Você está na página 1de 13

Mulheres Chefes de Família: a complexidade e ambigüidade da questão*

Mary Alves Mendes


UFPE

Palavras-Chave: chefia domiciliar feminina, pobreza, relações de gênero.

Introdução
O crescimento freqüente da presença feminina na esfera do trabalho1 traz também à
tona uma situação cada vez mais constante na atualidade que é a mudança de gênero na
manutenção da família. No Brasil, segundo dados do censo do IBGE (2000), as famílias
chefiadas por mulheres representam 24,9% dos domicílios brasileiros. O nordeste é a região
brasileira que apresenta a maior proporção de domicílios chefiados por mulheres, com
25,9%, acompanhado da região sudeste com 25,6%. Segundo Berquó (2001), as chefias
femininas crescem no país como um todo, é um fenômeno tipicamente urbano, a maioria é
do tipo monoparental, destacam-se as mulheres mais jovens, separadas, negras, mais pobres
e com baixo grau de escolaridade. A grande concentração da chefia feminina encontra-se
nas camadas pobres (Castro, 1990, 1982; Goldani, 1994), visto que a própria condição de
pobreza, e muitas vezes miséria, conduz as mulheres ao mercado de trabalho em situações
que vão desde o compartilhar a manutenção da casa com o companheiro, até
responsabilizar-se sozinha pelo domicilio.
Mas será que a participação das mulheres no mercado de trabalho, acompanhado do
crescimento da chefia domiciliar está diretamente relacionada a uma questão de
emancipação feminina? As camadas sociais de onde provém essas mulheres chefes de
família tornam-se um dos indicadores importantes para o desvelamento de parte dessa
questão que é diversificada e plural em seus meandros e desdobramentos e, portanto
complexa em seu entendimento. A relação trabalho e emancipação feminina parecem

*
Trabalho apresentado no XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, realizado em
Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil de 4 a 8 de novembro de 2002.
convergir mais nas camadas médias do que nas camadas populares, nesta o elemento
motivador e primordial do ingresso ao trabalho é, na maioria das vezes, a luta pela
sobrevivência. As mulheres das camadas mais pobres, além de possuírem um baixo nível
educacional e qualificação, estão inseridas em grande parte no mercado informal, em
péssimas condições de trabalho e salários. Já as mulheres provenientes das camadas
médias e altas são geralmente melhor instruídas e qualificadas para enfrentar as novas
exigências do mercado2. Elas colocam-se em bons postos de trabalhos, recebem melhores
salários, e o ingresso se dá muito mais por uma questão de independência, autonomia ou
poder de consumo, do que por questões de pobreza e sobrevivência3.
Partindo do fato de que as mulheres não se constituem como um grupo homogêneo
e universal, pelo contrário, são heterogêneas e estão situadas em contextos diversos e
condições distintas, é que se pode afirmar que o próprio entendimento da questão
“mulheres chefes de família” deve considerar também uma diversidade de categorias, visto
que ela perpassa outras dimensões além de gênero, como classe, raça/etnia e idade/geração
(Macêdo, 2001). Somando-se a essas, outras variáveis se apresentam como esclarecedoras
da questão, são aquelas que dizem respeito ao próprio entendimento do termo “chefia
feminina”. Geralmente este é associado à negação da chefia masculina, seja pela ausência
do parceiro no domicílio, seja pela condição de viúvas, mães solteiras, ou separadas com
dependentes (Carvalho, 1998). Mas esse tipo de entendimento é limitado, pois desconsidera
não só a diversidade de modelos familiares presentes nas sociedades atuais4, mas a
diversidade de chefia (tipo e quantidade) que as mesmas podem absorver5.

1
O ingresso feminino no mercado de trabalho está associado a uma diversidade de questões que incluem o
processo de urbanização, industrialização, consumo, emancipação feminina, e pobreza.
2
Sobre as exigências e requisições do atual mercado de trabalho em relação ao trabalhador ver Pochmann
(2001). O autor coloca como novo requisito profissional indispensável ao ingresso e permanência no
mercado de trabalho o aumento do nível educacional do trabalhador.
3
Amartya Sen (2000) afirma que a melhoria da condição de agente das mulheres pode gerar mudanças
importantes na sociedade. O ganho de poder das mulheres é central no processo de desenvolvimento do
mundo. Esse ganho de poder se dá através das atitudes da sociedade para proporcionar educação e
oportunidades de emprego às mulheres.
4
A exemplo dos novos arranjos familiares cita-se as unidades domésticas que contém casais monoparentais,
homossexuais (femininos e masculinos), e os solteiros. Sobre novos arranjos familiares e seus processos
adaptativos ver Castells (1999), Giddens (1999), Goldani (1994), Butto (1998).
5
Quando se trata de organização familiar que possui diversos núcleos e diferentes gerações co-habitando num
mesmo domicílio a chefia domiciliar pode fugir ao tradicional, tanto em relação ao encarregado da chefia
familiar, como em relação ao número de chefes dessa organização.

2
Outras questões se colocam ainda como fundamentais para o entendimento da
“chefia”, são aquelas relacionadas à necessidade de delimitação das categorias consideradas
na análise (Carvalho, 1998), como por exemplo, a referência que se toma para falar de
chefia é o grupo doméstico ou a família6? Que modelos de família são considerados? A
chefia deve estar sempre relacionada à provisão econômica, ou diz respeito também à
autoridade? Ocorre chefia feminina com a presença masculina no domicílio?
Diante da significância que essa questão representa nas mudanças que vem
ocorrendo, não só em termos da família, mas da sociedade em geral, e como tal
comportando categorias diversas e plurais, o referido texto tem por objetivo explorar a
condição da chefia feminina, analisando as relações de gênero que são constituídas,
remodeladas e conservadas sob a condição dessa chefia, como também as posturas
femininas mediante a responsabilidade e multiplicidade de papéis. Além da ocorrência da
manutenção financeira feminina, outro aspecto a ser destacado é a ambigüidade percebida
nos relatos das mulheres chefes de família, onde podem ser observadas posturas femininas
mais tradicionais, como também posturas consideradas mais revolucionárias.
Toma-se como referência os dados de uma pesquisa qualitativa, em nível de
mestrado, realizada com mulheres líderes comunitárias que moram em áreas ZEIS, da
cidade do Recife-PE e que representam suas comunidades junto ao PREZEIS, um
Programa Municipal de Regularização e Urbanização dessas áreas7.

Mulheres Chefes de Família das áreas ZEIS do Recife.


Delimitando as categorias, toma-se como parâmetro de análise o grupo doméstico,
considera-se tanto a provisão econômica como as relações de poder, e norteia-se pela
tipologia exposta por Carvalho (1998)8 sobre chefia domiciliar feminina, que se enquadra

6
Grupo doméstico ou Household refere-se ao grupo de residência e consumação. Este pode conter parentes,
não parentes e agregados. Família tem um sentido mais amplo, pode englobar grupo doméstico, mas não se
restringe somente a este. Para maiores detalhes ver Segalen (1993).
7
As áreas ZEIS-Zonas Especiais de Interesse Social são consideradas áreas faveladas, que são assistidas pelo
PREZEIS-Programa de Regularização das ZEIS, um programa municipal de assistência a essas áreas carentes
de infra-estrutura básica e de legalização. É um modelo de gestão participativa, criado com a finalidade de
regularizar e urbanizar essas áreas através da participação conjunta da prefeitura e setores da sociedade civil
(URB, membros do movimento popular e ONGs) nos processos decisórios.
8
A tipologia exposta por Carvalho (1998) é de Youssef e Hetler, citados por ela mesma no seu artigo.

3
em três tipos: a) aquela que se define pela ausência do parceiro sem necessariamente
acontecer a manutenção feminina; b) aquela em que há a ausência masculina e a
manutenção feminina, c) aquela em que há a manutenção feminina, não implicando
necessariamente a ausência masculina.
A última alternativa, acima, foi a predominante (67,86%) na pesquisa realizada com
mulheres moradoras de favelas na cidade do Recife, seguida da alternativa “b” com
32,14%. As 28 representantes comunitárias entrevistadas situavam-se no intervalo dos 25
aos 60 anos, destacando-se o intervalo de 40 a 50 anos, corroborando a afirmação de
estudiosos a respeito do ingresso das mulheres mais idosas no mercado de trabalho
(Bruschini, 2000; Scott, 2000). O nível de escolaridade oscilava entre o primário e ginásio.
A maioria era casada9 e mantenedoras de seus domicílios10. A situação de exclusão dos
companheiros do mercado de trabalho e o baixo poder aquisitivo desses, as levaram a
cobrir as necessidades domiciliares dentro de um vasto leque de opções que lhes eram
apresentadas em termos de serviços informais, na maioria das vezes, muito precários, tanto
no que se refere às condições de trabalho, como aos próprios ganhos.
Os dados analisados não dizem respeito a uma pesquisa específica sobre chefia
domiciliar feminina. Essa foi percebida frente aos depoimentos sobre a vida familiar das
entrevistadas numa pesquisa (Mendes, 2000) cujo objetivo era verificar a influência da
participação de mulheres líderes comunitárias nos movimentos reivindicativos de bairros,
enquanto espaços de poder e alterações das relações de gênero na esfera pública e
doméstica. Foram os depoimentos dessas mulheres sobre questões relacionadas aos seus
ganhos e ocupação dos maridos, que motivaram essa análise sobre chefia domiciliar
feminina.

9
A vida conjugal das 28 entrevistadas está assim definida: 19 são casadas com filhos (67,86%), 07 separadas
com filhos (25%), 02 solteiras sem filhos (7,14%). O grupo doméstico do qual fazem parte essas mulheres
têm a composição bastante variada: 13 famílias são compostas de (casal e filhos, 46.43%); 04 (casal, filhos,
netos, genro ou nora, 14.29%); 01 (casal, filhos, irmão da mulher, 3.57%); 01 (casal, filhos, mãe da mulher,
irmãos da mulher, cunhados da mulher, 3.57%); 04 (mãe e filhos, 14,29%); 02 (mãe, filhos, neto, nora ou
genro, 7.14%); 01 (mãe, filha, avó, 3.57%); 02 (irmãos, 7.14%).
10
Apesar das mulheres aqui pesquisadas estarem inseridas em três categorias conjugais (casadas, separadas e
solteiras), não se pretende analisar a chefia domiciliar de forma fragmentada. O objetivo é fazer uma análise
geral tomando como parâmetro o grupo predominante que é o grupo das mulheres casadas.

4
O ganho das referidas representantes, que provinha da ajuda de custo fornecida pelo
PREZEIS e de outras atividades que executavam no mercado informal11 acabava por
caracterizá-las como mantenedoras financeiras dos seus domicílios, visto que esses eram os
mais freqüentes e maiores do domicílio. Essa situação de prevalência salarial feminina era
confirmada pela ocupação incerta dos maridos, que na maioria se ocupavam de fazer
“bicos”. Os que não se enquadravam nesta condição estavam literalmente parados e eram
sustentados integralmente por suas companheiras. Percebeu-se, que esta situação estática
dos companheiros em relação ao trabalho, deixava as mulheres constrangidas diante do
público em geral. Quando interrogadas sobre a ocupação dos maridos, justificavam a
permanência diária dos mesmos em casa, relacionando-a ao precário estado de saúde e
atribuindo-lhe o qualitativo de homem inutilizado. Tal justificativa mostra não só a
importância do trabalho como “substrato da identidade masculina” (Sarti,1996:66), mas o
estabelecimento tradicional da divisão sexual do trabalho na esfera doméstica, onde ao
homem cabe o trabalho fora de casa, o espaço da rua, e à mulher cabe o trabalho no interior
da casa e a permanência nesta (Sarti, 1996; Romanelli, 1995; Roazzi,1995).
“Ah! minha filha desde que ele caiu doente tá inutilizado, não é mais homem
de verdade, de pegar no batente não. E ele era tão trabalhador quando era
bom, só tu vendo visse?”.

“Mulher ele tá parado agora, você sabe que as coisa tá difícil e quando a
gente é pobre é pior. Ele vai procurar mais não tem emprego não, aí ele fica
fazendo uma coisinha aqui e outra ali e vai levando. Tem um homem aí que
prometeu de colocar ele na construção, vamo ver né?”.

A condição de desempregados dos maridos e a situação conjugal das líderes


comunitárias acabaram caracterizando como predominante a mencionada chefia do tipo
“manutenção feminina com a presença do parceiro no domicílio”. Esse tipo de chefia é
apontada, em boa parte das pesquisas que abordam a questão, como a menos freqüente

11
Com o propósito de viabilizar a participação dos representantes comunitários nas freqüentes atividades e
reuniões, o PREZEIS lhes pagava uma ajuda de custo de R$ 100, 58 (cem reais e cinqüenta e oito centavos).
Mas a maioria das representantes não tinha somente a ajuda de custo do PREZEIS como renda. Entre o grupo
entrevistado, as atividades que exerciam para o complemento da renda familiar eram bem diversificadas, indo
desde agentes de saúde, educadoras de rua, empregadas domésticas, secretárias de centro paroquial e centro
evangélico, vendedoras de jogos da sorte, até mãe de santo.

5
(Scott, 2000; Macêdo, 1999; Castro, 1990). Todavia, os referidos dados, aqui encontrados,
acabam convergindo com as afirmações de Bruschini (2000), que diz ser o novo
contingente de trabalhadoras composto de mulheres casadas12.
Essa chefia feminina do tipo “manutenção feminina com a presença do parceiro no
domicilio”, é difícil de ser percebida no que diz respeito às relações de gênero, visto que o
peso da tradição acaba dificultando e encobrindo as alterações de papéis e poder de decisão
dentro do domicílio, principalmente quando uma das atribuições centralmente considerada
definidora da figura masculina, a de provedor da família, está sendo ocupada pela figura
feminina. Há que se considerar que as mulheres, muitas vezes, são colaboradoras na
ocultação da real situação de mudanças dos papéis na família, pois mesmo na condição de
provedora econômica, elas procuram formas de não assumir essa provisão, nem em casa e
nem na rua, com o intuito de não constranger o parceiro pela inversão da posição de papéis.
Bourdieu (1999), diria que tais atitudes se justificam pela eficiência presente nas estruturas
de dominação, que tendem a naturalizar as práticas dessa construção histórica e cultural que
é a dominação masculina, tornando os que estão sob o seu jugo prisioneiros sem se
sentirem e sem se saberem prisioneiros. Percebe-se que ao tomar tais posturas, essas
mulheres tentam adaptar e remediar a nova situação por elas experienciada às normas
tradicionais de códigos morais que delegam aos homens atitudes consideradas de chefes da
família, quais sejam, a autoridade sobre os membros da família, a obediência e o respeito da
família a ele, o usufruto das regalias cotidianas no domicílio e poder de decisão no interior
da casa (Sarti, 1996).
Quando perguntadas sobre a chefia da casa, observou-se posições diferentes entre as
entrevistadas. Embora a maioria se assumisse como chefes, alegando manterem a casa e
ditarem as regras, colocando-se, assim, como sujeitos da mudança, muitas atribuíam ao
companheiro a chefia da casa, embora reconhecendo serem elas as responsáveis pela
manutenção financeira do domicílio, configurando-se como agentes da permanência. Os
depoimentos que revelam posturas mais tradicionais provavelmente estão associados a uma

12
Montali (1998) também faz referência, em seu estudo, à crescente participação nos primeiros anos da
década de 90 da mulher-cônjuge na renda familiar. Comenta ainda que nos rearranjos analisados elas passam
a assumir parcela maior na composição da renda familiar, caracterizando por conseqüência uma redução do

6
forte internalização do processo de socialização, que define culturalmente os papéis sexuais
e suas posturas. As trajetórias e experiências de vida dessas mulheres se configuram como
fortes indicadores, não só da maior ou menor absorção desses valores sócio-culturais
(Macêdo, 2001), mas das atitudes e posturas por elas tomadas.
“Olhe, eu sou a chefe, hoje ele depende de mim, a despesa maior da casa
fica nas minhas costas, hoje eu ganho muito mais do que ele. Com essa
história do meu envolvimento com a política terminei assumindo um cargo e
uma boa remuneração que me dá o direito de fazer e desfazer aqui em casa.
Agora por conta dessa situação nós não vivemos bem, mas eu prefiro assim.”

“Mulher, acho que o chefe da casa é ele, tá certo que eu é que boto o
dinheiro, mas sabe como é, o homem é que termina mesmo mandando na
mulher e na casa, não tem jeito não, isso vem de muito tempo. (...) se eu for
decidir tudo aqui em casa é só pra gente arengar todo dia, aí eu deixo como
ta, é melhor né?”

Observou-se que mesmo aquelas mulheres que se assumiam como chefes, mantiam
cotidianamente perante o companheiro uma certa preocupação de não deixar às claras tal
condição, amenizando a situação através de alguns artifícios como: conceder uma espécie
de mesada ao companheiro, satisfazer alguns dos seus vícios de consumo (cigarro, comida,
objetos de lazer), esforçar-se para manter o reabastecimento da casa, no sentido de
amenizar o constrangimento do parceiro pela carência material.
“eu tô preocupada porque ele comprou um carretazinha financiada e tá
chegando o dia de pagar a prestação e ele não vai ter, e eu vou me virar pra
botar esse dinheiro na mão dele. Mais vai ser osso, não sei como vai ser. Ele
é muito orgulhoso, não quer receber meu dinheiro, mas eu dou um jeito
(risos)”.

“eu vou lá no bolso da calça dele e coloco o dinheiro. É muito ruim um


homem sem dinheiro mulher, né mesmo? Não ter dinheiro nem pro cigarro,
tá doido!”

Mas quando perguntadas sobre quem decidia as coisas em casa, a resposta da


grande maioria indicava ser o casal, outras afirmaram ser delas a palavra final, o que
demonstra, nas duas situações, a ocorrência de alterações na posição da mulher no lar, se

peso do chefe na renda familiar, um maior partilhamento dos componentes da família na manutenção do
grupo familiar e a negação do modelo de família estruturado com base no modelo do “chefe provedor”.

7
comparada a uma situação de dependência de outrora, em que somente ao marido cabiam
as decisões.
“Aqui nós concordamos em tudo, às vezes eu cedo, as vezes ele cede, mas é
tudo de acordo”.

“Às vezes a gente fica birrando porque um quer uma coisa e o outro quer
outra, a gente discute e eu deixo pra lá, depois com jeitinho eu convenço ele
e termina eu ganhando”.

Mediante essas questões que dizem respeito à responsabilidade pela chefia da casa e
decisões em casa, observa-se que está incrustado no próprio termo chefia, o peso da
tradição que remete a valores machistas, ou seja, ao homem cabe-lhe melhor a chefia
porque esta diz respeito a uma autoridade e responsabilidade mais ampla, indo além do
âmbito domiciliar para englobar a família e o espaço público. Quando se trata das decisões
no domicílio, o equivalente é a mulher, visto que se trata da responsabilidade e autoridade
sobre a casa, tradicionalmente extensão das tarefas femininas.
Outra constatação, diz respeito à execução das tarefas domésticas. Essas mulheres,
que trabalham fora e mantém os seus domicílios, continuam sendo responsáveis pelos
serviços domésticos, cuidados com a casa, e com os filhos (Antunes, 2001; Sen, 2000;
Macêdo, 2001). Apesar delas terem assumido atribuições consideradas tradicionalmente
masculinas, o mesmo não ocorre em relação aos homens, que na maioria das vezes não as
substitui no âmbito do doméstico, e quando o faz é parcialmente, alegando que
determinados serviços não podem e não devem ser feitos por homens. Sendo assim, a
administração da casa e filhos continua ainda sob a responsabilidade da mulher, o que faz
com que a sua carga de trabalho seja não só duplicada (Strey,1997), mas quadruplicada,
exercendo a um só tempo papéis distintos que requerem eles próprios suas atividades
específicas, quais sejam, o de líder comunitária, trabalhadoras avulsas, dona de casa, mãe e
esposa13.

13
Esse quádruplo papel feminino a que se refere aqui é uma forma de chamar a atenção para as distintas
atividades ocupadas pelas mulheres e que muitas vezes estão englobadas em uma ou duas categorias. As
mulheres ocupam atividades distintas como dona de casa, mãe, e esposa. Por exemplo, quando se fala da
função de dona de casa, está se falando da execução das tarefas domésticas relacionadas à arrumação e
limpeza da casa, compra e preparo da alimentos; a função de mãe diz respeito ao processo geral de gestação,
cuidado e assistência geral aos filhos (alimentação, vestimentas, saúde, escola, lazer); a função de esposa está

8
Responsáveis pelas tarefas domésticas, elas costumam dividi-las com as filhas, o
que nem sempre ocorre em relação aos filhos (Sarti, 1996; Macedo 2001). Sobre esse ponto
os depoimentos se apresentam equilibrados entre falas que contrariam a tradicional divisão
sexual do trabalho e falas que reforçam as práticas e pensamentos tradicionais da definição
de papéis.
“Meu menino me ajuda muito, ele faz de tudo, a única coisa que eu não
deixo ele fazer é lavar roupa, porque aí não dá certo né? Isso fica mais pra
mulher. E mesmo assim eu tenho medo dos coleginhas dele ver e ficar
gozando, enchendo o saco dele, sabe como é que é”.

“Aqui em casa não tem essa não, ele tem que fazer também as coisas de
casa. Por que tem que ser só a mulher? Aonde é que tá escrito isso? Ele se
dana, mas eu digo assim: rapaz tua mão não vai cair não só porque tu vai
lavar esses pratos visse?”

Considerações Finais
Posições consideradas revolucionárias e tradicionais estão presentes nas atitudes e
posturas das mulheres chefes de família das camadas pobres, quer seja em relação ao poder
de decisão em casa, quer seja em relação às atividades domésticas. As posturas
consideradas mais tradicionais ou conservadoras não devem ser entendidas taxativamente
como formas de aceitação, contradição ou submissão feminina. Elas podem ser vistas como
estratégias pela qual as mulheres processam o caminho da mudança, ou seja, sem
transformações radicais e rupturas. Mesmo inscritas num quadro de mudanças discretas e
de lampejos de conservadorismo, foi possível perceber nessas mulheres a emergência de
elementos que as tornaram mais autônomas, decididas, e com a auto-estima melhorada. No
geral, observou-se a existência de alterações nas relações de poder. Ao tempo em que
procuram no trabalho o sustento da família, essas mulheres vão adquirindo também a sua

relacionada ao tempo despendido com o cuidar da aparência, a atenção dispensada ao marido na rotina diária
da casa, companhia a este nas saídas públicas, disposição para a prática das relações sexuais. Alguns
depoimentos mostraram que é obrigação da mulher manter relações sexuais com seus maridos, que este está
no direito dele de exigir essas relações, que não pode ficar sem tê-las e se assim for lhe é permitido a busca de
relações sexuais fora de casa. Outros depoimentos mostraram a reclamação de algumas mulheres mediante a
exigência dos maridos em tê-las sempre disponíveis e bem preparadas para as relações sexuais.

9
fresta de independência e liberdade através da sociabilidade constituída no ambiente de
trabalho.
Os relatos das Representantes Comunitárias mostraram que a posição de chefes
ocupada por elas, no tocante à situação financeira, não se configura igualmente em termos
de autoridade e poder absoluto de decisão no lar, ao contrário, essa chefia, muitas vezes não
reconhecida e admitida é vivida pelas mulheres chefes de família casadas, de forma muito
mais conciliadora, solidária e integrativa do que de imposições e embates, não só no que
diz respeito aos companheiros, mas ao restante dos membros do grupo doméstico.
É preciso também levar em consideração que não há um modelo puro de chefia,
como não há um modelo único de família, de classe ou de sociedade. O que se tem são
emaranhados de situações que devem ser analisadas dentro do seu contexto. Talvez se deva
considerar ainda que a chefia feminina, de um modo geral, não significa substituição da
autoridade masculina pela autoridade feminina. Na verdade, ela se entremeia nessa
autoridade masculina de forma sutil e habilidosa como um trabalho silencioso que nem
sempre põe à amostra o sujeito feminino como responsável pelos processos decisórios, mas
ele existe e é fundamental para o remodelamento cotidiano de papéis e conseqüentemente
das relações de gênero.
“A gente tem que ter cabeça visse? Não adianta eu querer ser a tal e depois
não dá em nada, é melhor ir com jeito que você consegue tudo e termina
fazendo o que quer. Ôxe menina eu sei como é visse? (risos)”.

As mudanças ocorridas na família através das mulheres parecem não se


caracterizarem essencialmente por mudanças bruscas e posturas radicais, ao contrário,
parecem se estabelecerem paulatinamente, ao tempo que concomitantemente vão
conservando alguns elementos e implantando novos. Elementos esses que, em geral,
acabam sendo significativos tanto para o redimensionamento dos papéis na unidade
domiciliar, como para a manutenção de posturas tradicionais. Essa convivência, nem
sempre harmoniosa, do velho com o novo pode muitas vezes significar sacrifícios para as
mulheres, através das posturas de retração e da sobrecarga de tarefas, mas pode significar
estratégias de empoderamento que vão se estabelecendo em longo prazo.

10
Como bem formulou Scott (1991), relações de gênero são fundamentalmente
relações de poder. Muitas vezes o que pode parecer obediência e conformação são de fato
estratégias utilizadas dentro de um quadro de correlações de forças diferentes,
descontínuas, e que se dão através da produção social do discurso (Foucault, 1995). A
questão “Mulheres Chefes de Família” mostra-se complexa, tanto no que diz respeito ao
seu entendimento como ao seu estabelecimento, pois engloba várias questões subjacentes,
como poder econômico, poder de decisão, modelo familiar e relações de gênero. Como diz
Scott (2000), esse suposto fenômeno da chefia é “recheada de particularidades bem
identificáveis, mas extraordinariamente diversificada na sua ocorrência” (p.2).
A chefia feminina se consubstancia como um avanço da trajetória das mulheres na
sociedade, particularmente pela sua saída do domínio exclusivamente doméstico e seu
ingresso no mercado de trabalho, mas ao lado dessa questão mais geral da independência e
emancipação feminina não se pode desconsiderar outras questões que estão relacionadas às
trajetórias e experiências vivenciadas pelas mulheres. O contexto sócio-econômico e
político em que estão inseridas, e que as fazem ingressar no mercado de trabalho, se torna
fundamental para sabê-las enquanto um processo de emancipação, ou de exploração.
A situação de pobreza e miséria é um dos fatores que faz vir à tona a chefia
feminina no tocante à provisão financeira feminina, o que não necessariamente está
associada a uma questão de emancipação ou autonomia feminina, embora não signifique
dizer que esta não esteja presente nesses casos. As mulheres provenientes das camadas mais
pobres, por exemplo, moradoras de favelas, são na maioria motivadas a ingressarem no
mercado de trabalho pela precária situação financeira vivida, por questões de
sobrevivência, o que pode, em segundo plano, conduzi-las a autonomia e posturas
emancipatórias. Todavia, há que se considerar a diversidade mesmo dentro do contexto da
situação de pobreza. Embora as mulheres chefes de família aqui analisadas sejam
moradoras de favelas, o que já lhes atesta um elevado grau de pobreza e baixo nível de
escolaridade, elas possuem uma particularidade que talvez as diferencie de outras mulheres
chefes de família também provenientes de favelas. Trata-se da condição de líderes
comunitárias por elas vividas nos movimentos sociais cuja sociabilidade, em si, já favorece

11
a emergência de elementos que vão torná-las mais conscientes da sua condição e papel na
sociedade, e também mais autônomas e decididas.

Referência Bibliográfica
ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do
trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2001.
BERQUÓ, Elza. Perfil Demográfico das Chefias Femininas no Brasil. Trabalho
apresentado no Seminário “Estudos de Gênero face aos dilemas da sociedade brasileira”,
promovido pelo III Programa Relações de Gênero na Sociedade Brasileira da Fundação
Carlos Chagas. Itu, 13-16 de março de 2001.
BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. RJ: Bertrand Brasil, 1999.
BRUSCHINI, Cristina Gênero e trabalho no Brasil: novas conquistas ou persistências da
discriminação? (Brasil, 1985/95). In.: ROCHA, Maria Isabel Baltar da. Trabalho e Gênero:
mudanças, permanências e desafios. ABEP, NEPO/UNICAMP, RJ, Editora 34, 2000.
BUTTO, Andréa. Gênero, Família e Trabalho. In.: BORBA, Ângela, FARIA, Nalu,
GODINHO, Tatau. (orgs). Mulher e política: Gênero e feminismo no Partido dos
Trabalhadores. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1998.
CARVALHO, Luiza M.S. Santos. A Mulher Trabalhadora na Dinâmica da Manutenção e
da Chefia Domiciliar. In.: Revista Estudos Feministas. RJ: Instituto de Filosofia e Ciências
Sociais – IFCS/UFRJ, vol.6 nº 1/98.
CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CASTRO, Mary Garcia. Mulher Pobre Chefe de Família: outra estratégia de reprodução
ou outra reprodução da estratégia de opressão? Vitória: ABEP, 1982, Volume I
________ Mary Garcia. Mulheres Chefes de Família, Esposas e Filhas pobres nos
mercados de trabalho metropolitanos (regiões metropolitanas de São Paulo e Salvador,
1980). Caxambu: ABEP, 1990, Volume II
FOUCALT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edição Graal, 1995.
GIDDENS, Anthony. A Terceira Via: reflexões sobre impasse político atual e o futuro da
social-democracia. Rio de Janeiro: Record, 1999.
GOLDANI, Ana Maria. As famílias brasileiras: mudanças e perspectivas. In.: Cadernos de
Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1994. nº 91.
IBGE. Perfil das mulheres responsáveis pelos domicílios no Brasil 2000. IBGE,
Departamento de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.
MACÊDO, Márcia dos Santos. Tecendo o fio e segurando as pontas: mulheres chefes de
família em Salvador. In.: BRUSCHINI, Cristina; PINTO, Céli Regina (orgs.) Tempos e
Lugares de Gênero. São Paulo: FCG: Editora 34, 2001.
_________ Tecendo os Fios e Segurando as Pontas: trajetórias e experiências entre
mulheres chefes de família em Salvador. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Salvador:
UFBA, 1999.
MENDES, Mary Alves. Mulheres no PREZEIS: conquistando a cidadania e redefinindo
as relações de gênero. Recife, 2000. Dissertação de Mestrado em Antropologia, UFPE.
MONTALI, Lilia. Trabalho e Família sob a Reestruturação Produtiva. Caxambu: ABEP-
Associação Brasileira de Estudos Populacionais, X Encontro, 1998.

12
POCHMANN, Marcio. O Emprego na Globalização: a nova divisão internacional do
trabalho e os caminhos que o Brasil escolheu. São Paulo:Boitempo Editorial, 2001.
ROAZZI, Antonio, TEIXEIRA C. Adriana, CORDEIRO, Carlos José A. A Representação
da participação Masculina no Âmbito Doméstico: investigação sobre a distribuição de
atividades domésticas entre casais em famílias de nível sócio-econômico baixo. XXV
Reunião Anual de Psicologia da Sociedade Brasileira de Psicologia. Ribeirão Preto – SP,
outubro de 1995. Mimeo.
ROMANELLI, Geraldo. Autoridade e poder na família. In: CARVALHO, Maria do
Carmo Brant (org). A Família Contemporânea em Debate. São Paulo: EDUC/Cortez, 1995.
SARTI, Cynthia Andersen. A Família como Espelho: um estudo sobre a moral dos pobres.
São Paulo: Autores Associados, 1996.
SCOTT, Joan. Gênero: Uma Categoria Útil de Análise Histórica. Recife, SOS/CORPO,
1991.
SCOTT, Russell Parry. Mulheres Chefes de Família: abordagens e temas para as políticas
públicas. In.: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambu. Anais. Belo
Horizonte: ABEP, 2000.
SEGALEN, Martine. Sociologie de la Famille. Paris: Armand Colin, 1993.
SEN, Amartya Kumar. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das
Letras, 2000.
STREY, Marlene Neves. A Mulher, seu Trabalho, sua Família e os Conflitos. In.: STREY,
Marlene Neves (org.) Mulher, estudos de gênero. RS: Editora UNISINOS, 1997.

13