Você está na página 1de 56

Dialética Hegeliana e Práxis:

Diaprax e o Fim dos Tempos


Autor: Dean Gotcher, 1996

Sinopse: O modo de pensar da Nova Era chama-se dialética e seu ambiente de


enganação e manipulação é chamado de práxis. Esse modo de pensar está atualmente
sendo usado nos sistemas educacionais, na segurança pública, na administração de
empresas, na política e também nas igrejas. Esse processo combinado de dialética e
práxis é um modo de se comportar, de pensar e de agir que é altamente especulativo e
depende de uma atitude de contemporização por parte de todos os participantes, o
consenso do grupo, que é obtido sob a liderança de um facilitador treinado. O consenso
é a aprovação unânime do homem e a rejeição das leis de Deus como padrão para o
comportamento individual e social. O paradigma da dialética rejeita a palavra de Deus
como autoridade final e se volta para as fábulas e as opiniões dos homens. A chave para
o pensamento dialético é o direito de questionar, zombar e ridicularizar o paradigma
tradicional da didática, da autoridade e de toda a sociedade patriarcal instituída por
Deus.

O Processo do Consenso pode ser rastreado até o Jardim do Éden, quando a serpente
entrou em um diálogo com Eva a respeito da Palavra de Deus e a convenceu que a
atitude correta a tomar era a da rebelião. Portanto, Lúcifer foi o primeiro facilitador.

Para o cristão evitar a contemporização e permanecer firme na verdade de Deus, é


necessário compreender os objetivos e as estratégias de operação do Processo do
Consenso, bem como toda a lavagem cerebral que produz na sociedade. Neste livreto, o
autor Dean Gotcher explica o Processo Dialético, que é a base dos programas da
educação progressiva (aprendizado por toda a vida), o Gerenciamento da Qualidade
Total, o Policiamento Comunitário e o Movimento de Crescimento de Igrejas, as
dinâmicas de grupo, dissonância cognitiva, mudança de paradigmas e seus papéis na
reestruturação da sociedade. O propósito é ajudar os cristãos a se prepararem para
resistir às pressões sutis e manifestas para se conformarem às novas crenças e valores
globais e se tornarem "pensadores de grupo". O autor refuta a cosmovisão moderna
com autoridade, com uma pesquisa responsável e um sólido fundamento bíblico.

"Confia no SENHOR de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio


entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas
veredas. [Provérbios 3:5-6].

"Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para


salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Porque nele se
descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé."

"Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos
homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer
neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde
a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e
claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;
porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram
graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se
obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus
incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de
quadrúpedes, e de répteis."

"Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia,


para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e
honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente.
Amém."

"Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres
mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os
homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns
para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si
mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de
ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para
fazerem coisas que não convêm; estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição,
malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;
sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos,
presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis
nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; os quais,
conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam),
não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem." [Romanos 1:16-
32].

Prefácio
Devido aos muitos encontros em que tenho falado nos últimos anos, de onde muitas
pessoas saíam sem entender direito o que tinha sido abordado, ou pensando se o que
fora dito era algo "útil", tornou-se necessário colocar em papel o que, para mim, é um
processo não somente doloroso como também difícil de explicar. Se alguém aguardava
uma oportunidade de me acusar de louco, certamente tem agora a chance de fazer isso.
O assunto que estarei abordando neste pequeno trabalho é, para mim, exatamente isto
— loucura. Tolice seria uma palavra mais apurada, especialmente em relação àqueles
que passaram suas vidas planejando a implementação de um processo como esse sobre
a humanidade. Como você pode explicar algo que parece sábio, mas, na realidade, é
insano, especialmente para as pessoas que só querem saber daquilo que faz sentido?
Estou preparado para ouvir de algumas pessoas com as quais compartilharei estas
informações algo como: "Desculpe-me, mas tenho de ir lavar a louça!" Qualquer
resposta desse gênero serve. Todos nós temos coisas melhores para fazer em nossas
vidas do que lidar com essa loucura. Mas cá estamos nós e, se nada for feito, a loucura
dominará nossas vidas.

Este é um projeto apressado, não somente porque o tempo para uma reação parece
estar acabando, mas também porque eu pessoalmente já tive o bastante disso, e muitas
vezes, quero desesperadamente me afastar. "Vá aproveitar a vida!" algumas vezes vem
à minha cabeça. Parece que os peregrinos foram os que tiveram essa oportunidade. Eu
não acredito que exista algum lugar para se fugir desse processo nos dias de hoje.
Entretanto, meu refúgio é verdadeiro e seguro. Apesar de toda essa minha reclamação,
Deus sempre se mostrou fiel. Algo que não posso dizer com relação a mim mesmo ou
meus companheiros humanos.
Eu compartilho em todas as apresentações que "o mais importante evento que ocorreu
na minha vida foi quando eu me entreguei ao Senhor Jesus Cristo". É Nele que recebo a
alegria, a paz e o amor que me sustentam no meio desta geração perversa. Percebendo
que esta geração inclui eu mesmo, é extremamente maravilhoso que Ele me perdoe
mesmo que eu falhe com Ele repetidas vezes. Isso é algo que os psicólogos sociais
nunca serão capazes de aceitar, pois a minha salvação não reside na área cinzenta da
lógica humana, onde os fatos se tornam ambíguos, os sentimentos se tornam
ambivalentes e a justificação se torna automática. Minha salvação não reside em
"pensamentos de ordem elevada" ou na "unicidade cósmica", mas nas palavras práticas
"Está escrito" e "Está consumado!" e Naquele que proferiu essas palavras mais de 2000
anos atrás. Ele me deu Seu repouso, não a dissonância cognitiva, o estresse caótico e
de gerenciamento de conflitos promovido pelos psicólogos sociais da atualidade.

Os assim-chamados sábios dos dias de hoje podem procurar controlar nossas escolas,
nossas empresas e a política, mas um dia eles perceberão que não controlam a
eternidade. Com seus suaves "Esta é a sua opinião!" em resposta a "Está escrito" e
"está consumado!", tudo o que posso dizer é: "No dia do julgamento, qual ponto de
vista será o mais importante, o seu, o meu, ou o de Deus?" Eu me protejo no fato de
que Deus nos disse somente para vestirmos Sua armadura e nos mantermos ocupados
até Seu retorno, confiando e obedecendo à Sua palavra, e não buscar nossa própria
salvação na unidade com o cosmos, que parece ser tão prevalente não somente no
mundo, mas também na igreja nos dias de hoje.

As informações a seguir não são sobre a armadura de Deus, mas sobre o esquema pelo
qual o grande enganador planeja remover nossa atenção da disponibilidade e poder
dessa armadura. Com grande tristeza observo que muitos cristãos estão participando da
remoção dessa armadura em prol da harmonia mundial. Eles estão enganados e estão
tendo prazer em enganar os outros. Sejamos sábios e retornemos ao Senhor e à Sua
palavra. Afinal, é somente Nele que encontramos o verdadeiro e único propósito da
vida. Em João 14:6, Jesus Cristo disse que é o caminho, a verdade e a vida, e qualquer
um que tentar guiar aqueles que Lhe pertencem por outro caminho, não é nada mais do
que um ladrão e salteador (João 10:1).

Basta ler 2 Pedro 2:1-22 para entender o desprezo de Deus por aqueles que usam
outros caminhos na igreja. As páginas seguintes lhe dirão como outro caminho está
sendo usado não somente no mundo, mas na igreja hoje em dia. (Mateus 7:13-14) Ai
daqueles que usam a noiva de Cristo para seu próprio ganho.

- Dean Gotcher

Agradecimentos
Embora este material de pesquisa não tenha sido produzido por um comitê, existem
muitas pessoas que contribuíram para a sua produção. Eu tenho de admitir que muito
do seguinte material é o resultado da leitura de mais de 600 livros de psicologia social,
escritos por mais de 250 autores diferentes. Fiz meu dever de casa. Mas o verdadeiro
entendimento veio após 8-10 horas de leitura diária. Diversas vezes eu acordava às 2
ou 3 da madrugada com um novo entendimento, ou uma frase como "Quem define os
termos controla a sua vida." Sem esse esclarecimento de Deus eu não estaria mais
adiantado em minha compreensão do que estava seis anos atrás, quando iniciei minha
pesquisa sobre o que estava acontecendo ao meu redor nas áreas da educação,
administração, política e religião. As respostas às minhas perguntas vieram da Palavra
de Deus. Na verdade, este trabalho nada mais é do que uma confirmação da Palavra de
Deus; ela revela claramente o processo que está sendo utilizado hoje para remover
nosso desejo de confiar em Deus e obedecer à Sua palavra.

Agradeço à minha mulher, Karen, e aos meus filhos Rosanna, Kenneth e Elizabeth, por
terem me suportado enquanto eu lutava para encontrar a causa que estava por trás da
minha quase total perda de fé no Senhor. Isso aconteceu comigo enquanto tentava
obter uma graduação de professor em uma faculdade "cristã", cerca de 25 anos atrás.
Agradeço à minha mãe, Mabel Gotcher, à minha irmã mais velha Mary Richard, ao meu
genro Jason Ward e a meu pastor, Bill Yeakey, pelo seu apoio em orações e
encorajamento pessoal. Este trabalho não seria tão claro quanto está se não fossem
pelos olhos criteriosos de Renee Gotcher e Jack Philips. Agradeço imensamente; vocês
sabem como fazer uma pessoa se sentir bem.

Sem os ensinos do Dr. David Poteet sobre história européia, que me deram um
embasamento histórico e espiritual a partir do qual trabalhar, eu não teria sido capaz de
avaliar com clareza os acontecimentos na sociedade atual. Após quatro anos de
pesquisas solitárias, muitas vezes pensando que eu era o único que enxergava o que
está acontecendo (o que poderia fazer com que qualquer um questionasse sua
sanidade), Phil Ring me ligou e revelou que eu não estava sozinho, que ele via as
mesmas coisas, afirmando que minha mente estava sã. Ele é a única pessoa para quem
posso telefonar hoje e que realmente entende do que estou falando. Jack Philips,
embora não possua relação de sangue, é como um pai para mim. Seu sólido senso
empresarial, seus conselhos sábios e sua visão madura sobre a vida seriam o bastante
para que eu lhe fosse grato, mas por sua compaixão em fazer o que é certo, não
somente para sua família, mas também para sua comunidade, me fazem querer passar
mais tempo perto dele. Todos nós precisamos de amigos como esses.

Nem sempre é muito inteligente agradecer àqueles que ajudaram no caminho ao longo
de qualquer jornada, especialmente quando são muitas pessoas, porque você
eventualmente sempre se esquece de alguém. Alguns podem nem querer ser
mencionados após a leitura deste trabalho, considerando o tipo de resposta que poderei
receber. À luz dos tempos em que vivemos, quando existem aqueles que coletam listas
de pessoas para direcionar seu ataque (remediação), manterei minha lista em meu
coração. Vocês sabem quem são.

Eu digo aos meus amigos que gosto das companhias que mantenho. Existe um
remanescente fiel por aí. Existem aqueles que estão no campo de batalha e não estão
fugindo, aqueles que se recusam a retirar a armadura de Deus. Tenho o privilégio de tê-
los conhecido e me sinto pequeno perto de sua fé e coragem. Muitas vezes,
secretamente admito para mim mesmo que não poderia fazer o que eles fazem. Oro
para que este trabalho possa ser encorajador para eles e para outros que são iguais a
eles. Seria uma honra poder reuní-los em um mesmo lugar para que todos pudéssemos
nos conhecer. Terei de deixar isso nas mãos do Senhor, pois sei que Ele tem uma bela
reunião planejada — e com todas as despesas pagas.

Agradeço a todos vocês que estão arriscando suas reputações, aqueles que têm a
coragem de organizar palestras para mim, me mandam material de pesquisa, me
contatam buscando informações, e me encorajam a continuar compartilhando estas
informações, sem deixar o Senhor Jesus Cristo de fora. Muito obrigado!

- Dean Gotcher

Índice
 Diaprax e o fim dos tempos
 Os psicólogos sociais e o sonho americano
 A busca por qualidade
 Aprendizado permanente: A ética da Nova Era
 Diaprax: a busca pela satisfação das necessidades pessoais e sociais
"sentidas"
 A história de diaprax
 A doença mental de Nova Era de diaprax
 A Educação Progressiva (ou Pragmática) esta baseada em diaprax
 Para conquistar e manter o respeito aos olhos dos homens, as escolas,
faculdades e ministérios cristãos estão usando e ensinando diaprax
 O trem que não deixa nenhum passageiro descer
 De acordo com Hegel, o espírito é a razão
 Você, uma sala repleta de pessoas, um facilitador e diaprax
 Os psicólogos sociais — "potenciais criadores de desastres"
 A dialética multidimensional torna-se diaprax nas mãos dos psicólogos
sociais
 O homem caído está preso à diaprax; o homem redimido não está
 As instituições cristãs estão edificando sobre o fundamento de diaprax
 Como diaprax está estruturada
 Como diaprax vê a realidade
 Visão tradicional da realidade
 Visão transicional da realidade
 Visão transformacional da realidade
 A busca dialética por unidade cósmica: "Teu és tu, tu és teu"
 Diaprax: autoridade dissimulada — "Você tem de servir a alguém, mas não
pode servir a dois senhores"
 Quando os psicólogos sociais controlam a distribuição-troca, eles controlam
a sociedade
 As letras graúdas dão e as letras miúdas retiram
 A geração perdida
 As três fases da "aldeia global"
 Fase 1: "A Interrogação da Tese"
 Fase 2: "Controle do clima, ou do ambiente, para o propósito de criar
relacionamentos "
 Fase 3: "Aprendizado Permanente — o resultado desejado"
 O ambiente de diaprax
 Consenso dos procedimentos: Antes que diaprax possa reinar, a "primeira
causa" precisa estar disposta a abdicar
 O líder precisa facilitar, não ensinar
 Aquele que define os termos controla a sua vida
 As respostas estão nas perguntas
 A caixa de diaprax (Caixa de Pandora)
 Diaprax e fatos
 Diaprax e sentimentos
 Diaprax e raciocínio
 Diaprax em sessão
 Diaprax e auto-estima: Elogios que insultam
 Espontaneidade e regras
 O pensamento de alta ordem nas questões morais não é nada mais do que o
homem tentando justificar o pecado
 Bibliografia de pesquisa
Dialética e Práxis

Dialética: Usar o diálogo como uma maneira de resolver as


posições conflitantes. Sintetizar uma tese com seu inverso, ou
antítese. Tese + Antítese = Síntese. (A + não-A = A).

Práxis: Praticar a experiência de especular, conjecturar,


teorizar, etc.

Diaprax: O ímpeto dialético para a unidade por meio do uso


"controlado" da dissonância cognitiva, dentro do ambiente
social da práxis. A prática da dialética.

- Dean Gotcher

Diaprax e o Fim dos Tempos

Existe um grande movimento para mudar a forma como as pessoas pensam. Alguns
chamam isso de "reaculturação do Ocidente", outros chamam de "reinventar o
governo", e outros ainda se referem a isso como "ser competitivo em uma economia
global". Esse esquema que os psicólogos sociais planejaram para a educação, as
empresas e a política consiste de três fases: 1) Consciência de "classe-social"; 2)
"Mobilidade social" sustentável, e 3) "Igualdade de oportunidade" perpétua. A razão
que está por trás desses psicólogos sociais é simplesmente o ressentimento de
ter alguém com autoridade dizendo-lhes o que devem fazer. É uma rebelião
contra a autoridade. É uma rebelião contra Deus — Intelectualizada.

Essa atitude vem desde antes da experiência de Adão e Eva no Jardim do Éden e, como
você verá, "justifica-se" de acordo com um determinado método "científico" de pensar.
Este trabalho é sobre essa maneira de pensar da Nova Era, a dialética, e seu ambiente
de enganação e manipulação, chamado práxis. Essa maneira de pensar está atualmente
sendo usada nas áreas educacional, empresarial e política em todo o mundo. A resposta
para os problemas mundiais, segundo aqueles que cultuam esse processo, não se
encontra na maturidade, mas na adolescência — não se encontra no que "é", nem se
encontra no que "deveria ser", mas, ao contrário, encontra-se na combinação dos dois:
o "potencial".

Essa "nova" forma de pensar está tomando conta de todo o mundo por meio de seu uso
na educação, na administração empresarial, na política e na religão. Seja promovida por
organizações como a NEA (Associação Nacional dos Evangélicos), as Câmaras do
Comércio locais, a Organização das Nações Unidas, a UNESCO (Organização das Nações
Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), ou por meio de programas de concessão de
bolsas, como Goals 2000 e School to Work (Escola Para o Trabalho), esse processo está
tendo efeito direto em nossas vidas. Pesquisadores em todos os EUA estão nos
alertando agora sobre o perigo desses programas. Este trabalho é sobre
o processo que está por trás desses programas. Se você estiver se perguntando "O que
é isto", "Como isto me afetará?" ou "O que posso fazer a respeito disto?" as próximas
páginas são para você.

Os Psicólogos Sociais e o Sonho Americano


O psicólogo social James Coleman, que tem uma grande influência na Corte Suprema
dos EUA, escreveu o livro The Adolescent Society: The Social Life of the Teenager and
its Impact on Education (A Sociedade Adolescente: a Vida Social do Adolescente e seu
Impacto na Educação) (pág. 313, ênfase adicionada):

"A família precisa estar preparada para lidar com a sofisticação social precoce do
adolescente. A mídia de massa e uma cada vez maior gama de experiências pessoais
dão ao adolescente sofisticação social em uma idade precoce, tornando-o incapaz de
exercer o papel de criança obediente na família."

Para que a "Igualdade de Oportunidade" se torne parte do


sonho americano, a família tradicional precisa ser
enfraquecida.

Se a família pudesse resolver essa situação (o vão entre as gerações, produzido


artificialmente), Coleman acredita que isso atrapalharia a "Igualdade de Oportunidade".
Ele continua:

"A Igualdade de Oportunidade torna-se ainda maior com o enfraquecimento do


poder da família."

Ele revelou seu sonho sócio-psicológico para a América: "Igualdade de Oportunidade". O


sonho dele não pode ser alcançado se as pessoas continuarem a manter seus sonhos de
ter uma família tradicional, estruturada em torno de uma figura de autoridade. Coleman
acrescentou:

"Logo, a estratégia de fortalecer a família para atrair o adolescente de volta para ela
enfrenta sérios problemas, assim como algumas questões sobre a vontade de que
isso aconteça."

"A outra estratégia possível é exatamente o contrário disso: aceitar a sociedade


adolescente como ela é, e então usá-la para expandir os fins da educação
adolescente. Em vez de trazer o pai de volta para brincar com seu filho, essa
estratégia reconheceria que a sociedade mudou e tentaria aprimorar as instituições
criadas para educar o adolescente no seu caminho para a vida adulta. Para que isso
possa ser feito, é preciso entender como a sociedade dos adolescentes funciona e, além
disso, saber como os rumos dela podem ser mudados."

Temos de nos definir como pessoas que raciocinam antes de


seguir o caminho de uma crença e que podem raciocinar para
deixar os caminhos das crenças. — Critical Thinking: What Every Person
Needs To Survive In A Rapidly Changing World, Richard Paul, pág. 211.

Richard Paul, outro influente psicólogo social, escreveu em seu livro Critical Thinking:
What Every Person Needs to Survive In A Rapidly Changing World (Pensamento Crítico:
O Que Toda Pessoa Precisa Para Sobreviver em um Mundo em Rápida Transformação),
pág. 100:

"As crianças podem e devem aprender a tomar suas decisões de maneira pensada e
reflexiva, mas só farão isso se seus pais e professores reconhecerem o problema criado
pela inculcação de crenças. Como podemos ensinar a motivação dialética e pavimentar o
caminho para a emancipação humana?"
"O ambiente da sala de aula deve ser estruturado de forma que os estudantes se sintam
encorajados a tomar suas próprias decisões... os professores devem proteger seus alunos da
pressão para se conformaram aos pares ou à comunidade [pais, ministros, polícia, etc]." (pág. 113).

Ela [a comunidade americana] pode ainda não ter percebido


que não existe um "retorno aos princípios" na educação.
— National Education Goals Panel Community Action Toolkit, setembro de 1994.
(Manual de treinamento para o programa Goals 2000, ênfase adicionada)

"Somente fazendo aflorar as próprias idéias da criança nos cenários da dialética e da


dialógica é que a criança pode começar a reconstruir e progressivamente transcender os
conceitos [dos pais, professores, etc.]. Temos de aprender... a identificar não com o
conteúdo das nossas crenças, mas com os processos pelos quais chegamos até
elas. Temos de nos definir como pessoas que raciocinam antes de seguirem o
caminho de uma crença e que podem raciocinar para deixar os caminhos das
crenças. Para isso, precisamos aprender a agir de forma dialógica e dialética." (pág.
211; ênfase adicionada).

O Ímpeto por Qualidade

No mundo dos négocios existe uma tendência a desenvolver "qualidade". Para fazer
isso, os manuais de administração lembram os gerentes da necessidade de "reforçar o
acordo" que eles têm com líderes de departamento "que nenhuma área é sagrada", e
que eles precisam "impor a abordagem cientifica" (a dialética). Como esse processo não
lida somente com o que as pessoas produzem, mas também com o modo como elas
pensam e se relacionam em seu ambiente de trabalho (que agora inclui o lar), a
frase "nenhuma área é sagrada" toma um tom ominoso. Todos deveríamos ficar
bastante preocupados.

Na maneira tradicional de se enxergar as coisas, a qualidade é usada para descrever a


perfeição como um produto, como um carro ou uma boneca é produzido. Na
maneiratransformacional de pensar, a qualidade incorpora o ambiente total do item —
os relacionamentos de todas as pessoas que projetam, constroem, embalam, vendem,
oferecem serviços e usam um produto, incluindo você (holística).

Educação Continuada (ou Por Toda a Vida): A Ética da Nova Era

Precisamos entender que a Educação Continuada (ou Aprendizado Por Toda a


Vida) não está preocupada com o quanto as pessoas sabem (a maneira tradicional de
progredir) — por meio da avaliação e manipulação das coisas (quantidade). A
Educação Por Toda a Vida está preocupada em como as pessoas pensam (o
modo transformacional de progredir) — por meio da avaliação e manipulação das
pessoas (qualidade).

A dialética é uma maneira de pensar utilizada pelos


"intelectuais" para avaliar como as pessoas pensam;
para prever o ambiente mais eficiente para se mudar o
modo como as pessoas pensam.

Na edição de primavera da Education Record (1994), o presidente Bill Clinton declarou:


"Para que a Educação Continuada se torne realidade, uma nova ética terá de ser
introduzida na mente do povo americano." Essa nova ética está baseada na maneira
dialética de pensar, experimentada na práxis. Essa nova ética está até mesmo sendo
utilizada para unir a igreja, mudando o foco da igreja e convencendo que para ajudar a
salvar o mundo no século 21, ela terá de superar o obstáculo da segunda vinda de
Cristo — o julgamento de Deus sobre o homem por sua busca pela unicidade cósmica e
pelo pecado. Erik Fromm e outros psicólogos sociais com essa mesma mentalidade ética
vêem Satanás, e não Cristo, como o libertador da humanidade, aquele que salva o
homem, dando-lhe uma oportunidade de ser igual ao Criador (igualdade de
oportunidade) e permitindo que ele se liberte questionando o "autoritário" Criador — "É
assim que é", "Faça o que eu digo", "Porque eu digo assim", que promove uma ordem
inferior — o modo de pensar "Deus disse, eu acredito, e isto basta." Eles vêem Lúcifer
como aquele que deu a Adão e Eva o direito de "serem eles mesmos" e o direito de
"descobrirem seu potencial total". Não estou brincando quando digo que essa é a etapa
final para a reaculturação do Ocidente.

Diaprax: A Jornada em Busca da Satisfação das Necessidades


"Sentidas" no Relacionamento Social e Pessoal

A dialética é um modo de pensar usado pelos "intelectuais" para avaliar as


necessidades pessoais e sociais "julgadas" indispensáveis. A primeira consideração do
pensamento dialético é em como as pessoas se relacionam umas com as outras. Essa é
a necessidade pessoal que cada indivíduo tem de relacionamento social. O foco na
satisfação dessas necessidades não está naquilo que você pensa quando pensa nos
outros — essa é a maneira monodimensional ou tradicional de pensar (didática) —
mascomo você pensa nos outros — essa é a maneira multidimensional ou
transformacional de pensar (dialética). Os "outros" em que você pode pensar não
incluem somente família, amigos, comunidade, idéias estabelecidas, comportamento
normal e maneiras tradicionais de fazer as coisas, mas também os estranhos, os
inimigos, os estrangeiros, as idéias inovadoras, o comportamento ousado, e novas ou
diferentes maneiras de se fazer as coisas.

Esses assim-chamados especialistas então "dialetizam" as informações que coletaram de


você para que então possam predizer ou estimar a "melhor" maneira em que podem
"ajudá-lo" a resolver suas próprias necessidades pessoais e sociais de relacionamento.
Eles acreditam que por meio do uso das técnicas dialéticas de modificação de
comportamento interpessoal/intrapessoal, todo ser humano eventualmente estará
melhor preparado para um "mundo em rápida transformação".

Essas necessidades de relacionamentos pessoais e sociais são mais do que nossas


necessidades físicas e necessidades de conhecimento, mais do que uma pessoa conhece
(quantidade). As necessidades de relacionamentos pessoais e sociais, sendo avaliadas,
de acordo com o processo dialético, precisam também incluir as necessidades
emocionais ou de relacionamento — como uma pessoa se relaciona (qualidade).
Portanto, aqueles que usam a dialética estão mais preocupados com as "necessidades
sentidas". Em todo este trabalho deve ser entendido que as necessidades de relacionamento
pessoal e social sempre implicam em necessidades sentidas, não apenas necessidades físicas
(sobrevivência ou segurança) e necessidades de conhecimento (informação ou consciência).

Não é possível participar da dialética e práxis e


manter a fé em Deus.

A maneira dialética de pensar é mais comumente mencionada como Técnicas de


Pensamento de Alto Nível (chamada por alguns de HOTS, a partir da abreviação do
inglês High Order Thinking Skills). Ela ocupou as mentes de apenas um pequeno e
limitado segmento da nossa sociedade antes da virada do século 20. Foi somente
quando a práxis foi implementada nos anos 30 que o processo dialético saiu do circulo
de filósofos, professores radicais, teólogos liberais e políticos socialistas e entrou na
arena pública.

Quando a práxis se tornou uma parte do brinquedo dialético dos "intelectuais", grandes
mudanças sociais começaram a acontecer em nossa sociedade. O processo combinado
da dialética e práxis tornou possível para os intelectuais com mentalidade socialista
atingir não apenas as universidades, mas também as escolas públicas e privadas, as
grandes empresas, os pequenos negócios, os governos municipais, estaduais e o
federal, a igreja, e até mesmo os lares.

Esse processo combinado de dialética e práxis é uma maneira altamente especulativa de


se comportar, pensar e agir. Ele depende de uma atitude de contemporização de todos
os participantes com relação a um problema social comum, produzindo tolerância
favorável à ambigüidade. Ele procura um esforço cooperativo em superar as diferenças
em um esforço para encontrar um acordo nas necessidades de relacionamentos pessoais
e sociais (o consenso do grupo). Ele considera o uso de técnicas do raciocínio humano,
ou Técnicas de Pensamento de Alto Nível, na resolução de problemas pessoais e sociais,
como a coisa mais importante. Ele ajuda a determinar qual é a "melhor" ou "mais
racional" solução para os problemas de relacionamento pessoal e social. Isso não
significa que a solução encontrada seja "fato" ou "verdade" (absoluta), significa apenas
que ela é aceitável para todos como uma possível solução que pode ou deve ser
experimentada com relação aos sentimentos a fatos ambíguos.

Por causa da experiência do pensamento dialético combinado com práxis, não somente
adultos, mas até mesmo crianças da pré-escola são agora capazes de usar técnicas de pensamento
de alto nível para determinar para si próprios qual comportamento é "melhor" ou "mais racional",
capazes de usar técnicas de pensamento de alto nível para descobrir e ajudar no desenvolvimento
de seus próprios potenciais humanos, e capazes de usar técnicas de pensamento de alto nível para
"dominar" a mediação de conflitos da vida. Embora aqueles que usam e promovem esse processo o
vejam como um meio de melhorar o mundo, como um cristão que crê na Bíblia, vejo isso como uma
rebelião contra Deus e Sua Palavra.

"Livrar o homem do pecado" com a ajuda da dialética é,


conseqüentemente, privá-lo da verdadeira salvação, de seu
destino eterno." — Rene Fulop-Miller, The Power and Secrets of the Jesuits,
pág. 468.

A História de Diaprax

A estrutura fundamental da dialética, como a conhecemos hoje em dia, foi desenvolvida


no fim do século 18 e início do século 19 por filósofos como Johann Fichte e Georg
Wilhelm Friedreich Hegel. A práxis foi desenvolvida posteriormente, no inicio do século
20, pelos psicólogos sociais (marxistas transformacionais) como Georg Lukacs, Karl
Korsch e Antonio Gramsci. Outros precederam esses homens com idéias similares, mas
esses homens modificaram e cristalizaram as idéias de seus predecessores e
manifestaram "novas maneiras" de olhar para as coisas.

Kurt Lewin, de Berlin, J. L. Moreno, de Wien, e membros do Instituto de Pesquisas


Sociais de Frankfurt (Theodor Adorno, Erik Fromm, Max Horkheimer, etc.), juntos com
outros da Europa, trouxeram esse modo de pensar para a América no inicio dos anos
30. Ele agora se tornou o "novo modo básico" de se pensar na educação, nas empresas
e na política — substituindo o modo tradicional de fazer as coisas, o que é referido como
mudança de paradigma. Isso não quer dizer que homens como John Dewey ou Max
Weber não pensavam dessa forma — eles pensavam. No caso de Dewey, ele conhecia o
raciocínio dialético e a experiência da práxis a partir de seu contato com homens com
essa mentalidade enquanto estudou e viajou pela Europa. No entanto, ele só foi capaz
de lançar o fundamento para os psicólogos sociais (agentes de mudança) que o
sucederiam, como Kenneth Benne, Warrens Bennins, Ronald Havelock, Edward Glaser,
Richard Bandler, Carl Rogers e Abraham Maslow.

Esses psicólogos sociais acreditavam que o homem e a sociedade só encontrariam a


união por meio de uma experiência coletiva intelectual baseada no pensamento
"cientifico" dialético. Eles acreditavam que a harmonia social e a paz mundial viriam
somente com a união (síntese) de opostos, como o setor privado e o setor público, o
indivíduo e o grupo, o pensador e o trabalhador, o aprendiz e o facilitador, o imaturo e o
maduro. Eles acreditavam que isso só seria possível com a facilitação do pensamento
dialético em um grupo de atividades criado por eles mesmos, que eu chamo de diaprax.

A Doença Mental de Nova Era de Diaprax

Chamo essa doença mental 'progressista', de Nova Era e socialista


de diaprax (dialética + práxis). A dialética requer que todos seus usuários estejam
inclinados a questionar quaisquer fatos ou posições previamente estabelecidas. Já
a práxis requer que todos experimentem de maneira pessoal o comportamento
dialético em um ambiente facilitado (sob a liderança de um facilitador), de pensamento
de grupo, onde todos devem participar. O uso de diaprax leva ao abandono da fé em
uma autoridade manifesta (Deus, pais, professores, nação, etc.), resultando em um
desafio contra essa autoridade. O uso de diaprax cega o usuário de sua dependência de
uma autoridade manifesta, resultando em uma dependência da autoridade dissimulada,
em vez de confiar na autoridade manifesta. A autoridade dissimulada está preocupada
somente em usurpar a posição da autoridade manifesta de influenciar os outros.

Diaprax leva a uma deficiência na capacidade de julgar e a um torpor moral. Embora


alguns possam ver aqueles que usam diaprax como sendo "moralmente problemáticos",
eu os vejo como pecadores que se opõem à autoridade de Deus. Diaprax, ou a
habilidade de raciocínio em ordem elevada, é apenas uma arte de justificar o
pecado.Diaprax justifica a rebelião contra as autoridades manifestas e frustra a escolha
entre o certo e o errado (certo e errado que estão estabelecidos, evidentes, conhecidos,
fechados, e sujeitos à vontade da autoridade manifesta). Diaprax justifica a submissão
a uma autoridade dissimulada e encoraja apenas a escolha de potenciais — potenciais
que serão descobertos, potenciais ambíguos, desconhecidos, abertos, e sujeitos à
mentira e à manipulação pela autoridade dissimulada. Portanto, soberania, jurisdição e
direitos inalienáveis, todos os quais requerem uma autoridade manifesta, deixam de ser
um assunto de interesse dentro da experiência do diaprax, exceto para serem alvo de
zombaria e ridicularização.

"Nas questões práticas, as circunstâncias nos forçam a


contemporizar." — John Dewey, Experience & Education, pág. 17.

"Até aqui os filósofos somente interpretaram o mundo de


diversas maneiras; a questão agora é transformá-lo." — Karl
Marx, Thesis on Feurbach: 11th Thesis.

"Uma mudança bem-sucedida inclui, portanto, três aspectos:


descongelar (se necessário) o nível atual, avançar para o
próximo nível, e congelar a vida grupal no novo nível." — Kurt
Lewin, Human Relations, pág. 34.

"As relações sociais incluem a idéia de se tornar (o homem


muda continuamente com a mudança das relações sociais)." —
Antonio Gramsci, Cadernos do Cárcere. [tradução nossa].

Enquanto que "sem fé é impossível agradar a Deus", é impossível agradar


a diaprax sem a dúvida. John Dewey chamava isso de "dúvida honesta". Quando nós
(ou nossos filhos) somos facilitados em como questionar a autoridade, os padrões pré-
definidos, as verdades, ou fatos que produzem a dúvida, estamos aprendendo a
questionar a Deus e a não ter fé Nele. Precisamos reconhecer o autor de diaprax e para
quem ela foi criada para auxiliar o homem a servir: Satanás.

A Educação Pragmática, o Gerenciamento da Qualidade Total (TQM) e


o Programa Escola Para o Trabalho (STW) Estão Todos Baseados em
Diaprax

Todos os métodos contemporâneos de educação, administração empresarial e política


(pública e privada) estão utilizando diaprax. "As Taxonomias de Bloom", por exemplo,
são dois livros que foram desenvolvidos com base em diaprax. No entanto, ambos os
livros, Taxonomy of Educational Objectives: Cognitive Domain (Taxonomia dos Objetivos
Educacionais: Domínio Cognitivo) e Taxonomy of Educational Objectives: Affective
Domain (Taxonomia dos Objetivos Educacionais: Domínio Afetivo) estão sendo utilizados como
base para treinamento em ensino, administração empresarial e administração pública. No primeiro
livro, Bloom escreve: "Reconhecemos o ponto de vista que a verdade e o conhecimento são apenas
relativos e que não existem verdades rígidas e rápidas para todos os tempos e lugares." [pág. 32].

As Taxonomias de Bloom não são nada mais que satanismo


secularizado e bruxaria intelectualizada.

Bloom e seus co-autores admitem que o propósito de sua obra é mostrar como "desafiar
as crenças estabelecidas dos alunos". No segundo livro, eles admitem que estejam
"abrindo a Caixa de Pandora", que não têm certeza se aquilo que estão fazendo é uma
coisa boa, e que isso logo irá se tornar o foco de controvérsia. Você já conheceu algum
administrador, gerente ou político que promovia o sistema de diaprax da Educação
Progressiva (ou Pragmática), o Programa de Qualidade Total, e o programa Escola Para
o Trabalho e que admitia o que eles realmente estavam fazendo? A maioria, creio eu,
não sabe ou se preocupa em saber — e se soubessem, eles não lhe diriam.

Eu me refiro às Taxonomias de Bloom como satanismo secularizado e bruxaria


intelectualizada. Essas obras requerem que todos que as utilizem façam exatamente o
que Adão e Eva fizeram no Jardim do Éden: questionem a "Primeira Causa" (Deus). Para
que todos descubram "seus verdadeiros eu" ou "o total potencial", esses livros requerem
a participação em diaprax com a ajuda de um facilitador especialista (Satanás).
Qualquer pessoa que estude de verdade e realmente compreenda os livros de Bloom
chegará à mesma conclusão. Parece que muitos cristãos em altas posições de influência,
como pastores, administradores, conselheiros, etc., não se preocuparam em examinar
totalmente aquilo que estão utilizando para levar adiante seu chamado.
Após ler centenas de livros de psicólogos sociais, como Abraham Maslow, Carl Rogers,
Kurt Lewin, Warren Bennis, Antonio Gramsci, Lawrence Kohlberg, Ronald Havelock,
Richard Bandler e Ronald Lippitt, as evidências são abundantes e a intenção é clara
quanto ao uso que eles fazem desse processo. Embora alguns possam ingenuamente se
referir a esse processo como a "reaculturação da América", eu o reconheço como um
plano deliberado dos psicólogos sociais de eliminar toda e qualquer fé e a obediência a
Deus.

No entanto, apesar das evidências, os administradores e professores universitários


cristãos não estão apenas voluntariamente ensinando outros professores e
administradores a como pensar, sentir e se comportar de acordo com esses livros, mas
também os estão treinando em maneiras de implantar diaprax em todos os níveis
educacionais, tanto públicos como privados. Se essas escolas negarem tal fato, é muito
provável que sejam ignorantes quanto ao funcionamento do processo, negando sua
presença, ou estão simplesmente mentindo.

Para Obter e Manter o Respeito aos Olhos dos Homens, as Escolas,


Universidades e Ministros Cristãos Estão Usando e Ensinando Diaprax

Em sua busca por segurança financeira e o desejo de ganhar ou reter o respeito dos
homens, as instituições cristãs estão adotando diaprax — implementando-a como ela
chega até eles por meio do processo de reconhecimento por parte do Ministério da
Educação. Sem entender por completo o que estão fazendo (espero que seja apenas
falta de conhecimento) eles estão abdicando de sua autoridade dada por Deus a
respeito desse diaprax humanista.

Ao serem enganados a usarem a estrutura de diaprax para "ajudá-los" a promover a


causa do cristianismo, os líderes cristãos estão apenas cobrindo esse processo diabólico
com o conteúdo das Escrituras. Isso não apenas permite que diaprax continue seu
trabalho de enganação e manipulação, mas também permite que cresça além dos
limites em que possa ser impedida pelos líderes cristãos quando eles perceberem o
caminho errado que seguiram.

Diaprax engana não somente os inocentes, mas também os "sábios" e estabelece todos
eles em sua estrutura ímpia. Grandes ministérios cristãos estão sendo seduzidos
conforme vão incorporando novas técnicas de administração baseadas em diaprax para
ajudá-los a fazer o marketing de seus ministérios. Qualquer um que reclame quando vê
isso acontecer é rotulado como um "resistente a mudanças". O "atalaia sobre a
muralha" precisa ser neutralizado para que diaprax permaneça sem ser
detectada.

Muitos cristãos criteriosos ficam confusos e atormentados quando se encontram debaixo


da liderança de pastores que em vez de pregar, facilitam e dialogam a Palavra de Deus.
Eles ouvem a Palavra de Deus (conteúdo), mas sentem algo drasticamente errado na
forma como ela é apresentada ou aplicada no ministério (na estrutura). Pelo fato de o
conteúdo sempre estar baseado na estrutura, quando o conteúdo da Palavra de Deus é
aplicado na estrutura de diaprax, eventualmente apenas as Escrituras que promovem e
sustentam a construção de relacionamentos humanos serão enfatizadas, e os versos
que podem atrapalhar o "crescimento" do ministério serão negligenciados,
banalizados ou reinterpretados.

Em vez de nos instruir em conhecer, confiar e obedecer a Palavra de Deus, existe hoje
uma ênfase em sentir e refletir em como podemos modificar ou redefinir a Palavra de
Deus de modo a promover os relacionamentos humanos. As revistas da Escola
Dominical estão usando diaprax para ajudar os cristãos a se relacionarem
melhor entre si mesmos e com o mundo, pedindo que os alunos se concentrem
no que eles pensam ou como se sentem com relação à Palavra de Deus. Isso é
algo que o próprio Jesus Cristo nunca fez nem pediu que alguém fizesse, mas é algo que
Satanás sempre faz e pede para que todos também façam.

O Trem Que Não Deixa Ninguém Descer

A dialética de Hegel foi a causa das duas guerras mundiais e muitas outras
guerras entre elas e depois. Um historiador disse que, durante o século 20, todos os
governos que usaram esse processo combinado foram responsáveis pela morte de mais
de 250 milhões de seus próprios cidadãos. O aborto, como o Holocausto, não poderia ter
se tornado lícito sem a ajuda do raciocínio dialético. Onde quer que esse processo tenha
sido usado, ele produziu morte e desespero, ao mesmo tempo em que prometia vida e
prosperidade.

Em algum lugar dentro do processo existe um botão que confunde a mente dos homens,
entorpece seus sentimentos e congela suas respostas. Cientes de que algo está
ganhando o controle sobre eles e não sendo capazes de explicar o que é, eles são
incapazes de desenvolver qualquer reação que impeça o processo. Esse gatilho desliga a
atenção dos homens do perigo iminente (história do passado ou história profunda,
percepção profunda) e congela sua habilidade de resistir ao processo (indecisão). O
torpor sentido pela pessoa vem do medo da possível alienação e da perda do respeito
por causa da incapacidade de explicar a diferença entre o que a pessoa diz que acredita
(preto e branco) e o que ela faz ou deseja fazer (área cinzenta). Isso produz
sentimentos que não estão baseados na Palavra de Deus, mas que são na verdade
baseados no medo de perder o respeito aos olhos dos outros. Esse tipo de temor evita
que a pessoa tenha uma reação imediata ou eficiente. Esse medo não é de Deus, "Pois
Deus não nos deu o espírito do medo, mas o do poder, do amor e de uma mente sã." [2
Timóteo 1:7].

Ninguém que subiu nesse trem encontrou freios para fazê-lo parar. A história nos mostra que uma
vez que esse trem sai da estação, não existem paradas para descer. A ajuda pode vir apenas de
alguém de fora e com um grande custo para todos. Tivemos que salvar os europeus desse trem
duas vezes, destruindo-o. Se nós mesmos subirmos nesse trem, quem virá nos salvar? E a que
custo?

"É Necessário uma Aldeia Para Criar uma


Criança"
"Não é o individualismo que completa o indivíduo, ao contrário,
ele o destrói. A sociedade é o catalisador pelo qual a liberdade
e a individualidade se tornam realidades." — John Lewis, The Life
and Teaching of Karl Marx, pág. 56.

"O trabalho social útil e seus resultados determinam o status


social de uma pessoa na sociedade."

"Os cidadãos estão obrigados a se preocuparem com a


educação de seus filhos, a treiná-los para o trabalho útil na
sociedade e a criá-los como membros dignos da sociedade
socialista." [Artigos 14 e 66 da Constituição da ex-URSS.].

O Espírito da Razão, Segundo Hegel

Foi decidido pelos filósofos que o mínimo denominador comum na sociedade é a mente.
(Descartes: "Penso, logo, existo.") Portanto, o meio pelo qual diaprax deve funcionar,
de acordo com eles, é raciocinando (Vernumft), ou "Habilidade de Pensamento de Alta
Ordem" e não somente conhecer (verstehen) ou aprendendo por meio dos métodos
tradicionais, como decorar, ou o ensino didático. De acordo com os psicólogos sociais,
para que um grupo de indivíduos ou uma comunidade (Gemeinshaft) que estão
memorizando e obedecendo aos padrões ou regras pré-estabelecidos (Verstehen) se
tornarem parte de uma sociedade global maior (Gesellshaft), em que todos possam ser
capazes de se relacionar racionalmente (Vernunft), então diaprax deve ser
experimentada e vivenciada por todos.

Embora Hegel não tenha se referido abertamente às fases da dialética como Tese,
Antítese e Síntese em suas obras, não existe nenhuma disputa entre os estudiosos
quanto ao posicionamento e relacionamento dessas fases dentro de seu processo. Essas
três fases que compõem a estrutura do processo podem categorizar (taxonomizar)
muitas coisas diferentes, dependendo do assunto que está sendo discutido (conteúdo)
como indivíduo, comunidade, organização, governo, sociedade e as maneiras de pensar,
sentir, se comportar, etc.

A estrutura da dialética, composta pelas fases da TESE, ANTÍTESE e SÍNTESE, é


usada pelos psicólogos sociais para representar diferentes facetas da sociedade
(tradicional, transicional, transformacional; ou capitalista, anarquista, socialista). A
estrutura também pode representar a forma como reagimos e pensamos quando
lidamos com problemas em nossas vidas (tese: obedecer as regras e confiar nos fatos;
antítese: seguir os sentimentos; ou síntese: simplesmente se comportar de acordo com
as técnicas de raciocínio).

A TESE pode representar sua opinião original sobre qualquer assunto — obedecer aos
fatos, acreditar "que é sempre errado mentir". A ANTÍTESE seria então uma opinião
inversa ou diferente do mesmo assunto — seguir os sentimentos, acreditar que "é
correto mentir para se livrar de uma situação ruim". Logo, a SÍNTESE representa então
uma contemporização, a busca da união apesar das opiniões divergentes para resolver
um problema comum — racionalmente justificar um determinado comportamento,
acreditar que "é certo mentir desde que isso seja justificável em determinadas
situações, se beneficiar outras pessoas e não fizer mal a ninguém".

Você, uma Sala Cheia de Gente, um Facilitador e Diaprax

Sentado em uma sala com outras pessoas, você pode classificar a si próprio, primeira
pessoa, ou "eu", como TESE, as outras pessoas, não primeiras pessoas, ou "não eu",
como ANTÍTESE, e o que todos possuem em comum, inclusive você, primeira pessoa e
não primeira pessoa "nós", como SÍNTESE. Portanto, TESE é aquilo que você acredita
ser verdade para si mesmo; ANTÍTESE é o que todos acreditam ser verdade para eles
próprios; e SÍNTESE é o que você e outros podem racionalmente vir a concordar ser
verdade para todos. É assim que os socialistas ou marxistas criaram seu lema e agenda
de "Um por todos e todos por um", em que a verdade individual é relativa às
necessidades sociais dos muitos e a verdade dos muitos deve considerar as
necessidades pessoais dos poucos, ou de um só. Neste ciclo dialético, tudo é relativo,
mutável e harmoniosamente desviante. Isso é o que os psicólogos sociais chamam
de heurística, a palavra deles para mudança.

Por exemplo, enquanto você está sentado em uma sala com sua mente raciocinando
sobre suas próprias preocupações pessoais (TESE — "minhas preocupações'), os outros
estão na mesma sala com suas mentes, raciocinando sobre suas próprias necessidades
particulares. (ANTÍTESE — "as preocupações deles" ou "preocupações que não são
minhas"). Portanto, para que todas as pessoas na sala encontrem harmonia social
(SÍNTESE — "nossas preocupações"), elas precisam primeiro ser confrontadas ou
serem facilitadas a encontrar alguma questão ou problema comum para enfocar sua
atenção, depois serem dirigidas a uma experiência grupal (práxis) racional ou científica
(dialética) em que aquilo possa ser solucionado pelo consenso (com as emoções, ou
sentimentos).

Os Psicólogos Sociais: "Potenciais Criadores de Desastres"

Quando um desastre natural ou provocado pelo homem ocorre em uma comunidade


dividida e todos se unem para ajudar os mais atingidos, três coisas estão presentes que
atendem aos requisitos para esse processo dialético. Primeiro há o desastre — a causa
para a ação, o catalisador pelo qual se desenvolve a síntese, a questão social comum na
qual todos podem enfocar. Há então os desamparados — a causa para a empatia, o
catalisador que atrai todos para e pela antítese, os sentimentos de compaixão dos que
foram mais afortunados para com aqueles que se acham incapacitados de se ajudarem.
E, finalmente, há a comunidade dividida em contato consigo mesma — a causa para a
mudança, o catalisador pelo qual se experimenta a contemporização, a necessidade de
ser "racional" e colocar de lado, pelo menos temporariamente, suas diferentes teses
divergentes e "divisivas", para preocupar-se com os mais atingidos.

Portanto, os psicólogos sociais perguntam: se um desastre pode ajudar as pessoas a


colocar de lado suas rixas por um curto período de tempo, para que possam se ajudar
mutuamente, então por que isso não pode se tornar um modo de vida, um tipo de
desastre natural ou um "ato de Deus?" Essa é a razão por que os psicólogos sociais
promovem a consciência da nossa crise nacional na educação, nossas perdas no
mercado global, e a necessidade de unir o mundo em um esforço de salvar o meio
ambiente, etc. Eles se colocam na posição de potenciais criadores de desastres em
nossas escolas, nas nossas empresas, e no nosso governo. Por conseguinte, eles
pretendem remoldar a mente das pessoas enquanto as ajudam na solução de seus
problemas. Isso será alcançado em ambientes controlados ou modelados, em que, eles
acreditam, os riscos físicos e psicológicos serão reduzidos. Na realidade, os riscos são
apenas menos perceptíveis por certo tempo.

Estimular emoções ou empatia por causa dos desastres, sem ter um desastre real,
eventualmente produzirá uma geração sem senso de realidade — uma geração
controlada pelo medo e pela paranóia, sejam os problemas reais ou não (a síndrome do
"o céu está desabando"). Lembra-se da paranóia do "petróleo está acabando" da década
de 1970? Você percebe o efeito que aquilo teve no preço dos combustíveis, para não
falar nos pequenos postos de gasolina que faliram naquela época devido à
reestruturação que as grandes companhias "foram forçadas a fazer" para escapar do
"desastre potencial"?

Acredito que estamos vendo o desastre em potencial de diaprax ser usado atualmente
pela mídia. Não é irrealista pensar que alguns da mídia até mesmo esperam que
desastres aconteçam, para poderem colocar em prática a diaprax. Desastres criados
pelo homem realmente ocorrem por causa da atenção que a mídia dá a esses eventos.
As pessoas que trabalham nos meios de comunicação às vezes admitem e discutem
esse problema, mas acredito que fazem isso mais para apaziguar suas consciências do
que qualquer outra coisa. Não parece que tenham qualquer intenção de mudar o
andamento da sua diaprax, porque eles continuam a enfocar principalmente as questões
sociais que andam de mãos dadas com diaprax.

Não é fácil induzir os cidadãos a focalizarem coletivamente um assunto em particular


sem que tenha ocorrido um desastre ou sem lhes dizer diretamente. Mas, de acordo
com a práxis, nenhum cidadão da comunidade pode dizer aos outros cidadãos em qual
questão ou desastre potencial eles precisam se concentrar ou tratar. Todos, inclusive
você, devem participar e raciocinar por meio de uma questão social ou um dilema
comum devido ao interesse que é gerado coletivamente dentro da comunidade ou do
grupo. Isso, de acordo com diaprax, requererá o auxílio de um facilitador (influência
dissimulada) e não de uma ordem ou comando dado por alguma autoridade superior (influência
manifesta). Os meios de comunicação realizam eficazmente esse papel nos dias atuais.

"Estudos de Kurt Lewin mostram que depois de uma decisão do grupo,


ocorre maior mudança de comportamento que depois de uma palestra
persuasiva."
"Existe evidência em nossos dados de que uma vez que tenha ocorrido
uma mudança no comportamento, provavelmente ocorre em seguida
uma mudança de crenças." — Leon Festinger, A Theory of Cognitive Dissonance,
págs. 78,121.

A práxis é, portanto, a experiência facilitada de uma união "espontânea"de mentes em


prol de um interesse social comum. O que diaprax quer criar é um derretimento da
mente grupal eufórico e espontâneo, ou aquilo que o psicólogo social Abraham
Maslow referia como uma "experiência de pico" — que prefiro chamar de orgia de
pensamento de grupo. De acordo com os psicólogos sociais, isso somente pode
acontecer com o auxílio de uma experiência de grupo-sentimento/grupo-raciocínio,
sendo o resultado um grupo coeso (SÍNTESE). Isto está no coração da Educação
Progressiva (Pragmática), do Gerenciamento da Qualidade Total e do programa Escola
Para o Trabalho.

Os psicólogos sociais relacionam essas fases ao indivíduo, aos outros, e à sociedade


(sujeito, objeto, e absoluto). Eles vêm a união do indivíduo com os outros (sujeito e
objeto) como o propósito da Primeira Causa. Assim, a prioridade para eles é a busca de
uma sociedade absoluta. Além disso, eles relacionam essas fases ao conhecimento,
sentimento e pensamento, que se correlacionam com as "taxonomias", ou habilidades
cognitivas, afetivas e psicomotoras. Quando todas essas três fases estão corretamente
planejadas e engrenadas (com a "ajuda" deles, é claro), eles acreditam que o resultado
será uma sociedade "saudável".

É fácil lembrar estas três fases como conhecimento, sentimentos e razão. Associe a
TESE com o "conhecimento dos fatos" ou o que você pensa a respeito. Associe a
ANTÍTESE com os "sentimentos" ou como você se sente a respeito de si mesmo ou
dos outros. E associe a SÍNTESE com a "razão" ou o que você pensa a seu respeito
e a respeito dos outros e o modo como você "racionalmente" resolve as diferenças
com os outros.

As Taxonomias de Bloom estão estruturadas com base nesta maneira de pensar. O livro
"domínio cognitivo", que lida com fatos ou conhecimentos, pode ser considerado
comoTESE. O livro "domínio afetivo" (com Krathwohl como editor principal), que trata
de sentimentos ou relacionamentos, pode ser considerado como ANTÍTESE. E o livro
"domínio psicomotor", de R. H. Dave, famoso na ONU, que trata das habilidades do
raciocínio, pode ser considerado como SÍNTESE. Cada livro também traz a estrutura
dialética, algo como círculos dentro de um círculo.

A Dialética Multidimensional Transforma-se em Diaprax nas Mãos dos


Psicólogos Sociais

Somente quando os sociólogos de mente dialética uniram-se com a psicologia é


que diaprax surgiu como uma ferramenta para a engenharia social. Os marxistas
tradicionais zombaram dos marxistas transformacionais quando eles uniram o socialismo (Marx) com
a psicologia (Freud). Os marxistas tradicionais eventualmente chutaram os marxistas
transformacionais para fora do Partido Comunista oficial. Atualmente, porém, nas universidades em
todo o mundo, os escritos desses marxistas transformacionais (Lukacs, Gramsci, e Korsch) são
considerados como algumas das leituras mais importantes que um estudante precisa fazer se quiser
entender como o mundo deve funcionar no século 21.

Diaprax consiste de:


Cognitivo (conhecimento)
Afetivo (sentimento)
Psicomotor (razão) e
Práxis (Experiência de consenso no grupo)
e produz um
Comportamento estritamente mundano (terreal)
Diaprax Consiste de:
Taxonomia Cognitiva, de Bloom
Taxonomia Afetiva, de Krathwohl,
Taxonomia Psicomotora, de Dave e
Filosofia da Práxis, de Lukacs e Gramsci
e produz
Socialismo humanista e globalista

Psicólogos do início do século 20, como Skinner e Pavlov, tentaram entender o


comportamento humano dentro de ambientes isolados (estímulo/resposta).
Posteriormente, psicólogos sociais como Piaget e Vygotsky procuraram entender o
comportamento humano dentro dos ambientes sociais. Piaget se concentrou
nos gatilhos genéticos internos, e Vygotsky, a contraparte soviética de Piaget,
concentrou-se nos gatilhos sociais externos necessários para a ativação de cada uma
das fases do desenvolvimento pessoal-social de um indivíduo. Vygotsky é altamente
venerado por seus trabalhos em linguagem e pensamento por muitos dos professores
que conduzem a agenda de diaprax em nossas universidades atualmente.

O Homem Caído Está Preso à Diaprax; o Homem Redimido Não

Os psicólogos sociais preconizam que todos devem se desenvolver por meio dessas três
fases, para que se tornem cidadãos saudáveis do século 21. Eles acreditam que
somente com fatos, sentimentos e técnicas de raciocínio o comportamento pessoal e
social (crenças e valores) pode ser corretamente desenvolvido. O que eles não
percebem, ou não desejam aceitar, é que quando Deus soprou Seu fôlego nas narinas
do homem, o homem se tornou algo completamente diferente de todo o restante da
criação.
Deus fez do homem uma alma vivente, criado à Sua semelhança — um ser espiritual.
Espiritual não no sentido cósmico da palavra (que eu chamo de estritamente mundano),
como são todas as outras criaturas (temporais), mas espiritual no sentido transcendente
da palavra (eterno). Por causa do pecado original de Adão e Eva no Jardim, nossos
espíritos permanecerão eternamente degenerados e sem vida, a não ser que creiamos
em Jesus Cristo, como o Cordeiro sacrificial de Deus.

Jesus Cristo pagou o preço por nossos pecados com Seu próprio sangue, o que foi um ato da graça
de Deus e não um ato da razão humana. O Espírito Santo vem e habita na pessoa que é salva, e
permanece junto ao seu espírito agora regenerado, revelando e confirmando a verdade da palavra
de Deus. A Palavra da verdade, que é conhecida (o domínio cognitivo), não mais comprometida pela
razão humana, com sua dependência nos sentimentos (domínio afetivo) do homem carnal que serve
aos desejos individuais e sociais estritamente terreais, mas sim pelo Espírito de Deus e de acordo
com Sua Palavra.

Para que diaprax consiga ser bem-sucedida, os vigilantes nos portões


de entrada precisam ser neutralizados.

Rejeitando ou não entendendo o verdadeiro aspecto espiritual do homem, os


psicólogos sociais não somente definem incorretamente a humanidade, como também,
não estão dispostos a aceitar o iminente juízo de Deus sobre todos os que estão ligados
ao mundo. Em sua recusa em reconhecer a separação do homem de Deus, e em seu
esforço para remover a separação entre a humanidade, por meio de diaprax, eles
garantem a contínua separação do homem de seu Criador, e assim garantem a
condenação eterna do homem.

A Palavra de Deus faz três coisas que interferem ou impedem diaprax:

1. Ela apresenta a verdade externa a todas as culturas, uma verdade que


não poderia ser conhecida sem a revelação direta de Deus.
2. Ela condena a idolatria que todas as culturas praticam. Todos nós, uma
hora ou outra, já adoramos a obra de nossas próprias mãos e da nossa
inteligência, e
3. Ela transforma aquilo que é bom em todas as culturas, como dar um copo
de água àquele que está sedento, mas isto agora é feito em nome do
Criador e Salvador do mundo, Jesus Cristo.

Não é possível servir a Deus e à diaprax ao mesmo tempo. Quem tenta fazer isso
termina servindo à diaprax, não a Deus. Eis porque os Dez Mandamentos, as orações
feitas por alguém em posição de autoridade e a leitura da Bíblia foram removidas das
escolas em todo o país. Deus foi declarado "perigoso" pela mais alta corte do nosso país
porque Ele estava atrapalhando o caminho da tolerância global, da Nova Era. Ele precisa
ser removido antes que "atividades multiculturais", a "auto-estima", e "habilidades da
razão humana" possam ser usadas com sucesso para moldar as mentes da próxima
geração, para que ela dependa dos psicólogos sociais como sumos sacerdotes da Nova
Era dediaprax.

As Instituições Cristãs Estão Usando Diaprax como Base

Infelizmente, muitas instituições cristãs estão usando diaprax para desenvolver as


relações humanas entre a comunidade de fiéis. O resultado não é aumentar o foco, a
dependência e o respeito para com o Criador por meio da fé e da obediência, mas sim
aumentar o foco, dependência e respeito para com a criação (construindo
relacionamentos do ser humano com o mundo) por meio do questionamento e do
raciocínio especulativo ou da habilidade de pensamento de ordem elevada (a síndrome
da Babilônia).

A estrutura que está sendo usada para promover essa agenda satânica dentro das
instituições cristãs, até mesmo por pastores e líderes da juventude, é diaprax. Encobrir
deliberadamente esse uso de "habilidades de raciocínio humanista" com porções
atraentes selecionadas das Escrituras, como está sendo feito, apenas torna-a mais
sedutora para os cristãos sem discernimento.

"Cristãos miseráveis, cujas palavras e fé ainda dependem das


interpretações dos homens e que esperam o esclarecimento da parte
deles! Isso é frívolo e ímpio. As Escrituras são comuns para todos, e
são bastante claras no que diz respeito ao que é necessário para a
salvação e também são obscuras o suficiente para as mentes
inquiridoras... Rejeitemos a palavra do homem." — Martinho Lutero, Luthers
Works, V 32, pág. 217.

Como Diaprax Está Estruturada

Diaprax passa por uma série de três fases e subfases. Existem três fases, com três
subfases em cada uma delas. Explicaremos primeiro a fase principal. A primeira
fase, TESE, pode ser identificada como o modo tradicional de fazer as coisas. Contudo,
em diaprax, essa fase torna-se o que chamo de "A INTERROGAÇÃO DA TESE". A
segunda fase,ANTÍTESE, a importante fase transicional, entre a primeira e a terceira
fases, da tradição para a transformação. Essa segunda fase precisará ser transposta
com sucesso para que o processo atinja seu propósito. Chamo essa fase
de "CONTROLE DO CLIMA, ou CONTROLE do AMBIENTE, com o propósito de
CONSTRUIR RELACIONAMENTOS." De acordo com aqueles que propagam esse
processo humanista, a fase transformacional, a SÍNTESE, é resultado final desejado.
Chamo essa fase final de "APRENDIZADO POR TODA A VIDA — O RESULTADO
DESEJADO".

Como Diaprax Vê a Realidade

Essas três fases representam os três diferentes modos de pensar das pessoas ao
tentarem solucionar os problemas da vida. Esses três diferentes modos de pensar,
quando resolvem as diferenças, de acordo, com diaprax, são tradicional,
transicional e transformacional, ou seja, pensar com fatos, pensar com sentimentos
e pensar com habilidades de raciocínio.
No modo tradicional de pensar, a realidade está baseada em evidências ou em fatos
externos, e o conhecimento é a acumulação desses fatos (quantidade) bem como o
respeito e a obediência a eles. No modo transicional de pensar, os sentimentos
determinam a realidade. E no modo transformacional de pensar, somente o que pode
ser racionalizado é real. Dito de forma bem simples, o pensamento tradicional vê a
realidade como fatos, estabelecidos para todos os tempos e lugares; o pensamento
transicional vê a realidade no coração, onde os fatos podem ser negligenciados na busca
do prazer e onde os problemas podem ser resolvidos simplesmente indo-se para algum
lugar que o faça se sentir melhor, e o pensamento transformacional vê a realidade na
mente, onde os fatos e os sentimentos estão sujeitos à mudança harmoniosa por meio
das habilidades de pensamento de alta ordem.

A Visão Tradicional da Realidade

Embora as Escrituras nos advirtam a respeito das "tradições dos anciãos", elas não
pedem para abandonarmos aquilo que a maneira tradicional de pensar espera e do que
depende: a crença em fatos ou verdades duradouras. Para os cristãos, os desejos e a
dependência do homem devem estar em Deus e na Sua palavra, não nas coisas ou nos
confortos deste mundo. Para o cristão, os fatos ou verdades estão baseados nas
palavras do Criador, na revelação Dele acerca das coisas que estão além da criação e do
raciocínio humano.

Os fatos ou verdades acerca da natureza, evidenciados em seu projeto e movimento,


podem ser descobertos por meio do raciocínio humano, mas sua finalidade permanece
atrelada ao cosmos — desconhecida — sem a Palavra de Deus. A Palavra de Deus não
nega os fatos ou verdades encontrados na natureza, conhecidos como leis da natureza,
mas afirma somente que Deus os criou e que pode mudá-los se quiser e quando quiser.
E isso é algo que aqueles que estão sob a influência de diaprax nunca conseguem
aceitar ou compreender.

Conseqüentemente, o elemento-chave no tradicionalismo é a dependência de


uma autoridade externa, manifesta e imutável ou a dependência de fatos
duradouros e a verdades que se aplicam a todos os tempos e lugares — a
Palavra de Deus e as leis da natureza. Essa autoridade ou essa verdade pode se revelar
ao homem (o que Deus fez), ou pode ser descoberta pelo homem (as leis da natureza).
As leis da natureza são descobertas por meio de uma ciência exata e requerem
evidências (sinais) antes de serem compreendidas e aceitas como fatos: "Sei, logo
creio." A Palavra de Deus requer confiança e fé nas palavras de uma autoridade superior
porque a evidência não é percebida logo no início, porém o entendimento vem somente
depois que a confiança for aplicada: "Creio, logo eu sei."

Portanto, o tradicionalismo baseia sua definição de realidade no fundamento


do conhecimento e da obediência aos fatos e verdades revelados (o domínio
cognitivo), seja por vista, seja pela ciência e as leis da natureza, ou pela fé na Palavra
de Deus. Deve-se notar que as leis da natureza nunca mudaram, e os psicólogos sociais
usam esse argumento para justificar o relativismo porque apenas a percepção do
homem em relação a essas leis é que mudou. Podemos mudar nosso entendimento
sobre a natureza, mas as verdades subjacentes a ela sempre estiveram lá. O
entendimento humano das leis da natureza pode mudar, devido à ignorância humana ou
aos erros de avaliação, mas as leis permanecem as mesmas desde o dia em que Deus
as estabeleceu.
Isso tem ocorrido ao longo dos tempos, e toda vez que os homens usam o raciocínio
humano em uma tentativa de justificar a Palavra de Deus, acabam por torcê-la, para
ajustá-la ao seu raciocínio humano. Uma vez que a natureza é material, nosso raciocínio
pode ser avaliado e os erros existentes serem corrigidos, mas como Deus é espírito,
qualquer tentativa de usar técnicas de raciocínio humano para conhecê-Lo ou entendê-
Lo é vã. Deve-se simplesmente confiar e obedecer a Deus e à Sua Palavra e permitir
que Seu Espírito revele Sua verdade e comunique Sua natureza espiritual — que está
além da capacidade do raciocínio humano, ultrapassa a compreensão e é indescritível;
Seu amor, paz, e alegria.

A Visão Transicional da Realidade

O transicionalismo, por outro lado, baseia sua definição de realidade no fundamento


dos sentimentos — sentimentos pessoais com relação a si e aos outros (o
domínio afetivo). Os sentimentos, não fatos, tornam-se o fator determinante pelo qual
alguma coisa ou alguém passa a ter significado na vida. Às vezes, os sentimentos
podem parecer tão reais quanto os fatos: "Se eu não começar a sair com eles,
simplesmente morrerei." É aqui que as tradições aprendidas e aceitas como fatos
entram em conflito sempre que alguém deseja construir um relacionamento com outra
pessoa de tradição diferente.

A unidade ocorre somente quando as duas partes estão dispostas a contemporizar suas
tradições ou seus fatos. A atração dos sentimentos de uma para com a outra as levará a
uma situação onde uma delas, ou ambas, terão de considerar o abandono de suas
tradições anteriores, ou acertar suas diferenças de opiniões por meio do
raciocínio, isto se o conflito não as levar eventualmente à hostilidade e à separação. A
primeira opção não requer nenhuma "habilidade de pensamento de alta ordem" e
deixará uma delas livre para agir de acordo com seus sentimentos, ao passo que a
última é a condição que os transformacionalistas esperam desenvolver em toda a
humanidade.

A Visão Transformacional da Realidade

O transformacionalismo baseia sua definição de realidade nas habilidades de


raciocínio usadas para resolver as diferenças com os outros. Coloco o modo
transformacional de pensar sob o "domínio psicomotor" porque os psicólogos sociais
requerem a repetição das experiências de grupo de diaprax (remediação), em que os
participantes estarão tão envolvidos em exercícios de habilidades de pensamento de alta ordem que
eventualmente irão usá-los de forma automática em toda situação sem pensar em que estão
fazendo, desenvolvendo um "instinto natural inato". É como um músico que pratica até não precisar
mais pensar no que está fazendo, exceto que neste caso a prática é feita com um grupo de pessoas,
sendo cada um o instrumento.

Os antigos valores fixos de certo e errado precisam dar


lugar a uma nova maturidade que implique em qualidades de
adaptabilidade e contemporização, declarou Chisholm. A
responsabilidade de treinar a sociedade em novas direções
pertencia à psiquiatria, pensava Chisholm:

"Para que o ser humano seja liberado desse fardo


paralisante do bem e do mal, os psiquiatras é quem devem
assumir a responsabilidade original.", pág. 268.
A OMS [ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE] define saúde
como "um estado de bem-estar físico, mental, e social
completo e não meramente a ausência de doença ou
enfermidade.", pág. 274
G. B. Chisholm, Secretário-Executivo da Comissão Interina da OMS — Fonte: Harry
Stack Sullivan, The Fusion of Psychiatry and Social Science (A Fusão da Psiquiatrica
com as Ciências Sociais).

De acordo com os psicólogos sociais, a transformação não pode ocorrer sem que antes
sejam cumpridas as duas primeiras fases dos fatos e sentimentos, sem o que o terreno
comum não pode ser encontrado. Com o terreno comum, ou o consenso, os psicólogos
sociais procuram resolver a dicotomia de crença/ação que vêem na vida. Essa dicotomia
ocorre quando declaramos que acreditamos em uma coisa e agimos de modo diferente.
Nossos fatos e sentimentos nem sempre estão em harmonia. Mesmo que digamos que
certa regra "é" correta, isso não significa que não podemos achar que "isto deveria ser"
diferente. Todos temos nos comportado de acordo com nossos sentimentos, indo atrás
do que convém, em vez do que sabemos ser o certo. No que se refere às leis de Deus,
esse comportamento é conhecido como pecado.

Como os psicólogos sociais ignoram ou desprezam o fato de que Jesus veio para pagar
pela diferença, eles acreditam que podem resolver esse dilema por meio da técnica do
pensamento de alta ordem. Ajudando a mostrar para a humanidade como tornar os
fatos ou crenças adaptáveis ou maleáveis de acordo com as necessidades de
relacionamento pessoal e social, essas necessidades tornam-se sujeitas aos "fatos"
sociais práticos. Esses fatos sociais são determinados pelos psicólogos sociais, que
coletam as informações e avaliam as necessidades do relacionamento pessoal-social da
sociedade. Isso significa que os fatos e verdades precisam ser mutáveis junto com os
sentimentos, para o bem da harmonia social (qualidade). A única maneira de isso poder
ocorrer é quando alguém define "fatos como hipóteses". Como para eles todos os fatos
são mutáveis, eles podem concluir que "hipótese é igual a fato". O raciocínio procura a
reconciliação entre fatos e sentimentos; a confiança e a obediência não.

Assim, de acordo com diaprax, a verdade duradoura é encontrada somente dentro da


mente que raciocina e não é externa a ela. Isso faz com que a verdade mude à medida
que a percepção da mente também muda. Portanto, se os fatos precisam se tornar
flexíveis para a satisfação das necessidades do relacionamento pessoal e social, então a
dedução dessa lógica é que a realidade encontra-se dentro das necessidades sentidas da
sociedade, e não em uma autoridade externa manifesta (Deus), nem em um indivíduo
qualquer, sua família, sua comunidade, ou sua nação. De acordo com essa lógica, não
existem direitos inalienáveis. Todos os direitos estão baseados nas necessidades
sentidas pela sociedade, conforme determinadas pelos psicólogos sociais.

A Busca da Dialética Pela Unidade Cósmica

"Teu És Tu, Tu És Teu"

De algum modo estranho, essa "lógica" implica que deus e o homem são realmente um.
À medida que os homens se unem por uma causa comum, de acordo com esse
processo, deus está sendo manifestado. Portanto, deus está se "tornando" à medida que
o homem se consolida em uma mente única (monadismo) por meio das técnicas de
construção de consenso (contemporização). Uma vez que tudo isso é feito por meio do
uso de técnicas de pensamento de alta ordem, então deus é a mente coletiva do homem
trabalhando unida em uma causa cósmica (a unidade cósmica).

Esta é a dialética de Hegel, que Karl Marx pegou e "virou de cabeça" materializando
deus, substituindo o conceito de deus por sociedade (Hegel + Feurbach = Marx). Isto é
chamado de materialismo dialético (Marxismo tradicional) ou materialismo histórico
(Marxismo transformacional).

É com esta última cepa que estaremos preocupados nesta obra. Embora as duas cepas
acabem fazendo o mesmo estrago, apenas a primeira é mais clara sobre isto,
fornecendo um retrato mais claro do resultado desejado que virá (o comunismo) e
dando a você uma melhor chance de conhecer seu destino antes que ele aconteça.
Alguns podem se surpreender que o famoso psicólogo social Abraham Maslow (a
Hierarquia das Necessidades, de Maslow) escreveu sobre esse seu desejo de "humanizar
o marxismo". Georg Lukacs e Antonio Gramsci tinham o mesmo desejo. O mesmo se dá
com a Educação Progressiva (Pragmática), o Gerenciamento da Qualidade Total e com o
programa Escola Para o Trabalho.

Diaprax: A Autoridade Manifesta e a Dissimulada:

"Você Tem de Servir a Alguém, Mas Não Pode Servir a Dois Senhores"

Ao se considerar os padrões de pensamento, há uma correlação próxima entre TESE e


tradicionalismo, ANTÍTESE e transicionalismo, e SÍNTESE e
transformacionalismo. Todas as três formas de pensamento são inadequadas porque
Deus requer fé em coisas que vão além do raciocínio ou do conhecimento humano. Elas
nunca podem revelar ao homem sua verdadeira condição — sua condenação, o
julgamento vindouro e sua única via de escape. Contudo, a estrutura da autoridade de
Deus é representada dentro da estrutura da TESE: obediência inquestionável a uma
autoridade superior — só que neste caso trata-se de uma autoridade espiritual e não
carnal. Rejeitando a Deus, os transformacionalistas podem ver somente a estrutura
carnal e identificar aqueles que estão nela como fascistas ou "potencialmente" fascistas.
A estrutura de pensamentoSÍNTESE deles não somente permite que rejeitem a Deus,
mas justifica a hostilidade aberta à Sua autoridade. Ambos os lados do espectro
tradição-transformação buscam autoridade, mas um busca de forma visível e o outro
dissimuladamente.

Quando os Psicólogos Sociais Controlam a Distribuição e as Trocas,


Eles Controlam a Sociedade

Distribuição-troca é o relacionamento (transição) entre produtores-consumidores e


envolve não somente o giro dos produtos, mas também a expressão de sentimentos.
Quando um produtor está livre para determinar com quem distribuirá-trocará, ele está
no controle (Capitalismo: sociedade dirigida pelos produtores). Quando os psicólogos
sociais determinam (facilitam) a distribuição-troca, nem os produtores (o setor privado)
nem os consumidores (o público) estão no controle (Socialismo: sociedade dirigida pelos
consumidores).

A situação "ganha-ganha" desses psicólogos sociais é realmente uma situação de perda-


perda para os produtores e para os consumidores. Não é nem uma situação ganha-
ganha para os psicólogos sociais em uma sociedade transformacional, pois no fim todos
perdemos sob a influência de diaprax.
Diaprax é a imaginação dialética dos marxistas transformacionais. Não posso separar o
marxismo transformacional e a Educação Progressiva (Pragmática) transformacional, o
Gerenciamento da Qualidade Total transformacional e o programa Escola Para o
Trabalho transformacional. Todos estão baseados em diaprax.

"Dar" em Letras Graúdas e "Retirar " em Letras Miúdas

Sem perceber, os pais, a comunidade, os líderes estaduais e até mesmo os pastores


estão perdendo seus óbvios e inalienáveis direitos constitucionais. Devido aos jogos
mentais que os psicólogos sociais usam com as autoridades eleitas em todos os níveis
do governo, nossas leis estão sendo mudadas sem que tenhamos a plena compreensão
do que essas mudanças realmente significam. Em todo o país, contratos que ainda não
foram claramente definidos estão sendo assinados. As letras graúdas, que expressam
aquilo que alguém deseja fora do negócio (afetivo), podem muitas vezes ofuscar as
letras miúdas que contêm armadilhas (cognitivo), quando alguém assina um contrato
sem ler com atenção. Muitas leis estão sendo aprovadas às pressas, pois os líderes
estão sob pressão para aprovar a legislação de gerenciamento da crise (desastre
potencial), criada pelos transformacionalistas.

Sem uma clara definição dos termos e uma clara explicação das cláusulas em letras miúdas,
estamos caindo, junto com as outras nações em todo o mundo, em uma armadilha engenhosamente
criada pelos "especialistas" (os psicólogos sociais).

A jurisprudência do terror toma duas formas: regras


definidas sem precisão, o que produz leis imprevisíveis, e
a mudança espontânea das regras para melhor convir ao
estado [o país, ou a ONU]. R. W. Makepeace e Croom Helm, Marxist
Ideology and Soviet Criminal Law (A Ideologia Marxista e a Lei Criminal Soviética),
pág. 161.

Embora as pessoas com mente tradicional achem que os especialistas são


profissionais e honestos e presumam que eles procuram fazer com que os termos sejam
claramente entendidos entre as duas partes, eles precisam perceber que os psicólogos
sociais de mente transformacional não têm essa intenção. Os transformacionalistas
não desejam definir claramente seus termos, pois assim os indivíduos de mente
tradicional poderiam perceber qual é a agenda deles. As letras graúdas, para eles,
devem serambíguas o bastante para poderem ser redefinidas em tempos de mudança,
e as letras miúdas devem ser limitadas somente àqueles termos que garantam
submissão pelas pessoas de mente tradicional para o futuro processo
de diaprax (socialismo) — tudo "legalmente" acordado entre as duas partes, é claro.

Este método de engano e manipulação, usado pelos transformacionalistas, não é usado


somente na política (o programa Escola Para o Trabalho), mas também na educação
(Educação Progressiva, ou Pragmática) e nas empresas (Gerenciamento da Qualidade
Total). Parece que poucos estão cientes ou se importam com o que está acontecendo.
Como os pais e as comunidades acham que ir assistir seus filhos disputarem alguma
competição esportiva é mais importante do que descobrir o que está acontecendo no
mundo, eu freqüentemente penso em intitular minhas apresentações como "Liberdades
suprimidas por falta de interesse".

Os psicólogos sociais estão removendo nossas liberdades e nossos direitos inalienáveis


de forma tão rápida e bem-sucedida que freqüentemente acho difícil acreditar que
seremos capazes de impedi-los. Poucos perceberam o fato que a mudança de
paradigma (uma mudança na maneira de pensar das pessoas) realmente significa a
substituição de nossa forma de governo de República democrática por socialismo. E
mesmo que alguns tenham percebido as mudanças, eles não parecem se importar em
entender o significado delas ou se importarem o bastante para se envolver e tentar
impedi-las.

A Geração Perdida

Esses transformacionalistas costumavam vir até nós como políticos ou professores


'progressistas'. Atualmente eles vêm até nós como nosso próprio cônjuge, nossos
amigos, nossos professores ou nosso pastor. Nossos próprios filhos vêm para casa
questionando o papel da família tradicional em uma "sociedade que está mudando
rapidamente". Em algum momento, deveremos reconhecer que em algum ponto ao
longo do caminho, ler, escrever e fazer contas foi substituído por técnicas de
pensamento de alta ordem. Os tradicionalistas avaliam o mundo de acordo com seu
conhecimento da verdade nua e crua (os absolutos), como aqueles nas ciências exatas,
mas os transformacionalistas não agem assim.

A maior parte de nossos problemas na realidade se deve à nossa falta de conhecimento


das verdades, ou de nossa rebelião a elas. Os transformacionalistas, por outro lado,
questionam todas as verdades (relatividade). Quando você estiver atravessando uma
ponte, que método usado na construção deve fazê-lo sentir-se mais seguro? Absolutos:
2+2 sempre é igual a 4; ou Relatividade: 2+2 pode ser igual a 4, ou talvez 5? Aqueles que
estão promovendo e usando a Educação Progressiva (Pragmática), o Gerenciamento da Qualidade
Total e o programa Escola Para o Trabalho estão construindo pontes e aviões transformacionais "e
os estão reinventando em pleno vôo". Chamo isso de Síndrome de Chernobyl, com os facilitadores
no controle. Eles estão conquistando o controle sobre nossas crianças, nossos cônjuges, nossos
amigos, nossa comunidade, nosso país e até de nossa igreja. Conseqüentemente, a decadência
moral está se multiplicando por todo o lado.

A fim de efetivar uma rápida mudança, é preciso preparar um ataque


vigoroso contra a família para que as tradições da presente geração
não sejam preservadas. Em outras palavras, é necessário criar
artificialmente um abismo experimental entre pais e filhos para
isolar estes últimos, de maneira que sejam mais facilmente doutrinados
com novas idéias... Se alguém quiser moldar as crianças para alcançar
um objetivo no futuro, deve começar a vê-las como superiores. Deve-se
ensiná-las a não respeitar os mais velhos que estão presos às
tradições, aqueles que estão presos ao passado e conhecem apenas
aquilo que é irrelevante... As políticas para as famílias devem ser
democráticas e centradas nas crianças... qualquer intervenção entre
os pais e as crianças tende a produzir uma democracia familiar apesar
de suas intenções... e uma vez que a incerteza tenha sido criada nos
pais sobre como melhor preparar as crianças para o futuro... a família
autoritária está moribunda.Warren Bennis, The Temporary Society, pág. 45.

As Três Fases da "Aldeia Global"

Fase Um

A primeira fase da dialética, TESE, é "A INTERROGAÇÃO DA TESE". Ela envolve três
subfases que conduzem cada pessoa dentro de um grupo diverso a ajustar-se da
subfase inicial de 1) declarar sua posição (tese) para o efeito de contemporização e
carregado de sentimentos da 2) definição do significado da sua posição, ajudado pelo
facilitador, ao mesmo tempo em que tenta não ofender os outros no grupo (antítese).
Esta subfase produz deliberadamente um conflito interno conhecido como dissonância
cognitiva, que eu considero microterrorismo. Essa tensão interna é a resposta natural
que temos quando queremos ser aceitos pelos outros, mas compreendemos que nossa
posição, se fortemente defendida, provavelmente será um obstáculo para permitir que
isso aconteça. A dor induzida por essa subfase de ansiedade nos força a 3) concluir
(síntese) que, uma vez que não podemos de forma adequada definir nossa posição,
confortavelmente mudá-la, nem racionalmente defendê-la, não somos sua causa.

Os cristãos precisam compreender que nunca conseguirão adequadamente definir,


confortavelmente mudar, nem racionalmente defender a palavra de Deus para a
satisfação do mundo, nem mesmo para construir relacionamentos. Só podemos aceitá-
la como verdade e pregá-la. Não há nenhum lugar para diálogos do tipo "eu acho que..."
ou "eu sinto que..." na esperança de encontrar um terreno comum com o mundo. De
acordo com a Palavra do Deus, fazer isso é cometer adultério com o mundo.

TESE — "A INTERROGAÇÃO DA TESE" é onde o facilitador prepara o indivíduo.

tese — posição — definir a crença de alguém, como uma tese ou uma declaração.

antítese — definição — interpretar o que uma pessoa quer dizer para as outras com
visões diferentes.

síntese — percepção pessoal — reconhecimento da origem da posição (limitadora) da


pessoa.

Fase Dois:

A "Interrogação da Tese" leva à segunda fase do processo dialético, a ANTÍTESE, que


chamo de "CONTROLE DO CLIMA OU DO AMBIENTE para o propósito da
CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTOS". A maior parte da modificação de
comportamento acontece nesta fase. Ela também envolve três subfases que levam
todos os participantes a uma experiência de pensamento de grupo. Começando com o
"direito" de negar todas, ou pelo menos a maioria, das mais antigas regras e leis de
"não pode", "não deve", e "em hipótese alguma" determinadas pelos pais, professores,
governo, ou Deus — as regras que interferem na construção de relacionamentos — cada
indivíduo recebe uma oportunidade igual de explorar e descobrir as crenças e valores
mantidos pelos outros dentro do grupo. Essa primeira subfase, a "negação de negação",
ou dizernão às ordens restritoras (tese), leva à segunda subfase de "conflito", ou caos
(antítese), que com a ajuda do facilitador, é seguida pela subfase final de "mediação",
ou treinamento de resolução de conflito (síntese).

Antítese — "Controle do Ambiente / Construção de Relacionamentos"

Tese — a negação da negação — O direito de dizer não às regras e padrões pré-


estabelecidos.

Antítese — conflito — O ambiente em que os valores contrários são experimentados.

Síntese — mediação — Todos dispostos a procurar um "terreno comum" para permitir


a coesão do grupo.
O medo da rejeição ou do isolamento por não participar da contemporização é tão
grande, que a pessoa não consegue se recusar a participar.

Fase Três:

A fase do "Ambiente de Construção de Relacionamentos", por meio da repetição


(remediação), eventualmente torna-se o processo habitual da Educação Por Toda a
Vida. Essa fase final (SÍNTESE) contém as três subfases de "determinação" (Tese),
"necessitação" ou necessidades (Antítese), e "causa" (Síntese). Essa fase final é
referida como "liberdade" por John Dewey [o Pai da Educação Progressiva] e "natureza
prática" pelo marxista transformacional Jurgen Habermas.

Síntese — Aprendizado Por Toda a Vida — o Resultado Desejado

Tese — determinação — Viver sempre neste processo e propagá-lo onde ele ainda não
é conhecido ou usado, sempre olhando de um novo ponto de vista nos outros.

Antítese — criação de necessidade — Sempre pôr à prova as definições das outras


pessoas para expor sua falta de autodeterminação e "ajudá-las" a pensar por si
mesmas.

Síntese — causa — Sempre ajudar as outras pessoas a serem racionais, a aceitarem a


contemporização como um estilo de vida e a serem adaptáveis em um "mundo em
rápida transformação".

O Ambiente de Diaprax

1. O ambiente de grupo precisa ser "aberto", onde as normas estabelecidas


ou os padrões pré-definidos são postos de lado pela pessoa ou pelo
grupo para que então todos os participantes possam mais facilmente
explorar e descobrir novas experiências juntos.
2. Ele precisa ser "não-diretivo", onde as regras e padrões pré-definidos
não são apresentados pelo líder ou incentivados pelo grupo, pois talvez
atrapalhem as pessoas ou o grupo a explorarem e descobrirem novas
experiências juntos.
3. Ele precisa ser "adverso a qualquer ponto de vista filosófico fechado",
em que as regras e padrões pré-definidos não são respeitados por todos os
participantes quando impedem a pessoa ou o grupo de explorarem e
descobrirem novas experiências juntos.
4. O ambiente do grupo precisa ser social em sua natureza.
5. Ele precisa usar uma questão social sobre o qual o grupo tenha opiniões ou
pontos de vistas divergentes.
6. Ele precisa usar uma questão social com relação à qual todos os
participantes possam chegar a um consenso, ou a um sentimento grupal
concernente a uma possível solução.

Consenso no Procedimento

Para Que Diaprax Possa Reinar, a "Primeira Causa" Precisa Estar


Disposta a Abdicar em Favor do Processo

O que chamo de "causa primária" (Deus, pais, regras, normas e padrões estabelecidos,
soberania, etc.), precisa ser temporariamente colocada de lado para que o processo
dediaprax possa se desenvolver com êxito (abdicação para permitir o procedimento). A
abdicação de uma posição patriarcal e hierárquica em favor de um processo matriarcal e
heresiarco de diaprax facilita o estabelecimento de um ambiente "não-hostil" ou "sem
riscos". Isso dá a cada indivíduo a necessária sensação de segurança e aceitação, para
que possa se sentir livre o suficiente para "arriscar" confessar seus sentimentos pessoais
com relação às próprias crenças e valores dentro do cenário de grupo.

Em outras palavras, o medo de represália que alguém normalmente esperaria quando


expressa o que realmente pensa e como realmente se sente com relação às crenças e
valores definidos por uma autoridade superior precisa ser aliviado. Portanto, qualquer
autoridade superior que previamente definiu padrões que obstaculizam a participação
em um pensamento de grupo precisa estar ausente do ambiente ou ter sucumbido —
cedido — ao processo e se tornado disposto a participar dele, tomando parte na
construção do consenso.

A Psicologia Social foi uma das principais causas para o colapso da família tradicional no
último século. Quando os pais entregam seus filhos aos psicólogos sociais (facilitadores)
na educação, abdicam de sua posição de autoridade, abandonam seu direito
constitucional de definir para si o que significa ser pai. Os psicólogos sociais passam
então a decidir essa definição e a determinar como os pais e a família devem se
comportar.

Os psicólogos sociais não estão interessados apenas no conhecimento que as crianças


recebem, mas também em como elas recebem esse conhecimento, como se relacionam
com ele e com quem lhes deu o conhecimento. Eles têm um grande impacto sobre como
a criança percebe o papel do indivíduo, dos pais e da família dentro da sociedade — uma
cosmovisão muito diferente em relação à autoridade do que aquela mantida pelos pais
tradicionais.

O Líder Deve Facilitar, Não Ensinar

Para que o processo de diaprax torne-se parte da vida do indivíduo e do grupo, é


igualmente importante que o líder da discussão facilite, em vez de ensinar. O ambiente
deve ser dialógico ou dialético em estrutura, para que seja possível para todos
livremente experimentarem a vida em grupo (o comunismo) e (socialismo).
Facilitar em um cenário de diaprax requer o questionamento dos padrões pré-
estabelecidos por uma autoridade maior, preferivelmente com a participação dessa
figura de autoridade no processo de questionamento.

Se o ambiente é didático em natureza, o aprendiz simplesmente será inculcado com


alguns novos fatos (absolutos) para memorizar ou regras para obedecer. Em um
ambiente didático, de acordo com os psicólogos sociais, o aprendiz nunca aprenderá
como adequadamente questionar os padrões pré-estabelecidos que se interpõem à
experiência de grupo porque a didática, o ensino baseado em fatos, não permite que se
interrogue a autoridade maior (os pais, o professor, ou o chefe). Para criar um mundo
de diaprax, o método didático de ensino — até então a norma na educação — deve ser
substituído pelo método dialógico e dialético da facilitação.

Quem Define os Termos Para Você Controla Sua Vida

Diaprax sobrevive hoje por causa de sua capacidade de permanecer escondida atrás das
atividades do momento. O facilitador controla a agenda — o ambiente — e assim
controla a direção que todas as perguntas tomarão. A capacidade do facilitador de
controlar os sentimentos do grupo lhe dá a capacidade de moldar a definição que cada
pessoa no grupo dá para a sua posição. O que é perdido no esquema inteiro de coisas é
que alguém sempre influencia as definições que damos para a nossa posição e
que, com exceção de Deus e de Sua Palavra, todas as posições estão sujeitas à
mudança. Há somente uma distorção das posições, moldada pelo nosso desejo de
iniciar ou manter relacionamentos com os outros.

No diálogo, tudo o que alguém pode fazer é desviar-se de uma posição original. É por isso que
Jesus não entrou em diálogo com Satanás quando foi tentado no deserto. Em vez disso, Ele
manteve a Sua posição ao citar a "Primeira Causa", as Escrituras (subfase de posição ), com "Está
escrito..." e não respondendo com "eu acho..." nem com "eu sinto..." (subfase da definição ) — veja
Mateus 4:1-11.

"Estas são opiniões e fantasias dialéticas, de que o homem


pode, sem o Espírito Santo, amar a Deus acima de todas as
coisas, de que a natureza humana está intocada. Todas essas
idéias vêm da ignorância acerca do pecado original." Martinho
Lutero, Luthers Works, Vol. 34, pág. 187.

Portanto, se acreditamos que a Palavra do Deus é verdadeira, tudo que podemos fazer é
dar a definição de Deus. Nós assim Lhe damos o controle sobre nossa vida. Se nos
desviamos disso, damos ao processo de contemporização (diaprax — o esquema de
Satanás) o controle sobre nós. Falo com relação a valores, crenças e moralidade, aquilo
com que esse processo está interessado.

Nós nunca verdadeiramente controlamos as definições, simplesmente nos submetemos


a quem as dá para nós. Como estamos falando sobre a estrutura do pensamento e não
das leis da natureza, essa fonte só pode vir do Criador, ou de nossa natureza humana
(pensamento de alta ordem, contemporização, ou autojustificação), que está atrelada
ao mundo e sujeita ao espírito da rebelião — Satanás.

É evidente que os cristãos em posições de influência na educação, nas empresas e na


política têm um trabalho duro de decidir quais definições usar. Diaprax torna mais fácil
para eles fazer uso das definições que propiciam a construção de relacionamentos
humanos e, muito provavelmente, eles crêem, ajuda-os a ganhar ou manter o respeito
aos olhos da comunidade. Eles acreditam que isso os colocará em uma melhor posição
para influenciar as leis no futuro. Se eles têm qualquer dúvida sobre onde a Palavra de
Deus se posiciona sobre o assunto, deveriam ler Mateus 10:32-39. Deus não aprova
esse tipo de raciocínio.

Se essa contemporização por parte das lideranças cristãs continuar, não haverá lugar
algum para o cristão que crê na Bíblia atuar na educação, na área empresarial ou na
política. Os cristãos no ambiente diaprax estão se permitindo entrar em um diálogo que
leva à contemporização e as leis baseadas em diaprax que eles estão permitindo que
sejam aprovadas pelo governo não permitirão que eles estejam em qualquer posição de
influência no futuro, não importa se no governo, no trabalho, ou no lar.

As Respostas Estão nas Perguntas

Quem controla a agenda para decidir quais perguntas serão feitas, também controla as
respostas. Em resumo "Quem controla as perguntas também controla as respostas".
Isso é verdadeiro onde quer que se participe, seja na educação, nas empresas, ou no
governo. Conta-se que Sócrates mostrou a um senhor de escravos que seu escravo
tinha em si a verdade do teorema de Pitágoras e, por uma série de perguntas, foi capaz
de convencer o homem. O que Sócrates realmente fez foi controlar o ambiente de
pensamento, por meio do qual o escravo pôde ser conduzido à única conclusão lógica a
uma pergunta apresentada. Ele simplesmente forneceu as respostas corretas à
seqüência habilmente arranjada de perguntas. As respostas estavam nas perguntas,
não no escravo. Esse questionamento não lidava com "ciência de acordo com fatos",
mas, em vez disso, "ciência de acordo com Sócrates" (Phil Ring). Isto não é ciência
"exata", mas ciência "maleável" em que a "hipótese é igual ao fato" (Tim Clem). É o que
o apóstolo Paulo chamou de "a falsa ciência". (1 Timóteo 6:20).

Não podemos aplicar o mesmo princípio para responder às perguntas "Quem sou eu?"
"Por que estou aqui?" "De onde vim?" ou "Para aonde vou?" sem aceitar a Palavra de
Deus como a fonte para as questões a serem feitas, ou o raciocínio humano. Deus, em
Sua Palavra, só ocasionalmente faz perguntas a serem respondidas e freqüentemente
essas perguntas fornecem as próprias respostas. Em vez disso, Ele nos dá fatos
(respostas) diretos a serem obedecidos. Quando vamos a Deus e à Sua Palavra com
perguntas a serem respondidas, cabe a nós examinar as Escrituras, não questioná-las.

Quando questionamos as Escrituras, como faz diaprax, simplesmente surgiremos com


as respostas que justificam nossa natureza humana caída (as necessidades pessoais e
sociais de relacionamento, em religião, são conhecidas como Teologia da Libertação).
Muitos cristãos hoje estão questionando a Palavra de Deus, em vez de permitir que ela
os questione. A primeira alternativa são as habilidades de pensamento de alta ordem (o
raciocínio humano), a última é convencimento (a obra do Espírito Santo).

O homem tende a fazer perguntas para achar as respostas que satisfarão seus
sentimentos de dúvida ou de admiração. Permitir que Deus, com suas pré-estabelecidas
(manifestas) respostas nos questione, no conduzirá no caminho da retidão — para a
vida eterna. Permitir que o homem, com suas pré-estabelecidas questões
(dissimuladas) facilite as respostas que ele deseja, só nos levará para baixo no
caminho tortuoso — para a morte eterna. O único controle que temos é decidir de que
fonte receberemos as perguntas. "De modo nenhum; antes seja Deus verdadeiro, e todo
homem mentiroso; como está escrito: Para que sejas justificado em tuas palavras, e
venças quando fores julgado." [Romanos 3:4].

A Caixa de Diaprax (A Caixa da Pandora)

Uma vez que só há duas fontes para as respostas às perguntas da vida, o Criador e a
criatura (Lúcifer está incluído como criatura), usaremos duas caixas. Em uma caixa
pequena (já que "Porque Eu disse assim" não toma muito espaço, nem muito tempo no
total) exporemos a posição e a resposta de Deus à diaprax. Em uma caixa maior,
detalharemos as subfases do processo de lavagem cerebral de diaprax.

Na caixa menor, desenhada bem à esquerda e acima da caixa maior,


escreva "PRIMEIRA CAUSA" e "Porque eu disse assim". Traçando um padrão tipo
"jogo da velha" na caixa maior podemos particionar as fases e as subfases da dialética e
ter uma idéia de como diaprax funciona. Ao longo do topo da caixa maior, acima de
cada coluna, escrevaTESE, ANTÍTESE, e SÍNTESE. Elas representam cada fase do
processo dialético. Ao longo do lado esquerdo da caixa maior, do topo a até a linha
inferior, escreva tese, antítese, e síntese. Observe que as fases são representadas em
maiúsculas e as subfases a cada fase estão representadas em letras pequenas.

(Deus, pais, nação...) Conservador Progressista


"Tradicionalismo" "Transicionalismo" "Transformacionalismo"
"Interrogação de "Controle do
"PRIMEIRA CAUSA" "Resultado Desejado do
Tese" Ambiente
"Porque eu digo
para a Construção Aprendizado por
assim"
de Relacionamentos" Toda a vida"
TESE ANTÍTESE SÍNTESE
(fatos) tese POSIÇÃO NEGAÇÃO DETERMINAÇÃO
CRIAÇÃO DE
(sentimentos) antítese DEFINIÇÃO CONFLITO
NECESSIDADE
(argumentação) síntese AUTOPERCEPÇÃO RESOLUÇÃO CAUSA
TESE

A primeira fase, TESE, lida com como o indivíduo resolve as diferenças com os outros
em um cenário de grupo. Chamo essa fase de "A INTERROGAÇÃO DA TESE". Essa
fase é nada mais que uma interrogação da posição da pessoa concernente a uma
questão social. Isso é feito para ajudar o facilitador a selecionar quais perguntas vão
mais eficientemente derrubar a confiança das pessoas em suas posições.

tese—antítese—síntese

As três linhas sob a primeira coluna, TESE, representam as três primeiras subfases
de diaprax. A primeira linha, tese, representa a POSIÇÃO de uma pessoa, concernente
a questão social discutida pelo grupo. A segunda linha, antítese, representa
a DEFINIÇÃO que o indivíduo faz de sua posição. A terceira linha, síntese, representa
aAUTOPERCEPÇÃO da pessoa de que, uma vez que ela não pode definir sua posição
claramente, esta não deve ser sua, mas a de outra pessoa, que lhe foi imposta. Isto
prepara os indivíduos para a próxima fase, que os ajudará a construir relacionamentos
com outros de posições ou pontos de vistas diferentes.

ANTÍTESE

Considero esta fase "CONTROLE DO CLIMA OU DO AMBIENTE para o propósito da


CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTO". É aqui que mudanças importantes
acontecerão na pessoa e no grupo. É aqui que as dinâmicas de grupo entram no jogo,
que fazem com que cada um sinta ser necessário contemporizar as regras estabelecidas
ou os padrões (reajuste das posições) para manter a aceitação no grupo e criar a
coesão.

tese —antítese—síntese

As três linhas sob a segunda coluna, ANTÍTESE, representam as três próximas


subfases de diaprax. A primeira linha, tese, representa a NEGAÇÃO DAS
NEGAÇÕES de cada indivíduo. É o direito dado a cada indivíduo de dizer não aos "Não
farás isto" imposto a eles pelos outros. Isso ajuda o indivíduo, agora não mais limitado
por padrões pré-estabelecidos de certo e errado, a livremente escutar as posições dos
outros membros do grupo. A segunda linha, antítese, representa a subfase
de CONFLITO do processo que se desenvolve quando as pessoas tentam definir e
esclarecer (contemporizar) suas posições entre si. E a terceira linha, síntese,
representa a MEDIAÇÃO ou RESOLUÇÃO DE CONFLITO que precisa ocorrer para que
haja consenso no grupo com relação à possível solução da questão social que está
sendo discutida.
SÍNTESE

Considero esta fase "O RESULTADO DESEJADO" de diaprax, que é a "EDUCAÇÃO


CONTÍNUA, AO LONGO DE TODA A VIDA". Qualquer participante da diaprax, nesta
fase é um agente de mudança, um facilitador propagando o processo para todas as
pessoas que encontrar, para ajudá-las a se livrarem do cativeiro do "não farás isto", das
restrições definidas por Deus, para ajudá-las a se tornarem agentes de mudança e
darem prosseguimento ao processo de mudança. Este é o resultado desejado para
osprocessos transformacionais da Educação Progressiva (Pragmática), do programa
Gerenciamento da Qualidade Total, do programa Escola Para o Trabalho, e da ONU. Isto
é "Educação Contínua, ao Longo de Toda a Vida"

tese—antítese—síntese

As três linhas na terceira coluna, SÍNTESE, representam as três últimas subfases


de diaprax. A primeira linha, tese, representa cada pessoa, agora infectada por
diaprax,DETERMINADA a viver no processo de pensamento de grupo e continuar a
expansão do processo e envolver outras pessoas. A segunda linha, antítese, representa
cada pessoa que aceita o conflito como uma parte NECESSÁRIA da vida. Nesta subfase
cada pessoa está realmente disposta a enfrentar os problemas pessoais e sociais como
um modo de vida. Em vez de aceitar um mundo preto e branco, com suas respostas
absolutas, certas e erradas, elas agora buscam um mundo cinzento em que a mudança
torna-se absoluta, a verdade torna-se relativa e o desvio torna-se a norma. De
acordo com o processo, para que a humanidade conviva em harmonia, então será necessário que
todo o mundo desenvolva essa mesma atitude ou maneira de pensar.

"Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus


pensamentos, e se converta ao SENHOR, que se
compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso
é em perdoar.Porque os meus pensamentos não são os
vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus
caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os céus são
mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais
altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos
mais altos do que os vossos pensamentos." [Isaías 55:7-9].

Na última linha, e subfase final, síntese, cada pessoa deve vir a compreender que
a CAUSA para seu ser é o processo de raciocínio. Que é por meio das técnicas de
raciocínio de alta ordem, experimentadas em diaprax, que a busca pela harmonia e paz
mundial será realizada. O pensador de mais alta ordem então deve ser capaz de
reconhecer seu propósito de vida: salvar o homem de seu modo de pensar de baixa
ordem divisivo, "odioso" e cheio de preconceitos. Ele saberá como fazer isso pelo
processo de facilitação ediaprax, sendo capaz de levar os outros à sua auto-realização —
sua liberdade. Nesta fase final o indivíduo, antes obediente, fundamentado em fatos e
de estrutura tradicional, torna-se um facilitador ou agente de mudança, determinado a
"ajudar" os outros a entender que "a experiência da vida é a contemporização", que só
pela unidade cósmica a paz poderá eventualmente ser estabelecida.

Diaprax e Fatos

Parece haver uma correlação entre os significados dos fatos, o quanto a pessoa acredita
ou se fundamenta em fatos, e sua posição dentro do processo. Na medida em que
alguém se afasta de sua posição original, em que os fatos são absolutos (fé), em
direção à outra extremidade do espectro, os fatos tornam-se relativos. Na medida em
que o processo leva uma pessoa de sua 1) posição original, em que os fatos são mais
importantes, TESE/tese, a uma condição em que ela 2) sente ressentimento em
relação a eles, uma vez que eles se interpõem à sua aceitação e às suas novas
amizades, ANTÍTESE/antítese, ao ponto em que ela é 3) capaz de justificar a
mudança deles, por meio da "capacidade de raciocínio", quando eles não se ajustam ou
não ajudam a melhorar os relacionamentos humanos, SÍNTESE/síntese, os fatos
tornam-se triviais. Qualquer um nesta fase de transformacionalismo vê a pessoa que
defende sua posição com fatos, o tradicionalista, como ignorante, tacanho, irracional,
ofensivo, ou cheio de ódio, dependendo de sua persistência no uso dos fatos.

Os fatos tornam-se menos importantes à medida que


a pessoa se move de sua posição
original TESE/tese, para baixo no diagrama, onde
ela compreende que os fatos causam ansiedade
quando se interpõem à aceitação e respeito por parte
dos outros, TESE/síntese. Os fatos perdem sua
importância ainda mais à medida que a pessoa se
move de sua posição original, TESE/tese, passando
pelo diagrama até onde cada um agora está
determinado a focalizar os fatos apenas para praticar a capacidade de
questionamento, SÍNTESE/tese. Finalmente, quando a pessoa chega ao canto mais
distante do diagrama (o canto inferior direito) SÍNTESE/síntese, os fatos tornam-se
relativos, sempre abertos à interrogação, mutáveis, instáveis e inconfiáveis. Neste ponto
qualquer pessoa que confie totalmente em fatos é vista como alguém que necessita de
muita ajuda, uma vez que não pode se adaptar e recusa-se a se ajustar a um "mundo
em rápida transformação". Se essa pessoa não mudar (ela não pode ser ajudada),
então não se deve permitir que ela ocupe uma posição de influência na comunidade, e
possivelmente, nem mesmo no lar (É aqui que a frase "É necessário uma aldeia para
criar uma criança" entra em uso).

Identificando os Resistentes aos Fatos

Isto deveria ser uma compreensão do grau de resistência que os transformacionalistas


têm com relação aos fatos. A resistência com relação aos fatos relaciona-se diretamente
com a resistência com relação a ouvir o que se deve fazer, uma vez que ouvir o que
fazer é ter de obedecer a um fato, sinta-se a pessoa bem com ele ou não. Pode-se dar
fatos a alguém na fase tradicional de pensamento e, com certa capacidade de
expressão, convencer a pessoa da validade do fato. Os que promovem a Teoria da
Evolução recusam-se a ver os fatos que diretamente refutam a teoria e, portanto, para
evitar a realidade, usam o raciocínio dialético. Eles acabam dependendo de figuras
desenhadas à mão ou geradas por computador para promover e defender sua causa,
pois imagens ou evidências reais não existem. O que os evolucionistas fazem com os
fatos é justificado de acordo com sua maneira dialética de pensar. Se os fatos, de
acordo com o processo, não são confiáveis, então eles não são necessários para apoiar
a posição de alguém.

A Fase da Indiferença

Aqueles que participam do treinamento de diaprax e estão na fase de transição do


processo tenderão a ficar indiferentes ou impassíveis quando confrontado com fatos.
Lembre-se que eles estão na fase em que o temor pela perda de respeito está
diretamente relacionado a quão rigidamente alguém se prende aos fatos. Portanto,
quaisquer fatos novos causam tensão, especialmente quando apresentados com
persuasão lógica, clara ou com autoridade e, portanto, como um mecanismo de defesa,
o indivíduo resistente a fatos tende a se fechar internamente. O único meio de levar
fatos a esses indivíduos é restaurar a confiança de que receberão apoio ou suporte por
se firmarem em uma posição baseada em fatos. Isto será difícil de fazer, uma vez que
eles ainda estão sendo expostos ao ambiente de lavagem cerebral de diaprax, em que o
medo subconsciente de alienação está sendo alimentado.

A Fase "Vamos Concordar em Discordar"

Ao tempo em que a pessoa entra na fase transformacional do processo, ela se torna


madura ao ponto em que pode tranqüilamente dialogar fatos com uma pessoa de
pensamento tradicional, exceto que ela não continuará nisso por muito tempo se a
pessoa tradicional persistir em sua posição. A única intenção dela é achar falhas no
argumento das outras pessoas para então despedaçar a confiança delas. Se elas não
conseguirem abalar a confiança da pessoa tradicional em seus fatos, e a pessoa
tradicional continuar a apresentar fatos, o indivíduo transformacional abandonará
temporariamente o encontro que ele facilita, e voltará quando os fatos tiverem sido
todos apresentados e o apresentador tiver terminado, ou então encerrará a reunião,
vendo que perdeu o controle do ambiente favorável a diaprax.

O sinal seguro de que um transformacionalista está irritado é quando ele diz, "Bem,
todos temos direito a uma opinião." O que eles estão tentando fazer é baixar sua
posição até o nível da deles (neutralizando-a) e inflar o próprio ego, controlando o fim
da conversa. Os cristãos precisam compreender que a posição de Deus não é uma
opinião, é um fato. Como diaprax revela, tudo o que o homem tem são opiniões quando
ele não aceita a Palavra de Deus como sua posição. Satanás é opinião, Deus "É"
(posição). As opiniões estão estruturadas em sentimentos e, portanto, são relativas; as
posições são estruturadas com base em fatos e, portanto, são absolutas. Os
transformacionalistas não têm uma posição verdadeira e duradoura; eles têm apenas
opiniões que podem ser "... levadas em roda por todo vento de doutrina, pelo engano
dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente." (Efésios 4:14) Quando os
cristãos tratam a posição de Deus, que reivindicam como sendo sua, como uma opinião
que pode ser dialogada, eles negam a própria fé.

Outra das respostas favoritas usadas pelos transformacionalistas para ganhar o controle
é: "Bem vamos apenas concordar em discordar." A frase "concordar em discordar",
como a frase "diversidade na unidade" é somente outra definição da dialética. Se aceitar
qualquer uma delas, você caiu na armadilha da diaprax. Você concordou com eles que a
dialética é sua estrutura mental. Deus não aceita qualquer uma dessas frases. Ele
demonstrará seu desprezo por diaprax e por suas frases no dia da Batalha do
Armagedom e outra vez no Juízo Final.

Os transformacionalistas não suportam estar cercados por fatos absolutos por muito
tempo. É por isto que as Escrituras nos instruem a:

1. Sujeitai-vos, pois, a Deus (esteja firmado nos fatos, neste caso por meio da fé na
Palavra de Deus),
2. Resisti ao diabo (permaneça firmado nos fatos, irredutível, recuse o diálogo e a
contemporização. "Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais
estar firmes contra as astutas ciladas do diabo." [Efésios 6:11],
3. E ele fugirá de vós. (o demônio odeia fatos, pois é o "pai da mentira" [João 8:44],
como as opiniões e pontos de vista estritamente mundanos.) [Tiago 4:7-8].

Lembre-se ele só partirá por um tempo, mas partirá. O único problema com isso é que
se ele tem o controle completo sobre o ambiente da pessoa que está sob interrogação,
essa pessoa está lá para uma experiência de prisioneiro de guerra — o destino de todo o
mundo que passa pela Educação Progressiva (Pragmática), o Gerenciamento da
Qualidade Total ou o programa Escola Para o Trabalho.

Edgar Schien e Warren Bennis pesquisaram como os comunistas fizeram lavagem cerebral nos
soldados americanos. Esses homens, e outros como eles, procuraram compreender como poderiam
usar "de forma mais humana" esse processo nos estudantes norte-americanos. O controle do
ambiente é a chave para o êxito. Contanto que haja um elemento na comunidade que mantenha os
valores tradicionais você pode ter alguma esperança de resistência, desde que eles venham ao seu
auxílio. Caso contrário, então tudo está perdido, pelo menos quanto às coisas deste mundo.

"Entretanto, porque eu chamei e recusastes; e estendi a minha


mão e não houve quem desse atenção, antes rejeitastes todo
o meu conselho, e não quisestes a minha repreensão, também
de minha parte eu me rirei na vossa perdição e zombarei vindo
o vosso temor. Vindo o vosso temor como a assolação, e vindo
a vossa perdição como uma tormenta, sobrevirá a vós aperto e
angústia. Então clamarão a mim, mas eu não responderei; de
madrugada me buscarão, porém não me acharão. Porquanto
odiaram o conhecimento; e não preferiram o temor do
SENHOR: Não aceitaram o meu conselho, e desprezaram toda
a minha repreensão. Portanto comerão do fruto do seu
caminho, e fartar-se-ão dos seus próprios conselhos. [Provérbios
1:24-31].

Diaprax e os Sentimentos

Quando alguém segue a "cruz" da ANTÍTESE, encontra uma vida controlada e


manipulada por sentimentos, até mesmo nas habilidades de raciocínio de mais alta
ordem dediaprax. Do início ao fim da fase de ANTÍTESE, o indivíduo primeiro é preso
em um conflito pessoal interno de sentimentos, depois em um encontro de grupo de
externalização desses sentimentos e, finalmente, um senso de alívio, de que a tensão
foi retirada por meio da contemporização (remediação). Como descrito anteriormente,
esta é a fase mais dolorosa e de maior modificação comportamental e aflitiva
de diaprax. Ninguém pode permanecer nesta fase por muito tempo sem sucumbir à
contemporização que ela exige, ou então afastar-se. A dor emocional é grande demais
(dissonância cognitiva).

Se alguém segue as subfases de antítese do processo em cada fase, encontra a


primeira fase, TESE, uma experiência bastante desconfortável, mas a próxima fase
daANTÍTESE é totalmente traumática, especialmente se eles se recusam a abandonar
sua posição original. Pela fase SÍNTESE, não há nada em que se segurar, a defender
como fato, de modo que as emoções são aplainadas e reina a ambivalência. Você
simplesmente não pode estar nesta fase e ao mesmo tempo depender de uma posição
absoluta, exceto talvez o processo de diaprax, e mesmo então muitos psicólogos sociais,
pela necessidade de cultuar a mudança, declaram que existem novos e mais elevados
processos, que ainda não foram descobertos. Eles acreditam que a evolução da própria
mudança precisará avançar ou, como disse Nietzsche, "Não existe absolutamente
absoluto algum.".

A lavagem cerebral é uma grande parte das últimas


duas fases. Na primeira "taxonomia" de Bloom
(cognitivo) ele realça a avaliação como a fase final
para cada ciclo do processo. O que ele não consegue
compreender é que não é possível ser
verdadeiramente objetivo na fase final. Todos que
passam pelo processo têm de passar pelo coração
dele, estimando, no caso, seu livro do "domínio
afetivo", onde eles têm de experimentar o temor de
rejeição pelos outros para, "por vontade própria", buscar a mediação. Portanto,
qualquer resultado é distorcido, todos os fatos são torcidos para manter os
relacionamentos humanos no processo (temor subconsciente, o espírito do medo). Deus
não nos deu este espírito de temor [2 Timóteo 1:7].

Os psicólogos sociais podem pensar que são capazes de avaliar onde quer que estejam,
mas na realidade não podem. A emoção de ter de admitir que eles estejam errados,
quando um fato é apresentado que refuta o processo em si, faz com que eles o tratem
como uma hipótese, para redefini-lo para que ele então não seja mais um fato. Eles
usam o processo dialético para transformar cada fato que aparece diante deles. Essa é a
única maneira de eles poderem lidar com os fatos.

A Humildade "Diapraxada"

Uma avaliação precisa nunca ocorre da forma como vemos nas ciências exatas. É por
isso que, mesmo quando reconhecem o padrão de fracassos em seu processo, eles se
recusam a reconhecer o erro de sua prática. Eles estão dominados pela ilusão de
estarem no controle da situação, pela sensação de autoconfiança e, portanto, são
forçados a negar que não podem sair do processo quando quiserem. O orgulho os
impede de admitir isso e de buscar ajuda de quem poderia ajudar, uma pessoa de
"ordem inferior", baseada em fatos, com mentalidade tradicional, que acredita na
autoridade superior de Deus. A verdadeira humildade não é uma característica dos
"intelectuais". Eles só submetem a humildade à diaprax para satisfazer seus egos. Eles
buscam somente a auto-exaltação (a auto-realização).

Uma vez que todos sob a influência da diaprax refletem a atitude de Lúcifer da auto-
exaltação "Eu irei" (Isaías 14:12-16), e não a atitude de Jesus Cristo de submissão "Tua
vontade" (Marcos 14:36), quaisquer atos de humildade da parte deles revelam apenas a
busca da satisfação pessoal. A rebelião deles contra a autoridade de Deus e à Sua
Palavra os impede de expressar ou experimentar a autêntica humildade, mesmo quando
tentam expressá-la no contexto de seu propósito de satisfazer às necessidades sociais e
pessoais dos outros (leia Mateus 7:21-23 e Lucas 13:24-28 em conexão com Mateus
25:31-46). "Humilhai-vos pois debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo
vos exalte." [1 Pedro 5:6].

Quando amigos voltam de períodos de três dias de treinamento em "Gestão da


Qualidade Total" (TQM), "Educação Progressiva (Pragmática), ou do programa "Escola
Para o Trabalho", eles freqüentemente reagem como descrito acima. Quando você os
confronta com questões que envolvem fatos, eles se sentem incomodados e tornam-se
evasivos. Eles podem até mesmo se afastar se você insistir. Sem se dar conta, eles
estão em sério perigo, e é muito provável que se recusem a reconhecer ou mesmo a
admitir isso. Se um número considerável de líderes tomarem parte nesses
encontros, você, sua família, e sua comunidade estarão em sério perigo. Ninguém
deveria participar em diaprax, para não expor suas convicções ao perigo.

Diaprax e Raciocínio

A fase final do processo, SÍNTESE, consiste de uma singular idéia de combinar fatos e
sentimentos em prol da paz mundial — a unidade cósmica. O objetivo é amenizar as
diferenças existenciais no que diz respeito às convicções que dificultam as relações
humanas, como a necessidade de sermos aceitos pelos outros. À medida que se avança
em diaprax, nota-se que o objetivo do processo é fazer a vida tomar sentido. Já que
fatos e sentimentos geram conflitos existenciais, então a argumentação é vista como o
único meio pelo qual a harmonia e a paz podem ser alcançadas. Embora aqueles que
promovam esse método de argumentação o considerem "científico", ele é científico
apenas na estrutura, quando aplicado às ciências naturais, ou exatas. Quando aplicado à
Psicologia Social, ele se torna ciência "subjetiva", ou a "falsamente chamada ciência". [1
Timóteo 6:20].

O comportamento nunca foi categorizado com precisão, apesar de todas as tentativas


de fazer isso. Conseqüentemente os psicólogos sociais admitem usar um método próprio
das ciências exatas e aplicá-lo ao ser humano. A dedução lógica é que eles classificam o
homem como algo material. Uma vez que o homem é mais que isso, o método é
inadequado como ferramenta de avaliação. Antes de tudo, deve-se compreender que o
método "científico" de diaprax não passa de um meio fraudulento de redefinir o homem
como nada mais do que um animal cósmico. Tendo essa finalidade, o processo, como
está sendo aplicado, reduzirá a humanidade apenas à condição de animais. A exceção
no caso, é que se trata de um animal pensante que pode justificar os meios que usa
para satisfazer suas necessidades de relacionamento pessoal e social em seu mundo
terreal.

Aqueles que são dominados por diaprax acabam admirando a habilidade de justificar
seu comportamento diante da responsabilidade pessoal, pois pensam que podem
"racionalmente" responsabilizar qualquer pessoa em posição de autoridade por todos os
problemas e fracassos pessoais. Eles cultuam a igualdade de oportunidade porque, em
sua opinião, acreditam que podem assumir qualquer posição (Deus) quando, na
realidade, não podem (realidade virtual). Eles cultuam a classe social porque pensam
que podem justificar seu descontentamento com todos (Deus) que se põem em seu
caminho como opressores. E eles cultuam a mobilidade social porque, de seu ponto de
vista, acreditam que são o caminho, a verdade, e a vida (Deus). Eles adoram sua
própria sabedoria, sua matriarca Sofia do gnosticismo, sua Mãe Terra, porque em sua
mente, acreditam que todo o mundo poderá se voltar para a autoridade de Deus e da
Sua Palavra para procurar entender o sentido da vida, se eles não fizerem algo a
respeito rapidamente. Este é o raciocínio de diaprax; é o espírito do Anticristo.

O medo da rejeição é a causa de tudo isso, o


ressentimento do homem com relação àquele em
autoridade que causa isso. Quando alguém teme
ser rejeitado pelo homem, Deus sempre se
tornará objeto de ressentimento. Isto se deve ao
nosso ressentimento em relação às coisas (as leis de
Deus, Sua exigência de fé e obediência, e Sua
posição imutável quanto ao pecado) que dificultam o
desenvolvimento de relacionamentos com aqueles
que admiramos ou de quem queremos nos aproximar, que defendem e seguem um
ponto de vista contrário.

Quando a separação de Deus é desfeita em Cristo, o homem recebe Seu Espírito de


poder, amor, e uma mente sã. No momento em que a oposição do homem a Deus
acaba, sua oposição ao mundo começa. Temos de escolher entre Deus ou o homem.
Não há outra escolha possível. Quando o desenvolvimento das relações humanas
torna-se a preocupação principal em qualquer ministério, esse ministério não
está mais servindo a Deus.

A Sessão Diaprax

(Referencie o diagrama no fim deste livreto)

Analisando o processo dialético com suas fases TESE, ANTÍTESE, SÍNTESE, e suas
três subfases (nove fases ao todo), podemos observar a série de perguntas que são
usadas para produzir a mente estritamente mundana e de Nova Era de diaprax.

TESE

Fase 1: A INTERROGAÇÃO DA TESE. "Por que você está se sentindo assim?"


TESE—tese

Subfase 1: DECLARAÇÃO DA POSIÇÃO. O início do processo de "interrogação". O


agente de mudança torna-se conhecedor da sua posição a respeito de uma questão
social.

"O que você pensa sobre...?" (Cognitivo)


"Como se sente com relação a...?" (Afetivo)

Após o facilitador fazer uma breve introdução cordial e envolver os membros do grupo
em um diálogo até certo ponto animado e informal, ele inicia o processo de interrogação
com perguntas formuladas. Quando o facilitador diz: "Não se preocupe com suas
respostas. Isto é apenas um exercício, simplesmente solte-se e participe. Ninguém tem
a intenção de prejudicá-lo, estamos aqui para nos ajudar mutuamente. Este exercício
não está sendo gravado" Não acredite nele. Tudo está sendo gravado. Alguém, em
algum lugar, está observando você. Os dados de seu comportamento estão sendo
registrados por um observador incógnito, quer você saiba ou não. Seu comportamento
está sendo registrado, se não em fita magnética, pelo menos em anotações, ou na
cabeça de alguém, para ser escrito depois. Em um encontro posterior dos líderes dos
grupos e os agentes de mudança, esses dados serão usados para analisar seu
comportamento no exercício. Em uma sociedade diaprax todos estão sendo
constantemente analisados, até mesmo o facilitador.

TESE—antítese
Subfase 2: DEFININDO SUA POSIÇÃO. O agente de mudança inicia com perguntas
como:
"Você poderia explicar isto melhor?"
"O que você quer dizer com...?"

Usando um ambiente controlado para fomentar o interesse do grupo a respeito de uma


questão social, o facilitador precisa antes estimular a harmonia com cada participante.
Ele consegue isso pedindo, inicialmente, que cada indivíduo defina com mais clareza
seus termos, para que ele possa compreender melhor o ponto de vista de cada um. Ele
usa esta fase para ativar o desejo de respeito que cada indivíduo deseja ter do
facilitador, bem como o respeito desejado dos demais participantes com relação ao seu
ponto de vista. Uma vez que isso aconteça, a posição do indivíduo está em risco.

TESE—síntese

Subfase três: CONHECENDO A SI MESMO e "DIREITOS INDIVIDUAIS".

O início da atitude "Tenho meus direitos". Libertação daqueles que estabelecem normas
sociais restritivas, que limitam a igualdade de oportunidade. A síndrome opressor-
oprimido está agora sendo estimulada.

"Como você acha que chegou a esta visão?"


"Por que você acha que está se sentindo assim?"

É nesta subfase que o indivíduo percebe de onde vem sua inquietação, ao desejar fazer
parte de um novo grupo. Essa inquietação é causada pelo medo de ser rejeitado pelo
novo grupo caso não justifique satisfatoriamente as normas e restrições que lhe foram
impostas pelos pais, pelas leis, por Deus, etc. O propósito dediaprax é encorajar o
indivíduo a "pensar por si mesmo" e perceber que tem o direito de questionar as normas
ou os padrões que atrapalham as novas experiências sociais.

ANTÍTESE

Fase 2: O AMBIENTE PARA A CRIAÇÃO DO RELACIONAMENTO DO GRUPO "Você


levou em conta as alternativas?"

ANTÍTESE—tese

Subfase 4: REJEITANDO AS PROIBIÇÕES.

O agente de mudança deve iniciar o processo de construção de relacionamentos ou


pensamento de grupo com perguntas que ajudem a libertar os participantes, para que
eles possam perceber as mudanças e as diferenças entre si. Isto é feito com perguntas
como:

"De que outra forma isto poderia ser tratado?"


"Quais são as alternativas para o seu ponto de vista?"

Todos os participantes precisam sentir que têm o "direito" de dizer NÃO a todos os
mandamentos e determinações do tipo "Você não pode fazer isto", "Você está proibido
de fazer aquilo", que foram estabelecidos pelos pais, por Deus, ou por experiências
anteriores. Para que todos se sintam à vontade para participar da experiência de
convivência em grupo e estejam dispostos a experimentar a "diversidade na unidade",
aprendendo a "concordar com discordar" em prol da harmonia social, eles precisam se
mostrar dispostos a colocar de lado qualquer preceito que impeça ou restrinja o diálogo.
Os Dez Mandamentos serão definitivamente reinterpretados (humanizados), ou
ignorados, por não admitirem diaprax — comportamento humano tortuoso.

ANTÍTESE—antítese

Subfase 5: CONFLITO. A análise das conseqüências que as alternativas podem trazer


começa com perguntas do tipo:
"Qual seria o resultado se...?"
"Que efeito isto teria sobre...?"
"Quais seriam as conseqüências?

O conflito é o resultado da experiência de definição e redefinição que está ocorrendo


dentro do grupo e entre cada participante enquanto cada um tenta manter o respeito
aos olhos do grupo e intensificar a coesão grupal. A busca pela criação de um terreno
comum necessário para o consenso do grupo impele todos os participantes a avançarem
neste momento de dissonância cognitiva, em que as opiniões e pontos de vista
divergentes são compartilhados e apresentados por todos, ao mesmo tempo em que
eles superam o elemento de culpa por terem questionado a posição original.
Enfrentamento, portanto, torna-se palavra de ordem para o processo de conduta de
cada indivíduo à medida que ele se dispõe a satisfazer as necessidades pessoais e ao
mesmo tempo atender às necessidades sociais. Este é o âmago da fase de dependência
das necessidades de relacionamentos sócio-pessoal de diaprax.

ANTÍTESE—síntese

Subfase 6: MEDIAÇÃO ou RESOLUÇÃO DE CONFLITO. Uma subfase que segue


imediatamente após a subfase 5, com perguntas do tipo:

"O que é melhor, mais desejável, ou mais prático?"


"Por quê?"

Desenvolver a capacidade de mediação ou de solução de conflitos é o objetivo de todo


este exercício de "dinâmica de grupo". Portanto, os absolutos precisam ser sacrificados
para o bem da harmonia social. De acordo com diaprax, a única coisa absoluta é a
mudança, a única coisa relativa é a verdade. É neste ponto que a mudança de
paradigma da Nova Era realmente se revela, pois não há mais "retorno às origens"
neste processo, o que significa que não haverá mais nenhum vínculo com os padrões
estabelecidos pelos pais ou por Deus no que diz respeito ao certo e ao errado.

Fase 3 — SÍNTESE: "APRENDIZADO POR TODA A VIDA". Tornando-se um agente


de mudança em tempo integral.

SÍNTESE—tese

Subfase 7: DETERMINAÇÃO DE CONTINUAR COM DIAPRAX.

Cada participante do pensamento de grupo agora se dispõe a cooperar para que outros
conheçam este processo de pensamento de grupo. Ao atrair outras pessoas para o
ambiente de diaprax, eles podem levá-los a tomar consciência de suas próprias
necessidades de dependência sociais e pessoais. Os participantes do pensamento de
grupo, nesta subfase, podem contribuir para facilitar o processo com perguntas do tipo:

"O que você pensa sobre...?"


"Como se sente sobre...?"

Nesta subfase o indivíduo de "mente-transformacional" ou com "pensamento de grupo"


está determinado a ativar o processo de diaprax em outros indivíduos ou grupos que
"ainda possuam" uma mentalidade "tradicional" ou "transicional". Eles estão
determinados a produzir mais pensadores de ordem superior para a causa da harmonia
e da paz mundial. A remediação resulta na "habitualização" do processo.
SÍNTESE—antítese

Subfase 8: EXIGÊNCIA.

Para que todos desenvolvam "baixa intolerância à ambigüidade" e se adaptem a uma


vida vivida na "zona cinzenta", tudo para o bem da sociedade, eles precisam aprender a
aceitar o caos, a mudança, e a lidar com o estresse como um estilo de vida.

O agente de mudança individual, convencido da necessidade de mudança, agora


acredita que é necessário que todos aprendam a lidar com o estresse em um ambiente
de caos. Como a fase de "transição" requer o conflito no grupo, para que o respeito
individual seja preservado e a coesão do grupo seja desenvolvida, então será necessário
que todos aprendam a conviver com o caos da mudança.

SÍNTESE—síntese

Subfase 9: A IMPLICAÇÃO É O RESULTADO DO EFEITO.

A síndrome da carruagem na frente dos cavalos. Diaprax: O ímpeto dialético para a


união por meio do uso controlado da dissonância cognitiva, no ambiente da práxis.
(Tradução: Lavagem cerebral realizada pelos psicólogos sociais: A ciência de
desenvolver e utilizar a ansiedade da alienação, encontrada naturalmente nas pessoas,
para sintetizá-las por meio do uso da antítese ou confusão, em um laboratório
tecnologicamente projetado do "mundo real", ou Nova Ordem Mundial: O uso sócio-
psicológico do medo para guiar as pessoas para o propósito de dominação global.).

De acordo com Hegel, "O que é racional é real, e o que é real é racional." É, portanto, o
ambiente real que produz ou desenvolve as mentes racionais e é a mente racional que
está disposta a reconhecer o mundo real. Diaprax rejeita o mundo da causa e efeito,
que determina resultados imediatos como "Você deve sempre fazer isto, se quiser que
aquilo sempre aconteça.".

Segundo aqueles que utilizam diaprax, causa e efeito são irracionais. Causa e efeito
requerem fé em uma ordem mundial pré-estabelecida e em resultados fixados
anteriormente à experiência humana, que não podem ser justificados em um mundo
sem ordem. De acordo com diaprax, a mente racional e o mundo real precisam ser
vistos como efeito e causa. Eles acreditam que o efeito de apresentar uma situação do
mundo real para que as pessoas aprendam a se relacionar entre si (controle do clima ou
do ambiente) produzirá o comportamento racional (o resultado desejado), desde que ele
seja apropriadamente facilitado. Conseqüentemente, eles acreditam que o efeito de
ensinar as pessoas a confiar e obedecer a uma cosmovisão irreal, causará apenas
comportamento irracional.

De acordo com diaprax, efetivar uma verdadeira cosmovisão (diversidade) é criar uma
mente racional (a busca pela unidade). O resultado desse tipo de mentalidade é a
crença de que a unicidade cósmica é o objetivo da vida, a mais real e mais racional
forma de viver. Segundo esses promotores de diaprax, qualquer um que não esteja
buscando soluções para os problemas do mundo com as técnicas de pensamento de
ordem elevada é considerado irracional e nunca deve ocupar uma posição de influência
onde possa "contaminar" a próxima geração com sua forma de pensamento de "baixo
nível".

Portanto, de acordo com diaprax, já que o mundo real está mudando, a mente racional
deve também ser adaptável às mudanças. Esse é um raciocínio cíclico para os cristãos,
uma vez que a solução para os problemas do mundo, de acordo com esse processo,
somente pode ser resolvido com um pensamento mundano, e é o pensamento
mundano, de acordo com esse processo, que reconhece os problemas mundiais.
Conseqüentemente, de acordo com esse processo, qualquer pensamento que não seja
terreal não pode ser racional; somente aquilo que é terreal pode ser real. Tudo está
estritamente vinculado a este mundo.

Os indivíduos podem agora justificar sua conduta de acordo com regras e padrões
ambíguos criados com diaprax. Eles acreditam que são capazes de resolver os
problemas sociais e pessoais, porque sabem como pensar sozinhos de uma maneira que
não irá afligir o resto da humanidade, mas ao contrário, que irá ajudá-la a alcançar a
união mundial. Suas definições sempre serão direcionadas em satisfazer às
necessidades sociais e ao pensamento de grupo, não às necessidades de uma
autoridade de mente absoluta, seja Deus ou o homem. O propósito da vida torna-se
agora fazer a humanidade conviver racionalmente bem consigo mesma, e não fazer a
humanidade obedecer a Deus, aos pais, etc., porque Ele ou eles dizem que devemos
agir assim.

Diaprax e a Auto-Estima — Elogios Que Insultam

A auto-estima não merecida nunca poderá satisfazer uma pessoa da mesma maneira
que a auto-estima adquirida. Receber elogios que você não merece é um
insulto. Diapraxinsulta todas as pessoas com quem dialoga.

Aqueles que estão no mundo de diaprax recusam-se a prestar contas àqueles que vivem
no mundo real. Qualquer um no mundo real, que perceba os problemas advindos do uso
da Educação Pragmática (Orientada para Resultados), do Gerenciamento da Qualidade
Total (TQM) e do programa Escola Para o Trabalho, e tente obter respostas dialogando
com aqueles que estão envolvidos em diaprax, logo descobre que, apesar de todos os
elogios feitos com frases do tipo: "Acho maravilhoso que você tenha vindo descobrir o
que está acontecendo. Você é um dos poucos que parecem realmente se importam o
bastante para se envolver e nos ajudar a fazer a diferença", eles estão na verdade
sendo insultados.

Diaprax é bem sucedida porque dá àqueles que estão sob sua influência a impressão de
que estão no controle. Eles não percebem que na verdade estão sendo
controlados.Diaprax é como uma substância viciadora, exceto que funciona com
palavras, linguagem e raciocínio. Enquanto fala uma coisa, ela faz outra. Ela "dá" algo a
você que faz com que você se sinta bem, mas se você parar para analisar, vai perceber
que ela lhe dá pouco ou nada. O que você está cedendo em troca é o controle sobre sua
vida e o direito de usá-lo no mundo real. Diaprax simplesmente esquece de lhe dizer que
você está abdicando de seu direito de controlar sua própria vida; você terá de descobrir isso por sua
própria conta. Como qualquer substância que vicia, isso é difícil de ser feito quando você está sob a
influência do vício.

Capacitação é apenas outro termo usado em diaprax para


significar "ludibriado".

Quando as pessoas percebem que foram dominadas pelo processo, logo descobrem que
não conseguem advertir as outras porque elas ainda acreditam que controlam suas
vidas. Ninguém pode lutar contra o sistema estando dentro dele. Ele não fornece um
ponto adequado de sustentação para que alguém possa resistir a partir de dentro.
Aqueles que assim pensam estão apenas enganando a si mesmos.
Espontaneidade e Regras

Uma grande parte de minha pesquisa me levou ao estudo do comportamento


"consciente-subconsciente". Alguns chamam esse espectro de "falsa consciência—
consciência," outros "estrutura profunda—estrutura superficial" (Essa é também a área
de pesquisa que os psicólogos sociais se concentram em seus esforços para entender
como usar a hipnose.) Uma suposição psicológica mantida pelos psicólogos sociais é que
quando a espontaneidade de uma pessoa (a estrutura profunda, o desejo subconsciente
ou "necessidade" emocional") é estorvada (reprimida ou suprimida) por regras ou
mandamentos (estrutura superficial) as pessoas criam sentimentos secretos de
ressentimento que eventualmente resultarão em alguma forma de hostilidade voltada
contra elas mesmas ou contra as outras pessoas. Quando esses sentimentos finalmente
ganham uma oportunidade de serem extravasados, eles se tornam o dínamo que está
por trás do preconceito e da discriminação.

Como a figura de autoridade, que define as regras e exige obediência e respeito, não
permitirá ser usada como um escape para qualquer raiva acumulada, especialmente por
parte de alguém que está sob sua autoridade, aqueles que estão sob submissão muito
provavelmente projetarão sua raiva contra qualquer pessoa de fora que a figura
autoritária desgoste, desse modo não somente aliviando a tensão interna causada pela
submissão, mas também ganhando o favor da figura de autoridade. Os psicólogos
sociais acreditam que aqui é que todos os preconceitos e discriminações se originam.

O que falta aqui é o reconhecimento da autoridade benevolente, algo que os psicólogos


sociais discutem, mas se recusam a aceitar como resposta, uma vez que o problema
para eles não é realmente amor e perdão, e sim a liberdade de questionar a autoridade
estabelecida. Eles buscam controlar a sociedade, sem prestação de contas pessoal. Kurt
Lewin e outros reconhecem que uma autoridade benevolente poderia produzir uma
comunidade saudável, mas, como ainda se faz necessária a obediência a uma
autoridade superior que eles não poderiam controlar, eles não podem aceitar isso como
uma opção. É por isso que a Educação Pragmática (Orientada a Resultados), a Gestão
da Qualidade Total (TQM) e o programa Escola Para o Trabalho não ensinam a
obediência, mas sim o respeito mútuo, o máximo possível. Quem não merece respeito,
de acordo com os psicólogos sociais, são aqueles que continuam a acreditar em
absolutos e que resistem às mudanças.

Deus espera de nós o respeito a Ele e obediência às Suas leis; no entanto, Ele conhece
nossa natureza pecaminosa que se ressente em receber ordens. Em Cristo Ele nos
concede perdão para os nossos ressentimentos e desobediência e, com Seu Espírito
Santo, Ele nos dá a força para dominá-los. Deus tornou possível o que o homem não
poderia fazer. É por isso que os psicólogos sociais recusam-se a reconhecer uma
autoridade benevolente. Fazer isso seria forçá-los a reconhecer que têm uma natureza
pecaminosa e admitir sua necessidade de Deus. Eles também não querem reconhecer
que Deus é o Criador.

O psicólogo social Piaget afirmou que toda vez que alguém diz a uma criança o que
fazer, ou ensina uma criança, está impedindo que ela descubra por si mesma e com isso
termina prejudicando-a. O que ele e outros como ele querem dizer é que a
espontaneidade deve se tornar uma parte tão importante da educação quanto a coleta
de informações. Regras absolutas, especialmente regras transcendentes, prejudicam a
espontaneidade, uma vez que não podem ser descobertas por meio da espontaneidade.
Em diaprax, todos recebem a oportunidade de ter um papel, de se tornar espontâneos, de se
livrarem das regras estagnadas de "Faça isto, não faça aquilo" inculcadas pelos pais, professores,
pastores, chefes, governos, etc. É por isso que, de acordo com os psicólogos sociais, o ensino por
memorização e de forma didática deve dar lugar ao pensamento dialético, de ordem mais elevada.
Quando Piaget insistiu que as crianças não deveriam receber nenhuma regra até que completassem
sete anos, pois somente a partir dessa idade é entenderiam as regras, é porque isso se encaixa com
o padrão dialético. O que ele e homens como ele têm de superar é o fato que esse processo está
errado. Se regras não forem aplicadas até os sete anos, muito provavelmente você terá uma criança
indisciplinada. Isso é tolice, como até eles mesmos às vezes admitem.

"Em vez de usar métodos didáticos... os novos modelos para a


correção das habilidades acadêmicas básicas... devem
incorporar métodos instrucionais apropriados." [Condições
necessárias para receber as verbas da Bolsa Federal.]. Lei Federal dos EUA
S.143 RS, pág. 187, linhas 21-24.

Mas os psicólogos sociais estão intoxicados com diaprax, estão possuídos pelo processo
e, por algum motivo, não conseguem ver o "padrão de fracasso" que Abraham Maslow
momentaneamente reconheceu. Se algum dia eles reconhecerem verdadeiramente o
quão errado é esse caminho e acabarem por rejeitar diaprax, não terão mais para aonde
ir, exceto voltar-se para Deus e para a Sua Palavra. É por isso que Maslow esteve em
um conflito tão grande no fim; ele não queria seguir esse caminho. É por isso também
que Lawrence Kohlberg, famoso pelo "dilema da jangada da vida" terminou suicidando-
se. Pense um pouco, quase todas as crianças nas escolas públicas e privadas estão
aprendendo ou participando de pelo menos uma das questões do dilema proposto pelo
suicida Lawrence Kohlberg. Não existe esperança verdadeira e duradoura na
intelectualidade rebelde de diaprax. Há somente uma total desesperança e um profundo
desespero, quando não a autodestruição no fim.

Mas para aqueles que estão viciados em diaprax, o processo está sempre correto; eles
acreditam que precisam apenas de um pouco mais de tempo e de mais cobaias para
fazer experiências e corrigir as falhas. Uma coisa a se lembrar sobre as experiências é
que a pessoa que as realiza nunca é responsável pelos resultados — mesmo que a
experiência falhe — desde que ela tenha seguido os procedimentos e a experiência
tenha sido aprovada pelos participantes. Apenas fique atento que nessa experiência
você pode ser responsabilizado por qualquer falha por não ter feito a sua parte (não
participou de reuniões de pais e mestres, do treinamento gerencial, etc.) e você pode
ser culpado por quaisquer danos feitos à sociedade (desistências ou recusa em
participar; em alguns países socialistas essas pessoas são chamadas de parasitas).

Se seus filhos estiverem participando dessas experiências, tenha a certeza que eles
podem voltar — avariados, mas que isso não deve ser um problema uma vez que foi
você mesmo quem autorizou a experiência. Você apoiou isso por meio das leis que
permitiu que fossem aprovadas. Você contribuiu para isso com sua participação em
atividades sociais voluntárias. Você aprovou isso ao enviar seus filhos a participarem
disso. No fim, você é o único culpado. Em diaprax é assim que funciona.

"Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne;


porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim
poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo
os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o
conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento
à obediência de Cristo." [2 Coríntios 10:3-5].

Quando se trata do ponto de vista de uma pessoa com relação à Palavra de Deus o
cristão não pode passar pela subfase de definição de diaprax usando "Eu penso", ou
"Eu acho", sem enfraquecer sua fé. O uso do "Está escrito" durante essa subfase pode
certamente custar ao cristão o respeito dos participantes no grupo, mas é a única
maneira pela qual ele pode se manter fiel à sua fé e à sua posição com relação a Deus e
à Sua Palavra.

Entrar no território do "Eu penso" ou do "Eu acho" nas questões do "Está escrito" é
insensatez. Muitos cristãos já caíram nessa armadilha. Existem muitas escrituras que
me vêm à mente agora, mas uma em particular que se aplica diretamente à diaprax é 1
Timóteo 6:20-21. O apóstolo Paulo advertiu Timóteo para que não participasse das
"oposições" (a verdadeira palavra grega utilizada aqui é antítese) "da falsamente
chamada ciência, a qual professando-a alguns, se desviaram da fé" (a falsamente
chamada ciência" é a referência de Paulo ao processo dialético). Mais claro que isso é
impossível. Não é possível para uma pessoa participar em diaprax e manter sua
fé em Deus.

Se rejeitar a Deus como a "Primeira Causa" ou o propósito de sua vida, você está
condenado a uma vida de diaprax. Você baseou a causa de sua existência em sua
própria sabedoria e está preso a este mundo e ao seu iminente julgamento. Você está
adorando a criatura em lugar do Criador e está preso ao Aprendizado Por Toda a Vida
sem ter qualquer esperança de realmente entender o que de fato é a vida.

Em diaprax, você está preso ao corrupto amor aos prazeres e não poderá conhecer o
verdadeiro amor de Deus. Tudo o que você pode esperar em diaprax é uma existência
vazia, embora cheia de animação. Você nunca descobrirá o descanso que o Criador de
todas as coisas preparou para você em Seu Filho, mas ao contrário, ficará destinado à
condenação eterna, de acordo com padrões pré-estabelecidos de Deus, como vemos em
Sua Palavra. Com Deus não existe uma zona cinzenta, somente branco e preto,
somente a escolha entre a vida e a morte. Essa é a única escolha que existe. Ele deixou
essa escolha para você fazer.

Em diaprax você pode somente se voltar para o mundo e seus gurus estritamente
mundanos (os psicólogos sociais) para fazer as perguntas cujas respostas satisfaçam às
suas necessidades de relacionamentos pessoais e sociais. Essa é a única escolha que
você tem caso se recuse a reconhecer seu ressentimento em relação à autoridade de
Deus e também reconhecer seus pecados. Para encontrar a verdadeira e definitiva
resposta para a sua verdadeira necessidade — a redenção de seus pecados e uma
relação restaurada com o Criador — você precisa crer em Jesus Cristo de Nazaré,
precisa ser batizado e servir de coração a Deus como Senhor e Mestre de sua vida. Se
você se recusar, pode apenas se voltar para a "sabedoria" de homens caídos para fazer
perguntas e obter suas respostas. Você só encontrará lá o processo satânico e
destrutivo dediaprax, a ciência e a tecnologia da Nova Era (a dialética e a práxis).

Se você está nas garras do processo da "Nova Era" ou se está simplesmente sendo
seduzido por ele, agora é a hora de se voltar para aquele que pode salvar, Jesus Cristo
de Nazaré. "E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum
outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos." [Atos 4:12].

"Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o


manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que
não retêm águas." [Jeremias 2:13].

"Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os
caminhos da morte." [Provérbios 14:12].

"Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus


pensamentos, e se converta ao SENHOR, que se compadecerá dele;
torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar. Porque os
meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos
caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os
céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais
altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos
do que os vossos pensamentos." [Isaías 55:7-9].

"E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus
é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos
comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos
a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos
comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho,
nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado,
enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se
confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os
pecados, e nos purificar de toda a injustiça." [1 João 1:5-9].

Diagrama de Diaprax
Bibliografia de Pesquisa

"Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e


injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça."

"E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim


Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que
não convêm."[Romanos 1:18,28].

"Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem
que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o
filho da perdição." [2 Tessalonicenses 2:3].

Os nomes e títulos de livros em negrito representam materiais usados por Benjamim


Bloom et al em suas taxonomias. Apenas os nomes em negrito representam autores que
Bloom usa para suas taxonomias, mas os livros citados aqui não são uma parte de seus
livros.

 Adorno, Theodor. The Authoritarian Personality. New York: Harper&Row,


1950.
 Allport, Gordon W. The Nature of Prejudice. Cambridge: Addison-Wesley
Pub. Co., 1954.
 Asch, Solomon E. Social Psychology. New York: Prentice Hall, 1952.
 Astin, Alexander W. Four Critical Years: Effects of College on Beliefs, Attitudes, and
Knowledge. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1978.
 Astin, Alexander W. The Power of Protest. San Francisco: Jossey-Bass, 1975.
 Bandler, Richard. Changing With Families: A Book About Further Education For Being
Human. Palo Alto, CA: Science and Behavior Books, 1976.
 Barker, Roger Garlock., T. Dembo, and K. Lewis. Frustration and Regression:
An Experiment with Young Children. Vol. 18, No. 1. Iowa City, Iowa:
University of Iowa Studies in Child Welfare, 1941. (Article can be found in
Human Relations in Curriculum Change, below).
 Barton, Allen H., Bogdan Denitch, and Charles Kadushin, eds. Opinion-Making Elites
in Yugoslavia. New York: Praeger Publishers, 1973.
 Benne, Kenneth D. And Bozidar Muntyan. Human Relations in Curriculum
Change. New York: The Dryden Press, 1951.
 Bennis, Warren. The Planning of Change. New York: Holt, Rinehart, and Winston,
1969.
 Bennis, Warren. The Planning of Change: Readings in the Applied Behavioral
Sciences. New York: Holt, Rinehart, and Winston, 1961.
 Bennis, Warren. The Temporary Society. New York: Harper and Row, 1969.
 Berg, Robert L., M. Roy Brooks, Jr., and Miomir Savicevic. Health Care in Yugoslavia
and the United States. Bethesda, MD: National Institute of Health, 1976.
 Blanchard, Kenneth. Management of Organizational Behavior: Utilizing Human
Resources. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1972.
 Blanchard, Kenneth. The One Minute Manager. New York: Morrow, 1982.
 Block, James H. and Lorin Anderson. Mastery Learning in Classroom Instruction. New
York: MacMillan Publishing, 1975.
 Bloom, Benjamin S., David R. Krathwohl, and Bertram B. Masia. Taxonomy
of Educational Objectives: The Classification of Educational
Goals. Cognitive Domain. New York: Longman, 1956.
 Brown, B. Frank, Director. Education for Responsible Citizenship: The Report of The
National Task Force on Citizenship Education. New York: McGraw-Hill, 1977.
 Bruner, Jerome S. The Process of Education. Cambridge: Harvard University
Press, 1977.
 Cantril, Hadley and Gordon W. Allport. The Psychology of Radio. New York: Arno
Press, 1971.
 Carroll, John B. Language and Thought. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1964.
 Coleman, James. The Adolescent Society; the Social Life of the Teenager
and its Impact on Education. New York: Free Press of Glencoe, 1961.
 Coleman, James. Community Conflict. Glencoe, IL: Free Press, 1957.
 Coleman, James. Public and Private High Schools: The Impact of Communities.
New York: Basic Books, 1987.
 Djilas, Milovan. The Unperfect Society, Beyond the New Class. New York: Harcourt,
Brace & World, 1969. (Yugoslavia)
 Dressel, Paul Leroy. General Education: Explorations in Evaluation.
Washington: American Council on Education, 1954.
 Erikson, Erik H. Childhood and Society. New York: Norton, 1963.
 Fenton, Edwin. Teaching the New Social Studies in Secondary Schools; an Inductive
Approach. New York: Holt, Rinehart, and Winston, 1966.
 Festinger, Leon. A Theory of Cognitive Dissonance. Stanford: Stanford University
Press, 1962.
 Friedrich, Carl J. (Ed.). The Philosophy of Hegel. New York: The Modern Library,
1954.
 Fromm, Erich. Escape From Freedom. New York: Holt, Rinehart, and
Winston, 1941.
 Fromm, Erich. Man for Himself, An Inquiry Into the Psychology of Ethics. New York:
Holt, Rinehart, and Winston, 1947.
 Fromm, Erich. You Shall Be As Gods: A Radical Interpretation of the Old Testament
and its Tradition. New York: Fawcett Premier, 1966.
 Furst, Edward J. Constructing Evaluation Instruments. New York: David
McKay, 1958.
 Garbin, Margery, ed. Assessing Educational Outcomes Third National Conference on
Measurement and Evaluation in Nursing. New York: National League for Nursing
Press, 1991.
 Gardner, Howard. Frames of Mind: The Theory of Multiple Intelligences. New York:
Basic Books, 1983.
 Gerlach, Ronald A. and Lynn W. Lamprecht. Teaching About the Law. Cincinnati:
W.H. Anderson Co., 1975.
 Glaser, Edward M., Harold H. Abelson and Kathalee N. Garrison. Putting Knowledge
to Use: Facilitating the Diffusion of Knowledge and the Implementation of Planned
Change; Jossey-Bass Publications, San Francisco, 1983.
 Gramsci, Antonio. Letters from Prison (Cadernos do Cárcere). Traduzido por Lynne
Lawner. New York: Noonday Press, 1973.
 Gramsci, Antonio. Selections from Cultural Writings. Edited by David Forgacs and
Geoffrey Nowell-Smith, Translated by William Boelhower. Cambridge: Harvard
University Press, 1985.
 Gramsci, Antonio. Selections from the Prison Notebooks. Editado e traduzido por
Quintin Hoare and Geoffrey Smith. New York: International Publishers, 1971.
 Gruenwald, Oskar. The Yugoslav Search for Man: Marxist Humanism in
Contemporary Yugoslavia. South Hadley, MA: J.F. Bergin, 1982.
 Habermas, Jurgen. Toward a Rational Society: Student Protest, Science, and Politics.
Boston: Beacon Press, 1971.
 Havighurst, Robert J. and W. Lloyd Warner and Martin Loeb. Who Shall Be
Educated? New York: Harper & Brothers, 1944.
 Havighurst, Robert J. Adolescent Character and Personality. New York: Wiley,
1949.
 Havighurst, Robert J. The Educational Mission of the Church. Philadelphia:
Westminster Press, 1965.
 Havighurst, Robert J. and Daniel Levine. Society and Education. 7th ed. Boston:
Allyn and Bacon, 1989.
 Havelock, Ronald G. The Change Agent's Guide to Innovation in Education;
Educational Technology Productions, Englewood Cliffs, New Jersey, 1975.
 Heider, Fritz. The Psychology of Interpersonal Relations. New York: Wiley, 1958.
 Horkheimer, Max. Eclipse of Reason. New York: Oxford University Press, 1947.
 Jacob, Philip E. Changing Values in College. New York: Harper, 1957.
 Jacobi, Maryann. College Student Outcomes Assessment: A Talent Development
Perspective. College Station, TX: Association for the Study of Higher Education,
1987.
 Jay, Martin. The Dialectical Imagination: A History of the Frankfurt School and the
Institute of Social Research, 1923-1950. Boston: Little, Brown, 1973.
 Johnson, David W. and Roger T. Johnson. Circles of Learning: Cooperation in the
Classroom. Alexandria, VA: Association for Supervision and Curriculum
Development, 1984.
 Johnson, David W. and Roger T. Johnson. Joining Together: Group Theory and
Group Skills. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1982.
 Johnson, David W. and Roger T. Johnson. Reaching Out: Interpersonal Effectiveness
and Self-Actualization. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1972.
 Johnson, David W. and Johnson, Roger T. Learning Together and Alone:
Cooperative, Competitive, and Individualistic Learning. Englewood Cliffs, N.J.:
Prentice-Hall, 1987.
 Johnson, Donald McEwen. The Psychology of Thought and Judgment. New
York: Harper, 1955.
 Joyce, Bruce R., Richard Hersh, and Michael McKibbon. The Structure of School
Improvement. New York: Longeman, 1983
 Keller, Suzanne Infield. Beyond the Ruling Class: Strategic Elites in Modern Society.
New York: Random House, 1963.
 Kohlberg, Lawrence. The Philosophy of Moral Development: Moral Stages and the
Idea of Justice. San Francisco: Harper & Row, 1981.
 Kohlberg, Lawrence. The Psychology of Moral Development: The Nature and Validity
of Moral Stages. San Francisco: Harper & Row, 1984.
 Krathwohl, David, Benjamin S. Bloom, and Bertram B. Masia. Taxonomy of
Educational Objectives. The Classification of Educational Goals, Handbook
2: Affective Domain. New York: Longman, 1964.
 Kuhmerker, Lisa. The Kohlberg Legacy for Helping Professions. Birmingham: R.E.P.
Books, 1991.
 Kuhn, Thomas S. The Structure of Scientific Revolutions. Chicago: University of
Chicago Press, 1962.
 Lagemann, Ellen C. Private Power for the Public Good: A History of the Carnegie
Foundation for the Advancement of Teaching. Middletown, CT: Wesleyan University
Press, 1983.
 Lazarsfeld, Paul F. The People's Choice. New York: Columbia University Press, 1948.
 Lazarsfeld, Paul F. Views From the Socially Sensitive Seventies. New York: AT&T,
1973.
 Levine, Norman. Dialogue Within the Dialectic. London: George Allen & Unwin, 1984.
 Lewin, Kurt. A Dynamic Theory of Personality. New York: McGraw-Hill,
1935.
 Lewin, Kurt. Resolving Social Conflicts, Selected Papers on Group Dynamics. New
York: Harper, 1948.
 Lippitt, Ronald. The Dynamics of Planned Change; A Comparative Study of Principles
and Techniques. New York: Harcourt, Brace, 1958.
 Lowry, Richard J. ed. The Journals of Abraham Maslow. Lexington: Lewis Publishing
Co., 1982.
 Lukacs, Georg. The Process of Democratization, Edited by Norman Levine, State
University of New York Press, 1991.
 Marcuse, Herbert. One Dimensional Man; Studies in the Ideology of Advanced
Industrial Society. Boston: Beacon Press, 1964.
 Marcuse, Herbert. Reason and Revolution. New York: Humanities Press, 1963.
 Marcuse, Herbert. Negations; Essays in Critical Theory. Boston: Beacon Press, 1968.
 Marrow, Alfred F. The Practical Theorist: The Life and Work of Kurt Lewin. New York:
Basic Books, Inc., 1969.
 Maslow, Abraham H. Religions, Values, and Peak-Experiences. Columbus: Ohio State
University Press, 1964.
 Maslow, Abraham H. Toward A Psychology of Being. Princeton: Van Nostrand, 1968.
 Mastain, Richard. The NASDTEC Manual: Manual on Certification and Preparation of
Educational Personnel in the United States. Sacramento: National Association of
State Directors of Teacher Education and Certification, 1984.
 Mayer, Martin. The Schools. New York: Harper, 1961.
 Mayhew, Lewis B. Arrogance on Campus. San Francisco: Jossey-Bass, 1970.
 Mayhew, Lewis B. Changing the Curriculum. San Francisco: Jossey-Bass, 1971.
 Mayhew, Lewis B. The Carnegie Commission on Higher Education. San Francisco:
Jossey-Bass, 1973.
 Mayhew, Lewis B and Carnegie Commission on Higher Education. Graduate
and Professional Education, 1980; A Survey of Institutional Plans. New York:
McGraw-Hill, 1974.
 Mayhew, Lewis B. Legacy of the Seventies. San Francisco: Jossey-Bass, 1977.
 Mayhew, Lewis B. Surviving the Eighties: Strategies and Procedures for Solving
Fiscal and Enrollment Problems. San Francisco: Jossey-Bass, 1979.
 Moos, Elizabeth. Soviet Education: Achievements and Goals. New York: National
Council of American-Soviet Friendship, 1967.
 Moreno, J. L. Who Shall Survive? Foundations of Sociometry Group Psychotherapy
and Sociodrama. Beacon, NY: Beacon House, 1953.
 Morrison, J. Cayce. The Puerto Rican Study, 1953-1957. New York; Board of
Education, 1958.
 Murphy, Gardner; Lois Murphy; and Theodore M. Newcomb. Experimental Social
Psychology; An Interpretation of Research Upon the Socialization of the Individual.
Westport: Greenwood Press, 1970.
 Naisbitt, John. Reinventing the Corporation: Transforming Your Job and Your
Company for the New Information Society. New York: Warner books, 1985.
 Naisbitt, John. Megatrends 2000: Ten New Directions for the 1990's. New York:
Morrow, 1990.
 Neuman, Lois H. Educational Outcomes, Assessment of Quality — A Compendium of
Measurement Tools for Baccalaureate Nursing Programs. New York: National
League of Nursing, 1988.
 Neuman, Lois H. Educational Outcomes, Assessment of Quality — A
Compendium of Measurement Tools for Diploma Nursing Programs. New
York: National League for Nursing, 1988.
 Newcomb, Theodore M. Personality & Social Change; Attitude Formation in
a Student Community. New York: Holt, Rinehart, and Winston, 1943.
 Newcomb, Theodore M. Social Psychology; The Study of Human Interaction. New
York: Holt, Rinehart, and Winston, 1965.
 Nicholas, Mary W. Change in the Context of Group Therapy. New York:
Brunner/Mazel, 1984.
 Pace, C. Robert. Evaluating Learning and Teaching. San Francisco: Jossey-Bass,
1973.
 Paul, Richard. Critical Thinking: What Every Person Needs to Survive in a Rapidly
Changing World. Rohnert Park, CA: Sonoma State University, 1990.
 Peck, Robert F., and Havighurst, Roibert J. The Psychology of Character
Development. NY: Wiley, 1960.
 Peters, Thomas. Thriving on Chaos: Handbook for a Management Revolution. New
York: Harper Perennial, 1991.
 Piaget, Jean. Main Trends in Psychology. New York: Harper and Row, 1970.
 Piers, Maria W., ed. Play and Development. A Symposium with Contributions by Jean
Piaget, Peter H. Wolff, Rene Spitz, Konrad Lorenz, Lois Murphy, and Erik Erikson.
New York: W. W. Norton & Co., 1972.
 Read, Donald A. Health Education: The Search for Values. Englewood Cliffs, NJ:
Prentice-Hall, 1977.
 Reich, Wilhelm. The Sexual Revolution; Toward a Self-Regulating Character
Structure. New York: Simon and Schuster, 1974.
 Rich, John Martin. Innovations in Education Reformers and Their Critics. Boston:
Allyn and Bacon, Inc., 1978.
 Riesman, David. The Lonely Crowd. New Haven: Yale University Press, 1950.
 Riesman, David. On Higher Education: The Academic Enterprise in an Era of Rising
Student Consumerism. San Francisco: Jossey-Bass, 1980.
 Riesman, David. and Grant, Gerald. The Perpetual Dream: Reform and
Experiment in the American College. Chicago: University of Chicago Press, 1978.

 Rogers, Carl. Freedom to Learn; A View of What Education Might Become.
Columbus: C. E. Merrill Pub. Co., 1969.
 Rogers, Carl. Freedom to Learn for the 80's. Columbus: C. E. Merrill Pub. Co., 1983.
 Rokeach, Milton. Beliefs, Attitudes, and Values; A Theory of Organization and
Change. San Francisco: Jossey-Bass, 1968.
 Rokeach, Milton. The Open and Closed Mind; Investigation into the Nature
of Belief Systems and Personality Systems. New York: Basic Books, 1960.
 Rokeach, Milton. The Three Christs of Ypsilanti; A Psychological Study. New York:
Knopf, 1964.
 Rosen, Seymour Michael. Higher Education in the USSR: Curriculum, Schools, and
Statistics. Washington: U.S. Dept. of HEW, 1963.
 Rothman, Jack. Social R & D: Research and Development in the Human Services.
Engelwood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1980.
 Rothman, Jack, John L. Erlich, and Joseph G. Teresa. Changing Organizations and
Community Programs. Beverly Hills: Sage Publications, 1981.
 Rudman, Herbert Charles. The School and State in the USSR. New York: MacMillan,
1967.
 Rumelhart, David E. Parallel Distributed Processing: Explorations in the
Microstructure of Cognition. Cambridge: MIT Press, 1986.
 Russell, Bertrand. Why I Am Not A Christian. New York: Simon and Schuster, 1957.
 Ryan, Kevin and James M. Cooper. Those Who Can, Teach. Boston: Houghton Mifflin,
1992.
 Schaar, John H. Escape from Authority, the Perspectives of Erich Fromm. New York:
Basic Books, 1961.
 Schlechty, Phillip. Schools for the Twenty-First Century: Leadership Imperatives for
Educational Reform. San Francisco: Jossey-Bass, 1990.
 Sergiovanni, Thomas. Handbook for Effective Department Leadership: Concepts and
Practices in Today's Secondary Schools. Boston: Allyn and Bacon, 1984.
 Slaughter, Sheila. The Higher Learning and High Technology. Albany: SUNY Press,
1990.
 Slavin, Robert E. Cooperative Learning. New York: Longman, 1983.
 Slavin, Robert E. Student Team Learning: An Overview and Practical Guide.
Washington, DC: National Education Association, 1988.
 Sovient Psychology. (A Symposium). New York: Philosophical Library, Inc., 1961.
 Stern, George C., Morris I. Stein, and Benjamin S. Bloom. Methods in
Personality Assessment. Glencoe, IL: Free Press of Glencoe, 1956.
 Sullivan, Harry Stack. The Fusion of Psychiatry and Social Science. New York: Norton
& Co., 1964.
 Super, Donald Edwin. Appraising Vocational Fitness by Means of Psychological
Tests. New York: Harper, 1962.
 Taba, Hilda. Adolescent Character and Personality. Committee on Human
Development, University of Chicago. New York: Wiley, 1949, 1963.
 Taba, Hilda, Elizabeth Brady, John Robinson, and William Vickery. Diagnosing
Human Relations Needs. Washington: American Council on Education, 1951.
 Towle, Charlotte. Common Human Needs. New York: National Association of Social
Workers, 1957.
 Towle, Charlotte. The Learner in Education for the Profession, as Seen in
Education for Social Work. Chicago: University of Chicago Press, 1954.
 Tyler, Ralph W. Prospects for Research and Development in Education. Berkeley:
McCutchan, 1976.
 Tyler, Ralph W. Educational Evaluation: New Roles, New Means. Chicago: NSSE,
1969.
 Vernon, Philip E. Personality Assessment. London: Methuen, 1964.
 Vygotsky, L.S. Mind in Society: The Development of Higher Psychological Processes.
Cambridge: Harvard University Press, 1978.
 Vygotsky, L. S. Thought and Language. Cambridge, MA: MIT Press, 1962.
 Waltz, Carolyn Feher. Educational Outcomes, Assessment of Quality — A Prototype
for Student Outcome Measurement in Nursing Programs. New York: National
League for Nursing, 1988.
 Waltz, Carolyn Feher. Measurement of Nursing Outcomes. New York: Springer Pub.
Co., 1988.
 Werner, Harold D. Cognitive Therapy: A Humanistic Approach. New York: Free Press,
1982.
 Wertheimer, Max. Productive Thinking. New York: Harper, 1959.
 Whorf, Benjamin Lee. Language, Thought, and Reality. Cambridge: MIT, 1956.
 Wolff, Robert Paul, Herbert Marcuse, and Barrington Moore. A Critique of Pure
Tolerance. Boston: Beacon Press, 1965.

Nota do autor: Uma obra maior incluirá as notas finais mostrando as fontes para
minhas observações sobre diaprax. A bibliografia acima é somente uma lista parcial das
obras que li sobre o assunto. Finalmente, concordo com Martinho Lutero, que escreveu:
"É claro que Paulo quer que somente Cristo seja ensinado e ouvido. Quem não vê como
as universidades lêem a Bíblia? Tem sido incômodo e trabalhoso ler e responder a toda
essa porcaria." Luther Works (Obras de Lutero), v. 32, pág. 259.

Sobre o Autor
DEAN GOTCHER
Institution for Authority Research
Box 233
Herndon, KS 67739 — EUA
http://www.authorityresearch.com

Dean Gotcher é o fundador e diretor do Institution for


Authority Research. Sua formação é em Pedagogia, História
Européia e Filosofia. Sua pesquisa extensiva na área da
reforma educacional lhe deu uma excepcional compreensão
do significado da reforma na educação, quem é o
responsável pelas mudanças, quando as reformas
realmente começaram e, o mais importante, por
que nosso sistema de educação está sendo reestruturado.

Ele é conhecido internacionalmente por sua pesquisa e é referenciado como fonte em


muitos artigos e livros. Ele é consultor de gerentes na área empresarial, de deputados
estaduais, de membros de juntas escolares, administradores de escolas, professores e
ministérios bíblicos, bem como um convidado freqüente em programas de rádio.
Ele é autor do livreto "Dialética e Práxis: Diaprax e o Fim dos Tempos", que explica o
Processo Dialético, que é a base e a justificativa para os programas Goals 2000,
Educação Pragmática, Escola Para o Trabalho e o Movimento de Crescimento de Igrejas.
Ele também explica o programa de Gerenciamento da Qualidade Total (TQM), consenso,
a técnica Delphi, dinâmicas de grupo, dissonância cognitiva, mudança de paradigmas, e
seus papéis na reestruturação da sociedade.

Nos últimos onze anos, ele já apresentou 1.800 seminários e/ou conferências em fins de
semana. Ele compartilha em seus seminários que o principal objetivo do processo e
daqueles que o promovem é destruir qualquer posição manifesta de autoridade,
especialmente a autoridade dos pais. Como um cristão, ele acredita que a autoridade
maior é Deus e Sua Palavra. Ele compartilha aquilo que Deus tem a nos dizer com
relação aos assuntos da autoridade e da criação de nossos filhos.

As questões enfocadas nesta apresentação incluem as seguintes:

 Quais são as diferenças entre os modos de pensar tradicional e transformacional?


 Como eles se relacionam com a Educação Pragmática, o Gerenciamento da
Qualidade Total, Escola Para o Trabalho e Goals 2000?
 Como esses processos afetam o local de trabalho, o governo, a igreja ou as
relações na família?
 Como esses processos destroem a fé em Deus?

Recomendações

Dean Gotcher é o maior especialista em Dialética Hegeliana, ou Processo do Consenso,


que está no centro do programa Gerenciamento da Qualidade Total e o novo sistema
global de gestão. As escolas, empresas, grupos comunitários e governos estão
implementando esse sistema manipulador de ensino, treinamento, monitoração e gestão
de recursos humanos em todo o mundo.

Para evitar a contemporização e equipar nossos filhos, amigos e famílias para


permanecerem firmes na verdade de Deus, precisamos compreender os objetivos e as
estratégias do Processo do Consenso. Acredito que ninguém compreende melhor os
perigos desse processo do que Dean Gotcher. Ninguém está melhor equipado para
ajudar os cristãos a se prepararem para resistir às pressões sutis e manifestas para se
conformarem às novas crenças e valores globais e se tornarem "pensadores de grupo".
Recomendo a todos que ouçam às advertências e ao encorajamento de Deus dadas por
este homem sábio e piedoso.

(Berit Kjos, autora de Brave New Schools, http://www.crossroad.to)

Temos a mais alta consideração por seu estilo de vida cristão e seu comprometimento
com o ministério. Ele é conhecido como um dos mais competentes pesquisadores no
país no tópico de Psicologia educacional e teologia. Ele refuta a cosmovisão moderna
com autoridade, com uma pesquisa responsável e um sólido fundamento bíblico.

(Lynn e Sarah Leslie, Discernment Ministries)


Autor: Dean Gotcher, http://www.authorityresearch.com
Tradução: Raphael S. Linhares, Clarice Rauen, Ademir A. Moreira Filho, Pr. Luciano M.
Tsuda e Jeremias R D P dos Santos
Data da publicação: 5/2/2007
Revisão: V. D. M. — Campo Grande / MS e http://www.TextoExato.com
Patrocinado por: S. F. F. C. — Vargem Grande Paulista / SP
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/diaprax.asp