Você está na página 1de 2

Vantagens e limitações da Concentração /Dispersão da rede urbana

Economias de aglomeração
À concentração urbana no Litoral corresponde uma concentração de actividades
económicas dos sectores secundário e terciário. Estas instalam-se, preferencialmente,
nas áreas urbanas mais desenvolvidas, onde a mão-de-obra é abundante e mais
qualificada, e onde existem mais e melhores infra-estruturas e melhor
acessibilidade aos mercados nacional e internacional fig. 1 e 2.

As áreas urbanas atraem as actividades e estas, por sua vez, contribuem para a expansão
dessas áreas, pois criam emprego e diversificam as funções e os bens e serviços que
essas aglomerações urbanas podem oferecer.

Aplica-se aqui o princípio das economias de escala - racionalizar os investimentos de


forma a obter o menor custo unitário -, pois só é rendível fazer determinados
investimentos em equipamentos e infra-estruturas se estes se destinarem a uma grande
quantidade de utilizadores.

As vantagens oferecidas pelas grandes concentrações urbanas devem-se ao facto de


estas funcionarem como economias de aglomeração - a população e as várias empresas
utilizam as mesmas infra-estruturas de transporte, de comunicação, de distribuição de
água, energia, etc., para além de beneficiarem das relações de complementaridade que
entre elas se estabelecem.

Em áreas de povoamento disperso não existem estas vantagens, facto que explica a falta
de alguns serviços e de infra-estruturas que condicionam a qualidade de vida da
população.
Deseconomias de aglomeração
As vantagens da aglomeração só se verificam até certos limites, a partir dos quais a
concentração passa a ser
desvantajosa. O crescimento da
população e do número de empresas
conduz, a partir de certa altura, à
saturação do espaço e a uma
incapacidade de resposta das infra-
estruturas, dos equipamentos e dos
serviços fig. 3.

Os problemas resultantes da
excessiva aglomeração de população
e actividades reflectem-se no
aumento dos custos das actividades
económicas e afectam a qualidade de
vida da população. Por exemplo, as
demoras provocadas pelos congestionamentos de trânsito aumentam os consumos de
energia e respectivos custos económicos e ambientais, prejudicam a produtividade das
empresas e causam problemas de saúde às pessoas que, diariamente, suportam essas
demoras.

Surge, então, a necessidade de se melhorarem as infra-estruturas, os equipamentos e os


serviços sociais, para responder às necessidades da população e das empresas, o que
implica grandes investimentos que, por vezes, não se justificam face aos benefícios que
daí advêm.

Quando as desvantagens da concentração se tornam superiores às vantagens, gera-se


uma deseconomia de aglomeração - os custos da concentração são superiores aos
benefícios.

Os efeitos da deseconomia de aglomeração sentidos em muitos centros urbanos do


Litoral poderão ser minimizados com o desenvolvimento de outras aglomerações
urbanas não congestionadas, nomeadamente as cidades de média dimensão,
contribuindo assim para um maior equilíbrio da rede urbana nacional.

Rodrigues Arinda et tal, Geografia A 11ºAno, Texto Editores (adaptado)


Rodrigues Arinda, Preparar o Exame Nacional – Geografia A, Texto Editores (adaptado)