Você está na página 1de 1

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E SAÚDE

CURSO DE PSICOLOGIA
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO
LOCAL: Universidade Católica de Santos
Aluno: Davi Daniel de Souza Ferreira
ORIENTADORA: Profª Dra. Thalita Lacerda Nobre

INTERNET E SUBJETIVIDADE NO SÉCULO XXI: RESULTADOS:


UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS DA INTERNET NO SUJEITO PÓS- Confirmamos que a tecnologia – e com seu bastião a Internet -
MODERNO tem nos moldado subjetivamente, não só agora, mas desde o
INTRODUÇÃO seu surgimento e mais, que tem promovido o retorno à uma
Se você encontrou este banner por estar procurando pelo tema ou esbarrou condição de atos mágicos reinventados e expressados através
nele ao acaso e decidiu dar uma olhada, posso fazer uma aposta bem segura - da onipotência sentida e proporcionada pelas novas e rotineiras
não é necessária nenhuma leitura de mentes – de que a Internet faz parte de tecnologias da pós-modernidade, envolvendo aspectos que vão
algum aspecto rotineiro da sua vida. Seja através dos nossos famosos e de redes sociais e a complexidade das relações humanas até a
versáteis smartphones , das redes sociais cibernéticas ou dos conhecidos ética diante de inteligências artificiais que podem nos superar e
mecanismos de pesquisa (talvez alguns deles tenham trazido você até aqui ainda ter consciência disso – ou não.
inclusive, em vários sentidos), a Web, mesmo indiretamente, faz parte das O tópico é gigantesco e as possibilidades de estudo olhando para
nossas vidas. como nossa subjetividade se modifica vão ainda além de tudo
Por isso, para entendermos essa nova dimensão da realidade humana, que descrevemos, sendo – como humildemente reconhecemos –
proponho uma pequena viagem no tempo e no espaço, navegando pelo nosso apenas uma introdução a um campo tão infinito quanto são as
passado, redescobrindo nosso presente e com vislumbres de possibilidades do possibilidades da subjetividade e da tecnologia humanas.
futuro que estamos construindo em nossa relação com e através da tecnologia. No entanto, e correndo o eterno risco da condescendência com
Com os avanços tecnológicos em um crescimento praticamente exponencial, meu próprio período histórico, é o ecletismo e o ceticismo
aliados com o acesso à smartphones cada vez mais facilitado (possuímos mais característicos da pós-modernidade que propiciam o espaço,
celulares que pessoas no Brasil hoje), mudanças significativas na sociedade talvez não ideal, mas pelo menos possível, para abordarmos e
ocorrem com um período de latência cada vez menor, o que demanda estudos refletirmos sobre questões que são da Psicologia e de outras
e pesquisas cada vez mais atualizadas para melhor entendimento de como a ciências, mas não se restringem nem à ela nem às outras,
internet e seus instrumentos têm se implantado no cotidiano, e como a transcendendo nossa compreensão atual e nos dando novas
Psicologia trabalha com esse novo universo de possibilidades e seus prováveis portas para pensarmos em possibilidades que nunca tivemos na
impactos nas relações humanas. História.
Dito isso, é sempre interessante ressaltar que não há um
OBJETIVO
definidor de valor positivo ou negativo atrelado imediatamente à
Investigar as formas pelas quais o uso da Internet tem se enraizado no
Internet, porque, apesar do apelo da série Black Mirror em
cotidiano das relações humanas e verificar se isso tem modificado a
mostrar o aspecto extremo e por vezes deturpado do uso da
subjetividade e consequentemente as atitudes de indivíduos em sua relação
tecnologia, não é a tecnologia o componente adoecido, mas sim
com mundo e com o outro.
o homem, e por isso o foco da produção é apontar como a nossa
REFERENCIAL TEÓRICO subjetividade e nossas relações se modificam pela nossa escolha
Para estabelecer a base dessa pesquisa e a construção da análise, foram diante da tecnologia, e não o contrário.
utilizadas 70 fontes, que vão desde obras clássicas de Sigmund Freud até O que temos na série é um aviso - pintado com letras garrafais
notícias atualizadas sobre avanços tecnológicos do presente, além de artigos e para que não passe despercebido - de que devemos pensar
teóricos de diversas áreas como Filosofia, Ciências da Comunicação, Ciência constantemente no mundo que criamos com os instrumentos que
da Informação, entre outros, além das pesquisas em Psicologia. Os principais temos e que já está na hora de pensarmos no mundo que
autores utilizados foram Freud; Lasch; Birman, J.; Cosentino, L; Iamarino, A. queremos criar, e o que mudaremos na nossa subjetividade para
METODOLOGIA obtê-lo.
Essa pesquisa pode ser classificada como qualitativa e será de natureza
exploratória, o que, de acordo com Gil (2002, p. 41), tem como objetivo CONSIDERAÇÕES FINAIS:
“proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais Por fim, vemos que nosso narcisismo tem sido potencializado,
explícito ou a constituir hipóteses”. Assim, realizou-se uma pesquisa mas também nosso conhecimento, o animismo tem retornado,
bibliográfica, pois é um procedimento técnico que permite ao investigador “a mas em contrapartida nossa preocupação com os aspectos de
cobertura de uma gama de fenômenos muito mais ampla do que aquela que dependência da tecnologia também tem aumentado. Assim,
poderia pesquisar diretamente” (GIL, 2010, p. 45). reafirma-se que a contradição e dualidade são as regras da
PERÍODO contemporaneidade e talvez – e aqui fica o otimismo – através
A pesquisa foi realizada no período de março à novembro de 2016 . desses paradoxos encontremos um equilíbrio no nosso tempo.
Esperamos que, da mesma forma que o fato de aprendermos a
PROCEDIMENTOS: usar instrumentos nas épocas primitivas nos tornou mais
Em sequência ao embasamento teórico – e também através dele – realizamos inteligentes, sociáveis e mais humanos, que a tecnologia tenha o
uma análise da aclamada ontologia britânica Black Mirror (atualmente mesmo propósito no presente, para evitarmos a realidade de um
distribuída pela Netflix), mais especificamente no último episódio de sua futuro distópico como o daquele chalé cercado de neve.
segunda temporada: “White Christmas” (Natal).
A série se configura em dois eixos centrais: como a tecnologia e a sociedade
se conectam, e como é a relação com o outro mediada pela tecnologia, assim
se apresenta como um rico material de análise e reflexão psicológica.

Bibliografia: ALMEIDA T. e CANEZIN P. F. M. (2015) O ciúme e as Redes Sociais: Uma Revisão Sistemática. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v19n1/v19n1a12.pdf
ALMEIDA T. e LOURENÇO M. (2011). Ciúme romântico: um breve histórico, perspectivas, concepções correlatas e seus desdobramentos para os relacionamentos amorosos. Disponível em:
http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/17548/1/2011_art_talmeidamllouren%C3%A7o.pdf
ALMEIDA, T. e RODRIGUES, K. R. B. SILVA A. A. (2008), O ciúme romântico e os relacionamentos amorosos heterossexuais contemporâneos - disponível em http://www.scielo.br/pdf/epsic/v13n1/10.pdf
BAUMAN, A. (2003), Amor Líquido, Sobre a fragilidade dos lações humanos. Editora: Zahar
DEL PRIORE, M. (2005), História do Amor no Brasil. Editora: Contexto
FIGUEIREDO, L. C. M. e SANTI, P. L. R. (2008) Psicologia uma (nova) introdução. Editora da PUC-SP: EDUC
FREIRE, B., MACHADO D., QUEIROZ, F., BEZERRA, L., FREIRE, R. S., VASCONCELOS, A. J. & CRUZ, K. (2010). Paixão, ciúme e traição: A “liquidez” das relações humanas no ciberespaço. Acesso em 24/09/2016 de http://www.bocc.ubi.pt/pag/aavv-paixao-
ciume-e-traicao.pdf.
GIL, ANTÔNIO CARLOS. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, (2002). Disponível em: https://professores.faccat.br/moodle/pluginfile.php/13410/mod_resource/content/1/como_elaborar_projeto_de_pesquisa_-_antonio_carlos_gil.pdf>
Acesso em: 04 de maio de 2016.
Hintz, H. C. (2003). O ciúme no processo amoroso. Pensando Famílias, 5(5), 45-55.
KRAUT, R., OLSON, J., BANAJI, M., BUCKMAN, A., COHEN, J. & COUPER, M. Psychological Research Online: Opportunities and Challenges. Disponível em http://www.apa.org/science/bsaweb-agcri.html.
MIRSKY, S. V. V., JURBERG, P. & JURBERG, G. B. (2002). Ciúme romântico. Evolucionismo e aprendizagem social. Scientia Sexualis, 8(1), 65-88.
SIGMUND. F (1922), Alguns mecanismos neuróticos no ciúme, na paranoia e no homossexualismo.
_____. (1910[1909]), Sigmund Freud Volume XI, Cinco lições de psicanálise, Leonardo Da Vinci e outros trabalhos. Editora Imago, Rio de Janeiro.
_____. (1914-1916), Sigmund Freud Volume 12, Introdução ao Narcisismo, Ensaios de Metapsicologia e outros textos. Companhia das Letras.
_____. (1923-1925), Sigmund Freud Volume 16, O eu e o ID, “autobiografia” e outros textos. Companhia das Letras.
SILVEIRA, M. D. P. Efeitos da Globalização e da Sociedade em Rede Via Internet na Formação de Identidades Contemporâneas – disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932004000400006
SILVERSTONE, R. Por que Estudar a Mídia? São Paulo: Loyola, 2002.
TOLEDO, M. T. (2013), Uma discussão sobre o ideal de amor romântico na contemporaneidade: do Romantismo aos padrões da Cultura de Massa – disponível em http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br/ojs/index.php/Midecot/article/view/50
VIEIRA N. D e SIRELLI M. N. (2014), Os mecanismos psíquicos do ciúme na psicanálise – disponível em http://www.psicanaliseebarroco.pro.br/revista/revistas/24/PeBRev24_15_Vieira.pdf
ZIMERMAN, D. E. (1999), Fundamentos Psicanalíticos, Teoria, técnica e clínica. Editora: Artimed