Você está na página 1de 6

O Audível Silêncio

Ano 1119. Mês de Bayushi (Galo), 3º Dia. Outono.


- A Campanha o audível silêncio se passa na vila de Domizu Mura, a
principal aldeia situada na província de Chuugen, nas terras Matsu,
Clã Leão.
Plot: o Governador da Província (Status 6), Matsu Ogura,
é um homem de certa idade e com pouca aptidão para o
combate, circunstância que sempre o levara ao descaso e,
por conseguinte à sua lotação naquele local. Ele era um
membro da Família Akodo de baixa influência que, ao se
casar na família Matsu, teve todas suas funções deixadas
para sua mulher, Matsu Ayano, há muito falecida em
combate no qual Ogura se vira obrigado a retirar-se com
suas tropas após verificar o caos e a impossibilidade de
vitória (decisão taticamente adequada mas, à luz dos
Matsu, um absurdo sob a ótica da honra da família). Tal
postura o levou à nomeação em referência. Apesar de
casado na família Matsu, Ayano nunca fora o amor da vida
de Ogura, uma vez que ele se apaixonara por uma samurai-
ko da família Ikoma, chamada Ikoma Hoketuhime. Com a
morte de Ayano, ele se vira possibilitado em seguir
finalmente seu coração, mas a família Matsu jamais
permitira tal união, de maneira que o fraco Matsu Ogura
fora desposado com outra integrante da família, Matsu
Inao, cujo único propósito era fornecer filhos Matsu a Ogura
e não permitir que um Akodo governasse uma província
Matsu.
Mas Ogura estava absorto com seu amor, renegado-lhe ao
longo de sua vida de humilhação, de maneira que
continuara a se relacionar com Hoketuhime em segredo.
Entretanto, o sigilo e a discrição, mormente para esconder
uma tamanha traição, não era (e ainda não o é) o forte de
Ogura, de maneira que o mesmo fora, pouco tempo depois,
descoberto.
Inao jamais admitira que seu inferior tivesse um
relacionamento extraconjugal (direito que somente lhe
assistia dado seu status) e ordenara a punição de Ogura e
de sua concubina, a qual, por ordem da própria família
Ikoma (que não desejava arriscar abalar suas relações com
a belicosa família vizinha em razão de preferências afetivas
de uma mera emissária) cometera seppuku.
Devassado de culpa, remorso e ódio, Ogura voltara toda
sua fúria para Inao, e planejara um acidente em uma
caçada, no qual a matara (segredo sombrio).
Paralelamente, seu amor doentio por Hoketuhime
desbordara às raias do profano e Ogura se negara a
permitir sua cremação, escondendo o corpo nos
subterrâneos do castelo (em uma passagem antiga
utilizada para conectar o Forte Shiro Kabe Kobure a um
antigo veio de cobre local, o primeiro a ser descoberto na
região), tendo com ele suas angústias e passando horas e
depois dias a fio sobre o corpo, tendo os pensamentos mais
nefastos.
Isso foi quando Ogura fora aproximado por um Heimin
misterioso de uma vila de sua província, o qual, como se
soubesse de todo seu segredo, assegurara-o de que ele
poderia ter sua mulher de volta e que os Kami eram incapa-
zes de trazê-la, mas que ele, pessoalmente, o era, se Ogura
estivesse disposto a pagar seu preço. Seu nome era Masaki
e, segundo afirmara, possuía poderes muito além dos
mortais.
Seu pedido era simples. Que Ogura o recebesse em sua
corte como um Samurai de uma família distante, como seu
convidado especial e conselheiro, e que não interferisse em
seus estudos, outorgando-lhe espaço e liberdade para que
agisse em prol do resultado desejado por ambos, uma
empreitada que, de acordo com ele, tomaria tempo e
esforço pessoal.
Quando fosse bem-sucedido, tudo o que Ogura deveria
fazer era nomeá-lo como gokenin de qualquer uma de suas
aldeias, ao passo que sua amada teria consigo para toda
eternidade, sem as amarras do mundo mortal.
Na verdade, Masaki, por óbvio, é um usuário de Maho-
Tsukai e um feiticeiro poderoso. Ele descobrira que um dos
veios de cobre, na verdade, leva a uma passagem
subterrânea na qual, na Primeira Guerra da Sombra, fora
aprisionado por ordem do próprio Akodo um poderoso Oni,
chamado Kao Nashi Oni (o demônio sem face), o qual
Masaki deseja novamente libertar sobre o mundo, e com
sob seu comando.
Seu objetivo é deveras simples. Nascido um Heimin nas
terras Matsu, sua família fora praticamente escravizada por
Ogura e Ayano e na batalha em que Ogura perdera, foram
as atitudes de Ayano que permitiram que toda sua família
(i.e., irmãos e pais) morressem por absolutamente nada,
batalha essa que quase tirara a própria vida de Masaki.
Ferido e destruído em campo de batalha, Masaki fora
acordado por um arauto do próprio Kao Nashi, um espírito
de Jigoku chamado de Hokori no kage, o qual vira no jovem
a força interior e ambição para que seu antigo Mestre fosse
ressurgido das profundezas da montanha de onde Akodo e
os Kitsu o aprisionaram.
Masaki vagou por toda região das Montanhas Colunas do
Mundo, em locais agrestes, áridos e gelados dos quais
nenhum homem há séculos pisava e chegou até o local de
aprisionamento de Kao Nashi. Porém, mesmo com todos os
ensinamentos de Hokori, o ritual de libertação
simplesmente demandava uma moeda de difícil pagamento
para Masaki: sangue, vidas e desesperança. Muito mais do
que seu sofrimento pessoal era capaz de prover.
Daí Masaki se aproximara de Ogura e, agora como um
samurai dragão residente na pequena aldeia de Kimura, ele
tem atraído heimin e eta para a morte e para seu séquito,
estabelecendo um altar para Jigoku na própria Floresta da
Água Pura, a qual fora proibida de ingresso pelo próprio
Ogura (mais uma influência de Masaki).
Conforme as animosidades entre o leão e o garça foram
crescendo, Masaki vira uma oportunidade para que uma
guerra, formada exclusivamente com base em fúria, ódio e
ira insensata, fosse o ritual necessário para que Kao Nashi
saísse de seu sono profundo e novamente avançasse sobre
a terra.
Assim, seu plano se divide em duas formas: i) ludibriar
Ogura; ii) avançar na formação de seu Culto de Oradores do
Sangue em Kimura; iii) auxiliar para que os clãs Leão e
Garça efetivamente entrem em guerra e que a batalha se
dê na província Chuugen, especialmente em Heigen no
Otaku; iv) utilizar o sangue da batalha e a ira que ela
proporciona para que Kao Nashi seja libertado.
- -------------------- -------------------- --
------------------ -----

Histórias
1. Episódio 1. Sombras do Passado.
É dia 3 do mês de Bayushi, início do outono e, via de consequência,
da colheita e do pagamento de tributos ao Daymio.
Matsu Itachi deve se apresentar ao Governador da Província de
Chuugen, o Lorde Matsu Ogura-sama, o qual se encontra em seu
forte, Shiro Kabe Kobure (Forte das Muralhas de Cobre), situado em
um passo pouco conhecido das Montanhas Colunas do Mundo, que
divide as terras dos clãs Leão e Escorpião.
Shinjo Yurdem, a seu turno, após seu clã providenciar uma possível
rota de comércio com o clã leão, na expectativa de que os cavalos
dos Unicórnio fizessem sucesso tanto entre os Leão quanto –
futuramente, por uma negociata dupla – com os Garça, enviara-o
até à província de Chuugen, onde ele deveria estabelecer um
negócio no local (outros Samurai Unicórnio foram enviados para
diferentes províncias, inclusive outras com uma possibilidade de
lucro maior, mas essa tarefa fora assinalada para Yurdem).
Shinjo deveria então se apresentar a Matsu Ogura, governador da
província, e pedir a ele para que estabeleça um local (que ele
displicentemente outorgará como sendo em Domizu Mura, a maior
vila de sua província). O primeiro carregamento de cavalos está
descendo de Kyuden Ikoma junto aos demais serviçais e Samurai de
Yurdem.
Por fim, Kitsuki Yuuta, após um bem-sucedido trabalho como
Yojimbo dos Fênix, enfim vira seus esforços serem recompensados
por parte de seu clã e lograra êxito em dar para si um casamento
com uma Matsu, à qual ele agregaria seu nome (uma vez que seu
pai é proprietário de terras) mas, por outro lado, conseguiria para si
o comando (ou, pelo menos, teria a chance de fazê-lo) de uma
pequena aldeia em Chuugen chamada de Hamureto Tsüro (ou Vila
da Passagem), o primeiro entreposto de quem sai de Kyuden Ikoma
para o Bishamon Seido (templo de Bishamon) e as demais terras a
leste do clã Leão.
Yuuta ali comparece com um emissário, um cortesão Kitsuki
chamado Kitsuki Teishin, cujo objetivo é buscar a conclusão das
negociações com a velha Matsu Furui, mãe de Matsu Sukina.