Você está na página 1de 120
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TÉCNICA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TÉCNICA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM ELETROMECÂNICA

FORMA:

SUBSEQUENTE

CAMPUS DE SIMÕES FILHO

2017

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

2

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia 2 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO DEcoordemec_sf@ifba.edu.br Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Modalidade: subsequente Habilitação, qualificações e especializações 1. Habilitação: TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM ELETROMECÂNICA Carga Horária: 1200 h Estágio/TCC: 240 h Plano Curso Técnico de Nível Médio Eletromecânica – Forma: Subsequente Campus de Simões Filho " id="pdf-obj-1-7" src="pdf-obj-1-7.jpg">

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM ELETROMECÂNICA

CNPJ: 10764307/0006-27 Razão Social: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA - IFBA CAMPUS: SIMÕES FILHO Esfera Administrativa: FEDERAL Endereço: Via Universitária, S/N, Pitanguinha Cidade/UF/CEP: Simões Filho / BA CEP: 43.700-000 Telefone/Fax: (71) 3396-8400/ (71) 3396-9540 Site da Unidade: http://www.simoesfilho.ifba.edu.br/

E-mail de contato: coordemec_sf@ifba.edu.br

Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Modalidade: subsequente

Habilitação, qualificações e especializações

1. Habilitação: TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM ELETROMECÂNICA

Carga Horária: 1200 h Estágio/TCC: 240 h

Plano Curso Técnico de Nível Médio Eletromecânica – Forma: Subsequente Campus de Simões Filho

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

3

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TÉCNICA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA

Reitor

Renato da Anunciação Filho

Pró-Reitor de Ensino Nilton Vasconcelos Júnior

Diretor do Campus de Simões Filho

Rui Carlos de Sousa Mota

Diretoria de Ensino

Cláudia Cunha Torres da Silva

Coordenador do Curso Técnico em Eletromecânica

Miguel Pereira Santos Neto

Equipe de Elaboração

Miguel Pereira Santos Neto Aron José Britto de Miranda Fábio Luís Alves Pena Luciano Almeida da Silva Márcio Diego Almeida dos Santos Mônica Silveira Priscilla Souza Neves

Plano Curso Técnico de Nível Médio Eletromecânica – Forma: Subsequente Campus de Simões Filho

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

4

SUMÁRIO

  • 1.1 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO..................................................................................................................7

  • 1.2 JUSTIFICATIVA......................................................................................................................................7

  • 1.3 OBJETIVOS.........................................................................................................................................11

    • 1.3.1 Geral....................................................................................................................................11

    • 1.3.2 Específicos...........................................................................................................................11

  • 1.4 CARACTERÍSTICAS DO CURSO...........................................................................................................11

    • 4.1 COMPONENTES CURRICULARES.........................................................................................................18 4.1.1 Matriz curricular .................................................................................................................18

      • 4.1.2 Planejamento dos componentes curriculares de cada etapa

    .................19

    • 4.2 ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS.......................................................................................................41

    • 4.3 PRÁTICA PROFISSIONAL INTRÍNSECA AO CURRÍCULO.......................................................................42

    • 4.4 PRÁTICA PROFISSIONAL.....................................................................................................................43

    4.4.1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO..........................................................................................44 4.4.2 ARTIGO COM PROTÓTIPO.................................................................................................................45

    • 6.1 CONCEPÇÃO DE AVALIAÇÃO..............................................................................................................49

    • 6.2 SISTEMA DE AVALIAÇÃO...................................................................................................................52

    • 7.1 ACERVO DA BIBLIOTECA ..................................................................................................................57

    • 7.2 INSTALAÇÕES.....................................................................................................................................57

      • 7.2.1 – Auditório/Sala de Conferência...............................................................................................58

      • 7.2.2 – Biblioteca...............................................................................................................................58

      • 7.2.3 – Instalações para Docentes.....................................................................................................59

      • 7.2.4 – Salas para Discentes..............................................................................................................60

      • 7.2.5 – Instalação para a Coordenação do Curso.............................................................................60

      • 7.2.6 – Sala de Desenho.....................................................................................................................61

      • 7.2.7 – Recursos Audiovisuais...........................................................................................................61

  • 7.3 EQUIPAMENTOS..................................................................................................................................61

    • 7.3.1 – Laboratório de Automação....................................................................................................61

    • 7.3.2 – Laboratório de Metrologia....................................................................................................62

    • 7.3.3 – Laboratório de Usinagem......................................................................................................62

    • 7.3.4 – Laboratório de Eletrônica.....................................................................................................63

    • 7.3.5 – Laboratório de Informática...................................................................................................64

    • 7.3.6 – Laboratório de Eletrotécnica e Instalações Elétricas...........................................................64

    • 7.3.7 – Laboratório de Soldagem......................................................................................................65

    • 7.3.8 – Laboratório de Ensaios Mecânicos.......................................................................................65

    • 7.3.9 – Laboratório Equipamentos Industriais..................................................................................66

  • 8.1 FORMAÇÃO DO CORPO DOCENTE......................................................................................................67

  • 8.2 CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO....................................................................................................73

  • 9.1 – DIPLOMA.........................................................................................................................................76

  • 9.2 – CERTIFICADO..................................................................................................................................76

  • Plano Curso Técnico de Nível Médio Eletromecânica – Forma: Subsequente Campus de Simões Filho

    5

    1 – APRESENTAÇÃO DO CAMPUS

    No início da década de 1980 é instalado no município de Simões Filho, no bairro de Pitanguinha, em uma fazenda, onde se encontra uma das nascentes do rio Ipitanga, (um dos principais abastecedores de água da região metropolitana) a Unidade do Centro de Educação Tecnológica da Bahia (CENTEC), procedente de Salvador, mais precisamente do bairro de Monte Serrat. (BRASIL/MEC/IFBA, 2012b)

    Criado

    na década

    de 1970,

    pela Lei nº 6.344/76, o qual se firmou como

    importante centro de formação de Técnicos de Nível Superior, Tecnólogos. Naquela época, o Estado vivia um período de mudanças, reformas e desenvolvimento:

    crescimento das atividades industriais, principalmente o Centro Industrial de Aratu (CIA) e o Pólo Industrial de Camaçari. (BRASIL/MEC/IFBA, 2012b)

    O CENTEC atuou por duas décadas formando profissionais em cursos de graduação tecnológica em manutenção elétrica e mecânica, processos petroquímicos, produção siderúrgica, telecomunicações e administração hoteleira. Durante esse período, firmou-se como Instituição modelo pela qualidade de ensino, como também, pelas excelentes instalações físicas de salas de aula e laboratórios, muitas vezes, reconhecida e requisitada pelas indústrias para serviços de ensaios e análises químicas. (BRASIL/MEC/IFBA, 2012b).

    Em 1993, por força da Lei nº 8.711, de 28 de setembro de 1993, o CENTEC e a Escola Técnica Federal da Bahia (ETFBA) fundiram-se para formar o Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia (CEFET-BA). A Unidade de Simões Filho passou funcionar como extensão da então Sede, situada no bairro do Barbalho, em Salvador, sendo chamada de Centro de Treinamento e Desenvolvimento de Recursos Humanos (CTDRH).

    Somente em 2006, incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal, através das políticas definidas para a expansão da Educação Profissional no País, focada na necessidade de desenvolvimento socioeconômico e cuja concretização somente seria possível pela profissionalização em massa, é que a Unidade de Simões Filho tomou impulso, diante da sua inclusão no rol das unidades do Plano de

    6

    Expansão I, pré-definidas para o Estado da Bahia, juntamente com as novas Unidades de Camaçari, Santo Amaro e Porto Seguro.

    Com a transformação do CEFET-BA no ano de 2008 em Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), a Unidade de Simões Filho foi transformada em Campus, através da Lei nº 11.892/2008, ganhando autonomia administrativa e financeira. Desde então, o campus encontra-se em fase de transição com a proposta de ofertar cursos de nível superior e Educação de Jovens e Adultos (EJA), devido ao novo formato do IFBA com status de universidade. A importância estratégica deste Campus para a região é de fundamental relevância por oferecer suporte de recursos humanos com capacidade técnica reconhecida para a área industrial que se faz cada vez mais presente nos municípios da Região Metropolitana de Salvador (RMS).

    Ao herdar as instalações do antigo CENTEC, o Campus de Simões Filho se destaca dos demais pela grande disponibilidade de espaço físico, o que lhe confere um potencial de crescimento, limitado, obviamente, pela disponibilidade de recursos financeiros e humanos. Portanto, como ponto forte, pode-se destacar esta potencialidade de expansão da Instituição, porém condicionada a um tratamento diferenciado por parte do MEC com o objetivo de aproveitamento das potencialidades locais. (BRASIL/MEC/IFBA, 2012b)

    Além da infraestrutura, o Campus conta com um quadro de pessoal técnico e docente que se compromete com os objetivos institucionais e proporciona à comunidade local um ensino profissional gratuito e de qualidade. No quadro de pessoal técnico estão presentes profissionais de administração, bibliotecários, técnicos de laboratórios e audiovisual, comunicação, serviço social, pedagogia, psicologia, transporte, saúde, enfim um elenco de profissionais atuando dentro de uma estrutura singular na região com capacidade de oferecer o suporte necessário ao desenvolvimento das atividades acadêmicas.

    O corpo docente é composto de profissionais das áreas das ciências naturais, ciências humanas, linguagem, matemática, desenho e áreas técnicas relacionadas com os cursos Técnicos de Mecânica, Metalurgia, Eletromecânica, Petróleo e Gás e Licenciatura em Eletromecânica.

    7

    Missão do IFBA

    Promover a formação do cidadão histórico-crítico, oferecendo ensino, pesquisa e extensão com qualidade socialmente referenciada, objetivando o desenvolvimento sustentável do país.

    • 1.1 Identificação do Curso

    O presente documento constitui-se do projeto pedagógico do curso Técnico de Nível Médio em Eletromecânica, na forma Subsequente. O curso é ofertado em consonância com a resolução n° 06/2012 CNE/CEB e organizado dentro do eixo tecnológico de Controle e Processos Industriais do catálogo nacional de cursos técnicos (CNCT).

    • 1.2 Justificativa

    O município de Simões Filho, antigo distrito de Água Comprida, tem sua história marcada pela herança colonialista portuguesa. A emancipação do distrito de Água Comprida se deu através de esforços de um grupo de moradores que, por volta de 1960 se reuniram, liderados pelo Sr. Walter José Tolentino Álvares, para tratar dos problemas comunitários. Antes pertencente ao município de Salvador, o distrito foi emancipado em 07 de novembro de 1961, através da Lei Estadual nº 1538, passando a ser denominado de Simões Filho, em homenagem ao jornalista Ernesto Simões Filho que havia exercido os mandatos de Deputado Estadual e Federal, Ministro da Aviação e da Educação, além de ter sido candidato a Governador da Bahia e Senador da República. (PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÕES FILHO, 2015)

    Hoje, integrado à Região Metropolitana de Salvador (RMS), Simões Filho ampliou sua participação na vida econômica e social da Bahia, tornando-se um dos seus mais atraentes pólos de investimentos. Situado geograficamente a uma altitude de 52 metros do nível do mar, o município fica a 22 Km da capital do Estado numa área de 192,163 Km 2 , que corresponde a quase 4% da área da RMS. A região possui um relevo de baixada litorânea, planícies marinhas e fluviomarinhas com tabuleiros pré-litorâneos. De acordo com a Superintendência de Estudos Econômicos (SEI) 2011, a cidade possui uma geologia diversificada composta por arenitos, conglomerados/brechas, depósitos costeiros (areias de praias), depósitos fluviais, gnaisses e metatexitos. Tem, ainda, uma

    8

    tipologia climática que varia de úmido a sub-úmido com vegetação predominante de floresta ombrófila densa, formações pioneiras com influência fluviomarinha (mangue).

    A

    Tabela

    1

    apresenta

    os

    dados

    da

    população

    estimada para a Região

    Metropolitana de Salvador.

    Tabela 1 – População Estimada em 2010.

     

    Área (Km 2 )

    População

    Municípios

    Estimada

    Região Metropolitana de Salvador – RMS

    4.056,92

    3.884.435

    Salvador

    706,799

    2.883.672

    Camaçari

    759,802

    275.575

    Lauro de Freitas

    59,905

    184.383

    Simões Filho

    201,577

    118.047

    Candeias

    264,487

    89.419

    Fonte: IBGE, 2010

    A cidade localizada, estrategicamente, na RMS, conta com importantes cidades vizinhas como Camaçari, Candeias, Lauro de Freitas, São Sebastião do Passé e São Francisco do Conde, dentre outros municípios situados no Recôncavo Baiano. Registra em 2010 uma população estimada de 118.047 pessoas residentes com densidade demográfica aproximada de 586,65 hab./km 2 , correspondendo a 3,0% da população da RMS, conforme apresenta a Tabela 1.

    No contexto econômico, pode-se considerar o Centro Industrial de Aratu (CIA) e o Complexo Petroquímico de Camaçari (COPEC) como sendo os dois marcos mais importantes para a economia local.

    O Centro Industrial de Aratu (CIA) é um complexo industrial multissetorial, fundado em 1967 e localizado na Região Metropolitana de Salvador nos municípios de Simões Filho e Candeias. Em sua área encontra-se em operação o Porto de Aratu, além de empreendimentos dos segmentos químico, metal-mecânico, componentes para calçados, alimentício, metalúrgico, moveleiro, de minerais não metálicos, plásticos, fertilizantes, eletroeletrônicos, bebidas, logística, têxtil, serviços e comércio e mais recentemente o segmento Termelétrico. Com 144 empresas, sendo 121 empresas em Simões Filho e 23 empresas em Candeias, o Centro Industrial de Aratu gera, aproximadamente, 13.530 mão de obra direta (Superintendência de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia,2015).

    9

    O Polo Industrial de Camaçari é o primeiro complexo petroquímico planejado do País e o maior complexo industrial do Hemisfério Sul. Fundado em 1978, supera as crises mercadológicas e apresenta características marcantes de expansão e diversificação industrial. Mais de 90 empresas, dos mais variados ramos fazem parte do complexo: automotivas, de celulose, metalurgia do cobre, têxtil, de bebidas, de serviços e 34 empresas químicas e petroquímicas, dentre elas destacam-se a Braskem – maior empreendimento privado do Brasil; Ford – o maior investimento da montadora no mundo com produção de 250 mil veículos/ano; Dow Química - única produtora no país de TDI – diisocianato de tolueno; Continental – primeira unidade no Brasil e Bridgestone/Firestone que juntas produzem 9 milhões de pneus/ano; Paranapanema, antiga Caraíba Metais – principal produtor de cobre eletrolítico do país, proveniente da mina Caraíba, no município de Jaguarari, no semiárido Baiano; Bahia Pulp – única indústria que produz celulose solúvel com alto teor de pureza em toda a América Latina e Deten – única produtora no país de LAB, matéria prima básica para a produção de detergentes biodegradáveis.

    A atividade agropecuária também se faz presente no município, destacando-se o cultivo de banana, coco-da-baía, cacau (amêndoa), manga, goiaba, laranja e pimenta do reino e a criação de bovinos, suínos e ovinos (PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÕES FILHO, 2015).

    O município possui um Produto Interno Bruto (PIB) que lhe garante ocupar o 4º lugar da Região. Possui uma economia que gira em torno de importantes atividades, dentre elas, as referentes ao Centro Industrial de Aratu (CIA), conforme ilustra a Tabela 2 que dispõe a distribuição do PIB para o Estado, RMS e alguns municípios.

    Tabela 2 – Cinco maiores Municípios em Relação ao PIB da Bahia: 2010 – 2011.

     

    PIB

    PIB

    Estado / Região / Município

    (R$ Milhões)

    (R$ Milhões)

    2010

    2011

    Estado

    154.340,46

    159.868,62

    Metropolitana de Salvador – RMS

    65.186,51

    68.052,93

    Salvador

    36.480,99

    38.819,52

    Camaçari

    13.328,18

    12.313,92

    Candeias

    4.197,94

    4.705,02

    Simões Filho

    3.708,95

    3.943,66

    Lauro de Freitas

    3.153,53

    3.463,79

    Fonte: SEI, 2011.

    10

    Diante disso, é que através do IFBA, Unidade de Ensino Simões Filho vislumbrou-se a necessidade de oferecer o Curso Técnico em Eletromecânica, visando atender às necessidades do Município de Simões Filho e Região Metropolitana de Salvador no que se refere à oferta de profissionais voltados para o segmento industrial Eletromecânico, como BRASKEM, PETROBRAS, GERDAU, XEROX, MOINHO DIAS BRANCO, MOINHO SALVADOR, FORD, NOVELIS, WHITE MARTINS, BRISA, SCHINCARIOL, AMBEV, CONTINENTAL PNEUS e outras, que ainda encontram dificuldades para contratar técnicos capacitados tendo muitas vezes que recorrer a outros estados.

    Tendo em vista a necessidade de adequação da estrutura curricular do curso Técnico em Eletromecânica, em consonância ao que rege o Projeto Pedagógico Institucional e à resolução CNE/CEB 06/2012, a qual define as diretrizes curriculares nacionais para a educação profissional técnica de nível médio, a Comissão, formada pela equipe de elaboração deste documento e designada pelo Diretor do Campus, propôs algumas alterações na matriz curricular que vinha sendo ofertada. As alterações envolvem a eliminação, inserção de algumas disciplinas e adequação de carga horária, de acordo com as sugestões apresentadas no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos.

    A modificação sugerida na matriz curricular pode ser justificada em função do mundo do trabalho cada vez mais competitivo e à necessidade das empresas por um profissional qualificado e diferenciado, com extenso conhecimento técnico. Aliado a isso, que tenham liderança suficiente a ponto de fazer parte dos grandes desafios relacionados à produção, fazendo-se uso cada vez menos de recursos de forma sustentável, com responsabilidade social e respeito ao meio ambiente. As alterações envolvem, portanto, a seleção de um conjunto de disciplinas que visam formar um técnico em Eletromecânica com uma base mais sólida nas ciências que governam os Processos Industriais. Tal proposta visa aumentar a inserção dos egressos do curso, atendendo de forma ampla e diversificada a demanda local da Região Metropolitana de Salvador.

    11

    • 1.3 Objetivos

      • 1.3.1 Geral

    O curso de Eletromecânica da Unidade de Simões Filho está em atividade desde o primeiro semestre de 2006, e tem como objetivo capacitar o estudante para o desenvolvimento de competências profissionais que se traduzam na aplicação, no desenvolvimento (pesquisa aplicada e inovação tecnológica) e na difusão de tecnologias, na gestão de processos de produção de bens e serviços e na criação de condições para articular, mobilizar e colocar em ação conhecimentos, habilidades, valores e atitudes para responder, de forma original e criativa, com eficiência e eficácia, aos desafios e requerimentos do mundo do trabalho.

    • 1.3.2 Específicos

    Formar técnicos com habilidades e competências necessárias para atuar no projeto e execução de instalações elétricas e mecânicas de equipamentos industriais conforme especificações técnicas, normas de segurança e responsabilidade ambiental, exercer atividades de planejamento e execução da manutenção elétrica e mecânica de equipamentos industriais, além de projeto, instalação e manutenção de sistemas de acionamento elétrico e mecânico.

    • 1.4 Características do Curso

    Nível: Educação Profissional Técnica de Nível Médio na forma Subsequente

    Modalidade de oferta: Presencial

    Tempo de duração do curso: 02 (dois) anos

    Turno de oferta: Noturno

    Horário de oferta do curso: 18:10 às 21:30

    Carga horária total: 1200 horas

    Carga horária de estágio: 240 horas

    Tipo de matricula: Por módulo

    Regime: Modular.

    12

    2 – REQUISITOS DE ACESSO

    Número máximo de vagas do curso: 40 (quarenta) alunos por turma. Número mínimo de vagas do curso: 20 (vinte) alunos por turma. Ano de criação do curso: 2006 Requisitos de acesso ao Curso: O acesso regular ao curso Técnico em Eletromecânica será realizado através de processo de seleção que dar-se-á através de Exame de Seleção Interna do IFBA e/ou Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM, para pessoas que tenham concluído o Ensino Médio, segundo critérios institucionais, sendo tais procedimentos regidos pela legislação em vigor e pelas normas acadêmicas do IFBA.

    13

    3 – PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

    O Técnico em Eletromecânica poderá assumir responsabilidades inerentes à execução de atividades relativas à sua área de formação, sob a supervisão de profissional mais experiente, o qual determinará sua autonomia com base no nível de complexidade da tarefa a ser realizada. Vale ressaltar que o aumento de sua responsabilidade e de sua autonomia na execução dessas atividades profissionais está vinculado à consolidação de sua formação profissional. No campo de atuação, o Técnico em Eletromecânica poderá exercer atividades nas áreas de Elétrica ou Mecânica, sob a supervisão de um engenheiro mecânico ou eletricista, podendo assumir a coordenação de grupos de trabalho, nos seguintes ramos da atividade industrial: Indústria Automobilística, Indústria da Construção Civil, Indústria Naval, Indústria Aeronáutica, Indústria Aeroespacial, Indústria Eletroeletrônica, Indústria Mecânica, Indústria Química, Indústria Petroquímica, Indústria Siderúrgica, Indústria Petrolífera, Centros de Pesquisa, Laboratórios, de prestação de serviços, Empresas de Projetos, Produção, Manutenção, Montagem e demais setores da área Metal Mecânica e Empresas distribuidoras de energia elétrica. O profissional em Eletromecânica estará apto a:

    Coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam na instalação, na produção e na manutenção, aplicando métodos e técnicas de gestão administrativa e de pessoas. Aplicar normas técnicas e especificações de catálogos, manuais e tabelas na seleção de materiais metálicos necessários aos processos de fabricação, instalação de máquinas e equipamentos e na manutenção industrial. Aplicar normas técnicas de saúde, meio ambiente e segurança do trabalho e de controle de qualidade no processo industrial. Aplicar métodos, processos e logística na produção, instalação e manutenção. Operar e supervisionar equipamentos elétricos industriais. Identificar e sugerir a solução de defeitos em máquinas elétricas. Supervisionar a implantação de instalações elétricas prediais e industriais. Projetar sistemas eletrônicos para instrumentação e controle de motores. Projetar melhorias nos sistemas convencionais de produção, instalação e manutenção, propondo incorporação de novas tecnologias.

    14

    Identificar os elementos de conversão, transformação, transporte e distribuição de energia, aplicando-os nos trabalhos de implantação e manutenção do processo produtivo. Participar de atividades de utilização e conservação de energia, propondo a racionalização e o uso de fontes alternativas.

    15

    4 – ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

    De acordo com o artigo 14 da resolução n° 06/2012 que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio, os currículos dos cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio devem proporcionar aos estudantes:

    I - diálogo com diversos campos do trabalho, da ciência, da tecnologia e da cultura como referências fundamentais de sua formação; II - elementos para compreender e discutir as relações sociais de produção e de trabalho, bem como as especificidades históricas nas sociedades contemporâneas; III - recursos para exercer sua profissão com competência, idoneidade intelectual e tecnológica, autonomia e responsabilidade, orientados por princípios éticos, estéticos e políticos, bem como compromissos com a construção de uma sociedade democrática; IV - domínio intelectual das tecnologias pertinentes ao eixo tecnológico do curso, de modo a permitir progressivo desenvolvimento profissional e capacidade de construir novos conhecimentos e desenvolver novas competências profissionais com autonomia intelectual; V - instrumentais de cada habilitação, por meio da vivência de diferentes situações práticas de estudo e de trabalho; VI - fundamentos de empreendedorismo, cooperativismo, tecnologia da informação, legislação trabalhista, ética profissional, gestão ambiental, segurança do trabalho, gestão da inovação e iniciação científica, gestão de pessoas e gestão da qualidade social e ambiental do trabalho (Resolução nº 6 do Ministério da Educação, 2012, p. 5).

    Nesse sentido, a organização curricular deve aproximar mais o aluno das práticas de sua profissão, tendo o trabalho como princípio educativo e sua integração com a ciência, a tecnologia e a cultura bem como mantendo a indissociabilidade entre teoria e prática no processo de ensino – aprendizagem. Neste projeto, a Organização Curricular está estruturada em quatro módulos, além do Estágio Supervisionado, detalhado no item 4.4. O primeiro módulo visa construir as competências introdutórias. Os dois módulos seguintes visam trabalhar os conhecimentos chaves e o quarto módulo busca consolidar os conhecimentos específicas. Com a realização dos quatro módulos e do Estágio Supervisionado, o estudante terá completado a formação no curso, estando apto a exercer as atividades como Técnico em Eletromecânica e receberá o respectivo diploma. No quadro 1 apresentamos o desenho curricular que contempla a distribuição geral de competências pelos módulos.

    16

     

    QUADRO 1

    MÓDULO 1

    MÓDULO 2

    MÓDULO 3

    MÓDULO 4

    Estágio

    Competências

    Competências

    Competências

    Competências

    Curricular

    Introdutórias

    Chaves

    Chaves

    Específicas

    (240 horas)

    (300 horas)

    (300 horas)

    (300 horas)

    (300 horas)

    No quadro 2, são mostrados os grupos de competências para cada módulo. O grupo de competências é representado como uma sigla (exemplo: GC12) com respectiva carga horária. Os conteúdos destas disciplinas são detalhadas no item 4.1.2.

     

    QUADRO 2

     

    MÓDULO 1

    MÓDULO 2

    MÓDULO 3

    MÓDULO 4

    ESTÁGIO

    CURRICULAR

    GC

    CH

    GC

    CH

    GC

    CH

    GC

    CH

    GC

    CH

    GC11

    60

    GC21

    60

    GC31

    60

    GC41

    60

    Estágio

    240

    GC12

    60

    GC22

    60

    GC32

    60

    GC42

    60

     

    GC13

    60

    GC23

    60

    GC33

    60

    GC43

    60

    GC14

    60

    GC24

    60

    GC34

    60

    GC44

    60

    GC15

    30

    GC25

    30

    GC35

    30

    GC45

    60

    GC16

    30

    GC26

    30

    GC36

    30

     
     

    TOTAL

    300

    TOTAL

    300

    TOTAL

    300

    TOTAL

    300

    TOTAL

    1200

     

    CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO

     

    1440

    LEGENDA: GC = GRUPO DE COMPETÊNCIAS / CH = CARGA HORÁRIA

    O acompanhamento aos alunos se dará de forma contínua e processual e aquele que não for habilitado em um ou mais Grupo de Competência de um determinado módulo, deverá repetir o mesmo fazendo a recomposição somente das competências nas quais não foi habilitado, obtendo dispensa das demais (Capítulo X da Organização Didática dos Cursos da Educação Profissional Técnica de Nível Médio do CEFET-BA, aprovado pelo Conselho Diretor em 16/12/2008). No fluxograma a seguir é mostrado o itinerário percorrido pelo aluno durante a sua formação.

    17

    FLUXOGRAMA DA ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA

    Entrada Exame de Seleção 1° MÓDULO 300 horas 2° MÓDULO 300 horas 3° MÓDULO 300 horas
    Entrada
    Exame de Seleção
    1° MÓDULO
    300
    horas
    2° MÓDULO
    300
    horas
    3° MÓDULO
    300
    horas
    4° MÓDULO
    300
    horas
    Estágio Curricular Supervisionado
    240
    horas
    Habilitação Técnica em
    Eletromecânica
    Diploma de Técnico em
    Eletromecânica

    18

    4.1 Componentes Curriculares

    4.1.1 Matriz curricular

    18 4.1 Componentes Curriculares 4.1.1 Matriz curricular Conforme resolução 06/2012.

    Conforme resolução 06/2012.

    19

    4.1.2 Planejamento dos componentes curriculares de cada etapa

    PLANEJAMENTO DOS COMPONENTES CURRICULARES EQUIVALENTES AO QUADRO 2

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC11 –Desenho Técnico Período Letivo: A partir de 2018.1

    Carga-Horária: 60 horas - 20 horas (teórica) e 40 horas (prática)

    Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

    Percepção espacial;

    Ler

    e

    interpretar

    o

    desenho

    técnico,

    em

    particular o desenho mecânico e elétrico;

    • 1. Geometria Euclidiana (plana)

    Desenvolver a percepção visual;

    1.1

    Figuras Planas

    Adquirir a linguagem gráfica;

    1.2

    Sólidos

    Analisar graficamente peças e componentes

    1.3

    Perímetro

    mecânicos;

    1.4

    Área

    1.5

    Volumes

    Visão plana bidimensional; Visão plana tridimensional;

    • 2. Caligrafia Técnica

     

    Utilizar a metrologia linear e angular;

    • 3. Projeção Ortogonal

    Desenvolvimento psicomotor;

    • 4. Escalas

    • 5. Desenho Projetivo

    5.1.

    5.2.

    Aplicação de linhas – NBR 8403

    Perspectiva

    Aplicar normas técnicas relativas ao desenho

    5.3.

    Vistas Técnicas

    técnico;

    • 6. 1º Diedro

     

    Aplicar normas técnicas relativas ao desenho

    6.1.

    Supressão de vistas

    técnico mecânico e elétrico;

    6.2.

    Cortes e Seções

    Elaborar

    Desenhos

    técnicos utilizando

    6.3.

    Hachuras

    instrumentos;

     

    6.4.

    Aplicação da NBR 10126 - Cotagem

    Elaborar croquis à mão livre.

    6.5.

    Croquis

     
    • 7. Representação gráfica de elementos de máquinas

    • 8. Tolerância Dimensional

     
    • 9. Tolerância geométrica

    10. Rugosidade superficial 11. Esquemas elétricos prediais e industriais

    • 11.1. Unifilar

     
    • 11.2. Multifilar

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    Aula

    expositiva.

    Atividades

    práticas.

    Processual Qualitativa e Quantitativa. Formativa. Em no

    Exercícios

    individuais.

    Estudo

    dirigido.

    mínimo três momentos distintos no processo, cujo peso

    Pesquisa.

    será de 4-3-3.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
    • 1. FRENCH, Thomas E.; VIERCK, Charles. Desenho técnico e tecnologia gráfica. 6. ed. São Paulo:

    Editora Globo, 1999.

     
    • 2. SILVA, Arlindo et al. Desenho técnico moderno. 4.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

    • 3. STRAUHS, F. do R. Desenho técnico. 1. ed. Curitiba: Base Editora, 2010.

     
     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

     
    • 1. JUNGHANS, Daniel. Eletromecânica aplicada ao desenho técnico. Curitiba: Base Editorial, 2010.

    • 2. SCHNEIDER, W. Desenho técnico industrial. 1. ed. São Paulo: Hemus, 2008.

     
    • 3. MANFÉ, G. Desenho técnico mecânico – Vol. 1. São Paulo: Hemus, 2004.

    • 4. MANFÉ, G. Desenho técnico mecânico – Vol. 2. São Paulo: Hemus, 2004.

    • 5. MANFÉ, G. Desenho técnico mecânico – Vol. 3. São Paulo: Hemus, 2004.

    20

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC12 – Eletrotécnica Carga-Horária: 60 horas- 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

    Análise de circuitos CC e CA.

     
    • 1. Circuito CC: Leis de Ohm, Potência e Energia.

    Aplicar

    as

    leis

    de

    Kirchhoff

    em

    circuitos

    • 2. Circuito CA: Parâmetros de Tensão Alternada;

    elétricos.

    Análise de Componentes em CA (Resistor,

    Analisar

    circuitos

    elétricos,

    efetuando

    Capacitor e Indutor).

    cálculos

    de

    corrente

    e

    tensão

    em

    seus

    • 3. Impedância: Significado; Formas de

    • 4. Análise de Circuitos Monofásicos em CA:

    elementos. Executar cálculos de rendimento em circuitos

    Representação; Triângulo de Impedância.

    elétricos. Determinar a potência e a energia consumida

    Potências Ativa, Reativa e Aparente; Triângulo de Potência; Correção de Fator de Potência.

    em circuitos elétricos. Analisar o comportamento de capacitores e indutores.

    • 5. Circuito Trifásico em CA: Significado; Representação; Sequência de Fase; Ligação Estrela; Ligação Triângulo; Tensão e Corrente de

    Fase e de Linha; Potência em Circuitos Trifásicos.

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    Aulas teóricas expositivas em sala de aula (quadro branco e pincel, slides e projetor). Aulas práticas expositivas acompanhadas de montagens experimentais ou observação.

    Desenvolvimento de pesquisa prévia sobre o conteúdo das aulas, com apresentação no caderno. Avaliação escrita individual.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 1. SILVA FILHO, Matheus Teodoro da. Fundamentos de eletricidade. Rio de Janeiro: LTC, c2007. xii, 151 p.

    • 2. Markus, Otávio. Circuitos elétricos: corrente contínua e corrente alternada, teoria e exercícios. 8. ed. São Paulo: Erica, 2008. 288 p. Bibliografia: p. [287].

    • 3. Say, M. G. Eletricidade geral: eletrotécnica. São Paulo: Hemus, 2004. 0000 p.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. Albuquerque, Rômulo Oliveira. Rômulo Oliveira Albuquerque. Análise de circuitos em corrente

    alternada. 2. ed

    ..

    São Paulo: Érica, 2007. 236p p. Bibliografia: p. 235.

    • 2. Capuano, Francisco G; Marino, Maria Aparecida Mendes. Laboratório de eletricidade e eletrônica. 22 ed. Sao Paulo: Erica, 1988. 309 p. Bibliografia: p. [309].

    • 3. Boylestad, Robert L. Introdução à análise de circuitos. Tradução: José Lucimar do Nascimento. 10. ed. São Paulo: Pearson, c2004. 828 p.

    • 4. Nahvi, Mahmood; Edminister, Joseph. Tradução: Guilherme Moutinho Ribeiro.Teoria e problemas de circuitos elétricos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005. 478 p. (Coleção Schaum).

    • 5. Aiub, Jose Eduardo; Filoni, Enio. Eletrônica: eletricidade corrente contínua. 15. ed. São Paulo: Érica, 2007. 190 p.

    21

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC13 – Metrologia e Elementos de Máquinas Carga-Horária: 60 horas totais - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

    Metrologia: Habilitar os alunos a identificar e

    • 1 – Metrologia: Conceito de medição; histórico das

    comparar unidades dimensionais mais utilizados em processos de fabricação industriais com relação a peças, componentes, acessórios e detalhamento de projetos mecânicos com a utilização de instrumentos

    unidades básicas de medidas; métodos diretos e indiretos de medição; prefixos gregos e latinos para classificar os múltiplos e submúltiplos do metro; sistema internacional de unidades; sistema métrico e inglês; conversão de unidades; milímetros; polegada milesimal e fracionária;

    atualizados para medições lineares e angulares. Elementos de Máquinas: Identificar elementos mecânicos de máquinas; Conhecer

    cuidados básicos no manuseio de instrumentos de medidas; manutenção dos instrumentos; Normas aplicadas ao controle ambiental dos instrumentos; aferição periódica dos instrumentos; acondicionamento

    detalhes construtivos, tipos, função, materiais de fabricação e nomenclatura dos elementos de máquinas; Conhecer normas e procedimentos de seleção dos elementos de

    quando fora de uso; características; tipos de técnicas aplicadas aos instrumentos de medição como régua graduada, trena graduada, paquímetro, micrômetro, goniômetro, relógios comparadores e blocos padrões.

    máquinas; Especificar corretamente os

    • 2 – Elementos de Máquinas: Elementos de fixação;

    elementos de máquinas. Identificar os esforços a que estão submetidos

    Chavetas; Elementos de apoio; Molas; Elementos de transmissão; Eixos e árvores; Cames; Cabo de aço;

    os elementos de máquinas.

    Acoplamentos e Elementos de vedação.

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    1-

    AULAS TEÓRICAS

    Teórica por assuntos relacionados, conversões de

    Lousa;

    aulas

    expositivas

    para

    fixação

    dos

    unidades e simulação com desenhos de instrumentos e

    conhecimentos.

     

    escalas. Prática por instrumentos e técnicas de medição.

    2-

    AULAS PRÁTICAS

    Aulas em laboratório climatizado com aplicação prática de medições de peças

    diversas com os seguintes instrumentos:

     
    • Régua graduada: Leitura e manuseio

    • Paquímetro: leitura e manuseio

     
    • Micrômetro: Leitura, tipos e manuseio

     
    • Relógio comparador: acessórios, leitura e manuseio.

    • Goniômetro: Leitura e manuseio.

     
     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 1. ALBERTAZZI, Armando; SOUSA, André Roberto de. Fundamentos de metrologia científica e industrial. Barueri, SP: Manole, 2008. 408 p.

    • 2. UNHA, Lauro Salles; CRAVENCO, Marcelo Padovani. Manual prático do mecânico. Curitiba: Hemus,

     

    2007.

    584 p. (Contendo todas as tabelas técnicas).

     
    • 3. MELCONIAN, S. Elementos de máquinas. 9. ed. rev. São Paulo: Érica, 2008.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. INMETRO INST. NAC. DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL. Quadro geral de unidades de medida: resolução do CONMETRO N.º 12/1988. 2. ed. Brasília:

     

    INMETRO, 2000.

    • 2. LIRA, Francisco Adval de. Metrologia na Indústria. 7.ed. São Paulo: Érica, 2009. 248 p.

    • 3. Apostila Metrologia IFBA

     
    • 4. SHIGLEI, Joseph Edward. Elementos de Máquinas. Editora Livros Técnicos e Científicos, Rio de Janeiro, 1984.

    • 5. JUVINALL, R. C. e Marshek, K. M., Projeto de Componentes de Máquinas, LTC, Rio de Janeiro,

     

    2008.

    22

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC14 – Organização, Normas e Qualidade (ONQ) Carga-Horária: 60 horas- 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

    Compreender a relação entre a empresa e o sistema econômico.

    • 1. INTRODUÇÃO

    Identificar os fatores do sistema econômico.

    • 1.1. Fatores de produção e geração de riqueza

    Associar o sistema econômico à empresa.

    • 1.1.1. Evolução dos modos de produção e da

    Compreender os fundamentos da gestão das

     

    apropriação da riqueza.

    empresas e sua visão sistêmica.

    • 1.2. Empresa

    Identificar empresas dos vários segmentos

    • 1.2.1. Classificação econômica, fiscal e jurídica

    econômicos e suas dinâmicas internas a partir de uma visão sistêmica.

    das empresas.

    • 1.3. Teoria clássica da Administração e modelos de

    Conhecer

    ferramentas

    de qualidade,

    operações

    administrativas e de gestão. Identificar problemas e utilizar ferramentas da qualidade para detectar, conhecer e

    • 1.3.1. Abordagem Clássica da Administração – Taylor

    • 1.3.2. Produção em massa (Fordismo)

    resolver os mesmos.

    • 1.3.3. Abordagem Clássica da Administração – Fayol 1.3.3.1. Funções da Administração

    • 1.3.4. Produção enxuta (Toyotismo)

    • 2. ADMINISTRAÇÃO DE OPERAÇÕES

    • 2.1. Abordagem sistêmica da administração

    • 2.2. Entradas, processamentos e saídas de sistemas.

    • 2.3. Operações da produção: volume, variedade,

    variação e contato com o consumidor;

    • 2.4. Desempenho da produção: qualidade, rapidez, confiabilidade, flexibilidade e custo.

    • 3. EMPREENDEDORISMO

    • 3.1. Limites e possibilidades do empreendedorismo no contexto atual

    • 3.2. Construção de ideias de negócios

    • 4. ORGANOGRAMA

    • 4.1. Tipos de organização e seus respectivos organogramas

    • 5. GESTÃO DA QUALIDADE

    • 5.1. Histórico da gestão da qualidade

    • 5.2. Modelos da qualidade

    • 5.2.1. Modelo do 5S

    • 5.2.2. Modelo da ISO Série 9.000

    • 5.2.3. Modelo da Qualidade Total

    • 5.2.4. Modelo da Reengenharia

    • 5.2.5. Novos modelos de gestão

    • 5.3. Ferramentas administrativas, estatísticas e da qualidade.

    • 5.3.1. Organograma

    • 5.3.2. Fluxograma

    • 5.3.3. Lista de verificação

    • 5.3.4. Brainstorming

    • 5.3.5. Diagrama de Pareto

    • 5.3.6. Diagrama de causa e efeito

    • 5.3.7. Estratificação

    • 5.3.8. Histograma

    • 5.3.9. Diagrama de dispersão

    5.3.10.

    Gráficos de controle

    23

       
    • 5.3.11. Ciclo PDCA

    • 5.3.12. 5W1H

    5.4.

    Normatização e padronização

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    Aulas

    expositivas,

    dinâmicas

    em

    grupo

    e

    ASPECTOS A SEREM AVALIADOS

    recursos audiovisuais.

     
    • 1. Competência número 1

     
    • 2. Competência número 2

    • 3. Competência número 3

    INSTRUMENTOS/PROCEDIMENTOS

    UTILIZADOS

    • 1. Vídeo e atividade em grupo.

    • 2. Trabalho em grupo associando a teoria sobre a visão sistêmica da Administração e um exemplo

     

    prático de um local de trabalho

    • 3. Uma avaliação individual e uma em grupo envolvendo as ferramentas e os modelos da

     

    qualidade.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
    • 1. SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da produção. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 703 p.

    • 2. BULGACOV,Sergio (Org.). Manual de gestão empresarial. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006. 380 p.

    • 3. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revulução digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 491 p.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. ABRANTES, José. Gestão da Qualidade. Rio de Janeiro: Interciência, 2009.

    • 2. BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista – A degradação do trabalho no século XX. 3ª edição. São Paulo: LTC, 1987.

    • 3. CAMPOS, Vicenti Falconi. Qualidade Total – padronização de empresas. Belo Horizonte:

    INDG,2002.

     
    • 4. GOUNET, Fordismo e Toyotismo – na civilização do automóvel. 1ª edição. São Paulo:

    Boitempo Editorial. 1999.

     
    • 5. LUIZ, Sinclayr. Organização e Técnica Comercial – Introdução à Administração. 21ª edição. São Paulo: Saraiva. 1999.

    • 6. OLIVEIRA. Djalma de Pinho Rebouças. Sistemas, Organização & Métodos uma abordagem gerencial. 13ª edição. São Paulo: Atlas, 2002

    • 7. TAYLOR, FREDERICK W. Princípios de Administração Científica. 8ª edição. São Paulo:

    Atlas, 2010.

     
    • 8. TORKOMIAN, Ana Lúcia Vitale. NOGUEIRA, Edemilson. Desenvolvimento de novos empreendimentos. São Carlos: EdUFScar, 2001.

    • 9. VIEIRA, Sônia. Estatística para a qualidade: como avaliar com precisão a qualidade em produtos e serviços. 1ª edição. São Paulo: Elsevier, 1999.

    24

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC15 – Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) Carga-Horária: 60 horas

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

    Identificar, avaliar e controlar os riscos ambientais, a fim de evitar acidentes, doenças e de prevenir impactos ambientais negativos, principalmente no ambiente de trabalho.

    Higiene e Segurança do Trabalho, NR´s 05, 06, 07, 09, 10, 12, 15, 16, 17, 23, 33 e 35, acidentes do trabalho, investigação de acidente, inspeção de segurança, mapa de risco, legislação previdenciária, noções de primeiros socorros, prevenção e combate a incêndio e a desastres, meio ambiente, resíduos, fontes de energia, impactos

    ambientais (ar, água e solo) e noções de sustentabilidade.

    METODOLOGIA

    AVALIAÇÃO

    Aula expositiva com discussão participativa. Filmes, visitas técnicas, palestras com convidados e estudos dirigidos.

    Trabalhos, pesquisas, seminários e prova.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 1. BADIA, João Carlos Newman; RIBEIRO, Dagnon da Silva. Supervisor Técnico de SMS – Higiene e Segurança do Trabalho. PETROBRAS, CEFET-RS e PROMINP: Pelotas, 49p., 2006.

    • 2. BADIA, João Carlos Newman; RIBEIRO, Dagnon da Silva. Supervisor Técnico de SMS – Inspeção de Segurança. PETROBRAS, CEFET-RS e PROMINP: Pelotas, 12p., 2006.

    • 3. BADIA, João Carlos Newman; RIBEIRO, Dagnon da Silva. Supervisor Técnico de SMS – Prevenção e Combate a Incêndios. PETROBRAS, CEFET-RS e PROMINP: Pelotas, 20p., 2006.

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. SCHNEIDER, Magda Maronice Machado. Supervisor Técnico de SMS – Primeiros Socorros.

    PETROBRAS, CEFET-RS e PROMINP: Pelotas, 49p., 2006.

     
    • 2. Segurança e Medicina do Trabalho. Atlas: São Paulo, 51ª ed., 700p., 2002.

    • 3. ZOCCHIO, Álvaro. Prática da Prevenção de Acidentes – ABC da Segurança do Trabalho. Atlas: São Paulo, 7ª ed., 278p., 2002.

    • 4. SALIBA, Tuffi Messias. Manual Prático de Higiene Ocupacional e PPRA. 4a Edição. Editora LTC,

    2013.

    • 5. ZOCCHIO, Álvaro. Prática da Prevenção de Acidentes – ABC da Segurança do Trabalho. Atlas: São Paulo, 7ª ed., 278p., 2002.

    • 6. LEI Nº 13.425/2017 – “Diretrizes gerais sobre medidas de prevenção e combate a incêndio e a

    desastres.” Disponível em: www.planalto.gov.br. Acessado em: 26 de Julho de 2017.

    • 7. Sites:

    www.areaseg.com

    www.fundacentro.gov.br

    www.mte.gov.br

    www.segurancaetrabalho.com.br

    www.sobes.org.br

    25

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC21 – Desenho Assistido por Computador Carga-Horária: 30 horas

    .

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 02

     

    HABILIDADES

    Capacitar o aluno a usar as ferramentas do Autocad, conhecendo a sua interface, manipulando as ferramentas de desenhos e edição de objetos vetoriais, visualizações, ferramentas de precisão, pesquisa de áreas, distância, ângulos, criação de camadas, inserção de texto e sua edição. Trabalhar com bibliotecas (blocos), dimensionamento (cotas) e plotagem.

    Visão Geral do Autocad; Introdução; Noções Gerais sobre o Autocad; Sistemas e Entrada de Coordenadas; Criação de Objetos; Cores e Tipos de Linhas; Camadas; Visualização do Desenho; Edição do Desenho; Plotagem; Operação do Programa; Acesso ao Autocad; Iniciando um novo desenho; Carregando um Desenho Existente; Entrada Direta de Distâncias; Object Snap Tracking; Comandos de Visualização; Criação e Manipulação de Objetos; Comandos para Criação de Objetos; Definindo Propriedades de Novos Objetos; Cores; Espessura; Tipos de Linha; Camadas; Alterando Propriedades de Objetos Existentes; Textos e Hachuras; Blocos; Comandos de Dimensionamento; Caixa Texto; Caixa Fit; Primary Units; Comandos Utilitários; Cópia Rápida - Arrastar e

    Colar; Perspectiva Isométrica; Layout e Impressão.

    METODOLOGIA

    AVALIAÇÃO

    Aulas expositivas com a descrição dos passos para realizar os desenhos e projetos; Realização de tarefas e trabalhos para fixação dos métodos e técnicas do programa. Aulas expositivas e práticas no laboratório de informática. Software CAD (AutoCAD). Projetor multimídia. Microcomputadores. Livros e apostilas.

    Participação nas atividades de sala de aula; Trabalhos práticos individuais; Provas práticas no laboratório; Projeto final.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
    • 1. LIMA, CLAUDIA CAMPOS. Estudo Dirigido de Autocad 2009. São Paulo: Ed. Érica, 2008.

    • 2. VENDITTI, Marcus Vinicius dos Reis. Desenho Técnico sem Prancheta com AutoCAD 2010. Florianópolis: Visual Books, 2010.

    • 3. AutoCAD 2013 - Guia de referência. Makron Books

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

     
    • 1. HETEM, Jr. A. Computação Gráfica. Rio de Janeiro: Ed. LTC, 2006.

     
    • 2. SILVEIRA NETO, Walter Dutra; COUTO, Rita Maria de S.; ROSA Silvana Bernardes; A aplicação do tutorial no ensino de software gráfico, direcionado ao método de Educação a Distância. In: Anais P&D 2008. São Paulo, SP: AEND, 2008.

    • 3. POLLONI, Enrico Ggiulio Franco. FEDELI, Rricardo Daniel. Introdução a ciência da Computação. São Paulo – SP: Pioneira Thomson Learning, 2003.

    • 4. BALDAM, Roquemar; COSTA, Lourenço. AutoCAD 2010: utilizando totalmente. 1. ed. São Paulo:

    Érica, 2010. 520 p.

    • 5. LIMA, Cláudia Campos N. A. Estudo dirigido de autocad 2006. 4. ed. São Paulo: Érica, 2007. 294 p.

    26

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC22 – Eletrônica Analógica

    Período Letivo: A partir de 2017.1

    Carga-Horária: 60 hs/relógio - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    HABILIDADES

    Identificar

    os

    componentes

    eletrônicos

    • 1. Introdução à Física dos semicondutores

    através de simbologia apropriada;

    • 2. Diodos semicondutores

    Conhecer o princípio de funcionamento dos componentes eletrônicos;

    • 3. Fontes de alimentação. Conversor monofásico CA-CC

    Dimensionar

    componentes

    eletrônicos

    • 4. Filtro Capacitivo

    adequadamente.

     
    • 5. Diodos Especiais

     
    • 6. Transistores como chaves e amplificadores

    • 7. Introdução aos Circuitos integrados

     

    METODOLOGIA

     

    METODOLOGIA

    Aulas expositivas, aulas práticas, exercícios sobre a aplicação do conteúdo apresentado e avaliação da aprendizagem.

    Testes e mini testes; Relatórios de experimentos. Trabalhos de pesquisa. Avaliações individuais. Projeto experimental em equipe.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 1. MALVINO, Albert Paul. Eletrônica. 7ª Ed. São Paulo: Pearson Makron Books.

    • 2. BOYLESTAD, Robert. Dispositivos eletrônicos e teoria de circuitos. 8ª Ed. São Paulo, Pearson Prentice Hall.

    • 3. CRUZ, Eduardo Cesar Alves; CHOEURI JÚNIOR, Salomão. Eletrônica aplicada. 2.ed. São Paulo: Érica, 2008. 296 p.

    • 4. SEDRA, Adel S. & SMITH,K.C.Microeletrônica.5.ed.São Paulo:Pearson Makron Books, 2014.

    • 5. AIUB, José Eduardo; FILONI, Enio. Eletrônica: eletricidade - corrente contínua. 15.ed. São Paulo: Érica, 2011. 190 p.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. MARQUES, Angelo Eduardo B.; CHOUERI JÚNIOR, Salomão; CRUZ, Eduardo Cesar Alves. Dispositivos semicondutores: diodos e transistores. 13.ed. revisada. São Paulo: Érica, 2012. 404 p.

    • 2. ALMEIDA, José Luiz Antunes de. Dispositivos semicondutores: tiristores: controle de potência em CC e CA. 12. ed, 4. reimp. São Paulo: Érica, 2010. 150 p.

    • 3. MARKUS, Otávio. Ensino Modular: Sistemas Analógicos: Circuitos com Diodos Transitores. ed. 3ª reimp. São Paulo: Érica, 2010. 376 p.

    • 4. PERTENCE JÚNIOR, Antonio. Eletrônica analógica: amplificadores operacionais e filtros ativos: teoria, projetos, aplicações e laboratórios. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003. 299 p.

    • 5. WIRTH, Almir. Eletricidade e Eletrônica básica. 2.ed. revisada. Rio de Janeiro: Alta Books, 2007. 251 p.

    27

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC23 – Instalações Elétricas Prediais Carga-Horária: 60 horas - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

     
    • 1. Dominar

    os

    conceitos

    1.

    Introdução a Instalações Elétricas:

     

    referentes à instalação de

     

    1.1

    Sistemas Elétricos: Produção, Transmissão e Distribuição de

    equipamentos elétricos;

     

    Energia Elétrica;

     
    • 2. Representar

    e

    analisar

     

    1.2

    NBR-5410 – Norma Técnica de Instalações Elétricas de Baixa

    projetos elétricos;

    Tensão.

    • 3. Possibilitem

    estudo

    e

     

    1.3

    NBR 5419 – Norma Técnica Proteção de Estruturas Contra

    aprendizagem dos fundamentos

    Descargas Atmosféricas.

     

    relacionados à previsão de

     

    1.4

    NBR 5444 - Simbologia de Instalações Elétricas.

     

    cargas, dimensionamento de

    2.

    Projeto de Instalações Prediais:

     

    dispositivos de proteção dentre

     

    2.1

    Previsão de Cargas: iluminação e tomadas;

     

    outros componentes da

    2.2

    Fator de Potência em Instalações Prediais;

    instalação elétrica predial.

    2.3

    Potência Instalada;

     
    • 4. Executar

    a instalação

    2.4

    Tipos de Fornecimento;

    elétrica.

    2.5

    Divisão da Instalação;

    2.6

    Dimensionamento de Condutores;

     

    2.7

    Dimensionamento da Proteção;

     

    2.8

    Memorial de cálculo e material.

    3.

    Instalações Prediais (prática):

     

    3.1

    Noções sobre choque elétrico;

    3.2

    Emendas;

    3.3

    Instalações

    de

    circuitos

    de

    iluminação,

    tomadas

    de

    força/corrente e quadros elétricos.

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

     

    Aulas expositivas, aulas práticas, exercícios sobre a aplicação do conteúdo apresentado e avaliação da aprendizagem.

    Teste teórico; Práticas em equipe; Prova individual

     
     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
    • 1. Mamede; João F - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS -7ª Edição-LTC Editora– 2007.

     
    • 2. Cotrim; Ademaro A M B - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - Makron Books - 3a edição – 1993.

    • 3. ABNT - NBR5410, NBR 14039, NBR 5444.

     
    • 4. Kreder, Hélio - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - LTC Editora – 15ª edição – 2007.

     
     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

     
    • 1. Normas Regulamentadoras – NR 10, NR 6, NR 12, NR 35.

     
    • 2. VISACRO FILHO, Silvério. Aterramentos elétricos: conceitos básicos, técnicas de medição e instrumentação, filosofias de aterramento. São Paulo: Artliber, 2005. 159 p.

    • 3. BARROS, Benjamin Ferreira de; GEDRA, Ricardo Luis. Cabine primária: subestações de alta tensão de consumidor. 3.ed., rev. atual. São Paulo: Érica, 2013. 192 p.

    • 4. WATKINS, A. I. Cálculos de instalações elétricas. São Paulo: Edgard Blucher, 1975. 152 p.

     
    • 5. CREDER, Hélio. Instalações elétricas. 15.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2013. 428 p.

    28

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC24 – Máquinas e Equipamentos Mecânicos Carga-Horária: 60 horas - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

    Conhecer os tipos de equipamentos estáticos e

    • 1. Tubulações e acessórios

    dinâmicos, seus componentes e nomenclatura.

    • 2. Válvulas

    Conhecer o princípio de funcionamento dos

    • 3. Purgadores

    equipamentos estáticos e dinâmicos.

    • 4. Permutadores de calor

    Compreender a função de cada um dos

    • 5. Tanques

    equipamentos estáticos e dinâmicos dentro de um

    • 6. Vasos de pressão

    processo industrial.

    • 7. Torres de fracionamento

    Conhecer procedimentos de operação e segurança

    • 8. Fornos

    dos equipamentos estáticos e dinâmicos.

    • 9. Caldeiras

    Identificar falhas e recomendar medidas de

    • 10. Ejetores

    manutenção para os equipamentos estáticos e

    • 11. Filtros

    dinâmicos.

    • 12. Escoamento de fluidos

    Conhecer normas e especificar corretamente

    • 13. Perda de carga

    componentes e serviços de manutenção para os

    • 14. Bombas

    equipamentos estáticos e dinâmicos.

    • 15. Compressores

    Dimensionar componentes dos equipamentos

    • 16. Turbinas a vapor

    estáticos e dinâmicos.

    • 17. Turbina Hidráulica

    • 18. Turbina a gás

    • 19. Motores a combustão ciclo diesel

     

    METODOLOGIA

    AVALIAÇÃO

    Aulas expositivas; Aulas práticas em laboratório; Resolução de exercícios; Leitura e interpretação de desenhos de equipamentos e fluxogramas de processo.

    Atividades em grupo (Relatórios das aulas práticas) Avaliações individuais.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
    • 1. MACINTYRE, A. J. - Equipamentos Industriais de Processo, Livros Técnicos e Científicos Editora

    Ltda, Rio de Janeiro 2011.

     
    • 2. TELLES, Pedro C. Silva. Vasos de Pressão. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Ltda, 2ª Ed.,

    1996.

    320p.

    • 3. PENIDO FILHO, P. Os motores a combustão interna. Editora LEMI, Belo Horizonte, 1991.

    • 4. SILVA, J. T. et al. Bombas centrífugas passo a passo – Manual prático de manutenção e operação. Editora TURBOTECH Engenharia Ltda, Salvador.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

     
    • 4. TELLES, P. C. S – Materiais para Equipamentos de Processos - Livros Técnicos e Científicos Editora Ltda.-2° Edição -RJ- 2001.

    • 5. Código TEMA - Dados construtivos e de instalação.

     
    • 6. N-270-e - Projeto de Tanque atmosférico - PETROBRAS- Comissão de Normas Técnicas- Contec-

    1998.

    • 7. Norma Regulamentadora NR-13-do Ministério do Trabalho.

     
    • 8. Construção, Montagem e instalação e testes de tubulação - PETROBRAS- Comissão de Normas Técnicas - Contec- 2000.

    29

     

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais

     

    Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica

    Disciplina: GC25 – Medidas Elétricas

     

    Período Letivo: A partir de 2018.1

     

    Carga-Horária: 60 horas - 30 horas (teórica) e 30 horas (prática)

    Semanais: 04

     
     
     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

     
     

    1. Realizar, corretamente, medidas

    • 1. Termos técnicos, códigos e símbolos elétricos em geral;

    com os principais instrumentos de medição elétrica: voltímetro,

    • 2. Símbolos usados em instrumentos (analógicos e/ou digitais) de medição elétrica;

    amperímetro, wattímetro, frequencímetro, alicate- amperímetro, alicate-wattímetro, terrômetro, megaohmímetro etc

    • 3. Principais características dos instrumentos de medidas elétricas;

    • 4. Princípio de funcionamento, aspectos construtivos e a aplicação dos principais instrumentos de medição

    2.

    Manipular com cuidado e segurança instrumentos de medição elétrica e suas escalas.

    elétrica.

     

    METODOLOGIA

    AVALIAÇÃO

     

    Aula expositiva (dialógica), discussão de textos técnicos e de divulgação científica, atividades práticas experimentais e resolução de problemas.

    Relatórios simplificados das atividades experimentais e prova individual.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
     

    1- TORREIRA, R. P. Instrumentos de medição elétrica. Curitiba-PR, Editora Hermus, 3ª edição, 2002. 2- VASSALO, F. R. Manual de instrumentos de medidas eletrônicas. Editora Hermus, 2004. 3 – MEDEIROS FILHO, S. Fundamentos de medidas elétricas. Recife-PE, Editora da UFPE, 1978.

     
     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

     
     

    1- ARNOLD, R. Fundamentos de Eletrotécnica. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária Ltda,

     

    1975.

    2- ANZENHOFER, K.; HEIM, T.; SCHULTHEISS, A.; WEBER, W. Eletrotécnica para escolas profissionais. São Paulo, Editora Mestre Jou, 3ª edição, 1980. 3- Jornal da Eletricidade. Publicação Pirelli Cabos S. A. São Paulo-SP. 4- Revista Eletricidade Moderna. Aranda Editora. São Paulo –SP. 5- VALKENBURGH, V. Eletricidade Básica. Rio de Janeiro, Editora Ao Livro Técnico, 1982.

     

    30

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC14 – Eletrônica Digital Carga-Horária: 60 horas - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    HABILIDADES

     

    Diferenciar

    os numeração, associando seu uso a prática

    diversos

    sistemas de

    • 1. Sistemas de numeração: Binário, Octal, Hexadecimal, Decimal

    de eletrônica;

    • 2. Introdução a Eletrônica Digital

     

    Compreender

    lógicas;

    as principais funções

    • 3. Portas e Funções Lógicas

     

    Desenvolver soluções de problemas

    através do uso de circuitos combinacionais e sequenciais;

    • 4. Algebra de Boole. Simplificação de expressões booleanas; Mapas de Veitch Karnaugh

    • 5. Introdução e solução de problemas com circuitos combinacionais.

    • 6. Circuitos sequenciais; Memórias.

    METODOLOGIA

     

    METODOLOGIA

     

    Aulas expositivas, aulas práticas, exercícios

    Aulas

    expositivas,

    aulas

    práticas,

    exercícios

    sobre

    a

    sobre a aplicação do conteúdo apresentado e

    aplicação

    do

    conteúdo

    apresentado

    e

    avaliação

    da

    avaliação da aprendizagem.

    aprendizagem.

     
     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
    • 1. CAPUANO, Francisco G., IDOETA, Ivan Valeije. Elementos de Eletrônica Digital. 41ª Ed. São Paulo: Editora Érica.

    • 2. TOCCI, Ronald J. Sistemas Digitais – Princípios e Aplicações. 11ª Ed. São Paulo: Prentice Hall.

     
    • 3. AZEVEDO, João Batista de. TTL/CMOS: teoria e aplicações em circuitos digitais. 3.ed. São Paulo:

    Érica,.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

     
    • 1. LOURENÇO, Antonio C. de, et al. Circuitos Digitais. 9ª ed. São Paulo: Érica, 2007 ..

     
    • 2. GARCIA, Paulo Alves. Eletrônica Digital - teoria e laboratório

    ..

    1ª ed, São Paulo: Érica, 2006.

     
    • 3. GARUE, Sérgio. Eletrônica Digital: circuitos e teoria. 1ª ed. São Paulo: Hemus,

     

    31

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC32 – Instalações Elétricas Industriais Carga-Horária: 60 horas - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

    Dominar

    os instalação de equipamentos elétricos;

    conceitos

    referentes

    à

    Sistemas Elétricos: Produção, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica.

    • 1.2 Configurações;

    1.1. Principais características;

    Analisar projetos elétricos industriais; Possibilitem estudo e aprendizagem

    dos

    fundamentos

    aterramento.

    dos

    sistemas

    de

    • 1.3 Equipamentos e instalações;

    • 1.4 Agências Fiscalizadoras;

    • 1.5 Normas Técnicas Brasileiras.

    Subestações:

    • 2.1 - Características construtivas e operacionais;

    • 2.2 Diagrama Unifilar, Multifilar e Arranjos;

    • 2.3 NBR 14039 – Instalações Elétricas de Média Tensão 1kV até 34,5kV;

    Aterramento:

    • 3.1 Características construtivas, operacionais e funcionais;

    • 3.2 Resistividade do solo;

    • 3.3 Métodos de medição;

    • 3.4 Resistência de aterramento.

    Proteção Contra Descargas Atmosféricas

    • 4.1 NBR 5419 – Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas;

    • 4.2 Tipos, configurações;

    • 4.3 Aplicações.

    Eficiência Energética

    Usinas de geração de energia

    METODOLOGIA

    AVALIAÇÃO

    Aulas

    expositivas,

    aulas

    práticas,

    Teste teórico;

     

    exercícios

    sobre

    a

    aplicação

    do

    Práticas em equipe;

    conteúdo apresentado e avaliação da

    Prova individual

    aprendizagem.

     
     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

     
    • 1. Mamede; João F - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS -7ª Edição-LTC Editora– 2007.

    • 2. Mamede; João F - MANUAL DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - LTC Editora– 2007.

    • 3. ABNT - Normas Técnicas Brasileiras (NBRs).

     
     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. Normas Regulamentadoras – NR 10, NR 6, NR 12, NR 35.

     
    • 2. VISACRO FILHO, Silvério. Aterramentos elétricos: conceitos básicos, técnicas de medição e instrumentação, filosofias de aterramento. São Paulo: Artliber, 2005. 159 p.

    • 3. BARROS, Benjamin Ferreira de; GEDRA, Ricardo Luis. Cabine primária: subestações de alta tensão de consumidor. 3.ed., rev. atual. São Paulo: Érica, 2013. 192 p.

    • 4. WATKINS, A. I. Cálculos de instalações elétricas. São Paulo: Edgard Blucher, 1975. 152 p.

    • 5. CREDER, Hélio. Instalações elétricas. 15.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2013. 428 p.

    32

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC33 – Manutenção Mecânica Carga-Horária: 60 horas- 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

    Conhecer

    ferramentas

    de

    uso

    geral

    no

    • 1. Histórico e evolução da manutenção

    ambiente industrial.

     
    • 2. Lubrificação e lubrificantes

    Conhecer e diferenciar os diversos tipos de

    • 3. Tubulação e acessórios

    ferramentas.

    • 4. Ferramentas em geral

    Conhecer tubulações e seus acessórios. Interpretar desenhos de tubulações. Conhecer os diversos tipos de lubrificantes. Conhecer os sistemas de lubrificação. Conhecer os diversos tipos de manutenção.

    • 5. Método de alinhamento entre eixos

    Diferenciar

    as

    técnicas

    de

    manutenção

    em

    equipamentos industriais. Executar / elaborar plano de lubrificação.

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    Aula expositiva. Atividades praticas. Exercícios individuais. Estudo dirigido. Pesquisa.

     

    Processual Qualitativa e Quantitativa. Formativa. Em no mínimo três momentos distintos no processo, cujo peso será de 4-3-3.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 1. TELLES, Pedro Carlos da Silva. Tubulações industriais: materiais, projeto, montagem. 10.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2001. 253 p.

    • 2. KARDEC, Alan; ARCURI, Rogério; CABRAL, Nelson. Gestão estratégica: avaliação do desempenho. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002. 117 p.

    • 3. CARRETEIRO, Ronald P; BELMIRO, Pedro Nelson A. Lubrificantes e lubrificação industrial. Rio de Janeiro: IBP, 2006. 504 p.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. TELLES, Pedro Carlos da Silva. Tubulações industriais: materiais, projeto e desenho. 6 ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1982. 366 p

    • 2. SANTOS, Valdir Aparecido dos. Manual prático da manutenção industrial. São Paulo: Icone, 1999. 301

    p.

    • 3. DUARTE JUNIOR, Durval. Tribologia, lubrificação e mancais de deslizamento. Rio de Janeiro:

    Ciência Moderna, 2005. 239 p.

     
    • 4. FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. Mecânica: manutenção. São Paulo: Globo, 2000. 288 p. (Telecurso 2000 Curso Profissionalizante).

    • 5. DUARTE JUNIOR, Durval. Tribologia, lubrificação e mancais de deslizamento. Rio de Janeiro:

    Ciência Moderna, 2005. 239 p.

     

    33

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC34 – Máquinas e Equipamentos Elétricos Carga-Horária: 60 horas - 30 horas (teórica) e 30 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

    • 1. Conhecer e diferenciar os princípios de funcionamento

    • 2. Empregar os princípios

    • 4. Noções de Eletromagnetismo: Campo Magnético; Conversão Eletromagnética de Energia; Sistema de Unidades.

    e características operacionais

    • 5. Máquinas Elétricas: Definição; Classificação; Gerador x Motor.

    dos diferentes tipos de geradores e motores

    • 6. Máquina de Corrente Contínua / Máquina Síncrona / Máquina Assíncrona: Aspectos construtivos; Principio de Funcionamento; Tipos; Circuito Equivalente; Aplicações; Ensaios.

     

    de

    funcionamento

    e

    as

    características

    operacionais

    e

    • 7. Ligação e Partida do Motor de Indução: Formas de Ligação;

    construtivas

    de

    máquinas

    Formas de Partida: Direta, Chave Estrela Triângulo, Chave

    elétricas

    em

    sua

    seleção

    e

    Compensadora, Chave Estática, Inversor de Frequência.

    aplicação industrial

     
    • 8. Transformador: Aspectos Construtivos; Princípio de Funcionamento; Circuito Equivalente; Relação de Transformação; Tipos; Aplicação; Ensaios.

     
    • 9. Máquina Diversas: Motor Universal; Motor de Passo.

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    Aulas teóricas expositivas em sala de aula (quadro branco e pincel, slides e projetor). Aulas práticas expositivas acompanhadas de montagens experimentais ou observação. Apresentação de seminários pelos alunos.

    Seminário em equipe (parte escrita, apresentação e resumo das apresentações). Elaboração individual de vídeo. Relatório individual de aula prática de laboratório. Avaliação escrita individual.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    FALCONE, Aurio Gilberto, 1934-. Eletromecânica: transformadores e transdutores conversão

    eletromecânica de energia, máquinas eletricas. São Paulo: E. Blucher, 2006. v. 1. [s.p.] p. FALCONE, Aurio Gilberto, 1934-. Eletromecânica: máquinas elétricas rotativas. São Paulo: E. Blucher,

    • 2006. v. 2. [s.p.] p.

     

    NASCIMENTO JUNIOR, Geraldo Carvalho do. Máquinas elétricas: teoria e ensaios. 2. ed. rev. São Paulo: Érica, 2008. 260 p.

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. SIMONE, Gilio Aluisio. Máquinas de Indução Trifásica: teoria e exercícios. 2. ed. São Paulo: Érica,

     
    • 2007. 328 p.

     
    • 2. SIMONE, Gilio Aluisio. Máquinas de corrente contínua: teoria e exercícios. Porto Alegre: Érica, 2000. 325 p.

    • 3. MARTIGNONI, Alfonso. Alfonso Martignoni.Máquinas eletricas de corrente continua. São Paulo:

     

    EDART, 1967. 178 p.

     
    • 4. KOSOW, I. I. Máquinas elétricas e transformadores. São Paulo: Globo, 2000.

    • 5. Fitzgerald, A. E; Kingsley, Charles; Umans, Stephen D. Máquinas elétricas: com introdução à eletrônica de potência. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 648p p. Tradução: Anatólio Laschuk.

    34

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC35 – Sistemas Hidráulicos e Pneumáticos Carga-Horária: 60 horas - 30 horas (teórica) e 30 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

    Compreender o funcionamento dos sistemas pneumáticos; Compreender o funcionamento dos sistemas hidráulicos; Montar os circuitos de comando

    1. Conceitos físicos aplicados à pneumática; componentes pneumáticos (simbologia e função); Sistemas pneumáticos; Sistemas eletropneumáticos; Análise e síntese de circuitos eletropneumáticos; 2. Componentes físicos aplicados à hidráulica; Componentes

    pneumático/eletropneumático; Montar os circuitos de comando hidráulico/eletrohidráulico.

     

    hidráulicos (simbologia e função); Sistemas hidráulicos; Sistemas eletrohidráulicos; Análise e síntese de circuitos eletrohidráulicos;

    3.

    Automação eletropneumática e eletrohidráulica.

     

    METODOLOGIA

    AVALIAÇÃO

    Aulas expositivas, aulas práticas, exercícios sobre a aplicação do conteúdo apresentado e avaliação da aprendizagem.

    Teste teórico; Práticas em equipe; Prova individual

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    FIALHO, Arivelto Bustamante. Automação pneumática: projetos, dimensionamento e análise de circuitos. 7.ed. São Paulo: Érica, 2012. 324 p. FIALHO, Arivelto Bustamante. Automação hidráulica: projetos, dimensionamento e análise de circuitos. 6.ed. São Paulo: Érica, 2011. 288 p. BONACORSO, Nelso Gauze; NOLL, Valdir. Automação eletropneumática. 11.ed.,rev. São Paulo:

     

    Érica, 2011. 160 p. (Estude e Use).

     
     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    PORTO, Rodrigo de Melo. Hidráulica básica. 3. ed., rev. São Paulo: EESC-USP, 2004. 519 p.

    STEWART, Harry L. Pneumática e hidráulica. 3.ed. Curitiba: Hemus, 2011. 481 p.

    SILVEIRA, Paulo Rogério da; SANTOS, Winderson E. dos. Automação e controle discreto. 7. ed.

    São Paulo: Érica, 2006. 229 p. FESTO Didact. São Paulo

    GOMES, Heber Pimentel. Sistemas de bombeamento: eficiência energética. João Pessoa: EDUFPB, 2009. 460 p.

    35

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC36 – Sociologia do Trabalho Carga-Horária: 30 horas

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 02

     
     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

    • 3. Exercer a cidadania nos

    sociais,

    • 1. Origem da palavra trabalho.

    seus diferentes âmbitos

    • 2. A percepção do trabalho em diferentes períodos da história e sua conexão com o sistema econômico.

     

    (movimentos sindicatos, comunidade

    ...

    • 3. A contribuição de E. Durkheim, K. Marx e M. Weber sobre o

    • 4. Compreender

    a

    mundo do trabalho.

     

    realidade nas suas dimensões

    • 4. Modos de controle do trabalho: Taylorismo, Fordismo.

    social, política e econômica e suas interações com o mundo

    • 5. Toyotismo. Liberalismo econômico, neoliberalismo e keynesianismo.

    do trabalho.

    • 6. Consenso de Washington.

     
    • 7. Precarização.

    • 8. Tercerização.

    • 9. Características do trabalho no Brasil.

    10. Tendências atuais no mundo do trabalho.

     

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    Aulas expositivas - interativas abertas para discussão. Os alunos realizarão trabalhos individuais / grupo e seminários para incentivar a pesquisa e solidificar a capacidade de leitura, compreensão, raciocínio e aprofundamento dos conteúdos das leituras indicadas.

    Serão avaliados os diferentes trabalhos realizados ao longo do semestre. Presença e participação na sala de aula são elementos de ponderação.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 1. BRYM,

    ...

    (et

    al.) Sociologia: sua bússola para um novo mundo. São Paulo: Thompson Learning,

     

    2006.

    • 2. GIDDENS, Anthony. SOCIOLOGIA. 4ª ed. Artmed. Porto Alegre, páginas23 até 36.

    • 3. GOUNET, TH. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. Boitempo Editorial 1 ª Edição out.

     
    • 1999 São Paulo.

     
     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6ª ed. São

    Paulo: Boitempo, 2002. ANTUNES, R. O caracol sua concha, ensaios sobre a morfologia do trabalho. 1ª edição julho 2005. São

    Paulo: Boitempo Editorial. DIAS, R. Introdução à Sociologia Editora Pearson, 5ª reimpressão, São Paulo 2007.

    GOUNET, TH. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. Boitempo Editorial 1 ª Edição out.

    • 1999 São Paulo.

     

    VASAPOLLO, L. O trabalho atípico e a precariedade. 1ª edição jul. 2005, São Paulo: Expressão Popular.

    36

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC41 – Automação e Controle Carga-Horária: 60 horas - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     

    HABILIDADES

     

    CONHECIMENTOS

    Identificar

    os

    sistemas

    1

    Introdução à Automação e Controle de Processos

    automáticos e seus elementos;

    • 1.1 Sistemas analógicos e Digitais;

     

    Compreender o funcionamento

    • 1.2 Medidores e Transmissores;

    dos CLP’s e aplicações;

    • 1.3 Simbologia utilizada na instrumentação industrial.

    Programar os CLP’s utilizando

    2

    Controlador Lógico Programável (CLP)

    linguagem de programação;

    • 2.1 Definições importantes relacionadas ao CLP;

    Desenvolver

    soluções

     

    de

    • 2.2 Interfaces de Entradas e Saídas;

     

    problemas

    através

    do

    uso

    de

    • 2.3 Sensores e Atuadores;

    método sequencial;

     
    • 2.4 Tipos de Linguagens de Programação;

    • 2.5 Linguagem Ladder;

     
    • 2.6 Linguagem de Lista de Instruções.

     

    3

    Método de Solução de Problemas

    • 3.1 Método Sequencial: Introdução, definições e aplicações;

    • 3.2 Método Grafcet-SFC: conceitos básicos, regras de transição e

     

    aplicações.

    METODOLOGIA

     

    AVALIAÇÃO

    Aulas expositivas, aulas práticas,

    Teste teórico;

     

    simuladores de programação de

    Práticas em equipe;

    CLP’s,

    exercícios

    sobre

    a

    Prova individual

    aplicação

    do

    conteúdo

     

    apresentado

    e

    avaliação

    da

    aprendizagem.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 1. CAPUANO, F. G. & IDOETA, I. V. - Elementos de Eletrônica Digital, Editora Érica, 48 ed. São Paulo, 2014.

    • 2. FRANCHI, C.M., CAMARGO,V.L.A., “Controladores Lógicos Programáveis – Sistemas Discretos,” São Paulo: Érica.

    • 3. SILVEIRA, Paulo R. da; SANTOS, Winderson E. Automação e controle discreto. 9. ed. São Paulo: Érica, 2010. 230 p. (Automação industrial).

    • 4. BONACORSO, Nelso Gauze; NOLL, Valdir. Automação eletropneumática. 11.ed. São Paulo:

    Érica, 2009. 160 p.

     
     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

     
    • 5. CAPELLI, A., “ Automação Industrial – Controle do Movimento e processo Contínuo”, São Paulo:Érica.

    • 6. THOMAZINI, D., ALBURQUERQUE, P.U.B., “ Sensores Industriais – Fundamentos e Aplicações”, São Paulo: Érica.

    • 7. NATALE, Ferdinando. Automação industrial. 10. ed. São Paulo: Érica, 2011. 252 p.

    • 8. PRUDENTE, Francesco. Automação industrial PLC: teoria e aplicações: curso básico. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 298 p.

    • 9. FRANCHI, Claiton Moro. Controle de processos industriais: princípios e aplicações. São Paulo:

    Érica, 2011. 255 p.

     

    37

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC42 – Comandos Elétricos Carga-Horária: 60 horas - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2018.1 Semanais: 04

     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

    Entender

    • 1.6 as

    1. Dispositivos de acionamento, proteção, controle e sinalização.

    características gerais, aspectos

    1.2

    Tipos de circuitos quanto à finalidade.

    construtivos e aplicações dos

    • 1.2.1 Circuito de força e circuito de comando

    dispositivos de acionamentos,

    • 1.2.2 Diagrama de força e diagrama de comando

    proteção, controle e sinalização.

    1.3

    Fechamento dos terminais de ligação de motores.

    • 1.7 Realizar leituras,

    1.3.1

    trifásicos 6 terminais e 12 terminais e motor monofásico.

    interpretação e execução de

    1.4

    Inversor de frequência: Definição, Funcionamento, Aplicações,

    circuitos de força e comando

    parametrização.

    para acionamentos de motores.

    1.5

    Execução de diagramas de força e comando para acionamento de

    motores.

    1.5.1

    Diagrama de força e comando para partida direta de motor

    trifásico de 6 terminais;

    • a) Com sinalização motor parado, motor funcionando e desarmado;

    • b) Com reversão no sentido de rotação;

    • c) Através de boia de nível;

    • d) Através de dispositivo temporizador on-delay;

    • e) Através de dispositivo temporizador off-delay;

    • f) Para acionamento de portão de garagem;

    • 1.5.2 Diagrama de força e comando para partida estrela/triângulo, de

    motor trifásico de 6 terminais.

    • 1.5.3 Diagrama de força e comando para acionamento de motor

    trifásico 6 terminais através de inversor de frequência.

    METODOLOGIA

    AVALIAÇÃO

    Aula expositiva (dialógica), análise de circuitos de comando e força, práticas de circuitos de comando e força.

    Teste teórico; Práticas em grupo; Prova individual.

     

    BIBLIOGRAFIA BÁSICA

    • 6. FRANCHI, C M. Acionamentos Elétricos. São Paulo-SP, Editora Érica, 4ª edição, 2008.

    • 7. NASCIMENTO, G. Comandos elétricos: teoria e atividades. São Paulo: Érica, 2011. 228p.

    • 8. FITZGERALD, A. E; KINGSLEY, Charles; UMANS, Stephen D. Máquinas elétricas: com introdução à eletrônica de potência. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 648p

     

    BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

    • 1. CAPELLI, Alexandre. Automação Industrial – Controle do movimento e processos contínuos. São Paulo-SP, /editora Érica, 2ª edição, 2008

    • 2. WEG AUTOMAÇÃO; MASCHERONI, Jm; LICHTBAU, M; GERARDI, D. Guia de aplicação de inversores de frequência. 3ª ed. Jaraguá do Sul, SC.

    • 3. FILIPPO FILHO, Guilherme. Motor de indução: princípios de funcionamento, características operacionais, aplicações, acionamentos e comandos. 2.ed. São Paulo: Érica, 2013. 296 p.

    • 4. LELUDAK, Jorge Assad. Acionamentos eletromagnéticos: manual do professor. Curitiba: Base Editorial, 2010.

    • 5. WEG AUTOMAÇÃO; STHEPAN, R.m.; ROMANO, V.f.; ROLIM, L.g.b. Guia de aplicação de servoacionamentos. Jaraguá do Sul, SC.

    38

    Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Curso: Técnico de Nível Médio em Eletromecânica Disciplina: GC43 – Eletrônica de Potência Carga-Horária: 60 horas - 40 horas (teórica) e 20 horas (prática)

    Período Letivo: A partir de 2017.1 Semanais: 04

     
     

    HABILIDADES

    CONHECIMENTOS

    Conhecer a estrutura e aplicações do

    • 1. do

    Estrutura

    amplificador

    operacional

    -

    amplificador operacional 741;

    Amplificador diferencial;

    Identificar os circuitos básicos que utilizam

    Conhecer e identificar os principais

    • 2. típicos

    Amplificadores

    com

    amplificadores

    amp op como base;

    operacionais;

    • 3. Filtros ativos;

    dispositivos eletrônicos de potência;

    • 4. Amplificador de instrumentação;