Você está na página 1de 14

Interfaces Pessoa-Máquina II

PROCESSO DE DESIGN

Elaborado por:
Luciano Valinho 179/06
Tiago Antunes 140/06
Emanuel Silvestre 44/06
SUMÁRIO:
•O que é o Design?

Interfaces Pessoa-Máquina II
•Metodologia Projectual (processo de design)

•Estruturação do Problema

•Projecto e Experimentação

•Realização do Projecto (produção)

•Conclusão

2
O QUE É O DESIGN ?

“…o design é uma metodologia, uma forma de se chegar a


um objectivo. (…) antes da vertente estética há a vertente

Interfaces Pessoa-Máquina II
antropológica e ergonómica. Um objecto não tem que ser
bonito, tem que ser funcional”.
Marco Sousa Santos – Designer

“… o design é a disciplina, por excelência, que torna


exequível o pensável”.
Ezio Manzini – Engenheiro e Arquitecto

3
O QUE É O DESIGN ?

•Design não é portanto o que “dá mais nas vistas”.

Interfaces Pessoa-Máquina II
•Não é correcto dizer-se: “tens uns sofás com um
design bonito”.

•Design não é desenho! (pois uma coisa pode


ser bonita em desenho e não ser funcional).

Portanto, de forma muito resumida, design é projectar!


Ou seja, para a execução de um projecto temos que passar
por um processo de design, processo este, que pode ser
executado usando uma metodologia (Metodologia 4
Projectual).
METODOLOGIA PROJECTUAL

O que é?

Interfaces Pessoa-Máquina II
É a elaboração de um conjunto de acções que
orientam o processo criativo na elaboração de um
projecto. As acções são divididas em etapas.
A estas etapas comuns dá-se o nome de
macroestrutura. Dentro da macroestrutura existem
etapas imprevisíveis e particulares de cada
projecto.

5
METODOLOGIA PROJECTUAL

Macroestrutura:
Corresponde às 3 etapas principais:

Interfaces Pessoa-Máquina II
•Estruturação do problema.
•Projecto e experimentação.
•Realização do projecto (produção).

Microestrutura:
São sub-etapas existentes na
macroestrutura, de acordo com a Natureza do
projecto. (Por exemplo: conceber um produto
software é diferente de conceber um automóvel).

6
METODOLOGIA PROJECTUAL
Esquema 1: desenvolve-se sequencialmente, representa
as várias fases da macroestrutura.

Interfaces Pessoa-Máquina II
A B C
Esquema 2: é aberto e flexível.

A B C
7
Utiliza as fases da macroestrutura, no entanto não o faz
de forma sequencial.
FASE A – ESTRUTURAÇÃO DO
PROBLEMA

•Briefing: Primeira reunião com o cliente, onde

Interfaces Pessoa-Máquina II
se obtêm as primeiras linhas de orientação do
projecto.

•Definição do problema: Qual o objectivo? Qual


a mensagem? A quem se dirige? (público alvo).

•Recolha de dados: Nesta fase, é feita uma


comparação entre os produtos já existentes no
mercado, dando ao designer a noção daquilo que
está a ser feito na mesma época. A este processo
dá-se o nome de Sincronia. É também feita uma
análise da fisionomia dos objectos do passado,
com a mesma função. Assim o designer fica com 8
informações sobre o seu percurso histórico quais
os motivos que precedem a sua evolução
(Diacronia).
FASE A – ESTRUTURAÇÃO DO
PROBLEMA
•Análise dos limites:

Interfaces Pessoa-Máquina II
• Condicionalismos técnicos
• Condicionalismos comerciais
• Condicionalismos Socioecológicos
• Qual o tempo de duração do objecto? Quais
as normas (nos tamanhos, cores)a que deve
obedecer?

A identificação dos limites tornam-se elementos


importantes para o desenvolvimento do objecto.

9
FASE B – PROJECTO E
EXPERIMENTAÇÃO

•Criatividade: Nesta fase é importante registar-se o maior


número de ideias. A criatividade resulta da síntese dos elementos

Interfaces Pessoa-Máquina II
recolhidos nas fases anteriores.

•Brainstorming: É um jogo de ideias, num ambiente propício para


que elas se manifestem, tendo como ponto de partida qualquer
tópico sugerido acerca do problema.

•Análise dos meios técnicos e materiais disponíveis.

•Representação e experimentação: pode ser feito através de


modelos ou maquetas.

10
FASE B – PROJECTO E
EXPERIMENTAÇÃO

•Testagem e Avaliação:

Interfaces Pessoa-Máquina II
•Avaliação ao longo do projecto.
•Avaliação final: estética, funcionalidade, custos.

•Escolha de alternativas: Devemos considerar várias


opções, em vez de nos prendermos à primeira que nos
surge. No design é importante a inovação.

11
FASE C – REALIZAÇÃO DO PROJECTO

•Criação do protótipo: Serve para visualizar em três

Interfaces Pessoa-Máquina II
dimensões o projecto, facilitando a apresentação da ideia
final ao cliente. Por vezes é tão perfeito que poderá
confundir-se com o original. É aqui que se procuram as
falhas e se fazem as respectivas correcções antes do objecto
proceder para a produção em série.

•Pré-série: ensaio da produção.

•Produção em série (realização).

12
CONCLUSÃO

Para desenvolver uma interface é necessário passar por


um processo de design. Este passa pelas várias

Interfaces Pessoa-Máquina II
fases(Estruturação do Problema, Projecto e
Experimentação, Realização do Projecto).

13
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Interfaces Pessoa-Máquina II
14