Você está na página 1de 9

DENZIN, Norman K. LINCOLN, Yvonna.

O planejamento da Pesquisa Qualitativa:


Teorias e abordagens. Porto Alegre: ARTMED, 2006, p. 15-39.

Introdução - Questões Conceituais

p.17: “A pesquisa qualitativa é uma atividade situada que localiza o observador no


mundo. Consiste em um conjunto de práticas matérias e interpretativas que dão
visibilidade ao mundo.” Embora seja possível elaborar um conceito geral para
conceituar pesquisa qualitativa, o autor aponta a necessidade de compreensão
histórica, uma vez que, a pesquisa qualitativa é um campo de investigação
consolidado em momentos de transições paradigmáticas. Transições que não foram
construídas em um curto período de tempo, ao contrário, os autores citam que a
pesquisa qualitativa atravessou sete momentos históricos.

p.16: “Esses sete momentos sobrepõe e funcionam simultaneamente no presente.”

Para melhor compreender o entendimento dos autores, elaborei a seguinte tabela1:

Tradicional Modernista Gêneros A crise da Pós-moderno A O futuro


(1900-1950) (1950-1970) Obscuros representação (1990-1995) investigação (2000-x)
(1970-1986) (1986-1990) pós-
experimental
(1995-2000)
Paradigma Argumentos Pluralista, Crise da Busca de Abandono do Relacionar a
positivista e pós- interpretativa e representação critérios de pesquisador pesquisa
fundacionalista. positivistas aberta. Pós- da pesquisa avaliação como qualitativa às
estruturalista, qualitativa. alternativa em observador esperanças,
neopositivista, compreensões distante às
neomaxista, locais. necessidades,
descontrucionista, aos objetivos
etc. e as
promessas de
uma
sociedade
democrática.
Estudioso: Novas As humanidades Ocorreu um Interesse Recusa de
Augusto Comte perspectivas tornam-se tipo de pelos tropos privilegiar
Pressuposto: qualitativas: recursos centrais diáspora retóricos e qualquer
Realidade única, hermenêutica, para a teoria metodológica, pela virada método ou
independentemente estruturalismo, crítica um êxodo de narrativa, pela teoria.
de quem a estuda. semiótica, interpretativa e duas vias. narração de
estudos para a pesquisa história e por
culturais e qualitativa. novos
feminismo. (bricoleu) processos de
composição
de etnografia.

p.17: A pesquisa qualitativa pode envolver uma serie de práticas, como gravações,
entrevistas, notas de campo, lembretes, etc. Tais representações envolvem uma
abordagem naturalista e interpretativa para mundo.
1
O uso da tabela é apenas um recurso.
p.17: Envolve o estudo do uso e coleta de uma variedade de materiais empíricos –
estudo de caso; experiência pessoal; introspecção; história de vida; [...]- que
descrevem momentos e significados rotineiros e problemáticos na vida dos indivíduos.

p.17: Entende-se, contudo, que cada prática [“uma ampla variedade de práticas
interpretativas e interligadas”] garante uma visibilidade diferente ao mundo. Logo,
geralmente existe um compromisso no sentido do emprego de mais de uma prática
interpretativa em qualquer estudo.

O pesquisador qualitativo como bricoleur e confeccionador de colchas

p.18: Dada a diversidade de práticas metodológicas em pesquisa qualitativa, o


pesquisador qualitativo tende a assumir posições múltiplas, passando por diversos
campos de atuação e fundamentando sua pesquisa em lugares contingenciais. É
desse entendimento, que surge a metáfora do bricoleur. Segundo os autores “bricoleur
é um indivíduo que confecciona colchas, ou, como na produção de filmes uma pessoa
que reúne imagens transformando-as em montagens.”

p.19: “De certa forma a montagem é como um pentimento, no qual algo que havia sido
pintado, mas que não fazia parte do retrato, ganha novamente visibilidade, criando
algo novo.”

p.19: Para trabalhar o conceito de montagem e ampliar a analogia entre o pesquisador


e o bricoleur, também confeccionador de colchas, o autor usa como exemplo a cena
da escadaria do filme “O Encouraçado do Potemkim”2 (1925). Em uma montagem,
diversas imagens diferentes são sobrepostas para criar um quadro. Os autores
comentam a cena e argumenta que “a montagem emprega imagens breves a fim de
criar uma noção bem definida de urgência.”

p.19: O pesquisador qualitativo que emprega a montagem é como um confeccionador


de colchas, ou um improvisador de jazz. Esse confeccionador costura, edita e reúne
pedaços da realidade, um processo que gera e trás uma unidade psicológica e
emocional para uma experiência interpretativa.

p.19: E na escrita, como se caracterizam os textos baseados nas metáforas da


montagem, da confecção de colcha e na improvisação de jazz? “São textos dialógicos.
Criam espaço para o leitor e o escritor. Fazem mais do que transformar o outro em
objetos do olhar das ciências sociais.”

p.19: Triangulação – multiplicidade de métodos. “A realidade objetiva nunca pode ser


captada. Podemos conhecer algo apenas por meio das suas representações. A
triangulação não é uma estratégia ou ferramenta de validação, mas uma alternativa
para validação.”

p.20: Cristalização – quando o autor conta a mesma história a partir de diferentes


pontos de vista. A triangulação é contestada pelo processo de cristalização. São
proposições que partem do autor Richardson, no capítulo 14 do volume 3. “Para a
investigação qualitativa a imagem é de um cristal e não de um triângulo.” Richardson –

2
Disponível em [http://www.youtube.com/watch?v=uyCVzoLVGUc]
“Cristais são prismas que refletem externalidades e refratam-se dentro de si mesmos,
criando diferentes cores, padrões, exibições, que se lançam em diferentes direções.”

p.20: Independente dos diversos pontos de vista que irão definir a imagem mais
apropriada para a pesquisa qualitativa, os autores pontuam que cada uma dessas
metáforas “age” no sentido de criar a simultaneidade, e não o seqüencial e o linear.

p.20: O “bricoleur” metodológico – um perito na execução das diversas tarefas da


pesquisa.

p.20: O “bricoleur” teórico – Lê muito e é bem informado dos diversos paradigmas


interpretativos: feminismo, marxismo, estudos culturais, construtivismo, etc.
“Entretanto, ele talvez não ache que os paradigmas possam ser misturados ou
sintetizados. Ou seja, é difícil esse deslocamento entre paradigmas como sistemas
filosóficos de maior abrangência que denotam ontologias, epistemologias e
metodologias científicas. [...] O pesquisador no papel teórico “bricoleur”, trabalha
dentro de perspectivas e paradigmas concorrentes e sobrepostos.

p.20: O “bricoleur” interpretativo – Entende que a pesquisa é um processo interativo


influenciado pela história pessoal, pela biografia, pelo gênero, pela classe social, pela
raça e pela etnicidade dele e daquelas pessoas que fazem parte do cenário.

p.20: O “bricoleur” político – Sabe que a ciência significa poder, pois todas as
descobertas da pesquisa em implicações políticas.

p.21: O “bricoleur” narrativo – Sabe que todos os pesquisadores contam histórias


sobre o mundo que estudaram. Logo, as narrativas, ou as histórias, que os cientistas
contam são relatos expressos e montados, dentro de tradições específicas na
narração da história, muitas vezes definidas como paradigmas.

p.21: O produto do trabalho do “bricoleur” interpretativo é uma bricolagem complexa


(que lembra uma colcha), uma colagem ou uma montagem reflexiva.

A pesquisa qualitativa como terreno de múltiplas práticas

p.20: A pesquisa qualitativa, como um conjunto de atividades interpretativas, não


privilegia nenhuma única prática metodológica em relação à outra. [...] Ela não possui
uma teoria ou um paradigma nitidamente próprio.

p.21: A diversidade de histórias envolvendo cada método ou estratégia de pesquisa


revela como cada prática recebe múltiplos usos e significados. As análises textuais
nos estudos literários, por exemplo, muitas vezes tratam o texto como sistemas
independentes. Por outro lado, um pesquisador que adote uma perspectiva nos
estudos culturais ou do feminismo interpretará o texto em forma de localização dentro
de um momento histórico marcado por um gênero, ou raça, ou ideologia específica.

p.21: Tomamos emprestada a tentativa de Nelson e colaboradores (1992, p.4) de


definir os estudos culturais: A pesquisa qualitativa é um campo interdisciplinar,
transdisciplinar e às vezes, contradisciplinar, que atravessa as humanidades, as
ciências sociais e as ciências físicas. Tem um foco multiparadigmático. [...] adota duas
tensões ao mesmo tempo, por um lado é atraída a uma sensibilidade geral,
interpretativa, pós-experimental, pós-moderna, feminista e crítica. Por outro lado, é
atraída a concepção da experiência humana e de sua análise mais restrita à definição
positivista, pós-positivistas, humanistas e naturalistas.

As resistências em relação aos estudos qualitativos

p.22: Os pesquisadores qualitativos são denominados (pelos campos de resistência)


jornalistas ou cientistas das áreas das soft scienc3. Seu trabalho é considerado não
científico, ou apenas, exploratório, ou subjetivo. É chamado de crítica, e não de
teoria, ou é interpretado politicamente como uma versão disfarçada do marxismo ou
do humanismo secular.

p.22: A pesquisa qualitativa é vista como um ataque a essa tradição, cujos adeptos
geralmente refugiam-se em modelos de ciência objetivista livre de valores.

p.22: A competência da pesquisa qualitativa é, portanto, o mundo da experiência


vivida, pois é nele que a crença individual e a ação e a cultura entrecuzam-se. Dentro
desse modelo, não existe nenhuma preocupação com o discurso e com o método
como práticas interpretativas materiais que constituem a representação e a descrição.
Dessa forma a virada narrativa, textual, é rejeitada pelos positivistas.

Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa

p.23: A palavra qualitativa implica uma ênfase sobre qualidades das entidades sobre
os processos e os significados que não são examinados ou médicos
experimentalmente (se é que são medidos de alguma forma) em termos de
quantidade, volume, intensidade ou frequência.

p.23: Os pesquisadores qualitativos ressaltam a natureza socialmente construída da


realidade, a intima relação entre o pesquisador e o que é estudado, e as limitações
situações que influenciam a investigação. Esses pesquisadores enfatizam a natureza
repleta de valores de investigação.

Já os estudos quantitativos enfatizam o ato de medir e de analisar as relações causais


entre variáveis, e não processos. Aqueles que propõem esses estudos alegam que
seu trabalho é feito a partir de um esquema livre de valores.

Estilos de pesquisa: Fazendo a mesma coisa de um modo diferente?


3
Que significa ciência mole, se opondo ao conceito de ciências duras.
p.23: “A pesquisa qualitativa difere da pesquisa quantitativa em cinco aspectos
significativos. Esses pontos de divergência giram em torno de diferentes formas de
abordar o mesmo conjunto de questões.”

1 – Os usos do positivismo e do pós-positivismos (nas pesquisas qualitativas)

p.23: “Em primeiro lugar, essas duas perspectivas são influenciadas pela tradição
positivista (ou empirista) e neopositivita (ou empiristas lógicos) nas ciências sociais e
físicas.”

p.23“São enfatizados critérios de avaliação tradicionais, como validade interna e


externa, assim como emprego de procedimentos qualitativos que se prestem a análise
estruturada.”

p.23: “A pesquisa qualitativa foi historicamente definida dentro do paradigma, no qual


os pesquisadores qualitativos tentaram realizar uma pesquisa positivista (empírica) de
boa qualidade utilizando métodos e procedimentos menos rigorosos. Alguns
pesquisadores qualitativos de meados do séc. XX relataram resultados de observação
participante em termos de quase estatísticas.”

2- A aceitação das sensibilidades pós-modernas

p.24: “O uso dos métodos e das suposições positivistas, quantitativas, foi rejeitado por
uma nova geração de pesquisadores qualitativos ligados às sensibilidades pós-
estruturais e pós-modernas.”

p.24: “Eles entendem que esses critérios são irrelevantes para o seu trabalho e
afirmam que tais critérios reproduzem apenas certo tipo de ciência, uma ciência que
silencia um enorme numero de vozes.”

3- Uma forma de captar o ponto de vista do indivíduo

p.24: “[...] os pesquisadores quantitativos raramente conseguem captar as


perspectivas dos sujeitos que estudam, pois precisam confiar em materiais e métodos
empíricos mais remotos.”

4- Um exame das limitações do cotidiano

p.24: Os pesquisadores quantitativos vêem esse mundo em ação e nele inserem suas
descobertas, sempre desviando sua atenção desse mundo, raras são as vezes que
estudam-no diretamente.

p.24: “Os pesquisadores qualitativos, por outro lado, têm um compromisso com uma
postura baseada em casos, ideográfica, êmica, que direciona sua atenção para os
aspectos específicos de determinados casos.”

5- Garantia da riqueza das descrições

p.24: “Os pesquisadores quantitativos são deliberadamente indiferentes à riqueza das


descrições, pois esse tipo de detalhe interrompe o processo de desenvolvimento das
generalizações.”
A história da pesquisa qualitativa

p.26: O parágrafo se inicia a partir de uma discussão trazida pelos autores Vidich e
Lyman, que será discutida mais a frente do livro, no capítulo 2. Tais autores “cobrem
todo o âmbito da história etnográfica” e revelam diferentes estágios da história,
discutindo que “os pesquisadores foram e continuam sendo influenciados por suas
esperanças e ideologias políticas, fazendo descobertas em suas pesquisas que
confirmam teoria ou crenças anteriores.

p.26: “Os primeiros etnógrafos americanos estudaram o índio americano a partir da


perspectiva do conquistado, que via o mundo de vida do primitivo como uma janela
para o passado pré-histórico.”

p: 26: Declaração de Vidich e Lyman (Capítulo 2): O divisor de águas pós-moderno


“exige” o abandono de todas as teorias e perspectivas e de todos os valores
estabelecidos (...) e pré-concebidos (...) e dos preceitos como recurso para o estudo
etnográfico.

p.26: “Nessa nova era, o pesquisador qualitativo faz mais do que observar a história;
ele desempenha um papel nessa história.”

Os sete momentos da pesquisa qualitativa (América do Norte - Século XX)

O período tradicional

p.26: “Sua preocupação estava em oferecer interpretações válidas, confiáveis e


objetivas e seus escritos. O outro estudado era forasteiro, estrangeiro e estranho.”

p.27: “Durante esse período, o pesquisador de campo foi tratado como uma
celebridade, transformado em uma figura exagerada que ia para o campo e dele
retornava trazendo histórias sobre pessoas estranhas.” (Etnógrafo Solitário)

p.27: “O outro era um objeto a ser mantido em arquivo. Esse modelo do pesquisador,
o qual também podia escrever teorias complexas, densas, sobre o que era estudado
ainda existe nos dias de hoje.”

p.28: “Os velhos padrões não mais se mantém. As etnografias não produzem
verdades intemporais. O compromisso com o objetivismo agora foi posto em dúvida.
Hoje, contesta-se abertamente à cumplicidade com o imperialismo, e a crença no
monumentalismo pertence ao passado.”

A fase modernista

p.28: “A fase modernista, ou segundo momento, baseia-se nos trabalho canônico do


período tradicional. Ainda são valorizados o realismo social, o naturalismo e as
etnografias que expõe detalhes da vida real.”
p.28: “O pós-positivismo funcionou como um poderoso paradigma epistemológico.”

Gêneros (Estilos) obscuros

p.29: “Crescia a reputação da pesquisa qualitativa aplicada, e a política e a ética da


pesquisa qualitativa [...] eram tópicos que despertavam um interesse considerável.”

p.30: “A era dourada das ciências sociais havia acabado, e uma nova era de gêneros
interpretativos obscuros já se aproximava. O ensaio como forma de arte substituía o
artigo cientifico. No momento, o que está em questão é a presença do autor no texto
interpretativo.”

A crise da representação

p.30: Obras renomadas em meados dos anos oitenta “colocaram em dúvida questões
de gênero, da classe e da raça.”

p.31: “Como uma serie de representações escritas, os textos do pesquisador de


campo fluem das experiências de campo, passando por trabalhos intermediários, até o
trabalho mais recente, chegando por fim ao texto da pesquisa que consiste na
apresentação pública da experiência etnográfica e narrativa. [...] Em entre última
análise, não existe nenhuma diferença entre a redação e o trabalho de campo.”

Uma tripla crise

p.31: “Os pesquisadores qualitativos defrontam-se com uma tripla crise de


representação, legitimação e práxis nas disciplinas humanas. Implantadas nos
discursos do pós-estruturalismo e do pós-modernismo, essas três crises são
codificadas em múltiplos termos, possuindo múltiplas denominações e associações
com as reviravoltas crítica, interpretativa, lingüística, feminista, retórica na teoria social,
as quais problematizam duas suposições essenciais da pesquisa qualitativa.”

p.31: “A primeira, de que os pesquisadores qualitativos não podem mais captar


diretamente a experiência vivida. Esta é a crise representacional, a qual defronta-se o
inescapável problema de representação, porém assim o faz dentro de um esquema
que problematiza o elo direto entre a experiência e o texto.”

p.31: “A segunda crise “é a crise da legitimação, que envolve uma série de


reconsideração de termos como validade, capacidade de generalização e a
confiabilidade.”

Uma leitura da história

p.32: “Primeiro, cada um dos momentos históricos anteriores ainda estão em ação nos
dias de hoje, seja na forma de um legado ou como um conjunto de práticas que os
pesquisadores continuam a seguir ou a contestar.”

p.32: “Segundo, o campo da pesquisa qualitativa agora caracteriza-se por um


embaraçado de questões. [...] Nunca houve tantas estratégias de investigação, tantos
paradigmas, ou métodos de análises, para os pesquisadores utilizarem.

p.32: “Terceiro, estamos em um momento de descobertas e de redescobertas [...].”


p.32; “Quanto, o ato da pesquisa qualitativa não pode mais ser visto a partir de dentro
de uma perspectiva positivista neutra ou objetiva.”

A pesquisa qualitativa enquanto processo

O outro enquanto sujeito da pesquisa

p.33: “Qualquer olhar sempre será filtrado pelas lentes da linguagem, do gênero, da
classe social, da raça, e da etnicidade. Não existem observações objetivas, apenas
observações que se situam socialmente nos mundos do observador e do observado.”

Cinco fazes que definem o processo de pesquisa:

Fase 1: O pesquisador

p.33: “Portador dessa história complexa e contraditória, o pesquisador também deve


defrontar-se com a ética e a política da pesquisa. Hoje os pesquisadores lutam para
desenvolver uma ética situacional e transituacional aplicável a todas as formas do ato
da pesquisa e às suas relações de ser humano a ser humano.”

Fase 2: Paradigmas interpretativos

p.33: Declaração de Bateson (1972, p.314): “O pesquisador é preso dentro de uma


rede de premissas epistemológicas e ontológicas, as quais independentes da verdade
suprema ou da falsidade – tornam-se parcialmente autoavaliadoras.”

p.33: “A rede que contém essas premissas epistemológicas, ontológicas e


metodológicas do pesquisador pode ser denominada paradigma, ou esquema
interpretativo.”

p.33: “Simplificando ao máximo, são quatro os principais paradigmas interpretativos


que estruturam a pesquisa qualitativa: positivista e pós-positivista, construtivista-
interpretativo, crítico (marxista, emancipatório) e feminista-pós-estrutural.”

Fase 3: As estratégias de investigação e os paradigmas interpretativos

p.36: “Inicia com o planejamento da pesquisa, o qual imaginado em linhas gerais,


envolve um nítido foco sobre a questão da pesquisa, os objetivos do estudo, “que
informações responderão melhor as questões específicas da pesquisa e quais
estratégias são capazes de obtê-las.”

p.36: “Uma estratégia de investigação também compreende um monte de habilidades,


suposições e práticas que o pesquisador emprega ao descolar-se do paradigma para
o mundo empírico.”

Fase 4: Métodos de coletas e de analise dos materiais empíricos.

p.37: “Variam da entrevista à observação direta, passando pela analise de artefatos,


documentos e registros culturais e pelo uso de materiais visuais ou da experiência
pessoal.

Fase 5: A arte e a política da interpretação e da avaliação


p.37: “As interpretações qualitativas são construídas. Não existe uma única verdade
interpretativa. [...] o que existe são múltiplas comunidades interpretativas, cada qual
com os seus próprios critérios.”

Fichamento realizado por Isa Sara Rêgo