Você está na página 1de 40

Definição e Classificação das Cerâmicas

DEFINIÇÃO

Cerâmica compreende todos os materiais


inorgânicos, não metálicos, obtidos geralmente
após tratamento térmico em temperaturas
elevadas.
Cerâmica vem da palavra grega keramus que
significa coisa queimada .

Numa definição simplificada, materiais cerâmicos são compostos de elementos


metálicos e não metálicos, com exceção do carbono. Podem ser simples ou
complexos.
Exemplos: SiO2( sílica), Al2O3 (alumina) , Mg3Si4O10(OH)2 (talco)
Definição e Classificação das Cerâmicas

CLASSIFICAÇÃO
1. Cerâmica Vermelha: tijolos, blocos,
telhas, elementos vazados, lajes,
tubos cerâmicos, argilas expandidas
e utensílios de uso doméstico e de
adorno.

2. Materiais de Revestimento: azulejos,


pastilhas, porcelanato, grês, lajota, pisos,
tozetos e etc.
Definição e Classificação das Cerâmicas

3. Cerâmica Branca: Materiais constituídos por um corpo branco e em geral


recobertos por uma camada vítrea.
louça sanitária
louça de mesa
isoladores elétricos para alta e baixa tensão
cerâmica artística (decorativa e utilitária).
cerâmica técnica para fins diversos, tais como: químico, elétrico, térmico e
mecânico.
Definição e Classificação das Cerâmicas
4. Materiais Refratários: Têm como finalidade
suportar temperaturas elevadas, que em geral
envolvem esforços mecânicos, ataques
químicos, variações bruscas de temperatura e
outras solicitações.
Exemplo: sílica, sílico-aluminoso, aluminoso,
mulita, carbeto de silício, grafita, carbono,
zircônia, zirconita e outros.
Definição e Classificação das Cerâmicas
5. Isolantes Térmicos
isolantes térmicos não refratários: vermiculita expandida, sílica diatomácea,
diatomito, silicato de cálcio, lã de vidro e lã de rocha (até 1100 ºC).
fibras ou lãs cerâmicas que apresentam composições tais como sílica, sílica-
alumina, alumina e zircônia (até 2000º C ou mais.

6. Fritas e Corantes
Frita (ou vidrado fritado) é um vidro moído, fabricado por indústrias
especializadas a partir da fusão da mistura de diferentes matérias-primas..

Corantes constituem-se de óxidos puros ou pigmentos inorgânicos


sintéticos obtidos a partir da mistura de óxidos ou de seus compostos.
Definição e Classificação das Cerâmicas

7. Abrasivos
Parte da indústria de abrasivos, por utilizarem matérias-primas e processos
semelhantes aos da cerâmica, constituem-se num segmento cerâmico. Entre
os produtos mais conhecidos podemos citar o óxido de alumínio eletrofundido
e o carbeto de silício.

8. Vidro, Cimento e Cal


São três importantes segmentos cerâmicos e
que, por suas particularidades, são muitas
vezes considerados à parte da cerâmica.

9. Cerâmica de Alta Tecnologia/Cerâmica


Avançada
São classificados, de acordo com suas
funções, em: eletroeletrônicos, magnéticos,
ópticos, químicos, térmicos, mecânicos,
biológicos e nucleares.
Características gerais
 Maior dureza e rigidez quando comparadas aos aços.
 Maior resistência ao calor e à corrosão que metais e polímeros.
 São menos densas que a maioria dos metais e suas ligas.
 Os materiais usados na produção das cerâmicas são abundantes e mais baratos.

PROPRIEDADES TÉRMICAS
Argilas

 Conjunto de minerais compostos, principalmente,


de silicatos de alumínio hidratados (decomposição
de rochas feldspáticas).
 Material natural, terroso, de baixa granulometria
(com elevado teor de partículas com Ø < 2 ou 5
μ ), que apresentam plasticidade quando em
contato com água.
 Provenientes da decomposição de rochas
constituídas de argilominerais e outros minerais
acessórios.
 Com água são moldáveis, conservam a forma
moldada, endurecem com a perda de água e
solidificam-se definitivamente com o calor.
Argilas

Tipos de argila:
 Argila vermelha.  Argila para grês.
 Argila refratária.  Caulim.
 Bentonita: vulcânica, muito plástica,  Argilas de azuladas ou negras,
aumenta de 10 a 15 x seu volume de grande plasticidade.
quando em contato com água.

Sinterização de cerâmicos

As partículas se ligam Formação de pescoço Final: poros arredondados com


através de pontos de entre as partículas, o que menor espaço entre eles.
contato. torna a peça mais densa.
Grande números de
poros.
Argilas

Propriedades das argilas


 Plasticidade: Propriedade de se deformar quando submetido à uma força, e
conservar a deformação quando esta é retirada.

Estados da plasticidade

IP = LL - LP

Fracamente plásticas: 1 < IP < 7


Medianamente plásticas: 7 < IP < 15
Altamente plásticas: IP > 15
Argilas

LIMITE DE LIQUIDEZ
Argilas

LIMITE DE PLASTICIDADE
Argilas

 Retração:
• Propriedade de variar de volume com a variação de umidade.
• Inconveniente, pois pode gerar fissuração.

 Porosidade:
• Volume de vazios/volume total.
• Influência na resistência mecânica: densidade; condutibilidade térmica;
condutibilidade elétrica.

 Influência da temperatura:
• Até 600º C - secagem.
De 600º C a 950º C - reações químicas.
Mais de 950º C - vitrificação.
• Porosidade do produto depende da quantidade de vidro formado.

 Presença de impurezas: Sílica livre, alumina livre, álcalis, matéria orgânica, sais,
óxidos, cálcio e etc.
Processos de Fabricação
Processos de Fabricação

 Exploração da jazida: Viabilidade técnica/econômica/ambiental.


 Tratamento da matéria-prima: Purificação e desagregação/trituração.

 Regularização da matéria-prima: Umidificação e homogeneização.


Atomizador

Moinho de bolas Filtro prensa


Processos de Fabricação
 Moldagem: Pasta plástica
ex.: tijolos de olaria, vasos artesanais e etc.

 Extrusão: Pasta consistente w% de 20 a 35%,


ex.: blocos, manilhas.

 Prensagem:
Pasta seca w%
de 4 a 10%
ex.: telhas, pisos
e etc.

 Colagem: Pasta fluida (barbotina): w% de 35 a 50%.


ex.: louça sanitária.
Processos de Fabricação
 Secagem: Retirada da umidade;
Controlada, para evitar retração diferencial (secadores, estufa e natural).

 Queima:
Mudança na estrutura, Vitrificação.

Forno túnel: contínuo Forno intermitente Retração após queima


Produtos Cerâmicos para Construção Civil

1. Produtos de argila:
 1.1 - Blocos cerâmicos:
a) Maciços (tijolos moldados ou
extrudados)
b) Vazados (vedação ou estruturais)
 1.2 -Telhas
 1.3 -Tubos (manilhas)
 1.4 - Peças redutoras de peso
 1.5 - Elementos vazados.

2. Produtos de grês ou de louça:


 2.1 - Produtos de revestimento
• Pisos cerâmicos
• Azulejos
• Porcelanato
• Pastilhas
 2.2 - Louça sanitária
 2.3 - Material refratário
Blocos Cerâmicos

1.1 - Blocos cerâmicos:


São unidades para edificações que compõem a alvenaria e podem ser
constituídos de diferentes materiais, sendo mais utilizados os cerâmicos ou
de concreto.
• Maciços (tijolos moldados ou extrudados)
• Vazados (vedação ou estruturais)

Qualquer que seja o material utilizado as propriedades desejáveis são:

 Ter resistência à compressão adequada.


 Ter capacidade de aderir à argamassa tornando homogênea a parede.
 Possuir durabilidade frente aos agentes agressivos (umidade, variação de
temperatura e ataque por agentes químicos).
 Possuir dimensões uniformes.
 Resistir ao fogo.
Blocos Cerâmicos
a) TIJOLOS MACIÇOS CERÂMICOS:
São blocos de argila comum, moldados, extrudados ou prensados com arestas
vivas e retilíneas e queimados em temperaturas em torno de 1000ºC.
 Devem possuir a forma de um paralelepípedo retângulo.
 Devem possuir todas as faces planas.
 Ausência de eflorescências e queima uniforme
 Podem apresentar rebaixos de fabricação em uma das faces de maior área.

Os tijolos podem ser comuns ou especiais:


a.1) Comuns

tijolo moldado tijolos extrudado tijolos modulares


prensados
a.2) Especiais
Blocos Cerâmicos
Os tijolos comuns são classificados em A, B ou C de acordo com as suas
propriedades mecânicas prescritas pela NBR 7170 Tijolo maciço cerâmico para
alvenaria .
Sua resistência à compressão deve ser testada segundo encaminhamento prescrito
pela NBR 6460 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria – Verificação da resistência
à o pressão e atender aos valores indicados pela tabela 2:
Blocos Cerâmicos

Tipologia tijolos comuns:


Devem apresentar dimensões nominais, conforme NBR 8041 Tijolo Maciço
Cerâmico para Alvenaria – Forma e Di e sões :

Nota:
• Os tijolos e blocos cerâmicos possuem coeficiente de dilatação térmica pequeno, sendo
adotado um valor médio de 6x10-6 /ºC.
• É comum os tijolos apresentarem expansão devido à incorporação de umidade do
ambiente. Em consequência é recomendado que se evite a utilização de blocos ou tijolos
cerâmicos com menos de duas ou três semanas após saírem do forno.
Blocos Cerâmicos

Apesar das dimensões apresentadas pela norma, são encontrados no mercado


tijolos de diversos tamanhos, pois muitos fabricantes desconhecem ou ignoram as
normas referentes ao produto.
Abaixo alguns dos diferentes tamanhos de tijolos maciços encontrados no
mercado:

Nota:
• São toleradas diferenças de até 3 mm nas dimensões especificadas.
• O rendimento depende das dimensões do tijolo. Uma alvenaria feita com peças de 5 x 10
x 20 cm consome aproximadamente 150 unidades.
Blocos Cerâmicos
b) BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS:
São blocos vazados produzidos por extrusão e queima da argila vermelha com
arestas vivas retilíneas, sendo os furos cilíndricos ou prismáticos.

Os blocos vazados são classificados num primeiro momento como blocos de:
 b.1) Vedação:
• suportam somente o peso próprio;
• furos na vertical ou na horizontal.
• podem possuir quatro, seis, oito ou nove furos.
 b.2) Estruturais (portantes)
• suportam cargas previstas em alvenaria estrutural;
• furos na vertical;
• três tipos: blocos com paredes maciças; blocos com paredes vazadas; blocos perfurados.
Blocos Cerâmicos

Vedação com furos na Vedação com furos na


vertical horizontal

Estrutural com Estrutural com Estrutural perfurado


parede maciça paredes vazadas
Blocos Cerâmicos

Tipologia
As dimensões nominais são
recomendadas pela NBR 8042
Blo o Cerâmico Vazado para
Alvenaria – Formas e
Di e sões e estão dispostas
na tabela 3 da norma:
Blocos Cerâmicos
Rendimento padrão dos Blocos Cerâmicos
Blocos Cerâmicos

Espessura de paredes para blocos cerâmicos NBR 15270 Co po e tes cerâmicos –


Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação e estrutural
Blocos Cerâmicos

Propriedades mecânicas
A resistência à compressão mínima dos blocos na área bruta deve atender aos
valores indicados na tabela 3 da NBR 7171 Blo o Cerâmico para Alve aria que
classifica os blocos em tipo A, B, C, D e F:

O processo de vitrificação nas faces do bloco compromete a aderência com a argamassa de


assentamento ou revestimento. Por esta razão, as faces dos blocos são constituídas de
ranhuras e saliências.
Blocos Cerâmicos

Exemplo de formas e dimensões de blocos estruturais


Blocos Cerâmicos

Qualidade e inspeção
A NBR 7171, que trata de blocos cerâmicos para alvenaria, especifica algumas
condições gerais para esse material:
 não devem apresentar defeitos como trincas, quebras, superfícies irregulares ou
deformações que impeçam seu emprego.
 devem apresentar som metálico ao se bater nos mesmos (som vibrante e não abafado).
 absorção de água total: entre 8 e 22% (elevada absorção → recomendável umedecer o
bloco antes do assentamento.
 não pode ter oração negro .
 esquadro e planeza das faces.
Blocos Cerâmicos

Paredes de blocos cerâmicos


Chama-se espessura nominal a espessura aproximada que a parede terá depois de pronta,
contando a espessura do bloco somado à espessura dos revestimentos em cada face, cujo
valor adotado é de aproximadamente 2,5 cm para cada lado. Assim, uma parede cujo tijolo
tenha 9 cm de largura e tenha revestimento dos dois lados terá espessura total de
9+2,5+2,5 = 14 cm, que corresponde a uma largura nominal de 15 cm.
Abaixo alguns exemplos de diferentes espessuras nominais de parede:
Blocos Cerâmicos
BLOCOS DE CONCRETO
Quanto às dimensões classificam-se em M20 e M15, conforme tabela abaixo:
Blocos Cerâmicos
Blocos Cerâmicos
Blocos Cerâmicos

Propriedades mecânicas
Os blocos de concreto são classificados pela NBR 6136 Blo os Vazados de
Concreto Simples para Alvenaria Estrutural em classe A e B:

 O bloco de classe A aplica-se à alvenarias externas sem revestimento devendo


o bloco possuir resistência característica à compressão maior do que 6 MPa,
além de sua capacidade de vedação.
 O bloco de classe B aplica-se à alvenarias internas ou externas com
revestimento devendo possuir resistência característica à compressão de no
mínimo 4,5 Mpa.
Peças redutoras de peso

a. Elementos retangulares utilizados na


confecção de lajes pré-moldadas.

b. Peças redutoras de peso

c. Apoiam-se entre pequenas vigotas


de concreto armado e servem de
fôrma para a laje.

d. Exigência: resistência à flexão ≥ 700 N.


Elementos vazados

a. Elementos não estruturais, para ventilação


e iluminação.

b. Também chamado de COGOBÓ (iniciais dos


sobrenomes de três engenheiros que o
idealizaram: Amadeu Oliveira Coimbra,
Antônio de Góis e Ernest August
Boeckmann).