Você está na página 1de 17

Aconselhamento

Bíblico
UM MINISTÉRIO DA IGREJA LOCAL
Aconselhamento Bíblico
 O Aconselhamento Bíblico é um ministério da Igreja Local
no qual os crentes em Cristo (João 3.3-8), habitados,
capacitados e guiados pelo Espírito Santo (João 14.26),
ministram a outros a Palavra viva e ativa de Deus (Hebreus
4.12), buscando evangelizar os perdidos e ensinar os salvos
(Mateus 28.18-20).

 O Aconselhamento Bíblico está baseado na convicção de


que as Escrituras são suficientes para a tarefa de
aconselhar e superiores a qualquer outro material que o
mundo tenha para oferecer (2Timóteo 3.16-17; Hebreus
4.12; 2Pedro 1.3,4; Salmos119; Tiago 4.4).
Entendendo a História:
 O homem e a mulher viviam em perfeita harmonia um com o
outro e com Deus. Não existia luta com identidade, ansiedade,
depressão ou vícios. Não existiam histórias pessoais doloridas a
serem superadas. Não havia medo pelo que poderia
acontecer, nem havia motivações ambíguas ou luta com
desejos desordenados.
 Com Deus, havia a mais perfeita união. As pessoas amavam,
adoravam e obedeciam assim como foram criadas para fazer.
Andavam com Deus, desfrutando da perfeita comunhão com
seu Criador.

 Lamentavelmente não durou muito. Ambos saíram do plano


ordenado de Deus, com o ato de rebelião mais significativo
jamais cometido. Toda a surpreendente beleza daquele mundo
foi profunda e permanentemente afetada.
Contextualização:
 À medida que a cultura ocidental se afasta do plano do Criador para
a vida e comunidade humana, os efeitos intrapessoais e interpessoais
da rebelião de nossos primeiros pais contra Deus – Aquele que os criou
para terem uma amizade com Ele e lhes deu tudo aquilo de que
poderiam necessitar e ainda mais – estão se tornando cada vez mais
evidentes.
 Esses efeitos incluem depressão, estafa, conflito externo, conflito de
gerações, conflitos inter-raciais, conflitos conjugais, luta de classes,
disputas dentro da igreja, ansiedade, medo, padrões de
comportamento simultaneamente egocêntricos e autodestrutivo,
pornografia e outras formas de exploração sexual, crueldade irracional
e suas violências, porém a lista não para por aí.
O que está errado?
 Porque eu faço o que faço?
 Meu problema é basicamente de informação?
 Será que um conjunto de discernimentos bem pesquisado e lógico
fornecerá a solução?
 Será que o problema é basicamente referente à experiência?
 Será que lidar com o meu passado resolverá o meu problema?
 Será que meu problema é basicamente biológico?
 Será que se eu tiver ajuda para obter um equilíbrio químico
resolverá meu problema?
 Será que existe algo, sob todas essas coisas, indicando que meu
problema é mais profundo?
O Problema do Homem
 A Bíblia diz que nosso problema central, a razão básica de fazermos o
que fazemos, é o pecado. As Escrituras definem o pecado como uma
condição que resulta em comportamento.
 Somos todos pecadores, e por isso, fazemos coisas pecaminosas. Essa
é a razão do nosso problema central preceder a nossa experiência.
 Salmos 51.5
 Nosso problema mais profundo não é de natureza experimental,
biológica, ou de relacionamento; é moral e distorce tudo. Distorce a
nossa identidade, altera nossa perspectiva, sabota nosso
comportamento e sequestra nossa esperança.
 O pecado é a pior doença, a grande psicose (Paul D Tripp.)
A Solução para o problema do
Homem
 As Boas novas do Evangelho nos confrontam com a seguinte
realidade: uma ajuda que transforme o coração, nunca será
encontrada no entulho das ideias humanas.
 CRISTO veio restaurar as pessoas a fim de viverem de acordo com o
propósito para o qual foram criadas: viver em adoração e submissão
obediente a Ele em todas as áreas da vida.
 Tal ajuda será encontrada apenas no Homem, Jesus Cristo. Não
devemos oferecer às pessoas um sistema de redenção, um conjunto
de discernimentos e princípios. Nós oferecemos às pessoas um
REDENTOR. No Seu poder encontramos esperança e a ajuda que
necessitamos para derrotar os inimigos mais poderosos.
 A esperança está na graça do Redentor, o único meio verdadeiro de
mudança permanente.
Aconselhamento Bíblico como
Ministério Pessoal
 Deus usa pessoas comuns para fazer coisas extraordinárias na
vida de outras pessoas.
 Deus nunca teve a intenção de que nós fossemos simplesmente
objetos de Seu amor. Somos chamados também para sermos
instrumentos desse amor nas vidas de outras pessoas
(Colossenses 3.16).
 Um instrumento é uma ferramenta usada ativamente para
mudar algo, e Deus chamou todo o Seu povo para ser
instrumento de transformação em Suas mãos redentoras
(1Tessalonicenses 5.11,12).
Aconselhamento Bíblico como
Ministério Pessoal
 No ministério pessoal devo levar mais que um coração
compassivo, a disposição de ouvir, e o compromisso de ajudar a
carregar o fardo de alguém. Embora esse seja o doce fruto de
amor cristão, devo oferecer mais.

 Ministério pessoal tem a ver com pessoas amando pessoas, mas


de uma maneira que inclui levar-lhes a Palavra. Esse ministério é
para todos. (Efésios 4)

 Nossa missão é ensinar, admoestar e encorajar uns aos outros para


descansar em Sua soberania em vez de estabelecer a nossa
própria; confiar na Sua graça e submetermos a Sua Glória em vez
de buscarmos a nossa.
Aconselhando a Palavra
 Aconselhamos e somos aconselhados diariamente. Esses conselhos
são de diferentes vozes competindo nossa atenção, podendo eles
serem sábios ou tolos.
 Esses conselhos podem influenciar nossos pensamentos, desejos,
escolhas e ações.
 O conselho pode vir pelas palavras de uma amigo, por meio de um
conteúdo de um programa de Tv, por uma repreensão de um pai,
na opinião do cônjuge ou por um sermão de domingo.
 Não deveríamos estar preocupados com o tipo de conselho que
estamos dando e recebendo? Buscamos saber se a fundamentação
desses conselhos estão alicerçados na Palavra? Esse
aconselhamento está enraizado na revelação do Criador?
A Suficiência das Escrituras
 A Bíblia é suficiente para o aconselhamento porque nela Deus nos
dá tudo o que é necessário para vivermos uma vida de piedade e
para o conhecimento Dele (2 Pedro 1.3-7).
 Nas Escrituras encontramos ensinamentos bíblicos a cerca da
inspiração, autoridade e utilidade da mesma (2 Timóteo 3.16,17).
 O aconselhamento Bíblico deve reconhecer a utilidade ampla das
Escrituras não apenas nas tarefas de ensino e educação na justiça,
mas nas tarefas mais difíceis e menos populares de correção e
repreensão (Salmos 19. 7; Hebreus 4.12).
 Quando consideramos que Deus nos deu a Sua Palavra autoritativa,
inspirada, útil e suficiente, nosso foco deve estar em nos apropriarmos
dela para a tarefa de aconselhar, e não em buscarmos a sabedoria
do mundo (2 Timóteo 4.2-5).
Maravilhoso Conselheiro
 Quem Ele é?

- O Espírito Santo é o Espírito de Deus. Ele é uma pessoa e é um com


Deus. A terceira pessoa da Trindade (João16.5-7; 14.16,17).
- Ele vive em todos os que creem em Jesus como Senhor e Salvador. E
Ele é o Espírito da verdade, e essa verdade é de extrema importância
no processo de Aconselhamento Bíblico, pois significa que o Deus vivo
habita no conselheiro e conduz o que aconselha para que o
aconselhado como cristão tenha em sua vida a habitação do Espírito
Santo e Sua operação no alcance de Seus propósitos.
- Ele é a fonte de todas as mudanças genuínas de personalidade, Sua
atividade aconselhadora promovem crescimento apresentados como
frutos na vida de todo aquele que se submete à Sua obra.
Maravilhoso Conselheiro
 O que Ele faz?
1- Ele convence do pecado e da necessidade de Deus e/ou da
necessidade de viver de maneira agradável a Deus (João 16.8).
2- Ele permite que as pessoas sejam capazes de fazer de Jesus o Senhor
(1Coríntios 12.3).
3- Ele produz o fruto que nos permite ministrar e sermos ministrados.
(Gálatas 5.22,23).
4- Ele nos dá os dons que nos permitem ministrar, nos ensina, guia e
ilumina (1 Coríntios 12.11; João 14.26).
5- Ele nos capacita e fortalece para realizarmos aquilo que nos ensina
e orienta (Tiago 1.22). E Ele nos santifica, Sua obra santificadora como
um processo de mudança genuína e progressiva (2 Tessalonicenses
2.13).
O Evangelho como Centro
 O Aconselhamento centrado no Evangelho é o processo em que
um Cristão se coloca ao lado de outro e usa palavras,
ancoradas na verdade, para encorajar, admoestar, consolar e
ajudar – palavras extraídas das Escrituras, firmadas na graciosa
obra salvífica de Jesus Cristo e apresentadas no contexto de
relacionamento.
 Ele procura responder por meio da aplicação intencional das
Escrituras de maneira equilibrada, reconhecendo tanto o que o
Evangelho declara a nosso respeito quanto o que ele requer de
nós.
 O Aconselhamento centrado no Evangelho é baseado
exclusivamente na Bíblia, que nos define segundo Deus nos
define e então aplica as declarações e obrigações do
Evangelho a cada um dos problemas que enfrentamos.
O Evangelho como Centro
 Todo o Aconselhamento que procurar responder – O que há de
erra do conosco? O que pode ser feito? – sem levar em conta
as Escrituras, resulta numa opinião enfatuada a respeito de si
mesmo e num egocentrismo escravizador e fútil;
 Todo Aconselhamento que deixa de lado o que o Evangelho diz
sobre nós resulta na justificação por meio das obras e no seu
fruto principal e inescapável: orgulho ou desespero, ou a
alternância dos dois;
 Todo Aconselhamento que negligencia a obrigação que o
evangelho nos impõe, resulta em complacência, apresentação
de justificativas para todo tipo de comportamento e adoção
de um estilo de vida instável.
A Verdade deixou de ser um conceito para ser uma Pessoa

(João 14.6)
Referências Bibliográficas:

 ADAMS, Jay E. Manual do conselheiro cristão. Editora Fiel,1982.


 ADAMS, Jay E. Conselheiro capaz. Editora Fiel, 1977.
 BABLER, John; ELLEN, Nicolas. Editora Nutra, 2017.
 FITZPATRICK, Elyse; JOHNSON, Dennis. Aconselhamento a partir
da Cruz. Editora Vida Nova, 2018,
 TRIPP, Paul David. Instrumentos nas mãos do Redentor. Editora
Nutra, 2002.