Você está na página 1de 5

O Fator Capital

Compreende o conjunto das riquezas acumuladas pela sociedade; e é


com o emprego delas que a população ativa se equipa para o exercício das
atividades de produção. Esse conjunto de riquezas que dá suporte as
operações produtivas existe em todas as sociedades economicamente
organizadas que dispõem desse fator produção. Nas culturas pré-historicas
foram desenvolvidas diversos instrumentos para melhorar as possibilidades de
exploração econômica do meio ambiente. No período neolítico o homem
começou a produzir alimentos, superando a fase da coleta, o homem aprendeu
a trabalhar os metais, substituiu o trenó por carros de rodas, construiu e utilizou
o arado, promoveu irrigações artificiais, construindo barragens e canais.

O desenvolvimento desses instrumentos e meios de produção,


associado às primeiras manifestações de construções infra-estruturas,
identifica-se claramente com o processo de formação de capital. Desde as
mais remotas culturas o homem foi acumulando riquezas destinadas à
obtenção de novas riquezas. O processo de instrumentação do trabalho
humano assumiria crescente complexidade, tornando cada vez mais eficiente o
esforço social de produção, passando a ser canalizada sistematicamente para
o aperfeiçoamento e produção de novos e mais complexos recursos.

Com a revolução industrial do século XVIII, intensificou-se o processo de


criação, emprego e acumulo de recursos de capital. Aperfeiçoaram-se
maquinas-ferramentas. A produção mecanizou-se. Esses avanços que se
introduziram na concepção e nos mecanismos de operação dos meios de
produção não alteraram o conceito básico de produção.
As principais categorias do estoque de capital

O Fator capital constituiu-se sempre das diferentes categorias de riqueza


acumulada, empregadas na geração de novas riquezas. As riquezas
acumuladas pela sociedade incluem, equipamentos, instrumentos e
ferramentas, resultam no processo de acumulação da sociedade, à produção
de novas riquezas, materiais e imateriais. O quadro abaixo sintetiza os
diferentes subconjuntos de bens de capital que as sociedades modernas

Grandes Itens

Infra- estrutura Construções e Equipamento Maquinas,

Edificações De Equipamentos, Agro - capitais


segundo a
destinação Transporte Instrumentos e
Econômica Social
ferramentas

- energia - educação - administração -Ferroviário -De extração -Culturas


permanentes
- e cultura Publicas -Rodoviário -De
telemunicações Transformação -plantéis
-saúde e -Militares -Hidroviário
-transportes saneamento -De Construção -Instalações
-Fabris -Aeroviário
-esportes -De Serviços -Edificações
-comerciais
-lazer -Equipamentos
-residenciais
-segurança -Implementos

-Ferramentas

empregam no processo de produção.


Infra – estrutura econômica

É constituída por três grupos de capitais fixos,envolvendo os sistemas


instalados de geração, transmissão e distribuição de energia,
telecomunicações e transportes. Os equipamentos basicos desse grupo
somam-se a infra-estrutura social, saneamento básico, potalização das águas e
outros suprimentos de interesse social educação e cultura, saúde, esportes,
lazer e segurança.

Alem dos equipamentos infra-estruturais, os estoques de capital fixo


imobilizado também incluem as construções e edificações segundo suas
destinações: repartições publicas, fabricas, uso comercial, residencial e militar.

As Fontes e o processo de acumulação de capital

Formação de capital e investimentos são expressões sinônimas significam


a adição, ao aparelho de produção da economia, de novos estoques de
riquezas efetivamente destinadas a produzir novas riquezas. A formação de
capital se dá pela destinação de uma parcela do esforço de produção à
acumulação de novos bens de produção.

Somente quando os investimentos superam a depreciação, os estoques


de capital aumentam em termos líquidos. Quando elas são subtraídas é
definida a formação liquida de capital fixo. É a diferença entre os conceitos de
investimento liquido e investimento bruto. O processo de formação de capital
implica determinado tipo de renuncia social, que se denomina diferimento do
consumo. As sociedades do acumulam estoques de capital se destinarem para
esse fim uma parcela do esforço social de produção. A poupança é a fonte
financiadora do processo de acumulação.
O Fator capital conceitos relevantes

Capital

Estoque de riquezas acumuladas,destinadas à produção de novas riquezas e


ao aprimoramento dos demais fatores de produção.

Formação bruta de capital fixo

Processo pelo qual se acumulam os estoques de capital.Os fluxos econômicos


que conduzem a formação bruta de capital fixo denominam-se investimentos
brutos.Investimentos brutos e formação bruta de capital fixo
são,praticamente,expressões sinônimas.

Depreciação do capital fixo

Processo pelo qual os estoques de capital fixo desgastam-se pelo uso,pela


ação do tempo ou pela obsolescência técnica.As construções e as
edificações,geralmente,depreciam-se a ritmos mais lentos que as máquinas e
equipamentos.

Formação liquida de capital fixo

Expressão resultante da formação bruta de capital fixo menos a


depreciações.É expressão sinônima de investimentos liquidos:investimentos
brutos menos depreciações.Quando as depreciações superam investimentos
brutos,o estoque remanescente de capital se reduz.Quando elas são
inferiores,ele aumenta,significando nete caso que a economia passa a contar
com disponibilidades ampliadas desse fator de produção.
As fontes internas e externas

As internas são,para a maior parte das economias nacionais,as de maior


importância relativa.As fontes externas geralmente têm caráter
complementar.elas complementam os esforços internos da
sociedade,destinados a seu processo de acumulação de capital.

Disponibilidades de Equipamentos infra-estruturais em economias de


baixa,média e alta renda.

O processo de acumulação de capital foi ou ainda é mais intenso nas


economias de mais altas taxas de crescimento e demais altos padrões de
desenvolvimento.Nas mais pobres,Não há crescimento da capacidade de
produção porque não há formação de capital;e não se formam capitais por
novos investimentos porque não há crescimento e a economia é
caracteristicamente pobre.Nas economias de mais altas taxas de acumulação,o
resultado de longo prazo é a expansão da capacidade de produção por
habitante,elevando-se os níveis de bem estar social como um todo.

A acumulação do fator capital no Brasil

No Brasil,o processo de acumulação bruta de capital fixo tem-se realizado


a taxas que se situam em torno de 20% ao ano,em relação ao produto interno
bruto.

As taxas anuais situam-se no intervalo 16,9%(a mais baixa) a 24,9%(a mais


alta).Trata-se de intervalo que não difere acentualmente da media mundial.Mas
está bem abaixo do esforço de capitalização ostentado pelas nações asiáticas
que se notabilizaram pelos padrões difrenciados de seu crescimento
econômico.

As empresas e a família são os principais agentes do processo de


acumulação.