Você está na página 1de 38

PODER

e
POLÍTICA 2013.2

Bárbara
Guimarães
PODER

• Breve histórico
• O poder organizacional
• O poder grupal
• O poder individual
• Jogos políticos
• Poder como componente da cultura organizacional
Coisas que mudam as pessoas: entre elas, o Poder
O que é o poder
• É a capacidade de influenciar para
obter o que se quer (ROBBINS)
– Pode ter poder, sem usá-lo
– É real ou potencial
• Mintzberg define o poder como a
capacidade de afetar resultados
organizacionais.
PODER E LIDERANÇA
LIDERANÇA PODER
• Usa o poder para • Não requer
atingir objetivos congruência de
• Requer objetivos
congruência de • Requer
objetivos do líder e dependência
liderado
PODER ORGANIZACIONAL,por
Mintzbergé um jogo de poder
comportamento organizacional

Elementos básicos : jogadores ou players ou influenciadores


tentam controlar as ações, direcionar os resultados
Influenciadores podem ser de dentro da organização ou de fora

Usam meios e sistemas de influência (autoridade, ideologia, perícia


e política).

Para entender a dinâmica organizacional é necessário identificar os


influenciadores e suas necessidades

• .
• O influenciador precisa saber controlar recursos, ter
habilidade técnica, ter conhecimento de interesse da
organização, ter acesso ao poder.
BASES DO PODER
COERCITIVO

FORMAL DE
(posição, status) RECOMPENSA

LEGÍTIMO
BASES

DE
REFERÊNCIA
PESSOAL
(características
individuais)
DE
COMPETÊNCIA
PODER FORMAL
PODER COERCITIVO
• Deriva da percepção que uma pessoa
tem sobre a capacidade que o detentor
de poder possui para punir ou
recomendar sanções a quem não
obedece às suas ordens.
• Ou seja ...
– É baseado no medo, no castigo, punição
– E nas organizações, demitir, suspender,
rebaixar
PODER FORMAL
PODER DE RECOMPENSA
• Uma pessoa se submete à vontade de
outra porque terá vantagem ou
benefício.
• As recompensas podem ser
financeiras (bônus, aumento de
salário) ou não (promoções, tarefas
melhores, escolha de turno, etc.).
PODER FORMAL
PODER LEGÍTIMO
• Trata-se do acesso formal ao controle
dos recursos de acordo com a posição
exercida.
• É mais amplo, pressupõe a aceitação
da autoridade de um cargo, está
associado à hierarquia.
PODER PESSOAL
PODER DE COMPETÊNCIA
• Resultante da perícia, habilidade ou
conhecimento distintos.
PODER PESSOAL
PODER DE REFERÊNCIA
• Resultante da identificação com
alguém que possua recursos ou
características almejadas.
• Qual a base de poder mais eficaz (a
formal ou a pessoal?
• Pesquisas sugerem que as bases de
poder pessoal são mais eficazes.
– Revelam satisfação dos trabalhadores
com seus gestores, compromisso com a
organização.
PODER ORGANIZACIONAL,por
Mintzberg:
BASES DO PODER
• O influenciador é poderoso na medida que
usa de forma eficaz as bases do poder.
1. Controle de recursos (insumos, apoio, dinheiro,
tecnologia, materiais, etc).
2. Competência ou habilidade técnica (especialista).
3. Conhecimentos de interesse da organização
(advêm da circulação de informação).
4. Vantagem (benefício, direito) legal.
5. Acesso aos poderosos (aqueles que controlam
bases de poder na organização através de
ligações formais e informais).
DEPENDÊNCIA:
a chave para o poder
• Postulado geral
• O que cria
– Importância. Capacidade de absorver
incertezas vista como recurso importante.
– Escassez. Ex. Lamborghini.
– Não substituição.
TÁTICAS DE INFLUÊNCIA
pesquisas revelam

1. Legitimidade (autoridade exercida).


2. Persuasão racional (uso de argumentos lógicos).
3. Apelo inspiracional (valores, ideias, esperanças,
aspirações).
4. Consulta (envolvimento e participação de pessoa
desejável).
5. Troca (de benefícios ou favores).
6. Apoio (pela amizade ou lealdade).
7. Insinuação (bajulação, elogios).
8. Pressão (avisos, exigências, ameaças).
9. Coalizão (alianças).
TÁTICAS DE INFLUÊNCIA
preferidas conforme direção da influência

INFLUÊNCIA INFLUÊNCIA INFLUÊNCIA


ASCENDENTE DESCENDENTE LATERAL
• Persuasão • Persuasão • Persuasão
racional racional racional
• Apelo • Consulta
inspiracional • Insinuação
• Pressão • Troca
• Consulta • Legitimidade
• Insinuação • Apelo pessoal
• Troca • Coalizão
• Legitimidade
PODER ORGANIZACIONAL
Configurações de Mintzberg

As configurações mostram como o poder flui


dentro e ao redor da organização, as COALIZÕES
INTERNAS E EXTERNAS usadas pelos influenciadores

TIPOS DE ORGANIZAÇÃO:
1. AUTOCRACIA.
2. INSTRUMENTAL.
3. MISSIONÁRIA.
4. MERITROCRACIA.
5. SISTEMA AUTÔNOMO.
6. ARENA POLÍTICA.
.
PODER ORGANIZACIONAL
Coalizão
Coalizão é aliança formada por pessoas que atuam
para alcançar determinados objetivos.

• composta por influenciadores de diversas


origens ou grupos, proprietários
(cooperativados, instituições, pessoal),
associações de empregados ou profissionais,
EXTERNA
grupos como famílias, formadores de opinião,
de interesse – movimentos ou ações
comunitárias, Governo e Conselho Diretor
(coalizão formal).

• INTERNA. são os membros da organização


que usam jogos de poder através de quatro
sistemas de influência. Sistema de autoridade,
ideológico (tradições, crenças, símbolos,
INTERNA
mitos), de especialistas e o sistema político ou
grupo de infuenciadores que tentam mudar os
interesses organizacionais em favor pessoal
ou grupal.
Configurações de poder

SIST. ARENA
AUTOCR MERITO MISSION INSTRU
ITEM AUTÔN POLÍTIC
ACIA CRACIA ÁRIA MENTAL
OMO A

Coalisão Personaliz Profission Burocrátic Burocrátic


Ideológica politizada
Externa ada al a a

Coalisão Dominador
Passiva Passiva Passiva Passiva Dividida
Interna a

De
De De De De Sist.
Influência especialist
autoridade autoridade ideologia autoridade Politico
as
Do Ideologica
De infl. Fluida/dist
Metas Influenciad Idem Claras s ou
Externo orc.
or utopicas
Crenças
Influenciad Especialist administra Indiv. /
CEO ou vários
or a dores grupo ext.
ideologias
PODER GRUPAL
• As organizações são formadas por
indivíduos e grupos com os mais
diferentes interesses.
• Para Handy (1986), os grupos são
essencias à dinâmica/funcionamento
das organizações pelos aspectos
formais e informais.
• Os grupos passam por estágios de
crescimento.
PODER GRUPAL
estágio, fase, características

FORMAÇÃO PERSONALISTA NORMATIVO DESEMPENHO


PERSONALISTA

BUROCRÁTICO

COLETIVISTA

CÍVICO
Reconhecimento dos Forte agenda Coesão grupal Fortalecimento do
membros, Fixação pessoal, (união), identificação desempenho grupal
da identidade despersonalização com os membros do sem influência das
pessoal, Discussão do poder, o poder é grupo, fortalecimento agendas pessoais,
de objetivos e formas o sistema de regras. do poder coletivo do produtividade,
de funcionamento, grupo, normalidade estratégias de
Individualismo de funcionamento. análise e crítica,
acentuado, admissão de falhas
Estruturação e do grupo, direitos-
nornas. deveres, limites eu-
outro, compromisso
com a cidadania.
PODER INDIVIDUAL
• A importância dos grupos e do seu estudo para as
organizações é inegável principalmente pelos aspectos
subjetivos.
• De outro lado, procura influenciar as metas e resultados
organizacionais através do jogo de poder.
• No nível grupal acontecem as mais pesadas rodadas,
onde cada indivíduo tem sua parcela de contribuição
maior ou menor, pode ser afetado mais ou menos.
• Mesmo assim, há correntes de estudo que afirmam que o
indivíduo é o principal mentor do comportamento
organizacional.
PODER INDIVIDUAL
• O poder é visto, nesse enfoque, como a possibilidade
dos indivíduos construirem significados.
• Gabriel (1999) criou os estilos ou tipos de caráter para
compreender o poder individual dentro das
organizações através das relações de dependência-
independência.
• Foi desenvolvida a partir dos estudos freudianos de
desenvolvimento infantil e representa como a pessoa
vivencia a organização.
PODER INDIVIDUAL: tipo psicológico

NARCISITA OBSSESSIVO COLETIVISTA

• Preocupado com seu • Regido pela • A organização é um


bem-estar, fortes valores necessidade de ordem, grupo perfeito que
individualistas, controle e disciplina. define o que é bom ou
estabelece dependência • Supervalorização de ruim.
com a organização, regras, rotinas e • Orgulhosos de
precisa do seu comportamentos pertencerem ao grande
reconhecimento e baseados na repetição. grupo, sentem-se
estímulo, • Busca segurança na amados, incluídos, forte
• a organização é um organização, quanto compromisso e lealdade
palco onde expressa mais rígida melhor. à organização.
seus sentimentos de • Adora tradição e odeia • Faz o que o chefe
onipotência, beleza e mudanças. O tipo de manda sem pensar,
grandeza. organização porém a ideologia do
• É mais presente na Instrumento. grupo é mais importante
Autocracia. (o bem comum).
Organização
Missionária.
PODER INDIVIDUAL: tipos de caráter

• Motivado pela realização,


• gosta de trabalhar muito para ter sucesso,
• tem orgulho de seus empreendimentos, gosta de status e sucesso.
INDIVIDUALISTA • Precisa de reconhecimento e audiência externa pelo que faz.
• Mais comprometido com a profissão do que a organização.
HERÓICO • Relação de independência em relação à organização.
• Comporta-se de forma individualiza e as frustrações são impulsionadoras de
novas realizações.
• Típico da Meritrocracia.

• Acreditam na sua competência,


• o valor é um valor supremo para progredir e a organização é imprescindível à
INDIVIDUALISTA sua ascensão profissional.
• A organização devem oferecer oportunidades igualitárias, são utilitaristas.
CÍVICO • São mais encontrados no Sistema Autônomo.
• A organização é um espaço para a cidadania, assume responsabilidade social
com claros limites.
JOGOS DE PODER
• Jogos de poder são usados quando a(s)
pessoa(s) se sentem incapazes de obter o
quer de forma direta e ética.
• Assim, nas organizações os jogos são um
instrumento para promover as mudanças que
ao indivíduo ou grupo interessam que
aconteçam.
• Para Mintzberg, o comportamento
organizacional é um jogo de poder onde
influenciadores (jogadores) agem para
controlar as ações, decisões e resultados da
organização.
JOGOS DE PODER
• Cada organização tem seu jogos mais
característico.
• Alguns jogos são mais comuns em umas
empresas e assim por diante.
• Os jogos se constituem instrumentos de ação e
relação do poder.
• São construções sociais que movimentam a
organização, reforçam significados ou tentam
alterar as suas características.
PODER ORGANIZACIONAL: tipos de jogos

RESISTÊNCIA À
•REBELDIA OU PASSIVIDADE
AUTORIDADE, PERÍCIA, • Acontecem nos processos de mudança para reverter as decisões. Podem ser sutis ou agressivos.
IDEOLOGIA
CONTENÇÃO DA •CONTRA-RESISTÊNCIA.
RESISTÊNCIA À • A maioria das ‘falhas’ são organizacionais, porém os gerentes atuam no nível pessoal, o que além de não
resolver, gera de ambos os lados conflitos.
AUTORIDADE
• Patrocínio (com superiores);
CONSTRUIR BASES DE • Construção de alianças , construção de império (ação para ter mais subordinados, territórios),
orçamento (alocar mais recursos),
PODER • Perícia ou especialização (reais ou não), dominação.

• LINHA X STAFF (conflito entre poder formal e informal),


DERROTAR RIVAIS • CAMPOS RIVAIS (geralmente em mudanças).

FAZER MUDANÇAS • CANDIDATOS ESTRATÉGICOS (lutam, elegem líder),


• DENÚNCIA, JOVENS TURCOS (alto escalão para tomar o poder, patrocinam profundas mudanças
ORGANIZACIONAIS na organização).
PODER E CULTURA ORGANIZACIONAL:
tipos de jogos

• Ao se pesquisar ou observar o poder


na organização está sendo
investigada também a cultura
– porque rituais, mitos, crenças e valores
se constituem no seu poder invisível.
• A cultura então pode se perpetuar
através da ação dos influenciadores,
– ou seja pelo poder individual, grupal,
organizacional e da sociedade.
PODER E POLÍTICA

ROBBINS.
Fonte:
Baseado em pesquisa da Accountemps, 522 trabalhadores. USA Today, 2008.
POLÍTICA ORGANIZACIONAL

COMPORTAMENTO POLÍTICO
• Atividades que não são requeridas como parte do papel formal
• Influenciam a distribuição dos vantagens (recursos)

COMPORTAMENTO POLÍTICO LEGÍTIMO


• Cotidiano
• Faz parte da vida

COMPORTAMENTO POLÍTICO ILEGÍTIMO


• Viola as regras estabelecidas (sociais)
• Pegam pesado
POLÍTICA ORGANIZACIONAL
POLÍTICA GESTÃO
COLOCAR CULPA NO OUTRO ATRIBUIR RESPONSABILIDADE
BAJULAÇÃO AMPLIAR RELACIONAMENTOS
ADULAÇÃO DEMONSTRAR APOIO
PASSAR O “ABACAXI” DELEGAR AUTORIDADE
DEFENDER SUA RETAGUARDA DOCUMENTAR AS DECISÕES
GERAR CONFLITOS ESTIMULAR A MUDANÇA E INOVAÇÃO
FORMAR COALIZÕES FACILITAR TRABALHO DE EQUIPE
“DEDURAR” MELHORAR EFICIÊNCIA
CONSPIRAR PLANEJAR
EXCEDER NAS REALIZAÇÕES SER COMPETENTE E CAPAZ
SER AMBICIOSO PREOCUPAÇÃO COM CARREIRA
SER OPORTUNISTA SER ESPERTO
SER ASTUTO SER PRÁTICO
SER ARROGANTE SER AUTOCONFIANTE
SER PERFECCIONISTA SER ATENTO AOS DETALHES
FATORES IMPULSIONADORES

FATORES INDIVIDUAIS
• Autocontrole
• Oportunidade
• Desejo
• Baixa confiança
COMPORTAMENTO
POLÍTICO
BAIXO  ALTO
FATORES ORGANIZACIONAIS
• Mudança na
alocação de recursos
• Sistema de avaliação pouco-
RECUSOS FAVORÁVEIS
• RECOMPENSAS
claro
• Pressão • REDUÇÃO DE PUNIÇÕES

• Concentração de poder
RESPOSTAS À POLÍTICA

PERCEPÇÃO
REDUZ SATISFAÇÃO
NO TRABALHO

AUMENTO DA
ANSIEDADE E
ESTRESSE

AUMENTO DA
ROTATIVIDADE

DECLÍNIO DO
DESEMPENHO
GERENCIAMENTO DA IMPRESSÃO

• Processo pelo qual os indivíduos


tentam controlar a impressão que os
outros formaram a seu respeito.
GERENCIAMENTO DA IMPRESSÃO
técnicas

CONFORMIDADE
• Concordar

FAVORES
• Fazer algo para ter aprovação

PRETEXTOS
• Explicações para amenizar

DESCULPAS
• Admitir para ter perdão

AUTOPROMOÇÃO
• Minimizar defeitos

INTENSIFICAÇÃO
• Aumentar seu valor

BAJULAÇÃO
• Elogiar para ser amável

EXEMPLIFICAÇÃO
• Fazer mais para mostrar que é dedicado
Referências
FELGUEIRAS, A propósito do poder. Disponível em
<felgueiras2005.blogspot.com/2006/06/propsito-de-poder.html>.

PAZ, Maria das Graças Torres da. MARTINS, Maria do Carmo Fernandes. NEIVA,
Elaine Rabelo. O poder nas organizações. In: ZANELLI, José Carlos. BORGES-
ANDRADE, Jairo Eduardo. BASTOS, Antônio Virgílio Bittencourt (orgs). Psicologia,
organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 380-406.