Você está na página 1de 8

27/08/2008

CURSO DE QUALIFICAÇÃO EM CURSO DE QUALIFICAÇÃO EM TOMOGRAFIA


TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
Planejamento do exame
de Tomografia

 Entrevista
 Preparo do paciente
 Exame propriamente dito

 Processamento e
documentação de imagens
Fabíola Cristina  Análise do exame
Tecnológa e Técnica em Radiologia
Aplication em TC – Siemens Medical Brasil
Consultoria e Terceirização em Imaginologia – RTBH

PROTOCOLOS DE EXAMES DE
ENTREVISTA
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
 Obter informações que levam à
indicação desse procedimento. Registro do Paciente

 Exames anteriores relacionados com a


região de interesse devem ser
coletados.
 Paciente deve ser informado das
finalidades do exame e de como
comportar durante o exame.
 Exames contrastados, caberá ao
paciente receber todas as informações
quanto á ação desses produtos, riscos
e efeitos adversos e as orientações
cabíveis em cada caso
Digitar os dados do paciente na tela (nome,sexo , data de nascimento, registro
completo)

TOMOGRAFIA DO CRÂNIO POSICIONAMENTO TC CRÂNIO


 Mesa com suporte axial
para crânio.
1º Selecionar o protocolo
 Paciente em DD.
desejado;
 Deixar o paciente em
posição bem confortável.
 Imobilizar a cabeça.
2º Selecionar a posição do  Mãos sobre a cabeça.
paciente;  Mãos sobre o abdômen
ou lateral ao corpo.

3ºº Confirmar os dados.


OM = Linha Orbitomeatal

1
27/08/2008

ANESTESIA E SEDAÇÃO INDICAÇÕES:


Para realizar exames de boa qualidade são necessários
o posicionamento correto e a imobilidade do paciente.  AVC - Acidente Vascular Cerebral
 AVCI - Acidente Vascular Cerebral Isquêmico
Há casos em que o paciente está impossibilitado de
 AVCH - Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico
cooperar e manter-se imóvel durante o exame:
 Pacientes pediátricos  Tumores

 Pacientes agitados  Malformações


 Pacientes com confusão mental
 Pacientes com dor intensa
 Pacientes com movimentos involuntários

Nesses casos é essencial a atuação do anestesiologista.

TOMOGRAFIA DO CRÂNIO DOCUMENTAÇÃO EM FILME


•Scout: Lateral
A B C
•Início dos Cortes: Abaixo do forame
magno

•Término dos Cortes: Acima da


Convexidade cerebral

•Fossa Posterior: 2 a 5mm


•Região Supratentorial: 7 a 10mm
•FOV: 22 cm DOCUMETAÇÃO NÍVEL (W L) JANELA (WW)
•KV: 130
•MA:170 Fossa Posterior 36 150 – 200
•Tempo de Exposição: 2 segundos Região Supra Tentorial 36 80 _ 120
•Número de Cortes: 20 Janela Óssea 200 2000
•Formatação do filme: 20imagens/película (brilho) (contraste)

DOCUMENTAÇÃO TC CRÂNIO
FILTROS PARTES MOLES

 Têm sua utilização para


estudar partes moles,
anatômicas (tecido
parenquimatoso ou
parênquima) e recebe
denominação de filtros
para partes moles, que
poderá variar conforme o
fabricante do aparelho.

Rotina fotografar 1 filme.

2
27/08/2008

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES PARA OS


FILTRO DURO OU ÓSSEO EXAMES DE CRÂNIO

 É o filtro com maior Todo paciente que na fase sem contraste


nitidez e definição da mostrar sangue não se deve injetar contraste.
imagem realçando as
 Todo paciente abaixo de 60 anos usará
bordas, margens ou contraste respeitando o protocolo de contraste,
estrutura anatômica. exceto se a indicação for TCE.

Pacientes maiores 60 anos não usam contraste


 Utilizado para estruturas se a indicação for TCE, AVC isquêmico ou
com grande densidade hemorrágico, perda de memória, Alzheimer,
osso. Parkison, cefaléia, depressão.
 Ex.: Crânio – Suspeita de
 O técnico ou tecnológo deve estar atento ás
fraturas.
imagens. Comunicar imediatamente na presença
TCE – Rotina utilizar o filtro. de sangue ou grandes lesões com desvio da linha
mediana

INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES AO
CONTRASTE VENOSO
CONTRASTE VENOSO
Contra -Indicação Indicações  Via endovenosa
 Jejum- critério médico de 4 a 6 horas
 História de alérgia ao iodo;
 Acompanhamento de
 Asma grave;
tumores; Cálculo da quantidade de uso do Contraste Iodado
 Cardiopatia grave;
 Insuficiência renal  Adulto: 1.5 a 2ml por kilo
 História clínica de
 Nas fases iniciais de metástase, convulsão,  Crianças: RN 3ml
situações de hemorragia e neoplasias, processo  Acima de 2 anos: 1 ml por kl, sendo a dose máxima
infarto; inflamatório infeccioso, mal de 40ml.
 Em crianças sem preparo formação vascular.
adequado;  Nas lesões de hipófise em
 Nos exames de hipófise em que os níveis de prolactina
que o nível de prolactina ultrapassem 2.000 unidades
estiver abaixo de 2.000
unidades.

TOMOGRAFIA DO CRÂNIO ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO


Sem Contraste Contraste venoso a. Órbita
b. Arco zigomático
c. Seio esfeinodal
d. Canal acústico externo
e ouvido médio
e. Processo mastóide
f. Cerebelo
g. Protuberância occipital

3
27/08/2008

ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO

a. Globo ocular a. Seios frontais


b. Nervo óptico b. Goteira olfativa
c. Lobo temporal c. Fossa hipofisária
d. Osso petroso d. Dorso selar
temporal e. Tronco cerebral
e. Cerebelo f. Quarto ventrículo
f. Seio esfeinodal g. Lobo temporal
g. Musculatura ocular h. Processo clinóide
anterior

ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO


a. Seios frontais
b. Teto da órbita
a. Lobo frontal
c. Fissura inter-
b. Corno frontal do
hemisférica (anterior)
ventrículo lateral
d. Fissura silviana
c. Fissura silviana
e. Terceiro ventrículo
d. Terceiro ventrículo
f. Mesencéfalo
e. Glândula pineal
g. Cisternas
f. Plexo coróide
perimesencefálicas
(calcificado)
h. Folia cerebelar
g. Lobo occipital

ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO


a. Lobo frontal
b. Corno frontal do
ventrículo lateral a. Lobo frontal
c. Lobo parietal b. Corpo do ventrículo
d. Plexo coróide lateral
e. Lobo occipital c. Lobo parietal
f. Cápsula interna d. Lobo occipital
g. Núcleo caudado e. Giros
f. Sulcos

4
27/08/2008

ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO

a. Fissura inter-hemisférica
a. Foice cerebral b. Foice anterior do cérebro
b. Sulcos c. Foice posterior do cérebro
c. giros d. Substância cinzenta
e. Substância branca

ANATOMIA SECCIONAL DO CRÂNIO POSICIONAMENTO TC SAF

a. Sulcos
b. Foice cerebral
c. circunvoluções

Cortes Axiais DD Cortes Coronais DV

TOMOGRAFIA DO SEIOS DA FACE


INDICAÇÕES
INDICAÇÕES
•Scout: Lateral

 Sinusopatias •Início dos Cortes: Abaixo do palato duro


 Malformações
•Término dos Cortes: Ultrapassar os
 Pólipos limites do seio frontal
 Pesquisa de Tumores
Topograma axial &posição supino •Espessura dos Cortes axiais e
coronais: 2 a 5mm
•Òstio meatal: 0.5 a 1mm (opcional para
alguns radiologistas)
•FOV: 16 cm
•KV: 130
•MA:90
•Tempo de Exposição: 2 segundos
•Número de Cortes: 20
Topograma coronal & posição prono •Formatação do filme:20imagens/película

5
27/08/2008

DOCUMENTAÇÃO TC SAF DOCUMENTAÇÃO TC SAF

Opcional para alguns Radiologistas: Filtro partes moles


Rotina fotografar em 2 filmes com filtro ósseo em: Coronal e Axial.

DOCUMENTAÇÃO EM FILME ANATOMIA SECCIONAL DA FACE

a.Cavidade nasal
b.Seios etimoidais
c.Seio maxilar esquerdo

DOCUMETAÇÃO NÍVEL (W L) JANELA (WW)

Axial (partes Moles) opcional 30 200 – 400


Axial (janela óssea) 200 2000
Coronal (janela Óssea) 100 - 200 2000

TOMOGRAFIA DOS OSSOS TEMPORAIS


ANATOMIA SECCIONAL DA FACE
•Posicionamento: Idem ao SAF

•Scout: Lateral

•Início dos Cortes: Plano Superior à


porção petrosa do Temporal

•Término dos Cortes: Ponta da mastóide


Topograma & posição supino
•Espessura dos Cortes axiais e
coronais: 1mm
•FOV: 16 cm
•KV: 130
•MA:135
20. Septo entre os seios esfenoidal 51. septo do nariz
21 seio esfeinoidal 54 .parte nasal da faringe •Tempo de Exposição: 2 segundos
27/28 lâmina processo pterigóide do osso esfenóide 38. art.canal da mandíbula •Número de Cortes: 20
50. Cavidade do nariz Topograma & posição prono •Formatação do filme:20imagens/película

6
27/08/2008

INDICAÇÕES DOCUMENTAÇÃO EM FILME


 Otite
 Labirintite
 Neurinoma

 Otoesclerose

 Coleastoma

 Tumores
 Malformações

 Trauma
DOCUMETAÇÃO NÍVEL (W L) JANELA (WW)
 Corpo estranho

 Zumbidos Axial 400 3000-5000


Coronal 400 3000-5000
 metástases

DOCUMENTAÇÃO TC OUVIDO DOCUMENTAÇÃO TC OUVIDO

Rotina Fotografar axial lado direito e lado esquerdo : 2 filmes em filtros ósseo.
Rotina Fotografar coronal lado direito e lado esquerdo : 2 filmes em filtros ósseo.

DOCUMENTAÇÃO TC OUVIDO ANATOMIA SECCIONAL DOS OSSOS


TEMPORAIS

a. Volta apical da cóclea


b. Volta basal da cóclea
c. Forâmen jugular
d. Células aéreas mastóides
e. Ouvido médio e ossículos

Filme Bilateral axial

7
27/08/2008

ANATOMIA SECCIONAL DOS OSSOS ANATOMIA SECCIONAL DOS OSSOS


TEMPORAIS TEMPORAIS

a. Células aéreas de
mastóide
b. Ático do ouvido
médio
a.Meato acústico interno (colesteatoma)
b. Canal semicular lateral c. Ossículos
d. Labirinto do ouvido
interno

QUESTIONÁRIO
1. Quais as 5 etapas que envolve o exame de TC?
2. Quais são os casos em que o paciente não consegue manter-se
imóvel durante a realização do exame tomográfico é recomendável
a sedação?
3. Cite as indicações médicas para realização de TC de Crânio, SAF
e ouvido.
4. Qual a finalidade do filtro de parte mole?
5. Cite 2 exemplos em que utilizamos o filtro duro para os exames de
Crânio.
6. Quais são os casos em que o contraste venoso é contra –indicado
para realização do exame tomográfico?
7. Quais as patologias onde é indispensável a realização do contraste
caso o paciente não seja alérgico?