Você está na página 1de 6

Artigo de Pesquisa Santos AAR, Medeiros ABA, Soares MJGO, Costa MML

Original Research
Artículo de Investigación

AVALIAÇÃO E TRATAMENTO DE FERIDAS: O CONHECIMENTO


DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM

NURSING STUDENTS’ KNOWLEDGE OF WOUND EVALUATION AND TREATMENT


EVALUACIÓN Y TRATAMIENTO DE LAS HERIDAS: EL CONOCIMIENTO DE
ACADÉMICOS DE ENFERMERÍA

Antonio Adriano Rodrigues dos SantosI


Ana Beatriz de Almeida MedeirosII
Maria Júlia Guimarães Oliveira SoaresIII
Marta Miriam Lopes CostaIV

RESUMO: Trata-se de um estudo exploratório-descritivo de natureza quantitativa, em que se objetivou averiguar o


conhecimento dos acadêmicos sobre a avaliação e tratamento de feridas. Foi desenvolvido no Centro de Ciências da Saúde
da Universidade Federal da Paraíba. Participaram da pesquisa 70 acadêmicos dos 8o e 9o períodos. Os dados foram
coletados entre os meses de março e maio de 2009, através de um questionário semiestruturado. Os resultados evidencia-
ram que os maiores índices de acertos dizem respeito ao conhecimento dos acadêmicos acerca da importância da
realização da avaliação da lesão. A busca de dados sobre o histórico da ferida foi justificada de forma parcialmente correta
por 53,3% dos que responderam e 52,8% da amostra desconhecem os benefícios dessas informações. Conclui-se que os
conhecimentos adquiridos ao longo do curso foram insuficientes para que esses discentes possam realizar a avaliação das
lesões com o objetivo de prescrever a conduta adequada para os pacientes.
Palavras-Chave: Avaliação em enfermagem; ferimentos e lesões; terapêutica; estudantes de enfermagem.

ABSTRACT: This exploratory, descriptive, quantitative study of nursing students’ knowledge of wound assessment and
treatment was conducted at the Health Sciences Center of Paraíba Federal University. The participants were 70 students in
their 8th and 9th periods. Data were collected from March to May 2009 using a semi-structured questionnaire. The results
revealed that the highest rates of correct answers related to the students’ knowledge of the importance of performing wound
assessment. The reasons given by 53.3% of respondents for researching the wound’s history were partly correct, while 52.8%
of the sample do not know the benefits of this information. It was concluded that the knowledge acquired during the course was
insufficient for these students to perform wound assessment for the purpose of prescribing appropriate behavior to patients.
Keywords: Nursing assessment; wounds and injuries; therapeutics; nursing students.

RESUMEN: Este es un estudio exploratorio-descriptivo de enfoque cuantitativo, que tiene por objetivo la investigación del
conocimiento de los estudiantes sobre la evaluación y el tratamiento de las heridas. Fue desarrollado en el Centro de Ciencias
de la Salud, de la Universidad Federal de Paraíba – Brasil. Participaron de la pesquisa 70 estudiantes del octavo y noveno
períodos. Los datos fueron recogidos entre marzo y mayo de 2009, a través de un cuestionario semi-estructurado. Los
resultados mostraron que las mayores tasas de respuestas correctas se refieren a los conocimientos de los estudiantes sobre la
importancia de hacer la evaluación de la lesión. La búsqueda de datos sobre la historia de la herida ha sido justificada de
manera parcialmente correcta por 53,3% de los que respondieron y 52,8% de la muestra no son conscientes de los beneficios
de esa información. Se concluye que los conocimientos adquiridos durante el curso no fueron suficientes para que esos
estudiantes puedan realizar la evaluación de las lesiones con el fin de prescribir la conducta adecuada para los pacientes.
Palabras Clave: Evaluación en enfermería; heridas y lesiones; terapéutica; estudiantes de enfermería.

I
Enfermeiro Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba e Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em
Tratamento de Feridas. Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem Clínica, João Pessoa, Paraíba, Brasil. E-mail:
driobs@gmail.com.
II
Graduanda em Enfermagem. Bolsista Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica. Pesquisadora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Tratamento de
Feridas. Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem Clínica, João Pessoa, Paraíba, Brasil. E-mail:
biazinha_e@hotmail.com.
III
Enfermeira. Professora Associada da Universidade Federal da Paraíba. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Mestre em Saúde Pública.
Docente do Curso de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem Clínica, João
Pessoa, Paraíba, Brasil. E-mail: mmjulieg@yahoo.com.br.
IV
Enfermeira. Professora Associada da Universidade Federal da Paraíba. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal da Paraíba. Doutora em
Sociologia. Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem Clínica, João Pessoa, Paraíba, Brasil. E-mail:
marthamiryam@hotmail.com.

Recebido em: 12/07/2010 – Aprovado em: 03/09/2010 Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18(4):547-52. • p.547
Avaliação e tratamento de feridas Artigo de Pesquisa
Original Research
Artículo de Investigación

INTRODUÇÃO seus resultados, que serão importantes tanto para o


acadêmico, que terá uma idéia da qualificação que é
A pele é o mais importante elemento de proteção recebida durante a sua formação em relação à avalia-
do organismo contra todo e qualquer tipo de agressão ção e ao tratamento de feridas, sendo algo que merece
física e biológica. É o maior órgão do corpo humano, maior suporte na formação acadêmica, como para o
sendo indispensável para um bom funcionamento dos profissional enfermeiro, para o qual um estudo como
processos fisiológicos do organismo. A mesma está este pode ser fonte de atualização, pela possibilidade
sujeita a agressões que podem levar a alterações na sua de vislumbrar mudanças na realização de técnicas
constituição, o que caracteriza uma ferida, levando a indevidas realizadas em diversas instituições pres-
uma possível incapacidade funcional1. tadoras de serviço de saúde, com vista ao alcance de
O acadêmico de enfermagem, diante da forma- objetivos educacionais que permitam a construção
ção recebida, tem fundamental importância na de competências profissionais.
implementação de medidas preventivas e terapêuticas Mediante o exposto, foram traçados os seguin-
dos diversos tipos de feridas, sendo, portanto, um tes objetivos: averiguar o conhecimento dos acadê-
corresponsável nessa tarefa. O enfermeiro, hoje, deve micos sobre a avaliação e o tratamento de feridas.
ser um educador em potencial, pois o
cuidado de enfermagem vai além da visão redu- REFERENCIAL TEÓRICO
cionista de assistência ao doente, uma vez que tem
como foco a saúde sob uma perspectiva holística. Já
que o processo pedagógico da enfermagem, com
Os primeiros estudos sobre cicatrização de feri-
das em ambiente úmido começaram a surgir somente
ênfase na educação em saúde, encontra-se em evi-
dência. O enfermeiro tem destaque, pois é o princi-
no final da década de 1950, despertando o interesse
pal atuante no processo de cuidar por meio da edu- da comunidade científica4.
cação em saúde2:55. No Brasil, somente na década de 1990, começa-
ram a surgir os primeiros trabalhos com curativos
No entanto, para isso é necessário um conheci-
mento prévio de como assistir com cuidado os porta- úmidos e, no final desta década, entraram no mercado
dores de lesão e de como avaliar e tratar de forma nacional os produtos específicos para esta finalidade5.
adequada uma ferida, pois ao enfermeiro cabe a res- A avaliação e o tratamento de feridas vêm se
ponsabilidade de conhecer os materiais disponíveis tornando uma área cada vez mais específica e cientí-
para avaliação e tratamento de feridas, além de co- fica, diferenciando-se progressivamente como uma
nhecer a anatomia da pele, a fisiologia da cicatrização especialidade no campo da atenção à saúde4.
e os fatores intrínsecos e extrínsecos ao paciente que Muito se tem discutido sobre os cuidados avan-
comprometem um processo cicatricial ativo, ou seja, çados na saúde, entre os quais a preocupação com a
o enfermeiro deve primar pela integralidade3. avaliação e o tratamento das feridas. Mas, para isso,
A enfermagem não dá a importância necessária se faz necessário envolver profissionais enfermeiros
ao avaliar um paciente portador de lesão, não identi- com saberes e práticas específicas, com a finalidade
ficando os fatores que influenciam no processo de proporcionar cuidado individualizado, buscando
cicatricial. Os profissionais apenas realizam conse- compreender o contexto fisiopatológico em que o
cutivos curativos em feridas que insistem em não ci- paciente se encontra e a terapêutica adequada, sem
catrizar e não atentam para o estado nutricional do deixar de se preocupar com os fatores psicológicos,
paciente, para a presença de infecções ou doenças de sociais e humanizados de cada um6.
base que retardam a cicatrização4. É de fundamental importância buscar informa-
A avaliação de feridas, quanto aos mais diver- ções sobre o histórico e a apresentação da ferida (lo-
sos aspectos, é fundamental para a prescrição de um calização, tempo, causa, entre outros)7.
tratamento adequado, envolvendo desde a etiologia Ao se analisar que a pele, além de ser o cartão de
até as características clínicas do leito da lesão e área apresentação, é o maior órgão do ser humano, torna-se
circundante, bem como as doenças de base do clien- evidente a responsabilidade, principalmente do profis-
te. O olhar especializado da enfermagem é fundamen- sional enfermeiro, em promover e cooperar com o orga-
tal e indispensável para a determinação de um trata- nismo para uma perfeita reconstrução tecidual, porém
mento apropriado das feridas1. entender a cicatrização como um processo endógeno
O desenvolvimento deste estudo justifica-se não implica em descuidar do tratamento tópico.
pela oportunidade de compreender a prática de en- Muitos enfermeiros não percebem a importân-
fermagem, verificando assim o conhecimento adqui- cia de avaliar o cliente que apresenta uma lesão de
rido na formação dos acadêmicos de enfermagem no pele para identificar os fatores que impedem ou re-
que diz respeito à prestação dos cuidados necessários tardam a cicatrização. Empenham-se em realizar
na avaliação e no tratamento das feridas, bem como infindáveis sessões de curativos em ferimentos que

p.548 • Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18(4):547-52. Recebido em: 12/07/2010 – Aprovado em: 03/09/2010
Artigo de Pesquisa Santos AAR, Medeiros ABA, Soares MJGO, Costa MML
Original Research
Artículo de Investigación

não cicatrizam, culpando este ou aquele produto, e não são da lesão e a promoção de condições ideais para a
se apercebem que a causa está, muitas vezes, relacionada geração de um novo tecido7.
a um status nutricional inadequado, às infecções Nas duas últimas décadas, diversos estudos foram
subjacentes, às doenças crônicas descompensadas e a realizados na busca de melhores resultados nos tratamen-
muitos outros fatores que interferem neste complexo tos de feridas. Estes resultados foram alcançados em fun-
processo sistêmico da cicatrização4. ção de uma nova visão epidemiológica do problema e de
Na avaliação, deve-se verificar se há fatores locais uma maior compreensão e conhecimento dos mecanis-
que alteram a evolução fisiológica da cicatrização. Aten- mos fisiológicos e fisiopatológicos envolvidos no proces-
tar para os sinais (exsudação purulenta; hipertermia; so de início, cronificação e/ou regressão dos diferentes
eritema; dor e calor local e edema) que indicam a presen- tipos de feridas, o que favoreceu o surgimento de diversos
ça de infecção, pois a mesma provoca destruição tecidual, produtos que podem ser usados no tratamento dos diver-
retarda a síntese de colágeno e impede a epitelização7,8. A sos tipos de feridas7.
avaliação e a verificação da ferida devem ser realizadas a O mercado oferece uma diversidade de produtos
cada troca de curativo. para tratamento de feridas que tem provocado insegu-
Um curativo ideal é aquele capaz de manter alta a rança nos profissionais da saúde sobre qual opção é a
umidade entre a sua interface e a da ferida, remover o ex- mais indicada. O sucesso do tratamento depende da
cesso de exsudação, permitir trocas gasosas, fornecer isola- criteriosa escolha e da adequada utilização dos produtos
mento térmico, ser impermeável a bactérias, ser isento de selecionados12.
partículas contaminadas externas à ferida e permitir sua Existem mais de dois mil produtos para tratar feri-
remoção sem causar trauma na ferida9. das no mercado, o que torna a escolha do curativo cor-
Em caso positivo de evolução da ferida, deve-se reto uma tarefa difícil. Nesse sentido, alguns fatores de-
manter os cuidados até a sua completa cicatrização. Os vem ser considerados para uma escolha correta: fatores
principais sinais de melhora a serem observados são: relacionados com a ferida e a pele adjacente – etiologia,
aumento do tecido de granulação; exsudato serossan- tamanho, profundidade, localização anatômica, volu-
guinolento ou seroso que diminui gradativamente; pre- me de exsudato, risco ou presença de infecção, condi-
sença de tecido de epitelização nas bordas, aumentando ções da pele adjacente; fatores relacionados com o paci-
a cada avaliação; ausência de sinais de infecção; dimi- ente – condições nutricionais, doenças de base, necessi-
nuição da profundidade e diâmetro da ferida com recu- dade de controle da dor, preferências; fatores relaciona-
peração dos tecidos afetados, epiderme e derme7. dos com o curativo – indicação, contraindicação, van-
A preocupação com o tratamento de feridas é an- tagens e desvantagens, disponibilidade, durabilidade,
tiga e muitos estudos acerca do assunto têm sido desen- adaptabilidade e facilidade de uso10.
volvidos, o que levou a um grande avanço no conheci- Existem também alguns tratamentos e produtos
mento dos diferentes tipos de lesões, do processo de alternativos, como é o caso do uso do açúcar refinado
reparação do tecido lesado, bem como de todos os fato- em feridas abertas, como a úlcera por pressão, atentan-
res nele envolvidos10. do sempre para a frequente e periódica troca do curativo
O enfermeiro deve ter uma visão ampla no que se e do açúcar, mantendo a osmolaridade elevada na super-
refere ao tratamento de uma ferida, e o papel desse profis- fície da lesão, sendo esta condição fundamental para
sional não se resume a apenas execução dos curativos, que ocorram os efeitos terapêuticos esperados13.
pois o mesmo preenche uma lacuna importante no trata- A enfermagem tem buscado evidências científicas
mento de feridas. Afinal, o enfermeiro é quem executa o para resolver problemas da prática assistencial, afinal
curativo diariamente e está em maior contato com o pa- muitos produtos têm sido utilizados no tratamento de
ciente. Por essa razão sua ação sobrepor-se-á à ação dos feridas, sem que se conheçam com exatidão os mecanis-
outros componentes da equipe11. mos de ação e resultados do contato destas substâncias
O objetivo do tratamento de uma ferida é a ci- com as lesões. Rever a produção científica dos enfermei-
catrização sem complicações, com a restauração das ros sobre a temática pode contribuir para a utilização e
funções e prevenção das sequelas, devendo levar em desenvolvimento de tecnologias de cuidado na área de
consideração a busca de uma cicatrização funcional e tratamento de feridas10.
estética do paciente facilitando a cura fisiológica e a Após um estudo de análise da produção científica
prevenção ou eliminação de fatores locais, sistêmicos publicada na Revista Brasileira de Enfermagem de 1970-
ou externos que interfiram no processo de recupera- 2003 sobre tratamento de feridas, concluiu-se que essa
ção. Também deve levar em conta o bem-estar físico temática constitui um campo enorme de investigação,
e mental do paciente durante todo o processo de tra- o qual tem sido pouco explorado pelos enfermeiros. Esse
tamento, bem como promover o conforto do pacien- fenômeno assume relevância na medida em que a enfer-
te, a prevenção de cicatrizes desfigurantes, a regres- magem se ocupa, apenas, da realização dos curativos10.

Recebido em: 12/07/2010 – Aprovado em: 03/09/2010 Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18(4):547-52. • p.549
Avaliação e tratamento de feridas Artigo de Pesquisa
Original Research
Artículo de Investigación

Na assistência prestada a um paciente com feri- nizados em gráficos e tabelas, com frequências abso-
da, o enfermeiro deve exercer toda a sua autonomia, lutas e percentuais. O estudo foi aprovado pelo Co-
pois o mesmo tem a competência técnica e científica mitê de Ética em Pesquisa do Centro de Ciências da
para desempenhar tal cuidado e assim obter êxito. Saúde da Universidade Federal da Paraíba, com o no
O processo de autonomia implica que o enfer- de protocolo 063/09. Todos os participantes concor-
meiro possa interferir no processo de definição das daram em participar do estudo, assinando o Termo de
prioridades na assistência. Sendo, portanto, a avalia- Consentimento Livre e Esclarecido, de acordo com a
ção e o tratamento das feridas prioridades eminentes Resolução no 196/96, do Conselho Nacional de Saú-
para uma boa recuperação do paciente, afinal uma de, e a Resolução no 311/2007, do Conselho Federal
ferida pode ser o indicador de que algo, intrínseco ao de Enfermagem.
paciente, está irregular14.
A competência do enfermeiro que se propõe a RESULTADOS E DISCUSSÃO
cuidar e preservar a pele do seu cliente reúne um saber
sobre o ser humano em sua integralidade (física, men- Com relação aos 70(100%) estudantes de en-
tal e espiritual), delimitando-o como seu alvo, sua in- fermagem pesquisados, observou-se que a maioria é
tenção para a escolha dessa área profissional, ou seja, o constituída por mulheres, confirmando que a de-
enfermeiro deve olhar e ver o seu cliente de forma manda de futuros enfermeiros apresenta um perfil
holística e não apenas deter-se na ferida de forma iso- predominantemente feminino — 64(91,4%) aca-
lada, pois fatores intrínsecos a esse cliente influenci- dêmicas. A enfermagem vem, ao longo dos séculos,
sendo entendida como uma profissão afeita ao sexo
am diretamente na evolução satisfatória da lesão15.
feminino, por historicamente a mulher ter sido vis-
Resgatar o cuidar na enfermagem é recuperar a ta como possuidora de condições naturais para ze-
autonomia profissional do enfermeiro, e um dos ca- lar, ajudar o indivíduo e acalentar crianças, porém,
minhos para que isso possa ser alcançado será quan- alguns paradigmas têm sido mudados, pois hoje há
do o enfermeiro perceber a sua real importância ao mais homens na enfermagem do que se imagina e do
avaliar e tratar uma ferida, afinal o “cuidar, neste con- que alguns estudos revelam 16.
texto, é um processo, é a maneira de demonstrar o
Observou-se também que 63(90%) têm de 21 a 25
saber-fazer, pois requer um conhecimento que quali- anos de idade e somente 7(10%) pertencem à faixa etária
fica o trabalho do enfermeiro”14:224. de 26 – 30 anos. Isso demonstra que os profissionais que
estão sendo lançados no mercado são jovens e ainda não
METODOLOGIA têm grande experiência — o que não justifica a falta de
interesse e/ou conhecimento.
Trata-se de um estudo do tipo exploratório-des- No que concerne à avaliação e ao tratamento de
critivo, de natureza quantitativa, que foi desenvolvido feridas, percebeu-se que o maior índice de acertos —
no Centro de Ciências da Saúde, no Campus I da Uni- 68(97%) — refere-se à questão sobre a forma correta de
versidade Federal da Paraíba, localizado no município classificar uma ferida de acordo com o trauma que a
de João Pessoa. A amostra foi constituída por 70 alunos. ocasiona. Por sua vez, o maior índice de erros — 49(70%)
Para seleção do conjunto amostral foram obedecidos os — relacionou-se à questão sobre o tipo de cobertura
seguintes critérios: estar matriculado e cursando o 8o ou mais adequado para o tecido de granulação. Em suma, o
9o períodos do Curso de Graduação em Enfermagem, índice de acertos variou de 20% a 97% e o índice de
estar presente no período de coleta de dados e aceitar erros variou de 3% a 70%, conforme dados da Tabela 1.
participar do estudo.
Os dados foram coletados durante as reuniões
agendadas pelas coordenações dos Estágios Supervisio- TABELA 1: Distribuição do desempenho dos acadêmicos de
enfermagem conforme o conhecimento (questões) sobre avaliação
nados I e II, no período de março a maio de 2009, medi- e tratamento de feridas. João Pessoa – PB, 2009. (N=70)
ante a utilização de um questionário. O mesmo foi com-
Questões Objetivas Acertos Erros
posto de duas partes: a primeira relativa aos dados f % f %
sociodemográficos; a segunda, referente ao conhecimen-
Por que é feita a avaliação
to dos acadêmicos de enfermagem em relação à avalia- de uma ferida? 67 96,0 3 4,0
ção e ao tratamento de feridas, composta por questões Identifique cada tipo de exsudato
objetivas e subjetivas. de acordo com suas características 61 87,0 9 13,0
A análise dos dados ocorreu entre os meses de Caracterize o leito da lesão
identificando a cor do mesmo 34 48,5 36 51,5
abril e junho de 2009, tendo sido utilizado para com- Quanto ao mecanismo que ocasiona o
putação dos dados o Editor Estatístico Excel versão trauma classifique as feridas de acordo
Microsoft Windows 2007, cujos resultados foram orga- com a sua respectiva descrição 68 97,0 2 3,0

p.550 • Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18(4):547-52. Recebido em: 12/07/2010 – Aprovado em: 03/09/2010
Artigo de Pesquisa Santos AAR, Medeiros ABA, Soares MJGO, Costa MML
Original Research
Artículo de Investigación

Esse alto índice de erros dos sujeitos na questão processo infeccioso na ferida. Ver Tabela 2.
citada precisa ser revertido/superado, mediante cons- Portanto, percebe-se um índice elevado de des-
tante atualização, seja em relação às novas técnicas usa- conhecimento de características importantes de se-
das no tratamento de feridas como quanto aos novos rem identificadas no processo de avaliação de feridas,
curativos e coberturas. Porém, no questionamento que que pode contribuir para que muitas lesões, que po-
correlaciona tipos de coberturas de curativos com suas deriam ser precocemente tratadas, venham a evoluir
indicações, observou-se um maior número de acertos, para um estado em que o processo cicatricial seja re-
pois 40(57%) acadêmicos correlacionaram de forma tardado e consequentemente prolongar o tempo de
correta essas duas variáveis. reverter o quadro infeccioso.
No que se refere aos objetivos da avaliação de uma A avaliação das respostas dadas à questão refe-
ferida, tais como: para descrever de forma objetiva o que rente à importância da busca de informações sobre o
está sendo visto; para desenvolver um plano de cuida- histórico da ferida durante sua avaliação resultou nas
dos com estratégias de tratamento; para monitorar a seguintes categorias: a categoria correta, parcialmente
eficácia das estratégias de tratamento e acompanhar a correta e incorreta.
evolução; e para haver documentação sobre o cuidador,
A categoria correta compreende as seguintes res-
67(96%) acadêmicos concordaram com os objetivos
postas: é de fundamental importância buscar infor-
anteriormente citados e apenas três acadêmicos desco-
mações sobre o histórico e a apresentação da ferida
nhecem os reais propósitos da avaliação de uma ferida.
(localização, tempo, causa, entre outros). A anamnese
Analisou-se ainda o conhecimento dos acadê- no tratamento das lesões é de extrema importância,
micos acerca das características de uma ferida com pois através da mesma pode-se detectar o tipo de lesão
sinais de infecção, tais como: exsudação purulenta e qual o procedimento mais adequado àquela ferida, ou
(cor da exsudação, da crosta da superfície da ferida e o seja, é necessária uma avaliação inicial abrangente, para
odor dependem da bactéria causadora da infecção), que seja traçado um tratamento eficaz. Essas informa-
hipertermia, eritema, dor e calor local e edema7,8. ções irão servir como parâmetros para a implementação
do tratamento e sua eficácia, assim como para a poste-
TABELA 2: Distribuição das respostas dos acadêmicos de rior avaliação evolutiva da ferida7.
enfermagem acerca das características de uma ferida com sinais A categoria parcialmente correta compreende as
de infecção. João Pessoa – PB, 2009. (N=70)
repostas que possuem pelo menos um dos itens con-
Ite n s siderados na categoria correta. A categoria incorreta
Sinais de Citados Não citados
In fec ç ã o f % f % compreende as respostas que não possuem nenhum
dos itens considerados na categoria correta.
Exsudato purulento 60 85,7 10 14,3
Eritema 48 68,6 22 31,4 Diante do exposto, observou-se o conhecimen-
Odor fétido 33 47,1 37 52,9 to dos acadêmicos acerca da importância da busca de
Dor 31 44,3 39 55,7 informações sobre o histórico da ferida. Nesse quesi-
Calor 27 38,6 43 61,4 to, 100% dos participantes responderam sim para o
Hipertermia 16 22,8 54 77,2 questionamento; porém, quando solicitados a justifi-
Edema 11 15,7 59 84,3 car a sua resposta, foram obtidos os seguintes resulta-
Tumor/Necrose/Fibrina 11 15,7 59 84,3
dos: 8(11,5%) não responderam; 33(53,3%) partici-
pantes justificaram a sua escolha de forma parcialmente
correta; 29(46,7%) de maneira incorreta e ninguém res-
Observou-se que os acadêmicos reconhecem pondeu de forma correta, conforme dados da Figura 1.
como sinais de infecção a presença de exsudato puru-
lento citado por 60(85,7%) acadêmicos. O eritema foi
apontado por 48(68,6%) pesquisados. O odor fétido
foi mencionado por 33(47,1%) acadêmicos. A dor foi
citada por apenas 31(44,3%) dos pesquisados e com
um índice bastante significativo de 39(55,7%) que não
souberam reconhecer esse sintoma como um indicativo
de infecção. Outros itens considerados de grande sig-
nificado para caracterizar uma lesão com indicativo de
processo infeccioso são calor, hipertermia e edema;
entretanto, a maioria dos acadêmicos investigados os
desconhecem: 59(84,3%) — para o edema, 54(77,2%)
— para hipertermia e 43(61,4%) — para o calor. Ain-
FIGURA 1: Classificação das respostas dos acadêmicos de
da houve acadêmicos que citaram características como enfermagem acerca da importância de buscar informações
tumor, necrose e fibrina como sinais indicativos de sobre o histórico da ferida. João Pessoa-PB, 2009. (N=62)

Recebido em: 12/07/2010 – Aprovado em: 03/09/2010 Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18(4):547-52. • p.551
Avaliação e tratamento de feridas Artigo de Pesquisa
Original Research
Artículo de Investigación

Assim, o que se pode observar é que o índice de REFERÊNCIAS


erros, somado ao índice daqueles que não souberam 1.Morais GFC, Oliveira SHS, Soares MJGO. Avaliação de
justificar, totaliza 37(52,8%) acadêmicos, ou seja, a feridas pelos enfermeiros de instituições hospitalares da rede
maioria tem consciência da importância da busca de pública. Texto contexto - enferm. [periódico na Internet]
informações sobre o histórico da ferida, porém não 2008 [citado em 05 set 2008]. 17. Disponível em: http://
sabe o porquê dessa busca, seu objetivo e benefícios www.scielo.br/scielo.php.
2.Sousa LB, Torres CA, Pinheiro PNC, Pinheiro AKB. Práti-
que ela pode trazer nos momentos de se instituir, cas de educação em saúde no Brasil: a atuação da enferma-
manter e avaliar um tratamento para determinado gem. Rev enferm UERJ. [periódico na Internet] 2009 [citado
tipo de ferida. em 14 jul 2010]. 18. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/
v18n1/v18n1a10.pdf.
3.Silva LD, Pereira SR, Mesquita AMF. Procedimentos de
CONCLUSÃO enfermagem: semiotécnica para o cuidado. Rio de Janeiro:
Medsi, 2004.
O enfermeiro deve realizar a avaliação das feri- 4.Jorge SA, Dantas SRPE. Abordagem multiprofissional do
tratamento de feridas. São Paulo: Atheneu; 2003.
das, do paciente e de suas condições, considerando os
5.Smeltzer SC, Bare BG. Tratado de enfermagem médico-
fatores que possam influenciar na cicatrização. Ele cirúrgica. 10a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.
deve ter uma visão ampla em relação ao tratamento 6.Silva DM, Mocelin KRO. Cuidado de enfermagem ao cli-
de uma ferida, pois o papel desse profissional não se ente portador de feridas sob a ótica do cuidado transcultural.
resume apenas a executar os curativos, mas avaliar e [site de internet] 2008 [citado em 08 out 2008]. Disponível
intervir em cada fase do processo cicatricial, assistin- em: http://www.hospitaldecaridade.com.br.
7.Peruzzo AB, Negeliskii C, Antunes MC, Coelho RP;
do com qualidade. Tramontini SJ. Protocolo de cuidados a pacientes com lesões
Na formação, durante o curso de graduação, o de pele. Revista Técnico-Científica do Grupo Hospitalar
acadêmico de enfermagem deve obter conhecimen- Conceição, Mom e Perspec Saúde. [periódico na Internet]
tos suficientes para, na sua vida profissional, cuidar 2005 [citado em 05 set 2008]. 18. Disponível em: http://www2.
ghc.com.br/GepNet/lesoesdepele.pdf.
de pacientes portadores de ferida. O tratamento de 8.Ferreira SRS, Périco LAD. Assistência de enfermagem à
lesões não é uma ação simples e demanda, além do pacientes com feridas em serviços de atenção primária à saú-
comprometimento do profissional com a ética, uma de. Revista Técnico-Científica do Grupo Hospitalar Concei-
base de conhecimentos científicos que possam subsi- ção, Mom e Perspec Saúde. [periódico na Internet] 2002 [ci-
diar uma avaliação precisa para que, através do julga- tado em 05 set 2008].16. Disponível em: http://www2.
ghc.com.br/GepNet/feridas.pdf.
mento clínico, o profissional venha a tomar decisões 9.Dealey C. Cuidando de feridas: um guia para os enfermei-
acerca do tratamento mais eficaz. ros. 2a ed. São Paulo: Atheneu, 2001.
O presente estudo permitiu avaliar o conhecimen- 10.Pereira AL, Bachion MM. Tratamento de feridas: análise
to dos graduandos de enfermagem em relação à avalia- da produção científica publicada na Revista Brasileira de En-
fermagem de 1970-2003. Rev Bras Enferm. [periódico na
ção e ao tratamento de feridas. Diante disso, a análise e Internet] 2005 [citado em 05 set 2008]. 58. Disponível em:
interpretação dos dados revelaram que os acadêmicos http://www.scielo.br/scielo.php.
devem estar em constante atualização, pois eles, mesmo 11.Cunha NA. Sistematização da assistência de enfermagem
sabendo das indicações e finalidades de uma determina- no tratamento de feridas crônicas. [site de internet] 2006
da cobertura, não conseguem relacioná-las às caracte- [citado em 08 out 2008]. Disponível em: http://www.
rísticas da ferida a ser tratada, além de apresentarem um abenpe.com.br/diversos/sae_tfc.pdf.
12.Ferreira E, Lucas R, Rossi, LA, Andrade D. Curativo do
déficit de conhecimento considerável acerca da forma paciente queimado: uma revisão de literatura. Rev esc enferm
correta de identificar características que indicam ocor- USP. [periódico na Internet] 2003 [citado em 08 out 2008].
rência de infecção na ferida e da importância da avalia- 37. Disponível em: http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/
ção e do registro diário de sua evolução. 123.pdf.
13.Alves N, Deana NF. O açúcar refinado no tratamento da
Ao término deste estudo, foi possível obter uma infecção por Pseudomonas sp em úlcera por pressão. Rev
melhor compreensão da temática, bem como verificar enferm UERJ. [periódico na Internet] 2009 [citado em 14 jul
que a amostra não possui um conhecimento suficiente 2010]. 17. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v17n2/
acerca de como avaliar e tratar lesões, o que conse- v17n2a09.pdf.
quentemente dificultará sua atuação profissional para 14.Bueno FMG, Queiroz MS. O enfermeiro e a construção da
autonomia profissional no processo de cuidar. Rev Bras Enferm
a prestação desse cuidado com qualidade. Entende-se, [periódico na Internet] 2006 [citado em 12 out 2008]. 59.
assim, que é de vital importância que sejam opor- Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v59n2/a19.pdf.
tunizadas aos alunos do estudo, não somente a realiza- 15.Santos I, Brandão ES, Clos AC. Enfermagem derma-
ção de um curso voltado para suprir o déficit de conhe- tológica: competências e tecnologia da escuta sensível para
cimento evidenciado, mas a discussão desse conteúdo atuar nos cuidados com a pele. Rev enferm UERJ. [periódico
nas diversas disciplinas da graduação, ou mesmo a cri- na Internet] 2009 [citado em 14 jul 2010]. 17. Disponível
em: http://www.facenf.uerj.br/v17n1/v17n1a23.pdf.
ação de uma disciplina curricular que contemple essa 16.Escarião R. Eles entre elas: quando a enfermagem deixa de
temática de modo a abordar todos os aspectos envol- ser, essencialmente, uma profissão feminina; Jornal Correio
vidos no processo de cuidar de lesões. da Paraíba 2009 14 jun; Cad Homem & Mulher: H1:H2.

p.552 • Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010 out/dez; 18(4):547-52. Recebido em: 12/07/2010 – Aprovado em: 03/09/2010