Você está na página 1de 3

SERMÃO EXPOSITIVO

Por Rev. Luciano Gomes

“Então aconteceu naquele dia, pela primeira vez, que o rei Davi
determinou que Asafe e seus parentes louvassem o SENHOR entoando
Salmos de gratidão e louvor”. (I Crônicas 16:7- KJV-Sociedade Bíblica Ibero
Americana)

INTRODUÇÃO:

Então somos informados de que os cantores foram nomeados para


cantarem perante a arca continuamente (vss. 4-6). Em seguida temos um
salmo-hino que Davi compôs e entregou aos cantores (vss. 7-36). Davi
nomeou não somente as pessoas apropriadas para cantarem diante da arca,
mas também no tabernáculo em Gibeom (vss. 37-43). Um tabernáculo
temporário tinha sido levantado em Jerusalém para abrigar a arca.
Eventualmente, Salomão, filho de Davi, construiria um templo que abrigaria
a arca até o tempo do cativeiro babilónico, por volta de 597 A. C.

Exposição:

A passagem que se segue é uma compilação em que foram aproveitadas


passagens do livro de Salmos, a saber:
I Crônicas Salmos:
1. 16.8-22 105.1-15
2. 16.23-33 96.1-13
3. 16.34-36 106.1b,c, 47,48

Observações:

1. Alguns eruditos supõem que Davi tenha composto esta passagem para a
ocasião. Porém o mais provável é que ele simplesmente tenha compilado
porções de composições que já havia escrito antes.
2. Ou então, o hino é uma inserção posterior, que foi simplesmente copiada
de porções dos salmos. Nesse caso, o uso dessas porções não teria ocorrido
na época apresentada pelo cronista, mas tornou-se parte do texto
padronizado de I Crônicas tempos mais tarde.
3. Talvez o próprio cronista, ou algum editor posterior, tenha feito a seleção
das partes.
4. Notemos que a ordem das porções dos salmos não segue a ordem
encontrada no livro de Salmos.
5. Não há muita diferença entre essas porções e os salmos correspondentes,
conforme os conhecemos atualmente; isso sugere que houve uma cópia,
conforme o quadro anteriormente fornecido, e não uma composição original
do hino para aquela ocasião específica.

6. Essas porções, tomadas por empréstimo, provavelmente estavam entre os


primeiros salmos a serem empregados no culto divino, a começar pelo
tabernáculo provisório.

I – Imperativo invocatório: LOUVAI AO SENHOR

“8 Louvai ao Senhor, invocai o seu nome, fazei conhecidos entre os povos


os seus feitos.” (verso 8 ARC-SBB)

No texto o uso imperativo de duas expressões nos chamam a atenção:


‫ ידה‬yadah,
1c1) dar graças, louvar, agradecer, 1c2) confessar, confessar (o nome de
Deus). No hebraico o verbo está no tempo verbal conhecido como Hifil, O
Hifil em geral expressa uma ação “causativa”

Exemplos:
Ele comeu ele fez comer, alimentou
Ele veio ele fez vir, trouxe
Ele reinou ele fez rei, coroou

Ideia do texto: Voz ativa causativa, isto é, o sujeito pratica ou leva alguém a
praticar a ação. O sujeito do verbo neste texto em grau Hifil dar graças e leva
outra pessoa a dar graças, louva e incentiva outros a louvar, ou anima outro
a louvar. Logo, este primeiro imperativo invocatório trás a ideia clara que
Davi queria dos seus ouvintes.

(Strong, James: Léxico Hebraico, Aramaico E Grego De Strong. Sociedade


Bíblica do Brasil, 2002; 2005, S. H8679)

A segunda expressão reforça a primeira, o vocábulo utilizado é ‫קרא‬


qara’, a ideia deste vocábulo vem de uma raiz primitiva idêntica: deparar,
sobrevir, encontrar, logo significa: dirigir-se a uma pessoa ao encontrá-
la. Ou seja, ao usar a expressão: Invocai o seu nome... A força deste texto
está na própria tradução deste vocábulo: ‫ קרא‬qara’= chamar, clamar,
gritar(por socorro), proclamar e invocar(o nome de Deus).

Aplicação:

“E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás”.


(Salmo 50:15)
II – Imperativo de instrução: RECORDAI AS MARAVILHAS

“12 Lembrai-vos das suas maravilhas que tem feito, dos seus prodígios, e
dos juízos da sua boca.” (verso 12 ARC-SBB).

Agora Davi no 2º imperativo instrui ao povo de Deus a LEMBRAR,


RECORDAR. Ele usa o vocábulo ‫ זכר‬zakar que é traduzido como: lembrar,
recordar, trazer à mente, a ideia aqui meus irmãos é de alguém que deve
trazer à mente as recordações passadas. O mesmo vocábulo é utilizado em
um texto bem conhecido de todos nós:

“Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.” (Lamentações


3:21 ARA)

III – Imperativo prático: DEDICAI AO SENHOR

“Dai ao Senhor, ó famílias das nações, dai ao Senhor glória e força.”


(verso 28 ARC-FIEL).

Finalmente, no último imperativo prático, temos o uso da expressão:


Dai ao Senhor... (ARC-Fiel), na ARA TRIBUTAI. No original em hebraico
temos a palavra: ‫ יהב‬yahab, que é traduzida por: dar, prover, atribuir
(glória).

Aplicação:

O que nossa família está fazendo aqui nesta noite? Senão atribuindo
(TRIBUTAR, DAR, ATRIBUIR) ao Eterno toda a glória e honra! Toda dádiva
que dos céus desceu sobre nós nestes últimos anos, pelas vitórias e
conquistas pessoais, pelas derrotas e insucessos também, por tudo que
soberanamente esteve e sempre estará sobre o controle do seu mui santo e
sábio decreto eterno. Gostaria de encerrar este culto de gratidão ao nosso
supremo benfeitor, recitando com os amados irmãos o seguinte salmo:

COMCLUSÃO

“Que darei eu ao Senhor, por todos os benefícios que me tem feito?


Tomarei o cálice da salvação, e invocarei o nome do Senhor. Pagarei os
meus votos ao Senhor, agora, na presença de todo o seu povo.” (Salmos
116:12-14 ARC-Fiel)
SOLA DEL GLÓRIA!