P. 1
Construção Civil II-janelas

Construção Civil II-janelas

|Views: 1.115|Likes:
Publicado porronaldo_ozuna

More info:

Published by: ronaldo_ozuna on Mar 12, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/25/2012

pdf

text

original

Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Esquadrias – Janelas q

Professor Eng. Msc. Julio Ricardo de F. Fiess

Janelas
As janelas sempre devem comunicar o meio interno com o externo exceto nas externo, varandas. O modelo da esquadria deve ser adequado ao clima da região e os materiais que as compõe deverão ser de pouca absorção de calor. As janelas, mesmo tendo aberturas para passagem do ar, devem ser completamente estanques à passagem da água. Portando, deverão ser previstos dispositivos que garantam a estanqueidade à água entre os perfis e partes fixas ou móveis, drenos nos perfis que compõe a travessa inferior, de forma a permitir que a água escoe e j ç p seja lançada para o exterior. Nas janelas, caso haja necessidade, poderão ser projetas de forma a promover isolamento sonoro do ruído externo, utilizando vidros duplos. Uma vez instalada, as janelas estarão sujeitas às condições ambientais, portanto os materiais que as constituem deverão ser cuidadosamente escolhidos visando a manutenção. Os componentes mecânicos as folhas móveis bem como os dispositivos devem ser operados com o mínimo de esforço. As janelas de madeira podem ser compostas apenas de caixilhos (ambientes sociais), ou ainda janelas com venezianas e caixilhos (ambientes íntimos), os batentes com diversas seções e as guarnições.

Construção Civil II ‐ Janelas

2

Batentes de madeira
• Batentes: • Geralmente de peroba com dois montantes e duas travessas (Figura); uma superior e outra i f i são fi (Fi ) i t inferior, ã fixos à alvenarias às l i da mesma forma dos batentes das portas.

Construção Civil II ‐ Janelas

3

Caixilhos:
• P d Podem ser d abrir, d correr, b de b i de basculantes ou guilhotina. l ilh i • Os caixilhos de abrir, geralmente em nº de dois, utilizam duas dobradiças por folha (3"x3") cremona e vara. (3 x3 ), vara • Os de correr podem ser em nº de quatro, que nesses casos são dois de correr e dois fixos. Utilizam trilhos metálicos, dois roletes por folha móvel e trincos ou fechaduras. • Os caixilhos guilhotina são nº de dois, inferior e superior. Na posição normal o inferior é o caixilho interno e o superior normal, externo. fixá las • Utilizam dois levantadores e duas borboletas para fixá‐las na posição superior, quando desejamos abri‐la. • Os caixilhos basculantes já vêm montados de fábrica.
Construção Civil II ‐ Janelas 4

Venezianas:
• • • Permite a ventilação mesmo quando fechada. Cada folha de veneziana é composta de dois montantes e duas travessas: superior e inferior, e as palhetas que preenchem o quadro. d As venezianas podem ter duas folhas (mais comum), quatro folhas ou mais, serem de abrir ou correr. Devemos tomar cuidado quando colocamos as j q janelas em p paredes de um tijolo, p j , para que as venezianas possam abrir totalmente (Figura). Para isso devemos utilizar janelas de batentes duplos ou ainda batente simples, mas com venezianas de quatro folhas, ou venezianas de duas folhas mas com dobradiças especiais chamadas palmela. As venezianas de abrir são fixas por dobradiças (3"x3"). Quando fechadas, são (3 x3 ). trancadas por cremona, e quando abertas, fixas às paredes por carrancas.

Construção Civil II ‐ Janelas

5

Caixilhos:
• Caixilho de correr

Construção Civil II ‐ Janelas

6

Caixilhos:
• Caixilho de abrir

Construção Civil II ‐ Janelas

7

Janelas venezianas e caixilhos:
• Podem ser compostas de : venezianas de abrir com caixilhos guilhotina (Figura ):

Construção Civil II ‐ Janelas

8

Janelas venezianas e caixilhos:
• veneziano de correr com caixilhos de correr (Figura)

Construção Civil II ‐ Janelas

9

Janelas venezianas e caixilhos:
• veneziana de abrir com caixilho de abrir (Figura).

Construção Civil II ‐ Janelas

10

Janela tipo Ideal :
• C Compõem‐se normalmente de duas partes: vidraça e veneziana, õ l t d d t id i cada uma delas em dois painéis que são movimentados simultaneamente, sendo que enquanto o painel superior sobe, o inferior desce. • Este movimento existe tanto para a parte das vidraças como para a parte das venezianas. • As dimensões padronizadas são: • altura livre: 1,20m (pode‐se conseguir = 1,00m ‐ 1,10m ‐ 1,30m ‐ 1,40m). • largura livre: 1,00m ‐ 1,30m ‐ 1,60m ‐ 1,90m (cada corpo).

Construção Civil II ‐ Janelas

11

• ESQUADRIAS DE METAL (SERRALHERIA) Q ( ) • Podem ser de ferro, utilizando peças perfiladas U,T,I,L, quadrados ou redondos, • chatos, etc..., em chapa; em alumínio perfilado, em aço comum ou zincado. Para a junção das diversas peças, são utilizados, rebites ou soldas, e para sua fixação na alvenaria, utilizam‐se grapas, chumbadas com argamassa de cimento e areia no traço 1:3 (Figura). (Figura)

ESQUADRIAS DE METAL (SERRALHERIA):

Figura: Fixação dos caixilhos de ferro na alvenaria e dos vidros nos caixilhos
Construção Civil II ‐ Janelas 12

Janelas:
• • • • • • • • • • • • Podem ser: a) ‐ Fi as Sã aquelas que só permitem a entrada d l (Fi Fixas: São l ó it t d de luz (Figura anterior). Só se t i ) justifica o seu emprego quando a ventilação for obtida por outra janela. b) ‐ Basculantes: Permitem a entrada de luz e ventilação. A báscula é um painel de caixilho q g ç p que gira em torno de um eixo horizontal. O conjunto de báscula, do mesmo caixilho, pode ser acionado por uma única alavanca (Figura). Geralmente o caixilho basculante é composto de uma parte fixa e outra móvel. O comprimento das básculas não deve ser superior a 1 metro, sob p p p , pena dela se enfraquecer. Caso se deseje maior, devemos compor as básculas. Os caixilhos basculantes são compostos por: ‐ Ferro L de contorno externo; ‐F Ferro T d contorno d parte fi de t de t fixa; ‐ Ferro L das básculas; ‐ Mata juntas em ferro L com pingadeira; ‐ Vareta de alavanca; ‐ Orelha de alavanca.

Construção Civil II ‐ Janelas

13

Janelas:

Figura: Detalhe do caixilho tipo basculante
Construção Civil II ‐ Janelas 14

Janelas:
C) ‐ Maxim‐air (Máximo‐ar) e de empurrar: São as mais utilizadas nos dias de hoje. Permite‐nos uma maior área de ventilação j ç e seus quadros são de grande tamanho, 0,50x0,50m; 0,60x0,60m; 0,70x0,70m etc...Podem ser colocadas no caixilho fixo, grades de segurança, simples ou em arabesco, ficando no caixilho móvel, a colocação do vidro, sendo sua abertura para o exterior (figura).

Figura: Caixilho máximo ar
Construção Civil II ‐ Janelas 15

Janelas:
d) ‐ Janelas Venezianas: As janelas do tipo veneziana, g j p ganharam g grande mercado atualmente, p seu pelo baixo custo em relação a de madeira, fácil colocação e por serem fabricadas em diversas dimensões. São compostas de duas venezianas de correr e duas venezianas fixas para o lado externo e internamente, dois caixilhos de correr e dois fixos, onde se colocam os vidros (Figura). São fabricadas em chapas de ferro e perfis ou mesmo em alumínio.

Figura: Janela veneziana
Construção Civil II ‐ Janelas 16

Janelas:
e) ‐ de abrir: São compostas de folhas, cuja abertura se dá em torno de dobradiças, p j ç funcionando como uma porta. São construídos de um quadro em ferro L munido de grapas e de folhas de abrir também em ferro L. O fechamento se dará mediante a aplicação de cremona.

Fonte: F t http://images.google.com.br/images?gbv=2&hl=pt‐
BR&sa=1&q=janela+de+abrir+cremona&btnG=Pesquisar&aq=f&oq=&start=0

Figuras: Janela de abrir e cremona

Construção Civil II ‐ Janelas

17

Janelas:
f) ‐ de correr: São compostas de folhas , q deslizam lateralmente apoiadas sobre trilhos e q p que p que receberão os vidros. Podem também ser compostas com venezianas de chapa, e bandeiras (basculantes ou não) (Figura).

Figura: Caixilho de correr
Construção Civil II ‐ Janelas 18

Janelas:
Persianas de projeção: São fabricadas por indústrias especializadas em alumínio ou aço zincado. ( g ) p p ç (Figura)

Figura: Venezianas de projeção
Construção Civil II ‐ Janelas 19

REPRESENTAÇÃO DE PORTAS E JANELAS (GRÁFICAS):
Portas:

gura: Representação das portas em
Construção Civil II ‐ Janelas 20

REPRESENTAÇÃO DE PORTAS E JANELAS (GRÁFICAS):
Janelas:

Figura: Representação dos caixilhos basculante e máximo ar
Construção Civil II ‐ Janelas 21

REPRESENTAÇÃO DE PORTAS E JANELAS (GRÁFICAS):
Janelas:

Figura: Representação dos caixilhos de empurrar e guilhotina Fi R t ã d i ilh d ilh ti
Construção Civil II ‐ Janelas 22

REPRESENTAÇÃO DE PORTAS E JANELAS (GRÁFICAS):
Janelas:

Figura: Representação dos caixilhos de correr e de abrir Fi R t ã d i ilh d d bi
Construção Civil II ‐ Janelas 23

REPRESENTAÇÃO DE PORTAS E JANELAS (GRÁFICAS):
Janelas:

Figura: Representação dos caixilhos pivotante Fi R t ã d i ilh i t t
Construção Civil II ‐ Janelas 24

REPRESENTAÇÃO DE PORTAS E JANELAS (GRÁFICAS):
Janelas:

Figura: R Fi Representação dos caixilhos tipo Ideal t ã d i ilh ti Id l
Construção Civil II ‐ Janelas 25

DIMENSÕES (COMERCIAIS):
Portas: Tabela ‐ Dimensões das portas em madeira ou metal. 0,60 x 2,10 0,70 2 10 0 70 x 2,10 0,80 x 2,10 0,90 x 2,10 1,00 2 10 1 00 x 2,10 1,20 x 2,10

Construção Civil II ‐ Janelas

26

DIMENSÕES (COMERCIAIS):
a) Venezianas 1,20 x 1,00 1,40 x 1,00 b) Basculante 0,40 x 0,40 0,60 x 0,40 0,50 x 0,50 0,60 x 0,50 0,70 x 0,50 0,60 x 0,60 0,70 0 60 0 70 x 0,60 0,80 x 0,60 1,00 0 60 1 00 x 0,60 1,00 x 1,00 2,00 x 0,60 Construção Civil II ‐ Janelas 1,00 x 0,70 0,60 x 0,80 0,80 x 0,80 1,00 x 0,80 1,20 x 0,80 1,50 x 0,80 2,00 0 80 2 00 x 0,80 0,50 x 1,00 0,80 1 00 0 80 x 1,00 1,50 x 0,60 1,50 x 1,00 27 2,00 x 1,00 0,60 x 1,20 0,80 x 1,20 1,00 x 1,20 1,20 x 1,20 1,50 x 1,20 2,00 1 20 2 00 x 1,20 1,00 x 1,50 1,20 0 60 1 20 x 0,60 1,20 x 1,00

Janelas: Tabela ‐ Dimensões das janelas

1,60 x 1,00 1,80 x 1,00 2,00 x 1,00 1,20 x 1,20 1,40 1 20 1 40 x 1,20 1,60 x 1,20 1,80 1 20 1 80 x 1,20 2,00 x 1,20 2,20 x 1,20 2,40 x 1,20

Esquadrias de Alumínio
Segundo a ABAL (2) as esquadrias de alumínio possuem grande longevidade devido à resistência à corrosão, um atributo do alumínio que se complementa aos tratamentos de superfície, como anodização ou pintura. A durabilidade é fator determinante para sua recomendação em prédios e residências, uma vez que a manutenção das edificações é cada vez mais normatizada e os outros produtos concorrentes não tem como ponto forte a vida útil do material. Fonte: ABAL (2)

Construção Civil II ‐ Janelas

28

Esquadrias de Alumínio
Ainda segundo a Associação as vantagens são: .: Menor consumo de energia (melhorias de isolamento térmico e acústico), pois podem acomodar vidros com até 40mm de espessura; .: Atributos que valorizam os imóveis (possuem imbatível durabilidade, baixo custo de manutenção, desempenho, funcionalidade e estética) .: Ventilação e controle de exaustão .: Variedade de acabamentos e padrões .: Tendências internacionais de aplicação

Fonte: ABAL (2)

Construção Civil II ‐ Janelas

29

Esquadrias de Alumínio
As esquadrias de alumínio apresentam acabamentos variados, desde a anodização natural e o uso das cores, como a pintura em resinas e cores diversificadas, imitando inclusive outros materiais, como mármore e madeira A anodização começa por uma série de etapas que antecedem o processo propriamente dito, cuja função é preparar a superfície do alumínio, criando condições para o efeito decorativo desejado, como: Mecânico: Escovamento, Jateamento, Polimento Mecânico etc; Químico: Polimento Químico e/ou Eletropolimento para acabamento brilhante, fosco acetinado etc. ti d t

Construção Civil II ‐ Janelas

30

Esquadrias de Alumínio ‐ Camada Anódica
A camada anódica, composta de óxido de alumínio, é produzida na superfície do metal de forma controlada e uniforme, em banhos eletrolíticos, sob agitação e temperaturas controladas. A camada anódica é obtida pela eletrólise de uma solução de ácido sulfúrico, por meio da aplicação de um diferencial de corrente contínua em temperatura e agitação controladas.
A estrutura da camada anódica é constituída por células hexagonais, cada uma delas com um poro central. No g , p fundo dos poros forma‐se uma camada barreira, que separa o óxido em formação do alumínio. O tamanho das células é determinado pela voltagem de operação do banho, (17‐19 lt ) b h (17 19 volts), enquanto que a espessura d t da camada é determinada pela relação corrente x tempo. As características da camada anódica dependem do tamanho e do volume dos poros e estão diretamente p ligadas à remoção do calor gerado no processo.

Fonte: ABAL (2)

Construção Civil II ‐ Janelas

31

Esquadrias de Alumínio ‐ Pintura
Pré‐tratamento:
O alumínio deve ser preparado convenientemente para conferir as propriedades físico‐ químicas fundamentais de resistência à corrosão e resistência ao intemperismo. Normalmente se utiliza uma seqüência de operações de pré‐tratamento composta por: 1) 2) 3) 4) 5) 6) ) 7) 8) Desengraxe Lavagem Desoxidação Lavagem Cromatização Lavagem Lavagem com água Desmineralizada Secagem

Fonte: ABAL (2) ( )
Construção Civil II ‐ Janelas 32

Esquadrias de Alumínio ‐ Pintura
Pintura eletrostática A pintura eletrostática é o processo mais conhecido e largamente utilizado na decoração e proteção do alumínio. A aplicação de tinta eletrostática, líquida ou em pó, é feita automaticamente através d pistolas especiais em cabines ó f it t ti t t é de i t l i i bi especialmente projetadas para esse fim. Aplicação Os princípios da aplicação eletrostática são simples. Cria‐se uma diferença de potencial de aproximadamente 100.000 Volts entre as partículas pulverizadas da tinta e o objeto a ser pintado, o que resulta na atração das partículas pelo objeto. Obtém‐se assim uma economia de tinta com uma cobertura uniforme e sem falhas. A condutibilidade da tinta é dada pelo balanceamento adequado das polaridades dos seus componentes.
Fonte: ABAL (2)
Construção Civil II ‐ Janelas 33

Vantagens

Fonte: ABAL (2)

Construção Civil II ‐ Janelas

34

Vantagens

Fonte: ABAL (2)

Construção Civil II ‐ Janelas

35

Vantagens

Fonte: ABAL (2) ( )
Construção Civil II ‐ Janelas 36

Vantagens

Fonte: ABAL (2) ( )
Construção Civil II ‐ Janelas 37

A BOA INSTALAÇÃO TAMBÉM ASSEGURA O MELHOR DESEMPENHO
O início dos trabalhos de instalação das esquadrias deverá ser precedido por uma inspeção conjunta com o f b i i ã j fabricante contratado, visando verificar: d i d ifi 1. Condições de dimensões, prumo, nível e taliscas dos vãos. 2. Não ocorrência de trabalhos adjacentes que possam prejudicar a qualidade das esquadrias, principalmente jato de areia, lavagens com produtos ácidos ou básicos, fatores que prejudicarão o acabamento e o desempenho estrutural. 3. Na ocorrência de deflexões nas vigas e lajes, devidas a cargas acidentais durante a construção, principalmente por material estocado e equipamentos de obra. 4. Presença de vigas ou lajes ainda descimbradas e que poderão gerar deflexões posteriores. 5. A b 5 Acabamentos perimetrais, soleiras, peitoris, rejuntamentos etc, quanto à sua forma, t i t i l i it i j t t t t f interface com o alumínio e qualidade da impermeabilização.

Fonte: ABAL (2) ( )
Construção Civil II ‐ Janelas 38

A BOA INSTALAÇÃO TAMBÉM ASSEGURA O MELHOR DESEMPENHO

Fonte: ABAL (2) ( )
Construção Civil II ‐ Janelas 39

Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat – PBQP‐H

Construção Civil II ‐ Janelas

40

Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat – PBQP‐H
Segurança O vento é uma solicitação mecânica de grande importância na análise de qualidade de esquadrias. É importantíssimo que uma janela submetida a pressões de vento não apresente problemas de funcionamento ou estanqueidade, nem sofra deformações instantâneas ou residuais excessivas. ( para Edificação ‐ Janela; Especificação) ‐ fornece, ç p ç ) A norma NBR 10821 (Caixilho p para quatro classes de edifícios, definidas pelas suas alturas e usos, e para diversas regiões do país, as pressões de ensaio necessárias.

Construção Civil II ‐ Janelas

41

Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat – PBQP‐H

Construção Civil II ‐ Janelas

42

Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat – PBQP‐H

Construção Civil II ‐ Janelas

43

Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat – PBQP‐H
Habitabilidade Diversos esforços relativos ao uso, chamados de operações de manuseio, mereceram a atenção, simulando‐se em ensaios as solicitações que uma janela pode sofrer. Pretende‐se, assim, evitar danos provocados por p pressões distribuídas uniformemente, como as decorrentes de vento; , ; tentativas de fechar janelas emperradas por obstáculos não percebidos nos seus batentes; crianças penduradas em folhas de janelas abertas e outros esforços.

Ainda na categoria de habitabilidade são importantes a estanqueidade à água e a permeabilidade ao ar.

Construção Civil II ‐ Janelas

44

Bibliografia
1. MILITO. J. A. Técnicas de Construção Civil e Construção de Edifícios. Anotações de aula em forma de apostila da Faculdade de Ciências e Tecnologia da PUC – Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Sem data. 303 pag. 2. 2 Associação Brasileira do Alumínio – ABAL VANTAGENS DO ABAL. USO DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO. Manual da Associação Brasileira do Alumínio ‐ ABAL . Disponível em: http://www.abal.org.br/servicos/manuais/portasejanelas/M anual.htm Visitado em janeiro de 2010.

Construção Civil II ‐ Janelas

45

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->