Você está na página 1de 1

O Jardineiro

O cultivo da vida

Entre os esbarrões que damos nas calçadas das cidades, trombamos com personalidades únicas no
aglomerado de um enxame de pessoas.

Uma dessas personalidades que a pouco me choquei foi um jardineiro. Roupa desgastada pelo
trabalho, pele queimada de sol e uma tesoura velha e enferrujada, segurada por mãos calejadas, não
lhe dá aspecto amedrontador, mas de uma figura que ja se perdeu na memoria coletiva de uma selva
de pedra.

“No trato das plantas”, o jardineiro diz “temos de cultivar a vida, pois se não cuido daquela vida, a
minha propria vida não pode ser cuidada”, há quem diria que essa relação interdependente é
puramente economica, mas o que dizer do aprendiz, que outrora estava mergulhado na angustia e
incerteza, aprende o oficio da jardinagem e assim segue seu rumo? Sem “recompensas” o jardineiro
assim fez. Diria eu que o cultiva da memoria de uma cultura que não se deixa perder se torna
ilogico para o olhar do economista.

A solidariedade por vezes pode parecer estranha, mesmo que a unica coisa que se possa oferecer é
uma bala de mel.

Jardineiro de Deus

Caminha pelas ruas e seus trabalhos realiza

Molda as plantas, as flores e as rosas conforme a beleza que lhe cabe. Retira as ervas daninhas e os
parasitas pois esses são os males da terra.

Seu espirito cristão transcende com o trabalho, assim como translada para a vida.

Caminha pelas ruas e seu trabalho passa.

Molda os homens, as mulheres e as crianças conforme os valores de Deus. Expurga os demonios


contidos nos gays, lesbicas e travestis, pois esses são os males da Terra.

“É o espirito de cristo no corpo do homem que lhe da virilidade e o deseja à mulher. E se o homem
possui o desejo por outro homem é certo que está possuido pelo demonio”, eis o que o Jardineiro de
Deus diz.