Você está na página 1de 2

Menos dramtica,

Ausncia de terribilidade e indefinio do destino da alma. - Venegas


Morte como aprendizagem.
Morte como transformao da vida preparatio ad mortem Erasmo.
Vencer a morte a cada dia.
Morte como mensageiro da Religio Horozco.
Morte transformada numa terrvel abstrao em um ente dotado de maior familiaridade
Atravs da morte alcanar uma conscincia mais apurada da vida.
Morte como exerccio de conhecimento prprio.
Exerccio da morte crescimento espiritual.
Morte virtudes.
Exercitar a virtude atravs de uma conscincia mais apurada da realidade, como caso da
questo da enfermidade em Nieremberg.
De la diferena entre lo temporal y lo eterno. Desengaos de la vida.
Pequenez da dimenso temporal e grandeza da eternidade.
Contemplao da eternidade como elemento de exerccio de virtudes.
Memria da eternidade compreender os significados do tempo e da morte.
Cada instante de vida um instante de morte.
Desmonstar a consistncia da vida pretendido por Nieremberg e Quevedo La Cuna y la
sepultura.
Morte a ser mostrada diretamente ao homem procedimentos q facilitassem a memria
da morte a partir da compositio loci imaginao e simulao cotidiana da prpria
morte.
Vislumbrar suas postrmerias a fim e perceber o valor da eternidade e a vileza do tempo.
A prpria fragilidade davida humana.
Viso negativa do tempo signos da mudana e do movimento.
Relao ntima entre tempo e mudana Nieremberg realidade do mundo
caracterstica pela mutabilidade do tempo
Mutabilidade do tempo, necessidade e ater-se ocasio. Tempo ocasio de ganhar a
eternidade.
Considerar a brevidade da vida.