Você está na página 1de 23

Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista

Faculdade de Engenharia Elétrica


Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

GERAÇÃO DE ENERGIA
ELÉTRICA ATRAVÉS DA
ENERGIA TÉRMICA

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
1
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

TERMOELÉTRICA

Trabalho de Iniciaç ão Cientifica apresentado como requisito


parcial á obtenção da conclusão do 1° termo no curso de
bacharelado em Engenharia Elétric a.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
2
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.................................................................................................5

2. TERMOELÉTRICA..........................................................................................6
2.1 O que é uma termoelétrica..............................................................................6
2.2 Componentes de uma Usina Termoelétrica...................................................7
2.2.1 Cadeiras.....................................................................................................8
2.2.2 Geradores Elétricos...................................................................................9

3. USINA TERMOELÉTRICA CONVENCIONAL .............................................10


3.1. Definição.............................................................................................10
3.2. Conceito..............................................................................................10
3.3. Modo de Funcionamento....................................................................11

4. USINA TERMELÉTRICA - CICLO COMBINADO...................................................11


4.1.1. Definição........................................................................................12
4.1.2. Turbina a gás.................................................................................12
4.1.2.1. Vantagens.....................................................................13

4.1.2.2. Desvantagens...............................................................13
4.1.3. Turbina a vapor...............................................................................13
4.1.3.1. Vantagens......................................................................14

5. CONTROLE DE USINAS TERMOELÉTRICAS......................................................16


INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009
Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
3
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r
5.1. Conceito......................................................................................................16
5.2. Tipos de Controle........................................................................................18
5.2.1. Controle de carga.............................................................................18
5.2.2. Controle de combustível...................................................................18
5.2.3. Controle de ar de combustão...........................................................18
5.2.4. Controle do bypass da turbina.........................................................19
5.2.5. Controle de água de alimentação....................................................19
5.2.6. Controle da temperatura do vapor...................................................20
5.2.7. Controle automático de ciclo combinado.........................................20

6. OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.............................................................................20
6.1. Conceito......................................................................................................20

7. CONTROLE DE POLUIÇÃO.................................................................................21
7.1. O que a geração de energia elétrica tem haver com o meio ambiente......21
7.2. Solução para menos impacto, para com a Geração de Energia Elétrica...21

8. Conclusão...............................................................................................................22

9. Referências.............................................................................................................23

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
4
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

1. INTRODUÇÃO

Central Termoelétrica ou Usina Termoelétrica ou Usina Termelétrica é uma


instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia
liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum tipo de
combustível renovável ou não renovável.
Há vários tipos de usinas termelétricas, sendo que os processos de produção de
energia são praticamente iguais porém com combustíveis diferentes. Alguns exemplos
são: Usina a óleo; Usina a gás: usa gás natural como o combustível para alimentar um
turbina de gás. Porque os gases produzem uma alta temperatura atraves da queima, e
são usados para produzir o vapor para mover uma segundo turbina, e esta por sua vez de
vapor. Como a diferença da temperatura, que é produzida com a combustão dos gases
liberados torna-se mais elevada do que uma turbina do gás e por vapor, portanto os
rendimentos obtidos são superiores, da ordem de 55%; Usina a carvão; e Usina nuclear.
Assim estas podem em algumas vezes serem menos rentáveis que as hidrelétricas.
Como vários tipos de geração de energia, a termeletricidade também causa
impactos ambientais.Contribuem para o aquecimento global através do Efeito estufa,
chuva ácida. A queima de gás natural lança na atmosfera grandes quantidades de
poluentes, além de ser um combustível fóssil que não se recupera. O Brasil lança por ano
4,5 milhões de toneladas de carbono na atmosfera, com o incremento na construção de
usinas termelétricas esse indicador chegará a 16 milhões.

As termoelétricas apresentam um alto custo de operação, em virtude do dinheiro utilizado


na compra de combustíveis.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
5
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

2. TERMOELÉTRICAS

2.1 . O que é uma Usina Termoelétrica

É uma instalação destinada a converter a energia de um combustível em energia


elétrica. O combustível armazenado em tanques (gás natural, carvão óleo, biomassa, etc.)
é enviado para a usina, para ser queimado na caldeira, que gera vapor a partir da água
que circula por tubos em suas paredes. O vapor é que movimenta as pás de uma turbina,
ligada diretamente a um gerador de energia elétrica. Essa energia é transportada por
linhas de alta tensão aos centros de consumo. O vapor é resfriado em um condensador, a
partir de um circuito de água de refrigeração.
Essa água pode provir de um rio, lago ou mar, depende ndo da localização da
usina, e não entra em contato direto com o vapor que será convertido outra vez em água,
que volta aos tubos da caldeira, dando início a um novo ciclo.
Como todo tipo de geração de energia causa impactos ambientais, com a
termeletricidade não é diferente: ela é a responsável pelo aumento do Efeito estufa, o
aquecimento demasiado da superfície terrestre, chuva ácida, etc, além de exigir muito
dinheiro para a compra de combustíveis. A queima de gás natural lança na atmosfera
grandes quantidades de poluentes, além de ser um combustível fóssil que não se
recupera. O Brasil lança por ano 4,5 milhões de toneladas de carbono na atmosfera, com
as usinas termelétricas esse indicador chegará a 16 milhões.
As termoelétricas têm a vantagem de podem ser instaladas mais próximas dos
centros consumidores, diminuindo assim a extensão das linhas de transmissão,
minimizando conseqüentemente as perdas ao longo dessas linhas, que poderiam chegar
até a 16%.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
6
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

2.2. Componentes de uma Usina Termoelétrica

1.2 Esquema de uma Usina Termelétrica

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
7
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Chamam-se Termoelétricas por que são constituídas de duas partes: uma térmica
onde se produz muito vapor a altíssima pressão e outra elétrica onde se produz a
eletricidade.

1. A Energia Elétrica é produzida por um Gerador.


2. O Gerador possui um eixo que é movido por uma Turbina.
3. A Turbina é movida por um Jato de Vapor sob forte pressão. Depois do uso, o vapor é
jogado fora na atmosfera.
4. O Vapor é produzido por uma Caldeira.
5. A Caldeira é Aquecida com a queima de óleo combustível. A queima do óleo vai poluir o
meio ambiente.

2.2.1. Caldeira

Caldeiras é sem sombra de dúvida o coração da termoelétrica, é nele e por ela que
obtemos energia, seu papel consiste em gerar o vapor alimento das turbinas, que por sua
vez são impulsionadas entrando em movimento e propiciam gerar o produto final que
todos nós já conhecemos.
Caldeiras utilizadas em centrais termelétricas são projetadas para operar com
vapor superaquecido na faixa dos 400° a 560° C e com pressões típicas entre 6 a 18
MPA, podendo chegar a pressões supercríticas de até 34 MPA. As caldeiras atuais
operam com capacidade que variam entre 200 e 4536 t/h, ou mais, dependendo do porte
da central de vapor.

Relacionado à circulação dos gases, as caldeiras podem ser de dois tipos:

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
8
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

• Flamo tubulares: onde os gases fluem por dentro de tubos imersos em água. Este tipo
de caldeira é utilizado em pequenas aplicações como, industrias, lavanderias,
aquecimento distrital, etc.
• Aquotubulares; onde a água circula pelo interior dos tubos e os gases trocam calor com
a água através das paredes dos tubos. As superfícies de troca de calor das aquotubulares
são conjuntos de tubos posicionados verticalmente (chamado de parede de água),
revestindo a fornalha. Nas paredes d’água a transferência de calor ocorre
predominantemente por radiação.
As caldeiras aquotubulares são empregadas em centrais termelétricas por
produzirem grande quantidade de vapor superaquecido. Sua taxa de produção de vapor
por área de troca de calor é maior que nas caldeiras flamo tubulares.

Tipos de combustível ou fonte de calor. Podem ser de três tipos:

• Sólidos: como o carvão mineral, biomassa e resíduos sólidos urbanos.


• Líquidos: óleo combustível, óleo diesel.
• Gasoso: gás natural, gases de processo e calor residual.

Cada tipo de combustível define sua característica construtiva e o tamanho da


fornalha. Uma caldeira projetada para operar com queima de combustível liquido ou
gasoso não serve para combustíveis sólidos sem que passem por modificações prévias.

2.2.2. Geradores Elétricos

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
9
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Os geradores elétricos são responsáveis pela transformação da energia mecânica


recebida da turbina por um eixo, em energia elétrica. Essa transformação ocorre graças a
alguns fenômenos eletromagnéticos que ocorrem quando um enrolamento é submetido a
um campo magnético variável, gerando uma tensão induzida.
Nas centrais termelétricas é mais comum encontrarmos geradores do tipo síncrono,
que são constituídos por duas partes: O Rotor que é uma peça ligada diretamente ao eixo
da turbina e por tanto é uma peça girante dotado de bobinas de campo montadas sobre
pólos magnéticos, e a Armadura, que por sua vez é uma peça fixa e armada na carcaça
do gerador. A tensão é induzida na armad ura por um campo criado no rotor.

3. USINA TERMOELÉTRICA CONVENCIONAL

3.1. Definição

Instalação que produz energia elétrica a partir da queima de carvão, óleo


combustível ou gás natural em uma caldeira projetada para esta finalidade específica.

3.2. Conceito

Uma usina termelétrica pode ser definida como um conjunto de obras e


equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica através da conversão de
outra fonte de energia, através de um processo que consiste em três etapas.
Nas usinas térmicas convencionais, a primeira etapa consiste na queima de um
combustível fóssil, como carvão, óleo, gás até biomassa, transformando a água em vapor
superaquecido com o calor gerado pela caldeira.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
10
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r
A segunda etapa consiste na utilização deste vapor, em alta pressão, para girar a
turbina, que tem por sua vez, um gerador elétrico acoplado no mesmo eixo.

Na terceira etapa, o vapor é condensado, transferindo o resíduo de sua energia


térmica para um circuito independente de refrigeração, retornando a água à caldeira,
completando o ciclo.

3.3. Modo de Funcionamento

A potência mecânica obtida pela passagem do vapor através da turbina faz com
que está gire e entre em movimento de rotação em um eixo ligado no gerador que por sua
vez também gira acoplada mecanicamente à turbina e é que transforma a potência
mecânica em potência elétrica.
A energia assim gerada é levada através de cabos ou barras condutoras, dos
terminais do gerador até o transformador elevador, onde tem sua tensão elevada para
adequada condução, através de linhas de transmissão, até os centros de consumo.
Daí, através de transformadores abaixadores, a energia tem sua tensão levada a
níveis adequados para utilização pelos consumidores.

4. USINA TERMELÉTRICA - CICLO COMBINADO

4.1. Definição

Uma usina termelétrica operando em ciclo combinado pode ser definida como um
conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica, através
de um processo que combina a operação de uma turbina a gás, movida pela queima de
gás natural ou óleo diesel, diretamente acoplada a um gerador.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
11
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Os gases de escape da turbina a gás, devido à temperatura, promovem a


transformação da água em vapor para o acionamento de uma turbina a vapor, nas
mesmas condições descritas no processo de operação de uma termelétrica convencional.

4.1.1. Turbina a gás

A expansão dos gases resultantes da queima do combustível (óleo diesel ou gás


natural) aciona a turbina a gás, que está diretamente acoplada ao gerador e, desta forma,
a potência mecânica é transformada em potência elétrica.

Resumindo uma turbina a gás simples é composta de três seções principais: um


compressor, um combustor, e uma turbina de força. A turbina a gás funciona pelo princípio
do ciclo de Brayton; onde o ar comprimido é misturado com o combustível e queimado
sobre condições de pressão constante. O gás quente resultante expande-se por uma
turbina para executar trabalho. Em uma turbina a gás com 33% de eficiência,
aproximadamente deste trabalho é gasto na compressão do ar, o resto é disponibilizado
para outro tipo de trabalho (acionamento mecânico, geração de eletricidade).

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
12
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r
4.1.2. Vantagens

1. Turbinas a gás possuem uma ótima relação peso - potência se comparado a


acionamentos semelhantes. Isto quer dizer que a força fornecida pela máquina
comparando-se ao peso da própria máquina é muito boa.

2. Turbinas a gás são menores se compararmos máquinas semelhantes e de


potência igual.
4.1.3. Desvantagem

A principal desvantagem das turbinas a gás é que, comparando-se com máquinas


de mesmo tamanho, elas são muito caras. Elas giram a velocidades tão altas e também
com altas temperaturas, que projetar e construir turbinas a gás é um grande problema
tanto pelo lado da engenharia quanto pelo lado da resistência dos materiais. Turbinas a
gás também tendem a usar mais combustível mesmo, quando elas estão ociosas, então
pode-se concluir que elas necessitam de uma carga constante à uma carga flutuante. Isto
faz uma turbina a gás uma ótima solução para jatos e usinas termelétricas, isso explica
porque nós não o temos para fins domésticos.

4.2. Turbina a vapor

O funcionamento é exatamente igual ao descrito para usina termelétrica


convencional, porém a transformação da água em vapor é feita com o reaproveitamento
do calor dos gases de escape da turbina a gás, na caldeira de rec uperação de calor.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
13
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

4.2.1. Vantagens

As turbinas a vapor são máquinas de combustão externa (os gases resultantes da


queima do combustível não entram em contato com o fluído de trabalho que escoa no
interior da máquina e realiza os processos de conversão da energia do combustível em
potência de eixo). Devido a isto apresentam uma flexibilidade em relação ao combustível
a ser utilizado, podendo usar inclusive aqueles que produzem resíduos sólidos (cinzas)
durante a queima.
Como as turbinas a vapor são máq uinas de combustão externa, então, o calor
necessário para a ebulição do condensado e para o superaquecimento deste, pode ser
transferido diretamente da fonte de combustão, ou através de algum artifício, como por

exemplos às serpentinas, que podem ser ligadas diretamente à fonte de calor e que por
convenção transfere o calor para no interior da caldeira.
INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009
Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
14
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Além das já descritas na seção relativa à usina termelétrica convencional, deve ser
ressaltado o rendimento térmico do ciclo combinado, que proporciona a produção de
energia elétrica com custos reduzidos.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
15
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Além das já descritas na seção relativa à usina termelétrica convencional, deve ser
ressaltado o rendimento térmico do ciclo combinado, que proporciona a produção de
energia elétrica com custos reduzidos.

5. CONTROLE DE USINAS TERMOELÉTRICAS

5.1. Conceito

Os objetivos básicos das Centrais Elétricas são a conversão, o controle e a


distribuição de energia produzida. Nas usinas termoelétricas utilizam geradores de vapor
e turboalternadores, cujo níve l de automação pode ser tomado como base para as
diversas configurações de unidades geradoras, incluindo aquelas que utilizam caldeiras
de leito fluidizado e as unidades de ciclo combinado. A apresentação de esquemas
alternativos de controle para usinas termelétricas a carvão é, de fato, útil para a
compreensão das diversas filosofias básicas de controle que podem ser adotadas em
diferentes situações. Nestas usinas, é comum ter-se algumas centenas de variáveis
manipuladas sobre controle coordenado. A figura 1.1 é um modelo simplificado que
mostra algumas variáveis mais importantes de um sistema de caldeira-turboalterador.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
16
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Figura 4.1 – Esquema simplificado do si stema de controle de uma usina termelétrica.

Nas usinas geradoras de energia elétrica tem-se progressivamente utilizado


moderno sistema de controle e na realidade, poucos fatores podem limitar a plena
aplicação dos recursos tecnológicos disponíveis. Uma dificuldade comum é a obtenção de
uma instrumentação adequada para a medição de todas as variáveis importantes d
processo, incluindo a qualidade e a composição do produto.
Os sistemas automáticos e controle constituem os meios efetivos pelos quais é
possível manter os parâmetros de uma usina dentro de faixas estreitas de tolerância.
Como resultado, as perdas são minimizadas, a incidência de falhas é reduzida e a
confiabilidade da instalação é consideravelmente melhorada. Numa usina termelétrica,
para se obter um sistema de controle de alta qualidade, que limite os valores dos desvios
absolutos das variáveis controladas, não é suficiente usar controladores modernos com
recursos avançados. É necessário, também, que a caldeira e seus equipamentos
auxiliares possuam um comportamento sobre transferência de calor, condições de fluxo,
qualidade de água de alimentação, etc., mas também às suas propriedades dinâmicas.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
17
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Assim, o modelo matemático da caldeira constitui a base para a escolha adequada dos
controladores e seus ajustes, bem com para a determinação da filosofia de controle mais
adequada.

5.2. Tipos de Controle

5.2.1. Controle de carga

O controle é necessário para assegurar a potencia nominal de motores e também


permitir o cumprimento fiel de obrigações contratuais, como as que devem ser observadas
nas transferências de energia entre diferentes sistemas de geração e transmissão. As
propriedades dinâmicas do sistema elétrico e a natureza da carga determinam o
comportamento em regime transitório das unidades geradoras.

5.2.2. Controle de combustível

São obtidas através da utilização de sistemas automáticos de contro le a supervisão


da operação e a coordenação desses ajustes. Qualquer seja o sistema de controle de
combustão deve satisfazer dois requisitos básicos: (a) ajustar o suprimento de
combustível para assegurar a liberação do calor necessário para a manutenção a vapor;
(b) ajustar o fluxo de ar de combustão na proporção adequada, de modo a determinar um
processo ótimo de queima.

5.2.3. Controle do ar de combustão

A quantidade de ar necessária para queimar qualquer tipo de combustível depende


fundamentalmente de sua constituição. Em qualquer caso, é essencial controlar o fluxo de
ar, pois o sei uso em quantidades reduzidas ou excessivas diminuiu a eficiente do
INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009
Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
18
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

processo de combustão. É pratica usual medir tanto a quantidade de ar quanto à de


carvão injetada na fornalha; porém, mesmo com os melhores equipamentos utilizados
para combinar o ar e o carvão para combustão, é necessário adicionar um certo excesso
de ar em relação à quantidade teórica calculada.

5.2.4. Controle do bypass da turbina

Os sistemas de bypass de turbinas podem oferecer relevantes vantagens em


diversas fases operacionais de uma usina termelétrica, entre as quais podem-se destacar:

 Melhor caracterização do regime de partida e carregamento da turbina;


 Possibilidade de operar a caldeira independente da turbina;
 Redução do problema da erosão na turbina por partículas sólidas;
 Contribuição para a melhoria da estabilidade do sistema elétrico.

O controle de fadiga térmica deve ser mantido para minimizar o “custo da vida
cíclica” (Cvc) dos componentes da turbina (o custo de vida cíclica é uma medida relativa
do numero de partidas de uma turbina até o aparecimento de uma trinca no rotor).

5.2.5. Controle de água de alimentação

A estratégia para o controle de água de alimentação varia bastante em função do


tipo de caldeira utilizada. A denominação “controle de água de alimentação” não é
exatamente correta, porque a água de alimentação, na verdade, é apenas a variável
manipulada para o controle do nível em uma caldeira a tambor ou para o controle da
razão entre fluxos de água de atemperação e água de alimentação em uma caldeira

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
19
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Benson. De qualquer forma, o ”controle de água de alimentação” é uma designação


consagrada pelo uso e, por isso, expressa, com boa clareza, as tarefas do controle.

5.2.6. Controle automático de ciclo combinado

As centrais termelétricas de ciclo combinado são diferentes das demais citadas


acima, pois deveis ter o como combustível o carvão, ele terá o óleo ou o gás.
A movida a óleo ou gás além de possui os mesmo elementos, também possui
tanques de armazenamento, tubulações de óleo ou gás, válvulas de controle e de bypass,
pré aquecedores de óleo ou gás, etc. No entanto, e termos de resposta, as instalações a
óleo e gás são muito mais rápidas do que as instalações a carvão.

6. OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

6.1. Conceito

A operação e manutenção das centrais termelétricas podem ser vistas sob dois
pontos de vista:

 O interno, que compete ao pessoal de operação da usina. Incluiu-se, aqui, o


cumprimento das regulamentações para a operação eficiente e segura em regime
estacionário e, durante a partida e parada de central termelétrica, a organização
dos trabalhos de manutenção, etc.;

 O externo que compete ao pessoal que opera o sistema elétrico, e gerencia a inter-
relação da central termelétrica com o mesmo. Precisa-se caracterizar a central
termelétrica como objeto de operação: eficiência e custo da operação a diferentes

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
20
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

cargas, taxa de tomada e rejeição da carga, duração da partida e consumo de


combustível durante a mesmo, mobilidade etc. Estas características cons tituem a
base da tomada de decisões durante o despacho econômico do sistema. No Brasil,
o Operador Nacional do Sistema – ONS realiza as funções de planejamento da
operação e despacho do sistema interligado.

7. CONTROLE DA POLUIÇÃO

7.1. O que a geração de energia elétrica tem haver com o meio ambiente?

A rápida industrialização e urbanização dos paises em desenvolvimento têm levado a um


aumento severo na poluição. Quanto mais pessoas houver, mais energia será necessária
e, assim, mais pólos industriais, mais centrais de geração elétrica e, conseqüentemente,
mais poluição.

7.2. Solução para menos impacto, para com a Geração de Energia Elétrica

Uma das soluções para atenuar e manter em limites aceitáveis este problema seria a
realização de estudos que permitissem decidir a melhor política energética, incluindo a
avaliação de todas as possíveis fontes de combustíveis usando cinco critérios:
capacidade, custo, segurança, confiabilidade e impactos sobre o meio ambiente. Isso
deve ser feito separadamente para cada pais, respeitando suas necessidades e recursos
naturais (Hudgson, 1997).

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
21
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

8. CONCLUSÃO

As usinas termoelétricas têm um mecanismo de funcionamento que consiste em


gerar energia elétrica através de um vapor super aquecido que por sua vez impulsiona as
turbinas a entram em movimento e que posteriormente é transforma energia cinética em
energia elétrica.
O governo brasileiro anuncia a construção de 49 usinas termoelétricas no Brasil
inteiro, movidas a gás natural biomassa e petróleo, e entramos em uma questão delicada,
se de fato o Brasil precisa dessas fontes geradas de energia ou não. A seguir vamos
expor aspectos negativos de uma usina termoelétrica si essa é deste rentável até quais
são seus malefícios causados ao homem e a natureza.
Para obtenção do vapor superaquecido é necessário que haja caldeiras em pleno
funcionamento, pois então aí que surgi os primeiros impactos ambientais, pois essas
usinas são extremamente dependentes de fontes d’água, ou seja são sempre construídas
à beira de fontes, mananciais, lagos etc, destruindo o ambiente original,indo mais a fundo
destruindo a fauna e flora pelo fato de haver constantes troca de águas,sendo sempre
depositado uma água com temperatura elevado em relação a retirada matando assim
ecossistemas marinho e modificando o habitat dos peixes.
Para aquecer a água são usados procedimentos como a queima de combustíveis
fosseis, biomassa e gás natural em conseqüência gerando emissão de gases são esses
os mais danosos CO2 NOx e o SO2, contribuindo para vários problemas ambientais tais
como o efeito estufa,(CO2) o NOx e o SO2, que por sua vez se transformam na atmosfera
em poluentes secundários como o ácido nítrico e o ácido sulfúrico, ambos facilmente
dissolvíveis em água. Os ácidos também podem se transformar em sais de enxofre e de
nitrogênio e estes ácidos, então, podem se precipitar através da chuva (conhecida como
chuva ácida), neblina ou neve. Os danos dessa chuva podem ser causados em florestas,
plantações, lagos, peixes, prédios, água de abastecimento, carros, pessoas.

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
22
Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista
Faculdade de Engenharia Elétrica
Av. Rui Barbosa n o 540 – Centro – Ipaussu – SP CEP: 18.950 – 000 Tel: 33441157/33441177
Email: intesp-eletrica@uol.co m.b r

Também deve ser levado em conta outro fato importante a respeito das usinas
termoelétricas a qualidade de vida das pessoas que residem perto dessa é muito
baixa,devido a grande emissão de poluentes no ar esse torna-se que inconsumível, tal
fuligem acumulada na atmosfera gera um “escudo” que inibe a saída desse poluentes que
por sua vez retorna para o solo, inibe a precipitação,deixando o clima seco e muito
inóspito para todos e afeta principalmente as crianças e que sofrem com problemas
respiratórios.
Outro fato que nos leva a refletir a respeito às usinas termoelétrica é seu custo
beneficio estima-se que custo médio do MWh da hidrelétrica fica entre US$ 17 a US$ 20,
enquanto que o MWh da usina termoelétrica está em torno de US$ 35.

9. Referências:

Electo Eduardo Silva Lora, Marco Antônio rosa Nascimento (Coordenadores). 2004.
GERAÇÃO TERMELÉTRICA Planejamento, projeto e operação. Rio de Janeiro. Editora
Interciência, Vol.1, 631p.

Electo Eduardo Silva Lora, Marco Antônio rosa Nascimento (Coorde nadores). 2004.
GERAÇÃO TERMELÉTRICA Planejamento, projeto e operação. Rio de Janeiro. Editora
Interciência, Vol.2, 645p

Ambiente Brasil
http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./energia/index.html&conteudo=./
energia/termeletrica.html, acessado em 01/06/2009.

Aneel
http://www.aneel.gov.br/visualizar_texto.cfm?idtxt=1601, acessado em 02/06/2009.

Electo Mec On Line


http://m.albernaz.sites.uol.com.br/distribuicaoee.htm, acessado em 25/05/2009.

Redação do Site Inovação Tecnológica - 30/01/2004


http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=010160040130,
acessado em 04/06/2009

INICIAÇÃ O CIENTIFICA 1⁰ Semestre de 2009


Professor: José Augusto Coeve Florino augusto. florino@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/1925644029636481
Aluno1: Andressa Cristina Nicolini da Silva andressacns@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4842393461500001
Aluno2: Arthur Bermejo Dário arthur.bermejo@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/6934988670823627
Aluno3: Eder Kazuhiko Sasaki eder.sasaki.jp@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/5033076446604280
23