Você está na página 1de 198

Lei 13.467, de 13 de julho de 2017.

BOM DIA!
Espero que nosso encontro seja profícuo.
A matéria é nova e não há interpretações
judiciais que sirvam de paradigma,
estudaremos tendências.

Prof. Jerônimo
. Souto Leira 1

Lei 13.467/17
Lei 13.467, de 13 de julho de 2017.

Primeiro assunto: sobre o material didático, ele é constituído de:


1. CLT, com a anotação dos artigos e §§ que mudaram, Obs. Veja, também, a CLTanote
dinâmica do TRT 2ª Região:
http://www.trt02.gov.br/geral/tribunal2/LEGIS/CLT/INDICE.html
2. Apostila, com os slides, há acréscimos de atenção, para reflexão, marcados em
verde que não estão na apostila, com o sinal “anote” em vermelho.
3. Arquivo eletrônico com as posições da OAB, CUT, MPT e TST- sobre o tema,
demais Leis da Reforma Trabalhista,
* Por 60 dias, haverá apoio pós curso para retirada de duvidas, de forma eletrônica.
1
Nº do slide
Nº da Lei, Art. ou Inc.
Lei 13.467/17
Lei 13.467, de 13 de julho de 2017.

A Lei 13.467, de 13 JUL. 2017 vigorará a partir de 11 de


novembro deste ano, com importantes mudanças nas
relações de trabalho.

A reforma trabalhista começou com alterações de leis


esparsas, como veremos a seguir. Analisaremos a principal, a
alteração que foi na CLT.
1

A abordagem seguirá exatamente a ordem sequencial dos


Lei 13.467/17
artigos da nova Lei.
COMENTÁRIO PROF. 1
A CLT, não é a Reforma Trabalhista, mas seu ápice - foi
aprovada e publicada no D.O. 14/07/2017 e terá
vigência a partir de 11/11/2017. observe

Reforma Trabalhista
Lei 13.467, de 13/07/2007 (Vigência em 11/11/2017).
Reforma trabalhista. Seguridade social. Previdenciário.
Altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT,
aprovada pelo Decreto-Lei 5.452, de 01/05/1943, e a Lei
6.019, de 03/01/1974, a Lei 8.036, de 11/05/1990, e a 2
Lei 8.212, de 24/07/1991, a fim de adequar a legislação
Lei 13.467/17
às novas relações de trabalho).
COMENTÁRIO PROF. 2
Decreto-Lei 5.452, de 01/05/1943
(Consolidação das Leis do Trabalho – CLT).
Lei 6.019, de 03/01/1974
(Trabalho temporário. Terceirização).
Lei 8.036, de 11/05/1990
(FGTS).
Lei 8.212, de 24/07/1991
(Contribuição previdenciária)
3

Lei 13.467/17
Introdução:
Hierarquia das Leis
Espécie de normas:
1. Acordo Coletivo, abrange: todos empregados daquela empresa, agora com “poder de revogar a
lei”,
2. Convenção Coletiva, abrange: toda a categoria, agora com “poder de revogar a lei”,
3. Dissidio Coletivo, abrange: toda a categoria, ocorre quando não há acordo e o Judiciário atua.

6
1. Hierarquia das Leis no Ordenamento Jurídico Brasileiro e Ref. Trab.

7º SÚMULA VINCULANTE
2ª Interpretação
Judicial 6º SÚMULA restrição
interpretação
5º JURISPRUDÊNCIA restrição
construída pela
4º ÓRGÃOS DE CONTROLE Hierarquia

3º DOUTRINA

2º PARECER JURÍDICO

1º INTERPRETAÇÃO DO SERVIDOR (“1º JUIZ”)


7

1ª Interpretação
Administrativa
2. Hierarquia das Leis no Ordenamento Jurídico Brasileiro e Ref. Trab.

1º CONSTITUIÇÃO

2º Leis Completares e Leis Ordinárias

3º DECRETOS - LATO SENSO


NÃO,
quando
4º SIM
SÚMULA VINCULANTE
ferir a
5º SÚMULA restrição hierarquia
vertical
6º JURISPRUDÊNCIA restrição das leis
INSTRUÇÕES NORMATIVAS
7º E RESOLUÇÕES 8
3. Hierarquia das Leis no Ordenamento Jurídico Brasileiro e Ref. Trab.

1º CONSTITUIÇÃO
SIM ,
2º Leis Completares e Leis Ordinárias QUANDO
PREVÊ
ALGO
3º DECRETOS - LATO SENSO NOVO:

4º SÚMULA VINCULANTE
SIM

5º SÚMULA restrição
HIERARQUIA
POR
6º JURISPRUDÊNCIA restrição
ESPECILIZAÇÃO

7º Instruções Normativas e Resoluções 9


Introdução
Visão Panorâmica resumida da
Reforma Trabalhista

Opinião do Prof.: o Poder Normativo da Justiça do Trabalho ou o


Ativismo Judiciário foi restringido.
10
1. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

Nº Art. CLT ALTERAÇÃO


1. art. 855-A Incidente de Desconsideração da Personalidade Jurídica, também regulado
pelo CPC/15, art. 133 a 137.
2. art. 652, letra “f” e Competência, com o, jurisdição voluntária de homologação de acordo
arts. 855-B a 855-E extrajudicial, procedimento sem contenda.
3. art. 11-A Prescrição intercorrente (2 anos) poderá ser aplicada pelo Juiz ou por
requerimento das partes
4.   Arbitragem em lide individual para só para quem recebe +de 2 vezes o teto da
Previdência (pouco mais que R$ 11 mil)
5. arts. 104, 8º, §3º, Acordo coletivo ou convenção coletiva - Princípio da intervenção mínima. A
611-A e §§ JT analisará só os elementos essenciais do negócio jurídico: como
publicação do edital, pautas. Base CCB arts. 104, 2002. A Convenção coletiva
terá prevalência sobre a lei.
11
2. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

Nº Art. CLT ALTERAÇÃO


6. Autorização de Terceirização em atividades-fim e sem equivalência salarial da
empresa terceirizante. complexo
7. Comprovação do estado de pobreza para gratuidade de justiça, sem isenção
de pagamento de custas no caso de arquivamento e ajuizamento de nova
ação, para honorários periciais e advocatícios;
8. art. 452-A Conceito legal de trabalho intermitente e regulamentação.
9. art. 75-A, e §§ Conceito Legal de Teletrabalho - inaplicabilidade do capítulo “Da Duração
do Trabalho da CLT” para quem o exerce.
10. art. 10-A O sócio retirante, com 2 anos a contar da data de sua saída da empresa, será
excluído da responsabilidade da sociedade, conformidade dom o Cód. Civil

12
3. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

Nº Art. CLT ALTERAÇÃO


11. Representantes dos empregados, eleitos com estabilidade para empregadores com + de
200 empregados.
12. Equiparação salarial só para empregados de mesmo estabelecimento e mais 4 anos de
tempo de casa, cumulativamente com 2 anos na função.
13. Plano de cargos e salários sem a necessidade de critérios de promoção alternados ora por
merecimento, ora por antiguidade.
14. art. 800 Exceção de Incompetência Territorial, antes da contestação, com suspensão do processo.
15. Extinção da execução de ofício, ressalvada a hipótese de empregado sem advogado.

13
4. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

Nº Art. CLT ALTERAÇÃO


16. Extinção da gratificação de função de confiança, se houver retorno ao cargo efetivo
17. Extinção do Incidente de uniformização de jurisprudência.
18. Extinção das horas in itinere
19. art. 791-A, e §§ Previsão de honorários advocatícios – Sucumbência, entre 5% e 15%.
20. Inexistência da responsabilidade objetiva, no dano extrapatrimonial.

 21.   Inexistência de depósito recursal para beneficiário da gratuidade e


empregadores em recuperação

14
4. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

Nº Art. CLT ALTERAÇÃO


22. Inexistência do dano moral reflexo;
23. Limitação da atuação da jurisprudência, quórum qualificado para alteração
ou fixação de súmula;
24. 24. Litigância de má-fé até para testemunha;
25. 25. Negociação individual eficaz para quem ganha mais 2 vezes o teto
previdenciário (aproximadamente 11 mil mensais;
26. 26. Nova conceituação de grupo econômico e sucessão trabalhista;
 27. 21. Inexistência do dano moral reflexo;

15
4. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

Nº Art. CLT ALTERAÇÃO


28. Pactuação de jornadas móveis e do trabalho móvel, variados;
29. Para teletrabalho inexistência de horas extras, intervalo, hora noturna e
adicional noturno;
30. art. 843, § 3º Preposto não precisa ser empregado.
31. art. 620 Prevalência do acordo coletivo sobre a convenção coletiva, visão da Justiça
Trabalho focada nas formalidades
32. art. 793-A, e §§ Reconhecimento da Litigância de má-fé e Dano processual, no processo do
trabalho.
 33.  art. 818 Ônus da prova. Novas disposições.

16
7. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

33. Regulamentação do dano moral, com teto de valores e tipificação


de danos objeto de reparação, CLT, art. 223-A, e §§.
34. Revelia com advogado presente recebe a contestação e
documentos;
35. Validade do acordo de compensação por horas extras habituais;
Acordo compensação (jornada fixa, sem surpresas) é diferente da
Banco de Horas (jornada variável, com surpresas - até 2 horas dia)
36. Validade do acordo de compensação por horas extras habituais;
Isto é conceito. Não
advém da Reforma, ok? 17
8. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

37. Regulamentação do dano moral, com teto de valores e


tipificação de danos objeto de reparação;
38. Validade do acordo de compensação por horas extras
habituais;
39. Audiência. Algumas novas disposições, CLT, art. 844.
(Dir. Processual)
40. Extinção do contrato de trabalho por acordo, art. 484-A, CLT.

18
9. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

41. Uniformes de trabalho, CLT, art. 456-A


42. Representação dos empregados - CLT, art. 510-A, e §§.
43. Horas extras, CLT, art. 59
44. Regime de tempo parcial , CLT, art. 58-A
45. Contribuição sindical CLT, art. 578, e §§
46. Jornada 12 x 36h CLT, art. 59-A  

19
10. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

47. Transação. Processo de Jurisdição Voluntária para Homologação de Acordo


Extrajudicial CLT, art. 855-B, e §§ . (Dir. Processual)
48. Execução. Promoção pelas partes. Execução de ofício apenas quando as
partes não estiverem representadas por advogados CLT, art. 878. (Dir. Processual)
49. Decisão judicial. Protesto e inscrição nos órgãos de proteção de crédito - CLT,
art. 883-A. - (Dir. Processual)
50. Recursos. Algumas novas disposições, CLT, art. 896, e §§. (Dir. Processual)
51. Súmulas e enunciados de jurisprudência. O TST e os TRT’s ao editar súmulas e
outros enunciados não poderão restringir direitos legalmente previstos nem criar
obrigações que não estejam previstas em lei, CLT, art. 8º, § 2º.
20
11. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

52. Ajuda de custo - Não vai integrar salário. Valores relativos a prêmios,
importâncias pagas habitualmente sob o título de “ajuda de custo”, diária para
viagem e abonos, assim como os valores relativos à assistência médica ou
odontológica, não integrarão o salário. Na prática, isso significa que boa parte
do salário do empregado poderá ser paga por meio dessas modalidades, sem
incidir nas verbas do INSS e FGTS.
53. Arbitragem - Poderá ser usada para solucionar conflitos trabalhistas
Também foi criada a possibilidade de utilização da arbitragem como meio de
solução de conflito, quando a remuneração do empregado for igual a duas vezes
o limite máximo estabelecido para os benefícios da Previdência Social (atualmente de
R$ 5.531,31). A contribuição sindical deixa de ser obrigatória e passa a ser facultativa
tanto para empregados quanto para empregadores. 21
12. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

54. Jornadas parciais e temporárias - Agora a jornada parcial de trabalho pode ser de até 30
horas (antes era de 25 horas), mas não tem possibilidade de horas extras, ou é possível
tratar 26 horas com a possibilidade de até 6 horas extras. Nestes casos permanecem todos
os direitos trabalhistas como férias, décimo terceiro salário, FGTS, e salário mínimo (mas
neste caso o salário mínimo deve ser proporcionalizado para a jornada parcial).
55. NÃO ULTRATIVIDADE. As Negociações deixam de valer após atingirem prazo de
validade. Atualmente, uma vez atingido o prazo de validade da norma coletiva (convenção
ou acordo), caso não haja nova norma, a negociação antiga continua valendo. Pela
proposta reformista isso deixa de acontecer. As previsões deixam de ser válidas quando
ultrapassam a validade da norma, não podendo mais ser aplicadas até que nova
negociação ocorra.  22
13. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

56. Petição Inicial - Exigência de indicação do valor referente a cada pedido na


petição inicial, sob pena de imediata extinção, sem resolução do mérito, (base
legal o §3º do art. 840 da CLT) (Dir. Processual)
57. A contestação, se houver arguição de incompetência territorial, deverá ser
apresentada em até 5 cinco dias - a contar da data do recebimento da
notificação. O processo será suspenso e cancelada a audiência designada,
inovação do art. 800 da CLT e parágrafos. O preposto não precisa
ser empregado da reclamada, base novo §3º ao art. 843 da CLT. Em caso de
revelia com a presença do advogado na audiência poderá juntar a contestação e
prova documental, previsão do novo §5º ao art. 844 da CLT. (Dir. Processual)
23
14. Lista resumo das alterações inseridas na CLT.

58. Direitos inegociáveis arrolados no Art. 611-B da CLT.


59. Sai de uma visão intervencionista para uma mais  
neoliberal: Ex. direitos intransigíveis e agora transigíveis.

24
DIR.
MAT. Introdução: Direto Material e Direito Processual Essa é uma das
correntes de
entendimento

As novas regras de direito material individual e coletivo passam a valer apenas para os
contratos de trabalho novos, celebrados após o início da vigência da lei, mas as novas
regras de direito processual atingem os processos já em curso.
Informação

Há diversas correntes sobre o Direito Intertemporal na aplicação da Reforma no Direito Material,


Opinião são:
do Prof.
1. Entendimento que anova lei se aplica imediatamente, mesmo que prejudique o empregado.
2. Entendimento a parte que reduz direitos só se aplica para empregados admitidos após 11/Nov.
3. Entendimento que aquilo que era concedido por liberalidade não pode ser reduzido, mas o que era
concedido por vontade da lei e a lei o retirou, pode ser reduzido
4. Vamos abordar todas elas.
A Nova Lei não trouxe regra de transição. 22
Aplica-se subsidiariamente: (1) para o Direito Material o art. 2.035 do C. Civil;
(2) para o D. Processual o art. 14 e seguintes do CPC.
Proposta do Prof. Unificação de dúvidas mais urgentes
Pergunto:
Concordam com a realização do
exercício? Se positivo, teremos
de observar o tempo 40 min!
 Em grupo de até 5 treinandos nos reuniremos em
pequenos grupos e em 30 minutos, no máximo,
registraremos nossas dúvidas.

 As dúvidas do grande grupo serão ordenadas,


respondidas de forma oral e de forma escrita em forma
digital que será enviado para os treinandos, pela ELO.
Obs. Vamos ler, em conjunto, os arts. 9º e 468 da CLT 611-A e 611-B.
26

Exercício 20 min.
Art. 702, letra “f”, CLT.
Vamos ler junto o art. 702, letra “f” Única alteração:

Art. 702 - Ao Tribunal Pleno (TST) compete:


f) estabelecer ou alterar súmulas e outros enunciados de jurisprudência
uniforme, pelo voto de pelo menos dois terços de seus membros, caso a mesma
matéria já tenha sido decidida de forma idêntica por unanimidade em, no
mínimo, dois terços das turmas em pelo menos dez sessões diferentes em cada
uma delas, podendo, ainda, por maioria de dois terços de seus membros,
restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a
partir de sua publicação no Diário Oficial.
27

Art. 702, letra “f”.


DIR.
MAT. Art. 20. (permanece, com acréscimo e alteração de § §) A
▰ Art. 2º Considera-se empregador a empresa, individual
ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade
econômica, admite, assalaria e dirige a prestação
pessoal de serviço.
▰ 10 (permanece). 
▰ § 20 Redação alterada Sempre que uma ou mais empresas,
tendo, embora, cada uma delas, personalidade jurídica
própria, estiver sob a direção, controle ou administração
de outra, ou ainda quando, mesmo guardando cada
uma sua autonomia, integrem grupo económico, serão
28
responsáveis solidariamente pelas obrigações
decorrentes da relação de emprego. Art. 2º §§ 1º e 2º
B
DIR.
MAT.
Art. 20. (permanece com acréscimo e alteração de §§)

§30 Novo Não caracteriza grupo econômico a mera


identidade de sócios, sendo necessárias, para a
configuração do grupo, a demonstração do interesse
integrado, a efetiva comunhão de interesses e a
atuação conjunta das empresas dele integrantes.

OBS.: Comentarei o termo “grupo econômico”.


A responsabilidade solidária entre empresas do mesmo grupo
econômico continua. Não caracteriza grupo econômico
exclusivamente a identidade de sócios. 29
▰ 
Art. 2º § 3º
DIR.
MAT. Art. 20. COMENTÁRIO PROF.

▰ Infere-se que a vontade do legislador foi a exclusão


das franquias.
▰ As franquias são uma espécie de grupo sem
subordinação da “empresa mãe”, a holding. Nesse
caso não haverá corresponsabilidade.
▰ Note-se, solidariedade passiva e não ativa.
▰  30

Art. 2º § 3º
DIR.
MAT. Art. 40. (permanece, com acréscimo de §§, o 1º e o 2º)

▰ Art. 4º Permanece Considera-se como tempo de serviço


efetivo o período em que o empregado esteja à
disposição do empregador, aguardando ou
executando ordens, salvo disposição especial
expressamente consignada.
▰ §10 Novo texto Computar-se-ão, na contagem de tempo de
serviço, para efeito de indenização e estabilidade, os
períodos em que o empregado estiver afastado do
trabalho prestando serviço militar e por motivo de
31
acidente do trabalho.
Art. 4º § 1º
DIR.
MAT. Art. 40. (permanece com acréscimo de §§, o 1º e o 2º)

§20 Novo Por não se considerar tempo à disposição do


empregador, não será computado como período
extraordinário o que exceder a jornada normal, ainda
que ultrapasse o limite de cinco minutos previsto no § 1 0
do artigo 58 desta Consolidação, quando o empregado,
por escolha própria, buscar proteção pessoal, em caso
de insegurança nas vias públicas ou más condições
climáticas, bem como adentrar ou permanecer nas
dependências da empresa para exercer atividades
particulares, (Obs. Previsão
Observe,não exaustiva) entre outras:32
podem ser
acrescida outras
hipóteses Art. 4º § 2º
Art. 40. (permanece com acréscimo de §§, o 1º e o 2º)
DIR.
MAT.

▰ práticas religiosas;
▰ — descanso;
▰ — lazer;
▰ — estudo;
▰ — alimentação;
▰ — atividades de relacionamento social;
▰ — higiene pessoal;
▰ — troca de roupa ou uniforme, quando não houver
obrigatoriedade de realizar a troca na empresa. 29

Art. 4º § 2º
DIR.
MAT.
Art. 40. (permanece com acréscimo de §§, o 1º e o 2º) .

▰ Obs.: No art. 40. Foram criados os §§ 1 0 e 20 ao artigo.


▰ Ficam expressas as hipóteses que não caracterizam
tempo à disposição.
▰ O efeito para empresas de reflorestamento, cana de
açúcar e trabalho rural, em si, será beneficiado pela
medida.
▰ Deverá provocar a revisão da Súmula 366 do TST.  
▰ Vamos ler em conjunto o art. 468: cuidado nas
Art.
alterações do contrato de trabalho.
significativo
34

Art. 4º Obs.
DIR. TEMPO À DISPOSIÇÃO – ARTIGO 4º - COMENTÁRIO PROF.
MAT.

▰ O período que o trabalhador permanecer por sua


conveniência no local de trabalho e sem realizar trabalho
trabalhar serão excluídos da jornada de trabalho. Salvo
hipóteses contrária e com sua comprovação , em situações
excepcionais, de fato não pode ser computado na jornada
de trabalho.
▰ No novo texto em seus incisos, poderá haver trabalho de
fato nesse período. Vamos discutir exemplos.
▰ A troca de uniforme foi excluída, salvo nos casos do
empregado ser obrigado uniformizar-se no ambiente da 35
empregadora. A nova regra contraria à Súmula 366 do TST.
Art. 4º Obs.
Art. 80. (permanece com alteração de § e acréscimo de 2 §§)
DIR.
MAT.

Art. 8º As autoridades administrativas e a Justiça do


Trabalho, na falta de disposições legais ou contratuais,
decidirão, conforme o caso, pela jurisprudência, por
analogia, por equidade e outros princípios e normas
gerais de Direito, principalmente do Direito do Trabalho,
e, ainda, de acordo com os usos e costumes, o direito
comparado, mas sempre de maneira que nenhum
interesse de classe ou particular prevaleça sobre o
interesse público. 36
▰  Art. 8º
DIR.
MAT. Art. 80. (permanece com alteração de § e acréscimo de 2 §§)

▰ § 10 Modificado 0 direito comum será fonte subsidiária do


direito do trabalho.

▰ § 20 Novo Súmulas e outros enunciados de


jurisprudência editados pelo Tribunal Superior do
Trabalho e pelos Tribunais Regionais do Trabalho não
poderão restringir direitos legalmente previstos nem
criar obrigações que não estejam previstas em lei.
37

Art. 8º §§ 1º e 2º
▰ 
Art. 80. (permanece com alteração de § e acréscimo de 2 §§)
DIR.
MAT.

▰ §30 Novo No exame de convenção coletiva ou acordo coletivo de


trabalho, a Justiça do Trabalho analisará exclusivamente a
conformidade dos elementos essenciais do negócio jurídico,
respeitado o disposto no artigo 104 da Lei 10.406, de 10 de janeiro de
2002 (Obs. Código Civil), e balizará sua atuação pelo princípio da
intervenção mínima na autonomia da vontade coletiva.
Obs.: aspectos formais, publicação do edital de convocação, pauta da
convocação, etc.
38

Art. 8º § 3º
DIR.
MAT.
Art. 80. (permanece com alteração de § e acréscimo de 2 §§)

OBS. 1: O texto do artigo 80 permanece. Aletrada a


redação do parágrafo único, agora § 1 0 e incluídos novos
§§, o § 20, que impõe que as Súmulas dos TST e do TRT
estarão impedidas de criar obrigações, e o §30, que limita
a interpretação de acordos e convenções coletivas.
SEMPRE
RELEMBRAR!

OBS. 2: Importante destacar também os artigos 611-A e


611-B, que impõem limites nas negociações coletivas, em
especial, o §3º, do art. 8º,
39
com os §§ 1º a 3º do art. 611-A e art. 611-B, acima referidos.
Art. 8º Obs.
DIR.
MAT.
Art. 80. COMENTÁRIO PROF. 1

A expressão jurisprudência tem significado técnico, a


prudência ao interpretar a Lei, por um conjunto
significativo de julgadores, do segundo grau de jurisdição.
Quando
▰ lapidam “o que vale” e “o que não vale” na lei ao
tempo de sua interpretação. Uma andorinha não faz
verão, logo uma decisão isolada não faz jurisprudência.
O artigo em estudo diz que a jurisprudência não pode
restringir direitos legalmente previstos e nem criar
obrigações não previstas em lei, o que tornará a Lei quase
que imutável, não rejuvenescida pela interpretação, o que
40
poderá ser perigoso. Note-se a CLT é de 1943!
Art. 8º Obs.
DIR.
MAT.
Art. 80. COMENTÁRIO PROF. 2 DIR.
COL..

Os princípios de direito e, em especial, os Constitucionais, são fontes formais


de direito. Pode ser arguida a inconstitucionalidade desse artigo.

Não é aceitável que só no Direito do Trabalho haja essa limitação não


existentes para todo o nosso Universo de Direito.

Diz a Lei que a avaliação para validade da norma coletiva se restringirá os


requisitos previstos no do Código Civil (art. 104) . Existem outras
possibilidades que podem tornar nulo o negócio jurídico, ex.: arts. 613 e 614
da CLT, bem como por contrariar normas constitucionais. Vamos discutir isso!
41
Ver. As regras formais necessárias dos Arts. 612 e 613, não alterados.
Art. 8º Obs.
DIR.
MAT.
LEMBRAR art. 9º da CLT.

CLT, Art. 90 Serão nulos de pleno direito os atos praticados com o


▰ 
objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos
contidos na presente Consolidação.

Obs. O QUE É FALSO, SE PROVADO, É NULO!

42

Art. 8º Obs.
DOUTRINA A
A Justiça do Trabalho perdeu muito de seu “Poder Normativo”, ou
o chamado ativismo judicial, criar norma no “branco de normas”
para o caso específico, mesmo assim, embota agora limitado,
existe a necessidade da interpretação da Lei. A interpretara
parece ser necessária só quando a Lei é obscura, mas não é
assim!
São muitos os tipos de interpretação que devem ser analisados e
cumulados, quando possível:
▰ Interpretação Gramatical
▰ O ponto de partida é o significado e alcance de palavra da Lei.
É insuficiente para obtenção de interpretação conclusiva, uma
vez que existem textos ambíguos e até mesmo com
38
imprecisão do legislador, por isso, é necessário que se recorra
a Doutrina
▰ outras espécies de interpretação.
DOUTRINA
▰ Interpretação Lógica B
▰ Parte da consideração a finalidade da norma jurídica.
Ela é subdividida em critério subjetivo e objetivo. No
primeiro caso, leva em consideração qual foi a
intenção de o legislador ao elaborar a norma jurídica,
analisando principalmente o processo legislativo da
sua criação. Já o segundo leva em consideração a
finalidade da lei.
▰ Interpretação teleológica
▰ Espécie de intepretação lógica a quando esta não está 44
clara “o que se
queria dizer”. Doutrina
DOUTRINA C

▰ Interpretação Histórica
▰ Analisa a história evolutiva da interpretação e motivos
da existência da Lei. Os projetos de leis, as
discussões havidas durante sua elaboração, a
Exposição de Motivos, são elementos valiosos de que
se vale o intérprete para proceder à interpretação.

45
▰ 
Doutrina
DOUTRINA D
▰ Interpretação Sistêmica
Extrai o conteúdo da norma jurídica pela análise
sistêmica do ordenamento jurídico*. Uma vez que este
não é lógico. Quem irá colocar lógica no sistema é o
interprete. Atua nos âmbitos:
▰ Da própria lei a que o dispositivo pertence; e
▰ Do conjunto de Leis em vigor.
▰ Analisa a hierarquia e contradições das normas.
46
▰ 
Doutrina
DOUTRINA E
▰ Interpretação Comparativa
▰ Extrai-se o conteúdo da norma jurídica fazendo uma comparação
com o ordenamento jurídico de outro país.

▰ Interpretação Intertemporal
▰ Eficácia da norma no tempo, analise do fato e da norma que o
regulamentava.
As reclamatórias impetradas antes da nova lei e os fatos anteriores serão julgados pela lei antiga.
A nova lei não retroage.
Só para citar um exemplo, quem já exerceu cargo de confiança por mais de 10 anos, não perderá a
gratificação, mesmo que reclame depois da vigência da nova norma.
Já, quem ainda não completou esse tempo não terá garantida essa vantagem.
47

Doutrina
DIR.
MAT.
Art. 10–A (novo) ANALISAR C/ART. 448-A e 855 E SEGUINTES DA CLT
▰ Art. 10-A O sócio retirante responde subsidiariamente
pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao
período em que figurou como sócio, somente em ações
ajuizadas até dois anos depois de averbada a
modificação do contrato, observada a seguinte ordem
de preferência:
▰ I — a empresa devedora;
▰ II — os sócios atuais; e
▰ III — os sócios retirantes.
▰ Parágrafo único. O sócio retirante responderá
solidariamente com os demais quando ficar 48
comprovada fraude na alteração societária
Art. 10-A § Único
▰ decorrente da modificação do contrato.
Art. 10–A (novo) B do sócio que sai da
▰ OBS.: A responsabilidade
DIR.
DIR.
MAT.
MAT.

sociedade ficará limitada ao tempo que se manteve


no quadro social.
▰ O parágrafo único que prevê a responsabilidade por
todo o período, caso haja prova de fraude na
alteração societária - essa a alteração significativa.
Vamos ler o art. 9º da CLT.
▰ Vejamos os arts. 1.003 e 1.032 do Código Civil. Essa a
base legal que determina a responsabilidade dos
Comentarei, também, o art. 855-A e seguintes.
sócio retirante.
Desconsideração da pessoa jurídica, novo CPC.
49
(É matéria Processual)
Art. 10 Obs.
▰ Art. 11 Novo textoArt. 11 - PRESCRIÇÃO
DIR.
MAT.
A pretensão quanto a créditos
resultantes das relações de trabalho prescreve em
cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais,
até o limite de dois anos após a extinção do contrato
de trabalho.
▰ I — (revogado);
▰ II (revogado).
▰ § 1º - mantido.
▰ § 20 Novo Tratando-se de pretensão que envolva pedido
de prestações sucessivas decorrente de alteração ou
descumprimento do pactuado, a prescrição é total, 50
exceto quando o direito à parcela esteja também
Art. 11 §§ 1º s 2º
assegurado por preceito de lei.
DIR.
MAT. Art. 11 - PRESCRIÇÃO (alteração d redação do art., revogação de § e criação de §§)

§30 Novo A interrupção da prescrição somente ocorrerá pelo


ajuizamento de reclamação trabalhista, mesmo que em
juízo incompetente, ainda que venha a ser extinta sem
resolução do mérito, produzindo efeitos apenas em
observe
relação aos pedidos idênticos.
OBS.: O artigo 11 foi atualizado conforme art. 70, inciso XXIX, da CF (EC 28, de 25/5/2000).
Os §20 e §30, refletem a mensagem das Súmulas 294 e 268 do TST. PRESCRIÇÃO – ARTIGO 11,
§ 5º da CLT.
A principal alteração ao artigo 11 da CLT foi a inclusão da prescrição intercorrente.
A prescrição é matéria de defesa! Só aplicada se alegada pelas partes.
Agora, para a prescrição intercorrente, é matéria processual que 51
poderá ser aplicada de oficio, o beneficiário é, também, o Estado.
Art. 11 §3º Obs.
DIR.
MAT. Art. 11 - PRESCRIÇÃO Comentário do Prof.
A prescrição intercorrente se opera no curso do processo.
A base é a desídia da parte no andamento do processo, o
prazo é o mesmo para ajuizar a ação. Logo 2 anos para os
contratos já extintos e de 5 anos para os com vigência.
Há que entenda que o prazo de 5 anos não foi previsto.
▰ A Súmula 327 do STF defende a sua aplicação, já a
Súmula 114 do TST é contrária (ver o § 2º, art. 40, da
Lei 6.830/80, aplicação subsidiária).
52

Art. 11 §3º Obs.


DIR.
MAT. Art. 11 – PRESCRIÇÃO Comentário Prof.
Há previsão de aplicação da prescrição intercorrente no art. 487 do
CPC que se aplica subsidiariamente.
▰ Estudiosos criticam a possibilidade de conhecimento de ofício só
para a prescrição intercorrente e não da prescrição geral.
Observação
Observação
Existe a prescrição, decorrente de:
(1). ato único, prescreve totalmente,
(2) ato continuado, trato sucessivo, prescreve parcialmente, o ganho atenderá o período
prescricional.
O ato lesivo pode decorrer de:
(1) direito previsto em Lei - (prescreve de forma parcial) 53
(2) liberalidade realizada por contrato (prescreve de forma total)
Art. 11 §3º Obs.
Art. 47 – Alteração de texto e criação de §§
DIR.
MAT.

▰ Art. 47. Alteração de texto O empregador que mantiver empregado não


registrado nos termos do artigo 41 desta Consolidação ficará
sujeito à multa no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais) por
empregado não registrado, acrescido de igual valor em cada
reincidência.
▰ §10 Alterado Especificamente quanto à infração a que se refere o
caput, o valor final da multa aplicada será de R$ 800,00
(oitocentos reais) por empregado não registrado, quando se
tratar de microempresa ou empresa de pequeno porte.
▰ 20 Novo A infração de que trata o caput constitui exceção ao
critério da dupla visita.
Obs.: As multas são tratadas pelos arts. 47 (aqui transcrito) e 634 transcrito e
mais adiante, ambos, tratam de multas. 54

Art. 47 §§ 1º s 2º
DIR.
MAT.
Art. 47-A NOVO

▰ Art. 47-A Novo Na hipótese de não serem informados os


dados a que se refere o parágrafo único do artigo 41
desta Consolidação, o empregador ficará sujeito à
multa de R$ 600,00 (seiscentos reais) por empregado
prejudicado.
OBS.: diferenciação para microempresa e empresa de
pequeno porte.
observe
55

Art. 47-A Obs.


Art. 58 (§2º Horas in itinere com redação alterada e revogação do § 3º)
DIR.
MAT.

▰ Art. 58 Permanece
▰ § 1º Permanece Alteração
profunda !
Observe
▰ § 2º Alterado 0 tempo despendido pelo empregado desde a sua residência até
a efetiva ocupação do posto de trabalho e para o seu retorno, caminhando
ou por qualquer meio de transporte, inclusive o fornecido pelo empregador,
não será computado na jornada de trabalho, por não ser tempo à
disposição do empregador. Obs. Não mais da entrada da Empresa.

▰ § 3º Revogado
▰ OBS.: A Súmula 90, do TST deverá ser revista + as 366 (parte), a 320 + a56
429 (parte).
Art. 58 e §§ 1º a 3º Obs.
DIR.
MAT.
Art. 58-A alterado – até § 3º

Obs.: A redação do artigo comporta divergência de interpretação.


anote
▰ Art. 58-A. Alterado Considera-se trabalho em regime de tempo parcial
aquele cuja duração não exceda a trinta horas semanais, sem a
possibilidade de horas suplementares semanais, ou, ainda, aquele
cuja duração não exceda a vinte e seis horas semanais, com a
possibilidade de acréscimo de até seis horas suplementares
semanais.
▰ § 1º permanece
▰ § 2º permanece
▰ § 3º novo As horas suplementares à duração do trabalho semanal
normal serão pagas com o acréscimo de 50% (cinquenta por
cento) sobre o salário-hora normal. 57

Art. 58-A e §§ 1º a 3º
DIR.
MAT.
Art. 58-A alterado §§ 4º e 5º

▰ § 4º novo Na hipótese de o contrato de trabalho em regime


de tempo parcial ser estabelecido em número inferior a
vinte e seis horas semanais, as horas suplementares a
este quantitativo serão consideradas horas extras para
fins do pagamento estipulado no § 3º, estando também
limitadas a seis horas suplementares semanais.
▰ § 5º novo As horas suplementares da jornada de trabalho
normal poderão ser compensadas diretamente até a
semana imediatamente posterior à da sua execução,
devendo ser feita a sua quitação na folha de pagamento53
do mês subsequente, caso não sejam compensadas.
Art. 58-A §§ 4º e 5º
DIR.
MAT.
Art. 58-A alterado §§ 6º e 7º

▰ § 6º novo É facultado ao empregado contratado sob


regime de tempo parcial converter um terço do
período de férias a que tiver direito em abono
pecuniário.
▰ § 7º novo As férias do regime de tempo parcial são
regidas pelo disposto no art. 130 desta Consolidação.

Obs.: O empregado com em regime de tempo parcial, terá férias de 30 dias, como
os demais empregados contratados com jornada integral. 59

Art. 58-A §§ 6º e 7º
DIR.
MAT.
Art. 58-A COMENTÁRIO PROF.

▰ A nova Lei altera o contrato por tempo parcial de 25


horas semanais para 26 ou 30 horas. A lei prevê
trabalho em até 6 horas extras semanais para os
empregados contratados por até 26 horas semanais.
▰ Para o cálculo do tempo parcial, as leis que fixam o
salário mínimo e os pisos salariais por valor hora, dia e
mês, de forma usual..

60

Art. 58-A §§ 6º e 7º
JORNADA IN ITINERE - Comentário Prof.
DIR.
MAT.

MUDANÇA SIGNIFICATIVA:  A atual redação do § 2º do art. 58 da CLT


A alteração do horário in itinere afastou a contagem dessas horas como
integrantes na jornada de trabalho, quando o transporte se realizava a locais de
difícil acesso ou não servido por transporte público. Mudança
importante!
Obs. 1: Opinião do Prof.
Essas horas eram devidas por vontade de lei. Agora, são indevidas por mesmo motivo. A
supressão deve ser imediata. Se mantidas, será liberalidade do empregador e se habituais
e não poderão mais ser suprimidas, somente por outras vias, como por ex. acordo
coletivo. O mesmo raciocínio se aplica a outros direitos suprimidos pela REF. TRAB.
Obs. 2 : A Súmula 90, do TST deverá ser revista + as 366 (parte), a 320 + a 429 (parte). 61

Comentário Prof.
Art. 59 – alterado - ACORDO DE COMPENSAÇÃO DE HORAS A
DIR.
MAT.

Art. 59 Mantido A duração diária do trabalho poderá ser acrescida de horas


extras, em número não excedente de duas, por acordo individual, convenção
coletiva ou acordo coletivo de trabalho. observe

§ 1º Alterado A remuneração da hora extra será, pelo menos, 50% (cinquenta por
cento) superior à da hora normal.

62

Art. 59 e §1º
Art. 59 – alterado - ACORDO DE COMPENSAÇÃO DE HORAS B
DIR.
MAT.

§ 2º Mantido Poderá ser dispensado o acréscimo de salário se, por força de


acordo ou convenção coletiva de trabalho, o excesso de horas em um dia for
compensado pela correspondente diminuição em outro dia, de maneira que
não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de
trabalho previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas
diárias.

§ 3º Alterado Na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a


compensação integral da jornada extraordinária, na forma dos §§ 2º e 5º deste artigo,
o trabalhador terá direito ao pagamento das horas extras não compensadas,
calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão. 63

Art. 59 e §§ 2º e 3º
DIR.
MAT.
Art. 59 – alterado - ACORDO DE COMPENSAÇÃO DE HORAS

§ 4º Revogado

§ 5º Novo 0 banco de horas de que trata o § 2º deste artigo poderá ser pactuado por
acordo individual escrito, desde que a compensação ocorra no período máximo de seis
meses.

§ 6º Novo É lícito o regime de compensação de jornada estabelecido por acordo


individual, tácito ou escrito, para a compensação no mesmo mês.
anote
Obs.: Acordo compensação (jornada fixa, sabe horário de entrada e saída)
Banco de Horas (jornada aleatória - até 2 horas dia. Não sabe horário de entrada e saída)
64

Art. 59 e §§ 4º e 6º
COMENTÁRIO PROF. art. 59
DIR.
MAT.

A mudança do acordo individual para compensação de horas é inovadora.


O Banco de Horas passa a ser:
• Um ano, se acordo coletivo;
• Seis meses se acordo individual, será de seis meses.
• Compensação de horas dentro de um mês, não há necessidade de acordo
escrito.
• A Súmula 85 do TST deverá ser revista.
• O § 1º Atende a CF que prevê adicional de no mínimo 50% para hora extra.
65
Art. 59-A Novo
DIR.
MAT.

Art. 59-A. Novo Em exceção ao disposto no artigo 59 desta


Consolidação, é facultado às partes, mediante acordo individual
escrito, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho, estabelecer
horário de trabalho de doze horas seguidas por trinta e seis horas
ininterruptas de descanso, observados ou indenizados os intervalos
para repouso e alimentação.

66

Art. 59-A
Paragrafo Único do Art. 59-A Novo
DIR.
MAT.

Parágrafo único. Novo A remuneração mensal pactuada pelo horário


previsto no caput deste artigo abrange os pagamentos devidos pelo
descanso semanal remunerado e pelo descanso em feriados, e serão
considerados compensados os feriados e as prorrogações de trabalho
noturno, quando houver, de que tratam o artigo 70 e o § 5º do artigo
73 desta Consolidação.

67

Art. 59-A e § Único


Art. 59-B Novo
DIR.
MAT.

Art. 59-B. Novo O não atendimento das exigências legais para


compensação de jornada, inclusive quando estabelecida mediante
acordo tácito, não implica a repetição do pagamento das horas
excedentes à jornada normal diária se não ultrapassada a duração
máxima semanal, sendo devido apenas o respectivo adicional.

Parágrafo único. A prestação de horas extras habituais não


descaracteriza o acordo de compensação de jornada e o banco de
horas. 68

Art. 59-B
COMENTÁRIO PROF. art. 59
DIR.
MAT.

A mudança do acordo individual para compensação de horas é inovadora.


O Banco de Horas passa a ser:
• Um ano, se acordo coletivo;
• Seis meses se acordo individual, será de seis meses.
• Compensação de horas dentro de um mês, não há necessidade de acordo
escrito.
• A Súmula 85 do TST deverá ser revista.
• O § 1º Atende a CF que prevê adicional de no mínimo 50% para hora extra.
69

Art. 59 CLT
Paragrafo Único do Art. 59-B Novo
DIR.
MAT.

Art. 59-B. Parágrafo único Novo. A prestação de horas extras habituais não
descaracteriza o acordo de compensação de jornada e o banco de
horas.

Obs.: O TST reconheceu a jornada 12 x 36 na Súmula 444, via Convenção Coletiva.


O Artigo em estudo permite tal jornada por acordo individual. O parágrafo único do
artigo 59-B informa que a prestação de horas extras habituais não descaracteriza o
regime de compensação, contrariando o disposto na Súmula 85 do TST. O Trabalho
habitual em jornada extra demonstra que o ajustado não está sendo cumprido e
deveria ser declarado nulo.
70

Art. 59-B § Único Obs.


Vejamos a CLT. Art. 60 Paragrafo Único Novo
DIR.
MAT.

Vejamos na CLT
que faz parte do
Art. 60 Mantido material didático

anote

Parágrafo único. Excetuam-se  da  exigência  de  licença  prévia as jornadas de doze
horas de trabalho por trinta e seis horas ininterruptas de descanso.

71

Art. 59-B § Único Obs.


Art. 61 permanece com § alterado
DIR.
MAT.

Art. 61. Permanece Ocorrendo necessidade imperiosa, poderá a duração


do trabalho exceder do limite legal ou convencionado, seja para fazer
face a motivo de força maior, seja para atender à realização ou
conclusão de serviços inadiáveis ou cuja inexecução possa acarretar
prejuízo manifesto.

§ 1º Alterado O excesso, nos casos deste artigo, pode ser exigido


independentemente de convenção coletiva ou acordo coletivo de
trabalho.
72

Art. 61 § 1º
Art. 62 Permanece acréscimo do item III
DIR.
MAT.

Art. 62. Permanece Não são abrangidos pelo regime previsto neste capítulo:
I- Permanece
observe
II — Permanece
III— Novo Os empregados em regime de teletrabalho. anote

Obs.: A CLT não tutela a duração do trabalho dos empregados que


exercerem atividade externa, sem controle, chefia e cargos de confiança,
art. 62, incisos I e II.
73

Art. 62
O teletrabalho arts. 75-A e seguintes.
DIR.
MAT.

Os empregados em regime de teletrabalho não terão direito às regras


estipuladas no Capítulo II da CLT (arts. 57 a 75). Ex.:
a. horas extras;
b. adicional noturno, etc.

OBS.: O regime de teletrabalho está previsto no artigo 75-A e


seguintes.
74

Art. 75-A
INTERVALO INTRAJORNADA
DIR.
MAT.

Art. 71. Permanece Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda


de 6 (seis) horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para
repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de I (uma) hora e,
salvo acordo escrito ou contrato coletivo em contrário, não poderá
exceder 2 (duas) horas.

§ 1º Permanece
§ 2º Permanece
§ 3 º Permanece 75

Art. 71
Art. 71 Art. § 4º Novo
DIR.
MAT.

§ 4º Novo A não concessão ou a concessão parcial do intervalo


intrajornada mínimo, para repouso e alimentação, a empregados
urbanos e rurais, implica o pagamento, de natureza indenizatória,
apenas do período suprimido, com acréscimo de 50% (cinquenta
por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de
trabalho.

§ 5º Permanece
76

Art. 71 §§ 4º e 5º
COMENTÁRIO PROF.
DIR.
MAT.

OBS.: A titulo de penalidade, a Súmula 437 do TST, diz que a não


concessão ou a concessão parcial do intervalo mínimo implica o
pagamento total do período correspondente, com natureza salarial,
com acréscimo de 50% sobre o valor da remuneração. O pagamento
não será mais da hora inteira, mas o período suprimido e terá natureza
indenizatória e não salarial.

72

Obs.
Capitulo II-A Novo Teletrabalho A
DIR.
MAT.

Art. 75-A. Novo A prestação de serviços pelo empregado em regime de


teletrabalho observará o disposto neste Capítulo.

Art. 75-B. Novo Considera-se teletrabalho a prestação de serviços


preponderantemente fora das dependências do empregador, com a
utilização de tecnologias de informação e de comunicação que, por
sua natureza, não se constituam como trabalho externo.

78

Art. 75-A e 75-B


Capitulo II-A Novo Teletrabalho B
DIR.
MAT.

Art. 75-B, Novo Parágrafo único. O comparecimento às dependências do


empregador para a realização de atividades específicas que exijam a
presença do empregado no estabelecimento não descaracteriza o regime de
teletrabalho.

Art. 75-C. Novo A prestação de serviços na modalidade de teletrabalho deverá


constar expressamente do contrato individual de trabalho, que especificará
as atividades que serão realizadas pelo empregado. anote

Obs.: Contrato obrigatoriamente por escrito.


O acidente do trabalho não caracterizará culpa concorrente do empregador.
79

Art. 75-B e 75-C


Capitulo II-A Novo Teletrabalho C
DIR.
MAT.

Art. 75-C, § 1º Novo Poderá ser realizada a alteração entre regime


presencial e de teletrabalho desde que haja mútuo acordo entre as
partes, registrado em aditivo contratual. observe
observe

§ 2º Novo Poderá ser realizada a alteração do regime de teletrabalho


para o presencial por determinação do empregador, garantido prazo de
transição mínimo de quinze dias, com correspondente registro em
aditivo contratual.
80

Art. 75-C §§ 1º e 2º
Capitulo II-A Novo Teletrabalho D
DIR.
MAT.

Art. 75-D Novo As disposições relativas à responsabilidade pela


aquisição, manutenção ou fornecimento dos equipamentos
tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação
do trabalho remoto, bem como ao reembolso de despesas arcadas
pelo empregado, serão previstas em contrato escrito. observe
observe

Parágrafo único. Novo As utilidades mencionadas no caput deste artigo


não integram a remuneração do empregado.
81

Art. 75-D §Único


Capitulo II-A Novo Teletrabalho E
DIR.
MAT.

Art. 75-E Novo O empregador deverá instruir os empregados, de maneira


expressa e ostensiva, quanto às precauções a tomar a fim de evitar
doenças e acidentes de trabalho.

Parágrafo único. O empregado deverá assinar termo de


responsabilidade comprometendo-se a seguir as instruções
fornecidas pelo empregador.

82

Art. 75-E e § Único


Art. 84 revogado
DIR.
MAT.

Art. 84 Revogado - Para efeito da aplicação do salário mínimo, será o país


dividido em 22 regiões, correspondentes aos Estados, Distrito Federal
e Território do Acre. (Vide Decreto Lei nº 2.351, de 1987)

Parágrafo único. Em cada região, funcionará uma Comissão de Salário


Mínimo, com sede na capital do Estado, no Distrito Federal e na sede
do governo do Território do Acre.(Vide Decreto Lei nº 2.351, de 1987)

83

Art. 84 e § Único
Art. 86 e §§ Revogados
DIR.
MAT.

Art. 86 - Sempre que, em uma região ou zona, se verifiquem diferenças de


padrão de vida, determinadas por circunstâncias econômicas de caráter urbano,
suburbano, rural ou marítimo, poderá o Ministro do Trabalho, Industria e
Comercio, mediante proposta da respectiva Comissão de Salário Mínimo e
ouvido o Serviço de Estatística da Previdência e Trabalho, autorizá-la a subdividir
a região ou zona, de acordo com tais circunstâncias.  

§ 1º Deverá ser efetuado, também em sua totalidade, e no ato da entrega da


declaração, o pagamento do imposto devido, quando se verificar a hipótese
do art. 52. 84

Art. 86 e § 1º
Art. 86 e §§ Revogados
DIR.
MAT.

§ 2º Enquanto não se verificarem as circunstâncias mencionadas neste artigo,


vigorará nos municípios que se criarem o salário-mínimo fixado para os
municípios de que tenham sido desmembrados. § 3º No caso de novos
municípios formados pelo desmembramento de mais de um município, vigorará
neles, até que se verifiquem as referidas circunstâncias, o maior salário-mínimo
estabelecido para os munícipios  que lhes deram origem.  

§ 3º No caso de novos municípios formados pelo desmembramento de mais de


um município, vigorará neles, até que se verifiquem as referidas circunstâncias, o
maior salário-mínimo estabelecido para os municípios  que lhes deram
origem. 85

Art. 86 e §§ 2º 3º
Art. 130-A e § Revogado
DIR.
MAT.

Art. 130-A.  Na modalidade do regime de tempo parcial, após cada período de doze


meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado terá direito a férias, na seguinte
proporção:
I - dezoito dias, para a duração do trabalho semanal superior a vinte e duas horas, até
vinte e cinco horas;
II - dezesseis dias, para a duração do trabalho semanal superior a vinte horas, até vinte e
duas horas; 
III - quatorze dias, para a duração do trabalho semanal superior a quinze horas, até vinte
horas; 
IV - doze dias, para a duração do trabalho semanal superior a dez horas, até quinze
horas;    86

Art. 130-A, I a IV
Art. 130-A e § Revogado
DIR.
MAT.

IV - doze dias, para a duração do trabalho semanal superior a dez horas, até
quinze horas;  
V - dez dias, para a duração do trabalho semanal superior a cinco horas, até dez
horas; 
VI - oito dias, para a duração do trabalho semanal igual ou inferior a cinco horas.

Parágrafo único.  O empregado contratado sob o regime de tempo parcial que


tiver mais de sete faltas injustificadas ao longo do período
aquisitivo terá o seu período de férias reduzido à metade.
87

Art. 130-A, IV e VI
e § único Único
COMENTÁRIO PROF. Capitulo II-A Novo Teletrabalho
DIR.
MAT.

Em 1942 o teletrabalho era inimaginável. Agora previsto


legislativamente o teletrabalho está excluído do Capítulo da Duração
de Trabalho. O parágrafo único do artigo 60, que trata de trabalho em
domicílio, trouxe a figura do trabalho a distância ou teletrabalho. O
artigo 71-A e seguintes, traz de forma detalhada o teletrabalho.

88

COMENTÁRIO PROF.
DIR.
MAT. PARCELAMENTO DA CONCESSÃO DAS FÉRIAS A

Art. 134. Permanece As férias serão concedidas por ato do empregador, em


um só período, nos 12 (dozes) meses subsequentes à data em que o
empregado tiver adquirido o direito.

§ 1º Alterado Desde que haja concordância do empregado, as férias


poderão ser usufruídas em até três períodos, sendo que um deles não
poderá ser inferior a quatorze dias corridos e os demais não poderão
ser inferiores a cinco dias corridos, cada um.
89

Art. 134 e § 1º
DIR.
MAT. Art. 143 Alterado no § 3º - “VENDA” DAS FÉRIAS A

Art. 143 Permanece - É facultado ao empregado converter 1/3 (um terço)


do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor
da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.

§ 1º Permanece - O abono de férias deverá ser requerido até 15 (quinze)


dias antes do término do período aquisitivo.

90

Art. 143 §1º


DIR.
MAT. Art. 143 Alterado no § 3º - “VENDA” DAS FÉRIAS B

§ 2º Permanece - Tratando-se de férias coletivas, a conversão a que se


refere este artigo deverá ser objeto de acordo coletivo entre o
empregador e o sindicato representativo da respectiva categoria
profissional, independendo de requerimento individual a concessão do
abono.

§ 3 Revogado

91

Art. 143 §§ 2º, 3º


TITULO II-A Novo DANO EXTRAPATRIMONIAL
DIR.
MAT.

A CLT não previa o tema.


A base das novidades são previstas na Constituição: art. 50 , V e X e
do Código Civil: arts. 186, 187 e 927.

92

COMENTÁRIO PROF.
A
DIR.
MAT.
TITULO II-A Novo DANO EXTRAPATRIMONIAL
observe
observe
Art. 223-A Novo Aplicam-se à reparação de danos de natureza extrapatrimonial
decorrentes da relação de trabalho apenas os dispositivos deste Título.

Art. 223-B Novo Causa dano de natureza extrapatrimonial a ação ou omissão que ofenda
a esfera moral ou existencial da pessoa física ou jurídica, as quais são as titularesobserve
exclusivas do direito à reparação.
OBS.: Afasta o Cód. Civil do dano de risco ou responsabilidade objetiva. Palavra
reparar usada como sinônimo de indenizar. Foi suprimido o dano reflexo,
exemplo, filhos de quem sofreu a lesão. 93

Arts. 223-A e 223-B


B
DIR.
MAT.
TITULO II-A Novo DANO EXTRAPATRIMONIAL

Art. 223-C Novo A honra, a imagem, a intimidade, a liberdade de ação, a


autoestima, a sexualidade, a saúde, o lazer e a integridade física são
os bens juridicamente tutelados inerentes à pessoa física.
Obs. Prof.: Dano decorrente da mora não é previsto. O artigo pretende ser exaustivo.

Art. 223-D Novo A imagem, a marca, o nome, o segredo empresarial e o


sigilo da correspondência são bens juridicamente tutelados inerentes
à pessoa jurídica.
94

Arts. 223-C e 223-D


C
DIR.
MAT.
TITULO II-A Novo DANO EXTRAPATRIMONIAL

Art. 223-E Novo São responsáveis pelo dano extrapatrimonial todos os


que tenham colaborado para a ofensa ao bem jurídico tutelado, na
proporção da ação ou da omissão.

Art. 223-F Novo A reparação por danos extrapatrimoniais pode ser


pedida cumulativamente com a indenização por danos materiais
decorrentes do mesmo ato lesivo.
95

Arts. 223-E e 223-F


D
DIR.
MAT.
TITULO II-A Novo DANO EXTRAPATRIMONIAL

§ 1º Novo Se houver cumulação de pedidos, o juízo, ao proferir a


decisão, discriminará os valores das indenizações a título de danos
patrimoniais e das reparações por danos de natureza extrapatrimonial.

§ 2º Novo A composição das perdas e danos, assim compreendidos os


lucros cessantes e os danos emergentes, não interfere na avaliação
dos danos extrapatrimoniais.
96

Art. 223-F, §§ 1º e 2º
A
DIR.
MAT.
DANO -AVALIAÇÃO E VALORES Art. 223-G

Art. 223-G Novo Ao apreciar o pedido, o juízo considerará:


I — a natureza do bem jurídico tutelado;
II — a intensidade do sofrimento ou da humilhação;
III — a possibilidade de superação física ou psicológica;
IV — os reflexos pessoais e sociais da ação ou da omissão;
V — a extensão e a duração dos efeitos da ofensa;
VI — as condições em que ocorreu a ofensa ou o prejuízo moral;
VII — o grau de dolo ou culpa;
97

Arts. 223-G, I a VII


DIR.
MAT.

VI — as condições em que ocorreu a ofensa ou o prejuízo moral;


VII — o grau de dolo ou culpa*; Observe: Exclui o
VIII — a ocorrência de retratação espontânea; dano de risco

IX — o esforço efetivo para minimizar a ofensa;


X — o perdão, tácito ou expresso;
XI — a situação social e econômica das partes envolvidas;
XII — o grau de publicidade da ofensa.

98

Arts. 223-G
DANO -AVALIAÇÃO E VALORES - ART. 223-G C
DIR.
MAT.

§ 1º Novo Se julgar procedente o pedido, o juízo fixará a indenização a


ser paga, a cada um dos ofendidos, em um dos seguintes parâmetros,
vedada a acumulação: observe

I — ofensa de natureza leve, até três vezes o último salário


contratual do ofendido;
II — ofensa de natureza média, até cinco vezes o último salário
contratual do ofendido;
III — ofensa de natureza grave, até vinte vezes o último salário
contratual do ofendido;
Obs.: A compreensão do § 1º possibilita controvérsia. 99

Arts. 223-G, § 1º
DANO -AVALIAÇÃO E VALORES ART. 223-G D
DIR.
MAT.

IV — ofensa de natureza gravíssima, até cinquenta vezes o último


salário contratual do ofendido.

§ 2º Novo Se o ofendido for pessoa jurídica, a indenização será fixada


com observância dos mesmos parâmetros estabelecidos no §1º deste
artigo, mas em relação ao salário contratual do ofensor.

§ 3º Novo Na reincidência entre partes idênticas, o juízo poderá elevar


ao dobro o valor da indenização.
100

Arts. 223-G, §§ 2º 3º
DIR.
MAT. COMENTÁRIO PROF.

O artigo 223-A prevê que o dano extrapatrimonial e que seja regulado


por esse Título da CLT, o que caracteriza o afastamento das regras da
Constituição e do Código Civil.

Logo, com afastamento da responsabilidade objetiva ou a decorrente


da atividade de risco, casos comuns na Justiça do Trabalho.

Há tratamento diferenciado da reparação de danos de natureza civil e


da reparação trabalhista. O Código Civil, nos arts. 927 e seguintes são
101
também aplicáveis às lesões trabalhistas.
Arts. 223-G, §§ 2º 3º
DIR.
MAT. COMENTÁRIO PROF.

O artigo 223-B trata das causas do dano não patrimonial, por ação ou
omissão do agente agressor. Esquece que existe o dano por exercício
de atividade de risco. Vejamos o art. 927, parágrafo único do CC.

Foi afastada a reparação do dano extrapatrimonial decorrentes do


exercício da atividade de risco.

A norma garante ao agredido o direito exclusivo da reparação da lesão


extrapatrimonial.
102

Arts. 223-B, §§ 2º 3º
DIR.
MAT. COMENTÁRIO PROF.

Foram excluídos os sucessores e demais titulares do direito de


postular a reparação.

Ficou eliminando o dano reflexo, hipótese comum na responsabilidade


civil e trabalhista.

O artigo 223-G arrola os bens imateriais passíveis de reparação


extrapatrimonial. Ficam excluídos outros bens imateriais como o uso
indevido do nome, assédio moral, imputação falsa e abusiva de justa
103
causa, entre outros.
Arts. 223-G, §§ 2º 3º
DIR.
MAT. COMENTÁRIO PROF.

O artigo 223-E prevê a reparação proporcional do dano, no dolo ou


culpa do agressor.

Existe o dano decorrente de responsabilidade objetiva, diverso do dolo


ou culpa.

O artigo 223-G prevê parâmetros para fixação da indenização, já o


inciso VII, leva a crer que não cabe na responsabilidade objetiva.
104

Arts. 223-E e G
DIR.
MAT. COMENTÁRIO PROF.

O artigo 223-G, § 1º impede a cumulação de indenização por dano


extrapatrimonial.

Há o esquecimento do princípio do não enriquecimento sem causa.

Logicamente se mais de um bem imaterial for violado, a reparação


deve ocorrer pelo todo, o Direito Civil, permite por exemplo, a
acumulação do dano à imagem e estético.
 
105

Arts. 223-G, §§ 2º 3º
DIR.
MAT. EQUIPARAÇÃO ENTRE O TRABALHO FEMININO E MASCULINO

Art. 372. Revogado Os preceitos que regulam o trabalho masculino são


aplicáveis ao trabalho feminino, naquilo em que não colidirem com a
proteção especial instituída por este Capítulo.

OBS.: Inexiste o direito ao descanso de 15 minutos antes do início da


jornada em horas extraordinárias.

106

Arts. 372
DIR.
MAT. GESTANTE E LACTANTE - TRABALHO INSALUBRE A

Art. 394-A Novo Sem prejuízo de sua remuneração, nesta incluído o valor
do adicional de insalubridade, a empregada deverá ser afastada de:
I — atividades consideradas insalubres em grau máximo, enquanto
durar a gestação;
II atividades consideradas insalubres em grau médio ou mínimo,
quando apresentar atestado de saúde, emitido por médico de
confiança da mulher, que recomende o afastamento durante a
gestação;
107

Arts. 394-A
DIR.
MAT. GESTANTE E LACTANTE - TRABALHO INSALUBRE - Art. 394-A B
observe

III atividades consideradas insalubres em qualquer grau, quando apresentar


atestado de saúde, emitido por médico de confiança da mulher, que recomende
o afastamento durante a lactação.

§ 1º Vetado

§ 2º Novo Cabe à empresa pagar o adicional de insalubridade à gestante ou à


lactante, efetivando-se a compensação, observado o disposto no artigo 248 da
Constituição Federal, por ocasião do recolhimento das contribuições
incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos 108

pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço.
Arts. 394-A, §§ 1º e 2º
DIR.
MAT. GESTANTE E LACTANTE - TRABALHO INSALUBRE C

observe

§ 3º Novo Quando não for possível que a gestante ou a lactante afastada nos termos do
caput deste artigo exerça suas atividades em local salubre na empresa, a hipótese será
considerada como gravidez de risco e ensejará a percepção de salário-maternidade, nos
termos da Lei 8.213, de 24 de julho de 1991, durante todo o período de afastamento.

OBS.: Novidade: manutenção do pagamento do adicional de insalubridade, no


afastamento da função. Licença medica para continuidade trabalho insalubre nos graus
médio e mínimo.
109

Arts. 394-A, § 3º
MULHER – Repouso - AMAMENTAÇÃO
DIR.
MAT.

Art. 396. Permanece

§ 1º Permanece

§ 2º Novo Os horários dos descansos previstos no caput deste artigo


deverão ser definidos em acordo individual entre a mulher e o
empregador.

Obs.: essa definição deve ser, preferencialmente, por escrito. 110

Arts. 396, §§ 1º e 2º
DIR.
MAT. TRABALHADOR AUTÔNOMO

Art. 442-B Novo A contratação do autônomo, cumpridas por este todas as


formalidades legais, com ou sem exclusividade, de forma contínua ou
não, afasta a qualidade de empregado prevista no artigo 3º desta
Consolidação.
anote

OBS.: Para tal não deverá existir a subordinação trabalhista.


Artigo muito complexo, no plano prático. Ver art. 611-B, I.
Lembrar do art. 9º da CLT. 111

Art. 442-B, Obs.


CONTRATO DE TRABALHO INTERMITENTE A
DIR.
MAT.

Art. 443 Nova redação O contrato individual de trabalho poderá ser acordado
tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito, por prazo
determinado ou indeterminado, ou para prestação de trabalho
intermitente.
§ 1º permanece
§ 2º permanece

112

Art. 443, §§ 1º e 2º
CONTRATO DE TRABALHO INTERMITENTE B
DIR.
MAT.

§ 3º Novo Considera-se como intermitente o contrato de trabalho no qual


a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua, ocorrendo
com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade,
determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de
atividade do empregado e do empregador, exceto para os aeronautas,
regidos por legislação própria.
Obs.: Há períodos de “não trabalho” e de “não subordinação”.
113

Art. 443 § 3º
CONTRATO INDIVIDUAL - AUTONOMIA NA NEGOCIAÇÃO
DIR.
MAT.

Art. 444 permanece observe

Parágrafo único Novo A livre estipulação a que se refere o caput deste artigo aplica-
se às hipóteses previstas no artigo 611-A desta Consolidação, com a mesma
eficácia legal e preponderância sobre os instrumentos coletivos, no caso de
empregado portador de diploma de nível superior e que perceba salário mensal
igual ou superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios do Regime Geral de
Previdência Social.

Obs.: Reflexão, um atleta que ganha milhões e, não tem curso superior, não terá tal
autonomia de negociação? Note-se que tecnólogo possui curso considerado superior.
114

Art. 444 § Único


SUCESSÃO DE EMPRESAS - RESPONSABILIDADE
DIR.
MAT.

Art. 448-A Novo Caracterizada a sucessão empresarial ou de empregadores


prevista nos artigos 10 e 448 desta Consolidação, as obrigações
trabalhistas, inclusive as contraídas à época em que os empregados
trabalhavam para a empresa sucedida, são de responsabilidade do
sucessor.

Parágrafo único Novo A empresa sucedida responderá solidariamente com a


sucessora quando ficar comprovada fraude na transferência.
115

Art. 448-A e §Único


Art. 452-A. Novo TRABALHO INTERMITENTE A
DIR.
MAT.

observe

Art. 452-A. Novo O contrato de trabalho intermitente deve ser celebrado por
escrito e deve conter especificamente o valor da hora de trabalho, que não
pode ser inferior ao valor horário do salário mínimo ou àquele devido aos
demais empregados do estabelecimento que exerçam a mesma função em
contrato intermitente ou não.

§ 1º Novo O empregador convocará, por qualquer meio de comunicação eficaz,


para a prestação de serviços, informando qual será a jornada, com, pelo
menos, três dias corridos de antecedência. 116

Art. 452- A § 1º
Art. 452-A. Novo TRABALHO INTERMITENTE B
DIR.
MAT.

§ 2º Novo Recebida a convocação, o empregado terá o prazo de um dia útil


para responder ao chamado, presumindo-se, no silêncio, a recusa.

§ 3º Novo A recusa da oferta não descaracteriza a subordinação para fins do


contrato de trabalho intermitente.

§ 4º Novo Aceita a oferta para o comparecimento ao trabalho, a parte que


descumprir, sem justo motivo, pagará à outra parte, no prazo de trinta dias,
multa de 50% (cinquenta por cento) da remuneração que seria devida,
permitida a compensação em igual prazo.
Obs.: Redação que enseja dúvidas. 117

Art. 452-A, §§2º a 4º


Art. 452-A. Novo TRABALHO INTERMITENTE C
DIR.
MAT.

§ 5º Novo O período de inatividade não será considerado tempo à


disposição do empregador, podendo o trabalhador prestar serviços a
outros contratantes.

§ 6º Novo Ao final de cada período de prestação de serviço, o empregado


receberá o pagamento imediato das seguintes parcelas:
I - remuneração;
II - férias proporcionais com acréscimo de um terço;
III – décimo terceiro salário proporcional;
IV – repouso semanal remunerado; 118

e V – adicionais legais. Art. 452- A, §§ 5º e 6º


Art. 452-A. Novo TRABALHO INTERMITENTE D
DIR.
MAT.

§ 7º Novo O recibo de pagamento deverá conter a discriminação dos


valores pagos relativos a cada uma das parcelas referidas no § 6º deste
artigo.

§ 8º Novo O empregador efetuará o recolhimento da contribuição


previdenciária e o depósito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço,
na forma da lei, com base nos valores pagos no período mensal e
fornecerá ao empregado comprovante do cumprimento dessas
obrigações. 119

Art. 452-A §§ 7º e 8º
Art. 452-A. Novo TRABALHO INTERMITENTE E
DIR.
MAT.

§ 9º Novo A cada doze meses, o empregado adquire direito a usufruir, nos


doze meses subsequentes, um mês de férias, período no qual não
poderá ser convocado para prestar serviços pelo mesmo empregador.
 

120

Art. 452-A, § 9º
DIR.
MAT. UNIFORME
Art. 456-A Novo Cabe ao empregador definir o padrão de vestimenta no meio
ambiente laboral, sendo lícita a inclusão no uniforme de logomarcas da
própria empresa ou de empresas parceiras e de outros itens de identificação
relacionados à atividade desempenhada. observe

Obs.: busca invalidar o usual pedido de indenização por direito de imagem .

Parágrafo único Novo A higienização do uniforme é de responsabilidade do trabalhador,


salvo nas hipóteses em que forem necessários procedimentos ou produtos diferentes 121
dos utilizados para a higienização das vestimentas de uso comum.
Art. 456-A, § Único
SALÁRIO A
DIR.
MAT.

Observe ex. 13º sal.


Art. 457 Permanece

§ 1º Novo Integram o salário a importância fixa estipulada, as gratificações legais e as


comissões pagas pelo empregador.
Obs.: E as gratificações contratuais que são a maioria? Ela não são previstas no § 2º abaixo.

§ 2º Novo As importâncias, ainda que habituais, pagas a título de ajuda de custo, auxílio-alimentação,
vedado seu pagamento em dinheiro, diárias para viagem, prêmios e abonos não integram a
remuneração do empregado, não se incorporam ao contrato de trabalho e não constituem base de
incidência de qualquer encargo trabalhista e previdenciário.

Obs.: Falta conceituação de “ajuda de custo” e “abonos”. Ler art. 470 CLT. 122

Art. 457, §§ 1º e 2º
DIR.
MAT. SALARIO B
§ 3º Permanece
§ 4º Novo Consideram-se prêmios as liberalidades concedidas pelo
empregador em forma de bens, serviços ou valor em dinheiro a
empregado ou a grupo de empregados, em razão de desempenho superior
ao ordinariamente esperado no exercício de suas atividades.
(Obs.: O § 4º revoga a Lei da Gorjeta?)
 
123

Art. 457, §§ 3º e 4º
DIR.
MAT. EQUIPARAÇÃO SALARIAL A

Art. 461. Nova Redação Sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor,
prestado ao mesmo empregador, no mesmo estabelecimento empresarial,
corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, etnia, nacionalidade ou
idade.

§ 1º Novo Trabalho de igual valor, para os fins deste Capítulo, será o que for feito
com igual produtividade e com a mesma perfeição técnica, entre pessoas cuja
diferença de tempo de serviço para o mesmo empregador não seja superior a
quatro anos e a diferença de tempo na função não seja superior a dois anos.
124

Art. 461, § 1º
DIR.
MAT. EQUIPARAÇÃO SALARIAL B

§ 2º Os dispositivos deste artigo não prevalecerão quando o empregador tiver


pessoal organizado em quadro de carreira ou adotar, por meio de norma interna
da empresa ou de negociação coletiva, plano de cargos e salários, dispensada
qualquer forma de homologação ou registro em órgão público.

§ 3º No caso do §2º deste artigo, as promoções poderão ser feitas por


merecimento e por antiguidade, ou por apenas um destes critérios, dentro de
cada categoria profissional.

§4º (permanece) 125

Obs.: Altera a Súmula 6 do TST Art. 461, §§ 2º e 3º


DIR.
MAT. EQUIPARAÇÃO SALARIAL C
§ 5º A equiparação salarial só será possível entre empregados
contemporâneos no cargo ou na função, ficando vedada a indicação de
paradinhas remotos, ainda que o paradigma contemporâneo tenha
obtido a vantagem em ação judicial própria.

§ 6º No caso de comprovada discriminação por motivo de sexo ou etnia,


o juízo determinará, além do pagamento das diferenças salariais
devidas, multa, em favor do empregado discriminado, no valor de 50%
(cinquenta por cento) do limite máximo dos benefícios do Regime Geral
de Previdência Social. 126

Obs.: § 6º Importante e novo


Art. 461, §§ 5º e 6º
DIR.
MAT. EQUIPARAÇÃO SALARIAL D

A alteração buscou frear a busca da “equiparação salarial em cascata”


O empregado que receber a equiparação salarial.
Concedido o direito somente aos empregados contemporâneos na
função. Poderá causar revisão da Súmula do TST de n. 6

127

Art. 461
REVERSÃO DO CARGO DE CONFIANÇA A
DIR.
MAT.

Art. 468. Permanece Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a


alteração das respectivas condições por mútuo consentimento, e ainda
assim desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao
empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia.
§ 1º Permanece
§ 2º A alteração de que trata o § 1º deste artigo, com ou sem justo motivo,
não assegura ao empregado o direito à manutenção do pagamento da
gratificação correspondente, que não será incorporada, independentemente
do tempo de exercício da respectiva função.
128

Art. 468, §§ 1º a 3º
REVERSÃO DO CARGO DE CONFIANÇA B
DIR.
MAT.

A Deve alterar a Súmula 372-1, do TST, que garantia a manutenção do


valor da gratificação, percebida por dez ou mais anos.
Agora, é expresso: não será incorporada, independentemente do
tempo de exercício da respectiva função. Provocará a revisão da
Súmula.

129

Súmula 372-1
RESCISÃO CONTRATUAL A
DIR.
MAT.

Art. 477. Na extinção do contrato de trabalho, o empregador deverá


proceder à anotação na Carteira de Trabalho e Previdência Social,
comunicar a dispensa aos órgãos competentes e realizar o pagamento
das verbas rescisórias no prazo e na forma estabelecidos neste artigo.
§1º Revogado
§2º Permanece
§3º Revogado

130

Art. 477 §§ 1º a 3º
RESCISÃO CONTRATUAL B
DIR.
MAT.

§4º Alterado 0 pagamento a que fizer jus o empregado será efetuado:


I — em dinheiro, depósito bancário ou cheque visado, conforme
acordem as partes; ou
II — em dinheiro ou depósito bancário quando o empregado for
analfabeto.

§5º Mantido Qualquer compensação no pagamento de que trata o parágrafo


anterior não poderá exceder o equivalente a um mês de remuneração do
empregado. 131

Art. 477 §§ 4º e 5º
RESCISÃO CONTRATUAL C
DIR.
MAT.

§ 6º Novo A entrega ao empregado de documentos que comprovem a


comunicação da extinção contratual aos órgãos competentes bem
como o pagamento dos valores constantes do instrumento de rescisão
ou recibo de quitação deverão ser efetuados até dez dias contados a
partir do término do contrato.
a) Revogado
b) Revogado Para o “termino do Contrato” é computado o prazo do
aviso prévio. Se o aviso prévio proporcional for o tempo
máximo, 90 dias, serão contados mais 10 dias sobre
essa data. Isto é, o pagamento ocorrerá no 100º dia
§ 7º Revogado
132

Art. 477 §§ 6º e 7º
RESCISÃO CONTRATUAL D
DIR.
MAT.

§8º Permanece A inobservância do disposto no §6º deste artigo sujeitará


o infrator à multa de 160 BTN, por trabalhador, bem assim ao
pagamento da multa a favor do empregado, em valor equivalente ao
seu salário, devidamente corrigido pelo índice de variação do BTN,
salvo quando, comprovadamente, o trabalhador der causa à mora.

§9º vetado

133

Art. 477 §§ 8º e 9º
RESCISÃO CONTRATUAL E
DIR.
MAT.

§ 10 Novo A anotação da extinção do contrato na Carteira de Trabalho e


Previdência Social é documento hábil para requerer o beneficio do
seguro-desemprego e a movimentação da conta vinculada no Fundo
de Garantia do Tempo de Serviço, nas hipóteses legais, desde que a
comunicação prevista no caput deste artigo tenha sido realizada.
Houve uma mudança relevante neste artigo, iniciando-se pelo caput,
que determinava que o pagamento das verbas rescisórias tinha como
base a maior remuneração.
134

Art. 477 §10


RESCISÃO CONTRATUAL Comentário Prof.
DIR.
MAT.

• Não haverá a homologação da rescisão do contrato, para empregados com


mais de um ano. Revogados os §§ 3º e 7º.
• Não haverá mais necessidade do detalhamento das verbas rescisórias.
Revogação do §2º.
• OO mesmo §4º.
• tanto
prazo para pagamento das verbas rescisórias e homologação é de dez dias,
para o aviso prévio indenizado como para o trabalhado.
• Com a modificação do § 6º
• Mantém-se a multa do §8º de um salário do empregado em caso de atraso
no pagamento. 135

Art. 477
Art. 477-A
DIR.
MAT. DISPENSA COLETIVA

Art. 477-A. Novo As dispensas imotivadas individuais, plúrimas ou


coletivas equiparam-se para todos os fins, não havendo necessidade
de autorização prévia de entidade sindical ou de celebração de
convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho para sua
efetivação.

136

Art. 477-A
DIR.
MAT.
NÃO EXIGÊNCIA DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA

Com base em interpretação da legislação anterior e aplicando os


princípios da solução pacífica das controvérsias - preâmbulo da
Constituição, art. 50, inciso XIV, art. 70, XXVI, art. 80, 111 e VI, da CF, e
Recomendação 163 da OIT, os TRTs e TST decidiam pela nulidade das
demissões em massa e pela exigência de negociação coletiva.
Nessa temática o cenário muda e não exige a negociação especial.

137

Art.
DIR.
MAT.
PDV - PLANO DE DEMISSÃO VOLUNTÁRIA

Art. 477-B Novo Plano de Demissão Voluntária ou Incentivada, para


dispensa individual, plúrima ou coletiva, previsto em convenção coletiva
ou acordo coletivo de trabalho, enseja quitação plena e irrevogável dos
direitos decorrentes da relação empregatícia, salvo disposição em
contrário estipulada entre as partes.
OBS.:
O STF já decidiu que é válida a cláusula que dá quitação ampla e irrestrita de todas as
parcelas decorrentes do contrato de emprego, desde que este item conste de Acordo
Coletivo de Trabalho e dos demais instrumentos assinados pelo empregado.
138

Art. 477-B
JUSTA CAUSA (ART. 482)
DIR.
MAT.

Art. 482. Permanece Constituem justa causa para rescisão do contrato de


trabalho pelo empregador:
Letra “m” Novo perda da habilitação ou dos requisitos estabelecidos em
lei para o exercício da profissão, em decorrência de conduta dolosa do
empregado.

139

Art.
RESCISÃO DE CONTRATO POR ACORDO A
DIR.
MAT.

Art. 484-A Novo O contrato de trabalho poderá ser extinto por acordo
entre empregado e empregador, caso em que serão devidas as
seguintes verbas trabalhistas:
I — por metade:
a) o aviso prévio, se indenizado; e
b) a indenização sobre o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de
Serviço, prevista no § 1º do artigo 18 da Lei 8.036, de 11 de maio
de 1990;
c) II — na integralidade, as demais verbas trabalhistas.
140

Art. 484-A
RESCISÃO DE CONTRATO POR ACORDO B
DIR.
MAT.

§1º Novo A extinção do contrato prevista no caput deste artigo permite a movimentação da
conta vinculada do trabalhador no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço na forma do
inciso I-A do artigo 20 da Lei 8.036, de II de maio de 1990, limitada até 80% (oitenta por
cento) do valor dos depósitos.

§2º Novo A extinção do contrato por acordo prevista no caput deste artigo não autoriza o
ingresso no Programa de Seguro-Desemprego.

Esta é uma mudança importantíssima. Até então não havia previsão para uma rescisão de
comum acordo na CLT. Todas as regras estão dispostas, de forma detalhada, no artigo.
141

Art. 484-A §§ 1º e 2º
ARBITRAGEM A
DIR.
MAT.

Só para Direitos Disponíveis, dependendo do


valor do salário. “hipersuficiente” Quem recebe
mais que 2 vezes do teto do INSS.

Art. 507-A Novo Nos contratos individuais de trabalho cuja remuneração


seja superior a duas vezes o limite máximo estabelecido para os
benefícios do Regime Geral de Previdência Social, poderá ser
pactuada cláusula compromissória de arbitragem, desde que por
iniciativa do empregado ou mediante a sua concordância expressa,
nos termos previstos na Lei 9.307, de 23 de setembro de 1996.
142

Art. 507-A
ARBITRAGEM B
DIR.
MAT.

Os tribunais trabalhistas resistem a validar a arbitragem para os


contratos individuais de trabalho, em decorrência da hipossuficiência
do empregado.

Como neste caso a previsão é expressa para empregado com um


salário maior que a média, a possibilidade foi prevista legalmente.

143

Art. 507-A
DIR.
MAT. TERMO DE QUITAÇÃO ANUAL DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS

Art. 507-B Novo É facultado a empregados e empregadores, na vigência ou


não do contrato de emprego, firmar o termo de quitação anual de
obrigações trabalhistas, perante o sindicato dos empregados da
categoria.

Parágrafo único Novo. O termo discriminará as obrigações de dar e fazer


cumpridas mensalmente e dele constará a quitação anual dada pelo
empregado, com eficácia liberatória das parcelas nele especificadas.
A inovação tem o fim de evitar reclamações trabalhistas por pendências
ocorridas durante o contrato. O empregado ficará impedido de reclamar
144
qualquer pendência do período que foi quitado.
Art. 507-B
Representação dos Empegados A
DIR.
MAT.

Art. 510-A Novo Nas empresas com mais de duzentos empregados, é assegurada a
eleição de uma comissão para representá-los, com a finalidade de promover-lhes o
entendimento direto com os empregadores.
 
§ 1º Novo A comissão será composta:
I - Novo nas empresas com mais de duzentos e até três mil empregados, por três
membros;
II - Novo nas empresas com mais de três mil e até cinco mil empregados, por cinco
membros;
III - Novo nas empresas com mais de cinco mil empregados, por sete membros.
145

Art. 510-A §1º


Representação dos Empegados B
DIR.
MAT.

§ 2º Novo No caso de a empresa possuir empregados em vários


Estados da Federação e no Distrito Federal, será assegurada a
eleição de uma comissão de representantes dos empregados por
Estado ou no Distrito Federal, na mesma forma estabelecida no § 1º
deste artigo.
 
146

Art. 510-A §2º


Representação dos Empegados C
DIR.
MAT.

Art. 510-B Novo. A comissão de representantes dos empregados terá as


seguintes atribuições:
I - representar os empregados perante a administração da empresa;

II - aprimorar o relacionamento entre a empresa e seus empregados com


base nos princípios da boa-fé e do respeito mútuo;

III - promover o diálogo e o entendimento no ambiente de trabalho com o


fim de prevenir conflitos; 147

Art. 510-B, I até III


Representação dos Empegados D
DIR.
MAT.

IV Novo - buscar soluções para os conflitos decorrentes da relação de trabalho, de forma


rápida e eficaz, visando à efetiva aplicação das normas legais e contratuais;

V Novo - assegurar tratamento justo e imparcial aos empregados, impedindo qualquer


forma de discriminação por motivo de sexo, idade, religião, opinião política ou atuação
sindical;

VI Novo - encaminhar reivindicações específicas dos empregados de seu âmbito de


representação;
148
VII - acompanhar o cumprimento das leis trabalhistas, previdenciárias e das convenções
Art. 510-B, IV até VI
coletivas e acordos coletivos de trabalho.
DIR.
MAT. Representação dos Empegados E

§ 1º Novo As decisões da comissão de representantes dos empregados


serão sempre colegiadas, observada a maioria simples,
 
§ 2º Novo A comissão organizará sua atuação de forma independente.

149

Art. 510-B, §§ 1º e 2º
DIR.
MAT. Representação dos Empegados F

Art. 510-C Novo A eleição será convocada, com antecedência mínima de


trinta dias, contados do término do mandato anterior, por meio de edital
que deverá ser fixado na empresa.com ampla publicidade, para inscrição
de candidatura.

§ 1º Novo Será formada comissão eleitoral, integrada por cinco empregados,


não candidatos, para a organização e o acompanhamento do processo
eleitoral, vedada a interferência da empresa e do sindicato da categoria,
150

Art. 510-C, § 1º
DIR.
MAT. Representação dos Empegados G

§ 2º Novo Os empregados da empresa poderão candidatar-se, exceto


aqueles com contrato de trabalho por prazo determinado, com contrato
suspenso ou que estejam em período de aviso prévio, ainda que
indenizado,

§ 3º Novo Serão eleitos membros da comissão de representantes dos


empregados os candidatos mais votados, em votação secreta, vedado o
voto por representação.
151

Art. 510-C, §§ 2º e 3º
DIR.
MAT. Representação dos Empegados H

§ 4º Novo A comissão tomará posse no primeiro dia útil seguinte à eleição


ou ao término do mandato anterior.

§ 5º Novo Se não houver candidatos suficientes, a comissão de


representantes dos empregados poderá ser formada com número de
membros inferior ao previsto no art. 510-A desta Consolidação.
 
§ 6º Novo Se não houver registro de candidatura, será lavrada ata e
convocada nova eleição no prazo de um ano. 152

Art. 510-C, § § 4º a 6º
DIR.
MAT. Representação dos Empegados I
Art. 510-D. Novo O mandato dos membros da comissão de representantes dos
empregados será de um ano.
Esse representante atua na relação extrajudicial entre
empregador e empregados.

§ 1º Novo O membro que houver exercido a função de representante dos empregados na


comissão não poderá ser candidato nos dois períodos subsequentes.
 
§ 2º Novo O mandato de membro de comissão de representantes dos empregados não
implica suspensão ou interrupção do contrato de trabalho, devendo o empregado
permanecer no exercício
de suas funções. 153

Art. 510-D, § § 1º a 2º
DIR.
MAT. Representação dos Empegados L
§30 Novo Desde o registro da candidatura até um ano após o fim do
mandato, o membro da comissão de representantes dos empregados
não poderá sofrer despedida arbitrária, entendendo-se como tal a que
não se fundar em motivo disciplinar, técnico, econômico ou financeiro.

§40 Novo Os documentos referentes ao processo eleitoral devem ser


emitidos em duas vias, as quais permanecerão sob a guarda dos
empregados e da empresa pelo prazo de cinco anos, à disposição para
consulta de qualquer trabalhador interessado, do Ministério Público do
Trabalho e do Ministério do Trabalho. 154

Art. 510-D, §§ 3º e 4º
DIR.
MAT. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL A DIR.
COL..

Art. 545 Novo. Os empregadores ficam obrigados a descontar da folha de


pagamento dos seus empregados, desde que por eles devidamente
autorizados, as contribuições devidas ao sindicato, quando por este
notificados.
Parágrafo único Permanece

Art. 578 Novo As contribuições devidas aos sindicatos pelos participantes das
categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais
representadas pelas referidas entidades serão, sob a denominação de
contribuição sindical, pagas, recolhidas e aplicadas na forma estabelecida 155
neste Capítulo, desde que prévia e expressamente autorizadas.
Art. 545, § Único e 578
DIR.
MAT. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL B DIR.
COL..

Art. 579. O desconto da contribuição sindical está


condicionado à autorização prévia e expressa dos que
participarem de uma determinada categoria económica ou
profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do
sindicato representativo da mesma categoria ou profissão
ou, inexistindo este, na conformidade do disposto no artigo
591 desta Consolidação.

Art. 582. Os empregadores são obrigados a descontar da


folha de pagamento de seus empregados relativa ao mês 156
de março de cada ano a contribuição sindical dos
empregados que autorizaram prévia e expressamenteArt. 579 e o
582
DIR.
MAT. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL C DIR.
COL..

Art. 583. O recolhimento da contribuição sindical referente


aos empregados e trabalhadores avulsos será efetuado no
mês de abril de cada ano, e o relativo aos agentes ou
trabalhadores autônomos e profissionais liberais realizar-se-á
no mês de fevereiro, observada a exigência de autorização
prévia e expressa prevista no artigo 579 desta Consolidação.

Art. 587. Os empregadores que optarem pelo recolhimento da


contribuição sindical deverão fazê-lo no mês de janeiro de
cada ano, ou, para os que venham a se estabelecer após o 157
referido mês, na ocasião em que requererem às repartições o
Art. 583 e 587
registro ou a licença para o exercício da respectiva atividade.
DIR.
MAT. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL D

Art. 602. Os empregados que não estiverem


trabalhando no mês destinado ao desconto da
contribuição sindical e que venham a autorizar prévia e
expressamente o recolhimento serão descontados no
primeiro mês subsequente ao do reinício do trabalho.

Implantada alteração significativa no recolhimento das


contribuições.
Antes compulsórias. Agora, passa a ser opcional, desde158
que expressa. Art. 602
DIR.
MAT. VALIDADE DO NEGOCIADO SOBRE O LEGISLADO A DIR.
COL..

Art. 611-A. A convenção coletiva e o acordo coletivo


de trabalho têm prevalência sobre a lei quando, entre
outros, dispuserem sobre:
I pacto quanto à jornada de trabalho, observados os
limites constitucionais;
II — banco de horas anual;
III — intervalo intrajornada, respeitado o limite mínimo
de trinta minutos para jornadas superiores a seis 159
horas;
Art. 611-A, I A III
DIR.
MAT. VALIDADE DO NEGOCIADO SOBRE O LEGISLADO B DIR.
COL..

IV — adesão ao Programa Seguro-Emprego (PSE), de que trata a


Lei 13.189, de 19 de novembro de 2015;
V — plano de cargos, salários e funções compatíveis com a
condição pessoal do empregado, bem como identificação dos
cargos que se enquadram como funções de confiança;
VI — regulamento empresarial;
VII — representante dos trabalhadores no local de trabalho;
VIII — teletrabalho, regime de sobreaviso, e trabalho intermitente;
IX — remuneração por produtividade, incluídas as gorjetas
percebidas pelo empregado, e remuneração por desempenho
individual; O inc. IX pode alterar a Lei da gorjeta, retirar o caráter salarial e não haver 160

integrações Art. 611-A, IV a IX


DIR.
MAT. VALIDADE DO NEGOCIADO SOBRE O LEGISLADO C DIR.
COL..

X — modalidade de registro de jornada de trabalho;


XI — troca do dia de feriado;
XII enquadramento do grau de insalubridade;
XIII — prorrogação de jornada em ambientes insalubres, sem licença
prévia das autoridades competentes do Ministério do Trabalho;
XIV — prêmios de incentivo em bens ou serviços, eventualmente
concedidos em programas de incentivo;
XV — participação nos lucros ou resultados da
empresa.
Obs.: Livre criação na espécie de registro de frequência, 161
como, por ex. registrar só as horas extras e não as normais.
Art. 611-A, X a XV
DIR.
MAT. VALIDADE DO NEGOCIADO SOBRE O LEGISLADO D DIR.
COL..

§ 1º No exame da convenção coletiva ou do acordo coletivo de trabalho, a Justiça


do Trabalho observará o disposto no §3º do artigo 8º desta Consolidação.

§ 2º A inexistência de expressa indicação de contrapartidas recíprocas em


convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho não ensejará sua nulidade por
não caracterizar um vício do negócio jurídico.

§ 3º Se for pactuada cláusula que reduza o salário ou a jornada, a convenção


coletiva ou o acordo coletivo de trabalho deverão prever a proteção dos
empregados contra dispensa imotivada durante o prazo de vigência do
instrumento coletivo. 162

Art. 611-A, §§ 1º a 3º
DIR.
MAT. VALIDADE DO NEGOCIADO SOBRE O LEGISLADO E DIR.
COL..

§ 4º Na hipótese de procedência de ação anulatória de cláusula de


convenção coletiva ou de acordo coletivo de trabalho, quando houver a
cláusula compensatória, esta deverá ser igualmente anulada, sem
repetição do indébito. Observe, matéria
também processual

§ 5º Os sindicatos subscritores de convenção coletiva ou de acordo


coletivo de trabalho deverão participar, como litisconsortes
necessários, em ação individual ou coletiva, que tenha como objeto a
anulação de cláusulas desses instrumentos.
163

Art. 611-A, §§ 4º e 5º
DIR.
MAT. VALIDADE DO NEGOCIADO SOBRE O LEGISLADO G DIR.
COL..

O § 2º fala da inexistência de contrapartida expressa e poderá gerar grandes


demandas, pois a contrapartida é a essência da negociação coletiva. O §3º
já é um avanço, garantindo o emprego em caso de redução de salários e
jornada, embora já previstos anteriormente (Lei 13.189/15, art. 50, V).

O § 4º traz uma diretriz não acolhida pelos tribunais trabalhistas que, quando
anulam uma cláusula de acordo ou convenção coletiva, não anulam a
contrapartida por ausência de previsão legal. Outro fato de extrema
relevância é a necessidade da presença dos sindicatos como litisconsortes
necessários nas ações anulatórias, inclusive as individuais, o que irá trazer
menor celeridade nas ações judiciais. 164
DIR.
MAT. COMENTÁRIO PROF. F DIR.
COL..

OBS.: O novo artigo fomenta a negociação coletiva - interesses da categoria.

Os direitos constitucionais, se refletem no artigo 611-B da CLT, embora de forma não exaustiva
e se negociados haverá nulidade, por “ilicitude”. Ao que parece a redação do art. quer passar a
ideia de ser taxativo

A negociação que sobrepõe à lei já ocorrem em alarga escala em negociações coletivas.

A judicialização é evitada com a extinção do § 1º do artigo 8º.

O item II exige a atualização da Súmula 437 do TST, impede a negociação de intervalo. 165

COMENTÁRIO PROF.
DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS A

Art. 611-B. Constituem objeto ilícito de convenção coletiva ou de


acordo coletivo de trabalho, exclusivamente, a supressão ou a redução
dos seguintes direitos:
I — normas de identificação profissional, inclusive as anotações na
Carteira de Trabalho e Previdência Social;
II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;
III — valor dos depósitos mensais e da indenização rescisória do
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS);
166

Art. 611-B, I a III


DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS B
IV — salário mínimo;
V — valor nominal do décimo terceiro salário;
VI — remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;
VII — proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua
retenção dolosa;
VIII — salário-família;
IX — repouso semanal remunerado;
X — remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em
50% (cinquenta por cento) à do normal;
167

Art. 611-B, IV a X
DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS C

XI — número de dias de férias devidas ao empregado;


XII — gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a
mais do que o salário normal;
XIII — licença-maternidade com a duração mínima de cento e vinte
dias;
XIV — licença-maternidade nos termos fixados em lei;
XV — proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos
específicos, nos termos da lei;
168

Art. 611-B, XI a XV
DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS D

XVI — aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo


de trinta dias, nos termos da lei;
XVII — normas de saúde, higiene e segurança do trabalho previstas em
lei ou em normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho;
XVIII — adicional de remuneração para as atividades penosas,
insalubres ou perigosas;
XIX — aposentadoria;
XX — seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador;
Obs. Avaliar se o inc. XVIII poderá alterar o grau de insalubridade 169

Art. 611-B, XVI a XX


DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS D
XXI — ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho,
com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e
rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de
trabalho;
XXII — proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e
critérios de admissão do trabalhador com deficiência;
XXIII — proibição de trabalho noturno, perigoso ou
insalubre a menores de dezoito anos e de qualquer
trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na
condição de aprendiz, a partir de quatorze anos; 170

Art. 611-B, XXI a XXIII


DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS E
XXIV — medidas de proteção legal de crianças e
adolescentes;
XXV — igualdade de direitos entre o trabalhador com
vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso;
XXVI — liberdade de associação profissional ou sindical
do trabalhador, inclusive o direito de não sofrer, sem sua
expressa e prévia anuência, qualquer cobrança ou
desconto salarial estabelecidos em convenção coletiva
ou acordo coletivo de trabalho;
171

Art. 611-B, XXIV a XXVI


DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS F
XXVII — direito de greve, competindo aos
trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-
lo e sobre os interesses que devam por meio dele
defender; XXVIII — definição legal sobre os serviços ou
atividades essenciais e disposições legais sobre o
atendimento das necessidades inadiáveis da
comunidade em caso de greve;
XXIX — tributos e outros créditos de terceiros;
XXX — as disposições previstas nos artigos 373-A
390, 392, 392-A, 394, 394-A, 395, 396 e 400 desta 172

Consolidação. Art. 611-B, XXVII a XXX


DIR.
MAT. DIREITOS INEGOCIÁVEIS E COMENTÁRIO PROF.

Parágrafo único. Regras sobre duração do trabalho e


intervalos não são consideradas como normas de saúde,
higiene e segurança do trabalho para os fins do disposto
neste
OBS.:artigo.
Direitos inegociáveis, em negociação coletiva.
Relembrar o artigo 7º da CF (direitos mínimos para os
trabalhadores).
O acréscimo ocorre na jornada de trabalho e no
descanso e refeição.
A Súmula do TST, n. 437 deverá ser atualizada.
173

Art. 611-B, § Único


ULTRATIVIDADE - COMENTÁRIO PROF. 1
DIR. DIR.
MAT. COL..

Art. 614. (permanece)


§3º Não será permitido estipular duração de convenção
coletiva ou acordo coletivo de trabalho superior a dois
anos, sendo vedada a ultratividade.
A inovação do § 3º no artigo 614 trará a necessária revisão da Súmula
277, do TST.
Terminada a vigência da Convenção Coletiva ou Acordo Coletivo não se
projetará, no tempo, a norma ficará vencida.

174

Art. 614 e § 3º
ULTRATIVIDADE - COMENTÁRIO PROF. 2
DIR. DIR.
MAT. COL..

A nova norma adota entendimento do STF que em


medida cautelar suspendeu todos os processos e
efeitos de decisões no âmbito da Justiça do Trabalho
que discutam a aplicação da ultratividade de normas
de acordos e de convenções coletivas.

A decisão, ainda a ser referendada pelo Plenário do


STF, foi proferida na Arguição de Descumprimento de
Preceito Fundamental - ADPF 323. 175

COMENTÁRIO PROF.
DIR. DIR.
MAT. ACORDO SOBRE A CONVENÇÃO COLETIVA COL..

Art. 620. As condições estabelecidas em acordo coletivo de trabalho


sempre prevalecerão sobre as estipuladas em convenção coletiva de
trabalho.

Houve uma mudança drástica nesse artigo.


Só poderia haver a prevalência de uma negociação coletiva sobre a
outra, se a norma fosse mais benéfica.

No julgamento eram analisadas duas teorias: (a) da acumulação e (b)


conglobamento. 176

Art. 620
DIR. DIR.
MAT. COMENTÁRIO PROF. COL..

O TST entendia que a norma válida – na ocorrência de conflito - é a mais


benéfica em seu todo.

Na nova redação, o princípio da aplicação da norma mais benéfica tente a


ser minimizado.

A norma trás a prevalência da autonomia da vontade coletiva.

177

COMENTÁRIO PROF.
DIR.
MAT. CORREÇÃO DAS MULTAS ADMINISTRATIVAS

Há TR anual e mensal, tem influência na


Caderneta de Poupança, FGTS e Títulos Públicos
Art. 634.
Os valores das multas administrativas expressos em moeda corrente
serão reajustados anualmente pela Taxa Referencial (TR), divulgada
pelo Banco Central do Brasil, ou pelo índice que vier a substituí-lo.

A inclusão do § 2º no artigo 634 define a TR como o índice de reajuste


para as multas administrativas evita a aplicação de outros índices.

Obs.: Os arts. 47, já transcrito e o 634 tratam de multas. 178

Art. 634
PARTE PROCESSUAL DA REFORMA
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

Art. 791 - Os empregados e os Slide novo. Vejamos


empregadores poderão reclamar na CLT que faz parte
pessoalmente perante a Justiça do do material didático os
Trabalho e acompanhar as suas arts. 791 e 840 § 1º.
reclamações até o final.
Isto é, continua o jus
postulandi.
Apresentação da petição inicial, com valor
de cada pedido, sob pena de imediata extinção, sem
conhecimento do mérito - §3º do art. 840 da CLT.

Art. 840 - A reclamação poderá ser escrita ou verbal.


§ 1° Sendo escrita,  a  reclamação  deverá  conter  a  designação do juízo, a
qualificação das partes, a breve exposição dos fatos de que resulte o dissídio, o
pedido, que deverá ser certo, determinado e com indicação de seu valor, a data e a 179
assinatura do reclamante  ou  de  seu  representante.
Art. 791/840 CLT,
CONTAGEM DE PRAZOS
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

Os prazos processuais serão contados em dias úteis, com exclusão do dia do


começo e inclusão do dia do vencimento (artigo 775 da CLT).

Anteriormente eram contados de forma contínua. A alteração acompanha o CPC


de 2015).

Esta é uma mudança requer atenção na transição de regras, para evitar


transtornos. A Nova Lei não trás regra de transição.
Para D. Processual se aplica o art. 14 e
180
seguintes do CPC, subsidiariamente.
Para o Direito Material o art. 2.035 do C Civil
CUSTAS PROCESSUAIS
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

Fica estabelecido o limite máximo do valor das custas processuais em 4


vezes o limite dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social.
Na atualidade o teto previdenciário para 2017 é de R$ 5.531,31.
O limite é de R$ 22.125,24.
O percentual de custas permanece em 2%.

181
JUSTIÇA GRATUITA
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

Regime Geral
Previdência Social

O benefício da justiça gratuita será concedido apenas aos que receberem


salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos benefícios do RGPS.
Em 2017 é o valor de R$ 2.212,52, ou à parte que comprovar insuficiência
de recursos para pagamento das custas do processo.
A diferença é que antes a mera declaração de insuficiência financeira era
suficiente para atrair o benefício.
182
SUCUMBÊNCIA
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

A parte sucumbente no objeto de perícia é responsável pelo pagamento


dos honorários periciais, ainda que beneficiária da justiça gratuita.

A Súmula 451 do TST, deverá ser revista, pois ela contraria a nova norma.
observe
observe

Os honorários periciais poderão ser parcelados, mas o juiz não poderá


exigir o adiantamento de valores para a realização de perícias - artigo
790-B da CLT. 183
HONORÁRIOS 1
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

Serão devidos honorários de sucumbência, entre 5% e 15% sobre o valor


de liquidação da sentença, sobre o proveito econômico obtido ou sobre o
valor atualizado da causa.

São devidos honorários mesmo quando o(a) advogado(a) atue em causa


própria, quando a parte estiver assistida pelo sindicato de sua categoria,
nas ações contra a Fazenda Pública e na reconvenção.
184
HONORÁRIOS 2
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

Havendo procedência parcial, o juiz arbitrará sucumbência recíproca.


É vedada a compensação entre os honorários.
Se a parte vencida for beneficiária da justiça gratuita e não obter proveito
econômico, o crédito fica suspenso e decai após decorridos dois anos do
trânsito em julgado - artigo 791-A e §§ da CLT);

185
LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ - COMENTÁRIO PROF. 1
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

A má-fé é inovação dos arts. 793-A a 793-D da CLT, assemelhada á previsão do CPC/15.
Art. 793, a 793-C
Nova Lei

Litigante de má-fé peticiona contrariamente a texto de Lei expresso ou fatos


incontroversos, quem altera a verdade dos fatos, usa do processo para obter objetivo
ilegal, resistir injustificadamente ao andamento do processo, proceder de modo
temerário em qualquer incidente ou ato do processo, provocar incidente
manifestamente infundado ou interpuser recurso com intuito protelatório.

A pena, multa, varia entre 1 a 10% sobre o valor corrigido da causa. Aplicável em
testemunhas, que dolosamente alterar a verdade dos fatos ou omitir fatos
essenciais ao julgamento da causa 186
LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ - COMENTÁRIO PROF. 2
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

• Os Reclamados poderão arguir exceção de incompetência territorial. O prazo é de


5 dias do recebimento da notificação.
• O pedido deve ser apresentado antes da audiência, em petição em separado.
• O processo ficará suspenso até decisão do pedido. ATENÇÃO

• O autor será intimado para o exercício do contraditório, em cinco dias.


• O Reclamado poderá produzir prova testemunhal, por meio de carta precatória no
juízo alegado como competente.
• Após a decisão o processo retoma seu andamento no juízo julgado como
competente.
Leia o art. 800 CLT
• Da decisão não é previsto de recurso (ver art 800 da CLT). 187
DO ÔNUS DA PROVA e ÔNUS PROCESSUAIS COMENTÁRIO PROF. 1
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

O ônus da prova foi alterado e seguiu a orientação do CPC de 2015:


1. Ao autor - provar o fato constitutivo do direito alegado,
2. Ao réu - alegar e provar os fatos impeditivos, modificativos ou extintivos do direito alegado
3. O julgador antes da instrução poderá, de forma fundamentada, redistribuir o ônus da prova, ver
art. 818 da CLT. observe

4. O preposto do réu não precisa ser empregado da ré, ver art. 843 da CLT.
5. O ausência do empregado, mesmo beneficiado pela Justiça Gratuita arcará com custas
processuais em caso de arquivamento por ausência injustificada à audiência. O pagamento das
custas é pré-requisito para interpor uma nova ação. Para a isenção das custas o autor terá prazo
de 15 dias, para provar justo motivo legal para o não comparecimento.
188
DO ÔNUS DA PROVA e ÔNUS PROCESSUAIS COMENTÁRIO PROF. 2
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

6. Ausência da ré: aplicação da revelia e confissão ficta dos fatos alegados.


7. Na ausência da ré, na audiência de contestação e presente seu o advogado, art.
844 da CLT, prevê a possibilidade de juntar a peça de defesa e documentos.
8. A pena de confissão não será aplicada, nas seguintes condições:
8.1. se houver mais de um réu e se um deles tiver contestado a ação,
8.2. quando o litígio versar sobre direitos indisponíveis,
8.3 se a petição inicial não estiver acompanhada de instrumento que a lei considere
indispensável à prova do ato,
8.4 quando as alegações de fatos narrados na inicial forem inverossímeis ou em
contradição com prova já existente nos autos.
189
PARA LEMBRAR ISTO NÃO MUDOU
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

A contestação, poderá ser verbal, se Slide novo.


eletrônica, deve ser apresentada antes Vejamos o art. 847
da audiência, poderá ser um minuto na CLT que faz
antes. parte do material
didático
Exceção, quando houver
precedentes jurisprudenciais Art. 874 O pedido de desistência, por parte
contrários ao pedido do do empregado, se apresentada a
reclamante poderá fazer o contestação deverá ter concordância do
pedido de desistência sem a reclamado
concordância do reclamado.
Art. 1040 CPC Para Lembrar: De forma geral não
se faz prova negativa

A prova diabólica: excessivamente difícil de ser 190


produzida, por ex., ter de provar que algo ocorreu ou
não, quando o Juiz pode transferir o ônus da prova.
Desconsideração da Pessoa Jurídica – comentário prof. 1
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

É prevista no Processo do Trabalho a desconsideração de personalidade jurídica da ré previsto


nos artigos 133 a 137 do CPC/5;
A instauração do processo incidente, suspenderá o processo original em curso.
Não caberá recurso dalembrar:
Só para decisão incidental
Incidente que aceita
de Desconsideração da PJ:. Éou não
uma a alegação
decisão tem naturezada desconstituição de
interlocutória:
personalidade realizado nadefase
1. na fase de instrução
conhecimento, do processo;
não cabe recurso de imediato, conforme art. 893, §1º da CLT;
2. na execução, cabe agravo de petição, sem necessidade de garantia;
Na fase de execução do processo, caberá recurso de agravo de petição independentemente da
3. no tribunal, cabe a agravo interno contra decisão de relator.
garantia do juízo, ou agravo interno se o processo é de competência originária do Tribunal,
Prescrição:
Ocorre a prescrição intercorrente no prazo de 2 anos, que se inicia quando o exequente deixa de cumprir
conforme, o art. 855-A da CLT. determinação judicial
DIR.
DIR.
PROC.
PROC. Competência da JT p/homologação de acordo extrajudicial - Comentário Prof.

Foi ampliada a competência da Justiça do trabalho para o processo de


homologação de acordo extrajudicial.
O processo inicia por pedido conjunto. Cada parte será representada,
obrigatoriamente, por advogado diversos.
O processo suspenderá o prazo prescricional e não o prazo das parcelas
rescisórias. O prazo prescricional voltará a transcorrer no dia útil seguinte, se
negada a homologação judicial.
O prazo da analise judicial é previsto para 15 dias, podendo ser designada
audiência, conforme os arts. 855-B a 855-E da CLT. 192
DIR.
DIR.
PROC.
PROC. Fase Executória do Processo - Comentário Prof.

A execução processual é de responsabilidade das partes, exceto prescrição


intercorrente.
A execução de ofício pelo Juízo ou Tribunal, caberá só nos em casos de inexistir
representação das partes por advogados, o mesmo para casos de competência
originária dos Tribunais Regionais, conforme art. 878 da CLT.
A liquidação de sentença, por prazo comum, poderá ser impugnada em 8 dias.
Conforme o art. 879 da CLT, a atualização monetária dos créditos será feita pela
“TR” - Taxa Referencial.
Há TR anual e mensal, tem influência na 193
Caderneta de Poupança, FGTS e Títulos Públicos
DIR.
DIR. Fase Executória do Processo – Inclusão do devedor em órgão de proteção
ao crédito - Comentário Prof.
PROC.
PROC.

Após 45 dias da citação do executado, não ocorrendo a garantia do juízo, há


previsão pelo art. 883-A da CLT da inclusão dos nomes dos executados no
BNDT, em cartório de protesto ou em sistemas dos órgãos de proteção ao
crédito.
O art. 896, §1º-A da CLT, exige a obrigatória transcrição do trecho dos
embargos de declaração em que foi pedido o pronunciamento do Tribunal e o
trecho do acórdão que rejeitou os embargos, na hipótese de preliminar de
nulidade por negativa de prestação jurisdicional, sob pena de não
conhecimento do Recurso de Revista.
194
DIR.
Recurso de Revista - Comentário Prof. 1
DIR.
PROC.
PROC.

O Recurso de Revista foi regulamentado, são pré-requisitos, de forma não exaustiva,


transcendência:
1. econômica, ante o elevado valor da causa;
2. política, ante o desrespeito da instância recorrida à jurisprudência sumulado do TST ou do
STF;
3. social, ante a postulação, dos autores, de direito social constitucionalmente assegurado e
4. jurídica, ante a existência de questão nova em torno de interpretação de legislação
trabalhista.
OBS.: O relator poderá sustar seguimento do recurso, de forma monocrática, em caso de não
haver a transcendência recursal. O remédio processual será o agravo para o colegiado, cabe
sustentação oral . 195
DIR.
Recurso de Revista - Comentário Prof. 1
DIR.
PROC.
PROC.

Em caso de manutenção, a decisão é irrecorrível no âmbito do TST. Em caso de decisão


monocrática que considerar ausente a transcendência da matéria recursal em sede de agravo de
instrumento em recurso de revista, a decisão é irrecorrível. O juízo de admissibilidade do recurso
de revista pela Presidência dos Tribunais Regionais limita-se à análise dos pressupostos
intrínsecos e extrínsecos, não abrangendo o critério da transcendência (artigo 896-A e parágrafos,
da CLT);

196
Deposito Recursal - Comentário Prof.
DIR.
DIR.
PROC.
PROC.

O depósito recursal será feito em conta vinculada ao juízo e será corrigido com os
mesmos índices da poupança. Novidade, o depósito poderá ser substituído por fiança
bancária ou seguro garantia judicial.
MEI, ME e EPP

Entidades sem fins lucrativos, empregadores domésticos, microempreendedores


individuais, microempresas e empresas de pequeno porte terão redução de 50% do
valor do depósito.

Os beneficiários da justiça gratuita, entidades filantrópicas e empresas em


recuperação judicial são isentos do depósito recursal, a base é o art. 899 e §§, da CLT;
Exclui 197
Recuperação
extrajudicial
SÓ PARA LEMBRAR

O art 8º da CLT, determina que as Súmulas do TST Súmulas e outros enunciados de


jurisprudência do Tribunais Regionais não poderão restringir direitos legalmente
previstos e nem criar obrigações que não estejam previstas em lei, o que garante
que normas interpretativas deverão ser reeditadas.

Obrigado!
Tenho a expectativa que demos o nosso máximo.
Se houver dúvida, em até 60 dias após o nosso curso, contate-me, via
e-mail: jeronimo@leiria.com.br
198