quilibrium

E

Os valores Estéticos (introdução)
Filosofia 10º Ano
Professor Paulo Gomes

Líbria:
Nesta sociedade é proibido:
Sentir
Amar
Pintar/ fruir a pintura
Criar música/ ouvir música
Filmar/ ver filmes
Escrever ficção/ Ler ficção
Fotografar/ ter fotografias
Ter animais de estimação

Um mundo frio, onde as pessoas se
comportam como autómatos…

“A verdadeira fonte da desumanidade do Homem:
a sua capacidade de sentir…” Equilibrium

“A doença (que provoca a guerra e o mal)
são todas as emoções humanas”

Para erradicar a guerra foi necessário combater essa ‘doença’ .

“Líbria encontrou a cura para essa doença”: .

ao amor. à tristeza. à vida… Sob o seu efeito. Limitam-se a cumprir os deveres que lhes são impostos … “Libertou-nos da compaixão” . tornando-se numa mera peça de uma engrenagem que é indiferente à dor ou à felicidade dos seus ‘componentes’. à alegria. tornando-as insensíveis à beleza.O Prozium A droga que anestesia as pessoas. Os indivíduos vivem para o Estado (o Todo). o indivíduo deixar de existir enquanto tal.

Uma sociedade onde a Razão também se encontra limitada: quem não sente também não se interroga e não se revolta… .

brincar.Até a infância é proibida: as crianças estão impedidas de chorar. explorar o mundo com a imaginação… .

O objetivo é que todas as pessoas vivam vidas idênticas .

As pessoas vivem em função da sociedade .

Não têm sonhos .

Basta a esperança naquilo que talvez não teremos. pelo sonho é que vamos. Basta que a alma demos.Pelo sonho é que vamos. Vamos. Chegamos? Não chegamos? Haja ou não haja frutos. Sebastião da Gama .
 comovidos e mudos.
 ao que desconhecemos e ao que é do dia a dia. Chegamos? Não chegamos?
 – Partimos. Somos. Basta a fé no que temos. com a mesma alegria.

Não podem apreciar a poesia e a sua força inquietante .

a sua força arrebatadora .

A força que só a arte tem a força que só a arte dá a força que só a poesia é capaz de conter em palavras .

A  poesia  liberta   Não  porque  seja  o  contrário  de  haver  prisão   Mas  porque  nem  na  prisão   Se  prende  o  coração  que  sente   A  vida  na  sua  plenitude   Nem  na  solidão   Ou  no  deserto  mais  agreste   Se  impede  a  imaginação   De  ir  além  do  que  é  concreto   E  deAinido   O  inAinito  cabe  nas  palavras    mais  pequenas   Fala  sem  Aim  que  diz  tudo   Sem  nada  dizer  de  deAinitivo .

Poderíamos viver sem arte? .

A imaginação é a capacidade de sermos livres da realidade que nos aprisiona .

Imaginar é ser capaz de criar sentido .

mas um agudizar da realização .não é uma fuga da realidade.

Como poderia a Arte ser perigosa? .

Mas eu. sendo pobre. Eu estendi os meus sonhos sob os teus pés Pisa suavemente. William Butler Yeats . da luz e da meia-luz. Ornamentados com luz dourada e prateada. pois caminhas sobre meus sonhos. tenho apenas os meus sonhos. Os estenderia sob os teus pés.Fossem meus os tecidos bordados dos céus. Os azuis e negros e pálidos tecidos Da noite.

Podemos viver sem beleza? .

Podemos viver sem CAOS? Pintura de Marco Distefano .

Conseguiríamos viver na ordem (na conformidade) absoluta? .

A rotina desgasta-nos? (Irremediavelmente?) .

Podemos viver sem um pouco de ‘loucura’? .

Cadáver adiado que procria?” Fernando Pessoa. Mensagem .“Sem a loucura que é o homem Mais que a besta sadia.

com que direito tens-me presa A alma que por ti soluça nua E não és Tatiana e nem Teresa: E és tampouco a mulher que anda na rua Vagabunda. como o bem que está nos puros? Que paixão fez-te os lábios tão maduros Num rosto como o teu criança assim Quem te criou tão boa para o ruim E tão fatal para os meus versos duros? Fugaz. patética. quem és tu.SONETO À LUA Por que tens. não eu. loucas e sem fim Quem és. indefesa Ó minha branca e pequenina lua! Vinícius de Moraes . e estás em mim Impuro. por que tens olhos escuros E mãos lânguidas.

esse império é um campo. O pobre possui um império. que não no que elas vêem. o grande possui um campo. pois. temos que fundamentar a realidade da nossa vida. esse campo é um império."A vida é para nós o que concebemos dela. não possuímos mais que as nossas próprias sensações. Para o rústico cujo campo lhe é tudo. nelas." Fernando Pessoa . Para o César cujo império lhe ainda é pouco. Na verdade.

As sensações são reações aos estímulos do meio que nos dão informações sobre o que nos rodeia e. Eis algumas vias pelas quais recebemos as sensações: . enchem de variedade e intensidade as nossas experiências. ao mesmo tempo.

O que vemos .

O que ouvimos .

O que provamos .

O que tocamos .

O que cheiramos .

O que fazemos .

Poderíamos viver sem amar(amor)? .

“Sem amor o coração é só um relógio a fazer tique-taque”Equilibrium .

.

ódio. É urgente um barco no mar. alguns lamentos. É urgente inventar alegria.É urgente o amor É urgente o amor. Eugénio de Andrade . solidão e crueldade. É urgente o amor. muitas espadas. é urgente descobrir rosas e rios e manhãs claras. até doer. multiplicar os beijos. Cai o silêncio nos ombros e a luz impura. é urgente permanecer. as searas. É urgente destruir certas palavras.

Por isso. mas na intensidade com que acontecem. coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis." O valor das coisas não está no tempo que elas duram. existem momentos inesquecíveis." Fernando Pessoa .

calada. as mãos cruzadas devagar. És célebre como a tal Torre de Pisa. Estás suspensa.O sorriso da Mona Lisa Não posso desviar de ti o olhar. claro no-lo diz: Quem deste mundo tanto pôde ver – Cruza as mãos. apesar de nós. Pois. Kurt Tucholsky (1890-1935) Tradução de Paulo Quintela . contra nós – Ou que mais o teu riso diria? Calma nos ensinas o que tem de acontecer. por nós. Lisa. cala e sorri. como tu sorris. Sim… porque é que ri a Mona Lisa? Ri-se de nós. E sorris. O teu sorriso passa por ironia. por sobre o homem que te guarda. Porque o teu retrato.

O que são as emoções? .

“A palavra emoção traz. em geral. medo. (…)” Damásio. cólera. tristeza. não é fácil apresentar uma definição. à mente uma das seis emoções ditas primárias ou universais: alegria. . António Os afectos são algo que se exprime através das emoções e que remetem para o passado.Devido à complexidade das emoções. surpresa ou aversão.

Os Processos Emocionais e as Emoções Até bem recentemente as emoções eram encaradas como um obstáculo ao funcionamento adequado do nosso pensamento e da razão. . Só passaram então a ser interpretadas como processos fundamentais no acto de decidir. devido a investigações realizadas por neurocientistas como António Damásio que mostraram que o nosso cérebro usa as emoções para orientar os processos racionais. e de pensar.

este não possui qualquer capacidade para se fazer entender e para expressar as suas necessidades e desejos. da postura corporal. Têm um papel fundamental sobretudo no início da vida. . e estão presentes nas interacções sociais. senão através do choro ou com movimentos não coordenados e globais.Os Processos Emocionais e as Emoções As emoções podem ser interpretadas através da alteração do tom de voz. pois quando nasce um ser humano. das expressões faciais.

Emoções e afetos O conceito de afetividade engloba todos os "estados de alma". como a emoção. . Sem as emoções perderíamos a capacidade de nos afeiçoarmos aos outros e de darmos um sentido pessoal às nossas experiências. São também algo que remete para o passado e que é expresso através das emoções. os sentimentos. as paixões ou o humor. Os afetos são um conjunto de reações que nos ligam aos outros e às coisas que nos rodeiam.

As emoções concretizam-se por surgirem no presente de forma intensa e manifestam-se através de modificações fisiológicas. Estas reacções têm raízes profundas nos instintos e no inconsciente. .

. é um estado mais duradouro do que a emoção. a uma causa imediata. As modificações fisiológicas são menos acentuadas. reportamse ao nosso interior. como as emoções. Trata-se de uma resposta biológica do organismo a um estímulo do meio. marcado por modificações fisiológicas. • O Sentimento. não estando relacionados.Emoções e Sentimentos Há que distinguir emoção e sentimento: • A Emoção. que é um estado temporário. são privados e prolongam-se no tempo.

A nossa sobrevivência psicológica funda-se nas relações interpessoais.Falar de afetos é falar da relação. . o que envolve sempre modificação dos elementos envolvidos. Nestas relações somos afetados pelos outros e afetamo-los. em que se dá e se recebe. A relação implica uma troca. Os afetos que se estabelecem constroem a matriz da nossa vida pessoal.

completo e longínquo. Aquilo com quem simpatizo. mais tarde ou mais cedo.Sentir tudo de todas as maneiras. Seja uma multidão ou um modo de compreender Deus. Eu torno-me sempre. vivo de tudo em tudo. seja uma pedra ou uma ânsia. profuso. Ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo. Seja uma flor ou uma ideia abstracta. Eu quero ser sempre aquilo com quem simpatizo. E eu simpatizo com tudo. Viver tudo de todos os lados. Álvaro de Campos . Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos Num só momento difuso.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful