P. 1
07.12.01.Relatorio.Final.Ronaldo.Guedes

07.12.01.Relatorio.Final.Ronaldo.Guedes

|Views: 903|Likes:

More info:

Published by: RonaldoEtMariannaGuedes on Dec 05, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/10/2013

pdf

text

original

Sections

  • 1.1- Justificativa
  • 1.2- Objetivos
  • 1.2.1- Objetivo Geral
  • Quadro 1 As principais Teorias Administrativas e seus Enfoques
  • 2.1.3. Planejar
  • 2.1.4. Organizar
  • 2.1.5. Liderar
  • 2.1.6 Controlar
  • 2.2 Administrador
  • 2.2.1. Classificação de Administradores
  • 2.2.2. Papéis dos Administradores
  • 2.2.3. Habilidades
  • 2.2.4. Características
  • 2.3.1. Origem e Finalidade das Organizações
  • 2.3.2. Conceitos de Organização
  • Quadro 2 Burocracia x Adhocracia
  • Quadro 3 Organizações segundo evolução histórica
  • 2.4. Organizações de TI na Era da Internet
  • 2.4.1. Administração de Tecnologia da Informação
  • 2.4.1.1. Tecnologia da Informação – TI
  • 2.4.1.2. Sistema de Informação – SI
  • Figura 4 Sistema de Informação
  • 2.4.1.3. Sistema de Informação Baseado em Computador – SIBC
  • 2.4.2. A Era da Internet
  • 2.5 Áreas Funcionais
  • 2.5.1.2. Estágios do Marketing
  • 2.5.1.3. Profissional de Marketing
  • Quadro 4 Estados de demanda e tarefas de marketing
  • 2.5.1.4. Escopo do Marketing
  • 2.5.1.5. Orientações da Empresa para o Mercado
  • Quadro 6 Orientações da Empresa para o Mercado
  • 2.5.1.6. Mix de marketing
  • Quadro 7 O mix de marketing, 4Ps e 4Cs
  • 2.5.1.7. Marketing reativo, pró-ativo ou criativo?
  • 2.5.2. Administração da Produção
  • Quadro 8 Tipologia de operações
  • Quadro 9 Bens puros x Serviços puros
  • 2.5.3. Administração Financeira
  • 2.5.3.1. Administrador Financeiro
  • 2.5.4. Administração de Materiais
  • 2.5.5. Administração de Recursos Humanos
  • Quadro 10. Objetivos Organizacionais e Objetivos Pessoais
  • Quadro 11 Pessoas como Recursos x Pessoas como Parceiros
  • 2.5.7. Gestão Empresarial
  • Quadro 14 Tipos e níveis de planejamento nas empresas
  • 2.5.8. Gestão da Qualidade
  • Quadro 15 As Quatro Principais Eras da Qualidade
  • Quadro 16 Aspectos da Qualidade
  • 2.5.9. Estrutura Organizacional
  • 3. Metodologia
  • 3.1 Coleta de Dados
  • 3.2 Tratamento dos Dados
  • 4. Avaliação da compreensão estratégica da Ponto Lucro
  • 4.1. Identificação da Organização
  • 4.3. Serviço
  • Tabela 1: Tabela de serviços Ponto Lucro
  • 4.4. Público-Alvo
  • 4.5. Equipe
  • Quadro 17: Membros da equipe Ponto Lucro
  • 4.6. Estrutura
  • 4.7. Estrutura Financeira
  • Tabela 2: Fluxo de Caixa 2005/2 Ponto Lucro
  • 5.1. Planejamento Estratégico
  • Figura 7: Análise do Planejamento Estratégico
  • Tabela 3: Análise do Planejamento Estratégico
  • Tabela 4: Evolução de Hosts no Brasil
  • Tabela 5: Ranking Mundial de Hosts
  • Tabela 6: Evolução do número de Domínios .br
  • Figura 12: Proporção de Domicílios que possuem Equipamentos TIC
  • Tabela 7: Proporção de indivíduos que acessaram a Internet de qualquer local
  • Figura 13: Acesso a Internet – Renda Familiar
  • Figura 14: Acesso a Internet – Classe Social
  • Figura 15: Acesso a Internet – Grau de Instrução
  • Tabela 8 Proporção de Empresas que Usam Computadores
  • Tabela 9: Proporção de Empresas com Sistema de TI para Pedidos
  • Figura 17: Uso de SI por Região
  • Tabela 10: Proporção de Empresas que usam Internet
  • Tabela 11 Proporção de Empresas com Website
  • Figura 18: Empresas que possuem Website por Região
  • 5.2. Marketing
  • Figura 20: Análise do Marketing 1
  • Tabela 12: Análise do Marketing 1
  • Figura 21: Análise do Marketing 2
  • Tabela 13 Análise do Marketing 2
  • Figura 22: Análise da Produção
  • Tabela 14 Análise da Produção
  • 5.4. Gestão de Pessoas
  • Figura 23: Análise da Gestão de Pessoas
  • Tabela 15: Análise da Gestão de Pessoas
  • Figura 24: Análise da Gestão Financeira
  • Tabela 16: Análise da Gestão Financeira
  • Figura 25: Análise de Organização, Sistemas e Métodos
  • Tabela 17: Análise de Organização, Sistemas e Métodos
  • 6. Primeiros Resultados
  • Quadro 18: Novos membros da equipe Ponto Lucro
  • Tabela 18: Fluxo de Caixa 2006/1 Ponto Lucro
  • Tabela 19: Fluxo de Caixa 2006/2 Ponto Lucro
  • 7. Considerações Finais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO: ADMINISTRAÇÃO

GESTÃO DE PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: PONTO LUCRO – INTERNET E NEGÓCIOS

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RONALDO GUEDES JUNIOR

GOIÂNIA, GO 2006

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO: ADMINISTRAÇÃO

RONALDO GUEDES JUNIOR

GESTÃO DE PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: PONTO LUCRO – INTERNET E NEGÓCIOS

Relatório Final de Estágio do Curso Administração da Universidade Católica Goiás.

de de

GOIÂNIA, GO 2006

AUTORIZAÇÃO

Autorizo o aluno: Ronaldo Guedes Júnior, matricula: 2002.1.23.088-1, a realizar o depósito do Relatório final de estágio na Coordenação de Estágio.

Prof. Dr.: Ricardo Luiz Machado

Goiânia, 28 de junho de 2006.

M. Dr. do Departamento de Administração da Universidade Católica de Goiás.RONALDO GUEDES JUNIOR GESTÃO DE PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: PONTO LUCRO – INTERNET E NEGÓCIOS Este Relatório foi julgado adequado para obtenção da aprovação na disciplina Estágio Supervisionado II do Curso de Administração. Goiânia. Sc. Edson Marín Prof. Eugênio de Britto Jardim . ______________________________ Prof. Os registros de avaliação foram feitos na ficha de acompanhamento do aluno. Sc. 28 de junho de 2006.: Ricardo Luiz Machado Membros da banca: Prof. M.

.DEDICATÓRIA À vida por não desistir de um sujeito chato.

AGRADECIMENTOS Aos amigos da imensa Família D2. Ao caro orientador Ricardo Machado por me ajudar e me encorajar nos últimos momentos de minha monografia. agradeço imensamente à vida. em especial ao pessoal do Canal Agentes Autorizados e à minha eterna coordenadora Daniela Alves Abalém que me ensinou a andar pelos caminhos corporativos. À toda equipe da Brasil Telecom GSM. e à Deus por me permitir viver à minha maneira. Como não poderia deixar de ser. próximos ou distantes. À minhas caríssimas orientadoras Tequinha e Marúcia que me levaram até as portas da ciência no ambiente acadêmico. . À minha grande família composta por pessoas de caráter e batalhadoras que me servem de exemplo todos os dias. presentes ou ausentes.

Desconfiarei daqueles que virão dizer-me. que o sol queimará. com palavras fáceis. ao anunciar-te ingenuamente. meus ouvidos ouvirão mais. porquê esses recusam a alegria de tua chegada. Paulo Freire Genève. minhas mãos ficarão calejadas.CANÇÃO ÓBVIA Escolhi a sombra desta árvore para repousar do muito que farei. Estarei preparando a tua chegada como o jardineiro prepara o jardim para a rosa que se abrirá na primavera. porque esses. Não te esperarei na pura espera porque o meu tempo de espera é um tempo de que fazer. antes te denunciam. meus olhos verão o que antes não viam. esperar. em voz baixa e precavidos: É perigoso agir É perigoso falar É perigoso andar É perigoso. Quem espera na pura espera vive um tempo de espera vã. Março 1971 . Por isto. enquanto esperarei por ti. na forma em que esperas. enquanto te espero trabalharei os campos e conversarei com os homens Suarei meu corpo. enquanto esperarei por ti. Desconfiarei também daqueles que virão dizer-me. meus pés aprenderão o mistério dos caminhos. que já chegaste.

.................. 31 2.................................... 21 2... 2................... OBJETIVO GERAL... ORGANIZAÇÕES........................................................................1................2............ 17 2...............2.......................................2.. 40 ................................................................................................. 31 2..........2.....4....................... CONTROLAR...................... 24 2....3.................................1.........................2..1.................1........................................................3......... 22 2...... 39 2. 36 2..1........ JUSTIFICATIVA.........................................1.....2............4..3.....1.........................3........................................ 19 2....1...... PLANEJAR......................................................... 19 2. 21 2... 16 2................1................1.. 37 2. 16 1.......... 37 SISTEMA DE INFORMAÇÃO – SI. 38 SISTEMA DE INFORMAÇÃO BASEADO EM COMPUTADOR – SIBC...............................3............................... HABILIDADES. PAPÉIS DOS ADMINISTRADORES. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI ..................................1.............................................. EFICIÊNCIA....1........................................ ADMINISTRADOR.................... 17 2.................... CLASSIFICAÇÃO DE ADMINISTRADORES...... 28 2...................................................................................1.................1..................................2.....2........................................4............................................................... 2..1.....4.........................2.............. 30 2..... 25 2.....................4........... ADMINISTRAÇÃO.........2.............................................................4.....2...................... FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA................................................................. CLASSIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES........ INTRODUÇÃO....................................... ADMINISTRAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO....4.......................... ORGANIZAR...........2............1............. 32 2.......... 13 1......................3............4.6........ OBJETIVOS ESPECÍFICOS........................................ A ERA DA INTERNET.............2.........1..... 20 2....3..15 1...................................................................................................................................... 31 2............................................5.................................. 15 1......... EFICÁCIA.............................3............................................................................... ORGANIZAÇÕES DE TI NA ERA DA INTERNET........... ORIGEM E FINALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES.................. 12 LISTA DE TABELAS.........................................SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS.................... OBJETIVOS...... 16 1......................................................................... 24 2........................ CONCEITOS DE ORGANIZAÇÃO..................................2.... CARACTERÍSTICAS................................................... LIDERAR........ 11 LISTA DE QUADROS............

...................1.... 78 4................ 57 2............................ 81 5................5....... 74 4...... 2............1.1....................... ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO...................................5................................. 67 2... 74 4................................................. 73 3.............1......... ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS....................................8............................ 2......................................1.1................ APLICAÇÃO PRÁTICA........................6..... 74 4. COLETA DE DADOS....................... 51 2......... GESTÃO DA QUALIDADE......6.................................................... ADMINISTRADOR FINANCEIRO..............................2....................................................2....................................1...........................................5.. IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO...........3......9................... 64 2..........................5................................. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS..... 56 2................... CONCEITO....... TRATAMENTO DOS DADOS..............1................................. 59 2........ GESTÃO EMPRESARIAL................. ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS................5...... 2....... 2..............7........... 98 ............4................5..................................5...........................5... 73 4.....4................. EQUIPE.5.......5....2....... 82 5.................. PRÓ-ATIVO OU CRIATIVO?.......... 82 5..... 49 2..................................1............. ESTRUTURA…. AVALIAÇÃO DA COMPREENSÃO ESTRATÉGICA DA PONTO LUCRO.......2............. METODOLOGIA.......................................................5....... ESTRUTURA ORGANIZACIONAL....5............................. HISTÓRICO................... 43 ESTÁGIOS DO MARKETING..............5......................................................... 72 3................................................1.......7.................5...................... SOLUÇÕES................ 2. 48 MARKETING REATIVO.............. 62 2................................. 46 ORIENTAÇÕES DA EMPRESA PARA O MERCADO............ ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING. 44 PROFISSIONAL DE MARKETING................... SERVIÇO...........................2..........1..... 73 3............................................................................................................5............................. 2............... ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA....................................................................................... 43 2.........................................................3................................3.5...........5.....1......3.......5...1.......................................2........ 47 MIX DE MARKETING.................................................................................... PÚBLICO-ALVO.... 45 ESCOPO DO MARKETING..................5..1..................... 55 2...1................................... ANÁLISE CRÍTICA.................... ÁREAS FUNCIONAIS...5...................................... ESTRUTURA FINANCEIRA....4............ 77 4.............. 42 2. 75 4........ 80 5......................................... PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO.7.........................6............5........................1.................. 77 4......................

. 121 6............................ 122 6..................................................2...................................4. CONSCIÊNCIA ESTRATÉGICA.... 120 5.....................................6.... 112 5...............6.................. FINANÇAS.1............................ 117 5.................1................ 122 6..............................................................................4............................................................................................................ ANÁLISE CRÍTICA................... 108 5......... 108 5.5....................... 105 5.......... ANÁLISE CRÍTICA...................................... PRIMEIROS RESULTADOS.............................................................. 127 .............................. SISTEMAS E MÉTODOS........................................................................................2...............................................4.................... 125 6..... EVOLUÇÃO FINANCEIRA.........................................2..................3. ANÁLISE CRÍTICA......................................... ANÁLISE CRÍTICA.................................................................................1........................................................................ 122 6.............. 115 5................................................................ 117 5......1......................2......2.....1.. GESTÃO DE PESSOAS................ EVOLUÇÃO PATRIMONIAL................................................ SOLUÇÕES............................................... ORGANIZAÇÃO............. 126 REFERÊNCIAS....................5................................... 118 5...... EQUIPE............................... 110 5................. 103 5................5.............................5................... SOLUÇÕES................. ANÁLISE CRÍTICA...............................................1............................................................3.......................... 125 7.........................2............ PRODUÇÃO...2.........3................ SOLUÇÕES................................................ SOLUÇÕES.3............ CONSIDERAÇÕES FINAIS. 103 5.................................... MARKETING.......4....................................2.... SOLUÇÕES........................ 120 5......6....................2................................................................ 112 5.........

....................................................................... 95 FIGURA 18: Empresas que possuem Website por Região.............................................................................................................. 97 FIGURA 19: Recursos oferecidos pelo Website da Empresa................ 89 FIGURA 12: Proporção de Domicílios que possuem Equipamentos TIC.................... 97 FIGURA 20: Análise do Marketing 1....................................... 82 FIGURA 8: Porcentagem de Brasileiros no Orkut............... 28 FIGURA 4: Sistema de Informação.............112 FIGURA 24: Análise da Gestão Financeira........ 39 FIGURA 5: Sistema simples de marketing........................................................108 FIGURA 23: Análise da Gestão de Pessoas........ 87 FIGURA 10: Evolução de Hosts do Brasil em relação ao mundo............. 86 FIGURA 9: Evolução de Hosts no Brasil........ 94 FIGURA 17: Uso de SI por Região........................................................................................................................................................................120 ........ 43 FIGURA 6: Modelo geral de administração da produção…............................................................................... 51 FIGURA 7: Análise do Planejamento Estratégico............................................................................. Sistemas e Métodos......... 18 FIGURA 2: Papéis do Administrador.................... 92 FIGURA 14: Acesso a Internet – Classe Social.br.................................... ............................................................................................................................................................................................................................................................................................103 FIGURA 21: Análise do Marketing 2.................................................................................... ....... 92 FIGURA 16: Uso de SI por Porte da Empresa...... 88 FIGURA 11: Evolução do número de Domínios ..............................105 FIGURA 22: Análise da Produção............. 92 FIGURA 15: Acesso a Internet – Grau de Instrução...................... 90 FIGURA 13: Acesso a Internet – Renda Familiar..117 FIGURA 25: Análise de Organização.......................................LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Processo de Administrar.................................. 26 FIGURA 3: Habilidades do Administrador............

.................................................................................122 .......................................................................... 47 QUADRO 6: Orientações da Empresa para o Mercado......................... 34 QUADRO 4: Estados de demanda e tarefas de marketing............................ 17 QUADRO 2: Burocracia x Adhocracia............................................ 61 QUADRO 13: Eficiência e eficácia das empresas...............................................................................................LISTA DE QUADROS QUADRO 1: As principais Teorias Administrativas e seus Enfoques.. 70 QUADRO 17: Membros da equipe Ponto Lucro....................................................................................................... 49 QUADRO 8: Tipologia de operações............ 68 QUADRO 16: Aspectos da Qualidade......................................................... 52 QUADRO 9: Bens puros x Serviços.................. 65 QUADRO 15: As Quatro Principais Eras da Qualidade........................................................................................................ 59 QUADRO 11: Pessoas como Recursos x Pessoas como Parceiros.................................. 45 QUADRO 5: Escopo de marketing................... 64 QUADRO 14: Tipos e níveis de planejamento nas empresas....................... 4Ps e 4Cs.............. 48 QUADRO 7: O mix de marketing........................................... 78 QUADRO 18: Novos membros da equipe Ponto Lucro........................ 60 QUADRO 12: Processos de Gestão de Pessoas....... 54 QUADRO 10: Objetivos Organizacionais e Objetivos Pessoais.............................. 33 QUADRO 3: Organizações segundo evolução histórica..........

.106 TABELA 14: Análise da Produção.................................................................................................................................................................................................................................................................................................................114 TABELA 16: Análise da Gestão Financeira................. 87 TABELA 5: Ranking Mundial de Hosts.........................................................80 TABELA 3: Análise do Planejamento Estratégico................123 TABELA 18: Fluxo de Caixa 2006/2 Ponto Lucro.......109 TABELA 15: Análise da Gestão de Pessoas.................91 TABELA 8: Proporção de Empresas que Usam Computadores.................124 ........................................ 83 TABELA 4: Evolução de Hosts no Brasil....................................................................................................................... 96 TABELA 12: Análise do Marketing 1.............................. 94 TABELA 10: Proporção de Empresas que usam Internet......................................................... 76 TABELA 2: Fluxo de Caixa 2005/2 Ponto Lucro.. Sistemas e Métodos......... 89 TABELA 7: Proporção de indivíduos que acessaram a Internet de qualquer....LISTA DE TABELAS TABELA 1: Tabela de serviços Ponto Lucro................................... 95 TABELA 11: Proporção de Empresas com Website. 88 TABELA 6: Evolução do número de Domínios ....118 TABELA 17: Análise de Organização........... 93 TABELA 9: Proporção de Empresas com Sistema de TI para Pedidos.....................121 TABELA 18: Fluxo de Caixa 2006/1 Ponto Lucro................................br...........................103 TABELA 13: Análise do Marketing 2............................................................................................

Palavras-chave: administração. A primeira parte desse trabalho presta-se a conhecer a empresa e o mercado em que ela está inserida. Internet. essa é a idéia propulsora da empresa Ponto Lucro Tecnologia. A segunda parte preocupa-se em criar uma ferramenta de diagnóstico voltada para as particularidades da empresa e aplicá-la sistemicamente. tecnologia da informação.RESUMO Unir as teorias de Administração. . A terceira parte apresenta soluções paliativas para as necessidades apontadas pelo diagnóstico e os primeiros resultados deste trabalho. Design e Tecnologia em um novo ambiente chamado Internet. traz consigo uma revisão das várias teorias funcionais e estratégicas da Administração envolvidas no mercado de Tecnologia e Internet.

Designer (Comunicação Visual) e Cientista da Computação (Tecnologia).lucro. A empresa Ponto Lucro imagina-o como um índice do sucesso ou fracasso de uma organização. É hora de se descobrir o caminho que leva ao valor delineado de . 12.Introdução Este trabalho realiza um estudo sobre a empresa Ponto Lucro visando melhorar sua gestão através de diagnósticos nas áreas específicas da empresa e soluções paliativas para as necessidades identificadas no diagnóstico. Entre outros está a qualidade. Simplesmente ignorar a Internet não é opção. a Ponto Lucro pretende ser referência na área de desenvolvimento de soluções WEB. com a finalidade de oferecer serviços completos e integrados através de uma equipe multidisciplinar. a Ponto Lucro pretende ser uma empresa diferenciada.15 1. 1.1. Já é tempo de se tratar do assunto. 2001): Já é tempo de se deixar de mencionar a Internet como futuro das empresas e se começar a discutir como gerenciar essas empresas hoje. Dessa forma entende-se que as empresas hoje já devem possuir estratégias virtuais relacionadas à suas estratégias reais. A empresa Ponto Lucro possui três sócios que formam uma equipe multidisciplinar: Administrador (Gestão Estratégica).Justificativa Para Nick Earle e Peter Keen (p. profissionalismo e resultados. Através da cultura de melhoria contínua. a organização. Só assim elas estarão preparadas para a nova economia sem deixar de estar preparadas também para a economia convencional. O Lucro de uma empresa é considerado por muitos a representação única do sucesso ou fracasso empresarial. o planejamento e o controle dos objetivos .com para . mas não o único. para que elas sejam eficazes quando o futuro tornar-se o presente. Com um portfólio de serviços voltados para o desenvolvimento de soluções em Tecnologia da Informação aplicadas para negócios utilizando sempre o ambiente virtual (Internet).

e controlá-los para que estejam sempre melhorando.Objetivos 1. Descrever os resultados imediatos das soluções paliativas.2. Para obter o lucro final é necessário passar por todos esses meios. Para ter um sucesso completo é preciso estar atento a todos esses índices. e para desenvolver soluções adequadas ao negócio esses índices devem estar bem claros na visão dos integrantes da empresa. 1. Confiabilidade e Lucro. Planejamento. Definir propostas de melhorias.Objetivo Geral Organizar e melhorar a gestão da empresa Ponto Lucro analisando a organização com um todo e apresentando soluções para cada área específica da empresa. que garantem a contínua melhoria enquanto negócio: Qualidade.16 da empresa. Acompanhar a implantação das propostas de melhoria.2. Organização.2. 1. Dessa forma esse trabalho apresenta soluções à empresa de forma que ela possa se organizar e controlar seus objetivos de maneira eficiente e eficaz.2. A empresa Ponto Lucro acredita que só obterá seu resultado pretendido se seus clientes também obtiverem resultados reais. Para tanto cada serviço deve ser devidamente acompanhado em sinergia entre a equipe Ponto Lucro e o cliente.1.Objetivos Específicos • • • • Realizar Diagnóstico Funcional e Estratégico. Cinco Objetivos de Desempenho devem ser controlados durante todo o processo de relacionamento Empresa-Cliente. .

7) Teorias Administrativas .1. p. Quadro 1 As principais Teorias Administrativas e seus Enfoques Ênfase Principais Enfoques Racionalização do trabalho no Administração Científica Nas Tarefas nível operacional Organização formal. Na Estrutura Organização formal burocrática Teoria da Burocracia Racionalidade organizacional Múltipla abordagem: Organização formal e informal Teoria Estruturalista Análise intra-organizacional e análise interorganizacional. comunicações e dinâmica de Estilos de administração. Organização informal. uma ciência. Administração “Administração é a arte de fazer coisas através de pessoas” Mary Parker Follet A Administração seja ela uma arte. Mudança organizacional Teoria do Desenvolvimento planejada. é praticada o tempo todo no dia-a-dia. Análise intra-organizacional e Teoria Estruturalista análise ambiental. No Ambiente Abordagem de sistema aberto. Na Tecnologia Teoria da Contingência (imperativo tecnológico) Fonte: CHIAVENATO (2000. Administração da tecnologia. Abordagem de sistema aberto. Análise ambiental (imperativo Teoria da Contingência ambiental). Sabe-se que a Administração obteve diversos enfoques e visões diferentes através do tempo como demonstrado no quadro 1. liderança. Organizacional Abordagem de sistema aberto. Nas Pessoas Teoria do Comportamento Teoria das decisões.17 2. ou ambas. Teoria Clássica Princípios gerais da Teoria Neoclássica Administração. Organizacional Integração dos objetivos organizacionais e individuais. Teoria das Relações Humana Motivação. Fundamentação Teórica 2.

dirigir e controlar o uso de recursos a fim de alcançar objetivos. Seja através da arte.4): A Administração é o processo de planejar. Segundo Stoner (1999. apesar dos diferentes tratamentos da Administração pelo tempo. p. 5) ainda complementa o conceito de Administração dizendo que “[. a Administração propõe o desenvolvimento da melhor forma de agir para obter os resultados esperados.18 Contudo. organizar. p.. ela permanece como forma de aprimorar os meios para atingir os melhores fins. organizar.] a tarefa básica da Administração é a de fazer as coisas por meio de pessoas de maneira eficiente e eficaz”. liderar e controlar os esforços realizados pelos membros da organização e o uso de todos os outros recursos organizacionais para alcançar os objetivos estabelecidos. Chiavenato (2000. Chiavenato (2000) parece concordar com o conceito de Stoner quando diz que a Administração é o processo de planejar. da racionalização ou do uso de ambos. EFICIÊNCIA PLANEJAR ORGANIZAR CONTROLAR LIDERAR EFICÁCIA Figura 1 – Processo de Administrar ..

Ser eficiente significa executar da melhor maneira possível.2. Dessa forma pode-se medir o nível de eficiência da Administração avaliando a maneira como os processos estão sendo executados. como fazer as coisas da melhor maneira possível. pois sem o direcionamento correto a melhor execução só levará a resultados desnecessários.] é uma relação entre custos e benefícios. ou seja. eficiência é “fazer as coisas certo”. Uma abordagem da eficiência como uma medida de desempenho é feita por Chiavenato (2000. Organizar. [. É importante manter-se sempre eficiente evitando re-trabalhos e desperdício diversos para a manutenção de um bom Processo Administrativo. 1999. uma relação entre os recursos aplicados e o resultado final obtido: é a razão entre o esforço e o resultado. p. 177) quando diz que: [. Eficiência Eficiência é relativa aos meios. qual o objetivo correto a se perseguir. para Drucker (apud STONER. Liderar e Controlar.] eficiência é uma relação técnica entre entradas e saídas. .19 São idéias amplas que se complementam. 2. 2. mas para entendê-las é necessário compreender o significado dos conceitos usados em ambos: Eficiência.1. 136).. p.1.1.. De fato um bom processo de administrar ocorre como demonstra a figura 1. Planejar. evitando desperdícios e maximizando a produtividade. Eficácia. A importância destes conceitos é tanta que os mesmos serão revisados e inseridos várias vezes durante este trabalho. entre a despesa e a receita. Segundo Stoner (1999) eficiência é a capacidade de minimizar o uso de recursos para alcançar os objetivos da organização.. Eficácia Eficácia se relaciona aos fins. É mais importante que a eficiência. entre o custo e o benefício resultante..

Uma abordagem da eficácia como uma medida de desempenho é feita por Chiavenato (2000. por ser aquela que serve de base para as demais funções.195) diz que: O Planejamento figura como a primeira função administrativa. Dessa forma deve-se medir o nível de eficácia da Administração determinando os melhores objetivos a se perseguir. Dessa forma objetiva-se o melhor caminho para se atingir os resultados esperados. p. p. Planejar Planejar é o primeiro passo do Processo de Administrar. De forma semelhante. um processo muito eficiente e pouco eficaz seria como ter a uma indústria com a melhor produção de vodka em um local onde o consumo de bebidas alcoólicas é proibido. é pensar antes de agir ou preparar as maneiras mais adequadas para a ação. e não em palpites. plano ou lógica.3. p. O Planejamento é a . Stoner (1999. 177) quando diz que: “[. É fundamental manter-se sempre eficaz. 136) eficácia é “fazer as coisas certas”.1. p.5) diz que: Planejar significa que os administradores pensam antecipadamente em seus objetivos e ações. 1999. e que seus atos são baseados em algum método.20 Em uma analogia simples. para Drucker (apud STONER. 2. pois de nada adianta ter a melhor organização e produção se os bens ou serviços produzidos não atendem às necessidades ou desejos da sociedade. Segundo Stoner (1999) eficácia é a capacidade de determinar objetivos apropriados. Chiavenato (2000..] a eficácia de uma empresa referese à sua capacidade de satisfazer necessidades da sociedade por meio do suprimento de seus produtos (bens ou serviços)”.. São os plano que dão à organização seus objetivos e que definem o melhor procedimento para alcançá-los.

1. o processo de organizar exige racionalização do trabalho objetivando minimizar desperdícios e otimizar a produtividade para alcançar ótimos resultados. Designar as atividades às específicas posições e pessoas (cargos e tarefas). de modo que eles possam alcançar eficientemente os objetivos da mesma. 202) organizar consiste em: 1. Esse trabalho não pretende fazer uma grande discussão sobre aos diferentes estilos de liderança e suas influências. devido sua complexidade e variedade de conceitos. Liderar Liderar é a função mais difícil de se definir. 2. 2. Por isso. 3. Nesse momento é importante a eficiência das operações. Determinar as atividades específicas necessárias ao alcance dos objetivos planejados (especialização). Para Stoner (1999) organizar é o processo de arrumar e alocar o trabalho.4. a autoridade e os recursos entre os membros de uma organização. Agrupar as atividades em uma estrutura lógica (departamentalização). Organizar significa buscar a melhor maneira para agir. liderar é . O ato de planejar envolve sensibilidade ao mercado e à missão da organização além de vários métodos e técnicas que tornam o planejamento realmente eficaz.1. Assim a organização deixa de agir unicamente de maneira intuitiva e passa a atuar de forma profissional e focada facilitando seu desenvolvimento e sustentabilidade. p.5.21 função administrativa que determina antecipadamente os objetivos que devem ser atingidos e como se deve fazer para alcançá-los. consiste em procurar a melhor forma para executar o que foi planejado. Organizar Organizar é o segundo passo do Processo de Administrar. Segundo Chiavenato (2000. 2. Em poucas palavras.

e tem muito a ver com as pessoas. Este é o papel da direção (liderança): acionar e dinamizar a empresa. e (4) caso sejam detectados desvios. Chiavenato (2000) fala que a finalidade do controle é . a habilidade mais preponderante na liderança é a habilidade pessoal. Ela está relacionada diretamente com a atuação sobre os recursos humanos da empresa. Saber se comunicar sem ruídos. Stoner (1999) divida a função de controle em 4 elementos: (1) estabelecer padrões de desempenho. 2. conceituais e principalmente humanas. (2) medir o desempenho atual. ter sensibilidade e facilidade em se relacionar bem com as pessoas é imprescindível para que se possa construir e fazê-las construir os melhores resultados. influenciar e motivar os empregados a realizar tarefas essenciais. 7) diz que: Definido o planejamento e estabelecida a organização. é medir o sucesso ou insucesso de todo o processo administrativo. Para Stoner (1999) liderar significa dirigir.6 Controlar Controlar é saber se o que foi planejado e organizado está dando os resultados esperados. (3) comparar esse desempenho com os padrões estabelecidos. A direção (liderança) está relacionada com a ação. Stoner (1999. resta fazer as coisas andarem e acontecerem. com o colocar-se em marcha. o administrador mantém a organização no caminho escolhido”. É fundamental o controle para garantir a eficiência e eficácia da Administração. Chiavenato (2000. p. p. Sobre a finalidade do Controle.22 usar das habilidades técnicas.7) diz que: “Através da função de controlar. De maneira semelhante. para se construir junto às pessoas o resultado esperado.1. executar ações corretivas. Por sua relação direta e constante com as pessoas.

organizado e dirigido se ajustem tanto quanto possível aos objetivos previamente estabelecidos. Portanto. . É o Controle que garante os bons resultados e a melhoria contínua do Processo de Administrar. através do Controle é possível identificar se o processo está se desenvolvendo bem e melhorá-lo se possível ou se o processo está se desenvolvendo de maneira insatisfatória e propor ações corretivas ou novos direcionamentos para a Administração.23 assegurar que os resultados do que foi planejado.

interpretação.. laudos. Segundo a Lei nº 4.24 2.] objetivando o aperfeiçoamento da Ciência da Administração.2 Administrador "Prometo dignificar minha profissão [.769. o desenvolvimento das Instituições e a grandeza do homem e da pátria". Para exercer sua atividade profissional. chefia intermediária.org. relatórios.1 O Administrador é a pessoa responsável por conduzir todo o Processo de Administrar. estudos. b) pesquisas. análise.. direção superior. administração de material.br) . administração mercadológica. assessoria em geral. de 9 de setembro de 1965. como profissão liberal ou não. como administração e seleção de pessoal. administração de produção. planejamento. Para desempenhar suas funções e sustentar sua posição. Classificação de Administradores Stoner (1999) classifica o Administrador pelo nível que ocupa na organização (de primeira linha. arbitragens. 1 Juramento retirado do site do Conselho Federal de Administração (www. bem como outros campos em que esses se desdobrem ou aos quais sejam conexos.cfa. mediante: a) pareceres. administração financeira. orçamentos. Juramento do Administrador. o Administrador deve desenvolver várias habilidades e algumas características são apontadas como fundamentais ao Perfil de um bom Administrador. relações industriais. organização e métodos. 2. coordenação e controle dos trabalhos nos campos da Administração. o Administrador ocupa diversas posições estratégicas nas organizações e desenvolve papéis fundamentais para a sustentabilidade e crescimento dos negócios. projetos. planos.1. intermediários e altos administradores) e pelo âmbito das atividades organizacionais pelas quais são responsáveis (os chamados administradores funcionais e gerais). implantação. no seu Artigo 2º: A atividade profissional de Administrador será exercida.2.

25 Pelo nível que ocupam na organização Gerentes de Primeira Linha: Estão localizados no nível mais baixo de gerência. o Administrador Geral é responsável pelas diversas áreas funcionais da empresa e pelas pessoas envolvidas nas funções. ocupam o cargo máximo nas organizações. Papéis dos Administradores Mintzberg (apud STONER. são responsáveis por Gerentes de Primeira Linha e podem também gerenciar trabalhadores operacionais. Gerente Comercial. Gerentes Médios: Estão localizados no nível intermediário. 1999) fez um levantamento sobre os papéis dos Administradores dividindo-os em Papéis Interpessoais. Vice-Presidente.2. Esses papéis são desenvolvidos constantemente no dia-a-dia dos Administradores. e pela equipe que compõe essa área funcional. Administradores Gerais: Comum em pequenas organizações.: Diretor de Marketing. Administradores de Topo: São comumente chamados de CEO (Chief Executive Officer). Papéis Interpessoais . Ex. não são responsáveis por outros supervisores e gerenciam apenas trabalhadores operacionais. costumam ser chamados de supervisores.2. Pelo âmbito das atividades Administradores Funcionais: São os Administradores responsáveis por uma área funcional. Diretor de Produção. 2. Papéis Informacionais e Papéis Decisórios conforme a Figura 2. Presidente. são responsáveis por seu direcionamento e seus recursos.

comparecer a casamentos. portanto ele é um símbolo desta organização. pois ele é responsável por seus atos e de todos seus subordinados. tratar e repassar essas informações. as pessoas vivem em torno da um fluxo intenso e contínuo de informações. São divididos em três papéis: Símbolo. Figura 2 – Papéis do Administrador Fonte: STONER (1999. Papéis Informacionais As organizações. O Administrador representa a organização. Símbolo representa a função de estar presente em locais e momentos importantes.26 São os papéis que os Administradores executam relativos ao relacionamento com as pessoas e construção conjunto dos resultados. basicamente tarefas cerimoniais. e outros eventos. 10). Ele faz o intercâmbio entre pessoas que irão gerar novos negócios ou facilitar os negócios existentes. Líder é o papel que o Administrador representa o tempo todo. . para um bom desenvolvimento. Disseminador. Nesse cenário são destacados três papéis: Coletor. p. Elemento de Ligação é o papel que o Administrador representa ao possibilitar relacionamentos que auxiliam o desenvolvimento de sua empresa e de outros. o mercado. e ela será conceituada à partir do Administrador. e Porta-voz. as empresas e os Administradores precisam saber receber. Líder e Ligação.

procura se informar o máximo possível nas mais variadas fontes de informação. Papéis Decisórios Com toda a informação disponível. Empreendedor é o papel que o Administrador assume ao tentar melhorar seus negócios propondo maneiras inovadores ou novos projetos que alavanquem a organização. O Administrador deve possuir a sensibilidade para discernir entre o que pode ou não ser comunicado as informações empresariais. Empreendedor. Alocador de Recursos e Negociador. Ele deve atuar identificando esses problemas e apresentando soluções. assim sendo ele deve encontrar o equilíbrio para alocar a quantidade correta de recursos e sua utilização. Quatro são os papéis decisórios.27 O Coletor busca as informações dentro e fora das organizações. O papel do coletor é possuir o maior volume de informações relativas à organização. O Administrador é um solucionador de problemas. pois se encontra em um ambiente instável e suscetível a um variado leque de problemas. cabe aos Administradores estudarem-na e tomar decisões baseadas nelas. As decisões são de responsabilidade total dos Administradores. porque o dirigente está inserido em um cenário de necessidades ilimitadas para recursos limitados. O Administrador deve ser um Porta-voz quando se faz necessário comunicar informações para pessoas que se localizam fora da organização. Alocador de recursos. Solucionador de Problemas. por isso é necessário cautela e preparo para tomá-las. Disseminador é o papel que o Administrador representa ao comunicar as informações à equipe para mantê-la atualizada e em sintonia com a empresa. . portanto um Solucionador de Problemas.

Habilidades Técnicas são as habilidades ligadas à execução do trabalho. o Administrador deve desenvolver e fazer uso de várias habilidades. .3. 1999) classificou-as em três grandes habilidades: Técnicas. Todo administrador precisa das três habilidades. pois estará praticando esse papel constantemente em suas atividades. o Administrador precisar dominar as três habilidades e dosá-las conforme sua posição na organização como demonstrado na figura 3. Ele deve negociar tanto com o ambiente interno como com o ambiente externo sempre objetivando os melhores resultados para sua empresa e para a sociedade. executar seus papéis e buscar as melhores maneiras de Administrar. e ao domínio do conhecimento específico para executar seu trabalho operacional. 2. Habilidades Para ocupar posições nas empresas. p. Robert L.2.28 Todo Administrador deve ser um bom negociador. Humanas e Conceituais. Figura 3 Habilidades do Administrador Fonte: STONER (1999. 10) Percebe-se que para desenvolver bem seu trabalho. Katz (apud STONER.

compreender suas atitudes e motivações e liderar grupos de pessoas”. Segundo Chiavenato (2000. Habilidades Humanas são as habilidades necessárias para um bom equipamentos necessários para o desempenho de tarefas específicas. 3) habilidade humana “[. 3) habilidade técnica “[.29 Segundo Chiavenato (2000. por meio da experiência e educação. técnicas e importante para o nível operacional”. . influenciando diretamente no direcionamento e na Administração da empresa. É muito relacionamento.. Habilidades humanas são imprescindíveis para o bom exercício da liderança organizacional Habilidades Conceituais são as habilidades necessárias ao proprietário.. Administradores com boas habilidades humanas se desenvolvem bem em equipes e atuam de maneira eficiente e eficaz como líderes.. CEO de uma empresa. 3): Habilidade conceitual: Consiste na capacidade de compreender a complexidade da organização com um todo e o ajustamento do comportamento de suas partes. comunicar. São essas habilidades que mantêm a visão da organização como um todo. p.]consiste na capacidade e facilidade para trabalhar com pessoas.]consiste em utilizar conhecimentos.. métodos. presidente. Segundo Chiavenato (2000. Logo as habilidades técnicas são mais importantes para os gerentes de primeira linha e para os trabalhadores operacionais. p. As habilidades conceituais são imprescindíveis aos Administradores de Topo. Essa habilidade permite que a pessoa se comporte de acordo com os objetivos da organização total e não apenas de acordo com os objetivos e as necessidades de seu departamento ou grupo imediato. p.

Capacidade de trabalho em equipe. Disposição para correr riscos e responsabilidade. redação e criatividade. não é fácil desenvolvê-las. sustentá-las é ainda mais complicado. Capacidade de delegar funções. Domínio de métodos e técnicas de trabalho. 34). Capacidade de liderança.. Capacidade de comunicação. Facilidade de relacionamento interpessoal. Capacidade de adaptar-se a normas e procedimentos. Habilidade para identificar oportunidades. Características Algumas características são consideradas fundamentais ao Perfil de um bom Administrador moderno.2.] as organizações desejam profissionais de Administração com as seguintes características: Capacidade de identificar prioridades. p. Somente assim o Administrador será considerado capaz de Administrar. MEIRELES (2003. Capacidade de subordinar-se e obedecer à autoridade. Essa é exatamente a missão do Administrador. Segundo pesquisa realizada em empresas: [. Capacidade de estabelecer e consolidar relações..4.30 2. Capacidade de operacionalizar idéias. São características desafiadoras. vencer todos seus desafios e mostrar sua capacidade de se manter e crescer nos mais diferentes cenários. .

Essas entidades são planejadas.[. organizadas. nos tempos contemporâneos. 5) diz que: Na Antigüidade. impulsionadas pela alta competitividade e exigência da sociedade. roupas e víveres eram produzidos na própria casa.] Alguns povos da Antigüidade. como os fenícios. Sobre a origem das Organizações Coelho (2004. As organizações estão expandindo e melhorando a cada dia. para Coelho (2004) as organizações existem.3.. dirigidas e controladas por Administradores.1. o comércio.3. expandiu-se com extraordinário vigor. estimularam a produção de bens destinados especificamente à venda. as organizações ganharam complexidade e volume. apenas os excedentes eventuais eram trocados entre vizinhos ou na praça. Nem sempre houve a necessidade de ser juntar pessoas e recursos a fim de produzir bens ou serviços para atender a sociedade.31 2. 2. ideologias. e recursos para atingir objetivos. Portanto as organizações existem para atender às necessidades e desejos da sociedade e do mercado. Organizações 2. por meio da Administração e é na organização que o Administrador nasce e se desenvolve.3. para os seus moradores. com isto. seus métodos e estruturação para agir. . A segunda trata da forma como essa organização será racionalizada. é interessante entender porque elas existem. Origem e Finalidade das Organizações Antes de conceituar as organizações. p. Conceitos de Organização É importante destacar a diferença entre Organização e Estrutura Organizacional. A primeira é a união de pessoas. pois todos precisamos de bens e serviços para viver e são as organizações as responsáveis por produzir esses bens e serviços. Esta atividade de fins econômicos. destacaram-se intensificando as trocas e.2. Contudo.. idéias. As organizações existem para servir às necessidades e desejos das pessoas.

crenças. 46). métodos e recursos materiais. p. Meireles (2003) divide este artefato complexo em cinco questões básicas: Quem? Como? Com quê? O quê? Por quê? O “quem” é o humanware – conjunto de pessoas requeridas pelo artefato. a maneira de fazer as coisas. (MEIRELES..32 Com tantos conceitos semelhantes de organização.] a organização é um sistema planejado de esforço cooperativo no qual cada participante tem um papel definido a desempenhar e deveres e tarefas a executar”. princípios. interesses. atitudes.. à idéia de artefato de Herbert Simon. O “como” é o software – tecnologia procedimental. valores escriturais. p.(MEIRELES. p. O “com o quê” é o hardware – conjunto de recursos materiais (incluindo financeiros): equipamentos. 46).. O “o quê” é o foco – alvo de toda ação administrativa desenvolvida no interior do artefato. cultura.] a organização é um artefato que pode ser abordado como um conjunto articulado de pessoas. projetado para um dado fim e balizado por um conjunto de imperativos determinantes (crenças. O segundo conceito vem de Meireles e Paixão (2003). sentimentos.).3.3. máquinas. Complexidade e Evolução Histórica. O “por quê” são os imperativos determinantes – fonte da ação humana administrativa: apetites. Relacionando a idéia de estrutura complexa de Gareth Morgan. hábitos. dois conceitos foram escolhidos para se destacarem neste trabalho.. créditos e valores. Meireles e Paixão chegaram ao seguinte conceito: [. 2003. valores. 2003. 116) a partir da união de conceitos de autores diversos: “[. valores. culturas etc. 2. Classificação das Organizações Cury (2003) classifica as Organizações segundo três critérios: Flexibilidade. A Organização pode ser definida segundo sua capacidade de ser mais ou menos flexível. Organizações menos flexíveis tendem ao estilo de organização burocrática Organizações mais flexíveis tendem ao estilo de organização . O primeiro é o conceito desenvolvido por Cury (2000.

Pouca normatização. geralmente afetas aos níveis superiores. Pouca delegação. que nem sempre podem sofrer divisão de trabalho e fragmentação bem definidas. 111). Estruturas flexíveis. Quadro 2 Burocracia x Adhocracia Burocracia Fechado. Fatores motivadores e mobilizadores. Alta centralização do processo de tomada de decisões. com minuciosa divisão de trabalho. Predomínio da interação vertical entre superior / subordinado. Existência de delegação acentuada. com atribuições perfeitamente bem definidas. Amplitude de controle do supervisor é mais ampla. Amplo compartilhamento de responsabilidade e de controle. Ênfase nos relacionamentos entre os indivíduos e dentro dos grupos. Hierarquia rígida. Maior confiança nas regras e procedimentos formais. detalhistas. orgânico. Cargos ocupados por especialistas. Estruturas permanentes. Adhocracia Aberto. Amplitude de controle do supervisor é mais estreita. p. . mecânico. Complexidade está ligada aos processos internos da organização. sua estrutura e à forma com que ela age. profundamente normatizadas pela cúpula. Atividades rotineiras / estáveis. Detalhes normatizados pelos próprios níveis operacionais. à luz dos conhecimentos dos indivíduos sobre as tarefas da empresa como um todo. Relativo processo de descentralização da tomada de decisões. Estruturas temporárias. Confiança nas comunicações. O quadro 2 apresenta de maneira resumida as características das Organizações burocráticas e adhocráticas.33 adhocrática Os conceitos de Burocracia e Adhocracia foram desenvolvidos respectivamente por Max Weber e Alvin Toffler. uma grande empresa pode ser menos complexa que uma pequena empresa. Fonte: CURY (2003. Grupos-tarefas. Estruturas burocráticas. normas genéricas. com dispersão e integração. Ênfase na doutrina tradicional. Atividades inovadoras. Predomínio da interação horizontal sobre a vertical. Fatores higiênicos. Ênfase na doutrina behaviorista e enfoque contingencial. Confiança e crença recíprocas. continuamente redefinidos por interação com outros indivíduos participantes da tarefa. Relacionamento do tipo autoridade / obediência. Complexidade não significa necessariamente tamanho. Cargos generalistas. Ênfase exclusivamente individual. Participação e responsabilidade multigrupal.

de ambiente de alta incerteza. isto é. Quadro 3 Organizações segundo evolução histórica Indicadores 1. de ambiente estável.Divisional 6.Gerência participativa .Colateral . Tomada de decisão . turbulento.Matricial . Estrutura organizacional Tradicional . Empresa do 2º tipo.Processos .Linear .Sistema aberto . portanto organiza.Participativa . 131) divide as empresas em três tipos segundo sua complexidade: Empresa de 1º tipo.Staff-and-line .Individual e centralizada Organizações Moderna . Visão do mundo 5.Clientes e nãoclientes .Comportamento humano . 2º ou 3º tipo.Análise das atividades das empresas . empresa de tecnologia de ponta.Sistema fechado . seja ela do 1º. com ênfase em suas próprias atividades.Funcional .Processo decisório Fonte: CURY (2003. com ênfase no indivíduo.Empowerment . Ambiência da empresa 3. p.Equipes . não tão programável. p.Função . pois elas devem acompanhar a sua alta complexidade e volatilidade. isto é.Holística . de alta interdependência entre suas diversificadas áreas.34 Cury (2003. de produção rotineira. de tecnologia simples. às vezes nova. com ênfase grupal.Colegiada . adequadas a cada momento histórico que vivenciaram.Princípios de administração . Enfoque básico 2. tanto no que diz respeito à tecnologia utilizada quanto no que se refere ao cenário de produção. procurando motivá-lo no trabalho. mecanicista.Conceito da cultura . empresa um pouco mais complexa. empresa tradicional. 157).Processo decisório com informação e negociação .Projeto .Consultiva Contemporânea . Empresa do 3º tipo. isto é. . buscando a mobilização da força de trabalho. com estruturas predominantemente temporárias. . induzindo a uma abordagem adhocrática e contingencial. Através da linha do tempo as organizações se estruturaram de maneiras diferentes. de ambiente de certa complexidade. porém as empresas devem procurar a melhor maneira de se organizar e que lhe trará os melhores resultados.Processo. • • • O Mundo hoje requer organizações mais complexas.Autoritária . Essência da Administração 4.

Moderna e Contemporânea. é importante ressaltar que todos os momentos foram fundamentais para se entender e chegar ao estilo mais adequado de cada empresa dentro de suas limitações e objetivos.35 Cury (2003) destaca três modelagens das organizações em busca de efetividade: Tradicional. . O quadro 3 facilita o entendimento da linha evolutiva das organizações. Cada momento foi imprescindível para que se aprender com as falhas históricas e procurar os acertos. aprimorando através do tempo e desenvolvendo diferentes formas de se realizar a arte e ciência de Administrar. O Quadro 3 mostra as diferentes modelagens.

Essa (re)evolução não possui limites visíveis ou mensuráveis. que são de uma só mão. Ninguém a controla”. a tecnologia digital é um meio de duas mãos. p. a tecnologia da informação deve contribuir para modificar a natureza das empresas. todos estão nela não é apenas uma revolução regional localizada. é delas a origem do pulsar das mudanças. Afinal é nelas que está concentrada a tormenta. Em um cenário incerto é fundamental às organizações possuir flexibilidade suficiente para alterar suas rotas evitando desastres e avançando em meio à tormenta. Usar a TI e a Internet não são apenas meios de controlar gastos. 11) diz que: “A pergunta crítica não é quanto ao .36 2. A evolução se arrisca ao se tornar tão rápida. a forma de agregar valor ou de penetrar em novos mercados. ou compartilhada. Confirmando a realidade dessas ferramentas. como diz Tapscott (2001) a questão agora é outra. a realidade agora é fazer parte da tormenta e entendê-la a ponto de crescer junto a ela. Não é mais questão de evitar a tormenta. Tapscott (2001. Porter (2002. o mundo passa a vivenciar a revolução dos bits sobre os átomos. como a televisão e a imprensa. a sociedade se assusta com a velocidade das informações e dos avanços nas mais diferentes áreas. Para entender a tormenta é necessário entender do seu negócio e aliar a ele essas ferramentas fundamentais: Tecnologia da Informação e Internet. 21) fala de maneira interessante sobre a mais recente revolução: “Diferentemente de outros meios revolucionários do passado.4. Essa liberdade ou falta de controle torna o novo cenário imprevisível. p. Ela é impulsionada por toda e qualquer pessoa com acesso a um computador conectado à Internet. Essa pode ser uma revolução considerada livre. Organizações de TI na Era da Internet “Tudo flui e nada permanece” Heráclito de Éfeso A citação de Heráclito mostra-se adequada quando se fala em organizações que atuam com Tecnologia da Informação na era da Internet. ela é generalizada e sua região é o globo.

materiais. . caso pretendam continuar competitivas”.5) Tecnologia da Informação “[. humanos) para atingir seus objetivos. Sistema de Informação (SI) e Sistema de Informação Baseado em Computador (SIBC). Assim como a Organização é um sistema que depende de recursos (financeiros. Por ser uma expressão cotidiana. Para Turban (2003. Tecnologia da Informação – TI Tecnologias da Informação são as diferentes tecnologias específicas que podem ser aplicadas no trabalho das informações. Efraim Turban Tecnologia da Informação é uma expressão muito usada atualmente. É importante ressaltar a diferença entre Tecnologia da Informação – TI – e Sistema de Informação – SI.1. Vencer o desafio é a função da empresa que pretende ser espetacular.1..1. Esses conceitos muitas vezes se confundem.37 emprego em si da tecnologia da Internet – as empresas não tem escolha.4. 2. várias definições lhe são atribuídas em grande parte definições erradas. Para entender o cenário da TI é importante entender três conceitos fundamentais: Tecnologia da Informação (TI). Aceitar o desafio da incerteza é hoje imprescindível para qualquer organização que pretende se sustentar no mercado. O SI propõe trabalhar a informação através do uso da TI mais adequada à sua finalidade. Administração de Tecnologia da Informação “A comporta de informações se abriu e diversos princípios e relações comerciais tradicionais ficaram para trás”.]é um conjunto dos componentes tecnológicos individuais. p.. daí a importância de entendê-los em sua singularidade. normalmente organizados em sistemas de informação baseados em computador”.4. 2. os sistemas de informação dependem da tecnologia da informação para atingir seus objetivos. precipitadas ou confusas.

Para entender o mecanismo dos SIs é importante conhecer as definições de dados. seu objetivo é tratar os dados para que eles se transformem em informações e conhecimento.4. um trabalho de conclusão de curso. Um bom Sistema de Informação se desenvolve como mostrado na figura 4. e esses textos carregam o conhecimento. uma tese. p. . armazenados e classificados. informação e conhecimento. Para Turban (2003) Dados são fatos puros ou descrições básicas de coisas.1. d”. Imagine o dado como sendo uma letra isolada. mas não organizados para transmitir qualquer significado. analisa e dissemina informações com um propósito específico”. p. exemplo: “a. c. A Informação nasce através da organização objetiva dos dados.38 2. 17): “Informação é um conjunto de fatos – dados – organizados modo a fazer sentido para o destinatário”. um artigo. Segundo Turban (2003. Sistema de Informação – SI Sistema de Informação como todo sistema possui Entrada. Os dados encontram-se na entrada do sistema de informação. b. as frases seriam como informações. Tratamento e Saída. experiências. eventos. O Conhecimento é o conjunto de informações organizadas que transmitem discernimento. A organização de várias frases produz um texto. armazena. para Turban (2003. exemplo: “Um sistema de informação aliado a uma boa política educacional é fundamental ao desenvolvimento das Instituições de Ensino”. aprendizagem acumulada ou habilidade.2. são os insumos que alimentam o sistema. atividades e transações que são capturados. registrados. processa. 17): “Um sistema de informação (SI) coleta. A organização objetiva desses dados forma palavras que juntamente a outras palavras formam frases que carregam certo sentido.

da mesma forma é inviável usar os computadores sem os sistemas de informação adequados. Nos níveis organizacionais inferiores (operacional) estão localizados os Sistemas de Processamento de Transações – SPT que são responsáveis pelo registro e execução das transações simples das empresas. Turbam (2003. Turbam (2003) classifica-os pelo nível organizacional em que são utilizados.. O grande volume de informações. encontram-se em todas as áreas funcionais. pois obtêm sua eficiência máxima quando combinadas em sistemas de informação”.39 Figura 4 Sistema de Informação 2.]poucas tecnologias da informação são usadas isoladamente.3. a velocidade das mudanças e a complexidade das empresas tornam inviável qualquer tentativa de se projetar sistemas de informação sem o uso dos computadores e das telecomunicações.. Sistema de Informação Baseado em Computador – SIBC São os sistemas de informação que se usam os computadores e as tecnologias de telecomunicações como meio para atingir seus objetivos. 17) ressalta que “[. p. . Existem vários tipos de SIBCs.4.1.

Se assustar ou se encantar com a Internet depende da forma como as pessoas a encaram. Ela pode ser seu pior pesadelo ou sua melhor oportunidade. ser indiferente ao poder da Internet é algo raro. Turbam (2003. que tentar ignorá-la e perder tudo o que ela pode oferecer. independente da forma como as pessoas reagem perante a Internet. A Era da Internet “A característica marcante da nova tecnologia é a possibilidade de ser espetacular”. informação.12): “A Internet almeja essa mudança no mundo dos negócios. Como uma rede ela conecta diversos pessoas através de computadores pelo mundo. ela é uma realidade. Basta um pouco de imaginação e ação para mudar de maneira impactante os rumos de um mercado e uma sociedade. p. A possibilidade de ser espetacular encanta e assusta pessoas do mundo todo. 2.4. Para Siegel (2000. gerencial – estão os Sistemas de Informação Gerencial – SIG – e são usados pelos gerentes para analisar os dados dos SPTs gerando informações que podem auxiliar nas tomadas de decisão a nível gerencial.]a rede de telecomunicações eletrônicas que conecta computadores no mundo inteiro”. p. Sua possibilidade de eliminar a distância entre pessoas traz possibilidades infinitas. Ela influi em todas as áreas de conhecimento. sendo assim é melhor tentar entendê-la e usar suas possibilidades para uma boa causa. A questão é: como você irá reagir?”.2. topo – estão os SIBCs mais especializados como Sistemas de Suporte a Decisões – SAD e Sistemas de Informação para Executivos – SIE e são usados para auxiliar nas decisões estratégicas da empresa. introduzindo uma forma totalmente nova de agir e pensar. ...40 No nível médio – tático. Nos níveis superiores da organização – estratégico. basta que esses computadores estejam conectados a ela por um provedor de acesso. 5) define a Internet como “[. porém. A Era da Internet impressiona por derrubar velhas barreiras. pessoas e idéias. Don Tapscott A Internet é a rede mundial de computadores.

a Internet veio para reinventar ou aprimorar antigas teorias e formas de negócios.]. 12): “Ao longo dos próximos dez anos. Essas capacidades serão fundamentais na criação de um ambiente de sustentação e crescimento das empresas na Era da Internet. o alcance de qualquer negócio é o mundo. Tudo isso faz parte do novo contexto que se apresenta nesta era. as barreiras regionais inexistem para Drucker (2001. O mercado passa a ser global. 92): “Na geografia mental do comércio eletrônico. Segundo Siegel (2000. No mundo da gestão.. simplesmente eliminou-se a distância. p. a Internet provocará mudanças no comportamento do consumidor [. Essas mudanças serão tão profundas que as empresas terão que se realinhar com um foco no cliente ainda mais pronunciado do que o atual”.. Existem somente uma economia e um mercado”. p. Com o advento da Internet passa a ser fundamental a capacidade de inovar e se reinventar para acompanhar as alterações no mercado. .41 A globalização da economia tem sua forma concreta na era da Internet.

Administração Financeira. Estrutura Organizacional. Administração da Produção. Administração de Recursos Humanos. Cada área funcional possui suas atividades específicas. Gestão da Qualidade.5 Áreas Funcionais A organização foi estudada como um sistema composto de subsistemas baseados em funções e atividades.42 2. e Gestão empresarial. Administração de Serviços. Espera-se que a visão estratégica de cada área funcional desperte necessidades que serão identificadas no diagnóstico estratégico. Oliveira (1997b) divide a organização em áreas funcionais básicas necessárias ao funcionamento de uma empresa qualquer: • • • • • • • • • Administração de Marketing. não entrando na operacionalização de cada área sabendo que esse seria um trabalho deveras extenso para ser desenvolvido em um semestre. . Administração de Materiais. Esse estudo pesquisou cada área funcional e apresenta uma visão estratégica de cada uma.

5.1 Conceito Kotler (2000) organiza o conceito de marketing segundo sua função social e gerencial.. 30) a meta do marketing é “[. p.. Para Drucker (apud Kotler.5.1. p. 31) No âmbito social Kotler (2000. 2000. Em outras palavras o marketing é o grupo de ferramentas que uma empresa utiliza para desenvolver a oferta de seus bens e serviços objetivando o retorno necessário para o crescimento sustentado da organização.1 Administração de Marketing “O objetivo do marketing é o tornar a venda supérflua” Peter Drucker O Marketing procura a lucratividade da empresa através da criação e entrega acertada de bens e serviços. p. A figura 5 mostra de maneira simples o sistema de marketing. Figura 5 Sistema simples de marketing Fonte: KOTLER (2000. 2.. 30) define o marketing como “[..]um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que . É interessante observar o marketing sobre essas diferentes visões.43 2.]conhecer e compreender tão bem o cliente que o produto ou serviço se adapte a ele e se venda por si só”.

. oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros”.2.. Nesses casos são fundamentais os usos de criatividade. Marketing profissionalizado mais presente nas médias e grandes empresas. orçamentos extensos significam maior investimento em marketing. inovação e foco para que não haja desperdícios. 30) define a administração de marketing como “[. Estágios do Marketing O Marketing se desenvolve dentro das empresas conforme seu porte financeiro e seu tamanho. mas isso não significa que elas não usam as ferramentas do marketing. a individuais e organizacionais”. promoção e a distribuição de idéias. Marketing empreendedor que é aplicado nas pequenas empresas e nas organizações que estão começando a desenvolver seus negócios. mas apenas o investimento não garante o retorno esperado. caracterizado por um alto investimento em pesquisas e ações de marketing.44 necessitam e o que desejam com a criação. Grandes empresas podem ter uma grande verba reservada para o marketing.]o processo de planejar e executar a concepção. No âmbito gerencial a American Marketing Association (apud KOTLER. p.1. Pequenas empresas não possuem recursos financeiros suficientes para investir pesado em marketing. bens e serviços para criar trocas que satisfaçam metas . ao contrário. 2000. Kotler (2000) divide em três estágios pelos quais a atividade de marketing pode passar. as pequenas empresas podem desenvolver meios menos onerosos que podem lhe trazer ótimos resultados. 2. a determinação do preço – pricing –.5. é necessário associar um bom investimento com uma boa equipe de marketing e ferramentas mais eficazes.

. Declínio na demanda por um ou mais produtos. Encontrar meios de mudar o padrão de demanda com a determinação de preços flexíveis.. compra. voto. o que causa problemas de ócio e sobrecarga. 28). p.45 Marketing burocrático ocorre quando grandes empresas abusam do marketing profissionalizado gerando um nível de informações demasiado complexo e pesado. p. Consumidores desconhecem o não se interessam no produto. Adaptado de “Estados de demanda e tarefas de marketing” (KOTLER. Manter o nível de demanda. Fazer com que pessoas que apreciam determinado produto deixem de consumilo por meio de ferramentas como preços elevados e disponibilidade reduzida. 2000. Tarefa do marketing Analisar por que o mercado não gosta do produto e avaliar se esse quadro pode ser revertido. Encontrar meios de reduzir a demanda temporária ou permanente (demarketing). Demanda que satisfaz o volume de negócios desejado pela empresa. Esse fluxo de informações pode causar confusão e poucos resultados. Encontrar meios de ligar os benefícios do produto aos interesses das pessoas. Quadro 4 Estados de demanda e tarefas de marketing Demanda Negativa Inexistente Latente Conceito Quando uma parcela significativa do mercado rejeita o produto.1. Profissional de Marketing Qualquer pessoa que decida se envolver na área de Marketing deve estar preparado para desenvolver sensibilidade aos mercados e setores identificando necessidades e desejos nos consumidores e sabendo envolver e relacionar seus produtos e serviços ao mercado. Em declínio Irregular Plena Excessiva Indesejada Produtos prejudiciais atrairão esforços organizados para desestimular seu consumo. apesar das preferências mutáveis dos consumidores e da crescente concorrência. Pode ser desestimulado de maneira geral ou específica identificando os consumidores menos lucrativos.3. Consumidores compartilham uma forte necessidade que nenhum produto é capaz de satisfazer. Reverter o declínio da demanda por meio do marketing criativo. Demanda maior do que podem ou desejam suportar. 33) um profissional de marketing é “[.5. promoções e outros incentivos. Para Kotler (2000.]alguém que busca uma resposta – atenção.. Demanda que apresenta variações sazonais. denominada cliente potencial – prospect ”. 2. diárias ou até mesmo horárias. doação – de outra parte. Mensurar o tamanho do mercado potencial e desenvolver produtos que satisfaçam a demanda.

todos podem ter o desejo de comprar a camisa de algodão de uma marca famosa. A demanda é composta apenas por pessoas capazes de pagar por seus desejos.46 O profissional de marketing deve estar sempre atento a três conceitos fundamentais: Necessidade. informações e idéias.5. O valor é a razão entre o que o cliente recebe e o que ele dá. desejos e demanda. Usando do exemplo anterior. Kotler (2000) cita dez categorias básicas de produtos que o profissional de marketing pode ofertar: Bens. Demanda são os desejos que os clientes estão dispostos a pagar. Kotler (2000) cria a seguinte equação que define o valor: 2. 33) diz que: “O produto ou oferta alcançará êxito se proporcionar valor e satisfação ao comprador-alvo”. bebida. O Escopo do Marketing está representado no quadro 2. serviços. abrigo. o profissional de marketing deverá pensar no valor para entregar sua oferta e na satisfação para controlar o sucesso de suas ações. Necessidades são as exigências humanas básicas (comida.4. lugares. Para atender essas necessidades básicas. desejos e demanda de seu mercado consumidor.). Após identificar as necessidades.4 apresenta os diferentes tipos de demanda e as tarefas dos profissionais de marketing em cada uma. . entretenimento. porém não são todos que terão dinheiro para comprá-la. experiências.1. pessoas. organizações. eventos. as pessoas escolhem produtos segundo seu desejo. O quadro 2. propriedades. roupa.5. Escopo do Marketing Apesar de várias definições afirmarem que o profissional de marketing trabalha apenas com bens e serviços. educação. Kotler (2000. uma pessoa tem a necessidade de se vestir. etc. p. para isso ela deseja uma camisa de algodão de uma marca famosa satisfazendo sua vontade de conforto e status.

Ex. a imagem corporativa é um grande influenciador na decisão de compra dos consumidores. Ex. Ex.1. atores. caneta. liberdade. Ex. Um nome conhecido é também uma marca a se zelar. O comprador de Idéias um carro está comprando na verdade as idéias de mobilidade. velocidade para se locomover. orientação de marketing e orientação de marketing social. segundo suas filosofias e foco para desenvolvimento.6. a empresa deve decidir sobre sua orientação para o mercado. Kotler (2000) define cinco orientações concorrentes que marcam a maneira com que organizações conduzem suas atividades: Orientação de produção. marketing de celebridades. Eventos corporativos. Lugares competem ativamente para atrair turistas e Lugares investimentos.47 Quadro 5 Escopo do marketing São os bens tangíveis ou produtos e constitui a maior parte do esforço de marketing da maioria dos países. orientação de produto. o marketing de lugares cuida de ofertar esses lugares da melhor maneira. orientação de vendas. profissionais de marketing exploram diversos eventos. Promoção de eventos podendo ser eventos esportivos. Essas orientações são descritas no quadro 2. Ex. praticidade. montanha russa. Bens 2. São maiores nas economias mais evoluídas.5. . revistas. Experiências É possível comercializar experiências usando a combinação de produtos e serviços. Pensar nas pessoas como negócios que podem ser Pessoas potencializados. turísticos. Informações podem ser desenvolvidas e vendidas como Informações produtos. podem ser Serviços ofertados juntamente aos bens (aparelho celular com linha) ou de forma isolada (consultoria tributária). Livros. personalidades públicas.5. Propriedades Direitos de propriedades são comprados e vendidos e isso leva a um esforço de marketing para obter os melhores resultados. sapatos. artigos. Orientações da Empresa para o Mercado Definido o escopo de marketing. Organizações As organizações fazem um grande esforço para vender seus conceitos e sua qualidade. Todo produto ofertado traz uma idéia fim.

6.Distribuição em massa. . p. .Planejamento de produtos com pouca ou nenhuma participação do cliente.Baixos custos. não o produto.Fabricação de produtos de qualidade. . .Equilíbrio entre lucro da empresa. Foco . . enciclopédias.Aprimoramento dos produtos. normalmente não compram os produtos da organização em quantidade suficiente.Estimulo na venda de produtos que os compradores geralmente não compram (seguros. 2000. . Para obter os resultados desejados. eles passam operacionalizar o marketing nas empresas.Vender aquilo que fabrica. jazigos.5.Amar o cliente. . etc. Adaptado de “Orientações da empresa para o mercado” (KOTLER. A tarefa da organização é determinar as necessidades.Aumento das vendas. mais conhecidos como 4Ps do marketing: Produto.Esforço agressivo de vendas e promoção. . 2.Inclusão de considerações sociais e éticas nas práticas de marketing. . . os desejos os interesses dos mercados-alvo e fornecer as satisfações desejadas mais eficaz e eficientemente do que a concorrência. McCarthy (apud KOTLER. p. satisfação dos desejos dos consumidores e interesse público. Praça e Promoção. .1. .Lucrar por meio da satisfação do cliente. são utilizadas várias ferramentas de marketing. 38). em vez de fabricar aquilo que o mercado quer. 37) classificou essas ferramentas em quatro grupos amplos. de uma maneira que preserve ou melhore o bem-estar do consumidor e da sociedade. Os consumidores dão preferência a produtos que ofereçam qualidade e desempenho superiores ou que tenham características inovadoras. .Atender às necessidades de maneira lucrativa.Identificar desejos e atendê-los.Alta eficiência de produção. da fidelização dos clientes e da reputação corporativa através da parceria com causas sociais. Marketing Marketing Social A chave para alcançar as metas organizacionais está no fato de a empresa ser mais efetiva que a concorrência na criação.). essas ferramentas constituem o mix de marketing. entrega e comunicação de valor para o cliente de seus mercados-alvo. Vendas Os consumidores e as empresas. . 2000. . . Mix de marketing Após os profissionais de marketing entenderem o escopo e definirem a orientação para o mercado.48 Quadro 6 Orientações da Empresa para o Mercado Tipo Orientação Produção Produto de Filosofia Os consumidores dão preferência a produtos fáceis de encontrar e de baixo custo. Preço. por vontade própria.

Lauterborn (apud KOTLER.Concessões . Necessidades nãodeclaradas (o que o cliente espera por parte da empresa). Quadro 7 O mix de marketing. deve-se entender os conceitos de necessidades dos clientes mais a fundo.Locais .Força de vendas . Entendidos os diferentes tipos de necessidades do cliente.Nome da marca . existe também a visão dos clientes do mix de marketing.Transporte Promoção Comunicação . é hora de entender as diferentes abordagens do marketing. Produto Cliente . 2000. 4Ps e 4Cs. 38) a define como os 4Cs: Cliente – solução para o.7.Promoção de vendas .Descontos . Conveniência e Comunicação.5.Variedade de produtos .49 Os 4Ps fazem parte da visão da empresas.Garantias . p.Embalagem . Custo – para o cliente.Tamanhos .Prazo de pagamento . p.Serviços .Estoque . o marketing pró-ativo e o marketing criativo.1.Preço de lista . Necessidades de algo mais (o que o cliente gostaria que a empresa fizesse além do esperado). Kotler (2000) define três tipos de abordagens distintas.Variedades .Devoluções Preço Custo . pró-ativo ou criativo? Os profissionais de marketing podem ter abordagens distintas perante as necessidades dos clientes. Necessidades secretas (as vontades subjetivas ou indiretas do cliente). .Canais .Condições de financiamento Praça Conveniência . Marketing reativo.Relações públicas . 37) 2. o marketing reativo. Kotler (2000) classifica as necessidades dos clientes em cinco tipos: Necessidades declaradas (o que o cliente pede). Necessidades reais (o que o cliente quer). Antes de discutir as abordagens.Design .Publicidade .Qualidade .Cobertura .Marketing direto Adaptado de KOTLER (2000.Características .

50 O marketing reativo ocorre quando somente a necessidade declarada do cliente é respondida. mas às quais respondem com entusiasmo. é imprescindível estar sempre atuando com o marketing criativo. É importante estar sempre atento às necessidades e desejos dos clientes. por isso para possuir um negócio que pretende crescer. O marketing criativo descobre e produz soluções que o cliente não pediu. O marketing pró-ativo ocorre quando a empresa vê além da necessidade declarada e se propõe a pensar nas necessidades que o cliente pode ter no futuro. . são eles que sustentam a empresa enquanto negócio.

consumidores) através de um sistema lógico criado racionalmente para realizar essa transformação. Administração da Produção “Nada se cria.51 2. a área de produção é responsável por desenvolver produtos ou serviços a partir de insumos (materiais. Os inputs são os recursos de entrada geralmente classificados recursos a serem transformados e recursos de transformação. processo de transformação e output. nada se perde. p.2.5. tudo se transforma”. Slack (1999. 51) Um modelo de transformação é composto por input. Antoine Laurent Lavoisier Em uma empresa. informações. p. Os recursos a serem .]trata da maneira pela qual as organizações produzem bens e serviços”. 25) simplifica o conceito de administração da produção dizendo que se “[.. A figura 6 apresenta um modelo de administração da produção. Figura 6 Modelo geral de administração da produção Fonte: SLACK (1999..

variedade de output. Quadro 8 Tipologia de operações Alto Alta repetibilidade Especialização Sistematização Capital Flexível Complexo Atende às necessidades dos consumidores Custo unitário alto Capacidade mutante Antecipação Flexibilidade Ajustado com a demanda Custo unitário alto Tolerância de espera limitada Satisfação definida pela percepção do consumidor Necessidade de habilidade de contato com o consumidor A variedade recebida é alta Custo unitário alto Baixo Baixa repetição Os funcionários participam mais do trabalho Menor sistematização Custo unitário alto Bem definida Rotinizada Padronizada Regular Baixo custo unitário Estável Rotineira Previsível Alta utilização Custo unitário baixo Tempo entre a produção e o consumo Padronizado Pouca habilidade de contato Alta utilização de funcionários Centralização Custo unitário baixo Volume Variedade Variação da demanda Contato com o consumidor Adaptado de SLACK (1999. Em uma organização o sistema de produções pode agir em macrooperações ou em microoperações. o trabalho das imagens para veiculação da propaganda. variação da demanda do output e grau de contato com o consumidor envolvido na produção do output. enquanto as microoperações se referem às produções menores que alimentam e sustentam a macrooperação. Esses diferentes tipos de operação e suas implicações são demonstrados no quadro 8. a produção da mídia escolhida para a campanha. p. 48) Slack (1999) classifica as operações de produção segundo volume de output. informações e consumidores. uma empresa de propaganda tem sua macrooperação a campanha de divulgação de uma empresa específica que depende de microoperações como a criação do texto. Os recursos de transformação são compostos por instalações – prédios. .52 transformados são materiais. tecnologia – e funcionários – pessoas que operam as instalações. A macrooperação se refere à produção principal de uma empresa. Por exemplo. equipamentos.

Melhorar o desempenho da produção. gerentes de produção e administração da produção. A administração da produção é fundamental ao gerente de produção no desenvolvimento dos processos de transformação. Slack (1999) divide-a em duas responsabilidades principais: responsabilidade indireta e responsabilidade direta. serviços e processos de produção.53 Pode-se definir a produção em três termos: função produção. Planejar e controlar a produção. Para Slack (1999. 49-50) as responsabilidades diretas são: • • • • • Entender os objetivos estratégicos da produção. Discutir com outras funções sobre como os planos de produção e os demais planos da empresa podem ser modificados para benefício mútuo. Desenhar produtos. Os gerentes de produção se encarregam de controlar os recursos envolvidos pela função produção. . Os gerentes linha de frente possuem um contato maior com os consumidores por isso atuam no processamento do consumidor. p. Segundo Slack (1999. O gerente de produção pode assumir duas posições em uma empresa: linha de frente ou retaguarda. Os gerentes na retaguarda possuem um baixo contato com o consumidor por isso atuam no processamento de materiais e informações. Desenvolver uma estratégia de produção para a organização. Administração da produção é a ferramenta do gerente de produção para gerir a função produção de maneira eficiente. A função produção se encarrega de reunir os recursos para a produção de bens e serviços. p. Encorajar outras funções a dar sugestões para que a função produção possa prestar melhores “serviços” aos demais departamentos da empresa.49) as responsabilidades indiretas são: • • • Informar as outras funções sobre as oportunidades e as restrições fornecidas pela capacidade instalada de produção.

Para fazer as coisas certas Slack (1999) destaca dois conjuntos de decisões fundamentais. . assim como a constante revisão e melhoria das estratégias de produção. Esses produtos serão comercializados pela empresa para garantir sua sustentabilidade e crescimento. p.] a qualidade dos bens e serviços. p.. Fechando o ciclo de produção. Slack (1999. O segundo toma parte na tradução desse papel em objetivos de desempenho para o sistema de produção. a velocidade em que eles são entregues aos consumidores. a confiabilidade das promessas de entrega. Serviços puros Intangível Não pode ser estocado A produção e o consumo são simultâneos Alto nível de contato com o consumidor Não pode ser transportado É difícil julgar a qualidade Tudo que foi discutido até o momento serve para tornar a produção altamente eficiente.. O primeiro envolve a definição precisa do papel da produção na empresa e sua função para atingir os objetivos organizacionais. a flexibilidade para mudar o que é produzido e o custo de produção”. 50) considera cinco objetivos de desempenho a serem seguidos pelo sistema de produção: “[. A preocupação com a eficácia da produção fica a cargo da estratégia de produção.54 Ao final do processo de transformação dos inputs são criados os bens ou serviços (output). é necessário ressaltar a importância do controle e da constante melhoria dos processos produtivos. 40). A natureza dos outputs pode ser diferenciada como apresenta o quadro 9. Quadro 9 Bens puros x Serviços puros Bens Puros Tangível Pode ser estocado A produção precede o consumo Baixo nível de contato com o consumidor Pode ser transportado A qualidade é evidente Fonte: SLACK (1999.

investimentos e financiamentos. o fazer da empresa. Administração Financeira “Dinheiro não é tudo. Uma empresa precisa investir em recursos variados. crescer de forma sustentada. Hoji (2004. Falcão A função financeira dentro de uma empresa cuida do correto planejamento do capital da empresa. Os investimentos são relacionados à compra de equipamentos para as atividades operacionais e de suporte. Hoji (2004) classifica as atividades das empresas em operações. uma gestão financeira ruim pode levar uma empresa à falência. esse é o desafio do administrador financeiro. uma boa gestão financeira pode estabilizar uma empresa e garantir sua permanência no mercado.. Os financiamentos são . fornecedores entre outros.55 2. mas é cem por cento”. compra de matéria-prima. sem a devida administração financeira. A empresa deve aumentar sua rentabilidade sem comprometer sua liquidez. p. impostos. As operações (ou atividades operacionais) são as atividades diretas da empresa. 21) ressalta que para a administração financeira. as empresas fecham suas portas mesmo possuindo ótimos produtos e um sistema de produção eficiente.3. controlando gastos e criando um ambiente de crescimento sustentável.. A função financeira existe para controlar esses investimentos e garantir a liquidez e rentabilidade da empresa. pagar pessoal.]o objetivo econômico das empresas é a maximização de seu valor de mercado. da mesma forma. a produções e entrega de produtos ou serviços. sem exageros ou restrições em excesso. podem ser também aplicações financeiras de curto e longo prazo. “[. para que ele seja usado da melhor maneira.5. A maximização do valor de mercado passa por um conflito que Brito (2004) denomina como o conflito entre dois objetivos da administração financeira: Rentabilidade e liquidez. É fundamental a qualquer empresa possuir uma política financeira estruturada e segura. por cuidar do fluxo de caixa da empresa. pois desta forma estará sendo aumentada a riqueza de seus proprietários”.

tomadas de decisões de investimentos.56 relacionados à captação de recursos para usar nas operações e investimentos.1. Geralmente localizado próximo ao nível mais alto da organização.3.5. Por fim. p. emissão de debêntures. 25) destaca três funções básicas do administrador financeiro: “Análise. etc. podem ser empréstimos bancários. Deve decidir sobre o destino eficaz dos recursos financeiros avaliando o risco e o retorno destes investimentos. e tomadas de decisões de financiamentos”. Hoji (2004. . deve escolher as melhores fontes para captação de recursos mantendo o equilíbrio entre financiamentos a curto e longo prazo. Administrador Financeiro A pessoa encarregada pela gestão financeira de uma empresa é o administrador financeiro. 2. planejamento e controle financeiro. mas seu conhecimento na área financeira o habilita para auxiliar na melhor aplicação dos recursos da empresa. O administrado financeiro deve analisar a estrutura da empresa para realizar um planejamento eficaz dos recursos e controlar a melhor maneira de utilizá-los por meio de relatórios financeiro. o administrador financeiro não é responsável pelas atividades operacionais.

.57 2. Martins (2003. na compra do bem. organiza e controla seus recursos materiais. lotes econômicos de compra e de fabricação. logística integrada.5) diz que: [. a melhor maneira de transportar esta aquisição. Toda empresa necessita de recursos materiais para produzir seus produtos ou serviços. Administração de Materiais A administração de materiais trata da forma como a organização planeja. finalmente. Da mesma forma uma empresa de serviços precisa de equipamentos para realizar seu processo de produção. em sua armazenagem como produto acabado e. evitando desperdícios e aumentando a eficiência operacional da empresa. O administrador de recursos materiais deve planejar a melhor aquisição. análises de estoques. bens de todas as formas. A administração de materiais procura a melhor maneira de utilizar esses materiais. em seu recebimento.] a administração dos recursos materiais engloba a seqüência de operações que tem seu início na identificação do fornecedor. decidir sobre seu uso mais eficiente para uma produção mais eficaz e as melhores maneiras de transportar o produto final para o consumidor. transporte interno e acondicionamento. o administrador de materiais deverá controlar todos os processos buscando a correção e melhoria . Buscando a melhor administração dos recursos materiais. o gestor usará de ferramentas como gestão de compras. p. em seu transporte durante o processo produtivo. Além de planejar o melhor uso e aquisição de recursos. gerenciamento da cadeia de suprimentos. uma indústria necessita matéria-prima que tratada por diversos equipamentos gera o produto final a ser comercializado. distribuição eficaz.4.. em sua distribuição ao consumidor final. equipamentos. pesquisa operacional.5. entre outros. Por recursos materiais pode-se entender matéria-prima.

uso e entrega de materiais é fundamental para uma boa gestão dos recursos materiais de uma empresa e sua eficiência operacional. 4) ressalta que: Administrar recursos escassos tem sido a preocupação dos gerentes. controle e melhoria contínua da aquisição. organização. administradores e praticamente todas as pessoas direta ou indiretamente ligadas às atividades produtivas. . p. O desafio do administrador de materiais é minimizar os desperdícios de recursos na organização. tanto na produção de bens tangíveis quanto na prestação de serviços.58 contínua de seu planejamento. Martins (2003. engenheiros. A visão de planejamento.

seleção. treinamento. Administração de Recursos Humanos “No meio das nossas máquinas perdemos de vista o fato de que a realidade básica da vida não está na política. mas nas relações humanas”.. Para Dessler (apud CHIAVENATO. São as pessoas que pensam bens e serviços para depois produzi-los e comercializá-los. as pessoas compram e vendem produtos girando o capital na economia.. Will Durant As pessoas constituem a força responsável pelo desenvolvimento das organizações.5. é fundamental compreender essa idéia simples para entender a importância das pessoas na A administração de recursos humanos tem o olhar sobre essas pessoas e suas relações dentro das empresas. Administração. 8). administração de recursos humanos é “[. empreendem negócios. Sabendo que as pessoas são fundamentais à empresa. Objetivos Organizacionais e Objetivos Pessoais Objetivos Organizacionais Sobrevivência Crescimento sustentado Lucratividade Produtividade Qualidade nos produtos / serviços Redução de custos Participação no mercado Novos mercados Novos clientes Competitividade Imagem no mercado Fonte: CHIAVENATO (1999. 5) Objetivos Individuais Melhores salários Melhores benefícios Estabilidade no emprego Segurança no trabalho Qualidade de vida no trabalho Satisfação no trabalho Consideração e respeito Oportunidades de crescimento Liberdade para trabalhar Liderança liberal Orgulho da organização Não existem organizações sem pessoas. p.5. incluindo recrutamento. a administração de recursos humanos cuida de aliar os . administram suas idéias e fazem o mundo se movimentar. as pessoas imaginam empresas. recompensas e avaliação de desempenho”. p. Quadro 10. 1999.59 2.]o conjunto de políticas e práticas necessárias para conduzir os aspectos da posição gerencial relacionados com as pessoas ou recursos humanos. nem na indústria.

Chiavenato (1999) diz que a administração de recursos humanos deve contribuir para a eficácia organizacional através sete objetivos: • • • • • Ajudar a organização a alcançar seus objetivos. Desenvolver e manter qualidade de vida no trabalho. Aumentar a auto-avaliação e a satisfação dos empregados no trabalho. Proporcionar competitividade à organização. Quadro 11 Pessoas como Recursos x Pessoas como Parceiros Pessoas como Recursos Empregados isolados nos cargos Horário rigidamente estabelecido Preocupação com normas e regras Subordinação ao chefe Fidelidade à organização Dependência da chefia Alienação em relação à organização Ênfase na especialização Executoras de tarefas Ênfase nas destrezas manuais Mão-de-obra Fonte: CHIAVENATO (1999. p. e outras diferentes terminologias. Para conciliar esses objetivos e conquistar os resultados necessários. 7) Pessoas como Parceiros Colaboradores agrupados em equipes Metas negociadas e compartilhadas Preocupação com resultados Atendimento e satisfação do cliente Vinculação à missão e à visão Interdependência entre colegas e equipes Participação e comprometimento Ênfase na ética e na responsabilidade Fornecedoras de atividade Ênfase no conhecimento Inteligência e talento Dentro das empresas podemos destacar vários objetivos da gestão de pessoas. Chiavenato (1999) contextualiza a mudança de pessoas como recursos para pessoas como parceiros. clientes internos. apesar de muito se falar sobre colaboradores. .60 objetivos organizacionais da empresa aos objetivos individuais das pessoas como demonstrado no quadro 10. parceiros. a administração de recursos humanos tem que mudar sua visão sobre as pessoas dentro das empresas. as empresas devem não somente usá-las de maneira vazia. mas de fato praticá-las buscando o verdadeiro tratamento das pessoas como parceiros na busca do resultado maior. Proporcionar à organização empregados bem treinados e bem motivados.

Benefícios e Serviços Desenvolvendo Como desenvolver as pessoas: Pessoas .Desenho de cargos .Relações com Sindicatos Monitorando Pessoas Como saber o que fazem e quem são: .Recrutamento de pessoal . Quadro 12. vários processos da administração de recursos humanos devem ser desenvolvidos por todos os gerentes de uma organização.12.Treinamento e Desenvolvimento .Seleção de pessoal Aplicando Pessoas O que as pessoas deverão fazer: .Recompensas e Remuneração .Disciplina . 15) Devido sua importância. e Manter políticas éticas e comportamento socialmente responsável.Programas de Comunicações Mantendo Pessoas Como manter as pessoas no trabalho: . Para atingir esses objetivos e conquistar um desenvolvimento sustentado das pessoas e da organização. são necessários diversos métodos e técnicas. Processos de Gestão de Pessoas Quem deve trabalhar na organização: .Higiene e Segurança .Qualidade de vida no trabalho .Sistema de Informação Gerencial . Chiavenato (1999) organiza esses vários métodos e seis processos básicos descritos no quadro 2. não só pelos Administradores responsáveis pela área de Recursos Humanos.Avaliação de desempenho Recompensando Como recompensar as pessoas: Pessoas .Programas de Mudanças . p.Banco de Dados Adaptado de CHIAVENATO (1999.61 • • Administrar a mudança. Agregando pessoas .

” Sam Walton. Por sua proximidade com os clientes.a urbanização.aumento da sofisticação dos consumidores. por exemplo). Gianesi (1994) destaca três papéis dos serviços na indústria: Diferencial competitivo.5. e geradores de lucro. se os produtos são tão semelhantes.62 2. Gianesi (1994. p. Os serviços possuem uma interatividade maior com os clientes.mais tempo de lazer. mas lendário. enquanto os produtos localizam sua interatividade nas empresas. 2. todos com certificado de qualidade padronizado. administração de recursos . Administração de Serviços “O objetivo da Wal-Mart é ter um serviço ao cliente que não seja apenas o melhor. a administração de serviços ganhou atenção das empresas por se apresentar como um grande diferencial competitivo. levando a necessidades mais amplas de serviços.Desejo de melhor qualidade de vida. O serviço agregado ao produto adiciona valor á oferta final. 5mudanças socioeconômicas como o aumento da participação da mulher no trabalho remunerado e pressões sobre o tempo pessoal. 7. 3. 4.6. 6. Em tempos de qualidade total e eficiência operacional.mudanças demográficas que aumentam a quantidade de crianças e/ ou idosos. nota-se uma semelhança muito grande entre os produtos. ou ainda criado serviços completamente novos. os quais consomem maior variedade de serviços. onde estará a vantagem competitiva de uma empresa? A resposta para essa dúvida está na administração de serviços. As atividades de produção existem dentro de um sistema composto por subsistemas vários desses subsistemas são compostos por serviços que dão suporte à atividade de manufatura da empresa (administração financeira. fundador da Wal-Mart Com a evolução da sociedade pós-industrial. 17) destaca sete fatores que propiciam o aumento da demanda por serviços: 1. suporte às atividades de manufatura. o que significa diferencial competitivo para as empresas e seus produtos.mudanças tecnológicas (como o avanço dos computadores e das telecomunicações) que têm aumentado a qualidade dos serviços. tornando necessários alguns serviços (como segurança. os serviços hoje são considerados os maiores responsáveis pela conquista e fidelização dos clientes.

). Algumas empresas descobriram que seu verdadeiro foco está nos serviços. postos de gasolina – e serviços de massa – estádios de futebol. seu papel passa a tomar parte na estratégia da empresa. objetivando a vantagem competitiva da empresa perante suas concorrentes.63 humanos. loja de serviços – restaurantes. ex. etc. garantindo o crescimento sustentando através da comercialização constante dos serviços. . O papel da administração de serviços em uma empresa de manufatura é de planejar propostas de serviços de forma a agregar valor aos produtos comercializados. A gestão de serviços poder ser caracterizada pela presença e participação do cliente. consultórios médicos. Gianesi (1994) classifica os processos de serviço como serviços profissionais – consultorias especializadas. produção e consumo simultâneos – impossibilidade de estocar serviços – e intangibilidade. agências de viagens. grandes hipermercados. escritórios de advocacia. Em empresas de serviços. na produção e controle da qualidade. essas empresas usam de produtos para vender seus serviços que geram a maior rentabilidade. satisfação e fidelização de seus serviços.: Operadoras de telefonia móvel.

portanto a conseqüência deles será descrita no quadro 13.Utilização inadequada dos e f a recursos disponíveis. n l t E t . .Objetivos empresariais algumas vezes alcançados. Quadro 13 Eficiência e eficácia nas empresas .Atenção ao desempenh o da empresa no seu ambiente.Objetivos empresariais alcançados. principalmente operacionais. 38) .Atenção aos problemas. r i c E á B .Atenção ao desempenh o da empresa como um todo. p. torna-se mais fácil sua aplicação e controle nas atividades organizacionais. . t i i e a x . . Gestão Empresarial Gestão empresarial compreende as atividades de planejamento e controle da empresa. Controle são as ações que verificam a eficácia do planejamento.Objetivos empresariais x c a normalmente não alcançados. Baixa . é imaginar o negócio e se precaver raciocinando as melhores maneiras de desenvolvê-lo.Utilização adequada dos recursos disponíveis. Todo ato planejar deve levar em consideração as seguintes perguntas: O que? Como? Quando? Quanto? Para quem? Por que? Por quem? Onde? Ao se falar em planejamento. Interna . O conceito de ambas já foi explicado.Utilização inadequada dos r a recursos disponíveis. .Utilização adequada dos recursos disponíveis.7.Atenção aos problemas empresariais que interagem com o Externa Eficiência Alta . faz-se necessário compreender a eficiência e eficácia nas empresas. Por planejamento entende-se o pensar antes de agir.64 2. n a Fonte: OLIVEIRA (1997a.5. Entendo os termos de eficiência e eficácia. .Objetivos empresariais alcançados (mas não no nível I A ideal).

Unidades organizacionais – Planejamento corporativo de subsidiárias. de divisões. Oliveira (1997a) classifica o planejamento empresarial em três tipos segundo o nível hierárquico organizacional. políticas. econômico ou caro. formal ou informal. 44) . pesquisa. 2. 4. Tempo – Longo. estratégias. novos produtos. O quadro 14 apresenta os três tipos de planejamento. marketing. de departamentos. etc. objetivos. Características do planejamento – Complexidade ou simplicidade. planejamento estratégico. etc. 5. qualidade ou quantidade. médio ou curto prazo. confidencial ou público. programas. 3. Quadro 14 Tipos e níveis de planejamento nas empresas Tipos Planejamento Estratégico Planejament Planejamen o to mercadológi financeiro co Planos de Plano de preços e despesas produtos Plano de Plano de promoção investiment o Plano de Plano de vendas compras Plano de distribuição Planejamen to de produção Plano de capacidade da Plano de controle de qualidade Plano de estoques Planejamen to de RH Planejament o organizacion al Plano de Plano diretor recrutament de sistemas o e seleção Plano de Plano de treinamento estrutura organizacion Plano de Plano de cargos e rotinas salários administrativ Plano de Plano de promoções informações gerenciais Plano de Plano de capacitação comunicaçõe interna s Nível Estratégico Tático Operaciona l Plano de Plano de fluxo de utilização caixa da mão de Plano de Plano Plano de pesquisa de orçamentári expedição mercado o de produtos Fonte: OLIVEIRA(1997a. 1997a) classifica o planejamento segundo cinco dimensões: 1. p.65 Steiner (apud Oliveira. orçamentos. Elementos do planejamento – Propósitos. de grupos funcionais. etc. tático e operacional. Assunto abordado – Produção.

.66 Um bom planejamento deve analisar o ambiente interno e externo do negócio para poder formular suas melhores estratégias. Todo esse processo deve ser controlado objetivando a melhoria contínua do planejamento. especialmente em uma época tão instável como a atual.

através da qualidade em todos os processos. Sobre a evolução histórica dos estudos da qualidade. a nossa mais forte defesa contra a competição estrangeira e o único caminho para o crescimento e para os lucros. . Garvin (2002) complementa dizendo que essa mudança foi fundamental para o entendimento da qualidade. seja através de inspeção ou controle estatístico. A terceira etapa traz uma inovação ao buscar a garantia da qualidade de uma forma total.”. Garantia da Qualidade.” Jack Welch Por ser um assunto complexo e controverso.67 2. 45): “Em sua versão original. Geralmente se fala de qualidade dentro da área de produção como afirma Garvin (2002. desde a concepção e desenvolvimento até a entrega ao cliente através de bons serviços. Garvin (2002) destaca quatro etapas: Inspeção. Por isso será realizado um estudo específico sobre a qualidade percebendo que esse é um tópico que deve ser compreendido a partir de uma visão sistêmica e total do negócio. e não a partir de uma área funcional da empresa. Gestão da Qualidade “A qualidade é a nossa melhor garantia da fidelidade do cliente. e Gerenciamento Estratégico da Qualidade. As duas primeiras etapas tratam de métodos e ferramentas para certificar a qualidade do produto e da produção. p. além de fundamental para as organizações modernas. por isso serão utilizadas duas classificações que interagem entre si. o que gera uma diversidade grande de significados. O quadro 15 mostra de forma rápida as principais características de cada etapa. a gestão da qualidade será tratada fora das áreas funcionais da empresa. Controle Estatístico da Qualidade. relacionando qualidade à lucratividade.5. a qualidade era responsabilidade do departamento de produção. Conceituar a qualidade pode ser muito arriscado por se tratar de uma palavra tão comum e popular. Já a última etapa trata de utilizar a qualidade como um fator estratégico e competitivo. hoje saiu da fábrica e entrou na sala de alta gerência.8.

especialmente os projetistas. com a alta gerência exercendo forte liderança Papel dos profissionais da qualidade Inspeção. trabalho consultivo com outros departamentos e delineamento de programas Todos na empresa. Ênfase Uniformidade do produto Uniformidade do produto Métodos Instrumento de medição Instrumentos e técnicas estatísticas Planejamento estratégico. e a contribuição de todos os grupos funcionais. educação e treinamento. e a mobilização da organização Estabelecimento de objetivos. p. planejamento da qualidade e projeto de programas Quem é o O departamento responsável pela de inspeção qualidade Os departamentos Todos os de produção e departamentos engenharia embora a alta gerência só se envolva perifericamente e com o projeto. estabelecimento de objetivos.68 Quadro 15 As Quatro Principais Eras da Qualidade Identificação da Característica Etapa do Movimento da Qualidade Inspeção Controle Estatístico da Quantidade Controle Um problema a ser resolvido Garantia da Qualidade Coordenação Gerenciamento Estratégico da Qualidade Impacto estratégico Preocupação básica Visão da qualidade Verificação Um problema a ser resolvido Um problema a Uma oportunidade ser resolvido. mas de concorrência que seja enfrentado proativamente Toda a cadeia de produção. 44) . para impedir falhas de qualidade Programas e sistemas As necessidades de mercado e do consumidor. desde o projeto até o mercado. o planejamento e a execução das políticas de qualidade “controla” a qualidade “constrói” a qualidade Orientação e abordagem “inspeciona” a qualidade “gerencia” a qualidade Fonte: Garvin (2002. classificação. contagem e avaliação Solução de problemas e aplicação de métodos estatísticos Mensuração da qualidade.

mas se sente e se sabe que esse algo é de qualidade. trata-se de um processo evolutivo. 3. de forma otimizada e sem perdas. 4. 2. baseada em cinco abordagens e oito dimensões. e Temporal. a qualidade envolve muitos aspectos simultaneamente. Segundo Garvin (2002) dessas cinco abordagens pode-se identificar oito dimensões ou categorias da qualidade. uma multiplicidade de itens.Baseada no usuário: A qualidade parte da percepção do cliente. características e durabilidade.Baseada no valor: É a definição que passa pelo custo e preço.Baseada no produto: A qualidade é baseada em uma série de especificações mensuráveis que a garantem e certificam. Para Paladini (2000. Dentro da abordagem baseada no produto tem-se as dimensões de desempenho. Paladini (2000) diz que se deve acertar o conceito primeiro. ou seja. a qualidade sofre alterações conceituais ao longo do tempo.Baseada na produção: A qualidade é a eficiência em se produzir exatamente o que foi projetado. não se sabe porque algo possui qualidade. 5. Essa seria a componente “temporal” do conceito. Essa seria a componente “espacial” do conceito. Dessa forma é construído uma conceituação de qualidade ampla. Na abordagem baseada na produção tem-se as dimensões de conformidade e confiabilidade. mais qualificado será o produto. 24): 1. estética e qualidade percebida. A segunda classificação é de Paladini (2000)que conceitua a qualidade baseado em dois elementos: Espacial. qualidade é uma percepção intuitiva. isto é.Transcendente: Qualidade vai além das definições racionais e científicas. p. o que seria a parte espacial. o que . Na abordagem baseada no usuário pode ser identificadas as dimensões de atendimento. 2. o que ele acha bom o satisfaz é de qualidade. quanto maior o desempenho com o menor preço ou custo. para se direcionar o processo da qualidade total posteriormente.69 A primeira classificação é de Garvin (2002) que diz que a qualidade pode ser definida dentro de cinco abordagens principais. são elas: 1.

quais são suas preferências e necessidades A qualidade é considerada como falta de defeitos no produto ou no serviço prestado A qualidade nunca muda Qualidade é um aspecto subjetivo Mas também é verdade que Isso não quer dizer que ele não tenha preferências e necessidades (embora não expresse claramente) A falta de defeitos não significa possuir qualidade (o produto pode ter cores que um consumidor considera berrantes) O consumidor muda. o que gera considerável risco para a empresa É necessário que o cliente não sinta que a “qualidade” do produto reside no excesso de penduricalhos (de utilidade quase nula) Ninguém pode omitir-se no esforço de produzir qualidade A qualidade identifica-se com capacidade de fabricação A qualidade pode ser vista como um requisito mínimo de funcionamento A qualidade envolve a diversidade de opções que um produto ou um serviço pode oferecer a seus cliente Qualidade é uma área específica Fonte: Paladini (2000. desde os pequenos detalhes aos maiores planejamentos estratégicos integrados. Embora a qualidade seja difícil de se conceituar. Quadro 16 Aspectos da Qualidade É verdade que Nem sempre os clientes definem. 24) Empresas que não investem em qualidade. qualquer pessoa pode fazer o que você faz. Observando o quadro 16 pode-se ter uma noção da complexidade da idéia de qualidade. p. concretamente. seja ele através da fidelidade do cliente e . estão perdendo espaço para outras que investem e colhem o retorno. E rapidamente O subjetivo pode refletir posições práticas (um cliente gosta mais de uma cor de carro porque nela a sujeira aparece menos) Produtos bem-feitos nem sempre atendem as necessidades ou nem sempre são adequados ao uso esperado Se você faz o mínimo. é fundamental buscá-la incessantemente como uma maneira de se obter vantagem competitiva e diferencial estratégico.70 seria a parte temporal.

71 da alta rentabilidade deste cliente satisfeito. O investimento na qualidade é tão importante ou até mais que os investimentos nas áreas funcionais da empresa. ou evitando os desperdícios produtivos através de uma otimização das operações tornando-as mais eficientes. .

informações. sem esse nível de organização a empresa pode perder espaço ao ter seu desempenho comprometido se tornando menos produtiva. As organizações possuem dois tipos de estrutura.9. 80) diz que “[. .72 2. comunicações e decisões das unidades organizacionais de uma empresa”. Oliveira (1997) fala ainda sobre a necessidade imperativa de se construir a estrutura organizacional de acordo com os objetivos e estratégias da empresa.. A estrutura organizacional é a representação formal desta organização. autoridades.. Um grande desafio é alinhar a estrutura formal à informal objetivando o resultado eficaz através da estrutura mais sinérgica e eficiente. a formal que é planejada e desenvolvida em função dos objetivos da empresa. Oiveira (1997. sendo assim a estrutura organizacional se torna uma ferramenta básica para contribuir na busca dos resultados da empresa. medidas de desempenho compatíveis com os objetivos. organização das funções e responsabilidades. Uma boa estrutura organizacional é fundamental para que as empresas se organizem e se desenvolvam de forma rápida e ordenada.] estrutura organizacional é o conjunto ordenado de responsabilidades.5. Sobre as vantagens de se ter uma estrutura organizacional adequada. formada pelas interações sociais dos membros. recursos e feedback aos empregados. Estrutura Organizacional “A simplicidade é o último degrau da sabedoria” Gibran Para atingir melhores resultados operacionais a empresa deve se organizar de forma a diminuir erros tornando-se mais eficiente e veloz. p. e condições motivadoras. Oliveira (1997) diz que se podem destacar aspectos como: identificação das tarefas necessárias. e a informal que é a estrutura intuitiva da empresa.

73 3. a pesquisa foi bibliográfica. De campo. com entrevistas e questionários com os proprietários. revistas especializadas. Quanto aos fins a pesquisa foi intervencionista. Bibliográfica porque foi necessária uma revisão criteriosa dos livros e teorias relacionados à gestão e aos serviços da empresa. de campo e pesquisa-ação.2 Tratamento dos Dados Os dados foram tratados de forma qualitativa.1 Coleta de Dados Os dados foram coletados por meio de: a) Pesquisa bibliográfica em livros. dicionários. produção. Quanto aos meios. internet. teses e dissertações com dados pertinentes ao assunto. Pesquisa-ação. que a qualifica em relação a dois aspectos: quanto aos fins e quanto as meios. toma-se como base a taxionomia apresentada por Vergara (2004). mas também resolvê-los de forma efetiva e participativa. pois foram necessárias visitas constantes à empresa com participação ativa dos proprietários. apresentação e entrega dos serviços e da empresa. . porque foi necessário o compromisso de não somente propor resoluções de problemas. interpretados na teoria e revisados na prática tendo em vista a formatação de um melhor modelo de gestão. 3. b) Pesquisa de campo. pois o trabalho realizou intervenção participativa na realidade organizacional. 3. Metodologia Para a classificação da pesquisa. jornais.

2.br 4. incluindo projetos de comunicação e identidade visual de uma empresa. A idéia de considerar a tecnologia da Internet como um potencializador dos negócios e gerador de receita para as organizações é o foco principal da Ponto Lucro. Dessa forma passou a focar em soluções mais completas para negócios. Sala 203 – Centro CEP 74023-020 Cidade: Goiânia Estado: Goiás Telefone: +55 62 32249564 E-mail: contato@pontolucro. Áurea. Esse nome é referência em um livro sobre a evolução dos negócios na Internet.813.174/0001-12 Endereço: Rua 2 esquina c/ Rua 7.74 4. nº 68 Ed. O nome Ponto Lucro teve sua origem em um brainstorming para a escolha do nome da empresa. Avaliação da compreensão estratégica da Ponto Lucro 4.pontolucro.br Website: http://www.com. Aliando o conhecimento em Design Gráfico ao conhecimento em Administração. Histórico A Ponto Lucro nasceu da vontade de empreender no mercado goiano de sistemas de informação.1.com. a primeira idéia de criação do negócio surgiu em 2004. Identificação da Organização Razão Social: Ponto Lucro Tecnologia da Informação LTDA CNPJ: 07. envolvendo montar uma empresa de soluções em design web para negócios. Em agosto de 2005 a Ponto Lucro estruturou a oferta de um portfolio mais completo de serviços. .

3. Serviço A Ponto Lucro oferece soluções em Sistemas de Informação Online para negócios. Deve ser planejado como um negócio virtual de fato. o splash é desenvolvido em cinco dias úteis. enquanto o site demora m média quarenta dias úteis para ser desenvolvido. Baseado em uma propaganda da marca e dos diferenciais da empresa. sua marca e serviços. O desenvolvimento de um site não deve ser encarado apenas como uma vitrine virtual do negócio. um Sistema de Informação Online é um investimento que irá gerar rentabilidade para o negócio de forma direta e/ou indireta. Toda empresa possui seus sistemas e subsistemas funcionais. Site Institucional é um site focado no comunicação da empresa. O site deixa de ser um simples folder virtual e se torna um Sistema de Informações Online. O splash serve também para manter o público-alvo próximo e informado enquanto o site está sendo desenvolvido. em que existe investimento visando o retorno e a viabilidade financeira.75 4. Splash é uma solução mais rápida que o próprio site. . embora seja uma solução bem mais simples e visual. a solução que a Ponto Lucro oferece é analisar esses sistemas. Um site é apenas uma despesa para o negócio. identificar necessidades em cada um deles e apresentar soluções que potencializem e melhorem o negócio de forma específica e geral. O serviços prestados pela Ponto Lucro estão no quadro 10. o splash geralmente é oferecido como uma forma de se ter algo no internet enquanto o site está sendo desenvolvido.

00 R$ 35.00 R$ 500.00 R$ 1.00 Tela de Apresentação Conteúdo Estático Conteúdo Administrável R$ 500.76 o site institucional não interage com o cliente a ponto de efetuar vendas e relações comerciais.00 R$ 4.00 Preço (R$) O Site comercial explora os produtos e serviços da empresa.00 R$ 800.000.000.00 R$ 800.00 R$ 3.00 R$ 250.000. . tornando possível a venda real dos mesmos no próprio site.00 R$ 250.000.00 R$ 2. Tabela 1: Tabela de serviços Ponto Lucro Serviços Sites sem Flash Splash Site Institucional Site Comercial Sites em Flash Site Institucional Conteúdo Estático Conteúdo Administrável Comunicação Visual Marca Cartão Papel Timbrado Sistema de Identidade Visual Marketing Online Newsletter Mala-direta Simples Completo Servidor Hospedagem Plano I Plano II Plano III R$ 10.00 R$ 1.00 R$ 23.00 R$ 800.500.00 R$ 500.

a Ponto Lucro possui também em sua equipe um profissional que atua comercialmente e na captação. . trata de padronizar o uso da marca e a comunicação visual da empresa. além de intervir na comunicação visual dos clientes sempre que necessário. acesso à caixas de e-mail diretamente na internet – webmail – e sistema para controle estatístico da visitação no site da empresa. a Ponto Lucro possui uma equipe multidisciplinar que atua nas áreas de Administração. Hospedagem é o trabalho desenvolvido pela empresa para guardar e publicar as páginas virtuais da empresa na internet. 4.4. Newsletter e mala-direta virtual são sistemas que usam o correio eletrônico para enviar informes e material publicitário da empresa para seus clientes. A hospedagem inclui serviços como manutenção do servidor e das caixas de e-mail. 4. Equipe Para desenvolver soluções completas em Sistemas de Informação Online (SIO). papel timbrado compõe o desenvolvimento do sistema de identidade visual da empresa. Designers: Cuidam da estética e da usabilidade dos sites/sistemas. prospecção e relacionamento com o cliente. e Tecnologia de forma integrada. Design.5. além de pesquisar sempre as melhores estratégias de relacionamento. cartão de visita. Público-Alvo O Público-alvo é bastante abrangente sejam eles de pessoas jurídicas ou de pessoas físicas. Por ser uma equipe que trabalha por projetos e focada no cliente.77 Desenvolvimento da marca.

313.164. relacionamento e análise do mercado. Quadro 17: Membros da equipe Ponto Lucro Ednardo dos Santos Lobo CPF: 648. Windows XP.78 Cientistas da Computação: Cuidam da programação e tecnologia envolvidas nos sites/sistemas. 1 Notebook Compaq com sistema operacional Linux Debian e 1 PC AMD Athlon 850Mhz com sistema operacional Widows XP Professional. MAC OS e Linux Debian.6.461-20 Naturalidade: Goiânia . sendo 1 iBook (notebook da fabricante Apple) com sistema operacional MAC OS.455. Estrutura A Ponto Lucro conta com computadores que utilizam diferentes sistemas operacionais.511-53 Naturalidade: Goiânia – GO Idade: 30 anos Estado civil: Solteiro Grau de instrução: Superior incompleto Formação: Ciências da Computação Cargo: Diretor de Tecnologia Marcus Vinicius Barcelos Pires CPF: 692. .710.931-61 Naturalidade: Goiânia . eficácia dos sites/sistemas.031-87 Naturalidade: Salvador – BA Idade: 25 anos Estado civil: Solteiro Grau de instrução: Superior Completo Formação: Design Cargo: Diretor de Design e Integração Ronaldo Guedes Junior CPF: 936. Administradores: Responsáveis pela gestão estratégica da empresa.GO Idade: 24 anos Estado civil: Solteiro Grau de instrução: Superior Incompleto Formação: Administração Cargo: Diretor de Marketing e Pessoas Igor dos Santos Guedes CPF: 006.GO Idade: 22 anos Estado civil: Solteiro Grau de instrução: Superior Incompleto Formação: Administração Cargo: Diretor de Marketing e Finanças 4.

Canadá. Manter uma produção competitiva é fundamental para a evolução da empresa no mercado e manter seus clientes satisfeitos com serviços de qualidade e entregues no tempo projetado contribui para o bom relacionamento da empresa com o mercado. por isso os sistemas são todos desenvolvidos em linguagens de programação aberta.79 Com foco em plataformas livres. Estrutura produtiva: 1 sala de 40 metros quadrados 3 mesas simples . Portugal. Itália. Para o futuro próximo. a Ponto Lucro acredita e aposta no futuro do software livre. Espanha. entre outros. Saltar de uma produção de três sites por mês para até dez sites por mês é uma meta da Ponto Lucro para os próximos dois anos. com o desenvolvimento de até três sites por mês. A capacidade produtiva da Ponto Lucro atende às necessidades da empresa e de seus clientes atuais. a Ponto Lucro trabalha e se planeja para aumentar ainda mais sua capacidade produtiva sem perder em qualidade e confiabilidade. a Ponto Lucro estará pronta para atender o mercado goiano e captar clientes por todo o Brasil e em outras partes do mundo de fácil acesso – devido à língua nativa e proximidade cultural – como Estados Unidos. nesse nível de produção.60m. estável e inserida em um padrão mundial. ela consegue ter uma boa rentabilidade com a aquisição de novos clientes sem perder a qualidade no atendimento dos clientes de sua carteira.1.50m x 0. 3 cadeiras ergonômicas 4 cadeiras simples 1 mesa de reunião 1 frigobar 1 estante para livros e documentos . Argentina. fundamental para os clientes da Ponto Lucro que podem contar com tecnologia aberta que a torna mais confiável.

80

4.7. Estrutura Financeira Para a análise da estrutura financeira, será apresentado o fluxo de caixa do segundo semestre de 2005. Tabela 2: Fluxo de Caixa 2005/2 Ponto Lucro

Fluxo de Caixa .Lucro
Jul-05 1 Saldo Inicial de Caixa 2 Recebimentos 2.1 Operacionais 2.2 Não Operacionais 3 Pagamentos 3.1 Operacionais 3.1.1 Fixos 3.1.2 Variáveis 3.2 Não Operacionais 4 Geração Operacional 5 Geração Não Operacional 6 Saldo Final de Caixa Lucro Líquido 3,23 690,00 1.034,71 1.113,00 0,00 760,58 750,00 10,58 63,23 60,00 Ago-05 697,35 1,49 1.891,35 1.891,35 0,00 1.813,06 778,35 Set-05 775,64 -0,31 1.307,00 1.307,00 0,00 -52,90% 853,97 367,32 346,55 20,77 486,65 939,68 Out-05 1.228,67 0,32 1.728,50 1.688,50 40,00 36,37% 1.164,54 744,50 728,50 16,00 420,04 944,00 Nov-05 1.792,63 -0,65 600,00 250,00 350,00 23,96% 1.443,62 808,78 609,60 199,18 634,84 -558,78 Dez-05 949,01 2,40 2.038,00 1.528,00 510,00 84,20% 2.659,18 1.227,13 1.207,13 20,00 1.432,05 300,87

7,35

-1.034,71

-486,65

-380,04

-284,84

-922,05

697,35 697,35 Média

775,64 78,29 Evolução 64,88% 22,91% 27,68%

1.228,67 453,03

1.792,63 563,96

949,01 -843,62

327,83 -621,18

Receita Despesa Lucro

1.387,57 1.332,93 54,64

81

5. Aplicação Prática Através da análise estrutural da Ponto Lucro percebeu-se que a empresa ainda atuava de forma intuitiva sem visão estratégica do negócio por parte dos sócios proprietários. A empresa trabalhou informalmente até janeiro de 2006. Apesar da boa especialidade de cada membro da equipe, faltava ainda planejamento e estratégia para maior rentabilidade. Sua produção era pequena o que gerava baixa rentabilidade. Para solucionar as necessidades apontadas, foi feito um trabalho para se criar um questionário de análise e controle das áreas funcionais. Dessa forma foi criada uma ferramenta para análise estratégica e funcional da Ponto Lucro. Essa ferramenta foi imprescindível para entender o papel estratégico da Ponto Lucro no mercado e apontou diversas falhas específicas que puderam ser descritas durante o trabalho, algumas falhas foram solucionadas, outras foram assinaladas com sugestões de solução. Essa ferramenta foi usada para análise das empresas clientes, parceiras, concorrentes e fornecedoras. A ferramenta á um questionário objetivo com itens graduados de 0 a 10, sendo a nota 0 igual a elemento inexistente na organização e a nota 10 atribuída a um elemento perfeitamente atendido pela estrutura atual da Ponto Lucro. A ferramenta não está acabada, ao longo do tempo novas questões irão surgir para análise e a ferramenta se tornará cada vez mais customizada. A análise foi realizada na empresa e continuará sendo feita com freqüência trimestral e durante cada aplicação a ferramenta será reavaliada procurando melhorá-la. Após a análise, foi realizado apreciação crítica das áreas funcionais por observação e foram realizados acertos e sugeridas soluções através do cruzamento entre as necessidades e a teoria estudada. As áreas funcionais escolhidas para este trabalho foram: Planejamento Estratégico; Marketing; Produção; Gestão de Pessoas; Finanças; e OSM. Qualidade está inserida nas áreas funcionais e também será avaliada.

82

5.1. Planejamento Estratégico 5.1.1. Análise Crítica

Figura 7: Análise do Planejamento Estratégico Pelo gráfico nota-se que existe muito para ser melhorado, nada fora do normal pois é uma empresa nova e ainda não se organizou a ponto de estabelecer boas práticas estratégicas. A missão e valores ainda estão incertos o que afeta sua eficácia, as estratégias funcionais (marketing, produção, recursos humanos, financeiros, qualidade e OSM) inexistem ou são intuitivas sem organização e controle de resultados obtidos. Na análise das forças competitivas do mercado, a Ponto Lucro se permitiu fazer uma abordagem diferenciada. Entendendo a abordagem de Porter (1986) como

33 7.67 3.67 1 6 m eses 7 5 7 5 5 5 1 ano 9 8 9 8 8 8 Para Porter (1986) deve-se diminuir o poder de barganha dos consumidores criando vantagem para a empresa.83 reativa.33 3. Para Porter (1986) deve-se criar barreiras para novos entrantes e produtos substitutos e a concorrência não deve ser acirrada o que diminuiria a margem de lucro colocando em riso co negócio. Operacional e Estratégico) Estratégias Funcionais Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica da Produção Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Capital Gestão Estratégica da Qualidade Estratégias Estruturais (OSM) Forças Com petitivas Força da Empresa Perante os Novos Entrantes Força da Empresa Perante os Concorrentes (estadual) Força da Empresa Perante os Concorrentes (regional) Força da Empresa Perante os Concorrentes (nacional) Força da Empresa Perante os Concorrentes (global) Solidez de nossos produtos perante substitutos Proximidade e Relacionamento com Fornecedores Potencial dos Compradores Elem entos de Ação Direta e Indireta Satisfação dos Stakeholders Internos (equipe. dessa forma adequando-a a seus valores.75 4. se .5 2. Tabela 3: Análise do Planejamento Estratégico Planejam ento Estratégico Eficácia da Missão (Estamos tentando atingir nossa missão?) Realização dos Objetivos (Estamos alcançando os objetivos?) Visão e Valores Organizacionais (Aplicação Prática) Alianças Estratégicas (Parceiros Empreendedores e Amigos) Coopetitividade (Nível de Competição Cooperativa da Empresa) Integração das Estratégias (Tático.75 2 0 0.25 3.75 9 9 5 10 10 8 1 3. fornecedores) Análise e Controle do Ambiente de Ação Indireta (governo) 7 5 0.25 4 4 5 5 4 5 8 8 9 9 8 9 Atual 2. Para a Ponto Lucro os clientes são considerados amigos e parceiros. Para a Ponto Lucro os concorrentes são considerados colegas de mercado que concorrem de forma saudável.33 0 0 0 2. mantê-los sempre próximos e satisfeitos independente de sua força de barganha. negociar é um processo permanente e deve ser objetivada sempre a negociação ganha-ganha.5 0. sócios) Satisfação dos Stakeholders Externos (clientes. O mesmo raciocínio serve para a abordagem dos fornecedores.33 4 5 1 1 0 4 6 8 7 8 3 3 1 7 8 9 0 0. a Ponto Lucro procurou abordar as forças de mercado de uma forma próativa e amistosa.

com. Poucos concorrentes a nível estadual oferecem a mesma solução com uma equipe multidisciplinar e qualificada. portanto é fundamental para a empresa acompanhar os produtos substitutos e . Netquick (www. Interagi (www. Índia e Coréia. Dessa forma. Essas estão migrando para novos tipos de negócios chamados Agências Digitais que possuem o objetivo de abraçar as empresas em suas necessidades tecnológicas e de marketing.br) com fortes parcerias e uma boa base de clientes e Cultura (www.cultura. uma empresa é forte em tecnologia mas perde força em design. mas muito se fala de alguns países da Europa como França.84 ajudando quando necessário e mantendo o alto nível dos produtos e o desafio de ser cada dia melhor. Os produtos substitutos não deixam o mercado esquecer que a mudança é permanente.com. ou seja.com.br) que construiu uma grande carteira de clientes mas vem perdendo bastante espaço.br) com uma boa base de clientes.netquick. Web do Brasil (www.webdobrasil.com.ilion. grandes empresas estão sediadas em Brasília. Ambos tipos de empresa tem pouca visão estratégica e de gestão. A nível regional. e essas são empresas já bem mais avançadas. Os produtos substitutos fazem parte do cotidiano da empresa pois novas tecnologias estão sempre surgindo e o mercado WEB avança a passos gigantes. Inglaterra e Alemanha e países orientais como Japão.br) que possui um nome de peso devido seu tempo de mercado e uma imensa base de clientes. por outro lado outras empresas são fortes em design e perdem força em tecnologia. Porém nenhuma das citadas empresas possui competência percebida para se tornar uma empresa global.br) que está ganhando força a cada dia. Os novos entrantes são encarados como a força motriz da inovação. segue a análise das forças competitivas do mercado. A nível global. as maiores tendências nascem ainda nos Estados Unidos.com. Vale citar empresas como Ilion (www. são essencialmente focadas no mercado local e com equipes direcionadas a apenas uma área. A nível nacional as grandes empresas de desenvolvimento WEB estão concentradas no eixo Rio-São Paulo e no sul do Brasil.interagi.

Orkut. O governo estadual já demonstrou interesse pelo crescimento do setor de tecnologia criando linhas de crédito para o mesmo. principalmente se comparando o Brasil com os Estados Unidos que são os campeões isolados de uso da Internet no mundo. Mesmo possuindo boa parte de sua população sem acesso à Internet. Esse fato é encarado como uma grande oportunidade pois assim que se mostra o resultado e as possibilidades da tecnologia e comunicação visual aliado a uma boa política estratégica e de marketing. os Brasileiros são 70% dos usuários dessa ferramenta global. O governo municipal já criou um pacote de incentivos fiscais para apoiar o desenvolvimento das empresas de tecnologia e do centro da cidade de Goiânia. O atual governo federal apóia a iniciativa do software livre com diversos projetos e portais livres.orkut. Os Estados .85 estar ela mesmo lançando produtos substitutos como alternativa de rentabilidade e qualidade. O mercado de Internet não para de crescer e apresentar recordes a cada semestre. o trabalho com a Internet facilita o relacionamento com diversos fornecedores. Os consumidores locais ainda possuem certo desconhecimento do potencial das tecnologias web e comunicação visual aplicada aos negócios e os ótimos resultados envolvidos nesse processo.br) no dia 18 de maio de 2006. A equipe e os sócios – stakeholders internos – encontram-se satisfeitos assim como os clientes e fornecedores – stakeholders externos. torna-se fácil a venda e a multiplicação dos produtos e serviços da Ponto Lucro. Os Fornecedores podem ser locais ou globais. Fotologs. Blogs. o Brasil é o país que mais utiliza ferramentas de relacionamento como Orkut. Impressionante o uso dos brasileiros nessas ferramentas de relacionamento. tornando-o rápido e eficaz.com. o Brasil está entre os países que mais usam a Internet em quantidade e tempo de navegação. conforme figura 8 retirado do site do Orkut (www. os Estados Unidos seguem bem atrás com 12% dos usuários.

na América do Sul o Brasil assume a liderança do ranking.730 hosts (domínios com extensão .86 Unidos contam com o número impressionante de 257.com) . O Brasil segue em nono lugar com 5.273. .edu. . seguido pelo Japão com o número de 24.com e .br).orkut.gov.net) sendo o primeiro colocado no ranking mundial de hosts.us. os Estados Unidos em primeiro lugar seguem com um número 10 vezes maior que o segundo lugar.903.jp).795 hosts (domínios com extensão .094. .594 hosts (domínios com extensão .mil. . Nas Américas o Brasil assume o segundo lugar na frente de países como Canadá. . Figura 8: Porcentagem de Brasileiros no Orkut Fonte: Orkut (www. México e Argentina.org.

.592 em 1998 e depois pulou para 163. quadruplicando em um ano. Na Internet não é incomum perceber números crescendo em ordem geométrica. o registro de domínios . e o Brasil segue esse padrão de crescimento.br Figura 9: Evolução de Hosts no Brasil Fonte: www.br registrados chegando até a marca de 912.br O Brasil apresenta uma evolução na Internet a passos largos.121 domínios . três anos depois já possuía 425.cgi.512 domínios registrados até Abril de 2006.87 Tabela 4: Evolução de Hosts no Brasil Fonte: www. duplicando em alguns meses.659 em 2000.998 em 1997 para 27.cgi.br pulou de 7.

br Tabela 5: Ranking Mundial de Hosts Fonte: www.cgi.88 Figura 10: Evolução de Hosts do Brasil em relação ao mundo Fonte: www.cgi.br .

br Fonte: www.br A Internet como tecnologia da informação e comunicação de massa ainda perde muito para meios comuns como Televisão. Rádio.cgi.89 Tabela 6: Evolução do número de Domínios .cgi.br Figura 11: Evolução do número de Domínios . . Telefone como mostra a figura 12.br Fonte: www.

e mais 26% da Figura 12: Proporção de Domicílios que possuem Equipamentos TIC Fonte: www. elas acessam a Internet também via computadores públicos como bibliotecas. em breve será impossível falar de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) sem falar da Internet.cgi. televisão. Tudo isso aumenta ainda mais o potencial da Internet e sua velocidade de crescimento. em pouco mais de 8 anos ela já está disponível para 17% da população brasileira via computador. escolas. alugando hora nas diversas lan-houses (estabelecimentos que alugam a hora do computador com acesso a Internet ou para jogos). Mas as pessoas não acessam a Internet apenas através de seus computadores. . além disso celulares.90 Mas ao analisar os dados percebe-se algumas particularidades da Internet. computadores estão convergindo para uma tecnologia só. universidades. Computadores estão ficando cada vez mais baratos. trazendo mobilidade e informações interativas em qualquer lugar que esteja. a Internet logo estará em todos os meios de informação e comunicação. Em primeiro lugar a sua velocidade de crescimento. existem projetos de computadores populares que já saíram do papel e estão sendo comercializados.br população via celulares. na casa de amigos.

enquanto apenas 9% da população com renda familiar mensal entre R$ 301 e R$ 500.07 3.br (Pesquisa realizada pelo Instituto IPSOS) .25 A 85.9 93.28 MENSAL R$1801 OU MAIS 59.19 95.25 3.17 Universitário completo 78.86 B 63.77 13.77 0.46 Percentual (%) Fonte: CGI.03 5.89 87. percebe-se que o público da Internet é um público segmentado e de enorme intenção e potencial de compra.7 2.76 Total ATÉ R$300 4.27 Fundamental 1 completo 4.26 2.35 Médio completo 44.85 0.86 INSTRUÇÃO Médio incompleto 34. 60% da população que possui renda familiar mensal acima de R$ 1.800 acessa a Internet de qualquer local. enquanto na Classe Social C apenas 27% acessa a Internet de qualquer local e da Classe Social DE apenas 7% acessa a Internet de qualquer local.68 1.56 Fundamental 2 incompleto 9.18 1.78 5.27 1.11 Universitário incompleto 80.67 3.45 74.93 67.46 5.41 2.56 4.45 1.54 Fundamental 2 GRAU DE completo 19.4 3.65 1.45 82. Esses dados mostram como a Internet é um meio ainda exclusivo e segmentado com grande potencial de compra.81 1. Da população de Classe Social A.52 R$301-R$500 8.82 86. analisando de forma mais detalhada esses dados.96 11.66 4.05 25.81 2.01 CLASSE SOCIAL C 27.03 4.81 1.32 53.08 31.79 1.77 0.04 0. 85% acessa a Internet de qualquer local e Classe Social B 63%.91 13.31 3.57 1.34 1.4 3.34 RENDA R$501-R$1000 16.17 DE 7.17 1.91 Em segundo lugar.11 4.02 69.63 40.02 91.57 0.29 62.86 3. Tabela 7: Proporção de indivíduos que acessaram a Internet de qualquer local Há menos Entre 6 e Há mais de Nunca usou de 3 meses 12 meses atrás 12 meses a internet 24.26 3.42 2.78 FAMILIAR R$1001-R$1800 35.37 51.88 Analfabeto/ Fundamental 1 incompleto 2.

81 ATÉ R$300 0 5 4.68 19.66 44.18 78.92 R$1801 OU MAIS R$1001R$1800 59.81 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 Figura 13: Acesso a Internet – Renda Familiar Classe A 85.85 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 Figura 15: Acesso a Internet – Grau de Instrução .78 80.7 R$301R$500 8.42 35.81 34.77 4.57 Classe B 63.65 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 Figura 14: Acesso a Internet – Classe Social Analfabeto/ Fundamental 1 incompleto Fundamental 1 completo Fundamental 2 incompleto Fundamental 2 completo Médio incompleto Médio completo Universitário incompleto Universitário completo 0 5 2.26 R$501R$1000 16.31 Classe C 27.4 Classe DE 7.27 9.

22% utilizam sistemas para gerenciar a realização e recepção de pedidos.93 É também um público com alto grau de instrução. considerando quase a totalidade das empresas regionais e nacionais usam computadores. entende-se que existe um mercado potencial de 60% das empresas para captar. Tabela 8 Proporção de Empresas que Usam Computadores O mercado para sistemas de informação possui uma boa penetração.36% das empresas usam computadores. 98. sem o uso da Tecnologia da Informação. Esse é um dado que mostra a importância da Tecnologia da Informação no mundo corporativo. é praticamente impossível se falar de empresas e negócios hoje. no centro-oeste os dados não são tão diferentes. 79% da população com Universitário completo possui acesso à Internet e 80% da população com Universitário incompleto acessam a Internet de qualquer local. Analisando o público-alvo maior da Ponto Lucro que são empresas.76% das empresas usam computadores. percebe-se que a nível nacional. 98. mas apenas 39. Um boa aposta inicialmente seriam as pequenas e médias .

39. As empresas do centro-oeste possuem uma penetração semelhante à média nacional.94 empresas que possuem um maior índice de penetração e são mais carentes de sistemas.31 61.44 41. Tabela 9: Proporção de Empresas com Sistema de TI para Pedidos 10 a 19 20 a 49 50 a 99 100 a 249 250 a 499 500 a 999 1000 ou mais 0 5 10 15 20 25 30 35 32.32 61.68 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 Figura 16: Uso de SI por Porte da Empresa .34 54.06 64.95% das empresas possuem sistemas para gerenciar a realização e recepção de pedidos.78 83.

13 Nordeste 39.93 Sudeste 36.27 CentroOeste 0 5 10 15 20 25 30 35 40 39.29%.95 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 Figura 17: Uso de SI por Região Tabela 10: Proporção de Empresas que usam Internet . quase a totalidade das empresas brasileiras com 10 ou mais funcionário usam a Internet de alguma forma. esse numero chega a ser de 100% nas empresas com mais de 1.95 As estatísticas quando se fala em aplicações web. sites e uso da Internet nas empresas são ainda mais animadoras. A média nacional das empresas que usam Internet é de 96. Na região centro-oeste 97.000 funcionários.89 Sul 46. Norte 31.60% das empresas com 10 ou mais funcionários usam a Internet.

na região centro-oeste são 62% a porcentagem de empresas que possuem website. Novamente nota-se uma penetração mais nas pequenas e médias empresas. treinamento em tecnologias web e a consultoria focada em resultados na Internet. mas o que se percebe por observação é que o mercado de desenvolvimento de websites ainda . Tabela 11 Proporção de Empresas com Website Do total das empresas com website. a segunda é a quantidade de empresas com websites que pode ser um mercado para se explorar o redesign.06% possuem websites. Esses números apresentam duas oportunidades. 59. ou a maneira como o potencial das aplicações web é pouco explorado. a primeira é a grande penetração para desenvolvimento de sites. Essa pesquisa não verificou o uso de Sistemas de Informação Online pelas empresas. a reconstrução de websites. Outro fator interessante de se verificar é o uso inadequado da Internet.96 Da quase totalidade de empresas que acessam a Internet. 64% usa a Internet para facilitar o acesso aos catálogos de produtos e listas de preços. 59% comercializa de fato os produtos da empresa e apenas 47% fornece pós-venda.

De um forma geral. A Ponto Lucro tem a missão de explorar sempre esse potencial e desenvolver soluções web usando de todo esse potencial para ajudar as empresas a obterem mais e melhores resultados. usando uma fórmula ultrapassada de ocupar espaço na Internet.43 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 Figura 19: Recursos oferecidos pelo Website da Empresa .31 Sudeste 63. os websites exploram apenas a imagem institucional da empresa.87 Nordeste 41.97 explora muito pouco o potencial de sistemas de informação online para as empresas.91 Sul 57. Figura 18: Empresas que possuem Website por Região Norte 44.68 CentroOeste 62.

98

5.1.2. Soluções Inicialmente a ferramenta criada para análise estratégica e funcional está sendo usada para controlar o desempenho da empresa de uma forma sistêmica. No gráfico apresentado já possui um objetivo de melhoria em 6 meses e 1 ano. Estão sendo estruturadas estratégias para cada área funcional com proposta de melhorias e planos de ação para atingi-las. Para alinhar a missão, objetivos, valores e visão da empresa foi criado um manifesto que traduz em palavras as idéias e ideais da Ponto Lucro, segue abaixo o Manifesto Ponto Lucro em sua primeira versão. Manifesto - Ponto Lucro 1.0 0- O manifesto não é uma poesia, é uma prática mercadológica e social. Sobre o empreendimento 1- Não temos uma empresa, temos um desafio. 3- Nosso desafio é sobreviver para crescer. 4- Nossa missão é revolucionar o mercado, a sociedade e o indivíduo através de uma competição cooperativa, mudar as velhas regras de mercado simplesmente por não acreditar nelas, inovar e acreditar na inovação, ser o melhor em um mundo melhor. 5- Nosso objetivo é concretizar idéias e melhorar negócios em um ambiente revolucionário, impulsionado pelo amor, solidariedade e competência. 6- Nossa visão é de aprimorar o indivíduo para melhorar o coletivo. Começar a revolução em si, continuá-la no todo, nunca terminá-la. 7- Nossos valores não são novos, porém é uma nova revolução: Liberdade com responsabilidade; Igualdade com respeito; Fraternidade com amor; Lucro justo para todos.

99

8- Não acreditamos nas velhas respostas, é um novo mundo, um novo século, uma nova época, nós daremos as novas respostas. 9- No ponto existe uma nova relação, no lucro um velho desafio. O jovem é quem inova, o jovem é quem resiste, o jovem é quem muda, o jovem não tem medo, apenas a vontade incansável de pensar diferente, enxergar diferente, ser diferente. 10- A juventude não é idade, é idéia. Sobre o mercado 11- O mercado não é um composto de números, segmentações geográficas e comportamentos. O mercado são pessoas que conversam entre si sobre o que quiserem, quando e onde quiserem. 12- O mercado não é uma guerra, embora pessoas persistam em se tratar como guerrilheiras. 13- A Internet deu voz e liberdade de expressão para as pessoas. 14- As pessoas gostam de conversar, gostam de ser ouvidas. 15- As pessoas conversam sobre diversos assuntos, um deles pode ser sua empresa, seu produto, seus serviços, outro pode ser como sua empresa, produto e serviços deveriam ser. 16- Se estiverem falando da segunda opção, é hora de mudar. 17- Se estiverem falando da primeira opção, é hora de melhorar. 18- A mudança não é mais uma opção, é uma cultura permanente. 19- As pessoas decidem o que querem, quando querem e onde querem, e não as empresas. 20- Não existe foco no cliente, a empresa é o cliente ou não é uma empresa. Sobre a produção 21- A produção depende de pessoas, tecnologia e planejamento. 22- As pessoas precisam de pessoas. 23- A tecnologia é desenvolvida pelas pessoas. 24- O planejamento é feito por pessoas.

100

25- A produção depende de pessoas. Sobre liderança 26- As pessoas precisam de líderes para ensiná-las a não precisar de líderes. Sobre recursos humanos 27- Pessoas não são recursos. 28- Ou as pessoas fazem o que gostam, ou não gostam do que fazem. 29- Não gostar do que faz é perda de tempo e não temos tempo para perder. 30- Pense no futuro, aja no presente, aprenda com o passado. Sobre dinheiro 31- Dinheiro é fundamental. 32- Dinheiro não é tudo. 33- Dinheiro pode ser fácil e justo. 34- Aprenda a ganhar o dinheiro que precisa, não mais do que isso. 35- Saiba o que precisa. Sobre organização e métodos 36- A hierarquia acabou. 37- As estruturas são flexíveis ou não são nada. 38- As estruturas são rápidas ou já fracassaram. 39- A organização muda toda hora e os métodos duram poucos dias. Sobre forças competitivas 40- Os cliente são nossos companheiros de caminhada, compartilhamos o mesmo desafio. 41- Nossos fornecedores são amigos que dão o suporte necessário para superar o desafio.

negociação altamente flexível com clientes. Até que se atinja uma receita forte e estável.Os produtos substitutos não nos deixa esquecer que a mudança é permanente. são a origem da força motriz para a inovação. e com as informações de mercado.101 42. organização. Esse sistema fornecerá informações para a Ponto Lucro manter-se atualizada e sólida no mercado. essa será a estratégia da empresa. Está sendo desenvolvido um sistema de Inteligência Competitiva para acompanhar o desenvolvimento dos concorrentes diretos de forma detalhada. produtos substitutos). nos instigam a melhorar sempre. Está sendo criado um sistema de Business Inteligence para acompanhar as informações do mercado (fornecedores. ser melhor amanhã do que somos hoje. 43. Com a missão e os valores da empresa alinhados através do Manifesto Ponto Lucro. construção de carteira de clientes. A estratégia atual da Ponto Lucro é de entrante e sobrevivente: Custo fixo baixo. Sobre estratégias genéricas 45. serão criadas as estratégias da empresa como resposta às necessidades identificadas.Só existe uma estratégia.Os novos entrantes são fundamentais. montagem de equipe de produção. tendências. manutenção do bem estar e motivação. a partir desse momento será . parceiros potenciais) e do ambiente de ação indireta (governo. Até dezembro de 2006 espera-se atingir uma receita forte e estável através de uma rentável e diversificada carteira de clientes.Nossos concorrentes são nossos colegas de mercado. investimento em marketing de relacionamento e pequenos eventos. Com esse sistema pretende-se manter a Ponto Lucro sempre competitiva e antecipando os movimentos dos concorrentes para estar sempre à frente. 44.

De forma simples e adotando as estratégias genéricas de Porter (1986) é possível estabelecer uma amostra de como a Empresa irá se portar ao longo do tempo: 1º Etapa – até dezembro de 2006: Estratégia de Preço e Diferenciação. O controle dos resultados é realizado através da ferramenta criada e metas quantitativas. 3º Etapa – após junho de 2007: Diferenciação e Foco com produtos direcionados para segmentação. consultoria. Atingido esse cenário pretende-se realizar a manutenção da estratégia de crescimento e inovação. .102 acionada a estratégia de expansão e crescimento. A empresa irá investir em projetos próprios e oferta de maior mix de serviços (treinamento. cursos). mudando para uma sala comercial maior e estruturando sua empresa com mais materiais. Espera-se dessa forma aumentar a receita da empresa para continuar expandindo. Nesse momento a empresa aumentará seu custo fixo aumentando a remuneração de seus membros. 2º Etapa – de janeiro à junho de 2007: Diferenciação.

75 3. Marketing 5.5 5.25 7 8 8 4 6 7 8 9 8 8 4 4 4 6 7 2 8 7 7 7 0 7 0 0 5 0 5 2 5 5 1.75 1.5 6 4 7 5 6 8 7 9 8 8 10 1 1 1 2 2 2 1 2 1 1.25 2.1. Análise Crítica Figura 20: Análise do Marketing 1 Tabela 12: Análise do Marketing 1 Marketing Reconhecim ento do negócio Valor da Marca da Empresa Reputação da empresa Reconhecimento dos membros da empresa Share de Receita e Mercado Participação no Mercado (Sites PL)/(Sites Mercado) Participação nas Vendas (Vendas PL)/(Vendas Mercado) Participação na Receita (Receita PL)/(Receita Mercado) Produto Variedade de Produtos Serviços Garantias Valor Agregado Solução para o Cliente Preço Descontos Concessões Prazo de Pagamento Condições de Financiamento Custo para o Cliente 9 9 9 3 5 9 9 9 7 8 8 8 6 0 8 8 5 0 0 8.33 1.33 2 2 2 4 4 4 0 0 3 2 2 3 0 0 5 5 4 1.2.5 7.67 1.103 5.5 6 3.25 4.2.67 8.33 3 3 5 6 6 8 Atual 6 m eses 1 ano .

Seus sócios. a Ponto Lucro oferece diversas facilidades de negociação como ótimos descontos. seu valor diminui na mesma proporção. a Ponto Lucro oferece uma ótima solução para o cliente. Tudo isso forma . Suas condições de financiamento são boleto. mas. mais a frente será verificado seu valor ao analisar o processo produtivo. A empresa possui uma pequena variedade de produtos e serviços. porém mesmo sem essa estimativa. tanto em termos de quantidade como receita. cada solução é única. fatores fundamentais para o reconhecimento do valor agregado. sabe-se por conhecimento de mercado que a participação da Ponto Lucro ainda é mínima pois ela ainda não consegue prospectar o mercado de forma a alcançar altas parcelas devido sua baixa capacidade produtiva. A Ponto Lucro possui ainda pequena participação no mercado. apesar de reconhecidos por onde passaram. brindes corporativos. a Ponto Lucro não oferece soluções padronizadas. marca. relacionamento. Seus nomes ainda não foram trabalhados como marcas pessoais e objetivando agregar valor à empresa e aos produtos.104 A empresa como recém entrante possui pouco reconhecimento de sua marca. nome dos desenvolvedores. A Ponto Lucro adota uma política de preços agressiva e flexível como parte de sua estratégia de entrante. depósito bancário e dinheiro. não oferece formalmente garantias após a entrega do produto e seu valor agregado ainda é baixo por falta de adicionar serviços. o que torna seu processo produtivo praticamente artesanal. confiabilidade. Essa característica da empresa pode ser ótima para o cliente. ainda muito focada em desenvolvimento de sites e pequenos sistemas de informação. Apesar disso. pois trabalha com sistemas personalizados para a necessidade de cada cliente. possuem pouco reconhecimento no mercado de uma forma geral. ciente da necessidade de construir uma base de clientes rapidamente. cheque. por ser pouco conhecida. e onde prestaram serviço. concessões e prazo de pagamento. Não se possui uma estimativa real do número de consumo/mês de produtos e serviços relacionados a tecnologia web. tempo de mercado.

o marketing de relacionamento é intuitivo. também não possui trabalho de promoção de sua marca. A sala comercial possui um bom espaço interno. possui um sistema de CRM com cadastro de clientes e informações sobre os clientes que geram mais serviços. A empresa possui fácil acesso. mas não suportará mais de 6 pessoas. fica localizada no centro da cidade e é fácil encontrá-la.105 um ótimo custo de mercado para o cliente. que indicam mais clientes e os clientes mais . Figura 21: Análise do Marketing 2 A Ponto Lucro não possui ações de promoção da empresa e de seus produtos. não possui planos e organização de marketing. A Ponto Lucro é uma empresa que se preocupa muito em manter um foco no cliente. Outras ações de promoção também são pouco usadas. fica muito próxima das casas de seus membros. mas esse custo poderia ser ainda melhor se a empresa possuísse maior valor agregado em seus produtos. porém não possui estacionamento para seus clientes e o prédio é antigo e mal cuidado.

5 0 4.75 1.2. A empresa objetiva o bom relacionamento com o cliente mantendo um clima de proximidade e amizade. Amizade) Satisfação do cliente (Produto e Serviço) Fidelidade do Cliente (Defende e Indica nossa Empresa) Experiência obtida pelo Cliente Lucratividade Média por Cliente Qualidade baseada no cliente Atendimento (Rapidez e Cortesia) Estética percebida (Beleza.5 7 7. Comunidade) Propaganda (Apresentação não-pessoal) Força de Vendas (Apresentações e Reuniões de Vendas) Marketing de Relacionamento (Contatos rentáveis) Marketing Direto (Mala direta.75 4 0 0. A maioria dos prospects que a empresa trabalha acabam virando clientes por causa dessa maneira de agir.5 0. Soluções . para isso ela aplica questionários de avaliação de cada serviço e mantêm profissionais focados em relacionamento com o cliente e controle positivo desse relacionamento. Publicações.25 7.25 8 7. De Prospects/N. A qualidade percebida pelo cliente é também uma preocupação da empresa. Catálogos) Praça Cobertura geográfica (Abrangência da venda) Canais (Facilidade para comprar) Locais (Facilidade de contato) Conveniência para o Cliente (Estacionamento. 5. Ambiente) Foco no Cliente Inovação para os Clientes Captação de Clientes (N.75 5.75 3 3 4 3 5 2 7 7 7 2 2 3 6 8 8 8 8 8 9 8 8 8 8 6 6 8 6 8 4 9 9 9 4 4 6 9 10 9 10 10 10 10 9 10 9 10 4 6 6 0 4 9 9 7 9 9 5 6 7 8 5 8 8 3 9 7 8 7 9 para o cliente. Telemarketing.5 3.33 6. buscando sempre oferecer a melhor experiência Tabela 13 Análise do Marketing 2 Marketing Promoção Comunicação da Marca da Empresa Comunicação da Marca dos Produtos Eficácia da Comunicação (Retorno Sobre Investimento) Promoção de Vendas (Estímulo do consumidor) Publicidade (Palestras.75 8 5.2. De Clientes) Relacionamento com o Cliente (Respeito.75 5.106 rentáveis. atratividade visual) Qualidade percebida Atual 6 meses 1 ano 0 0 0 0 1 0 7 4 0 1 1 4 2 5 7 7 7 7 7 6 0 0 0 0 1 0 8 8 0 0 1 8 5 8 8 9 8 8 8 5 0 0 0 0 0 0 4 4 0 0 0 3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0.

participações em congressos. praticando marketing de relacionamento. investimento na marca e nos nomes dos membros como marcas fortes agregadas aos serviços. em que a empresa diminuirá sua estratégia de preço e aumentará sua estratégia de diferenciação. palestras. a empresa está desenvolvendo um sistema de CRM (Costumer Relantionship Management) profissional. marketing de eventos. A política de preço se tornará menos flexível quando a empresa conquistar reconhecimento e seu valor agregado for notoriamente percebido. a decisão por investimento de marketing é voltada em sua maioria para o cliente.107 Para atingir as metas a curto e médio prazo. . Nesse estágio começará a 2º Etapa.

são também companheiros e auto-motivados. A empresa opta na maioria das vezes por tecnologias livres. O arranjo físico foi planejado para traduzir a filosofia livre e flexível da empresa. A força de trabalho é o grande diferencial da empresa. uma versão brasileira do Open Office. Windows.108 5. para desenvolvimento de aplicações web a linguagem mais comum é Perl. documentos. Análise Crítica Figura 22: Análise da Produção A Ponto Lucro possui um bom ambiente produtivo.3. composta por uma equipe multidisciplinar com pessoas competentes em suas especialidades. São utilizados os três maiores sistemas operacionais. e PHP.3. são bons computadores e os melhores sistemas para se trabalhar. Por ser uma equipe multidisciplinar a equipe possui facilidade de focar cada um em sua especialidade sem deixar de lado a . Linux e Mac OS. apresentações é utilizado o pacote livre BR Office. banco de dados MySql e PostGree. Produção 5. tornando-o um arranjo moderno e confortável facilitando a comunicação entre todos os membros da empresa.1. para as aplicações de trabalho como planilhas.

atualizando-se sempre e procurando as melhores teorias e práticas de cada área. o que aumenta a qualidade mas diminui a capacidade produtiva da empresa.) 7 Durabilidade do site e/ou sistema (Durar o tempo planejado)7 Qualidade baseada na produção Conformidade com o que foi projetado (Resultado x Projeto)3 Confiabilidade no funcionamento (Testar antes de Executar)3 Atual 6 meses 1 ano 6 8 5 3 3 2 8 8 8 8 5 4 6 3 3 6 7 7 8 7 10 4 5 4 3 8 9 7 8 5 8 7 0 0 5 3 8 0 3 9 9 3 5 0 10 10 10 10 8 6 8 0 0 5 5 0 7 5.5 3.75 6.75 4.5 0. Todos os membros possuem a característica de procurar sempre o que há de mais novo em cada especialidade.25 6 6 10 8 5 6 5 9 9 9 9 8 7 7 4 4 8 8 7 6 8 9 9 9 8 8 10 10 8 8 8 10 10 10 10 10 8 9 7 8 10 9 9 8 10 10 10 10 10 8 8 8 9 9 9 9 9 9 8 6 6 9 A Ponto Lucro possui ainda um processo semi-artesanal de produção. Tabela 14 Análise da Produção Produção Ambiente Produtivo Tecnologia Hardware (Maquinário e Equipamentos) 7 Tecnologia Software (Sistemas e linguagem de programação) 8 Arranjo Físico (Layout.33 8.75 8.25 5. criando uma tendência para o atraso das datas estabelecidas e perdendo em confiabilidade.75 8.109 integração entre cada área.75 4 2 8. .25 5 7..75 0..33 7. Arranjo e Design de Interior Eficaz) 8 Capacidade produtiva (Quantidade/Tempo) 4 Eficiência Operacional (Produzir mais e melhor) 4 Organização do Trabalho (Evitar desperdícios e desvios) 3 Força Produtiva Força de trabalho capaz (Habilidade técnica) 9 Força de trabalho capaz (Habilidade pessoal) 7 Força de trabalho capaz (Habilidade conceitual) 7 Força de trabalho dedicada (Auto-motivação) 9 Sinergia Produtiva (Integração eficaz da equipe) 7 Desempenho permanente (Produzir bem sem parar) 7 Melhoria Contínua (Produzir amanhã mais e melhor que hoje) 1 Prevenção de Falhas (Diminuir falhas amanhã) 0 Recuperação de Falhas (Ação contingencial) 0 Objetivos de Desempenho Rapidez na produção e entrega 3 Confiança nos prazos estabelecidos 3 Flexibilidade para mudar as operações 6 Custo de produção 5 Qualidade baseada no produto Desempenho do site e/ou sistema (Funcionar sempre) 7 Características Percebidas (O produto é melhor por causa.25 6.75 6.75 4.75 8. Pelo mesmo motivo os cronogramas são constantemente revisados e existe um inconstância entre as datas acertadas e a conclusão de cada etapa produtiva.5 5.5 8 8.

Várias metodologias já foram estudadas e a Ponto Lucro está implantando uma metodologia baseada nesse estudo. 5.500. Estudando.000. Nenhum problema maior foi registrado com os sites e sistemas desenvolvidos pela Ponto Lucro. planejando e organizando a produção a Ponto Lucro já conseguiu aumentar sua capacidade produtiva e diminuir o índice de erros por projeto. as melhores teorias e práticas de desenvolvimento de sistemas e sites.00 – 3. A qualidade da produção ainda pode ser melhorada bastante.000. vários testes são realizados e vários ajustes feitos. dessa forma o custo de desenvolvimento de um site é de R$ 1. Estão sendo formalizados líderes entre os membros da equipe produtiva para conduzir as melhorias na produção.2.250.500. começando por um bom projeto e um bom controle das divergências entre o projeto e o resultado final.00. essa liderança é compartilhada entre todos os . Os sites e sistemas desenvolvidos raramente dão algum tipo de problema pois durante seu desenvolvimento e implantação.00 mas os sites negociados estão sendo fechados entre R$ 2.00 e a capacidade é de produzir dois sites artesanais por mês. Aumentando a capacidade produtiva pode-se diminuir consideravelmente o custo de produção do site. espera-se melhorar a confiabilidade nos prazos e a eficiência operacional. Reuniões semanais de produção são realizadas para estudar as melhores metodologias de desenvolvimento e para planejar e controlar os efeitos do planejamento. Soluções Está sendo realizado benchmarking com as melhores empresas.00.110 O custo de produção é baseado no custo fixo médio da empresa que hoje gira em torno de R$ 2. O preço por site é de R$ 3.3.

111 membros da equipe com o intuito de manter um ambiente criativo e de alto desempenho. estão sendo contratados novos membros para a equipe produtiva e está sendo implantado um método de produção mais industrial. com diversas padronizações buscando aumentar a capacidade produtiva de dois a três sites por mês para até oito sites por mês em. . Para melhorar os resultados.

A Ponto Lucro possui uma boa organização de pessoas e demonstra muita preocupação com os membros de uma forma biopsicossocial – biológica.4.112 5. O ambiente de trabalho foi projetado para ser um ambiente aberto.1. Apesar de poucas pessoas. a empresa possui um trabalho focado em equipes de alto desempenho sempre incentivando o empowerment em um ambiente de liderança compartilhada e situacional. apesar de bastante informal. Um ambiente leve com boa ventilação e espaço.4. incentivando o trabalho criativo e inovador. Análise Crítica Figura 23: Análise da Gestão de Pessoas A Ponto Lucro possui uma boa gestão de pessoas. . com comunicação fácil. psicológica e social. funciona muito bem devido ao pequeno número de pessoas na equipe – quatro. Gestão de Pessoas 5.

todos os problemas são discutidos em grupo. ações são tomadas de forma imediata que para não ocorram ruídos na comunicação. traiçoeiras e egoístas são abominadas. responsável por sua rentabilidade. A Ponto Lucro tem o objetivo de ser uma empresa humana em que palavras como solidariedade. sua higiene e o relacionamento com os clientes e prospects. Na empresa existe um incentivo à competitividade entre as pessoas. Por isso ações amigas e sinceras são incentivadas enquanto atitudes desonestas. Nas reuniões mensais existe um espaço para o feedback operacional e pessoal. mesmo que algumas vezes percamse várias horas produtivas para se resolver um conflito. A eficácia da comunicação é sempre checada. se algo contrário é percebido. O poder de decisão e de . não se pensa em uma competição em que existe a melhoria de uma pessoa sobre o enfraquecimento de outra. todos membros devem falar de cada membro traçando um feedback mensal do dia-a-dia da empresa e das relações pessoais.113 O relacionamento em equipe é uma das grandes preocupações da Ponto Lucro. A Ponto Lucro pretende estabelecer equipes de alto desempenho e autogerenciáveis. eles devem ser identificados e resolvidos da melhor maneira dentro da empresa e da forma rápida possível. É importante para os membros perceberem que suas mensagens foram recebidas e entendidas corretamente. amizade. Essa ação faz-se necessária para o crescimento de cada um e para a manutenção do bom relacionamento. seu bom ambiente produtivo. os conflitos não devem sair da empresa. a Ponto Lucro possui uma lista de e-mail em comum em que todos os membros podem conversar e deixar mensagens que irão para todos os membros. mas essa é uma competição saudável que visa o crescimento mútuo. sinceridade e empatia sejam parte do cotidiano empresarial. não permitindo a evolução de conflitos subjetivos entre as pessoas. para isso mostra a cada membro que ele é responsável por toda a empresa.

Aceitação. Tabela 15: Análise da Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas Organização.25 5.25 4.75 4. Atratividade) 4 5 Seleção (Eficiência e Eficácia. Iluminação.25 6. Esporte e Lazer) 6 8 Objetivos Pessoais x Organizacionais 6 5 Qualificação da Mão de Obra (Qualificação/Tempo) 5 5 Recrutamento (Necessidade. Amizade) 8 10 Necessidade de Estima (Auto-confiança.67 6.25 4.75 2.75 6 6.25 2.75 7.75 6.5 7.25 4 8.5 6. Higiene e Segurança de Pessoas Tarefas e Atribuições (Organização das tarefas por pessoas) 2 5 Remuneração (Média de mercado e Justiça) 3 2 Higiene (Temperatura.75 8. Selecionar a pessoa certa) 4 Relacionamento em Equipe Solidariedade 7 8 Empatia (Colocar-se no lugar do outro) 6 8 Comunicação Eficaz (Ausência de ruídos) 3 6 Feedback (Crítica saudável) 5 8 Amizade 8 9 Sinceridade 6 9 Maturidade 6 6 Resolução de Conflitos (Evitação.5 3. Status.75 5. Compromisso.75 6.5 8.75 5. repouso.25 5.25 7.5 6.25 10 5 7 6 8 7 7 7 7 8 8 7 8 9 9 7 8 9 7 8 8 8 8 8 8 8 8 7 8 8 7 7 9 7 9 7 8 10 8 9 8 10 9 9 9 9 10 10 10 10 10 10 10 10 10 9 10 10 10 10 10 10 10 10 9 10 10 10 10 10 8 10 9 8 8 7 4 2 7 9 6 7 6 1 7 8 7 5 4 3 3 8 8 5 8 10 10 7 5 6 8 9 8 5 5 9 9 7 7 0 0 0 0 9 5 9 6 5 6 7 7 1 4 9 7 4 5 6 . Colaboração) 8 7 Sinergia (União eficaz) 6 7 Coopetitividade (Cooperação + Competitividade) 7 6 Equipes de Alto Desempenho Participação (Sinergia de Esforços) 6 5 Responsabilidade (Alcance de solidariedade) 7 7 Clareza de objetivos (Esforço conjunto) 7 5 Interação (Maior comunicação) 6 5 Flexibilidade (Adaptação rápida a novas circunstâncias) 7 7 Foco (Melhoria e Aperfeiçoamento Contínuo) 6 6 Criatividade (Incentivo à inovação e mudança) 6 7 Velocidade (Competitividade através do tempo) 5 7 Aprendizagem Organizacional Domínio Pessoal (Alcançar objetivos como indivíduos) 6 8 Modelos Mentais (Reflexão e Questionamento) 6 8 Visão Compartilhada (Foco sobre propósitos mútuos) 8 8 Aprendizagem de equipes (Aprendizagem através de equipes) 8 0 Pensamento Sistêmico (Compreensão da interdependência)4 8 Motivação – Hierarquia de Necessidades Necessidades Fisiológicas (Alimentação.114 participar das decisões da empresa é dado aos membros.25 5.75 6. Ruído. Mercado. mas todos devem entender que esse poder significa mais responsabilidades e maturidade para cada um.5 5.33 6.25 6. Ergonomia) 5 5 Segurança (Prevenção de Acidentes) 5 5 Qualidade de Vida (Alimentação.33 6.5 5 4 7. Prestígio) 8 7 Necessidade de Auto-realização (Auto-desenvolvimento) 8 10 Atual 6 meses 1 ano 7 3 6 0 6 8 3 6 8 5 5 0 5 8 5 5. abrigo) 7 Necessidades de Segurança (Estabilidade) 6 7 Necessidades Sociais (Participação.5 7.25 6.

segurança. por isso é importante que seja realizado um planejamento de cargos e . sempre perguntando se está tudo bem e observando o comportamento de cada um. são os membros que ditam o ritmo e dão o tom da empresa mantendo-a competitiva e viva no mercado.115 A empresa possui objetivos vinculados à educação corporativa.2. A motivação dos membros da empresa é assunto sério. pretende ser uma empresa que aprende e para isso incentiva o aprendizado e grupos de estudo interdisciplinares e específicos entre os membros da equipe. 5. permanece unida e se esforça para manter o bom ambiente de trabalho. As pessoas são o grande diferencial da Ponto Lucro. para isso existem questionários de controle dos níveis de motivação – fisiológica. por isso essa opção está sendo mantida e um controle constante da eficácia dessa decisão é realizado mensalmente. A Ponto Lucro está se organizando para contratar novas pessoas e criar equipes funcionais. estima. A opção pela liderança compartilhada não poderia ser diferente pela missão da Ponto Lucro de ser um empresa humana e flexível. Soluções As boas ações de melhoria no relacionamento e o empowerment das pessoas estão sendo mantidas e aprimoradas.4. apesar de todos os problemas de uma entrante e das incompatibilidades entre membros. Mensalmente é feita uma visita à sebos e livrarias em busca de novos conhecimentos e tendências. auto-realização – e as pessoas são incentivadas a preocuparem-se umas com as outras. social. Estão sendo criados um cadastro dos membros da empresa e um banco de dados de pessoas para recrutamento e seleção. uma equipe unida e motivada que.

. A curto prazo a gestão de pessoas de Ponto Lucro está boa.116 salários. A empresa tem se organizado nesse sentido e o organograma foi revisado buscando estabelecer novos cargos para um futuro próximo. porém para o crescimento sustentado da empresa será necessário profissionalizar a gestão e desenvolver sistemas de suporte à gestão de pessoas.

apenas um fluxo de caixa diário controla a movimentação financeira da empresa. . não atrasa no pagamento dos fornecedores nem dos membros. Análise Crítica Figura 24: Análise da Gestão Financeira A gestão financeira da Ponto Lucro é bem simples. também não possui sobra de caixa suficiente para fazer aplicações e política de investimentos.1. Nesse estágio não são necessários outros tipos de planejamento e controle financeiro.117 5. os clientes pagam corretamente e em dia. A empresa possui um custo fixo baixo. esse fato pode ser resultado do tratamento diferenciado de cada cliente e do bom relacionamento com a empresa. Finanças 5.5. ela ainda não toma empréstimos e sua acurácia de pagamentos é ótima.5. o que facilita a estabilidade financeira da empresa. A empresa ainda não teve inadimplência nos serviços prestados. com poucas exceções. a empresa é recente e possui pouca movimentação financeira.

Soluções .75 8.2.5 4 10 7 9 8 6 4 4 5 6 6 2 1 5 5 5 5 6 8 10 8 10 10 8 6 7 8 7 7 3 3 8 8 8 8 7 5 5 0 6 3 2 0 1 2 3 5 5 0 3 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 5 1. Apesar de apresentar serviços e produtos a preços mais baixos que o mercado.118 A Ponto Lucro ainda não trabalha com índices financeiros pois sua contabilidade ainda está sendo ajustada. a empresa irá criar um sistema para analisar os índices financeiros.5. Para isso estão sendo realizados ajustes na produção que visam aumentar a capacidade produtiva sem aumentar tanto o custo fixo.75 0 0 0 0 0 4 7 5 A empresa tem uma boa receita variável devido a seus serviços e produtos.75 1. mas sua receita fixa pode melhorar bastante aumentando a base de clientes que hospedam o site no servidor da empresa.67 4 1. a Ponto Lucro pretende melhorar ainda mais os preços sem afetar a margem de lucro. Tabela 16: Análise da Gestão Financeira Finanças Organização Financeira Organização de Orçamentos Acurácia de Pagamentos Acurácia de Recebimentos Organização do Fluxo de caixa Responsabilidades Contábeis Estabilidade financeira Estabilidade financeira Capital de Giro Receita Fixa Receita Variável Custo Variável Custo Fixo Investimentos Financiamentos Índices Estrutura de Capital Liquidez Rotação Rentabilidade Qualidade baseada no valor Custo para o Cliente Atual 6 meses 1 ano 0 8 8 8 5 0 10 6 10 0 0 9 4 8 0 9 9 9 0 0 9 6. 5. logo que a contabilidade estiver acertada e os documentos contábeis disponíveis corretamente.

119

Será criado sistema com índices financeiros para analisar os documentos contábeis, esse sistema será integrado ao fluxo de caixa tornando-se um sistema de gestão e informações financeiras. A empresa manterá controle do crescimento financeiro através desse sistema que será integrado aos diversos sistemas funcionais da empresa formando um sistema de gestão e informações estratégicas para a Ponto Lucro. A empresa está se preparando para crescer e expandir, por isso planeja uma estratégia de capital sólida, sem deixar de ser agressiva.

120

5.6. Organização, Sistemas e Métodos 5.6.1. Análise Crítica

Figura 25: Análise de Organização, Sistemas e Métodos A Ponto Lucro possui uma boa organização, a estrutura é flexível e a hierarquia é baseada em apenas dois níveis o que a torna rápida e horizontalizada. Consegue ter um controle rígido sem ser burocrática, baseada no empowerment, todos os membros têm algum poder de decisão e sabem corresponder à responsabilidade relacionada a esse poder. A empresa possui poucos sistemas, apenas um fluxo de caixa, um CRM básico e um sistema de inteligência competitiva que é pouco usado.

121

A Ponto Lucro não possui fluxogramas de suas operações, e a distribuição do trabalho é discutida nas reuniões mensais mas sem formalizar a distribuição do trabalho ele se torna informal e intuitivo. E empresa não possui um manual administrativo nem material institucional. Tabela 17: Análise de Organização, Sistemas e Métodos
OSM Organização Estrutura Flexível Estrutura Rápida Estrutura Eficiente Estrutura Eficaz Hierarquia Simplificada Organização de Processos Sistemas ERP – Enterprise Resource Planning Sistema Financeiro CRM – Customer Relationship Management BI – Business Intelligence IC – Inteligência Competitiva Sistema de Gestão de Pessoas Sistema de Acompanhamento da Produção Sistema de Projetos Sistema de Informações de Marketing Sistema de Controle de Processos Métodos Desenho de Processos (Fluxograma) Quadro de Distribuição do Trabalho Manuais Administrativos Atual 6 meses 1 ano 6 6 5 6 8 5 0 2 3 0 2 0 0 0 0 0 0 0 0 5 0 2 6 5 0 0 0 0 8 5 7 5 10 0 5 6 7 4 7 2 5 8 9 9 10 7 6 6,25 7 6 8,75 3,5 0 2 3 0 2 0 0 0 0 0 1,25 3,25 0 7 7 8 7 9 6 2 5 5 2 5 3 3 3 3 3 6 6 6 9 9 9 9 10 10 5 8 8 6 8 6 6 6 6 6 10 10 10

5.6.2. Soluções Manter a estrutura flexível e rápida, com uma hierarquia simplificada focando em equipes de alto desempenho. Criar sistemas para as áreas funcionais que irão ajudar no controle e no suporte às decisões da empresa. Desenhar os processos através de fluxogramas das operações para melhorar a eficiência da empresa.

passando pelo aumento da equipe produtiva.122 6.817. Essa decisão foi tomada após a análise da ferramenta que mostrou a necessidade de se aumentar a capacidade produtiva. Quadro 18: Novos membros da equipe Ponto Lucro Cleomar Alves do Prado CPF: 006. será apresentado o Fluxo de Caixa do primeiro semestre 2006 e a projeção para o segundo semestre de 2006.2 Evolução Financeira Para verificar a evolução financeira gerada pelas mudanças originadas do trabalho desenvolvido durante o primeiro semestre de 2006.02 Idade: 18 Área de Atuação: Design Marcelo Machado Fleury CPF: 014.941-09 Idade: 20 Área de Atuação: Tecnologia 6.350.212. Primeiros Resultados 6.481-10 Idade: 18 Área de Atuação: Tecnologia Julio César Vieira de Jesus Junior CPF: 013. dois para a área de Design e dois para a área de Tecnologia com o intuito de aumentar a capacidade produtiva. .294.721. foram contratados quatro estagiários.631-90 Idade: 22 Área de Atuação: Design Jokasta Vely Lopes CPF: 022.1 Equipe Ao final do primeiro semestre de 2006 a equipe Ponto Lucro passou de quatro pessoas para oito.

12 Jun-06 1.51 2.2.1.43% -43.07 Mai-06 495.539.66 5.427.00 -16.1 Operacionais 3.47 3.44 200.00 3.67 264.37 1.1.805.58 1.026.40 580.072.078.02 612.90% 231.999.342.50 3.026.158.96 4.40 3.263.63 1.19 698.510.327.70 328.800.1.437.43 495.00 -18.047. Outros 3.00 5.50 384.69 -617.97 Abr-06 231.30 -0.121.00 405.50 15. Remuneração 3.73 -694.27 Mar-06 331.2 Não Operacionais 4 Geração Operacional 5 Geração Não Operacional 6 Saldo Final de Caixa Lucro Líquido 327.83 4.2 Variáveis 3.108.00 13.108.388.00 0.50 3.00 749.70 -8.49 Receita Despesa Lucro 3.757.55% 4.00 3.00 -2.87 92.00 757.184.47 2.110.020.20 547.431.920.36 Média 331.93 1.043.46 Evolução 9.53 -349.28 .04 1.64 2.048.54 -63.18 3.88% 3.84 1.205.57 684.08 3.1.19 184.08 3.13 3.464.73 0.04 2.50 17.35 3.09 997.123 Tabela 18: Fluxo de Caixa 2006/1 Ponto Lucro Fluxo de Caixa .476.50 78.75 1.606.84 199.67 -0.1 Operacionais 2.081.714.412.14 535.27 985.029.93 3.32 911.00 0.373.591.00 3.43 2.45% 4.58 617.46 -284.1.506.821.15 6.327.705.44 1.00 400.203.2 Não Operacionais 3 Pagamentos 3.536.20 1.02 0.10 8.19 -0.1.15% -1.42 3.510.51 3.65 2.20 -77.50 3.Lucro Jan-06 1 Saldo Inicial de Caixa 2 Recebimentos 2.00 15.40% 3.14 3.1 Fixos 3.30 -100.078.44 957.56 Fev-06 1.77 621.77 -6.1.88 2.77% 2.830.78 1.05 1.

457.625.00 0.625.00 0.1.670.72 38.967.383.77 2. Outros 3.49 1.625.28 0.00 7.656.00 0.356.78 7.00% 3.2.1.27 3.1.11 0.00 7.78 0.28 3.1.28 2.1.72 Nov-06 22.656.28 3.00 3.625.657.457.77 3.657.200.88 0.06 0.00 -221.00 11.00 0.50 7.457.00 0.00 7.00 7.968.00 0.28 409.200.00 0.967.00 11.740.58% -298.28 0.00 11.521.036.72 11.00 0.72 30.586.967.1.656.815.00 1.740.899.457.49 1.199.967.27 Ago-06 3.00 0.83% -1.00 8.28 0. Remuneração 3.657.23 22.169.554.00 0.625.00 0.28 3.49 1.657.356.625.27 Média 6.01% 3.28 0.00 11.2 Não Operacionais 3 Pagamentos 3.967.00 0.23 Set-06 6.34 7.83% 3.94% 3.2 Não Operacionais 4 Geração Operacional 5 Geração Não Operacional 6 Saldo Final de Caixa Lucro Líquido 3.77 1.11 3.683.625.619.28 0.967.00 0.00 0.657.1 Operacionais 2.Lucro Jul-06 1 Saldo Inicial de Caixa 2 Recebimentos 2.77 2.299.17 3.00 1.00 0.00 11.00 -16.683.72 Dez-06 30.586.1 Fixos 3.299.356.968.72 Receita Despesa Lucro 9.00 3.77 3.15 3.00 11.27 4.200.657.77 3.457.34 0.28 2.2 Variáveis 3.619.124 Tabela 19: Fluxo de Caixa 2006/2 Ponto Lucro Fluxo de Caixa .657.00 0.28 2.00 0.626.00 4.70% 14.77 3.28 3.00 0.00 11.00 3.457.88 -221.00 1.651.28 3.28 5.00 6.657.383.50 0.23 Evolução 29.1 Operacionais 3.77 6.036.72 0.838.625.28 3.1.815.00 0.23 Out-06 14.509.00% 3.657.89 .651.06 7.

3 Evolução Patrimonial A ferramenta aplicada também apontou a necessidade de se aumentar a estrutura patrimonial da Ponto Lucro para melhorar sua produção e posicionamento estratégico e competitivo. mas principalmente ao ser aplicada demonstrou a necessidade de se obter uma melhor compreensão estratégica da empresa e seu posicionamento competitivo. passaram por diversos treinamentos para compreender cada índice utilizado na ferramenta.4 Consciência Estratégica A ferramenta aplicada identificou diversas necessidades na empresa. esses treinamentos serviram para alinhar a consciência estratégica dos sócios tornando toda a empresa mais consciente de seu posicionamento estratégico e competitivo no mercado. Os sócios. Foram adquiridas durante o primeiro semestre: 2 mesas simples 2 computadores 1 cadeira ergonômica 1 monitor 17 polegadas profissional 23 livros 6.125 6. após a aplicação da ferramenta. .

Considerações Finais O estudo realizado no Estágio e o diagnóstico serviram para apontar diversas necessidades fundamentais da Ponto Lucro. esse trabalho se restringiu a apontar necessidades da empresa e promover soluções paliativas. contudo espera-se desenvolver e implementar os melhores sistemas funcionais para o crescimento sustentado da Ponto Lucro. adicionando extenso conhecimento aos já adquiridos durante o curso. tornando a equipe harmônica estrategicamente.126 7. . contudo o tempo é curto para tamanho esforço. daí a necessidade de se criar uma ferramenta que mapeasse estrategicamente as áreas da empresa. esse trabalho serviu para iluminar e reforçar o estudo sobre todas as áreas funcionais da Administração. Foi um prazer realizar tal estudo da forma mais detalhada e extensa possível. A ferramenta foi criada e aplicada durante o trabalho. Além da imensa contribuição para a Ponto Lucro como empresa. mas mesmo assim a empresa já demonstra sinais de maior maturidade e visão estratégica devido ao trabalho realizado e o comprometimento de todos os membros da empresa com esse estudo. ela ajudou a empresa a se posicionar estrategicamente e ajudou os sócios a compreenderem esse posicionamento. Com a limitação do tempo. a maior falha apontada foi a falta de consciência estratégica dos sócios da empresa.

Thomson Pioneira. 2004 BRUNER. 1. 2000. Manual de direito comercial. Rio de Janeiro: Campus. CRANDALL. Matemática financeira e suas aplicações. 6 ed. 1999. _________. 2004. da UCG. Vicente Falconi. 2002. Fábio Ulhoa. CARVALHO. São Paulo: MAKRON Books. 2001. BLOCK. Idalberto. Consultoria: o desafio da liberdade. McGraw-Hill. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. BRITO. 1991. Dinheiro: do tostão ao milhão. Marketing de serviços para pessoas que odeiam vender. 2004. Rick. CAMPOS. Ed. São Paulo: Saraiva. COELHO. Antonio Vieira de. Vol. 2003. Gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia. Marketing on-line. Goiânia: Ed. Breno Xavier de. Administração financeira e orçamentária. . 2002. da UCG. Peter. Introdução à teoria geral da administração. Alexandre. São Paulo: MAKRON. Rick E. Belo Horizonte: Editora de Desenvolvimento Gerencial. 2000. Goiânia: Ed. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Futura. Breno. BRITO. São Paulo: Atlas. – Rio de Janeiro: Elsevier.127 Referências ASSAF NETO. CHIAVENATO.

2002. Masakazu. 2001. Administração de marketing. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed. GIANESI. MARTINS. Rio de Janeiro: Campus. Petrônio Garcia. Trad. 1994. 2003. Administração de materiais e recursos patrimoniais. 2001. – São Paulo : Saraiva. Bázan Tecnologia e Lingüística.128 CURY. 2003. Atlas. Antonio. HOJI. rev. ed. Nick. 2. – São Paulo: Atlas. 2000.lucro: como ganhar dinheiro na nova fase da Internet. IUDÍCIBUS. CORRÊA. São Paulo: Atlas. Henrique L. inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas. E ampl. Curso de contabilidade para não contadores. Administração estratégica de serviços..com para . KOTLER. São Paulo: Publifolha. – 7.). José Carlos Assis. Carlos Alberto (Org. David A. Philip. ed. De . Gerenciando a qualidade: a visão estratégica e competitiva. Rio de Janeiro: Elsevier. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor. Irineu G. GARVIN.. Organização e métodos: uma visão holística. Sérgio de. 2000. EARLE.Uma Abordagem Prática. São Paulo: Atlas. DRUCKER. Peter. 2004. Administração Financeira . Além da revolução da informação In: JULIO. DORNELAS. N. 2000. . E-business e tecnologia: autores e conceitos imprescindíveis. 5 ed. São Paulo: Prentice Hall.

organização & métodos – Uma abordagem gerencial. São Paulo: Atlas. 2002. SIEGEL. 2001. 2002. – 2 ed. Metodologia do trabalho científico. – Goiânia: Editora da UCG. PALADINI. dissertações e estudos de caso. 2005. São Paulo: Editora Manole. 2003. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Sylvia Maria Azevedo. _________. metodologias e práticas. A arte e a técnica da produção científica. 2000. OLIVEIRA. David.. Cultura.com: como adatpar as empresas ao mundo . Planejamento estratégico. Rio de Janeiro: Campus. rev. Estratégia e Internet In: SERRA.129 MATOS. trabalhos de conclusão. 3 ed. Peg C. NEUHAUSER. Antônio Joaquim. 2000. Ray. – 22 ed. Rio de Janeiro: Campus. São Paulo: Futura. Alfonso Celso da Cunha (tradutor). ROESCH. _________. BENDER. Planejamento estratégico: conceitos. Manuel. 1997. MEIRELES. . SEVERINO. Teorias da administração: clássicas e modernas. de acordo com a ABNT – São Paulo: Cortez. Djalma de Pinho Rebouças de. Michael E. São Paulo: Futura. 1986. e ampl. São Paulo: Atlas. Kirk L. STROMBERG. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios. São Paulo: Atlas. Gestão da qualidade: teoria e prática. PORTER. Futurize sua empresa. Sistemas. 2004. São Paulo: Atlas. Edson Pacheco. Keila. 1997.com.

Nas ondas do futuro. F. 5 ed. São Paulo: Publifolha. Tecnologia da informação automatizada. São Paulo: Berkeley Brasil. Don. VIANNA. TAPSCOT. O que esperar do mundo digital. 5 ed. Edward. STERNE. TURBAN. . Administração da tecnologia da informação. Diferenciar ou morrer. FREEMAN. James A. Administração da produção. Motivação.. Rio de Janeiro: Campus. Nigel. São Paulo: Atlas. VERGARA. Administração. Rio de Janeiro: Campus. Marketing na Internet: integrando a WEB à sua estratégia de marketing. 2001. TROUT. 1999. SIMCSIK. Carlos Alberto (Org. Marco Aurélio Ferreira. São Paulo: Futura. Sylvia Constant. 1999. STONER. E-business e tecnologia: autores e conceitos imprescindíveis. Normas para elaboração e apresentação de trabalhos acadêmicos na UCG: modalidades. 2002. 2002. 2000. liderança e lucro: o novo papel do líder. Jack. formatação e referências. São Paulo: Atlas. 2004. _________. São Paulo: Editora Gente. Jim. Tibor. 2001. 1999. R. São Paulo: Editora Gente. Marcos Antonio da.). Pesquisa e relatórios de pesquisa em administração. 2000. Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil.130 SILVA. 2003. SLACK. – Goiânia: Editora da UCG. In: JULIO. Efraim.

WELLINS. 1993. Equipes zapp! Na prática. Rio de Janeiro: Campus. São Paulo: Atlas. . Richard S.131 WALTON. Tecnologia de informação: o uso de TI pelas empresas que obtêm vantagem competitiva. 1995. Richard E.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->