Você está na página 1de 2
Escola Secundária Dr. Francisco Fernandes Lopes www.esffl.pt Curso EFA – Nív el Secundário Cidadania e
Escola Secundária Dr. Francisco Fernandes Lopes www.esffl.pt Curso EFA – Nív el Secundário Cidadania e
Escola Secundária Dr. Francisco Fernandes Lopes www.esffl.pt Curso EFA – Nív el Secundário Cidadania e

Escola Secundária

Dr. Francisco Fernandes Lopes

www.esffl.pt

Curso EFA – Nív el Secundário Cidadania e Pro fissionalidade UFCD 1- Liberda de e Responsabilidade Democráticas Tema 1: Compr omisso Estado/ Cidadão

Democráticas Tema 1: Compr omisso Estado/ Cidadão Nome: Nº Turma 1.No sentido de elucidar o sentido
Democráticas Tema 1: Compr omisso Estado/ Cidadão Nome: Nº Turma 1.No sentido de elucidar o sentido

Nome:

Turma

1.No sentido de elucidar o sentido d o conceito de liberdade, leia com atenção o apresenta.

Data:

extracto de texto que se

Extracto de texto 1 – O conceito de liberdade

 

«Do latim libertas. É na sua signific ação ética, aplicando-se ao poder de decis ão do sujeito moral, que o

termo aparece a primeira vez na lín gua francesa (perto do ano 1190). A par tir do séc. XIII, aparece

progressivamente associado ao term o latino as suas múltiplas significações, e

nomeadamente: o estado

daquele que não depende de um mes tre (1324), daquele que não está preso (13 65) assim como a ausência

de um constrangimento social (1538).

De modo geral, é livre o sujeito que, num a dada situação, pode agir

ou agiu conforme o que ajuíza (deci são) como o que deve ser bem feito (nessa determinada situação). O

desacordo entre o juízo e acção deve -se aos entraves de ordem física ou fisioló gica impedindo o sujeito de

concluir o que (ele) julga que deve se r bem feito e que quer fazer (

);

este de sacordo pode, enfim, ter a

sua origem nos motivos e inclinaçõe s do sujeito que o leva a querer e a c oncluir uma acção que ele

desaprova ao nível do juízo.»

 

M. Neuberg, “Liberté” in Les Notio ns Philosophiques, Paris, PUF, 1470.

1.1. Partindo da leitura do extr acto de texto de M. Neuberg, registe os se ntidos da liberdade, com especial relevo para o seu sen tido principal.

Noção de liberdade Sentido secundário Noção de liberdade Sentido secundário . Noção de liberdade 2010/2011
Noção de liberdade
Sentido secundário
Noção de liberdade
Sentido secundário
.
Noção de liberdade
2010/2011
Formadora: Sílvia Ramos

Noção de liberdade

Sentido secundário

[1]

2.

O conceito de responsabilidade possui um largo campo de significados e que, por vezes, se torna difícil delimitar. Para clarificar a noção de responsabilidade e da necessidade de se ser responsável, leia com atenção o extracto de texto que se segue, resolvendo as tarefas que se lhe seguem.

Extracto de texto 2 – Noção de responsabilidade

“O núcleo da responsabilidade, se te interessa sabê-lo, não consiste simplesmente em

termos a decência ou a honradez de assumirmos as nossas patadas na poça sem

procurar desculpas à direita e à esquerda. Quem é responsável é consciente do real

da sua liberdade. E uso ‘real’ no duplo sentido de «autêntico» e «verdadeiro» e no de

«próprio de um rei»: aquele que toma decisões sem que ninguém acima de si lhe dê

ordens. Responsabilidade é saber que cada um dos meus actos me vai construindo, me

vai definindo, me vai inventando. Ao escolher aquilo que quero, vou-me transformando

pouco a pouco. Todas as minhas decisões deixam a sua marca em mim antes de a

deixarem no mundo que me rodeia. E, evidentemente, depois de aplicada a minha

liberdade em ir-me construindo um rosto, já não posso queixar-me ou assustar-me

com o que vejo ao espelho quando me olho… Se ajo bem, ser-me-á cada vez mais

difícil agir mal (e inversamente, por infelicidade): assim, o ideal é irmos apanhando o

hábito… de viver bem. Quando no western o herói tem ensejo de disparar contra o

vilão pelas costas mas diz: “Eu não posso fazer uma coisa dessas!” todos percebemos

o

que ele quer dizer. Disparar, aquilo a que se chama disparar, claro que poderia

fisicamente fazê-lo, só que o herói não tem semelhantes costumes. Por alguma coisa

é ele, afinal, o ‘bom’ da história! Quer continuar a ser fiel ao tipo que escolheu ser,

a esse tipo de homem que fabricou livremente desde há muito.” F. Savater, Ética

para um Jovem, Editorial Presença, Lisboa, 1998, 81-82

2.1. Por que razão as ideias de Liberdade e Responsabilidade se encontram interligadas?

2.2. O exercício da Liberdade é um acto isolado por parte de cada um dos indivíduos?

2.3. Comente a afirmação seguinte: o exercício da liberdade exige responsabilidades partilhadas.

2010/2011

Formadora: Sílvia Ramos

[2]

Interesses relacionados