Você está na página 1de 49

Ano V • Nº 45 • Maio 2003 • R$ 6,00

www.embalagemmarca.com.br

A embalagem
pode encurtar o
caminho da fruta
até o consumidor

Orgânicos, um mundo de oportunidades • Água no centro da mesa


Não há hegemonia inquebrável
E sta edi­ção de Em­ba­
lag­ em­Mar­ca apre­
sen­ta exem­plos de
abrem cam­po para o re­cur­
so a for­ma­tos e a ma­te­riais,
bem como a sis­te­mas de
mi­gra­ção den­tro da ca­te­go­
ria.
A re­por­ta­gem de capa, de
que se am­plia no país a fe­cha­men­to e de­co­ra­ção Lean­dro Ha­ber­li, é um con­
cons­ciên­cia da ne­ces­si­da­de cujo uso, pou­co tem­po sis­ten­te ser­vi­ço em que se
de in­ves­tir no apri­mo­ra­ an­tes, seria con­si­de­ra­do apon­tam opor­tu­ni­da­des
men­to das em­ba­la­gens dos aven­tu­ra. la­ten­tes para a ca­deia de
pro­du­tos. Não im­por­tam os Ve­jam-se por exem­plo os em­ba­la­gem no no­tá­vel cres­
mo­ti­vos, cada vez mais as ca­sos da água Pe­tró­po­lis ci­men­to do mer­ca­do de
em­pre­sas se cons­cien­ti­zam Pau­lis­ta e do Café Pi­lão. su­cos pron­tos para be­ber.
de uma rea­li­da­de: em­ba­la­ Com uma gar­ra­fa de vi­dro Na mes­ma li­nha, Gui­lher­
ge atraen­te e efi­caz em suas azul, a empresa abre chan­ me Ka­mio mos­tra as chan­
A cada dia, o fun­ções ven­de mais e for­ta­ ces de ven­der sua água ces de boas co­lhei­tas para o
avan­ço tec­no­ló­gi­co, le­ce a mar­ca. como pro­du­to pre­mium, se­tor na sea­ra dos pro­du­tos
As re­por­ta­gens mos­tram não como com­mo­dity, pe­ri­ or­gâ­ni­cos. Fi­cam des­de já
a cria­ti­vi­da­de tam­bém que nenhum ma­te­ go­sa in­cli­na­ção no seg­men­ os agra­de­ci­men­tos para as
e a ima­gi­na­ção rial de em­ba­la­gem pode ser to. Já a Sara Lee Ca­fés, crí­ti­cas e su­ges­tões que vie­
em­preen­de­do­ra con­si­de­ra­do ina­tin­gí­vel em dona da mar­ca Pi­lão, ino­va rem. Aguar­da­mos sua vi­si­ta
sua even­tual he­ge­mo­nia. A com o uso de uma lata e de em nos­so stand na Fis­pal.
abrem no­vas cada dia, o avan­ço tec­no­ló­ um selo de ve­da­ção que Até ju­nho.
opor­tu­ni­da­des na gi­co, a cria­ti­vi­da­de e a ima­ po­de­rão, quem sabe, re­sul­
área de em­ba­la­gem gi­na­ção em­preen­de­do­ra tar em mo­vi­men­to de Wil­son Pa­lha­res
maio 2003
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

8 24
Reportagem
Entrevista: meh- equipamentos redacao@embalagemmarca.com.br
di-jean bela- Fabricantes brasileiros Flávio Palhares
treche de máquinas acreditam flavio@embalagemmarca.com.br
Guilherme Kamio
Engenheiro de no potencial dos guma@embalagemmarca.com.br
desenvolvimento de stand-up pouches Leandro Haberli
embalagens mostra leandro@embalagemmarca.com.br

como exportar para a Colaboradores

26
União Européia internacional Josué Machado e Luiz Antonio Maciel
Uma designer Diretor de Arte

12
e uma engenheira Carlos Gustavo Curado
arte@embalagemmarca.com.br
orgânicos de alimentos
Produtos “verdes” contam o que Administração
Marcos Palhares (Diretor de Marketing)
constituem um filão viram na Hispack, Eunice Fruet (Diretora Financeira)
lucrativo para a indústria em Barcelona
Departamento Comercial
de bens de consumo e comercial@embalagemmarca.com.br
movimentam o varejo e Wagner Ferreira

32
o setor de embalagens estratégia Karin Trojan
Petrópolis Paulista lança Circulação e Assinaturas
garrafa de 750ml para ir Marcella de Freitas Monteiro
assinaturas@embalagemmarca.com.br
à mesa do Assinatura anual: R$ 60,00
consumidor
Público-Alvo
e ganha Em­ba­la­gem­Mar­ca é di­ri­gi­da a pro­fis­sio­nais que
espaço com ocu­pam car­gos téc­ni­cos, de di­re­ção, ge­rên­cia
e su­per­vi­são em em­pre­sas for­ne­ce­do­ras, con­
“private ver­te­do­ras e usuá­rias de em­ba­la­gens para
labels” alimentos, be­bi­das, cos­mé­ti­cos, me­di­ca­men­

16
tos, ma­te­riais de lim­pe­za e home ser­vi­ce, bem
como pres­ta­do­res de ser­vi­ços re­la­cio­na­dos
capa com a ca­deia de em­ba­la­gem.

Tiragem desta edição


7 500 exemplares
Filiada ao

O mercado de sucos
prontos para
beber registra
34 materiais
Lançamentos em
aço e vidro dão o
crescimento constante exemplo de como Im­pres­sa em Image Mate 145 g/m2 (capa) e
e é alvo de disputa a embalagem pode Couché Mate 115g/m2 (miolo)  da Ripasa
dos diferentes ser usada como Impressão: Congraf
materiais de ferramenta de
embalagem marketing
EmbalagemMarca é uma publicação
mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
3 Editorial 42 Panorama Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
Antonio - CEP 04718-040 • São Paulo, SP
Não há hegemonia que perdure Movimentação na indústria de Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
para sempre embalagens e seus lançamentos
FILIADA À

6 Cartas 46 Display
foto de capa: studio ag

A opinião, a sugestão e os Lançamentos e novidades – e www.embalagemmarca.com.br


comentários dos leitores seus sistemas de embalagem O con­teú­do edi­to­rial de Em­ba­la­gem­Mar­ca é

40
res­guar­da­do por di­rei­tos au­to­rais. Não é per­
Painel Gráfico 50 Almanaque mi­ti­da a re­pro­du­ção de ma­té­rias edi­to­riais
pu­bli­ca­das nes­ta re­vis­ta sem au­to­ri­za­ção da
Novidades do setor, da criação Fatos e curiosidades do mundo Blo­co de Co­mu­ni­ca­ção Ltda. Opi­niões ex­pres­
ao acabamento de embalagens das marcas e das embalagens sas em ma­té­rias as­si­na­das não re­fle­tem
ne­ces­sa­ria­men­te a opi­nião da re­vis­ta.
xodó. Que se­ção mais apai­xo­nan­ pre aca­bo me de­cep­cio­nan­do em
te! Bem mon­ta­da, gos­to­sa de ler, um ou ou­tro pon­to, o que não
di­nâ­mi­ca e uti­lís­si­ma para to­dos os ocor­reu des­ta vez.
ní­veis de mer­ca­do. Fica aqui o Con­tem co­mi­go sem­pre que pre­ci­
meu apoio à equi­pe. Boa sor­te ao sa­rem de al­gu­ma in­for­ma­ção que
time de Emb ­ al
­ ag ­ em­Marc ­ a. eu pos­sa ter.
Wil­liam Leo Kim Jr. Sid­ney Por­to
Ar­tis­ta plás­ti­co Di­re­tor de pla­ne­ja-
Campinas, SP ­men­to e ne­gó­cios

F
Ge­ren­cial Mer­chan­di­sing
oco ade­q ua­d o e lin­g ua­g em Belo Horizonte, MG
ob­je­ti­va. Com es­sas duas pa­la­vras
Xodó, ícone… acre­d i­t o des­c re­v er, fi­c an­d o no Almanaque Especial

A cada edi­ção que leio acre­di­to


mes­mo tom da re­vis­ta, a ma­nei­ra
como vejo Em b ­ al
­ ag
­ em ­M ar­c a. E s­cre­vo para di­zer que es­tou
en­can­ta­da com o Al­ma­na­que. É
cada vez mais que Em­ba­la­gem­ Con­se­gue ba­lan­cear as­sun­tos téc­
Marc ­ a é uma das me­lho­res re­vis­ ni­cos, ques­tões de mar­ca, de mar­ mui­to le­gal. For­mei-me re­cen­te­
tas do se­tor, pois con­se­gue reu­nir ke­ting e de arte, no que se re­fe­re men­te em de­sign de pro­du­to, mas
to­dos os as­sun­tos im­por­tan­tes para ao de­sign de em­ba­la­gens. É sim­ mi­nha gran­de pai­xão é em­ba­la­gem
que pro­fis­sio­nais do se­tor fi­quem ples­men­te um íco­ne da trans­mis­ e co­mu­ni­ca­ção.
bem in­for­ma­dos e con­si­gam apri­ são de in­for­ma­ções na área. Ma­ri­na Lom­bar­do
mo­rar ain­da mais seus pro­je­tos. José Antonio Rufato De­sig­ner
Pos­sui la­yout leve e ob­je­ti­vo, que Gerente de vendas São Pau­lo, SP
pro­por­cio­na uma lei­tu­ra agra­dá­ para América do Sul
vel. Pa­ra­béns! UCB Films Navegação fácil
Mi­chel Po­ta­ris São Paulo, SP
G
P
Coor­de­na­dor de de­sen­- os­ta­ria de pa­ra­be­ni­zar a fa­ci­li­
vol­vi­men­to de em­ba­la­gens ara nós da In­com, em­pe­nha­dos da­de de ter in­for­ma­ções e di­rei­to
Pa­yot do Bra­sil em con­tri­buir com nos­sos pro­du­ de res­pos­ta que Em­ba­la­gem­Mar­
São Pau­lo, SP tos para o de­sen­vol­vi­men­to da ca ofe­re­ce. O site é para pro­fis­sio­

P ca­deia de em­ba­la­gem no Bra­sil, nais da área e fá­cil de na­ve­gar.


a­ra­béns à re­vis­ta Em­ba­la­gem­ re­ce­ber to­dos os me­ses Emb ­ al
­ a­ An­to­nio Elias
Mar­ca, pois, além das ma­té­rias gem­Marc ­ a sig­ni­fi­ca ter um va­lio­ Pro­je­tis­ta de Em­ba­la­gem
di­r i­g i­d as aos for­n e­c e­d o­r es de so apor­te de in­for­ma­ções úteis ao Car­los Cou­to De­sign
em­ba­la­gens, exis­tem tam­bém as nos­so tra­ba­lho. A re­vis­ta tem ain­ Rio de Ja­nei­ro, RJ
di­r e­c io­n a­d as ao mer­c a­d o de da um adi­cio­nal que con­ta mui­to:
de­sign. Em es­pe­cial o Alm ­ an
­ a­ sua lei­tu­ra é fluen­te e agra­dá­vel.
que, tão im­por­tan­te para a his­tó­ria Sílvia M. F. Fukuda Mensagens para
do de­sign no Bra­sil. É óti­mo exis­ Assistente de marketing EmbalagemMarca
tir uma re­vis­ta as­sim, pois as nos­ São Pau­lo, SP
Redação: Rua Arcílio Martins, 53
sas ban­cas de re­vis­tas ca­re­cem de
pu­bli­ca­ções con­sis­ten­tes de de­sign Entrevista Sidney Porto CEP 04718-040 • São Paulo, SP

E
na­cio­nal. Abra­ços a toda equi­pe. Tel (11) 5181-6533
Car­los Mag­no da Sil­vei­ra s­cre­vo para dar meus pa­ra­béns Fax (11) 5182-9463
Mag­no Stu­dio ao re­pór­ter Gui­lher­me Ka­mio, que
redacao@embalagemmarca.com.br
São José dos Cam­pos, SP foi sim­ples­men­te per­fei­to ao mon­

S ou pro­fis­sio­nal das ar­tes plás­ti­


cas há bom tem­po, po­rém só re­cen­
tar a en­tre­vis­ta que fi­ze­mos por
te­l e­f o­n e (E m b ­ al
­ ag
­ em ­M ar c
e-dição nº. 41). Foi cor­re­to na
­a
As men­sa­gens re­ce­bi­das por carta,
e-mail ou fax po­de­rão ter tre­chos não

re­da­ção e na trans­mis­são fiel de es­sen­ciais eli­mi­na­dos, em função do


te­men­te fi­quei sa­ben­do da re­vis­ta
Emb ­ al­ ag
­ em ­M ar c
­ a (mais ou tudo o que pas­sei e ain­da abriu a es-paço disponível, de modo a dar o
me­nos seis me­ses) e es­tou sim­ples­ ma­té­ria de ma­nei­ra ab­so­lu­ta­men­te maior número possível de oportuni-
men­te aman­do. Como es­tu­do o per­ti­nen­te e ins­ti­gan­te, pro­mo­ven­
dades aos leitores. As mensagens
mer­ca­do de em­ba­la­gens a fun­do, a do a aten­ção dos lei­to­res. Es­tou
ra­zoa­vel­men­te acos­tu­ma­do a dar poderão também ser in­se­ri­das no site da
re­vis­ta é uma óti­ma fon­te de in­for­
ma­ções. A se­ção Dis­play é o meu en­tre­vis­tas e, con­fes­so, qua­se sem­ revista (www.embalagemmarca.com.br).

6 – embalagemmarca • mai 2003


entrevista

“Olho nos entraves da Europa”


N
o mo­men­to em que o atual go­ver­
no e a pró­pria ca­deia pro­du­ti­va no
Bra­sil se mo­vi­men­tam com vis­tas
a au­men­tar as ex­por­ta­ções, co­lo­
can­do os paí­ses da União Eu­ro­
péia como um dos prin­ci­pais des­
ti­nos pos­sí­veis, é im­por­tan­te lem­
brar que pe­que­nos de­ta­lhes le­gais po­de­rão
trans­for­mar-se em gran­des en­tra­ves. O des­
co­nhe­ci­men­to de que de­ter­mi­na­do tipo de
ma­te­rial de em­ba­la­gem, por exem­plo, pode
re­ce­ber um veto, é ca­paz de frus­trar es­pe­ran­
ças e, pior ain­da, es­for­ços fu­tu­ros.
“No atual mun­do de ne­gó­cios, as em­pre­sas
de­vem es­tar mui­to bem pre­pa­ra­das para
aten­der às re­gu­la­men­ta­ções em seus mí­ni­
mos de­ta­lhes, sob pena de ar­ris­car-se a per­
dê-los”, ob­ser­va Meh­di-Jean Be­la­tre­che,
en­ge­nhei­ro fran­cês ra­di­ca­do no Bra­sil, em
Vi­dei­ra (SC), onde tra­ba­lha como en­ge­nhei­
ro de de­sen­vol­vi­men­to de em­ba­la­gens na
Per­di­gão. Gra­dua­do em En­ge­nha­ria de Pro­
ces­sos pela Es­co­la de En­ge­nhei­ros da Uni­
divulgação

ver­si­da­de de Pa­ris, em­bo­ra com ape­nas 29


anos de ida­de Be­la­tre­che acu­mu­la al­guns
anos de ex­pe­riên­cia como pes­qui­sa­dor em
Meh­di-Jean im­por­tan­tes ins­ti­tui­ções de seu país na­tal e
dos Es­ta­dos Uni­dos, onde ob­te­ve mes­tra­do
Be­la­tre­che, em En­ge­nha­ria de Po­lí­me­ros pela Uni­ver­si­
da­de de Akron, em Cle­ve­land, Ohio.
engenheiro de Nes­ta en­tre­vis­ta a Emb ­ al­ ag
­ em­Marc ­ a,
Be­la­tre­che aponta al­guns entraves dos re­gu­
desenvolvimento de la­men­tos es­ta­be­le­ci­dos pela União Eu­ro­péia
aos quais, na opi­nião da re­da­ção, os in­te­res­
embalagens (entre outros sa­dos em co­lo­car seus pro­du­tos nos paí­ses
do blo­co devem ficar de olho. Na­tu­ral­men­
títulos), aponta algumas te, o es­pa­ço aqui dis­po­ní­vel não é su­fi­cien­te
para es­cla­re­cer to­das as dú­vi­das. Mas, como
sutilezas de diretivas ob­ser­va o en­tre­vis­ta­do, “o téc­ni­co de em­ba­
la­gem nun­ca pode dei­xar de se atua­li­zar”.
adotadas pela União Os in­te­res­sa­dos em ob­ter in­for­ma­ções mais
am­plas so­bre o as­sun­to de­vem di­ri­gir-se
Européia que podem di­re­ta­men­te a ele, pelo e-mail mjeanb2b@
ya­hoo.com ou pelo te­le­fo­ne (49) 566-6965.
dificultar e até impedir
Na sua opi­nião, o ex­por­ta­dor bra­si­lei­ro
exportações para países
está pre­pa­ra­do para ex­por­tar para o mer­
do Velho Continente ca­do eu­ro­peu?
O pro­ble­ma é que exis­tem mui­tas es­pe­ci­fi­

8 – embalagemmarca • mai 2003


ci­da­des no pro­ces­so de ex­por­ta­ção. Mui­ as nor­mas sem com­preen­der o pro­ces­so
tos já de­vem ter se per­gun­ta­do coi­sas po­lí­ti­co Eu­ro­peu cer­ta­men­te es­ta­rá mui­to
como “Pos­so usar o mo­nô­me­ro ca­pro­lac­ sus­ce­tí­vel a fa­lhas. A es­tru­tu­ra é mui­to
tam para acon­di­cio­nar pro­du­tos ali­men­tí­ com­ple­xa. O cor­po le­gis­la­ti­vo é cons­ti­tuí­
cios des­ti­na­dos à ex­por­ta­ção para a Eu­ro­ do de três ór­gãos: o Con­se­lho Eu­ro­peu, a
pa?”, ou “Pos­so usar pa­pel la­mi­na­do com Co­mis­são Eu­ro­péia e o Par­la­men­to Eu­ro­
po­lie­ti­le­no para o mer­ca­do Eu­ro­peu?”. Os peu. O Con­se­lho Eu­ro­peu é com­pos­to por
pró­prios eu­ro­peus en­con­tram di­fi­cul­da­de quin­ze paí­ses e seus res­pec­ti­vos re­pre­sen­
para ob­ter res­pos­tas a per­gun­tas sim­ples tan­tes ofi­ciais. Eles es­co­lhem a equi­pe da
como es­tas. Co­mis­são Eu­ro­péia, cuja mis­são é
ela­bo­rar as leis. O tra­ba­lho da Co­mis­
Por quê? O técnico de são é re­vi­sa­do pe­los mem­bros elei­tos
Há prin­ci­pal­men­te duas ra­zões. Pri­ embalagem que do Par­la­men­to Eu­ro­peu, que dão um
mei­ro, é im­pos­sí­vel para o le­gis­la­dor pa­re­cer. A de­ci­são fi­nal so­bre a le­gis­
for­ne­cer res­pos­tas de­ta­lha­das para
tentar analisar as la­ção pas­sa sem­pre pelo Con­se­lho
ques­tões que con­ti­nua­men­te en­vol­ normas sem com- Eu­ro­peu.
vem no­vos ma­te­riais, no­vas tec­no­lo­ preender o proces- Des­de 1992, com o Tra­ta­do de Maas­
gias e no­vas apli­ca­ções. A União
so político europeu tricht, a UE tem pro­cu­ra­do har­mo­ni­
Eu­ro­péia tem en­tão ado­ta­do, como o zar as re­gu­la­men­ta­ções lo­cais atra­vés
FDA nos Es­ta­dos Uni­dos, uma abor­ certamente estará das cha­ma­das “Di­re­ti­vas” do Con­se­
da­gem sis­tê­mi­ca: al­guns cri­té­rios muito suscetível a lho Eu­ro­peu. Cabe, con­tu­do, a cada
ge­rais são apli­ca­dos para toda a
falhas. O Conselho país bus­car a me­lhor ma­nei­ra de
in­dús­tria de em­ba­la­gem. O se­gun­do adap­tar as re­gu­la­men­ta­ções lo­cais às
mo­ti­vo é que, di­fe­ren­te­men­te dos Europeu é compos- exi­gên­cias des­sas di­re­ti­vas.
Es­ta­dos Uni­dos, onde o FDA é um to por represen-
ór­gão do go­ver­no e tem po­der le­gal tantes de quinze Quais são as Di­re­ti­vas que afe­tam
para re­gu­la­men­tar a in­dús­tria de ali­ mais di­re­ta­men­te o se­tor de em­ba­la­
men­tos e me­di­ca­men­tos, na Eu­ro­pa países gens?
a le­gis­la­ção é um pro­ces­so po­lí­ti­co Hoje exis­tem três prin­ci­pais: a
que en­vol­ve quin­ze paí­ses, além do “Ma­te­rials in Di­rect Con­tact with
fu­tu­ro in­gres­so de mais tre­ze. Foods­tuff” [Ma­te­riais em Con­ta­to Di­re­to
com Ali­men­tos] (89/109/EEC), a “Pac­ka­
Como se orien­tar num ce­ná­rio des­ses? ging and Pac­ka­ging Was­te” [Em­ba­la­gem e
O téc­ni­co de em­ba­la­gem que ten­ta ana­li­sar Des­car­te de Em­ba­la­gens] (94/62/EC) e a

mai 2003 • embalagemmarca – 9


“La­bel­ling Di­rec­ti­ve” (2000/13/EC) [Di­re­ ser en­via­da para um dos mui­tos la­bo­ra­tó­rios
ti­va so­bre Ro­tu­la­gem]. Esta úl­ti­ma ain­da cer­ti­fi­ca­dos na UE, onde tes­tes são rea­li­za­
está em dis­cus­são, ain­da não ul­tra­pas­sou dos de acor­do com a nor­ma e a apro­va­ção
as leis na­cio­nais, mas in­for­ma­ções so­bre cer­ti­fi­ca­da. As aná­li­ses são ca­ras, por­que os
ela po­dem ser fa­cil­men­te ob­ti­das com tes­tes são al­ta­men­te téc­ni­cos e de­mo­ra­dos.
clien­tes eu­ro­peus. No mí­ni­mo, dois me­ses. No fu­tu­ro, mo­de­los
A 89/109/EEC é a di­re­ti­va su­por­te, com­pos­ de si­mu­la­ção po­de­rão tra­zer uma so­lu­ção
ta por vá­rias ou­tras di­re­ti­vas so­bre di­ver­sos efi­cien­te em ter­mos de cus­to e tem­po.
ma­te­riais. Até hoje, só a di­re­ti­va “Mo­nô­me­
ros” (90/128/EEC) foi ado­ta­da. A 89/109/ E como se ade­quar à nor­ma so­bre Em­ba­
EEC pos­sui dois prin­cí­pios fun­da­men­tais (o la­gens e Des­car­te de Em­ba­la­gens?
da Iner­ti­vi­da­de e o da Lis­ta Po­si­ti­va), e três O ob­je­ti­vo da di­re­ti­va 94/62/EC é mi­ni­mi­
cri­té­rios (o li­mi­te de mi­gra­ção es­pe­cí­fi­ca, zar o im­pac­to dos re­sí­duos só­li­dos ge­ra­dos
SML, a quan­ti­da­de má­xi­ma, QM, e o li­mi­te por em­ba­la­gens no meio am­bien­te. A nor­
de mi­gra­ção to­tal, re­le­van­te ape­nas para ma “guar­da chu­va”, a EN13427:2000,
plás­ti­cos). ela­bo­ra­da pela CEN, in­di­ca como
A Lis­ta Po­si­ti­va é uma lis­ta de ma­te­ obe­de­cer às di­re­ti­vas. Ela de­fi­ne que
riais de uso per­mi­ti­do para em­ba­la­ Exceto nos a ava­lia­ção deve ser con­du­zi­da em
gens de ali­men­tos com al­gu­mas toda a ca­deia de em­ba­la­gem, e es­ta­
casos de metais
res­tri­ções cons­ti­tuí­das pe­los cri­té­ be­le­ce três prin­cí­pios de ação: pre­
rios SML e QM. Ape­nas ma­te­riais pesados e substân- ven­ção, reu­ti­li­za­ção e re­cu­pe­ra­ção.
des­sa lis­ta po­dem ser usa­dos. Pro­var cias nocivas, a aval- Os re­que­ri­men­tos es­sen­ciais es­tão
que o ma­te­rial re­pre­sen­ta ris­co para iação no tocante às re­la­cio­na­dos à re­du­ção de re­sí­duos
saú­de hu­ma­na tem se mos­tra­do um atra­vés da di­mi­nui­ção do peso e/ou
de­sa­fio mui­to di­fí­cil e é fon­te de restrições ambien- do vo­lu­me das em­ba­la­gens (Nor­ma
di­vi­são na co­mu­ni­da­de cien­ti­fi­ca. tais são do tipo EN13428:2000), à mi­ni­mi­za­ção da
Como re­sul­ta­do, hoje não há um “faça você mesmo”. pre­sen­ça de subs­tân­cias con­si­de­ra­
úni­co ma­te­rial que es­te­ja har­mo­ni­ das no­ci­vas ou pe­ri­go­sas (Nor­ma
za­do. Ou seja, uma subs­tân­cia pode
Uma abordagem EN 13428:2000 e CR13695-1:2002
ser usa­da num país eu­ro­peu e ba­ni­da mais específica não & CR13695-2:2002), à na­tu­re­za e às
em ou­tro. A lis­ta po­si­ti­va exis­te para atenderia à diversi- con­di­ções para que a em­ba­la­gem
mo­nô­me­ros, em­bo­ra não para adi­ti­ seja reu­ti­li­za­da (Nor­ma: EN13429:
vos, mas pra­ti­ca­men­te ne­nhum po­lí­
dade da indústria 2000) e à re­cu­pe­ra­ção da em­ba­la­
me­ro co­mer­cial é li­vre de adi­ti­vos. de embalagem gem atra­vés da re­ci­cla­gem, da com­
Ou­tros ma­te­riais ain­da não fo­ram pos­ta­gem e/ou da re­cu­pe­ra­ção de
abor­da­dos: elas­tô­me­ros, ce­lo­fa­ne, ener­gia (Nor­ma: Ma­te­rial EN13430:
bor­ra­cha, pro­du­tos que não são ex­clu­si­va­ 2000, Energy EN13431:2000, Or­ga­nic
men­te fei­tos de plás­ti­cos (como pa­pel car­ EN13432:2000). Ob­ser­ve que as subs­tân­
tão re­ves­ti­do com PE), re­ves­ti­men­tos, re­si­ cias no­ci­vas e pe­ri­go­sas são re­la­cio­na­das
na de tro­ca iô­ni­ca, si­li­co­nes etc. Exis­tem ao meio am­bien­te, não à saú­de hu­ma­na.
ou­tras di­re­ti­vas que abor­dam al­guns ou­tros
ma­te­riais. Por exem­plo, exis­te uma di­re­ti­ Quais os cri­té­rios para ava­liar?
va que abran­ge ape­nas pa­pel de ce­lu­lo­se A me­to­do­lo­gia é ba­sea­da no prin­cí­pio de
sem re­ves­ti­men­to ou re­ves­ti­do com me­nos auto-ava­lia­ção, do tipo “faça você mes­
de 50 mg/dm2 de ver­niz. Esta é a ra­zão mo”, ex­ce­to nos ca­sos de me­tais pe­sa­dos e
pela qual não exis­te pa­pel car­tão re­ves­ti­do subs­tân­cias no­ci­vas. Uma abor­da­gem mais
com po­lie­ti­le­no no mer­ca­do eu­ro­peu. es­pe­cí­fi­ca não po­de­ria aten­der à di­ver­si­da­
de da in­dús­tria de em­ba­la­gens, nem as­se­
Como mos­trar obe­diên­cia a essa nor­ gu­rar que os pa­drões es­ta­be­le­ci­dos não
ma? im­pe­dis­sem o con­tí­nuo de­sen­vol­vi­men­to
Fe­liz­men­te, aten­der à nor­ma é fá­cil e não des­sa in­dús­tria. O pro­ce­di­men­to de auto-
exi­ge que o usuá­rio tra­te de to­dos os as­sun­ ava­lia­ção pode ser pron­ta­men­te im­plan­ta­
tos an­te­rio­res. A em­ba­la­gem fi­nal va­zia deve do atra­vés de nor­mas como a ISO 9000 e

10 – embalagemmarca • mai 2003


ISO 14000. Deve-se ava­liar se todo o sis­ re­ci­cla­gem de 45%, e para cada ma­te­rial
te­ma de em­ba­la­gem obe­de­ce às nor­mas, uma taxa de re­ci­cla­gem mí­ni­ma de 25%.
da em­ba­la­gem pri­má­ria ao fil­me que
en­vol­ve o pa­le­te. Mas es­tão sen­do, efe­ti­va­men­te, en­con­tra­
dos pro­ble­mas le­gais nas ex­por­ta­ções para
O que, nes­sa di­re­ti­va, afe­ta o ex­por­ta­ a União Européia?
dor? Se es­ses pro­ble­mas ain­da não exis­tem,
Pri­mei­ra­men­te, deve-se bus­car uma re­du­ cer­ta­men­te exis­ti­rão no fu­tu­ro. Pos­si­vel­
ção na ori­gem. Quan­do isso não for pos­sí­ men­te já em 2004, pois as nor­mas re­la­cio­
vel, deve-se pro­var que a em­ba­la­gem não na­das à 94/62/EC es­ta­vam pro­gra­ma­das
pode ser re­du­zi­da em vo­lu­me ou peso sem para ser pu­bli­ca­das em abril. Este é o si­nal
que haja com­pro­me­ti­men­to da sua per­for­ que a maio­ria dos paí­ses eu­ro­peus es­tão
man­ce em ter­mos de pro­te­ção do pro­du­to, aguar­dan­do para ini­ciar a fis­ca­li­za­ção da
do pro­ces­so de pro­du­ção da em­ba­la­gem, di­re­ti­va. Ape­nas a Fran­ça e o Rei­no Uni­do
do pro­ces­so de en­chi­men­to, da lo­gís­ti­ca, já es­tão agin­do. Vale a pena lem­brar que a
da apre­sen­ta­ção do pro­du­to e do re­gu­la­men­ta­ção le­vou dez anos para
mar­ke­ting, da acei­ta­ção do con­su­ ser cria­da e fis­ca­li­za­da em quin­ze
mi­dor, da in­for­ma­ção, da se­gu­ran­ça Se um produ- paí­ses. Como o pro­ces­so de har­mo­
e da le­gis­la­ção, en­tre ou­tros: no to é vendido ou ni­za­ção ain­da está em an­da­men­to e
mí­ni­mo um cri­té­rio crí­ti­co ou área as le­gis­la­ções na­cio­nais con­ti­nuam
deve ser iden­ti­fi­ca­do.
manufaturado num re­le­van­tes na maio­ria dos ca­sos, uti­
país europeu, os li­za-se o prin­cí­pio de “re­co­nhe­ci­
Em que pé está a ques­tão da reu­ti­ outros países men­to mú­tuo”, que eli­mi­na a ne­ces­
li­za­ção das em­ba­la­gens? si­da­de de que se fa­bri­que um pro­du­
devem mostrar
Esta é uma de­ci­são op­cio­nal, ba­sea­ to di­fe­ren­te para cada país da UE e
da ge­ral­men­te na de­man­da de mer­ sérias razões para im­pe­de que os paí­ses da UE uti­li­
ca­do, no be­ne­fí­cio ao meio am­bien­ bani-lo. Um produto zem suas le­gis­la­ções como bar­rei­ras
te e à eco­no­mia. Se o reu­so for co­mer­ciais.
brasil não pode se
ado­ta­do, deve-se pro­vi­den­ciar a
de­mons­tra­ção de que a em­ba­la­gem beneficiar com O se­nhor po­de­ria ci­tar um exem­plo
é ade­qua­da para um de­ter­mi­na­do esse princípio, mas de como isso fun­cio­na na prá­ti­ca?
nú­me­ro de ci­clos, e que exis­te um a exportação pode O ve­re­dic­to dado pela cor­te de jus­ti­ça
sis­te­ma onde o reu­so pode ser aten­ em 1979 no caso “Cas­sis de Di­jon”
di­do com se­gu­ran­ça para o pro­du­to
ser facilitada criou uma ju­ris­pru­dên­cia. O “Cas­sis
e para os en­vol­vi­dos no pro­ces­so. de Di­jon”, ori­gi­ná­rio da Fran­ça, foi
ba­ni­do da Ale­ma­nha Orien­tal por­que
Além de reu­ti­li­za­ção, re­du­ção e re­ci­cla­ seu con­teú­do al­coó­li­co es­ta­va abai­xo do
gem, as em­ba­la­gens têm ago­ra de aten­der mí­ni­mo au­to­ri­za­do para li­co­res. Po­rém, se
a uma nova fun­ção: re­cu­pe­ra­ção. O que um pro­du­to é ven­di­do ou ma­nu­fa­tu­ra­do em
se deve en­ten­der por isso? um país eu­ro­peu, os ou­tros paí­ses de­vem
No fi­nal da vida fun­cio­nal, os com­po­nen­ mos­trar sé­rias ra­zões, como ris­cos para a
tes da em­ba­la­gem de­vem ser ca­pa­zes de saú­de, para ba­nir esse pro­du­to sem ser con­
ser re­cu­pe­ra­dos. A di­re­ti­va iden­ti­fi­ca três de­na­do pela cor­te de jus­ti­ça. Um pro­du­to
ro­tas bá­si­cas para essa re­cu­pe­ra­ção: a re­ci­ fa­bri­ca­do no Bra­sil não pode se be­ne­fi­ciar
cla­gem, a re­cu­pe­ra­ção or­gâ­ni­ca e a re­cu­ com esse prin­cí­pio, mas a ex­por­ta­ção para a
pe­ra­ção de ener­gia. A di­re­ti­va 94/62/EC UE pode ser in­di­re­ta­men­te fa­ci­li­ta­da. Aten­
exi­ge dos go­ver­nos a im­plan­ta­ção de sis­te­ der à le­gis­la­ção na­cio­nal de um país da UE
mas para co­le­ta de em­ba­la­gens usa­das co­nhe­ci­do por ser ri­go­ro­so nas suas fis­ca­li­
para aten­di­men­to das me­tas de re­cu­pe­ra­ za­ções, como o Rei­no Uni­do ou a Fran­ça, é
ção e de re­ci­cla­gem. Es­sas me­tas de­vem uma es­tra­té­gia que mi­ni­mi­za o ris­co. Note
ser re­vi­sa­das este ano pelo Con­se­lho Eu­ro­ que cum­prir a le­gis­la­ção na­cio­nal de um
peu. Um ce­ná­rio de me­tas pos­sí­vel é uma país da UE au­to­ma­ti­ca­men­te in­duz ao cum­
taxa de re­cu­pe­ra­ção de 65%, uma taxa de pri­men­to da le­gis­la­ção da UE.

mai 2003 • embalagemmarca – 11


nichos

Verdes em alta
Pro­du­tos or­gâ­ni­cos mo­vi­men­tam va­re­jo e se­tor de em­ba­la­gens
Por Guilherme Kamio

E
les cons­ti­tuem um mer­ca­do que Box Print Gru­po­graf
com cer­ti­fi­ca­ção de todo o pro­ces­so e, por
ain­da en­ga­ti­nha no Bra­sil, mas (11) 5579-9275 úl­ti­mo, mas não me­nos im­por­tan­te, pe­los
www.box­print.com.br cus­tos maio­res com em­ba­la­gem. Ocor­re
que já dá bons in­dí­cios de que
pode se tor­nar um el­do­ra­do para Bras­plast que os pro­du­tos or­gâ­ni­cos pre­ci­sam se
a in­dús­tria. São os pro­du­tos (49) 321-2900 apre­sen­tar de modo des­ta­ca­do no va­re­jo,
www.bras­plast.com.br para evi­den­ciar os seus di­fe­ren­ciais e
or­gâ­ni­cos, ali­men­tos e be­bi­das li­vres de
agro­tó­xi­cos e de ou­tros adi­ti­vos quí­mi­cos, Cis­per su­prir o pou­co fô­le­go em mí­dia, já que
pro­du­zi­dos a par­tir de um ma­ne­jo agrí­co­la (11) 6542-8000 mui­tos são ob­ti­dos atra­vés de con­gre­ga­
www.cis­per.com.br ções de mé­dios e pe­que­nos pro­du­to­res.
equi­li­bra­do, que bus­ca pre­ser­var ao má­xi­mo
o am­bien­te. O seg­men­to vem re­gis­tran­do Coo­per­cel-Ce­lo­sul Ade­mais, eles ne­ces­si­tam es­ten­der sua
cres­ci­men­to mé­dio de 50% nos úl­ti­mos dois (11) 6546-4224 fi­lo­so­fia tam­bém à em­ba­la­gem. “O con­su­
www.coo­per­cel.com.br
anos no país e, se­gun­do es­ti­ma­ti­va do Cen­tro mi­dor de or­gâ­ni­cos va­loriza a mar­ca que se
de Co­mér­cio In­ter­na­cio­nal (ITC), pro­me­te Ita­pa­gé mos­tra preo­cu­pa­da com toda a ca­deia de
mo­vi­men­tar mun­dial­men­te a gor­da quan­tia (11) 6412-2028 pro­du­ção, des­de a ma­té­ria-pri­ma até o
www.ita­pa­ge.com
de 40 bi­lhões de dó­la­res em 2004. acon­di­cio­na­men­to dos pro­du­tos”, ex­pli­ca
Tra­ta-se de um ni­cho de pro­du­tos Nova Pack An­dré Es­trel­la, ge­ren­te de mar­ke­ting da
no­bres por ex­ce­lên­cia, com­pos­to por itens (47) 644-3931 Wes­sa­nen do Bra­sil, que atua no fi­lão com
em mé­dia 30% mais ca­ros que os con­ven­ Pa­pi­rus
a li­nha de su­cos or­gâ­ni­cos Ma­raú.
cio­nais “ana­bo­li­za­dos”, mas pe­los quais (11) 5090-3913
cada vez mais con­su­mi­do­res se dis­põem a www.pa­pi­rus-e.com.br Sem si­mi­lar
de­sem­bol­sar mais para levá-los – o que Plas­zom Para a Or­ga­ni­za­ção Bal­bo, que ad­mi­nis­tra a
não é sur­pre­sa num ce­ná­rio em que exi­ (48) 461-0155 chan­ce­la Na­ti­ve de pro­du­tos or­gâ­ni­cos, esse
www.plas­zom.com.br com­pro­mis­so ren­deu uma boa aven­tu­ra. Na
gên­cia por se­gu­ran­ça ali­men­tar, me­lhor
qua­li­da­de de vida e pro­du­tos eco­lo­gi­ca­ Ri­pa­sa oca­sião do lan­ça­men­to do açú­car Na­ti­ve, o
men­te cor­re­tos se in­ten­si­fi­ca. 0800 113257 or­gâ­ni­co pri­mo­gê­ni­to da em­pre­sa, de­ci­diu-
www.ri­pa­sa.com.br se pelo seu acon­di­cio­na­men­to em um atra­ti­
Esse pre­ço maior dos or­gâ­ni­cos se dá,
en­tre ou­tros fa­to­res, pela es­ca­la re­du­zi­da Te­tra Pak vo car­tu­cho de pa­pel-car­tão com topo do
de pro­du­ção, pe­los gas­tos obri­ga­tó­rios (11) 5501-3200 tipo ga­ble top e ja­ne­la trans­pa­ren­te para a
www.te­tra­pak.com.br
vi­sua­li­za­ção do pro­du­to na par­te fron­tal.
UCB Films Pro­ble­ma: a em­pre­sa não en­con­tra­va uma
(11) 3038-0810 má­qui­na de em­pa­co­ta­men­to que pro­ces­sas­
www.ucb-group.com
se ade­qua­da­men­te tal em­ba­la­gem. A so­lu­
Wessanen ataca
o filão com a linha de ção só veio com a aju­da da ar­gen­ti­na Mai­
sucos orgânicos da nar, que se dis­pôs a cons­truir um equi­pa­
marca Maraú men­to ex­clu­si­vo para a em­pre­sa, “sem
si­mi­lar no mun­do”, se­gun­do o ge­ren­te de
ne­gó­cios da Na­ti­ve, Hé­lio da Sil­va.
Ou­tro pon­to in­te­res­san­te é que os car­tu­
chos do açú­car, feitos pela Box Print Gru­
po­graf, ti­nham no iní­cio ja­ne­las em fil­me
de PP, pois ha­via cer­ta di­fi­cul­da­de em se
en­con­trar for­ne­ce­do­res de pa­pel ce­lo­fa­ne,
ma­te­rial de­se­ja­do pela Na­ti­ve pelo for­te
ape­lo eco­ló­gi­co. Para ale­gria da em­pre­sa, a
subs­ti­tui­ção viabilizou-se ra­pi­da­men­te.

lagemmarca • mai 2003


Linha da Native
Esse tipo de em­pe­nho, diz Sil­va, vem
já está presente em 2
sen­do cru­cial no su­ces­so da mar­ca, hoje 000 lojas no país
pre­sen­te em 2 000 lo­jas no país e com ven­
das au­men­tan­do a ta­xas de 30% a 40% ao
ano. “As nos­sas em­ba­la­gens se tor­na­ram a
nos­sa cara”, ele afir­ma. No iní­cio só com
açú­car or­gâ­ni­co, a Na­ti­ve apa­dri­nha hoje
ca­fés e su­cos, e pre­pa­ra a es­tréia no mer­
ca­do na­cio­nal, ain­da este ano, de sua
ca­cha­ça or­gâ­ni­ca, já lan­ça­da na Ale­ma­nha,
e de mais sa­bo­res de su­cos.
Quem tam­bém co­lhe bons fru­tos na
sea­ra or­gâ­ni­ca é a ca­ta­ri­nen­se Nar­del­li,
que co­me­çou com ar­ro­z e já am­pliou seu
mix com ge­léias e le­gu­mes em con­ser­va.
A em­pre­sa co­mer­cia­li­za seu “ar­ro­z eco­ló­
gi­co”, como de­fi­ne seu pre­si­den­te, Al­ber­to
Nar­del­li, em pa­co­tes de po­lie­ti­le­no for­ne­
ci­dos pela Bras­plast e pela Plas­zom. Lan­
çou es­te ano uma ver­são de ar­roz par­boi­li­
za­do em­ba­la­do a vá­cuo, pro­te­gi­do por
car­tu­chos de pa­pel-car­tão comercializa­dos
pela Nova Pack. “Acre­di­ta­mos que a
im­por­tân­cia da em­ba­la­gem au­men­ta na
co­mer­cia­li­za­ção de or­gâ­ni­cos, por isso
te­mos um pro­je­to fu­tu­ro para uti­li­zar­mos
so­men­te em­ba­la­gens re­ci­cla­das”, adian­ta
Nar­del­li.

Como no passado
To­das as ver­sões de ar­ro­z or­gâ­ni­co Nar­
del­li são iden­ti­fi­ca­das pela pre­sen­ça de
uma gran­de fo­lha es­ti­li­za­da na par­te fron­
tal da em­ba­la­gem. Há ain­da uma tex­tu­ra
em se­gun­do pla­no que alu­de a um saco de
ania­gem, recurso de de­sign que vai se tor­
nan­do habitual em pro­du­tos or­gâ­ni­cos: o
uso de sig­nos ou mes­mo de em­ba­la­gens
que re­me­tam ao pas­sa­do, quan­do pro­du­tos Nardelli aumentou seu
mix de produtos para o
eram li­vres de agro­tó­xi­cos e de ou­tras segmento
agres­sões quí­mi­cas da alta in­dus­tria­li­za­
ção. Essa postura é se­gui­da pela Na­ti­ve,
que em­pa­co­ta seu Café Or­gâ­ni­co Tor­ra­do
em Grãos em um saco de pa­pel kraft,
“como se fa­zia an­ti­ga­men­te, na épo­ca das
ven­das a gra­nel”, en­fa­ti­za Hé­lio da Sil­va.
Essa ma­ra­to­na atrás de apre­sen­ta­ções
que de­no­tem preo­cu­pa­ção am­bien­tal vem
ge­ran­do con­tra­par­ti­das dos for­ne­ce­do­res de
em­ba­la­gem. A in­dús­tria de ma­te­riais ce­lu­
ló­si­cos, por exem­plo, in­ten­si­fi­ca o ape­lo
eco­ló­gi­co de seus pro­du­tos com li­nhas
es­pe­cí­fi­cas. Um deles: a Ri­pa­sa des­ta­ca a
li­nha Eco­pack, pa­pel-car­tão du­plex com
fren­te re­ves­ti­da com ce­lu­lo­se bran­quea­da e pro­du­to, a Ita­pa­gé criou um selo de qua­li­
mio­lo e ver­so com ma­te­riais re­ci­cla­dos. da­de – si­mi­lar ao cria­do pela Cam­pa­nha
A em­pre­sa de­sen­vol­veu tam­bém uma Pa­pel­car­tão pro­mo­vi­da pela As­so­cia­ção
va­rian­te de sua tec­no­lo­gia de re­ves­ti­men­to Bra­si­lei­ra de Ce­lu­lo­se e Pa­pel (Bra­cel­pa) e
de car­tões com ex­tru­são na ori­gem (o PEX), que já es­tam­pa uma boa quan­ti­da­de de
ba­sea­da em po­lí­me­ros bio­de­gra­dá­veis. “O car­tu­chos no mer­ca­do.
pro­ces­so, que já vem sen­do cha­ma­do por
nós de Bio­PEX, é mais cus­to­so, já que o Além dos car­tões
plás­ti­co es­pe­cial é im­por­ta­do, mas acre­di­ta­ Pre­sen­te na em­ba­la­gem do já ci­ta­do açú­
mos que sur­ja um bom nú­me­ro de in­te­res­sa­ Selos da Bracelpa car Na­ti­ve, o ce­lo­fa­ne pode ser uma al­ter­
dos”, co­men­ta As­sun­ta Na­po­li­ta­no Ca­mi­lo, (em cima) e do cartão na­ti­va para pro­du­tos or­gâ­ni­cos, por ser
de bambu: apelo
ge­ren­te de de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­tos e bio­de­gra­dá­vel, com­pos­tá­vel e ob­ti­do a
ecológico
mar­ke­ting da Ri­pa­sa Em­ba­la­gens. par­tir de re­cur­sos na­tu­rais re­no­vá­veis.
Na área de pa­pel-car­tão tam­bém me­re­ Ademais, es­ses atri­bu­tos so­ma­m-se às
cem des­ta­que os tra­ba­lhos da Pa­pi­rus, que ca­pa­ci­da­des de bar­rei­ra do fil­me de ce­lu­
igual­men­te pos­sui li­nhas de car­tões com lo­se (veja Emb ­ al
­ ag
­ em­Marc ­ a 44). A bel­
base em ma­te­rial re­ci­cla­do, e da Ita­pa­gé, ga UCB co­mer­cia­li­za so­lu­ções so­fis­ti­ca­
que uti­li­za o bam­bu como ma­té­ria-pri­ma das em ce­lo­fa­ne no país, e a úni­ca in­dús­
para a sua pro­du­ção. Para pro­mo­ver seu tria na­cio­nal do ma­te­rial, a Coo­per­cel-Ce­
lo­sul, já si­na­li­za o in­te­res­se de fa­bri­can­tes
de or­gâ­ni­cos pelo seu pro­du­to.
Sem ró­tu­lo, mul­ta para trans­gê­ni­co Certamente atentos à cres­cen­te im­por­tân­
Na con­tra­mão da onda or­gâ­ni­ca ção de Osi­res Lo­pes Neto, con­ cia dos pro­du­tos que ape­lam para o “mar­ke­
que se es­pa­lha pelo va­re­jo, os sul­tor ju­rí­di­co do Mi­nis­té­rio da
ting ver­de”, os demais se­to­res da in­dús­tria de
pro­du­tos trans­gê­ni­cos vêm ren­ Ciên­cia e Tec­no­lo­gia, pu­bli­ca­da
em­ba­la­gem tam­bém vêm pon­do seus ar­gu­
den­do po­lê­mi­cas. Uma in­tro­mis­ no Diá­rio do Co­mér­cio e da
são do go­ver­no no as­sun­to foi In­dús­tria, “te­mos mui­tos pro­du­
men­tos à mesa para ca­ti­var mais clien­tes. O
dado no fi­nal de abril, com a tos nas gôn­do­las dos su­per­mer­ vi­dro é um dos ma­te­riais que vêm fe­chan­do
pu­bli­ca­ção do de­cre­to no 4.680, ca­dos que são con­si­de­ra­dos no­vos con­tra­tos a par­tir de seus atri­bu­tos
que pre­vê a ro­tu­la­gem de ali­ trans­gê­ni­cos e o con­su­mi­dor pró-am­bien­tais. “A em­ba­la­gem que de­fi­ne a
men­tos que con­te­nham mais de não é co­mu­ni­ca­do”. O as­sun­to ca­te­go­ria de su­cos é a cai­xi­nha, mas op­ta­mos
1% de or­ga­nis­mos ge­ne­ti­ca­ cer­ta­men­te terá no­vos ca­pí­tu­ pelo vi­dro por ser 100% re­ci­clá­vel”, diz
men­te mo­di­fi­ca­dos (OGMs). los, já que o ín­di­ce es­ta­be­le­ci­do An­dré Es­trel­la, da Wes­sa­nen. A em­pre­sa lan­
Em­pre­sas que dei­xa­rem de de 1% ain­da po­de­rá ser mo­di­fi­ çou seu suco de la­ran­ja em gar­ra­fa da Cis­per,
ro­tu­lar seus trans­gê­ni­cos es­ta­ ca­do pela Co­mis­são Téc­ni­ca de de 1 li­tro, com ró­tu­lo de pa­pel. Dado seu
rão su­jei­tas a mul­tas a par­tir de Bios­se­gu­ran­ça (CTNBio), como êxito, a li­nha foi es­ten­di­da a no­vos sa­bo­res e
16 000 reais. Se­gun­do de­cla­ra­ pre­vê um ar­ti­go do de­cre­to.
a gar­ra­fas de vi­dro de 300ml.

14 – embalagemmarca • mai 2003


De­vi­do ao atri­bu­to pró-am­bien­tal, o
vi­dro tam­bém con­quis­tou a Na­ti­ve, que
acon­di­cio­na seu Café Or­gâ­ni­co So­lú­vel
Lio­fi­li­za­do em pote da Cis­per. O pro­du­to,
in­clu­si­ve, está ga­nhan­do pau­la­ti­na­men­te
mer­ca­dos in­ter­na­cio­nais com a mes­ma
em­ba­la­gem. Já para os su­cos or­gâ­ni­cos, a
em­pre­sa ado­tou as po­pu­la­res em­ba­la­gens
Te­tra Brik, da Te­tra Pak. O que pode pa­re­
cer um pa­ra­do­xo ao se­ve­ro com­pro­mis­so
am­bien­tal do pro­du­to, pela sa­bi­da des­van­
ta­gem das car­to­na­das as­sép­ti­cas em re­la­ção
ao vi­dro, é jus­ti­fi­ca­da por Hé­lio da Sil­va. Celofane tem es­ses pro­du­tos es­tão cada vez mais aces­sí­
características atra-
“A Te­tra Pak está fe­cha­da co­nos­co em uma entes para
veis. Para se ter idéia, o açú­car or­gâ­ni­co
par­ce­ria para a re­ci­cla­gem das em­ba­la­gens fabricantes de Na­ti­ve é hoje en­con­tra­do por um pre­ço
de nos­sos su­cos”, ele res­sal­ta. “E a for­ne­ce­ produtos orgânicos cer­ca de 40% me­nor que o da épo­ca de seu
do­ra está pro­mo­ven­do even­tos de cons­cien­ lan­ça­men­to. Com pre­ços ca­ma­ra­das, os
ti­za­ção am­bien­tal e pro­gra­mas de fo­men­to or­gâ­ni­cos ten­dem a ser ex­pe­ri­men­ta­dos
à co­le­ta des­sas em­ba­la­gens.” por mais pes­soas e me­nos con­fun­di­dos
O cer­to é que os pro­du­tos or­gâ­ni­cos com pro­du­tos ma­cro­bió­ti­cos, es­tig­ma­ti­za­
ten­dem a es­tar cada vez mais pre­sen­tes dos como ali­men­tos in­sí­pi­dos. “Acre­di­ta­
nos car­ri­nhos de com­pras do bra­si­lei­ro. Às mos que gra­da­ti­va­men­te o con­cei­to dos
em­ba­la­gens atraen­tes, que in­ques­tio­na­vel­ or­gâ­ni­cos será di­fun­di­do en­tre os con­su­
men­te aju­dam, soma-se o fato de que mi­do­res em ge­ral”, pre­vê Es­trel­la.
reportagem de capa

Sucos prontos para


N
o cen­tro das aten­ções
em tem­pos de po­lui­
ção, stress e fast-
foods, a pre­ Ape­lo por
fe­rên­cia por
há­bi­tos sau­dá­veis há mui­to se con­so­li­dou vida sau­dá­vel
como um ge­ra­dor de opor­tu­ni­da­des no uni­ mo­vi­men­ta
ver­so do va­re­jo e do con­su­mo. En­tre as
nu­me­ro­sas ca­te­go­rias que têm cres­ci­do mer­ca­do de
apoia­das no ape­lo do bem-vi­ver, pou­cas em­ba­la­gens
pa­re­cem con­cen­trar pers­pec­ti­vas tão fa­vo­
rá­veis quan­to o mer­ca­do de su­cos. Ain­da para su­cos
studio ag

que es­te­ja lon­ge de des­ban­car os re­fri­ge­ran­


Por Leandro Haberli
tes no ran­king de be­bi­das não-al­coó­li­cas, o
se­tor os­ten­ta ta­xas de cres­ci­men­to dig­nas
de fa­zer os fa­bri­can­tes sol­ta­rem ro­jões.
Ape­nas no ni­cho dos pron­tos para za­da por nú­me­ros tão ex­pres­si­vos, há mo­ti­
be­ber, para onde tem sido des­ti­na­da a vos para crer que os fa­bri­can­tes de pol­pas
maior par­te dos úl­ti­mos lan­ça­men­tos, es­ti­ con­ge­la­das, re­fres­cos em pó e su­cos con­
ma-se que o mer­ca­do bra­si­lei­ro de su­cos cen­tra­dos tam­bém vêm dei­tan­do e ro­lan­do.
mo­vi­men­te anual­men­te 170 mi­lhões de Para ci­tar um úni­co caso, em no­vem­bro do
li­tros, ou cer­ca de 480 mi­lhões de reais. A ano pas­sa­do a rede Pão de Açú­car che­gou a
ado­ci­ca­da eu­fo­ria que o seg­men­to atra­ves­ ven­der 40% a mais em com­pa­ra­ção com o
sa fica mais ní­ti­da com o con­fron­to en­tre mes­mo mês de 2001. O le­van­ta­men­to
es­ses nú­me­ros e os ba­lan­ços de anos an­te­ in­cluía to­dos os ti­pos de su­cos, in­clu­si­ve os
rio­res. De 1994 até hoje, por exem­plo, o or­gâ­ni­cos, pro­cu­ra­dos por cres­cen­te par­ce­la
cres­ci­men­to acu­mu­la­do da ca­te­go­ria é cal­ de con­su­mi­do­res (ver re­por­ta­gem na pági-
cu­la­do em mais de 1 200%. na 12).
Ain­da que a ex­pan­são dos de­mais seg­ “A ex­pan­são do mercado de su­cos re­fle­
men­tos do mer­ca­do de su­cos não seja ba­li­ te uma mu­dan­ça com­por­ta­men­tal dos con­

Facilidade de retampamento para toda a família


Uma das pioneiras no uso de cai­xi­ assépticas for­ne­ci­das pela Sig Com­ 2 li­tros no Bra­sil.
nhas lon­ga-vida para sucos, a marca bi­bloc. Além da pe­cu­lia­ri­da­de de não Ape­sar de atuar no mer­ca­do de food-
Izzy, atualmente controlada pela atuar com a Tetra Pak, a mar­ca Izzy ser­vi­ce, Gui­lher­me Rinz­ler, vice-pre­si­
empresa Pomar, é a úni­ca do segmen- pode ser con­si­de­ra­da pio­nei­ra na den­te da Po­mar, ex­pli­ca que essa
to que uti­li­za em­ba­la­gens car­to­na­das ado­ção de em­ba­la­gens lon­ga-vida de al­ter­na­ti­va de acon­di­cio­na­men­to é
vol­ta­da prin­ci­pal­men­te ao con­su­mo
do­més­ti­co. Além do vo­lu­me de 2
li­tros, as cai­xi­nhas dos su­cos Izzy
têm ca­pa­ci­da­de de 250 ml e 1 li­tro.
Em to­dos os ta­ma­nhos, as em­ba­la­
gens con­tam com as tam­pas com­bi­
Lift, que per­mi­tem re­tam­pa­men­to e
divulgação

dis­pen­sam ca­nu­dos e ob­je­tos cor­tan­


tes para abrir os pro­du­tos.

16 – embalagemmarca • mai 2003


gerar lucro

fotos: divulgação
Para a líder Del Valle, su­mi­do­res”, diz Mar­ce­lo Pas­sa­fa­ro, ge­ren­te
embalagem é a princi- de mar­ke­ting da Su­cos Del Val­le, em­pre­sa
pal ferramenta de divul- me­xi­ca­na que, há ape­nas qua­tro anos no
gação no mercado de
sucos Bra­sil, li­de­ra o mer­ca­do na­cio­nal, com 33%
de par­ti­ci­pa­ção.“No cen­tro des­sa ex­plo­são
de con­su­mo en­con­tra-se a cres­cen­te op­ção
das pes­soas pelo bem-es­tar”, acre­di­ta o exe­
cu­ti­vo.
In­cor­po­ra­da em ou­tros se­to­res do mer­
ca­do de be­bi­das, como no tam­bém atraen­te
fi­lão das be­bi­das à base de soja, a pre­di­le­
ção por pro­du­tos be­né­fi­cos não po­de­ria ser
mais ani­ma­do­ra para a ca­deia de em­ba­la­
gem. No caso dos su­cos de fru­ta, além do
cres­cen­te uso de car­to­na­das as­sép­ti­cas,
nota-se aber­tu­ra de no­vas fren­tes para os
for­ne­ce­do­res de la­tas de alu­mí­nio e gar­ra­fas
plás­ti­cas, nes­te caso com cris­ta­li­no ga­nho
de par­ti­ci­pa­ção do PET. E, sem­pre con­si­de­
ra­do um bom ma­te­rial para be­bi­das, o vi­dro
tam­bém está na bri­ga para se be­ne­fi­ciar do
Tradicional em con- in­cre­men­to das ven­das de su­cos no Bra­sil.
centrados, Maguary Co­me­di­da quan­to a gas­tos com pu­bli­ci­
investiu em cartona-
das para entrar no
movimentado
segmento de
prontos para beber
da­de, a pró­pria Del Val­le alar­deia es­tra­té­gia
ca­paz de jus­ti­fi­car boa par­te das pers­pec­ti­
vas que a ca­deia do pac­ka­ging vem de­po­si­
tan­do no se­tor. Além de de­fi­nir as em­ba­la­
gens como “a prin­ci­pal fer­ra­men­ta de di­vul­
ga­ção” de seus pro­du­tos no mer­ca­do bra­si­
lei­ro, o ge­ren­te de mar­ke­ting da com­pa­nhia
cre­di­ta à di­fe­ren­cia­ção nas gôn­do­las pa­pel
de­ci­si­vo na rá­pi­da as­cen­são da mar­ca na­cio­
nal­men­te.

Aposta na diferenciação
“Quan­do che­ga­mos no Bra­sil, o mer­ca­do
de su­cos pron­tos era mui­to res­tri­to às em­ba­
la­gens car­to­na­das que ne­ces­si­tam re­fri­ge­ra­ Vi­dro man­tém pre­sen­ça
ção”, diz Mar­ce­lo Pas­sa­fa­ro, re­fe­rin­do-se às Ape­sar de per­der es­pa­ço no da CIV. A em­ba­la­gem é pro­du­zi­
cai­xi­nhas com topo trian­gu­lar, tam­bém usa­ mer­ca­do de su­cos con­cen­tra­ da com uma tec­no­lo­gia co­nhe­
das para lác­teos. “Logo per­ce­be­mos que dos, a in­dús­tria vi­drei­ra tem ci­da como Nar­row Neck Press
te­ría­mos de bus­car algo di­fe­ren­te dis­so”. ob­ti­do êxi­tos na área de pron­ and Blow (NNPB). “Tra­ta-se de
Ape­sar de tal di­re­cio­na­men­to, a sub­si­diá­ria tos para be­ber. Re­cen­te­men­te, um pro­ces­so que re­duz o peso
bra­si­lei­ra não lan­çou mão de uma di­ver­si­ os âni­mos do se­tor fo­ram re­no­ da gar­ra­fa”, es­cla­re­ce Bur­gardt.
da­de de sis­te­mas de acon­di­cio­na­men­to tão va­dos com a en­tra­da em cena Ou­tro caso que ilus­tra a pre­
gran­de quan­to a ma­triz me­xi­ca­na, que atua, da ca­pi­xa­ba Su­cos Mais, que sen­ça do vi­dro em su­cos pron­
en­tre ou­tras em­ba­la­gens, com gar­ra­fas plás­ usa gar­ra­fas de vi­dro de 250ml, tos vem da Tial. Ain­da que
da Cis­per, além de car­to­na­das de­po­si­tan­do cada vez mais
ti­cas e de vi­dro.
da Te­tra Pak e la­tas de aço da fi­chas em car­to­na­das, como
No mer­ca­do na­cio­nal, a Del Val­le usa
Me­ta­lic. A em­pre­sa cons­ti­tui de­mons­tra o re­cen­te lan­ça­men­
car­to­na­das as­sép­ti­cas da Te­tra Pak (em ver­ hoje tal­vez o me­lhor exem­plo to de uma mul­ti­pack pro­mo­cio­
sões de 1 li­tro e de 200ml), e la­tas de alu­mí­ do po­ten­cial bra­si­lei­ro para nal con­ten­do seis cai­xi­nhas de
nio da Crown Cork. Es­tas em­ba­la­gens, por ven­da de su­cos. Cria­da no 200ml, a mar­ca man­tém as gar­
si­nal, aca­ba­ram de pas­sar por uma re­for­mu­ se­gun­do se­mes­tre de 2002, a ra­fas de vi­dro nos seus pla­nos.
la­ção grá­fi­ca, em­preen­di­da pela agên­cia mar­ca de­ve­rá fe­char o pri­mei­ro Tam­bém for­ne­ci­das pela Cis­per,
Pac­king. Mais va­ria­das do que as embala­ ano de ope­ra­ção fa­bri­can­do com ró­tu­los da Es­per e tam­pas
gens são as op­ções de sa­bo­res no port­fó­lio vo­lu­me mais de dez ve­zes da Whi­te Cap, as em­ba­la­gens
su­pe­rior aos 3 mi­lhões de li­tros es­tão pre­sen­tes em boa parte
pro­je­ta­dos ini­cial­men­te. da li­nha, in­clu­si­ve nas re­cém-
Com caixinhas difer- As gran­des pro­du­to­ras de cria­das ver­sões light. Há pou­co
enciadas e latas de vi­dro têm es­ta­do aten­tas a tais tem­po, aliás, as gar­ra­fas da Tial
alumínio, Parmalat ca­sos. Com qua­tro fá­bri­cas no ga­nha­ram um novo for­ma­to,
briga para expandir Nor­des­te do país, a CIV (Cia. mais alon­ga­do que o an­te­rior. O
participação da
In­dus­trial de Vi­dros) vem in­ves­ re­de­se­nho foi es­ten­di­do aos
marca Santàl
tin­do pro­gres­si­va­men­te no ró­tu­los, num pro­je­to de­sen­vol­
mer­ca­do de su­cos. Já con­tan­ vi­do pela agên­cia Art­fa­ce.
do com uma li­nha de gar­ra­fas
de 300 ml com boca lar­ga, que
é ex­por­ta­da para os Es­ta­dos
Uni­dos, acon­di­cio­nan­do pro­du­
tos como os su­cos Da­fru­ta e
Jan­daia, a em­pre­sa está lan­
çan­do uma em­ba­la­gem de
250ml, com tam­pa plás­ti­ca de
ros­ca. “A tex­tu­ra do vi­dro dá a
im­pres­são de que a gar­ra­fa
está ge­la­da”, diz Ana Bea­triz
Bur­gardt, ge­ren­te de mar­ke­ting

18 – embalagemmarca • mai 2003


bra­si­lei­ro: oito, numa di­ver­si­da­de vis­ta
como ou­tro fa­tor de­ter­mi­nan­te do cres­ci­
men­to da Del Val­le no país. “Aju­da­mos a
rom­per a cren­ça de que, quan­do o as­sun­to é
suco pron­to para be­ber, bra­si­lei­ro só gos­ta
de la­ran­ja”, ar­re­ma­ta Pas­sa­fa­ro.

Para beber fora de casa


Acen­tua­da pela cres­cen­te mo­vi­men­ta­ção
do mer­ca­do de su­cos, a que­bra de pa­ra­dig­
mas em bus­ca de maior par­ti­ci­pa­ção se
ma­ni­fes­ta na es­tra­té­gia de ou­tras em­pre­sas.
De­pois de cin­co dé­ca­das no seg­men­to de
su­cos con­cen­tra­dos, a tra­di­cio­nal Ma­guary, can­do a Ale­ma­nha, si­na­li­zou uma es­tra­té­gia
Pú­bli­co in­fan­til
mar­ca que aju­dou a as­so­ciar esse tipo de cada vez mais re­cor­ren­te no se­tor: a ofer­ta é cada vez mais
pro­du­to às gar­ra­fas de vi­dro, re­ce­beu no de su­cos para consumo fora de casa. “Num co­bi­ça­do no
fi­nal do ano pas­sa­do uma li­nha pron­ta para ce­ná­rio de cres­cen­te bus­ca por praticidade, mer­ca­do de su­cos.
Aci­ma, em­ba­la­gens
be­ber, tam­bém ven­di­da em em­ba­la­gens in­tro­du­zir a mar­ca Ma­guary no mer­ca­do de
da San­tàl im­pres­sas
car­to­na­das da Te­tra Pak. su­cos pron­tos para be­ber re­ve­lou-se es­sen­ com per­so­na­gens de
Com a me­di­da, a sub­si­diá­ria bra­si­lei­ra cial”, afir­ma An­dré Ver­cel­li, di­re­tor de de­se­nhos ani­ma­dos
da ame­ri­ca­na Kraft Foods, em­pre­sa con­tro­ be­bi­das da em­pre­sa.
la­do­ra da Ma­guary, e que re­cen­te­men­te Tam­bém se­den­ta por par­ti­ci­pa­ção no
as­su­miu o pos­to de maior ope­ra­do­ra de se­tor de pron­tos para be­ber, a Par­ma­lat aca­
be­bi­das do gru­po fora dos EUA, des­ban­ ba de en­gre­nar uma vul­to­sa cam­pa­nha com

mai 2003 • embalagemmarca – 19


o ob­je­ti­vo de for­ta­le­cer a mar­ca San­tàl. pron­tos. Ou­tro tru­que da em­pre­sa ita­lia­na
Ape­sar dos in­ves­ti­men­tos em pu­bli­ci­da­de, para ex­pan­dir a par­ti­ci­pa­ção da mar­ca San­
na parte de embalagem a em­pre­sa ita­lia­na tàl é aguar­da­do para bre­ve. Tra­ta-se do lan­
se­gue di­re­cio­na­men­to se­me­lhan­te ao da ça­men­to de su­cos e chás pron­tos para be­ber
me­xi­ca­na Del Val­le. “Com de­sign vivo e em la­tas de alu­mí­nio, que de­vem che­gar ao
for­ma­tos ex­clu­si­vos, as em­ba­la­gens pro­ta­ mer­ca­do es­tam­pan­do o mes­mo con­cei­to
go­ni­zam a nova es­tra­té­gia de di­vul­ga­ção da grá­fi­co das de­mais em­ba­la­gens.
li­nha San­tàl”, sin­te­ti­za Mar­tha Te­renz­zo, Por mais que a for­te pre­sen­ça da gi­gan­te
ge­ren­te exe­cu­ti­va de mar­ke­ting da uni­da­de sue­ca Te­tra Pak no mer­ca­do de su­cos pron­
de ne­gó­cios mer­cea­ria da Par­ma­lat. tos faça pre­su­mir uma cer­ta fal­ta de es­pa­ço
Por for­ma­to ex­clu­si­vo, Te­renz­zo re­fe­re- para so­lu­ções que di­fi­ram das cai­xi­nhas
se às em­ba­la­gens Te­tra Pris­ma Asep­tic, que lon­ga-vida, ou­tras em­pre­sas de em­ba­la­gem
apa­re­cem nas ver­sões de 1 li­tro dos su­cos e têm con­se­gui­do ti­rar bom pro­vei­to da es­ca­
chás ge­la­dos pron­tos para be­ber da San­tàl. la­da de ven­das des­se tipo de pro­du­to.
Iné­di­tas em tais ca­te­go­rias, es­sas em­ba­la­ De­pois de in­va­dir as gôn­do­las de con­cen­
gens tam­bém são for­ne­ci­das pela Te­tra Pak. tra­dos, be­ne­fi­cia­do pela mo­der­ni­za­ção dos
“Já o gra­fis­mo dos pro­du­tos faz com que as
gôn­do­las re­me­tam os con­su­mi­do­res a uma
fru­ta­ria”, con­si­de­ra Te­renz­zo, em re­fe­rên­cia
Tampa em lata e nova linha
ao tra­ba­lho da agên­cia 100% De­sign. Uma das pio­nei­ras do mo­vi­men­
Dei­xan­do para trás o tem­po em que ta­do mer­ca­do de pol­pas de fru­
tas con­ge­la­das, onde atua com
re­fres­cos para crian­ças eram si­nô­ni­mos de
la­tas de aço, ao con­trá­rio da
be­bi­das co­lo­ri­das ven­di­das em sim­pló­rias
maio­ria de seus con­cor­ren­tes,
em­ba­la­gens plás­ti­cas com for­ma­tos de
que uti­li­zam sa­cos de po­lie­ti­le­
au­to­mó­veis, re­vól­ve­res e ja­ca­rés, a Par­ma­ no (PE), a Glo­bal Su­cos, dona
lat tem in­ves­ti­do alto em li­cen­cia­men­to de da mar­ca Jal, tam­bém en­trou no
per­so­na­gens para sua li­nha in­fan­til de su­cos seg­men­to de pron­tos para
be­ber, ado­tan­do car­to­na­das
as­sép­ti­cas da Te­tra Pak. ci­das pela Bra­si­la­ta, as la­tas de
Dé­cio Fer­raz, di­re­tor-co­mer­cial aço con­tam ago­ra com um sis­
da em­pre­sa, afir­ma que a idéia é te­ma de fe­cha­men­to cria­do pela
al­can­çar 4% de par­ti­ci­pa­ção no Me­tal­grá­fi­ca Ren­ner. Re­gis­tra­da
mer­ca­do bra­si­lei­ro.Para atin­gir como Tam­pa Se­cu­rity, a so­lu­ção
essa meta, ele apon­ta a ne­ces­si­ é for­ma­da por uma mem­bra­na
da­de de es­ta­bi­li­za­ção do se­tor. de po­lie­ti­le­no (PE) que con­ta
“A onda de lan­ça­men­tos do úl­ti­ com anel me­tá­li­co e so­bre­tam­pa
mo ve­rão jo­gou os pre­ços para plás­ti­ca. “An­tes as la­tas dos
bai­xo”, ob­ser­va Fer­raz. Com a su­cos Jal ti­nham dois fun­dos
re­cu­pe­ra­ção das mar­gens, o re­cra­vá­veis”, diz Gil­mar Ro­cha,
di­re­tor da Glo­bal Su­cos afir­ma da área de mar­ke­ting da Ren­ner.
que a em­pre­sa terá mais con­di­ “Com o sis­te­ma Se­cu­rity, até as
PET cresce no
mercado de ções de in­ves­tir em em­ba­la­gens. crian­ças, que são gran­des con­
sucos, como Exem­plos des­se pa­no­ra­ma já se su­mi­do­ras de su­cos, con­se­
mostra a marca ma­ni­fes­tam na li­nha de pol­pas guem abrir e re­tam­par os pro­du­
Skinka, da con­ge­la­das, cu­jas em­ba­la­gens tos com gran­de fa­ci­li­da­de”.
Shincariol
re­ce­be­ram no­vas tam­pas. For­ne­

20 – embalagemmarca • mai 2003


100% De­sign
Em ró­tu­los, pre­do­mí­nio do BOPP (11) 3032-510
www.100por­cen­to.net
Com a am­plia­ção de mar­cas e ven­das, o de­co­ra­ção, o di­fe­ren­cial é o aca­ba­men­to
mer­ca­do de su­cos está se tor­nan­do mais me­ta­li­za­do dos fil­mes de BOPP. “So­mos um Al­coa
in­te­res­san­te para as em­pre­sas de ro­tu­la­ dos úni­cos com esse tipo de re­cur­so”, diz 0800-123727
gem. Nas gar­ra­fas plás­ti­cas, o ma­te­rial mais An­to­nio Ruet­te, di­re­tor da em­pre­sa. www.al­coa.com.br
uti­li­za­do pe­los con­su­mi­do­res é o BOPP. Ou­tro caso que com­pro­va a su­pre­ma­cia do
Art­fa­ce
“No ex­te­rior, o mer­ca­do de su­cos pre­fe­re BOPP no mer­ca­do de su­cos vem da li­nha (11) 5505-5236
slee­ves”, con­ta Ro­gé­rio de con­cen­tra­dos da San­
Bal­dauf, ge­ren­te co­mer­cial tàl, que usa ró­tu­los for­ne­ Be­ri­cap
(15) 235- 4500
da Kro­nes. “Mas no Bra­sil, ci­dos pela Za­ra­plast. Mas
o BOPP con­ti­nua mui­to há ex­ce­ções ao ma­te­rial, Bra­si­la­ta
for­te, be­ne­fi­cia­do pela como mos­tra o port­fó­lio (11) 3871-8500
pos­si­bi­li­da­de de aca­ba­ da con­ver­te­do­ra Es­per. www.bra­si­la­ta.com.br
men­tos di­fe­ren­cia­dos.” Es­pe­cia­li­za­da no ramo de
Cis­per
Exem­plo des­sa teo­ria pode em­ba­la­gens fle­xí­veis, a (11) 6542-8000
ser vis­to num dos no­vos em­pre­sa en­trou na área www.cis­per.com.br
pro­du­tos da Ge­nuí­na Lin­ de ro­tu­la­gem de­pois de
CIV – Cia. In­dus­trial de Vi­dros
do­ya, mar­ca de água mi­ne­ ter fei­to um acor­do es­tra­
(81) 3272-4418
ral que, de­pois de ter tido té­gi­co com a flu­mi­nen­se www.civ.com.br
su­ces­so em re­fres­cos em Tri­flex. No mer­ca­do de
pó, está en­tran­do no ni­cho su­cos, a Es­per for­ne­ce Con­ver­plast
(11) 6480-4477
de su­cos pron­tos para para mar­cas como Tial e
be­ber. Para isso, a em­pre­ Su­per­bom, nas quais, Crown Cork
sa ado­tou gar­ra­fas PET de além do BOPP, podem ser (11) 5054-4000
450ml, com ró­tu­los for­ne­ci­ vis­tos ró­tu­los fei­tos de www.crown­cork.com
dos pela Con­ver­plast. Na PVC e PEBD.
Es­per
(19) 3459-5005
pro­ces­sos as­sép­ti­cos de en­chi­men­to, o PET cial da Al­coa. www.es­per.com.br
ga­nha no­vos adep­tos en­tre os su­cos de No ni­cho dos pron­tos para be­ber, a cer­
Kro­nes
me­nor va­lor agre­ga­do. ve­ja­ria Schin­ca­riol, que não re­sis­tiu às (11) 4075-9630
atraen­tes ta­xas do se­tor, onde lan­çou há www.kro­nes.com.br
Cheiro de tubainização no ar pou­co mais de um ano a mar­ca Skin­ka, é
Me­tal­grá­fi­ca Ren­ner
For­ma­do por pro­du­tos que con­têm em apon­ta­da como pro­pul­so­ra da onda PET. (51) 3349-1011
mé­dia 10% de suco na­tu­ral, o se­tor tem Clas­si­fi­ca­dos como re­po­si­to­res ener­gé­ti­cos,
re­ve­la­do mui­tas opor­tu­ni­da­des para for­ne­ mas reconhecidos pelos consumidores Me­ta­lic
(85) 299-7300
ce­do­res de li­nhas de equi­pa­men­tos para como sucos, os pro­du­tos Skin­ka es­tão en­tre www.me­ta­lic.com.br
gar­ra­fas plás­ti­cas. “O nú­me­ro de pro­du­to­ os pri­mei­ros a ado­tar o ma­te­rial. So­pra­das
Pac­king
res de su­cos que ade­rem ao PET é cada vez em equi­pa­men­tos da Kro­nes, as garrafas
(11) 3168-9195
maior, o que tor­na esse mer­ca­do im­por­tan­te con­tam com ró­tu­los feitos em BOPP pela www.pac­king.com.br
para nós”, diz Ro­gé­rio Bal­dauf, di­re­tor Ro­to­plás, e tam­pas for­ne­ci­das pela Al­coa e
SIG Combibloc
co­mer­cial da Kro­nes, em­pre­sa que atua pela Be­ri­cap. (11) 3168-4029
com equi­pa­men­tos para li­nhas de en­gar­ra­ Afo­ra o tipo de em­ba­la­gem, a di­ver­si­da­ www.sig-group.com
fa­men­to. de do mer­ca­do de su­cos su­bli­nha um
Te­tra Pak
De cer­ta ma­nei­ra, há mo­ti­vos para vis­ ce­nário ­em que os lançamentos deverão se (11) 5501-3342
lum­brar na in­dús­tria de su­cos fe­nô­me­no acentuar. É ver­da­de que as atuais ta­xas de www.te­tra­pak.com.br
se­me­lhan­te, em­bo­ra seg­men­ta­do e em cres­ci­men­to ten­dem a cair, pela pró­pria
Whi­te­cap
es­ca­la re­du­zi­da, à dis­se­mi­na­ção das gar­ evo­lu­ção das ba­ses com­pa­ra­ti­vas. Mes­mo (11) 5504-9621
ra­fas PET no mer­ca­do de re­fri­ge­ran­tes. as­sim, nem o bai­xo con­su­mo per ca­pi­ta, em
Afi­nal, além de subs­ti­tuir o vi­dro em tor­no de 1 li­tro por ano, con­tra cer­ca de cin­ Za­ra­plast
(11) 3952-3000
al­guns ca­sos, o ma­te­rial está sen­do en­ca­ co li­tros no Mé­xi­co, por exem­plo, con­se­gue www.za­ra­plast.com.br
ra­do como uma boa al­ter­na­ti­va a ou­tros aze­dar o po­ten­cial do mer­ca­do bra­si­lei­ro de
plás­ti­cos. “Ele agre­ga mais va­lor, e mui­ su­cos. Ao con­trá­rio, isso in­di­ca que os re­fri­
tos fa­bri­can­tes já per­ce­be­ram isso”, com­ ge­ran­tes da­qui pra fren­te te­rão um con­cor­
pa­ra Sér­gio Nas­ci­men­to, ge­ren­te-co­mer­ ren­te cada vez mais pron­to para bri­gar.

22 – embalagemmarca • mai 2003


equipamentos

Antes do boom
Fabricantes produzem máquinas nacionais para stand-up pouches

U
m ana­cro­nis­mo no ce­ná­rio bra­ fa­bri­car e em­ba­lar ci­gar­ros, fral­das e ab­sor­ G.D do Bra­sil
si­lei­ro da em­ba­la­gem, sem­pre ven­tes ín­ti­mos, é for­ta­le­cer seus ne­gó­cios (11) 6095-2000
www.gdbr.com.br
apon­ta­do por ana­lis­tas, é a di­fu­ em em­ba­la­gens. Em 2002 a área foi res­pon­
são bem abai­xo da es­pe­ra­da dos sá­vel por 7% do fa­tu­ra­men­to to­tal da Maqplas
stand-up pou­ches, os sa­qui­nhos em­pre­sa, que foi de 14,3 mi­lhões de dó­la­ (11) 3686-6198
www.maqplas.com.br
plás­ti­cos fle­xí­veis que pa­ram em pé. O uso res. Del­poio con­ta que a ex­pec­ta­ti­va é
des­sa so­lu­ção cres­ce a ga­lo­pe em di­ver­sos do­brar essa par­ti­ci­pa­ção nes­te ano, e fa­tu­rar
paí­ses, in­cluin­do Ar­gen­ti­na e Chi­le, mas pelo me­nos 2,5 mi­lhões de dó­la­res com
aqui apenas se en­saia, já há al­guns anos, um em­ba­la­gens. Tal meta será au­xi­lia­da pe­las
boom que não acontece. A des­pei­to des­se pre­vis­tas ex­por­ta­ções da má­qui­na para
des­com­pas­so, as em­pre­sas de em­ba­la­gem ou­tros paí­ses sul-ame­ri­ca­nos.
que de­fen­dem a so­lu­ção não de­sa­ni­mam.
A for­ne­ce­do­ra de má­qui­nas G.D do Bra­ 100% nacional
sil, sub­si­diá­ria do gru­po ita­lia­no ho­mô­ni­ Também visualizando oportunidades na
mo, por exemplo, está na­cio­na­li­zan­do a área, a nacional Maq­plas de­sen­vol­veu a
pro­du­ção de um equi­pa­men­to de sua chan­ Stand up Pouch CSP UP 600, equipa­
ce­la Vol­pak, a SP 220, de­di­ca­da à pro­du­ção mento que pro­duz em­ba­la­gens stand up
de stand-up pou­ches. Com isso, es­pe­ra que pouches com ou sem zip­per e que foi con­
al­guns trun­fos se­du­zam mais in­dús­trias cebido para o acondicionamento de ali­
usuá­rias em fa­vor do sis­te­ma e des­man­che men­tos só­li­dos, lí­qui­dos ou pas­to­sos.
a jus­ti­fi­ca­ti­va do cus­to alto do ma­qui­ná­rio A es­pe­ran­ça de maior di­fu­são dos stand-
im­por­ta­do, uti­li­za­da por al­gu­mas, para não up pou­ches é ba­li­za­da por um es­tu­do en­co­
usar SUPs. “Além da atua­li­za­ção tec­no­ló­gi­ men­da­do pela As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra da
ca em re­la­ção ao mo­de­lo im­por­ta­do, a ver­ In­dús­tria de Em­ba­la­gens Plás­ti­cas Fle­xí­veis
são na­cio­nal da Vol­pak é isen­ta das ta­xas de (ABIEF): a pro­du­ção atual, de 70 mi­lhões
im­por­ta­ção e ofe­re­ce op­ções de fi­nan­cia­ de sa­qui­nhos/ano, pode che­gar a 2,8 bi­lhões
men­to pelo Fi­na­me/BNDES”, afir­ma Je­fer­ em me­nos de cin­co anos. Tal pre­vi­são cer­
son Del­poio, pre­si­den­te da G.D do Bra­sil. ta­men­te fará ou­tros setores da in­dús­tria de
Até ago­ra, as má­qui­nas da Vol­pak que em­ba­la­gens se mo­vi­men­ta­rem, já que o
che­ga­vam para a Amé­ri­ca La­ti­na atra­vés da cres­ci­men­to dos stand-up pou­ches vem se
G.D, e que equi­pam clien­tes como Nes­tlé, dan­do mun­dial­men­te na subs­ti­tui­ção de
Uni­le­ver, Lin­do­ya, Ba­yer e Em­bel­le­ze, la­tas e cai­xi­nhas as­sép­ti­cas car­to­na­das, para
eram fa­bri­ca­das na Es­pa­nha. O mo­de­lo a su­cos e ato­ma­ta­dos, e de po­tes plás­ti­cos e
SP 220,
ser fa­bri­ca­do lo­cal­men­te tem um úni­co de vi­dro para ali­men­tos como maio­ne­ses, da G.D,
usuá­rio na­cio­nal, só que da ver­são es­tran­ en­tre ou­tros ca­sos de mer­ca­do. agora é
gei­ra – o gru­po Im­pe­rial de be­bi­das. Ele se feita no
Brasil
ca­rac­te­ri­za como so­lu­ção com­ple­ta, pois
pro­duz a em­ba­la­gem, en­va­sa e apli­ca aces­
só­rios, como vál­vu­las, zí­pe­res ou ca­nu­dos
in­ter­nos. Ade­mais, é totalmente custom­
izável, podendo ser adap­tado a di­fe­ren­tes
fi­na­li­da­des.
divulgação

Para via­bi­li­zar a pro­du­ção lo­cal da SP


220, a G.D está in­ves­tin­do cer­ca de 600 000
dó­la­res. O pla­no da com­pa­nhia, que tam­
bém atua nos mer­ca­dos de má­qui­nas para
24 – embalagemmarca • mai 2003
u u i i
k st m p bl sh ng
e
)
)

)
)
*
`

`
`
[custom publishing]

* Há alguns meses, as publicações personalizadas


ganharam a mídia. São vistas como a grande revolução
na comunicação empresarial.
A Bloco de Comunicação se orgulha de ter nascido
justamente para fazer isto. Só que em 1987, muito
antes de saber que buscar soluções individualizadas
para cada cliente teria um nome tão pomposo.

Bloco de Comunicação
Solução para os seus problemas de comunicação
(11) 5181-6533
internacional

Olhos clínicos
Duas profissionais de embalagem analisam a Hispack em Barcelona

A
s ino­va­ções tec­no­ló­gi­
cas cons­ti­tuem uma
ma­nei­ra de se di­fe­ren­
ciar nas gôn­do­las e,
as­sim, ge­rar no­vos
ape­los de com­pra, ou de­vem, an­tes
de tudo, di­na­mi­zar mé­to­dos pro­du­
ti­vos e re­du­zir seus cus­tos? No se­guir es­pe­cial­men­te para Em­ba­la­ Boa par­te da fei­ra foi des­ti­na­da às
uni­ver­so do ge­ren­cia­men­to de mar­ gem­Marc ­ a. No qua­dro pode ser in­dús­trias trans­for­ma­do­ras, com gran­
de des­ta­que para equi­pa­men­tos. Mes­
cas, cer­ta­men­te as duas ne­ces­si­da­ vis­ta a in­ter­pre­ta­ção da fei­ra ela­
mo assim, foi pos­sí­vel ve­ri­fi­car en­tre
des coe­xis­tem. Po­rém, em mer­ca­ bo­ra­da por Lia Krüc­ken, en­ge­nhei­
os ex­po­si­to­res al­guns apri­mo­ra­men­
dos onde as em­pre­sas não pre­ci­ ra de ali­men­tos com es­pe­cia­li­za­ tos fun­cio­nais dos ma­te­riais de em­ba­
sam se preo­cu­par tan­to com di­mi­ ções em ges­tão da ino­va­ção tec­no­ la­gens. Na área de flexíveis, no­vos fil­
nui­ção de mar­gens e guer­ra de ló­gi­ca. mes e es­tru­tu­ras la­mi­na­das apre­sen­
pre­ços, a idéia de aten­der os de­se­ ta­das reuniam alta qua­li­da­de de
jos do con­su­mi­dor pode pre­va­le­cer Quem teve a chan­ce de per­ im­pres­são, boas ca­rac­te­rís­ti­cas de
quan­do está em jogo a mo­der­ni­za­ cor­rer a tra­di­cio­nal fei­ra es­pa­nho­ bar­rei­ra, capazes de au­men­tar a vida
ção de pro­ces­sos. Essa foi uma das la de em­ba­la­gens pôde per­ce­ber de pra­te­lei­ra dos pro­du­tos, além de
cons­ta­ta­ções a que che­gou a de­sig­ que as no­vas tec­no­lo­gias já não alta re­sis­tên­cia me­câ­ni­ca.
Ou­tro as­pec­to in­te­res­san­te no­ta­do na
ner Sara de Pau­la Sou­za, só­cia cons­ti­tuem um gran­de di­fe­ren­cial
His­pack foi a bus­ca por ma­te­riais e
di­re­to­ra da Hi De­sign, agên­cia para as em­pre­sas, vis­to que o
pro­ces­sos com me­nor im­pac­to
es­pe­cia­li­za­da em de­sign de em­ba­ aces­so a elas é cada vez mais am­bien­tal, tal­vez um re­fle­xo da po­lí­ti­
la­gem, ao vi­si­tar a mais re­cen­te ir­res­tri­to. As­sim, por mais ób­vio ca de re­sí­duos só­li­dos da Europa.
edi­ção da His­pack, rea­li­za­da en­tre que pa­re­ça, a di­fe­ren­cia­ção nas Além de preo­cu­pa­ções eco­ló­gi­cas,
os dias 31 de mar­ço e 4 de abril, gôn­do­las já não de­pen­de ape­nas pôde-se per­ce­ber gran­de aten­ção
em Bar­ce­lon e que faz o re­la­to a de má­qui­nas mais mo­der­nas, mas quan­to ao de­sign grá­fi­co. Nes­te as­pec­
to, des­per­ta­ram a aten­ção dos vi­si­tan­
Alças plásticas
(detalhe) ganham
tes pro­je­tos com im­pres­sões di­re­tas
participação em em ma­dei­ra, fil­mes fle­xí­veis com
cartonadas im­pres­são fle­xo­grá­fi­ca de alta qua­li­
da­de, além da cres­cen­te uti­li­za­ção de
efei­tos ho­lo­grá­fi­cos.
Por isso tudo, acre­di­to que a ida a um
even­to como a His­pack traz bons
re­sul­ta­dos. Além de pos­si­bi­li­tar con­ta­
tos, há a chance, para o profissional e,
in­di­re­ta­men­te, para a or­ga­ni­za­ção em
que ele atua, de atualização. Com
olhar aten­to, é pos­sí­vel ob­ser­var ten­
dên­cias im­por­tan­tes, ino­va­ções tec­
no­ló­gi­cas e o sur­gi­men­to de no­vos
ma­te­riais. Ape­sar da via­gem va­ler a
pena, vale dizer que a maioria dos
fotos: divulgação

even­tos rea­li­za­dos no Bra­sil não fi­ca


aquém das fei­ras internacionais.
Lia Krücken

26 – embalagemmarca • mai 2003


sim da cria­ti­vi­da­de de quem con­ce­be o
vi­sual dos di­fe­ren­tes pro­du­tos.
Den­tre ou­tros te­mas, essa im­pres­são foi
re­for­ça­da nas ob­ser­va­ções so­bre a par­ti­ci­
pa­ção dos di­fe­ren­tes ma­te­riais no mer­ca­do
eu­ro­peu de em­ba­la­gem. Nes­se as­pec­to,
no­va­men­te o Bra­sil mos­trou que não dei­xa
a de­ver para o res­to do mun­do. Ha­via, sem
dú­vi­das, no­vi­da­des. Mas a maior par­te
es­ta­va nos bas­ti­do­res, es­pe­cial­men­te nas
áreas de pro­ces­so, pro­du­ção e lo­gís­ti­ca, e
mui­tas ve­zes só os pro­fis­sio­nais da área
con­se­guiam iden­ti­fi­cá-las. As­sim, a His­
pack 2003 aju­dou a que­brar o pa­ra­dig­ma de
que as in­dús­trias de­vem va­ler-se das tec­no­
lo­gias ape­nas para oti­mi­zar a sua li­nha de
pro­du­ção e re­du­zir seus cus­tos.
A fei­ra tam­bém dei­xou cla­ro que as
in­dús­trias per­ce­be­ram o ris­co que cor­rem
ao não sa­tis­fa­zer as von­ta­des do con­su­mi­
dor. Es­pe­cial­men­te com a cria­ção da Co­mu­
ni­da­de Co­mum Eu­ro­péia (CCE), que apro­
xi­mou for­ne­ce­do­res e mer­ca­dos, as em­pre­
sas usuá­rias de em­ba­la­gem sa­bem que não
po­dem ape­nas de­fen­der os seus in­te­res­ses.
Se agi­rem as­sim, em pou­co tem­po a con­
cor­rên­cia en­go­le va­lio­sas fa­tias de mer­ca­
do.

Algumas dicas
Mas como apli­car esta teo­ria em um país
como o Bra­sil? Sabe-se que por aqui os
in­ves­ti­men­tos tec­no­ló­gi­cos às ve­zes são
in­viá­veis. Entretanto, in­de­pen­den­te do
ce­ná­rio eco­nô­mi­co, vale a pena pres­tar
aten­ção em al­gu­mas má­xi­mas para a cria­
ção de uma boa em­ba­la­gem:
1. ver o que o con­su­mi­dor quer;
2. cui­dar mais do seu pró­prio mer­ca­do
(é im­por­tan­te ex­por­tar mas tam­bém é fun­
da­men­tal ter um mer­ca­do in­ter­no sau­dá­
vel);

Sacos de tecido para feijão: novas idéias


3. pen­sar em um mer­
ca­do globalizado de fato;
4. pro­cu­rar par­cei­ros Em produtos de bele-
“co-pac­kers” para es­ca­ za, tendência de resi-
par dos al­tos in­ves­ti­men­ nas com acabamento
nobre
tos.
Com­pi­lan­do es­ses pre­
cei­tos, o mer­ca­do eu­ro­peu “mar­mi­tas do fu­tu­ro”.
de­mons­tra uma for­te ten­ Mes­mo nos pro­je­tos cal­ca­dos no ape­lo
dên­cia de uti­li­za­ção de da pra­ti­ci­da­de, a His­pack dei­xou cla­ro que
“no­vas” tec­no­lo­gias para o vi­sual de uma em­ba­la­gem nun­ca pode ser
va­lo­ri­zar “ve­lhos” ma­te­ pos­to de lado. Essa preo­cu­pa­ção fi­cou cla­ra
riais. Além dis­so, os for­ na área de cos­mé­ti­cos, onde os ex­po­si­to­res
Garrafa de
leite para ne­ce­do­res de ma­te­riais de mos­tra­ram gran­de va­rie­da­de de po­tes e
cosméticos: em­ba­la­gem per­ce­be­ram tam­pas plás­ti­cas fei­tos com ma­te­riais que
por que não? que não de­vem ape­nas per­mi­tem aca­ba­men­to no­bre. Nes­te caso
bri­gar en­tre si, di­vi­din­do não era pre­ci­so ser do ramo para de­tec­tar
for­ças. Mui­to mais re­com­pen­sa­dor é so­mar todo o po­ten­cial de cria­ti­vi­da­de da fei­ra.
es­for­ços e unir-se onde for pos­sí­vel. Exem­ Ou­tro pon­to for­te foi a bus­ca por no­vas
Salmão em pote de
plos des­sa es­tra­té­gia pu­de­ram ser vis­tos em vidro com tampa e
uti­li­za­ções para em­ba­la­gens que se tor­na­
al­gu­mas em­ba­la­gens com­pos­tas, como um rótulo celulósicos ram sím­bo­lo de de­ter­mi­na­da ca­te­go­ria de
sa­qui­nho de te­ci­do, para fei­jão, com ja­ne­la pro­du­to. Exem­plos fo­ram uma lata de aço
plás­ti­ca. Ou um pote de vi­dro para sal­mão, para óleos co­mes­tí­veis que apa­re­ceu acon­
com ró­tu­lo e la­cre em car­tão. Am­bas mis­tu­ di­cio­nan­do um per­fu­me fa­mo­so. Tam­bém
ram ma­te­riais e ob­têm bons re­sul­ta­dos fun­ ha­via uma gar­ra­fa de vi­dro para lei­te acon­
cio­nais e es­té­ti­cos. di­cio­nan­do cre­me de be­le­za. Es­sas com­bi­
na­ções e ino­va­ções mos­tram que a di­fe­ren­
O consumidor merece afagos cia­ção não deve ser um pri­vi­lé­gio ape­nas
Na bus­ca por con­ve­niên­cia, a união de dos pro­du­tos pre­mium: na Eu­ro­pa, as so­lu­
ma­te­riais tam­bém foi um dos mo­tes das ções ino­va­do­ras já fa­zem sem dú­vi­da par­te
no­vi­da­des da His­pack 2003. Se o con­su­mi­ do dia-a-dia das pes­soas. O mais in­te­res­
dor pre­ci­sa de uma em­ba­la­gem ta­ma­nho san­te é que mui­tas ve­zes a cria­ti­vi­da­de não
fa­mí­lia, por que não aju­dá-lo adap­tan­do par­te das mar­cas lí­de­res, mas de mar­cas
uma prá­ti­ca alça numa lata me­tá­li­ca, num pró­prias de su­per­mer­ca­dos, ou mes­mo de
car­tu­cho de pa­pel car­tão, ou mes­mo numa mar­cas com dis­tri­bui­ção re­gio­nal.
bol­sa plás­ti­ca? Se a isso for so­ma­do um sis­ É im­por­tan­te sa­lien­tar que nin­guém está
te­ma easy-open, plás­ti­co ou me­tá­li­co, as rein­ven­tan­do a roda. Em­bo­ra ex­plo­ran­do
pos­si­bi­li­da­des de agra­dar o con­su­mi­dor for­te­men­te a cria­ti­vi­da­de, os pro­fis­sio­nais
au­men­tam ain­da mais. Embalagens de em­ba­la­gem res­pon­sá­veis por tais ca­sos
Ain­da na li­nha da con­ve­niên­cia, pôde- plásticas com es­tão ape­nas lan­çan­do mão de mais re­cur­
subdivisões
se per­ce­ber que o con­su­mi­dor eu­ro­peu con­ sos de tec­no­lo­gia e de de­sign. São tex­tu­ras,
para alimentos:
sa­grou de­fi­ni­ti­va­men­te a cha­ma­da “em­ba­ marmitas do futuro for­ma­tos, de­co­ra­ções, fi­ti­lhos, pi­co­tes,
la­gem kit”. Como exem­plo, ha­via mul­ti­
packs em que um pa­co­te de bis­coi­to é
ven­di­do jun­to com um pouch de quei­jo, um
pote de patê e até uma faca. Ou­tra ten­dên­
cia cla­ra é o cres­ci­men­to das em­ba­la­gens
fra­cio­na­das. Vol­ta­das tan­to para o seg­men­
to de food ser­vi­ce quan­to para con­su­mo
do­més­ti­co, es­sas so­lu­ções ga­nham adep­tos
tra­zen­do a quan­ti­da­de de ali­men­tos pró­pria
para uma úni­ca re­fei­ção. Para al­guns, são as

28 – embalagemmarca • mai 2003


Profusão de fechamentos e são ofe­re­ci­das em gran­de pro­fu­são de co­res
formatos em garrafas de vidro e diâ­me­tros.
Na área de lo­gís­ti­ca, tem-se a im­pres­
são de que o mer­ca­do eu­ro­peu rea­li­za cada
vez maio­res in­ves­ti­men­tos em pa­le­ti­za­ção.
Em mui­tas op­ções de equi­pa­men­tos, fica
cla­ro que a uni­ti­za­ção das mer­ca­do­rias é
fei­ta ten­do em vis­ta sua frag­men­ta­ção no
pon­to-de-ven­da. Além do uso de fil­mes
la­cres, tam­pas e ou­tras tan­tas ino­va­ções que stretch mais ma­leá­veis, isso é pos­sí­vel gra­
até en­tão não eram uti­li­za­das, mas cuja ças à au­to­ma­ti­za­ção dos pro­ces­sos, com a
ado­ção pode sur­tir efei­to mui­to po­si­ti­vo. en­tra­da em cena de ro­bôs ca­pa­zes de ali­
As­sim, não se­ria exa­ge­ro di­zer que boa par­ men­tar até cin­co li­nhas si­mul­ta­nea­men­te,
te do fu­tu­ro da em­ba­la­gem está nas mãos mes­mo que cada uma con­te­nha pro­du­tos
das em­pre­sas de aca­ba­men­to. de pe­sos e for­ma­tos di­fe­ren­tes. As­sim,
Os fa­bri­can­tes de pig­men­tos e ver­ni­zes, po­dem ser subs­ti­tuí­dos com van­ta­gens de
por exem­plo, de­mons­tra­ram as di­ver­sas cus­to e pro­du­ção os tra­di­cio­nais equi­
pos­si­bi­li­da­des de co­res, aro­mas e, nos pa­men­tos de fi­nal de li­nha.
ca­sos de em­ba­la­gens sen­so­riais, até de Além dos ro­bôs, es­tão em cla­ra
sa­bo­res de seus port­fó­lios. Ain­da nes­se as­cen­são es­tei­ras, bra­ços me­câ­ni­cos e
se­tor, a fei­ra foi pro­fí­cua em al­ter­na­ti­vas da­ta­do­res. Es­tes úl­ti­mos se re­ve­lam cada
para o aca­ba­men­to de em­ba­la­gens ce­lu­ló­ vez mais es­sen­ciais, na me­di­da em que a
si­cas. Não fal­ta­ram con­tras­te de fos­co com boa iden­ti­fi­ca­ção das cai­xas de em­bar­
bri­lhan­te, ado­ção de co­res cí­tri­cas com que, prin­ci­pal­men­te com sis­te­mas ink
tex­tu­ras me­ta­li­za­das e ou­tras no­vi­da­des jet, tor­nou-se obri­ga­tó­ria nos pro­ces­sos
que são fa­ci­li­ta­das pela prin­ta­bi­li­da­de dos de con­tro­le de es­to­que e dis­tri­bui­ção
ma­te­riais ce­lu­ló­si­cos. Gra­ças a es­ses re­cur­ cor­re­ta da car­ga.
sos, aliás, foi gran­de a ofer­ta de dis­plays Ain­da na par­te de ex­pe­di­ção, foi vi­sí­
pro­mo­cio­nais, ou mes­mo de em­ba­la­gens vel a preo­cu­pa­ção em oferecer embala­
se­cun­dá­rias pen­sa­das para se­rem ex­pos­tas gens que ga­ran­tam a in­te­gri­da­de dos
di­re­ta­men­te no pon­to-de-ven­da. produtos. Mui­tos itens são em­ba­la­dos
em ban­de­jas plás­ti­cas ou de car­tão, que
Diversificação crescente vão di­re­ta­men­te para a pra­te­lei­ra, fun­cio­
Para fis­gar a aten­ção do con­su­mi­dor, mes­ nan­do como um dis­play. Nes­se sen­ti­do,
mo ma­te­riais mais tra­di­cio­nais mos­tra­ram Refrigerante com mes­mo em áreas que não te­nham re­la­ção
sobretampa
vi­gor de re­no­va­ção. La­tas de aço com aca­ plástica: marcas
com a ati­vi­da­de dos de­sig­ners, o Sa­lón
ba­men­tos ho­lo­grá­fi­cos fo­ram uma for­te próprias européias In­ter­na­cio­nal del Em­ba­la­je 2003 dei­xou
ten­dên­cia, além das cada vez mais di­ver­si­ acentuam cla­ro que a pa­la­vra de or­dem é apro­vei­tar a
investimentos em
fi­ca­das la­tas ex­pan­di­das, cu­jos for­ma­tos tec­no­lo­gia em be­ne­fí­cio da cria­ti­vi­da­de,
embalagem
di­fe­ren­cia­dos ga­nham for­ça prin­ci­pal­men­te dei­xan­do de en­xer­gá-la como um mero
em su­cos, ato­ma­ta­dos e can­dies. fa­tor de di­mi­nui­ção de cus­tos.
Na cor­ri­da por no­vas apre­sen­ta­ções, o Sara de Paula Souza
vi­dro tam­bém vem ga­nhan­do al­ter­na­ti­vas
cada vez mais di­ver­si­fi­ca­das. Na par­te de
de­co­ra­ção, os des­ta­ques são os ró­tu­los ter­
moen­co­lhí­veis e auto-ade­si­vos. Lan­ça­men­
tos de em­ba­la­gens de vi­dro com no­vos
sha­pes, re­le­vos e tex­tu­ras tam­bém de­ram o
tom no sa­lão es­pa­nhol, com des­ta­que para
ca­te­go­rias como lác­teos, con­di­men­tos e Automatização
su­cos pron­tos. Nesses se­to­res, por si­nal, há ajuda a substituir
cres­cen­te le­que de al­ter­na­ti­vas em tam­pas equipamentos de
fim de linha
plás­ti­cas que, mes­mo em mol­des stan­dard,
mai 2003 • embalagemmarca – 29
estratégia

Para centro de mesa


Petrópolis usa embalagem para alcançar segmento superior

N
um cla­ro de­sa­fio à tur­va vi­são
es­tra­té­gi­ca pre­do­mi­nan­te no
seg­men­to de águas mi­ne­rais, a
Pe­tró­po­lis Pau­lis­ta, de São
Pau­lo, con­ti­nua apos­tan­do na
for­ça da em­ba­la­gem para agre­gar va­lor a
um pro­du­to de qua­li­da­de su­pe­rior aos
im­por­ta­dos mas ven­di­do no Bra­sil a pre­
ços in­sig­ni­fi­can­tes, de com­mo­dity mes­mo.
Me­nos de ano e meio de­pois do lan­ça­men­
to de suas no­vas gar­ra­fas de vi­dro de
330ml em for­ma de gota, com ró­tu­los
auto-ade­si­vos, a em­pre­sa inau­gu­ra na área
de águas mi­ne­rais o ca­nal das gar­ra­fas
one-way de vi­dro de cor azul co­bal­to, na
me­di­da “eu­ro­péia” de 750ml, até ago­ra
ine­xis­ten­te no país.
A ino­va­ção sur­giu de­pois que Amil­car
A. Lo­pes Jr., di­re­tor da en­gar­ra­fa­do­ra, pro­
cu­rou a Cis­per em bus­ca de “al­gu­ma coi­sa
to­tal­men­te di­fe­ren­cia­da em água mi­ne­ral
no Bra­sil, que não fos­se aro­ma nem sa­bor”,
como descreve. “Não he­si­ta­mos em in­ves­
tir no pro­je­to, que cer­ta­men­te será um
mar­co no seg­men­to de águas mi­ne­rais”,
diz Ju­lio Cé­sar Bar­be­do, ge­ren­te de mar­
ke­ting be­bi­das da vi­dra­ria.

Usual na Europa
Di­re­cio­na­da ao pú­bli­co AB, que con­so­me
con­si­de­rá­vel vo­lu­me de águas im­por­ta­das
acon­di­cio­na­das em vi­dro, a gar­ra­fa azul da
Pe­tró­po­lis Pau­lis­ta, com e sem gás, “é uma Al­coa
em­ba­la­gem para cen­tro de mesa nos res­ (11) 4195-3727
www.alcoa.com.br
tau­ran­tes e nos la­res”, con­si­de­ra o di­re­tor
da em­pre­sa. Se­gun­do ele, prin­ci­pal­men­te Ca­sa­blan­ca
nos paí­ses eu­ro­peus, onde o con­su­mo de (11) 6431-3377
água mi­ne­ral é um há­bi­to for­te­men­te ar­rai­ Cis­per
fotos: studio ag – andré godoy

ga­do, as gar­ra­fas com essa me­di­da são as (11) 6542-8076


mais uti­li­za­das nas re­fei­ções em que se www.cisper.com.br
reú­nem duas ou mais pes­soas. Ele acre­di­ta Her­vás
que isso ten­de a se tor­nar usual tam­bém no (11) 6941-9266
Bra­sil. “Es­ta­mos tra­ba­lhan­do para va­lo­ri­ www.hervas.com.br
zar mais nos­sa mar­ca, es­ca­pan­do do lu­gar Re­na­to Zur­li­ni Stu­dio
co­mum que re­duz as mar­cas no Bra­sil a (11) 3088-1382
com gás e sem gás.”
32 – embalagemmarca • mai 2003
A nova em­ba­la­gem, sem dú­vi­da, é de­sen­vol­vi­da pela Cis­per tem so­bre si
ino­va­do­ra e pa­re­ce ter po­ten­cial para de­po­si­ta­da im­por­tan­te mis­são. “Tes­tes
ob­ter bom de­sem­pe­nho no ca­nal de ven­ vi­suais em pon­tos-de-ven­da de­mons­tra­
das de pro­du­tos de alto va­lor agre­ga­do, ram que a gar­ra­fa se des­ta­ca­rá en­tre as
com­pos­to prin­ci­pal­men­te por res­tau­ran­ mar­cas ha­bi­tuais, tan­to pela cor quan­to
tes, ba­res e ho­téis. Mas, ao lado de fa­zer pelo for­ma­to e pela me­di­
me­lhor pre­sen­ça nes­ses es­ta­be­le­ci­men­tos da”, con­ta Amil­car Jr.
e, as­sim, for­ta­le­cer a ima­gem da mar­ca, é “Ade­mais, ao lado de
em ou­tro ce­ná­rio – o da com­pra em auto- mar­cas im­por­ta­das, para
ser­vi­ços es­pe­cia­li­za­dos – que a gar­ra­fa as quais não fica nada a

Customização com “private labels”


O lan­ça­men­to da água em vi­dro azul dá
con­ti­nui­da­de à es­tra­té­gia da Pe­tró­po­lis Pau­
lis­ta de uti­li­zar gar­ra­fas de vi­dro para po­si­
cio­nar sua água mi­ne­ral como pro­du­to top.
É uma es­tra­té­gia bem su­ce­di­da, que além
de be­ne­fi­ciar a mar­ca, ca­pi­ta­li­zan­do ima­gem
com pro­du­tos pre­mium na li­nha de­no­mi­na­
da in­ter­na­men­te Blue La­bel, avan­çou para
for­ne­ci­men­tos cus­to­mi­za­dos. As­sim, de­pois
de con­quis­tar “um bom es­pa­ço”, de di­men­
são não in­for­ma­da, a li­nha de gar­ra­fas de
vi­dro de 330ml evo­luiu para o seg­men­to
“pri­va­te la­bel”, até en­tão ine­xis­ten­te no país Esse elen­co, aliás, aca­ba de ser am­plia­do
na área de águas mi­ne­rais. com o lan­ça­men­to de uma gar­ra­fa de PET
Atual­men­te, a car­tei­ra des­se item é for­ma­da com tam­pa sport cap im­por­ta­da, am­bas da
pe­las mar­cas pró­prias dos res­tau­ran­tes Al­coa, com a mar­ca Pe­tró­po­lis Ath­le­tic.
Ame­ri­ca, Don Cur­ro e Eau, da rede de su­per- Com de­sign ex­clu­si­vo, o re­ci­pien­te tem per­
ho­téis Hyatt. Em bre­ve a água Pe­tró­po­lis fil des­ti­na­do a fa­ci­li­tar o agar­ra­men­to
Pau­lis­ta será for­ne­ci­da com ró­tu­los pró­prios (“pega”), com a pa­la­vra “Ath­le­tic” em re­le­vo
tam­bém para as re­des Al­ma­na­ra e Ga­le­to’s. nas la­te­rais. O ró­tu­lo, da Her­vás, tem a mar­
Nes­tes ca­sos, a Cis­per mu­da­rá li­gei­ra­men­te ca im­pres­sa em pre­to, so­bre fun­do alu­mi­ni­
o per­fil e a ca­pa­ci­da­de de con­teú­do das gar­ za­do. Nele, a re­pro­du­ção de um ele­tro­car­
ra­fas, que te­rão 300ml. Amil­car A.Lo­pes Jr., dio­gra­ma em tes­te de ace­le­ra­ção re­me­te à
di­re­tor da en­gar­ra­fa­do­ra, ex­pli­ca que a al­te­ idéia de prá­ti­ca de es­por­tes. O de­sign do
ra­ção visa evi­tar que os re­ci­pien­tes, em vez fras­co e o ró­tu­lo fo­ram
de fun­cio­na­rem como di­fe­ren­cial, aca­bem de­sen­vol­vi­dos em par­
jo­gan­do to­das as mar­cas numa vala co­mum ce­ria pelo de­sig­ner
vi­sual. Na ação “pri­va­te la­bel”, a Pe­tró­po­lis Re­na­to Zur­li­ni e pelo
as­su­me os cus­tos de de­sen­vol­vi­men­to e di­re­tor da Pe­tró­po­lis
con­fec­ção dos ró­tu­los, sem­pre auto-ade­si­ Pau­lis­ta. A em­pre­sa
vos e for­ne­ci­dos pela Her­vás, de São Pau­lo. anun­cia ou­tras sur­pre­
“O con­su­mi­dor aca­ba crian­do iden­ti­da­de sas para bre­ve: em
com a em­ba­la­gem do pro­du­to”, con­si­de­ra o mea­dos de ju­nho pró­xi­
di­re­tor da en­gar­ra­fa­do­ra. mo será lan­ça­da uma
Ao afir­mar que o vi­dro tem “par­ti­ci­pa­ção água da mar­ca, em gar­
con­sis­ten­te”, com 10% do elen­co de em­ba­ ra­fa de vi­dro de 330ml,
la­gens da Pe­tró­po­lis Pau­lis­ta, Amil­car Jr. “com co­no­ta­ção fas­
Além da cor azul lem­bra que, ob­via­men­te, a em­pre­sa não hion”, re­sul­ta­do a ser
cobalto, a medida de
abri­rá mão de con­ti­nuar atuan­do com am­pla ob­ti­do com o uso de
750ml, inédita no Brasil,
contribui para diferen- gama de re­ci­pien­tes, que vai de co­pos de ró­tu­lo ter­mo-en­co­lhí­vel.
ciar a água 200ml e 300ml a toda a va­rie­da­de de gar­ra­ Será lan­ça­da no in­ver­
da engarrafadora pau- fas, gar­ra­fões e bu­jões de 20 li­tros dis­po­ní­ no, vi­san­do a con­so­li­
listana veis em PET. da­ção no ve­rão.
materiais

Recurso
de­ver em be­le­za e atra­ção nas gôn­do­las,
nos­so pro­du­to le­va­rá a van­ta­gem do pre­
ço”, ele diz. Será, em suas pa­la­vras, “a
pri­mei­ra água na­cio­nal que vem para dis­

ao vidro
pu­tar es­pa­ço nas gôn­do­las com as es­tran­
gei­ras”. Na ver­da­de, com três re­mes­sas
de amos­tra­gem já fei­tas, a água Pe­tró­po­
lis Pau­lis­ta en­gar­ra­fa­da em vi­dro é,
se­gun­do Amil­car Jr., a úni­ca da Amé­ri­ca

A
lém do lan­ça­men­to das garrafas azuis
do Sul pre­sen­te no aqua­bar do Bar Col­let da Pe­tró­po­lis Pau­lis­ta, outras catego­
de Pa­ris, fa­mo­so como lan­ça­dor de ten­ rias de produtos utilizaram recente­
dên­cias. mente em­ba­la­gens – de vidro e de aço
Em ter­mos de com­pe­ti­ção com mar­cas ­– como ins­tru­men­to de mar­ke­ting. A seguir
na­cio­nais, o pre­ço fi­nal para o con­su­mi­ são apresentados casos que ilustram esse
dor, não es­pe­ci­fi­ca­do po­rém “pre­vi­si­vel­ movimento, nos dois materiais.
men­te su­pe­rior” ao de águas acon­di­cio­na­
das em gar­ra­fas tra­di­cio­nais, in­co­lo­res, Ca­be­ça de pon­te para
não de­ve­rá pre­ju­di­car o de­sem­pe­nho do
pro­du­to, na ex­pec­ta­ti­va do di­re­tor da
ca­cha­ça
en­gar­ra­fa­do­ra pau­lis­ta. Na ver­da­de,
se­gun­do ele, a nova em­ba­la­gem agre­ga
ao pro­du­to o va­lor jus­to de seu di­fe­ren­
cial in­trín­se­co e o de uma água de qua­li­
da­de su­pe­rior, pela qual o con­su­mi­dor
es­ta­ria dis­pos­to a pa­gar. Afi­nal, em com­
pa­ra­ção com as águas eu­ro­péias, as bra­si­
lei­ras são mais le­ves, en­quan­to aque­las
são car­bo­ga­so­sas e bi­car­bo­na­ta­das – e
por­tan­to mais pe­sa­das.

Indicação de valor
A ri­gor, ao in­ves­tir no up­gra­de da mar­ca, a

studio ag
Pe­tró­po­lis Pau­lis­ta está uti­li­zan­do a em­ba­
la­gem da água como fer­ra­men­ta de in­di­ca­
Garrafa exclusiva
ção de va­lor para ga­nhar mer­ca­do no seg­ De­pois de en­trar na Fran­ça, ca­be­ça de e estojo de papelão
men­to pre­mium. As­sim es­ca­pa, pelo me­nos pon­te para con­quis­tar mais paí­ses da revestido
nes­sa fa­tia, da ar­ma­di­lha da guer­ra de pre­ Eu­ro­pa e de ou­tros con­ti­nen­tes, a mi­nei­ra
ços em que pa­re­ce ter caí­do gran­de nú­me­ RMG Co­mer­cial apre­sen­tou ofi­cial­men­te
ro de en­gar­ra­fa­do­ras e que se dá sem­pre ao mer­ca­do bra­si­lei­ro no fi­nal de abril, na
num sen­ti­do: para bai­xo. fei­ra Bra­sil Ca­cha­ça 2003, em São Pau­lo,
Os ró­tu­los, de BOPP me­ta­li­za­do, for­ a GRM – Gos­to Re­quin­ta­do Mun­dial,
ne­ci­dos pela Her­vás, fo­ram de­sen­vol­vi­dos nova ca­cha­ça pre­mium. A be­bi­da es­treou
pelo de­sig­ner au­tô­no­mo Re­na­to Zur­li­ni. no mer­ca­do in­ter­na­cio­nal, em ou­tu­bro do
As tam­pas plás­ti­cas (MCA2) de ros­ca, ano pas­sa­do, em Pa­ris, no SIAL – Sa­lon
com ve­dan­te de EVA, são da Al­coa. As In­ter­na­tio­nal d’Ali­men­ta­tion. Se­gun­do a
gar­ra­fas se­rão for­ne­ci­das ao va­re­jo em em­pre­sa, es­tão em an­da­men­to ne­go­cia­
em­ba­la­gens se­cun­dá­rias de 6 uni­da­des, de ções avan­ça­das para co­mer­cia­li­zar o pro­
pa­pe­lão bran­co, da Ca­sa­blan­ca, nas quais du­to nos Es­ta­dos Uni­dos, na Itá­lia, na
Cristaleria Guanabara
o prin­ci­pal ele­men­to grá­fi­co é o di­fe­ren­ Fran­ça e em di­ver­sos paí­ses da Ásia. (21) 3351-7394
cial da ca­pa­ci­da­de de 750ml, de­se­nha­do No Bra­sil, a GRM será ven­di­da em www.cristaleriaguanabara.com.br
de for­ma a pos­si­bi­li­tar di­fe­ren­tes mon­ta­ lo­jas de ar­ti­gos im­por­ta­dos e su­per­mer­ca­
Efeito Artes Gráficas
gens nos pon­tos-de-ven­da. O con­tra­to de dos de alto pa­drão. Di­ri­gi­da a um pú­bli­co (11) 3824-0999
for­ne­ci­men­to com ex­clu­si­vi­da­de pela Cis­ se­le­to, é pro­du­zi­da ar­te­sa­nal­men­te na www.efeito.com.br
per vai até o fi­nal de ju­nho pró­xi­mo.
34 – embalagemmarca • mai 2003
Fa­zen­da dos Ver­des, em Ara­gua­ri (MG), Nas miniaturas,

studio ag
pela Tro­pei­ra Ru­ral Ltda., com sede em hot stamping
nos rótulos
Belo Ho­ri­zon­te. A aguar­den­te é apre­sen­ta­ auto-adesivos
da em duas ver­sões: GRM pra­ta, ama­re­la­
da, des­ti­la­da em alam­bi­ques de co­bre e
en­ve­lhe­ci­da dois anos em to­néis de car­va­
lho, um­bu­ra­na e je­qui­ti­bá rosa; e GRM
Bron­ze, uma aguar­den­te bran­ca en­ve­lhe­ci­
da em to­néis de aço inox. Am­bas são acon­
di­cio­na­das em gar­ra­fas de 750ml, fe­cha­
das com ro­lha e tam­pa de vi­dro, den­tro de
um car­tu­cho de pa­pe­lão re­ves­ti­do.
A gar­ra­fa é da Cris­ta­le­ria Gua­na­ba­ra. O
car­tu­cho, com a mar­ca e a pa­la­vra “ca­cha­
ça” im­pres­sas em hot stam­ping pra­ta, é
for­ne­ci­do pela Efei­to Ar­tes Grá­fi­cas. So­bre
a ro­lha com aca­ba­men­to de vi­dro vai um Em vez de ta­la­ga­das, do­ses
selo da AM­PAQ – As­so­cia­ção Mi­nei­ra dos A idéia de ca­cha­ça de qua­li­da­de era
Pro­du­to­res de Ca­cha­ça de Qua­li­da­de. no­tá­vel na Bra­sil Ca­cha­ça 2003, rea­li­za­do
Como se vê, o con­cei­to de qua­li­da­de pa­re­ em São Pau­lo. Aliás, o even­to ser­viu de
ce es­tar se in­cor­po­ran­do de­fi­ni­ti­va­men­te à opor­tu­ni­da­de para um lan­ça­men­to “de
cons­ciên­cia dos pro­du­to­res da be­bi­da tí­pi­ apos­ta” no con­sis­ten­te avan­ço da ten­dên­cia
ca bra­si­lei­ra, para ga­nho pró­prio, do país e de trans­for­ma­ção da be­bi­da num há­bi­to de
dos con­su­mi­do­res. re­quin­te e pra­zer, dis­tan­te do es­tig­ma do
con­su­mo que recai sobre contumazes “paus
d’água”. Ge­léia para gen­te gran­de
A Saint-Go­bain Em­ba­la­gens, apre­sen­
tou em seu es­tan­de na fei­ra, além de di­fe­
ren­tes mo­de­los stan­dard de gar­ra­fas de
vi­dro para ca­cha­ça, uma mi­nia­tu­ra de 50ml,
ou dose úni­ca, no mes­mo es­ti­lo das de
ou­tros ape­ri­ti­vos usual­men­te ofe­re­ci­dos em
fri­go­ba­res de ho­téis e em mo­téis e lo­jas de
con­ve­niên­cia. O ró­tu­lo é auto-ade­si­vo, e o
fe­cha­men­to é fei­to com uma tam­pa de ros­
ca, de alu­mí­nio. Tra­ta-se de uma apre­sen­ta­

fotos: divulgação
ção para quem quer con­su­mir uma boa
aguar­den­te de cana-de-açú­car em do­ses,
não em ta­la­ga­das de vul­ga­res “man­gua­
ças”.
Nada a dever
A em­ba­la­gem “sin­gle serv” com­ple­ Den­tro da ten­dên­cia de adi­ção de
à apresentação
men­ta a li­nha de gar­ra­fas Ca­cha­ça Bra­si­ de similares va­lor aos pro­du­tos por in­ter­mé­dio das
lei­ra da vi­dra­ria, que con­ta tam­bém com importados em­ba­la­gens, que ga­nha cres­cen­te ím­pe­
um re­ci­pien­te de 750ml e ou­tro de 1 li­tro. to no Bra­sil, a Etti, con­tro­la­da pela Par­
Cis­per
O lan­ça­men­to no even­to foi fei­to em par­ ma­lat, está am­plian­do sua pre­sen­ça no
(11) 6542-8076
ce­ria com a agên­cia Hi De­sign, que de­sen­ www.cisper.com.br mer­ca­do de ge­léias com o lan­ça­men­to
vol­veu o de­se­nho do ró­tu­lo auto-ade­si­vo, de sua li­nha Pre­mium, di­re­cio­na­da ao
Metalgráfica Rojek
e com a Pro­des­maq, que o im­pri­miu. O (11) 4447-7900
pú­bli­co adul­to interessado em consumir
de­ta­lhe mais no­tá­vel do ró­tu­lo é o em­pre­ www.rojek.com.br ar­ti­gos de qua­li­da­de su­pe­rior. Dis­po­ní­
go de hot-stam­ping em alto re­le­vo, em tom veis nos sa­bo­res fram­boe­sa, pês­se­go e
co­bre, “um di­fe­ren­cial para va­ler”, de mo­ran­go, pre­fe­ri­dos pe­los bra­si­lei­ros,
acor­do com Síl­via Baggio, da área co­mer­ se­gun­do pes­qui­sas fei­tas pela em­pre­sa,
cial da Prodesmaq. as no­vas ge­léias são pre­pa­ra­das com
Se­gun­do An­dré Li­be­ra­li, ge­ren­te pol­pa e pe­da­ços de fru­tas e não têm con­
co­mer­cial e de mar­ke­ting da Saint-Go­ ser­van­tes, se­gun­do informações do
bain, a ini­cia­ti­va do lan­ça­men­to par­tiu da fa­bri­can­te.
vi­dra­ria, sem que hou­ves­se ne­nhu­ma en­co­ Em con­di­ções não apenas de equi­pa­
men­da fei­ta por en­gar­ra­fa­do­res. A em­pre­ rar-se, mas em mui­tos ca­sos de su­pe­rar
sa, ele con­ta, de­tec­tou que ha­via essa la­cu­ a apre­sen­ta­ção de ge­léias es­tran­gei­ras, a
na no for­ne­ci­men­to, ao ob­ser­var o mo­vi­ em­ba­la­gem de vi­dro de 320 gra­mas do
men­to de me­lho­ra da qua­li­da­de da ca­cha­ça pro­du­to da Par­ma­lat, pro­du­zi­da pela
bra­si­lei­ra, alia­do à Cis­per, tem de­sign ex­clu­si­vo, com al­tu­
Linha completa: per­cep­ção de cres­ ra e lar­gu­ra que fa­ci­li­tam o ma­nu­seio e
1 litro, 750ml e 50ml cen­te nú­me­ro de acom­pa­nham as ten­dên­cias in­ter­na­cio­
en­gar­ra­fa­do­res quan­ nais des­se seg­men­to. De­sen­vol­vi­do pela
to à ne­ces­si­da­de de vi­dra­ria, o pote con­ci­lia o vi­sual com a
usar em­b a­l a­g ens fun­cio­na­li­da­de. Uma es­pé­cie de “cin­ta”,
com­pa­tí­veis e di­fe­ que se des­ta­ca no cor­po do re­ci­pien­te,
ren­cia­das. Foi uma tor­na mui­to con­for­tá­vel a pega pelo con­
apos­ta com­pen­sa­do­ Hi Design su­mi­dor. Ou­tro fa­ci­li­ta­dor é o diâ­me­tro
ra: a Sam­ba & Cana, (11) 3171-0378 da boca (64mm) do pote, cujo fe­cha­
da mi­nei­ra Coo­ca­cha­ men­to é fei­to com tam­pa me­tá­li­ca Ar­jek
Prodesmaq
ça – Coo­pe­ra­ti­va da (19) 3876-9300 64, da Me­tal­grá­fi­ca Ro­jek. As pa­re­des
Ca­cha­ça, que já ha­via www.prodesmaq.com.br são gra­va­das em re­le­vo com ima­gens
ado­ta­do os re­ci­pien­ Saint-Gobain Embalagens
da­que­las três fru­tas, de modo a que os
tes gran­des da­que­la (11) 3874-7626 po­tes pos­sam ser uti­li­za­dos para qual­
li­nha, já está na mi­nia­ www.sgembalagens.com.br quer dos sa­bo­res.
tu­ra de 50ml. “Ou­tras
36 – embalagemmarca • mai 2003
mar­cas tam­bém já a es­tão ado­tan­do”, re­ve­
Inovação em aço
Solúvel da Sara Lee vem em lata com formato novo na categoria

S
e re­cen­te­men­te des­fru­ po­ni­bi­li­zan­do seus pro­du­tos em
tou de lu­fa­das de bons 73mm, 99mm e 127mm.
ven­tos, o se­tor vi­drei­ro De­ci­di­das a pri­vi­le­giar a fle­xi­
não per­de por es­pe­rar bi­li­da­de, a CBL e a Poli Pa­per
in­ves­ti­das de ou­tros es­tão de­sen­vol­ven­do ou­tras me­di­
ma­te­riais em ca­te­go­rias de pro­du­tos das do Pra­tik Seal, da mes­ma for­
nas quais hoje na­ve­ga em mar tran­ ma que de­sen­vol­ve­ram a má­qui­na
qüi­lo. É o caso da área de ca­fés apli­ca­do­ra. Por ser fei­ta no Bra­sil,
so­lú­veis, para não ir além de um com tec­no­lo­gia 100% na­cio­nal, e
exem­plo. Nela, onde o vi­dro pre­do­ por ser mais sim­ples que os equi­
mi­na, po­de­rá ocor­rer uma mi­gra­ção pa­men­tos dis­po­níveis, a má­qui­na
para a em­ba­la­gem de aço, pelo te­ria po­ten­cial para abrir es­pa­ço
me­nos na pre­vi­são de Car­los Al­ber­ entre pro­du­to­res me­no­res.
to Ma­ta­raz­zo, ge­ren­te de mar­ke­ting “Há incontáveis pro­du­tos que
da CBL – Com­pa­nhia Bra­si­lei­ra de po­dem ser acondicionados em
La­tas, re­sul­ta­do da fu­são da Ma­ta­ la­tas com me­di­das di­fe­ren­tes das
raz­zo e da Ri­met, em 2000. que se tor­na­ram pa­drão”, diz
Lata com diâmetro
Ele se apóia no re­cen­te lan­ça­men­to do diferenciado pode Ma­ta­raz­zo. “O se­tor de em­ba­la­gens de aço,
café so­lú­vel Pi­lão, da Sara Lee Ca­fés, numa vir a ser um novo e a CBL den­tro dele, estão se mo­vi­men­tan­
lata com 60mm de diâ­me­tro (“slim”) de paradigma no
segmento de cafés do para aca­bar com a ima­gem ul­tra­pas­sa­da
100 gra­mas, com sis­te­ma de fe­cha­men­to da lata, fruto de mui­to tem­po de aco­mo­da­
tipo peel-off, de­sen­vol­vi­do em con­jun­to ção.” O exe­cu­ti­vo ob­ser­va que “o que é
com a Poli Pa­per, de Gua­ru­lhos (SP), e ba­ti­ ve­lho é o for­ma­to tam­pa-e-fun­do da lata de
za­do de Pra­tik Seal. A CBL tem ex­clu­si­vi­ três pe­ças”, mas a seu ver isso pode ser
da­de de uso por cin­co anos, e a Sara Lee, mu­da­do, para co­me­çar, com de­sign grá­fi­co
até ju­nho próxi­mo. Ma­ta­raz­zo des­cre­ve o ar­ro­ja­do e com os avan­ça­dos re­cur­sos que a
que con­si­de­ra “uma sé­rie de van­ta­gens” do li­to­gra­fia mo­der­na per­mi­te. Com vi­sual
con­jun­to. “Além de apre­sen­tar um de­sign de­sen­vol­vi­do pela Bench­mark De­sign
ex­tre­ma­men­te atraen­te no pon­to-de-ven­da, To­tal, o exem­plo apre­sen­ta­do é a pró­pria
de­vi­do tan­to ao gra­fis­mo como à qua­li­da­de lata do so­lú­vel Pi­lão, nas ver­sões Des­ca­fei­
in­su­pe­rá­vel da im­pres­são em li­to­gra­fia, é na­do, com so­bre­tam­pa plás­ti­ca azul, e Tra­
im­por­tan­te o atri­bu­to do pre­ço”, ele diz. di­cio­nal, com so­bre­tam­pa ver­me­lha, for­ne­
ci­das pela Tam­pa­flex.
Selo com impressão Mas a CBL quer ul­tra­pas­sar os li­mi­tes
Bench­mark
Se­gun­do o exe­cu­ti­vo, o Pra­tik Seal se­ria (11) 3057-1222 do vi­sual, para “ata­car o sha­pe” dos re­ci­
mais com­pe­ti­ti­vo do que os se­los exis­ten­tes www.bench.com.br pien­tes, ofe­re­cen­do di­fe­ren­tes me­di­das de
no mer­ca­do pelo fato de seus ma­te­riais – aber­tu­ra e no­vos per­fis. “Te­mos hoje fle­xi­
CBL
duas lâ­mi­nas de alu­mí­nio e uma de po­lie­ti­ (11) 6090-5000 bi­li­da­de para ofe­re­cer di­fe­ren­tes for­ma­tos,
le­no ou po­li­pro­pi­le­no – se­rem 100% na­cio­ www.cbl.ind.br aber­tu­ras e al­tu­ras de la­tas que os con­cor­
nais. Os si­mi­la­res são im­por­ta­dos e, ao ren­tes não con­se­guem”, afir­ma. A meta
Poli Pa­per
con­trá­rio do pro­du­zi­do pela Poli Pa­per, não (11) 6412-3550 maior é subs­ti­tuir a lata de três pe­ças, para
acei­tam im­pres­são. Nestes, o aço do anel é www.polipaper.com.br atrair ou­tras ca­te­go­rias de pro­du­tos além
tratado, para não oxidar. O ge­ren­te de mar­ dos hoje pre­do­mi­nan­tes em la­tas de duas
Tam­pa­flex
ke­ting da CBL des­ta­ca ain­da que o pro­du­to (11) 6163-8349 pe­ças, como pa­tês. Ade­mais, há pro­je­tos
ago­ra lan­ça­do tem diâ­me­tro de 60mm, www.tampaflex.com.br para mes­clar ou­tros ma­te­riais ao aço.
me­di­da que a con­cor­ren­te não ofe­re­ce, dis­
mai 2003 • embalagemmarca – 37
A qualidade Cong

Kits
Presenteáveis
raf ao seu alcance

Tecnologia,
Criatividade,
Qualidade,
Atendimento
Personalizado
,
Bon s P re ço s
Co­di­fi­ca­ção com qua­li­da­de Ges­tãointeligentede
A Sunny­va­le está dis­tri­buin­do no lhes grá­fi­cos. O pro­du­to acom­pa­nha ma­nu­fa­tu­ra
mer­ca­do bra­si­lei­ro um novo equi­pa­ um te­cla­do e um dis­play co­lo­ri­do e Em­pre­sa do gru­po Plas­trom, a Pon­to­
men­to de co­di­fi­ca­ção a la­ser da mar­ per­mi­te mu­dan­ças na po­tên­cia do Soft­wa­re de­sen­vol­veu um apli­ca­ti­vo
ca Do­mi­no. Tra­ta-se da mar­ca­do­ra la­ser de acor­do com as ne­ces­si­da­ vol­ta­do à ges­tão de ma­nu­fa­tu­ra das
DSL 1, anun­cia­da como uma al­ter­na­ des de co­di­fi­ca­ção. em­pre­sas de ce­lu­lo­se e pa­pel. Ba­ti­za­
ti­va que ofe­re­ce maior de­fi­ni­ção de www.sunny­va­le.com.br
do de BfM (Boards for Ma­nu­fac­tu­
im­pres­são para o mer­ca­do de em­ba­ (11) 3048-0197
ring), o pro­gra­ma tem como fi­na­li­da­de
la­gens. Vol­ta­do aos seg­men­tos ali­ prin­ci­pal a di­mi­nui­ção de per­das, atra­
men­tí­cio, far­ma­cêu­ti­co, de be­bi­das e vés de su­por­te à de­ci­são nos pro­ces­
hi­gie­ne pes­soal, o pro­du­to im­pri­me sos pro­du­ti­vos. “Re­la­cio­nan­do in­for­
em pa­pel, pa­pe­lão on­du­la­do, plás­ti­ ma­ções de toda a pro­gra­ma­ção das
cos, vi­dro e me­tais pin­ta­dos. A ve­lo­ in­dús­trias de ce­lu­lo­se e pa­pel, o BfM
ci­da­de má­xi­ma de im­pres­são é de ad­mi­nis­tra cus­tos e oti­mi­za a ma­nu­fa­
396 me­tros por mi­nu­to. Se­gun­do a tu­ra dos pro­du­tos”, diz Wong Kum
Sunny­va­le, a DSL 1 pode tra­ba­lhar Ho, di­re­tor da Pon­to­Soft­wa­re
in­te­gra­da ao sis­te­ma ope­ra­ Como de­fi­ne o exe­cu­ti­vo, o soft­wa­re,
cio­nal Win­dows, de modo a que se ca­rac­te­ri­za por uma ar­qui­te­tu­
per­mi­tir o uso de apli­ca­ti­vos ra aber­ta, visa apro­xi­mar os sis­te­mas
que fa­ci­li­tem a cria­ção de de ges­tão em­pre­sa­rial, tam­bém
men­sa­gens, lo­gos ou de­ta­ co­nhe­ci­dos como ERPs (En­ter­pri­se

Agi­li­da­de re­mo­ta direto do servidor Re­sour­ce Pla­ning), do chão de fá­bri­


ca. “Ele é ca­paz de su­ge­rir a gra­ma­tu­
A Gu­ten­berg Má­qui­nas e pro­du­to visa aten­der às ci­tar in­for­ma­ções e ra que per­mite set-ups mais ba­ra­tos”,
Ma­te­riais Grá­fi­cos trou­ ne­ces­si­da­des de ge­ren­ acom­pa­nhar todo o pro­ exemplifica Wong, que já tra­ba­lhou na
xe ao mer­ca­do bra­si­lei­ro cia­men­to de da­dos ces­so pro­du­ti­vo re­mo­ta­ área de in­for­má­ti­ca da Cia. Su­za­no de
um apli­ca­ti­vo web mul­ti­ fi­nan­cei­ros, de pro­du­ção men­te. “A ver­sa­ti­li­da­de Pa­pel e Ce­lu­lo­se. Com­pos­to de cin­co
pla­ta­for­ma, de­sen­vol­vi­ e or­ça­men­to de grá­fi­cas des­te novo apli­ca­ti­vo é mó­du­los dis­tin­tos, o BfM cus­ta en­tre
do em par­ce­ria com a e bi­rôs de to­dos os por­ re­sul­ta­do de uma lin­ 35 000 e 50 000 reais.
em­pre­sa Uti­lity. Ba­ti­za­do tes. Se­gun­do a em­pre­sa, gua­gem que per­mi­te uti­ www.pon­to­soft­wa­re.com.br
de Gu­ten­berg System, o os usuá­rios po­dem so­li­ li­zar qual­quer na­ve­ga­dor (11) 4197-0500
para lei­tu­ra dos seus
scripts”, con­ta Mar­ce­lo
Pi­men­tel, ge­ren­te de
Pro­du­to da Gu­ten­berg.
“A exe­cu­ção da ta­re­fa é
fei­ta no ser­vi­dor, e
so­men­te os re­sul­ta­dos
são li­dos pe­los na­ve­ga­
do­res.”
www.gu­ten­berg.com.br
(11) 3225-4400

O le­ga­do que mu­dou o rumo da humanidade


Cria­dor do pro­ces­so de im­pres­são com ca­rac­te­res mó­veis, o Bra­si­lei­ra da In­dús­tria Grá­fi­ca) e a Con­la­tin­graf (Con­fe­de­ra­ção
ale­mão Jo­hann Gu­ten­berg, que vi­veu en­tre 1397 e 1468, foi La­ti­no-Ame­ri­ca­na da In­dús­tria Grá­fi­ca) apoia­ram a ela­bo­ra­ção
res­pon­sá­vel por in­ven­ções que mu­da­ram o rumo não ape­nas do li­vro “O Le­ga­do de Gu­ten­berg”. Li­mi­ta­da a 5 000 exem­pla­
do mun­do grá­fi­co, mas de toda a hu­ma­ni­da­de. Além da idéia res, a obra não será ven­di­da, ape­nas dis­tri­buí­da a per­so­na­li­da­
dos ti­pos mó­veis, a ele se deve o aper­fei­çoa­men­to da pren­sa, des. O exem­plar nú­me­ro 1 foi en­tre­gue ao ex-pre­si­den­te Fer­
má­qui­na que até en­tão só era uti­li­za­da para cu­nhar moe­das, nan­do Hen­ri­que Car­do­so, no úl­ti­mo dia 8 de maio, em São
es­pre­mer uvas e fa­zer im­pres­sões em te­ci­do. Para con­tar um Pau­lo. O lan­ça­men­to ofi­cial do li­vro está pre­vis­to para ju­nho.
pou­co da tra­je­tó­ria des­se re­vo­lu­cio­ná­rio, a Abi­graf (As­so­cia­ção www.abi­graf.com.br • (11) 5087-7777

40 – embalagemmarca • mai 2003


Pa­pel sem Com­pên­dio am­bien­tal, volume 1
má­cu­las Dis­pos­to a co­lo­car a
questão am­bien­tal no
Nor­tea­do por con­cei­tos
de de­sen­vol­vi­men­to
Em tem­pos de de­sas­tres cen­tro das dis­cus­sões sus­ten­ta­do, o guia visa
am­bien­tais en­vol­ven­do a in­dús­ da ca­deia grá­fi­ca, o de­ba­ter te­mas que aju­
tria de ce­lu­lo­se no Bra­sil, a Ri­pa­ Sin­di­graf (Sin­di­ca­to das dem o se­tor a pro­du­zir
sa está anun­cian­do mé­to­dos de In­dús­trias Grá­fi­cas no de ma­nei­ra mais lim­pa.
pro­du­ção de pa­pel mais ami­gá­ Es­ta­do de São Pau­lo) Para tan­to, o pre­si­den­te
veis eco­lo­gi­ca­men­te. A par­tir de de­sen­vol­veu o Guia do Sin­di­graf, Síl­vio Iso­
in­ves­ti­men­tos de 250 mi­lhões de Téc­ni­co Am­bien­tal da la, lem­bra que o tra­ba­
dó­la­res, a em­pre­sa im­ple­men­tou In­dús­tria Grá­fi­ca. Para lho está ape­nas co­me­
em sua uni­da­de in­dus­trial de São di­ri­mir dú­vi­das re­la­ti­vas çan­do. Se­gun­do ele, o
Pau­lo uma tec­no­lo­gia de bran­ à ges­tão de re­sí­duos, o projeto completo in­clui
quea­men­to de ce­lu­lo­se ba­sea­da ma­te­rial dis­cu­te des­de a pu­bli­ca­ção de mais
na eli­mi­na­ção de clo­ro ele­men­tar. o des­car­te dos pa­nos cin­co ma­nuais para o
Co­nhe­ci­do pela si­gla in­gle­sa ECF uti­li­za­dos em lim­pe­za se­tor grá­fi­co, no pra­zo
(Ele­men­tal Chlo­ri­ne Free), o das má­qui­nas, até de um ano e meio.
mé­to­do tem ou­tras van­ta­gens te­mas mais com­ple­xos, como o con­tro­le www.sin­di­graf.com.br
além do me­nor ris­co am­bien­tal. am­bien­tal so­bre emis­são at­mos­fé­ri­ca. (11) 4229-8611
Se­gun­do a Ri­pa­sa, a tec­no­lo­gia
pro­por­cio­na maio­res ní­veis de Anunciadas no­vi­da­des em CAD
al­vu­ra ao pa­pel, im­pres­sões mais
ní­ti­das e me­lhor con­tras­te en­tre A UniO­pen/GHL, em­pre­sa que de­sen­ que acon­te­ceu em São Pau­lo, en­tre
as co­res. Tudo sem com­pro­me­ter vol­ve e dis­tri­bui sis­te­mas de CAD e os dias 12 e 17 de maio.
a qua­li­da­de das fi­bras. Para CAM, está lan­çan­do a ver­são 2004 www.uni­cad.com.br
trans­mi­tir a no­vi­da­de aos con­su­ do soft­wa­re Uni­CAD. Tra­ta-se de um (14) 227-8196
mi­do­res, a em­pre­sa ado­tou auto- sis­te­ma CAD pa­ra­mé­tri­co idea­li­za­do
ade­si­vos for­ne­ci­dos pela No­vel­ para fa­ci­li­tar o tra­ba­lho de pro­je­tis­
print, e im­pres­sos com a mar­ca tas atra­vés de dis­po­si­ti­vos que so­lu­
Ex­tre­me Whi­te. Re­don­das, as eti­ cio­nam di­ver­sos pro­ble­mas de de­ta­
que­tas já po­dem ser vis­tas nas lha­men­to, si­mu­la­ção de mo­vi­men­to,
em­ba­la­gens do Ri­pax La­ser 75 tes­te de co­li­são e ge­ra­ção au­to­má­ti­
g/m2. ca de lis­ta de ma­te­riais. O pro­du­to
www.ri­pa­sa.com.br pos­sui di­ver­sas fer­ra­men­tas para
0800 160606 pro­je­tos de de­se­nho me­câ­ni­co, o
www.no­vel­print.com.br que o qua­li­fi­ca como um CAD me­câ­
(11) 3768-4111 ni­co (MCAD). O lan­ça­men­to foi fei­to
du­ran­te a Fei­fa­me (Fei­ra In­ter­na­cio­
nal de Má­qui­nas Fer­ra­men­tas e Sis­
te­mas In­te­gra­dos de Ma­nu­fa­tu­ra),

Re­co­nhe­ci­men­to ian­que
A sub­si­diá­ria da Hei­del­berg nos EUA cur­sos de es­pe­cia­li­za­ção pro­fis­sio­nal.
re­ce­beu no iní­cio de maio o NAPL 2003 Nesse pon­to, a Hei­del­berg vem atuan­do
In­dustry Award, prê­mio anual pro­mo­vi­do em con­jun­to com a pró­pria NAPL em
pela ame­ri­ca­na Na­tio­nal As­so­cia­tion for uma sé­rie de ini­cia­ti­vas de edu­ca­ção e
Prin­ting Lea­ders­hip. En­tre os cri­té­rios que de­sen­vol­vi­men­to de mer­ca­do, como a
le­va­ram à de­ci­são está o de­sen­vol­vi­men­ rea­li­za­ção dos es­tu­dos do Prin­ting Eco­
to de so­lu­ções que in­te­gram os pro­ces­ no­mics Re­search Cen­ter (PERC).
sos de pré-im­pres­são, im­pres­são e aca­ www.hei­del­berg.com.br
ba­men­to. Ou­tro as­pec­to foi a ofer­ta de (11) 3746-4450

mai 2003 • embalagemmarca – 41


%LFDPSH¬R
Ro­los na­cio­na­li­za­dos
Pelo se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo o
O gru­po ale­mão BHS Cor­ru­ga­ted paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na e par­te dos
Bra­sil é o cam­peão mun­dial de inau­gu­rou em abril, na Ci­da­de Es­ta­dos Uni­dos, en­quan­to 40% aten­
re­ci­cla­gem de la­tas de alu­mí­nio. In­dus­trial de Cu­ri­ti­ba (PR), a sua pri­ de­rão o mer­ca­do na­cio­nal.
Se­gun­do a As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra mei­ra fá­bri­ca de ro­los cor­ru­ga­do­res (41) 373-5005
do Alu­mí­nio (Abal), o país re­ci- na Amé­ri­ca La­ti­na. Sob o nome BHS www.bhs-cor­ru­ga­ted.de
clou em 2002 87% das la­ti­nhas South Ame­ri­ca/CRC Amé­ri­ca, a nova
con­su­mi­das Ð cer­ca de nove plan­ta, fru­to de in­ves­ti­men­tos de 2,5
bi­lhães de uni­da­des. mi­lhões de dó­la­res, tem ca­pa­ci­da­de
pro­du­ti­va anual de 120 pa­res de
$ GHVSHLWR GR -DS¬R ro­los cor­ru­ga­do­res – pro­du­tos usa­
O vo­lu­me é 2,6% maior que o de dos por in­dús­trias de cor­ru­ga­dos
2001, quan­do o Bra­sil su­pe­rou o para on­du­lar pa­pe­lão. Se­gun­do es­ti­
Ja­pão. Os ja­po­ne­ses só di­vul­ga- ma­ti­vas da BHS, 60% da pro­du­ção
rão em ju­lho o seu ín­di­ce ofi­cial se­rão des­ti­na­dos à ex­por­ta­ção para
de re­ci­cla­gem, mas a Abal in­for-
PD TXH RV Q¡PHURV YmR FRQILU
Si­nal ver­de para a Orsa
mar a li­de­ran­ça bra­si­lei­ra.
As uni­da­des fa­bris de se­guem uma po­lí­ti­ca pre­ju­di­ciais ao
Su­za­no (SP) e Ma­naus de pro­du­ção eco­lo­gi­ am­bien­te em seu pro­
Mais dois
(AM) da Orsa Ce­lu­lo­se, ca­men­te cor­re­ta. De­fi­ ces­so pro­du­ti­vo. Com
A SPP-Nemo, bra­ço de co­mer­cia-
Pa­pel e Em­ba­la­gens ni­do com base em o selo da par­ce­ria, a
OL]DomR GH SDSpLV GD 6X]DQR LU® Orsa po­de­rá for­ne­cer
fo­ram re­co­men­da­das ri­go­ro­sas le­gis­la­ções
inau­gu­rar mais dois cen­tros de pela Sony do Bra­sil am­bien­tais, o pro­je­to suas em­ba­la­gens a
dis­tri­bui­ção no in­te­rior pau­lis­ta, para a cer­ti­fi­ca­ção Green Part­ners­hip quais­quer uni­da­des
nas ci­da­des de Bau­ru e São José Green Part­ners­hip. A de­ter­mi­na me­tas para mun­diais da Sony.
dos Cam­pos, ex­pan­são que cus- mul­ti­na­cio­nal ja­po­ne­sa os for­ne­ce­do­res Sony, (11) 4689-8700
WDU® 5  PLO $ 633-1HPR for­ne­ce a cer­ti­fi­ca­ção como a subs­ti­tui­ção www.gru­poor­sa.
FRQWDU® DVVLP FRP  XQLGDGHV aos for­ne­ce­do­res que de ma­té­rias-pri­mas com.br
re­gio­nais.

Aten­ção...
Mais um tro­féu pela ino­va­ção
Se­gun­do es­tu­do da As­so­cia­ção A lata com o fe­cha­men­ 2003. Tra­ta-se do pos­sui uma se­gun­da
Bra­si­lei­ra da In­dús­tria Quí­mi­ca to Bi­plus, da Bra­si­la­ta, se­gun­do lau­rel in­ter­na­ tam­pa de ma­te­rial plás­
(Abi­quim), o Bra­sil po­de­rá ter um re­ce­beu da Or­ga­ni­za­ção cio­nal amea­lha­do pela ti­co trans­pa­ren­te, com

dé­fi­cit de até 2,1 mi­lhões de Mun­dial de Em­ba­la­gem Bi­plus. Em fe­ve­rei­ro de la­cre na for­ma de alça,
(WPO), em 1 de abril, o 2002 a so­lu­ção foi clas­ o que fa­ci­li­ta a pre­pa­ra­
to­ne­la­das no for­ne­ci­men­to de
prê­mio WorldS­tar Award si­fi­ca­da com Prê­mio ção das co­lo­ra­ções nas
ete­no em 2010, caso não au­men-
na ca­te­go­ria “Con­su­mer Ouro no con­gres­so lo­jas es­pe­cia­li­za­das,
te a pro­du­ção de naf­ta ou en­con-
Hou­se­hold”. O tro­féu foi in­ter­na­cio­nal La­tin­Can, per­mi­tin­do que o con­
tre al­ter­na­ti­vas para a pro­du­ção
en­tre­gue à em­pre­sa na no Rio de Ja­nei­ro. Aos su­mi­dor vi­sua­li­ze a
do ma­te­rial, base de plás­ti­cos.
ci­da­de de Bar­ce­lo­na, que não co­nhe­cem o to­na­li­da­de es­co­lhi­da.
Es­pa­nha, num even­to sis­te­ma, a lata Bi­plus (11) 3611-8122
...à pre­di­ção
pa­ra­le­lo à fei­ra de www.bra­si­la­ta.
Tal pro­je­ção é con­di­cio­na­da a
em­ba­la­gem His­pack com.br
um cres­ci­men­to anual mé­dio
4,5% do PIB na­cio­nal. Numa pre-
vi­são mais con­ser­va­do­ra, com
cres­ci­men­to do PIB en­tre 2,5% e
3,5% anuais, tam­bém ha­ve­rá
dé­fi­cit em 2010, de cer­ca de um
PLOK¬R GH WRQHODGDV

42 – embalagemmarca • abr 2003


No­vas op­ções de bis­na­gas
A Ce­bal Bra­sil, em­pre­sa do gru­po po­ní­vel em tons dou­ra­dos e pra­tea­
Pe­chi­ney, está lançando a Ce­bal­cap dos em tu­bos com três diâ­me­tros:
com hot stam­ping na tam­pa. O pro­ 35, 40 e 50 mm. Ain­da de acor­do
du­to visa ofe­re­cer ao mer­ca­do uma com a Ce­bal, a bis­na­ga é a úni­ca do
op­ção de pós-de­co­ra­ção que agre­ mer­ca­do bra­si­lei­ro que ga­ran­te ali­
gue char­me, so­fis­ti­ca­ção e re­quin­te nha­men­to da aber­tu­ra da tam­pa com
ao pro­du­to fi­nal. Se­gun­do o fa­bri­ a par­te fron­tal da em­ba­la­gem.
can­te, a em­ba­la­gem é re­co­men­da­da (11) 4723-4700
para cos­mé­ti­cos de luxo, e está dis­ www.cebalbrasil.com.br

Con­cen­tra­ção em vo­ca­ções Po­tes no­vos


A SIG Com­bi­bloc anun­ciou a ven­da con­cen­tra­ção no for­ne­ci­men­to de e ver­sá­teis
do seu ne­gó­cio de em­ba­la­gens para so­lu­ções em em­ba­la­gens car­to­na­
pro­du­tos fres­cos, com base no Rei­ das as­sép­ti­cas para pro­du­tos lác­
no Uni­do, para a no­rue­gue­sa Elo­ teos, be­bi­das e ali­men­tos em todo o
pak. As em­ba­la­gens po­si­cio­na­das mun­do. A em­pre­sa, que em­pre­ga
para esse mer­ca­do, cha­ma­das de mun­dial­men­te cer­ca de 3 700 pes­
Bow­pak, eram for­ne­ci­das para os soas, ba­teu seu re­cor­de de ven­das
mer­ca­dos do Rei­no Uni­do, Ir­lan­da e em 2002, com fa­tu­ra­men­to de 939
Eu­ro­pa Cen­tral. Se­gun­do a SIG mi­lhões de Eu­ros.
Es­ten­den­do sua li­nha de pro­du­tos
Com­bi­bloc, a ven­da lhe per­mi­ti­rá a www.sig­com­bi­bloc.com
para o mer­ca­do ali­men­tí­cio, a
Plás­ti­cos For­mar está lan­çan­do
In­ter­na­cio­na­li­za­ção da DIL dois no­vos pro­du­tos. São os po­tes
Fun­da­da em 1961 e tida como a pri­mei­ra con­sul­to­ria de de­sign de em­ba­la­ ter­mo­for­ma­dos de PET FPQ 250 e
gens do Bra­sil, a DIL está mu­dan­do a sua mar­ca para DIL Brands. A tro­ca é um FPQ 500, que tra­zem um de­sign
re­fle­xo da de­ci­são da em­pre­sa em se in­ter­na­cio­na­li­zar de­fi­ni­ti­va­men­te, por ter de li­nhas re­tas. Se­gun­do Fi­li­pe
as­su­mi­do con­tra­tos de com­pa­nhias que aten­dem paí­ses do Cone Sul (Bra­sil, Car­rie­ri, da área de mar­ke­ting da
Ar­gen­ti­na e Chi­le). A DIL Brands pas­sa a atuar em es­cri­tó­rios em São Pau­lo, em­pre­sa, os po­tes, com vo­lu­mes
em San­tia­go do Chi­le e em Bue­nos Ai­res, li­ga­dos a uma rede in­ter­na­cio­nal res­pec­ti­vos de 350ml e 500ml, têm
com se­des em Nova Ior­que, Bar­ce­lo­na, Ams­ter­dã e Lon­dres. Nas úl­ti­mas duas for­ma­ção ar­ti­cu­la­da en­tre tam­pa
ci­da­des, há uma co­li­ga­ção com agên­cia De­sign Brid­ge. “Nos­sa es­tra­té­gia de e ber­ço para tra­va­men­to per­fei­
in­ter­na­cio­na­li­za­ção acom­pa­nha a cres­cen­te ato­mi­za­ção das ati­vi­da­des de to, pos­suem es­pa­ço para ro­tu­la­
em­pre­sas mul­ti­na­cio­nais que aten­de­mos”, afir­ma An­to­nio Mu­niz Si­mas, ti­tu­lar gem e são pa­le­ti­zá­veis. Os prin­ci­
da DIL Brands em São Pau­lo. pais mer­ca­dos para as no­vi­da­des
(11) 3086-2466 são fru­tas se­cas, bis­coi­tos, con­di­
www.dilbrands.com men­tos, can­dies e bom­bons.
(11) 4056-3655 • www.for­mar.com.br
Latas bra­si­lei­ras em alta no mercado internacional
Re­de­se­nha­das e do­ta­das au­men­tou as ex­por­ta­ções La­tin Can 2003, que acon­ da a mais ori­gi­nal do even­
de no­vos e prá­ti­cos sis­te­ e teve cres­ci­men­to de 35% te­ceu no iní­cio de mar­ço, to, tri­bu­to que, além do
mas de fe­cha­men­to, além no ano pas­sa­do, al­can­ em Can­c ún, Mé­x i­c o. tro­féu, lhe va­leu um qua­
de es­tru­tu­ras cada vez çan­do fa­tu­ra­men­to glo­bal Se­g un­d o a em­p re­s a, a dro pin­ta­do por ar­tis­tas
mais re­sis­ten­tes, al­gu­mas de 240 mi­lhões de reais. em­ba­la­gem foi con­si­de­ra­ ho­lan­de­ses.
la­tas de aço fei­tas por No cam­po das pre­mia­ções
in­dús­trias bra­si­lei­ras es­tão in­ter­na­cio­nais, não fal­tam
ga­nhan­do cres­cen­te re­co­ aos fa­bri­can­tes na­cio­nais
nhe­ci­men­to fora do país. de em­b a­la­g ens de aço
Em li­nhas ge­rais, pode-se mo­ti­vos para co­me­mo­rar.
di­zer que o su­ces­so tem Com a lata KPO, que tem
se dado por duas vias: so­b re­t am­p a plás­t i­c a e
ex­pan­são de ven­d as e es­tru­tu­ra me­tá­li­ca re­for­ça­
ga­nho de re­co­nhe­ci­men­to da, a Pra­da re­cen­te­men­te
en­tre es­pe­cia­lis­tas. A fa­bri­ fa­tu­rou o pri­mei­ro lu­gar na
can­te Ber­tin, por exem­plo, ca­te­go­ria Ge­ne­ral Line do

Setor de máquinas da Fer­ros­taal do Brasil agora na IPP


A Fer­ros­taal do Bra­sil está trans­fe­ IPP re­pre­sen­ta 30 das maio­res mar­ aten­di­dos pela IPP, sem al­te­ra­ções.
rin­do seu se­tor de má­qui­nas para cas mun­diais da in­dús­tria grá­fi­ca, A sede des­te se­tor da Fer­ros­taal
ou­tra em­pre­sa do gru­po Man Fer­ como Man Ro­land, Esko-Gra­phics, per­ma­ne­ce no mes­mo en­de­re­ço
ros­taal, a IPP – In­ter­gra­fi­ca Print & Ryo­bi, Nil­pe­ter, Kol­bus, Stei­ne­man, (Av. das Na­ções Uni­das, 22.351,
Pack, re­pre­sen­tan­te de má­qui­nas e Ma­nu­graph e Du­plo. To­dos os clien­ São Pau­lo). O te­le­fo­ne mu­dou para
equi­pa­men­tos grá­fi­cos no País. A tes da Fer­ros­taal pas­sam a ser (11) 5522-5999.

So­lu­ção para a pro­te­ção de en­ro­la­men­tos de me­tal


As em­pre­sas e as pro­ces­sa­do­ras de em­pre­sa bri­tâ­ni­ca BSK pro­je­tou o “Coil A BSK afir­ma que, como o en­ro­la­men­
aço e ou­tros me­tais po­de­rão be­ne­fi­ Wrap” (Capa para En­ro­la­men­tos) para to fica pro­te­gi­do, qual­quer apli­ca­ção
ciar-se de um novo ma­te­rial para a uso em má­qui­nas de em­ba­la­gem, e pré­via de anti-cor­ro­si­vo terá 100% de
em­ba­la­gem de en­ro­la­men­tos. A afir­ma que o seu ma­te­rial é mais re­sis­ efi­cá­cia.
ten­te e fá­cil de apli­car, re­du­zin­do o Di­fe­ren­te­men­te da em­ba­la­gem por
tem­po de em­ba­la­gem e ofe­re­cen­do pe­lí­cu­la, o Coil Wrap é apli­ca­do numa
pro­te­ção ade­qua­da aos en­ro­la­men­tos. úni­ca ca­ma­da. Ou­tras van­ta­gens são
Cada ca­ma­da fica se­la­da à pró­xi­ma, me­lhor apre­sen­ta­ção e pos­si­bi­li­da­de
não dei­xan­do que o ade­si­vo en­tre em de im­pri­mir o lo­go­ti­po ou men­sa­gem
con­ta­to com o en­ro­la­men­to de me­tal. da em­pre­sa na em­ba­la­gem.
Isto sig­ni­fi­ca que o en­ro­la­men­to en­ca­ Con­ta­to no con­su­la­do bri­tâ­ni­co: Fer­
pa­do fica to­tal­men­te pro­te­gi­do con­tra nan­da Go­mes, tel. (11) 3094-2724,
a umi­da­de, a poei­ra e a su­jei­ra. e-mail: fer­nan­da.go­mes@fco.gov.uk.

Po­pai Bra­sil lan­ça novo site


Já está no ar o novo site do Po­pai Bra­sil por­cio­na ao in­ter­nau­ta a pos­si­bi­li­da­de
– Point of Pur­cha­se Ad­ver­ti­sing In­ter­na­ de via­jar pela his­tó­ria da pro­pa­gan­da
tio­nal – com no­vi­da­des e in­for­ma­ções com ima­gens de pe­ças, dis­plays e
téc­ni­cas so­bre mer­chan­di­sing, di­cas e da­dos so­bre a evo­lu­ção des­se mer­ca­do.
re­sul­ta­dos de pes­qui­sas so­bre o im­pac­ Também há a descrição das ati­vi­da­des
to do pon­to-de-ven­da na de­ci­são de de­sen­vol­vi­das pe­lo Po­pai, como pa­les­
com­pra. Um dos des­ta­ques é a “Li­nha tras, works­hops e cur­sos, entre outros
do Tem­po do Mer­chan­di­sing” que pro­ serviços. www.po­pai­bra­sil.com.br

mai 2003 • embalagemmarca – 45


Bio-Mé­di­cin tro­ca Água de Chei­ro em PVC
A Água de Chei­ro aca­ba de lan­çar
de em­ba­la­gem no mer­ca­do a Li­nha SBA – Spa do
Ba­nho, com­pos­ta por três di­fe­ren­tes
pro­du­tos. A li­nha, de­sen­vol­vi­da para
mu­lhe­res de 25 a 40 anos, tem
em­ba­la­gens em PVC trans­pa­ren­tes
e re­sis­ten­tes, em for­ma­to ar­re­don­
da­do. Os pro­du­tos são Óleo Bi­fá­si­co
Cor­po­ral (250ml), Ba­nho de Es­pu­ma
(250ml) e Sais de Ba­nho (290g).
O de­sign do pro­du­to é da New
De­sign, as em­ba­la­gens são AB­Plast,
com tam­pas de po­li­pro­pi­le­no
co­ber­to por uma capa me­tá­li­ca fei­
tas pela Bris­tol. A cai­xa de pa­pel
car­tão que en­vol­ve a em­ba­la­gem é
fa­bri­ca­da pela Kin Grá­fi­ca.

Ko­vak Ice ga­nha


gar­ra­fa ex­clu­si­va
A Ko­vak Ice, soda al­coó­li­ca
ga­sei­fi­ca­da do Gru­po Tho­qui­no,
As ne­ces­si­da­des de mer­ca­do
ga­nhou nova em­ba­la­gem. Pro­
como pre­ço e de­man­da es­ti­mu­la­
ram os La­bo­ra­tó­rios Bio-Mé­di­cin a du­zi­da pela Cis­per, a gar­ra­fa
pro­cu­rar uma al­ter­na­ti­va para as tem de­sign ex­clu­si­vo, mais
em­ba­la­gens de seus pro­du­tos, em mo­der­no, e se­gue uma ten­dên­
fun­ção da alta do dó­lar no fi­nal de cia mun­dial. Ou­tra mu­dan­ça é
2002. Na bus­ca por no­vos for­ne­ que ago­ra a be­bi­da vem em
ce­do­res, a Bio-Mé­di­cin op­tou pela gar­ra­fa de 275ml. O ró­tu­lo tam­
tro­ca da em­ba­la­gem pump, fa­bri­ bém ga­nhou co­res mais for­tes.
ca­da pela Neu­mann, pela bis­na­ga,
pro­du­zi­da pela Em­ba­le, con­se­
LU Triun­fo re­no­va ima­gem e am­plia mix
guin­do re­du­ção de cus­tos. O
re­sul­ta­do é que o con­su­mi­dor leva A mar­ca LU Triun­fo, da Da­no­ne, está as­si­na­da pela agên­cia fran­ce­sa Team
50 gra­mas a mais na nova emba­ ex­pan­din­do sua li­nha de pro­du­tos. Créa­tif. Uma fai­xa lar­ga cen­tra­li­za­da,
la­gem. An­tes com a em­ba­la­gem Os onze no­vos itens – en­tre eles os jun­to à foto do bis­coi­to, iden­ti­fi­ca o
pump os pro­du­tos en­va­sa­dos Re­chea­dos, os Wa­fers, o In­te­gral, a sa­bor e fa­ci­li­ta o re­co­nhe­ci­men­to do
ti­nham 150 gra­mas e com a li­nha Ritz de sal­ga­dos e os Pa­li­tos de pro­du­to. O lo­go­ti­po LU, por sua vez,
em­ba­la­gem bis­na­ga pas­sam a ter Cho­co­la­te – e os tra­di­cio­nais Cream pas­sa a ser ver­me­lho e in­cor­po­ra o
200 gra­mas, sem au­men­tar o pre­ Crac­ker, Água e Sal, Água, mai­se­na e con­cei­to de “Tra­di­ção e Qua­li­da­de”
ço fi­nal do pro­du­to. Mai­se­na Cho­co­la­te es­tão com em­ba­ da mar­ca. A Ina­pel é a pro­du­to­ra das
A tro­ca de em­ba­la­gens co­me­çou la­gens com nova iden­ti­da­de vi­sual, em­ba­la­gens da mar­ca.
pe­los pro­du­tos cor­po­rais (gel
re­du­tor, emul­são re­ge­ne­ra­do­ra e
anti-es­trias) e em se­gui­da será
es­ten­di­da a ou­tros pro­du­tos.
O ró­tu­lo do pump foi subs­ti­tuí­do
pela im­pres­são di­re­ta na bis­na­ga.

46 – embalagemmarca • mai 2003


A criatividade
de muitas
Di­ver­si­da­de em lan­ça­men­tos – e em­ba­la­gens
A Chlo­rophyl­la está com di­ver­sos lan­
ça­men­tos, en­tre eles a li­nha de sa­bo­
ade­si­vo da Full Stop Es­tam­pas. Ou­tro
des­ta­que é o Mini Kit Pé na Es­tra­da, pessoas não
ne­tes Fru­tas da Ama­zô­nia, nas fra­ com­pos­to por mi­nia­tu­ras de pro­du­tos
grân­cias açaí, cu­pua­çu, pi­tan­ga e
man­ga. Os pro­du­tos são en­vol­tos por
da em­pre­sa, como xam­pus, sa­bo­ne­
tes lí­qui­do, con­di­cio­na­dor, de­so­do­ran­
cabe aqui …
um fil­me trans­pa­ren­te e le­vam ró­tu­lo te e hi­dra­tan­te. O con­jun­to de fras­qui­

… mas pode
nhos de 25ml, for­ne­ci­do pela Her­
plast, é ven­di­do em uma pe­que­na
né­ces­sai­re da Pre­mier Bol­sas. Fe­cha
os lan­ça­men­tos a co­lô­nia fe­mi­ni­na
Geor­gia In­ten­se, numa apre­sen­ta­ção ajudar a viabilizar
es­me­ra­da: o fras­co de vi­dro, con­fec­
cio­na­do pela Whea­ton e de­co­ra­do
pela Deda De­co­ra­ções, leva tam­pa da
negócios
interessantes.
Fa­din e é acon­di­cio­na­do em um car­
tu­cho da Kin­graf.

Sopas em sa­chês aluminizados


A Knorr lançou uma nova li­nha
de so­pas ins­tan­tâ­neas. São seis
Apenas cinco
módulos de
sa­bo­res na li­nha re­gu­lar (To­ma­te,
Fei­jão com Ba­con, Fran­go com
Le­gu­mes, Car­ne com Le­gu­mes,
Ce­bo­la e Cre­me de Quei­jo) e três 6,4 cm x 5,2 cm
na li­nha light (Fran­go com Ve­ge­
tais, Car­ne com Ve­ge­tais e Le­gu­
mes), acon­di­cio­na­das em em­ba­
por página.
la­gens in­di­vi­duais, para o pre­pa­

A partir de junho,
ro de por­ções de 200ml. A Ina­pel
é a res­pon­sá­vel pe­los sa­chês alu­
mi­ni­za­dos dos pro­du­tos.

na nossa edição
Crystal com identidade renovada
A cer­ve­ja Crystal Beer che­ga ao mer­ca­do com
nova iden­ti­da­de vi­sual cria­da pela a10 De­sign. O
Especial de
Aniversário.
dia­man­te, sím­bo­lo da Crystal pre­sen­te nos an­ti­gos
ró­tu­los, foi subs­ti­tuí­do por um bri­lho no alto da fai­
xa que traz o nome da cer­ve­ja. Os ró­tu­los fi­ca­ram
re­don­dos, com tons de ama­re­lo e ver­me­lho mais
es­cu­ros que os an­te­rio­res. As ce­va­das fo­ram re­de­
se­nha­das de for­ma mais de­li­ca­da e a ins­cri­ção Para anunciar
“Cer­ve­ja Pil­sen”, ga­nhou des­ta­que no alto do ró­tu­
lo, ago­ra na cor ver­me­lha. A nova mar­ca foi tam­
bém re­pro­du­zi­da no selo de pro­te­ção das la­tas,
neste espaço,
ligue para
com a mes­ma fai­xa ver­me­lha pre­sen­te no ró­tu­lo e
a ins­cri­ção da pa­la­vra Beer. O selo de alu­mí­nio que
veda a lata faz com que o bo­cal e o anel fi­quem

(11) 5181.6533
co­ber­tos (ver Em­ba­la­gem­Mar­ca 42).
Am­Bev co­me­mo­ra três anos Mais um na fa­mí­lia
A Am­Bev – Com­pa­nhia de ca em São Pau­lo, Bra­sí­lia,
Dove Firm In­ten­se é a
Be­bi­das das Amé­ri­cas – Rio de Ja­nei­ro, Por­to Ale­
com­ple­ta três anos e co­me­ gre, Belo Ho­ri­zon­te e Cu­ri­ no­vi­da­de da Uni­le­ver
mo­ra a con­so­li­da­ção da ti­ba. De­co­ra­da com a ban­ Hi­gie­ne e Be­le­za no seg­
em­pre­sa Omo uma “mul­ti­ dei­ra do Bra­sil, com des­ta­ men­to de pro­du­tos para a
na­cio­nal ver­de e ama­re­la” que para a pa­la­vra “pro­ pele. Tra­ta-se de uma
com o lan­ça­men­to de 2,5 gres­so”, a la­ti­nha res­sal­ta lo­ção fir­ma­do­ra com co­lá­
mi­lhões de la­tas co­me­mo­ ao lado a fra­se “Am­Bev 3 ge­no e vi­ta­mi­nas es­sen­
ra­ti­vas do Gua­ra­ná An­tarc­ti­ anos de con­quis­tas”. ciais, que hi­dra­ta e com­
ba­te o apa­re­ci­men­to da
fla­ci­dez. O pro­du­to está
che­gan­do às gôn­do­las no
já co­nhe­ci­do fras­co ex­clu­
si­vo da mar­ca, que é pro­
du­zi­do pela Si­nim­plast.

Café Me­lit­ta com novo vi­sual

Ar­cor faz par­ce­ria com Iba­ma


Para agre­gar mais va­lor à Pro­je­to Ta­mar de Uba­tu­ba
li­nha de cho­co­la­tes Tor­tu­ (SP) e à cria­ção da cam­pa­
gui­ta e re­pre­sen­tar a par­ nha “Ami­gos do Mar” com
ce­ria que a Ar­cor do Bra­sil con­teú­do so­bre edu­ca­ção
fir­mou com o Pro­je­to am­bien­tal di­ri­gi­da a edu­
Ta­mar, do Iba­ma, a ca­do­res, alu­nos de pri­mei­
em­pre­sa criou uma per­so­ ra a quar­ta sé­ries e con­su­
na­gem es­pe­cial, a Tor­tu­ mi­do­res mi­rins em ge­ral.
gui­ta Ta­mi­nha. Essa sim­ Com for­ma­to de tar­ta­ru­ga A M De­sign de­sen­vol­ ta atra­vés da apli­ca­
pá­ti­ca tar­ta­ru­ga ma­ri­nha ma­ri­nha, de­sen­vol­vi­do em
veu um novo pa­drão ção de fo­tos. Na par­te
che­ga com a mis­são de par­ce­ria com a equi­pe téc­ni­ca
grá­fi­co para as li­nhas fron­tal, apa­re­cem
di­ver­tir, in­for­mar e sen­si­bi­ do Pro­je­to Ta­mar, a Tor­tu­gui­ta
li­zar as crian­ças para uma Ta­mi­nha pode ser en­con­tra­da do Café Me­lit­ta “Tor­ra­ de­ta­lhes em clo­se do
maior cons­ciên­cia am­bien­ no sa­bor cho­co­la­te ao lei­te do e Moí­do” e “Em café pron­to para o
tal, em es­pe­cial, na pre­ em cai­xas dis­play com 24 Grãos”. O con­cei­to con­su­mo.
ser­va­ção das águas. uni­da­des para o va­re­jo e de­sen­vol­vi­do pela O ver­de e ver­me­lho
Par­te da re­cei­ta das ven­das em­ba­la­gem pro­mo­cio­nal agên­cia se­gue o po­si­ tra­di­cio­nal­men­te re­la­
do pro­du­to será des­ti­na­da com qua­tro uni­da­des para cio­na­men­to in­ter­na­ cio­na­dos à mar­ca
à ma­nu­ten­ção da base do lo­jas de auto-ser­vi­ços.
cio­nal da mar­ca, fun­ con­ti­nuam pre­sen­tes
da­men­ta­do no pra­zer na em­ba­la­gem e na
de de­gus­tar a be­bi­da. lo­go­mar­ca, que re­ce­
A rou­pa­gem, em for­ beu um pou­co de lu­mi­
ma­to de saco val­vu­la­ no­si­da­de. O fun­do
do para o tipo Spres­so apre­sen­ta co­res di­fe­
e a vá­cuo para os ren­tes para res­sal­tar as
de­mais ti­pos, re­pro­duz es­pe­cia­li­da­des de
uma at­mos­fe­ra in­ti­mis­ cada tipo de café.

mai 2003 • embalagemmarca – 49


Almanaque
Lu­gar ao sol ga­ran­ti­do
Ca­rís­si­mos, os sa­bo­ne­tes in­gle­ses de bo aos pou­cos con­quis­tou Ma­naus,
gli­ce­ri­na com odor de ro­sas, como o Be­lém e o res­to do país. Nos anos
Pear’s Soap, eram xo­dós das fa­mí­ 80, a mar­ca foi com­pra­da pela Proc­
lias abas­ta­das da re­gião Nor­te do ter & Gam­ble e, logo de­pois, re­pas­
Bra­sil nas pri­mei­ras dé­ca­das do sa­da à Sara Lee. Ape­sar des­ses per­
sé­cu­lo pas­sa­do. Pu­de­ra: nes­sa épo­ca, cal­ços, a em­ba­la­gem do pro­du­to
não ha­via um pro­du­to na­cio­nal si­mi­ man­tém até hoje seu prin­ci­pal cha­
lar. Ao no­ta­rem isso, os imi­gran­tes ma­riz, o nome Phe­bo em ti­po­gra­fia
por­tu­gue­ses Má­rio e An­tô­nio San­tia­ re­bus­ca­da, em ver­sal/ver­sa­le­te com
go, co­mer­cian­tes de ci­gar­ros, re­sol­ o P re­bai­xa­do, in­se­ri­do num selo
ve­ram criar um sa­bo­ne­te de luxo oval or­na­do por um flo­rão. Em tem­
bra­si­lei­ro. Lan­ça­do em 1930, o Phe­ po: Phe­bo é o deus gre­go do Sol.

Um por to­dos, to­dos por um


Na His­tó­ria, os bra­sões sem­pre ti­ve­ram pa­pel de ti­ve­ram sím­bo­los para suas agre­mia­ções e cor­
dis­tin­guir clas­ses, numa moda que pas­sou a po­ra­ções de ofí­cio. Re­pro­du­zi­mos, abai­xo,
vi­ce­jar so­bre­tu­do a par­tir da épo­ca me­die­val. al­guns de­les. As ima­gens e des­cri­ções são cor­te­
Áreas como as de pa­pel e de im­pres­são tam­bém sia da Bra­sil­co­te.

 Em­ble­ma dos Pa­pe­lei­ros


Na ida­de me­die­val, os pa­pe­lei­ros, as­sim como os im­pres­so­res ti­po­grá­fi­cos e en­ca­der­na­
do­res, eram con­si­de­ra­dos in­te­gran­tes do grê­mio dos pin­to­res e de­se­nhis­tas. O san­to
de­les era São Lu­cas, que, se­gun­do len­da, es­ta­va sem­pre acom­pa­nha­do por um boi ala­do.
A ca­be­ça do boi é uma das mais an­ti­gas mar­cas de pa­pel. As im­pres­sões bí­bli­cas de
Gu­ten­berg no ano de 1455 fo­ram exe­cu­ta­das so­bre pa­péis que le­va­vam essa mar­ca. Os
três re­tân­gu­los no es­cu­do sim­bo­li­zam fo­lhas de pa­pel.

Em­ble­ma dos im­pres­so­res ti­po­grá­fi­cos, ti­pó­gra­fos e fo­to­com­po­ne­do­res 


O bra­são com a águia de duas ca­be­ças, que tem na gar­ra es­quer­da um por­ta-ma­nus­cri­
to e na di­rei­ta um com­po­ne­dor, foi ou­tor­ga­do aos im­pres­so­res ti­po­grá­fi­cos e ti­pó­gra­fos
em 1470, pelo im­pe­ra­dor Fe­de­ri­co III. Em 1650, o im­pe­ra­dor Fer­di­nan­do I acres­cen­tou
a ave gri­fo, que tem nas suas gar­ras dois en­tin­ta­do­res, fer­ra­men­ta fun­da­men­tal dos
im­pres­so­res an­ti­gos.
 Bra­são dos li­tó­gra­fos, im­pres­so­res li­to­grá­fi­cos e de off-set
O es­cu­do da es­quer­da re­pre­sen­ta as fer­ra­men­tas dos li­tó­gra­fos e con­tém duas áreas com
as le­tras SNE, lem­bran­do o in­ven­tor da li­to­gra­fia, Alois Se­ne­fel­der. No es­cu­do da di­rei­
ta en­con­tram-se o rolo, a al­mo­fa­da para en­tin­tar e a pe­dra de cal. O elmo tem na par­te
su­pe­rior um he­ral­do que mos­tra o bra­são dos pin­to­res. A le­gen­da no pé, “Saxa Lo­quun­
tur”, sig­ni­fi­ca “pe­dras que fa­lam”. O bra­são, do aus­tría­co Fer­di­nand West, é de 1879, e
foi o ven­ce­dor de um con­cur­so da re­vis­ta ofi­cial dos li­tó­gra­fos e
im­pres­so­res li­to­grá­fi­cos de Vie­na.

Em­ble­ma dos fo­to­gra­va­do­res e gra­va­do­res de cli­chês 


O bra­são sim­bo­li­za, à di­rei­ta, um gar­ra­fão de áci­do, e à es­quer­da um rolo para tin­ta. O
sol nas­cen­te re­pre­sen­ta a luz usa­da na có­pia. Os gi­ras­sóis sim­bo­li­zam o ma­te­rial que será
ex­pos­to à luz, co­pia­do ou sen­si­bi­li­za­do. A le­gen­da “In Luce Mun­dus” sig­ni­fi­ca “na luz está
o mun­do”. O bra­são foi cria­do pelo pin­tor Franz Stuck, de Mu­ni­que, no ano de 1884.

50 – embalagemmarca • mai 2003