Você está na página 1de 2

Resumo História do Brasil

Sumário
As Grandes Navegações ............................................................................................................................................... 1
Digite o título do capítulo (nível 1) .................................................................................................................................. 4
Digite o título do capítulo (nível 2)................................................................................................................................ 5
Digite o título do capítulo (nível 3) ........................................................................................................................... 6
1. As Grandes Navegações

Durante a Idade Média, o comércio entre a Ásia e a Europa era intermediado principalmente pelos árabes.
Os comerciantes europeus sabiam que poderiam ter lucros maiores caso dispensassem os intermediários e
adquirissem as mercadorias diretamente de seus produtores, nas Índias (nome pelo qual chamavam todas
as terras do leste da Ásia). Para escapar dessas cobranças, muitos mercadores europeus começaram a
procurar rotas alternativas em direção às Índias. Isso provocou uma grande busca por informações
geográficas e marítimas. Nesse processo, quem saiu na frente foi Portugal. Entre os fatores que explicam
esse pioneirismo, podem ser destacados: a posição geográfica do país, extremamente favorável às
navegações, já que Portugal, banhado pelas águas do Atlântico, era o reino mais ocidental da Europa; a
existência de um poder centralizado e de um Estado unificado, sem dissensões internas; e a longa
experiência de pescadores e marinheiros lusitanos na costa do Atlântico. Até o século XIV, o conhecimento
que se tinha na Europa a respeito de outros lugares do mundo era bastante restrito e cheios de mistérios
como “monstros do mar”.

Os feitos portugueses estimularam o interesse de navegantes de outras regiões da Europa em descobrir um


caminho alternativo para as Índias. Um deles era o genovês Cristóvão Colombo. Acreditando na esfericidade
da Terra, Colombo argumentava que a forma mais rápida de se chegar às Índias a partir da Europa seria
pelo oceano Atlântico. Segundo sua tese, para se chegar ao Oriente seria preciso navegar para o Ocidente.
Ele pediu apoio da coroa portuguesa para financiar seu projeto, mas foi recusado. Foi então que ele recebeu
ajuda da coroa espanhola. Colombo avistou terra firme. Acreditou ter chegado às Índias, em 1492 em San
Salvador na América Central.

O feito de Colombo levou os governos de Portugal e da Espanha a se envolverem em uma disputa a


respeito de qual dos dois países teria primazia sobre as “novas” terras. Como não chegavam a um acordo,
os reis de Portugal e Espanha pediram ao Papa Alexandre VI que servisse de juiz na disputa. Em 7 de junho
de 1494, com o testemunho do papa, representantes dos dois governos chegaram finalmente a um acordo
e assinaram o Tratado de Tordesilhas. As terras já encontradas, ou que viessem a sê-lo, a oeste desse marco
pertenceriam à Espanha. As terras situadas a leste seriam de Portugal.

Em 1500, Pedro Álvares Cabral alcançou terras a oeste do Atlântico Sul que mais tarde passariam a ser
chamadas de Brasil. No ano seguinte, o florentino Américo Vespúcio, a serviço do rei de Portugal, mapeou
essas terras, chegando à conclusão de que não faziam parte das Índias, mas sim de um novo continente
que, em sua homenagem, passou a ser chamado de América.

2.