Você está na página 1de 5
 
   

NOV./1991

EB-2164

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas

Transporte aéreo de produtos perecíveis - Requisitos para a embalagem

 

Sede:

     

Rio deJaneiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR EndereçoTelegráfico:

     

NORMATÉCNICA

     
 

Especificação

   

Copyright©1990,

ABNT–AssociaçãoBrasileira de NormasTécnicas Printed in Brazil/

Origem: Projeto 08:002.03-002/90 CB-08 - Comitê Brasileiro de Aeronáutica e Transporte Aéreo CE-08:002.03 - Comissão de Estudos de Carga Aérea EB-2164 - Perishables goods air transport - Packagings requirements - Specification

Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Palavras-chave: Transporte aéreo. Produto perecível. Embalagem

5 páginas

1 Objetivo

Esta Norma fixa as condições exigíveis para a embalagem de produtos perecíveis, doravante denominada embala- gem, quando transportada por via aérea.

2 Documentos complementares

Na aplicação desta Norma é necessário consultar:

EB-1669 - Embalagem - Desempenho - Especificação

MB-1309 - Papelão ondulado (Cobb) - Determinação da capacidade de absorção de água - Método de ensaio

MB-2501 - Embalagem e acondicionamento - Deter- minação do desempenho em queda - Método de ensaio

MB-2502 - Embalagem e acondicionamento - Deter- minação da resistência à compressão por carga constante - Método de ensaio

MB-2503 - Embalagem - Determinação do desem- penho em levantamento - Método de ensaio

NB-940 - Identificação das faces de embalagem para ensaio - Procedimento

3 Definições

Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de 3.1 a 3.4.

3.1 Produto perecível

Produto que pode sofrer deterioração, se exposto a mu- danças de temperatura e umidade, durante o transporte aéreo e manuseio.

3.2 Material não absorvente

Material que apresenta as superfícies com resistência à penetração de umidade.

3.3 Material atóxico

Material que não introduz substâncias nocivas, injuriosas ou venenosas nas outras que lhes estão em contato.

3.4 Superfície lisa

Superfície que não apresenta rugosidade sensível ao tato.

4 Condições gerais

4.1 Projeto e fabricação

 

A

embalagem e seus componentes devem ser projetados

ISO 780 - Packaging - Pictorial marking for handling of

e

fabricados de forma que facilitem os processos de

goods

acondicionamento e preservação.

2

EB-2164/1991

4.2 Material e mão-de-obra

O

material e mão-de-obra empregados para a fabricação

de

embalagem devem ser adequados e de qualidade com-

provada.

4.3 Superfícies e bordos

As superfícies da embalagem devem ser lisas e os seus bordos não devem ser pontudos para não causar prejuí- zos às pessoas ou danificar o produto embalado, a aerona- ve e as peças de equipamento de apoio no solo (equipa- mento para o manuseio).

4.4 Superfície inferior

A superfície inferior da embalagem, face nº 3, conforme

NB-940, deve ser nominalmente plana e contínua.

4.5 Compatibilidade de materiais em contato com o

produto

O material da embalagem, ou do revestimento, tintas, en-

chimento, acolchoamentos, bandejas, separadores, não

devem:

a)

b)

c)

ser tóxicos;

transmitir odores ao produto; e

ser pontiagudos, para evitar danos ao produto e fa- cilitar a limpeza.

4.6 Marcação

4.6.1 Embalagem

A embalagem deve ser marcada de forma clara, legível,

indelével e durável com os dados a seguir, de acordo com

o produto a ser embalado e a orientação da ISO 780:

a) mandatória:

- nome do fabricante/exportador;

- origem do produto;

- identificação do produto;

- massa líquida e número de unidades;

- padrão ou classificação internacional de qualida- de (por tipo de produto);

- data da embalagem;

- faixa de temperatura desejável para o transporte e manuseio e/ou duração de refrigeração própria por gelo;

- capacidade de empilhamento;

- nº desta Norma;

b) recomendável:

- nome do fabricante da embalagem;

- data de fabricação da embalagem;

- outros.

4.6.2 Marcação para o manuseio

Quando necessário, as marcações de orientações sobre os cuidados no manuseio devem ser apresentadas na em- balagem para o transporte aéreo, aplicando-se os símbo- los correspondentes constantes na Tabela.

Notas: a) O símbolo nº 1 apresenta três mensagens.

b) Se necessária maior informação, um texto básico de aviso pode aparecer abaixo do símbolo, na linguagem do expedidor ou do comprador. Entretanto, para que tenham o maior alcance possível, as instruções devem ser escritas em linguagem comumente usada no co- mércio, seja interno ou externo.

Tabela - Exemplos de símbolos e suas funções

Nº Significado do

Símbolo

Função

símbolo

1 Frágil

1 Frágil Para indicar:

Para indicar:

Cuidado no

a) que a embalagem contém um produto frágil

manuseio

Não vire

b) que a embalagem deve ser manuseada com cuidado

/continua

EB-2164/1991

3

/continuação

Nº Significado do Símbolo Função símbolo 2 Esta face para cima Para indicar corretamente a
Significado do
Símbolo
Função
símbolo
2
Esta face para
cima
Para indicar corretamente a
face que deve ficar para cima.
Obs.:Combinar este símbolo
com o número 1, quando
não for possível inclinar
ou virar a embalagem.
3
Mantenha seco
Para indicar que a embalagem
deve ser mantida em
condição ambiental seca.
4
Mantenha fora
do calor
Para indicar que embalagem
deve ser mantida fora do calor.
5
Limite de
empilhamento
Para indicar o limite máximo de
resistência ao empilhamento.
Colocar sobre a seta, dentro do
círculo, o número indicativo da
quantidade de embalagens
admissível no empilhamento.
Ex.:
3
significa que a pilha
pode ser formada com três
embalagens.
5
significa que
a pilha pode ser formada com
cinco embalagens

/continua

4

EB-2164/1991

/continuação

Nº Significado do Símbolo Função símbolo 6 Limites de a) indica a temperatura mínima temperaturas
Significado do
Símbolo
Função
símbolo
6
Limites de
a) indica a temperatura mínima
temperaturas
a
que a embalagem pode ser
exposta, não possuindo
limite superior.
b) indica a temperatura máxima
a
que a embalagem pode
ser exposta, não possuindo
limite inferior.

5 Condições específicas

5.1 Embalagem com ventilação

5.1.1 Vazamento

O fundo da embalagem deve ser impermeável, de forma a

evitar vazamentos de líquidos.

5.1.2 Proteção contra deterioração

Todas as partes da embalagem devem ser protegidas contra a deterioração ou perda de resistência em serviço, devido à mudança do tempo, tais como variação ambiental, corrosão, abrasão, deterioração biológica ou outras cau- sas onde o tipo de material usado exija tal proteção.

5.1.3 Absorção de água

O material empregado na preparação de embalagem de-

ve apresentar uma baixa taxa de absorção de água, com

valor até 15 g/m 2 , e ensaiado conforme MB-1309.

5.1.4 Compressão estática

A embalagem deve resistir aos esforços resultantes da

compressão estática, quando submetida ao empilhamento com altura de 2 m. Deve ser considerado o fator de segu- rança igual a três, estabelecido na EB-1669 e seguindo o procedimento da MB-2502.

5.1.4.1 A resistência à compressão estática deve ser de- clarada na marcação (recomendável) e ser apresentada conforme ISO 780.

5.1.5 Queda

A embalagem deve resistir aos efeitos de uma queda de

altura de 40 cm, previsto na EB-1669 e seguindo o proce- dimento da MB-2501.

5.1.6 Levantamento

A embalagem deve resistir aos esforços resultantes do

levantamento, com o nível normal três, estabelecido na

EB-1669 e seguindo o procedimento da MB-2503.

5.1.7 Estabilidade de pilha

A pilha formada com duas embalagens idênticas deve

apresentar uma estabilidade sem escorregamento, com

inclinações crescentes até 45°.

EB-2164/1991

5

5.1.8 Ventilação

No caso de produtos que necessitam de ventilação, a em- balagem deve ser projetada e construída de forma que, ao

ser empilhada, mantenha a possibilidade de circulação de ar. A Figura a seguir mostra exemplo de conformação ex- terna, que possibilita a ventilação quando a embalagem é empilhada.

Figura

5.1.9 Formas de fechamento das tampas

A embalagem pode dispor ou não de tampa de fechamen- to, devendo, quando necessário:

a) ser construída com material adequado e de boa resistência à compressão estática;

b) possibilitar uma abertura/fechamento da embala- gem sem prejuízo de sua integridade, por ocasião da inspeção sanitária/alfandegária ou para a recar- ga de produtos de refrigeração.

5.2 Embalagem com gelo

5.2.1 Quando necessário embalar o produto com a manu-

tenção de baixas temperaturas, o invólucro empregado para receber o gelo seco, ou de água, deve ser construído

de material resistente à corrosão, durável, de fácil limpeza, não absorvente e atóxico.

5.2.2 Embalagem com gelo de água deve ser fechada, sem

ventilação, construída com material de baixa condutivida- de térmica e resistente à umidade. A embalagem com gelo seco deve ser dotada de respiro para a liberação de CO 2 .

5.2.3 O recipiente com gelo seco pode ter contato direto

com o produto.

5.2.4 A embalagem com gelo de água deve ser à prova de

vazamento da água degelada, desde que mantida com in- clinações inferiores a 45°.

5.3 Resistência aos esforços de amarração

Quando a embalagem, ou sua unitização, pesar 150 kg ou mais, deve apresentar resistência a um esforço de amar- ração equivalente a 9 g.

ç ão, pesar 150 k g ou mais, deve apresentar resistência a um esfor ç o