P. 1
FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

4.0

|Views: 13.941|Likes:
Publicado porengeproduezo

More info:

Published by: engeproduezo on Sep 30, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/29/2013

pdf

text

original

FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

Def: Uma função f de várias variáveis é uma regra que associa, a cada par ordenado de números reais (x,y) de um conj. D, um único valor real denotado por f(x,y). O conj. D é o domínio de f e sua imagem é o conj. de valor se possíveis de f.  O Volume de um cilindro circular 𝑉 = 𝜋𝑟 2 𝑕 que depende de seu raio r e altura h.  A temperatura T = f(x,y) que pode depender de uma longitude x e latitude y. Uma função de duas variáveis é aquela cujo domínio é um subconjunto de R2 e cuja imagem é um subconj. de R. Uma maneira de visualizar essa função é pelo diagrama de setas ( z = f(x,y)), onde o domínio D é representado como um subconj. do plano xy.

Ex: Determine os domínios das seguintes funções e calcule f(3,2). a) 𝑓 𝑥, 𝑦 = Sol: 𝑓 3,2 = 6 2 𝑥

+𝑦 +1 𝑥−1 𝐷

= (𝑥, 𝑦)/𝑥 + 𝑦 + 1 ≥ 0, 𝑥 ≠ 1 𝑦 ≥ −𝑥 − 1 → pontos acima da reta 𝑦 = −𝑥 − 1 𝑥 ≠ 1 → pontos sobre a reta 𝑥 = 1 são excluídos do domínio.

b) 𝑓 𝑥, 𝑦 = 𝑥 𝑙𝑛 𝑦 2 − 𝑥

Sol: 𝑓 3,2 = 3 ln 1 = 0 𝑦 2 − 𝑥 > 0 → 𝑥 < 𝑦 2 𝐷 = (𝑥, 𝑦)/𝑥 < 𝑦 2 → Conj. de ptos à esquerda da parábola 𝑥 = 𝑦 2 .

GRÁFICOS
Se f é uma função de duas variáveis com domínio D, então o gráfico de f é o conj. de tdos os ptos (x, y, z) em R3 / z = f(x,y) e (x,y) pertençam a D. O gráfico de uma função de duas variáveis é uma superfície S com equação z = f(x,y).

Ex: Determine o domínio e a imagem de 𝑔 𝑥, 𝑦 =

9 − 𝑥 2 − 𝑦 2 𝐷

= (𝑥, 𝑦)/𝑥 2 + 𝑦 2 ≤ 9 → círculo com centro (0,0) e raio 3. 𝐼𝑚 = 𝑧/𝑧 = 9 − 𝑥 2 − 𝑦 2 , (𝑥, 𝑦)𝜖𝐷 𝑧

≥ 0 → 9 − 𝑥 2 − 𝑦 2 ≤ 9 → 𝐼𝑚 = 𝑧/0 ≤ 𝑧 ≤ 3

9 − 𝑥 2 − 𝑦 2 ≤ 3

Ex: Determine o domínio e a imagem de 𝑕 𝑥, 𝑦 = 4𝑥 2 + 𝑦 2 . O domínio não tem restrições, portanto D = R2 (todo plano xy). 𝑥 2 ≥ 0 𝑒 𝑦 2 ≥ 0 → 𝐼𝑚 = 𝑕(𝑥, 𝑦) ≥ 0

CURVAS DE NÍVEL
As curvas de nível de uma função f de duas variáveis são aquelas com equação f(x,y) = k, onde k é uma constante (na imagem de f). Pela figura podemos observar a relação entre as curvas de nível e os traços horizontais. As curvas de nível f(x,y) = k são apenas traços do gráfico de f no plano horizontal z = k projetado sobre o plano xy.

Curvas Isotérmicas: Temperaturas médias ao nível do mar (oC).

Ex: Esboce o gráfico das curvas de nível função 𝑔 𝑥, 𝑦 = k = 0,1, 2, 3. Sol: 9 − 𝑥 2 − 𝑦 2 = 𝑘 ou

9 − 𝑥 2 − 𝑦 2 para 𝑥

2 + 𝑦 2 = 9 − 𝑘 2 (família de circunferências com
y (0,3) k=3 k=2 k=1 x k=0

centro (0,0) e raio 9 − 𝑘 2 .

.

FUNÇÕES DE TRÊS VARIÁVEIS
Uma função f com três variáveis é uma regra que associa, a cada tripla ordenada (x, y, z) em um domínio D ∁ R3 um único valor real denotado por f(x, y, z). Por ex., a temperatura T = f(x, y, t) que pode depender de uma longitude x e latitude y no tempo t. Ex: 1. Determine o domínio de 𝑓 𝑥, 𝑦, 𝑧 = 𝑙𝑛 𝑧 − 𝑦 + 𝑥𝑦 𝑠𝑒𝑛 𝑧. Solução: 𝑧 − 𝑦 > 0 → 𝑑 = (𝑥, 𝑦, 𝑧) ∈ 𝑅3 /𝑧 > 𝑦 Ou seja, é o semi-espaço constituído por tds os ptos que estão acima do plano z = y. 2. Determine as curvas de superfície da função 𝑓 𝑥, 𝑦, 𝑧 = 𝑥 2 + 𝑦 2 + 𝑧 2 para k = 1, 4, 9. Sol: Neste caso as superfícies de nível são 𝑥 2 + 𝑦 2 + 𝑧 2 = 𝑘 → formam uma família de esferas com raio 𝑘.

As funções com qq numero de variáveis também podem ser consideradas. Uma função com n variáveis é uma regra que associa um número real z = f(x1, x2, ..., xn) à n-upla (x1, x2, ..., xn) de números reais. Denotamos de Rn o conjunto de todas as n-uplas.

LIMITES E CONTINUIDADE
Def: Seja f uma função de duas variáveis cujo domínio D contém ptos arbitrariamente próximos de (a,b). Dizemos que o limite de f(x, y) qdo (x,y) tende a (a,b) é L e escrevemos: 𝑥
,𝑦 →(𝑎,𝑏)

lim 𝑓

(𝑥, 𝑦) = 𝐿

se para td 𝜀 > 0 existe um número correspondente 𝛿 > 0/ 𝑓 𝑥, 𝑦 − 𝐿 < 𝜀 sempre que 𝑥, 𝑦 ∈ 𝐷 e 0 < (𝑥 − 𝑎)2 + (𝑦 − 𝑏)2 < 𝛿.

Significa que a distância entre f(x,y) e L pode ser arbitrariamente pequena se tomarmos a distância entre (x, y) e (a,b).

Se 𝑓 𝑥, 𝑦 → 𝐿1 , qdo 𝑥, 𝑦 → (𝑎, 𝑏) ao longo do caminho C1 e 𝑓 𝑥, 𝑦 → 𝐿1 , qdo 𝑥, 𝑦 → (𝑎, 𝑏) ao longo do caminho C2, com 𝐿1 ≠ 𝐿2 , então lim 𝑥,𝑦
→(𝑎,𝑏) 𝑓(𝑥, 𝑦)

não existe.

Ex: O limite da função abaixo existe? lim 𝑥𝑦 →(0,0) 𝑥 2 + 𝑦 2 𝑥

,𝑦

 Para 𝑦 = 0 → 𝑓 𝑥, 0 = 0 𝑥

2

=0 𝑓

𝑥, 𝑦 → 0 qdo 𝑥, 𝑦 → 0,0 ao longo do eixo 𝑥.  Para 𝑥 = 0 → 𝑓 0, 𝑦 = 0 𝑦 2 =0 𝑓

𝑥, 𝑦 → 0 qdo 𝑥, 𝑦 → 0,0 ao longo do eixo 𝑦.  Para 𝑥 = 𝑦 → 𝑓 𝑥, 𝑥 = 𝑥
2 𝑥 2 +𝑥 2

=1 2 𝑓

𝑥, 𝑦 → 1 2 qdo 𝑥, 𝑦 → 0,0 ao longo de 𝑦 = 𝑥. Portanto este limite não existe, pois obtivemos valores diferentes para caminhos diferentes.

CONTINUIDADE
Def: uma função f de duas variáveis é dita contínua em (a,b) se 𝑥
,𝑦 → 𝑎,𝑏

lim 𝑓

𝑥, 𝑦 = 𝑓(𝑎, 𝑏).

Dizemos que f é contínua em D se for contínua em td ponto (a,b) de D.

Qq polinômio pode ser obtido a partir de funções f(x,y) = x, g(x,y) = y e h(x,y) = c (c é uma constante) por meio de multiplicação e adição. Por isso, segue que tds os polinômios são funções contínuas em R2. O mesmo acontece para as funções racionais, que são continuas em seu domínio, já que elas são o quociente de funções contínuas. Exemplos:  Limite (Substituição direta): 𝑥
,𝑦 →(1,2)

lim 𝑥

2 𝑦 3 − 𝑥 3 𝑦 2 + 3𝑥 + 2𝑦 = 11

 Se 𝑔 𝑥, 𝑦 = 𝑥𝑦 𝑥 2 + 𝑦 2 , se 𝑥, 𝑦 ≠ (0,0) 0, não existe. se 𝑥, 𝑦 = (0,0)

Aqui g está definida em (0,0), mas é descontínua pois seu limite em (0,0)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->