Você está na página 1de 10

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº 9.

00

NOME DO PROCESSO: Escolta de Atletas/Delegação/Torcida.


RESPONSÁVEL: Maj PM Florêncio
MATERIAL NECESSÁRIO
1. Uniforme Operacional (Gandolão)
2. Botas cano longo ou coturno
3. Camisa interna preta (padrão ROCAM)
4. Cinto NA
5. Coldre de saque rápido
6. Cobertura preta (padrão ROCAM)
7. Capacete modular (padrão ROCAM)
8. Cotoveleira e joelheira
9. Moto (padrão ROCAM)
10. Colete balístico nível II com capa tática na cor preta
11. Pistola calibre .40 com 03 carregadores
12. Armamento de baixa letalidade (Pistola Taser M26)
13. Spray de gás pimenta (GL-108/OC Max)
14. Algemas com chave
15. HT
16. Caneta (azul ou preta) e bloco de anotações
17. BOPM
18. Luvas descartáveis

ETAPAS PROCEDIMENTOS
1. Preparação da missão. 1. Contato com os responsáveis pelas equipes e torcidas
envolvidas no evento, confirmando o local, o horário, e a
quantidade de pessoas (jogadores e/ou torcedores) e
veículos envolvidos na escolta.
2. Execução da missão. 2. Revista no interior do transporte
3. Revista e embarque da torcida.
4. Deslocamento até o local do evento.
5. Desembarque da torcida
6. Retorno ao local de partida.
3. Procedimentos com 7. Condução e apresentação de torcedor infrator em repartição
torcedor infrator. pública competente.

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL
DESCRIÇÃO LEGISLAÇÃO
Poder de Polícia Art. 78 do Código Tributário Nacional
Deslocamento durante a escolta inciso VI do Art.29 do Código de Trânsito Brasileiro.
Medidas de prevenção e repressão Lei nº 12.299, de 27 de julho de 2010.
Proibição de armas (branca/fogo),
Recomendação Conjunta 001/05, datada de 21 de
artefatos explosivos, substâncias
fevereiro de 2005 do Ministério Público Estadual do
entorpecentes e símbolos que
RN.
incitem a violência.
Proibição que contenha expressão Lei Municipal 5.507 (Natal/RN)
de incentivo a apologia a violência e
a organização criminosa.
Autorização de participação de Portaria Judicial nº 02/2007-GJ, data de 05 de
criança e adolescentes em torcidas fevereiro de 2007
organizadas
Proibição de comercialização de Art 13-A, Inciso II, da Lei nº 10.681/03 (Estatuto do
bebidas alcoólicas no interior dos Torcedor)
estádios
Parágrafo único do Protocolo de Intenções da
Saída das torcidas
CNPG, MPE e CBF.
DOUTRINA OPERACIONAL
Conceitos Escolta: É a atividade de policiamento ostensivo destinada à segurança de
pessoas ou bens em deslocamento, através de acompanhamento feito por
motocicletas e/ou viaturas, com a finalidade de proporcionar segurança e
fluidez no transito.
Componentes 1 - Comandante da Escolta: É quem organiza e comanda toda a escolta,
da Escolta não tendo posição preferencial, devendo permanecer onde possa controlar
a coluna e evitar infiltrações e flutuações no comboio;
2 - Pontas ou batedores:
- Proporciona o livre trânsito do comboio, com o fechamento de vias
principais e secundárias através de sinais sonoros e luminosos;
- Tem que ter conhecimento prévio do itinerário;
- Mantém sempre contato visual com o comboio e com os outros
batedores;
- Vão destacados a frente como percussoras, identificando pontos
críticos e evitando encontro de torcidas adversárias.
- Evita o uso desnecessário das sirenes;
- Administra o uso da velocidade a fim de evitar acidentes;
- Tem que ter o cuidado de sinalizar antes de parar os veículos,
sobretudo nos cruzamentos;
- Faz a rendição alternando uns com os outros batedores nos
fechamentos das vias.
3 - Regulador de velocidade ou marcha:
- Controla a velocidade do comboio e horário de acordo com a ordem
recebida do Cmt da escolta.
- Permanece a todo tempo a frente e aproximado do primeiro veículo
integrante da escolta;
- Não pode ter nenhuma dúvida quanto ao itinerário, mesmo se os
pontas errarem;
- Diminui e aumenta a velocidade de acordo com o trânsito;
- Fica sempre atento aos pontas a sua frente sinalizando através de
sinais sonoros quando estes devem adiantar ou reduzir mais a velocidade,
para não haver um distanciamento muito grande (flutuação) do comboio.
- Evita mudar de faixa desnecessariamente, trafegando geralmente
na faixa de segurança da via, ou seja, faixa da esquerda.
4 – Alas:
- Não permite a infiltração de veículos estranhos ao comboio;
- Manter a distância entre os veículos do comboio;
- São os responsáveis pela segurança dos torcedores;
- Ficam atentos as curvas, para evitar acidentes;
- É a função que geralmente o Cmt da escolta assume e;
5 - Cerra-filas ou fecha-comboio:
- Evita flutuações e ultrapassagens, cortes e infiltrações durante o
deslocamento.
- Deve estar em condições de assumir qualquer função dentro da
escolta, em caso de necessidade, como também no caso de acidentes com
motociclistas e com as motocicletas.
- Auxilia nas mudanças de faixas, fechando-as antes da mudança das
motocicletas.
Esquema de É o planejamento feito pelo comandante da Escolta, onde ele determinará
Trânsito todos os itinerários e condutas ao longo de todo o cumprimento da missão.
Consiste em verificar:
- Itinerários de fácil fluxo (principal e secundário);
- Evitar focos de aglomeração e de agitação de pessoas;
- Em caso de parada, as motocicletas permanecem num local reservado
e próximo ao(s) veículo(s) escoltado(s).
ROCAM
ESCOLTAS
PROCEDIMENTO Contato com os responsáveis envolvidos no evento.
ESTABELECIDO EM 03/05/2012
REPONSÁVEL Comandante da Escolta da ROCAM.
ATIVIDADES CRÍTICAS
1. Contato com os organizadores do evento, chefes de torcidas e responsáveis pelo
transporte.
2. Contato com o motorista, que vai transportar os torcedores, referente ao melhor
itinerário da escolta e o seu destino.
3. Busca pessoal minuciosa nos torcedores.
SEQÜÊNCIA DE AÇÕES
1. O Cmt da escolta deverá certificar com os organizadores do evento, chefes de torcidas e
responsáveis pelo transporte, como devem proceder os demais torcedores, quanto ao
trajeto, a segurança e a conduta que dever ser tomada caso haja alguma infração penal.
2. O Cmt da escolta deverá certificar com o motorista que vai transportar os torcedores, o
melhor itinerário, a velocidade e o destino a ser tomado pela escolta.
3. O Cmt da escolta deverá precaver os motociclistas da ROCAM quanto a distância entre
as motocicletas e a velocidade.
4. O Cmt da escolta deverá determinar a função de cada policial integrante da escolta.
5. O Cmt da escolta deverá estar em condições de assumir qualquer função dentro da
escolta.
6. Orientar os motociclistas envolvidos na escolta quanto ao posicionamento e a distância
com relação ao veículo.
7. Por questão de segurança, é recomendável que os alas ocupem apenas um lado da via.
8. Determinar aos torcedores responsáveis que coloque num local previamente escolhido
pelo Cmt da Escolta, o material que será transportado (bandeiras e mastros,
instrumentos de percussão entre outros), a fim de que sejam verificados e ao final
embarcar em local específico.
9. O Cmt da escolta em local apropriado deverá informar ao responsável pela torcida sobre
o procedimento de busca pessoal, a qual todos deverão ser submetidos, bem como, dos
procedimentos de segurança que serão adotados a partir de então.

RESULTADOS ESPERADOS
1. Que o Cmt da Escolta juntamente com o motorista do veículo, ao qual vai transportar os
torcedores, mantenham contato pessoal, a fim de dirimir qualquer dúvida quanto ao
itinerário, a segurança de todos e aos procedimentos de batedor e escolta.
2. Que o torcedor seja orientado antes do embarque, que não será permitindo a entrada no
transporte de qualquer objeto que possa colocar em risco a segurança dos torcedores e
de transeuntes.
3. Que os torcedores permaneçam durante todo o trajeto no transporte em condições
seguras para si e para os policiais militares envolvidos na missão.
4. Que capacidade de torcedores para cada tipo de transporte seja respeitada.

AÇÕES CORRETIVAS
1. Constatar a real capacidade de torcedores para ao transporte a ser utilizada.
2. Se o houver torcedoras, fazer o contato prévio para que uma viatura com policiais
femininas compareçam ao local.

POSSIBILIDADES DE ERRO
1. Não escolher o melhor itinerário ou sair do trajeto sem conhecimento das vias.
2. Não manter contato com o motorista dos transportes para informar o itinerário.
3. Não orientar os policiais da escolta com relação ao posicionamento e função de cada um
no comboio.
4. Não solicitar viatura com policiais militares femininas.
5. Não solicitar apoio de outras viaturas para auxílio na escolta e/ou revista nos torcedores.
6. Não observar normas de segurança para o embarque.
7. Embarcar número excessivo de torcedores.
8. Embarcar o material como bandeiras e instrumentos de percussão e etc. sem ser
vistoriados

ESCLARECIMENTOS
Melhor itinerário: é aquele pelo qual a viatura poderá chegar ao local do fato com rapidez e
segurança, evitando congestionamentos e pistas, cujas más condições de conservação
poderão danificar a viatura ou aumentar o risco no deslocamento.
Mastros: só poderá ser permitido aqueles com material feito de bambu e com altura mínima
de 2 (dois) metros.
Instrumentos de percussão: Só serão permitido 10 (dez) instrumentos por torcida
organizada.
ROCAM
ESCOLTAS
PROCEDIMENTO Revista e embarque de torcedores.
ESTABELECIDO EM 03/05/2012
REPONSÁVEL Componentes da Escolta.
ATIVIDADES CRÍTICAS
1. Revista no interior do transporte.
2. Busca pessoal nos torcedores.
3. Embarque propriamente dito.

SEQÜÊNCIA DE AÇÕES
1. Antes do embarque dos torcedores, revistar na presença do motorista o interior dos meios
de transporte envolvidos na escolta, a fim de detectar e retirar objetos com os quais os
torcedores possam cometer qualquer ato ilícito, ou causar lesões corporais entre eles ou em
transeuntes.
2. Os torcedores formarão filas ao lado do ônibus para que seja realizada a busca pessoal,
na seguinte conformidade:
a. Colocar os torcedores na posição para o processo de busca pessoal.
b. Os policiais postar-se-ão próximo a porta de entrada onde realizarão a busca pessoal
nas vestes (incluindo solas de sapatos) e nos pertences.
3. A busca nas torcedoras só poderá ser realizada por policial militar feminina.
4. Somente após a conclusão da ação anterior e da certeza da vistoria é que deve ser
iniciado o embarque no transporte.
5. Fazer a apreensão e não permitir que nenhum torcedor embarque com drogas, armas
brancas ou de fogo ou material que possam ser arremessados durante o itinerário, como
garrafas de vidro, garrafas pet, latas, fogos de artifício e material previamente proibido.
6. Após a revista o torcedor embarca, não sendo mais permitido o desembarque, caso seja
extremamente necessário, será procedido uma nova revista.

RESULTADOS ESPERADOS
1. Que os transportes sejam revistados preliminarmente antes do embarque da torcida.
2. Que os torcedores sejam revistados antes do embarque.
3. Que os torcedores sejam embarcados de forma que se possibilite a maior segurança
possível para o deslocamento.
5. Que a busca pessoal minuciosa seja realizada com profissionalismo por parte do policial
militar e em total segurança tanto para os policiais como para os torcedores.
6. Que a integridade física dos torcedores seja respeitada.
7. Que se necessário for, seja usada a força física necessária e moderada, conduzindo o
torcedor infrator até a delegacia de polícia para procedimentos cabíveis.
8. Que o Cmt da escolta solicite apoio de outras viaturas caso necessite para realização da
escolta e/ou busca pessoal nos torcedores.
9. Que seja detectado qualquer objeto ou arma que o torcedor venha a portar ilegalmente.
AÇÕES CORRETIVAS
1. Não permitir a redução da segurança durante o embarque propriamente dito.
2. Caso algum torcedor esteja com partes do corpo para fora do transporte, efetuar a
imediata correção.
3. Se houver dúvida após a busca pessoal minuciosa, refazê-la.

POSSIBILIDADES DE ERRO
1. Deixar de inspecionar a viatura antes do embarque.
2. Proceder a busca pessoal em local inadequado, de forma incorreta e de forma insegura.
3. Não manter a integridade física do torcedor.
ROCAM
ESCOLTAS

PROCEDIMENTO Deslocamento até o local do evento.


ESTABELECIDO EM 03/05/2012
REPONSÁVEL Componentes da Escolta.
ATIVIDADES CRÍTICAS
1. Programação e escolha do melhor itinerário até o local do evento.
2. Observância das leis e normas de trânsito.
3. Deslocamento propriamente dito.

SEQÜÊNCIA DE AÇÕES
1. Traçar itinerário para o local do evento, bem como, identificando o local de origem e o
local onde deseja chegar.
2. Programar itinerários com alternativas a serem utilizadas quando necessário.
3. Utilizar velocidade compatível com a via e a segurança do trânsito, durante o
deslocamento.
4. A escolta devem ser feitas por no mínimo 04 (quatro) motocicletas ROCAM, quando isso
ocorrer o Cmt da escolta assume uma das funções.
5. Será adotada a formação de coluna por um para qualquer tipo de comboio, seguindo os
seguintes tipos de Escolta:
a. Escolta de delegação/atletas (Fechando uma via):

b. Escolta de torcida (Fechando as duas vias):


6. Não farão parte do comboio qualquer tipo de motocicleta(s) ou carro(s) particulare(s).
7. Montar o comboio, de forma que a motocicleta ROCAM que faz a escolta fique a uma
distância de segurança, estando todos os policiais atentos ao deslocamento e
preparados para qualquer eventualidade.
8. Ligar faróis baixos, dispositivo luminoso intermitente e sonoros, a fim de que as
motocicletas tenham prioridade de passagem, de acordo com a norma vigente,
1. Quando houver lombadas ou depressões a velocidade deverá ser compatível para a
transposição desses tipos de obstáculos.
2. O deslocamento dos alas deverá ser feito, prioritariamente na faixa de segurança da via,
ou seja, faixa da esquerda.
3. A escolta de torcidas não terá prioridade no trânsito, salvo quando esta condição for
indispensável para garantir a manutenção da ordem pública e resguardar a integridade
física e patrimonial, é o caso do comboio sofrer uma emboscada de uma torcida
adversária.
4. Em cruzamentos e/ou semáforos, a atenção deverá ser redobrada, tendo em vista haver
maior a incidência de acidentes e interceptações, nesses locais.
5. Manter a formação em comboio até a chegada ao destino.
6. Parar as motocicletas da ROCAM em locais próximo aos transportes que vieram nas
escolta.
7. Na escolta em longas distâncias, manter a atenção redobrada para a segurança durante
o deslocamento, tendo em vista o maior grau de vulnerabilidade, pois não se pode contar
com nenhum apoio imediato.
8. Programar itinerários alternativos, quando houver alguma eventualidade, onde o Cmt da
Escolta deverá comunicar ao motorista do transporte.
9. Preferencialmente os motociclistas da ROCAM que conduziram o transporte na ida será o
que conduzirá na volta.

RESULTADOS ESPERADOS
1. Que a equipe de escolta chegue ao local do evento com segurança e no menor tempo
possível.
2. Que os torcedores e as equipes da ROCAM cheguem ao destino em segurança.
3. Que os policiais estejam preparados para as situações adversas.
4. Que os itinerários alternativos estejam à disposição quando necessário.
5. Que ao longo do trajeto, cruzamentos e sinais semafóricos sejam respeitados e
atentamente atravessados.
6. Que as mesmas equipes ROCAM faça o itinerário de ida e volta.
AÇÕES CORRETIVAS
1. Tão logo se perceba que o itinerário deve ser alterado, fazê-lo criteriosamente.
2. Corrigir prontamente, eventuais falhas durante o deslocamento.
3. Substituir motocicletas defeituosas.
4. Interar-se com o motorista do transporte, sobre procedimentos e itinerários.
5. Caso haja necessidade de algum outro transporte fazer parte do comboio, durante o
deslocamento, realizar a busca pessoal.
6. Se necessário, optar por caminho alternativo.
7. Se houver problemas nos dispositivos luminosos ou sonoros, reduzir a velocidade.

POSSIBILIDADES DE ERRO
1. Não observar normas de segurança durante o deslocamento.
2. Desrespeitar as leis de Trânsito durante o deslocamento.
3. Não compor ou manter o comboio durante o deslocamento.
4. Utilizar velocidade no deslocamento incompatível com o local e característica da via,
colocando em risco a integridade física própria e de outras pessoas no trânsito.
5. Não verificar as condições de segurança durante os momentos de parada.
6. Não ter atenção, deixando de usar os recursos sonoros e luminosos disponíveis.
7. Escolher inadequadamente o itinerário.
ESCLARECIMENTOS
Velocidade compatível: é a velocidade dada ao veículo, levando-se em consideração a
fluidez do trânsito, as características da via, o grau de urgência, as condições climáticas
dentre outros critérios do motorista e do encarregado da guarnição, não ultrapassando,
jamais, o limite de velocidade da via, para segurança dos próprios policiais, bem como da
população em geral.
Dispositivo luminoso intermitente: também chamado de sistema emergencial luminoso da
viatura ou “giroflex”, é aquele que mantém uma luz piscando periodicamente, com o
propósito de chamar a atenção das pessoas. No Brasil, o sistema luminoso emergencial se
apresenta na cor vermelha, indicando atividades emergenciais; a luz amarela indica
atividades não emergenciais, ocorrendo o mesmo com as luzes azuis.
ROCAM
ESCOLTAS
PROCEDIMENTO Desembarque dos torcedores.
ESTABELECIDO EM 03/05/2012
REPONSÁVEL Componentes da Escolta.
ATIVIDADES CRÍTICAS
1. Avaliação do local antes do desembarque.
2. Desembarque propriamente dito.

SEQÜÊNCIA DE AÇÕES
1. Chegando ao local de destino, observar os arredores no intuito de verificar se não há
torcedores de outra torcida na espera de um confronto.
2. As motocicletas ROCAM deveram estacionar de forma que possa deixar o local
rapidamente, se necessário.
3. Antes do desembarque a equipe de escolta deverá estar disposta de forma que se tenha
uma total segurança, estando preparada para enfrentar situações adversas.
4. Assim que a equipe de escolta estiver posicionada, os torcedores deveram desembarcar
preferencialmente próximo ao portão de acesso ao estádio, prosseguindo a pé
diretamente ao local previamente combinado, observando as regras de segurança, bem
como as características locais, que previamente deverão ser avaliadas.
5. Depois a equipe de escolta retorna e permanece próximo as motocicletas junto ao
transporte, observando a regra em que a torcida mandante aguarda o escoamento da
torcida visitante para deixar o estádio e embarcar, via de regra são 30 minutos .

RESULTADOS ESPERADOS
1. Que os torcedores sejam desembarcados de forma que se possibilite a maior segurança
possível para ele e os policiais envolvidos no desembarque.
2. Que os torcedores após o desembarque sejam, conduzidos ao seu destino, para que se
evite aglomeração e tumulto no local do evento.
3. Que todos os policiais envolvidos desempenhem seus papéis, sem qualquer diminuição
do nível de segurança no desembarque.
4. Que os torcedores visitantes possam siar do estádio no tempo estipulado de 30 minutos,
a fim de que não haja confronto fora do estádio ou durante o deslocamento.

AÇÕES CORRETIVAS
1. Antes da chegada ao local cada policial componente da escolta deverá saber o que fará
quando no momento do desembarque.
2. Caso haja suspeita sobre as condições locais no ponto de desembarque, quando possível
e necessário, as viaturas de apoio no local do evento deveram proceder a abordagem a
pessoas e veículos conforme os padrões respectivos ou, se for o caso, solicitar apoio do
policiamento local.

POSSIBILIDADES DE ERRO
1. Posicionar as motocicletas de forma a não permitir uma saída rápida se for necessário.
2. Deixar de fazer o correto posicionamento dos policiais envolvidos.
3. Não acompanhar os torcedores até o local do destino.
4. Não adotar qualquer procedimento no sentido de redução de riscos.
5. Não posicionar as motocicletas próximo ao transporte envolvido na escolta
6. Deixar de solicitar apoio ao policiamento local, quando possível e necessário.
ROCAM
ESCOLTAS
PROCEDIMENTO Condução e apresentação de torcedor infrator a repartição pública
competente.
ESTABELECIDO EM 03/05/2012
REPONSÁVEL Componentes da Escolta da ROCAM.
ATIVIDADES CRÍTICAS
1. Condução do torcedor infrator até apresentação à autoridade competente.
2. Apresentação do preso à autoridade competente.

SEQÜÊNCIA DE AÇÕES
1. Verificar anteriormente o trajeto que será percorrido pela escolta motorizada.
2. Após o desembarque do torcedor infrator, escoltá-lo a pé conduzindo-o rapidamente ao
local já previamente determinado pela autoridade competente.
3. Não permitir contatos ou aproximações de pessoas junto ao torcedor infrator.
4. Se necessário manter o torcedor infrator algemado.
5. O torcedor infrator deverá ser conduzido pelo lado oposto ao do armamento do policial,
que procede sua escolta a pé.
6. Se houver mais de um torcedor infrator a ser escoltado, deverão ser adotados os
procedimentos de segurança de forma que impossibilite qualquer reação por parte dos
demais.
7. O policial deverá estar com sua atenção voltada para o torcedor infrator durante os
procedimentos de praxe, não sendo permitida sua ausência do recinto até a conclusão da
ocorrência.

AÇÕES CORRETIVAS
1. Caso ocorra algum imprevisto ou atraso para a condução até a repartição pública
competente, procurar um local seguro e determinado para o aguardo da mesma.
2. Caso alguma pessoa se aproxime do torcedor infrator, procurar afastá-la educada e
energicamente.

RESULTADOS ESPERADOS
1. Que o torcedor infrator seja conduzido ao local e no horário previamente determinado.
2. Que a atuação do policial atenda às necessidades de segurança durante a ocorrência.
3. Que qualquer intervenção de prisão do torcedor infrator e consequentemente a sua
condução a repartição pública competente, seja procedida mediante absoluta
necessidade.

POSSIBILIDADES DE ERRO
1. Deixar de apresentar o torcedor infrator na repartição pública competente, fazendo justiça
com as próprias mãos no local da ocorrência.
2. Permitir o contato do repartição pública competente com pessoas estranhas à escolta e à
autoridade competente.
3. Conduzir o torcedor infrator em local inseguro que ofereça risco à escolta.
4. Não conduzir o torcedor infrator até a repartição pública competente para procedimentos
legais.