“AVALIAÇÃO INTEGRADA DO IMPACTO DO USO DE AGROTÓXICOS NA MICROBIOTA DO SOLO.

ESTUDO DE CASO: PATY DO ALFERES - RJ”

por

CLÁUDIO MÁRCIO DE MESQUITA

Orientador: Prof. Dr. Aldo Pacheco Ferreira

Dissertação apresentada a Escola Nacional de Saúde Pública-FIOCRUZ, para obtenção do título de Mestre em Ciências na área de Saúde Pública: Área de Concentração Saneamento Ambiental.

RIO DE JANEIRO - BRASIL Estado do Rio de Janeiro Março - 2005

FICHA CATALOGRÁFICA

Cláudio Marcio de Mesquita Avaliação integrada do impacto do uso de pesticidas na microbiota do solo. Estudo de caso: Paty do Alferes - RJ / Cláudio Marcio de Mesquita Rio de Janeiro, 2005

Dissertação (Mestrado) – Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental

1. Sustentabilidade 2. Microbiota do solo 3. Agrotóxicos 4. Respiração basal 5. Biomassa microbiana 6. Coeficiente metabólico

2

Dedico,

Aos meus pais pelo carinho, criação e a transmissão de valores que são as maiores riquezas educacionais que já recebi e a minha irmã que sempre me incentivou em todos os meu projetos.

3

AGRADECIMENTOS

A FIOCRUZ e a ANVISA pelas bolsas concedidas e suporte financeiro para desenvolvimento da pesquisa. A ENSP e ao departamento de Saneamento Ambiental por ter me proporcionado a oportunidade de realização do curso. A EMBRAPA-Agrobiologia que abriu as portas de seu laboratório de solo para que fosse possível a realização das análises químicas. A equipe do laboratório de solos da EMBRAPA-Agrobiologia, em especial ao técnico Flávio e ao pesquisador Nelson que muito colaboraram na execução das análises. A Doutora Norma Rumjanek da EMBRAPA-Agrobiologia e sua equipe, em especial ao Enderson, que ajudaram nas análises químicas e na interpretação de muitos resultados. A Secretaria Municipal de Agricultura Abastecimento e Meio Ambiente de Paty do Alferes e em especial ao engenheiro agrônomo Fortunato Gabriel Gonçalves Delgado pela imensa colaboração na coleta das amostras de solo e no fornecimento de valiosas informações. Ao professor doutor Francisco Roma Paumgartten pelos valiosos comentários ao projeto de qualificação. Em especial ao professor doutor Aldo Pacheco Ferreira pela acolhida, incentivo, ajuda e fé no meu potencial. Aos demais companheiros da turma de mestrado de 2003, Ana, Leila, João Vitor, Fábio, Brás e Vicente que me acompanharam, colaboraram e incentivaram durante estes dois anos. Aos meus amigos pelo apoio e incentivo.

4

Sumário
Lista de figuras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista de fotos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista de Gráficos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista de Tabelas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista de Quadros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista de Siglas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . RESUMO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ABSTRACT. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.1 1.2 1.3 1.4 2 APRESENTAÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . JUSTIFICATIVA PARA A ESCOLHA DO TEMA. . . . . . . . . . FORMULAÇÃO DA SITUAÇÃO-PROBLEMA. . . . . . . . . . . . RELEVÂNCIA DO ESTUDO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 9 10 11 12 13 14 16 18 18 20 21 23 24 24 24 25 25 26 26 27 29 37 40

Objetivos de estudo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2.1 2.2 OBJETIVO GERAL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . OBJETIVOS ESPECÍFICOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

3

Referencial teórico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.1 PRESSUPOSTOS TEÓRICOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

4

Revisão de literatura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.1 AGROTÓXICOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.1.1 Consumo de agrotóxicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.1.2 Impacto dos agrotóxicos na saúde da população. . . . . . 4.1.3 O impacto dos agrotóxicos no meio ambiente. . . . . . . . . 4.2 SOLO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

5

4.2.1 Qualidade do solo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.2.2 Biodiversidade do solo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.3 INDICADORES BIOLÓGICOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.3.1 Respiração basal do solo (RBS). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.3.2 Biomassa microbiana do solo (BMS) . . . . . . . . . . . . . . . . 4.3.3 Quociente metabólico (qCO2) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
B B

40 41 42 43 44 45 46 48 49 49 52 54 56 56 56 58 59 59 60 61

4.4 4.5 5

SAÚDE PÚBLICA.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SUSTENTABILIDADE.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Metodologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1 5.2 5.3 5.4 5.5 5.6 5.7 5.8 5.9 SÍTIO DE ESTUDO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AMOSTRAGEM. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ANÁLISE DA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO. . . . . . . ANÁLISE DA RESPIRAÇÃO BASAL DO SOLO. . . . . . . . . . . QUOCIENTE METABÓLICO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ANÁLISE ESTATÍSTICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS AMOSTRAS. . . . . . . . . . METODOLOGIA DE PESQUISA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ANÁLISE DOS ASPECTOS ÉTICOS DA PESQUISA. . . . . . . .

6

Resultados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.1 COMPARAÇÃO COM AMOSTRA DE MATA CLIMAX LOCAL 6.1.1 Biomassa microbiana do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.1.2 Respiração basal do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.1.3 Quociente metabólico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.2 COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS DAS AMOSTRAS COLETADAS EM JUNHO E NOVEMBRO. 6.2.1 Biomassa microbiana do solo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

61 63 66 68 68

6

6.2.2 Respiração basal do solo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.2.3 Quociente metabólico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.3 COMPARAÇÃO POR ALTURA DE AMOSTRAGEM. . . . . . . 6.3.1 Biomassa microbiana do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.3.2 Respiração basal do solo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.3.3 Quociente metabólico . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.4 7 COMPARAÇÃO COM DADOS DA LITERATURA. . . . . . . . .

69 69 71 71 72 73 75 77 78

Discussão dos resultados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7.1 COMPARAÇÃO COM AMOSTRA DE MATA CLÍMAX LOCAL 7.1.1 7.1.2 7.1.3 Biomassa microbiana do solo Respiração basal do solo Quociente metabólico

78 79 80 81 81 82 83 84 84 84 85 87 91 93 94

7.2 COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS DAS AMOSTRAS COLETADAS EM JUNHO E NOVEMBRO. 7.2.1 Biomassa microbiana do solo 7.2.2 7.2.3 Respiração basal do solo Quociente metabólico

7.3 COMPARAÇÃO POR ALTURA DE AMOSTRAGEM. . . . . . . 7.3.1 7.3.2 7.3.3 Biomassa microbiana do solo Respiração basal do solo Quociente metabólico

7.3 COMPARAÇÃO COM DADOS DA LITERATURA. . . . . . . . . . 8 9 Conclusão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recomendações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Referências bibliográficas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

7

Lista de figuras
01 Área de coleta 53

8

Lista de fotos
01 02 Sítio de estudo na região de Caetés, na cidade de Paty do Alferes-RJ, em 51 junho de 2004 Área de coleta da amostra clímax local na região de Caetés, na cidade de Paty do Alferes-RJ, em junho de 2004 55

9

Lista de Gráficos
01 Gráfico comparativo dos valores de C-biomassa das ASE e da respectiva AMC, em dois períodos diferentes de amostragem, na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ. 63 02 Gráfico comparativo dos valores de C procedentes da RBS das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. Gráfico do quociente metabólico (qCO2) das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. Médias dos valores de C-biomassa das amostras de solo conforme a altura da coleta no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes Médias dos valores de RBS das amostras de solo conforme a altura da coleta no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do AlferesRJ, em dois períodos diferentes Médias dos valores de q(CO2) das amostras de solo conforme a altura da coleta no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do AlferesRJ, em dois períodos diferentes
B B B B

66

03

68

04

72

05

73

06

75

10

Lista de Tabelas
01 Incremento no consumo de defensivos agrícolas no mercado mundial no período 1985/1990 e consumo no ano de 1985. 02 Consumo de Defensivos Agrícolas por unidade de área em alguns países em 1989. 03 Mortes por envenenamento com Defensivos Agrícolas para países subdesenvolvidos (em todas as idades). 04 Distribuição de agrotóxicos, por nome técnico, utilizado em Paty do Alferes, RJ. 05 Relação dos agroquímicos utilizados pelos agricultores da região de Paty do Alferes. 06 Resultados das análises de BMS das amostras de solo coletadas no sítio de estudo e em área de mata clímax local na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. 07 Resultados das análises de umidade das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. 08 Resultados das análises de Respiração Basal das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. 09 Resultados qCO2 das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. 10 Análise estatística do Desvio Padrão (DP), Coeficiente de Variação (CV) e a Amplitude de Variação (AV) dos valores de BMS das amostras coletadas no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. 11 Análise estatística do Desvio Padrão (DP), Coeficiente de Variação (CV) e a Amplitude de Variação (AV) dos valores de RBS das amostras coletadas no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. 12 Análise estatística do Desvio Padrão (DP), Coeficiente de Variação (CV) e a Amplitude de Variação (AV) dos valores de qCO2 das amostras coletadas no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. 13 Média dos valores das análises de BMS, RBS e q(CO2) das amostras de solo de acordo com a altura da coleta nos meses de junho e novembro de 2004.
B B B B B B

29

29

33

38

52

62 64

65 67

69

70

71 74

14 Resultados de análises de C-BMS, RBS e qCO2 obtidos na literatura e a média dos resultados obtidos no presente trabalho.
B B

76

11

Lista de Quadros
01 02 Principais ações e lesões causadas pelos agrotóxicos 30

03 04 05

Sintomas que os agricultores relataram terem apresentado durante e/ou logo após a preparação e/ou aplicação de pesticidas na lavoura. Paty do Alferes, Rio de Janeiro, Brasil. 34 Inseticidas e fungicidas usados no município de Paty do Alferes, Rio de Janeiro, Brasil. 35 Classificação toxicológica de praguicidas quanto à periculosidade. 36 Concentrações de carbono e respectivas absorbâncias a 495 nm 55

12

Lista de Siglas
AMC ASE AV BMS BM C CV DP N P qCO2
B B

Amostra de Mata Clímax local Amostra do Sítio de Estudo Amplitude de variação Biomassa Microbiana do Solo Biomassa Microbiana Carbono Coeficiente de Variação Desvio Padrão Nitrogênio Fósforo Quociente metabólico Respiração Basal Respiração Basal do Solo Enxofre World Health Organizations

RB RBS S WHO

13

RESUMO
Autor: Cláudio Márcio de Mesquita. Orientador: Profº Doutor Aldo Pacheco Ferreira

O Brasil é um país de perfil agroexportador e depende muito do resultado do setor agrícola para o equilíbrio da sua balança comercial. Por conta disso, os agrotóxicos têm um papel de grande importância para agricultura e seu uso é incentivado com o objetivo de aumentar a produtividade do setor, mas também são responsáveis pela contaminação do solo, ar e água e por diversas interações danosas a biodiversidade e ao meio ambiente. A cultura de tomate é um exemplo fiel deste quadro, pois é caracterizada pelo uso maciço e indiscriminado de agrotóxicos. Dentre as alterações ocasionadas por esta prática uma das mais importantes são as relacionadas ao solo e sua microbiota. No entanto, os estudos e os conhecimentos a respeito das interações decorrentes dos agrotóxicos e seus metabólitos sobre o solo, sua microbiota e a repercussão disso para a saúde ambiental e a saúde da população são muito escassos. O objetivo deste trabalho é avaliar o impacto causado pelos agrotóxicos e seus resíduos na microbiota do solo, em uma cultura de tomate, e avaliar os efeitos deste impacto sobre a saúde do ambiente. O sítio de estudo foi uma área delimitada (20 x 10 m) de uma plantação de tomates localizada no distrito de Caetés município de Paty do Alferes-RJ, onde dentre os diversos manejos realizados o uso abusivo e indiscriminado de agrotóxicos nas plantações sem nenhum tipo de prática conservacionista é preocupante. Neste sítio, por se tratar de um terreno com acentuada declividade foram coletadas 9 amostras, 3 em cada altura do terreno: topo, meio e base, distanciadas lateralmente 3 metros uma da outra. Foi coletada uma amostra de uma área próxima de mata clímax local para fazer uma avaliação comparativa. Foram feitas duas coletas de amostras a primeira no mês de junho de 2004, por ser inverno na região e a plantação se encontrar em meio a manejos usuais, como a utilização de agrotóxicos. A segunda coleta ocorreu no mês de novembro de 2004 quando já havia terminado o ciclo de cultivo do tomate nesta área e, portanto as plantações deram lugar à vegetação de pastagem sem nenhum manejo e aplicação de agrotóxicos. As amostras coletadas foram submetidas às análises químicas de biomassa microbiana e respiração basal e com os resultados das mesmas foi calculado o coeficiente metabólico. Com os resultados obtidos das amostras do sítio de

14

estudo nas duas coletas foi feito um comparativo entre elas e seus valores médios, com as respectivas amostras de mata clímax local e com valores da literatura. A comparação dos resultados mostrou que em momentos diferentes e sob tipos de manejos diferentes o solo do sítio de estudo apresentou alterações provocadas pela ação dos agrotóxicos. Na comparação com a amostra de mata clímax local foi constatado diferença entre os valores. Com relação à comparação dos resultados obtidos das amostras do sítio de estudo nas duas coletas com os dados de literatura foi possível verificar que os valores encontrados nas análises foram menores que os encontrados em literatura para áreas com a mesma classe de solo. Todas estas constatações mostraram que o solo no sítio de estudo encontrava-se impactado tanto em junho quanto em novembro de 2004 e que esse impacto tem um efeito na saúde do ambiente.

Palavras chaves: Impacto ambiental, Agrotóxico, Microbiota do solo, Respiração Basal do solo, Biomassa Microbiana do solo, Coeficiente Metabólico.

15

ABSTRACT
Author: Cláudio Márcio de Mesquita. Adviser: Profº Doutor Aldo Pacheco Ferreira

Brazil is a country of agribusiness profile and depends a lot on the agricultural section result for the balance of its trade balance. Due to that, the toxic agrochemical products have a great importance for agriculture and their use is motivated with the objective of increasing the productivity of the section, but they are also responsible for the contamination of the soil, air and water and for several harmful interactions on the biodiversity and the environment. The tomato plantations are an example faithful of this picture because they are characterized by the great and indiscriminate toxic agrochemical products use. Among the alterations caused by this practice one of the most important are related to the soil and its microbial community. However, the studies and the knowledge regarding the current toxic agrochemical product interactions and their metabolites on the soil and microbial community and the repercussion of that for the environmental health and the health of the population are very scarce. The objective of this work is to assess the impact provoked by agrochemicals and referred metabolites to the soil microbial community in a tomato culture and assess the effects provoked by these impact in the environmental health. The study ranch is a delimited area (20 x 10 m) of a tomato plantation localited in the district of Caetés municipal district of Paty do Alferes-RJ, where among the several accomplished agricultural practices the abusive and indiscriminate toxic agrochemical product use in the plantations without any type of conservative practice is a concern. In this ranch 9 samples were collected, and in function of the steepness of the land, 3 in each height of the land: top, half and base, distanced 3 meters sidelong one between each other. It was collected a sample of a nearby area in climax site forest to make a comparative valuation . Sample were two sample collectioned twices, the first in the month of June of 2004, during winter when the plantation was under usual handlings, such as application of agrochemical products. The second collection happened in November of 2004 after the tomato harvesting and therefore the plantation gave place to the pasture vegetation without any handling and toxic agrochemical application. The collected samples were submitted to the chemical analyses of microbial biomass and basal respiration and the results were used for calculating the metabolic quotient. With the obtained results

16

from the samples of this study ranch in the two collections a comparative one was made between them and their medium values, with the respective samples collected in climax site forest and with values of the literature. The comparison of the results showed that in different moments and under different land uses, the soil presented alterations probably associated to the toxic agrochemical action. In comparison with a sample colected in climax site forest difference was verified. In relation to the comparison of the results to literature data it was possible to verify that the values found in the analyses were lower than that found in literature for areas with the same soil. These data suggested that the soil in the study ranch was impacted in June and November of 2004 and that the impact may be associated to the environmental health.

Key-words: Environmental impact, Toxic agrochemical products, Soil Microbiota, Soil Basal Respiration, Soil Microbial Biomass, Metabolic Quotient.

17

Capítulo 1

Introdução

1.1 – APRESENTAÇÃO

A atividade agrícola no Brasil é de grande importância para o equilíbrio da balança comercial, por conta da expectativa com relação ao setor agrícola, os investimentos no campo em mecanização e consumo de agroquímicos são muito grandes. O Brasil atualmente é o maior consumidor de agrotóxicos da América do Sul e um dos principais do mercado mundial, isso retrata bem a dependência química das plantações brasileiras aos agrotóxicos. Além disso, esse quadro retrata o grande risco a que são submetidos o meio ambiente e a saúde da população, nestas regiões.

O presente estudo tem como intenção avaliar o impacto causado pelo uso abusivo e indiscriminado de agrotóxicos e seus metabólitos na microbiota do solo de uma cultura de tomates e avaliar os efeitos deste impacto sobre a saúde do ambiente.

Os agrotóxicos têm um papel de grande importância para agricultura, por outro lado são responsáveis pela contaminação do solo, ar e água e por diversas interações danosas a biodiversidade e o meio ambiente.

As áreas agrícolas em todo mundo estão sujeitas a diversos riscos ambientais, segundo DUMANSKI & PIERI (2000) estima-se que 40% das terras agrícolas do mundo sofrem degradação e um dos principais fatores responsáveis é o uso indiscriminado de agrotóxicos para controle de pragas e doenças nas plantações.

18

Esse uso indiscriminado de agrotóxicos ocorre muito por conta de pressões por altas produtividades na área agrícola, onde os trabalhadores rurais cada vez mais deixam de obedecer a regras de segurança pessoal e não respeitam a capacidade de absorção e recuperação do ambiente. Por conta disso, vêm aumentando o número de áreas agrícolas impactadas, e o agravamento da situação de outras que já estavam. Isso, ao longo dos anos, vêm diminuindo a produtividade do solo e influenciando na economia, na saúde do meio ambiente e das populações.

19

1.2 – JUSTIFICATIVA PARA A ESCOLHA DO TEMA

O interesse pelo tema originou-se ainda na época de atuação na iniciativa privada, onde trabalhava em uma empresa de controle de pragas urbanas, e lidava com controle de pragas e via uma enorme lacuna de informações quanto a determinadas ações de pesticidas no meio ambiente.

O uso de pesticidas de um modo geral é cercado de questões que necessitam de maiores estudos, pois não se conhece, com exatidão, o quanto às interações, que ocorrem entre pesticidas e a microbiota do solo, são danosas ao meio ambiente. Da mesma forma não se conhece todos os processos de decomposição destas substâncias, quais os metabólitos gerados, sua toxicidade final e os prejuízos que isso trás para o meio ambiente. Somado a isso, a constatação da falta de um trabalho educacional sistemático na população rural, abordando questões importantes como o descarte de embalagens vazias, uso racional de agrotóxicos e medidas de prevenção à saúde, agravam ainda mais o problema dos agrotóxicos no ambiente rural.

Conhecer os efeitos provocados por um agente químico em um determinado meio, o solo, é muito importante para que se possa fazer deste conhecimento uma ferramenta útil para um uso mais racional, com maior eficiência e sem tantos danos ao meio ambiente e a saúde da população.

20

1.3– FORMULAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA

Os agrotóxicos figuram atualmente como um dos principais poluidores e agentes causadores de impacto nos agroecossistemas, principalmente no solo. Eles são responsáveis pelos mais diversos tipos de interações, onde muitas levam a degradação dos recursos naturais fundamentais para fertilidade do solo, alterações na sua estruturação e principalmente diminuem a diversidade de organismos (ZILLI et al., 2003). Sob este aspecto, a qualidade do solo pode ser diretamente comprometida pelo uso inadequado e em excesso de agrotóxicos, principalmente na supressão de determinados organismos vivos do solo que atuam diretamente na ciclagem de nutrientes. Essa alteração na diversidade de microrganismos provoca uma eliminação de espécies sensíveis e a proliferação de outras resistentes ou mais tolerantes aos agrotóxicos, em um processo conhecido como redundância (KENNEDY, 1999).

Os conhecimentos ainda escassos sobre a diversidade taxonômica de grupos funcionais não permitem a avaliação da contribuição efetiva dos componentes dos grupos funcionais na estabilidade e atividade dos processos (WATANABE, 2001). Assim torna-se necessário estabelecer indicadores confiáveis de qualidade do solo que sejam sensíveis a estresses ambientais e que reflitam realmente o nível quantitativo e qualitativo do impacto em um determinado ambiente.

O entendimento atual do conceito de qualidade de solo compreende o equilíbrio entre os condicionantes geológicos, hidrológicos, químicos, físicos e biológicos (BRUGGEN & SEMENOV, 2000; SPOSITO & ZABEL, 2003). Esse termo, muitas vezes utilizado como sinônimo de saúde do solo, refere-se a sua capacidade de sustentar a produtividade biológica dentro das fronteiras do ecossistema, mantendo o equilíbrio ambiental e promovendo a saúde de plantas e animais e do próprio ser humano (DORAN et al., 1996; SPOSITO & ZABEL, 2003).

Os indicadores microbiológicos devem regular os processos ecológicos do solo e refletir as condições dos manejos atuais. Desta maneira são úteis para determinação dos efeitos positivos e negativos sobre a qualidade do solo e a sustentabilidade das práticas agrícolas (LOPES, 2001).

21

A diversidade e quantidade microbiana, representada pela biomassa microbiana (BM), figuram como um dos mais importantes indicadores para análise da qualidade de um solo, pois têm um importante papel uma vez que dela vai depender a ciclagem dos nutrientes e o seu armazenamento, o fluxo de energia e a transformação de C, N e P (DIAZ-RAVIÑA et al. 1993; DE-POLLI & GUERRA, 1999; GAMA-RODRIGUES et al., 1997; ESPÍNDOLA, 2001).

Um outro indicador importante para avaliação da qualidade do solo é a respiração basal (RB), pois esta reflete a atividade da microbiota do solo responsável pela degradação de compostos orgânicos (LOPES, 2001).

E por último o quociente metabólico (qCO2) que é obtido pela razão entre a respiração basal e
B B

a biomassa microbiana. Ele é utilizado como um indicador de impacto do solo uma vez que retrata o quanto este meio pode ou não estar impactado.

Entendendo o solo como um corpo vivo acredita-se que a qualidade pode influenciar não só na fertilidade e na biodiversidade de organismos vivos presentes nele, mas como na qualidade da saúde do homem que vive e trabalha neste solo. Através de dados obtidos dos indicadores, BMS, RBS e qCO2 busca-se uma melhor compreensão do impacto provocado por agrotóxicos
B B

especificamente no solo, e a influência deste impacto na saúde do ambiente.

Espera-se que, com dados obtidos através dos bioindicadores, seja possível a adoção de medidas corretivas e preventivas que levem a um manejo sustentável do ambiente e principalmente do solo.

22

1.4 – RELEVÂNCIA DO ESTUDO

A saúde pública emerge no Brasil como questão social amplamente vinculada ao desenvolvimento do capitalismo, tornando-se mais claramente configurada durante a década de 20 (GURGEL, 1998).

A questão do uso de agrotóxicos nas plantações para o controle de pragas e doenças responsáveis por perdas significativas no setor agrícola, é uma questão que desperta a atenção dos órgãos de saúde pública. Primeiro pela necessidade de se conhecer, mais detalhadamente, as alterações que os agrotóxicos podem promover ao meio ambiente e segundo que tipo de impacto essas alterações ambientais podem provocar na saúde da população rural exposta diretamente a estes produtos.

Desta forma este estudo pretende fornecer informações que possam ser úteis na avaliação da saúde do meio ambiente em decorrência da ação dos agrotóxicos no solo.

Pretende também propor medidas alternativas de manejo agrícola e descarte de embalagens para que se minimize os riscos a saúde humana e ao meio ambiente e garanta a sustentabilidade do solo para os anos futuros.

23

Capítulo 2

Objetivos de estudo

2.1 – OBJETIVO GERAL

Avaliar o impacto causado pelo uso de agrotóxicos na microbiota do solo

2.2 - OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Avaliar o impacto dos resíduos de agrotóxicos na microbiota do solo através da utilização da Biomassa Microbiana (C-Biomassa), Respiração Basal e Quociente Metabólico (qCO2), como bioindicadores;

Avaliar a relação dos efeitos do impacto provocado pelos agrotóxicos na microbiota do solo com a saúde do ambiente.

24

Capítulo 3 Referencial teórico
3.1- Pressupostos Teóricos Embora a utilização de agrotóxicos tenha o intuito de combater apenas as pragas e doenças que atingem as plantações, este uso quando feito de maneira indiscriminada e abusiva pode provocar sérios danos ao meio ambiente e a saúde da população. Além do uso indevido dos agrotóxicos, outras práticas agrícolas como o desmatamento, as queimadas e o descarte de embalagens vazias também podem trazer grandes prejuízos ao meio ambiente e representar um risco à saúde da população rural.

Para avaliar estes efeitos o presente projeto se prontifica a analisar, em um campo de teste onde se desenvolve uma plantação de tomates, o impacto que a utilização indiscriminada de agrotóxicos pode provocar na microbiota do solo e de que maneira isso pode afetar a sua sustentabilidade e a qualidade do meio ambiente.

A metodologia para atender a proposta em questão consistiu de duas etapas: 1. A primeira etapa foi o levantamento de dados bibliográficos conseguidos através de livros, revistas especializadas nacionais e internacionais dados publicados por universidades e centros de pesquisa, Internet, dados nacionais e de países que possuem legislação pertinente.

2. A segunda etapa foi à elaboração de análises laboratoriais (análises químicas) possibilitando, assim, a obtenção de valores que sirvam de comparação para análise do impacto provocado por agrotóxicos no ambiente. Na vertente microbiológica foram executados os seguintes testes: Visando a avaliação dos efeitos de agrotóxicos: a) a biomassa microbiana do solo; b) a respiração basal do solo; c) o quociente metabólico em épocas distintas, (jun/2004 e nov/2004).

25

Capítulo 4

Revisão da Literatura
IV.1 – AGROTÓXICOS

Os agrotóxicos são substâncias que possuem um papel importante no que se refere ao combate a pragas e doenças que assolam a agricultura, além de combater vetores de transmissão de diversas doenças de importância à saúde pública. No entanto, os agrotóxicos oferecem um grande perigo ao homem, devido à capacidade de provocar danos à saúde humana e diversos tipos de impactos ao meio ambiente. Esse perigo aumenta proporcionalmente à medida que há combinação de fatores como a toxicidade do produto, o tempo de exposição, a freqüência, a dose e principalmente a forma de manipulação e utilização destes produtos no momento da aplicação.

Os agrotóxicos são substâncias cuja definição dada de acordo com a NRR 5 (Norma Regulamentadora Rural), que acompanha a legislação federal nº 7.802, de 11 de julho de 1989, atualmente regulamentada pelo decreto lei 4.074/02, de 4 de janeiro de 2002, é: Entende-se por agrotóxicos as substâncias, ou mistura de substâncias, de natureza química quando destinadas a prevenir, destruir ou repelir, direta ou indiretamente, qualquer forma de agente patogênico ou de vida animal ou vegetal, que seja nociva às plantas e animais úteis, seus produtos e subprodutos e ao homem.

Os agrotóxicos recebem inúmeros outros nomes de acordo com o seu uso e a praga a qual se deseja combater. É comum encontrarmos denominações genéricas como pesticidas ou praguicidas que de uma maneira em geral define as substâncias químicas destinadas a matar, repelir, atrair, regular, e interromper o crescimento de pragas.

Neste trabalho se optou por adotar o termo agrotóxico de maneira geral onde se englobam os pesticidas ou praguicidas, inseticidas, rodenticidas, acaricidas, herbicidas, desfolhantes, 26

dessecantes, reguladores de crescimento, fertilizantes e outras substâncias químicas naturais ou sintéticas passiveis de aplicação nas plantações ou no solo.

Independente do nome que se dá a estas substâncias, é importante avaliar não só o seu papel no combate as pragas e vetores que assolam o homem no campo ou no ambiente urbano, mas também o grande número de ações impactantes que elas provocam no meio ambiente e na saúde das populações de forma direta ou indireta.

IV.1.1 - Consumo de agrotóxicos

O Brasil atualmente é o maior consumidor de agrotóxicos da América do Sul e um dos principais do mercado mundial, apresentando uma elevada taxa de crescimento anual, como mostra a TABELA 1, retratando bem a dependência química cada vez maior que as plantações brasileiras têm aos agrotóxicos.

Os recordes de safra são obtidos as custas da utilização de toneladas de agrotóxicos gerando os mais diversos impactos no meio ambiente e alterando decisivamente a biota e a biodiversidade dos ecossistemas.

27

TABELA. 1: Incremento no consumo de agrotóxicos no mercado mundial no período 1985/1990 e consumo no ano de 1985 Taxa Crescimento Anual (%) (1985-1990)
1.0 3.0 2.5 4.5 6,5 2.0 2.5 3.5 1.0 7.0 5.0 5.5 4.5 4.0 3.5 2.0 4.5

País
EUA Japão França URSS Brasil Reino Unido Canadá Itália Alemanha Índia China Espanha Austrália Hungria Coréia México Outros

% em Relação ao Consumo Mundial (1985)
29,8 13,0 8,5 5,5 5,3 3,7 3,4 3,2 3,1 2,7 2,6 1,9 1,8 1,6 1,4 1,2 12,4

Fonte: MYAMOTO, 1990 (retirado de GOELLNER, s/d).

TABELA. 2: Consumo de Agrotóxicos por unidade de área em alguns países em 1989 País
Japão Itália EUA Reino Unido Alemanha URSS Brasil

Agrotóxicos (kg i.a/ha)
10,0 5,92 5,50 4,65 4,27 3,26 1,23

Fonte: ASGROW WORLD AGROCHEMICAL MARKETS, 1990. (Adaptado de GOELLNER, s/d).

28

IV.1.2 – Impacto dos agrotóxicos na saúde da população

Um dos grandes problemas pertinente aos agrotóxicos é o relacionado à saúde humana. Os casos de intoxicação aguda ou crônica segundo PIMENTEL (1993) vêm ocorrendo no mundo na ordem de 1 milhão de pessoas com conseqüentes 20.000 mortes por ano. Dados mais recentes estimam que, 3 milhões de pessoas são contaminadas por agrotóxicos em todo o mundo por ano, sendo 70% desses casos nos países em desenvolvimento (PERES et al., 2001). Além disso, estudos científicos têm relacionado o uso de agrotóxicos ao aparecimento de determinadas patologias como alergias, dermatoses, neoplasias, casos de má formação congênita, efeitos neurológicos e psicológicos, como síndrome neuroléptica, perda auditiva, depressão grave que leva ao suicídio além de seqüelas como esterilidade e câncer (PIMENTEL, 1993:4; GURGEL, 1998; PINHEIRO at al., 1993; RATIS, 1999).

O Dr. Flávio Zambrone, médico do Centro de Intoxicação da UNICAMP, relacionou no quadro 1 as principais ações e lesões causadas pelos agrotóxicos, geralmente em áreas irrigadas, as pessoas expostas (GARCIA, 1991; LUNA, 1999).

29

QUADRO 1: Principais ações e lesões causadas pelos agrotóxicos

AÇÕES OU LESÕES CAUSADAS TIPO DE AGROTÓXICO UTILIZADO. PELOS AGROTÓXICOS AO HOMEM Lesões hepáticas Inseticidas organoclorados Lesões renais Inseticidas organoclorados Fungicidas fenil-mercúricos Fungicidas metoxil-etil-mercúricos Neurite periférica Inseticidas organofosforados Herbicidas clorofenóxis (2,4-D e 2,4,5-T) Ação neurotóxica retardada Inseticidas organofosforados Desfolhantes (DEF e merfós ou Folex) Atrofia testicular Esterilidade masculina por oligospermia Cistite hemorrágica Hiperglicemia ou diabetes transitória Hipertemia Pneumonite e fibrose pulmonar Fungicidas tridemorfo (Calixim) Nematicida diclorobromopropano Acaricida clordimeforme Herbicidas clorofenóxis Herbicidas dinitrofenóis e pentaclorofenol Herbicida paraquat (Gramoxone)

Diminuição das defesas orgânicas pela Fungicidas trifenil-estânicos diminuição imunologicamente (produtores de anticorpos) Reações de hipersensibilidade (urticárias, Inseticidas piretróides alergia, asma) Teratogênese Fungicidas mercuriais Dioxina presente no herbicida 2,4,5-T Herbicida dinitro-orto-cresol Mutagênese Herbicida trifluralina Inseticida organoclorado Inseticida organofosforado Carcinogênese Diversos inseticidas, acaricidas, fungicidas, herbicidas e reguladores de crescimento Fonte: GARCIA, 1991. dos linfócitos competentes

30

No Brasil estudos mostram que a ocorrência de intoxicações nos aplicadores de agrotóxicos vêm aumentando. Em um estudo feito por ARAÚJO (2000) foi levantada a ocorrência de um caso de intoxicação aguda em cada 8 agricultores examinados e que a estimativa de contaminação da população brasileira por agrotóxicos por ano é de cerca de 2%. Além disso, existe o problema da sub-notificação onde se considera que para cada caso registrado em hospitais existem aproximadamente 250 outros não registrados (RUEGG, 1991), neste caso os números divulgados por pesquisas seriam muito maiores.

A utilização dos agrotóxicos sempre envolve riscos e estes, assim como os efeitos que estas substâncias podem provocar na saúde humana, vão depender fundamentalmente do perfil toxicológico do produto, do tipo e da intensidade da exposição e da susceptibilidade da população exposta (DELGADO & PAUMGARTTEN, 2004).

Um dos principais problemas que leva ao grande número de casos de intoxicações ocupacionais está relacionado à falta de informação das pessoas que manipulam e aplicam os agrotóxicos nas plantações, os agricultores. No campo o problema é grave, pois segundo LUNA (1999) os trabalhadores rurais não são capazes de entender as recomendações contidas nos rótulos dos produtos, e não utilizam o receituário agronômico como orientação técnica, acarretando problemas de intoxicações agudas. A falta de informação e treinamento não só leva os agricultores a aplicar os agrotóxicos de maneira incorreta e abusiva como também os leva a não dar a devida importância a equipamentos de proteção, que são considerados pela maioria como incômodos e desnecessários. PERES (2001) em seu estudo relata a realidade rural da cidade de Nova Friburgo, com relação à utilização de agrotóxicos: “o difícil acesso às informações e à educação por parte dos usuários desses produtos, bem como o baixo controle sobre sua produção, distribuição e utilização são alguns dos principais determinantes na constituição dessa situação como um dos principais desafios de saúde pública”.

Por conta disso os agrotóxicos vem fazendo um grande número de vítimas por todo mundo, principalmente nos países em desenvolvimento como mostra a TABELA 3.

31

TABELA 3: Mortes por envenenamento com agrotóxicos para países subdesenvolvidos (em todas as idades) Países Subdesenvolvidos Venezuela Argentina Brasil Tailândia Equador Egito Filipinas Colômbia Salvador Guatemala Síria Ilhas Maurícios Porto Rico Kwait Honduras Paraguai Chile Suriname Trinidad / Tobago Costa Rica Panamá Cabo Verde Bahamas St. Kitts / Nevis Média
FONTE: OMS, 1980 (adaptado de GOELLNER, s/d).

Ano 1980 1980 1980 1980 1978 1978 1977 1977 1981 1977 1980 1980 1980 1981 1980 1980 1980 1980 1977 1978 1980 1980 1980 1980

Morte por envenenamento 825 327 304 284 258 249 242 197 124 122 101 92 31 26 18 17 14 13 10 8 3 2 1 1 136,2

Taxa por 100.000 5.9 1.2 0.3 0.6 3.3 0.6 0.5 0.8 2.5 1.7 1.1 9.9 1.0 1.6 0.5 1.0 0.1 3.4 0.9 0.4 0.2 0.7 0.5 2.0 1.7

32

A realidade ocorrida nas plantações de tomate é um retrato fiel do que acontece em muitas outras culturas pelas diversas regiões do país. Segundo ARAÚJO (2000) o plantio de tomate demanda o uso intensivo de agrotóxico e isso representa um grande risco epidemiológico à saúde humana relacionado ao consumo do fruto pela população, tanto local quanto de outras regiões. O mesmo autor, em estudo realizado em regiões de plantação de tomate no estado de Pernambuco, mostra que muitos dos agrotóxicos utilizados, apesar de possuírem registro, não são recomendados para esta cultura e não existe qualquer tipo de controle sistemático dos resíduos nos alimentos ou nos produtos comercializados.

O perigo desta prática pode ser bem entendido pelo que descreve SARTORATO (1996) em seu trabalho, onde na revisão de literatura ele cita (COUTINHO et al., 1994:27) e (TRAPÉ, 1994:581) (WHO/EHC 78;1988) que falam sobre a utilização ampla de ditiocarbamatos em olerícolas e horticulturas brasileiras e dos principais efeitos que essas substâncias e seus metabólitos podem provocar a saúde humana como câncer, mutagênese e a teratogênese.

Neste mesmo estudo é citada uma análise feita no estado do Rio de Janeiro em 466 amostras de diferentes espécies de hortaliças e frutas comercializadas no estado, onde em 63% das amostras foram encontrados resíduos de agrotóxicos da classe dos ditiocarbamatos, dentre eles o Mancozeb (etileno bis-ditiocarbamato de manganês e zinco) produto bastante utilizado nas plantações de tomate em Paty do Alferes. Deste universo de análise, 24% das amostras continham níveis de resíduos acima do tolerado pela legislação vigente e que, em particular, a cultura de tomate apresentou um nível de 38,2% de resíduos acima do limite de tolerância (CALDAS & REIS, 1991).

Um estudo feito na cidade de Paty do Alferes por DELGADO & PAUMGARTTEN (2004) mostra os principais sintomas que os agricultores da região apresentam decorrente da ação dos agrotóxicos, como mostra no QUADRO 2, abaixo.

33

QUADRO 2. Sintomas que os agricultores relataram terem apresentado durante e/ou logo após a preparação e/ou aplicação de pesticidas na lavoura. Paty do Alferes, Rio de Janeiro, Brasil. Nº Agricultores Entrevistados Relataram já ter “passado mal” Relataram nunca ter “passado mal”. Agricultores que apresentaram sintomas: Dor de cabeça Enjôo Diminuição de visão Vertigem/ tonteira Irritação da Pele Perda de Apetite Tremores Vômitos Crise Alérgica (espirro) Diarréia Dores no peito Secura na garganta Nervosismo 55 34 21 24 17 13 12 10 8 5 5 2 2 2 1 1 % 100 62,0 38,0 71,0 50,0 38,0 35,0 29,0 24,0 15,0 15,0 6,0 6,0 6,0 3,0 3,0

Fonte: (DELGADO & PAUMGARTTEN, 2004).

Neste mesmo estudo DELGADO & PAUMGARTTEN listam, no QUADRO 3, os principais agrotóxicos utilizados na região de Paty do Alferes, sendo muitos deles de classificação toxicológica I e II, ou seja, extremamente tóxico e muito tóxico respectivamente, segundo classificação toxicológica do Ministério da Agricultura/Ministério da Saúde, baseada no Decreto 98.816/90 de 11 de janeiro de 1990, que regulamenta a Lei 7.802/89.

34

QUADRO 3. Inseticidas e fungicidas usados no município de Paty do Alferes, Rio de Janeiro, Brasil. Grupo químico Produto Comercial Tamaron Hamidop Elsan Kilval Ortho Naled Sumithion Orthene Diafuran Cartap Sevin Baytroid Sumidan Ambush Decis Piretróide Ripcord Corsair Nor-trin Bulldock Outros Vertimec Daconil Dacostar Rubigan Dithane Manzate Orthocide Curzate Benlate Cerconil Cobre Sandoz Funguran Cuprogarb Microzol Cercobin Acaricida Thiovit Tedion Kumulus-s Princípio ativo Metamidofós Metamidofós Fentoato Vamidotion Naled Fenitrotion Acefato Carbofurano Cartap Carbaril Ciflutrin Alfa Fenvalerato Permetrina Deltametrina Cipermetrina Permetrina Cipermetrina Betaciflutrin Abamectina Clorotalonil Clorotalonil Fenarimol Mancozeb Mancozeb Captan Cimoxanil Benomil Clorotalonil Óxido cuproso Oxicloreto de cobre Oxicloreto de cobre Enxofre Tiofanato metílico Enxofre Tetradifon Enxofre Classe toxicológica I I I II II II III I II II I I II II II II II II II I I II III III III III III III IV IV IV IV IV IV III IV

Organofosforados

Carbamato

Fungicidas

FONTE: (DELGADO & PAUMGARTTEN, 2004).

35

Em relação à classificação toxicológica dos agrotóxicos, ela é feita segundo o grau de toxicidade das substâncias que é medido através de um parâmetro conhecido como DL-50 (Dose letal 50%) que corresponde às doses que provavelmente matam 50% dos animais de um lote utilizados para experiência. São valores calculados estatisticamente a partir de dados obtidos experimentalmente e que servem para estabelecer uma classificação toxicológica das substâncias como na Quadro 4.

Quadro 4: Classificação toxicológica de praguicidas quanto à periculosidade. Cor da Tarja do Classe Categoria rótulo do produto Ia Ib II III
Extremamente tóxico Altamente tóxico Moderadamente tóxico Levemente tóxico

DL 50 (mg/kg) Oral Formulações Sólidas
<5 5 a 50 50 a 500 > 500

Dérmica Formulações Sólidas
< 10 10a 100 100 a 1000 > 1000

Líquidas
< 20 20 a 200 200 a 2000 > 2000

Líquidas
< 40 40 a 400 400 a 4000 > 4000

Vermelha Amarela Azul Verde

Fonte: (SUCEN, 2000).

Num outro estudo, realizado por RAMALHO et al. (2000), foi feito um levantamento da quantidade de agrotóxicos, por princípio ativo, utilizados por área no município de Paty do Alferes, TABELA 4.

36

TABELA 4: Distribuição de agrotóxicos, por nome técnico, utilizado em Paty do Alferes, RJ. Nome técnico Quantidade do Princípio ativo (kg) Mancozeb Malathion Methamidophos Óxido cuproso Oxicloreto de cobre Permethrin Cartap Enxofre Vamidothion Thiophanate methyl + chlorotalonil Mancozeb + thiophanate Maneb + zineb Chlorotalonil Thiophanate methyl
Fonte: IBGE 1995

Quantidade total (%) 30,91 17,59 15,43 12,28 3,47 3,32 3,30 3,20 2,09 1,25 1,13 0,94 0,89 0,79

Área

Quantidade/ área

(ha) 72,93 49,46 106,69 123,55 10,68 97,04 97,72 40,46 33,04 8,64 10,50 8,00 14,60 18,08

(kg ha-1) 29,18 24,49 9,96 6,84 22,38 2,36 2,33 5,44 4,35 9,97 7,43 8,13 4,21 2,99

2182,16 1211,40 1062,66 845,24 239,04 228,90 227,44 220,16 143,70 86,10 78,00 65,00 61,50 54,13

IV.1.3 - O impacto dos agrotóxicos no meio ambiente

O uso abusivo e de forma indiscriminada dos agrotóxicos, principalmente na agricultura, é o principal fator de desequilíbrio e impacto dos agroecossistemas. Estes desequilíbrios são os mais diversos possíveis, seja pela contaminação das comunidades de seres vivos que o compõem, seja pela sua acumulação nos segmentos bióticos e abióticos dos ecossistemas, biota, água, ar, solo, sedimentos, etc (PERES et al., 2003).

O uso em massa e sem um acompanhamento correto dos agrotóxicos aumenta as proporções dos efeitos danosos que estes podem provocar ao meio ambiente. Os sinais de impactos geralmente não são imediatos, pois podem ser crônicos quando interferem na expectativa de vida, crescimento, fisiologia, comportamento e reprodução dos organismos e/ou ecológicos quando interferem na disponibilidade de alimentos, de habitats e na biodiversidade, 37

incluindo os efeitos sobre os inimigos naturais das pragas e a resistência induzida aos próprios agrotóxicos,” (LUNA, 1999).

Outro ponto importante citado pelo mesmo autor acima em seu artigo é que “há interferência dos agrotóxicos sobre a dinâmica dos ecossistemas, como nos processos de quebra da matéria orgânica e de respiração do solo, ciclo de nutrientes e eutrofização de águas. Pouco se conhece, entretanto sobre o comportamento final e os processos de degradação desses produtos no meio ambiente”.

Os agrotóxicos por sua vez têm seu papel de importância para agricultura, mas por outro lado são responsáveis pela contaminação do solo, ar e água e por diversas interações danosas a biodiversidade e ao meio ambiente. Uma grande parte dos agrotóxicos que são aplicados nas plantações para o controle de pragas acaba atingindo o solo e as águas, além disso, resíduos destes produtos atingem estes meios por conta de embalagens vazias de agrotóxicos descartadas inadequadamente, descarte inadequado de sobra de misturas ou a percolação destes resíduos pelo solo atingindo os lençóis de águas subterrâneas (PERES, 1999; SILVA et al., 2001; MORAES & JORDÃO, 2002).

Por outro lado, os resíduos de inseticidas aplicados provocam impacto na população microbiana do solo o que pode levar a estimulação, decréscimo ou modificação dos processos biológicos do solo como nitrificação, amonificação, respiração, ATP e outros processos essenciais à saúde do solo, fertilidade e produtividade dos campos agrícolas (VIG et al., s/d).

O descarte das embalagens vazias de agrotóxicos quando feito de maneira inadequada pode também provocar uma série de prejuízos ao meio ambiente. Quando este descarte é feito diretamente em contato com o solo pode haver a contaminação do mesmo provocando alterações decorrente da ação química dos agrotóxicos e seus metabólitos que escorrem das paredes internas das embalagens. Além disso, a composição química do material destas embalagens lhes confere uma alta estabilidade e persistência no ambiente provocando também uma poluição física e visual.

38

Segundo SETHUNATAN (1973), quando em contato com o solo ou a água, as embalagens, principalmente plásticas, podem sofrer três tipos diferentes de reação: degradação completa sem a formação de metabólitos; degradação incompleta com acúmulo de metabólitos não degradáveis; e, pequenas alterações levando ao acúmulo e a alta persistência dos produtos em função de deposições sucessivas.

Os resíduos dos agrotóxicos, uma vez depositados no solo, permanecem na faixa superficial de 15 cm (HARRIS, 1969; LICHTENSTE1N, 1962). Essa faixa do solo é também a região de maior atividade da fauna e da flora do solo (ALEXANDER, 1961) servindo de plataforma para interação do resíduo dos agrotóxicos com estas. A quebra das moléculas dos pesticidas pelos microrganismos é considerada uma das mais importantes atividades ocorridas nesta faixa do solo (VIG et al., s/d)

No entanto, apesar da atividade dos microrganismos os resíduos de agrotóxicos permanecem certo tempo ativos no solo. Esse tempo varia de acordo com o tipo de substância. Os herbicidas derivados de fenoxi, toluinas e nitrilas permanecem em média de um a seis meses enquanto os derivados de uréias, triazinas e picloram de um a dezoito meses (HELLWELL, 1988).

No solo, um dos maiores prejuízos causados pela excessiva quantidade e diversidade de substâncias químicas lançadas sobre ele, é a redução da biodiversidade e a supressão de microrganismos que possuem funções importantes na quebra da matéria orgânica, fixação de nutrientes no solo e na participação da catalise do ciclo de vários nutrientes.

39

IV.2 - SOLO

O solo é um dos compartimentos mais importantes do meio ambiente, segundo o RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE (1999) pode ser definido como uma camada superficial da terra substrato essencial para a biosfera terrestre, e têm como principal função ser suporte e fonte de nutrientes para a vegetação e, como tal, base de toda a cadeia alimentar.

É no solo que ocorrem inúmeros fenômenos como os ciclos hidrológicos, ciclos orgânicos e inorgânicos, e a partir dele são disponibilizadas várias atividades benéficas ao homem como a agricultura, suporte para os reservatórios de água e etc.

O solo é tido como um organismo vivo onde sua atividade biológica determinará o seu potencial (RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE, 1999).

IV.2.1 – Qualidade do solo.

O entendimento atual do conceito de qualidade de solo compreende o equilíbrio entre os condicionantes geológicos, hidrológicos, químicos, físicos e biológicos (BRUGGEN & SEMENOV, 2000; SPOSITO & ZABEL, 2003). Esse termo, muitas vezes utilizado como sinônimo de saúde do solo, refere-se a sua capacidade de sustentar a produtividade biológica dentro das fronteiras do ecossistema, mantendo o equilíbrio ambiental e promovendo a saúde de plantas e animais e do próprio ser humano (DORAN et al., 1996; SPOSITO & ZABEL, 2003).

A importância da qualidade do solo está ligada diretamente à biodiversidade e a sustentabilidade das atividades que são desenvolvidas sobre ele. A diversidade da microbiota existente no solo tem grande importância, pois são responsáveis pela formação de húmus, ciclagens de nutrientes e também pela definição da estrutura física e muita outras funções (LYNCH & BRAGG, 1985).

O entendimento do solo como um corpo vivo significa considerar que todos os seus processos e componentes estão funcionalmente integrados. Portanto, a vida do solo e seus processos vitais estão expressos e regulados pela biota do solo. Essa regulação da biota sobre a decomposição de resíduos orgânicos, ciclagem de nutrientes, degradação de poluentes 40

químicos e a sua forte influência sobre a estrutura do solo, fazem com que esses microrganismos e esses processos sejam naturalmente escolhidos como indicadores da saúde ou da qualidade do solo (PAPENDIK & PARR, 1992).

Conhecer os efeitos provocados por um agente químico em um determinado meio, o solo, é muito importante para que se possa fazer deste conhecimento uma ferramenta útil para um uso mais racional, com maior eficiência e sem tantos danos ao meio ambiente e sua biodiversidade.

IV.2.2 – Biodiversidade do solo

Dentre as inúmeras definições existentes a respeito de biodiversidade aquela que a define como abundância da vida, indicada pela variedade da biota pré-parentesco de processos bioquímicos no solo (KENNEDY & SMITH, 1995), parece ser uma das mais completas. SOLBRIG (1991) é mais direto e em seus estudos considera biodiversidade como a interrelação das diversidades genética, funcional e taxonômica.

Segundo MATOS et al. (1999), a maior parte dos estudos feitos sobre biodiversidade são direcionados para variedade taxonômica das espécies, mas vêm crescendo os estudos sobre a diversidade genética.

A biodiversidade é encarada como um parâmetro para avaliação da qualidade de um ecossistema sendo um ponto chave no fluxo de energia de um sistema (KENNEDY & SMITH, 1995), ficando por conta da microflora 20% desse fluxo (MACFADYEN, 1963).

Neste contexto a diversidade microbiana do solo especificamente desempenha importante papel na decomposição da matéria orgânica, atuando também na desintoxicação de muitos contaminantes ambientais (AELION & BRADLEY, 1991) e na mineralização dos nutrientes disponibilizando-os no solo.

As atividades do homem no solo, principalmente a agricultura, podem afetar o funcionamento da microbiota e reduzir a variedade de microrganismos, eliminando espécies essenciais na ciclagem de nutrientes, na decomposição da matéria orgânica comprometendo a manutenção do ecossistema e a fertilidade do solo (MELLO & AZEVEDO, 1998; REBER, 1992). 41

IV.3 – INDICADORES BIOLÓGICOS.

Em seu estado funcional complexo a avaliação da qualidade de um solo não pode ser feita diretamente (ISLAN & WEIL, 2000). Ela deve ser medida através da utilização de indicadores biológicos que possibilitem a quantificação e qualificação dos organismos vivos no solo.

De acordo com DUMANSKY & PIERI (2000) as bases científicas que respaldam a busca por indicadores de qualidade do solo são: a compreensão de que estes indicadores estão voltados para avaliação e ou monitoramento das condições do solo que o tornam um corpo vivo. De outra forma, esses indicadores específicos desta escala devem ter a capacidade e a sensibilidade para medir e avaliar atributos e processos do solo que interfiram na promoção da sua vida (ZILLI et al., 2003).

O indicador biológico é definido como a presença ou ausência de uma determinada espécie (planta, animal ou microrganismo) em uma área delimitada de estudo, associada a uma certa condição ambiental (ZILLI et al., 2003). Muitas vezes um indicador biológico que seja representativo é selecionado, uma vez que as alterações sofridas por este indicam condições semelhantes às demais espécies biológicas que compõe o sistema estudado e determinam a condição do ambiente (TURCO & BLUME, 1999). No entanto, segundo VISSER & PARKINSON (1992) uma espécie biológica para ser escolhida como indicador não basta apenas ser sensível a uma determinada condição ambiental, é importante que esta reúna outras características consideradas ideais, como: • Ser capaz de responder, de forma rápida e acurada, a um distúrbio no solo. • Refletir os aspectos do funcionamento do ecossistema. • Possuir processo de avaliação. • Ser economicamente viável. • Ter distribuição universal e independente de sazonalidade.

Porém para se fazer qualquer avaliação em um ecossistema é necessário à utilização de mais de um indicador biológico. Isso é ratificado por STANBERG (1999) ao enfatizar que nenhum indicador individualmente conseguirá descrever e quantificar todos os aspectos da qualidade do solo. Nem mesmo uma única fração do solo pode ser avaliada, já que deve haver uma

42

relação entre todos os atributos do solo. Assim, um número mínimo de indicadores deve ser selecionado.

IV.3.1 – Respiração basal do solo

A respiração basal reflete a atividade da microbiota do solo responsável pela degradação de compostos orgânicos (LOPES, 2001). Em um artigo de GUPTA & SINGH (1980), consta à definição de respiração do solo como a soma total de todas as funções metabólicas do solo no qual o CO2 é produzido. Isso inclui 3 processos biológicos chamados respiração microbiana,
B B

respiração das raízes e respiração da fauna e um processo não biológico, a oxidação química o qual pode ser particularmente provocado por altas temperaturas.

O termo respiração do solo também é definido como a absorção de O2 e, ou, liberação de CO2
B B B B

pelas entidades vivas e metabolizantes do solo. Já a respiração microbiana é definida como a absorção de O2 ou liberação de CO2 pelas bactérias, fungos, algas e protozoários no solo,
B B B B

incluindo-se as trocas gasosas que resultam de ambos os metabolismos aeróbio e anaeróbio (ANDERSON, 1981). A vantagem de se medir CO2, ao invés de O2, está no fato do CO2
B B B B B B

refletir a atividade, tanto de microrganismos aeróbios quanto de anaeróbios.

A respiração do solo pode ser mensurada no campo, sob condições naturais, ou em laboratório, sob condições controladas. A determinação da respiração do solo no campo tem sido usada para avaliação da atividade geral da biomassa do solo, destacando-se a influência do clima, propriedades físicas e químicas do solo e práticas agrícolas. Também são observadas estimativas da mineralização e estabilização do carbono quando relacionadas ao tipo de matéria orgânica e sua taxa de adição sobre ou dentro do solo (PARKINSON et al., 1971).

A respiração dos microrganismos do solo pode ser determinada no campo através da retirada de amostras com material resistente ao impacto. Destas amostras retiram-se às raízes, sendo os solos colocados num cilindro contendo um recipiente com solução de hidróxido de sódio ou potássio. O cilindro é vedado e as medidas são feitas concomitantemente com as da respiração endáfica.

43

Nas condições de laboratório, a respiração basal ou estimulada, pode ser mensurada. Neste caso, a respiração basal tem sido largamente usada para estudos sobre influências de diversos atributos físicos do solo como umidade, temperatura e aeração sobre a mineralização da matéria orgânica do solo (ANDERSON, 1989). Também se observaram correlações com outras propriedades fisiológicas do solo, como enzimas ou conteúdo de ATP, o que permite a estimativa da atividade da microflora e do tamanho da população microbiana (ANDERSON & DOMSCH, 1978).

Dos sistemas de medição do CO2 em condições de laboratório, destacam-se o "estático", onde
B B

são usadas câmaras de incubação sem aeração e com absorção de CO2 por solução alcalina de
B B

KOH, NaOH ou Ba(OH)2; e "dinâmico", com aeração contínua da amostra de solo em câmara de medição, usando-se, o analisador infravermelho de gás ou o cromatógrafo (GRISI, 1995).

IV.3.2 – Biomassa microbiana do solo (BMS)

A biomassa microbiana é um importante indicador biológico utilizado na quantificação da matéria orgânica viva do solo excluindo-se as raízes e animais maiores do que aproximadamente 5x103 µm3. Ela é responsável pela transformação da matéria orgânica,
P P P P

através da decomposição e mineralização dos resíduos vegetais e animais do solo, atuando no ciclo de nutrientes e no fluxo de energia, (JENKINSON & LADD, 1981; WARDLE, l992). A BMS não é uma estimativa da atividade dos microrganismos, mas da massa microbiana viva total, com base na concentração de algum elemento ou de alguma substância celular, (DEPOLLI & GUERRA, 1997).

A biomassa microbiana é um dos componentes que controlam funções chave no solo, pois além de atuar na decomposição e no acúmulo da matéria orgânica, nas transformações envolvendo os nutrientes minerais ela representa, ainda, uma reserva considerável de nutrientes como N, P e S, os quais são continuamente assimilados durante os ciclos de crescimento dos diferentes organismos que compõem o ecossistema (STENBERG, 1999). Isso possibilita que a fertilidade natural do solo possa ser avaliada pela BMS, uma vez que os processos de catálise que influenciarão na dinâmica da matéria orgânica e na ciclagem de nutrientes serão governados por ela (ALCÂNTARA, 1995). Assim, o declínio da atividade

44

microbiana tem grande impacto na fertilidade natural do solo, com grandes efeitos nos ecossistemas naturais (BROOKES, 1995). Por outro lado, os solos que mantêm um alto conteúdo de biomassa microbiana são capazes não somente de estocar, mas também de ciclar mais nutrientes no sistema (STENBERG, 1999) possuindo, portanto uma alta eficiência.

Resíduos de inseticidas provocam impacto na população microbiana do solo, assim como herbicidas podem exercer efeitos prejudiciais à microflora do solo (VIG et al., s/d; VIEIRA, 1999). Pesticidas de um modo geral, também provocam alterações como a eliminação de espécies. Porém, em meios com uma alta diversidade biológica há uma compensação funcional, até certo limite, pela presença de outras espécies num fenômeno que se denomina redundância (KENNEDY, 1999). Esse fenômeno funciona como um sistema tampão do solo onde as alterações sofridas pela eliminação de algumas espécies são compensadas até certo limite pela presença das demais espécies que compõem a diversidade do ecossistema afetado, porém a partir deste limite não há mais a compensação passando a ocorrer alterações nas atividades bioquímicas ou de biomassa microbiana do solo.

MELLONI et al. (2001) citam vários autores quando falam que as análises de BMS fornecem dados úteis a respeito de alterações ocorridas nas propriedades biológicas do solo por conta de inúmeras ações promovidas nele, principalmente por aquelas feitas pelo homem, sendo um parâmetro muito dinâmico. Isso por que a BMS responde de maneira diferenciada aos manejos agrícolas adotados em cada agroecossistema (CATTELAN & VIDOR, 1990; MOREIRA & SIQUEIRA, 2002).

No entanto, o uso da BMS como indicador de qualidade do solo isoladamente é comprometido, uma vez que a abundância e atividade dos microrganismos são muito suscetíveis às variações sazonais, principalmente temperatura e umidade. Além disso, a BMS fornece dados apenas quantitativos sobre a microbiota do solo, não considerando sua composição, ou a estrutura das comunidades microbianas (ZILLI et al., 2003).

IV.3.3 – Quociente metabólico (qCO2)
B B

O quociente metabólico (qCO2) é outro valioso indicador de estresse, perturbação ou
B B

estabilidade do ecossistema. Ele indica o estado metabólico dos microrganismos e a quantidade de energia necessária para a manutenção da atividade metabólica em relação à 45

energia necessária para a síntese da biomassa (DE-POLLI & GUERRA, 1997; BARDGETT & SAGGAR, 1994).

O quociente metabólico é medido através da razão do CO2 desprendido da amostra de solo
B B

incubada e medido pela taxa de respiração basal pela quantidade de carbono na biomassa microbiana (DE-POLLI & GUERRA, 1997; WALKER & REUTER, 1996). Essa razão expressa a quantidade de carbono imobilizado na biomassa microbiana

A relação entre a qualidade do solo e o coeficiente metabólico é inversamente proporcional, ou seja, à medida que o qCO2 diminui a qualidade do solo aumenta, por outro lado à medida
B B

que o qCO2 aumenta a qualidade do solo diminui.
B B

IV.4 - SAÚDE PÚBLICA.

O cultivo do tomate é uma das culturas que mais causam impactos ao meio ambiente, devido à exploração desordenada dos solos, aliada à destruição da cobertura vegetal, que intensifica a erosão e, conseqüentemente, a perda de fertilidade dos mesmos, o que resulta no abandono, mais tarde, das áreas por parte dos produtores (CARVALHO et al., 1998). Outro fator agravante é à diversidade e quantidade de agrotóxicos que são utilizadas para o controle de pragas e doenças que geralmente assolam este tipo de cultura. As áreas onde são

desenvolvidas a cultura de tomate caracterizam-se por uma intensa produtividade, o ano inteiro ininterrupto, com um ciclo que varia de 3 a 4 anos (RAMALHO et al., 2000). Segundo MOREIRA & SIQUEIRA (2002) o regime anual de uso de agrotóxicos apresenta uma variabilidade que acompanha diretamente a sazonalidade da produção com maior aporte dessas substâncias nas lavouras de verão, como a do tomate, com um consumo total de, aproximadamente, 5,7 t/safra (ou gasto de R$ 208.650,00). As lavouras de inverno, com destaque para a cultura da couve-flor, consomem aproximadamente 2,5 t/safra (ou gasto de R$ 90.000,00).

O município de Paty do Alferes, localizado na região serrana do Rio de Janeiro, tem uma tradição agrícola de mais de 200 anos. Atualmente a região se destaca pela cultura de olerícolas onde são produzidos 40% de todo tomate comercializado no estado, com predominância da plantação de tomateiros estaqueados para consumo do fruto in natura 46

(RAMALHO et al., 2000). No entanto, segundo o autor a produção na região vem diminuindo em decorrência dos manejos inadequados empregados nas plantações, principalmente o desmatamento através de queimadas e o uso abusivo e indiscriminado de agrotóxicos. Essas práticas além de provocarem danos ao meio ambiente, reduzindo a fertilidade do solo, também provocam danos à saúde humana principalmente aos trabalhadores da região que estão expostos continuamente aos efeitos nocivos dos agrotóxicos, seja pela inalação, contato com a pele e por consumirem os alimentos produzidos em natura com altos teores de agrotóxicos.

DELGADO & PAUMGARTTEN (2003) realizaram um estudo na região de Paty do Alferes e constataram que 62%, de uma amostra de 55 trabalhadores rurais, já haviam apresentado algum tipo de problema de saúde ao preparar ou aplicar agrotóxicos nas plantações e ainda constataram que 92% desses trabalhadores não utilizam equipamentos de proteção individual.

ARAÚJO et al. (2000) em um estudo semelhante feito em culturas de tomate em propriedades no estado de Pernambuco mencionam que 13,2% dos trabalhadores rurais, em um universo de pesquisa de 186 trabalhadores, já sofreram algum tipo de intoxicação e 70,6% das mulheres entrevistadas relataram perda de feto e 39,4 relataram já ter perdido um filho com menos de um ano de vida. Os mesmos autores em outro estudo, também no estado de Pernambuco, mencionam que são registrados 20.000 casos de óbito não intencionais decorrentes do uso de agrotóxicos por ano sendo, a maioria dos casos, ocorridos em países do terceiro mundo, onde 25 milhões de trabalhadores rurais são intoxicados por ano. Citam, também, um estudo feito pela WHO (1965) que aponta alguns problemas importantes do uso de agrotóxicos na agricultura como os seus custos sociais e ambientais que não são internalizados na produção, significando um ônus para o poder público a reparação do dano ambiental e da saúde da população, a qual, certamente, não tem sido realizada, potencializando o ciclo de crescente destruição dos ecossistemas e o comprometimento da qualidade de vida do ser humano.

47

IV.5 – SUSTENTABILIDADE.

É um desafio para ciência buscar alternativas de avaliação da qualidade dos ecossistemas e uma forma de correlacioná-los com o desenvolvimento sustentável, principalmente na agricultura. LOPES (2001) destaca que a qualidade do solo ainda não foi adotada como um indicador de sustentabilidade do sistema de manejo agrícola. Com o passar do tempo, fica cada vez mais evidente que a manutenção de um agroecossistema viável, do ponto de vista produtivo, vai depender das ações presentes do homem. Um comprometimento da biodiversidade, em termos quantitativos e qualitativos, destes sistemas pode influenciar diretamente na fertilidade do solo e colocar em risco a sobrevivência das gerações futuras.

Isso implica num uso racional dos recursos naturais de maneira que não se esgote a possibilidade destes atenderem as necessidades das gerações futuras no que tange principalmente a produção de alimentos. Um outro ponto importante é entender que um agroecossistema é um conjunto de componentes bióticos e abióticos ligados intimamente formando uma unidade ecológica funcional (ALTIERE, 2002) que atenderá as necessidades de uma produção agrícola (GLIESSMAN, 2000).

Dentre os vários conceitos existentes sobre sustentabilidade há um que prega que seja o equilíbrio entre o crescimento econômico, a equidade social, as liberdades políticas, a saúde e o meio ambiente (AGENDA 21, 1993). SOUZA (1996), que é citado por LEONARDO

(2003), considera a definição do relatório da Comissão Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD), importante: pois sustentabilidade é aquela que atende as necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem as suas próprias necessidades.

48

Capítulo 5

Metodologia

V.1 – SÍTIO DE ESTUDO

O sítio de estudo foi uma plantação de tomate localizada no distrito de Caetés no município de Paty do Alferes, (22º10’-22º25’ Sul e 43º11’ – 41º37’ Oeste) localizado na Serra do Mar a aproximadamente 130 Km da cidade do Rio de Janeiro - RJ. A localização da plantação foi registrada com o auxílio de um localizador por satélite (Global Positioning System).

Esta região é caracterizada por um relevo de declividade de até 50%, pela monocultura do tomate sendo uma das maiores produtoras do estado do Rio de Janeiro. A agricultura se desenvolve nas encostas com declividade média de 25%. Nesta região é costume a utilização de queimadas para limpeza das áreas agricultáveis, a aração morro abaixo para preparo do solo e o uso abusivo e indiscriminado de agrotóxicos nas plantações, sem nenhum tipo de prática conservacionista dos agroecossistema, (RAMALHO et al., 2000).

O solo predominante na área do sítio de estudo, segundo RAMALHO et al., (2000), é classificado como podzólico vermelho-amarelo.

As amostras de solo foram coletadas de uma área demarcada, em declive, (aproximadamente 20 x 10 m) de uma plantação de tomate, situada em um sítio de 500.000 m2, arrendado, como
P P

mostra a FOTO 1.

49

FOTO 1: Foto do sítio de estudo na região de Caetés, na cidade de Paty do Alferes-RJ, em junho de 2004

De acordo com a TABELA 5, montada com informações fornecidas pela secretaria municipal de agricultura de Paty do Alferes, são muitos os agrotóxicos de diferentes grupamentos químicos utilizados na região.

50

TABELA 5: Relação dos agroquímicos utilizados pelos agricultores da região de Paty do Alferes.

Relação de princípios ativos usados na região de Paty do Alferes Grupamento Princípios Ativos Cipermetrina Alfacipermetrina Deltametrina Piretróides Lambadacyhalotrina Fempropatrim Betacyflutrim Esfenvalerate Captan Clorothalonil Hidróxido de cobre Acephate Clorpirifós Organofosforados Fenitrothion Paration Metílico Triazophós Fungicidas/ Bactericidas Oxicloreto de cobre Cymoxanil Difenoconazole Enxofre Mancozeb Metalaxil Tebuconazole Tiofanato Metílico Carbaryl Carbofluran Carbamatos Carbosulfan Cartap Methonil Diafentiuron Outros Abamectin Acctamiprid Buprofesin Lufenuron Cyromazine Imidaclorprido Herbicidas Glifosato Paraquat Sal trietanolamina 2,4-D Grupamento Princípios Ativos

Fonte: Dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Agricultura de Paty do Alferes.

51

V.2 - AMOSTRAGEM Foram coletadas 9 amostras simples de solo de uma área de 200 m2, 20 metros morro acima
P P

da plantação de tomate e 10 metros lateralmente, e numeradas seqüencialmente de 1 a 9, na profundidade de 0-10 cm, utilizando trado tipo copo, junto aos pés de tomate (FIGURA.1).

FIGURA.1: Área de coleta das amostras no sítio de estudo (ASE)

10 m 3m Topo 3 20 m 6 5 4 7m 9 3m 8 7 Base 3m 3m 2 1 7m Meio

2m

2m

Foi feita uma coleta de uma amostra de solo de uma área de mata clímax local (AMC), a 300 metros distante do sítio de estudo, para comparação dos resultados com as amostras coletadas no sítio de estudo (ASE). Essa coleta foi feita também à profundidade de 0-10 cm e utilizando o trado copo.

Todas as amostras foram armazenadas em sacos plásticos devidamente fechados e levadas, no mesmo dia, ao laboratório de solos da EMBRAPA (agrobiologia-UFRRJ). Foram abertos os

52

sacos, com as amostras, e deixadas à sombra para secagem. No dia seguinte as amostras foram destorroadas e peneiradas a uma granulometria de 2 mm e pesadas em balança analítica com precisão de centésimo de grama.

De cada amostra foi retirada uma alíquota de 20 g para determinação da umidade, após secagem a 105 º C por 24 h.

Este trabalho foi desenvolvido entre os meses de junho a novembro de 2004, onde foram feitas duas coletas de amostras uma no primeiro mês e outra no último. A primeira coleta foi feita no mês de junho em virtude da plantação estar na fase de desenvolvimento dos frutos, momento este que se caracteriza pelo uso de uma grande variedade e quantidades de agroquímicos nas plantações. O mês de junho, em plena estação de inverno, se caracteriza por uma baixa pluviosidade média.

A segunda coleta ocorreu no mês de novembro de 2004 na mesma área, após 20 dias do término do ciclo de cultivo do tomate. Portanto, os tomateiros deram lugar à vegetação de pastagem quase sem nenhum tipo de manejo e sem aplicação de agrotóxicos. Além disso, o mês de novembro se encontra em plena estação do verão e a região se caracteriza pela alta pluviosidade média.

A AMC da primeira coleta foi feita em um local 300 metros distante do ponto onde fora coletado as amostras. O local é coberto por uma vegetação clímax local situado na margem oposta da rua (FOTO 2).

A AMC da segunda coleta foi feita em um ponto diferente da primeira coleta, distante 500 metros do sítio de estudo, mas também do outro lado da rua. Neste ponto foi observado que o solo possui uma coloração mais avermelhada com muita quantidade de areia e outras partículas inorgânicas.

53

FOTO 2: Foto da área da primeira coleta de amostra clímax local na região de Caetés, na cidade de Paty do Alferes-RJ, em junho de 2004.

V.3 – ANÁLISE DA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO (BMS)

De cada amostra, peneirada e isenta o máximo possível de raízes e pedras, foi pesada, em balança de precisão de duas casas decimais, 6 alíquotas de 20 g cada para determinação do carbono da biomassa microbiana de acordo com o protocolo de análise da Embrapa (DEPOLLI & GUERRA, 1997). Três alíquotas de cada amostra foram fumigadas com clorofórmio P.A. Após um período de 24 horas, procedeu-se a retirada do resíduo de clorofórmio. As outras 3 alíquotas não foram fumigadas e serviram como controle. As 6 alíquotas de cada amostra foram adicionado 50 ml de K2SO4 (0,5 mol L -1), e foram agitadas
B B B B P P

por 30 minutos.

54

Após 30 minutos de repouso a suspensão resultante das alíquotas foi filtrada em papel de filtro Whatman nº 1. O carbono orgânico dos extratos foi determinado pela adição de 2mL do filtrado e 3 mL de água deionizada em frasco de vidro. Em seguida, na ordem, foi medido em pipeta de precisão adicionado a este mesmo frasco 2,5 mL de solução de trabalho(ST)1 e 2,5
P P

mL de ácido sulfúrico concentrado. Esta solução foi homogeneizada e deixada em repouso por 30 minutos para resfriamento ambiente. Após este período procedeu-se à leitura da absorbância das soluções padrão2, para montagem da curva padrão, e das amostras em
P P

espectrofotômetro digital modelo B 342 II, marca Micronal.

Com uma solução padrão de carbono foram feitas diluições como assinalado no QUADRO 5.

QUADRO 5: Concentrações de carbono e respectivas absorbâncias a 495 nm

C mg L-1 0 6 12 18 24

V (mL) 0 1 2 3 4

H2O (mL)
B B

ST (mL) 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5

H2SO4 P.A
B B B B

5 4 3 2 1

2,5 2,5 2,5 2,5 2,5

Os resultados foram expressos em mg de C/g de solo/hora. Com os resultados obtidos, calculou-se a relação entre o C na forma de CO2 da respiração basal com o C da biomassa
B B

microbiana, qCO2 (ANDERSON & DOMSCH, 1989).
B B

1- A solução de trabalho foi preparada adicionando-se 300 mL de solução de pirofosfato de sódio (Na4P2O7) a 0,1M, 46 mL de ácido
B

sulfúrico (H2SO4) 0,5 M, 20 mL de permanganato de potássio (KMnO4) 0,1 M e 80 mL de sulfato de manganês mono-hidratado (MnSO4.H2O) 0,1M nesta ordem a um balão de 1.000 mL e ao final completado com água deionizada e homogeneizado.

2- A solução padrão de carbono foi preparada a partir da diluição de 6 mL de uma solução estoque de carbono de concentração 500 mg L-1,
B

em um balão volumétrico de 50 mL.

55

V.4 – ANÁLISE DA RESPIRAÇÃO BASAL DO SOLO (RBS).

Foram retiradas 3 alíquotas de 50g de solo de cada amostra para determinação da respiração basal (RB). Essas alíquotas foram incubadas em frasco de vidro provido de tampa vedante, contendo um frasco com 10 mL de solução de NaOH (1 mol L-1), para absorver o CO2
P P B B

liberado pelo solo. Após 120 horas de incubação (5 dias) a 28º C, retirou-se o frasco com solução de NaOH e precipitou o CO2 adicionando-se 2 mL de cloreto de bário (BaCl2), 10%
B B B B

em água e titulou-se o excedente de NaOH com solução de HCl (0,5 mol L-1), usando como
P P

indicador fenoftaleína, 1% em meio alcoólico. Os resultado foram expressos em µg de C/g de solo/hora.

V.5 – QUOCIENTE METABÓLICO (qCO2)
B B

O quociente metabólico (qCO2) foi calculado como a razão entre o C-CO2 liberado pela
B B B B

respiração basal e o C na biomassa microbiana.

V.6 - ANÁLISE ESTATÍSTICA.

Os resultados das análises C-biomassa, Respiração basal e qCO2, obtidos nas coletas de
B B

jun/2004 e nov/2004, foram trabalhados em planilha Excel e gerados gráficos também através desta planilha. Assim a média dos resultados dos pontos amostrados, foram submetidas às análises estatísticas que se basearam na seguinte modalidade: medidas de dispersão (desviopadrão, amplitude e coeficiente de variação).

Medidas de Dispersão Para avaliar o grau de variabilidade ou dispersão dos valores de um conjunto de números, lançamos mão das ferramentas estatísticas denominadas medidas de dispersão. Essas nos proporcionam um conhecimento mais completo do fenômeno a ser analisado, permitindo estabelecer comparações entre fenômenos da mesma natureza e mostrando até que ponto os valores se distribuem acima ou abaixo da medida de tendência central. Nesta dissertação utilizaram-se as seguintes:

56

1. Desvio-Padrão (S) => É a medida de dispersão mais usada e mais importante. Mede a concentração dos dados em torno da média. É dado pela soma dos quadrados dos desvios dividido pelo número total de observações.

(a) Desvio-padrão de dados brutos:

Interpretação do desvio-padrão (análoga à da variância): • Devemos ter em mente que o desvio-padrão mede a variação entre valores. Assim: • Se os valores estiverem próximos uns dos outros, então o desvio-padrão será pequeno, e conseqüentemente os dados serão homogêneos. • Se os valores estiverem distantes uns dos outros, então o desvio-padrão será grande, e conseqüentemente os dados serão heterogêneos. • A desvantagem do uso da variância perante o uso do desvio-padrão é que a unidade de medida utilizada é igual ao quadrado da unidade de medida dos dados. No entanto, por conta da maior facilidade do trato algébrico com funções quadráticas, a variância será a medida de dispersão mais utilizada quando tratarmos da inferência estatística.

2. Amplitude de Variação (A) => Trata-se da diferença entre o maior e o menor dado obtido indicando o comprimento do intervalo de variação.

3. Coeficiente de Variação (CV) => Trata-se de uma medida relativa de dispersão, útil para comparação em termos relativos do grau de concentração em torno da média de séries distintas. É dado por:

Como o CV é uma medida que exprime a variabilidade relativa à média, é usualmente expresso em porcentagem. Para efeitos práticos, costuma-se considerar que o CV superior a 50% indica alto grau de dispersão e, conseqüentemente, pequena representatividade da média. Enquanto que para valores inferiores a 50%, a média será tanto mais representativa quanto menor for o valor de seu CV, (VIEIRA, 1985).

57

V.7 - ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS AMOSTRAS.

Os dados foram analisados sobre 4 pontos: 1 – Comparando os valores obtidos das amostras coletadas no sítio de estudo em épocas diferentes com os respectivos valores da amostra coletadas de mata clímax local. 2 – Comparando os valores das amostras de (1 a 9) e seus respectivos valores médios, coletadas no sítio de estudo, nos meses de jun/2004 e nov/2004, entre si, analisando estatisticamente através de medidas de dispersão. 3- Comparando os valores médios das três amostras do topo, meio e base da área de estudo uma vez que se trata de um plano inclinado, em épocas diferentes e analisando estatisticamente através de medidas de dispersão. 4- Comparando os valores obtidos das amostras coletadas no sítio de estudo em épocas diferentes com valores da literatura

Com relação aos dados de literatura foram pesquisados valores de análises BMS, RBS e qCO2, em solos da mesma classe, portanto com características semelhantes dos trabalhados
B B

neste estudo, podzólico vermelho-amarelo, porém podendo haver pequenas variações nos teores de argila e nas características do local de coleta.

58

V.8 – METODOLOGIA DE PESQUISA

A pesquisa em questão foi realizada com o intuito de descrever as características do solo bem como do tipo de manejo ao qual este é submetido para que se tenha uma real idéia do tipo de ação impactante sofrida por este. Possui também um caráter explicativo, pois o estudo tem o intuito de apresentar as causas que levam a uma situação de impacto do solo na área de estudo. E por último tem caráter exploratório dado à falta de estudos que abordem o impacto provocado por agroquímicos na microbiota do solo e sua relação com a saúde ambiental (NASCIMENTO, 2004).

V.9 – ANÁLISE DOS ASPECTOS ÉTICOS DA PESQUISA

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em 14/06/2004, parecer nº 41/04, com base nas normas estabelecidas pela Resolução 196/96 ENSP-FIOCRUZ, que trata de pesquisa envolvendo seres humanos.

59

Capítulo 6

Resultados
Os resultados obtidos nas análises de biomassa microbiana do solo, de respiração basal e do quociente metabólico foram analisados sob quatro pontos.

O primeiro ponto foi comparar os resultados das amostras do sítio de estudo (1 a 9) de jun/2004 e nov/2004 e seus respectivos valores médios com amostras coletadas em uma área de mata clímax local.

O segundo ponto foi comparar os resultados das análises das amostras (1 a 9) e seus respectivos valores médios, entre os meses de jun/2004 e nov/2004, analisando estatisticamente através de medidas de dispersão.

O terceiro ponto foi avaliar o comportamento do solo do sítio de estudo em épocas diferentes, tendo como parâmetro os resultado médios das análises de acordo com a altura de coleta das amostras: base, meio e topo. Estes resultados foram analisados estatisticamente através de medidas de dispersão.

Em quarto e último, foi feita uma comparação da média dos resultados obtidos das amostras do sítio de estudo, não considerando as respectivas amostras de mata clímax local, com dados obtidos em literatura.

60

VI.1 - COMPARAÇÃO COM AMOSTRA DE MATA CLIMAX LOCAL

VI.1.1 - Biomassa microbiana do solo

Os valores de C-biomassa das ASE de junho e novembro de 2004, apresentados na TABELA 6, mostram que a primeira coleta (jun/2004) apresentou todos os valores diferentes comparados à respectiva AMC retirada de uma área de mata clímax local.

TABELA 6: Resultados das análises de BMS das amostras de solo coletadas no sítio de estudo e em área de mata clímax local na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Ponto de amostragem 1 2 3 4 5 6 7 8 9 AMC Média ASE (1-9) Desvio Padrão Coeficiente de Variação Amplitude de variação

Junho/2004 (µgC/g solo) 142,23 136,78 200,66 88,09 39,17 134,99 277,84 362,53 39,31 76,46 157,96 107,44 68,02% 323,36

Novembro/2004 (µgC/g solo) 155,72 190,93 132,55 228,28 172,43 208,74 278,48 228,38 259,58 22,32 206,12 47,96 23,27% 145,93

Dentre o universo das 9 amostras coletadas em jun/04, 2 (5 e 9) apresentaram valores de Cbiomassa inferiores à amostra coletada em mata clímax local, enquanto as outras 7 apresentaram valores maiores. Além disso, a média dos valores das amostras de 1 a 9 (157,96 µgC/g solo), de jun/2004, foram superiores a respectiva AMC (76,46 µgC/g solo).

61

Com os dados da TABELA 6 foi feito o GRÁFICO 1, e fazendo uma análise, verifica-se que os valores obtidos na segunda coleta (nov/2004) foram todos superiores à respectiva AMC. Além disso, o valor médio das ASE’s, de 1 a 9 (206,12 µgC/g solo), foi também superior se comparado a AMC, (22,32 µgC/g solo), colhida na mesma data.

GRÁFICO 1: Gráfico comparativo dos valores de C-biomassa das ASE e da respectiva AMC, em dois períodos diferentes de amostragem, na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ.

Biomassa Microbiana do Solo
ASE
400,00 350,00 300,00
7 4 3 6 2 1 2 4 5 9 6 AMC AMC 3 5 7 9 8 8

AMC

µgC/g solo

250,00 200,00 150,00 100,00 50,00 0,00 jun
1

nov

Comparando o valor da AMC de jun/2004 com a de nov/2004 verifica-se que a quantidade de C-biomassa da primeira é maior do que a segunda e que, ambas, comparadas a média de suas respectivas ASE’s, apresentaram valores inferiores.

Os dados de umidade das amostras nos dois períodos de coleta também foram determinados, (TABELA 7), e pode-se observar que a média das ASE de jun/2004 difere do valor de umidade da respectiva AMC, fato esse que não ocorre para as amostras de nov/2004. Se comparado à umidade média das ASE nos dois períodos verifica-se que em novembro o solo está mais úmido do que em junho, coincidentemente o primeiro mês é uma época de constantes chuvas na região, enquanto o segundo é inverno, época de poucas chuvas.

62

TABELA 7: Resultados das análises de umidade das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Ponto de amostragem 1 2 3 4 5 6 7 8 9 AMC Média ASE (1-9)

Junho/2004 % H20 no solo
B B

Novembro/2004 % H20 no solo
B B

11,65% 11,90% 10,80% 11,65% 10,40% 11,70% 10,95% 12,25% 16,10% 8,00% 11,93%

15,05% 13,80% 15,95% 16,70% 16,10% 14,25% 14,50% 15,15% 14,60% 15,25% 15,12%

VI.1.2. Respiração basal do solo

De acordo com a TABELA 8, os valores de RBS das 9 amostras coletadas em jun/2004, 7 amostras (78%), apresentaram valores com diferença superior a 10% em relação à amostra AMC da mesma época, sendo que 5 (55%) apresentaram valores de RBS inferior a mesma AMC.

As ASE coletadas em nov/2004 apresentaram 8 (89%) valores com diferença superior a 10% em relação à respectiva AMC. Das 9 amostras 4 (44,5%) apresentaram valores menores que a AMC, enquanto 4 (44,5%) apresentaram valores maiores.

Fazendo uma comparação, pela TABELA 8, da média dos valores de RBS das ASE’s nos dois períodos e comparando-os com os valores de RBS das suas respectivas AMC’s observase que em ambas os valores da média estão abaixo do valor das AMC’s, no entanto essa diferença pode ser considerada pequena (<7%).

63

TABELA 8: Resultados das análises de Respiração Basal das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes. Junho/2004 Ponto de amostragem 1 2 3 4 5 6 7 8 9 AMC Média ASE (1-9) Desvio Padrão Coeficiente de Variação Amplitude de variação (µgC.g-1solo/hora)
P P

Novembro/2004 (µgC.g-1solo/hora)
P P

0,58 1,95 1,13 0,94 1,65 0,59 1,02 0,40 0,87 1,09 1,02 0,51 50,06% 1,55

0,52 1,06 0,36 1,72 1,97 0,35 1,51 1,74 1,31 1,21 1,17 0,63 53,68% 1,62

A variação das ASE coletadas em jun/2004 e nov/2004 pode ser comparada no GRÁFICO 2. Nas ASE de jun/2004 ainda pode-se observar uma leve tendência de declínio dos valores no sentido da amostra 9, o que significa dizer que as amostras coletadas nas partes mais baixas do terreno apresentam valores de RBS mais baixos.

64

GRÁFICO 2: Gráfico comparativo dos valores de C procedentes da RBS das ASE e AMC coletadas na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Respiração basal do solo
2,50

ASE
2 5 4 5

AMC

2,00

8 7

µgC.g solo/hora

1,50
3 7 9 6 8 1 3 6 AMC 2

9 4 1

AMC

-1

1,00

0,50

0,00 jun nov

VI.1.3 - Quociente metabólico (qCO2)
B B

De acordo com a TABELA 9, comparando os valores do qCO2 pode-se verificar que 8 (89%)
B B

das ASE de jun/2004, apresentaram seus valores diferentes do valor da respectiva AMC. O valor médio das ASE’s de 1 a 9 de jun/2004 (12,02 µgC-CO2 h-1 x 103 µgC biom g-1solo) também
P P P P P P

apresentou um valor diferente em relação à respectiva AMC. Destas 8 ASE’s que apresentaram diferença em relação à AMC, se observado no GRÁFICO 3, 2 amostras tiveram os valores de qCO2 superiores a AMC, enquanto 6 amostras ficaram com valores
B B

iguais ou abaixo desta.

65

TABELA 9: Resultados qCO2 das ASE e da AMC coletadas na região de Caetés na cidade de
B B

Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Ponto de amostragem 1 2 3 4 5 6 7 8 9 AMC Média ASE (1-9) Desvio Padrão Coeficiente de Variação Amplitude de variação

Junho/2004 4,10 14,24 5,63 10,68 42,21 4,37 3,68 1,09 22,21 14,24 12,02 13,10 108,96 41,11

Novembro/2004 3,32 5,54 2,73 7,52 11,44 1,70 5,44 7,61 5,03 54,19 5,59 2,98 53,23 9,74

Os valores das amostras do sítio de estudo de nov/2004 apresentaram todos os valores com diferença muito grande em relação a AMC ficando todas com valores bem abaixo desta.

De acordo com o GRÁFICO 3, as amostras de nov/2004 apresentam uma curva com uma linearidade muito maior do que a curva das amostras de jun/2004.

66

GRÁFICO 3: Gráfico do quociente metabólico (qCO2) das ASE e AMC coletadas na região
B B

de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Coeficiente Metabólico (q CO2)
ASE
60,00 (µgC-CO2 h-1 x 103 µgC biom g -1solo 50,00 5 40,00 30,00 9 20,00 10,00 0,00 jun nov 2 4 1 3 6 7 8 1 2 3 AMC 4 6 5 7 8 9

AMC
AMC

67

VI.2 – COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS DAS AMOSTRAS COLETADAS EM JUNHO E NOVEMBRO.

VI.2.1 – Biomassa microbiana do solo

Comparando a média dos resultados das amostras de jun/2004 com a das amostras de nov/2004, a partir da TABELA 6., pode-se observar que média dos resultados das ASE’s da primeira coleta é inferior (157,96 µgC/g solo) ao da segunda (206,12 µgC/g solo).

As variações dos resultados trabalhadas estatisticamente pelo desvio padrão (DP), a amplitude de variação (AV) e o coeficiente de variação (CV) são apresentados na TABELA 10. Pela análise do desvio padrão pode-se observar que as amostras de jun/2004 apresentam uma variação de resultados, de BMS, bem mais acentuada em torno da média do que as amostras de nov/2004. Isso é ratificado pelo coeficiente de variação das amostras de jun/2004 que se apresenta bem superior ao das amostras de nov/2004, refletindo em uma maior dispersão dos valores individuais das amostras em torno do valor da média dos resultados. Um outro dado de confirmação é a amplitude de variação que mostra que nas amostras de jun/2004 os valores máximos é mínimos estão muito mais distanciados do que nas amostras de nov/2004, onde se observa uma amplitude de variação maior.

TABELA 10: Análise estatística do Desvio Padrão (DP), Coeficiente de Variação (CV) e a Amplitude de Variação (AV) dos valores de BMS das amostras coletadas no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Meses de coleta Jun/2004 Nov/2004

Média 157,96 206,12

DP 107,44 47,96

CV 68,02% 23,27%

AV 323,36 145,93

68

VI.2.2 – Respiração basal do solo.

Comparando a média dos resultados das amostras de jun/2004 com a das amostras de nov/2004, a partir da TABELA 8., pode-se observar que o valor médio da primeira coleta é ligeiramente inferior (1,02 µgC.g-1solo/hora) ao da segunda (1,17 µgC.g-1solo/hora).
P P P P

Os valores de RBS das amostras referentes às duas coletas, trabalhados estatisticamente (TABELA 11) comprovam a alta variação dos resultados obtidos. As amostras das duas coletas apresentam variações semelhantes, sendo que os valores das amostras de nov/2004 apresentam-se ligeiramente maiores do que os valores das amostras de jun/2004.

TABELA 11: Análise estatística do Desvio Padrão (DP), Coeficiente de Variação (CV) e a Amplitude de Variação (AV) dos valores de RBS das amostras coletadas no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Meses de coleta Jun/2004 Nov/2004

Média 1,02 1,17

D.P. 0,51 0,63

C.V. 50,06% 53,68%

A.V. 1,55 1,62

Os valores individuais das amostras de nov/2004 além de apresentarem uma variação maior em torno da média aritmética (DP= 0,63) desses valores, apresentaram também uma amplitude de variação e uma dispersão dos valores em relação à média ligeiramente maior do que os valores das amostras de jun/2004.

VI.2.3 – Quociente metabólico

Fazendo uma comparação dos valores médios das ASE’s de jun/2004 com as ASE’s de nov/2004, a partir da TABELA 9., pode-se observar que o valor médio da primeira coleta é superior (12,02µgC-CO2 h-1 x 103 µgC biom g-1solo) ao da segunda (5,59 µgC-CO2 h-1 x 103 µgC biom gB B P P P P P P B B P P P P P

1
P

solo).

69

O estudo estatístico feito com os valores das amostras do sítio de estudo coletadas em jun/2004 e nov/2004, apresentado na TABELA 12., mostra que os valores das amostras de jun/2004 apresentam-se com uma dispersão em relação a média bastante elevado se comparado as amostras de nov/2004. Isso é ratificado pelos resultados do C.V. que comprova que percentualmente a dispersão dos valores das amostras de jun/2004 é mais de duas vezes maior do que a dispersão em nov/2004. Deve-se considerar também que os valores de qCO2
B B

das amostras de jun/2004 apresentaram uma amplitude de variação alta comparado aos valores das amostras de nov/2004.

TABELA 12: Análise estatística do Desvio Padrão (DP), Coeficiente de Variação (CV) e a Amplitude de Variação (AV) dos valores de qCO2 das amostras coletadas no sítio de estudo
B B

na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

Meses de coleta Jun/2004 Nov/2004

Média 12,02 5,59

D.P. 13,10 2,98

C.V. 108,96% 53,23%

A.V. 41,11 9,74

70

VI.3 - COMPARAÇÃO POR ALTURA DE COLETA NO SÍTIO DE ESTUDO

VI.3.1 – Biomassa microbiana do solo

Fazendo uma análise do GRÁFICO 4, observa-se que os valores médios das amostras de nov/2004 e jun/2004 geram, ambos, uma curva com declividade positiva. A curva referente aos valores das amostras de nov/2004 apresenta uma linearidade maior (R2= 0,9971)
P P

comparada a das amostras de jun/2004, (R2= 0,2254). Isso mostra que as amostras de
P P

nov/2004 coletadas no topo (1,2,3), no meio (4,5,6) e na base da plantação (7,8,9) apresentam uma tendência mais evidente de aumento de C-biomassa no sentido do topo para a base do terreno.

Com relação às amostras de jun/2004 mesmo verificando-se que há uma declividade positiva no sentido de variação de C-biomassa do topo para base do sítio de estudo, a baixa linearidade da curva, devido ao baixo valor da média dos valores das amostras do meio do sítio de estudo, mostra uma heterogeneidade maior do solo em junho do que em novembro de 2004.

GRÁFICO 4: Gráfico das médias dos valores de C-biomassa das amostras de solo conforme a altura da coleta no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes

BMS (análise por altura)
300,00 250,00 µ g C /g s o lo 200,00 150,00 100,00 50,00 jun/04 0,00 nov/04 TOPO
R2= 0,2254
P P

BASE BASE
R2= 0,9971
P P

MEIO

MEIO

71

VI.3.2 - Respiração basal do solo

A análise da RBS com relação à altura das amostras coletadas em nov/2004, a partir do GRÁFICO 5, apresenta uma linha do gráfico com declividade positiva indicando uma tendência de aumento da RBS no sentido do topo para base, enquanto que as amostras coletadas em jun/2004 apresentam uma linha de gráfico com declividade negativa indicando uma tendência de decréscimo da RBS no mesmo sentido. No entanto, a reta do gráfico das amostras de jun/2004 apresenta uma linearidade ligeiramente maior (R2=0,9702) do que a reta do gráfico das amostras de nov/2004 (R2=0,8904).
P P P P

GRÁFICO 5: Gráfico das médias dos valores de RBS das amostras de solo conforme a altura da coleta no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes

RBS (análise por altura)
1,60 1,40 µ g C .g -1 s o lo /h o ra 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 TOPO TOPO MEIO
R2= 0,9702
P P

BASE MEIO
R = 0,8904
P P

2

BASE

jun/04

nov/04

72

VI.3.3 – Quociente metabólico

Analisando os valores do qCO2 das médias das amostras de acordo com a altura da coleta,
B B

apresentados na TABELA 13, observa-se que a média dos valores das amostras de solo coletadas no topo, no meio e na base do terreno em junho de 2004 apresenta um valor maior do que o mesmo parâmetro das amostras colhidas em novembro de 2004.

TABELA 13: Média dos valores das análises de BMS, RBS e qCO2 das amostras de solo de
B B

acordo com a altura da coleta nos meses de junho e novembro de 2004.
Junho/2004
BMS (µgC/g solo)
1
P

Novembro/2004
qCO2
B

RBS (µgC.g
P

BMS
3
P P P

RBS (µgC.g
P

qCO2
B

-

(µgC-CO2 h x 10
P

-1

(µgC/g solo)
1
P

-

(µgC-CO2 h-1 x 103
P P P P

solo/hora)

µgC biom g solo)
P P

-1

solo/hora)

µgC biom g solo)
P P

-1

Topo Meio Base DP CV A.V.

159,89 87,42 226,56 69,59 44,06% 139,14

1,22 1,06 0,76 0,23 22,78% 0,46

7,99 19,09 8,99 6,14 51,05% 11,10

159,73 203,15 255,48 47,94 23,26% 95,74

0,65 1,35 1,52 0,46 39,54% 0,87

3,86 6,89 6,03 1,56 27,85% 3,02

Analisando a variação ponto a ponto, de acordo com o GRÁFICO 6, observa-se que as amostras coletadas em junho apresentam uma amplitude de variação muito superior às amostras coletadas em novembro. Os valores das médias dos valores de qCO2 das amostras
B B

coletadas em nov/2004 apresentam uma pequena tendência de aumento no sentido do topo para a base.

73

GRÁFICO 6: Gráfico das médias dos valores de qCO2 das amostras de solo conforme a
B B

altura da coleta no sítio de estudo na região de Caetés na cidade de Paty do Alferes-RJ, em dois períodos diferentes.

q CO2 (análise por altura)
µgC x h x10 µgC biomassa g solo

18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00

-1

MEIO
R2= 0,0067
P P

BASE TOPO MEIO
R2= 0,4820
P P

3

-1

TOPO

BASE

jun/04

nov/04

74

VI.4 -COMPARAÇÃO COM DADOS DA LITERATURA

Um estudo feito por MELONI et al. (2001), utilizando solo classificado como podzólico vermelho-amarelo retirado de mata ciliar e um outro estudo feito por GONÇALVES et al. (2002) utilizando amostras do mesmo tipo de solo retirado da cidade de Itaocara, são mostrados TABELA. 14.

TABELA 14: Resultados de análises de C-BMS, RBS e qCO2 obtidos na literatura e a média
B B

dos resultados obtidos no presente trabalho.
Meloni et al.1
P P

Gonçalves et al.2
P P

JUN/2004

NOV/2004

BMS (µgC/g solo) RBS (µgC.g-1solo/hora)
P P

380,55 1,29

343,00 1,75

157,96 1,02

206,12 1,17

qCO2
B

(µgC-CO2 h-1 x 103
P P P P

3,40

5,10

12,02

5,59

µgC biom g solo)
P P

-1

1- Solo de mata ciliar em Campos da Mantiqueira (MG) (2001); 2- amostras de solo secadas ao ar originárias de áreas de pastagens da cidade de Itaocara e submetidas a estudo de terra fina seca ao ar.

Para facilitar uma comparação entre os valores encontrados na literatura e os deste estudo foram colocados, na TABELA 14, os valores das médias dos resultados das análises de BMS, RBS e qCO2 das amostras do sítio de estudo de jun/2004 e nov/2004.
B B

Fazendo-se uma comparação com os resultados obtidos das três análises propostas BMS, RBS e qCO2 por este estudo com dados semelhantes da literatura observam-se uma diferença nos
B B

resultados de algumas análises.

Os resultados da análise BMS feitas neste trabalho apresentaram, tanto para amostras coletadas em jun/2004 como para as coletadas em nov/2004, valores bem abaixo dos obtidos em literatura. É importante considerar que apesar de se tratar de solo com as mesmas características estes estão sob condições diferentes de manejo, pluviosidade, temperatura e umidade.

75

Com relação à análise de RBS pode–se observar que se comparado os resultados das amostras colhidas em jun/2004 e nov/2004 com as análises feitas por MELONI et al., (2001) os valores são próximos. Os resultados das amostras deste trabalho estão um pouco inferiores aos valores da literatura. No entanto, se comparado com os valores obtidos, das duas coletas, no presente estudo com os resultados obtidos por GONÇALVES et al., (2002) esse diferença aumenta.

O coeficiente metabólico apresentou resultados das amostras colhidas tanto em jun/2004 como em nov/2004, superiores aos valores de literatura. A diferença é maior com relação aos resultados das amostras de jun/2004 onde a diferença é bem grande.

76

Capítulo 7

Discussão dos Resultados
O estudo do comportamento da biomassa microbiana do solo (BMS), da respiração basal (RBS) e do quociente metabólico qCO2 em uma determinada área da região Caetés na cidade
B B

de Paty do Alferes é feito neste trabalho como ferramenta na tentativa de se avaliar o impacto da ação dos agrotóxicos e seus resíduos no solo e as conseqüências que esse impacto provocam ao meio ambiente.

Com os resultados obtidos foi feita uma avaliação dos valores das amostras do sítio de estudo analisando sobre quatro pontos diferentes na tentativa de avaliar se o solo desta área está impactado, e se pode ser estabelecida uma relação deste impacto com a utilização de agrotóxicos. Nos quatros pontos analisados utilizam-se os resultados das análises das amostras do sítio de estudo para comparação com: o valor da respectiva amostra de mata clímax local; épocas diferentes de coleta das amostras (sazonalidade); pontos com diferentes alturas do terreno; e dados de literatura.

77

VII.1 - COMPARAÇÃO COM AMOSTRA DE MATA CLÍMAX LOCAL

Sobre o primeiro ponto analisado a intenção é verificar se o solo do sítio de estudo está impactado em comparação ao solo de uma área de mata clímax local.

VII.1.1 – Biomassa microbiana do solo

Os resultados obtidos, na maioria das ASE’s, nas duas épocas diferentes de coleta, apresentam valores de C-biomassa, bem mais elevados se comparado com as respectivas AMC’s.

Deve-se considerar primeiramente que para determinação do carbono orgânico da biomassa utilizou-se o método colorimétrico desenvolvido por BARTLETT & ROSS (1988) utilizando permanganato de potássio como agente oxidante. As vantagens da utilização deste método ao invés do titrimétrico (método geralmente utilizado para esta determinação) estão no uso do permanganato de potássio que se apresenta como um agente oxidante em meio ácido melhor que o dicromato de potássio e pelo fato de se utilizar a colorimetria como forma de leitura das amostras o que diminui probabilidade de erro tornando a quantificação de pequenas concentrações de carbono mais confiável.

A análise de BMS quantifica a parte viva da matéria orgânica do solo excluindo-se as raízes e animais maiores do que aproximadamente 5x103 µm3 e, funcionalmente, atua como agente de
P P P P

transformação da matéria orgânica, no ciclo de nutrientes e no fluxo de energia (JENKINSON & LADD, 1981; WARDLE, l992). A BMS representa também a reserva de nutrientes existente no solo que serão assimiladas nos ciclos de crescimento dos organismos que compõem o ecossistema (CURY, 2002).

Dessa forma pode-se entender que quanto maior for à quantidade de BM em um determinado solo maior será sua capacidade de estocar e processar nutrientes permitindo que organismos vivos possam fazer uso destes e tenham facilidade em realizar seus ciclos de desenvolvimento normalmente.

BROOKES (1995) afirma que o declínio da atividade microbiana tem grande impacto na fertilidade natural do solo provocando grandes efeitos nos ecossistemas naturais. Assim pode78

se estabelecer uma relação da quantidade de biomassa microbiana existente no solo com sua qualidade.

A variação dos valores de C-biomassa, apresentada no GRÁFICO 1, pode ter a influência de diversos fatores e nem todos totalmente conhecidos. O primeiro deles que se pode destacar é o fato do solo do sítio de estudo ter características morfológicas um pouco diferentes do solo das amostras coletada de uma área próxima sob vegetação clímax local. Apesar de próximas, as áreas do sítio de estudo e da mata clímax local estão sujeitas a uma quantidade diferente de variáveis que poderiam influenciar na composição da microbiota deste solo.

O solo do sítio de estudo apresenta um alto teor de argila enquanto o solo da mata clímax local apresenta um teor de areia muito maior. Segundo PFENNING et al. (1992), uma maior quantidade de biomassa microbiana é encontrada no solo com maior quantidade de argila.

Um outro ponto importante é que as amostras de solo coletadas no sítio de estudo estão muito próximas às raízes das plantas, rizosfera (BOLTON JUNIOR et al., 1993). O solo rizosférico tem características bem diferentes do solo mais distantes das raízes (não rizosférico). A planta pode modificar a rizosfera com a mudança de pH, de potencial redox, de contaminação de íons, e com liberação de compostos orgânicos (ROVIRA, 1979; MARSCHNER, 1995). O solo retirado dos pontos de mata clímax local não foram coletados de áreas rizosféricas.

Neste estudo uma comparação dos valores de C-biomassa das ASE’s com os valores das suas respectivas AMC’s não avalia de maneira adequada o estresse ou impacto no solo provocado por um xenobionte. Principalmente pelo fato da alta variabilidade deste parâmetro e a necessidade de se avaliar um maior número de amostras da área de mata clímax local. Foi observado que a maioria dos valores, de C-biomassa, obtidos das ASE se mostraram superiores aos valores da sua respectiva AMC. Isso levaria a dedução de que o solo da mata clímax local está mais impactado do que o solo do sítio de estudo.

VII.1.2 – Respiração basal do solo

A RBS traduz em números quantitativos de Carbono oriundo do CO2 (C-CO2), produzido a
B B B B

partir da atividade de microrganismos aeróbios e anaeróbios, a capacidade de metabolização 79

da matéria orgânica por parte da microbiota. Mostra também o comportamento da microbiota na decomposição da matéria orgânica do solo.

Comparando os resultados das análises de RBS das amostras de jun/2004 e nov/2004, ambas apresentam a maioria dos valores com diferença em relação às respectivas amostras de mata clímax local. Por outro lado, se for feita uma comparação dos valores médios da RBS das amostras de jun/2004 e nov/2004 com os valores das suas respectivas amostras de mata clímax local, estes são similares independentes da época de coleta. No entanto, essa pequena variabilidade, levando em consideração somente à atividade microbiana medida pela quantidade de C-CO2, pode ser decorrente de problemas relacionados à remoção das amostras
B B

e a secagem. É possível que este parâmetro sozinho não seja suficiente e adequado para que se possa avaliar uma situação de impacto em médio prazo do uso de agrotóxicos sobre o ambiente ou a microbiota do solo. Necessita-se para tal a avaliação dos demais parâmetros em conjunto.

VII.1.3 – Quociente metabólico

O quociente metabólico (qCO2) é utilizado como um indicador do estado metabólico dos
B B

microorganismos presente no solo (LOPES, 2001). Ele avalia a eficiência microbiana em um ecossistema podendo daí se avaliar o estresse ao qual está sendo submetido o ambiente estudado.

A análise do qCO2 das amostras do sítio de estudo comparadas às amostras de mata clímax
B B

local mostra uma diferença muito grande para amostras coletadas em nov/2004 e pequena para as amostras coletadas em jun/2004. Em relação aos resultados das amostras de jun/2004, pode-se observar que o resultado de sua amostra de mata clímax local está dentro do intervalo de amplitude de variação das amostras do sítio de estudo, sem uma justificativa aparente o mesmo fato não ocorre com os resultados das amostras coletadas em nov/2004. Por isso, uma análise levando em consideração a comparação entre os resultados das análises de qCO2 das
B B

amostras do sítio de estudo com a AMC na coleta de nov/2004 não é viável.

80

VII.2 - COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS DAS AMOSTRAS COLETADAS EM JUNHO E NOVEMBRO.

VII.2.1 – Biomassa microbiana do solo

Analisando os resultados de BMS das amostras coletadas utilizando como comparativo as diferentes épocas de coleta das amostras é verificado que a média dos valores das amostras 1 a 9 de jun/2004 é inferior à média das amostras 1 a 9 de nov/2004. Isso pode ser um indicativo de que em jun/2004 o solo se apresentava submetido ao um manejo que gerava como conseqüência uma redução da disponibilidade de C-biomassa muito maior se comparado à nov/2004. O reflexo é um desfavorecimento do crescimento microbiano que pode ser traduzido em uma redução da eficiência do solo maior em junho do que em novembro, onde a cultura de tomate deu lugar à vegetação de pastagem e sem manejo com agrotóxicos.

Pode-se fazer uma relação do manejo ao qual está submetido o solo em junho de 2004, em decorrência da utilização demasiada de agrotóxicos nas plantações de tomate, com a redução da biomassa microbiana e as alterações nas propriedades biológicas do solo e por conseqüência a saúde do meio ambiente.

Uma vez cessado a adição de agrotóxicos, como aconteceu com a área em novembro de 2004, a microbiota sobrevivente passa a aumentar sua atividade principalmente em virtude da grande quantidade de matéria orgânica disponível na faixa superior do solo. Grande parte desta matéria orgânica é proveniente da degradação dos pesticidas e fertilizantes utilizados no período de atividade da lavoura que se acumulam na faixa superior de 15 cm do solo.

Um outro ponto importante a se considerar é a influência da umidade nos valores de Cbiomassa, apresentado na TABELA 8, observa-se que as amostras de jun/2004 apresentam uma porcentagem média de umidade menor (11,93%) do que a média da porcentagem da umidade das amostras de nov/2004 (15,12%). Essa diferença de umidade pode ter influenciado nos resultados de biomassa uma vez que quanto mais úmido o solo maior é a reprodução dos organismos zimógenos e a contribuição destes na quantificação da BMS (GONÇALVES et al., 1999). 81

VII.2.2 – Respiração basal do solo

Na comparação das médias dos resultados das amostras colhidas em jun/2004 e nov/2004 sugere dizer que a microbiota do solo apresenta uma atividade similar tanto no mês de novembro quanto em junho. Um comportamento diferente ocorre em relação aos valores médios de C-biomassa, uma vez que há um aumento do valor médio de C-biomassa das amostras de nov/2004 em relação às de jun/2004.

ESPÍNDOLA et al. (2001) citam que, assim como a BMS, a RBS é bastante influenciada pela temperatura ambiente e a taxa de precipitação pluviométrica, mostrando-se intimamente associada ao teor de umidade do solo. Isso sugere que os valores maiores encontrados para as amostras coletadas em nov/2004 foram influenciados pelas características sazonais da região.

No entanto, segundo CARTER (1986) alterações físicas ou na perda de matéria orgânica em decorrência de fatores ambientais e antropogênicos ocorrem de maneira lenta e levam tempo para serem percebidas.

Vários fatores naturais de campo podem influenciar na taxa de respiração microbiana (BAATH et al., 1998). A combinação de baixa umidade do solo e baixas temperaturas resulta em um decréscimo de atividade metabólica do solo nos meses de inverno (GUPTA & SINGH, 1980).

Um outro fator, neste caso não de ordem natural, mas antropogênica, é a ação dos agrotóxicos sobre a microbiota do solo. Essa ação pode provocar uma redução na quantidade de microrganismos da mesma forma que diminuir o potencial de decomposição da matéria orgânica alterando a capacidade do solo manter a sua produtividade vegetal à medida que elimina organismos importantes responsáveis por estas funções.

Segundo ODUM (1985), um aumento da respiração microbiana do solo pode ser um indicativo de que há um estresse, nesse caso, devido ao uso de agrotóxicos, uma vez que para reparar a ação destes sobre o solo os microrganismos necessitam desviar energia para o crescimento, produção, e para a manutenção das suas atividades.

82

VII.2.3 – Quociente metabólico

A comparação entre os valores das amostras de jun/2004 e nov/2004 mostra que a primeira coleta apresenta valores com uma amplitude de variação muito maior do que a segunda coleta. Além disso, os valores médios dos resultados das amostras também acompanham a mesma tendência, maior para as amostras de jun/2004 do que para as de nov/2004. Esse alto valor de qCO2 para as amostras de jun/2004 indicam um menor potencial produtivo do solo neste
B B

período indicando também que o mesmo está sob um alto estresse microbiano que pode estar relacionado à produtividade da área neste período e à utilização indiscriminada de agrotóxicos. Isso pode ser traduzido em uma necessidade de quantidades maiores de energia para executar as atividades microbianas como decomposição da matéria orgânica no solo em jun/2004 do que em nov/2004.

O quociente metabólico do solo pode também variar de acordo com a temperatura do ar e a taxa de precipitação pluviométrica, mostrando-se intimamente associado com o teor de umidade do solo (ESPÍNDOLA et al., 2001).

Por outro lado, LOPES (2001) cita alguns autores que encontraram em seus estudos valores elevados de qCO2 em solos contaminados com metais pesados.
B B

83

VII.3 - COMPARAÇÃO POR ALTURA DE AMOSTRAGEM

VII.3.1 – Biomassa microbiana do solo

Avaliando as amostras de solo, levando em consideração os resultados médios das análises de acordo com a altura de coleta: base, meio e topo do sítio de estudo, observou-se, de acordo com GRÁFICO 4, uma tendência de aumento de BMS no sentido das amostras coletadas na base da plantação (amostras 7, 8 e 9). Em linhas gerais os resultados das amostras de nov/2004 mostraram uma leve tendência de acúmulo de BMS nas áreas mais baixa do terreno. Esse acúmulo acontece de forma bem linear para as amostras coletadas em nov/2004, fato que não se repete para as amostras coletadas em jun/2004. Isso pode ser reflexo de uma heterogeneidade no manejo do terreno principalmente com relação à aplicação de agrotóxicos.

Um outro ponto a se considerar é a pluviosidade da região em diferentes épocas do ano. Em junho a pluviosidade média foi baixa, 28,6 mm (PESAGRO-Avelar, 2004), enquanto no mês de novembro essa média foi bem mais elevada 176,70 mm em 11 dias de chuvas. Esse volume de chuva pode acelerar o processo de acumulação de resíduos orgânicos na base do terreno, ao passo que com baixa incidência de chuva a percolação é promovida apenas pelo processo de irrigação da terra, que geralmente é feito de maneira irregular.

De uma maneira geral isso sinaliza que em função da declividade do terreno há um processo de lixiviação que faz com que a BM não consiga se fixar no solo nas camadas mais altas do terreno conseqüentemente se acumulando nas partes mais baixas. Isso pode acarretar também em uma não fixação dos nutrientes nas áreas mais altas, o que certamente influencia na qualidade do solo de uma maneira geral.

VII.3.2 – Respiração basal do solo

Analisando as curvas do GRÁFICO 5, verifica-se que a respiração basal nas amostras de jun/2004 e nov/2004 apresentaram comportamento diferenciado entre si. Enquanto na primeira coleta há um leve decréscimo da atividade microbiana no sentido do topo para a base do terreno na segunda há um incremento dessa atividade no mesmo sentido.

84

As amostras coletadas em jun/2004 apresentam uma tendência de decréscimo da atividade microbiana no sentido do topo para a base do terreno. Esse dado comparado com o GRÁFICO 4, mostra que as amostras de jun/2004 apresentam um incremento, mesmo que não linear, de BM no mesmo sentido do terreno que as amostras de nov/2004. Esse comportamento relacionado a BMS já era esperado em comparação com outros trabalhos, por outro lado a RBS apresenta limitações como indicador em função a sua alta sensibilidade a diversos fatores ambientais e antrópicos. Mesmo assim, pode-se afirmar que o solo em junho se encontrava sob um estresse muito maior que em novembro.

VIG et al. (s/d) em seu relatório menciona que existem diversos relatos na literatura sobre a inibição da respiração do solo em decorrência de altas doses de inseticidas.

Quando os herbicidas são aplicados em sistemas agrícolas, podem exercer certos efeitos prejudiciais sobre a microflora do solo (DUAH-YENTUMI & JOHNSON, 1986; WARDLE & PARKINSON, 1990).

HARDEN et al. (1993) observaram, quase sempre, redução no tamanho da biomassa microbiana em decorrência da aplicação ao solo de quatro herbicidas e do fungicida benomyl.

VII.3.2 – Quociente Metabólico

O qCO2 é um indicador de estresse e perturbação do solo (DE-POLLI & GUERRA, 1997) e
B B

quanto maior esse valor maior é o nível de estresse e perturbação deste solo. Pode-se afirmar que as análises indicam que de uma maneira geral a mesma área no mês de junho apresenta um nível de estresse e perturbação maior do que no mês de novembro de 2004.

As amostras de nov/2004 indicam um leve acumulo de BM na faixa da base do terreno, mas de um modo em geral não há uma variação tão significativa para as demais áreas do sítio de estudo. Esse leve acúmulo de biomassa na base do terreno pode ser em decorrência da matéria orgânica lixiviada que acaba se depositando nesta faixa do terreno, tendo como contribuição os resíduos de agrotóxicos.

85

Por outro lado, a curva dos valores de qCO2 das amostras coletadas em jun/2004, mostrada no
B B

GRÁFICO 6, sinaliza um nível de estresse bem mais elevado nas amostras do meio do terreno em comparação as outras alturas. Este alto qCO2 pode ter como causa uma maior
B B

compactação do solo, presença de agrotóxicos, ou pela toxidez de metais pesados (WARDLE & GHANI, 1995).

Uma possível adubação química ou aplicação de pesticidas em épocas recentes na plantação em jun/2004, que também influenciado pela baixa e irregular pluviosidade da região nesta época do ano, e ao sistema de irrigação irregular adotado pode ter favorecido a uma não homogeneização da matéria orgânica por todo terreno, inclusive os agrotóxicos e seus resíduos, estando ainda em processo de percolação.

86

VII.3 -COMPARAÇÃO COM DADOS DA LITERATURA

Os estudos feitos por MELONI et al. (2001) e GONÇALVES et al. (2002), apresentados na TABELA 9, com solos podzólico vermelho amarelo, mostram alguns resultados com diferenças significativas aos encontrados neste estudo. É importante que se considere que à medida que se alteram as condições ambientais a comunidade microbiana dos solos é acentuadamente influenciada, podendo as populações microbianas ou seus processos ser inibido por inúmeros fatores estressantes (DOMSCH et al., 1983). A principal diferença é que nos solos estudados pelos autores não se realizava nenhum tipo de atividade agrícola, sendo um coletado de uma área de mata ciliar e o outro coletado de uma área de pastagem.

Os valores encontrados de C-biomassa por MELONI et al. (2001) e GONÇALVES et al. (2002) apresentam diferenças baixas entre si (cerca de 10%). No entanto, ambas são superiores à média das amostras de jun/2004 e nov/2004 realizadas por este estudo. Mesmo os solos sendo da mesma classe eles podem apresentar características químicas e morfológicas um pouco diferentes dos solos utilizados neste estudo. No entanto estas diferenças não inviabilizam o estudo que se pretende. Pode-se então considerar que os valores menores obtidos neste estudo podem reforçar a hipótese de que o sítio de estudo em Paty do Alferes encontra-se com seu solo bastante impactado, o que é ainda mais evidente nas amostras coletadas durante o período de cultivo de tomate com o uso intensivo de agrotóxico.

Em seu estudo MELONI et al. (2001) verificaram uma tendência de solos sob mata apresentar alta comunidade microbiana, com baixas perdas de nutrientes, em função de uma maior mobilização destes no solo, e uma taxa de ciclagem bastante elevada em função do efeito rizosférico.

No estudo feito por GONÇALVES et al. (2002) o solo podzólico vermelho-amarelo foi coletado de uma área de pastagem, logo sujeita de uma maneira em geral, a uma adição de matéria orgânica originária de fezes de animais. Segundo LOPES (2001) um incremento de matéria orgânica e nutriente no solo favorece o crescimento microbiano.

O solo do sítio de estudo, em Paty do Alferes, que submetido a uma perturbação decorrente do manejo da cultura de tomate apresentava uma tendência a maior a perda de matéria

87

orgânica do solo e conseqüentemente leva a uma redução da biomassa microbiana (DORAN, 1980).

Também em decorrência desse manejo o solo do sítio de estudo recebia, pelo menos em jun/2004, uma considerável carga de agroquímicos. Dentre estes, muitos fungicidas eram utilizados para controle de algumas pragas características das culturas de tomate. Os fungicidas em sua maioria possuem em sua molécula átomos de metais pesados cujo efeito danoso a microbiota do solo é reportado por diversos autores

Os metais pesados, pela sua persistência e pelo seu potencial tóxico são determinantes no equilíbrio microbiológico dos solos (KLEIN &THAYER, 1950; MASTENSSON, 1992).

Em outro estudo BROOKES & MCGRATH (1984) observaram a diminuição na biomassa microbiana do solo que continha grandes quantidades de elementos potencialmente tóxicos, como metais pesados. Os fungicidas quando aplicados aos sistemas agrícolas podem causar danos à microflora do solo como um todo e principalmente aos fungos (VIEIRA et al., 2000).

Metais pesados reduzem a taxa de decomposição microbiana da celulose (CHEW et al., 2001).

A atividade microbiana, medidas pela respiração basal, mostra também diferenças quando se comparam os valores da literatura com os obtidos por este estudo. Apesar desta diferença ser pequena, comparada aos valores encontrados por MELONI et al. (2001), ela aumenta quando comparada aos valores encontrados por GONÇALVES et al. (2002).

Os valores encontrados por este estudo tanto para as amostras de jun/2004 quanto para as de nov/2004 apresentam-se abaixo dos valores da literatura aqui citados, indicando uma atividade menor da comunidade microbiana no solo do sítio de estudo. Isso também reforça a hipótese de que altas cargas de agroquímicos sobre o solo podem levar a um impacto na população microbiana com conseqüente inibição das atividades destes e da respiração basal do solo.

Os valores do qCO2, encontrados nas amostras coletadas em jun/2004 e nov/2004, apresentam
B B

variações médias superiores aos valores de literatura. Como qCO2 reflete a taxa de respiração
B B

88

basal por unidade de biomassa microbiana (LEONARDO, 2003) e deste modo expressando a quantidade de energia necessária para manutenção da atividade metabólica em relação à energia necessária para síntese da biomassa microbiana (BARDGETT & SAGGAR, 1994) pode-se considerar que o solo do sítio de estudo, baseado neste indicador, despende uma quantidade maior de energia para a sua atividade metabólica de degradação da matéria orgânica do solo do que para sua própria reprodução. Isso sinaliza uma situação de alteração da atividade microbiana e um estresse do agroecossistema.

Segundo CHANDER & BROOKES (1993) e LEITA et al. (1995), um maior valor da respiração microbiana deve-se a uma maior reciclagem da população microbiana, necessitando de um maior consumo de energia para a sua sobrevivência.

Segundo ZILLI et al. (2003) a redução da diversidade microbiana do solo pode ser um importante indicador da perda de resiliência e, por conseqüência, da qualidade do solo. A abundância de algumas espécies de microrganismos parece não ser tão importante quanto a manutenção da diversidade, isso porque a abundância reflete de forma mais imediata à flutuação microbiana de curto prazo e a diversidade revela o equilíbrio entre os diversos organismos e os domínios funcionais no solo (KENNEDY, 1999; LAVELLE, 2000).

No entanto, esse parâmetro sozinho não é representativo na avaliação do impacto do solo, é necessário que seja acompanhado de outros parâmetros para que seja construída uma hipótese consistente.

Contudo o solo impactado terá uma eficiência menor apresentando uma baixa fertilidade. Isso tem como conseqüência uma ação compensatória por parte dos agricultores que adicionam quantidades maiores de fertilizantes e outros agroquímicos ao solo. Em decorrência disto há um impacto no agroecossistema, pois a microbiota, responsável pela degradação da matéria orgânica e a ciclagem dos nutrientes, sofrerá uma série de alterações como: a supressão de espécies sensíveis; predominância das espécies mais resistentes e tolerantes; inibição da sua atividade e etc.

Outros efeitos concomitantes são provocados e um deles é a resistência química das pragas que acaba levando a um uso maior e mais diversificado de praguicidas.

89

O agricultor em conseqüência disso tudo, estará aumentando a sua exposição aos pesticidas aumentando assim a probabilidade de intoxicar a si e a sua família. Esse risco de intoxicação dos agricultores é potencializado à medida que o conhecimento sobre os riscos e as formas de proteção aos agroquímicos são muito pequenos o que aumenta os riscos de intoxicação.

No estudo feito por DELGADO & PAUMGARTTEN (2003) com famílias de agricultores da região de Paty do Alferes, mostrado no QUADRO 2, foi constatada uma série de sintomas relatados pelos próprios agricultores após a utilização de agrotóxicos.

Isso reforça a hipótese de que o tipo de manejo utilizado nas culturas convencionais de tomate da região de Paty do Alferes, onde o uso de agrotóxicos é abusivo e diversificado provoca um dano à saúde do ambiente principalmente pela perda de qualidade e eficiência do solo, que se torna menos fértil. Em decorrência disto, de forma indireta, há um comprometimento da saúde dos trabalhadores rurais.

A redução da fertilidade do solo leva a um aumento da quantidade de agroquímicos no solo, aumentando também a sua percolação e a probabilidade de atingir lençóis de água subterrânea, rios e riachos da região comprometendo a saúde do ambiente como um todo.

Um outro problema decorrente de todo este ciclo de conseqüência é o aumento do número de embalagens vazias de agrotóxicos geradas nestas áreas, com o aumento do risco de contaminação do ambiente seja pelo descarte inadequado com enterramento, descarte em rios, riachos e lagos, pela sua queima nos terrenos, ou pelo seu uso no acondicionamento de água ou alimento para as pessoas. Representando um grande risco de contaminação do meio ambiente e da população.

Recentemente, as pesquisas na área de Saúde Ambiental vêm revelando o ambiente como um fator importante no processo de determinação de certas patologias como câncer, doenças neurológicas e respiratórias, malformações congênitas e etc (CÂMARA & COREY, 1992).

Deve-se considerar também os danos indiretos a população em geral quando ingerem produtos com níveis elevados de agrotóxicos.

90

Capítulo 8

Conclusão
A comparação das amostras do sítio de estudo com as respectivas amostras coletadas de uma área de mata clímax local próxima apresentou informações inconsistentes para que se possa concluir a respeito do impacto do solo do sítio de estudo.

Com base nos resultados das análises de RBS, BMS e qCO2 e demais comparações, pode-se
B B

dizer que um solo agrícola do sítio de estudo, submetido ao cultivo de tomates e conseqüentemente ao uso abusivo de agrotóxicos, apresenta modificações na sua microbiota em termos de quantidade e eficiência.

Foi detectada uma diferença na quantidade da microbiota quando se comparou o solo do sítio de estudo em plena fase de manejo da cultura de tomate, onde eram utilizadas cargas de agrotóxicos, com o mesmo solo em uma outra época e com dados da literatura.

No entanto, não é possível quantificar qual a contribuição devido somente ao uso abusivo de agrotóxicos e qual devido ao cultivo de tomates. Para isso, seria necessário um levantamento em outras áreas onde houvesse cultivo e não houvesse uso de agrotóxicos como as culturas orgânicas.

Um parâmetro sozinho não foi capaz de avaliar se o solo do sítio de estudo estava impactado. Apenas quando se analisam os três parâmetros em conjunto é possível ter uma certa dimensão das alterações que o uso abusivo de agrotóxicos podem provocar na microbiota do solo.

Para se ter uma noção mais ampla, principalmente em relação às alterações qualitativas sofridas pelo solo em decorrência da ação dos agrotóxicos e seus metabólitos, seriam necessárias outras análises mais específicas.

91

No geral, todas estas constatações sugerem que o solo no sítio de estudo encontrava-se impactado tanto em junho quanto em novembro de 2004 e que esse impacto tem um efeito na saúde do ambiente.

92

Capítulo 9

Recomendações

Como recomendações para a área de estudo e toda a região de Paty do Alferes é importante que se intensifique estudos sobre o uso de agrotóxicos e seus efeitos na saúde do ambiente e da população, como o da presente tese. É importante também que haja um desdobramento de tal estudo para que possa se fazer um levantamento mais longo e pormenorizado envolvendo de maneira mais ampla os efeitos dos agrotóxicos no solo e sua microbiota e os reflexos na diversidade genética.

Com relação às práticas realizadas nas culturas de tomate é importante que haja um investimento na educação sistemática dos trabalhadores rurais principalmente quanto às questões envolvendo os riscos da manipulação, aplicação de agrotóxicos e o descarte de embalagens vazias. Programas como os desenvolvidos pela EMBRAPA que estimulam manejos sustentáveis que visam à utilização de adubos na fertilização do solo, o manejo integrado de pragas que preconiza o uso racional de agrotóxicos assim como a agricultura orgânica.

93

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.

AELION, C.M. & BRADLEY, P.M. Aerobic biodegradation potencial of subsurface microorganisms from a jet fuel-contaminated aquifer. Applied and Environmental Microbiology, v.57, p.57-63, 1991.

2.

AGENDA 21.Versão resumida do principal documento da conferência do Rio – ECO-RIO. Vol. 12, 1993.

3.

ALCÂNTARA, R.M.C.M. de. Propriedades químicas e bioquímicas e suas interrelações em solos sob vegetação de mata e campo adjacentes. Lavras: UFLA, 1995. 84p. (Dissertação – Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas).

4.

ALEXANDER, M., Introduction to Soil Microbiology, John Wiley and Sons, New York (1961).

5.

ALTIERE, M., Agroecologia: Bases científicas para uma agricultura sustentável, Guaíba: Agropecuária, 2002, 592p.

6.

ALVARENGA, M. I. N. & GONTIJO, R.A. N.- Destinação segura das embalagens vazias de agrotóxicos, (s/d).

7.

ANDERSON, J.P.E. & DOMSCH, K.H. A physiological method for the quantitative measurement of microbial biomass in soils. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, v.10, p. 215-221, 1978.

8.

ANDERSON, T.H. & DOMSCH, K.H. Ratio of microbial biomass carbon in arable soils. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, v.21, n.4, p.471-479, 1989.

9.

ARAÚJO, A.C.P.; NOGUEIRA, D.P.; AUGUSTO, E.G.S.; Praguicidas na cultura de tomate, Rev Saúde Pública 2000; 34 (3):309-13.www. f s p. u s p. b r / r s p

10. 11.

ASGROW, World Agrochemicals Market. Agrow. 203p, s/d. BAATH, E. Growth rates of bacterial communities in soils at varying pH: a comparison of the thymidine and leucine incorporation techniques. Microobial Ecology, v.36, p.316-327, 1998.

12.

BARDGETT,R.D, & SAGGAR, S., Effect of heavy metal contamination on the short-term decomposition of labelled (14C) in pasture soil. Soil Biology and
P P

Biochemistry, v.26, p727-733,1994.

94

13.

BARTLETT, R.J. & ROSS, D.N. Colorimetric determination of oxidizable carbon in acid soil solutions. Soil Sci. Soc. Am. J., 52:1191-1192, 1988.

14.

BOLTON Jr., H.; FREDRICKSON, J.K.; ELLIOTT, L.F. Microbial ecology of the rhizosphere. In: METTING, Jr.; BLANE, F. (eds). Soil microbial ecology: application in agricultural and environmental management. New York: M. Dekker, 1993. p.27-63.

15. 16.

BRASIL, Lei nº 7802, de 11 de julho de 1989, Agrotóxicos. BRAVO, S. & O.RODRÍGUEZ, D. Pesticidas, Salud Y Ambiente – Laboratório de Neurociência Molecular (PEDECIBA) - Departamento de Neuromiología, Instituto Clemente Estable. http://iibce.edu.uy/posdata/drit.htm.
HTU UTH

17.

BROOKES, P.C. & MCGRATH, S.P., Effects of metal toxity on the size of the soil microbial biomass. Journal soil Science, v. 35, p. 341-346, 1984

18.

BROOKES, P.C. The use of microbial parameters in soil pollution by heavy metals. Biology and Fertility of Soils, Berlin, v.19, n.4, p.269-279, Mar.1995.

19.

BRUGGEN, A.H.C. & SEMENOV, A.M. In search of biological indicators for soil health and disease suppression. Applied Soil Ecology, Amsterdam, v. 15, n.1, p. 1324, 2000.

20.

CÂMARA, V. de M. & COREY, G. (1992). O caso dos garimpos de ouro no Brasil. México.211p.

21.

CARTER, M.R., Microbial biomass as an index for tillage-induced changes in soil biological properties. Soil Tillage Research, Amsterdam, v.7, p.29-40,1986.

22. CARVALHO, S.R.; ALMEIDA, J.L.; ARONOVICH, S.; FILHO, S.T.C.; DIAS, P. F.; FRANCO, A..A..-Recuperação de Áreas Degradadas do Estado do Rio de Janeiro. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, nov. 1998. 11p. (EmbrapaCNPAB.

Documentos, 76). ISSN 0104-6187 23. CATTELAN, A.J.; VIDOR, C. Flutuações na biomassa, atividade e população microbiana do solo. Revista Brasileira de Ciências do Solo, Campinas, v. 14, n. 1, p. 133-142, 1990. 24. CHANDER, K.; BROOKES, P.C. Residual effects of zinc, copper and nickel in sewage sludge on microbial biomass in a sandy loam. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, v.25, n.9, p.1231-1239, Sept. 1993. 25. CHEW, I.; OBBARD, J.P.; STANFORTH, R.R. Microbial cellulose decomposition in soils from a rifle range contaminated with heavy metals. Environmental Pollution, Essex, v. 111, p.367-375, 2001.

95

26.

CURY, J.C. –Atividade microbiana e diversidades metabólica e genética em solo de mangue contaminado com petróleo. Dissertação de mestrado apresentada à Escola.Piracicaba, São Paulo, 2002.

27.

DELGADO, I.F. & PAUMGARTTEN, F.J.R.; - Intoxicação e uso de pesticidas por agricultores do município de Paty do Alferes, rio de Janeiro, Brasil. Caderno de saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(1):180-186, jan-fev,2004.

28.

DE-POLLI, H. & GUERRA, J.G.M., Determinação do carbono da biomassa microbiana do solo: método da fumigação-extração. CNPAB, Seropédica, RJ, EMBRAPA, ISSN 0104-6187, 1997.

29.

DE-POLLI, H.; GUERRA, J.G.M.; ALMEIDA, D.L. de & FRANCO, A.A. Adubação verde – Parâmetros para avaliação de sua eficiência. In: CASTRO FILHO, C. de & MUZILLI, O. (eds). Manejo integrado de solos em microbacias hidrográficas. Londrina, Instituto Agronômico do Paraná/Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1996. p.225-242.

30.

DÍAZ-RAVIÑA, M.; ACEA, M.J. & CARBALLAS, - T. Microbial biomass and its contribution to nutrient concentrations in forest soils. Soil Biol. Biochem., v.25, p.2531, 1993.

31.

DOMSCH, K.H.; JAGNOW, G.; ANDERSON, T.H. An ecological concept for the assessment of side-effects of agrochemicals on soil microorganisms. Residue Reviews, v.86, p.65-105, 1983.

32.

DORAN, J.W.; SARRANTONIO, M.; LIEBIG, M. A. Soil health and sustainability. Advances in Agronomy, San Diego, v. 56, p. 2-54, 1996.

33.

DORAN, J.W., Soil Microbial and biochemical changes associated with reduced tillage. Soil Science Society of America Journal. V.44, p-765 – 771, 1980

34.

DUAH-YENTUMI, S. & JOHNSON, D.B. Changes in soil microflora in response to repeated applications of some pesticides. Soil Biology and Biochemistry, v.18, p.629-635, 1986. Embrapa Agrobiologia, ago. 2001. 14p. (Embrapa Agrobiologia. Documentos),

35.

DUMANSKY, J. & PIERI, C. Land quality inducators: research plan: Agriculture, Ecossisten & Enviorenment, v. 81, p-155-162 (2000)

36.

ESPINDOLA, J.A.A.; ALMEIDA, D.L.; GUERRA, J.G.M.; SILVA, E.M.R. Flutuação sazonal da biomassa microbiana e teores de nitrato e amônio de solo coberto com paspalum notatum em um agroecossistema. Floresta e Ambiente V. 8, n.1, p.104 - 113, jan./dez. 2001 96

37.

FILHO, S.P.V., Biomassa microbiana do solo sob sistema de plantio direto na região de campos gerais, Tibagi-PR. – Tese apresentada a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ) para obtenção do título de doutor em agronomia, 2003.

38.

FORGET, G., Pesticides: necessary but dangerous poisons. International Development Research Center Report 1989; 18:4-5.

39.

GAMA-RODRIGUES, E.F. da; GAMARODRIGUES, A.C. da; BARROS, N.F. da. Biomassa microbiana de carbono e de nitrogênio de solos sob diferentes coberturas florestais. R. Bras. Ci. Solo, v.21, p.361-365, 1997.

40.

GARCIA, G. & ALMEIDA, W. F. Exposição dos trabalhadores rurais aos agrotóxicos no Brasil – Revista Brasileira de Saúde ocupacional, 72 – Vol. 19 – 1991.

41.

GLIESSMAN, S.R., Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre, UFRGS, 2000, 653p.

42.

GOELLNER, C.I. - Utilização dos defensivos agrícolas no Brasil - Análise do seu impacto sobre o ambiente e a saúde humana. Publicação da ANDEF (s/d).

43.

GONÇALVES, A.S.; MONTEIRO, M.T.; BEZERRA, F.E.A.; GUERRA, J.G.M.; DE-POLLI, H. Estudo de Variáveis de Solo, Vegetação e Condicionamento de Amostras de Solo Sobre a Biomassa Microbiana do Solo no Estado do Rio de Janeiro, documento nº 90 ISSN 0104-6187, abril/ 1999.

44.

GONÇALVES. A.S.; MONTEIRO, M.T.; GUERRA, J.G.M.; DE POLLI, H. – Biomassa microbiana em amostras de solos secadas ao ar e reumidecidas – Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília. V. 37, n-5, p 651-658, maio 2002.

45.

GUPTA, S.R. & SINGH, J.S. – Soil respiration in tropical Grass Land – Soil Biol. Biochem. Vol. 13, pp 261-268, 1981.

46.

GURGEL, I.G.D.,1998. Repercussão dos agrotóxicos na saúde dos agentes de saúde pública em Pernambuco. Dissertação de mestrado, Recife-PE, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães.

47.

HARDEN, T.; JOERGENSEN, R.G.; MEYER, B.; WOLTERS, V. Soil microbial biomass estimated by fumigation-extration and substrate-induced respiration in two pesticide-treated soils. Soil Biology and Biochemistry, v.25, p.679-683, 1993.

48.

HARRIS, C.R. & SANS, W.W., Vertical distribution of residues of organochlorine insecticides in soils collected from six farms in southwestern Ontario, Proc. Entomol. Soc. Ontario 100 (1969)156.

49.

HELLWELL, J.M. Toxic substances in rivers and streams. Environmental Pollution, v. 50, p.61-85, 1988. 97

50.

IBGE (Rio de Janeiro - RJ). Distribuição por nome técnico de agrotóxico. Caderno de Geociências, Rio de Janeiro, n. 13 , p.152, jan/mar 1995.

51.

ISLAN, K.R. & WEIL, R.R. – Soil quality inidicator properties in mid-Atlantic soils as influenced by conservation management. Journal of Soil and Water Conservation, v55, p.69-78, jan/mar. 2000.

52.

JENKINSON, D.S.; LADD, J.N. Microbial biomass in soil: Measurement and Turnover. In: PAUL, E.A.; LADD, J.N., ed. Soil Biochemistry. New York: Marcel Dekker, 1981. v.5. p.415-471.

53.

KENNEDY, A.C. & SMITH, K.L. Soil microbial diversity and the sustainnability of agricultural soils. Plant and Soil, v. 170, p.75-86,1995

54.

KENNEDY, A.C. Bacterial diversity in agroecosystems. Agriculture, Ecosystems and Environment, Amsterdam, v. 74, n. 1, p. 65-76, 1999.

55.

KLEIN, D.A. & THAYER, J.S.; Interactions between soil microbial communities and organometalic compouds. In: BOLLAG, J.M.; STOTSKY, G. (Ed.). Soil Biochemistry. New York: Marcel Dekker, 1990. p.131-481 (Books in Soils, Plants, and the Environment, 6).

56.

LAVELLE, P. Ecological challenges for soil science. Soil Science, Washington, v. 165, n. 1, p. 73-86, 2000.

57.

LEITA, L.; DE NOBILE, M.; MUHLBACHOVA, G.; MONDONI, C.; MARCHIOL, L.; ZERBI, G. Bioavailability and effects of heavy metals on soil microbial biomass survival during laboratory incubation. Biology and Fertility of Soils, Berlin, v.19, n.2-3, p.103-108, Feb. 1995.

58.

LEONARDO, H.C.L., - Indicadores de qualidade de solo e água para a avaliação do uso sustentável da microbacia hidrográfica do Rio Passo Cue, região oeste do estado do Paraná. – Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura “ Luiz de Queiroz”, USP para obtenção de título de mestre, São Paulo, 2003.

59.

LEVIGARD, Y.E. – A interpretação dos profissionais de saúde acerca das queixas do nervoso no meio rural: uma aproximação ao problema das intoxicações por agrotóxicos - RJ, 2001.

60.

LICHTENSTE1N, E.P., et al., Vertical distribution and persistence of insecticidal residues in soils as influenced by mode of application and a cover crop, J. Econ. Entomol. 55 (1962) 215.

98

61.

LOPES, E.B.M., Diversidade metabólica em solos tratados como biossólidos. Dissertação de mestrado apresentada a ESALQ na área de solos e Nutrição de plantas, Piracicaba-SP, 2001.

62.

LUNA,

A.J.;

SALES,

L.T.;

SILVA,

R.F.;

1999.

“AGROTÓXICOS:

Responsabilidade de Todos” (Uma abordagem da questão dentro do paradigma do desenvolvimento sustentável).Pernambuco. 63. LYNCH, J.M. & BRAGG, E. Mcrorganism and soil agregate stability. Advances in Soil Science, v.2,p-1333-171, 1985. 64. MACFADYEN, A. –The contribution of microfauna to tatal soil metabolism. In Soil Organism, pp. 3-16. North-Holland, Amsterdam, 1963 65. MARSCHNER, H., Mineral Nutrition of higher plant, New York: Academy Press 1995 .889p 66. MARTENSSON, A.M. Effects os agrochemicals and heavy metals on fast-growing, 1992 67. MATOS, R.M.B.; DA SILVA, E.M.R.; BERBARA, R.L.L.; Biodiversidade e Índices, EMBRAPA, ISSN 0104-6187, Dezembro 1999. 68. MELLO, I.S. de; AZEVEDO, J.L. de, Ecologia microbiana, Jaguariúna, EMBRAPA, CNPMA, 1998, 488p. 69. MELLONI, R.; PEREIRA, E.G.; TRANNIN, I.C.B.; DOS SANTOS, D.R.; MOREIRA, F.M.S.; SIQUEIRA, J.O. - Características biológicas de solos sob mata ciliar e campo cerrado no sul de minas gerais. Ciências agrotécnicas., Lavras, v.25, n.1, p.7-13, jan./fev., 2001. 132). ISSN 1517-8498 70. MORAES, D.S.L. & JORDÃO, B.Q. Efeitos da degradação de recursos hídricos sobre a saúde humana. Fonte: Rev. Saúde Pública. São Paulo, v.36, n.3, junho 2002. 71. MOREIRA, F.M.S. & SIQUEIRA, J.O. Microbiologia e bioquímica do solo. Lavras: UFLA, 2002. 625 p. 72. MYAMOTO, J.; Risk Assessment of Pesticides in their use for Agriculture; Current State of the Art and Future Research Needs. 271 p., 1990. 73. NASCIMENTO, T.S.B., Considerações sobre para construção de projetos e relatórios de pesquisa, jun-2004. 74. NDAW S.M.; SANTOS, M.L. dos.; PAULINO G.M.; GAMA RODRIGUES E.F. biomassa e atividade microbiana em solos sob cana, pasto e floresta na região norte fluminense, RJ. Pós-Graduação UENF/CCTA/Laboratório de Solos/Campos dos Goytacazes, RJ. 99

75.

ODUM, E.P. Trends expected in stressed ecosystems. Bioscience, v.35, p.419422,1985. organometalic compouds. In: BOLLAG, J.M.; STOTSKY, G. (Ed.). Soil Biochemistry. New York: Marcel Dekker, 1990. p.131-481 (Books in Soils, Plants, and the Environment, 6).

76.

PAPENDIK, R. & PARR, J.F., Soil quality, The key to sustainable agriculture. American Journal of Alternative Agriculture. V. 7, n. ½ , p. 2-3, 1992.

77.

PARKINSON, D.; GRAY, T.R.G.; WILLIAMS, S.T. Methods for studying the ecology of soil microorganisms. Oxford: Adlard, 1971. 116p.

78. 79.

PEREIRA, J.C.; Os microrganismos e os metais pesados do solo. Seropédica: PERES, F.; É veneno ou é remédio? Os desafios da comunicação rural sobre agrotóxicos [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública/ Fundação Oswaldo Cruz; 1999.

80.

PERES, F.; MOREIRA, J.C.; DUBOIS, G. S.; – Agrotóxico, saúde e ambiente – capítulo do livro É veneno ou é remédio? Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública/ Fundação Oswaldo Cruz; 2003.

81.

PERES, F.; ROZEMBERGA, B.; ALVES, S.R..; MOREIRA, J.C.; SILVA, J.J.O.; 2001. Comunicação relacionada ao uso de agrotóxicos em região agrícola do Estado do Rio de Janeiro - Rev Saúde Pública 2001;35(6):564-70 www.fsp.usp.br/rsp.
HTU UTH

82.

PFENNING, L.; EDUARDO, B. de P.; CERRI, C.C. Os Métodos de fumigação incubação e fumigação-extração na estimativa da biomassa microbiana de solos da Amazônia. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Campinas, v.16, n.1, p31-37, 1992.

83.

PIMENTEL, D. 1993. Green revolution agriculture and chemical hazards. Pontifical Academy of Sciences. Paper for the working group on chemeical hazards in developing countries. pp. 1-21, USA.

84.

PIMENTEL, D. 1996. Green revolution agriculture and chemical hazards. The Science of the Total Enviromment,188(1):S86-S98. AUGUSTO, 1995;

85.

PINHEIRO; S.; NASSAER, N.Y.; LUZ, D. – A agricultura ecológica e a máfia dos agrotóxicos no Brasil. Porto Alegra, Edição dos Autores,1993.

86.

RAMALHO, J.G.P.; SOBRINHO, N.M.B.A.; VELLOSO, A.C.X.; Contaminação da microbacia de Caetés com metais pesados pelo uso de agroquímicos- Pesquisa agropecuária Brasileira, Brasília, v.35, n 7, p-1289-1303, jul 2000.

87.

RATIS, rizobia and their symbiosis with small-seeded legumes. Soil Biology and Biochemistry, 1999.

100

88.

REBER, H.H, Simultâneos estimates of the diversity and the degradative capability of heavy-metal- effected soil bacterial communities. Biology and Fertility of soils, v.13, p. 181-186,1992.

89.

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE, 1999 — Solos. p.213-219 http://www.iambiente.pt/rea99/rea99-27.htm

90.

ROEGG, E.F.; F.R. PUGA; M.C.M.; SOUZA, M.T.S.; UNGARO; M.S. FERREIRA; Y. YOKOMIZO & W.F. ALMEIDA. Impacto dos agrotóxicos sobre o ambiente e a saúde: repercussões sociais. São Paulo: Secretaria da Agricultura e Abastecimento, Coordenadoria da Pesquisa Agropecuária, 1985. 60p.

91.

ROVIRA, A.D., Biology of the soil-root interface. In: HARLEY, J.L.: RUSSEL, S.L. (Ed) The soil root interface. New York: Academy Press, 1979 – p-145-160.

92.

RÜEG, E.F., coordenador. Impacto dos agrotóxicos sobre o ambiente, a saúde e a sociedade. São Paulo: Ícone; 1991.

93.

SARTORATO, C.R., 1996. Dominação versus resistência, os agrotóxicos nas lavouras dos sem terra: representação social dos riscos à saúde dos trabalhadores Dissertação de mestrado, Rio de Janeiro, Escola Nacional de Saúde Pública.

94.

SETHUNATHAN, N.; Microbial degradadion of inseticides in flood soil in anaerobic culture. Residue Reviews, New York, v.47, p.143-165, 1973.

95.

SILVA, J.J.O.; ALVES, S.R., MEYER, A.; PEREZ, F.; SARCINELLI, P.N.; MATTOS, R.C.O.C.; MOREIRA, J.C.; Influência de fatores socioeconômicos na contaminação por agrotóxicos, Brasil. Rev Saúde Pública; 35(2):130-135, 2001.

96.

SMITH, J.L. & PAUL, E.A. The Significance of soil biomass estimates. In: BOLLAG, J.M.; STOTTZKY, G., eds. Soil Biochemistry, New York: Marcel Decker, 1990. p. 357-396.

97.

SOLBRIG, O.T. From genes to ecosystems: a research agenda for biodiversity. Report of a IUBS-SCOPE-UNESCO workshop. The Internacional Union ofBiological Science, Paris, 1991.

98.

SOUZA, A.L.L. de, Meio ambiente e desenvolvimento sustentável: Uma reflexão crítica. Belém: FCAC, Serviço de Documentação e Informação, 1996, 50p.

99.

SPOSITO, G. & ZABEL, A. The assessment of soil quality. Geoderma, Amsterdam, v.114, n. 3/4, p. 143-144, 2003.

100. STANBERG, B., Monitoring soil quality arable land: microbial indicators: soil and plant Science, v. 49, p 1-24, 1999.

101

101. TURCO, R.F. & BLUME, E. Indicators of soil quality. In: SIQUEIRA, J.O; MOREIRA, F.M.S.; LOPES, A.S; GUILHERME, L.G.R.; FAQUIN, V.; FURTINI NETO, A.E.; CARVALHO, J. G. (Org.). Inter-relação fertilidade, biologia do solo e nutrição de plantas. Viçosa: SBCS; Lavras: UFLA/DCS, 1999. p.529-549. 102. VIEIRA, R. F., parâmetros microbiológicos indicadores do efeito do diuron sobre a microflora do solo notas cientificas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.34, n.5, p.897-902, maio 1999. 103. VIEIRA, R.F.; SILVA, C. M. M. de S.; MAIA, A. H. N.; FAY, E. F.; COELHO, K. C. An appraisal of five methods for the measurement of the fungal population in soil treated with chlorothalonil. Pest Management Science, Exeter, v. 56, p. 431-440, 2000. 104. VIEIRA, S., Introdução à bioestatística, 3ª ed. Rio de Janeiro, Editora Campus, 1985. 105. VIG, K.; SINGHA, D.K.; AGARWAL, H.C.; DHAWAN, A.K.; DUREJA, P., Effect of repeated pesticide applications on soil properties in cotton fields: I. Impact on microbes, iron reduction capacity and respiration - Partly supported by a research contract no. 8082/RB from International Atomic Energy Agency, Vienna, (s/d). 106. VISSER, S. & PARKINSON, D., Soil biological criteria as indicators of soil quality: soil microorganism. American Journal of Alternative Agriculture, Greenbelt, v. 7, n. 1, p. 33-37, 1992. 107. WALKER, J. & REUTER, D.J. – Indicador of Catchment health: a technical perspective. Melboume: CSIRO, 1996. 174p. 108. WARDLE, D.A. & GHANI, A. A critique of the microbial metabolic quotient (qCO2) as a bioindicator of disturbance and ecosystem development. Soil Biology and Biochemistry, v.27, p.1601-1610, 1995. 109. WARDLE, D.A. & PARKINSON, D., Effects of three herbicides on soil microbial biomass and activity. Plant and Soil, v.122, p.21-28, 1990. 110. WARDLE, D.A., A comparative assessment of factors wich influence microbial biomass carbon and nitrogen levels in soil. Biological Reviews, Praga, v.67, p.321358,1992. 111. WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Informal consultation on planning strategy for prevention of pesticides for the prevention of pesticide poisonning. Geneva; 1985. Document WHO/UBC 86.926.

102

112. ZILLI, J. É.; RUMJANEK, N. G.; XAVIER, G. R.; COUTINHO, H. L. C.; NEVES, M. C. P. - Diversidade microbiana Como indicador de qualidade do solo, Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 20, n. 3, p. 391-411, set./dez. 2003.

103

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful