Você está na página 1de 47

Prezado Cliente

Este manual contém informações fundamentais para o melhor uso da Suspensão


PSYS11.

Através dele, você terá orientações para obter o bom desempenho do produto e a
certeza de um maior retorno ao seu investimento.

A SUSPENSYS sugere que você leia com atenção este material, pois nele estão as
informações sobre a utilização, o modo de operar e a manutenção de seu produto.

A SUSPENSYS recomenda também que seja feita a inspeção de entrega, realizar as


manutenções periódicas, a fim de que você possa usufruir todos os benefícios da
garantia.

Através deste Manual a SUSPENSYS coloca a disposição do Cliente informações de


suma importância para o bom desempenho e conservação da Suspensão PSYS11.

INTRODUÇÃO

ATENÇÃO:
As tarefas e períodos de manutenções, previstos em manutenções (planos
de manutenções periódicas) são serviços indicados pela SUSPENSYS é
estritamente necessários para que o proprietário mantenha a suspensão
PSYS11 em condições normais de funcionamento, garantindo assim, um
melhor desempenho e maior durabilidade.
Termo de Garantia

A SUSPENSYS Sistemas Automotivos Ltda confere a Suspensão PSYS11 especificada


neste certificado uma garantia de 12 (doze) meses, contados a partir da data de
entrega técnica ao cliente, sem limites de quilometragem, contra defeitos de fábrica.

GARANTIA

Nota:
A data de início da garantia da Suspensão PSYS11 é firmada quando da
emissão da Nota Fiscal do Semi-reboque ao cliente final.

Compensação da Garantia:
Dentro do prazo de garantia, se a peça apresentar defeito de material ou de fabricação, o
cliente final deverá buscar atendimento junto ao fabricante do Semi-reboque. A
SUSPENSYS se reserva o direito de corrigi-lo de uma das formas abaixo que melhor lhe
convier:

a) Reembolsar ao fabricante do implemento o valor da peça;


b) Fornecer peça nova ao fabricante do implemento em substituição à defeituosa;
c) Consertar a peça defeituosa e devolvê-la ao fabricante do implemento.

Condições da Garantia:
A Garantia terá validade somente se observadas as seguintes condições:
O Cliente ter seguido as instruções de Uso e Manutenção;
O implemento ter sido utilizado nas condições normais, não submetido a sobre-cargas;
O implemento ter sido submetido às manutenções periódicas recomendadas nas casas
autorizadas pelo fabricante do Implemento;
Ter utilizado peças e componentes genuínos SUSPENSYS nas reposições e manutenções;
Os serviços de reparo e substituições terem sido executados pelas concessionárias
indicadas pelo fabricante do implemento;

Restrições da Garantia:
A garantia não cobre os seguintes itens:
- Defeitos provocados por acidentes, uso inadequado, serviços de reconstrução e
modificação efetuados no implemento por terceiros não autorizados;
- Defeitos causados por alterações e adaptações de componentes fornecidos pela
SUSPENSYS ou por terceiros sem a prévia autorização da SUSPENSYS, embora
realizado pelo fabricante do Semi-reboque ou por uma concessionária.
- Instalação e montagem da suspensão fora das especificações da SUSPENSYS;
- Desgaste normal do implemento e/ou de seus componentes devido ao uso, bem como
daqueles que exijam substituição em manutenção periódica como, tambores de freio,
buchas de borrachas, lonas de freio, molas do patim, retentores de graxa, arruela dentada,
graxa e material de limpeza;
- Produto submetido a carga superior ao seu limite técnico de 11 toneladas;
- Manutenção normal, ajuste de folgas, aferições de torques, limpeza, lavagem e
lubrificação;
APLICAÇÃO DA SUSPENSÃO PSYS11

Aplicação:
6
A Suspensão Pneumática PSYS11 tem sua aplicação recomendada para as
composições de eixo conforme previstas pela legislação Brasileira.

Instrução de operação:
A Suspensão Pneumática PSYS11 pode trabalhar com módulos de um eixo isolado ou
conjunto de eixos, tornado-se independentes uma das outras, porém interligadas entre
si por uma linha pneumática instalada conforme especificação do fabricante do Semi-
reboque.

Importante:
A Suspensão PSYS11 não admite cargas maiores que sua capacidade
técnica de 11 toneladas, para a qual está dimensionada e testada.
O fabricante do implemento, quando da montagem do circuito
pneumático deverá prover tal circuito com válvula niveladora que
possibilite o bom desempenho e distribuição de cargas entre os eixos,
mantendo uma altura de trabalho de 400mm (figura 01), medidos do
centro do eixo até a base do chassi.
A regulagem desta altura deve ser realizada conforme orientação do
Fabricante do Semi-reboque ou do fornecedor do circuito pneumático.
Recomendamos ao usuário verificar a pressão de ar no sistema, esta
pressão deve ser superior a 7 bar para um bom funcionamento da
suspensão.

Importante:
Para uma questão de segurança o circuito pneumático da suspensão
deves ser independente do circuito pneumático do freio. A tomada de ar
para alimentar o circuito pneumático da suspensão deve ser feita após
uma válvula protetora que permita vazão de ar somente com pressão
superior a 5 Bar.

Em módulo de suspensão PSYS11 considerado isolado, em composição com


suspensões mecânicas, onde não é possível fazer distribuição de carga através de
circuito pneumático, recomendamos que o circuito pneumático da suspensão seja
dotado de uma válvula moduladora de pressão. Através da válvula o usuário poderá
regular a pressão de ar incidente nas molas pneumáticas conforme carga que incidira
sobre o eixo da suspensão (ver tabela a seguir).
7
APLICAÇÃO DA SUSPENSÃO PSYS11
Tabela de Pressão/ Peso no Eixo:

PSYS11 com mola de Ø 320mm PSYS11 com mola de Ø 360mm


código: 2121 00365 código: 2121 00261

Pressão (bar) Força no Eixo Kgf/m Pressão (bar) Força no Eixo Kgf/m

0 0 0 0
1,4 2175 1,4 2627
2,8 4065 2,8 5506
4,1 6384 4,1 8245
5,5 8560 5,5 11195
6,9 10880 6,9 13925
8,3 12345 8,3 17170

Recomendação do Circuito Pneumático Quando Acoplada em Quadro Direcional.

Importante:
A SUSPENSYS recomenda que o circuito pneumático que alimenta os
balões estabilizadores do quadro direcional seja dotado de válvula
limitadora de pressão, a pressão de trabalho máximo nos balões
estabilizadores, devem oscilar na faixa de 3,5 a 4 Kgf.m.

Importante:
Lembramos que o bom funcionamento da suspensão pneumática PSYS11
está relacionado a altura de trabalho de (400 mm) máximo e peso máximo
11 toneladas.

Recomendação do Circuito Pneumático do Suspensor do Eixo

Para conjunto de suspensão equipado com suspensor pneumático os balões da


suspensão devem liberar o ar controladamente. O circuito pneumático deve conter uma
válvula de controle de vazão para que permita o esvaziamento das molas pneumáticas
da suspensão de forma controlada de acordo com levantamento do eixo. Este
procedimento evita esmagamento e danos nas molas pneumáticas da suspensão.

Operação do Suspensor Pneumático do 1° e 2° Eixo do Conjunto:

Para conjunto de suspensões pneumáticas PSYS11 onde o primeiro e segundo eixo os


módulos de suspensão estão equipados com suspensores pneumáticos da Marca
JOST devem ser observados os seguintes procedimentos:

1° - Não suspender um ou mais eixo quando o semi-reboque estiver carregado, esta


operação sobre carrega o eixo que ficar apoiado ao solo. Limite Máximo 11 toneladas.

2° - Para suspender um ou mais eixos o veículo deve estar sem carga e os balões da
suspensão pressurizados com uma pressão residual de no mínimo 1.0 Bar,
possibilitando o perfeito encaixe da mola pneumática na base metálica.
8
APLICAÇÃO DA SUSPENSÃO PSYS11

Na (figura 02) a mola pneumática


acopla perfeitamente em sua base
metálica.
O procedimento incorreto no
acionamento do suspensor com as
molas pneumáticas da suspensão
desprovidas de pressão de ar, (figura
03) acarretará danos nos balões,
como: cortes, desgastes por fricção,
descolamento das lonas e borrachas
etc., sendo estes não coberto por
garantia.

Trafego Com a Suspensão PSYS11 sem Pressão:

Quando uma mola pneumática (balão de ar) danificar, ou o circuito pneumático


apresentar vazamentos consideráveis, ocorrerá a perda de pressão no sistema, fazendo
com que a suspensão entre em batente, ou seja, o semi-reboque baixará
aproximadamente 100mm e a suspensão trabalhará apoiada nos batentes internos de
borracha da mola pneumática (fim de curso).
Isto ocorrendo, proceder na recuperação da avaria, pressurizar novamente o sistema
pneumático e aguardar o nivelamento da suspensão. A suspensão com circuito
pneumático dotado de válvula niveladora fará o nivelamento automático na altura
estabelecida quando da última regulagem (400mm).
A avaria de uma mola pneumática (balão de ar) não impede que o semi-reboque trafegue
por um percurso curto e velocidade controlada para tal condição.
Procedimentos recomendados para trafego nas condições de avaria:

1- Quando o semi-reboque possuir 03 eixos equipados com suspensão PSYS11, isolar o


módulo de suspensão afetado e pressurisar as demais;
2- Quando o semi-reboque possuir 01 eixo equipado com suspensão PSYS11 e 02 eixos
com suspensão mecânica, isolar circuito pneumático da suspensão e suspender eixo.

Nota:
A SUSPENSYS orienta o uso dos procedimentos acima somente em
casos de extrema necessidade, por um curto percurso, até encontrar
socorro, pois todo o sistema e/ou outras suspensões sofrerão sobre carga
comprometendo o bom funcionamento.

Importante:
Respeitar sempre a capacidade de carga estabelecida para cada eixo.

Lubrificação da Suspensão:
A SUSPENSYS recomenda lubrificar regularmente a suspensão nos pontos e períodos
abaixo, observando os prazos máximos:
1- rolamentos do eixo_____________________________________________ 40.000Km
2- suportes do eixo expansor _________________________________ 15 dias / 5.000km
3- ajustador de freio_________________________________________ 15 dias / 5.000km
4- aranha de freio com eixo expansor___________________________ 15 dias / 5.000km
9
INSTRUÇÃO TÉCNICA DE MANUTENÇÃO

Nota:
As quilometragens e períodos mostrados na página anterior, são os
máximos admitidos pela SUSPENSYS, podendo as lubrificações serem
realizadas em tempos inferiores aos estabelecidos.

Tipo de graxa:
A graxa recomendada para a utilização em todos os pontos de lubrificação da Suspensão
PSYS11 SUSPENSYS é do tipo “Múltiplas Aplicações”, à base de sabão lítio, com
características EP (Extrema Pressão).
Características:
Base: sabão de lítio
Grau NLGI: 2
Ponto de gota: aproximadamente 198° C
Óleo Básico: mineral de viscosidade 138 cSt a 40° C
Marca Recomendada:
SUSPENSYS EP2
Quantidade:
1,5 kg (um quilo e meio) de graxa por cubo de roda:
Nos demais pontos a quantidade suficiente para manter devidamente lubrificado durante
os prazos estipulados.

Observação:
• A utilização de graxa inferior as especificações recomendadas implicará
na perda da garantia.

• É desnecessário colocar mais graxa nos rolamentos do que o


recomendado.
O excesso de graxa causará superaquecimento durante o trabalho,
aumentando a pressão interna, podendo ocasionar problemas no rodado.

• A instalação de estabilizadores de pressão para pneus no eixo do


implemento altera o volume interno do cubo, prejudicando a distribuição da
graxa e a lubrificação dos rolamentos, além de danificar a vedação,
podendo ocasionar perda de graxa.

Eixo
Capacidade de 11.000 kgf;

Viga tubular
Rolamentos de rolos cônicos ( 80 x 90mm) montados em assentos retificados:

Atenção:
A cada 40.000 Km nas trocas de lonas ou a cada desmontagem dos cubos
de roda, trocar a graxa dos rolamentos, substituir as arruelas de trava, os
retentores e ajustar folga dos rolamentos.

10
INSTRUÇÃO TÉCNICA DE MANUTENÇÃO

Conjunto do Freio
Freios MASTER “S Came” série Q- Plus com sistema tubeless atuados com ar
comprimido.
Os patins são montados em pinos de ancoragem independentes e operados por eixo
expansor.
Caracterizam-se pelos alojamentos semicirculares, abertos nos pinos de ancoragem que
permitem o serviço troca rápida.
Os freios série “Q - Plus” são montados com diâmetro de 16.1/2”, largura de 8”, com lonas
cônicas.

Nota:
Controlar periodicamente os componentes, especialmente os que sofrem
atrito e desgastes regulares tais como: lonas de freio, molas de retorno,
tambores, retentores etc., substituindo sempre por peças genuínas
SUSPENSYS, nos períodos indicados ou quando for necessário.

Importante:
Os eixos a disco (cubo liso) proporcionam uma menor ventilação nos
rodados, com isso o desempenho maior ou menor pelo aquecimento dos
rodados nesta configuração, depende exclusivamente da maneira que o
condutor (motorista) utilizar o freio do conjunto veículo trator e semi-
reboque.
Levando à situação extrema de utilização incorreta, este procedimento
poderá comprometer seriamente os componentes do rodado, como:
cubos, tambores, rolamentos, os componentes do freio e até os pneus.

Regulagem dos Freios


Produto Equipado com Ajustador Manual
A SUSPENSYS recomenda a regulagem dos freios a cada 2000 Km quando o produto for
equipado com ajustador de freio de ajuste manual.

Produto Equipado com Ajustador Automático


O ajustar automático de freio é um componente que ajusta automaticamente o freio, à
medida que as lonas de freio desgastam, mantendo sempre constante a folga entre lona e
tambor de freio.

Regulagem Inicial do Freio


Sempre que forem trocadas as lonas de freio do implemento, a regulagem do freio deverá
ser realizada manualmente, após esta o ajustador se regulará automaticamente.
Procedimento:
Engate uma chave de fenda para afastar o trava do atuador, a partir deste momento o
ajustador automático funciona como se fosse manual.
Gire a porca de ajuste manual até as lonas encostarem-se ao tambor de freio, após
retorne a porca de ajuste em meia volta.
Retire a chave de fenda e proceda da mesma forma nos outros ajustadores.

11
INSTRUÇÃO TÉCNICA DE MANUTENÇÃO

Manutenção do Ajustador Automático de Freio

Na Utilização em Condições Severas:


Desmontagem completa do compensador a cada 100.000 Km ou um ano, o que ocorrer
antes.
Na Utilização em Condições Normais:
Desmontagem completa do compensador a cada 150.000Km ou um ano e meio.

Importante:
Jamais lubrifique o ajustador automático com o sistema de freio acionado,
tanto o de serviço ou de emergência.
A utilização ideal do ajustador automático de freio dar-se-á quando este for
instalado no semi-reboque e também no veículo trator.

Troca das Lonas de Freio


As lonas de freio devem ser trocadas quando atingirem aproximadamente 7mm de
espessura figura 04, pois a partir da espessura mínima permitida, os rebites interferem
com o tambor de freio, danificando a superfície interna do mesmo e comprometendo todo o
conjunto do freio, o que poderá ocasionar a perda total da capacidade de frenagem.
Para o funcionamento eficaz do sistema de freio, a Suspensys recomenda:
Controlar periodicamente o desgaste das lonas de freio através dos tampões existentes no
tapa pó (ind.01) figura 04.
Trocar obrigatoriamente todas as molas do patim a cada troca das lonas de freio;
Utilizar lonas de freio, rebites e molas genuínas.

Importante:
Embora as lonas de freio, rebites e molas não sejam cobertos pela
garantia do implemento a SUSPENSYS isenta-se de qualquer
responsabilidade pela não observação das práticas recomendadas acima
e suas consequências.

Sistema Pneumático de Freio


O sistema pneumático de freio do semi-reboque é de responsabilidade exclusiva do
fabricante do implemento e ou fornecedor deste.
A SUSPENSYS recomenda que se mantenha sempre uma boa manutenção no sistema
pneumático da suspensão pois dela depende em muito o bom funcionamento da
suspensão PSYS11. Recomenda também seguir as orientações do fabricante do semi-
reboque para este item.
12
MANUTENÇÃO DO EIXO

OPERAÇÃO DE MANUTENÇÃO DO EIXO

Procedimento 01:
Operação no tambor e conjunto de freio:

CUIDADO!
Não trabalhe embaixo de um veículo
apoiado apenas por macacos. O
macaco pode escorregar ou tombar
e causar sérios acidentes.

1- Coloque blocos na frente e atrás das rodas


para que o veículo não se desloque;
2- Para fazer a verificação e ou manutenção no
conjunto de freio e tambor (composição outboard)
não necessita a desmontagem do cubo da viga,
siga os procedimentos a seguir;
3- Desregule o freio totalmente.

Eixo com Compensador Manual


Utilize uma chave estrela para acionar o pino de
regulagem no ajustador do freio, girando no
sentido horário para afastar as lonas de freio do
tambor de freio, figura 04.

13
MANUTENÇÃO DO EIXO

Eixo com Compensador Automático:


Engate uma chave de fenda no bujão retrátil do compensador para afastar a lingüeta
do atuador (figura 05), após gire o fuso de ajuste manual (ind. 01) para afastar as lonas
do tambor de freio.

4- Solte as porcas que prendem as rodas e o tambor de freio;

5- Suspenda o eixo até que a roda gire livre;

6- Utilize um macaco hidráulico tipo garrafa com capacidade


mínima de 12 toneladas (figura 06), ou equipamento apropriado,
posicione em baixo da viga na posição do apoio do feixe de
molas. Utilize um pedaço de madeira entre as faces de apoio do
macaco e da viga do eixo;

7- Retire o conjunto roda e pneus;

8- Retire o tambor de freio;

9- Verifique o desgaste das lonas de freio, caso apresente avarias ou desgaste até o
limite indicado, faça a substituição destas. Seguir o “Procedimento 05”.

10- Verifique o desgaste do tambor de freio, apresentando desgaste superior a 3mm


do diâmetro original ou apresentando avarias como trincas térmica, desgaste irregular
da região de atrito com a lona substitua por novo.

NOTA!
Tambor de Freio: 16,5” x 8”
Diâmetro Original: 419,2mm
Diâmetro Máximo Permitido: 422,2mm (+3mm)

14
OPERAÇÃO NO CUBO DO EIXO

1- Parafuso
2- Tampa
3- Junta de vedação
4- Porca castelo
5- Arruela dentada
6- Arruela lisa
7- Rolamento externo
8- Cubo de roda
9- Rolamento interno
10- Retentor
11- Parafuso da roda

1- Retire a tampa (ind. 02 ) juntamente com a junta de vedação (ind. 03) com auxilio de
uma chave de boca (figura 04);

2- Endireite as travas da arruela dentada (ind.05).


Utilize uma espátula e um martelo;

3- Retire a porca castelo (ind. 04, figura 04), utilize uma


chave específica Cód. 2180 03235 (ver figura abaixo e
figura 05);

4- Retire as arruelas dentada e lisa (ind. 05 e 06, figura


04);

5- Retire o rolamento externo (ind. 07, fig. 04)


deslocando o cubo no sentido axial, para facilitar a
saída do mesmo da sua sede. Tenha cuidado para não
permitir sua queda.
Coloque em local limpo;

15
OPERAÇÃO NO CUBO DO EIXO

OBSERVAÇÃO:
Se houver danos em algum
dos componentes, desmonte
totalmente o conjunto cubo.

OBSERVAÇÃO:
Se houver danos em algum dos componentes, desmonte totalmente o
conjunto cubo.

6- Coloque o cubo num local limpo, com a capa do


rolamento externo voltada para baixo;

7- Retire o retentor, utilize uma espátula (ind.10), fig.04 e


figura ao lado;

8. Retire o rolamento interno e coloque em local limpo


(ind.09), fig. 04 e figura ao lado;

9. Retire a capa externa do rolamento, utilize uma


prensa hidráulica.

10. Vire a posição do cubo e retire a capa interna;

OBSERVAÇÃO:
Ao retirar o cubo, e o rolamento ficar preso
na sede da ponteira do eixo, utilize um saca
rolamentos para extraí-lo. Cuidado para não
danificar a sede dos rolamentos e tampa
interna da ponteira. Para isto utilize um calço
de aço com dimensão superior ao diâmetro
da ponteira.

16
MONTAGEM CUBO / TAMBOR

Procedimento 02:

Montagem Cubo/Tambor (rodado) na ponteira do eixo:

ATENÇÃO:
Antes de iniciar esta montagem faça o seguinte:
1- Lave perfeitamente todos os componentes;
2- Examine com atenção todos os componentes se estão em perfeito
estado de uso. Caso não estejam, substitua-os;
3- Limpe as ponteiras do eixo e passe ar nos freios;
4- Antes da montagem dos rolamentos aplique uma leve camada de
graxa entre os roletes e a pista de rodagem do rolamento, gire a capa
interna para uma lubrificação uniforme dos roletes e a pista de rodagem;
5- Monte com auxilio de uma prensa as capas externas dos rolamento
na sede do cubo, verifique se as capas dos rolamentos ficaram bem
fixadas no encosto do cubo;
6- Após montar capa e rolamento interno monte o novo retentor com
auxilio de uma prensa, a borda do retentor deve ficar nivelada com a
borda externa do cubo;
7- Lubrifique somente os cubos, rolamentos e a sede dos rolamentos na
ponteira.

IMPORTANTE:
Evite contato com graxa, óleo e demais produtos lubrificantes com a
parte interna do tambor e a lona de freio, sob risco de prejudicar a
eficiência de frenagem.

GRAXA:
Características:
Base: sabão de lítio com características EP (estrema pressão) Grau NGLI: 2
Ponto de gota: aproximadamente 198º C
Óleo básico: mineral de viscosidade 138 cSt a 40º C
Quantidade:
1,5Kg (um quilo e meio) de graxa por cubo de roda.

AVISO:
Sempre que for efetuar abertura dos cubos deve-se obrigatoriamente
substituir a arruela dentada, junta de vedação, retentor e a graxa.

SEQUÊNCIA DE OPERAÇÕES:
1- Para montagem, introduzir o cubo na ponteira da viga do eixo com um leve esforço
axial, tomando o cuidado de não danificar o retentor da graxa;
2- Após a montagem do cubo na viga do eixo, montar o cone do rolamento externo;
3- Na sequência, montar a arruela lisa, arruela dentada e roscar a porca castelo,
manualmente, até encostar ao cone do rolamento, observar que o cubo continue
girando livremente;

17
MONTAGEM CUBO / TAMBOR

4- Aperte levemente a porca castelo com a chave especial e gire o cubo ao mesmo
tempo;
5- Gire o cubo, batendo levemente com um martelo de borracha de 1Kg, para
assentamento dos roletes na pista dos rolamentos;
6- Aperte novamente a porca castelo com chave especial girando o cubo manualmente
até que o mesmo fique ligeiramente travado;
7- Afrouxe a porca castelo no máximo de um dente, Instale um relógio comparador, a
folga axial deve ficar entre 0,025 e 0,254 mm após conferência dobre dois (02) dentes
da arruela dentada a 90º, fazendo o travamento para a segurança do conjunto e para o
fechamento final do cubo;
8- Coloque uma camada de graxa entre a porca castelo e o rolamento;
9- Coloque graxa na ponteira do eixo;
10- Coloque a tampa com a junta de vedação.

Para rodado a disco com tambor de freio outboard:

1- Monte o tambor de freio no cubo,


certifique-se do perfeito alojamento do
tambor ao cubo;
2- Monte o conjunto roda e pneu;
3- Monte as porcas de roda, encoste todas e
aplique torque em sentido de cruz, conforme
(figura 06). Torque de 65 a 70 Kgfm.

Para rodado a disco com tambor de freio outboard:

1- Monte o tambor de freio no cubo, aplique


torque nos parafusos de 18 a 23 Kgfm;
2- Monte o conjunto roda e pneu;
3- Monte as porcas de roda, encoste todas e
aplique torque em sentido de cruz, conforme
(figura 06). Torque de 65 a 70 Kgfm.

18
MONTAGEM CUBO / TAMBOR

Para rodado raiado aro 20” ou 22”:

1- Monte o tambor de freio no cubo, certifique-se do


perfeito alojamento do tambor ao cubo. Aplique
torque nos parafusos que prendem o tambor no
cubo raiado de 18 a 23 Kgfm;
2- Monte o conjunto roda e pneu mais separador de
roda;
3- Monte as castanhas e as porcas, encoste todas e
aplique torque em sentido de cruz, conforme (figura
06a). Torque de 30 a 40 Kgfm.

1- Tambor de freio
2- Cubo raiado
3- Parafuso da roda
4- Castanha
5- Porca da roda

OCORRÊNCIA CAUSA SOLUÇÃO

Falta de graxa Substituir


Rolamento fundido ou gasto
Folga ou aperto excessivo Substituir
Falta de graxa Adicionar graxa
Superaquecimento do Excesso de graxa Retirar o excesso
conjunto cubo/tambor Aperto excessivo da porca
Revisar o procedimento
castelo
Rachaduras no tambor de
Uso inadequado do freio Substituir
freio

19
MONTAGEM CUBO / TAMBOR

Instrução para Verificação da Folga dos Rolamentos

Objetivo: Orientar a verificação rápida das folgas dos rolamentos em eixo


SUSPENSYS.

1 - Estacione o veículo em um terreno plano. Trave um dos rodados para que o veículo
não se movimente;

2 - Suspenda o rodado o qual vai ser verificada a folga dos rolamentos, certifique-se
que o mesmo esteja girando livremente;

3 - Posicione as mãos na banda superior do pneu e o pé sobre a roda, force para frente
e para trás em sentido axial, percebendo um movimento do cubo em relação a viga ou
um barulho de batida dentro do cubo proceda o ajuste das folgas do rolamento;

20
MONTAGEM CUBO / TAMBOR

Procedimento para realizar o ajuste:

1 - Remova os parafusos da tampa do cubo (ind. 01), limpe o excesso de graxa, com
uma espátula libere as travas da arruela trava, retire a porca e arruela trava;

2 - Monte a nova arruela trava e a porca castelada (ind. 02 e 03);

3 - Faça o aperto da porca castelada (ind. 03) girando o rodado, quando perceber que o
rodado gira levemente forçado (pesado) retroceda um dente da porca castelada em
relação a arruela dentada. Gire novamente o rodado e faça novamente o teste rápido,
puxando e empurrando o rodado. Estando o rodado sem movimentação axial
perceptível faça o travamento de dois dentes da arruela dentada sobre os dentes da
porca.

4 - Para assegurar-se que a folga encontra-se correta, instale um relógio comparador e


faça o teste empurrando e puxando o conjunto do rodado. A folga incidente deve ficar
entre 0,025 a 0,254. Após a verificação faça o fechamento do cubo com a tampa.

21
MONTAGEM CUBO / TAMBOR

Procedimento 03:

Desmontar Conjunto de Freio da Flange do Eixo:

Freio 16,5” x 8”

1- mola
2- bucha
3- rolete
4- mola de retorno
5- eixo expansor
6- espaçador
7- protetor do freio
8- bucha do expansor
9- retentor de graxa
10- patim do freio
11- graxeira
12- arruela
13- anel elástico
14- mancal do eixo
15- anel trava
16- arruela encosto
17- arruela fina
18- arruela espaçadora
19- arruela interna
20- tampa inspeção
21- parafuso sextavado
22- arruela lisa

POSSÍVEIS OCORRÊNCIAS NO CUBO E TAMBOR E SOLUÇÕES

1 - Remova os rodados e os tambores do eixo


auxiliar, seguindo a sequência do procedimento 1.

2 - Juntamente com o rolete, libere o


fixador do rolete inferior das nervuras
do patim e na sequência remova-o
juntamente com o rolete, (ind. 03).

3 - Libere o fixador do rolete superior


das nervuras do patim e na sequência
remova-o juntamente com o rolete,
(ind. 03).

22
MONTAGEM CUBO / TAMBOR

4 - Levante o patim inferior para aliviar a carga e


retirar a mola de retorno do patim.

5 - Gire o patim inferior para aliviar a carga sobre


as molas de retenção do patim.

6 - Remova as molas de retenção.

7 - Remova os patins.

8 - Instale novas molas de retenção e retorno


dos patins.

9 - Para retirar ou montar a mola de retorno


utilize a ferramenta conforme figura ao lado,
observando as indicações 1 e 2.

23
MONTAGEM CONJUNTO FREIO NA FLANGE DO EIXO

Procedimento 04:

Montagem do Conjunto de Freio na Flange do Eixo:

Antes de iniciar a montagem dos componentes do conjunto do freio, proceda conforme


orientação abaixo:
1- Lave os componentes metálicos com óleo diesel e as peças não metálicas com água
e sabão neutro;
2- As peças deverão ser secas logo após a lavagem com panos ou ar comprimido;
3- Inspecione todos os componentes sujeitos a desgaste: pinos de ancoragem, roletes e
buchas;
4- Lubrifique com graxa recomendada as peças necessárias, ver figura 07.
5- Proceda a montagem.

Pontos de Inspeção

Verifique se as buchas do eixo expansor necessitam


substituição, verificando a folga radial do eixo.
Se esta for maior que 0,8 mm, substitua as buchas.
NOTA:
se a folga ainda assim continuar maior que
0,8 mm, o eixo expansor deve ser substituído.

Verifique se há folga axial do eixo expansor. Se esta


folga for maior que 1,5 mm, adicione arruelas
espaçadoras.

Verifique se os tambores apresentam trincas,


superaquecimento, manchas de aquecimento,
corrosão ou riscos profundos. Substitua os tambores
danificados. Diâmetro máximo para retrabalho 3mm
maior que o diâmetro original.
Diâmetro Original:
419,2 ± 0,12 mm para freio 16,5” x 8”.

CUIDADOS DE MONTAGEM

1 - Os freios tipo “tubeless” possuem retentores de


graxa na aranha do freio. Instale ambos os
retentores com os lábios voltados para o ajustador
de freio.

2 - Cuidado na montagem da presilha do rolete.


Certifique-se que a mesma está fixada.

24
MONTAGEM CONJUNTO FREIO NA FLANGE DO EIXO

3 - Nos freios “Tubeless” de 15” e 16,5”, a posição


da bucha deve ser no centro do seu local de
alojamento e os retentores com os lábios
direcionados para o ajustador, conforme figura ao
lado.

PONTOS DE LUBRIFICAÇÃO FREIOS “TUBELESS”

IMPORTANTE:
A quantidade de graxa aplicada na bucha do mancal, bucha do eixo
expansor e ajustador do freio, deve ser o suficiente para expulsão da
graxa com característica vencida. Nos demais pontos indicados
simplesmente uma camada fina superficial é o suficiente.

TABELA DE TORQUE

25
TROCA DAS LONAS DE FREIO

Procedimento 05:

Troca das lonas de freio:

1- Para que um sistema de freio tenha um alto


desempenho, devem ser montados com lonas
especificadas pela fábrica.

2- Importante que sejam sempre recolocadas aos


pares, em ambos o conjunto de freio do eixo.

NOTA:
Para fazer a troca das lonas, primeiro deve ser feitos o procedimento 01
e 03 para a remoção dos patins.

Montagem das lonas de freio:

1- Assegurar-se que as faces de contato


dos patins e lonas estão limpas;

2- Alinhe os furos das lonas com os furos


dos patins;

3- Monte os rebites seguindo a sequência


mostrada na figura 09.

IMPORTANTE:
- As lonas cônicas instaladas em cada patim são pares, sendo que a
conicidade de uma não coincide com a da outra;
- Durante a troca das lonas fique alerta quanto à posição de cada uma
delas;
- A lona com maior conexidade (espessura mais fina) deve ser instalada
obrigatoriamente no lado em que o patim é ancorado nos pinos de
ancoragem, fig. 10;
- A lona com menor conexidade (espessura mais grossa), ficará no lado em
que o patim é acionado pelo “S-Came”, figura 10.

26
TROCA DAS LONAS DE FREIO

NOTA:
Assegure-se de que os rebites estão com o diâmetro do corpo, tamanho da
cabeça, forma, comprimento e material corretos.
A SUSPENSYS recomenda utilizar rebites de aço latonado.
Não utilize, em hipótese alguma, rebites de alumínio.

ACEITÁVEL INACEITÁVEL

Folga entre lona e patim não deve


exceder (0,25mm) em ambos os lados
*Folga entre o
remanche e o patim.

Trincas abertas *Mais de uma trinca


aberta no remanche
do rebite.
O rebite deve preencher o furo na lona e
patim, e ficar completamente remancha-
do sobre o patim.

*Folga entre corpo


Rebite semi-tubular de aço:
do rebite e furos do
ø 6,22 x 14,29 mm
patim e lona.
Freio 16,5” “Tube” e “Tubeless”

Depois de concluída a rebitagem, proceda de maneira inversa à sequência de


operação de desmontar do procedimento 03 e 02.

27
REGULAGEM DO FREIO

Procedimento 06:

Regulagem do Freio:

FREIO “A” (mm)


Tubeless 16,5” 185

NOTA:
Quando a câmara não possuir o
rebaixo, diminuir 5 mm dos valores
acima.

Regulagem dos Freios com Ajustador Manual.

1- Chave estrela 9/16"


2- Capa de trava do pino de regulagem
3- Pino de regulagem

Para regular o freio proceder como segue:


- Com uma chave estrela 9/16", pressione a capa de trava do pino de regulagem do
ompensador de freio, de modo que ocorra o encaixe perfeito entre a chave e a cabeça
sextavada do pino de regulagem;
- Gire o pino de regulagem no sentido anti-horário até as lonas travarem o tambor;
- Gire um quarto a meia volta o pino de regulagem no sentido horário, para que as
lonas liberem o tambor;
- Gire o tambor para certificar-se da liberação. Caso o produto esteja com os rodados
no chão, certificar-se da liberação do tambor retirando o tampão do tapa-pó do freio
para verificar se as lonas estão afastadas do tambor cerca de 0,9mm;
- Retire a chave da cabeça do pino de regulagem e certificar-se de que a capa retornou
a posição de travamento do pino. A mesma deverá voltar OBRIGATORIAMENTE a sua
posição normal;
- Certifique-se de que o sistema de freio opera corretamente.

OBSERVAÇÃO:
A correta regulagem do ajustador manual deve ser feita com os rodados
levantados.
Para o ajustador manual de freio não recomendamos manutenção,
quando danificado deve ser substituído.

28
REMOÇÃO DO AJUSTADOR MANUAL DE FREIO

Procedimento 07:

Remoção do Ajustador Manual de Freio.

Para remoção do ajustador manual, proceder como


segue:

1- Certifique-se que o veículo não se mova


(desloque);
2- Certifique-se que não haja pressão de ar na
câmara de serviço;
3- Retire o contra pino e o pino que prende o
ajustador na forquilha da câmara de freio (ind. 02 e 1- ajustador manual
03) fig. 13; 2- arruela espaçadora interna
4- Com uma chave 9/16“ posicionada no pino de 3- arruela de encosto
regulagem gire o pino para afastar a haste do 4- arruela de encosto fina
ajustador da forquilha da câmara de freio, figura 11 5- arruela espaçadora
da página anterior; 6- anel trava
5- Retire o anel trava (ind. 06), as arruelas de
encosto (ind. 02, 03 a 05) e o ajustador (ind.01),
figura12.

Procedimento 08:

Instalação do Ajustador Manual de Freio.

Antes de proceder à instalação do ajustador


manual, execute as seguintes verificações:
1- Certifique-se que o produto não se mova
(desloque);
2- Verifique se a mola de retorno da câmara de
freio apresenta tensão adequada;
3- Aplique graxa no estriado do eixo “S” para
melhorar as condições de resistência à corrosão;
4- Coloque em sequência a arruela de encosto
interna (ind. 02), o ajustador manual (ind. 01), as
arruelas de encosto externas (ind. 03, 04, 05) por 1- câmara
fim o anel trava (ind. 06), figura 12; 2- pino
5- Posicione o furo da haste do ajustador com o 3- contra-pino
furo da forquilha, coloque o pino, (ind. 02) e instale 4- porca
o contra-pino (ind. 03), figura 13; 5- ajustador manual do freio
6- Ajuste o freio conforme procedimento 06. 6- suporte da câmara

IMPORTANTE:
Antes de concluir a montagem do ajustador manual, certifique que o eixo
expansor gira através de força manual no ajustador.

29
REMOÇÃO DO AJUSTADOR MANUAL DE FREIO

30
AJUSTADOR AUTOMÁTICO DE FREIO

Procedimento 09:

Ajustador Automático de Freio - Desmontagem e Montagem


Sequência de Operações

1- Retire o bujão retrátil.

2- Corte a cinta e remova-a do tampão.

3- Remova o tampão e puxe o conjunto do atuador.

4- Use uma pequena chave de fenda para retirar o anel


elástico.

5- Puxe a haste e o pistão para fora do atuador.

6- Remova o pino elástico.

7- Use uma pequena chave de fenda para retirar o


vedador de graxa.

8- Use um alicate para anel elástico e remova o


anel do pinhão sem-fim.

31
AJUSTADOR AUTOMÁTICO DE FREIO

9- Gire a porca de ajuste manual para sacar o


pinhão sem-fim.

10- Retire a engrenagem e o retentor utilizando um


punção adequado e um martelo.

11- Remova o anel de vedação da engrenagem.

12- Lave com solvente todas as peças metálicas e


com sabão as peças não metálicas. Inspecione
todas as peças e substitua aquelas que
apresentarem sinais de desgaste e avarias.

13- Após montar a engrenagem com seu anel de


vedação, instale o retentor utilizando um punção
adequado e um martelo.

NOTA:
A MONTAGEM segue a sequência inversa da desmontagem, ou seja da
operação 13 até a 01 (exceto as operações 12 e 11).

LUBRIFICAÇÃO
Sempre que o ajustador for desmontado, para sofrer algum tipo de manutenção lubrifique
as peças com graxa GAT-1 (Petrobrás) ou Thermatex EP2 (Texaco), para preveni-las
contra a corrosão.

NOTA:
Use sempre a graxa recomendada.

ATENÇÃO:
LUBRIFICAÇÃO PERIÓDICA – Lubrifique
através da graxeira. Pare de lubrificar quando
a graxa escoar pela válvula do bujão ou pela
engrenagem. O excesso de graxa pode
comprometer o funcionamento do ajustador.

IMPORTANTE:
Jamais lubrifique os ajustadores automáticos
com os freios acionados (de serviço ou
estacionamento).

32
AJUSTADOR AUTOMÁTICO DE FREIO

TABELA DE TORQUE

Instalação do Bujão Retrátil: 2 a 2,7 kgf.m

Teste do Ajustador após Montagem:

Gire a porca de ajuste manual no sentido mostrado. Se o torque lido for maior do
que 2,8 Kgf.m, é porque o ajustador não está trabalhando corretamente.
Desmonte e siga as instruções.

Procedimento 10:

Ajustador Automático de Freio Instalação no Produto e Regulagem Inicial

Antes de proceder a instalação do ajustador automático, execute as seguintes


verificações:

1- Aplique graxa GAT-1 (Petrobrás) ou Thermatex EP2 (Texaco) no entalhado para


melhorar as condições de resistência à corrosão;

2- Certifique-se que o eixo expansor pode ser girado com a mão;

3- Verifique se a mola de retorno da câmara de freio apresenta tensão adequada;

4- Certifique-se que o produto não se mova (desloque);

5- Comprima e trave a mola de emergência, para que o freio esteja completamente


liberado.

33
AJUSTADOR AUTOMÁTICO DE FREIO

Sequência de Operações:

1- Instale o ajustador no eixo “S” CAME, coloque as arruelas


espaçadoras e o anel elástico, deixando uma folga máxima
de 1,5 mm entre a arruela e o anel elástico.
Após engate uma chave de fenda no bujão retrátil para
afastar a lingüeta do atuador.

2- Gire a porca de ajuste manual para alinhar o ajustador


com a forquilha. Instale os pinos e os contra pinos.

3- Gire a porca de ajuste manual até as lonas encostarem-


se ao tambor e depois retorne a porca de ajuste em meia
volta.

4- Medir a distância do fundo da câmara até o centro do


pino maior, quando o freio não estiver aplicado.

5- Use uma chave para mover o ajustador e aplique o freio.


Enquanto o freio aplicado, medir novamente a distância do
fundo da câmara até o centro do pino maior.

6- A diferença das medidas encontradas deve estar de 16 a


19 mm. Caso contrário gire a porca de ajuste manual e
repita a operação 5.

34
MANUTENÇÃO DAS CÂMARAS DE FREIO

Procedimento 11:

Manutenção das Câmaras de Freio (Spring Brake)

Câmara de Serviço/ Estacionamento (Spring Brake) 20”/30”, 24”/30”, 30”/30”

Figura 14

1. spring brake 13. condutor de ar 25. parafuso de travamento


2. tampa alta 14. tapa pó 26. menbrana
3. mola de serviço 15. arruela 27. mola de retorno
4. êmbolo 16. porca 28. eixo do êmbolo
5. semi-cinta 17. bucha 29. porca
6. parafuso 18. parafuso 30. arruela
7. menbrana de serviço 19. caixa da mola 31. porca
8. parafuso escariado 20. semi-cinta 32. forquilha
9. apoio do êmbolo 21. arruela 33. pino
10. corpo intermediário 22. porca 34. contra-pino
11. anel “O” 23. mola de emergência 35. porca
12. curva 24. disco de emergência 36. arruela

35
MANUTENÇÃO DAS CÂMARAS DE FREIO

Procedimento:

Limpar externamente a Câmara de freio Identificar as


mangueiras com fita adesiva, para facilitar a montagem.
Drenar os reservatórios de ar.
Após travar a mola com o parafuso de travamento
desconectar as mangueiras da Spring Brake.

Remova o tapa-pó da câmara de estacionamento.

NOTA: O tapa-pó de proteção deve ser removido


manualmente.
Não utilize chave de fenda ou outra ferramenta que
possa danificar a tampa.

Remova o parafuso de recuo da mola do alojamento, com a


arruela e a porca.

Monte a mesma arruela e porca no parafuso de recuo da


mola.
Introduza o parafuso de recuo na carcaça superior e
encaixe-o no entalhe do disco de emergência, girando-o 1/6
volta para a direita ou esquerda, até travá-lo.

Com o freio de estacionamento desacionado, gire a porca


do parafuso de recuo a recolha a mola de emergência até
travar.
Remova o pino e contra-pino da forquilha de acionamento e
da base do ajustador.
Remova a Sprig Brake do suporte do freio.

Faça uma identificação na face lateral da tampa superior,


semi-cinta, corpo intermediário, semi-cinta e tampa inferior.

36
MANUTENÇÃO DAS CÂMARAS DE FREIO

Procedimento:

NOTA:
Recolha a mola até a dimensão “B” do parafuso
de travamento.
B= 89 mm

Remova a Semi-cinta da tampa superior.

ATENÇÃO:
Tenha certeza de que o parafuso de recuo da
mola de estacionamento está perfeitamente
encaixado.

Remova o conjunto da tampa superior e o Diafragma.

Remova a Semi-cinta da tampa inferior.


Remova o corpo intermediário e menbrana.

37
MANUTENÇÃO DAS CÂMARAS DE FREIO

Procedimento:

Prenda o disco do êmbolo na morsa.


Remova a forquilha da haste do êmbolo.

Comprima a mola de retorno manualmente com a


tampa inferior e remova a contra porca da haste do
êmbolo.

Remova a tampa inferior e a mola.


Remova o êmbolo da morsa.

LIMPEZA E INSPEÇÃO:
Lavar as peças metálicas com tetracloreto de carbono ou
solvente mineral,secar com ar comprimido seco;
Inspecione as peças quanto a desgaste, danos e corrosão;
Inspecione o diafragma quanto a deformação, danos e
deterioração;
Inspecione as mangueiras e conexões quanto a danos,
ressecamento e vedação.
CUIDADO:
Cuidado com o tetracloreto de carbono. Siga as
instruções fornecidas pelo fabricante para prevenir
acidentes

Prenda o êmbolo na morsa.


Monte a mola de retorno e a tampa inferior.

38
MANUTENÇÃO DAS CÂMARAS DE FREIO

Procedimento:

Comprima a mola de retorno manualmente com a tampa


inferior e rosqueie a contra porca na haste do êmbolo.

Monte a membrana inferior e o corpo intermediário sobre


a tampa inferior.

Monte a semi-cinta e verifique se a identificação feita na


tampa inferior,semi cinta e corpo intermediário estão
alinhadas.

TORQUE:
Fixe a semi-cinta ao torque de 20-25 N.m.

Monte a membrana e a tampa superior sobre o corpo


intermediário.

Monte a semi-cinta e verifique se a identificação feita na


tampa superior, semi-cinta e corpo intermediário estão
alinhados.

TORQUE:
Fixe a semi-cinta ao torque de 20 – 25 N.m

39
MANUTENÇÃO DA CAIXA DA MOLA

Procedimento:

Rosqueie a forquilha até a dimensão “A”, indicada na figura ao


lado, posicionando a forquilha corretamente.
NOTA: Instale a contra porca da forquilha com torque
de 20 a 30 N.m 2 a 3 kfg.
A = 70mm (±3mm)
Tubless = 195mm.
NOTA: Quando a câmara não possuir o rebaixo
diminuir 5mm dos valor de 195mm.

Instale as Spring Brake no suporte Câmara;


Posicione o ajustador Fixe as Spring Brake no suporte, ao
torque conforme tabela.

NOTA: certifique-se de que a forquilha não


interfira no ajustador. Monte o pino e contra pino
na forquilha.

Remova o parafuso de recuo da mola de estacionamento


(ind. 01). Conecte as mangueiras na Spring Brake,
conforme indicação feita na remoção.

MANUTENÇÃO DA CAIXA DA MOLA

IMPORTANTE:
Para retirar a mola do interior da caixa da mola, deve-se seguir as
instruções

1- Colocar o conjunto em uma prensa, com o parafuso de travamento voltado para


cima;
2- Instalar o dispositivo entre a caixa da mola e a haste da prensa, mantendo assim o
raio de ação do parafuso e da porca livres;
3- Aplicar uma pré-carga suficiente para girar a porca sem muito esforço no sentido
anti-horário;
4- Aliviar a pré carga da prensa,permitindo a expansão da mola;
5- Aplicar novamente uma pré-carga, soltar a porca tanto quanto for o curso de retorno
da haste da prensa;
6- Aliviar a pré-carga da prensa, permitindo a expansão total ou parcial da
mola,conforme o curso da haste da prensa. Caso necessário, repetir as operações até
a mola estar totalmente expandida.
40
MANUTENÇÃO DA CAIXA DA MOLA

DIAGNÓSTICO DE FALHAS

PROBLEMA CAUSA CORREÇÃO


Contaminação Repôr Vedação
Fadiga Troca da mola
Quebra da mola Utilização de produtos Evitar uso de produtos alcalinos
Alcalinos na limpeza
Membrana furada Troca da membrana
Vazamento
Anel de vedação danificado Substitua o Anel
Forquilha Solta Falta de torque Torque conforme Tabela
Membrana furada
Substitua a Membrana
Freios não liberam Baixa pressão
Carregar o reservatório de ar
Mola de retorno da câmara de
Substituir
serviço danificada

Tabela de torques da câmara de freio (spring brake):


COMPONENTES Kgf.m
Parafusos das semi-cintas 1,6 a 2,0
Parafusos das semi-cintas de emergência 2,1 a 2,3
Parafusos de fixação da câmara 15,0 a 22,0
Montagem da forquilha 2,0 a 3,0
Parafuso de liberação da mola 5,0 a 6,8

41
MANUTENÇÃO DA MOLA PNEUMÁTICA

Procedimento 12:

Manutenção da Mola Pneumática

1 - Estacione o semi-reboque em um terreno plano. Trave as rodas para prevenir que se


não movimentem;
2 - Levante o semi-reboque para que a suspensão fique na altura de trabalho ou acima.
Apóie a traseira do semi-reboque com suportes de segurança.

IMPORTANTE:
Para realizar a manutenção na suspensão pneumática PSYS11 é
obrigatório
a retirada total do ar do sistema da suspensão.

3 - Retirar o ar do sistema pneumático da suspensão para maior segurança;


4 - Desconectar as linhas de fornecimento de ar no topo das molas pneumáticas, remo-
vendo as porcas e arruelas (ind. 03 e 04) na parte superior e na parte inferior (ind. 04 e 05)
abaixo do braço (ind. 06, figura 15);
5 - Comprimir a mola pneumática (ind. 01) figura 15 e remova-o da suspensão;
6 - Posicione a nova mola pneumática na suspensão, instalando os parafusos na posição
anterior (original) montando novamente as arruelas e porcas da parte superior dando o
torque de 6 a 7 Kgf.m e as arruelas e porcas da parte inferior com o torque de 6 a 7 Kgf.m
7 - Conectar a linha de fornecimento de ar da suspensão pneumática. Encha as molas
pneumáticas, verifique se não há vazamentos e após remova o suporte de segurança;
8 - Verificar a altura de trabalho da suspensão (400 mm, figura 16) e ajuste se necessário.

1- mola pneumática
2- suporte da mola
3- porca sextavada
4- arruela lisa
5- parafuso sextavado
6- braço da suspensão

42
CONJUNTO SUSPENSOR PSYS11

Manutenção do Suspensor Pneumático

- Retire o ar do circuito do suspensor pneumático;


- Solte a conexão de ar do balão pneumático;
- Solte os parafusos que prendem o suporte da mola do suspensor do braço da viga do eixo;
- Suspenda o eixo com auxilio de um macaco hidráulico tipo garrafa;
- Solte os parafusos que fixam o balão pneumático com o suporte do suspensor inferior;
- Retire o balão pneumático juntamente com o suporte superior;
- Retire os parafusos que fixam a mola pneumática com suporte superior;

Montagem do novo balão pneumático:


- Monte o novo balão pneumático no suporte superior do suspensor, aplique torque de 1,0 a
1,5 kgf.m nos parafusos M8.
- Monte a novo balão pneumático no suporte inferior do suspensor, aplique torque de 1,0 a
1,5 kgf.m nos parafusos de fixação;
- Prenda o suporte superior do suspensor no braço da viga. Quando feito esta operação
certifique-se que a face do suporte esteja encostada na base do braço da viga. Aplique
torque no parafuso item 01 de 13 a 15 Kgf.m;
Monte a conexão de entrada de ar no balão do suspensor, aplique torque de 2,5 a 3,0 kgf.m.

Deverá ser encostado na


face inferior da suspensão,
posteriormente dar torque no
parafuso de acoplamento
com a suspensão.
1- Solte o parafuso de
fixação do suporte.

Solte os parafusos que


fixam o balão ao suporte
superior.

2 - Solte a conexão de ar do balão do suspensor.


Solte os parafusos de fixação do
suporte suspensão e do braço
da viga.

Para substituir o suspensor completo:


Solte os parafusos que prendem o suporte
inferior e superior do suspensor e retire o
conjunto completo.
Substitua por um novo conjunto de suspensor.

43
MANUTENÇÃO DOS AMORTECEDORES

Procedimento 13:

Manutenção dos Amortecedores

1 - Estacione o semi-reboque em um terreno plano. Trave as rodas para prevenir que


não se movimentem;
2 - Apóie o semi-reboque corretamente, remova a porca, arruelas e o parafuso (ind. 04,
03, 02 e 01) na parte superior junto ao suporte, figura 17;
3 - Retirar o ar do sistema pneumático da suspensão por segurança;
4 - Remova a porca, arruelas e o parafuso (ind. 04, 03, 02 e 01) da parte inferior junto
ao braço, figura 17;
5 - Instale o novo amortecedor (ind. 05) figura 17;
6 - Montar novamente os parafusos, arruelas e porcas na parte superior e inferior após
aplique torque de 48 a 55 kgf.m nas porcas.

1- parafuso do amortecedor
2- arruela lisa
3- arruela de encosto
4- porca sextavada
5- amortecedor

Procedimento 14:

Substituição da Bucha de Borracha do Braço da Suspensão


Remoção da bucha de borracha

OBSERVAÇÃO:
Imprescindível atender os itens de segurança abaixo relacionados
antes de começar a desmontagem do produto.

1- Utilizar um dispositivo de elevação adequado, suspendendo o chassi do veículo o


necessário para acesso a manutenção. Verificar a total segurança e imobilidade do
veículo;
2- Retirar o ar do sistema pneumático da suspensão;

44
SUBSTITUIÇÃO DA BUCHA DE BORRACHA

3- Apoiar o braço do eixo e subconjunto com segurança;


4- Remover porca, arruelas e parafuso do amortecedor (ind. 01, 02, 03 e 04) figura 17
junto ao braço da suspensão (ind. 09) figura 18;
5- Remover porca, arruelas de alinhamento e parafuso (ind. 02, 03, 04, 07 e 08) do
suporte dianteiro (ind. 01) figura 18;
6- Desloque para baixo o braço da suspensão (ind. 09) removendo as arruelas de
desgastes (ind. 04) e a bucha de metal interna (ind. 05) figura 18.

1- suporte dianteiro
2- parafuso sextavado
3- arruela de alinhamento
4- arruela de desgaste
5- bucha de encosto
6- bucha da suspensão
7- arruela lisa
8- porca sextavada
9- braço da suspensão

7- O processo de substituição da bucha requer


uma ferramenta especial, código 2130 00505.
Aplique uma pequena quantidade de lubrificante
recomendado em torno do raio da bucha do
braço do eixo e da bucha cônica (peça B), figura
19;
8- Monte a bucha cônica do dispositivo (peça B)
no olhal da luva do braço da suspensão, figura
20.
Observe que a bucha é cônica e o diâmetro
menor deve ser acoplado na bucha do braço do
eixo;
9- Coloque a placa menor do dispositivo (peça
A), figura 21 sobre a bucha de borracha para
efetuar a extração;
10- Insira o fuso de tração (peça D) na placa maior (peça C), passando pela bucha cônica
(peça B) e na placa menor (peça A) até encostar na bucha a ser removida, figura 22.
Monte a arruela de encosto e a porca do dispositivo;

45
SUBSTITUIÇÃO DA BUCHA DE BORRACHA

11- Rosqueie o fuso de tração, assegurando que fiquem bem acopladas todas as peças
do dispositivo;
12- Gire o fuso de tração até puxar a bucha de borracha para dentro da bucha cônica do
dispositivo.
OBSERVAÇÃO:
Utilize o lubrificante especificado para a montagem da bucha.
Lubrificante pasta: DRAW FB 37 - Código SUSPENSYS: 68000049
A utilização de lubrificante não recomendado ou de outro tipo de
lubrificante prejudicará o bom desempenho da suspensão e a vida útil da
bucha de borracha.

1- Inspecione o interior do tubo da bucha do braço para eventuais pontos de ferrugem,


rebarbas, restos de borracha e qualquer outro resíduo acumulado. Limpe antes de
proceder a montagem da nova bucha;
2- Lubrifique a parte interna da bucha do braço do eixo, a bucha cônica do dispositivo, a
rosca do fuso de tração e a parte externa da nova bucha de borracha para facilitar a
montagem;
3- Inserir a bucha de borracha nova na bucha cônica (peça B) do dispositivo, observando
o alinhamento da parte metálica da bucha de borracha com a linha indicadora da bucha
cônica, figura 23. Na figura 25 mostra como deve ficar ao final da montagem;
4- Gire o fuso de tração até acoplar a bucha de borracha para dentro da bucha do braço
do eixo.
Instalação da nova bucha de borracha

5- Verifique se a bucha está centralizada dentro do olhal do braço;


6- Recoloque a bucha de encosto (ind. 05) e as arruelas de desgaste (ind. 04) fig. 18.
Caso necessário à substituição de umas desta peças por motivo de desgaste, proceda a
substituição;
7- Monte o parafuso, arruelas de alinhamento e porca (ind. 02, 03, 04, 05, 07 e 08) fig.
18 e após o amortecedor com seu parafuso, arruela e porca (ind. 01, 02, 03 e 04) fig. 17
dando neste caso já o torque de 48 - 55 kgf.m;
8- Alinhe o produto seguindo o procedimento 16 “Alinhamento dos Eixos”.

OBSERVAÇÃO:
As arruelas de alinhamento devem
estar planas em relação ao suporte
frontal durante o alinhamento para
garantir um correto procedimento.
- Alimente novamente o sistema pneumático da suspensão e
verifique a altura de trabalho, conforme mostra a figura 16.
46
SUBSTITUIÇÃO DO CONJUNTO VIGA DO EIXO

Procedimento 15:

Substituição do Conjunto Viga do Eixo

Para a substituição do conjunto viga do eixo siga as orientações do procedimento nº 01


para a desmontagem do conjunto cubo tambor e conjunto do freio (ind. 04) figura 23.
- Retire os parafusos de fixação do amortecedor (ind. 02) da viga do eixo (ind. 01) figura
23;
- Retire os parafusos de fixação do braço da viga com o suporte dianteiro (ind. 03);
- Retire o conjunto viga do interior do suporte dianteiro.

OBSERVAÇÃO:
Para montar o novo conjunto viga, verifique o estado e condições dos
suportes como desgaste interno e externo na região de fixação da bucha e
trincas no corpo do suporte. Caso apresentar algum desses problemas,
providenciar a substituição dos suportes.

- Monte o novo conjunto viga nos suportes.


Antes de montar o conjunto viga no suporte verifique a posição da bucha de borracha,
conforme orientação da figura 22;
- Monte as buchas de encosto uma de cada lado da bucha de borracha, monte as arruelas
de desgaste, posicione os braços da viga no suporte de forma que possa montar os
parafusos de fixação. Ver figura 18;
- Posicione no lado externo do suporte as arruelas de alinhamento, monte o parafuso de
fixação a arruela lisa e a porca autofrenante;
- Proceda o alinhamento do eixo conforme procedimento 16 “Alinhamento dos Eixos”.

1- viga do eixo
2- amortecedores
3- suporte dianteiro
4- conjunto cubo e tambor de freio

47
ALINHAMENTO DOS EIXOS

Procedimento 16:

Alinhamento dos eixos

A perfeita geometria proporciona ao semi-reboque equipado com suspensão PSYS11


melhor desempenho, economia de combustível, velocidades mais estáveis, menor
desgaste de pneus e uma melhor estabilidade do conjunto veículo trator e semi-
reboque.
É de responsabilidade do fabricante do semi-reboque a montagem do módulo da
suspensão PSYS11 no chassi, como também do alinhamento dos eixos e torques nos
parafusos de fixação da viga no suporte.
Recomenda-se verificar o alinhamento dos eixos nos primeiros 10.000 km e após a
cada 30.000 Km ou sempre que a suspensão sofrer alguma manutenção ou se
apresentar desalinhamento.
Para a operação de alinhamento dos eixos da PSYS11 devem ser observados os
seguintes procedimentos:
A suspensão pneumática PSYS11 possui nos suportes dianteiros, parafusos, arruela de
alinhamento e porca, que são responsáveis pelo processo de alinhamento do eixo.
Quando girar a cabeça do parafuso controlado pela arruela de alinhamento, o braço da
suspensão e o eixo se movem para frente ou para trás permitindo o alinhamento do eixo
em relação ao pino rei. O travamento do sistema é realizado pela porca do lado interno
do suporte frontal, mediante o torque de 65 - 78 Kgf.m. para parafuso M22 e 135 - 145
Kgf.m para parafuso M30, ambos considerando que o parafuso esteja com o corpo
oleado.
Para conferência dos torques é necessário a utilização de um torquímetro com a
capacidade adequada para tal.
A ≠ B máx. 2mm
A diferença máxima permitida entre as medidas A e B é 2 mm, figura 24.
Esta medida é adotada para conferir se o alinhamento está dentro das tolerâncias.
Caso tenha que ser refeito, estas medidas deverão tender a zero.

48
TABELA DE TORQUES

IMPORTANTE:
Sempre que o semi-reboque equipado com a suspensão PSYS11 for
submetido ao procedimento de alinhamento dos eixos, obrigatoriamente
deve ser verificado o estado da porca e aplicado torque no parafuso de
fixação no suporte de 65 - 78 Kgf.m para parafuso M22 e 135 - 145 Kgf.m
para parafuso M30. Após rodar 1.600 km iniciais deve ser verificado o
torque no parafuso, caso inferior ao recomendado, aplicar torque.

IMPORTANTE:
Quando o produto não mantém o alinhamento:
Verifique o estado do suporte, paredes internas de contato com a parte
metálica da bucha de borracha, furo oblongo, caso observe paredes
internas desgastadas ou furo oblongo danificado, substituir o suporte.
Verifique o estado de conservação das buchas de borrachas, caso
danificadas, devem ser substituídas. Para isto procure uma casa
credenciada, onde a substituição da bucha de borracha deve ser realizada
com o auxilio de um dispositivo específico, ilustrado na figura 19.

Procedimento 17:

Tabela de torques (aplicação)

49
MANUTENÇÃO PERIÓDICA

Tabela de Torques (figura 25)

IND APLICAÇÃO TORQUE


.
Porca do parafuso do amortecedor 48 - 55

Porcas do parafuso M22 do suporte frontal do alinhamento 65 - 78


Porcas do parafuso M30 do suporte frontal do alinhamento 135 - 145

Porcas dos parafusos do fole pneumático da suspensão


06 - 07
superior e inferior

Porca da roda: para eixo a disco 60 - 70

Porca da roda: para eixo raiado 30 - 40


Porca de fixação da câmara de freio 15 - 22
Parafuso de montagem do conjunto cubo e tambor INBOARD 18 - 23

Procedimento 18:

Plano de manutenção Periódica

Inicial A cada A cada A cada


TAREFAS 1.600km 30 dias 90 dias 180 dias
10.000k 30.000k 60.000k
Examinar torque: porcas dos amortecedores
Examinar torque:
porcas das arruelas de alinhamento no suportes
frontais (sempre que for realizado alinhamento)
Examinar torque:
porcas de fixação dos foles pneumáticos
Alinhamento de eixo
Examinar sistema pneumático da suspensão:
molas pneumáticas, mangueiras e Vazamentos.
Examinar amortecedores.
Examinar Freios: regular A cada 2.000 Km
Examinar rodados: aperto nas porcas de rodas
Regular ajuste dos rolamentos dos eixos A cada 40.000 Km

A cada troca de lona ou 40.000KM, retirar os rodados e abrir os cubos de roda para:
• Examinar rolamentos e trocar a graxa;
• Examinar cubos, tambores e reapertar parafusos – ver tabela de torques;
• Substituir arruelas dentadas, retentores (obrigatório) e juntas (se necessário);
• Examinar componentes dos freios e substituir todas as molas dos patins;
• Ajustar folga dos rolamentos dos eixos.
50
RECOMENDAÇÕES FINAIS

Recomendações Finais

- Siga o Plano de Manutenção Periódica recomendada pelo fabricante;

- Não ultrapasse a capacidade técnica da suspensão;

- Antes de cada viagem, inspecione visualmente o sistema de suspensão e atente para


ruídos e vazamentos de ar;

- Inspecione visualmente todos os parafusos e porcas tendo atenção em solturas e


movimentos;

- Verificar valores de torque dos parafusos, apertando os que estiverem soltos e


substituindo os faltantes ou danificados;

- Verifique a existência de trincas nas soldas do braço de reação, na montagem do eixo


e suporte frontal;

- Verifique o estado das molas pneumáticas, se possuem cortes ou sinais de que


estejam raspando, quando danificados ou cortados, proceda a substituição;

- Verifique as buchas dos amortecedores se estão apertadas ou desgastadas.


Inspecione se há sinal de vazamento de óleo nos amortecedores, substitua-os caso
estejam danificados ou apresentarem vazamento;

- Faça as manutenções na suspensão PSYS11 em casas credenciadas pelo fabricante


do semi-reboque;

- Na manutenção do produto, utilize somente peças genuínas SUSPENSYS.

- Verificar as buchas dos braços da viga do eixo caso apresentem folga ou deterioração
da borracha proceda com a substituição das mesmas.

IMPORTANTE:
Ao manusear as lonas de freio, cubo e tambor, cuidar para não utilizar
ar comprimido para a limpeza dos componentes sob risco de inalar as
substâncias tóxicas provenientes das lonas. Usar sempre os
equipamentos de proteção individual EPIS (luvas, óculos e máscara).

51