Você está na página 1de 16

UERJ em Questão Jornal Trimestral

julho / agosto /
setembro de 2010
Ano XVII • No 84

Universidade é 1° lugar Laboratórios de ponta

em projetos de Extensão
Divulgado o resultado do edital nº Instituições e projetos
05/2010 do Programa de Apoio a Pro-
UERJ 23
jetos de Extensão e Pesquisa (Extpesq)
da Fundação Carlos Chagas Filho de UFRJ 19

Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Uenf 8


de Janeiro (Faperj), a UERJ comemora o
UFRRJ 6 Para o desenvolvimento de produção científica
primeiro lugar em número de projetos
de ponta, a UERJ conta com o suporte oferecido
contemplados. A Universidade teve 23 UFF 4 por laboratórios das diversas áreas do conheci-
projetos escolhidos, seguida pela UFRJ, mento. Eles desempenham uma função social
UniRio 4
com 19 e pela Uenf, com oito. No total, muito importante na medida em que as pesquisas
foram contempladas 73 propostas, que Unigranrio 2 ali desenvolvidas beneficiam a população.
dividiram recursos de R$ 2,7 milhões. Uezo 1 > Página 14
O programa tem como objetivo incen-
tivar, apoiar e promover projetos de ex-
Fiocruz 1 Telemedicina é referência
tensão ligados a pesquisa científica e/ou Unisuam 1 Premiada internacionalmente pelo tra-
desenvolvimento tecnológico, a fim de balho desenvolvido na área de pediatria, a
UVA 1
fortalecer a ação transformadora da pes- Telemedicina da Universidade do Estado do
Embrapa 1 Rio de Janeiro tem a sua história confundi-
quisa sobre os problemas sociais e am-
da com a própria história da Telemedicina
bientais e estabelecer uma relação dialó- Espaço Ciência Viva 1 no Brasil.
gica entre pesquisadores e sociedade.
Unesa 1 > Página 16
> Páginas 12 e 13

Nutrição Vestibular Esdi


Dirigentes da Associação Mundial Agilidade na correção das Livro reúne os trabalhos de gradua-
de Nutrição e Saúde Pública (World provas é uma das vantagens ção dos alunos da Esdi nos últimos
Public Health Nutrition Association) do aplicativo de correção cinco anos. Em 2007, a Escola foi
estiveram na Universidade para tra- eletrônica implementado citada como um dos 60 melhores cur-
tar de congresso internacional. pela UERJ. sos de design do mundo.
> Página 3 > Página 4 > Página 6
2 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

> EDITORIAL > PELOS CAMPI

Comunicação digital Programa promove estudo sobre a Baixada


A Faculdade de Educação da sua estrutura, foram traçados ou- cio-Espacial Histórica da Baixada,
Baixada Fluminense (FEBF), lo- tros eixos de atuação, como meio que terá sua versão digital lançada
calizada no campus de Duque de ambiente, trabalho e educação. na 21ª edição da UERJ Sem Muros.
Caxias, desenvolve com a co- O Programa busca, ainda, a in- A idéia é lançar, posteriormente, a
munidade o Programa Integra- terlocução com o Estado, o tercei- versão em histórias em quadrinhos
do de Pesquisa e Cooperação na ro setor, movimentos sociais e a da cartilha e distribuí-la para todas
Baixada Fluminense (PINBA), comunidade. “Queremos integrar as escolas de ensino fundamental
que agrega quatro projetos de ex- a UERJ aos municípios da Baixada da Baixada Fluminense – da 1ª à 9ª
tensão e um projeto de pesquisa através de várias atividades de ex- série. A cartilha está sendo desen-
da FEBF, todos voltados para os tensão e de pesquisa. Para isso, va- volvida pelo curso de Geografia
municípios da Baixada. mos até os municípios para fazer da FEBF e “está sendo vista como
O PINBA foi criado em 2001 trabalhos e buscamos desenvolver uma maneira de fazer com que
e segundo a atual Coordenadora, com eles atividades que estejam os alunos conheçam mais o local
professora Icléa Lages de Melo, o relacionadas com nossos proje- onde vivem, onde estudam e como
Programa busca interagir com os tos”, explica a Coordenadora. se caracterizam os municípios que
municípios da Baixada e, além da Um dos trabalhos em anda- fazem parte da região onde mo-
cultura, que sempre fez parte de mento é a criação da Cartilha Só- ram”, resume a coordenadora.

O dia 15 de junho deste ano faz notar na atual forma de lo- Curso de Turismo começa em agosto
marcou o início de uma nova calizar informações pertinen-
etapa da comunicação digital tes aos cursos de graduação e Ligado ao Instituto de Geogra- um pouco diferenciado”, explica sores contratados, mas concursos
da Universidade do Estado de pós-graduação. Ao mesmo fia (Igeog), o recém-criado curso Diretor do Igeog, professor Gláu- para professores estão previstos
do Rio de Janeiro: nessa data tempo, o portal segue as prer- de Turismo da UERJ em Teresópo- cio Marafon. A Assessora Acadê- para 2010 e 2011. “A SRH fez uma
entrou no ar o novo portal da rogativas de uma plataforma lis - fruto de uma parceria firmada mica da Sub-reitoria de Graduação, seleção dos que estavam interessa-
UERJ. Seu conceito de arquite- multimídia, ou seja, conta com entre a universidade e a prefeitura professora Ondina Ferreira, infor- dos em trabalhar em Teresópolis e
tura de informação privilegia vídeo, podcast e blogs institu- local, que cedeu o local das instala- ma que o curso contará com oito já estamos com o quadro de técni-
a facilidade de navegação e a cionais. Desse modo, o usuá- ções – inicia as suas atividades no salas de aula e um laboratório de cos administrativos prontos para
simplicidade em termos de rio passa a ter acesso remoto segundo semestre. O vestibular informática. Também foram pro- assumirem suas funções”, comple-
design. O recurso de navega- a entrevistas, depoimentos e ofereceu 40 vagas. videnciados os livros que farão ta o Diretor. Para ele, a perspectiva
ção horizontal, por exemplo, eventos realizados na Univer- O curso é multidisciplinar e parte do acervo da biblioteca, “to- é a melhor possível, considerando
permite economizar espaço sidade. Além disso, há agora contou com a colaboração de vá- dos baseados nas ementas das dis- a realização no estado do Rio de Ja-
na página inicial e ao mesmo maior visibilidade para seto- rias unidades acadêmicas da UERJ, ciplinas. neiro das Olimpíadas Militares em
tempo revelar uma quantidade res estratégicos da UERJ, como ainda que “o olhar do curso seja a No seu primeiro semestre, o 2011, da Copa do mundo de 2014 e
maior de assuntos. De forma a Rede Sirius de Bibliotecas, o partir da geografia, o que o torna curso contará apenas com profes- das Olimpíadas de 2016.
semelhante, o acesso à notícia Departamento Cultural (De-
está mais ágil: em dois cliques cult), o Vestibular, a Editora da
o usuário chega à matéria com- UERJ (EdUERJ), o Centro de Prefeitura incentiva doação de flores
pleta. O conhecimento gerado Produção da UERJ (Cepuerj) e
na Universidade passou a ter os Centros Setoriais. Por fim, A Prefeitura dos campi está or- recebem essas espécies de plantas para os telefones: 2334-0207 ou
seu devido espaço com o des- brevemente estará disponível ganizando uma campanha para e acabam jogando-as fora quando 2334-0257. “No ano que vem essas
taque dado às publicações on- no portal uma linha do tempo que todos os campi doem orquíde- as flores caem. Nós, no entanto, mesmas pessoasvãovê-las floridas
line. A vida cultural da UERJ em comemoração aos 60 anos as e bromélias para a UERJ, uma aproveitamos a haste e replanta- dentro da Universidade”, espera o
também tem o novo portal da UERJ, em uma demonstra- idéia é do Prefeito Ivair Machado. mos em árvores do campus”, expli- Prefeito. As orquídeas e as bromé-
como um forte aliado, já que ção de que um ambiente de Ele verificou que muitas dessas ca Ivair. lias são plantas que conseguem se
os eventos aqui realizados são novíssima tecnologia pode e plantas são descartadas após per- A Prefeitura se encarrega de fixar a troncos e outras estruturas,
divulgados com eficácia e ra- deve manter o compromisso derem as flores e ficarem somente buscar as doações em qualquer podendo ser reaproveitadas para
pidez. A agilidade também se com a memória institucional. com o caule. “Muitos assessores um dos campi da UERJ. Basta ligar fazer arranjos em outras árvores.

Reitor: Ricardo Vieiralves Vice-Reitora: Christina Maioli


Diretoria de Comunicação Social • Direção: Sonia Virgínia Moreira Edição: Sonia Virgínia Moreira Pauta: Carlos Moreno e Graça Louzada Reportagem: Janaína Soares, Lúcia
Dantas, Karen Candido, Mariana Pelegrini, Mônica Sousa, Shenara Pantaleão e Zelia Prado Estagiários: Aline Ferreira, Carlos Maestre, Layssace Prazeres e Luana Gomes
Fotos: Thiago Facina Projeto Gráfico e editoração: Rafael Bezerra • Tiragem: 10.000 exemplares Impressão: Infoglobo • Contatos: 21 2334-0638 e comuns@uerj.br
The typeface Ingleby is designed by David Engelby and is available at dafont.com . David Engelby has the creative, intellectual ownership of the original design of Ingleby
UERJ em Questão JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 / 3

Restaurando Para o Futuro UERJ recebe visita de especialistas


UERJ é a universidade fora internacionais em nutrição
da Europa com parceria na
área de Archeometry
Preservar a memória de grande conquista não somen-
um país com mais de 500 te para o Rio de Janeiro, mas
anos de história e incontá- para o todo o País. Ex-diretor
veis patrimônios culturais do Museu da República, Viei-
é um desafio brasileiro que ralves acredita que é preciso
a Universidade do Estado preparar profissionais qua-
do Rio de Janeiro se prepa- lificados porque há técnicas
ra para enfrentar. Uma par- e resoluções para problemas
ceria inédita firmada com a que são desconhecidas no
Universidade de Roma vai Brasil. “O curso de um pro-
trazer para a UERJ técnicas fissional como Giovanni Gi-
inovadoras de preservação gante é uma conquista, uma
de patrimônio histórico. oportunidade e também um
A archeometry (área ainda estímulo para que estudan-
sem tradução para o portu- tes e profissionais conheçam
guês) é um procedimento de uma área ainda carente de Barrie Margetts e Geoffrey trabalhou no Ministério da Saú- de Nutrição em Saúde Pública
análise e conservação que se mão de obra. Se o curso tiver Cannon, representantes da As- de entre 2000 e 2002. será uma oportunidade de outros
apropria de várias disciplinas boa receptividade, pensamos sociação Mundial de Nutrição Segundo orientação da WPH- países conhecerem e aprenderem
experimentais da Ciência em criar uma especialização e Saúde Pública (World Public NA, os congressos devem sempre com a experiência do Brasil, além
aliadas ao conhecimento de aqui na própria UERJ”. Além Health Nutrition Association privilegiar três pontos: ciência, de partilharmos o que tem sido
História da Arte. disso, está em andamento o – WPHNA na sigla em inglês), política e ação. O tema central do feito na área de nutrição e saúde
O Brasil é o único país convênio de intercâmbio para foram recebidos na UERJ no dia III Congresso Mundial de Nutri- pública”, declara Barrie Margetts.
fora do circuito europeu a custear a ida de um estudante 28 de julho. A visita faz parte dos ção em Saúde Pública deve ser a “Precisamos saber quais são os
buscar essa parceria, que se da UERJ para cursar a espe- preparativos para o III Congres- ponte entre a academia (produção problemas e suas causas e apontar
tornou possível a partir de cialização em Archeometry so Mundial de Nutrição em Saúde do conhecimento) e as políticas soluções. Queremos comparti-
uma aproximação entre o na Universidade de Roma. Pública (WCPHN na sigla em in- públicas no campo da alimentação lhar e aprender com as pesquisas
Reitor Ricardo Vieiralves e Durante a visita de Gigan- glês), que será sediado pela UERJ e da nutrição. A ideia é propiciar da comunidade acadêmica e com
o pesquisador Giovanni Eto- te à UERJ, na qual o pesqui- de 26 a 30 de abril de 2012. o diálogo entre diferentes profis- as experiências completamente
re Gigante, coordenador dos sador apresentou a estrutura Os representantes da WPH- sionais de áreas da nutrição em diferentes de pessoas”, comple-
estudos de Archeometry da curricular da Archeometry, a NA vieram conhecer a Univer- saúde pública como pesquisado- menta o presidente da WPHNA.
Universidade de Roma. Res- maioria dos alunos era da área sidade, definir o processo de res, gestores de políticas públicas “Pela minha experiência no
ponsável pelos trabalhos de de Física. Segundo o diretor trabalho para organização do e ativistas. Deverão ser discutidos Brasil, posso dizer que o país tem
restauração da Capela Sisti- do curso de Física, Luis Mota, congresso e participar de reu- no III Congresso temas como sis- sido um líder em saúde pública
na, da Basílica de São Pedro, técnicas não invasivas como nião com o comitê executivo lo- tema alimentar e sustentabilidade, há décadas. A Fiocruz é um desses
além de vários outros monu- espectroscopia e fluorescên- cal, do qual fazem parte Luciana justiça social, alimentação e cultu- exemplos”, diz Geoffrey Cannon.
mentos históricos da Itália, cia são alguns dos recursos Castro, Diretora do Instituto de ra, consumo como ação política, “É a realização de um sonho po-
Gigante coordena a Arche- usados na restauração e con- Nutrição da UERJ, e Inês Rugani, ativismo, evidência na perspecti- der trabalhar juntamente com a
ometry italiana e trabalha servação de peças e documen- professora do Instituto e coor- va de políticas públicas, conflitos Abrasco e com uma universidade
na expansão do curso por tos históricos já utilizados na denadora do grupo de trabalho de interesse e agroecologia. Os pública como a UERJ, pois as uni-
toda a Europa por meio do Física médica. “O curso ajuda- alimentação e nutrição em saú- palestrantes ainda serão definidos. versidades públicas estão em peri-
programa Erasmus Mundus. ria a aperfeiçoar esses usos”, de coletiva da Associação Brasi- A expectativa é receber 1.500 par- go ao redor do mundo, apesar de
Em 2011 Gigante será pro- conclui. “Mais do que intro- leira de Pós-graduação em Saúde ticipantes, entre pesquisadores, ainda existirem no Brasil. É o me-
fessor visitante da Uerj para duzir novas técnicas, a Arche- Coletiva (Abrasco). Barrie Mar- pessoas que atuam em políticas lhor lugar para estarmos”, afirma.
ministrar um curso. Como a ometry é a possibilidade de getts é presidente da WPHNA e públicas, ativistas de movimentos Em 2010, o II Congresso Mun-
Archeometry é interdiscipli- abrir novas frentes profissio- professor de Nutrição em Saúde ligados a nutrição e saúde pública dial de Nutrição em Saúde Pública
nar, o programa vai ser aber- nais e ampliar as oportunida- Pública da Universidade de Sou- e estudantes de pós-graduação será realizado na cidade do Porto
to a alunos da física, química, des de trabalho aos estudantes thampton (Inglaterra). Geoffrey principalmente. (Portugal), de 23 a 25 de setembro.
matemática, biologia e artes. de Física, de Química, de Bio- Cannon é especialista em políti- “O Brasil vem conseguindo Paralelamente será realizado o
Para o Reitor Ricardo Viei- logia e de Matemática”, enfa- cas públicas de nutrição e desde incrível sucesso em áreas impor- I Congresso Latino-americano
ralves essa parceria é uma tiza o Reitor. o ano 2000 mora no Brasil, onde tantes. E o III Congresso Mundial de Nutrição Comunitária.
4 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

Ingresso
Vestibular da UERJ agora tem correção on-line
Agilidade na correção das envelope, o número do avalia- O sistema agilizou a correção e Ao receber as notas dos corre-
provas discursivas do vestibu- dor (se é o primeiro ou o segun- O sistema, melhorou a qualidade do nosso tores, o aplicativo informa o
lar. Essa é apenas uma das van- do a corrigir aquele exame) e o trabalho”, confirma. supervisor imediatamente se
tagens do novo aplicativo de dígito verificador. que funciona houver discrepância. E apenas
correção eletrônica implemen- O aplicativo, que utiliza as Meta atingida ao supervisor é dado o poder
tado pela UERJ e desenvolvido tecnologias Adobe e Java, le- independente do Antes de ser adotado em todas de alterar uma nota no sistema.
pela Coordenação de Informáti- vou cerca de três meses para as discursivas, foram feitos pilo- Mauro Behring explica que o
ca do Departamento de Seleção ser desenvolvido pela equipe acesso à internet, tos em algumas disciplinas. Para a chefe da banca e o supervisor
Acadêmica (DSEA). O sistema, de Informática do DSEA. Além Diretora do DSEA, Elisabeth Mu- podem ainda acompanhar por
que funciona independente de de simples, ele é fácil de utilizar. permite também rad, a adoção da correção on-line meio de gráficos as notas, as es-
acesso à internet, permite tam- É o que garante Mauro Behring, em todos os exames era uma das tatísticas e as discrepâncias. “Em
bém maior controle dessa fase da Coordenação de Informática maior controle da principais metas do DSEA, que tempo real, o aplicativo permite
do vestibular. do DSEA. “O treinamento dura finalmente pôde ser concretizada corrigir problemas, acompanhar
Tudo começa com o cadastra- aproximadamente 20 minutos, fase discursiva em 2010. “Não fazia sentido lidar a produção e avaliar o andamen-
mento dos professores que de- e os professores que já puderam com todo aquele papel”, diz, refe- to da equipe”, diz.
sejam se candidatar à correção testá-lo se adaptaram muito Vânia Moreira, professora de rindo-se à quantidade de cartões O sistema será utilizado em
das provas. É preciso escolher bem. O programa funciona em Português, concorda com o cole- de identificação de prova de cada maior escala no final deste ano,
uma senha, informar o CPF, qualquer computador que tenha ga. “Achei o sistema muito bom e candidato. “Era uma verdadeira nas provas do Colégio de Apli-
dados pessoais e profissionais flash player instalado”, afirma. tranquilo de usar”, diz a docente, operação de guerra, uma correria. cação e nas provas discursivas
e escolher a matéria que julgue que também participa da corre- Chegávamos a ter 120 mil car- do vestibular 2011. Neste últi-
estar apto a fazer a correção. Opinião dos professores ção dos exames do Enem. “No tões”, lembra. “Estamos em um mo, calcula-se que serão utiliza-
Definidos os docentes que irão O sistema teve sua estreia no Enem, as provas são escaneadas e tempo de agilidade da comuni- dos cerca de 400 computadores
corrigir as provas discursivas, vestibular para o curso de Tu- a correção é feita via internet, o cação e o sistema vai ao encontro no processo de correção, um
o chefe da banca escolhe entre rismo do campus Teresópolis, que às vezes deixa o sistema len- dessa expectativa”, diz. para cada professor. No últi-
os cadastrados o supervisor e os realizado em julho deste ano, e to. Nas provas da UERJ, por não Segundo Elisabeth Murad, mo vestibular, inscreveram-se
corretores para cada disciplina. foi aprovado pelos docentes que estar atrelado à web, o processo houve pouca dificuldade na mais de 32 mil candidatos, e
Após a correção, o professor fizeram parte da banca de corre- é mais rápido”, compara. Outra adaptação dos professores que a expectativa do DSEA é que
cadastra a respectiva nota no ção. Para o professor de Geografia integrante da banca de correção, participaram da correção. An- haja um aumento no número
sistema, usando um leitor de Alexander Costa, a adaptação ao a professora de inglês Rosângela tes, quando havia discrepância de vestibulandos na próxima
código de barras para identifi- novo sistema foi fácil. “Não tive Dantas também aprovou o apli- entre as notas dos corretores, seleção. Para aqueles que não
car a prova, cuja numeração é nenhuma dificuldade em usá-lo. cativo. “Achei excelente. É muito o reconhecimento demorava têm acesso à internet, a UERJ
composta pelo número do con- Foi super fácil e acessível, já que mais rápido, eficiente e menos mais, pois era feito manualmen- coloca à disposição computa-
curso, a disciplina, o envelope, a ele não requer grandes conheci- trabalhoso do que ficar preen- te. Com a correção on-line, o dores para que os candidatos
posição da prova no respectivo mentos de informática”, avalia. chendo bolinhas, como era antes. reconhecimento é automático. possam se inscrever.
UERJ em Questão JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 / 5

Gestão
Restaurante universitário em contagem regressiva
A comunidade da UERJ ga- triais, também responsável pela
nhará o tão esperado restaurante execução das obras. A exigência
universitário (RU). Adiado em de que fosse a mesma empresa
gestões anteriores, o RU do cam- para fornecer os equipamentos e
pus Maracanã está previsto para executar as obras deveu-se ao fato
ser inaugurado entre o final de de atender às especificidades dos
agosto e o início de setembro. O equipamentos, explica a Diretora
local ocupará uma área de 1.350 da Diretoria de Administração
m2 e oferecerá cinco mil refei- Financeira (DAF), Maria Thereza
ções diárias, sendo 2.500 no al- Lopes de Azevedo.
moço e 2.500 no jantar. De acordo com Maria The-
Promessa do Reitor Ricardo reza, o valor total da obra é de
Vieiralves, o restaurante é o re- R$ 2,8 milhões, dos quais apro-
sultado do trabalho conjunto do ximadamente R$ 1,5 milhão é
Instituto de Nutrição (NUT), da proveniente da UERJ e R$ 1,25
Prefeitura dos campi e da Direto- milhão, do Governo do Estado.
ria de Administração Financeira “É importante frisar que não O prato será constituído por Na cozinha haverá um visor descrito no projeto básico, no item
(DAF). O NUT é responsável por houve acréscimo de valor, mas arroz (inclusive integral), feijão de vidro, o que possibilitará às segurança, meio ambiente e saú-
questões como especificação téc- sim aditivo de prazo para a rea- e salada (que poderão ser servi- pessoas ver como as refeições são de. Especificamos quais resíduos
nica do processo produtivo das lização das obras. Fizemos uma dos à vontade), guarnição, carne, preparadas. Comporão o espaço serão encaminhados à reciclagem
refeições, dimensionamento da estimativa correta”, destaca a Di- suco e sobremesa (servidos pe- equipamentos modernos, fazen- e também o destino do óleo. Tudo
área, equipamentos e fluxo do retora da DAF. “Todo o trabalho los funcionários). O Instituto de do com que o espaço seja também foi fundamentado de acordo com
processo produtivo, tendo à fren- foi feito com bastante cuidado, Nutrição está preocupado em um importante campo de estágio, as normas regulamentadoras”,
te as professoras Daisy Wolkoff e por meio de parceria com o Go- oferecer uma refeição saudável pesquisa e extensão para alunos informam as nutricionistas en-
Patrícia Perez. As nutricionistas verno do Estado, que aumentou e balanceada. “Recentemente foi de Nutrição e outras carreiras. carregadas do projeto. Os copos
foram responsáveis por refor- a verba destinada à UERJ, o que divulgado o resultado da pes- O restaurante terá 364 lugares de refresco e café e o recipiente
mular o levantamento prelimi- nos possibilitou fazer compen- quisa do Vigitel – Vigilância de disponíveis, dois deles destina- de sobremesa serão descartáveis.
nar produzido na gestão anterior sações”, explica. Fatores de Risco e Proteção para dos a portadores de necessidades As etapas de retirada do lixo, co-
e adequá-lo às especificações atu- A diretora da DAF adianta Doenças Crônicas por Inquéri- especiais, que terão uma entrada leta seletiva e destino dos resídu-
ais para realizar o projeto básico que está sendo estudada a possi- to Telefônico – que apontou um exclusiva no refeitório. A esti- os serão de responsabilidade da
com a assessoria de um arquiteto bilidade de se implantar o uso de aumento de 42% para 46% do ex- mativa é que a cada 30 minutos empresa terceirizada, cabendo à
nutricionista. “Ele nos ajudou, cartões eletrônicos individuais, cesso de peso, o que faz com que haja um rodízio entre as pessoas. UERJ fiscalizar o processo.
com o olhar de alguém que vem que seriam carregados periodi- cheguemos a índices semelhan- As refeições serão divididas em
de fora, a pensar em algumas so- camente por meio de pagamento tes aos dos Estados Unidos”, aler- dois horários, com duração de Expectativas
luções que não havíamos imagi- – nos moldes do vale-transporte tam as professoras Daisy Wolkoff três horas cada: das 11h às 14h e Finalizada a obra no campus
nado, auxiliou-nos a construir os eletrônico. Na entrada do restau- e Patrícia Perez. “Não podemos das 17h às 20h. Maracanã, há planos para a cons-
memoriais descritivos que foram rante, haverá catracas para a li- ter um discurso na teoria e uma O Instituto de Nutrição to- trução de restaurante universi-
a base do processo de licitação”, beração dos usuários. De acordo prática completamente diferen- mou como base outros restau- tário em outros campi da UERJ.
explicam. A primeira etapa do com a diretora da DAF, deverá te. Toda a nossa preocupação foi rantes, como o da UFRJ, e editais “O Reitor pretende construir
Instituto de Nutrição foi rever ser cobrado um valor diferencia- construir modelos de cardápios de licitação de órgãos públicos. um restaurante na Faculdade de
o planejamento físico-funcional do para cotistas e não-cotistas, cujos parâmetros de alimentação Paralelamente ao projeto básico, Educação da Baixada Fluminen-
do restaurante, juntamente com porém ainda não definido. saudável deverão ser atendidos o NUT está preparando um ma- se (FEBF). Já fizemos um estudo
a equipe do Departamento de pela empresa terceirizada”, com- nual de boas práticas, exigência preliminar e possivelmente no
Manutenção, Obras e Projetos Refeições plementam. As nutricionistas in- da Anvisa. segundo semestre imaginamos
(Demop), órgão subordinado à As refeições serão preparadas formam também que as frituras que possamos iniciar os traba-
Prefeitura e responsável pela ar- por uma empresa terceirizada, serão limitadas a uma vez por se- Responsabilidade social lhos, desde que exista disponi-
quitetura e engenharia do RU. que também será responsável pela mana. “Privilegiamos o consumo O Instituto de Nutrição tam- bilidade financeira”, adiantam
Terminada essa etapa, foram contratação dos funcionários, de frutas, hortaliças, arroz e feijão, bém considerou o descarte dos as professoras Daisy Wolkoff e
realizados dois pregões eletrô- manutenção dos equipamentos, um hábito do brasileiro que está resíduos alimentícios, a fim de Patrícia Perez. Há expectativa
nicos: um para os equipamentos compra de gêneros alimentícios sendo deixado de lado, mas que não impactar demasiadamente o também para a construção de um
fixos e outro para os móveis. A e cumprimento de normas de precisa retomar porque é o que meio ambiente. Para isso será feita restaurante na Faculdade de For-
empresa vencedora de ambos segurança e saúde, entre outras temos de melhor em nossa ali- uma coleta seletiva para facilitar o mação de Professores (FFP), em
foi a Cozil Equipamentos Indus- atribuições. mentação”, enfatizam. processo de reciclagem. “Tudo foi São Gonçalo.
6 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

Ensino
Publicação reúne projetos de graduação da Esdi
Um livro que reúne os tra- a visão fixada na habilitação da
balhos de graduação dos alunos formação. Há a possibilidade de
dos últimos cinco anos foi lan- abrangência de atuação devido
çado pela Esdi – Escola Supe- a essa formação integrada”.
rior de Desenho Industrial da A Esdi foi fundada em1962
UERJ. A publicação, editada pela como a primeira escola de de-
Eduerj, traz ao todo 127 projetos, sign da América do Sul e co-
incluindo alguns produzidos en- meçou a funcionar em 1963.
tre 1966 e 2004. “Nesse livro, nos “Os primeiros alunos se for-
concentramos nos últimos cinco maram em 66. Então, temos
anos, que é o tempo de duração uma história de mais de 40
do curso da Esdi, sendo que o úl- anos de trabalhos de gradua-
timo é destinado ao trabalho de ção. Isso é um patrimônio fa-
graduação”, explica o diretor da buloso para a Escola”, observa
Esdi, professor Rodolfo Capeto. o seu diretor. O surgimento da
Mas para apresentar um pouco Escola coincide com um perí-
da história da Escola, foram se- odo de efervescência cultural
lecionados alguns trabalhos a e de industrialização no Brasil.
partir da década de 60. De acor- Com a criação da Esdi pelo en-
do com o diretor, isso serve para tão governador do estado da
ALGUNS NOMES QUE INTEGRARAM O CORPO DOCENTE DA ESDI
mostrar que a Esdi sempre teve Guanabara Carlos Lacerda, o dividem em Design e Tecnolo-
uma posição de liderança na Rio de Janeiro iniciou a difu- gia, Teoria e Crítica e História Karl Heinz Bergmiller e Ale- Goebel Weyne - pintor, dese-
criação de design. são dos princípios educativos do Design Brasileiro. Segundo xandre Wollner - fundadores nhista gráfico e autodidata. Au-
A publicação resultou de par- do design. “Nossos ex-alunos é o diretor, com a pós-graduação da Esdi, ambos vieram da Ale- xiliou na estruturação do curso
ceria entre a direção da Escola que espalharam pelo país a no- a Escola ingressa na área de manha e trouxeram um mode- de design da Esdi.
e os próprios alunos. Dentre ção de ensino de design, por- pesquisa, o que significa uma lo de ensino que considerava o Zuenir Ventura - jornalista e es-
os trabalhos estão projetos de que como a Esdi foi a primeira evolução teórica da profissão. funcionalismo do Design. critor brasileiro, foi professor
várias áreas como mobiliário, instituição do Brasil, num cer- “Além disso, podemos obser- Aloisio Magalhães - importan- da Esdi desde sua fundação.
vestuário, produtos eletrônicos, to sentido, aqui está a raiz de var que nos nossos projetos te designer brasileiro, ajudou a Carmem Portilho - feminista, foi a
audiovisuais, materiais gráficos, tudo”, sublinha Rodolfo Cape- de graduação existe um de- fundar a Esdi. Foi Secretário do terceira mulher a se tornar enge-
website, tipografia, transportes, to. A Escola foi incorporada à senvolvimento conceitual que Ministério da cultura e também nheira civil no Brasil e diretora da
embalagens, interiores e acessó- UERJ em 1975, quando houve a se aproxima dos trabalhos de responsável pelo projeto gráfi- Esdi por 20 anos. O Centro Acadê-
rios esportivos. Segundo o pro- fusão entre o estado da Guana- pesquisa, o que resulta em um co das notas do cruzeiro novo. mico da Escola leva o seu nome.
fessor Rodolfo, a variedade de bara e o Rio de Janeiro. auto-estímulo para continuar Décio Pignatari - poeta, escri- Pedro Luiz Pereira de Souza - De-
trabalhos é resultado de uma vi- Além da graduação em De- divulgando a Esdi. Trata-se de tor, tradutor e advogado. Foi signer e professor da Esdi em ati-
são integrada do campo do de- senho Industrial, a Esdi possui uma resposta nossa à socieda- teórico da comunicação e cria- vidade. É autor de Esdi: biografia
sign. Na Esdi, o curso não está o um programa de Pós-gra- de: mostrar que estamos crian- dor do poema-código e semió- de uma idéia (Eduerj, 1996) e No-
dividido em habilitações: “Os duação, iniciado em 2005, que do coisas que podem vir a se tico, além de um dos principais tas para uma história do design
alunos podem encontrar novos oferece curso de mestrado em tornar significativas”, encerra nomes da poesia Concreta. (2AB, 1998).
campos, exatamente por não ter design. As linhas de pesquisa se o professor.

DESTAQUE
Em 2007, a Esdi foi citada pela revista americana BusinessWeek
como uma das 60 melhores escolas de design do mundo, sendo a única
situada na América Latina nessa lista.

Mapa: http://tiny.cc/kvwr2
UERJ em Questão JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 / 7

Maria Theresinha do Prado Valladares


Prêmio de Extensão homenageia professora
O Prêmio de Extensão ela poderia, sem medo, pensar
Maria Theresinha do Prado assim. Um aprendizado enorme
Valladares, instituído pela de convivência. Uma grande
Sub-Reitoria de Extensão e amizade. Uma grande mulher e
Cultura e o Departamento de educadora que passava com sa-
Extensão, é uma entre as mui- bedoria todo um aprendizado
tas homenagens feitas à pro- de vida”.
fessora que faleceu em 18 de Maria Theresinha do Pra-
novembro de 2009. do Valladares nasceu e viveu
Para os alunos e os amigos, sempre na cidade do Rio de Ja-
uma querida mestra e amiga neiro. Formada pela UERJ em
que era amável, mas firme, bem Letras, casou-se com Mariano
humorada e franca, leal e cons- do Prado Valladares, profes-
tante. É assim que a descreve o sor catedrádico de Economia,
professor Ivo Barbieri: “A pro- e tiveram quatro filhos – Ma-
fessora Maria Theresinha e eu riano, Maurício, Fátima e Mi-
nos conhecemos quando o Ins- rian, seis netos e uma bisneta.
tituto de Letras saiu da rua Ha- Recentemente, sua neta Ana
ddock Lobo e veio para o campus Carolina dedicou-lhe a dis-
Maracanã, em meados dos anos sertação de mestrado, na área
70. Ficamos amigos e, particu- ”Bom humor, irreverência, uma ranzinzice intencional. da Biologia. Segundo Fátima,
larmente, minha mulher – cujo ter crescido numa família tão
nome também era Theresinha Ela foi uma grande parceira, tinha uma visão crítica e de voltada para o conhecimento
(professora Theresa Barbieri) marcou a personalidade de to-
– e ela estabeleceram uma ami- longo prazo, muito construtiva. O traço mais marcante de sua dos os filhos e netos de Maria
zade que se aprofundou quando Theresinha: “Ela ensinou aos
fomos padrinhos de casamento personalidade foi o amor incondicional pela UERJ” netos o amor pela leitura e pe-
do seu filho. Ao longo dos anos, los livros, são todos apaixona-
foi um prazer manter uma ami- Secretário de Educação Con- parceira, tinha uma visão crí- porâneos: muitos alunos, co- dos por ler. Foi também uma
zade que passava pelos mes- tinuada, Alfabetização e Di- tica e de longo prazo, muito legas de trabalho e os grandes pessoa de interesses diversi-
mos interesses: leituras, novos versidade do Ministério da construtiva. Creio que o traço amigos que deixou”. ficados: a literatura portugue-
livros e projetos, salas de aula Educação e Cultura, foi gran- mais marcante de sua perso- Para Maria Rodrigues Mon- sa, motivo de vários trabalhos
e alunos. Profissionalmente, a de amigo da professora Ma- nalidade foi o amor incondi- teiro, sua amiga e colaboradora importantes e a idéia de criar
professora era exemplar, além ria Theresinha: “Conheci e cional pela UERJ e a dedicação na SR-3, a professora foi alguém o UERJ sem Muros no tocante
de uma estudiosa e profunda convivi com a Theresinha à universidade, com toda a sua que não mais se esquece: “The- à prestação de serviços à co-
conhecedora de literatura por- durante muito tempo. Ela foi energia e disponibilidade. Fez resinha tinha uma personalida- munidade. Essa era uma voca-
tuguesa. Apaixonada pela obra assessora da professora The- projetos importantes, como de muito forte. Persistente, ela ção natural, porque crescemos
do escritor José Saramago, foi a resinha Nóbrega, na gestão “O escritor visitante”, que lutava pelas idéias e projetos, vendo nossa mãe exercendo
sua opinião que me fez conhe- do Reitor Antonio Celso Al- trouxe à Universidade nomes batalhava pelas suas convicções algumas ações sociais infor-
cer melhor o talento do escri- ves Pereira. E eu era diretor como Ferreira Goulart, João mesmo quando mais adiante se malmente, além da vida acadê-
tor, quando me recomendou a da Comuns. Quando a profes- Roberto Knoll, Antonio Tor- decepcionasse ou sofresse algu- mica. Em grandes enchentes
leitura de Levantado do Chão, sora Nilcéia Freire assumiu res e muitos outros, em parce- mas desilusões. Leal, coerente, da cidade, era ela a primeira
romance anterior ao Memo- a Reitoria, convidou-me para ria com o Instituto de Letras também divertida e animada. a formar uma rede informal
rial do Convento. Enfim, tenho ser Sub-Reitor de Extensão. e a SR-3. Theresinha abraçava Sempre de cabeça erguida, jo- de atendimento às pessoas, de
dela as melhores recordações e Convidei a Theresinha para qualquer projeto de qualidade vial, fiel às suas idéias e convic- socorrer nas situações mais
a solidariedade da presença e ser minha assessora e fizemos que representasse crescimen- ções. Tive o prazer e a honra de delicadas. Não nos lembramos
da amizade, quando perdi mi- um acordo: se nós nos supor- to e enriquecimento para a conhecê-la melhor nos quatro dela de outra forma, além de
nha companheira, também sua tássemos nessa convivência, universidade. Ela foi, com toda anos em que trabalhei na Sr-3. combinar uma atividade inte-
grande amiga. Ambas morre- renovaríamos nosso contrato certeza, uma das nossas per- Pensava com clareza e tinha um lectual constante que se irra-
ram no mesmo ano”. a cada ano. Esse era um dos sonalidades mais brilhantes e apurado senso de humor quan- diava no nosso dia-a-dia. Era
André Lázaro, professor traços dela: bom humor, irre- essa lembrança, que tenho cer- do dizia: ‘É necessário morrer o seu jeito de ser, permanente-
adjunto da Faculdade de Co- verência, uma ranzinzice in- teza não é apenas minha, ficou para abrir espaço para os que mente preocupada com o ou-
municação Social, atualmente tencional. Ela foi uma grande na memória de seus contem- estão vindo’. Só alguém como tro, com o ser humano”.
8 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

> ESPECIAL

De UEG a UERJ (1970-1990)

Em 1969, o contrato para a versidade passa a se chamar


construção do campus Maracanã como é conhecida atualmen-
foi assinado entre representan- te, Universidade do Estado do
tes do governo, da Universidade Rio de Janeiro (UERJ). Tam-
do Estado da Guanabara (UEG) bém neste ano, a Escola Su-
e da empreiteira responsável perior de Desenho Industrial
para obras que começariam de (ESDI), a primeira do gênero
imediato. Assim, a Universida- em toda América Latina, inau- 1/9
de que operava até então com gurada em 1963, é incorporada
diversos núcleos pelo estado à UERJ. As obras do pavilhão
busca concentrar as atividades Reitor João Lyra Filho e da
no campus Maracanã. Concha Acústica (04) estavam
Em 1971, para apoiar as praticamente concluídas e fi-
atividades universitárias e nalmente, em 1976, o campus
promover a interação dos co- Maracanã é inaugurado (05).
nhecimentos produzidos pelos A Associação dos Docentes
professores e servidores técni- da UERJ (Asduerj) foi fundada
co-administrativos das diver- em maio de 1979 para garan-
sas Faculdades e Institutos, foi tir um espaço democrático de
criado o Centro de Produção reivindicação dos docentes
da Universidade do Estado da dentro da Universidade, além
Guanabara (atual CEPUERJ) de seguir a tendência nacional
(fotos 01 e 02). Ainda em 71, foi de construção das associações 2/9

inaugurado oficialmente o edi- de docentes, possibilitada


fício Professor Paulo de Carva- com a abertura política que o
lho, para abrigar as Faculdades Brasil começava a vivenciar.
de Odontologia, Enfermagem, Nesse mesmo clima, o Dire-
Serviço Social e, provisoria- tório Central dos Estudantes
mente, de Administração e Fi- (DCE), fechado durante boa
nanças. (03) parte do regime militar, é re-
Quatro anos mais tarde, pela aberto – para que quatro anos
Lei Complementar nº 20, de 1º mais tarde, em 1983, o Conse-
de julho de 1974, durante a pre- lho Universitário, através da
sidência do general Ernesto Resolução nº 509, aprovasse
Geisel, decidiu-se realizar a fu- o Estatuto de Representação
são dos estados da Guanabara Estudantil, reconhecendo a
e do Rio de Janeiro, a partir de representatividade do DCE e
15 de março de 1975, mantendo dos CAs. (06) 3/9

a denominação de estado do O ano de 1984 foi marcado


Rio de Janeiro. Assim, a uni- pela campanha das Diretas Já. No
UERJ em Questão JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 / 9

4/9 5/9

6/9 7/9

dia 10 de abril aconteceu o “Co- Em 1990, a Universidade


mício das Diretas”, no Rio, com cria o projeto UERJ Sem Mu-
mais de um milhão de pessoas ros para aproximar a comu-
exigindo eleições diretas para nidade e mostrar a ela toda
presidente. Quinze dias mais a produção acadêmica – ao
tarde, a Emenda Dante de Oli- todo, foram realizadas 250
veira é derrotada no Congres- atividades em dois dias. Em
so Nacional, impossibilitando dezembro, – a exemplo de ou-
as eleições diretas naquele ano. tros incentivos à arte, como
A partir desse evento, o Movi- a Noite de Poesia Brasileira
mento Estudantil da UERJ não (1976) (07) e a Noite da Música
8/9 saiu mais das ruas. As eleições Popular Brasileira (1977) (08) –
para a primeira reitoria eleita para celebrar a ocasião do seu
por voto direto, com represen- quadragésimo aniversário, a
tantes escolhidos pela própria UERJ recebe o maestro Tom
comunidade acadêmica, acon- Jobim (09), que se apresentou
tecem em 1988 e a Universi- no Teatro Odylo Costa, Filho
dade empossa o Reitor Ivo e recebeu o título de Doutor
Barbieri. Honoris Causa.

9/9
10 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

Educação Física
Centro de esportes pretende beneficiar 4 mil pessoas
A maior expectativa atual do “Estamos fazendo uma reestrutu-
professor Edson de Almeida Ra- ração da sala de condicionamento
mos, Diretor do Instituto de Edu- físico para que possamos atender
cação Física e Desportos (IEFD), a esses programas de extensão.
é o término das obras do futuro Além disso, temos uma parceria
centro de esportes da UERJ, cuja com o Laboratório de Pesqui-
previsão é setembro. Seu sonho é sas Clínicas e Experimentais em
abrir as portas do local para crian- Biologia Vascular (Biovasq) para
ças de comunidades carentes do desenvolver um programa de
entorno do campus Maracanã pra- exercícios para crianças e jovens
ticarem atividades físicas. obesos”, revela.
O objetivo é que o espaço, que O Programa Domiciliar de
contará com campo de grama Exercícios para Hipertensos,
sintética, quadra poliesportiva e coordenado por Walace, consis-
piscina, atenda jovens de sete a 13 te em fazer com que as pessoas
anos, além de seus familiares. “Ve- caminhem no entorno de suas
nho trabalhando incansavelmente casas. “A caminhada de pelo me-
nesse projeto e tenho obtido total nos 30 minutos numa intensi-
apoio do Reitor Ricardo Vieiralves. atividades estão trabalhos com Chefe do Departamento de enfermagem, nutrição, sociologia dade moderada de três a quatro
Nossa expectativa é que possamos hipertensos, cardiopatas e porta- Ginástica e Dança (Degin), o e pedagogia. Como o tema é bas- vezes por semana é interessante
receber mais de 4 mil pessoas para dores de HIV. Após o convênio professor Jeferson Retondar tante procurado por estudantes para reduzir a pressão arterial”,
a prática de esportes olímpicos”, firmado em 2009 com o Comitê está à frente do Laboratório do de educação física e a UERJ ainda aconselha. Com a inauguração do
destaca o diretor. A intenção de Olímpico Brasileiro (COB), foram Imaginário Social, Atividades não possui um programa strictu centro de esportes, o laboratório
Edson de Almeida Ramos é fazer doados à UERJ modernos apa- Corporais e Lúdicas, o único no sensu na área, Retondar tem enca- pretende manter os dois progra-
com que os funcionários também relhos de ginástica, no valor de Rio de Janeiro em nível de gra- minhado esses alunos para pro- mas: o domiciliar e o nas depen-
frequentem o centro esportivo. cerca de R$ 2 milhões, que serão duação que estuda imaginário gramas afins como o de Medicina dências da UERJ para comparar
“Nossa meta é atingir todas as utilizados no desenvolvimento de social em educação física. O do- Social e Psicologia Social da UERJ seus efeitos. De acordo com Wa-
camadas, inclusive da faixa etá- pesquisas. cente explica que no laboratório e o de Memória Social da Unirio. lace Monteiro, já existem cerca de
ria mais avançada”, diz. “Parale- Na esfera da pós-graduação, são desenvolvidos trabalhos nos “Há quatro anos meus alunos são 60 hipertensos cadastrados para
lamente, teremos um campo de o IEFD conta atualmente com campos da aprendizagem moto- absorvidos por esses programas. o novo programa aguardando o
estágio para os nossos estudantes. dois cursos lato sensu: Desporto ra, imaginário e representação Geralmente recebemos pessoas início das atividades. Os interes-
Se a Educação Física não estiver de Crianças e Jovens e Educação social no escopo da educação fí- que querem trabalhar com ques- sados em participar podem ligar
atrelada à pesquisa científica, não Física Escolar. De acordo com o sica escolar como representação tões como anorexia, representa- para 2334-0775.
é educação física. E o nosso curso coordenador de pós-graduação, do corpo, papel do lúdico no pro- ção do corpo obeso, ludicidade e Como se vê, é vasto o campo
é muito respeitado”. professor Paulo Farinatti, há pla- cesso de ensino e aprendizagem, imaginário do Maracanã”, conta. de atuação do profissional de
O segundo desejo do diretor nos para que futuramente seja representação dos professores Um dos caçulas do IEFD, o educação física. Na opinião do
do IEFD está de certa forma re- criado o curso de pós-graduação de educação física pelos alunos e Laboratório de Atividade Física e professor Edson de Almeida Ra-
lacionado ao primeiro. “Estou há strictu sensu (mestrado) na área de como os estudantes lidam com Promoção da Saúde (LABSAU) é mos, a área vem confirmando sua
mais de 40 anos na UERJ e tenho exercício e reabilitação cardior- as temáticas da sexualidade e da responsável pelas seguintes ativi- importância nos últimos anos,
um sonho desde que entrei. Gos- respiratória. “A melhor maneira violência. “Procuramos mapear dades de extensão: Vida Positiva apesar da pouca oferta de vagas
taria que acabasse o mito de al- de alavancar é sair do isolamen- essas representações para poder (com portadores de HIV), Progra- no mercado. “O profissional de
gumas pessoas que ao passar aqui to, buscar parcerias dentro e fora apontar possíveis caminhos e ma Domiciliar de Exercícios para educação física é vital. Se passar-
em frente pensam: ‘seria tão bom da universidade, como estamos fazer com que o professor possa Hipertensos, Núcleo de Iniciação mos pela Praia de Copacabana,
se meu filho estudasse aí...’. Esse é fazendo. Dessa forma, compensa- entender que quem está do outro de Ginástica Artística, Programa vemos uma multidão se exerci-
um fantasma que temos a obriga- mos as limitações e conseguimos lado também pensa o mundo a de Exercícios para Idosos e Trei- tando, faça chuva ou sol. É por
ção de acabar, pois a universidade produzir massa crítica dentro da partir de determinados valores e namento de Forças para Idosos. isso que a avaliação científica não
deve estar pronta para servir à co- universidade na área”, destaca. crenças”, explica Retondar. “Iremos implantar no segundo pode deixar de existir, porque
munidade”, defende. “Firmamos um convênio com o Segundo o professor, atual- semestre um programa de exercí- estamos lidando com uma coisa
COB para montar um centro de mente fazem parte do laborató- cios controlados para hipertensos maravilhosa que é o corpo hu-
Outras ações referência para técnicos e estamos rio alunos de graduação da UERJ, cardiopatas”, informa o professor mano. Apesar de o mercado estar
Atualmente, o IEFD possui viabilizando uma parceria com a graduandos, mestrandos e douto- Walace Monteiro, chefe do Depar- saturado, costumo dizer que sem-
cerca de 500 alunos de graduação Universidade Salgado de Oliveira randos de outros estados, além de tamento de Desportos Individu- pre o bom profissional tem o seu
e 40 de pós-graduação e entre suas (Universo)”, adianta Farinatti. estudantes de outros cursos como ais (Desin) e membro do LABSAU. lugar ao sol”, enfatiza.
UERJ em Questão JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 / 11

Propriedade intelectual Lançamentos EdUERJ


completa dez anos
Confira os títulos publicados
no primeiro semestre
Uma das pontes entre a mas acrescenta que ainda existe
produção científica da UERJ e uma lacuna importante: fazer
a sociedade está sendo estru- com que o pesquisador tenha a
turada pela Universidade por noção exata de que seu trabalho
meio uma iniciativa que com- deve ser disponibilizado à socie- RIOCIENTÍFICO – INOVAÇÃO E MEMÓRIA
pletou 10 anos de existência em dade. Antonio Augusto Passos Videira (coord.)
junho deste ano: o InovaUERJ, Para o professor Antonio O livro, produção conjunta da mostrando uma imagem pouco de saber e pesquisa
Programa de Propriedade In- Carlos Rito, que também coor- Faperj e da EdUerj, é o resultado conhecida do Estado do Rio de e revigora a tradi-
telectual da Universidade. Para dena as ações do InovUERJ, a da colaboração de especialistas Janeiro. Organizado em 11 capítu- ção de pessoas que, desde o século
marcar a data foi lançada a ter- maior barreira a ser superada de diferentes áreas da ciência e los, o livro descortina a história XVI, reconheceram na pesquisa
ceira edição do Catálogo de Po- pela Universidade na área de tem como objetivo revelar como de algumas das principais ativi- e na busca pela inovação tecnoló-
tencialidades InovUerj. Ao todo, Inovação está exatamente na a ciência e a técnica estão presen- dades humanas que transforma- gica o caminho para o engrande-
a publicação reúne 4.188 pes- estrutura docente. “A UERJ tem tes desde meados do século XVI, ram o Rio de Janeiro em um pólo cimento humano e social.
quisas já em desenvolvimento uma capacidade enorme de ino-
e assinadas por professores var. Mas precisamos despertar LIVRO DE FONTES DE HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
da instituição com produção isto em todos, trazer os profes- Manoel Luiz Lima Salgado Guimarães
declarada no Currículo Lattes. sores para a Inovação”, defen- Manoel Luiz Lima Salgado Ele optou por trabalhar com um necessários às deman-
São 1.570 páginas que represen- de Rito. “O desafio hoje é fazer Guimarães, professor do Departa- conjunto de textos produzidos das de um momento
ta uma fonte importante dos com que os professores forma- mento de História da UERJ faleci- no Brasil no século XIX, apresen- histórico e ao projeto
trabalhos de inovação, que será lizem o seu conhecimento por do em abril, mostra o resultado de tando os modelos de escrita ade- de afirmação do Estado Nacional
distribuído a empresas e insti- meio de patentes, transforman- um extenso trabalho de pesquisa. quados às narrativas do passado e sob a forma monárquica no Brasil.
tuições de todo o país. do-o em produtos e serviços”,
Para os coordenadores do complementa. A SEXUALIDADE NAS CIÊNCIAS HUMANAS
programa, representa uma vi- Entre os docentes que já Maria Andréa Loyola (org.)
tória porque abre perspectiva “adotaram” a missão proposta Organizado pela professora dos de População da Unicamp, pesquisadores das
para um desafio ainda maior: pelo InovUERJ está a profes- Maria Andréa Loyola, o livro foi em parceria com o Instituto de mais diversas áre-
a adesão de novos pesquisado- sora Marly de Abreu Costa, elaborado a partir das palestras Medicina Social da UERJ (IMS). as com o objetivo
res. “A proposta é possibilitar da Faculdade de Educação. Ela do seminário comemorativo O livro, que teve a primeira edi- de pensar qual o sentido do ter-
a transferência de tecnologia aposta no próprio conceito de dos 15 anos do Núcleo de Estu- ção esgotada, reúne textos de mo sexualidade na atualidade.
e intercâmbio entre a Univer- inovação como um dos objeti-
sidade e a sociedade”, destaca vos do ensino superior. “Tudo A REDAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS – TEORIA E PRÁTICA
a coordenadora de Inovação, o que a Universidade produz é Claudio Cezar Henriques e Darcilia Simões (org.)
professora Marinilza Bruno para transferir a sociedade. En- O livro está na quinta reim- para universitários, pois apre- e didática, possibilita
de Carvalho. Para ela, toda a tão não se pode viver engessa- pressão e vem redigido confor- senta aspectos fundamentais da ao aluno aprimorar a
produção científica deve estar do, é preciso criar e possibilitar me as regras do Novo Acordo elaboração dos diferentes textos capacidade de articular
disponível para conhecimento a transferência de uma tecnolo- Ortográfico da Língua Portugue- acadêmicos exigidos durante o as várias disciplinas e expor com
público. A publicação dos ca- gia inovadora. Inovação é isso”, sa. A obra é de grande utilidade ensino superior. De forma clara precisão suas ideias.
tálogos é uma estratégia para conceitua a professora.
aproximar estes dois campos. Segundo a professora Ma- O ESPAÇO BIOGRÁFICO: DILEMAS DA SUBJETIVIDADE CONTEMPORÂNEA
Desde 2000, quando foi rinilza, o Brasil detém 5% da Leonor Arfuch
criado o programa, Marinil- ciência produzida em todo o Ao longo das cerca de 370 partir dos dilemas enfrentados biográfico, Leonor
za desenvolve um trabalho de mundo, mas só tem a proprie- páginas, a escritora argentina pelo homem em seu processo de Arfuch considera as
conscientização junto ao corpo dade de 0.00019%. Tais números expande as possibilidades para construção da subjetividade na experiências humanas e as tra-
docente sobre a importância refletem as estatísticas registra- o gênero biográfico, propondo contemporaneidade. Na cons- mas discursivas que se desenro-
da disseminação da produção das pelo Instituto Nacional de uma percepção das narrativas a trução do conceito de espaço lam a partir da interação social.
científica e da importância da Propriedade Intelectual (INPI),
garantia da propriedade. “O Ino- que apontam um crescimento A FORMAÇÃO PELA CIÊNCIA: SCHELLING E A IDEIA DE UNIVERSIDADE
vUERJ concebe o conhecimen- de pouco mais de dois mil pe- Ricardo Barbosa
to intelectual como nosso maior didos de patentes entre 2000 Volume que integra a co- sas, sobre o ensino das univer- sobre o método do es-
patrimônio”, define. Acrescenta e 2010. No ranking nacional, leção Universidade, o livro sidades. Os seis capítulos que tudo acadêmico, de
que a vinculação à Sub-Reitoria o Rio de Janeiro fechou 2009 faz uma reflexão sobre Frie- compõem a obra versam sobre F. W. J. Schelling,
de Pós-graduação e Pesquisa como o segundo estado com drich Wilhelm Joseph Von a origem do método do estudo que exerceu grande influência
(SR-2) facilita a observação do maior número de solicitações Schelling, filósofo idealista acadêmico e sua significação, a sobre as teorias educacionais
campo de produção científica, de patentes ao INPI (3.758). que refletiu, entre outras coi- partir do texto-chave Preleções de sua época.
12 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

Editais
Universidade se destaca em projetos de extensão
Divulgado o resultado do edital as imagens nas Ciências Sociais. de 30 minutos cada, para TV. “Pri- e disseminação de conteúdos re- dos municípios do Rio de Janei-
nº 05/2010 do Programa de Apoio “O que mais nos fascina é a pos- meiro, faremos a capacitação de 20 centes produzidos pela ciência”, ro por meio da implementação
a Projetos de Extensão e Pesqui- sibilidade de analisar as diversas alunos, dez da UERJ e dez da Man- justifica. O projeto tem por ob- de atividades como: inserção e
sa (Extpesq) da Fundação Carlos experiências de uso de imagens gueira. A proposta é que eles sejam jetivo proporcionar melhor for- articulação dos conteúdos refe-
Chagas Filho de Amparo à Pes- (fixas e em movimento) e suas si- agentes multiplicadores”, explica. mação aos futuros profissionais rentes ao Programa Nacional de
quisa do Estado do Rio de Janeiro tuações particulares, direcionada O primeiro filme vai apresentar a e prepará-los para atuar como Alimentação Escolar (PNAE) no
(Faperj), a UERJ comemora o pri- à elaboração de uma metodolo- relação da Mangueira com a cida- agentes transformadores da reali- currículo de graduação em nu-
meiro lugar em número de proje- gia audiovisual para as pesquisas de. O segundo terá como tema as dade do ensino de física nas esco- trição da UERJ; diagnóstico do
tos contemplados. A Universidade sociais. Ao aprofundar a reflexão meninas da comunidade, que se las do Rio de Janeiro. PNAE no Estado; consolidação
teve 23 projetos escolhidos, segui- teórico-metodológica da lingua- auto-intitulam “ratas” e a relação O projeto do professor José Fir- da rede estadual de alimentação
da pela UFRJ, com 19 e pela Uenf, gem imagética, estaremos também da mulher com a comunidade. mino Nogueira Neto, da Faculdade e nutrição escolar e elaboração
com oito. No total, foram contem- criando narrativas visuais com O terceiro vai abordar os “ratos”, de Ciências Médicas, enfoca sobre- de curso à distância para os res-
pladas 73 propostas, que dividiram vistas a uma dupla apresentação rapazes que se denominam vaido- peso e obesidade infantil e preten- ponsáveis técnicos do PNAE
recursos de R$ 2,7 milhões. O pro- dos resultados da pesquisa: textos sos e têm a auto-estima elevada. O de traçar o perfil nutricional das nos diferentes municípios.
grama tem como objetivo incen- escritos e textos visuais”, afirma. quarto e último documentário vai crianças de três escolas públicas, a Há 20 anos o professor Már-
tivar, apoiar e promover projetos O projeto tem três diretrizes: de- mostrar como os moradores se re- fim de identificar casos e oferecer cio Tadeu Ribeiro Francisco, da
de extensão ligados a pesquisa senvolvimento das pesquisas dos lacionam com tecnologias como acompanhamento nutricional; de- Faculdade de Enfermagem, de-
científica e/ou desenvolvimento membros da equipe, produção de música, internet e TV. Segundo o senvolver práticas educativas so- senvolve com seus alunos o pro-
tecnológico, a fim de fortalecer a vídeos e ensaios fotográficos e sua professor, ao final das gravações bre a importância do controle de jeto que já faz parte do carnaval
ação transformadora da pesquisa difusão; produção de vídeo-aulas os equipamentos adquiridos serão peso e programas de controle de do sambódromo: distribuição
sobre os problemas sociais e am- para a especialização em Gênero e doados à FCS. peso; interligar atividades de en- de preservativos aos foliões e
bientais e estabelecer uma relação Sexualidade e divul- sino e pesqui- informação sobre sexo seguro.
dialógica entre pesquisadores e gação dos produtos sa e propor a “Nosso foco são os setores 1, 6 e
sociedade. Os recursos poderão audiovisuais. Foram contempladas 73 propostas, que propagação no 13. Mas, além dos dias de desfile,
ser empregados para financiar O projeto da sistema educa- distribuímos preservativos nos
despesas com materiais perma- professora Heloisa dividiram recursos de R$ 2,7 milhões cional público. ensaios técnicos e nas comuni-
nentes e de equipamentos, custeio Ayres trata da Psi- Coordena- dades da Mangueira e dos Ma-
e serviços eventuais. cologia do Trabalho dor do Labora- cacos”, informa. O projeto tem
e Organizacional com ênfase nos No Instituto de Artes, o proje- tório de Mamíferos Aquáticos e apoio de setores das áreas muni-
Pesquisadores e seus projetos processos organizacionais e no to do professor Jorge Cruz é uma Bioindicadores professora Izabel cipal, estadual e federal, além de
Professora do campus Resende, funcionamento da empresa jú- continuidade do anterior, que Gurgel (Maqua), José Lailson Brito outras organizações.
Alzira Assumpção está à fren- nior do Instituto de Psicologia. O realiza performance artística de Júnior e equipe desenvolvem há A professora da Faculdade
te do Programa de Incentivo ao objetivo é o desenvolvimento téc- intervenção no espaço urbano. alguns anos projetos com espécies de Geologia Maria Antonieta
Empreendedorismo e Inovação. nico e acadêmico dos estudantes, “Dessa vez, a proposta é retomar do litoral fluminense. A intenção da Conceição pretende com seu
Seu projeto pretende contribuir o desenvolvimento econômico a discussão sobre a prática da per- agora é difundir as informações projeto promover ações para
para o estabelecimento de uma e social da comunidade, o estí- formance e a documentação do geradas pelas pesquisas realizadas consolidar o Instituto Virtual
cultura empreendedora regional; mulo ao espírito empreendedor fazer artístico e sua distribuição, na região com os ecossistemas de Paleontologia do Estado do
promover atividades em prol da e o contato dos estudantes com o por meio da realização de uma marinhos costeiros, alertando so- Rio de Janeiro (IVP-RJ), criado
demanda para a modalidade de mercado de trabalho e a socieda- poética documental que permita bre a importância da preservação. em 2002, e para divulgara a pa-
pré-incubação da incubadora de de. O projeto tem como finalidade fomentar o debate sobre as práti- “Ministraremos palestras duran- leontologia despertando o inte-
Empresas Sul Fluminense; incen- básica promover a ampliação e a cas e teorias audiovisuais contem- te visitas às escolas e entidades resse da sociedade pelo tema. O
tivar a vocação profissional local; integração do campo da pesquisa porâneas”, explica o professor, que comunitárias ao longo do litoral IVP-RJ permite a integração de
promover o acesso de ferramentas e da intervenção no Serviço de realiza performances na rua desde fluminense. As atividades desen- instituições de ensino e pesquisa
adequadas ao desenvolvimento de Psicologia Aplicada do Instituto 2009. volvidas serão realizadas nos mu- que atuam no estudo dos fósseis
futuros negócios na região; forta- de Psicologia. Recém-concursado do Institu- nicípios que margeiam as baías de no estado, cujo conselho gestor
lecer o programa de incubação da O foco do projeto do professor to de Física, José Claudio Reis está Guanabara, Sepetiba e Ilha Gran- é formado por pesquisadores da
incubadora; gerar demanda para o João Maia, da Faculdade Comuni- estreando sua pesquisa na UERJ. de”, informa o professor. UERJ, da UFRJ e da UniRio.
processo de criação de empresas cação Social, é a comunidade da “A formação de futuros profes- Diretora do Instituto de Nu- Representante do Instituto
inovadoras, novas tecnologias e Mangueira, mais especificamente sores de Física e físicos deve pro- trição, Luciana Castro foi con- de Letras, o projeto desenvolvi-
modos de gestão; e ampliar a capa- a Candelária. O local é objeto de porcionar maior contato com a templada com projeto que tem do pelo Escritório Modelo de
cidade operacional da incubadora. pesquisas do docente há cerca de pesquisa de ponta e proporcionar como objeto a qualificação das Tradução Ana Cristina César é
Já o projeto da professora Cla- oito anos e dessa vez o objetivo é reflexão sobre a melhor forma ações de alimentação e nutrição contemplado pela terceira vez
rice Peixoto concentra-se sobre produzir quatro documentários, de contribuir para a divulgação na rede pública de ensino básico em editais da Faperj. “Na primei-
UERJ em Questão JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 / 13
ra vez, montamos a biblioteca. Diretora da Faculdade de Desenvolvido desde 2009, o já existentes: Solução Estatística serão medidos os resultados para
Na segunda, compramos novos Formação de Professores, Ma- projeto da professora Marília de Junior, Software Livre para Alu- avaliação do projeto e indicação
computadores”, conta Maria ria Tereza Goudard Tavares Brito Gomes, da Faculdade de nos de Estatística e Programa de de seus desdobramentos.
Aparecida Andrade Salgueiro, desenvolve estudos, pesquisas Ciências Médicas, envolve pes- Estatística Aplicada. O primeiro Professor da FFP, Ricardo
professora responsável. Atual- e atividades de extensão cuja quisadores das áreas de saúde que foi criado com o intuito de for- Santori propõe, juntamente com
mente as traduções (nos idiomas proposta é investigar o papel atuam no sentido de contribuir mar profissionais gestores nas docentes do Departamento de
inglês, alemão, espanhol, francês de professores e suas lutas para um melhor entendimen- áreas de Estatística e Atuária por Ciências, ações educativas que
e italiano) são feitas por cinco pelo direito à educação em São to pela sociedade do diabetes meio da orientação pedagógica considerem o papel social da ci-
bolsistas de graduação do Insti- Gonçalo. A equipe pretende mellitus. “Nosso alvo principal é norteada às tecnologias sociais e ência com a produção de vídeos
tuto com supervisão de um pro- promover cursos e encontros preparar o corpo docente e fun- à inclusão. O segundo lida com didáticos, palestras, oficinas e
fessor. Para a tradução, o valor para aproximar pesquisado- cionários das escolas para aten- ensino, difusão, disseminação e exposições. “Pretendemos fazer
simbólico cobrado é de R$ 0,07 res, professores e militantes der às necessidades de crianças desenvolvimento do software a distribuição de cartilhas didá-
por palavra, enquanto que para dos movimentos sociais que e adolescentes com diabetes nas livre estatístico denominado ticas, além do registro fotográfi-
a versão R$ 0,09. Todo o dinhei- tenham como preocupação diferentes regiões do país e iden- “R”, que inclui linguagem de pro- co e videográfico das atividades,
ro arrecadado é revertido para a o direito à educação; recons- tificar possíveis novos casos da gramação avançada, interface com a produção de vídeos de
manutenção do Laboratório. truir o percurso de lutas pelo doença nas escolas”, afirma. interativa, capacidade gráfica ex- divulgação. Ao final de cada ano
As ligas acadêmicas da Faculda- direito à escola- tensiva e funções do projeto será elaborado um re-
de de Ciências Médicas surgiram rização nos mu- para manipula- latório anual e um seminário de
em 2007 e contam com a partici- nicípios de São O projeto pretende fortalecer a ação ção estatística e avaliação com os pesquisadores
pação dos estudantes em ações em Gonçalo e Du- matemática. O participantes”, explica.
saúde, ensino, pesquisa e exten- que de Caxias e transformadora da pesquisa sobre os terceiro tem por Coordenadora do mestrado
são. “A intenção é que funcionem elaborar relató- finalidade a pro- em Meio Ambiente da Facul-
como espaços onde o aluno possa rios científicos problemas sociais e ambientais fissionalização dade de Engenharia, Thereza
atuar junto à comunidade como e materiais de de discentes dos Christina Rosso pretende apre-
agente de promoção de saúde e divulgação da pesquisa; for- Coordenado pela professora cursos de Estatística e Ciências sentar estudos para o desenvol-
transformação social, ampliando mar jovens pesquisadores que Mirian Paura e inserido no Progra- Atuariais; apoiar docentes da vimento de tecnologias voltadas
o objeto da prática médica”, expli- possam reconhecer o papel ma de Pós-Graduação em Educa- Universidade no tratamento para o uso racional da água na
ca a professora Maria Helena Or- estratégico da extensão e da ção da UERJ, na linha de pesquisa estatístico de dados necessários Vila Dois Rios, onde se concen-
nellas. Atualmente existem oito pesquisa na produção do co- Infância, juventude e educação (do em suas atividades de pesquisa e tram as principais atividades do
ligas como projeto de extensão: nhecimento. grupo Jovens, Valores e Subjetivi- órgãos na elaboração de projetos campus Ilha Grande; apresentar
trauma e emergência, oncologia, Outro projeto ligado a artes, dades), o projeto está voltado para que envolvam pesquisa quanti- metodologia para tratamento
medicina de família e comunida- Práticas da construção da lin- a promoção do desenvolvimento tativa; formular convênios de simplificado de efluentes líqui-
de, gestão em saúde, cardiologia, guagem cênica no teatro para biopsicossocial e educacional de cooperação técnica para apoio a dos; realizar atividades de mo-
neurologia e neurocirurgia, medi- crianças, co- alunos de pós-gra- bilização com a comunidade
cina complementar e integrativa e ordenado duação em estudos local para apresentação do pro-
tocando saúde. pela profes- O objetivo é incentivar, apoiar e quantitativos. jeto, preservação dos recursos
Desenvolver programas de sora Maricé- Outro projeto da financeiros já aplicados e reco-
saúde bucal, privilegiando a edu- lia Andrade promover projetos de extensão FCS contemplado nhecimento de práticas ambien-
cação para a saúde como fator Bispo, propõe foi o desenvolvido talmente sustentáveis.
multiplicador e de sustentabili- a produção de ligados a pesquisa científica e/ou pelo professor Ri- A terceira professora da FFP
dade em Resende e municípios espetáculos cardo Freitas para contemplada foi Vanessa Breia,
vizinhos: esse é uma das metas para crianças. desenvolvimento tecnológico estudar as represen- coordenadora de projeto que
do projeto desenvolvido pela “Os objetivos tações, opiniões e oferece atendimento gratuito em
Vice-diretora da Faculdade de de nosso projeto não são literá- adolescentes e jovens vinculados relações que a população carioca equoterapia para crianças com
Odontologia, Maria Isabel de rios, mas sim com a linguagem à Faetec, por meio da formação mantém com o lixo, de forma a idade de 16 a 30 meses portadoras
Castro Souza. “Resende é uma e na linguagem em teatro para profissional continuada. “A idéia é listar os principais destinos dos de paralisia cerebral. “A equote-
região com necessidades de crianças. Para isso temos inves- criar um espaço para a articulação resíduos sólidos e tentar compre- rapia contribui para o desenvol-
atenção primária à saúde. Trinta tigado e desenvolvido técnicas das propostas teóricas de inves- ender o imaginário carioca quan- vimento do equilíbrio, do tônus
e duas das 54 escolas do muni- e procedimentos de trabalho tigação e das representações dos to a: percepção, ressignificação e muscular, da flexibilidade, da
cípio estão sem dentistas para diversificados relacionados à saberes e fazeres que compõem o reaproveitamento do lixo. “Para consciência corporal e da coor-
atender aos alunos. A orientação prática teatral para crianças e jo- cotidiano do imaginário juvenil, isso, serão realizadas pesquisas de denação motora, além de ganhos
dos professores reduzirá em ní- vens”, explica a professora. Ela explorando sua interface subjeti- opinião, elaboradas estratégias e na esfera emocional e cognitiva.
veis significativos os índices de acrescenta que a intenção é al- va”, define a professora. campanhas de comunicação que Com um trabalho de intervenção
cárie e periodontite nessas esco- cançar o público independente- Ligado ao Instituto de Mate- priorizem a educação ambiental, precoce, podemos colaborar sig-
las”, justifica. O projeto, iniciado mente de sua faixa etária, tendo mática e Estatística e sob coor- para que a UERJ possa oferecer nificativamente para o desenvol-
em 2008, utiliza a técnica restau- como alvo preferencial jovens denação da professora Regina alternativas comunicacionais ao vimento dessas crianças, o que
radora atraumática (TRA), que de cinco a 18 anos das redes ofi- Lanzillotti, Estatística – Uma quadro sobre resíduos sólidos pode trazer repercussões inclusi-
consiste em paralisar, restaurar e ciais e particulares de ensino do Ferramenta de Apoio à Socie- presentes no cotidiano urbano”, ve no processo de acessibilidade
prevenir as cáries. Rio de Janeiro. dade é a reunião de três projetos informa. Ao fim das duas etapas e inclusão escolar”, avalia.
14 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

Tecnologia
Laboratórios de ponta na Universidade
Qual o significado de uni- rios e grupos de pesquisa do Bra-
versidade? O que ela represen- sil e do exterior. “É uma espécie
ta para a sociedade? Muitos se de passaporte da nossa pesquisa
limitam a responder que uni- tornando-a mais abrangente, na
versidade é o lugar de formação medida em que um laboratório
de alunos. Sua função, porém, é desse porte naturalmente tem
muito mais abrangente. Além correlação com outras universi-
de oferecer formação superior dades e com outras instituições
de qualidade, uma universi- de ponta também fora do País.
dade deve disponibilizar seu Isso abre perspectivas para in-
conhecimento para toda a po- tercâmbio de pesquisadores e de
pulação. Esse é o papel que a alunos de graduação e pós-gra-
UERJ tem exercido ao longo de duação, que vêm fazer suas aná-
seus 60 anos. Além de oferecer lises em nossos laboratórios”,
um ensino de qualidade, presta destaca Monica.
serviços à população por meio De acordo a professora, a
de projetos de extensão. Para o Sub-Reitoria de Graduação, por
desenvolvimento de produção meio de sua equipe de infor- agentes. Para a Sub-Reitora, a boa doutorado e também mediante (CT-Infra) e, segundo Valeriano,
científica de ponta, a UERJ con- mática (SERAD – Serviço de articulação entre pesquisadores bolsas de apoio técnico, como o foi o primeiro dessa família de
ta com o suporte oferecido por processamento de Dados), está tem permitido com que a UERJ PROATEC (Programa de Apoio última geração no Brasil. Além
laboratórios das diversas áreas trabalhando com um sistema capte cada vez mais recursos para Técnico às Atividades de Ensi- de fazer a datação das rochas, o
do conhecimento. on-line de cadastro dos labora- os laboratórios junto às agências no, Pesquisa e Extensão), da Uni- laboratório realiza estudos de
Os laboratórios desempe- tórios. Esse sistema, diz Moni- de fomento, como Faperj, Finep, versidade, ou bolsas solicitadas à geoquímica isotópica. “São in-
nham uma função social im- ca, deverá estar disponível no CNPq e Capes. “Hoje estamos re- Faperj e ao CNPq. formações úteis para o estudo da
portante na medida em que as portal da Universidade ainda cebendo montantes de recursos evolução do planeta e também
pesquisas ali desenvolvidas be- no segundo semestre de 2010. da ordem que as grandes univer- Alguns exemplos para a prospecção de petróleo e
neficiam a população, comenta Além de ser uma ferramen- sidades brasileiras conseguem”, Distribuídos entre os quatro gás”, explica o coordenador. Há
a Sub-Reitora de Pós-graduação ta importante para a tomada comemora a Sub-reitora. Centos Setoriais, os laborató- dois anos o Lagir firmou par-
e Pesquisa (SR2), professora Mo- de decisões, “o cadastramento Além do financiamento das rios realizam projetos e pesqui- cerias com a Petrobrás e com a
nica Heilbron. “Quando uma on-line vai permitir que consi- agências, esses laboratórios pres- sas de interesse acadêmico e CPRM (Companhia de Pesquisa
universidade tem um laborató- gamos filtrar esses vários ex- tam serviços a terceiros, como científico. Nas áreas tecnológi- de Recursos Minerais), empresa
rio de grande porte e desenvol- tratos de laboratórios e acabar outras universidades e empresas, ca e biomédica, os laboratórios pública vinculada ao Ministério
ve uma nova tecnologia, você conhecendo a UERJ como um sendo essa outra maneira de cap- se destacam não só pelo pio- de Minas e Energia.
abre perspectiva de empregos, todo”. Monica antecipa que, a tação de recursos. Normalmente, neirismo de seus estudos, como Outro laboratório que realiza
perspectiva de colaboração de partir desse levantamento, a esses serviços são prestados, de também pelo desempenho das pesquisas importantes para a saú-
indústrias”, diz. Também tra- Sub-Reitoria pensa elaborar, acordo com a Sub-Reitora, por análises que fazem. Para isso de da população é o Laboratório
zem benefícios mais diretos, em parceria com a Diretoria meio do Centro de Produção contam com equipamentos de de Ciências Radiológicas (LCR),
como os proporcionados por de Comunicação, um catálogo da UERJ (CEPUERJ), que presta última geração e com a colabo- criado em 1993 dentro da estru-
laboratórios ligados à área de dos laboratórios que desenvol- apoio administrativo a esses la- ração pesquisadores altamente tura do Departamento de Biofí-
Medicina: “O trabalho desen- vem pesquisas de ponta. “Nossa boratórios. qualificados. sica e Biometria, do Instituto de
volvido por um laboratório de meta é que o catálogo seja feito A fixação de técnicos espe- O Laboratório de Geocrono- Biologia Roberto Alcântara Go-
diagnóstico por imagem bem em vários idiomas para poder cializados que sejam capazes de logia e Isótopos Radiogênicos mes (IBRAG). Desenvolve estu-
equipado, por exemplo, pode ser levado nas nossas viagens manusear equipamentos de últi- (Lagir) foi o primeiro laborató- dos em várias linhas de pesquisa,
ajudar a melhorar a saúde da para o exterior. Quanto mais ma geração é apontada pela Sub- rio do gênero a ser montado no como as áreas de radiobiologia,
população”, explica. laboratórios de grande porte a Reitora como o “grande gargalo” estado e o quinto no Brasil. Vin- de proteção radiológica e de
Além de contribuírem de gente tiver para trocar, melhor dos laboratórios. Eles precisam culado à Faculdade de Geologia dosimetria de equipamentos de
maneira direta ou indireta para será para a UERJ”, conclui. ter uma equipe técnica de alto e coordenado pelo professor radiação e atividades de pes-
o desenvolvimento da socieda- nível, compatível com o equipa- Cláudio Valeriano, o laboratório quisa, graduação e extensão.
de como um todo, eles projetam Financiamentos mento que o laboratório possui. existe desde 2005. Seu principal O LCR também atua na capaci-
a UERJ por meio de suas pesqui- A implantação e a manu- Na Universidade, conta a Sub- equipamento, o espectrôme- tação e atualização profissional,
sas. Os profissionais que os con- tenção desses laboratórios de reitora, essa demanda é atendi- tro de massa de última geração na área de Física Médica, e pres-
duzem geralmente trabalham ponta em uma universidade ne- da por concursos públicos, por (TRITON-Finnigan), foi ad- ta serviços a entidades médicas,
em rede com outros laborató- cessitam do empenho de vários alunos de doutorado e de pós- quirido com recursos da Finep órgãos de saúde e a indústrias.
UERJ em Questão JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 / 15
LAV também presta assessoria
a ONGs, a agências do estado e a
entidades da sociedade civil em
geral. Segundo Trajano, mesmo
que a área de segurança pública
tenha assuntos difíceis de se-
rem debatidos, o LAV está con-
quistando o seu espaço e hoje
dispõe de canais de diálogo com
autoridades e agentes de segu-
rança pública. “Nossas pesquisas
podem eventualmente causar
mudança de estilo de vida”. um atendimento mensal de qua- desconforto e as posições que
Ainda segundo Eliete, é impor- se 2.000 pessoas já que, em cada assumimos estão longe de se-
tante desenvolver métodos de caso, há em média o envolvi- rem bem recebidas por todos.
acompanhamento da evolução mento de três pessoas. Todos O que importa, porém, é que
da doença. “A obesidade já vi- os municípios fluminenses são conquistamos credibilidade e
rou uma epidemia global e as atendidos. Atualmente, o labora- respeito generalizado”, observa
doenças cardiovasculares, que tório está abrindo seus estudos o professor.
podem ser ocasionadas pela também para a área biológica e,
obesidade, são as que mais ma- em parceria com o Centro de Es- Perspectivas
tam no mundo hoje, inclusive tudos Ambientais e Desenvol- No processo de crescimento
no Brasil”, completa. vimento Sustentável (CEADS), da Universidade, uma questão é
Segundo o sub-coordenador do Vascular (Biovasc). O Laborató- Criado pelo Instituto de Bio- também da UERJ, projeta fazer premente: o espaço físico para
laboratório, professor Antonio rio realiza o que os profissionais logia da UERJ em 1996, com toda um mapeamento genético das alocar os laboratórios de ponta.
Peregrino, uma das funções do chamam de pesquisa translacio- sua estrutura financiada pela Fa- espécies animais da Mata Atlân- A Sub-Reitora de Pós-Gradua-
laboratório é verificar o uso ade- nal, que engloba estudos com perj, o Laboratório de Diagnós- tica encontradas na Ilha Grande. ção e Pesquisa enfatiza: “Esta-
quado das radiações ionizantes animais e com seres humanos. tico por DNA (LDD) é referência “É um laboratório de fronteira mos captando muitos recursos
pelos profissionais que a utili- Um dos diferenciais do Labo- nacional na área e aplicação de na área de genética forense, de para equipamentos de grande
zam. Hoje o LCR é referência ratório, de acordo com sua co- DNA na investigação forense. identificação humana por DNA porte e temos que trabalhar
estadual para avaliar as condi- ordenadora, professora Eliete Além de dar suporte acadêmi- e, agora, também associando a com esse gargalo”, diz. Por isso,
ções de radioproteção dos servi- Bouskela, é que o Biovasc é um co na formação de recursos não humana”, comemora Elizeu. já está prevista a construção
ços de radiologia e diagnóstico dos poucos estabelecimentos humanos qualificados, o LDD, Na área de Humanas existem de dois prédios que agruparão
médico (como os aparelhos de que fazem pesquisas clínicas por meio de convênios firma- vários laboratórios de destaque. parte desses laboratórios. Um
mamografia) e odontológico no Rio e Janeiro. “Se compa- dos com o Tribunal de Justiça A articulação de pesquisadores deles, o Celulão, será construído
do estado, atuando em parceria rarmos São Paulo e Rio Grande do Estado e com o Ministério qualificados promove a forma- em local perto Hospital Univer-
com a Vigilância Sanitária, que do Sul, aqui há poucos locais de Público do Rio, realiza perícias ção de laboratórios reconhe- sitário Pedro Ernesto e abrigará
é o órgão fiscalizador. De acordo pesquisa clínica”, avalia. Com genéticas solicitadas e custeadas cidos e respeitados na UERJ, todos os laboratórios ligados à
com Peregrino, o LCR é o único vários estudos em processos in- por esses órgãos. De acordo com cujo objeto de pesquisa não é área biomédica. Outro prédio
laboratório do Rio que emite flamatórios, o Biovasc também o coordenador do laboratório, a analítica. Produzem, nas suas será construído ao lado do Ins-
laudos técnicos de radioprote- se destaca por ter um enfoque professor Elizeu de Carvalho, respectivas áreas, estudos sobre tituto de Química, no campus
ção das instalações radiológicas multidisciplinar de métodos geralmente esse tipo de trabalho temas atuais e de grande impac- Maracanã, para abrigar labora-
em todo o estado, que devem ser não invasivos para a detecção é requerido em investigações de to para a sociedade. A questão tórios do Instituto e da Facul-
renovados a cada dois anos. Para de risco cardiovascular em obe- vínculo genético – na maioria da violência e da criminalidade, dade de Geologia. “Serão dois
isso, segue as normas da Portaria sos, diz a coordenadora. “Nós das vezes investigação de pater- por exemplo, é tema de estu- grandes e modernos prédios. As
453 do Ministério da Saúde, que estamos oferecendo um serviço nidade – ou então em investiga- do do Laboratório de Análise fundações já foram iniciadas e
preconiza as condições ideais de gratuito à população sem, basi- ções criminais. “Na investigação da Violência (LAV). Criado em já conseguimos obter parte dos
utilização desses equipamentos. camente, muita concorrência, de paternidade ou maternidade 2002 e coordenado pelo profes- recursos para a construção dos
“Dessa forma”, avalia o sub-co- pois não há outro desse tipo no (que é raro), você quer provar se sor João Trajano, o Laboratório mesmos. Nossa meta é que da-
ordenador, “o laboratório cum- Rio”, ressalta. Segundo a profes- o indivíduo é ou não é filho de (vinculado ao Programa de Pós- qui a dois anos ambos estejam
pre seu papel de assegurar o uso sora, o tratamento tradicional da determinada pessoa. Já em uma Graduação em Ciências Sociais) prontos”, prevê a professora
adequado da radiação ionizante obesidade realizado atualmente investigação criminal existem contribui para o processo de Monica Heilbron. Ela adianta
no nosso estado”. não obtém resultados satisfató- várias proposições e a maioria formatação de políticas públi- também que o Centro de Tec-
O processo de investigação rios. “Os recursos terapêuticos delas é confrontar a amostra cas voltadas em especial para o nologia e Ciências também terá
clínica envolvendo seres hu- são muito pequenos. Há poucas biológica encontrada em uma campo da segurança. Além de um novo prédio que abrigará,
manos é, há cerca de um ano, o drogas e, depois do tratamento, cena de delito com o material organizar eventos, seminários principalmente, laboratórios
trabalho desenvolvido pelo La- as pessoas facilmente voltam a genético de um suspeito”, escla- e realizar projetos que tratam ligados à Faculdade de Enge-
boratório de Pesquisas Clínicas ganhar peso. Estamos basica- rece o professor. O LDD realiza de formulação, condução e ava- nharia situada na Rua Fonseca
e Experimentais em Biologia mente tentando trabalhar com cerca de 600 perícias por mês, liação de políticas públicas, o Telles, em São Cristóvão.
16 / JULHO / AGOSTO / SETEMBRO DE 2010 UERJ em Questão

Pesquisa
Telemedicina da UERJ é um dos 21
melhores projetos de pediatria no mundo
O projeto se tornou referência no Brasil e já se estende a países da América Latina
Premiada internacionalmen- significativos do mundo no ano
te pelo trabalho desenvolvido na de 2009, pela Computer World.
área de pediatria, a Telemedicina Entre os trabalhos desenvolvi-
da Universidade do Estado do dos pelo grupo, hoje composto
Rio de Janeiro tem a sua história por mais de 30 instituições de
confundida com a própria his- ensino na área de saúde, está o
tória da Telemedicina no Brasil. “Síndrome do Bebê Sacudido –
Em 2003, quando pediatras da trauma cerebral abusivo”, além
Faculdade de Ciências Médicas de projetos na área de violência
enfrentaram um caso raro de infantil, abuso sexual, cyber-
tumor torácico diagnosticado bullying e diagnósticos.
em uma criança, a organização O sucesso do programa é tan-
americana Medical Mission for to que se estendeu a países da
Children doou à UERJ o primeiro América Latina entre eles, a Co-
equipamento de teleconferência lômbia e a Argentina. A Coor-
para que médicos americanos denadora do Projeto, professora
acompanhassem o caso. A ini- Evelyn Eisenstein, ressalta que
ciativa levou a Universidade a o trabalho desenvolvido pelo
se tornar a primeira do estado e SIG Children é modelo a ser
uma das 13 primeiras brasileiras seguido pela Convenção dos
a fazer parte da rede no Brasil. Direitos da Criança das Nações
O pioneirismo e a preocupa- Unidas. “O que desenvolve- Além do Brasil, Colômbia e Argentina também se incorporaram ao SIG em 2010
ção com a saúde da criança e do mos na UERJ é parâmetro para
adolescente levaram a equipe do trabalhos com crianças e ado-
Departamento de Pediatria da lescentes em toda a América
Faculdade de Ciências Médicas Latina. Em breve outros países
da UERJ a uma nova fase: criar devem estar conectados ao SIG
um Grupo de Interesse Espe- Children, como por exemplo,
cial (Special Interest Group - SIG), o Peru e a Venezuela”, enfatiza
o Sig Children. O que começou Eisenstein
com a conexão entre a UERJ e a Para potencializar os serviços
Universidade Federal da Bahia, médicos oferecidos à distância
hoje agrega hospitais-escola por profissionais da área de saú-
de vários estados brasileiros de foi criada uma Rede Univer-
e é uma referência na área de sitária de Telemedicina (Rute).
transferência de conhecimento Com um computador e um
médico avançado. O SIG Chil- aparelho de videoconferência é
dren da Pediatria promove e possível interligar diagnósticos
aprofunda discussões no campo e tratamento de doenças supe-
dos Direitos à Saúde, seguindo as rando as dificuldades da exten-
prioridades da Convenção dos são dos 8.511.965 km² do Brasil.
Direitos da Criança (da ONU) e As discussões transmitidas pela
do Estatuto da Criança e do Ado- Telemedicina não são restritas
lescente, bem como nas questões aos pesquisadores envolvidos
sobre ética, economia e legisla- no projeto. Como o objetivo é
ção em saúde e tecnologia. a valorização de novas idéias, as
O reconhecimento do tra- videoconferências são abertas
balho veio com a escolha do aos interessados através do site
programa como um dos 21 mais http://rute.rnp.br.