Você está na página 1de 22

Prof.

Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

Sexologia Forense

Professor: Paulo Vale


Disciplina: Sexologia Forense
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

CONCEITO

A Sexologia Forense é a aplicação dos conhecimentos de sexologia que


interessam ao Direito.
É a parte da Medicina Legal que estuda os problemas médico-legais
relacionados com o sexo, instinto sexual e reprodução.
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

Crimes Sexuais

• A perícia atua para caracterizar a realização de conjunção carnal ou a


existência de sinais de atos libidinosos diversos da conjunção carnal e,
assim, comprovar ou não a ocorrência de um crime de natureza
sexual.
Estupro (Art. 213 CP)
• Art. 213: Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a
ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se
pratique outro ato libidinoso.

• Constranger: obrigar alguém a fazer algo que não se quer utilizando-se de


violência física, impedindo ou anulando a sua capacidade de reagir ou se
defender.
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

• Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos. (Redação dada pela Lei nº 12.015, de
2009)
• § 1o Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave ou se a vítima é
menor de 18 (dezoito) ou maior de 14 (catorze) anos: (Incluído pela Lei nº 12.015,
de 2009)
• Pena - reclusão, de 8 (oito) a 12 (doze) anos. (Incluído pela Lei nº 12.015, de
2009)
• § 2o Se da conduta resulta morte: (Incluído pela Lei nº 12.015, de 2009)
• Pena - reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos (Incluído pela Lei nº 12.015, de
2009).
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

CONJUNÇÃO CARNAL

• Conceito: É a cópula vaginal ou anal.


• Marcas de violência sexual:
• Rotural himenal recente ou antiga;
• Contaminação venérea profunda;
• Sinais de violência ou de luta;
• Lesões perineais ou anais;
• Presença de sêmen na cavidade vaginal ou anal;
• Presença de hímen complacente e gravidez.
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

CONJUNÇÃO CARNAL

• Exames visando identificar a conjunção carnal:

• Presença de espermatozoides;
• Dosagem de Fosfatase ácida aumentada – presente no líquido seminal em alta
concentração; (indício)
• Glicoproteína P30 (PSA) - presente na próstata. (certeza)
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

ATO LIBIDINOSO DIVERSO DA CONJUNÇÃO CARNAL

• Qualquer outro ato que vise satisfazer a libido (apetite sexual),


diverso da conjunção carnal, manifestamente obsceno ou ofensivo ao
sentimento do pudor comum verificado na vida social, numa
determinada época.
• Exames visando identificar o Ato Libidinoso:
• Presença de esperma em qualquer área do corpo da vítima;
• Presença de saliva em áreas erógenas;
Obs: podem também ser encontradas equimoses em áreas erógenas (arroxeados
em forma de polpas digitais).
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

Violência sexual mediante fraude

• Art. 215. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém,
mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de
vontade da vítima: (Redação dada pela Lei nº 12.015, de 2009)
• Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos. (Redação dada pela Lei nº 12.015, de
2009)
• Parágrafo único. Se o crime é cometido com o fim de obter vantagem econômica,
aplica-se também multa. (Redação dada pela Lei nº 12.015, de 2009)

Ex.: O agressor conduz a vítima de uma forma que ela não possa oferecer
resistência por inibição ou enfraquecimento das faculdades mentais devido à
embriaguez completa, anestesia, estados hipnóticos, drogas alucinógenas, etc.
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

Estupro de vulnerável
• Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menro de
14 (catorze) anos:
• Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos.
• §1º. Incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com
alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário
discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode
oferecer resistência.
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

ESTUDO DO HÍMEN
O hímen é uma simples membrana dérmica presente na entrada da
vagina.

Exames:
• O exame no hímen objetiva se verificar se hímen possa estar
íntegro, com rotura completa, incompleta, se há agenesia (ausência
congênita), se é complacente ou está reduzido a carúnculas mirtiformes
(ocorre em mulheres que pariram).).
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

Rupturas
Antiga: Ruptura antiga ou cicatrizada significa que ocorreu há mais de 20 dias.
Recente: O rompimento recente se caracteriza pelo fato dos bordos (laterais) da
ferida estarem infiltrados de sangue. Após o período de 20 dias, eles se tornam
fibrosados (cicatrizados).
Obs.: O hímen complacente, quando da conjunção carnal pode não ocorrer o
rompimento em virtude de sua elasticidade. No entanto, a presença de
espermatozoide
Prof. Paulo Vale – Sexologia Forense - Aula 01

Rupturas
Antiga: Ruptura antiga ou cicatrizada significa que ocorreu há mais de 20 dias.
Recente: O rompimento recente se caracteriza pelo fato dos bordos (laterais) da
ferida estarem infiltrados de sangue. Após o período de 20 dias, eles se tornam
fibrosados (cicatrizados).
Obs.: O hímen complacente, quando da conjunção carnal pode não ocorrer o
rompimento em virtude de sua elasticidade. No entanto, a presença de
espermatozoide
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Tipos de Hímen
Podem ser classificados como ausentes, imperfurados e perfurados:

Ausentes: São casos tidos como raríssimos nos quais a mulher nasce sem o
hímen.

Imperfurados : Necessitam ser perfurados antes da primeira menstruação,


mediante adequada incisão. Após sua intervenção deve ser lavrada uma ata
judicial, na qual, se assegura o resguardo da honra da menina de eventuais
suspeitas futuras.

Perfurados: Se dividem em resistentes, complacentes, não complacentes e os


rompíveis.
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Tipos de Hímen
Resistentes: Necessitam ser perfurados antes da primeira menstruação,
mediante adequada incisão. Após sua intervenção deve ser lavrada uma ata
judicial, na qual, se assegura o resguardo da honra da menina de eventuais
suspeitas futuras.

Perfurados: Se dividem em resistentes, complacentes, não complacentes e os


rompíveis.

1. Resistentes: precisam também ser incisados, a fim de permitirem a conjunção


carnal;
2. Complacentes: toleram a introdução do pênis sem se romperem;
3. Rompíveis são hímens que se rompem por ocasião da primeira cópula.
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Tipos de Hímen
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01
ABORTO

Aborto é o ato que interrompe uma gestação. O aborto pode ser espontâneo e
ocorrer em qualquer momento da gravidez. No entanto, também pode ser induzido
por mulheres que não desejam dar sequência à gravidez. No Brasil, o aborto é
proibido por lei, sendo permitido apenas em casos em que a gravidez traga risco para
a gestante, tenha sido fruto de um estupro ou de fetos anencéfalos, incompatíveis
com a vida.

Legislação:
• Art. 124 – Provocar em si ou consentir (detenção, de 1 a 3 anos)
• Art. 125 – Provocar sem o consentimento (reclusão, de 3 a 10 anos)
• Art. 126 – Provocar com o consentimento (reclusão, de 1 a 4 anos)
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01
ABORTO

O Art. 128 se refere ao aborto provocado pelo médico, que não é punido.

• Se não há outro meio de salvar a vida da gestante (e o médico, neste caso, é


obrigado a realizar o aborto). É o chamado ABORTO TERAPÊUTICO.

• Se a gravidez resulta de estupro (e o médico, neste caso, não é obrigado a realizar


o aborto, ainda que com autorização judicial). É o chamado ABORTO
SENTIMENTAL.
• O ABORTO EUGÊNICO é realizado quando o feto, após exame, apresenta graves
anomalias. Exemplo: anencéfalo.
Este tipo de aborto vem sendo admitido em alguns casos.
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Infanticídio – art. 123 do CP

Atuação da perícia:
_ Constatar o estado de feto nascente;
__ O estado de infante nascido ou o estado de recém-nascido;
__ A vida extra-uterina;
__ A causa jurídica da morte do infante;
__ Constatar que o crime se deu logo após o nascimento
(imediatamente);
__ Constatar que a criança foi vítima de morte violenta;
__ O estado psíquico da mulher e o diagnóstico de parto
pregresso.
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Prova de vida extrauterina autônoma: Para a comprovação do nascimento


com vida utilizam-se exames chamados Docimácias.
Docimásia hidrostática pulmonar de Galeno - é a mais antiga e a mais utilizada.
Baseia-se na densidade do pulmão que respirou e do que não respirou.
Há várias outras docimásias do tipo pulmonares e extrapulmonares, como por
exemplo:

• Docimásia histológica de Balthazard - Consiste no exame histológico dos cortes


dos pulmões, ao microscópio, segundo técnica comum;
• Docimásia siálica de Dinitz-Souza - consiste na pesquisa de saliva no estômago do
feto. A reação positiva é um indicativo de que existiu vida extra-uterina;
• Docimásia hemato-pneumo-hepática de Severi - Consiste na colheita de sangue
no fígado e no pulmão, determinando-se, cuidadosamente, as taxas de
hemoglobina; se forem idênticas, obviamente não houve respiração.
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Infanticídio – art. 123 do CP

O Infanticídio é, de acordo com o Art. 123, do Código Penal: “Matar,


sob a influência do estado puerperal, o próprio filho, durante o parto ou
logo após”.

O Estado Puerperal é justificado pelo trauma psicológico e pelas


condições do processo fisiológico do parto – angústia, inflação, dores,
sangramento e extenuação, cujo resultado traria o estado confusional
capaz de levar a mãe ao gesto criminoso.
Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Anomalias e Perversões Sexuais


Psicosexualidade anômala:
• Anafrodisia – ausência de desejo sexual do homem;
• Frigidez – ausência de desejo sexual na mulher;
• Satiríase – excesso de desejo sexual no homem;
• Ninfomania – excesso de desejo sexual na mulher;
• Narcisismo – culto exagerado ao próprio corpo;
• Pedofilia – atração sexual por criança;
• Vampirismo – ato de sugar o sangue do parceiro sexual;
• Bestialismo – ato sexual com animais;
• Necrofilia – ato sexual com cadáver;
• Sadismo – ato de impor sofrimento ao parceiro sexual.
e

Prof. Paulo Vale – Sexologia - Aula 01

Prof.: Paulo Vale – Perito Criminal – Instituto de Criminalística


– IC – ITEP/RN.
Contato: email: petcrim@hotmail.com
Fone: (84) 99978 7456
Blog: dignidadeepazparatodos.blogspot.com
Instagram: paulovale.pericia
Facebook: Paulo Vale Perícia

Professor: Paulo Vale


Disciplina: Sexologia Forense