MECÂNICA EM UMA DIMENSÃO ESPACIAL 21

1.6 Conservação da energia


A definição (1.14) implica que o trabalho da força num deslocamento é igual ao simétrico
da variação da energia potencial:

W = −∆Ep = Ep (xi ) − Ep (xf ) (1.15)

Mas pelo teorema da energia cinética (1.11), podemos escrever:

W = ∆Ec = −∆Ep ⇔ ∆Ec + ∆Ep = 0 ⇔ ∆ (Ec + Ep ) = 0 (1.16)

ou seja, a soma Ec + Ep mantém-se constante durante o movimento. A energia mecânica


é definida como Em = Ec + Ep .
Portanto, sob acção de uma força conservativa, a energia mecânica permanece con-
stante.

1.7 Peso
O peso de um corpo é a força da gravidade que a Terra exerce sobre ele. A intensidade
dessa força é Fg = mg onde m é a massa do corpo e g = 9, 8m/s2 chama-se aceleração da
gravidade.
O peso actua verticalmente para baixo. Consideremos que o eixo Ox se encontra na
vertical e orientado para cima, de modo que x mede a altura. Então Fg = −mg porque a
força terá de estar orientada para baixo.
A força da gravidade é conservativa. Isso é fácil de ver, porque é constante. Com
efeito, a energia potencial correspondente ao peso é
dEp
Ep (x) = mgx + constante arbitrária ⇒ − = −mg = Fg . (1.17)
dx
Então também podemos concluir que se o corpo se move sob acção do peso, a sua energia
mecânica se mantém constante:
1 2
mv + mgx = constante (1.18)
2

1.8 Lei do impulso


Suponha que uma partı́cula tem um movimento em linha recta sob acção de uma força
constante, F. Isso significa que vai ter um movimento uniformente acelerado:
∆v
F = ma = (1.19)
∆t
CAPÍTULO 1. MECÂNICA EM UMA DIMENSÃO ESPACIAL 22

Então podemos escrever:

F ∆t = ma∆t = m(vf − vi ) = pf − pi (1.20)

Ou seja, o produto da força por um intervalo de tempo vai dar a variação de quantidade
de movimento nesse intervalo de tempo. O produto da força pelo intervalo de tempo
chama-se impulso.

1.9 Impulso e trabalho


Já conhecemos dois resultados que podem ser aplicados de forma muito conveniente a
problemas onde o movimento é rectilı́neo uniformemente acelerado. Um deles era a lei do
impulso:
F ∆t = m(vf − vi ) (1.21)
Agora conhecemos outro que resulta da lei do trabalho-energia cinética:
1
F ∆x = m(vf2 − vi2 ) (1.22)
2
O primeiro é útil quando falamos do intervalo de tempo: por exemplo, a duração de
uma queda sob acção da gravidade; ou a duração do impacto contra uma parede.
O segundo é útil quando falamos da distância ∆x ao longo da qual a força actuou:
por exemplo, a altura de uma queda sob acção da gravidade; ou a curtı́sima distância de
travagem num impacto contra uma parede.

1.10 Exercı́cios
1. Um atleta corre 100 m em 12 s, em seguida dá meia volta e, em 30 s, corre 50 m no
sentido do ponto de partida. Calcule o espaço percorrido e o deslocamento total do
atleta durante este movimento.

2. Qual é a velocidade média, em m/s, de um maratonista que percorra os 42 km da


prova em 2 h e 15 min?

3. Qual é a velocidade média, em m/s, do recordista mundial dos 100 m planos, Usain
Bolt, com 9,58 s ?

4. Dois combóios circulam na mesma linha a 30 km/h em sentidos opostos e estão


separados por 60 km. Um pássaro voa a 60 km/h entre os dois combóios. Sempre
que encontra um dos combóios volta para atrás até encontrar o outro e vai repetindo
CAPÍTULO 1. MECÂNICA EM UMA DIMENSÃO ESPACIAL 23

este movimento até que os dois combóios se encontram. Qual é a distância total
percorrida pelo pássaro?

5. O movimento de uma partı́cula é dado por:


x(t) = 2 + 3t2 + cos(10t).
Determine a velocidade e a aceleração em função do tempo.

6. Um automóvel, partindo do repouso, atingiu a velocidade de 40 km/h em 10 s. (a)


calcule a aceleração média; (b) supondo que a aceleração foi constante, determine a
posição no instante t = 10 s.

7. Um corpo vem com velocidade de 3 m/s e começa a travar. A travagem ocorreu ao


longo de uma distância de 20 metros. Calcule a aceleração e o tempo de travagem.

8. Um corpo cai, na vertical, com aceleração g = 9, 8m · s−2 . No instante t = 2 s atinge


o solo. Determine: (a) a altura de que caiu a bola, supondo que partiu do repouso;
(b) a velocidade da bola em função da altura ao solo.

9. A aceleração de uma partı́cula vale a = - 2 m/s2 . Sabendo que v = 8 m/s e x = 0,


quando t = 0, determine a velocidade e a posição quando t = 6 s e a distância total
percorrida desde o instante inicial até t = 6 s.

10. Um automóvel com uma massa de 1500 kg e uma velocidade inicial de 60 km/h,
trava com aceleração constante e o carro pára em 1,2 min. Calcule a força aplicada
no carro. Identifique essa força.

11. Durante quanto tempo se deve aplicar uma força de 80 N a um corpo de 2,5 kg, de
forma a pará-lo, se a sua velocidade inicial for de 70 km/h ?

12. Um corpo com uma massa de 10 g cai de uma altura de 3 m sobre um monte de
areia. O corpo penetra 2,5 cm na areia antes de parar.
(a) Quanto tempo durou o impacto?
(b) Qual a força que a areia exerceu sobre o corpo ?

13. O ganso-patola mergulha na água do mar a uma velocidade de 100 km/h, para caçar
um peixe, e atinge 5 metros de profundidade. Considere a sua massa 3,6 kg. Calcule:

(a) a aceleração dentro de água;


(b) a força que a água lhe exerce e compare-a com o peso do animal;
(c) a duração do mergulho.
CAPÍTULO 1. MECÂNICA EM UMA DIMENSÃO ESPACIAL 24

14. Considere a energia potencial Ep (x) = x2 − x.

(a) Calcule a força F (x).


(b) Se a partı́cula se deslocou da posição x1 = 1 m para a posição x2 = 6 m, qual
foi o trabalho realizado pela força?
(c) Se a partı́cula tinha energia cinética 50 J no ponto x1 = 1 m, qual será a energia
cinética no ponto x2 = 6 m?

15. Uma pedra é lançada verticalmente para cima, com velocidade de 3m/s. Utilizando
a lei da conservação da energia mecânica, calcule a altura máxima atingida.

16. É costume dizer-se que, para os automobilistas, a distância de travagem, dT , é dT =


v 2 /100 com v expresso em km · h−1 e a distância dT em metros. A que aceleração,
suposta constante, é que isto corresponde?
Capı́tulo 2

Aplicações a seres vivos

2.1 A forma de um ser vivo


Seria natural supor que um ser vivo tem um tamanho caracterı́stico L. Então o seu
volume seria proporcional a L3 e a sua área de superfı́cie proporcional a L2 . Isto seria
válido se o tamanho dos organismos aumentasse em todas as dimensões (altura, largura)
na mesma proporção. Mas na realidade não é assim.
Um organismo tem uma forma que mais se assemelha a um cilindro: caules de plantas,
troncos de árvores, o torso de um animal, etc. Um cilindro tem uma altura L e um raio
da base R. A questão é se L e R crescem na mesma proporção. O que a natureza mostra
é que
L3 ∝ R2 ⇔ L ∝ R2/3 , ou inversamente, R ∝ L3/2 . (2.1)
Isto quer dizer que o raio aumenta mais depressa do que o comprimento do cilindro. O
quociente L/R ∝ R−1/3 ∝ L−1/2 . Portanto um organismo grande fica mais com uma
forma mais larga (menor L/R) em comparação com um organismo pequeno.
Esta relação foi verificada nas árvores e também no torso dos quadrúpedes. Traz
vantagens porque protege contra deformações provocadas pelo peso. Nos quadrúpedes
maiores, em que o torso se encontra apoiado nos extremos pelas patas, um torso mais
largo impede que a gravidade o faça deformar-se no ponto médio e o animal fique com a
barriga enconstada ao chão. Nas plantas, o caule mais largo assegura que este não comece
a vergar-se pelo peso.

2.2 Força especı́fica de um animal


No mundo em que vivemos há uma grande variedade de organismos vivos, com tamanhos
que vão desde o comprimento da mais pequena célula (comprimento tı́pico da ordem

25
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 26

de 10−6 m) ao comprimento do tronco das sequoias gigantes, que pode atingir valores
superiores a 100m. Vivemos, pois, num mundo em que os tamanhos caracterı́sticos dos
organismos vivos se dispersam por oito ordens de grandeza.
As propriedades biológicas de um organismo dependem, em grande medida, das suas
propriedades geométricas de comprimento, de área superficial e de volume. Para objectos
com formas geométricas simples é fácil relacionar todas elas. Por exemplo, para um cubo
com aresta de comprimento l, a área superficial é 6l2 e o volume é l3 . O comprimento da
aresta é o comprimento caracterı́stico do cubo.
Vimos acima que os seres vivos têm uma forma predominantemente cilı́ndrica de com-
primento L e raio R, de tal modo que L3 ∝ R2 . Em geral, a área de secção S e o volume
V podem expressar-se em termos do comprimento L e do raio R como

S ∝ R2 , V ∝ LR2 . (2.2)

Além destas relações existe uma proporcionalidade directa entre a massa do corpo e o seu
volume:
M ∝ V ∝ LR2 ∝ L4 . (2.3)
Fazer uma mudança de escala significa mudar o comprimento caracterı́stico do objecto de
um dado factor. Por exemplo, se L → 2L então S → 8S e V → 16V .
Vejamos qual a capacidade dos organismos vivos levantarem objectos de uma dada
massa. É vulgar dizer-se que um gafanhoto é mais forte do que um humano. Esta
afirmação refere-se ao facto do gafanhoto levantar objectos com cerca de 15 vezes o seu
peso, enquanto um humano adulto apenas levanta objectos de cerca de uma vez o seu
próprio peso.
Comecemos por definir o que é a força especı́fica de um animal: é o peso que ele
consegue levantar dividido pelo seu próprio peso. Uma pessoa consegue, normalmente,
pegar noutra pessoa ao colo, mas não consegue suportar o peso de duas. Assim, como
o homem consegue levantar um peso igual ao seu próprio, concluimos que a sua força
especı́fica é 1.
Como é que a força especı́fica de um animal depende do seu tamanho? É claro que
para organismos vivos não é possı́vel, nem faz sentido, dar com rigor o valor dos seus
comprimentos caracterı́sticos. O que se faz é escolher um número com sentido fı́sico que
permita fazer estimativas dentro de uma ordem de grandeza. Assim, podemos dizer que
o comprimento caracterı́stico de um humano é de cerca de 2 m, o de um cão de cerca de
1 m e o de uma formiga de cerca de 5 mm.
Um resultado importante é que a força, F , que um músculo pode desenvolver é pro-
porcional ao número de fibras no músculo, isto é, à secção recta do músculo, e esta, por
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 27

sua vez, depende de R, ou seja


F ∝ R2 ∝ L3 . (2.4)
Considerando a densidade do organismo aproximadamente constante, a sua massa M e
peso são proporcionais ao volume (LR2 ), portanto, a força especı́fica, F vem dada por
F R2 1
∝ ∝ . (2.5)
Mg LR2 L
Concluimos que a força especı́fica é inversamente proporcional ao comprimento do animal.
Por exemplo, um animal duas vezes mais comprido que o homem teria metade da força
especı́fica deste, ou, seja, só conseguiria levantar metade do seu próprio peso.
Usando esta equação e tomando 2 cm como o comprimento caracterı́stico do gafanhoto
podemos ver que
F do gaf anhoto
= 100 . (2.6)
F do humano
É claro que a nossa estimativa não dá (nem podia dar) o valor 15 para este quociente,
como se sabe ser verdade. As diferenças decorrem da rudeza da estimativa. Por exemplo,
o nosso cálculo não contabiliza o facto dos humanos usarem a sua capaciadade muscular
com mais eficiência que o gafanhoto. Em todo o caso, fica claro da nossa estimativa que
seria de esperar que o gafanhoto fosse “mais forte” que nós, humanos, o que ocorre na
realidade.

2.3 Fracturas ósseas motivadas por saltos verticais


Uma pessoa que salte sobre superfı́cie rı́gida obriga os ossos da perna a uma grande tensão
(força por unidade de área). O osso mais vulnerável é a tı́bia e a tensão neste osso será
maior onde a secção for menor, ou seja junto ao tornozelo. A tı́bia fracturará se uma força
compressiva de cerca de 50.000 N lhe for aplicada.1 Se a aterragem se der com ambos os
pés a força máxima que as pernas poderão tolerar é duas vezes este valor (que corresponde
a 130 vezes o peso de um humano de 75 kg de massa).
No impacto com o solo a força média, F̄ , exercida nos ossos das pernas é igual à massa,
M, da pessoa vezes a aceleração média ā necessária para reduzir a velocidade da pessoa
a zero durante o impacto:
F̄ = M ā . (2.7)
É agora necessário saber qual a velocidade vi da pessoa antes de ocorrer o impacto. Do
nosso estudo da queda dos graves sabemos que
q
vi = 2gH , (2.8)
1 Para forças de torção este valor vem muito diminuı́do.
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 28

onde g = 9.8m/s2 e H é altura de onde a pessoa caiu. Para estimar o valor da aceleração
média ā temos de ter em conta que durante o curto intervalo de tempo que dura o impacto
a pessoa ainda percorre uma distância h (h ≪ H). Dito de outro modo, supomos que
a pessoa está sujeita a uma aceleração ā, enquanto percorre a distância h. Desta forma
pode estimar-se ā como:

vi = 2āh . (2.9)
Desta última equação resulta que a força média exercida nos ossos das pernas vale
H
F̄ = Mg . (2.10)
h
Se uma pessoa cair rigidamente, sem flectir as pernas, a distância h é da ordem de 1cm.
Como F̄ não pode ser maior que 130 vezes o peso da pessoa, Mg, podemos estimar a
altura máxima de onde uma pessoa poderá saltar sem fracturar a tı́bia. Esta é dada por
F̄ h
H= = 1.3 m . (2.11)
Mg
Se a pessoa se flectir completamente durante o impacto a altura h é da ordem de 0, 6 m
e, neste caso, da equação (2.11) resultaria em H = 78 m, valor pouco razoável, como se
sabe da experiência diária. Contudo, numa queda deste tipo a força é maioritariamente
exercida nos tendões e ligamentos os quais apenas aguentam 1/20 da força suportada pela
tı́bia, pelo que o verdadeiro valor de H é da ordem dos 4 m. Em terrenos cobertos de
água, neve, ou areia as alturas de queda serão, obviamente, muito superiores às estimadas
aqui, pois o valor de h será também muito maior.

2.4 Velocidade com que caminha um animal


Usemos o conceito de comprimento caracterı́stico para analisar a velocidade de corrida
dos mamı́feros de uma forma algo rudimentar. Num mamı́fero movimentando-se com ve-
locidade constante ocorre uma transformação de energia cinética em calor (ou seja, numa
outra forma de energia de menor qualidade, no sentido em que não pode ser aproveitada).
Por exemplo, no caso de um humano, a continuada aceleração e desaceleração das pernas
(com cerca de 30% da massa total do corpo) durante o movimento, permitindo avanço
de todo o corpo, requer uma grande transformação de reservas energéticas quı́micas em
calor.
O trabalho realizado pelas pernas de um mamı́fero ao correr é dado por
1
W = F̄ d = mv 2 , (2.12)
2
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 29

Animal velocidade (m/s)


Chita 30
Gazela 28
Raposa 20
Cavalo 19
Coelho 18
Lobo 18
Galgo 16
Humanos 11

Tabela 2.1: Velocidades de corrida de alguns mamı́feros

onde F̄ é a força muscular, que sabemos ser proporcional à área de secção recta; d é o
comprimento da passada proporcional ao comprimento L do organismo; e m é a massa
do mamı́fero proporcional ao seu volume. Assim podemos ver que
2F d R2 × L
v2 = ∝ 2
= C te. . (2.13)
m LR
A equação anterior diz-nos, pois que a velocidade de um animal deverá ser independente
do seu tamanho. Esta conclusão é apenas aproximadamente correcta, como se pode ver
pela tabela 2.1. Na secção seguinte estudaremos uma teoria melhor para o movimento
dos animais.
Se as velocidades de corrida não fossem aproximadamente independentes do tamanho
dos animais, então o equilı́brio natural entre presas e predadores seria quebrado. Repare-
se que o coelho e o lobo possuem mais ou menos a mesma velocidade de corrida, sendo isso
também verdade para a gazela e a chita. Os humanos não são corredores muito eficientes,
pois o seus músculos propulsores estão apenas localizados em duas pernas, aumentando
assim a massa que é acelerada e desacelerada verticalmente no processo de corrida. Os
animais mais rápidos são os que possuem pernas longas e finas, com a massa muscular
localizada no corpo.

2.4.1 Número de Froude

O problema da sustentação de animais de grande porte foi considerada pela primeira


vez por Galileu, por volta do ano 1600. Se considerarmos dois animais geometricamente
semelhantes, sendo um duas vezes mais alto que o outro, resulta que o volume do maior é
oito vezes o volume do mais pequeno. Contudo, como vimos atrás, a força de sustentação
é apenas proporcional à área de secção da perna e, portanto, a força do animal para se
suster apenas aumenta de quatro vezes.
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 30

O estudo da forma como se movimentam os animais recorre ao conceito de semelhança


dinâmica. Este conceito é muito usado em engenharia na modelação de sistema em
grande escala usando pequenos protótipos. Por exemplo, em construção naval, antes de
se construir um navio ou um veleiro que suporte determinados valores de corrente ou de
intensidade do vento, são feitos testes em pequenos protótipos, envolvendo correntes ou
intensidades dos ventos apropriados à dimensão do protótipo. O conceito de semelhança
dinâmica garante que o navio ou o veleiro reais se comportarão da mesma forma que o
protótipo. Isto é, uma mudança nas escalas de comprimento, tempo e força não produz
modificações no comportamento dinâmico do sistema. No que diz respeito ao movimento,
este conceito implica que dois movimentos são semelhantes se se tornarem idênticos um
ao outro após uma mudança das escalas de comprimento, tempo e força.
Quando olhamos o mundo dos mamı́feros vemos que existem animais de alturas e
massas muito distintas. Vemos, também, que a largura das passadas e as velocidades
a que os animais passam de andar a passo, para trote e deste para galope são muito
diferentes. Contudo, se admitirmos que os mamı́feros são mecanicamente semelhantes,
então talvez seja possı́vel aprender alguma coisa sobre o movimento de, por exemplo, um
enorme rinoceronte, estudando o movimento de uma pequena doninha. Para tal devemos
olhar para o quociente entre gradezas distintas mas com as mesmas unidades, como por
exemplo a energia cinética do animal e a energia potencial gravı́tica associada ao animal:
Energia cinética v2
2 = =F, (2.14)
Energia potencial gl
onde v, l e g são a velocidade de corrida, a altura da perna e a aceleração da gravidade. Ao
quociente (2.14) chama-se número de Froude, em homenagem ao engenheiro de construção
naval William Froude, que o introduziu no século XIX. Outra possibilidade é formar um
quociente envolvento o comprimento da perna, l, e o comprimento da passada2 , s. Neste
último caso é fácil ver que o quociente envolvendo estas duas grandezas é invariante de
escala.
O estudo de R. Alexander (ver nota de rodapé anterior) afirma que animais geometri-
camente semelhantes, mas de diferentes tamanhos, correrão de forma semelhante sempre
que as suas velocidades tornarem os seus números de Froude iguais um ao outro, ou
seja, quando se verificar Fa = Fb , para os animais a e b. Por exemplo, a doninha e
o rinoceronte mudam do trote para o galope a velocidades muito diferentes, possuindo,
contudo, o mesmo número de Froude a essa velocidade. A doninha muda para o galope a
cerca de 1, 5 m/s e possui uma altura da perna de cerca de 0, 09 m enquanto o rinoceronte
2 Esteé definido como a distância entre duas pegadas feitas com o mesmo pé, ou seja, é o dobro do tamanho de um
passo. Em Inglês: stride
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 31

muda para galope à velocidade de 5, 5 m/s e possui uma altura de perna de cerca de 1, 2
m. É fácil ver que
1, 52 5, 52
Fdoninha = = 2.55, Frinoceronte = = 2.57 . (2.15)
9.8 × 0, 09 9.8 × 1, 2
Este resultado significa que às velocidades tais que Fdoninha = Frinoceronte o modo de
correr de ambos é idêntico. Isto significa que, não havendo relação entre as velocidades
dos dois animais, é possı́vel definir quantidades que sublinham alguma universalidade
no movimento dos mamı́feros (como já dissemos, em ciências de engenharia, diz-se que
os dois sistemas são dinamicamente semelhantes). Dito de outra maneira, é possı́vel
obter informação sobre o movimento de uma doninha estudando o movimento de um
rinoceronte.
O modelo de R. Alexander também contém uma relação entre o quociente s/l e o
número Froude. Segundo este modelo, animais diferentes terão o comprimento da sua
passada proporcional ao tamanho da perna sempre que os seus números de Froude sejam
iguais. Ou seja, numa representação gráfica do quociente entre o comprimento da passada
s e a altura da perna l em função do número de Froude, dois animais diferentes mas com
o mesmo número de Froude estariam localizados no mesmo ponto. Este resultado foi de
facto comprovado experimentalmente, como atesta a figura 2.1. Ficamos assim com uma

Figura 2.1: Números de Froude para cangurus, humanos e quadrúpedes em função do quociente entre o
comprimento da passada s e o comprimento da perna l. As escalas são logarı́tmicas.

definição mais quantitativa de semelhança dinâmica: significa ter o mesmo valor de s/l.
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 32

2.4.2 Como corriam os dinossauros?

Como os dinoussauros estão extintos, não é possı́vel responder a esta pergunta por ob-
servação directa 3 .
Apenas para referência salientemos que o Tyrannossaurus possuia uma massa de 7
toneladas (cerca de 10 vezes a massa de um urso polar adulto) e que o Brachiossaurus
possuia uma massa de 50 toneladas (cerca de 10 vezes a massa de um elefante africano
adulto) e uma altura de 13 metros (duas vezes a altura de uma girafa adulta). O que
aprendemos sobre o número de Froude pode ser usado para conhecermos as velocidades
a que se movimentavam os dinossauros.
Contrariamente ao que se pensou durante os primeiros tempos da paleontologia, os
dinossauros caminhavam da mesma forma que os mamı́feros, e não como os répteis mod-
ernos. Por isso, os resultados da figura 2.1 também se podem aplicar aos dinossauros.
O comprimento das pegadas e dos ossos da perna é conhecido de registos fósseis. Esse
conhecimento juntamente com os resultados da figura 2.1 é suficiente para conhecer a ve-
locidade a que se movimentavam os dinossauros. As passadas de dinossauro mais largas
que se conhecem medem 1, 3 m, e referem-se ao apatosaurus, um herbı́voro de cauda e
pescoço compridos, e de cerca de 34 toneladas de massa. O comprimento l da perna
também é conhecido 4 . Assim, conhecendo s e l podemos formar o quociente s/l. Este
corresponde a uma entrada no eixo dos y ′s da figura 2.1, à qual corresponde um dado
número de Froude. Como l é conhecido podemos saber v. Além disso, podemos afirmar
que, a essa velocidade particular, o movimento do dinossauro em questão será semelhante
ao dos mamı́feros que constarem nesse mesmo ponto do gráfico. A velocidade estimada
para estes dinossauros não é muito impressionante, cerca de 1 m/s. Pegadas de dinos-
sauros mais pequenos, com cerca de 1 tonelada de massa, apresentam velocidades de ≈
12 m/s. Este valor para a velocidade destes dinossauros é acima do recorde de velocidade
humano, mas abaixo do valor para a velocidade dos cavalos de corrida.

2.5 A energética do salto


Num salto vertical, um humano ou um animal encolhe-se e depois usa os músculos das
pernas para efectuar o salto. O comprimento d que o corpo se encolhe corresponde à
distância durante a qual os músculos das pernas realizam trabalho, comunicando ao corpo
a energia cinética necessária para o salto (ver figura 2.2). No salto vertical, podemos
3 Ver R. McNeill Alexander, Scientific American, April 1991, pp. 62-68; Zoological Journal of the Linnean Society, Vol.

83, No 1, pp. 1-25, 1985. Mais recentemente, ver Alberto E. Minetti, Walking on other planets, Nature 409, 467 (2001), p.
467.
4 Por vezes, os paleontólogos estimam o comprimento da perna através do tamanho da pegada p, usado a relação l = 4p.
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 33

modelar o animal colocando toda a sua massa num ponto, chamado o centro de massa.
Assim, o trabalho realizado pelos músculos das pernas para que o animal (ou melhor o seu
centro de massa) suba a uma altura d + h (ver figura 2.2, onde se representa um saltador)
é dado por
W = F d = mg(d + h) . (2.16)
Isto significa que a altura máxima que o centro de massa atinge é tal que
Fd
d+h= . (2.17)
mg
Usando novamente o conceito de comprimento caracterı́stico L, obtemos
L2 L
h+d∝ = C te. . (2.18)
L3
Desta forma conclui-se que a altura máxima a que se pode elevar o centro de massa
de um animal num salto vertical é mais ou menos independente do seu tamanho. Na
verdade, esperamos que animais de forma semelhante saltem a alturas muito parecidas.
Um exemplo é o do canguru rato, do tamanho de um coelho, e do canguru gigante, os
quais elevam o seu centro de massa à mesma altura h + d = 2, 5 m.

h=0.6 m

d=0.3 m

Figura 2.2: Salto vertical de um saltador que se encolhe 0, 3 m.

2.6 Exercı́cios
1. Morfologicamente, o mamı́fero é composto por cilindros de comprimento L e raio R
onde L ∝ R2/3 . O quociente L/R dá a aparência de o mamı́fero ser mais gordo ou
mais magro.
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 34

(a) Como varia o quociente L/R em função de L?


(b) O gigante Gulliver5 é 12 vezes mais alto do que uma pessoa normal. Quantas
vezes mais largo será ele?
(c) Quantas vezes mais pesado será ele?
(d) Compare a tensão aplicada na tı́bia do Gulliver com a que se verifica num ser
humano normal.

2. A tı́bia parte-se ao ficar sujeita a uma força compressora superior a 50.000 N. Ela tem
uma certa área de secção transversal, A0 , na zona onde é mais fina (um diâmetro de
cerca de 2,2 cm). O que é relevante é a força por unidade de área de secção transversal
(tensão) no osso. Assim, a tensão máxima que ele aguenta é então força/área=
50.000/A0.

(a) Estime a tensão em cada tı́bia para uma pessoa de massa 80 kg.
(b) A tensão que quebra a tı́bia é quantas vezes maior do que o valor obtido na
alı́nea anterior ?

3. Suponha que um gorila pesa 160 kg e conseque levantar pesos até cerca de 600 kg.
Qual é a força especı́fica do gorila?
Se o King Kong fosse 10 vezes mais alto do que um gorila,

(a) qual seria a sua massa?


(b) que pesos conseguiria levantar?
(c) qual seria a sua força especı́fica?

4. Suponha que uma pessoa de 65 kg cai rigidamente de uma altura de 2 metros em


cima de um colchão. Qual é a velocidade imediatamente antes da colisão? Quanto
tempo demora o impacto, supondo que o corpo desce 10 cm? Ocorre fractura das
tı́bias?

5. Considere a segunda lei de Newton escrita como F̄ ∆t = m∆v. Uma pessoa de massa
56 kg cai rigidamente numa plataforma que garante um tempo de impacto de 0.01 s.

(a) Qual é a relação entre ∆v e a altura da queda ?


(b) Estime de que altura poderá essa pessoa cair rigidamente e com ambos os pés
sem risco de fractura.
5 Personagem de ficção em As viagens de Gulliver, de Jonathan Swift.
CAPÍTULO 2. APLICAÇÕES A SERES VIVOS 35

6. Uma pulga de massa 0,5 mg salta a uma altura de 10 cm. Considere que 50% da
energia foi gasta a vencer a resistência do ar. Calcule: (a) a velocidade com que a
pulga salta; (b) sabendo que as patas trabalharam durante 2 ms para atingir essa
velocidade, calcule a força nas patas da pulga e compare com o seu peso.

7. Os melhores saltadores de saltos verticais (sem corrida) conseguem elevar o seu centro
de massa de uma altura h = 0, 60 m (ver figura 2.2). Durante este processo os
músculos das pernas actuam durante uma distância de 0, 3 m. Determine a força
muscular média necessária para efectuar este tipo de salto, supondo uma massa de
65 kg.

8. No salto em altura (modalidade olı́mpica) o centro de massa do saltador passa por


cima da fasquia colocada acerca de 2, 3 m. O centro de massa do saltador está a
cerca de 1, 0 m do solo. Supondo que a velocidade do saltador, de 70 kg de massa,
ao iniciar o salto, é 6, 0 m/s, determine: (a) a energia cinética do saltador; (b) se o
valor obtido em (a) é suficiente para o saltador passar a fasquia.

9. Calcular o trabalho realizado pelo saltador da figura 2.2, com 70 kg de massa. Se os


músculos actuarem durante 0, 25 s, qual é a potência muscular?

10. Usain Bolt correu os 100 metros em 9,79 segundos. Ao longo da corrida tocou 21
vezes com o pé direito no solo. A altura dele é 1,95 m.

(a) Utilize a tabela 5.2 para determinar o comprimento da perna.


(b) Calcule o número de Froude e assinale a sua posição no gráfico da figura 4.4.
(c) Com que velocidade correria ele em Marte, onde a aceleração da gravidade vale
3,7 m/s2 ?
Capı́tulo 3

Mecânica vectorial

3.1 Cinemática
3.1.1 Posição

A descrição do movimento de uma partı́cula faz-se indicando a posição da mesma em


relação a um referencial. Existe grande liberdade na escolha do referencial. Este pode
ser, por exemplo, um sistema de eixos Oxyz com origem O convenientemente escolhida
num certo ponto do espaço. A posição que essa partı́cula ocupa num certo instante t é
então dada por um vector posição:

~r(t) = x(t)~ux + y(t)~uy + z(t)~uz , (3.1)

o que corresponde a dizer que a partı́cula ocupa o ponto de coordenadas [x(t), y(t), z(t)]
no instante t. Os valores de x, de y e de z devem ser expressos numa certa unidade de
comprimento (em metros ou centı́metros, por exemplo).
Chama-se instante inicial ao momento em que se inicia a descrição do movimento.
Não quer dizer que a partı́cula estivesse parada antes. Quer dizer apenas que o seu
movimento só foi observado a partir daquele momento.

3.1.2 Velocidade

Suponhamos que uma partı́cula em movimento se encontra nas posições ~r(ti ) e ~r(tf ) nos
instantes ti e tf respectivamente. Chama-se velocidade média à variação de posição, em
média, por unidade de tempo. Assim,
~r(tf ) − ~r(ti )
~vm = . (3.2)
tf − ti
Problema: Calcule a velocidade média da partı́cula do problema anterior entre os instantes t=2s e
t=4s.

36
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 37

Resolução:
~r(4) − ~r(2)
~vm = = 2~ux m.s−1 .
4−2

A velocidade instantânea da partı́cula num certo instante t é a velocidade média num


intervalo de tempo infinitesimal que contém o instante t. A velocidade instantânea no
instante t é assim definida como
~r(t′ ) − ~r(t)
~v (t) = lim . (3.3)
t →t

t′ − t
A velocidade instantânea passará a partir de agora a ser designada, mais simplesmente,
por velocidade. Na expressão (3.3) o aluno deve reconhecer a definição matemática de
derivada de uma função. Neste caso é a função ~r(t) que está a ser derivada em ordem a
t. A derivação de um vector ~r(t) faz-se derivando cada uma das suas coordenadas:
dx dy dz
~v (t) = ~ux + ~uy + ~uz
dt dt dt
′ ′ ′
= [x (t), y (t), z (t)] .

Portanto a velocidade é a derivada da posição em ordem ao tempo. Mede a rapidez com


que a partı́cula muda de posição. O vector velocidade é sempre tangente à trajectória
descrita como mostra a figura 3.1.

V1 1

V3
V2

Figura 3.1: O vector velocidade em alguns pontos da trajectória.

Problema: Calcule a velocidade da partı́cula do problema anterior no instante t=5s.


Resolução: ~v (5) = d(2t+3)
dt ~ux + d(5)
dt ~uy = 2~ux m.s−1 .
Problema: A posição de uma partı́cula é dada por

~r(t) = (2t2 + 5t)~uy + sen(t)~uz .

Calcule a velocidade em qualquer instante t.


CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 38

Resolução: ~v (t) = (4t + 5)~uy + cos(t)~uz .


Existe um conceito importante relacionado com o de velocidade: o de momento linear
(ou quantidade de movimento). Este é definido como o produto da massa da partı́cula
pela sua velocidade. Trata-se portanto de um vector:

~p = m~v . (3.4)

3.1.3 Aceleração

Aceleração significa variação de velocidade. A aceleração instantânea, ou mais simples-


mente, aceleração, é definida como a derivada da velocidade em ordem ao tempo (ou a
segunda derivada da posição):
~v(t′ ) − ~v(t)
~a(t) = limt′ →t (3.5)
t′ − t
2
d~v d ~r
= = 2
dt dt
= [x′′ (t), y ′′(t), z ′′ (t)] .

Mede portanto a rapidez de variação da velocidade.


É costume dividir o vector aceleração em duas componentes: uma tangente à trajectória
e que se chama aceleração tangencial; outra perpendicular à trajectória, a aceleração
normal. A aceleração tangencial mede a rapidez de variação do módulo da velocidade.
Se a aceleração tangencial não for zero isso quer dizer que a partı́cula poderá estar a
mover-se cada vez mais depressa (se a componente tangencial tiver o mesmo sentido
que a velocidade) ou a mover-se cada vez mais devagar (se a componente tangencial
tiver sentido contrário ao da velocidade). A aceleração normal mede a rapidez de
variação da direcção da velocidade. Se a aceleração normal não for nula isso significa que o
movimento vai mudando de direcção, ou seja, que a trajectória é curvilı́nea. Em particular,
se a partı́cula se move ao longo de uma linha recta então podemos concluir que é nula a
componente normal da aceleração. A aceleração normal aponta sempre para a parte de
dentro da curva. O seu módulo é igual a v 2 /R onde R é o raio de curvatura da trajectória
no ponto onde se encontra a partı́cula. Tudo isto se pode expressar matematicamente
por:
dv v2
~a = ~ut + ~un = ~at + ~an ,
dt R
~
v
onde ~ut = |~v| é o versor de ~v e ~un é o vector unitário perpendicular à trajectória (no ponto
onde se encontra a partı́cula) apontando para dentro da curva. A figura 3.2 ilustra o que
atrás ficou dito.
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 39

an at

a = a tt + an
Figura 3.2: Decomposição do vector aceleração segundo a direcção normal e a direcção tangente à tra-
jectória.

3.1.4 Movimento circular uniforme

É o caso em que uma partı́cula descreve uma circunferência com velocidade constante em
módulo. Supondo que o movimento se dá no plano Oxy e a trajectória está centrada na
origem O e tem raio R, as coordenadas são dadas por

x(t) = R cos(ωt) ,
y(t) = R sen(ωt) . (3.6)

O ângulo que o vector posição faz com o eixo Ox é ωt e portanto aumenta linearmente com
o tempo. ω é a velocidade angular e corresponde ao ângulo varrido pelo vector posição na
unidade de tempo.
Uma vez que o módulo da velocidade não varia (por isso se diz que o movimento é
uniforme) a aceleração tangencial é então nula. Mas a aceleração normal não é nula porque
o vector velocidade vai mudando de direcção no decorrer do tempo. Conclui-se assim que
neste caso o vector aceleração aponta sempre para o centro da circunferência.
Esta situação está representada na figura 3.3. Diz-se que a aceleração é centrı́peta. O
módulo da aceleração é dado por:
v2
.
| ~a |=| ~an |=
R
A relação entre a velocidade e a velocidade angular é:

v = ωR .
Problema: Usando (3.6) verifique que v = ωR.
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 40

a
ωt
O x

Figura 3.3: Aceleração no movimento circular uniforme.

Resolução:
dx dy
~v (t) = ~ux + ~uy =
dt dt
= −Rωsen(ωt)~ux + Rω cos(ωt)~uy .

Portanto v 2 = R2 ω 2 sen2 (ωt) + R2 ω 2 cos2 (ωt) = R2 ω 2 , logo v = ωR.

3.2 Exercı́cios
1. O ponteiro dos minutos de um relógio tem movimento contı́nuo (em vez de dar
“saltinhos”). O seu comprimento vale 1 cm.

(a) Calcule a velocidade angular.


(b) Tratando esse ponteiro como um vector, desenhe a derivada em ordem ao tempo
desse vector e determine o seu módulo.

2. A Lua encontra-se a uma distância média de 384400 km e dá a volta à Terra em


27,322 dias. Calcule:

(a) a velocidade orbital da Lua;


(b) a aceleração normal (centrı́peta) da Lua.

3. Um disco gira a 60 rotações por minuto. Calcule:

(a) a velocidade angular;


(b) a velocidade de um ponto situado a 5,5 cm do centro.
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 41

(c) a aceleração daquele ponto.

4. Numa centrı́fuga comercial, utilizada nos laboratórios de quı́mica e biologia, os tu-


bos de ensaio rodam a cerca de 3300 rot/min., mantendo os respectivos eixos uma
inclinação de 30o , fixa com a vertical. Os tubos têm um comprimento de 10,0 cm
e quando montados na centrı́fuga ficam com a boca a 5,0 cm do eixo de rotação.
Determinar a aceleração centrı́peta de uma partı́cula colocada no centro do eixo do
tubo de ensaio. Compare o valor obtido com o da aceleração da gravidade.

5. A aceleração da gravidade, provocada pela atracção terrestre, vai decaindo com a


distância ao centro da Terra. À superfı́cie da Terra ela vale 9,8 m/s2 .
[Raio da Terra = 6370 Km; distância média da Lua=384400 km]

(a) Quanto vale a distância da Lua em raios terrestres?


(b) Comparando a aceleração da Lua, calculada no exercı́cio 2 com o valor 9,8 m/s2 ,
verifique que a aceleração gravı́tica decai com o quadrado da distância à Terra.

6. O perı́odo orbital da Terra é 1 ano e a distância ao Sol vale 1 UA (unidade as-


tronómica). Vénus encontra-se a 0,7 UA do Sol. Utilize o ano e a UA como unidades
de tempo e distância.

(a) Determine a velocidade angular da Terra.


(b) Determine a aceleração da Terra.
(c) Determine a aceleração de Vénus, utilizando os conhecimentos sobre aceleração
gravı́tica do problema 5.
(d) Determine o perı́odo orbital de Vénus.

3.3 Dinâmica: As três Leis de Newton


A teoria da Mecânica Clássica (não relativista) assenta nas seguintes três Leis de New-
ton:

1. Enquanto sobre uma partı́cula não actuarem quaisquer forças (ou a força resultante
for nula), esta permanecerá em repouso ou em movimento rectilı́neo uniforme.

2. A força que actua numa partı́cula é igual à derivada em ordem ao tempo do seu
momento linear. Isto expressa-se pela fórmula:
d~p
F~ = . (3.7)
dt
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 42

3. Se uma partı́cula A exerce uma força sobre uma partı́cula B então esta exerce, si-
multaneamente, uma força com a mesma intensidade mas de sentido oposto sobre a
partı́cula A. Estas duas forças constituem um par “acção-reacção”.
A primeira lei diz que se um corpo está parado ou se move com velocidade ~v constante
então a soma (vectorial) de todas as forças que actuam sobre ele é zero. Ou porque não
há nenhuma força ou porque elas se anulam uma às outras. Um exemplo é o seguinte:
se um objecto está parado em cima de uma mesa isso quer dizer que a soma de todas
forças que estão a actuar sobre ele é nula. Dito de outra maneira, a primeira lei diz que
os estados de repouso ou de movimento rectilı́neo uniforme não têm uma causa. Uma
dessas forças é o peso do corpo (exercida pela Terra sobre ele) e outra é a reacção normal
da mesa sobre esse corpo.
A segunda lei diz que a força F~ é igual a
d~p
F~ = .
dt
Como ~p = m~v então concluimos (para m constante) que
d~v
F~ = m = m~a.
dt
Portanto, neste caso, a força é o produto da massa pela aceleração. Repare-se que na
segunda lei surge o conceito de força como causa da modificação do estado de movimento
dos corpos (isto é, da velocidade). A massa m chama-se massa inercial e é uma carac-
terı́stica do corpo que determina se ele vai acelerar mais ou menos quando sujeito a uma
certa força. Quanto maior a massa ou inércia do corpo, menor será a sua aceleração.
Uma força representa-se matematicamente por um vector. Como tal, possui as seguintes
caracterı́sticas:
– direcção ou linha de acção (é a recta ao longo da qual a força actua);
– sentido;
– intensidade (módulo) cuja unidade é, no Sistema Internacional, o newton (N);
– ponto de aplicação (é o ponto do corpo onde ela está a ser exercida).
Se sobre uma partı́cula actuarem várias forças então aquela irá sofrer uma aceleração
que resulta da soma vectorial de todas essas forças. A soma vectorial de todas as forças
que actuam numa partı́cula chama-se força resultante. Quando a resultante é nula diz-
se que a partı́cula está em equilı́brio. Uma partı́cula em equilı́brio pode portanto estar
parada ou em movimento rectilı́neo uniforme.
Chama-se peso à força gravı́tica exercida pela Terra sobre um corpo.1 Aponta para o
centro da Terra (direcção vertical) e a sua intensidade é igual a mg com g ≃ 9, 8m · s−2
1 Existe uma definição mais elaborada de peso que pretende ter em conta o efeito da rotação da Terra
além da força da gravidade.
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 43

sendo a aceleração da gravidade e m a massa do corpo. Todos os corpos caem com a


mesma aceleração g independentemente da sua massa.

3.4 Lei do impulso


Suponha que uma partı́cula tem um movimento em linha recta sob acção de uma força
constante, F. Isso significa que vai ter um movimento uniformente acelerado:
∆~v
F~ = m~a = (3.8)
∆t
Então podemos escrever:

F~ ∆t = m~a∆t = m(~vf − ~vi ) = ~pf − ~pi (3.9)

Ou seja, o produto da força por um intervalo de tempo vai dar a variação de quantidade
de movimento nesse intervalo de tempo. O produto da força pelo intervalo de tempo
chama-se impulso.

3.5 Pressão
Consideremos uma força F~ a actuar sobre uma superfı́cie perpendicularmente a esta. A
pressão p é definida como a força exercida por unidade de área da superfı́cie, perpendicu-
larmente a esta:
F
p= , (3.10)
A
onde A denota a área. A unidade no Sistema Internacional é o N.m−2 (Newton por metro
quadrado).
Exemplo: Um cubo de massa 6 kg está pousado numa mesa. A aresta do cubo mede 50 cm. Calcule
a pressão que ele exerce sobre a mesa.
Resolução: O cubo exerce na mesa uma força igual ao seu peso, ou seja, F = 60 N. A área de
contacto com a mesa é A = 0, 52 = 0, 25 m2 . Portanto a pressão vale
F 60
p= = = 240 N.m−2 .
A 0, 25

Quando uma força F~ actua numa superfı́cie de área A, tangencialmente a esta, diz-se
que existe uma tensão de corte cujo valor é F/A.
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 44

3.6 Aplicações simples das leis de Newton


3.6.1 Corpo sobre uma mesa

Consideremos o caso de um bloco de massa m pousado numa mesa (ver figura 3.4). Se
o bloco estiver parado isso quer dizer, pela primeira lei de Newton, que a resultante das
forças que nele actuam é nula. Sobre ele actuam duas forças: o peso F~g e a reacção normal
da mesa sobre ele N. ~ E então temos F~g = −N ~ . A ”reacção normal” chama-se ”normal”

Fg

Figura 3.4: Forças exercidas num bloco em repouso sobre uma mesa.

porque é perpendicular à superfı́cie da mesa (”normal” = perpendicular). É ”reacção”


porque corresponde à força aplicada no bloco pela mesa em virtude de o bloco estar a
exercer na mesa uma força igual a −N ~ = F~g (acção aplicada na mesa). Há portanto um
par de forças acção-reacção entre o bloco e a mesa (terceira lei de Newton).
Se agora exercermos no bloco uma força F~ horizontal, como se mostra na figura 3.5,
então a resultante das forças será F~g + N~ + F~ = F~ . Ele mover-se-á com aceleração dada
por ~a = F~ /m.

3.6.2 Corpo num plano inclinado

Neste caso a reacção normal do plano sobre o bloco está inclinada como mostra a figura
3.6. Aqui é conveniente decompor as forças segundo a direcção do plano e segundo a
direcção normal ao plano. Não é preciso decompor N~ porque já está segundo a normal
ao plano. Então é preciso decompor somente a força gravı́tica F~g . A projecção de F~g
segundo a normal tem módulo | F~g | cos(α) e vai cancelar a força N
~ (para que não exista
movimento segundo a normal ao plano).
A componente do peso segundo a direcção do plano tem intensidade | F~g | sen(α) e
é a única componente eficaz do peso que realmente vai fazer o bloco descer o plano. O
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 45

Fg

Figura 3.5: Bloco sobre uma mesa é arrastado por acção de uma força.

α Fg

Figura 3.6: Forças exercidas num bloco num plano inclinado.

movimento de descida tem aceleração constante igual a

| F~g | senα
a= = g senα
m

3.6.3 Corpo suspenso por um fio

A força que o fio exerce no corpo é T~ e vai ter de compensar o peso do corpo F~g . Portanto
T~ + F~g = 0. O corpo exerce no fio uma força igual a −T~ . A força T~ chama-se ”tensão”
do fio. Esta situação está representada na figura 3.7.

3.6.4 O vôo da águia

Podemos aplicar a análise acima ao vôo de uma ave enquanto esta não bate as asas. Para
tal, basta fazer a seguinte analogia: a reacção normal do plano (horizontal ou inclinado)
corresponde à força que o ar exerce nas asas, em virtude de exercer pressões diferentes
por cima e por baixo das mesmas. A pressão do ar por baixo das asas, p1 , é superior à
pressão por cima das mesmas, p2 . Então a diferença de forças por cima e por baixo das
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 46

F
g

Figura 3.7: Forças exercidas numa esfera suspensa de um fio.

asas vale
~ ,
(p1 − p2 ) A = |N| (3.11)

onde A denota a área das asas.


Se a ave voa horizontalmente então está em equilı́brio de forças, e pela primeira lei de
Newton e temos de ter

mg = (p1 − p2 ) A . (3.12)

onde mg é o peso da ave.


Se a ave vem a descer, o papel do plano inclinado é desempenhado pelo ar e continua
a valer a equção (3.11). Utilizando os resultados obtidos acima para o plano inclinado
podemos escrever a aceleração de descida e a força nas asas como

a = g senα , (3.13)
(p1 − p2 ) A = mg cos α . (3.14)

Podemos ainda considerar que existe uma força de resistência do ar, que tem de ser
contrária à velocidade (portanto paralela “ao plano”) e irá reduzir o valor da aceleração
prevista por (3.13).

3.7 Forças conservativas


Existem situações em que uma partı́cula num certo ponto do espaço, ~r, fica sujeita a uma
certa força, F~ (~r), que depende desse ponto do espaço, apenas. Por exemplo, colocando
uma partı́cula próximo da superfı́cie da Terra, ela fica sujeita à força da gravidade m~g .
Se a partı́cula se for afastando da Terra, a força gravı́tica vai dimuindo com a distância:
portanto a força depende do ponto onde a partı́cula se encontra.
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 47

Fluido η (kg.m−1 .s−1 )


Ar (0o C) 1,71×10−5
Ar (40o C) 1,90×10−5
Água (0o C) 1,792 ×10−3
Água (40o C) 0,656×10−3

Tabela 3.1: Coeficiente de viscosidade η para o ar e a água a duas temperaturas distintas.

Uma força que só depende do ponto onde a partı́cula se encontra é uma força con-
servativa. Essa força não depende da velocidade da partı́cula, nem de outras forças que
também estejam a actuar sobre ela.
A uma força conservativa está associada uma energia potencial Ep (x, y, z). Quando a
partı́cula se encontra no ponto ~r = (x, y, z) ela sente a força:
!
∂Ep ∂Ep ∂Ep
F~ = − , , (3.15)
∂x ∂y ∂z

Exercı́cio: Suponha que o eixo z é vertical para cima. Considere a energia potencial
gravı́tica Ep = mgz. Utilizando a definição acima, calcule o vector força (gravı́tica).

3.8 Força de resistência num fluido


Quando um corpo se move no seio de um fluido ele fica sujeito a uma força (F~v ) que
tenta contrariar o movimento. Essa força é-lhe aplicada pelo fluido e será tanto maior
quanto maior for a viscosidade do mesmo. A força é nula se o corpo estiver em repouso
relativamente ao fluido e aumenta com o aumento da velocidade relativa. Percebemos
então que não se trata de uma força conservativa.
Se a velocidade não for muito grande então a força é dada por:

F~v = −Kη~v , (3.16)

onde K é um factor que depende da forma e tamanho do corpo. O coeficiente η é designado


por coeficiente de viscosidade do fluido, e é uma caracterı́stica deste, dependendo
da temperatura. Na tabela 3.1 estão listados os valores da viscosidade para o ar e para
a água a duas temperaturas distintas. Se o corpo for esférico de raio R então K = 6πR.
Portanto, para um corpo esférico tem-se:

F~ = −6πRη~v . (3.17)
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 48

A equação (3.17) chama-se lei de Stokes. Da equação (3.17) também se pode concluir
que a unidade em que se exprime η no Sistema Internacional é kg.m−1 .s−1 . No Sistema
CGS, que é baseado no centı́metro, grama e segundo, a unidade de η é o poise (P).
Portanto 1P = 1g.cm−1 s−1 = 0, 1kg.m−1 .s−1 .
Consideremos o movimento de queda ”livre” de um corpo esférico no seio de um fluido.
A esfera estará sujeita a duas2 forças: F~g e F~v . A equação do movimento escreve-se:

F~g + F~v = m~a ,


mg − 6πRηv = ma .

À medida que a velocidade for aumentando a força F~v também aumenta até que a sua
intensidade consiga igualar-se à da força gravı́tica. A partir desse momento, em que
a velocidade atingiu um valor limite vL , a soma das duas forças é nula e a velocidade
manter-se-á constante. O valor dessa velocidade limite será então dado por:
mg
vL = . (3.18)
6πRη
Quando as velocidade se tornam elevadas a força de resistência exercida pelo fluido no
corpo é dada pela equação
C
F~v = − ρA~v v , (3.19)
2
onde ~v é a velocidade do objecto relativamente ao fluido, A é a secção transversal do
objecto (para uma esfera de raio R temos A = πR2 ), ρ é a massa volúmica do fluido e
C é um número adimensional que depende da viscosidade e que é nulo para η = 0.3 A
força (3.19) é designada por força de arrastamento. Tal como no caso da lei de Stokes, a
força de atrito (3.19) conduz a uma velocidade terminal de queda, diferente da anterior,
e dada por s
2mg
vL = . (3.20)
CρA

3.9 Exercı́cios
1. Uma partı́cula executa um movimento circular uniforme. O raio da circunferência é
R = 1 m e a velocidade da partı́cula é v = 3 m/s. a) Calcule o perı́odo do movimento.
b) Determine a velocidade angular. c) Represente a força que actua na partı́cula,
num dado instante. d) Determine a força que actua na partı́cula e desenhe-a num
esquema.
2 Iremos ver mais adiante que o lı́quido exerce ainda uma força de impulsão na esfera que deve ser descontada ao peso.
3 Na verdade, o número C é uma função do inverso do número de Reynolds (ρ2Rv/η).
CAPÍTULO 3. MECÂNICA VECTORIAL 49

2. Um pássaro de massa 4 kg voa na horizontal sem bater as asas. A área das asas vale
4500 cm2 . Calcule a diferença de pressões do ar por baixo e por cima das asas.

3. Suponha que o mesmo pássaro desce fazendo um ângulo de 30o com a horizontal.
(a) Com que aceleração desce?
(b) Calcule a diferença de pressões do ar por baixo e por cima das asas.

4. Uma energia potencial é dada por: Ep = x2 + xy + z 3 . Calcule o vector força, F~ , em


função da posição.

5. Quando uma gota de água de raio R cai na atmosfera ela está sujeita a uma força
de fricção cujo módulo é Ff = CρπR2 v 2 . Aqui, C e ρ são constantes e v é o módulo
da velocidade. Devido a esta força, a velocidade da gota tende para um valor limite
constante. Para uma gota esférica, C = 0, 6. Considere o raio R =1,5 mm. Para o ar
ρar = 1, 2 kg/m3 e a massa volúmica da água é ρa = 1000 kg/m3 . Se a gota cair de
uma altura de 1200 m, calcular a velocidade de chegada da gota se: (a) não houver
força de fricção com o ar; (b) na presença da força de fricção com o ar.
Capı́tulo 4

Trabalho e Energia

4.1 Energia cinética e trabalho realizado por uma força


4.1.1 Definição de energia cinética

Consideremos uma partı́cula de massa m que se desloca com velocidade ~v . A energia


cinética, Ec , é definida como
1 1
Ec = mv 2 = m~v · ~v , (4.1)
2 2
e a unidade no Sistema Internacional é o joule (J). Portanto o joule é equivalente ao
kg.m2 .s−2 . A energia cinética está associada ao movimento da partı́cula.

4.1.2 Definição de trabalho

Consideremos uma partı́cula, sujeita a uma força constante F~ , que num dado intervalo de
tempo efectua um deslocamento ∆r.~ O trabalho realizado pela força nesse deslocamento,
W , é definido como:
W = F~ · ∆r
~ . (4.2)
A unidade em que se exprime o trabalho no Sistema Internacional é o joule (J). Se o
vector força e o vector deslocamento fizerem entre si um ângulo α então

W =| F~ | · | ∆r
~ | cos(α) .

O ângulo α varia entre 0 e 180 graus. Se α < 90o então a força está a favor do desloca-
mento (porque a sua componente segundo ∆r ~ tem o mesmo sentido que ∆r)
~ e realiza um
o
trabalho positivo. Se α > 90 então a força está a contrariar o deslocamento (porque a
sua componente segundo ∆r ~ é oposta a ∆r)
~ e realiza um trabalho negativo. Estas duas
situações estão representadas na figura 4.1.

50
CAPÍTULO 4. TRABALHO E ENERGIA 51

F
W<0 F
W> 0

∆r ∆r

Figura 4.1: O ângulo entre a força e o deslocamento determina o sinal do trabalho.

Se existirem várias forças a actuar sobre a partı́cula então o trabalho total (da resul-
tante) é a soma dos trabalhos realizados por cada uma das forças:

W = (F~1 + F~2 + F~3 + ...) · ∆r


~
= F~1 · ∆r
~ + F~2 · ∆r
~ + F~3 · ∆r~ + ...
= W1 + W2 + W3 + ... .

Se a força (resultante) que actua na partı́cula for variável então, para calcular o tra-
balho num certo deslocamento ∆r, ~ devemos dividir esse deslocamento numa soma de
muitos deslocamentos pequenos, ∆r ~ = ∆r~ 1 + ∆r
~ 2 + ∆r~ 3 + .... Cada um dos deslo-
camentos parciais ∆r ~ i é suficientemente pequeno para que a força se possa considerar
aproximadamente constante durante esse deslocamento ∆r ~ i . O trabalho será então igual
à soma dos trabalhos realizados em cada deslocamento parcial:
N
F~i · ∆r
~ i.
X
W =
i=1

Fazendo ∆~ri → 0 e N → ∞ a soma anterior converte-se num integral e o trabalho


escreve-se como Z
W = F~ (~r) · d~r .

4.1.3 Relação entre trabalho e variação da energia cinética

Existe uma relação importante entre o trabalho da resultante das forcas que actuam numa
partı́cula e a sua energia cinética. A força produz uma aceleração que pode alterar o valor
da velocidade da partı́cula. Daı́ decorre também uma variação da energia cinética. O
trabalho realizado pela resultante das forças sobre uma partı́cula é igual à
variação da sua energia cinética:

W = ∆Ec = Ec (f inal) − Ec (inicial) . (4.3)


CAPÍTULO 4. TRABALHO E ENERGIA 52

Verifiquemos o resultado anterior para um caso particular. Consideremos uma partı́cula


que parte do repouso e percorre a distância d sujeita a uma força F~ constante. Admitindo
que a força actua na direcção do versor ~ux , a equação das posições é dada por
F 2
x= t ,
2m
q
e ao fim da distância d a velocidade é vx = 2dF/m (obtenha este resultado), pelo que
a variação da energia cinética é dada por
1 2dF
∆Ec = Ec (f inal) − Ec (inicial) = m −0 =F ·d= W . (4.4)
2 m

4.1.4 Trabalho realizado por uma força conservativa

Quando uma força é conservativa, o trabalho que realiza é igual ao simétrico da variação
da energia potencial:
!
∂Ep ∂Ep ∂Ep
F~ = − , , , (4.5)
∂x ∂y ∂z
W = −∆Ep = Ep (~ri ) − Ep (~rf ) . (4.6)

Estas duas igualdades são matematicamente equivalentes. Mas para o provar, o estudante
teria que ter estudado cálculo integral.

4.1.5 Trabalho realizado pela força gravı́tica. Energia potencial gravı́tica.

À superfı́cie da Terra a força da gravidade é constante e actua segundo a vertical do lugar.


Suponhamos que uma partı́cula se desloca da altura hi para a altura hf como mostra a
figura 4.2. O trabalho realizado pela gravidade é então

WF~g = F~g · ∆~r = mg | ∆~r | cos(α)


= mg(hi − hf ) .

Pela relação existente entre trabalho e energia cinética exposta na secção anterior, pode-
mos escrever:
1 1
WF~g = mg(hi − hf ) = mvf2 − mvi2
2 2
1 2 1
⇔ mghi + mvi = mghf + mvf2 .
2 2
À quantidade mgh passaremos a chamar energia potencial gravı́tica. A soma da energia
potencial gravı́tica com a energia cinética é a energia mecânica. A equação anterior diz
CAPÍTULO 4. TRABALHO E ENERGIA 53

hi g
∆r
α

hf

Figura 4.2: Deslocamento de uma partı́cula entre dois pontos a diferentes alturas, no campo gravı́tico.

que a energia mecânica inicial é igual à energia mecânica final. Isto é, quando uma
partı́cula se desloca por acção da gravidade a sua energia mecânica não varia.
Assim, se um corpo cai ele vai perdendo altura (e energia potencial) mas simultaneamente
ganha velocidade (e energia cinética). A soma da energia potencial com a energia cinética
mantém-se constante durante a queda. Porque a energia mecânica se conserva diz-se que
a força da gravidade é conservativa.
Quando um corpo se move sobre um plano inclinado ou está suspenso por um fio (no
caso do pêndulo) existe uma força adicional para além da gravidade. Trata-se da reacção
normal do plano sobre o corpo ou da tensão no fio, conforme o caso. Mas estas forças não
realizam trabalho porque são sempre perpendiculares ao vector velocidade do
corpo. No caso do plano inclinado é óbvio que a reacção normal não realiza trabalho.
Mas se se tratar de um pêndulo ou de uma superfı́cie curva então podemos considerar
o deslocamento do corpo como a soma de muitos deslocamentos parciais pequenos. Em
cada um desses deslocamentos infinitesimais o trabalho realizado pela reacção normal
da superfı́cie é nulo por ser sempre perpendicular a esses deslocamentos (os quais são
paralelos à velocidade). Assim, mesmo que o corpo desça por uma superfı́cie encurvada
a sua energia mecânica conserva-se permitindo-nos determinar o valor da velocidade em
qualquer ponto da trajectória. Por exemplo, no caso da figura 4.3, se o corpo partiu de
uma altura inicial hi com velocidade ~vi então a sua velocidade ~vf num ponto à altura hf
CAPÍTULO 4. TRABALHO E ENERGIA 54

vi

∆h

1
2
mvf = 12 mvi + mg∆h
2 2

vf

Figura 4.3: Conservação da energia mecânica na descida

é tal que
1 2 1
Emec = mvf + mghf = mvi2 + mghi
2
q 2
2
vf = vi + 2g(hi − hf ) .

Problema: Um pêndulo de comprimento l = 50 cm é largado de um ângulo de 30o . Calcule a


velocidade v com que passa no ponto mais baixo da trajectória.
Resolução: Como apenas a força gravı́tica realiza trabalho, a energia mecânica é conservada. O seu
valor é portanto igual à energia potencial à altura de que foi largado (já que a velocidade ali era nula):

3
Emec = Ep (inicial) = mgl (1 − cos(30o )) = m × 10 × 0, 5 × (1 − ).
2
Esta energia será convertida em energia cinética no ponto mais baixo da trajectória (estamos a considerar
que este se encontra à altura zero). Logo

1 2 3
Emec = mv = m × 10 × 0, 5 × (1 − )
2 s 2

3
⇔ v = 2 × 10 × 0, 5 × (1 − ) = 1, 2 m · s−1 .
2

4.2 Exercı́cios
1. Uma partı́cula de massa 3 kg tem velocidade ~v = 3~ux + 4~uy m/s. Calcule a energia cinética.

2. Uma força F~ = 25~ux + 4~uy N actua numa partı́cula de massa 5 kg enquanto ela vai do ponto
~r1 = 1~ux − 1~uy m até ao ponto ~r2 = 1~ux + 3~uy m.

(a) Calcule o trabalho realizado pela força.


CAPÍTULO 4. TRABALHO E ENERGIA 55

(b) Se partı́cula tinha velocidade de 2 m/s no ponto ~r1 , qual será o valor da velocidade no ponto
~r2 ?

3. Um pêndulo de comprimento l = 0,5 m é largado de um ângulo 30o (com a vertical).

(a) Qual a velocidade com que passa no ponto mais baixo?


(b) Se um corpo fosse largado da mesma altura, em queda livre na vertical, que velocidade atin-
giria?

4. O alcance do peso, do disco e do dardo nas respectivas modalidades olı́mpicas é de 22 m, 71 m


e 95 m, respectivamente. As massas do peso, do disco e do dardo são 7, 3 kg, 2, 0 kg e 0, 80 kg,
respectivamente. Supondo que o lançamento é feito a 45o , qual é a energia cinética de lançamento
destes três objectos? Utilize para o alcance a seguinte expressão: alcance= v 2 sen(2α)/g.

5. Um homem corre com velocidade 3 m/s. Cada perna tem 10 kg de massa e o tamanho da passada
vale 2 m. Calcule: a) a energia cinética de cada perna; b) o trabalho muscular em cada perna, pelo
teorema trabalho-energia cinética; c) tendo em conta o número de passos por segundo (e o facto de
ter 2 pernas!) calcule o trabalho muscular total por segundo (a isto chama-se potência muscular).

6. Quando um animal voa, 1 g de gordura é oxidado produzindo uma energia de 4×104 J. A eficiência
muscular é de 25%. Calcule:

(a) a quantidade de gordura consumida por um beija-flor que voa durante 1 minuto com uma
potência muscular de 0,7 W;
(b) o alcance máximo de um periquito com 60 mg de gordura se a sua potência muscular for de
3,66 W e a velocidade do vôo 5,5 m/s.

7. Uma energia potencial é dada por: Ep = −x2 + xy 2 .

(a) Calcule o vector força, F~ , em função da posição.


(b) Calcule o trabalho realizado por F~ quando a partı́cula se desloca da posição ~r1 = (0, 0, 1) para
a posição ~r2 = (1, 2, 1).
Capı́tulo 5

Sistema de partı́culas

Nos capı́tulos anteriores foi apenas considerado o movimento de partı́culas. Neste capı́tulo e no
seguinte serão estudados alguns conceitos de cinemática e dinâmica de sistemas de partı́culas e, em
particular, dos corpos rı́gidos. Um corpo é um agregado de muitas partı́culas. Antes de atribuirmos
grandezas cinemáticas a um corpo temos primeiro de as definir para partı́culas individuais. Assim, por
exemplo, a quantidade de movimento de um corpo é definida como a soma das quantidades de movimento
das partı́culas que o constituem. O mesmo se pode dizer em relação à sua massa e energia cinética.
Um corpo possuı́ dois movimentos: o de rotação e o de translação. O movimento de translação
é o movimento do seu centro de massa.

5.1 Centro de massa


Considere-se um sistema de N partı́culas de massas m1 , m2 ,..., mN , que ocupam as posições ~r1 , ~r2 ,...,~rN .
O centro de massa do conjunto de partı́culas é um ponto que se encontra na posição ~rCM definida como:
m1~r1 + m2~r2 + ... + mN ~rN
~rCM = . (5.1)
m1 + m2 + ... + mN
Portanto ~rCM é uma média ponderada (pelas massas) das posições das partı́culas.
Por exemplo, o centro de massa de duas partı́culas encontra-se na linha que as une. Se as partı́culas
tiverem a mesma massa então o centro de massa estará exactamente a meio entre elas. Se tiverem massas
diferentes então o centro de massa estará mais próximo da partı́cula mais pesada.
Problema: Duas partı́culas de massas 1 kg e 6 kg estão a uma distância de 4 m uma da outra.
Calcule a posição do seu centro de massa.
Resolução: Podemos considerar que elas se encontram no eixo dos X ′ s e começar a contar as
distâncias a partir da partı́cula de 1 kg. Ou seja, esta está na origem e a outra está na posição x=4
metros. Utilizando a expressão (5.1) obtemos
1×0+6×4 24
xCM = = ≈ 3, 43 .
1+6 7
Portanto o centro de massa está a 3,43 m da partı́cula de massa 1 kg.
Problema: Três partı́culas de massas 2 kg, 5 kg e 6 kg estão, respectivamente, nas posições ~r1 =
−2~ux, ~r2 = 3, 7~ux e ~r3 = 7~uy + ~uz .

56
CAPÍTULO 5. SISTEMA DE PARTÍCULAS 57

Resolução: Utilizando a expressão (5.1) obtemos

2 × (−2) + 5 × 3, 7 6×7 6×1


~rCM = ~ux + ~uy + ~uz .
2+5+6 2+5+6 2+5+6

5.2 Centro de massa de um corpo


O centro de massa de um corpo é o centro de massa do conjunto de todas as partı́culas que o constituem.
O movimento de translação do corpo é o movimento do centro de massa. Isto é, a velocidade de translação
é ~vCM , a aceleração de translação é ~aCM .
É fácil adivinhar onde se encontra o centro de massa de alguns sólidos homogéneos. Por exemplo,
o centro de massa de uma esfera está no centro da mesma. O de um disco está no centro do disco. O
centro de massa de uma vara encontra-se no seu ponto médio.
Nem sempre o centro de massa se encontra dentro do corpo. É o que se passa, por exemplo, com um
anel.
Um facto importante: o ponto de aplicação da força gravı́tica é o centro de massa do corpo.
Daqui decorre que se um objecto for atirado ao ar o seu centro de massa irá descrever a trajectória
parabólica correspondente ao movimento de um projéctil.

5.3 Exercı́cios
1. Três partı́culas encontram-se no plano Oxy nas posições ~r1 = (1, 3) m, ~r2 = (1, −5) m,~r3 = (−2, 3)
m. As massas valem respectivamente m1 =2 kg, m2 =3 kg, m3 =0,5 kg. Determine a posição do
centro de massa do conjunto.

2. A massa da Terra vale 5.97219×1024 kg e a massa da Lua vale 7.34767309×1022 kg. A distância
média da Lua é de 384.400 Km. Onde se encontra o centro de massa do sistema Terra-Lua?

3. Uma tábua de massa deprezável tem uma massa de 3 kg numa extremidade e 7 kg na outra. O
comprimento da tábua é de 2 metros. Calcule em que ponto da tábua é preciso segurar (centro de
massa do conjunto) para que ela fique em equilibrada.

4. Observe a figura 5.1 e calcule o ponto de apoio da tábua para que eles possam se balançar normal-
mente. A tábua tem 20 metros de comprimento.

5.4 Distribuição de massa no corpo humano


Na tabela 5.1 listam-se as posições dos centros de massa das várias partes constituintes do corpo humano,
e na tabela 5.2 listam-se as posições das articulações ósseas. (Os dados apresentados são o resultado de
um estudo da National Aeronautics and Space Administration).
CAPÍTULO 5. SISTEMA DE PARTÍCULAS 58

Figura 5.1:

Sı́mbolo Centros de massa x y z Massa


1 cabeça 0 0 93,48 6,9
2 tronco 0 0 71,09 46,1
3 braço 0 ±10,66 71,74 6,6
4 antebraço 0 ±10,66 55,33 4,2
5 mãos 0 ±10,66 43,13 1,7
6 coxas 0 ±5,04 42,48 21,5
7 pernas 0 ±5,04 18,19 9,6
8 pés 0 ±6,16 1,78 3,4
S Total (todo o corpo) 57,95 100

Tabela 5.1: Na figura 5.2 os cı́rculos referem-se às articulações e os quadrados às posições dos centros
de massa das várias partes do corpo. O quadrado a negro representa a posição do centro de massa do
corpo humano. Os números para as posições dos centros de massa referem-se a percentagens de altura e
os valores das massas referem-se a percentagens da massa total do corpo.
CAPÍTULO 5. SISTEMA DE PARTÍCULAS 59

Sı́mbolo Pontos de articulação x y z


A base do crâneo 0 0 91,23
B articulação dos ombros 0 ±10,66 81,16
C cotovelos 0 ±10,66 62,20
D ancas 0 ±5,04 52,13
E pulsos 0 ±10,66 46,21
F joelhos 0 ±5,04 28,44
G tornozelos 0 ±5,04 3,85

Tabela 5.2: Localização dos pontos de articulação no corpo humano. Os números listados são em per-
centagem da altura total do indivı́duo.

Figura 5.2: Posição dos centros de massa das várias partes do corpo humano e das articulações.
Capı́tulo 6

Momento de uma força

6.1 Produto externo de vectores


O produto externo de dois vectores origina um terceiro vector M ~ , perpendicular ao plano formado pelos
dois vectores originais. Sejam dois vectores F~ e ~r (por exemplo, força e posição) tais que, em termos das
suas componentes, se escrevem como

F~ = ~ux Fx + ~uy Fy + ~uz Fz , ~r = ~ux x + ~uy y + ~uz z , (6.1)

então, o produto externo de ~r por F~ , M


~ = ~r × F~ , é definido por

~ = ~r × F~ = (yFz − zFy )~ux + (zFx − xFz )~uy + (xFy − yFx )~uz .


M (6.2)

~ é tal que
O vector M
~ | = |~r||F~ | sin θ ~ ,
|M ~ · F~ = M
M ~ · ~r = 0 . (6.3)
(~
r ,F )

Problema: Sendo ~a = 2~ux + ~uy e ~b = −~uy + 10~uz calcular ~a × ~b.


Resolução:

(2~ux + ~uy ) × (−~uy + 10~uz ) = 2~ux × (−~uy ) + 2~ux × 10~uz + ~uy × (−~uy ) + ~uy × 10~uz =
−2~uz − 20~uy + 0 + 10~ux = 10~ux − 20~uy − 2~uz

O produto externo dos dois vectores origina um terceiro vector M ~ , perpendicular ao plano formado
pelos dois vectores originais. O sentido do vector é definido pela regra da mão direita: colocando o polegar
ao longo do primeiro vector e o indicador ao longo do segundo vector, então o dedo médio dará o sentido
do terceito vector. A situação encontra-se representada na figura 6.1.
O módulo de M ~ é dado por:
|M~ | = |~r| · |F~ |sen(α) (6.4)

Consideremos a situação representada na figura 6.2. A força está aplicada no ponto ~r. Diz-se que
o momento da força está a ser calculado em relação ao ponto O, porque é com origem nesse ponto que
estamos a desenhar o vector posição ~r. Define-se o braço da força como a distância da sua linha de

60
CAPÍTULO 6. MOMENTO DE UMA FORÇA 61

Figura 6.1: Produto externo dos vectores ~r e F~ .

acção ao ponto O. Essa distância é dada por |~r|sen(α). Pela equação (6.4) vemos então que o módulo do
momento é dado pelo produto da força pelo braço:

~ | = F~ | · |~r|sen(α) = força × braço


|M (6.5)

Figura 6.2: Momento da força F~ calculado em relação ao ponto O.

6.2 Estática
Porque nos interessa o conceito de momento de uma força? Suponha uma força aplicada num objecto,
como na figura 6.3: o bloco vai ter tendencia para rodar em torno do ponto O se o momento da força em
relação a O não for nulo.
Iremos aplicar estas noções a problemas de estática. Para que um corpo permaneça em repouso, é
necessário que se verifiquem duas condições:
CAPÍTULO 6. MOMENTO DE UMA FORÇA 62

Figura 6.3: Força F~ vai provocar rotação do objecto em torno do ponto O.

1. A soma (vectorial) das forças tem de ser nula;

2. a soma dos momentos das forças em relação a um ponto (qualquer) tem de se nula.

Um exemplo de aplicação: na figura 6.4 encontra-se representada uma tábua de peso desprezável, sobre
a qual se pousou um objecto. Pretende-se calcular as reacções normais nos pontos de apoio na tábua. A

~1 e N
Figura 6.4: Quanto valem as reações normais N ~ 2?

primeira condição é que a soma das reações normais tem de compensar o peso M g:

N1 + N2 = M g

Sabemos a soma N1 + N2 mas ainda não sabemos quanto valem cada uma dessas forças. Agora, iremos
considerar os momentos das forças e para isso podemos escolher um ponto qualquer: o extremo esquerdo
da tábua, por exemplo. Os momentos das forças em relação a esse ponto são:
– o momento de N ~ 1 é nulo porque a força N
~ 1 tem braço nulo;
– o momento de M~g tem módulo M g×braço= 2M g;
– o momento de N ~ 2 tem módulo N2 ×braço= 3N2 ;
O momento de M~g tende a rodar a tábua para baixo enquanto que o momento de N ~ 2 tende a rodar
a tábua para cima. Esses momentos têm de se anular um ao outro e, para isso,

2M g = 3N2

Logo, ficámos a saber que N2 = 23 M g. Então vem que N1 = M g − N2 = 13 M g. O ponto de apoio


esquerdo suporta 1/3 do peso do objecto e o ponto de apoio direito suporta 2/3 do peso.
CAPÍTULO 6. MOMENTO DE UMA FORÇA 63

6.3 Forças musculares nas articulações


Um sólido está em equilı́brio se a aceleração do seu centro de mass for nula e se a tendência para rodar
em torno de um eixo for nula. Estas condições são equivalentes a dizermos que o somatório das forças
que actuam no corpo é zero e que o somatório dos momentos das forças que actuam no corpo também é
nulo, isto é:
F~i = 0 , ~o = ~r × F~i = 0 .
X X
M (6.6)
i
Já sabemos que as únicas forças a serem consideradas na equação (6.6) são as forças exteriores. O
momento M ~ o é calculado relativamente a um eixo convenientemente escolhido.
Apliquemos o conjunto de equações (6.6) ao estudo de forças nos ossos e músculos. Um dos casos mais
simples de forças exercidas pelos músculos e ossos ocorre quando um sujeito segura um objecto na mão,
como mostra a figura 6.5. Na figura 6.5 está representado o sistema braço, antebraço e mão segurando
um objecto por meio de um modelo fı́sico simplificado. A figura 6.5 representa as forças que actuam no
antebraço (rádio).

úmero
F2

objecto

cotovelo rádio
F1 F4
r2 F3
r3
r4

Figura 6.5: Forças envolvidas no segurar de um objecto.

A força F~1 representam a força exercida pelo úmero no rádio, na articulação do cotovelo; F~2 é a força
exercida pelos bı́cepes no rádio; F~3 e F~4 representam o peso do conjunto antebraço-mão e o peso do
objecto, respectivamente. As distâncias r2 , r3 e r4 representam a distância da articulação do cotovelo ao
ponto de aplicação da força exercida pelos bı́cepes (tipicamente 2 cm), a distância do cotovelo ao centro
de massa do sistema braço-mão e a distância do cotovelo ao centro de massa do objecto, o qual é suposto
coincidir com o centro de massa da mão. As distâncias r3 e r4 podem ser obtidas a partir das tabelas
5.1 e 5.2. Consideremos como exemplo um indivı́duo de massa 80 kg e altura 1, 83 m, o qual segura um
bloco de 10 kg de massa. As distâncias r2 , r3 e r4 são dadas por

r2 = 2 cm ,
0.5533 × 0, 042 + 0, 4313 × 0, 017
r3 = 180 × 0, 622 − 180 = 19 cm ,
0, 017 + 0, 042
CAPÍTULO 6. MOMENTO DE UMA FORÇA 64

r4 = 180(0, 6220 − 0, 4313) = 35 cm .

O peso do sistema antebraço-mão também se calcula da tabela 5.1 e vale


1
F3 = (0, 042 + 0, 017)80g = 23 N . (6.7)
2
Agora vamos usar a segunda lei de Newton para estabelecer o equilı́brio do sistema. As forças apenas
actuam na direcção y, por isso temos
X
Fi,y = 0 ⇔ F2 − (F1 + F3 + F4 ) = 0 ⇔ F2 = F1 + 121 N . (6.8)
i

A segunda lei de Newton aplicada aos momentos das forças dá


X
Mi = 0 ⇔ r2 F2 − r3 F3 − r4 F4 = 0 . (6.9)
i

Combinando as Eqs. 6.8 e 6.9 obtemos F2 = 1933, 5N e F1 = 1812, 5N , ou seja, as forças exercidas pelos
bı́cepes e pelo úmero são quase 20 vezes o peso do objecto que se está a segurar!

6.4 Exercı́cios
1. Uma força de 50 N é exercida na extremidade de uma tábua de comprimento 2 metros e faz um
ângulo de 60o com a mesma. Calcule o momento da força em relação à outra extremidade da tábua.

2. Alguém põe um cilindro de raio 5 cm a girar, em torno do seu eixo, aplicando-lhe uma força de 47
N tangencialmente. Qual o momento dessa força?

3. Calcule os produtos vectoriais dos versores dos eixos cartesianos:


~ux × ~uy ; ~uy × ~uz ; ~uz × ~ux .

4. Uma força F~ = (1, 1, 2) N actua numa partı́cula que se encontra no ponto ~r = (2, 3, −1) m. Calcule
o momento da força em relação à origem.

5. Qual é a área do paralelogramo definido pelos vectores ~a = (1, 4, −2) e ~b = (2, 0, 1) ?

6. Explique porque é mais fácil abrir uma porta exercendo a força longe da dobradiça do que perto
desta.

7. Relativamente à figura 6.4, suponha que o peso da tábua são 20N e calcule novamente as reacções
normais.

8. Relativamente à figura 6.6, a situação (a) representa uma tábua de massa 2 kg. Determine as forças
que actuam nela.

9. Relativamente à figura 6.6, a situação (b) representa uma tábua de massa 5 kg com 3 metros de
comprimento. O fio está na vertical. Determine as forças que actuam na tábua.
CAPÍTULO 6. MOMENTO DE UMA FORÇA 65

Figura 6.6:

10. Considere um homem de 80 kg de massa colocado em bicos de pés. Esta situação está representada
na figura 6.7, juntamente com o diagrama de forças. A força F~1 é exercida pelo solo no metatarso
e é igual ao peso do sujeito. F~2 e F~3 são forças exercidas no metatarso pela tı́bia (no tornozelo)
e pelo tendão de Aquiles, respectivamente, sendo r1 e r3 as distâncias, medidas na horizontal, do
tornozelo ao ponto de contacto com o solo (tipicamente 12 cm) e do tornozelo ao ponto de ligação
do tendão de Aquiles (tipicamente 6 cm), respectivamente. Determine as intensidades das forças
F2 e F3 . Diga quantas vezes as intensidades das forças F2 e F3 são maiores que o peso do corpo.

F3
tendão de
Aquiles tíbia F1

metatarso

F2
Figura 6.7: Forças para nos mantermos em bicos de pés.

11. A figura 6.8 representa o braço de um sujeito de massa 80 kg e altura 183 cm que empurra, com a
mão, algo para baixo com intensidade F4 = 150 N. Determine a força F~1 que os trı́cepes exercem
no cúbito (num ponto que dista, tipicamente, 2, 5 cm do cotovelo) e a força F~2 que o úmero exerce
no cotovelo.
CAPÍTULO 6. MOMENTO DE UMA FORÇA 66

úmero
F1 F4

cotovelo rádio
F2
F3
r3
r4
r1
Figura 6.8: Forças exercidas pelos trı́cepes e pelo úmero ao empurrar algo com a mão para baixo.
Capı́tulo 7

Fluidos

7.1 Massa volúmica


A massa volúmica de um corpo homogéneo de um dado material define-se como
M
ρ= , (7.1)
V
onde M e V são a massa e o volume do corpo, respectivamente. Na tabela 7.1 estão listadas algumas
massas volúmicas do ar e de alguns lı́quidos e sólidos correntes. De acordo com esta definição, a massa
volúmica é uma caracterı́stica do material que constitui o corpo.

7.2 Pressão num fluido


Uma qualquer superfı́cie que se encontre num meio fluido (gás ou lı́quido) ficará sujeita a uma pressão
independentemente da sua orientação. Ambas as faces de uma folha de papel, por exemplo, estão sujeitas
à pressão atmosférica. O valor da pressão atmosférica que iremos utilizar nos problemas é po ≈ 105 Nm−2 .
Exemplo: Calcule a força exercida pela atmosfera numa face de uma folha de papel de dimensões
30cm × 20cm.
Resolução: A força exercida pela atmosfera em cada uma das suas faces é de F = po A = 105 × 6 ×
−2
10 = 6000N (aproximadamente o peso de uma massa de 600 kg!).
Consideremos agora um ponto qualquer num fluido. A pressão naquele ponto (isto é, a força por
unidade de área em qualquer superfı́cie que fosse lá colocada) é dada pela fórmula:

p = po + ρgh , (7.2)

onde ρ denota massa volúmica do lı́quido e h a profundidade do ponto a que se encontra o referido ponto.
A equação (7.2) mostra que uma superfı́cie colocada no ponto P estaria sujeita ao peso da coluna de
lı́quido que se encontra por cima de P, somada da força que a atmosfera exerce na superfı́cie do lı́quido.
A pressão aumenta com a profundidade porque também aumenta a coluna de lı́quido (e o seu peso).
A fórmula (7.2) dá-nos a pressão absoluta, insto é, o valor total da pressão. Chama-se pressão
manométrica à parcela ρgh. Portanto a pressão absoluta é a pressão manométrica mais a pressão at-
mosférica.

67
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 68

substância ρ (g.cm−3 )
ar (8o C, 1 atm.) 1,359 kg.m−3
ar (260o C, 1 atm.) 1,308 kg.m−3
água (8o C) 0,9999
água (26o C) 0,9968
álcool etı́lico 0,787
glicerina (20o C) 1,23
acetona (20o C) 0,787
alumı́nio (26o C) 2,70
ferro (26o C) 7,87
cobre (26o C) 8,96
chumbo(26o C) 7,87
ouro (26o C) 19,32

Tabela 7.1: Massas volúmicas do ar, de alguns lı́quidos e sólidos.

7.2.1 Medição da pressão


A pressão atmosférica é facilmente medida com um dispositivo muito simples ilustrado na figura 7.1. Se
o lı́quido possuir uma massa volúmica ρ e uma secção A o peso da coluna de lı́quido é P = hAρg. Essa
coluna de lı́quido é equilibrada pelas forças de pressão atmosférica que actuam no lı́quido da tina. Assim
as forças de pressão atmosférica que actuam, por intermédio do lı́quido na tina, na extremidade inferior
do tubo é F = hAρg pelo que a pressão atmosférica é dada por

Patmosf. = ρgh . (7.3)


Tipicamente o lı́quido usado é o mercúrio (Hg) e uma unidade de pressão muito usada é o mmHg, a qual
corresponde directamente à altura h, expressa em milı́metros, da coluna de mercúrio.

forças de pressão
atmosférica

Figura 7.1: Representação de um barómetro. A altura h da coluna de lı́quido é medida entre a parte
superior do lı́quido na coluna e a superfı́cie livre do lı́quido.

Os manómetros de tubo aberto são outro dispositivo utilizado para medir pressões, como se ilustra na
figura 7.2. Estes dispositivos permitem medir a pressão de um fluido (um gás no caso representado). As
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 69

forças de pressão exercidas pelo gás na coluna de lı́quido (coluna manométrica), Fgas , são compensadas
pelo peso da própria coluna e pelas forças de pressão atmosférica, pelo que Fgas = Fatmosf. + hAρg e,
portanto, a pressão do gás dentro do balão é

Pgas = Patmosf. + ρgh . (7.4)

atmosfera

gás h

Figura 7.2: Representação de um manómetro de tubo aberto. A altura h da coluna de lı́quido é medida
entre a parte superior do lı́quido na coluna à esquerda e a parte superior do lı́quido na coluna à direita.

Na obtenção dos resultados (7.3) e (7.4) foi usado o facto do tubo possuir secção constante A, contudo
os resultados obtidos não dependem desta limitação.

7.2.2 Unidades em que se exprime a pressão


A unidade S.I. de pressão é o N/m2 que também se designa por pascal, Pa.
A pressão atmosférica normal, p0 =1,01325× 105 Pa, é utilizada muitas vezes para definir unidades de
pressão. Assim, temos unidades como o bar e a atmosfera:
1 bar = 105 Pa;
1 atm=1,01325× 105 Pa.
Devido à utilização de mercúrio para medições de pressão, também se define o milı́metro de mercúrio
que é equivalente ao torr:
1 torr= 1 mmHg
1 atm=760 torr
Os ingleses utilizam também o psi, libras por polegada quadrada, sendo a conversão feita de acordo
com:
1 psi = 6,8948× 103 Pa.

7.2.3 Equilı́brio de um fluido. Vasos comunicantes


Quando um fluido está em equilı́brio, não havendo correntes no seu interior, a pressão deverá ser a mesma
em todos pontos que se encontrem à mesma altura.
Em vasos comunicantes todos os pontos que se encontrem à mesma altura têm de ter a
mesma pressão.
Em particular, o nı́vel do lı́quido (isto é, a altura a que se encontra a sua superfı́cie de contacto com
o ar) é a altura para a qual a pressão é p = po (atmosférica). Assim, o nı́vel do lı́quido tem de ser o
mesmo em todos os vasos comunicantes.
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 70

7.3 Impulsão e Princı́pio de Arquimedes


7.3.1 Força de impulsão
Consideremos um corpo completamente mergulhado num lı́quido. A pressão que o lı́quido lhe exerce por
baixo é superior à pressão que lhe exerce por cima porque a pressão aumenta com a profundidade. Daqui
se concluı́ que o lı́quido exerce no corpo uma força de direcção vertical e dirigida de baixo para cima.
Essa força chama-se impulsão. A impulsão actua em sentido contrário à força gravı́tica no corpo. Por
essa razão os corpos parecem mais leves quando mergulhados num lı́quido. Se a impulsão for superior ao
peso do corpo então este virá à superfı́cie e flutuará.
Para saber o valor da força de impulsão podemos raciocinar do seguinte modo:

A impulsão não depende do material de que é feito o corpo porque resulta das pressões exercidas pelo
lı́quido sobre a superfı́cie do mesmo. A pressão exercida em cada pedaço da superfı́cie só depende da
profundidade a que este se encontra (ver fórmula (7.2)).
Assim, podemos supor que o corpo é feito do próprio lı́quido. O corpo não será mais do que um pedaço
de lı́quido em repouso dentro do próprio lı́quido e a superfı́cie do corpo é uma superfı́cie imaginária que
delimita um certo volume de lı́quido igual ao do corpo. Esse volume está em repouso sujeito a duas
forças: gravidade e impulsão. Logo a impulsão tem de ter a mesma intensidade que o peso do volume de
lı́quido que o corpo ocupa (ρgV ). Obtemos assim o Princı́pio de Arquimedes:

Um corpo mergulhado num lı́quido fica sujeito a uma força vertical, dirigida de baixo
para cima, de valor igual ao peso do volume de lı́quido deslocado pelo corpo.
Representando por ~g a aceleração da gravidade, o Princı́pio de Arquimedes exprime-se pela fórmula:

I~ = −ρV ~g , (7.5)

onde I~ denota a impulsão, ρ a densidade do lı́quido e V o volume submerso do corpo.


Assim, um corpo completamente mergulhado no lı́quido fica sujeito simultaneamente à gravidade e à
impulsão:
F~g + I~ = (m − ρV )~g.
Se | F~g |>| I~ | então o corpo vai ao fundo. Se | F~g |<| I~ | então ele virá à superfı́cie.
Exercı́cio: Um homem de massa M está em cima de um bloco de gelo que flutua rasante à superfı́cie
da água (ver figura 7.3).
O bloco possui uma área superficial A (onde o homem se encontra) e a água e o gelo possuem massas
volúmicas ρa e ρg , respectivamente. Calcule a altura l do bloco.

7.3.2 Corpo menos denso do que o lı́quido


Se o corpo é menos denso do que o lı́quido então flutua à sua superfı́cie. Nessas condições o volume total
do corpo é a soma do volume submerso,Vs , com o volume emerso Ve :

V = Vs + Ve ,
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 71

Figura 7.3:

e para que fique em equilı́brio a impulsão tem de ter a mesma intensidade que o peso, isto é,

| I~ |= ρVs g = | F~g |= ρc V g
Vs ρc
= . (7.6)
V ρ

Problema: A densidade do gelo é 0,917 g.cm−3 e a da água (lı́quida) é 1 g.cm−3 . Calcule a fracção
do volume de um cubo de gelo que fica submersa quando o cubo flutua na água.
Resolução: Utilizando a equação (7.6) obtemos:
Vs ρc 0, 917
= = = 0, 917.
V ρ 1
Repare que, quando olhamos para um iceberg, só vemos 8,3 % do seu volume total!

7.3.3 Utilização do Princı́pio de Arquimedes para a determinação do material


que constitui um corpo.
A massa volúmica (por vezes designado por densidade) de um corpo é a massa por unidade de volume
desse corpo. A densidade da água lı́quida, por exemplo, é de 1 g.cm−3 , o que quer dizer que 1 cm3 de
água tem uma massa de 1 grama. Assim, um metro cúbico de água terá uma massa de uma tonelada.
Muitas vezes um corpo é feito de uma mistura de duas ou mais substâncias de densidades conhecidas.
Por exemplo, se ele for constituido por duas substâncias A e B tais que ρA e ρB são conhecidos, então
podemos escrever:

V = VA + VB ,
M = ρA VA + ρB VB . (7.7)

A primeira equação significa que o volume do corpo é a soma dos volumes das substâncias que o compõem
e a segunda equação diz que a massa M do corpo é a soma das massas de cada substância.
Se conhecermos a intensidade da força de impulsão então saberemos o volume do corpo. Se também
conhecermos a sua massa poderemos então calcular VA e VB .

Problema: Um corpo de massa M=5 kg tem uma massa ”aparente” de 3 kg quando mergulhado
em água (ρ = 1 g.cm−3 ). O corpo é uma mistura de duas substâncias A e B tais que ρA = 3 g.cm−3 e
ρB = 0, 5 g.cm−3. Determine a sua composição.
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 72

Resolução: O valor da impulsão é (5 − 3) g ≈ 20 N. A massa de água deslocada é de 2 kg, o que


corresponde a um volume do corpo V = 2000 cm3 . O sistema (7.7) fica:

2000 = VA + VB ,
5000 = 3VA + 0, 5VB .

E daqui se obtém VA = 1600 cm3 e VB = 400 cm3. Portanto 80% do volume do corpo é substância A e
20% é substância B.

7.4 Escoamento de fluidos ideais e incompressı́veis.


O escoamento de fluidos é um problema importante de fı́sica fundamental e aplicada. Um exemplo de
interesse para nós é o escoamento sanguı́neo. O sangue não é, seguramente, o que em fı́sica de designa
por um fluido ideal – ausência de viscosidade –, contudo muitos dos problemas circulatórios podem ser
qualitativamente descritos como se o sangue se comportasse como tal.

7.4.1 Equação da continuidade


Consideremos um fluido incompressı́vel que escoa ao longo de um tubo com área de secção variável, como
se pode ver na figura 7.4. Num curto intervalo de tempo, ∆t, o volume de fluido que atravessa a secção
A1 é o mesmo que atravessa a secção A2 . O volume que atravessa A1 é dado por V = A1 v1 · ∆t e
calculando esse volume para A2 vem V = A2 v2 · ∆t. Concluimos então que as velocidades relacionam-se
pela equação da continuidade
v1 A1 = v2 A2 . (7.8)

O produto área de secção ×velocidade é constante ao longo do escoamento.

Velocidade do sangue nos capilares


A equação da continuidade é de grande valor na determinação de velocidades de escoamento em zonas
onde, por exemplo, a sua medição directa não é possı́vel. A estimativa do número de capilares num ser
humano constitui um exemplo.
A artéria aorta tem de secção recta cerca de 3 cm2 e a velocidade da corrente sanguı́nea, va , que nela
circula é de cerca de 30 cm/s. O diâmetro, dc , de um capilar é de cerca de 6 × 10−6 m e a velocidade da
corrente sanguı́nea num capilar, vc , é de cerca de 0, 05 cm/s. É fácil usar a equação da continuidade para
estimar o número de capilares humanos. A equação da continuidade diz-nos que a massa por unidade
de tempo (caudal mássico) que circula num sistema isolado mantém-se constante. Assim, a massa que
atravessa a secção da aorta, Aa , por unidade de tempo, é dada por ρs Aa va , onde ρs é a massa volúmica
do sangue. Esse caudal distribui-se por N capilares de secção Ac , logo uma estimativa do número de
capilares é
Aa va
N= , Ad = πdc2 /4 . (7.9)
Ac vc
A substituição dos valores numéricos na equação anterior dá N da ordem dos 6 mil milhões de capilares.
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 73

A2 F2

A1 y
2

F1
y1

Figura 7.4: Representação genérica de um tubo de fluxo.

7.4.2 Equação de Bernoulli


O estudo do escoamento de um fluido ideal e incompressı́vel é facilmente descrito com base no teorema
do trabalho-energia. Consideremos um tubo de secção variável e não rectilı́neo como mostra a figura 7.4.
Seja m a quantidade de massa que durante um pequeno espaço de tempo entra no tubo no ponto 1 e sai
do tubo no ponto 2. A quantidade de massa m que entra em 1 é a mesma que sai em 2. Como o fluido é
incompressı́vel, sabemos que as velocidades se relacionam pela equação da continuidade

v1 A1 = v2 A2 , (7.10)

onde A1 e A2 representam as áreas transversais do tubo nos pontos 1 e 2, respectivamente. O que


aconteceu ao fluido no curto intervalo de tempo? Uma massa m desapareceu de 1 e apareceu em 2.
O teorema do trabalho-energia diz-nos que a variação da energia cinética ∆Ec do fluido é igual (na
ausência de forças dissipativas) ao trabalho W total realizado sobre o mesmo:

W = ∆Ec . (7.11)

Considerando o que aconteceu no curto intervalo de tempo, a variação de energia cinética decorre de uma
massa m de fluido ter sido transferida do ponto 1 para o ponto 2:
1 1 1
∆Ec = mv 2 − mv 2 = ρ · ∆V · (v22 − v12 ) , (7.12)
2 2 2 1 2
onde usámos m = ρ∆V , sendo ρ a densidade do fluido. O trabalho realizado advém de duas contribuições
independentes, a saber, a da força gravı́tica e a das forças de pressão. O trabalho da força de gravı́tica
Wg no deslocamento da massa m do ponto 1 para o ponto 2 é

Wg = −mg(y2 − y1 ) = −ρg · ∆V · (y2 − y1 ) . (7.13)

Agora, o trabalho realizado pelas forças de pressão. Sejam p1 e p2 são as pressões nos pontos 1 e 2. A
força p1 A1 empurrou o fluido uma distância ∆x1 , realizando trabalho positivo, enquanto a força p2 A2
opôs-se, realizando trabalho negativo ao longo da distância ∆x2 . Claro que A1 · ∆x1 = A2 · ∆x2 = ∆V .
O trabalho destas forças então escreve-se

WP = p1 A1 · ∆x1 − p2 A2 · ∆x2 = (p1 − p2 ) · ∆V . (7.14)


CAPÍTULO 7. FLUIDOS 74

Substituindo os trabalhos e a energia cinética na equação (7.11) obtemos

(p1 − p2 ) · ∆V − ρg · ∆V · (y2 − y1 ) = ρ · ∆V · (v22 − v12 ) , (7.15)

que é equivalente a
ρ ρ
p1 + ρgy1 + v12 = p2 + gρy2 + v22 . (7.16)
2 2
Como os pontos 1 e 2 eram quaisquer, concluimos que a quantidade
ρ
p + ρgy + v 2
2
se mantém constante ao longo do escoamento. Esta é a equação de Bernoulli.

Perfil do escoamento da água saindo de uma torneira


Quase toda a gente reparou que o fio de água que sai de uma torneira vai estreitando à medida que a água
se afasta da torneira. Este efeito curioso é uma consequência directa da conservação da energia mecânica
e da equação da continuidade. À saida da torneira a água possui velocidade v0 . Ao fim de algum tempo
a sua velocidade aumentou devido à aceleração da gravidade. À distância y da torneira a água possui
p
uma velocidade vy = v02 + 2gy. Por outro lado, não foi perdida nem ganha massa de água durante a
queda e, portanto, aplica-se a esse sistema a equação da continuidade
A0
A0 v0 = Ay vy , Ay = p . (7.17)
1 + 2gy/v02

A equação anterior dá a variação da secção do fio de água, Ay , com a distância y. De igual modo,
poderiamos medir a secção do fio de água à saida e num ponto y e determinar a velocidade v0 à saida.
Deste modo, seria fácil saber quanto tempo demora a encher, por exemplo, um balde de 1 litro de
capacidade.
Problema: Suponha um fio de água a sair de uma torneira, tal que as secções à saida e à distância
de 45 mm desta são 1.2 cm2 e 0,35 cm2 , respectivamente. Quanto tempo demora a encher um balde de
1 litro de capacidade?
Resolução: A velocidade de saida, v0 , é obtida a partir da equação
s
2gyAy
v0 = = 28, 6 cm/s . (7.18)
A20 − A2y

O caudal é Q = v0 A0 = 34 cm3 /s. Como 1 litro é 1 dm3 , o tempo é dado por t = (1dm3 )/Q = 0, 5 min.

7.4.3 O tubo de Venturi


A equação de Bernoulli é usada para desenhar aparelhos de medida de velocidade de um fluido. O tubo
de Venturi é um desses dispositivos (ver figura 7.5).
No tubo de Venturi não há trabalho da força gravı́tica envolvido, pelo que a equação de Bernoulli,
aplicada a este sistema, considerando os pontos A e a da figura 7.5, tem a forma
ρ 2 ρ
pA + vA = pa + va2 . (7.19)
2 2
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 75

menor velocidade
maior velocidade
A
a

h
pressão pressão
mais menos
elevada elevada

manómetro

Figura 7.5: Tubo de Venturi.

As velocidades vA e va estão relacionadas pela equação da continuidade, SA vA = Sa va , onde SA e Sa


são as secções do tubo nos pontos respectivos. A diferença de pressão entre esse dois pontos é dada pela
diferença de altura h no manómetro, isto é, pA − pa = ∆p = hρg. Combinando este resultado com a
equação (7.19) obtém-se r
2a2 hg
vA = . (7.20)
A2 − a2

7.5 Viscosidade e turbulência


Vamos aprender aqui uma definição mais detalhada do coeficiente de viscosidade. Vimos anteriormente
que um fluido pode exercer uma força de resistência num objecto que se encontra em movimento no seu
seio.
Consideremos uma camada de fluido que se desloca sobre uma superfı́cie de área A no plano Oxy.
O lı́quido ocupa o espaço z > 0. O eixo z mede distância, dentro do fluido, até à parede de área A no
plano Oxy. Por causa da viscosidade, a velocidade do fluido em z = 0 é nula e vai aumentando com z. A
velocidade é então uma função v(z).
Se imaginarmos uma linha z = const, o fluido acima dessa linha exerce uma força de atrito sobre
o fluido abaixo dessa linha: o fluido de cima tenta arrastar para a frente o fluido de baixo, com força
F (z); enquanto que o fluido de baixo tenta puxar o fluido de cima para trás, com força −F (z). As forças
F (z),−F (z) constituem um par acção-reacção pela terceira lei de Newton. Portanto a viscosidade é um
atrito entre camadas de fluido em contacto, que se movem a velocidades diferentes.
Intuitivamente podemos entender o seguinte: se a diferença de velocidades entre o fluido acima de
z e abaixo de z aumentar, então também aumenta a força de atrito (de viscosidade), F (z). Mas como
a velocidade v(z) vai aumentando com z, e é uma função contı́nua, então temos de usar a derivada dv dz .
Então a força de viscosidade escreve-se:
dv
F (z) = ηA (7.21)
dz
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 76

onde A denota a área de superfı́cie e η é o coeficiente de viscosidade. Portanto a viscosidade origina uma
tensão de corte de valor F/A = η dv
dz .
No Sistema Internacional de unidades, a unidade para η é o poiseuille (Pl) igual ao kg· m−1 · s−1 =
Pa· s. No Sistema CGS, que é baseado no centı́metro, grama e segundo, a unidade de η é o poise (P).
Portanto 1P = 1g.cm−1 s−1 = 0, 1kg.m−1 .s−1 .

7.5.1 Geometria planar


O fluido que estiver em contacto com uma parede permanece em repouso em relação a essa parede.
Caso I: Vamos considerar que uma camada de fluido de espessura L se encontra entre duas superfı́cies.
A superfı́cie em z = 0 está parada e a superfı́cie em z = L move-se à velocidade vo . Então a velocidade
v(z) tem de ser:
vo
v(z) = z (7.22)
L
porque assim temos v = 0 e v = vo nas superfı́cies z = 0 e z = L, respectivamente. A força de viscosidade
em qualquer ponto 0 ≤ z ≤ L obedece à equação (7.21) e vem dada por:
vo
F (z) = ηA (7.23)
L
que neste caso não depende de z. Esta é a força que as superfı́cies exercem no fluido.

Caso II: Vamos considerar que a camada de fluido de espessura L se encontra em movimento entre
paredes que estão paradas. Então v(z) = 0 para z = 0, L. No ponto médio, z = L/2, a velocidade é
máxima e designemo-la por vo = v( L2 ). Vamos escrever uma expressão para v(z) que seja polinomial tal
que v(0) = v(L) = 0:
v(z) = Cz (L − z) , 0 ≤ z ≤ L. (7.24)
2
Agora, quanto vale a constante C? No ponto médio, z = L/2, a velocidade vo = C (L/2) , pelo que
4 4
C = vo 2
⇒ v(z) = vo 2 z (L − z) . (7.25)
L L
Agora podemos obter a força de viscosidade F (z) pela equação (7.21):
4
F (z) = ηAvo (L − 2z) . (7.26)
L2
A força exercida pelo fluido em cada parede fica:
4
|F (z = 0, L)| = ηAvo . (7.27)
L

7.5.2 Fluxo num tubo


No caso dum fluido dentro de um tubo, a aplicação da equação (7.21) a uma geometria cilı́ndrica requer
um conhecimento da Matemática superior àquele de que o estudante dispõe neste momento.
Seja um tubo de raio a. Ao longo do eixo a velocidade de escoamento é máxima, vo , e vai diminuindo
em direcção à parede cilı́ndrica. A velocidade a uma distância r do eixo do tubo é dada por:
r2
 
v(r) = vo 1 − 2 , (7.28)
a
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 77

de onde se vê que a velocidade é máxima para r = 0 (eixo do tubo) e nula nas paredes (r = a). A
expressão para a força de viscosidade numa superfı́cie cilı́ndrica de raio r vem
dv
F (r) = η2πrL , (7.29)
dr
onde L é o comprimento do tubo. Esta é a fórmula (7.21) onde se usou A = 2πrL para a área de superfı́cie
cilı́ndrica. Para sabermos qual a força de atrito na parede do tubo, basta substituir r = a em (7.29):

|F (a)| = 4πηvo L (7.30)

7.5.3 Escoamento laminar e escoamento turbulento


Na ausência de viscosidade, o escoamento dos fluidos diz-se laminar, e pode ser estacionário, mesmo que
a velocidade do escoamento seja grande. Estacionário significa que a velocidade do fluido em cada ponto
é constante no tempo.
Na presença de viscosidade, que é a situação realista, o regime laminar só acontece para velocidades
relativamente baixas. Acima de certa velocidade, o escoamento fica turbulento, já não é estacionário e é
algo complexo de descrever em detalhe. Descrever matematicamente o escoamento torna-se uma tarefa
complexa, que requer a resolução de equações diferenciais por métodos computacionais.
A velocidade acima da qual a turbulência ocorre é determinada (apenas aproximadamente) pelo
número de Reynolds, Re. Este número é adimensional e depende da geometria do sistema. Para um
lı́quido que flui num tubo de diâmetro D, o número de Reynolds é definido como
ρvD
Re = , (7.31)
η
onde ρ é a massa volúmica do fluido e v a velocidade média do escoamento. Para a água, um valor de
Re < 2000 indica um fluxo laminar e Re > 2400 indica um fluxo turbulento. Entre estes valores o flluxo
é transitório.
Na literatura estes valores variam de autor para autor, por duas razões: por um lado a transição
laminar/turbulento não ocorre subitamente num valor especı́fico de Re; por outro, os valores de D e v
entram na equação (7.31) de forma aproximada.
Quando o sangue entra na aorta, Re = 1300, aproximadamente, pelo que o fluxo é laminar.
O quociente η/ρ também se chama viscosidade cinética.

7.6 Medição da pressão arterial


Vimos anteriormente que a equação da continuidade vA = const implica que o fluxo adquire maior
velocidade em secções mais estreitas de um tubo. Se o tubo tem diâmetro D, então vD2 = const, pelo
que vD = const/D, ou seja, o produto vD aumenta quando D diminui. Isso faz com que o número de
Reynolds, Re, aumente [ver fórmula (7.31)]. Se um tubo onde o fluxo é laminar tiver uma constrição
num ponto, aı́ o fluxo pode tornar-se turbulento.
Quando se mede a pressão arterial, aplica-se no braço ou pulso uma forte pressão, superior à sistólica,
com uma braçadeira cheia de ar. Como a pressão aplicada é alta, não passa sangue na artéria. Quando
se alivia a pressão para um valor abaixo da sistólica, permite-se o fluxo na artéria, mas como o diâmetro
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 78

D desta é elevado, então Re é elevado e o fluxo é turbulento. Com o estetoscópio ouve-se o som desta
turbulência. Aliviando a pressão da braçadeira para um valor abaixo da diastólica, o fluxo sanguı́neo
passa a ser laminar porque D aumentou para o valor normal. O ruı́do da turbulência deixa de ser ouvido
no estetoscópio.

7.7 Tensão superficial


Porque é que água molha? Porque é que existem bolas de sabão? Porque é que um fiozinho de água que
sai da torneira, na parte de cima é um fio contı́nuo e mais abaixo quebra-se em gotas? Porque é que uma
gota de água é esférica (quando não está agarrada a nada)?
O fluido é constituido por moléculas que se atraem. Cada molécula procura rodear-se de outras.
Consideremos uma porção de fluido, por exemplo, uma gota. O volume é fixo, mas a forma não. Como as
moléculas se atraem, a configuração de energia mı́nima, e mais estável, seria aquela em que cada molécula
fica completamente rodeada por outras. A moléculas que se encontram dentro da gota satisfazem essa
condição mas as que estão na superfı́cie, não. Estas têm outras vizinhas do lado de dentro da gota mas
nada do lado de fora da mesma. Daqui percebemos que criar uma superfı́cie, ou aumentar a sua área,
custa energia porque estamos a a obter mais moléculas que não ficam completamente rodeadas. Por isso,
para um dado volume fixo, a gota tende a adquirir a forma cuja área de superfı́cie é mı́nima: uma esfera.

Exercı́cio: Um cubo e uma esfera têm o mesmo volume, V = L3 = 34 πr3 . Sabendo que a área de
superfı́cie da esfera é dada por S = 4πr2 , mostre que a esfera tem menor área superficial que o cubo.

Como aumentar a área de superfı́cie custa energia, então a energia em função da área, E(A) obedece
a:
dE
=γ, (7.32)
dA
onde γ é um número positivo que se chama tensão superficial.
Vamos primeiro considerar uma pelı́cula de fluido rectangular de dimensões L por x. Pode ser um
pelı́cula de água com sabão, por exemplo. A área da pelı́cula vale 2Lx, onde o factor 2 é por causa das
duas faces da pelı́cula. Se quisermos esticar a pelı́cula aumentando x, exercemos uma força F ao longo
da direcção x, aplicada em toda a largura L. Num incremento dx, a área aumenta 2L · dx. O trabalho
realizado pela força, W = F · dx = dE mede a variação de energia. Pela equação (7.32) temos que:

dE F · dx
= = γ ⇒ F = 2Lγ . (7.33)
dA 2L · dx
Assim temos a tensão F/L = 2γ que se exerce para aumentar a pelı́cula. O factor de 2 deve-se à pelı́cula
ter duas faces. Para cada face terı́amos F/L = γ . A força é aplicada perpendicularmente a L.
A unidade S.I. de γ é a energia por unidade de área, J/m2 , ou equivalentemente, o newton por metro,
ou pascal vezes metro: J/m2 = N/m = P a · m.
Por exemplo, para a água tem-se γ =0,0728 N/m a 20o C.
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 79

7.7.1 Bolas de sabão


A área superficial de uma bola de sabão de raio r é o dobro da área de superfı́cie da esfera porque tem
duas faces. O volume é o da esfera:
4 3
A = 8πr2 V = πr . (7.34)
3
Para que a bola aumente de volume, a pressão do ar no seu interior, pi , excede a pressão externa
(atmosférica), pe . O trabalho exercido pela pressão na expansão infinitesimal da bola é dado por

dW = (pi − pe ) dV = (pi − pe ) 4πr2 dr = dE (7.35)

onde dr é um aumento infinitesimal do raio. O trabalho é o acréscimo de energia da pelı́cula de sabão.


A área superficial aumenta de:

dA = 16πrdr (7.36)

Então, pela definição de tensão superficial da pelı́cula de sabão, concluimos que

dE (pi − pe ) r 4
= = γ ⇔ pi = pe + γ (7.37)
dA 4 r
Esta é a relação entre as pressões interior e exterior.

7.7.2 Bolha de gás num meio lı́quido


Quando uma bolha de gás surge num meio, a pressão interna que expande a bolha tem de exceder a
pressão que o meio exterior exerce, tentando comprimi-la. O raciocı́nio é idêntico ao apresentado acima,
com a diferença de que apenas a área A = 4πr2 . Daqui resulta:
2
pi = pe + γ (7.38)
r
Este resultado também é conhecido por Lei de Laplace.

7.7.3 Contacto entre um lı́quido e uma parede. Capilaridade.


Exisem forças entre as moléculas das paredes de um recipeinte e as moléculas do lı́quido, que podem
ser atractivas ou repulsivas. Um lı́quido tem uma superfı́cie plana, excepto junto à parede do recipiente.
Junto à parede, o lı́quido pode subir um pouco, se ouver forças atractivas, ou descer se houver forças
repulsivas. Define-se então um ângulo de contacto, θ: trata-se do ângulo entre a tangente ao lı́quido e a
parede, contando a partir de baixo (seio do lı́quido):

θ < 90o ⇒ lı́quido sobe a parede; o lı́quido molha. Ex: água.


o
θ > 90 ⇒ lı́quido desce; o lı́quido não molha. Ex: mercúrio.

A situação θ = 90o seria a superfı́cie do lı́quido perfeitamente perpendicular à parede.


Consideremos um recipiente com lı́quido. Nele mergulhamos um tubo estreito: podemos observar que
uma pequena quantidade de lı́quido sobe o tubo. Esse fenómeno é a capilaridade. A força que a parede
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 80

do tubo exerce sobre o lı́quido, puxando-o para cima, tem componente vertical F cos θ, e é exercida em
todo o perı́metro interno do tubo, 2πr:

F cos θ = γ2πr cos θ (7.39)

Mas o volume de lı́quido que subiu o tubo até à altura h é V = πr2 h e tem um peso de ρgV = ρgπr2 h.
Então:

F cos θ = γ2πr cos θ = ρgπr2 h (7.40)

Daqui resulta que a altura que o lı́quido sobe,


γ cos θ
h= (7.41)
rρg
Portanto se θ > 90o o lı́quido desce dentro do tubo capilar; se θ < 90o o lı́quido sobe dentro do tubo
capilar.
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 81

7.8 Exercı́cios
1. A pressão com que o sangue entra na artéria aorta equivale a 100 mm de Hg. A área de secção da
aorta vale 3 cm2 . Calcule a força exercida pelo coração no sangue.

2. Calcule a pressão a uma profundidade de 10 m no mar. A densidade da água do mar vale 1,03g/cm3.

3. Sabendo que a pressão sanguı́nea excede a pressão atmosférica em 2,4×103 Pa e que a massa
volúmica do soro fisiológico é aproximadamente a da água, calcule a altura a partir da qual deve
ser colocada a garrafa de soro para que opere normalmente.

4. Observe a figura 7.6, representando um tubo em U, contendo água (ρ=1,0 g.cm−3 ) e mercúrio
(ρ=13,6 g.cm−3 ).

(a) Qual dos lı́quidos é a água?


(b) Calcule a diferença de pressão entre os pontos A e D.
(c) Determine o desnı́vel entre os pontos A e D.
(d) Determine o valor da pressão nos pontos B e C.

C
h=2,0 cm
B D

Figura 7.6: Tubo em U com água e mercúrio.

5. Um corpo maciço de volume 60 cm3 está parcialmente imerso e em equilı́brio em água. A densidade
do corpo relativamente à da água é 0,6. Calcule o volume da porção imersa do corpo.

6. Um cubo de gelo flutua na água. À medida que ele se derrete, o que acontece ao nı́vel da água?

7. Água flui por um tubo de diâmetro 5 cm com uma velocidade de 1 m/s. O tubo sobe até uma
altura de 1 m e nessa zona mais alta tem diâmetro 2 cm.

(a) Qual é a velocidade da água na zona mais alta?


(b) Qual é a diferença de pressão entre a zona mais baixa e mais alta?

8. Um tanque tem água e fez-se um pequeno furo a 20 centı́metros de profundidade. Com que veloci-
dade sai a água do furo?
CAPÍTULO 7. FLUIDOS 82

9. A velocidade de um avião relativamente ao ar é v0 mas o ar que passa por cima da asas tem uma
velocidade, v1 , diferente da do ar que passa por baixo, v2 . Estabeleça a relação entre a área das
asas, o peso do avião e as velocidades do ar.

10. Uma águia pesa 3 kg e a área total das asas vale 4200 cm2 . Ela voa a planar na horizontal, sem
bater as asas. A densidade do ar vale 1,25 kg/m3 .

(a) Calcule a diferença entre as pressões de ar por cima e por baixo das asas.
(b) Se a velocidade da águia for de 90 Km/h, qual é a diferença de velocidades do ar por cima e
por baixo das asas?

11. Agora a mesma águia vai a descer fazendo um ângulo de 45o com a horizontal. Compare a águia
com um corpo a descer um plano inclinado.

(a) Se desprezássemos a resistência do ar, qual seria aceleração da descida?


(b) Quanto vale a resistência do ar a partir do momento em que ela atinge a velocidade limite?
(c) Quanto vale a diferença de pressões por cima e por baixo das asas?
(d) Quanto vale a diferença de velocidades do ar por cima e por baixo das asas se a velocidade
limite for 160 Km/h?

12. Calcule a tensão de corte necessária para deslizar uma placa a uma velocidade de 0,07 m/s sobre
uma superfı́cie plana, sabendo que a placa e a superfı́cie estão separadas por uma camada de óleo
de espessura 0,3 milı́metros e tendo uma viscosidade de 0,45 Pa s.

13. Usando as fórmulas (7.28) e (7.29) calcule a força que o fluido viscoso exerce nas paredes do tubo.

14. Uma porção de lı́quido está presa dentro de um tubo estreito, vertical, e não cai. O comprimento
desse pedaço de lı́quido é d. Calcule o valor máximo de d.

15. Um palito está pousado na superfı́cie da água. Suponha que a superfı́cie da água faz um ângulo de
37o com a direcção vertical, ao longo do palito. Relacione o peso do palito com a tensão superficial
da água.

16. Uma pequena esfera, com um raio de 0,5 mm, está pousada na superfı́cie da água. Suponha que a
superfı́cie da água faz um ângulo de 50o com a direcção vertical, no ponto mais elevado em que a
água contacta com a esfera. Relacione o peso da esfera com a tensão superficial da água.

17. Uma régua de comprimento L está quase a sair da água. A água tem um ângulo de contacto com
a régua, θ. Que força é necessário aplicar, para cima, para “descolar” a régua da água?

18. A água sobe por um pequeno tubo capilar de raio 0,3 mm. Supondo a tensão superficial γ=0,0728
N/m. Suponha um ângulo de contacto θ=30o.
Capı́tulo 8

Termodinâmica

8.1 Temperatura e calor


A temperatura é um parâmetro que ajuda a caracterizar o estado em que se encontra um corpo e
determina se ele estará em equilı́brio térmico com outros. A unidade no Sistema Internacional é o kelvin
K. É frequente usar-se outra unidade, o grau Celsius o C. Para converter graus Celsius em Kelvin basta
somar 273,15:
T (K) = T (o C) + 273, 15 .

A temperatura T=0 K chama-se zero absoluto e é impossı́vel atingir na prática.


Calor é a quantidade de energia que passa de um corpo para outro, quando colocados em contacto,
por se encontrarem a temperaturas diferentes. O calor é transferido até que se atinja o equilı́brio térmico,
isto é, até que a temperatura dos dois corpos seja idêntica. A partir de então diz-se que os corpos se
encontram à mesma temperatura.
Como o calor é energia então a unidade é o Joule. É também frequente usar-se outra unidade, a
caloria. Uma caloria é a quantidade de calor que é necessário fornecer a 1 grama de água para que a
temperatura desta suba 1 grau. A conversão entre as duas unidades de energia é dada por:

1 cal = 4, 18 J .

Quanto mais energia tiver um corpo (energia essa que lhe foi fornecida como calor) mais elevada é a
sua temperatura. Num corpo mais quente as moléculas ou átomos que o constituem, e que estão sempre
em movimento uns em relação aos outros, têm um movimento mais rápido e portanto com maior energia
cinética. Quando fornecemos calor a um corpo estamos a aumentar a energia cinética da vibração das
moléculas do corpo.
Portanto existem duas maneiras de fornecer energia a um corpo: uma é exercendo-lhe forças que
realizam trabalho aumentando a sua energia cinética; outra é colocá-lo em contacto com outro corpo
mais quente que lhe fornece calor.

83
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 84

Material c (cal · K−1 · g−1 )


chumbo 0,032
cobre 0,092
alumı́nio 0,215
corpo humano 0,83
água 1

Tabela 8.1: Exemplos de capacidades térmicas mássicas.

8.2 Capacidade calorı́fica, capacidade térmica mássica e calor


de fusão
A capacidade calorı́fica de um corpo é a quantidade de energia (calor) que lhe é necessário fornecer para
que a temperatura se eleve 1 grau. Assim, se a quantidade de calor fornecida a um corpo for Q e a
temperatura subir ∆T então a capacidade calorı́fica C é dada por:
Q
C= . (8.1)
∆T
A unidade S.I. em que se exprime a capacidade calorı́fica é o J·K−1 que é o mesmo que J o C −1 .
A capacidade calorı́fica por unidade de massa de um corpo é a capacidade térmica mássica (ca ) ou
calor especı́fico. Sendo a massa igual a m então a capacidade térmica mássica vem dada por:
Q
ca = . (8.2)
m∆T
De acordo com a definição de caloria dada acima ficamos a saber que a capacidade térmica mássica da
água é de 1cal · K−1 · g−1 = 4, 18 J · K−1 · g−1 . Na tabela 8.1 estão listadas as capaciadades térmicas
mássica de alguns sólidos.
O calor de fusão (Lf ) é a energia que é necessário despender para fundir uma unidade de massa de um
corpo ou substância. A fusão processa-se a temperatura constante (temperatura de fusão da substância
que constitui o corpo). Por exemplo, o calor de fusão do gelo é Lf = 80cal · g−1 .
Problema: Se se fornecer 400 cal a 4 g de gelo que se encontra inicialmente a T=0o C, a que
temperatura e em que estado fı́sico ficará o sistema?
Resolução: Sendo Lf = 80 cal · g−1 , a energia necessária para fundir 4 g de gelo é 4 × Lf = 320 cal.
Depois da fusão a água está no estado lı́quido a T=0o C e ainda ”sobram” 80 calorias. Essa energia vai
servir para aquecer a água. A capacidade calorı́fica de 4 g de água é de 4 cal · K−1 · g−1 . Assim, a água
irá ficar a T=20oC.

8.3 Crescimento de uma célula


Suponhamos que uma célula é esféria de raio r. Então a sua área de superfı́cie é A = 4πr2 ∝ r2 enquanto
que o seu volume V = 4πr3 /3 ∝ r3 . A área de superfı́cie é importante porque é através dela que passam
moléculas de O2 e CO2 assim como os nutrientes necessários para o metabolismo. Por outro lado, o
volume é proporcional à taxa metabólica, isto é, o calor produzido por unidade de tempo.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 85

Se quociente área/volume ∝ 1/r for alto (célula pequena) então a capacidade metabólica não será su-
ficiente para processar os nutrientes que atravessam a membrana celular. Mas se o quociente área/volume
for baixo (célula grande), então o fluxo de nutrientes que passam na membrana não chega a ser o necessário
para o metabolismo. Então a célula precisa de se dividir originando células mais pequenas.
Chama-se factor de sobrevivência, fs ao quociente entre o fluxo de nutrientes através da superfı́cie
da célula e a sua capacidade metabólica. Assim, fs ∝ 1/r. À medida que a célula cresce, o factor de
sobrevivência diminui. Ao atingir um certo tamanho, ela precisa de se dividir.

8.4 Taxa metabólica


A taxa metabólica, U , é a energia produzida pelo organismo por unidade de tempo. Para que um
organismo vivo mantenha a sua temperatura constante é necessário que a taxa metabólica seja equivalente
à perda de energia para o exterior. A taxa de calor cedido ao exterior é proporcional à área de superfı́cie
do corpo.
Se o ser vivo fosse caracterizado por um único tamanho L, então a taxa metabólica U variava com o
tamanho de acordo com
U ∝ L2 ∝ M 2/3 . (8.3)

Figura 8.1: Produção metabólica de calor, em kcal/dia, em função da massa, em kg. A curva a cheio
é dada por U ∝ M 3/4 , é a curva do rato ao elefante, enquanto que a curva a tracejado corresponde ao
resultado teórico U ∝ M 2/3 .

Contudo, o que se observa na natureza, ilustrado no gráfico 8.1, é a chamada “curva do rato ao
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 86

elefante”:
U ∝ M 3/4 . (8.4)

Esta lei verifica-se em todo o reino animal, desde o musaranho até à baleia azul, e foi mais recentemente
generalizada aos organismos unicelulares e até mesmo às mitocôndrias nas células. É conhecida por lei
de Kleiber ou, mais informalmente, por “curva do rato ao elefante”
Para compreender o resultado experimental é necessário ter em consideração a forma cilı́ndrica dos
organismos e a lei (2.1). Um cilindro é caracterizado por uma altura L e por um raio da base R, pelo
que o seu volume é proporcional ao LR2 .
Tendo em conta os estudos morfológicos em seres vivos, a relação entre o comprimento do cilindro e
o raio da sua secção transversal, L ∝ R2/3 . A massa do ser vivo vem proporcional ao volume porque a
densidade da matéria orgânica é aproximadamente constante, logo,

M ∝ R8/3 . (8.5)

A energia produzida por unidade de tempo U tem de ser proporcional à área por onde pode escapar
para o meio ambiente. A área do cilindro é a lateral + base ∝ 2πRL + 2πR2 ∝ R5/3 + R2 ≈ R2 com R
crescente. Então temos
U ∝ R2 ∝ M 3/4 , (8.6)

Este exemplo mostra a necessidade de se considerarem certos detalhes (como a forma) dos sistemas
biológicos sempre que a análise se torna mais exigente.

8.5 Mecanismos de perda de calor: condução, convecção, ra-


diação, evaporação
8.5.1 Condutividade térmica
Todos nós temos a noção de que existem certos materiais que conduzem bem o calor e outros que não.
Estes últimos são utilizados para isolamento térmico. Iremos de seguida definir um parâmetro relacionado
com a condução de calor: a condutividade térmica k.
Consideremos uma placa de espessura ∆R cujas faces, de área A, se encontram a temperaturas difer-
entes. Essa diferença de temperatura é ∆T . Compreendemos facilmente que vai ocorrer uma transferência
de energia, sob a forma de calor, através da placa, da face mais quente para a mais fria como se mostra na
figura 8.2. A quantidade de calor que é transferida por unidade de tempo, Q̇, é proporcional à diferença
de temperatura ∆T e à área da placa:
∆Q ∆T
= kA , (8.7)
∆t ∆R
onde k é uma constante que se designa por condutividade térmica e é uma caracterı́stica do material
que constitui a placa. A unidade S.I. de ∆Q/∆t é J · s−1 = W e a de k é W · m−1 · K−1 .
A condutividade térmica k depende do tipo de material, como se mostra na tabela 8.2. Note-se, por
exemplo, que a condutividade térmica do vidro é dez vezes mais elevada que a da madeira de pinho, razão
pela qual os abrigos de montanha possuem portadas de pinho nas janelas.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 87

Calor

T + ∆T T

∆R

Figura 8.2: Placa de espessura ∆R com as faces a temperaturas diferentes. A seta indica o sentido da
transferência de calor se ∆T > 0.

8.5.2 Aplicação: o tamanho dos mamı́feros aquáticos


Vamos agora utilizar a condução do calor para estimarmos o tamanho mı́nimo de mamı́feros aquáticos.
Tem de existir um equilı́brio entre a produção metabólica de calor e a transferência de calor do mamı́fero
para o exterior por condução através da camada de gordura, de forma a manter-se estável a temperatura
do organismo.1.
Os mamı́feros aquáticos estão isolados do exterior por uma camada de gordura (matéria orgânica
densa) com uma condutividade térmica k ∼ 0, 1W · m−1 · K −1 . Por outro lado, os animais terrestres
usam plumas e penugem para aprisionar o ar criando uma camada isoladora (kar ∼ 0, 026W · m−1 ·
K −1 ). Se as plumas e as penugens ficarem molhadas elas perdem a sua propriedade isoladora pois a
condutividade térmica da água é cerca de 23 vezes maior que a do ar. Assim, por exemplo, as lontras e
as aves mergulhadoras mantêm as suas penugens e pluma oleadas, impedindo a entrada de água. Alguns
mamı́feros possuem um certo controlo sobre a espessura da camada de isolamento ∆R. Em escalas
de tempo maiores, os animais podem produzir mais gordura, ou estimular o crescimento das plumas e
penugem. Em escalas de tempo curtas, as aves eriçam as penas e os cães podem eriçar as penugens,
aumentando a camada de ar.
Vimos acima que a taxa de calor, U , produzida por um mamı́fero de massa M segue a lei U ∝ M 0.75 .
Mas para sermos mais precisos, usaremos a lei empı́rica

U = aM b , (8.8)

onde a vale 3,6 (em unidades S. I.) e o expoente b tem o valor 0.73, próximo dos 3/4.
A equação (8.7) aplica-se à transferência de calor através de uma superfı́cie plana, mas a forma do
corpo dos mamı́feros, e em particular dos mamı́feros aquáticos, é, aproximadamente, cilı́ndrica. Nós
vamos, por isso, considerar que o corpo dos mamı́feros se pode simular por um cilindro. Na figura 8.3
1 Partedesta secção é adaptada do artigo de Boye Ahlborn e Robert Blake, Lower size limit of aquatic mammals,
American Journal of Physics 67, 920 (1999).
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 88

Material k (W · m−1 · K−1 )


Aço 14
Chumbo 35
Alumı́nio 235
Prata 428
Ar 0,026
Água 0,61
Espuma de poliuretano 0,024
Fibra de vidro 0,048
Madeira de pinho 0,11
Vidro 1,0
gordura 0,1

Tabela 8.2: Condutividades térmicas de alguns materiais.

está esquematizado um corte transversal no corpo do mamı́fero. Para uma camada cilı́ndrica a equação

R L

Ri

Ti
mamífero
∆R de comprimento
L
Te
camada
de gordura

Figura 8.3: Corte transversal no corpo de um mamı́fero aquático. O corpo do mamı́fero possui compri-
mento L, raio interno Ri e raio total R. A camada de gordura possui espessura ∆R.

tem se ser substituı́da por outra que traduza a taxa de calor transferida por uma camada cilı́ndrica de
espessura ∆R e comprimento L. A equação para esse caso é
∆Q ∆T
= k · 2πL , (8.9)
∆t ln(1 + ∆R/Ri )

onde Ri é o raio interno do corpo do mamı́fero. A sobrevivência do organismo requer que a taxa de calor
gerada pelo metabolismo seja igual à taxa de calor que o organismo cede ao exterior, isto é
∆Q ∆T
U= ⇔ aM b = k2πL . (8.10)
∆t ln(1 + ∆R/Ri )

Para um corpo cilı́ndrico M = ρπR2 L e o quociente entre o diâmetro D e o comprimento é dado por
D/L = 2R/L. Para mamı́feros aquáticos2 observa-se que 0, 2 < 2R/L < 0, 3. Se considerarmos então o
2 Este quociente torna mı́nima a força de atrito no movimento aquático. Ver o livro de T. A. MacMahon e J. T. Bonner,

On Size and Life, (Scientific American Library, Freeman, New York, 1983).
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 89

quociente 2R/L = 0, 25 a equação (8.10) escreve-se como


∆T
a(ρ8πR3 )b = k16πR . (8.11)
ln(1 + ∆R/Ri )

Vamos agora usar a equação (8.11) para estimar o raio mı́nimo R de mamı́feros aquáticos. O tamanho
mı́nimo é definido como o valor de R para o qual o quociente ∆R/Ri = 1, ou seja, o raio interno do corpo
igual à espessura da camada de gordura. Nesta situação, o volume interno do corpo é apenas de 25%,
ocupando a gordura isoladora os restantes 75%. Consideremos os dados seguintes:

Ti = 37 o C,
Te = 4 o C (oceano da zona ártica) ,
k = 0, 1 W · m−1 · K −1 (gordura) ,
ρ = 1000 kg · m−3 (ordem de grandeza)

Usando os dados anteriores na equação (8.11) e resolvendo-a para R obtemos

16π k∆T
R3b−1 = (8πρ)−b ⇔ R ∼ 7 cm . (8.12)
a ln 2
Este tamanho é da ordem do raio do corpo de uma cria de foca!
Pode ainda mostrar-se que o expoente b = 0.73 corresponde ao caso em que a espessura da camada
de gordura praticamente não varia com o crescimento no animal. Isto significa que a curva do rato até ao
elefante traduz uma situação em que a camada de gordura se mantém constante ao longo do crescimento
do animal.

8.5.3 Convecção
Se uma superfı́cie quente estiver em contacto com o ar (ou outro fluido) então pode fornecer calor ao
fluido originando correntes neste que se afastam da superfı́cie. Essas correntes transportam calor. Já
presenciámos este fenómeno muitas vezes na vida quotidiana. Ao aproximarmos a mão de uma chapa
quente sentimos uma corrente de ar quente que vem dela. E a paisagem por trás de um objecto quente
parece ondular.
Sejam Ts e Tf as temperaturas da superfı́cie e do fluido, respectivamente. O calor que a superfı́cie
perde por unidade de tempo é proporcional à diferença de temperaturas:
dQ
= hA (Ts − Tf ) (8.13)
dt
onde h é uma constante chamada coeficiente de transferência de calor por convecção e A a área exposta.
A constante h tem alguma dependência na velocidade da corrente de ar que passa sobre a superfı́cie.

8.5.4 Emissão e absorção de radiação


Suponha que sobre uma superfı́cie incide radiação. Um parte dessa radiação é absorvida e outra parte é
reflectida. A superfı́cie, simultaneamente, também emite radiação.
Suponhamos que a energia incidente por unidade de tempo é Wi . Então a energia absorvida por
unidade de tempo é Wabs = a · Wi , onde a é um coeficiente de absorção e toma um valor entre 0 e 1.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 90

Estando o objecto a uma temperatura constante (basta esperar o tempo suficiente), a energia emitida
por unidade de tempo, We , tem de ser igual à energia absorvida por unidade de tempo. Logo,
We
We = Wabs ⇔ We = aWi ⇔ = Wi (8.14)
a
Mas Wi não depende das propriedades da superfı́cie. Depende apenas da temperatura do meio ambiente.
Chegamos então à conclusão de que o quociente
We
a
não depende da natureza da superfı́cie. Então, o coeficiente de absorção e a potência emitida devem
ser directamente proporcionais: uma superfı́cie que absorva muito também emite muito. A constante a
chama-se emissividade.
Discuta as seguintes situações:

1. Uma parede a alta temperatura tem uma face branca e a outra face preta. Está uma pessoa de
cada lado da parede: quem sente mais calor?

2. Duas casas, uma de paredes brancas e outra de paredes pretas, aqueceram sujeitas a vários dias
seguidos de Sol. Depois vêm dias frios e encobertos. Em qual das casas a temperatura se mantém
alta durante mais tempo?

3. Em qual das casas exitem maiores amplitudes térmicas entre a noite e o dia?

4. Com o avançar da noite, a chapa dos automóveis arrefece e fica húmida (orvalho). A camada de
humidade instala-se mais depressa num automóvel branco ou num preto?

Por se encontrar a uma certa temperatura, um corpo irradia ondas electromagnéticas (normalmente
raios infravermelhos) para o meio ambiente. A energia irradiada por unidade de tempo, We . é obviamente
proporcional à área de superfı́cie, A. A Lei de Stefan-Boltzmann diz que também é proporcional a T 4
com a temperatura expressa em kelvin. Apenas falta multiplicar pela constante a acima:

We = aσAT 4 , onde σ = 5, 67 × 10−8 W m−2 K −4 (8.15)

A constante universal σ=5,67×10−8WK−4m−2 chama-se constante de Stefan-Boltzmann.


A emissividade da pele do ser humano vale 0,98. A de uma folha de papel branco 0,68 e a de papel
preto vale 0,9. Repare que a emissividade da pele é mais elevada do que a de papel preto! A pele absorve
mais do que o papel preto! Parece estranho, mas a razão é que a emissividade depende dos comprimentos
de onda da luz que se está a considerar e a pele absorve muito na região dos infravermelhos.
Se a superfı́cie do corpo estiver exposta ao ambiente, ela também recebe radiação do ambiente. Por-
tanto a variação de energia do corpo por unidade de tempo é igual à absorção menos a emissão. O
ambiente emite radiação de acordo com a lei (8.15). Como a área do meio ambiente é muito grande (as
paredes de uma sala, por exemplo), então a radiação que emite é muito grande. Ora acontece que apenas
uma pequena parte da radiação emitida pelo ambiente atinge o corpo. Nestas condições pode-se mostrar
que efectivamente se tem aamb Aamb ≈ acorpo Acorpo . A taxa de variação de energia do corpo por radiação
vem então
∆Q 4
− T4

= aσA Tamb (8.16)
∆t
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 91

8.5.5 Evaporação
Quando se dá a mudança do estado de lı́quido para o estado gasoso, a temperatura mantém-se constante.
Durante o processo de vaporização ocorre absorção de calor. O calor que cada grama de lı́quido absorve
para se vaporizar depende da pressão a que está sujeito.
Quando um organismo perde calor por transpiração ele fornece energia à água para esta se vaporizar.
O calor de vaporização da água vale cerca de 540 cal/g à pressão atmosférica normal.

8.6 Entropia
8.6.1 Definição
Consideremos um corpo à temperatura T . Se lhe for fornecida uma pequena quantidade de calor (suficien-
temente pequena para que não tenha causado uma variação sensı́vel da temperatura), então a entropia
S do corpo sofreu uma variação dada por:
Q
∆S = , T expresso em Kelvin . (8.17)
T
Se Q > 0 (o calor foi fornecido ao corpo) então a sua entropia aumenta (∆S > 0). Se Q < 0 (o calor foi
retirado do corpo) então a sua entropia diminuı́ (∆S < 0).
Quando o calor é suficiente para causar uma variação de temperatura de Ti para Tf a variação de
entropia do corpo é dada por:
Tf
∆S = C log( ) , (8.18)
Ti
onde C é a capacidade calorı́fica do corpo e as temperaturas Ti e Tf devem ser expressas em Kelvin.
O logaritmo é de base e = 2, 71828 . . . (logaritmo neperiano). A fórmula (8.18) só é válida se a capacidade
calorı́fica C não variar com a temperatura entre Ti e Tf .

8.6.2 Significado do conceito de entropia


A entropia de um sistema mede o grau de desordem desse sistema. O calor (energia) fornecido ao sistema
aumenta o seu grau de desordem. Podemos perceber o que significa desordem através do seguinte exemplo:
Consideremos um gás ideal clássico. Se a sua energia for zero então as moléculas estão paradas, caso
contrário teriam energia cinética. O sistema como um todo pode tomar diversas configurações possı́veis
que correspondem a escolher em que ponto do espaço se encontra cada molécula. Se fornecermos energia
ao gás (calor) então essa energia será energia cinética a ser distribuida pelas moléculas (que entram em
movimento). Assim, além de escolher a posição no espaço de cada molécula, a energia pode ser repartida
de muitas maneiras diferentes pelas moléculas. Por exemplo, pode a energia estar toda numa só molécula
enquanto as outras todas ficam paradas. Ou pode a energia ser dada apenas a 2 moléculas ficando
todas as outras paradas. Ou pode ser dado um bocadinho de energia a cada molécula...mais energia a
umas e menos a outras... Há muitas maneiras de o calor fornecido ao gás ser repartido pelas moléculas!
Dizemos que com o calor o gás ficou mais desordenado porque lhe ficaram acessı́veis muitos mais estados
microscópicos.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 92

8.7 Leis da Termodinâmica


8.7.1 Enunciado das Leis da Termodinâmica
1. A energia total do universo mantém-se constante.

2. A entropia do universo tende a aumentar e nunca diminuı́. Isto é, um processo que ocorre espon-
taneamente provoca um aumento da entropia do universo.

3. Lei zero da Termodinâmica: A entropia de um corpo a T=0 K é igual a zero.

8.7.2 Demonstração de que o calor passa do corpo mais quente para o mais
frio
Iremos agora aplicar as leis acima enunciadas para provar que o calor passa dos corpos mais quentes para
os mais frios quando postos em contacto. Consideremos um sistema constituido por dois corpos A e B
em contacto, estando o conjunto isolado do exterior. Suponhamos ainda que TA > TB . Nestas condições
haverá uma certa quantidade de calor Q que começa a ser transferida de um para o outro. Suponhamos
esse calor Q é tão pequeno que ainda não chega a provocar variação significativa da temperatura de
nenhum dos corpos. Consideramos duas situações:

1. O calor vai de A para B:


Se assim for, a variação da entropia de A é ∆SA = − TQA e a variação da entropia de B é ∆SB = Q
TB ,
logo a variação de entropia do sistema é
1 1
∆S = ∆SA + ∆SB = Q( − ) > 0.
TB TA

2. O calor vai de B para A:


Q
Se assim for, a variação da entropia de A é ∆SA = TA e a variação da entropia de B é ∆SB = − TQB ,
logo a variação de entropia do sistema é
1 1
∆S = ∆SA + ∆SB = Q( − ) < 0.
TA TB

A segunda lei da termodinâmica diz que a entropia aumenta quando um processo ocorre espontâneamente.
Logo o que se verifica é a situação (1), isto é, o calor passou do mais quente para o mais frio. A situação
(2) é impossı́vel.
Note que tanto em (1) como em (2) dissémos que se um corpo perde Q o outro ganha igual quantidade
de calor Q, estando a ser aplicada a primeira lei da Termodinâmica, segundo a qual a energia total tem
de ser conservada pois não pode ser criada nem destruı́da.

8.7.3 Cálculo da temperatura final de equilı́brio dos dois corpos


Passado algum tempo A e B ficarão à mesma temperatura T. Para calcular T utilizamos a primeira lei.
A energia perdida por A é igual à energia recebida por B, estando o sistema A+B isolado do exterior.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 93

A variação da energia de A é ∆EA e a de B é ∆EB com

∆EA = CA (T − TA ) ,
∆EB = CB (T − TB ) .

Escrevendo a condição ∆EA + ∆EB = 0 e resolvendo em ordem a T vem


CA CB
T = TA + TB .
CA + CB CA + CB

8.8 Pressão de um gás


Com base em estudos experimentais, pode-se estabelecer uma relação empı́rica entre a pressão, P , de um
gás ideal e a sua temperatura, T . Essa relação é conhecida como lei dos gases perfeitos e escreve-se como

P V = N kB T , (8.19)

onde V é o volume do recipiente, N o número de partı́culas (átomos ou moléculas) e kB = 1, 38 × 10−23J ·


K−1 a constante de Boltzmann.
Os quı́micos preferem falar em número de moles, n, em vez de número de partı́culas, N . Um mole
são 6,022×1023 partı́culas e este número chama-se chama-se número de Avogadro, NA . O número de
partı́culas e o número de moles estão obviamente relacionados por N = n · NA . A equação (8.19) pode
ser reescrita como
P V = nRT , (8.20)
onde R = kB · NA =8,314 J · K−1 · mol−1 é a constante dos gases.
Repare que o produto KB T tem as dimensões de uma energia (as mesmas dimensões que o produto
P V ). De facto, a constante de Boltzmann serve para converter o valor de temperatura absoluta numa
energia, ou seja, passar da escala de kelvin para joules. A temperatura absoluta mede uma energia, de
facto, e o factor kB faz a conversão de unidades. Vamos ver isso mais detalhadamente na secção seguinte.

8.9 Teorema da equipartição da energia


Nesta secção vamos estabelecer uma relação entre a temperatura de um gás e a energia cinética das
partı́culas que o constituem. Veremos que estas duas entidades são directamente proporcionais. Assim,
em vez de graduados em kelvin, os termómetros poderiam vir graduados em joule.
A relação entre a energia cinética dos átomos do gás e a temperatura do mesmo, dada por
1 3
h mv 2 i = kB T . (8.21)
2 2
Como hv 2 i = hvx2 i + hvy2 i + hvz2 i então concluimos que para cada componente da velocidade,
1 1 1 1
h mvx2 i = h mvy2 i = h mvz2 i = kB T . (8.22)
2 2 2 2
Obtivemos uma relação entre a energia cinética das moléculas de um gás e a temperatura expressa
na equação (8.21). A equação (8.21) é uma manifestação de um teorema designado por teorema da
equipartição da energia.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 94

Os átomos do gás podem-se movimentar nas três direcções do espaço. Dizemos que possuem três
graus de liberdade (movimento ao longo de x, y e z). O teorema afirma que a cada grau de liberdade
que contribua quadraticamente para energia, corresponde um valor médio igual a 12 kB T .
Outros exemplos são os seguintes:

1. Um oscilador: a energia média de vibração de um oscilador no eixo Ox é dada por


1 1 1 1
Evib = h mvx2 i + h Kx2 i = kB T + kB T = kB T (8.23)
2 2 2 2
Este valor também serve para a energia de vibração de uma molécula diatómica, sendo que nesse
caso x representa a variação da distância entre os átomos.

2. Uma molécula diatómica a rodar em torno de um eixo tem uma energia de rotação
1 1
Erot = h Iω 2 i = kB T (8.24)
2 2
A energia total de uma molécula num gás é a soma da translação, rotação e vibração. Nos exemplos
acima a molécula era diatómica. Se tiver mais átomos, haverá mais graus de liberdade nas vibrações
e rotações que irão somar mais parcelas à energia. Depois ainda existe a energia das excitações
electrónicas, que é dada por uma expressão diferente.

Para o gás ideal monoatómico ficamos então com o resultado


3 3
E= N kB T = nRT . (8.25)
2 2

8.10 Pressão osmótica


Consideremos uma solução lı́quida separada de outra por uma membrana que apenas deixa passar
partı́culas muito pequenas, sendo impermeável a partı́culas maiores. Por exemplo, a membrana pode
deixar passar as moléculas de solvente mas não deixar passar as partı́culas do soluto.
Suponhamos que de um lado (1) se encontra uma solução e do outro (2) apenas o solvente puro.
Então este tende a passar através da membrana para dentro da solução: isto chama-se osmose. A altura
da solução vai subir (e a do solvente descer), aumentando a pressão hidrostática sobre a membrana, do
lado da solução. A osmose pára quando a pressão da solução atinge um valor que excede a do solvente. O
excesso de pressão, Π, chama-se pressão osmótica. Esse excesso de pressão pode ser medido pela diferença
de alturas dos dois fluidos:
Π = ρsol g(h1 − h2 ) , (8.26)
onde ρsol denota a densidade da solução, h1 é altura da solução e h2 a altura do solvente puro. Tem-se
h1 > h2 . Mas esta pressão osmótica também pode ser calculada a partir da concentração da solução de
uma forma muito semelhante à lei dos gases perfeitos:

Π = nRT lei de van’t Hoff (8.27)

onde n designa o número de moles de soluto por unidade de volume (concentração da solução).
Devemos precisar aqui um aspecto: se dissolver 1 mol de NaCl em 1 litro de água, por exemplo, isso
significa que vai haver 1 mol de Na+ mais 1 mol de Cl− , ou seja, n=2 mol/l na equação (8.28). Cada
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 95

molécula de substância dissolvida se dividiu em duas partı́culas. Por causa de situações como esta, a lei
(8.28) aparece escrita na literatura muitas vezes na forma:

Π = inRT lei de van’t Hoff (8.28)

onde i é um “factor de van’t Hoff”. O factor de van’t Hoff diz em quantas partı́culas uma molécula de
soluto se divide. Aplicando ao exemplo do cloreto de sódio, i = 2 e n=1 mol/l.

8.11 Movimento Browniano


No século XIX, o botânico RobertBrown observou, ao microscópio, grãos de pólen suspensos num lı́quido
e verificou que estes nunca estavam quietas, possuı́am um movimento errático permanente. A explicação
teórica do fenómeno foi dada por Einstein3 em 1905. Existem permanentemente moléculas do lı́quido a
colidir com o grão de pólen e estas colisões sucedem-se rapidamente. O movimento errático do grão de
pólen deve-se a essas frequentes colisões que o vão empurrando. Existem aqui duas escalas de tempo em
jogo: uma escala muito curta que é o intervalo de tempo entre colisões; e uma escala muito mais longa
que corresponde à mudança de velocidade do grão de pólen. Com efeito, este recebe colisões de todos os
lados, em rápida sucessão, mas são necessárias muitas para alterar a direcção do seu movimento já que
o grão tem muito mais massa do que uma molécula.
Em Biologia Celular, o movimento de vesı́culas no citoplasma é browniano se não estiverem ligadas
a filamentos de actina, uma proteı́na, caso em que o movimento das vesı́culas se torna dirigido ao longo
da proteı́na e por isso deixa de ser browniano. É possı́vel observar ambos os tipos de movimento ao
microscópio em células de cebola, por exemplo.
Descreveremos em seguida o movimento numa base mais matemática. No movimento Browniano a
partı́cula (ex: grão de pólen) descreve um passeio aleatório no qual vai explorando o espaço em seu
redor. Na figura 8.4 ilustra-se uma realização de um passeio bidimensional. Para simplificar a discussão,
suporemos que a partı́cula apenas se pode movimentar ao longo de uma recta e em passos de tamanho
constante. Neste caso a partı́cula executa passos para a esquerda e para a direita, aleatoriamente. Cada
passo tem comprimento l. Ao dar o i-ésimo passo, a partı́cula desloca-se ∆xi = ±l.
Considerando que as probabilidades dar um passo para a frente (∆xi = +l) ou para trás (∆xi = −l)
são iguais, o valor médio h∆xi i = 0. O deslocamento médio da partı́cula, ao fim de muitos (N ) passos, é
também nulo, isto é
XN XN
hxi = h ∆xi i = h∆xi i = 0 , . (8.29)
i=1 i=1

Contudo, isto é apenas um valor médio: ter-se deslocado para a direita tem a mesma probabilidade que
ter-se deslocado para a esquerda e, por essa razão, a média do deslocamento é zero. Evidentemente, a
partı́cula explora o espaço à sua volta e afasta-se da sua posição original, para um lado ou para o outro.
Por isso, é melhor calcular o quadrado do deslocamento: hx2 i = 6 0. Determinemos, agora, a dependência
2
de hx i no tempo. Seja xN o deslocamento (ou posição da partı́cula) ao fim de N passos. Então a posição
seguinte, xN +1 , obtém-se subtraindo ou somando l à posição xN , isto é

xN +1 = xN ± l . (8.30)
3 Ver o texto: Albert Einstein, Investigations on the theory of the brownian movement, Dover, 1956.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 96

passeio em 2D
passeio em 1D

q p
A
−l xN l

Figura 8.4: Realização de um passeio aleatório de uma partı́cula em 2 dimensões (à esquerda). A partı́cula
é representada nos pontos onde muda de direcção, tendo sido iniciada a sua observação no ponto A. Do
lado direito representam-se os dois passos possı́veis num passeio aleatório em 1 dimensão.

passo (N ) xi t passo (N ) xi t
1 −l τ 4 0 4τ
2 −2l 2τ 5 l 5τ
3 −l 3τ 6 2l 6τ
... ... ...

Tabela 8.3: Alguns passos de um passeio aleatório em 1 dimensão.

Elevando ambos os membros ao quadrado obtemos

x2N +1 = x2N + l2 ± 2lxN , (8.31)

e tomando o valor médio de ambos os membros (ou seja, sobre muitos passeios aleatórios), obtemos

hx2N +1 i = hx2N i + l2 , (8.32)

logo, por recorrência podemos escrever que

hx2N i = N l2 . (8.33)

Vamos agora considerar o movimento no espaço a 3 dimensões. O deslocamento em cada passo é ~u


onde |~u| = l. Portanto a direcção e sentido de cada novo passo ~u é completamente aleatória mas o seu
~ N que é a soma de todos os N
módulo é fixo. Ao fim de N passos a partı́cula encontra-se na posição R
~u′ s até então. Dando mais um passo ela vai para a posição
~ N +1 = R
R ~ N + ~u (8.34)

Elevando ao quadrado ambos os membros e tirando a média obtemos


2
hRN 2 2 ~
+1 i = hRN i + l + 2hRN · ~
ui (8.35)
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 97

~ N então a média hR
Mas como ~u é um vector aleatório independente de R ~ N ·~ui = 0. Por indução obtemos:

2
hRN i = N l2 . (8.36)

Agora podemos introduzir tempo e velocidade da seguinte forma. Um “passo” corresponde ao movi-
mento rectilı́neo uniforme da partı́cula browniana entre duas colisões. Denotaremos a velocidade da
partı́cula por v e por τ o intervalo de tempo entre as colisões. O espaço percorrido entre colisões, vτ = l,
é designado por caminho livre médio e corresponde ao comprimento de um passo no passeio aleatório.
Ao fim do tempo t realizaram-se N = t/τ passos. O resultado (8.36) pode ser reescrito como
t
2
hRN i = N l2 = (vτ )2 = Dt , (8.37)
τ
onde D = v 2 τ é o denominado coeficiente de difusão. No passeio aleatório a distância a que a partı́cula
p
se afasta, hRN 2 i, aumenta com a raiz quadrada do tempo do passeio Diz-se que a partı́cula está ter um

movimento difusivo. Este movimento contrasta com o da partı́cula livre, para a qual o espaço percorrido
é proporcional ao tempo, x = vt, e a que por vezes se chama balı́stico.
O quadrado da velocidade da partı́cula que executa o movimento browniano pode ser relacionado com
a temperatura pelo teorema da equipartição da energia:
1 3
M v 2 = kB T .
2 2

É claro, da equação anterior, que se M for grande hv 2 i é muito pequeno. Se M for suficientemente
pequeno, as flutuações da velocidade são perceptı́veis ao microscópio. Podemos reescrever o resultado
acima como
2 3kB T
hRN i=τ t. (8.38)
M
Ou seja, o coeficiente de difusão
kB T
D = 3τ . (8.39)
M
O factor de 3 vem da dimensionalidade do espaço. O coeficiente de difusão é directamente proporcional
à dimensionalidade espacial quando expresso em função da temperatura.
Um exemplo simples permite visualizar aquilo de que estamos a falar: experimente deitar uma gota
de tinta em água. As partı́culas de tinta executam o movimento browniano na água, difundindo-se. A
mancha de tinta aumenta de tamanho proporcionalmente à raı́z quadrada do tempo.
As propriedades do fluido estão presentes no parâmetro τ . Suponhamos que a partı́cula se encontra
imersa num fluido viscoso. Denotando o raio da partı́cula por a e a viscosidade do fluido por η, pode-se
mostrar que
~ 2 i = kB T t .
hR (8.40)
πηa
O coeficiente de difusão D = kB T /(πηa).
Exercı́cio: Partı́culas de carvão, de raio r = 0, 4 × 10−4 cm, foram observadas em movimento
Browniano, numa mistura de água e glicerina, à temperatura de T = 18, 8oC, e cuja viscosidade era
η = 0, 0278 g.cm−1 .s−1 . A distância quadrática média percorrida por essas partı́culas, num intervalo de
tempo de 10 s, foi de hR2 i = 3.3 × 10−8 cm2 . Calcule o valor para o número de Avogadro determinado
por esta experiência.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 98

8.12 Exercı́cios
1. Um corpo tem capacidade calorı́fica de 15 J/K e outro tem capacidade calorı́fica de 10 J/K. Qual
é a capacidade calorı́fica do conjunto formado pelos dois corpos?

2. O calor especı́fico do corpo humano é cerca de 0,83 cal·o C−1 g−1 . Se a temperatura de um indivı́duo
de 76 kg baixar de um grau Celsius, quanta energia perdeu ele?

3. O calor de vaporização da água à pressão atmosférica normal é de 22,56×105J/kg. Converta para


calorias por grama.

4. Um copo de água tem 200 ml. Um indivı́duo consumiu um copo de água em transpiração. Calcule
a energia que ele perdeu por transpiração.

5. Forneceu-se 500 cal a 300 g de gelo que estavam a 0o C. O que se obteve no fim? (Lf =80 cal·g−1 ).

6. Calcule o calor que se deve fornecer a 25g de gelo (a 0o C) para que no final de obtenha água a uma
temperatura de 40o C. (Lf =80 cal·g−1 ). Exprima o resultado em Joules.

7. Um corpo A tem capacidade calorı́fica de 17J/K e está a uma temperatura de 30o C. Um outro
corpo B tem capacidade calorı́fica de 4J/K e está a uma temperatura de 10o C. Se os dois corpos
forem colocados em contacto, qual a temperatura final de equilı́brio do conjunto?

8. Um animal de massa 4 kg e calor especı́fico 0,83 cal·o C−1 g−1 tem uma temperatura de 37o C
e encontra-se mergulhado em 1 m3 de água a 17o C. Se o animal estivesse morto, qual seria a
temperatura final de equilı́brio dele com a água?

9. Considere dois mamı́feros semelhantes com massas M e 16M.

(a) Relacione as capacidades calorı́ficas.


(b) O tempo que conseguem ficar dentro de água fria deve ser o necessário para que: (i) a tempe-
ratura corporal de ambos desça de um mesmo valor? (ii) ou ambos tenham perdido a mesma
energia?
(c) Usando o critério da alı́nea anterior que faz mais sentido, relacione os tempos que conseguem
ficar dentro de água.

10. O volume do coração de um mamı́fero vezes a frequência cardı́aca (número de batimentos por
minuto) é proporcional à taxa metabólica. Suponha que o volume de coração é proporcional ao
volume, ou à massa, do animal.

(a) Relacione a frequência cardı́aca com a massa M do animal.


(b) A frequência cardı́aca (em repouso) é inversamente proporcional à longevidade do mamı́fero.
Relacione a massa do mamı́fero com a sua longevidade.
(c) Utilize o resultado obtido para comparar um gato com um gorila. O gato pesa 4 kg e vive
cerca de 14 anos. O gorila pesa 160 kg e vive cerca de 37 anos.
(d) Compare o gato com a baleia azul, que pesa 180 toneladas e vive cerca de 85 anos.
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 99

11. A área do corpo de um indivı́duo com 1,70 m de altura e 70 kg de peso é cerca de 1,8 m2 . Considere
a espessura média da camada de gordura da pele ∆x= 10 mm. A condutividade térmica da gordura
é cerca de 0,1 Wm−1 K−1 . A temperatura interna do corpo for de 37o C e a do meio ambiente é de
10oC, incluindo o ar que envolve o indivı́duo.

(a) Qual será a taxa de perda de calor por condução para o meio ambiente?
(b) Qual a taxa de perda de calor por radiação , utilizando a lei (8.16)?
Compare com a taxa de calor produzido pelo organismo, usando a curva do rato ao elefante
na equação (8.8).

12. No topo do Everest a densidade do ar é 35% da registada ao nı́vel do mar e a temperatura é cerca
de -13o C.

(a) Calcule a pressão do ar no topo do Everest.


(b) A frequência respiratória de um indivı́duo em repouso ao nı́vel do mar é de 11 inspirações
por minuto. Qual será a frequência respiratória do mesmo indivı́duo no Everest (sem ter tido
adaptação)?

13. Calcular o número de moléculas por metro cúbico no ar a 20 o C e à pressão de 1,0 atm. Calcule a
massa de 1 m3 de ar considerando que 75% é azoto (N2 ) e 25% é oxigénio O2 .

14. A concentração de hemoglubina num glóbulo vermelho é de 10 milimol/l. Calcule a pressão osmótica
à temperatura do corpo humano, como se o glóbulo vermelho estivesse mergulhado em água pura.

15. Considere que no plasma sanguı́neo se encontram dissolvidas as seguintes proteı́nas: albumina
(massa molar=69.000 g/mol) em concentração de 45 g/l; globulina (massa molar=140.000 g/mol)
em concentração de 25 g/l; fibrinogénio (massa molar=400.000 g/mol) em concentração de 3 g/l.
Calcule a pressão osmótica do plasma, se estivesse em contacto com água através de uma membrana,
a 37o C.

16. Uma árvore tem altura de 30 metros, altura a que a seiva tem de subir. Suponha que a densidade
da seiva é igual à da água e a temperatura é de 20o C.

(a) Calcule a pressão osmótica, usando hidrostática.


(b) Calcule a concentração dos solutos na seiva pela lei de van’t Hoff.

17. Uma gota de tinta espalha-se num lı́quido formando uma mancha de raio 10 cm ao fim de 15
segundos. Calcule o coeficiente de difusão.

18. Um bêbado afasta-se de um poste dando passos de comprimento 50 cm em direcções aleatórias. Ao


fim de 50 passos, qual é o afastamento médio dele em relação ao poste?

19. Um grão de pólen de Myosotis tem um diâmetro de 6 µm. A viscosidade da água a 20o C vale cerca
de 10−3 kg/m/s. Usando a equação (8.40) calcule o coeficiente de difusão do pólen na água.

20. Imagine o corpo humano no espaço em órbita da Terra, onde apenas recebe a radiação do Sol e a
pele emite radiação. [Claro que não se pode estar assim no espaço!]
CAPÍTULO 8. TERMODINÂMICA 100

(a) Calcule a potência recebida pela área do corpo exposta ao Sol.


(b) Calcule a potência emitida pela pele.
(c) Considerando um metabolismo basal de U=67 kcal/h, calcule a potência total no corpo, em
kcal/h.
(d) Essa potência total equivaleria a quantos gramas de água evaporados (em condições normais
de pressão)?
(e) Ao lado do corpo humano encontra-se um objecto que também recebe radiação solar e emite.
Qual é a temperatura de equilı́brio desse objecto? Obtém resultados diferentes para um objecto
esférico e uma placa?
(f) Se tudo fosse deslocado para as órbitas de Marte (1,5 vezes mais longe do Sol) e de Vénus (0,7
UA), como mudariam os resultados?
Dados: temperatura, distância e raio do Sol:
T⊙ =5778 K, r⊙ =1,496×1011 m, R⊙ =6,957×108 m.
Capı́tulo 9

Oscilações e Ondas

9.1 Oscilador harmónico


Consideremos uma partı́cula que vibra em torno de uma posição média. O movimento vibratório existe
porque assim que a partı́cula se afasta desse ponto médio, ela sente uma força que a puxa de volta para
esse ponto.
O movimento vibratório mais simples é o que pode ser descrito por:

x(t) = A sen(ωt) , (9.1)

onde x é a coordenada da partı́cula. O afastamento máximo da partı́cula em relação à origem é A: isso


chama-se amplitude da oscilação. Também ω é uma constante. Este movimento é periódico, repetindo-se
ao fim de um tempo T a que se dá o nome de perı́odo. O perı́odo obedece, por definição à condição
x(t) = x(t + T ). Como o argumento da função seno tem perı́odo 2π, obtemos que
2π 2π
ωT = 2π ⇔ T = ⇔ ω= . (9.2)
ω T
A constante ω designa-se frequência angular. Ao inverso do perı́odo chama-se frequência: f = 1/T . A
frequência mede o número de oscilações executadas por unidade de tempo. A unidade S.I. de frequência
é o s−1 ou Hz (Herz).
Podemos escrever o movimento de uma forma mais geral:

x(t) = A sen(ωt + φ) , (9.3)

onde φ é outra constante que se chama fase inicial. O argumento da função seno, ωt + φ, chama-se fase.

Exercı́cio: Utilizando esta definição de perı́odo, verifique que se obtém ω = 2π/T .


Exercı́cio: Faça o gráfico da função x(t) = C sen(ωt) e identifique nele o perı́odo e a amplitude.

101
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 102

9.2 Força elástica


Qual é a força que produz o movimento (9.1)? Para saber, vamos usar a segunda lei de Newton, F = ma.
A aceleração é a segunda derivada da posição em ordem ao tempo:
d2 x
a= = −ω 2 A sen(ωt) = −ω 2 x .
dt2
Logo, F = −mω 2 x. A força é então directamente proporcional ao afastamento da partı́cula em relação à
posição intermédia, a que chamamos posição de equilı́brio, neste caso, o ponto x = 0.
Este tipo de força chama-se força elástica:

F = −Kx (9.4)

Uma força elástica é, por definição, directamente proporcional ao afastamento da partı́cula em relação
a uma determinada posição de equilı́brio. O sinal - significa que força tem a direcção contrária ao
afastamento da partı́cula. Uma vez que a força faz com que a partı́cula regresse à posição de equilı́brio,
diz-se que essa força é restauradora. Na posição de equilı́brio F = 0. Vimos acima que K = mω 2 .
Um exemplo deste movimento pode ser o movimento de uma massa m colocada na extremidade de
uma mola elástica de constante K, sendo x o alongamento da mola.
Note-se que também podı́amos ter optado por escrever o movimento usando a função coseno:
 
x(t) = A cos ωt + φ . (9.5)

Este conceito é muito geral: qualquer coisa que vibre encontra-se sujeita a uma força elástica.

9.3 Energia potencial elástica


A energia mecânica é a soma da energia cinética com a energia potencial. Em capı́tulos anteriores falámos
da energia potencial gravı́tica; agora falaremos da energia potencial elástica. Aprenderemos agora como
é que em Fı́sica se define uma energia potencial em termos mais gerais.
A uma energia potencial corresponde uma força. Essa força diz-se conservativa. Nem todas as forças
são conservativas: o atrito, por exemplo, não é conservativo porque não lhe corresponde nenhuma energia
potencial.
A energia potencial é uma função do ponto do espaço onde a partı́cula se encontra. Já tı́nhamos visto
isso no caso da gravı́tica, que dependia da altura da partı́cula. No caso da força elástica da equação (9.4),
a energia potencial vai depender da posição x.
Definição: Seja Ep (x) a energia potencial no ponto x. Então
dEp
= −F . (9.6)
dx
Aplicando ao caso da força F = −Kx, vemos que
1
Ep = Kx2 .
2
A energia mecânica vem, por conseguinte,
1 1
E= mv 2 + Kx2 . (9.7)
2 2
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 103

A constante elástica K relaciona-se com a frequência angular como vimos acima, K = mω 2 . Muitas vezes
conhecemos ω e podemos reescrever a expressão da energia de um oscilador como
1 1
E= mv 2 + mω 2 x2 . (9.8)
2 2

Exercı́cio: A energia potencial gravı́tica (correspondente ao peso) depende da altura y e a força da


gravidade F = −mg se o eixo Oy estiver orientado para cima. Verifique que a energia potencial gravı́tica
satisfaz a definição (9.6) adaptada ao eixo Oy.

9.4 Ondas
Uma onda é o resultado da propagação de uma perturbação num meio material (onda mecânica) ou no
vazio (ondas electromagnéticas, ondas gravitacionais).
Consideremos uma onda mecânica. O meio onde ela se propaga é constituido por partı́culas. Um
exemplo simples é uma corda, da qual nós seguramos uma extremidade. Se abanarmos a extremidade
vemos ondas a propagarem-se ao longo da corda. O que acontece é que o movimento da partı́cula na
extremidade, que é oscilatório, se propagou às partı́culas vizinhas. Isso é uma caracterı́stica das ondas:
cada partı́cula executa um movimento vibratório e esse movimento vai sendo transmitido às partı́culas
vizinhas.
No caso da corda o movimento vibratório ocorre numa direcção perpendicular à direcção da própria
corda – diz-se uma onda transversal– mas existem casos em que a vibração ocorre na mesma direcção
que a propagação, como no caso das ondas sonoras. Nesse caso as ondas dizem-se longitudinais.
Se pretendermos fazer um gráfico da corda ondulada, podemos tomar o eixo Ox como sendo ao longo
da corda e a forma dela, num dado instante, é uma função y(x). Como a forma varia no tempo, então a
onda é na verdade descrita por uma função y(t, x), de duas variáveis, que tem o seguinte significado:

1. fixando um valor de t, a corda faz o gráfico da função y(x). É como tirar uma fotografia dela no
instante t;

2. fixar um valor de x é como observar um ponto da corda e ver o movimento vibratório que ele faz
ao longo do eixo Oy, y(t).

Consideremos a expressão geral:


y(t, x) = A sen(ωt − kx) . (9.9)

Tomando um ponto x fixo, consideramos que a variável é o tempo e o movimento é oscilatório como no
caso (9.5) onde A é a amplitude e φ = −kx. Portanto uma onda tem amplitude e frequência angular
correspondente ao movimento vibratório que cada partı́cula executa.
Fixando agora um instante t e considerando x variável, vemos que o gráfico da corda no sistema
de eixos Oxy também é uma sinusóide. Como se trata de uma função seno então a configuração da
corda é periódica no espaço. Esse perı́odo espacial é o comprimento de onda, λ. Ele define-se por
y(t, x) = y(t, x + λ).
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 104

Exercı́cio: Utilizando a definição de λ e a expressão (9.9) mostre que k = 2π/λ.

Há mais um pormenor importante na expressão (9.9): a diferença ωt − kx. Também se poderia ter
escrito uma soma: ωt + kx. Para compreender o seu significado, consideremos o gráfico de uma função
qualquer y = f (x) e comparemos com o gráfico da função f (x − a) com a > 0, por exemplo. Vê-se que
f (x − a) é o gráfico de f (x) deslocado para a direita (sentido positivo do eixo Ox) de uma distância a.
Suponhamos que a = vt onde t é o tempo. Então o deslocamento para a direita ocorre com velocidade v.
Concluindo, uma função f (x − vt) desloca-se para a direita enquanto que uma função f (x + vt) desloca-se
para a esquerda, no decorrer do tempo. Isto supondo que v > 0, senão seria ao contrário.
Assim, a onda (9.9) desloca-se para a direita. Colocando k em evidência, podemos escrever
h  ω i
y(t, x) = A sen −k x − t ,
k
de onde vemos que a onda é uma função de x − ωk t e concluimos que a onda se desloca com velocidade
v = ω/k no sentido positivo do eixo Ox. Obtemos assim a relação
ω
v= ⇔ v = λf . (9.10)
k

9.5 Intensidade de uma onda


Na propagação de uma onda o movimento vibratório de cada partı́cula transmite-se às partı́culas vizinhas.
Isso implica que a energia de oscilação de cada partı́cula, dada pela equação (9.8), também se transmite
às partı́culas vizinhas. Existe, assim, uma propagação da energia ao longo de uma onda. No exemplo da
corda, a energia propaga-se com a velocidade v = λf que vimos acima.
Então para cada ponto x, podemos pensar na energia que atravessa esse ponto por unidade de tempo:
isso é a intensidade daquela onda. O caso da corda é o mais simples, que é unidimensional (o eixo da
corda). Mas nos casos mais gerais, as ondas podem propagar-se em duas ou três dimensões. Por exemplo,
as ondas na superfı́cie de um lago, as ondas na pele de um tambor, as ondas sonoras.
Uma fonte sonora emite ondas em todas as direcções. Os pontos que, em cada instante, são simul-
taneamente atingidos pela onda constituem a frente de onda e encontram-se todos à mesma distância
da fonte, distribuido-se numa superfı́cie esférica. As frentes de onda são esféricas neste caso. No caso da
corda, as frentes de onda eram pontuais.
Tomemos o caso de uma onda esférica, como a onda sonora. Se a fonte emitir com a potência
P = ∆E/∆t então toda a energia ∆E atravessa uma esfera esfera de raio r no tempo ∆t. A área de
superfı́cie da esfera A = 4πr2 . Então a energia que a atravessa por unidade de tempo e por unidade de
área vale I = ∆E/(4πr2 · ∆t). Essa é a intensidade da onda e diminui com o quadrado da distância à
fonte.

9.6 Percepção da intensidade sonora: a escala dos decibeis


A resposta de um organismo a um estı́mulo fı́sico não é directamente proporcional ao estı́mulo, mas sim
logarı́tmica. Isto protege o organismo porque os estı́mulos fı́sicos variam muito de intensidade enquanto
a sensação varia muito menos. A sensação de intensidade sonora mede-se então numa escala que depende
do logaritmo da intensidade fı́sica, I.
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 105

 
I
β = 10 log10 onde I0 = 10−12 W · m−2 . (9.11)
I0
O valor de I0 é um valor de referência, não correpondendo à intensidade mı́nima que se consegue
ouvir. O ouvido humano consegue detectar sons abaixo de zero dB (portanto I < I0 ), na região dos 3-4
kHz, onde a audição humana é mais sensı́vel.
Repare na diferença entre a intensidade fı́sica do estı́mulo sonoro, I, e a sensação que temos desse
estı́mulo, β. A sensação é dada por uma função logarı́tmica, o que significa que o estı́mulo pode variar
muito enquanto que a sensação varia pouco. Se um estı́mulo for 1000 vezes mais forte que outro, isso
origina uma percepção aumentada de 30 db: a percepção fica muito longe de ser 1000 vezes mais forte.
Isto é assim para a audição e tamém para a visão. A resposta logaritmica dos orgãos sensoriais protegem
o nosso organismo face aos estı́mulos porque estes podem variar muito no dia-a-dia, enquanto as nossas
percepções dos mesmos variam muito menos.
Os exercı́cios 8, 10 e 11 ilustram a diferença entre intensidade fı́sica e percepção.
Se tem dificuldades com a função logarı́tmica, leia a revisão na Secção 0.6 e resolva os exercı́cios.

9.7 Efeito Doppler


Alguns seres vivos utilizam o eco para detectar objectos e movimentos de objectos na sua proximidade:
sonar. Exemplos são os golfinhos, orcas e morcegos. O animal (e nós também!) consegue detectar a
proveniência do som através do curtı́simo intervalo tempo entre a recepção no ouvido esquerdo e no
direito. A diferença de intensidades com que o som chega aos dois ouvidos também contribui para essa
detecção.
O morcego utiliza também o efeito Doppler. O morcego emite ultra-sons de frequências a rodar os 80
kHz. Ele emite pulsos (estalidos) de duração de alguns milisegundos (tipicamente no intervalo 1-5 ms).
A utilização do som pelos animais para se localizarem chama-se ecolocalização. Desse modo os golfinhos
e as baleias conseguem detectar objectos situados a 1500 m.
O efeito Doppler tamém é utilizado em Medicina para fazer ecografias: um ultra-som é enviado em
direcção à parede de um orgão do corpo (o coração, por exemplo) e, se esta estiver a deslocar-se, reflecte
o ultra-som com frequência distinta da que foi enviada.
O efeito Doppler é um fenómeno que ocorre quando exite movimento relativo entre uma fonte emissora
de ondas e um observador, ou entre eles e o meio. Nessas situações, a frequência que é detectada é diferente
daquela que a fonte emite.
Quando uma fonte se move, ela comprime as ondas à sua frente e distende as que emite para trás.
Suponhamos que a fonte tem velocidade u. Emite uma crista de onda no instante 0 e a segunda crista
no instante t = T , onde T é o perı́odo, inverso da frequência T = 1/f . Neste instante a primeira crista
já avançou uma distância vT , mas comjo a fonte foi “atrás dela” com a velocidade u, a distância entre
as cristas ficou igual a (v − u)T = (v − u)/f = λ′ . Este é um comprimento de onda “comprimido” que
avança até ao detector com velocidade v. O detector, se estiver parado, vê um comprimento de onda λ′
a chegar com velocidade v e escreve a relação geral v = λf como:
v
v = λ′ f ′ ⇔ f ′ = f, (9.12)
v−u
sendo f ′ a frequência recebida. Portanto f ′ > f neste caso.
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 106

Exercı́cio: Repita o raciocı́nio para o caso em que a fonte se afasta e conclua que f ′ < f nesse caso.

No caso em que a fonte está parada e o observador se afasta com velocidade vO , este vê o comprimento
de onda verdadeiro, λ a chegar com velocidade aparentemente menor, v − vO e escreve:
v − vO
v − vO = λf ′ ⇔ f ′ = f. (9.13)
v
Portanto f ′ < f neste caso.

Exercı́cio: Repita o raciocı́nio para o caso em que o observador se aproxima da fonte e conclua que
f ′ > f nesse caso.

NOTA: o caso das ondas electromagnéticas é distinto e o raciocı́nio envolve teoria da relatividade.

9.8 Dualidade corpúsculo-onda e relações de de Broglie


A Mecânica Quântica assenta na ideia de que uma partı́cula é uma entidade que por vezes se pode
comportar como uma onda e, noutras situações, como uma partı́cula no seu sentido clássico (isto é, que
ocupa posição, tem velocidade, etc). Também o inverso acontece: uma onda (por exemplo, a da corda) é
uma entidade que por vezes se pode comportar como uma partı́cula! Isto parece estranho, de facto, mas
acontece porque aquela entidade não é de facto uma partı́cula nem uma onda: é algo que por vezes nos
parece uma ou outra dessas coisas. A verdade é esta: nós inventámos as noções de onda e de partı́cula,
mas cada um desses conceitos apenas faz uma descrição parcial do que “aquela coisa” de facto é.
Como é a onda que devemos associar a uma partı́cula? No caso mais simples, se a partı́cula vai em
linha recta com velocidade v e tem uma energia mecânica E, o seu comprimento de onda e frequência
são dados pelas relações de de Broglie:
h E
λ= , f= (9.14)
mv h
onde h =6,626×10−34 J·s é a chamada constante de Planck.
O microscópio electrónico utiliza electrões como se fossem ondas, gerando a imagem de objectos muito
pequenos, como vı́rus, por exemplo.

Exercı́cio: A massa de um electrão vale 9,1×10−31 kg. Calcule o seu comprimento de onda quando
a velocidade é de 100 m/s.

9.9 Exercı́cios
1. Uma partı́cula começa da posição x = 0, 2m a oscilar em torno da origem, com um perı́odo de 30
s. Determine:

(a) a frequência angular;


(b) a posição em função do tempo.
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 107

(c) Faça o gráfico x(t).

2. Um movimento harmónico simples é descrito por: x(t) = 5sen(2t + 3) com todas as grandezas no
S. I. Determine:
(a) a fase inicial; (b) a frequência.

3. A onda seguinte propaga-se numa corda: y(t) = A cos(ωt − kx), onde A = 0, 01 m, ω = 400 Hz,
λ = 3 m. Calcule:

(a) o valor do número de onda, k


(b) a velocidade de propagação
(c) o sentido de propagação

4. Uma onda sonora provoca a seguinte vibração de pressão: ∆p = 0, 8 cos[ π2 (x − 340t)] Pa. Calcule:

(a) a amplitude
(b) o comprimento de onda
(c) a velocidade de propagação
(d) a frequência

5. Um ser humano jovem consegue ouvir sons com frequências compreendidas entre os 16 Hz e os
20.000 Hz.

(a) Uma pessoa consegue ouvir um som de comprimento de onda λ =7 cm debaixo de água?
(b) A pessoa consegue ouvir aquele comprimento de onda no ar?
(c) Qual é o comprimento de onda mais longo que uma pessoa consegue ouvir debaixo de água?

6. Os golfinhos emitem ultra-sons com frequências acima de 2,5×105 Hz. Quanto vale o comprimento
de onda? A velocidade do som na água vale 1484 m/s.

7. Quando um morcego emite um ultra-som de frequência 80 kHz, qual é o comprimento de onda?

8. Uma pessoa ouve um som com intensidade 50 dB. Qual é a intensidade fı́sica desse som?

9. Um som é um milhão de vezes mais intenso, fisicamente, que outro. Quantos decibeis tem a mais?

10. Um motor a trabalhar produz um som de intensidade 80 dB. Qual é a intensidade que se ouve se
estiverem dois motores a trabalhar?

11. Uma pessoa a falar produz 60 dB. Se estiverem 10 pessoas a falar, à mesma distância,

(a) de quanto aumenta a intensidade fı́sica das ondas sonoras?


(b) de quanto aumentam os decibeis?
(c) O limiar da dor situa-se nos 130 db. Quantas pessoas teriam de estar a falar à nossa volta
para nos causar dor no ouvido?
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 108

12. Uma pessoa a falar produz 60 dB se estiver a 1 metro de distância. Se se afastar para três metros
de distância, qual será a intensidade ouvida?

13. Um morcego emite um ultra-som de frequência 75 kHz enquanto se aproxima de uma parede que
dista 18 metros. A velocidade do morcego é de 5 m/s. Calcule:

(a) o tempo entre a emissão do ultra-som e a recepção do eco. Um morcego emite estalidos de
duração entre 1 e 5 ms. O eco sobrepõe-se ao som emitido?
(b) Qual a frequência f ′ que chega à parede?
(c) A parede agora reflecte com frequência f ′ em direcção ao morcego. Qual o valor de frequência
que este recebe como eco?
(d) o intervalo musical entre o som emitido e o recebido pelo morcego é superior ou inferior a
“meio tom” musical?
[Meio tom = quociente entre frequências= 1,05946.]

14. Um morcego parado emite um ultra-som de frequência 76 kHz que é reflectido por um pequeno
pássaro que se afasta a uma velocidade de 5 m/s.

(a) Qual o valor de frequência f ′ que o pássaro ouve?


(b) O pássaro agora reflecte com frequência f ′ em direcção ao morcego, enquanto se afasta. Qual
é a frequência que o morcego recebe como eco?

15. Um morcego emite um ultra-som de frequência 76 kHz que é reflectido por um pequeno pássaro
que se afasta a uma velocidade de 5 m/s. O morcego persegue o pássaro a 6 m/s.

(a) Qual o valor de frequência f ′ que o pássaro ouve?


(b) O pássaro agora reflecte com frequência f ′ em direcção ao morcego, enquanto se afasta. Qual
é a frequência que o morcego recebe como eco?

16. Numa ecografia para estudar o coração de um feto, um ultra-som de comprimento de onda 0,3 mm
é emitido em direcção à parede cardı́aca. Suponha que a velocidade do som no organismo é de 1500
m/s e que a parede cardı́aca se desloca a 7,5 cm/s. Qual é a variação de frequências detectada?

17. Um vı́rus tem um tamanho de 40 nm. Se se pretender formar uma imagem do vı́rus, tal requer um
poder de resolução que apenas se pode atingir com radiação com comprimento de onda semelhante
ou inferior ao tamanho do vı́rus.

(a) Como se compara este tamanho com os comprimentos de onda da luz visı́vel?
(b) Utilizando o carácter ondulatório de electrões de um microscópio electrónico, qual deverá ser
a velocidade tı́pica dos mesmos?

18. Para medir o brilho (percepcionado) das estrelas, os astrónomos falam em magnitudes estelares:
uma estrela de magnitude x é 100 vezes mais brilhante, fisicamente, do que outra de magnitude
x + 5.
CAPÍTULO 9. OSCILAÇÕES E ONDAS 109

(a) Sendo B o brilho fı́sico da estrela (intensidade das ondas luminosas), e Bo um valor fixo de
referência, qual das seguintes expressões permite calcular a magnitude?
B B 5 B 5 B
x = log10 , x = 5 log10 , x= log10 , x = − log10
Bo Bo 2 Bo 2 Bo

(b) Quantas vezes é que uma estrela de magnitude x é mais brilhante do que outra de magnitude
x + 1?
(c) A estrela Vega tem magnitude 0. Qual o valor de B para Vega?
(d) A estrela menos brilhante que conseguimos ver com os olhos bem adaptados ao escuro tem
magnitude 6. A Lua tem magnitude aproximadamente -12. Quantas vezes é a Lua mais
brilhante do que aquela estrela?
(e) O Sol tem magnitude -26,7 e nós quase não conseguimos olhar para ele. Quantas vezes é o Sol
mais brilhante do que a estrela de magnitude 6?

19. Uma orca emite sons curtos, intervalados de 0,5 segundos, que são reflectidos pelo casco de um
navio parado. Ela proxima-se com velocidade de 4 m/s. Determine o intervalo de tempo entre os
sucessivos ecos que ela recebe. A velocidade do som na água vale 1484 m/s.

20. Qual é a distância máxima a que um morcego pode detectar um objecto de área 10−4 m2 se a
intensidade do ultra-som por ele emitido for 0,01 W/m2 e o seu limiar de audição for 10−12 W/m2 ?
Capı́tulo 10

Óptica

10.1 Regras gerais para espelhos


O plano do espelho é perpendicular ao eixo óptico deste.

1. A distância focal de um espelho esférico é igual a metade do seu raio de curvatura.

2. O raio que passa pelo centro de curvatura vem reflectido na mesma direcção.

3. Um raio que incida paralelamente ao eixo óptico do espelho é reflectido de modo a passar pelo foco.

4. Um raio que atinja o ponto central do espelho é reflectido fazendo o mesmo ângulo com o eixo
óptico.

Estes dados permitem construir a imagem formada por um espelho convergente (côncavo) ou divergente
(convexo). Para este último, os raios reflectidos claro que não passam no foco, mas o seu prolongamento
para trás do espelho passaria pelo foco.
Existem 3 distâncias importantes:
f : distância focal1 ;
p: distância do objecto ao espelho ou lente;
q: distância da imagem ao espelho ou lente.
A relação entre estas distâncias é a mesma para espelhos e para lentes, que veremos já a seguir.

10.2 Regras gerais para lentes


O plano da lente é perpendicular ao eixo óptico desta. Os raios que incidem paralelamente ao eixo óptico
da lente convergem no foco. Os raios que passam pelo centro óptico da lente não sofrem desvio. Estas
duas regras permitem desenhar o diagrama de raios e a imagem.
Quantitativamente, há uma relação entre as quantidades 1/f , 1/p e 1/q: a maior delas é igual à soma
das outras duas. Por exemplo, vemos na figura 10.1 que a distância mais curta é p, a que vai do objecto
1 Muitas vezes se fala de dioptria: é o inverso da distância focal em metros. Ex: duas dioptrias correspondem a uma

distância focal de meio metro.

110
CAPÍTULO 10. ÓPTICA 111

à lente. Então 1/p é a maior daquelas três quantidades, logo,


1 1 1
= + figura 10.1 . (10.1)
p f q
Já no caso da figura 10.2 vemos que a menor das três distâncias é f . Então
1 1 1
= + figura 10.2 . (10.2)
f p q

Sendo a o tamanho o objecto e a′ o tamanho da imagem, vemos que a/p = a′ /q, pelo que a ampliação
vem dada por:
a′ q
= . (10.3)
a p

10.2.1 Lente convergente


Uma lente convergente é espessa no centro e delgada no bordo.

Figura 10.1: Lente convergente com objecto mais perto do que a distância focal: lupa.

10.2.2 Lupa
Uma lupa é uma lente convergente que produz uma imagem virtual e direita, ampliada, de um pequeno
objecto e o seu funcionamento encontra-se ilustrado na figura 10.1. Seja f a distância focal. A distância
da lupa ao objecto é ligeiramente inferior à distância focal. Neste caso, podemos resolver a equação (10.1)
para achar p e escrever a ampliação como
q q+f
M= = (10.4)
p f
Na prática, imagem forma-se a uma distância q ≈ 25 cm da lente, que é a distância mı́nima de visão
distinta. A ampliação é dada por
q 25 cm
M= ≈ (10.5)
p f
CAPÍTULO 10. ÓPTICA 112

Figura 10.2: Lente convergente com objecto mais distante do que a distância focal: objectiva.

10.2.3 Microscópio composto


Um microscópio composto é constituido por duas lentes convergentes, ocular e objectiva, funcionando
cada uma delas como se mostra nas figuras 10.1 e 10.2. A distância focal da objectiva é muito menor do
que a distância focal da ocular e ambas são bastante inferiores à distância entre as duas lentes, que é fixa
(comprimento do tubo). A focagem é realizada ajustando a distância da objectiva ao objecto. A figura
10.3 mostra o esquema completo para o microscópio. Agora analisemos por partes.

Figura 10.3: Funcionamento do microscópio composto.

A objectiva produz uma imagem como se mostra na figura 10.2. Então escrevemos:
1 1 1
= + figura 10.2 . (10.6)
f p q

Esta imagem vai ser ampliada pela ocular, que funciona como uma lupa. Seja p′ a distância desta imagem
CAPÍTULO 10. ÓPTICA 113

à ocular e fo , q ′ as distâncias focal e da imagem final. De acordo com 10.1 vem que
1 1 1

= + ′ onde q ′ ≈ 25 cm . (10.7)
p fo q

Por outro lado, a distância entre as duas lentes é fixa, igual ao comprimento do tubo l = q +p′ . A equação
(10.7) permite calcular p′ . Depois q = l − p′ e por fim a equação (10.6) permite calcular q. Ampliação
do instrumento é dada por:
q q′ q 25cm
M= ≈ · (10.8)
p p′ p p′
Para mudar a ampliação do microscópio, muda-se de objectiva.

10.2.4 Telescópio
Um telescópio caracteriza-se pela sua abertura, que é o diâmetro da objectiva, e pela sua razão focal. Uma
ocular caracteriza-se pela sua distância focal, fo . A ampliação de um telescópio é dada pelo quociente
entre as distâncias focais da objectiva e da ocular.
F
M= (10.9)
fo
Para mudar a ampliação do telescópio, muda-se de ocular.

10.2.5 Lente divergente


Uma lente divergente é delgada no centro e espessa no bordo.
Aplicam-se as mesmas regras para traçar o diagrama de raios e relacionar as distâncias p, q, f .

Figura 10.4: Lente divergente com objecto mais distante do que a distância focal.

O funcionamento para o caso em que o objecto se encontra mais perto do que a distância focal é
deixado como exercı́cio para o estudante.
CAPÍTULO 10. ÓPTICA 114

10.2.6 Alguns termos


Chama-se abertura de um instrumento ao diâmetro da sua objectiva. Por exemplo, no caso dos telescópios
fala-se em abertura: quando se diz “um telescópio de 200 mm” isso refere-se ao diâmetro da objetiva.
No caso das lentes de máquina fotográfica, é costume falar-se da distância focal: uma “lente de 50
mm” significa que a sua distância focal é de 50 mm.
Chama-se razão focal ao quociente entre a distância focal (F ) e o diâmetro da objectiva (D),

F
f=
D
Quando se diz que uma razão focal é f/10, isso significa f = F/D =10.

10.3 Poder de resolução


Quando a luz incide num orifı́cio de diâmetro d ela vai difractar-se e formar uma imagem num alvo que
consiste em cı́culos brilhantes concênctricos intervalados por cı́rculos escuros: chama-se a isso um padrão
de difracção de Airy.
Se os raios luminosos provenientes de duas fontes fazem entre si um ângulo α e vão passar pelo orifı́cio,
cada um deles vai difractar-se e o resultado vão ser dois padrões de Airy ao lado um do outro. Se o ângulo
α for muito pequeno então esses dois padrões de Airy podem sobrepor-se tanto que não se distinguem
um do outro.
Estabeleceu-se um limite inferior para o ângulo α de modo a que as duas figuras de Airy se pudessem
distinguir uma da outra. Esse valor crı́tico, αc é dado por
1, 22λ
senαc = (10.10)
d
onde λ é o comprimento de onda da luz usada.
Se aplicarmos este conceito à visão, o orifı́cio será pupila, cujo diâmetro d nos seres humanos pode
chegar a 6 mm em pessoas jovens mas vai diminuindo com a idade. Esse diâmetro máximo atinge-se com
baixa luminosidade, pois todos sabemos que as pupilas se fecham quando a luminosidade aumenta. Com
forte luminosidade o diâmetro pode encolher para 1 mm. O padrão de Airy forma-se no alvo que é a
retina, ou melhor, na parte central desta, a fóvea, onde se encontram as células (cones) que permitem
discernir melhor a forma e cor.
Se um objecto se encontrar a uma grande distância D e tiver um tamanho L, o ângulo subentendido
será α ≈ L/D, em radianos, e é um valor muito pequeno. Quando os ângulos são muito pequenos, temos
senα ≈ tgα ≈ α em radianos. Logo, vamos ter o ângulo subentendido pelo objecto α ≈ L/D ≈ senα.
Para podermos discernir esse objecto, é preciso que α > αc , ou seja,
L 1, 22λ
> (10.11)
D d
Os comprimentos de onda visı́veis variam entre os 400 nm e os 700 nm. Podemos tomar um valor
médio de λ=550 nm em muitas estimativas. Outros animais possuem pupilas com diâmetros superiores
ao do homem. Esses animais conseguem ver objectos mais pequenos a grandes distâncias.
CAPÍTULO 10. ÓPTICA 115

10.4 Exercı́cios
1. Um jovem de altura 1,5 m pode ver a sua imagem completa num espelho vertical que dista dele 3
metros. Os olhos do rapaz estão 1,4 m acima do solo. Calcule a altura mı́nima do espelho e a sua
elevação em relação ao solo.

2. Um espelho côncavo forma uma imagem invertida 4 vezes maior do que o objecto. A distância entre
a imagem e o objecto é de 60 cm. Calcule a distância focal do espelho.

3. Um espelho convexo forma uma imagem virtual com metade do tamanho do objecto. A distância
entre a imagem e o objecto é de 20 cm. Calcule a distância focal do espelho e o seu raio de curvatura.

4. Calcule a posição e tamanho da imagem da Lua numa esfera cromada com 25 cm de diâmetro. O
diâmetro da Lua é de 3,5 milhões de Kms e dista 384 milhões de Kms da Terra.

5. Uma lupa tem distância focal 4 cm e produz uma imagem do objecto ampliada de 8 vezes. Qual a
posição do objecto?

6. Uma bola prateada de árvore de Natal tem um diâmetro de 8,5 cm. Determine a posição de um
objecto de modo a que a sua imagem tenha um tamanho de 3/4 da dimensão deste. Faça um
diagrama dos raios.

7. Determine a ampliação de uma objectiva (lente convergente), em função da sua distância focal, f ,
e da distância da imagem à lente, q.

8. Uma árvore de 4 m de altura à distância de 30 m vai ser fotografada com uma lente convergente
de 50 mm (distância focal). A que distância se encontra o filme (ou sensor CCD) da lente e qual o
tamanho da imagem da árvore no filme?

9. Numa máquina fotográfica com lente de 50 mm (este número refere-se à distância focal) a abertura
do diafragma corresponde a uma razão focal f/2.8. Determine a abertura do diafragma.

10. Um telescópio de abertura 200 mm e razão focal f/6 tem uma ocular com distância focal 7,5 mm.
Calcule a ampliação que esta ocular oferece.

11. Uma lente com distância focal de 5 cm vai ser usada como lupa.

(a) Qual o número de dioptrias?


(b) Onde se oncontra um objecto cuja imagem virtual dista 25 cm da lente?
(c) Qual a ampliação obtida nessas condições?

12. Num microscópio a distância focal da objectiva é de 4 mm e o “comprimento do tubo” é de 30 cm.


A distância focal da ocular vale 2,5 cm. Calcule a ampliação do microscópio.

13. Num telescópio, a ocular funciona como uma lupa que amplia a imagem fornecida pela objectiva.
O objecto está muito distante, p → ∞.

(a) Onde se forma a imagem dada pela objectiva, q =?


CAPÍTULO 10. ÓPTICA 116

(b) A ocular funciona como lupa, mas vai criar a imagem final no infinito, à mesma distância do
objecto (q ′ = p). Usando a expressão para o aumento total:

q q′
A= ·
p p′
determine a ampliação do telescópio.

14. O diâmetro das pupilas de uma águia é de 4 mm. Ela consegue ver um rato de 4 cm a 1 km de
distância? Utilize λ = 550 nm.

15. A Estação Espacial Internacional (ISS) encontra-se em órbita a 400 km de altitude. A pirâmide de
Quéops tem uma base de 230 m. Um astronauta a bordo da ISS consegue discerni-la?

16. Vénus tem um diâmetro de 12.100 km e no ponto mais próximo da Terra a sua distância vale
44.880.000 km. Um ser humano consegue ver Vénus a passar na frente do Sol a olho nú?

17. Repita para Mercúrio, que tem um diâmetro 4880 km e dista 89.760.000 km quando transita na
frente do Sol.

18. O Sol encontra-se a 149.600.000 km de distância. De que tamanho tem de ser uma mancha solar
para que a possamos ver a olho nú?
Capı́tulo 11

Electromagnetismo

11.1 Lei de Coulomb


A força eléctrica verifica-se entre partı́culas que possuem carga eléctrica. Esta pode ser positiva ou
negativa. A força entre duas cargas q1 e q2 tem uma intensidade:
1 q1 q2 1
F = , = 9 × 109 N m2 C −2 (11.1)
4πǫo r2 4πǫo
onde r designa a distância entre as cargas. A carga eléctrica mede-se, no Sistema Internacional, em
Coulomb (C).
Se as cargas têm o mesmo sinal, a força é repulsiva; se tiverem sinais contrários a força é atractiva.
A constante ǫo chama-se permitividade eléctrica do vazio. Se a carga Q se encontra dentro de um
meio isolador, em vez do vácuo, então temos de substituir ǫo → ǫ, onde ǫ é a permitividade do meio e é
uma propriedade deste. O quociente ǫ/ǫ0 chama-se permitividade relativa do meio.
Normalmente, existem muitas cargas espalhadas no espaço a criar campo eléctrico. A força que uma
carga de teste, q, vai sentir é a soma dos vectores força criados pelas outras cargas.

11.2 A força de Coulomb é conservativa


Vamos considerar uma carga Q na origem e outra, q, a uma distância r. A força está dirigida ao longo
da linha radial (coordenada r) e vale:
1 Qq
F (r) = (11.2)
4πǫo r2
sendo uma função de r. A força sentida pela carga de teste, q, depende da sua posição e é conservativa.
Logo, tem de lhe corresponder uma energia potencial. Podemos pensar na coordenada radial r como se
fosse o eixo Ox do capı́tulo 1. A energia potencial, Ep (r), deve obedecer a :

dEp 1 Qq
= −F (r) = − (11.3)
dr 4πǫo r2
Se nos lembrarmos da derivada  ′
1 1
=− 2, (11.4)
r r

117
CAPÍTULO 11. ELECTROMAGNETISMO 118

então vemos que


1 Qq
Ep (r) = (11.5)
4πǫo r
Esta energia potencial é aquela que é provocada por uma única carga Q na origem.
Se existirem muitas cargas espalhadas no espaço a criar campo eléctrico, a energia potencial da carga
de teste, q , é a soma das energias potenciais que cada uma das outras cargas criaria separadamente.

11.3 Potencial eléctrico


O potencial eléctrico é definido como a energia potencial por unidade de carga.
No caso de o campo eléctrico ser criado apenas por uma carga Q na origem, então temos da equação
(11.5) que Ep (r) = qV (r), logo,
Ep 1 Q
V (r) = = . (11.6)
q 4πǫo r
Na situação mais geral, pode haver muitas cargas no espaço a criar o campo que a nossa carga de
teste, q, vai sentir. Então e o potencial eléctrico num ponto do espaço ~r = (x, y, z) é V (~r) e a energia
potencial da carga q colocada no ponto ~r será

Ep (~r) = qV (~r) . (11.7)

Esta definição é geral. Como normalmente existem muitas cargas espalhadas no espaço a criar campo
eléctrico, a função V (~r) pode ser complicada.
A unidade S.I. de potencial é o Volt, V. Assim 1 V = 1 J/C, portanto 1 volt = 1 joule por coulomb.
Continua válido o que aprendemos anteriormente sobre o vector força em 3D:
   
~ ∂Ep ∂Ep ∂Ep ∂V ∂V ∂V
F =− , , = −q , , . (11.8)
∂x ∂y ∂z ∂x ∂y ∂z

11.4 Campo eléctrico


O significado de campo eléctrico é o seguinte: se num ponto do espaço, ~r, colocarmos uma carga q, ela
irá ficar sujeita a uma força eléctrica F~ = q E(~
~ r ).
Ou por outras palavras, campo eléctrico E ~ é a força por unidade de carga:

~
~ = F ⇔ F~ = q E
E ~. (11.9)
q

A unidade S.I. de campo fica newton por coulomb, N/C.


Pela equação (11.8) vemos que  
~ ∂V ∂V ∂V
E=− , , . (11.10)
∂x ∂y ∂z
No exemplo (11.2) da força criada pela carga Q, temos que

F (r) 1 Q
E(r) = = (11.11)
q 4πǫo r2
CAPÍTULO 11. ELECTROMAGNETISMO 119

Mas o campo é um vector e equação (11.11) só nos diz a intensidade. Se Q > 0 o vector aponta radialmente
para fora (centrı́fugo); se Q < 0 o vector aponta radialmente para dentro (centrı́peto). Portanto uma
carga negativa produz um campo que aponta para si mesma, uma carga positiva produz um campo que
aponta para fora.
Por causa da equação (11.10), a unidade S.I. de campo eléctrico pode ser o volt por metro, V/m. Isso
é equivalente ao newton por coulomb: 1 V/m = 1 N/C.

11.5 Um plano de carga


Consideremos uma placa infinita com carga eléctrica espalhada uniformemente por toda a superfı́cie.
Então existe uma carga por unidade de área, ou densidade de carga superficial:
Q
σ= . (11.12)
A
Qual é o campo eléctrico que essa placa provoca? Sem o demostrar, expomos o resultado. O campo E ~ é
perpendicular à placa e tem intensidade constante, independente da distância à placa. A intensidade do
campo é dada por:
σ
E= . (11.13)
2ǫo
se for no vazio. Se a placa se encontrar dentro de um meio material isolador, substituimos ǫo → ǫ, a
permitividade do meio.

Figura 11.1: Campo eléctrico provocado por um plano de carga.

11.6 Condensador
Um condensador é constituı́do por duas placas metálicas paralelas, uma com carga +Q e outra com carga
−Q. Na região entre as placas, o campo eléctrico resulta da soma dos campos que cada placa provoca:
σ
E= . (11.14)
ǫ
Aqui ǫ é a permitividade eléctrica do meio isolador colocado entre as placas. O campo aponta da placa
positiva para a placa negativa. Ver figura 11.2.
No espaço fora das placas, E ~ = ~0 porque os campos de ambas cancelam-se, já que são constantes e
de sentidos contrários.
CAPÍTULO 11. ELECTROMAGNETISMO 120

Figura 11.2: Campo eléctrico entre as placas de um condensador.

Qual é a força com que as placas se atraem? O campo criado pela placa positiva é E = σ/(2ǫ). A
placa negativa funciona como carga de teste, q = −σA, e sente a força
σ2 A
F = qE = − (11.15)

O sinal − apenas indica que elas se atraem.
Seja d a distância entre as placas. Se o potencial decresce, de V , indo placa positiva para a negativa,
então V é a diferença de potencial entre as placas. Logo,
V σ σd
E= = ⇒ V = (11.16)
d ǫ ǫ
A carga na placa positiva de área A é Q = σA,e a outra placa tem carga −Q. Chama-se capacidade C,
ao quociente
Q Aǫ
C= = (11.17)
V d
A unidade S.I. de capacidade é o coulomb por volt, C/V , que também se chama Farad, F. Portanto 1 F
= 1 C/V.
Qual é a energia armazenada num condensador? Se pensarmos que as placas estavam inicialmente
encostadas, a energia será o trabalho necessário para as afastar até à distância d. Para as afastar temos
de aplicar uma força com intensidade de F dada na equação (11.15). O trabalho dessa força é então
σ2 A 1
W = Fd = d = CV 2 (11.18)
2ǫ 2
Esta é a energia armazenada no condensador.

11.7 Membrana celular


A membrana celular funciona como um condensador. Do lado de fora da célula, a membrana tem uma
densidade de carga positiva. A face interna da membrana tem carga negativa. A espessura da membrana
é a distância d. A acumulação de carga positiva na parte exterior deve-se a iões de potássio, K+ , que
têm mais facilidade em atravessar a membrana do que os de sódio.
O potencial eléctrico cai de fora para dentro, através da membrana. Essa queda de potencial é o
potencial de repouso da célula e tem valores tı́picos entre -55 mV e -100 mV.
CAPÍTULO 11. ELECTROMAGNETISMO 121

11.8 Exercı́cios
1. Duas cargas q1 =1C e q2 = -3C encontram-se a dois metros de distância. Calcule:

(a) a força de Coulomb entre elas;


(b) a energia potencial;
~ = (x, xy, −z + x) V/m. Calcule a força que uma
2. Numa zona do espaço existe um campo eléctrico E
carga q=3 C sente no ponto ~r = (2, 1, −3) m.

3. O potencial eléctrico numa zona do espaço é dado por V (~r) = −x + y 2 V. Calcule:

(a) a força que uma carga de 1 nC sente num ponto do espaço ~r;
(b) a energia potencial dessa carga no ponto ~r = (−1, 1) m.

4. Um condensador tem capacidade de 2 F. Calcule a carga de cada placa para se ter uma d.d.p. de
5 V. Calcule a energia nesse caso.

5. Considere o potencial de repouso de uma célula Vo =-70 mV. A espessura da membrana celular vale
80Å. Na membrana, a permitividade eléctrica vale ǫ = 10ǫo. Calcule:

(a) o campo eléctrico dentro da membrana;


(b) a força eléctrica sobre um ião de sódio que atravessa a membrana;
(c) a densidade superficial de carga nas faces da membrana;
(d) a capacidade eléctrica da membrana, por unidade de área;
(e) a energia eléctrica por unidade de área de membrana.

Dados: carga do electrão: -1,602×10−19C


Capı́tulo 12

Fı́sica atómica e nuclear

Um átomo é consituı́do por um núcleo, de carga positiva, e electrões que se movem em torno daquele.
Os electrões têm carga negativa. A carga do electrão vale e = −1, 602 × 10−19 C.
O núcleo é composto por protões, cuja carga é positiva de valor |e|, e por neutrões, que não possuem
carga. Como o átomo é neutro, o número de protões tem de ser igual ao número de electrões. O número
de protões, Z, chama-se número atómico. O número atómico mais o número de neutrões dá o número
de massa, A. A palavra nucleão tanto pode designar um protão como um neutrão. Logo, o número de
massa é o número de nucleões.
Cada elemento quı́mico é caracterizado pelo número atómico, Z. Dois núcleos do mesmo elemento
têm necessariamente o mesmo Z, mas podem diferir quanto ao número de neutrões. Nesse caso dizem-se
isótopos. Para representar um átomo ou um núcleo, utiliza-se a notação :

A
ZX

Por exemplo, o lı́tio tem Z = 3 e existem dois isótopos: 63 Li, e 73 Li, com 3 e 4 neutrões, respectivamente.
Como os protões têm carga positiva e cargas do mesmo sinal repelem-se (pela força de Coulomb),
então como se mantém o núcleo coeso? Isso deve-se à força nuclear forte entre os nucleões, que é atractiva
e excede a repulsão de Coulomb. A interacção nuclear forte é a mais intensa das interacções fundamentais,
que são quatro, a saber:

• interacção gravı́tica,

• interacção electromagnética,

• interacção nuclear fraca: responsável pelo decaimento do neutrão e do protão

• interacção nuclear forte: responsável pela coesão entre nucleões.

Enquanto as duas primeiras actuam a grandes distâncias (dizem-se de longo alcance), as duas últimas
são de curto alcance.
O átomo mais simples é o do hidrogénio, cujo núcleo consiste apenas num protão. Então o átomo
possui 1 electrão. Existem dois isótopos do hidrogénio: o deutério (A=2) e o trı́tio (A=3).

prótio: 11 H deutério: 21 H trı́tio: 31 H .

122
CAPÍTULO 12. FÍSICA ATÓMICA E NUCLEAR 123

Como se formam os núcleos no universo? Durante o Big Bang, surgiram os núcleos de hidrogénio,
que são os mais simples, e uma pequena quantidade de núcleos de hélio 42 He. Depois do Big Bang, é no
interior das estrelas que são sintetizados os núcleos com número atómico crescente. No núcleo de uma
estrela ocorre a fusão nuclear. Dois núcleos colidem com grande velocidade. Essa velocidade permite
vencer a repulsão coulombinana e que a aproximação dos dois núcleos seja suficiente para que a atracção
forte actue e os “cole”. As estrelas são feitas essencialmente de hidrogénio e, no seu interior, a fusão de
hidrogénio dá origem ao hélio1 . É o que ocorre no Sol. Quando o “combustı́vel” hidrogénio começa a
escassear, a estrela passa a uma fase de gigante: as camadas externas da estrela expandem-se, arrefecem
e ela parece avermelhada. Todas as estrelas avermelhadas que vemos no céu, a ollho nú, são gigantes
vermelhas 2 . Entretanto, o núcleo da estrela encolhe por acção da gravidade, aumentando a densidade
e temperatura, até que novas reacções de fusão nuclear tomam lugar, a fusão do hélio em elementos
mais pesados. Ao longo da vida da estrela, ela vai passando sucessivamente por fases de gigante, e vai
sintetizando elementos de maior Z até chegar ao ferro (Z=26). Mas nenhuma estrela consegue fundir o
ferro para formar elementos mais pesados. Tal requer muita energia. A fusão nuclear acaba e o núcleo
colapsa por acção da gravidade. Uma estrela que tenha mais de 8 vezes a massa do Sol tem um destino
especial: explode! Essa explosão chama-se supernova. A supernova fica durante alguns dias mais brilhante
do que toda a galáxia! A energia libertada é suficiente para provocar mais fusões nucleares e originar
todos os restantes elementos quı́micos da tabela periódica. O elevado brilho da supernova é provocado
pelo decaimento radioactivo dos núcleos pesados que se formam na explosão.

12.1 Decaimento radioactivo


A estabilidade de um núcleo é mantida pela força forte, atractiva, entre os nucleões. Mas os protões
repelem-se pela força de Coulomb, electromagnética. Acontece que há núcleos mais estáveis do que
outros. Se um núcleo é instável, ele desintegra-se ao fim de algum tempo.

12.1.1 Decaimento α
Uma partı́cula alfa é um núcleo de hélio 42 He.
Um núcleo grande, como por exemplo, 238 92 U, é instável e decai emitindo uma partı́cula alfa (α). O
seu número de massa diminui 4 unidades e o número atómico duas, logo, transforma-se em tório 234 90 Th.

12.1.2 Decaimento β
O decaimento beta ocorre quando um neutrão se decompõe emitindo um protão (p), um electrão (e− ) e
um antineutrino (ν̄e ):
n → p + e− + ν̄e (12.1)
O núcleo atómico onde estava o neutrão mantém o número de massa e o número atómico sobe uma
unidade. Um exemplo, é o decaimento do carbono 14:
14 14
6 C → 7 N + e− + ν̄e (12.2)
1 Na verdade, ocorre uma série de reacções em cadeia que leva a esse resultado final.
2O Sol vai ser gigante vermelha daqui a cerca de 5 mil milhões de anos. Vai “engolir” Mercúrio e Vénus, chegando quase
até à Terra.
CAPÍTULO 12. FÍSICA ATÓMICA E NUCLEAR 124

convertendo-se em azoto e libertando um electrão e um antineutrino. Este tipo de decaimento chama-se


β − porque ocorre emissão de uma partı́cula de carga negativa que é o electrão.
Também existe o decaimento β + , onde ocorre a emissão de um positrão (e+ ) que tem carga positiva.
O positrão é um anti-electrão, tendo por isso a mesma massa mas carga simétrica do electrão. No
decaimento β + , é o protão que decai:
p → n + e + + νe (12.3)
O número de massa do núcleo mantém-se mas o atómico desce uma unidade. Um exemplo é o decaimento
de magnésio-23:
23 23 +
12 Mg → 11 Na + e + νe (12.4)
O decaimento beta é devido à interacção fraca.

12.1.3 Decaimento γ
O decaimento gama consiste na emissão de um fotão de raios gama. Isto acontece quando o núcleo se
encontra num estado excitado e perde energia. Essa energia é libertada sob a forma de raios gama.

12.2 Semi-vida
Se tivermos à partida um certo número de núcleos, No , então o número de núcleos que sobram (ou seja,
ainda não decaı́ram) ao fim do tempo t é dado por uma função exponencial decrescente:
N (t) = No e−t/τ , (12.5)
onde τ é um tempo de relaxação correspondente a este fenómeno. O valor de τ depende do núcleo em
questão e corresponde à vida média daquele núcleo, isto é, o tempo que decorre, em média, até que ele
decaia. Quanto mais instável for um núcleo, menor a sua vida média τ .
Chama-se tempo de semi-vida, t1/2 , ao tempo que demora a quantidade inicial reduzir-se para metade:
1
N (t1/2 ) = No = No e−t1/2 /τ (12.6)
2
Resolvendo esta equação obtemos:
1 t1/2
= e−t1/2 /τ ⇔ log 2 = ⇔ t1/2 = τ log 2 ≈ 0, 6931τ . (12.7)
2 τ
Muitas vezes é-nos dado o tempo de semi-vida em vez da vida média τ . Exemplos constam na tabela
12.1
A equação (12.5) permite-nos calcular quantas desintegrações ocorrem por unidade de tempo:
dN 1 1
= − No e−t/τ = − N (t) . (12.8)
dt τ τ
Portanto o número de decaimentos que ocorrem por unidade de tempo é dado por:
N
A= , (12.9)
τ
e isto designa-se por actividade. Obviamente que tinha de ser proporcional ao número N de núcleos
presentes. A unidade do Sistema Internacional é o becquerel (Bq), que corresponde a 1 desintegração por
segundo. Uma outra unidade que se costuma utilizar é o Curie:
1Ci = 3, 7 × 1010 Bq . (12.10)
CAPÍTULO 12. FÍSICA ATÓMICA E NUCLEAR 125

Elemento Isótopo semi-vida decaimento


3
trı́tio 1H 12,32 anos β−
214
polónio 84 Po 1,64× 10−4 s α, γ
89
crı́pton 36 Kr 3,16 min β−, γ
14
carbono 6 C 5,73× 103 anos β−
238
urânio 92 U 4,47× 109 anos α, γ

Tabela 12.1: Semi-vidas de alguns isótopos.

Semi-vida no corpo humano


Se um elemento radioactivo estiver presente no corpo humano, ele vai desaparecendo por duas vias: o
decaimento radioactivo e a expulsão do organismo nas excreções. A expulsão para fora do corpo, se
actuasse sozinha, também provocaria uma lei exponencial do tipo (12.5) mas com um τbio biológico
diferente do τnucl nuclear que vimos acima. Então, para os elementos radioactivos existentes no corpo, a
lei de desaparecimento é ainda
N (t) = No e−t/τ ,

mas tem um τ que resulta da presença dos dois mecanismos:


1 1 1
= + . (12.11)
τ τnucl τbio
Como podemos perceber esta fórmula? Basta fazer o seguinte raciocı́nio simples: o número de desa-
parecimentos por unidade de tempo é a soma dos que desaparecem por radioactividade mais os que são
eliminados nas excreções:
N N N 1 1 1
= + ⇔ = + .
τ τnucl τbio τ τnucl τbio

12.3 Exercı́cios
1. O corpo humano tem uma radioactividade natural, a que corresponde uma actividade A=10 nCi.
Quanto vale em unidades do S.I. ?

2. Num tratamento com radioterapia utiliza-se 1000 Ci. Converta para Bq.

3. Ao fim de duas semi-vidas, que fracção resta de um isótopo? E ao fim de 3 semi-vidas?

4. A actividade de uma amostra era inicialmente de 115 Bq. Ao fim de 6 dias e 4 horas, a actividade
era de 32 Bq.

(a) Calcule a vida média, τ ;


(b) Calcule a semi-vida, t1/2 .

5. O rubı́deo-86 tem uma semi-vida (decaimento radioactivo) de 18,8 dias. Mas a semi-vida biológica
é de 45 dias. Então qual é a semi-vida efectiva do 86
37 Rb no organismo?
CAPÍTULO 12. FÍSICA ATÓMICA E NUCLEAR 126

6. Foi encontrada, num osso de um animal, uma actividade de carbono-14 que corresponde a 70% da
que é observada num animal vivo. Há quantos anos morreu aquele animal? [Semi-vida = 5730
anos]

7. O isótopo de fósforo 3215 P tem uma semi-vida de 14,3 dias. Este foi injectado numa cultura de
bactérias, sendo a actividade inicial de 0,016µCi. Ao fim de 1 hora, as células foram lavadas e um
detector de radiação β registou 720 contagens por minuto. Mas a eficiência deste é de 70%. Que
percentagem de 32 15 P foi inicialmente absorvido pelas bactérias?

99
8. O tecnécio 43 Tc é radioactivo com uma semi-vida nuclear de 0,25 dias e uma semi-vida biológica
de 1 dia.

(a) Calcule a semi-vida dentro do organismo.


99
(b) Foi dada uma injecção com 10−12 g de 43 Tc a um paciente. Calcule a actividade.
(c) Ao fim de 3 dias, qual é a actividade no paciente?

9. Depois do acidente nuclear em Chernobyl, foi libertado o isótopo do iodo 131 I, que é radioactivo,
com uma semi-vida de 8 dias. O iodo depositou-se nos solos e plantas. O leite das vacas que ali
pastavam foi utilizado para a produção de queijo, em vez de ser bebido. Durante quanto tempo é
preciso armazenar o queijo, para que a actividade decaia para 5% do valor original?