Você está na página 1de 93

8

ESCOLA EDUCACIONAL TÉCNICA SATC – EDUTEC

Disciplina na modalidade à distância

APOSTILA DE ELETRÔNICA I

Professor Tutor: Périson Pavei Uggioni

CRICIÚMA – SC
8

ESCOLA EDUCACIONAL TÉCNICA SATC – EDUTEC

Diretor
João Luiz Novelli

Coordenadora Geral de Ensino


Maria da Graça Cabral

Coordenadora EaD
Izes Ester Machado Beloli

Orientadora Pedagógica
Ana Aliria da Silva Peres

Coordenador do Curso
Gilberto Fernandes da Silva

Professor Conteudista
Périson Pavei Uggioni

Designer Instrucional
Patrícia Medeiros Paz

Revisão Ortográfica
Patrícia Medeiros Paz

Diagramadores
Patrícia Medeiros Paz
Walace Apolo
SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO .................................................................................................... 05

UNIDADE 1: A ELETRÔNICA E SUAS APLICAÇÕES ........................................... 07


TÓPICO 1: DEFINIÇÃO DE ELETRÔNICA .............................................................. 08
TÓPICO 2: HISTÓRICO E DESENVOLVIMENTO DA ELETRÔNICA ..................... 09
TÓPICO 3: CAMPOS DE APLICAÇÃO DA ELETRÔNICA ..................................... 13
EXERCÍCIOS ............................................................................................................ 16
CHECK LIST ............................................................................................................. 18

UNIDADE 2: RESISTORES ...................................................................................... 19


TÓPICO 1: DEFINIÇÃO DE RESISTOR ................................................................... 20
TÓPICO 2: TIPOS DE RESISTORES ....................................................................... 21
TÓPICO 3: ESPECIFICAÇÃO DE RESISTORES .................................................... 27
TÓPICO 4: CÓDIGOS UTILIZADOS PELOS FABRICANTES ................................. 31
EXERCÍCIOS ............................................................................................................ 34
CHECK LIST ............................................................................................................. 36

UNIDADE 3: CAPACITORES ................................................................................... 43


TÓPICO 1: DEFINIÇÃO DE CAPACITOR ................................................................ 44
TÓPICO 2: ESPECIFICAÇÃO DE CAPACITORES ................................................. 52
TÓPICO 3: TIPOS DE CAPACITORES .................................................................... 55
TÓPICO 4: CÓDIGOS UTILIZADOS PELOS FABRICANTES ................................. 59
EXERCÍCIOS ............................................................................................................ 64
CHECK LIST ............................................................................................................. 66

UNIDADE 4: DIODOS SEMICONDUTORES ............................................................ 67


TÓPICO 1: MATERIAIS SEMICONDUTORES ........................................................ 68
TÓPICO 2: DEFINIÇÃO DE DIODO ......................................................................... 73
TÓPICO 3: TIPOS DE DIODOS ................................................................................ 79
TÓPICO 4: ESPECIFICAÇÃO E TESTE DE DIODOS ............................................. 82
EXERCÍCIOS ............................................................................................................ 86
CHECK LIST ............................................................................................................. 88
10

GABARITO COMENTADO ...................................................................................... 89

REFERÊNCIAS ........................................................................................................ 96
5

APRESENTAÇÃO

Bem-vindo(a) ao componente curricular Eletrônica I do curso de


Eletrotécnica, na modalidade a distância, da SATC. Este material foi desenvolvido para
ajudá-lo a identificar os principais componentes utilizados em Eletrônica, entender seu
funcionamento e aplicação nos circuitos eletrônicos.
Na Unidade 1 aprenderemos como a Eletrônica se desenvolveu, poderemos
constatar o quão presente e importante é a sua utilização nos dias atuais, nas mais
diversas aplicações, além de relacionarmos algumas tendências futuras. Na Unidade 2
veremos o componente eletrônico resistor, seu funcionamento, onde é aplicado e como
deve ser corretamente especificado. Já na Unidade 3 temos um novo componente
eletrônico, denominado capacitor. Também será analisado seu funcionamento,
aplicação e especificação. E por fim, na Unidade 4, trabalharemos com os diodos,
componentes de grande aplicação em eletrônica, de circuitos simples chegando a
circuitos de maior complexidade. Lembro ainda que você precisará dos conceitos de
eletricidade já estudados anteriormente, utilização de instrumentos e técnicas de
medição elétrica, etc. Caso julgue necessário, procure rever esses conceitos.
A carga horária dessa disciplina é de 50 horas/aula, mas você poderá
organizar seus momentos de estudos com autonomia, conforme os horários de sua
preferência. No entanto, não esqueça que há um prazo limite para a conclusão desse
processo. Então fique atento as datas para realizar as avaliações presenciais, as on-
line, publicadas pelos professores no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), e
possíveis trabalhos solicitados pelo professor.
Para o estudo dessa apostila você terá auxílio de alguns recursos
pedagógicos que facilitarão o seu processo de aprendizagem. Perceba que a margem
externa das páginas dos conteúdos são maiores. Elas servem tanto para você fazer
anotações durante os seus estudos quanto para o professor incluir informações
adicionais importantes. Esse material também dispõe de vários ícones de
aprendizagem, os quais destacarão informações relevantes sobre os assuntos que
você está estudando. Vejamos quais são eles e os seus respectivos significados:
6

ÍCONES DE APRENDIZAGEM

Indica a proposta de Mostra quais conteúdos serão


aprendizagem para cada estudados em cada unidade
unidade da apostila. da apostila.
Apresenta exercícios Apresenta os conteúdos mais
sobre cada unidade. relevantes que você deve ter
aprendido em cada unidade.
Se houver alguma dúvida
sobre algum deles, você deve
estudar mais antes de entrar
nas outras unidades.
Apresenta a fonte de Traz perguntas que auxiliam
pesquisa das figuras e as você na reflexão sobre os
citações presentes na conteúdos e no
apostila. sequenciamento dos
mesmos.
Apresenta curiosidades e Traz endereços da internet ou
informações indicações de livros que
complementares sobre possam complementar o seu
um conteúdo. estudo sobre os conteúdos.

Lembre-se também de diariamente verificar se há publicações de aulas no


Portal. Pois é por meio delas que os professores passarão a você todas as orientações
sobre a disciplina.
Ainda é bom lembrar que além do auxílio do professor, você também poderá
contar com o acompanhamento de nosso sistema de Tutoria. Você poderá entrar em
contato sempre que sentir necessidade, seja pelo email
tutoria.eadedutec@satc.edu.br ou pelo telefone (48) 3431 – 7590/ 3431 – 7596.
Desejamos um bom desempenho nesse seu novo desafio. E não esqueça:
estudar a distância exige bastante organização, empenho e disciplina.

Bom estudo!
7

UNIDADE 1
A ELETRÔNICA E SUAS APLICAÇÕES

Objetivos de Aprendizagem

Ao final desta unidade você deverá:

 explicar o que é Eletrônica;


 explicar como ela surgiu e como se desenvolveu;
 relacionar algumas de suas aplicações atuais;
 identificar as perspectivas futuras desta ciência.

Plano de Estudos

Esta unidade está dividida em três tópicos, organizados


de modo a facilitar sua compreensão dos conteúdos.

TÓPICO 1: DEFINIÇÃO DE ELETRÔNICA


TÓPICO 2: HISTÓRICO E DESENVOLVIMENTO DA
ELETRÔNICA
TÓPICO 3: CAMPOS DE APLICAÇÃO DA ELETRÔNICA
8

TÓPICO 1
DEFINIÇÃO DE ELETRÔNICA

No dia a dia, falamos ou ouvimos diversas palavras.


Muitas delas estão relacionadas com a palavra “eletrônica”.
Vejamos alguns exemplos: secretária eletrônica, portão eletrônico,
babá eletrônica, reator eletrônico, certidão eletrônica, técnico em
eletrônica, balança eletrônica, etc.

Mas você sabe qual é a origem da palavra


“eletrônica”?

A palavra “eletrônica”, assim como “eletricidade”, deriva


da palavra grega Elektron, “âmbar”. Como esta substância,
A origem
da palavra “eletrônica” quando esfregada, produz eletricidade estática, seu nome foi
foi pesquisada no site:
http://origemdapalavra.
com.br/site/palavras/ele aplicado aos fenômenos elétricos por meio do latim científico
tronica/
Electricus, “o que lembra o âmbar”.
De acordo com Ferreira (2011), Eletrônica é a parte da
física dedicada ao estudo do comportamento de circuitos elétricos
que contenham válvulas, semicondutores, transdutores, etc., ou a
fabricação de tais circuitos.
Perceba, então, que a Eletrônica faz uso de certos
dispositivos e componentes eletrônicos que, associados entre si
de forma adequada, formam os circuitos eletrônicos. Estes
circuitos são encontrados em diversos equipamentos e aparelhos,
seja em nossas residências, no local de trabalho, nos meios de
transporte, nos meios de comunicação, etc., como veremos com
mais detalhes adiante.
O estudo do funcionamento desses circuitos, assim
como as técnicas de montagem e manutenção dos mesmos são
9

competências dos técnicos e engenheiros das áreas de


eletrotécnica, eletrônica e informática.

TÓPICO 2
HISTÓRICO E DESENVOLVIMENTO DA ELETRÔNICA

O desenvolvimento da Eletrônica está intimamente


relacionado com o desenvolvimento da eletricidade. As pessoas
que contribuíram com as pesquisas durante os estágios iniciais Este
tópico foi baseado no
não eram técnicos ou engenheiros como nos dias atuais. Eram livro Análise de
Circuitos Elétricos de
Robert L. Boylestad.
matemáticos, químicos, físicos e até filósofos.

Você conhece o nome e a história de algum


destes cientistas?

Certamente que sim, você já conhece alguns deles


desde o início do seu curso. Podemos citar alguns: Alessandro
Para
Volta, Charles Coulomb, André Ampère, Georg Ohm, James Watt conhecer um pouco
mais sobre a biografia
e muitos outros. Graças ao trabalho e as pesquisas destes dos grandes cientistas
que contribuíram para o
cientistas, no final do século XIX, um número significativo de desenvolvimento da
eletricidade e da
equações, leis e ralações havia sido estabelecido, formando uma eletrônica acesse o
endereço:
teoria fundamental para o avanço e desenvolvimento de diversas www.dec.ufcg.edu.br/bi
ografias
tecnologias nos campos da eletricidade e da eletrônica.
O princípio exato da era da Eletrônica é uma questão
em aberto. Talvez possa ser associado ao início da transmissão
de ondas de rádio, em 1887, por Heinrich Hertz. O Estudaremos o
componente eletrônico
desenvolvimento do diodo em 1904 e da válvula triodo (capaz de diodo mais adiante em
nosso componente
amplificar sinais elétricos) em 1906 possibilitaram o curricular.

aperfeiçoamento dos transmissores e receptores de rádio, na


década de 30 dos transmissores e receptores de sinais de TV, da
telefonia, dos computadores, etc.
10

veja na figura abaixo uma válvula triodo. Perceba


que é possível ter uma noção da dimensão deste dispositivo
eletrônico.

A figura ao
lado foi retirada do site:
http://www.laercio.com.
br/2003-introducao-a-
organizacao-de-
computadores/

A sigla ENIAC é uma Segundo Boylestad (2011), o primeiro computador


abreviação das palavras
inglesas Electronic
Numerical Integrator and
totalmente eletrônico era conhecido como ENIAC, sendo dedicado
Computer, que significa
Computador e Integrador a Universidade da Pensilvânia em 1946. Ele continha 18 mil
Numérico Eletrônico.
válvulas e pesava 30 toneladas.

A Era do Transistor

Em 1947, os físicos William Shockley, John Bardeen e


Materiais semicon- Walter Brattain, dos laboratórios Bell Telephones (EUA),
dutores apresentam
condutividade elétrica apresentaram um novo componente denominado transistor. Era
intermediária situada
entre os condutores e um componente construído a partir de materiais semicondutores
isolantes.
(silício e germânio).

O transistor foi desenvolvido para substituir as


válvulas?

Exatamente, pois apresentava uma série de vantagens


em relação ao seu antecessor. Vejamos algumas:
11

 menor tamanho;
Na 4ª fase do curso de
 não precisava de filamento; Eletrotécnica, na
disciplina de Eletrônica
II, você irá se aprofundar
 mais resistente; no estudo dos
transistores.
 mais eficiente, pois dissipava menos potência;
 menores tensões de alimentação.

veja na figura abaixo alguns transistores. Perceba


que é possível ter uma noção da dimensão desse dispositivo
eletrônico.

A figura ao
lado foi retirada do site:
http://www.laercio.com.
br/2003-introducao-a-
organizacao-de-
computadores/

Com todas essas vantagens, os transistores


revolucionaram a tecnologia eletrônica, permitindo o
desenvolvimento das telecomunicações, da computação, etc.
Posteriormente, em 1958, foram desenvolvidos os primeiros chips O termo Circuito
Integrado refere-se a um
circuito eletrônico em
eletrônicos, conhecidos também como circuitos integrados (CI). miniatura encapsulado
em um invólucro de
Estes componentes possibilitaram que as placas eletrônicas plástico ou metal.

(onde são montados os circuitos eletrônicos) diminuíssem


consideravelmente de tamanho e, consequentemente, os
aparelhos e equipamentos eletrônicos também.

veja na figura abaixo um circuito integrado. Perceba


que é possível ter uma noção da dimensão desse dispositivo
eletrônico.
12

A figura ao
lado foi retirada do site:
http://br.freepik.com/fot
os-gratis/circuito-
integrado_532462.htm

Em 1971, foi apresentado um novo componente


O modelo INTEL 4004
foi o microprocessador eletrônico denominado microprocessador. Estes dispositivos são
pioneiro lançado em
1971, para ser utilizado capazes de processar um conjunto de informações conforme um
em uma calculadora. Ele
tinha 2300 transistores e
realizava 60.000
programa (instruções) armazenado em uma memória. São
operações por segundo.
Fonte: encontrados nos mais diversos aparelhos e equipamentos
http://www.infopedia.pt/$
microprocessador eletrônicos, como computadores, notebooks, televisores,
telefones celulares, tablets, etc.
Atualmente, um microprocessador possui centenas de
milhões de transistores internamente, encapsulados em uma

Para pastilha de 25 mm². Como esses componentes apresentam um


conhecer um pouco
mais sobre a história e tamanho muito pequeno (nanômetros), resultou na terminologia
o desenvolvimento da
eletrônica, acesse os nanotecnologia, que se refere à produção de circuitos integrados
endereços:
http://www.sitedecuriosi chamados nanochips.
dades.com/curiosidade/
a-origem-da-
eletronica.html e
http://www.newtoncbrag
a.com.br/index.php/elet
ronica/61-historia-da-
eletronica/3760-hist002 abaixo temos a figura do primeiro processador (a
esquerda) e de um processador atual (a direita):

As figuras
ao lado foram retiradas
respectivamente dos
sites:
http://infomicroprocessa
dores.blogspot.com.br/
2010/11/o-
microprocessador-
cpu.html

http://esct12l.wordpress
.com/2012/01/02/modul
o-9-arquitetura-de-
microprocessadores/
13

TÓPICO 3
CAMPOS DE APLICAÇÃO DA ELETRÔNICA

Olhe a sua volta! Se você estiver em sua residência


provavelmente perto de você irá encontrar algum dispositivo,
equipamento ou aparelho que funcione graças à eletrônica. Os
Este tópico
receptores de TV e rádio, o computador, o forno de micro-ondas, foi escrito com base em
pesquisa feita no
o aparelho de CD e DVD, a impressora, a máquina de lavar endereço:
pt.wikipedia.org/wiki/Lis
roupas, etc., são alguns exemplos. Todos esses aparelhos e ta_de_tecnologias_eme
rgentes
muitos outros que encontramos nas residências nos trouxeram
conforto e diversão, facilitando nossas tarefas e comunicação.

veja abaixo a figura de uma placa eletrônica de


computador (placa mãe):

A figura ao
lado foi retirada do site:
http://adrenaline.uol.co
m.br/forum/hardwares-
em-geral/347381-dica-
quando-vale-pena-
trocar-placa-mae-do-
computador.html

Além dos aparelhos eletrônicos que temos em


casa, onde mais se aplica à eletrônica?

Vejamos mais alguns exemplos:

 meios de transporte (automóveis, caminhões,


ônibus, aviões, etc.): na injeção eletrônica de
combustível, sistemas de som e alarme,
14

A sigla GPS é uma computadores de bordo, sistemas GPS, circuitos


abreviação das palavras
inglesas Global
Positioning System que eletrônicos de carga de baterias, etc.;
significam Sistema de
Posicionamento Global.  controle de tráfego: semáforos, radares, lombadas
Este sistema possibilita
ao receptor identificar eletrônicas;
seu posicionamento
global baseado
informações recebidas
nas  meios de comunicação: telefones celulares,
por satélites.
telefones convencionais, aparelhos receptores de
sinais de satélite, etc.;
 medicina: equipamentos de raios X, ultra som,
eletrocardiograma, tomografia, etc.;
 informática: computadores, centrais de banco de
dados, modems, roteadores, etc.;
 agricultura e pecuária: dosadores, comedouros,
ordenhadeiras, irrigadores, controladores de
umidade e temperatura, estufas, etc.;
 comercial e bancário: leitores de códigos de barra,
caixas eletrônicos, balanças eletrônicas, máquinas
de cartão de crédito, etc.;
 indústria: supervisão, controle e acionamento de
motores, válvulas, indicadores luminosos e sonoros
nas máquinas e processos, etc.

veja abaixo a figura de uma placa eletrônica (fonte


CA/CC) utilizada em uma máquina industrial:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.nabucoeletr
onica.com.br/images/ps
u2.jpg
15

A Eletrônica do Século XXI

Se olharmos com cuidado a história da evolução


humana, veremos que nada se compara ao progresso
conquistado desde o século XIX até os dias atuais. Éramos
trabalhadores que cultivavam a terra, utilizando a própria força de
trabalho e de alguns animais. Nas pequenas cidades os artesãos
(ferreiros, carpinteiros, ceramistas, etc.) produziam alguns objetos
e ferramentas. As pessoas se comunicavam de forma rudimentar
e lentamente. Atualmente, encontramos linhas de produção
totalmente automatizadas por robôs, podemos nos comunicar a
milhares de quilômetros de distância quase que
instantaneamente, etc.

Qual será nossa relação com a Eletrônica nos


próximos anos?

O século XXI será marcado pelo consumo de produtos


eletrônicos compactos e inteligentes, integrados ao cotidiano das
Para
pessoas, todos conectados entre si através de redes de saber um pouco mais
sobre como a
comunicação sem fio. Esses produtos irão possibilitar uma Eletrônica influenciará
nosso cotidiano no
século XXI, leia um
revolução em nossa forma de se comunicar (redes sociais, mídias artigo sobre o tema no
endereço:
digitais), estudar e trabalhar (em casa, à distância, através http://www.tecmundo.co
m.br/futuro/47100-7-
teleconferências), de interagir com o meio ambiente (energias previsoes-tecnologicas-
para-os-proximos-100-
sustentáveis, baixo consumo de energia), de se locomover (meios anos.htm
Para conhecer algumas
novidades na área
de transporte movidos a eletricidade, biocombustíveis), de se tecnológica, acesse o
endereço:
divertir (jogos interativos, imagens em 3D), que aumentem o bem http://www.inovacaotec
nologica.com.br
estar social e segurança, etc.
16

EXERCÍCIOS

1. Explique a que se destina a área da física denominada


Eletrônica? Cite também quais profissionais estão aptos a
projetar, produzir e fazer manutenção em aplicações desta área?
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

2. Explique qual a relação existente entre as áreas de eletricidade


e eletrônica.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

3. Preencha os espaços em branco na frase com as alternativas


abaixo.
transistor - rádio e TV - circuito integrado - válvula eletrônica
- computador

A partir do desenvolvimento de um componente conhecido como


_______________ em 1906, foi possível amplificar sinais e
desenvolver comercialmente aparelhos eletroeletrônicos como o
_______________. Em 1947, foi apresentado um novo
componente, denominado _______________, que apresentava
inúmeras vantagens em relação ao seu antecessor, como menor
consumo de energia e não precisava de filamento. Com o
desenvolvimento do _______________, os circuitos eletrônicos
diminuíram consideravelmente de tamanho, permitindo o avanço
17

da eletrônica digital, base de funcionamento do


_______________.

4. Explique o que significa a expressão “nanotecnologia”.


_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

5. Procure descobrir qual a marca e o modelo do


microprocessador utilizado na placa mãe do seu computador, em
seguida faça uma pesquisa na internet sobre o mesmo listando
algumas de suas características, como: quantidade de
transistores utilizados internamente, frequência de trabalho,
dimensões, etc.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

6. Ao realizar a manutenção em uma placa eletrônica, um técnico


deve evitar “tocar” diretamente nos componentes do circuito,
sendo também utilizada uma pulseira conforme foto abaixo. Faça
uma pesquisa na internet para saber qual a razão desse
procedimentos.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://jutairf3.blogspot.c
om.br/2011/03
18

CHECK LIST

Nessa unidade você pode:

 aprender sobre a evolução da Eletrônica e seu


desenvolvimento tecnológico, identificando
também diversos campos de aplicação prática
para essa área da física;
 saber porque é importante que um técnico em
Eletrotécnica tenha conhecimento também nesta
área, além de conhecer as tendências e
aplicações da mesma em um período futuro.
19

UNIDADE 2
RESISTORES

Objetivos de Aprendizagem

Ao final desta unidade você deverá:

 explicar como funciona o componente eletrônico


resistor;
 especificar corretamente um resistor;
 relacionar algumas de suas aplicações;
 identificar sua simbologia e diferentes modelos
comerciais.

Plano de Estudos

Esta unidade está dividida em quatro tópicos,


organizados de modo a facilitar sua compreensão dos conteúdos.

TÓPICO 1: DEFINIÇÃO DE RESISTOR


TÓPICO 2: TIPOS DE RESISTORES
TÓPICO 3: ESPECIFICAÇÃO DE RESISTORES
TÓPICO 4: CÓDIGOS UTILIZADOS PELOS FABRICANTES
20

TÓPICO 1
DEFINIÇÃO DE RESISTOR

Utilizamos diversos eletrodomésticos ou


eletroeletrônicos com as mais diversas funções ao longo de um
dia de trabalho, descanso ou lazer. Sabemos que esses
equipamentos necessitam estar conectados a uma fonte de
tensão (rede elétrica, bateria, pilhas) que irá fornecer corrente
Este tópico
foi baseado no livro
Eletrônica: para
elétrica aos circuitos eletroeletrônicos para que estes possam
autodidatas, estudantes
e técnicos de Gabriel funcionar perfeitamente. Esses circuitos se diferenciam pelo tipo
Torres.
de corrente elétrica utilizada (CA ou CC), quantidade de
componentes e dispositivos utilizados, etc., porém, geralmente,
apresentam um componente em comum: os resistores. Perceba
que a palavra resistor lembra um termo que você já estudou no
seu curso, a resistência elétrica.

Mas qual é a relação entre “resistência elétrica”


e “resistor”?

Já sabemos que a resistência elétrica é uma grandeza


que representa a oposição ao movimento dos elétrons, ou seja, a
resistência elétrica representa a dificuldade que os elétrons
encontram para se movimentarem através do condutor. Quanto
maior a mobilidade dos elétrons, menor a resistência elétrica do
condutor. Todo corpo ou dispositivo apresenta certo valor de
resistência elétrica, que depende do seu material, dimensões, etc.
Já os resistores são componentes que têm a função de
acrescentar um valor específico de resistência ôhmica aos
circuitos eletroeletrônicos, limitando o valor da corrente elétrica no
ponto onde estão instalados.
21

Os resistores são encontrados nos mais diferentes


tipos e formatos, com finalidades diferentes. Assim, nos circuitos
eletrônicos são geralmente utilizados para limitar a corrente e
proporcionar queda de tensão. Já em alguns eletrodomésticos,
são utilizados para transformar energia elétrica em energia
térmica. Isso ocorre, por exemplo, em ferros de passar roupas,
chuveiros, torneiras elétricas, lâmpadas incandescentes, etc.
Para que se possa representar um circuito
eletroeletrônico por meio de um desenho (esquema), cada
componente ou dispositivo recebe um símbolo próprio.

veja na figura abaixo a simbologia utilizada para


representar os resistores.

A figura ao
lado foi elaborada pelo
autor.

TÓPICO 2
TIPOS DE RESISTORES

Em eletrônica, podemos classificar os resistores em:


* A resistência ôhmica
de um resistor pode
sofrer pequenas
 fixos: apresentam resistência ôhmica nominal que variações em função da
temperatura.
não se altera*;
 variáveis: apresentam resistência ôhmica que pode
ser ajustada entre um valor mínimo e máximo;
 especiais: apresentam resistência ôhmica que varia
em função de uma grandeza física que atua sobre
ele (luz, calor, etc.).
22

Resistores fixos

Estes resistores, por apresentarem resistência elétrica


Este tópico
foi baseado em artigos que não se altera, são utilizados geralmente nos circuitos
de Newton C. Braga
disponíveis no
endereço:
eletrônicos onde a corrente elétrica deve permanecer constante
www.newtoncbraga.co
m.br ao longo do tempo.

A sigla LED significa


Light Emitting Diode ou
diodo emissor de luz. na figura abaixo temos um resistor fixo sendo
Estudaremos o
componente eletrônico utilizado para limitar a corrente e a tensão elétrica no LED:
diodo na unidade IV.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.limetrace.co.
uk/commonly-asked-
LED-questions e
adaptada pelo autor.

Os resistores fixos, quanto à forma construtiva podem


ser classificados em:

 carvão: são os mais antigos e geralmente mais


baratos. Neles, os grãos de carvão são misturados
com um material de preenchimento e inseridos em
um envoltório tubular;
 filme de carbono e filme metálico: o valor da
resistência elétrica é obtido mediante a formação de
um sulco no filme, produzindo uma fita espiralada
cuja largura e espessura define o valor da sua
resistência;
23

 fio: consiste de um tubo cerâmico que serve de


suporte a um fio condutor de alta resistividade
enrolado (níquel-cromo) sobre esse tubo. O valor da
resistência elétrica depende da secção do fio e do
número de voltas ao redor do tubo cerâmico.

na figura abaixo temos resistores fixos: filme de


carbono, filme metálico e fio respectivamente.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.eletronicadid
atica.com.br/component
es/resistor/resistor.htm
24

Resistores Variáveis

Estes resistores possuem um eixo móvel que permite


variar a resistência desde um valor mínimo até um valor máximo
definido pelo fabricante. São conhecidos como potenciômetros e
A palavra trimpot é uma
abreviação de trimmer trimpots.
potentiometer, que
significa potenciômetro Esses resistores apresentam três terminais, sendo que
de pequenas dimensões.
os dois terminais externos determinam a resistência máxima e o
terminal central, que está interligado ao cursor, permite que se
consiga alterar a resistência em relação a um dos terminais
externos.

a figura abaixo mostra alguns exemplos de


potenciômetros e trimpots:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://construyasuvideor
ockola.com/curso_03.p
hp

Onde são utilizados os potenciômetros e os


trimpots?

Estes resistores, por apresentarem resistência elétrica


variável, são utilizados geralmente nos circuitos eletrônicos onde
se deseje ajustar a corrente elétrica ao longo do tempo.
25

Os potenciômetros são usados geralmente nos


eletroeletrônicos onde o usuário do equipamento tenha acesso.
Desta forma, quando você controla a velocidade de um ventilador,
regula a temperatura de um chuveiro eletrônico, ajusta o volume
de um rádio a pilha, está manuseando um potenciômetro que, por
sua vez, esta alterando a resistência elétrica de uma etapa do
circuito.
Já em circuitos eletrônicos internos aos equipamentos,
por exemplo, nas placas eletrônicas de um televisor, de um Para
saber um pouco mais
aparelho de som, de uma central de alarme, utilizam-se os sobre os resistores
variáveis leia um artigo
trimpots que possuem tamanho menor e são mais precisos que os sobre o tema no
endereço:
potenciômetros. Dessa forma, somente um técnico especializado http://www.newtoncbrag
a.com.br/index.php/com
o-funciona/3379-art472
poderá alterar o valor da resistência elétrica pré-ajustada pelo
fabricante do equipamento.

Resistores Especiais

São resistores que possuem aplicações especiais,


como controle de temperatura, acionamento de luzes, proteção de
circuitos e equipamentos, etc. Podemos destacar:

 LDR (Light Dependent Resistor ou resistor


dependente da luz): são também conhecidos como
fotoresistores e o valor da sua resistência ôhmica
altera em função da intensidade de luz que incide
sobre ele. Esses resistores diminuem a resistência
com o aumento da quantidade de luz sobre os
mesmos. Encontramos hoje no mercado LDRs Os LDRs são fabricados
à base de sulfeto de
sensíveis à luz visível, luz infravermelha e cádmio, um material
semicondutor que o
torna extremamente
ultravioleta. São utilizados como sensores de sensível às radiações
luminosas.
luminosidade em fotocélulas, sistemas de alarme,
etc.;
26

a figura abaixo mostra um resistor LDR e exemplo


de aplicação prática para o mesmo (fotocélula):

As figuras
ao lado foram retiradas
nos endereços:
http://www.evelta.com/in
dustrial-
control/sensors/ldr-5mm

http://www.ferragemigor.
com.br/rele-fotoeletrico-
trifacil-127v-prod-
5652.html
 Varistor (resistor dependente da tensão): este tipo
de resistor varia a resistência em função da tensão
aplicada sobre seus terminais. A resistência
diminui com o aumento da tensão, o que permite
que ele seja utilizado em circuitos de proteção das
fontes eletrônicas, eliminando sobretensões que
possam danificar os equipamentos eletroeletrônicos;

a figura abaixo mostra um exemplo de varistor e


sua utilização em uma fonte eletrônica:

As figuras
ao lado foram retiradas
no endereço: http://go-
radio.ru/varistor.html

A sigla NTC é uma


abreviação de Negative  Termistores: são resistores que alteram a
Temperature Coefficient
e significa coeficiente de resistência em função da temperatura. Segundo
temperatura positivo. A
sigla PTC é uma CRUZ (2008), o termistor NTC aumenta a resistência
abreviação de Positive
Temperature Coefficient
e significa coeficiente de quando a temperatura diminui. Já o termistor PTC
temperatura positivo.
27

aumenta sua resistência quando a temperatura


aumenta. São utilizados como sensores para
controle de temperatura em diversas aplicações
(automóveis, equipamentos industriais, motores Faça uma
pesquisa e tente
elétricos, etc.). descobrir qual a
simbologia utilizada
para representar em
um esquema
eletro/eletrônico os
resistores especiais.
a figura abaixo mostra exemplos de termistores
PTC e NTC e sua aplicação no estator (bobina) de um motor
elétrico:

A figura ao
lado foi retirada nos
endereços:
http://www.mixtronica.c
om/326-electronica-
componentes-
electronicos-
resistencias

http://www.ebah.com.br
/content/ABAAAfmRoA
K/motores-eletricos-
guia-especificacao-
weg?part=11
TÓPICO 3
ESPECIFICAÇÃO DE RESISTORES

Para a correta escolha de um resistor que será utilizado


em um circuito eletrônico devemos especificar três características
técnicas utilizadas pelos fabricantes de componentes eletrônicos, Este tópico
foi baseado no livro
que são: resistência ôhmica, tolerância do valor nominal e Circuitos Elétricos de
Otávio Markus.
potencia de dissipação máxima.

Resistência Ôhmica

É a característica que determina o valor da resistência


nominal do componente, é representado pela letra R e tem como
unidade o OHM (). Os resistores são fabricados com valores
28

nominais normalizados entre 1 e 10, conforme mostra a tabela


abaixo:

Série E24
1.0 1.1 1.2 1.3 1.5 1.6 1.8 2.0 2.2 2.4 2.7 3.0

3.3 3.6 3.9 4.3 4.7 5.1 5.6 6.2 6.8 7.5 8.2 9.1

Assim, para encontrar um valor comercial para um


determinado resistor, basta multiplicar qualquer valor da tabela
por submultiplos ou multiplos de 10.

comercialmente, encontramos o resistor de 100 ?

Sim, porque na tabela temos 1.0 que multiplicado por


100 (múltiplo de 10) é igual a 100 .

comercialmente, encontramos o resistor de 560 k?

Sim, porque na tabela temos 5.6 que multiplicado por


100000 (múltiplo de 10) é igual a 560000  ou 560 k.

comercialmente, encontramos o resistor de 0,36 ?

Sim, porque na tabela temos 3.6 que multiplicado por


0,1 (submúltiplo de 10) é igual a 0,36 .

Tolerância do Valor Nominal

Nos resistores podemos encontrar diferença entre o


valor nominal e o valor real de resistência elétrica. Assim, a
29

tolerância é o limite, em percentual, que pode variar (para cima


ou para baixo) o valor da resistência real de um resistor em
relação à resistência nominal. Os valores de tolerância comerciais
podem variar entre ± 0,05% a ± 20%.

um técnico utiliza um ohmímetro para medir um


resistor de valor nominal 470 Ω ± 5%, conforme figura abaixo.
Qual valor deverá indicar o instrumento para que esse resistor
seja considerado bom para uso?

5% de 470 Ω equivale a uma tolerância de ± 23,5 Ω.


Logo, o resistor estará bom se o resultado indicado apresentar
qualquer valor compreendido entre 446,5 a 493,5 Ω.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.profelectro.i
nfo/curso-basico-de-
electronica-pratica-
capitulo-4-multimetro/

Potência de Dissipação Máxima

Na escolha de um resistor é necessário levar em


consideração a máxima potência que ele pode dissipar em forma
de calor, pois é desta característica que depende a integridade
física do mesmo. Podemos encontrar resistores com potência que
pode variar de fração de watt até centenas de watt. Esta
característica é definida pelo tamanho físico do resistor.
30

Encontramos valores comerciais de 1/16 - 1/8 - 1/4 - 1/2 - 1 - 2 W


e assim sucessivamente.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://eletronicaanalogic
a1.blogspot.com.br/201
3/02/aula-011-resistor-
de-carbono.html

em uma máquina industrial deseja-se utilizar LEDs


para indicar o estado (acionado/desacionado) dos motores
elétricos, conforme placa abaixo. Dimensionar os resistores,
considerando tensão de saída 12 V, tensão LED 2 V e corrente
desejada de 10 mA.

Cálculo dos resistores:

U U FONTE  U LED
A figura ao R 
lado foi retirada no I I LED
endereço:
12  2
http://pt.dreamstime.co
m/fotos-de-stock-
R  1000
royalty-free-resistores-
0,01A
e-diodo-emissor-de-luz- P  U  I  10  0,01  0,1W  100mW
image10707818

Concluímos, então, que os resistores devem


apresentar resistência nominal de 1 kΩ, tolerância de ± 5% e
potência nominal de 1/8 W.
31

TÓPICO 4
CÓDIGOS UTILIZADOS PELOS FABRICANTES

Analisando os resistores de carvão, filme de carbono e


filme metálico, percebemos em seu corpo a impressão por parte
do fabricante de alguns anéis coloridos. Este tópico
foi baseado no livro
Análise de Circuitos de
Robert L. Boylestad.

na figura abaixo vemos resistores de filme de


carbono e seus anéis em uma placa eletrônica:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://miraimages.photo
shelter.com/image/I000
0ktdcACB8G_E

Para que servem estes anéis coloridos?


É algum tipo de código?

É sim, um código internacional que faz uso de anéis


coloridos e tem por finalidade informar duas características
importantes: resistência ôhmica e tolerância.

qual o valor da resistência ôhmica e tolerância dos


resistores da figura abaixo?
32

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.arduinoecia.
com.br/2013/08/codigo-
de-cores-de-
resistores.html e
adaptada pelo autor.

 Resistor 1 (quatro faixas, aplicação geral):


 resistência ôhmica, 3 primeiros anéis:
verde (5), azul (6) 56 x 10 kΩ (amarelo) = 560
kΩ;
 tolerância, último anel:
prata (±10%).
560 kΩ ±10%

 Resistor 2 (cinco faixas, maior precisão):


 resistência ôhmica, 4 primeiros anéis:
vermelho (2), vermelho (2), violeta (7) 227 x 1 Ω
(preto) = 227 Ω;
 tolerância, último anel:
ouro (±5%).
227 Ω ±5%
33

Lembre-se que a potencia é determinada pelo tamanho


físico (corpo) do resistor.

Identificação de Resistores sem Código de Cores

Geralmente, os resistores fixos (de fio) não possuem


anéis coloridos. Desta forma, o valor da resistência nominal, a
potência e a tolerância são impressas no próprio corpo.

a figura abaixo mostra um resistor de fio de


resistência nominal 10 Ω (10R), ±5% de tolerância e potência de
dissipação máxima 5 W:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.icos.com.br/
Acessorios/RESISTOR
10R5W/
Os resistores de fio têm capacidade para trabalhar com
maiores valores de corrente (potência), produzindo normalmente
uma grande quantidade de calor quando em funcionamento. São
utilizados em estufas, aquecedores, interior de quadros elétricos
(repelir umidade), circuitos eletrônicos de potência, etc.

a figura abaixo mostra alguns resistores de fio e


sua aplicação em uma placa eletrônica:

As figuras
ao lado foram retiradas
nos endereços:
http://www.ohmtecresisto
res.com.br/tabelas/ANC_
ANCNI.html

http://produto.mercadolivr
e.com.br/MLB-
632455117-placa-
eletronica-brastemp-
consul-cwc10-bwb08-
bwb11-bwl11-_JM
34

EXERCÍCIOS

1. Explique a diferença entre os termos “resistor” e “resistência


elétrica”.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

2. Cite as três funções de um resistor quando da sua utilização


em um circuito elétrico ou eletrônico.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

3. Assim como nas instalações elétricas, nos circuitos eletrônicos


cada componente possui um símbolo que o identifique. Assinale
abaixo quais símbolos representam um resistor fixo.

4. Quais parâmetros técnicos devem ser considerados para uma


correta especificação dos resistores.
_____________________________________________________
_____________________________________________________

5. “Os resistores são componentes eletrônicos cujos terminais


apresentam polaridade, logo podem ser utilizados somente em
35

circuitos CC.” A afirmação anterior está tecnicamente correta?


Justifique sua resposta.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

6. Cite exemplos de aplicação prática para o resistor variável


conhecido por potenciômetro.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

7. Para os resistores com anéis nas cores abaixo, determine sua


resistência nominal e tolerância:
a.vermelho, violeta, amarelo, ouro.
b. marrom, preto, verde, marrom.
c. verde, azul, marrom, vermelho.
d. laranja, laranja, preto, ouro.
e. laranja, azul, verde, vermelho, marrom.

8. Determine as especificações técnicas do resistor de fio abaixo.

9. Especifique o resistor R1 a ser utilizado na aplicação abaixo.


36

CHECK LIST

Nesta unidade você pode:

 identificar o componente eletrônico resistor e sua


função nos circuitos elétricos ou eletrônicos,
diferenciar os diversos tipos de resistores e
algumas de suas aplicações práticas;
 aprender os códigos utilizados pelos fabricantes
e seu significado e quais parâmetros técnicos são
necessários para uma correta especificação.
43

UNIDADE 3
CAPACITORES

Objetivos de Aprendizagem

Ao final desta unidade você deverá:

 explicar como funciona o componente eletrônico


capacitor;
 especificar corretamente um capacitor;
 relacionar algumas de suas aplicações;
 identificar sua simbologia e diferentes modelos
comerciais.

Plano de Estudos

Esta unidade está dividida em quatro tópicos,


organizados de modo a facilitar sua compreensão dos conteúdos.

TÓPICO 1: DEFINIÇÃO DE CAPACITOR


TÓPICO 2: ESPECIFICAÇÃO DE CAPACITORES
TÓPICO 3: TIPOS DE CAPACITORES
TÓPICO 4: CÓDIGOS UTILIZADOS PELOS FABRICANTES
44

TÓPICO 1
DEFINIÇÃO DE CAPACITOR

Nesta unidade vamos conhecer um componente de


grande aplicação no campo da eletricidade e eletrônica: o
capacitor. Perceba que a palavra capacitor pode ser associada à
Este tópico
foi baseado no livro palavra capacidade (no sentido de quantidade). Dessa forma, o
Circuitos Elétricos de
Eduardo César Alves capacitor é um componente que apresenta uma propriedade
Cruz.
interessante: a capacidade de armazenar certa quantidade de
cargas elétricas (elétrons).

Como posso construir um capacitor para


armazenar essas cargas elétricas?

Construtivamente, em sua forma mais simples, um


capacitor é constituído de duas placas condutoras paralelas,
denominadas armaduras, separadas por um material isolante
denominado dielétrico.

veja na figura abaixo a forma construtiva de um


capacitor.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
www.colegioweb.com.b
r/trabalhos-
escolares/fisica/capacit
ores/capacitores-e-
condensadores.html
45

A propriedade do capacitor de armazenar cargas


elétricas denominamos capacitância elétrica, abreviada pela
letra C e cuja unidade de medida é o Farad (F). A capacitância de
um capacitor de placas paralelas é determinada por suas
características físicas:

 área (A) das placas em m²;


 distância (d) entre as placas em m;
 material dielétrico, que é caracterizado por sua
permissividade absoluta, representada pela letra
grega ε (épsilon), cuja unidade de medida é
farad/metro (F/m).

Matematicamente, temos:

A
C  
d

No vácuo,  0  8,9.10 12 F/m. Para os demais materiais,

essa característica pode ser dada em relação à permissividade do


vácuo, conforme tabela abaixo.

Dielétrico Permissividade -  (F/m)


Ar 0
Polietileno 2,3  0
Papel 3,5  0
Baquelita 4,8  0
Mica 60
Porcelana 6,5  0

determinar a capacitância de um capacitor de


placas paralelas com dielétrico de baquelite com as seguintes
especificações:
46

 área das placas de 25cm 2  25.104 m 2 ;


 distância entre placas de 0,4mm  0,4.10 3 m ;
 permissividade do baquelite   4,8 0 .

A 25.10 4
C    4,8  8,9.10 12  3
 267.10 12 F  267 pF
d 0,4.10

Perceba que o capacitor do exemplo anterior


apresentou uma capacitância de 267 pF (pico-farad). Quando
trabalhamos com capacitores, a fim de reduzir seu tamanho físico,
utilizamos os submúltiplos:

mili (103 F ), micro(106 F ), nano(109 F ), pico (1012 F ).

A carga elétrica q (unidade Coulomb) que um capacitor


pode armazenar depende:

 da sua capacitância nominal (C) em farad;


 da tensão elétrica (U) aplicada em seus terminais,
em volt.

Matematicamente temos:

q  C U

qual o valor da carga elétrica que o capacitor de


267 pF do exemplo anterior pode armazenar se aplicada uma
tensão de 12 V aos seus terminais?

q  C V  267.10 12 12  3,2.109 C  3,2nC


47

O capacitor tem inúmeras aplicações na área


eletrônica, como: conversores CA/CC (fontes eletrônicas),
amplificadores de áudio, filtros de sinais, circuitos osciladores, etc.
Também é utilizado na área da eletrotécnica, para: correção do
fator de potência nas instalações elétricas, em motores
monofásicos, temporizadores, etc. Para que se possa representar
um circuito eletroeletrônico por meio de um desenho (esquema),
cada componente ou dispositivo recebe um símbolo próprio.

veja na figura abaixo a simbologia utilizada para


representar os capacitores:

A figura ao
lado foi elaborada pelo
autor.

Comportamento do Capacitor em Circuitos CC

Já sabemos que o capacitor é um componente capaz


de armazenar certa quantidade de cargas elétricas. Para que
possamos melhor entender esse processo, vamos analisar o
funcionamento do circuito eletrônico abaixo:

A figura ao
lado foi elaborada pelo
autor.
48

Etapa 1: considerar inicialmente que o capacitor em


teste está totalmente descarregado e CH.1 e CH.2 estejam
abertas. Podemos concluir que a tensão e a corrente elétrica no
capacitor é nula.
Etapa 2: considerar que a chave 1 seja fechada. Neste
momento, cargas elétricas negativas (elétrons) saem do polo
negativo da fonte em direção ao capacitor, depositando na placa
inferior. Para cada elétron depositado na placa inferior, um elétron
deixa a placa superior (princípio da repulsão), sendo atraído pelo
polo positivo da fonte. O amperímetro indica corrente elétrica no
circuito (embora elétron algum tenha cruzado o dielétrico do
capacitor) e o voltímetro indica que a tensão no capacitor
aumenta a cada instante, conforme indicado pelo gráfico abaixo:

V_CAPACITOR (V)

12

10

I_CIRCUITO (A)

0.0025

0.002

0.0015

0.001

0.0005

1.55 3.1 4.65 6.2 7.75


Time (s)

Podemos concluir que quando o capacitor estiver


totalmente carregado, a tensão em seus terminais será a mesma
49

tensão da fonte e a corrente no circuito será nula (devido à


diferença de potencial entre a fonte o capacitor ser nula). O tempo
necessário para o capacitor se carregar totalmente pode ser
calculado pela expressão:

TCARGA (s)  5  RCARGA  CCAPACITOR

qual o tempo de carga total do capacitor do circuito


de teste anterior?

TCARGA (s)  5  RCARGA  CCAPACITOR  5  4700  0,000330  7,75s

A tensão instantânea do capacitor e a corrente no


circuito em determinado momento do processo de carga pode ser
calculado pela expressão:

t
t
V(t )  VFONTE  (1  e RC
) e I ( t )  I  (e RC
)

qual o valor da tensão no capacitor, da tensão no


resistor e da corrente no circuito no instante que a chave 1 é
fechada (t = 0 s) e no instante t = 1,55 s?

t  0s
VCAPACITOR  0V
VRESISTOR  VFONTE  12V
VFONTE 12
I   2,5mA
RCARGA 4700
50

t  1,55s
1, 55
t
V(t )  VFONTE  (1  e RC
)  12  (1  2,71 47000 , 000330
)  12  (0,63)  7,56V
VRESISTOR  VFONTE  VCAPACITOR  12  7,56  4,44V
t 1, 55
47000 , 000330)
I ( t )  I  (e RC
)  2,5mA  (2,71 )  0,92mA

Etapa 3: considerar o capacitor totalmente carregado,


CH. 1 aberto e CH. 2 fechado. As cargas elétricas (energia
elétrica) armazenadas no capacitor serão descarregadas no
circuito de descarga, formado pelo resistor de descarga e pelo
LED. O amperímetro indica corrente elétrica no circuito (com
sentido contrário ao anterior) e o voltímetro indica que a tensão no
capacitor diminui a cada instante, conforme indicado pelo gráfico
abaixo:

V_CAPACITOR (V)

12

10

I_CIRCUITO (A)

-0.002

-0.004

-0.006

-0.008

-0.01

-0.012

0 0.33 0.66 0.99 1.32 1.65


Time (s)
51

Podemos concluir que quando o capacitor estiver


totalmente descarregado, a tensão em seus terminais será nula e
a corrente no circuito também será nula. O tempo necessário para
o capacitor se descarregar totalmente pode ser calculado pela
expressão:

TDESCARGA (s)  5  RDESCARGA  CCAPACITOR

qual o tempo de descarga total do capacitor do


circuito de teste anterior?

TDESCARGA (s)  5  RDESCARGA  CCAPACITOR  5 1000  0,000330  1.65s

A tensão instantânea do capacitor e a corrente no


circuito em determinado momento do processo de descarga carga
pode ser calculado pela expressão:

t
t
V(t )  VFONTE  (e RC
) e I ( t )   I  (e RC
)

qual o valor da tensão no capacitor, da tensão no


resistor e corrente no circuito no instante que a chave 2 é fechada
(t = 0 s) e no instante t = 0,33 s?

t  0s
VCAPACITOR  12V
VRESISTOR  VCAPACITOR  12V
VCAPACITOR 12
I   12mA
RCARGA 1000
52

t  0,33s
0 , 33
t
V(t )  VFONTE  (e RC
)  12  (2,7110000 , 000330
)  12  (0,37)  4,44V
VRESISTOR  VCAPACITOR  4,44V
t 0 , 33
10000 , 000330)
I ( t )   I  (e RC
)  12mA  (2,71 )  4,44mA

TÓPICO 2
ESPECIFICAÇÃO DE CAPACITORES

Para a correta escolha de um capacitor que será


utilizado em um circuito eletrônico devemos especificar três
características técnicas utilizadas pelos fabricantes de
componentes eletrônicos, que são: capacitância nominal,
Este tópico
foi baseado no livro
Eletrônica Aplicada de tolerância do valor nominal e tensão máxima de trabalho.
José da Silva Maia e
Jair Urbanetz Junior.

Capacitância Nominal

Como já estudamos, este parâmetro está relacionado


com as características físicas do componente, é representado
pela letra C e tem como unidade o Farad (F). Dizemos que um
capacitor tem 1 F de capacitância, quando em seus terminais
temos uma diferença de potencial de 1 V e a carga elétrica
armazenada é de 1 C. Os capacitores são fabricados com valores
nominais normalizados entre 1 e 10, conforme mostra a tabela
abaixo:

Série E24
1.0 1.1 1.2 1.3 1.5 1.6 1.8 2.0 2.2 2.4 2.7 3.0
3.3 3.6 3.9 4.3 4.7 5.1 5.6 6.2 6.8 7.5 8.2 9.1

Assim, para encontrar um valor comercial para um


determinado capacitor, basta multiplicar qualquer valor da tabela
53

por submultiplos de 10, abrangendo ampla faixa de capacitâncias,


desde alguns picofarads (pF) até alguns milifarads (mF).

comercialmente, encontramos o capacitor de 10


uF?

Sim, porque na tabela temos 1.0 que multiplicado por


10 6 (submúltiplo de 10) é igual a 0,000010 F ou 10 uF.

comercialmente, encontramos o capacitor de 220


nF?

Sim, porque na tabela temos 2.2 que multiplicado por


10 7 (submúltiplo de 10) é igual a 0,00000022 F ou 220 nF.

comercialmente, encontramos o capacitor de 0,47


mF?

Sim, porque na tabela temos 4.7 que multiplicado por


10 4 (submúltiplo de 10) é igual a 0,00047 F ou 0,47 mF ou
4700uF.

Tolerância do Valor Nominal

A tolerância é o limite, em percentual, que pode variar


(para cima ou para baixo) o valor da capacitância real de um
capacitor em relação à capacitância nominal. É influenciada pela
tecnologia de fabricação e pelo material dielétrico empregado. Os
valores de tolerância comerciais podem variar entre ± 1% a ±
20%.
54

um técnico utiliza um capacímetro para medir um


capacitor de valor nominal 33 uF ± 5%, conforme figura abaixo.
Qual valor deverá indicar o instrumento para que esse capacitor
seja considerado bom para uso?

5% de 33 uF equivale a uma tolerância de ± 1.65 uF.


Logo, o capacitor estará bom se o resultado indicado apresentar
qualquer valor compreendido entre 31,35 a 34,65 uF.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://articulo.mercadoli
bre.com.ar/MLA-
551463182-
capacimetro-digital-
cm9601a-probador-de-
capacitores-_JM

Tensão de Isolação

Na escolha de um capacitor é necessário levar em


consideração a máxima tensão que pode ser aplicada aos
terminais do mesmo. Essa característica está relacionada ao tipo
de dielétrico utilizado na fabricação do capacitor e pode variar de
algumas dezenas de volts até alguns quilovolts. Uma tensão
acima da nominal pode romper o dielétrico, abrindo um caminho
de baixa resistência para a corrente elétrica.

uma máquina industrial apresentou defeito em sua


placa eletrônica de controle. Um técnico de manutenção após
55

análise constatou que determinado capacitor (do tipo eletrolítico)


precisa ser substituído, conforme figura abaixo:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://fahinformatica.blo
gspot.com.br/

Ele dispõe no estoque de um de um capacitor


eletrolítico de 1000 uF/25 V. É possível fazer a substituição?

Sim, pois são do mesmo tipo (eletrolítico), apresentam


a mesma capacitância nominal (1000 uF) e a tensão do novo
capacitor deve ser maior ou igual a tensão do capacitor com
defeito (25 V maior que 10 V).

TÓPICO 3
TIPOS DE CAPACITORES

Em eletrônica, podemos classificar os capacitores em:

* A resistência ôhmica
 fixos: apresentam capacitância que não se altera*; de um resistor pode
sofrer pequenas
 variáveis: apresentam capacitância que pode ser variações em função da
temperatura.
ajustada entre um valor mínimo e máximo.

Capacitores Fixos

Este tópico
foi baseado em artigos
Estes capacitores, por apresentarem capacitância de Newton C. Braga
disponíveis no
elétrica que não se altera, são amplamente utilizados nos mais endereço:
www.newtoncbraga.co
m.br
56

diversos circuitos eletrônicos. Podemos citar como exemplo de


aplicação dos capacitores fixos: circuitos eletrônicos
temporizadores (limpador do para-brisa em um automóvel,
interruptor automático de presença para iluminação, etc.),
circuitos eletrônicos de controle de potência (dimmers, chuveiros
eletrônicos), fontes eletrônicas, filtros de sinais, amplificadores de
áudio, circuitos osciladores (luzes de direção de um automóvel,
indicador luminoso de duas lâmpadas na saída de
estacionamentos e garagens), entre outros.

na figura abaixo temos uma placa eletrônica de um


circuito temporizador de aplicação universal:

Trimpot para ajuste


de tempo.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
Capacitor fixo tipo
controlport.com.br/inde cerâmico.
x.php?_route_=tempori
zador-acp e adaptada
pelo autor. Capacitor fixo tipo
eletrolítico.

Os capacitores fixos, quanto à forma construtiva podem


ser classificados em:

 cerâmico: geralmente são constituídos de um


suporte tubular de cerâmica, em cujas superfícies
internas e externas são depositadas finas camadas
de prata aos quais são ligados os terminais através
de um cabo soldado sobre o tubo. O emprego desse
57

tipo de componente varia dos circuitos de alta


frequência aos de baixa frequência, como
capacitores de acoplamento e de filtro. Apresentam
valores de capacitância na ordem de pF a alguns
nF. Tensões nominais geralmente até 50 V, não
apresentando polaridade;
 polister metalizado: por apresentar variações de
sua capacitância com a frequência, não são
recomendados para aplicação em dispositivos que
operem com frequências superiores a faixa de MHz.
Apresentam valores de capacitância na ordem de nF
a alguns uF. Tensões nominais de algumas dezenas
a centenas de volts, não apresentando polaridade;
 eletrolítico: são aqueles que, com as mesmas
dimensões, atingem maiores capacitâncias. É
constituído por uma folha de alumínio, separada por
um material poroso, impregnado de uma solução
eletrolítica. Todo esse conjunto é enrolado e
colocado dentro de um invólucro metálico, onde são
conectados terminais de forma radial ou axial. Feito
isso, o capacitor eletrolítico não tem ainda a
capacitância desejada, sendo necessária a
aplicação de uma tensão em seus terminais, tendo
polaridade definida. Quando essa tensão é aplicada,
haverá internamente uma reação química onde será
formada uma fina camada de óxido depositada na
folha de alumínio, sendo que esta camada irá
constituir o dielétrico.

nas figuras abaixo temos capacitores fixos:


cerâmico, poliéster metalizado e eletrolítico respectivamente:
58

A figura ao
lado foi retirada no
endereço
http://electronics.stacke
xchange.com/questions
/135335/why-do-they-
crimp-capacitor-leads

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.handmades.
com.br/forum/index.php
?action=printpage;topic
=5415.0

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.eletronicadid
atica.com.br/component
es/capacitor/capacitor.h
tm

Capacitores Variáveis

Estes capacitores possuem um parafuso de ajuste ou


Em eletrônica a palavra
trimmer é usada para cursor que permite variar a distância entre as placas, alterando
designar capacitores
ajustáveis de pequenas
dimensões.
então a capacitância entre um valor mínimo e máximo, na ordem
de pF. São conhecidos como trimmers.

a figura abaixo mostra alguns exemplos de


trimmers:
59

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
www.surplussales.com/
Variables/AirVariables/
AirVar1.html

Onde são utilizados os “trimpots”?

São utilizados na sintonia de circuitos de alta


frequência (rádios, transmissores, etc.). Dessa forma, quando
você “está selecionando” a frequência de uma emissora nos
rádios analógicos está na verdade variando a capacitância de um
trimmer no circuito eletrônico. Para
saber um pouco mais
sobre os capacitores
leia um artigo sobre o
TÓPICO 4 tema no endereço:
http://www.newtoncbrag
a.com.br/index.php/com
CÓDIGOS UTILIZADOS PELOS FABRICANTES ponent/content/article/1
10-
mecatronica/robotica/80
19-conhecendo-os-
Analisando alguns modelos de capacitores, capacitores-mec121

percebemos que os fabricantes informam sobre o corpo do


componente os valores nominais de capacitância, tolerância e
tensão máxima. Porém, essas informações nem sempre são
diretas, sendo utilizados também códigos na forma de números e
Este tópico
letras ou anéis coloridos. foi baseado no site
www.burgoseletronica.n
et

qual o valor da capacitância nominal dos


capacitores cerâmicos mostrados na figura abaixo?
60

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://eletricamentefalan
do.blogspot.com.br/201
2/03/codigo-de-
capacitores.html Capacitor 1: temos a informação 104, sendo que os
dois primeiros algarismos são o valor base e o terceiro algarismo
indica o número de zeros que devemos acrescentar ao valor
base:

10 + 0000 = 100 000 pF = 100 nF

Capacitor 2: temos a informação 10n, sendo os dois


primeiros algarismos o valor base e “n” o submúltiplo:

10n = 10nF

Capacitor 3: temos a informação 1n2, sendo os dois


algarismos o valor base e “n” com dupla função: submúltiplo e

Para
ponto decimal:
saber um pouco mais
sobre os códigos de
capacitores cerâmicos
visite a página no 1n2 = 1,2 nF
endereço:
http://eletricamentefalan
do.blogspot.com.br/201
2/03/codigo-de-
capacitores.html
veja o significado das informações de cada
capacitor de poliéster mostrados na figura abaixo:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço
http://veiculos.mercadol
ivre.com.br/acessorios/
capacitor-poliester-
epcos
61

Capacitor 1: 104 informa a capacitância nominal do


componente, J a tolerância (± 5%) e 100 V é a máxima tensão,
logo:

10 + 0000 pF = 100 000 pF = 100 nF ±5% 100 V

Capacitor 2: 47nF é o valor da capacitância, K a


tolerância ( ± 10%) e 250 é a máxima tensão, logo:

47nF ± 10% 250 V

Capacitor 3: 2M2 é o valor da capacitância, M a


tolerância ( ± 20%) e tensão máxima 250 V.

2,2 pF ± 20% 250 V

como podemos interpretar estes anéis coloridos em


alguns capacitores de poliéster?

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
www.youtube.com/watc
h?v=ZlzCcA19mjI

Este código de cores utilizado é o mesmo dos


resistores?

Não, mas com algumas semelhanças. Veja na figura a


seguir:
62

Cores 5ª

1ª Faixa 2ª Faixa 3ª Tensão
Tolerância
Multiplicador Nominal
PRETO 0 0 - ± 20% -
MARROM 1 1 x 10 - -
A tabela
ao lado foi retirada no VERMELHO 2 2 x 100 - 250V
endereço:
http://eletricamentefalan
LARANJA 3 3 x 1000 - -
do.blogspot.com.br/201 AMARELO 4 4 x 10000 - 400V
2/03/codigo-de-
capacitores.html VERDE 5 5 x 100000 - -
AZUL 6 6 - - 630V
VIOLETA 7 7 - - -
CINZA 8 8 - - -
BRANCO 9 9 - ± 10% -

 Capacitor 1:
 capacitância nominal, 3 primeiros anéis:
marrom (1), verde (5) 15 x 10 000 (amarelo) =
150 000 pF = 150 nF;
 tolerância, 4° anel:
branco (± 10%);
 tensão máxima:
azul (630 V).

150 nF ±10% 630 V

Para  Capacitor 2:
saber um pouco mais
sobre os códigos de  capacitância nominal, 3 primeiros anéis:
capacitores de poliéster
visite a página no
endereço:
laranja (3), laranja (3) 33 x 10 000 (amarelo) =
http://www.burgoseletro
nica.net/capacitores_lei 330 000 pF = 330 nF;
turapoliester.html
 tolerância, 4° anel:
branco (± 10%);
 tensão máxima:
63

Vermelho (250 V).

330 nF ± 10% 250 V

quais informações podemos obter dos capacitores


eletrolíticos da figura abaixo?

A figura
ao lado foi retirada no
endereço:
http://tronyx.com.br/pro
duto/Capacitor-
Eletrol%EDtico-Radial-
100uf-
63v*8%7B47%7D11,5
mm*85%B0c-.html

Além da capacitância e tensão nominal, uma faixa


indica o terminal negativo do capacitor (lembre-se que os
terminais dos capacitores eletrolíticos tem polaridade). Quanto à
posição dos terminais podem ser tipo radial (1° e 3°) ou axial (2°).

Qual a tolerância dos capacitores eletrolíticos?

Estes capacitores apresentam tolerância que pode


variar entre -10% a +50%. Também apresentam uma faixa de
temperatura de trabalho ente -40°C a 850°C.
64

EXERCÍCIOS

1. Explique a diferença entre os termos “capacitor” e “capacitância


elétrica”.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

2. Cite três características físicas que têm influência direta na


capacitância nominal dos capacitores.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

3. Assim como nas instalações elétricas, nos circuitos eletrônicos


cada componente possui um símbolo que o identifica. Assinale
abaixo quais símbolos representam um capacitor fixo.

4. Quais parâmetros técnicos devem ser considerados para uma


correta especificação dos capacitores?
_____________________________________________________
_____________________________________________________
65

5. “Os capacitores são componentes eletrônicos cujos terminais


não apresentam polaridade, logo podem ser utilizados em
circuitos CC e CA.” A afirmação anterior está tecnicamente
correta? Justifique sua resposta.
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

6. Determine as especificações técnicas dos capacitores abaixo.

7. Analise o circuito eletrônico abaixo. Em seguida:

a) Calcule o tempo de carga do capacitor, considerando CH1


fechado, CH2 aberto, R1 = 10 kΩ e C = 100 uF.
b) Calcule o valor de R2 para que no início da descarga do
capacitor a corrente no LED seja de 15 mA.
66

CHECK LIST

Nesta unidade você pôde:

 identificar o componente eletrônico capacitor e


sua função nos circuitos elétricos ou eletrônicos,
diferenciar diversos tipos de capacitores e
algumas de suas aplicações práticas;
 aprender os parâmetros técnicos necessários
para uma correta especificação e também
compreender os códigos utilizados pelos
fabricantes e seu significado.
67

UNIDADE 4
DIODOS SEMICONDUTORES

Objetivos de Aprendizagem

Ao final desta unidade você deverá:

 explicar o que são materiais semicondutores e como


são utilizados na fabricação dos diodos;
 explicar como funciona o componente eletrônico
diodo;
 especificar corretamente um diodo;
 identificar sua simbologia e diferentes modelos
comerciais.

Plano de Estudos

Esta unidade está dividida em quatro tópicos,


organizados de modo a facilitar sua compreensão dos conteúdos.

TÓPICO 1: MATERIAIS SEMICONDUTORES


TÓPICO 2: DEFINIÇÃO DE DIODO
TÓPICO 3: TIPOS DE DIODOS
TÓPICO 4: ESPECIFICAÇÃO E TESTE DE DIODOS
68

TÓPICO 1
MATERIAIS SEMICONDUTORES

Os materiais semicondutores provocaram uma


verdadeira revolução na eletrônica e, consequentemente, na
tecnologia atual. Nenhum aparelho eletrônico, desde um simples
relógio digital ao mais avançado dos computadores, seria possível
Este tópico sem os mesmos. Para uma correta compreensão do
foi baseado no livro
Sistemas Eletrônicos funcionamento de alguns componentes baseados em
de Gilvan Antônio
Garcia e José Luiz semicondutores, em especial os diodos, são necessários alguns
Antunes de Almeida.
fundamentos simplificados da teoria atômica.

Estrutura dos Átomos

Os materiais encontrados na natureza são constituídos


Os prótons apresentam
carga elétrica positiva de por átomos, os quais apresentam partes distintas: o núcleo e as
 1,6 10 19 C . Já os
elétrons apresentam camadas de eletrosfera. No núcleo encontram-se partículas
carga elétrica de
 1,6 1019C . Os denominadas prótons e nêutrons, enquanto que na eletrosfera
nêutrons tem carga
elétrica nula. encontram-se os elétrons, distribuídos em até sete camadas ou
níveis.

abaixo temos a representação de um átomo de


cobre, com um elétron na camada de valência:

Elétron de
valência

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.trabalhosfeit
os.com/ensaios/Reynol
d/52174730.html
69

Em cada átomo, a camada mais externa é chamada de


valência e geralmente é ela que participa das reações químicas.
Todos os materiais são formados por diferentes tipos de átomos,
diferenciados entre si pelo número de prótons, elétrons e
nêutrons.

Materiais Condutores de Eletricidade

Os materiais que apresentam baixa resistência à Metais como ouro, prata,


alumínio e cobre são
exemplos de bons
passagem da corrente elétrica são denominados condutores de condutores de
eletricidade.
eletricidade. O que caracteriza o material como bom condutor é o
fato dos elétrons de valência estarem fracamente ligados ao
núcleo do átomo, encontrando grande facilidade para abandonar
a eletrosfera e se movimentarem livremente no interior dos
materiais. O cobre, por exemplo, com somente um elétron na
camada de valência tem facilidade de cedê-lo para ganhar
estabilidade. O elétron cedido pode tornar-se um elétron livre.

Materiais Isolantes

Materiais como
Os materiais que apresentam alta resistência à borracha, mica,
porcelana, baquelite,
PVC, são considerados
passagem da corrente elétrica são denominados isolantes de materiais isolantes de
eletricidade.
eletricidade. Os elétrons de valência estão fortemente ligados ao Obs: lembre-se que não
existem isolantes
núcleo do átomo, sendo que poucos elétrons conseguem perfeitos e, a partir de
determinado valor de
desprender-se da última camada de eletrosfera para se tornarem tensão elétrica, um
material isolante pode se
tornar condutor.
elétrons livres.

Material Semicondutor

Os materiais semicondutores apresentam uma


resistência elétrica situada entre a dos materiais condutores e
isolantes.
70

Os principais materiais semicondutores utilizados em


eletrônica são o Germânio (Ge) e o Silício (Si), sendo este último
o mais utilizado.

abaixo temos duas pedras, uma de Silício e outra


de Germânio, respectivamente:

As figuras
ao lado foram retiradas
no endereço:
www.infoescola.com

Os átomos de germânio e silício apresentam uma


camada de valência com quatro elétrons. Quando os átomos de
Germânio (ou Silício) agrupam-se entre si, formam uma estrutura
cristalina, ou seja, são substâncias cujos átomos se posicionam
no espaço, formando uma estrutura ordenada. Nessa estrutura,
cada átomo une-se a quatro outros átomos vizinhos por meio de
ligações covalentes.

na figura abaixo temos ligações covalentes em uma


estrutura cristalina de Silício:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
sites.google.com/site/th
alestecnologia/eletronic
a-basica/semicondutor-
intrinseco---
semicondutor-
extrinseco
71

Perceba que cada um dos quatro elétrons de valência


de um átomo é compartilhado com um átomo vizinho, de modo
que dois átomos adjacentes compartilhem dois elétrons, formando
na última camada oito elétrons, o que configura uma situação
estável. Vale destacar também que nas condições mostradas
acima, o Silício se comporta como isolante, pois não apresenta
carga elétrica livre.
No entanto, com o aumento da temperatura algumas
ligações covalentes recebem energia suficiente para se
romperem, fazendo com que os elétrons das ligações rompidas
passem a se movimentar livremente no interior do cristal,
tornando-se elétrons livres. Com a quebra das ligações
covalentes, no local onde havia um elétron de valência, passa a
existir uma região com carga positiva, uma vez que o átomo era
neutro e um elétron o abandonou. Essa região positiva recebe o
nome de lacuna. As lacunas não têm existência real, pois são
apenas espaços vazios provocados por elétrons que abandonam
as ligações covalentes rompidas.

estrutura do Silício com uma temperatura acima de


0 K (- 273 °C):

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
sites.google.com/site/th
alestecnologia/eletronic
a-basica/semicondutor-
intrinseco---
semicondutor-
extrinseco

Quando o cristal de silício ou germânio é submetido a


uma diferença de potencial, os elétrons livres se movem no
sentido do maior potencial elétrico e as lacunas, por
72

consequência, se movem no sentido contrário ao movimento dos


elétrons.

Dopagem de Materiais Semicondutores

Devido à tendência de transformar-se em uma


estrutura simétrica, um material semicondutor quase não possui
elétrons livres. Para se utilizar efetivamente os materiais
semicondutores, são introduzidos elementos adicionais nas
estruturas cristalinas, denominadas impurezas. Estas impurezas
são elementos cujos átomos possuem três ou cinco elétrons na
camada de valência. Elas são introduzidas dentro do material
semicondutor em pequenas quantidades e esse processo é
conhecido por dopagem.

Formação do Material Tipo P

Ao realizar a dopagem do material semicondutor


(Silício ou Germânio) através da introdução de impurezas com
três elétrons na camada de valência, como o alumínio, o índio, o
boro ou o gálio temos a formação de ligação covalente entre o
material semicondutor e a impureza.

dopagem do Silício com átomo de Boro (impureza


trivalente):

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
sites.google.com/site/th
alestecnologia/eletronic
a-basica/semicondutor-
intrinseco---
semicondutor-
extrinseco
73

Ao introduzirmos uma impureza com apenas três


elétrons (trivalente), estes serão compartilhados com átomos
vizinhos de Silício. Porém, uma ligação não se completará,
deixando um “espaço vazio” denominado lacuna. Temos, então, a
formação de um material tipo P.
Para
saber um pouco mais
Formação de Material Tipo N sobre os materiais
semicondutores e sua
utilização na indústria
eletrônica assista o
vídeo no endereço:
Se no processo de dopagem for associado um www.youtube.com/watc
h?v=HmvppRT9nm4
elemento com cinco elétrons na última camada (pentavalente),
como o antimônio, o fósforo ou o arsênio, os mesmos irão formar
ligações covalentes com os átomos do material semicondutor.
Porém, haverá um elétron que poderá mover-se pela estrutura já
que não formou ligação e está fracamente ligado ao núcleo do
átomo. Temos, então, a formação de um material tipo N.

dopagem do Silício com átomo de Fósforo


(impureza pentavalente):

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
sites.google.com/site/tha
lestecnologia/eletronica-
basica/semicondutor-
intrinseco---
semicondutor-extrinseco

TÓPICO 2
DEFINIÇÃO DE DIODO

O diodo é o componente eletrônico mais simples


fabricado a partir dos materiais semicondutores tipo P e N.
74

De que forma posso combinar esses materiais


para construir um diodo?

Construtivamente, o diodo é formado pela união


(junção) de um semicondutor do tipo P com um semicondutor do
Este tópico
foi baseado na apostila
tipo N. Devido a essa junção PN, os diodos são chamados
técnica de Eletrônica
Analógica de Luiz também de “diodos semicondutores de junção”.
Fernando Teixeira
Pinto.

veja na figura abaixo a forma construtiva de um


diodo e a denominação dada aos seus terminais do lado P e N:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
sites.google.com/site/th
alestecnologia/eletronic
a-basica/semicondutor-
intrinseco--- Os diodos são amplamente utilizados nas áreas de
semicondutor-
extrinseco eletrônica e eletrotécnica, podendo ser encontrados em diversas
aplicações, como: fontes eletrônicas e circuitos de aparelhos
eletroeletrônicos em geral, motores elétricos monofásicos,
iluminação e sinalização (LEDs), circuitos retificadores e
reguladores de tensão, etc.

veja na figura abaixo a simbologia utilizada para


representar os diodos:

A figura ao
lado foi elaborada pelo
autor.
75

Polarização dos Diodos

A diferença de concentração de elétrons livres e


lacunas entre as duas regiões da junção PN possibilita a
ocorrência de um fenômeno chamado de difusão: deslocamento
(corrente elétrica) de lacunas do lado P para o lado N e de
elétrons livres do lado N para o lado P. Tal processo não é
contínuo e, atingindo o equilíbrio, forma uma barreira de potencial
na região da junção que impede o deslocamento de mais elétrons
livres. Essa região é denominada camada de depleção.

camada de depleção de um diodo.

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
sites.google.com/site/th
alestecnologia/eletronic
a-basica/semicondutor-
intrinseco---
semicondutor-
extrinseco

Se nos terminais do diodo for aplicada uma tensão


elétrica, ou seja, terminal anodo conectado ao terminal negativo
da fonte e terminal catodo conectado ao terminal positivo da fonte
(polarização reversa), a camada de depleção tende a aumentar.

camada de depleção com diodo na polarização


reversa:
76

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
sites.google.com/site/th
alestecnologia/eletronic
a-basica/semicondutor- I
intrinseco---
semicondutor-
extrinseco

representação de um circuito real com diodo


polarizado reversamente:

A figura ao
lado foi elaborada pelo
autor.

Para o circuito representado na figura anterior, o diodo


apresenta resistência elevada (comparação a uma chave aberta)
e a corrente elétrica apresenta intensidade na ordem de nA (para
diodo de Silício) e uA (para diodos de Germânio). Essa corrente é
conhecida por corrente de fuga reversa. O voltímetro indica nos
terminais do diodo a mesma tensão da fonte.
Se nos terminais do diodo for aplicada uma tensão
elétrica, ou seja, terminal anodo conectado ao terminal positivo da
fonte e terminal catodo conectado ao terminal negativo da fonte
(polarização direta), a camada de depleção tende a diminuir.

camada de depleção com diodo na polarização


direta:
77

A figura ao
lado foi retirada no
endereço
I :sites.google.com/site/thal
estecnologia/eletronica-
basica/semicondutor-
intrinseco---semicondutor-
extrinseco
Para o circuito representado na figura anterior, o diodo
apresenta baixa resistência ôhmica (comparação a uma chave
fechada) e a corrente elétrica apresenta intensidade que irá
depender da tensão da fonte e valor ôhmico do resistor. Essa
corrente é conhecida por corrente direta.

representação de um circuito real com diodo


polarizado diretamente:

A figura ao
lado foi elaborada pelo
autor.

Como podemos calcular o valor da corrente


elétrica desse circuito?

U RESISTOR U FONTE  U DIODO 12  0,7


I CIRCUITO     0,0024 A  2,4mA
RRESISTOR RRESISTOR 4700
78

Podemos concluir, então, que os diodos só conduzem


corrente elétrica quando polarizados diretamente, ou seja, são
componentes unidirecionais quanto ao sentido de condução de
corrente elétrica. Cabe ressaltar também que na polarização
direta haverá uma queda de tensão entre os terminais anodo-
catodo da ordem de 0,7 V para diodos de Silício e 0,3 V para
diodos de Germânio.

Curva Característica de um Diodo

A curva característica de um diodo é um gráfico que


relaciona cada valor da tensão aplicada com a respectiva corrente
elétrica que atravessa o diodo.

curva característica de funcionamento dos diodos:

A figura ao
lado foi retirada do
endereço:
http://slideplayer.com.br
/slide/1836793/ .

Você pode notar pela curva que o diodo, ao contrário


de um resistor, por exemplo, não é um componente linear. Ao se
aplicar a polarização direta (lado direito superior do gráfico), o
diodo não conduz intensamente até que se ultrapasse a barreira
potencial. À medida que a tensão da fonte se aproxima da
79

barreira de potencial, os elétrons livres e as lacunas começam a


atravessar a junção em grandes quantidades. A tensão para a
qual a corrente começa a aumentar rapidamente é chamada de
tensão de disparo de condução.
Quando o diodo é polarizado reversamente (lado
esquerdo inferior do gráfico), uma corrente elétrica extremamente
pequena (corrente de fuga reversa) começa a circular entre
seus terminais. Se a tensão reversa aplicada sobre o diodo
aumentar, atinge-se a tensão de ruptura (Breakdown), a partir da
qual a corrente aumenta sensivelmente, podendo danificar o
componente. Salvo algumas exceções, os diodos não podem
trabalhar na região de ruptura.

TÓPICO 3
TIPOS DE DIODOS

Diodos Retificadores

Estes diodos são definidos como de “uso geral”, ou


seja, de grande aplicação nos circuitos eletrônicos. Comportam-se
como chave aberta ou fechada em função do tipo de polarização.
Também são utilizados para retificar (converter) uma tensão CA
em CC nas fontes eletrônicas. Este tópico
foi baseado no livro
Eletrônica Aplicada de
Jair Urbanetz Junior e
José da Silva Maia.

a figura abaixo mostra um exemplo de diodo


retificador:
80

O anel branco indica


o terminal catodo.
A figura ao
lado foi retirada no
endereço: Terminal anodo.
http://www.eletroaquila.
net/diodo-retificador-
1n5406-600v-x-3a-
mr506.html

LED (Diodo Emissor de Luz)

O diodo emissor de luz (LED) é um diodo semicondutor


que quando energizado emite luz visível. Através da utilização de
elementos como gálio, arsênio e fósforo podem ser produzidos
LEDs que irradiam luz infravermelha, vermelho, laranja, amarelo,
verde, azul ou ultravioleta.

a figura abaixo mostra alguns modelos de LEDs


utilizados em eletrônica:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.intl-
lighttech.com/applicatio
ns/light-sources/leds

Em geral, os LEDs utilizados em eletrônica operam


com nível de tensão entre 1,6 a 3,3 V. A potência está na faixa
típica de 10 a 150 mW, com um tempo de vida útil de 100.000
horas ou mais.
81

Os LEDs podem ser utilizados em diversas aplicações,


tais como: controles remotos, displays, painéis de propaganda,
semáforos, lanternas, iluminação de ambientes, etc.

a figura abaixo ilustra a parte interna de um LED:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://eficienciaenergtic
a.blogspot.com.br/2010
/10/led-2.html

Fotodiodo

É um diodo com encapsulamento transparente,


reversamente polarizado e sensível a luz. Quando uma energia
luminosa incide na junção PN, ela injeta mais energia aos elétrons
de valência e com isto gera mais elétrons livres. Quanto mais
intensa for à luz na junção, maior será a corrente reversa num
diodo.

as figuras abaixo ilustram um fotodiodo e seu


símbolo e um exemplo de aplicação prático (mouse):

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.farnellnewar
k.com.br/fotodiodouvto4
6,product,4142603,627.
aspx
82

Fotodiodo

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.if.ufrj.br/~car
los/infoenci/alunos/andr
e/usodomouse.htm LED
infravermelho

Na figura acima o deslocamento do mouse faz com que


o disco perfurado gire, cortando o feixe de luz infravermelho
emitido pelo LED e recebido pelo fotodiodo, fazendo-o conduzir
ou bloquear a passagem da corrente elétrica. Os pulsos elétricos
dessa forma serão convertidos pelo computador em
deslocamento cartesiano.
Outros exemplos de aplicação para os fotodiodos:
Para saber equipamentos eletrônicos como TVs, DVDs, etc., nos quais a luz
um pouco mais sobre os
diodos acesse o
endereço: emitida pelo LED infravermelho do controle remoto é captada pelo
pt.wikipedia.org/wiki/Diod
o_semicondutor fotodiodo instalado no aparelho.

TÓPICO 4
ESPECIFICAÇÃO E TESTE DE DIODOS

Para a utilização de um diodo em um circuito


eletrônico, dois parâmetros principais devem ser considerados
Este tópico
foi baseado em artigos para uma correta especificação:
de Newton C. Braga
disponíveis no
endereço
www.newtoncbraga.co
m.br  tensão reversa máxima (Vrrm): é a tensão máxima
que o diodo suporta em seus terminais quando
polarizado reversamente. Se essa tensão for
ultrapassada, o diodo poderá entrar em curto-
circuito;
83

 corrente máxima direta (If): é a máxima corrente


elétrica suportada pelo diodo quando polarizado
diretamente.

abaixo temos diferentes tipos de diodos, sendo


indicado a corrente nominal e o diâmetro do componente:

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.escol.com.m
y/Transistors.html

abaixo temos uma tabela com as características


elétricas da família de diodos 1N400X, retirada do datasheet
(folha de dados) do fabricante?

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.diodes.com/
datasheets/ds28002.pdf

baseado na tabela anterior, dimensionar o diodo


indicado na figura abaixo, sabendo que a corrente neste ponto do
circuto é de 0,7 A e a tensão reversa é de 311V.
84

A figura ao
lado foi retirada no
endereço:
http://www.polipartes.co
m.br/placa-eletronica-
potencia-refrigerador-
brastemp-consul-127v-
261592/p Diodo a ser
dimensionado

Resposta: como os diodos da família 1N400X suportam


corrente direta (Io na tabela) de 1 A e a corrente no circuito é de
0,7A, qualquer modelo poderá ser utilizado. Porém, como a
tensão reversa no circuito é de 311 V, o diodo escolhido será o
modelo 1N4004 (Vrrm de 400V na tabela).

Perceba, então, que é necessário conhecer a corrente


elétrica do circuito em que se utilizará o diodo para posterior
especificação. Lembre-se também que se em funcionamento o
diodo ficar polarizado reversamente, essa tensão deverá ser
inferior a máxima tensão reversa indicada pelo fabricante.

Teste de Diodos com Multímetro

Com a ajuda de um multímetro adequado (função teste


de diodos), um técnico pode verificar as condições (boa ou ruim)
de um diodo. Cabe lembrar que esse teste deverá ser realizado
com o diodo desconetado do circuito.

o teste abaixo indica a forma correta e os valores


esperados para o teste de um diodo em boas condições de uso:
85

Estas
figuras foram retiradas
no endereço:
www.fluke.com

o teste abaixo indica a forma correta e os valores


esperados para o teste de um diodo que não presenta condições
de uso:
86

EXERCÍCIOS

1. Julgue verdadeiro (V) ou falso (F) as seguintes afirmações a


respeito do componente eletrônico diodo.

( ) Apresenta dois terminais denominados anodo e catodo.


( ) No diodo de silício temos uma tensão de 0,7 V nos terminais
quando polarizado diretamente.
( ) Quando polarizado reversamente, o diodo comporta-se como
uma chave fechada.
( ) Pode ser utilizado somente em circuitos CA.
( ) É um dispositivo que permite a circulação de corrente em
apenas um sentido no circuito eletrônico.

2. Assim como nas instalações elétricas, nos circuitos eletrônicos


cada componente possui um símbolo que o identifique. Assinale
abaixo qual símbolo representa um diodo.

3. Quais parâmetros técnicos devem ser considerados para uma


correta especificação dos diodos?
_____________________________________________________
_____________________________________________________
87

4. Para o circuito eletrônico abaixo, calcule:

a. no resistor: queda de tensão, corrente, potência dissipada.


b. no diodo: tensão, corrente.

5. Determine a tensão nos pontos indicados.

6. Determine a tensão nos pontos indicados considerando D1 em


curto e D1 aberto.
88

CHECK LIST

Nesta unidade você pôde:

 identificar o componente eletrônico diodo e sua


função nos circuitos elétricos ou eletrônicos,
diferenciar diversos tipos de diodos e algumas de
suas aplicações práticas;
 identificar os parâmetros técnicos necessários
para uma correta especificação e também
compreender os códigos utilizados pelos
fabricantes e seu significado.
89

GABARITO COMENTADO

UNIDADE 1

Questão 1
Eletrônica é a parte da física dedicada ao estudo do comportamento de circuitos
elétricos que contenham válvulas, semicondutores, transdutores, etc., ou a fabricação
de tais circuitos. Ela é competência dos técnicos e engenheiros das áreas de
eletrotécnica, eletrônica e informática.

Questão 2
Os circuitos elétricos e eletrônicos tem seu funcionamento baseados nas leis e
teoremas da física, com grandezas elétricas, métodos de análise e manutenção
idênticos.

Questão 3
A partir do desenvolvimento de um componente conhecido como válvula eletrônica em
1906, foi possível amplificar sinais e desenvolver comercialmente aparelhos eletro-
eletrônicos como o rádio e TV. Em 1947, foi apresentado um novo componente,
denominado transistor, que apresentava inúmeras vantagens em relação ao seu
antecessor, como menor consumo de energia e não precisava de filamento. Com o
desenvolvimento do circuito integrado, os circuitos eletrônicos diminuíram
consideravelmente de tamanho, permitindo a avanço da eletrônica digital, base de
funcionamento do computador.

Questão 4
Nanotecnologia é a expressão utilizada para designar componentes ou circuitos
eletrônicos de tamanho muito reduzido, na ordem de nanômetros.

Questão 5
Resposta de caráter individual, posteriormente será discutida no fórum do componente
curricular..
90

Questão 6
Deve-se evitar tocar com as mãos nos componentes ou trilhas de um circuito
eletrônico, pois a gordura acumulada pode iniciar um processo de corrosão,
interrompendo trilhas de espessura reduzida. Também podemos danificar
componentes eletrônicos sensíveis a eletricidade estática. Nesses casos, recomenda-
se a utilização de pulseiras que fazem contato elétrico entre o corpo e um sistema de
aterramento, para que essas cargas acumuladas sejam descarregadas
frequentemente.

UNIDADE 2

Questão 1
Resistência elétrica é uma grandeza que representa a oposição ao movimento dos
elétrons, ou seja, a resistência elétrica representa a dificuldade que os elétrons
encontram para se movimentarem através do condutor. Quanto maior a mobilidade dos
elétrons, menor a resistência elétrica do condutor. Todo corpo ou dispositivo apresenta
certo valor de resistência elétrica, que depende do seu material, dimensões, etc. Já os
resistores são componentes que têm a função de acrescentar um valor específico de
resistência ôhmica aos circuitos eletroeletrônicos, limitando o valor da corrente elétrica
no ponto onde estão instalados.

Questão 2
As funções de um resistor quando utilizado em um circuito elétrico ou eletrônico é
limitar a corrente elétrica, proporcionar queda de tensão e transformar energia elétrica
em térmica (aquecimento).

Questão 3
91

Questão 4
Para a correta especificação dos resistores deve ser observada a resistência ôhmica
nominal, tolerância e potência de dissipação de calor máxima.

Questão 5
Afirmação errada. A afirmação correta é “Os resistores são componentes eletrônicos
cujos terminais não apresentam polaridade, logo podem ser utilizados em circuitos CC
e CA”.

Questão 6
O potenciômetro pode ser utilizado no ajuste de volume nos rádios analógicos, ajuste
da luminosidade ou velocidade de um ventilador nos dimmers, ajuste da temperatura
da água em chuveiros eletrônicos, etc.

Questão 7
a) vermelho, violeta, amarelo, ouro. 270000Ω ou 270Kω ± 5%
b) marrom, preto, verde, marrom. 1000000Ω ou 1MΩ ± 1%
c) verde, azul, marrom, vermelho. 560Ω ± 2%
d) laranja, laranja, preto, ouro. 33Ω ± 5%
e) laranja, azul, verde, vermelho, marrom. 36500Ω ou 36,5Kω ± 1%

Questão 8
As especificações técnicas do resistor de fio abaixo são:

3,3Ω ± 5% 20W

0,22Ω ± 10% 5W

Questão 9
As especificações do resistor R1 abaixo são:
92

Cálculo do resistor:

U U FONTE  U LED
R 
I I LED
52
R  150
0,02 A
P  U  I  3  0,02  0,06W  60mW

Resistor de 150Ω ± 5% 1/8W

UNIDADE 3

Questão 1
Capacitor é o componente que apresenta a propriedade de armazenar cargas
elétricas, denominadas capacitância elétrica. Esta grandeza é abreviada pela letra C,
cuja unidade de medida é o Farad (F).

Questão 2
Características físicas como a área das placas (armaduras), distância entre as placas e
o tipo de material usado como dielétrico influenciam na capacitância nominal dos
capacitores.

Questão 3

Questão 4
Para a especificação dos capacitores deve ser observada a capacitância nominal,
tolerância e tensão de trabalho máxima.

Questão 5
Afirmação errada. A afirmação correta é “Os capacitores são componentes eletrônicos
cujos terminais podem ou não apresentar polaridade (conforme o tipo). Os capacitores
93

polarizados só podem ser utilizados em circuitos CC. Os capacitores não polarizados


podem ser utilizados em circuitos CC e CA”.

Questão 6
Linha 1 (capacitores de poliéster)
0,1 uF = 100 nF ± 5% 250 V
33 nF 63V
1500 pF ± 10% 400 V
0,068 uF = 68 nF ± 10% 400 V
Linha 2 (capacitores cerâmicos)
1000 pF 50 V
82 pF ± 10% 50 V
0,047 uF = 47 nF ± 20% 50 V
820 pF ± 20% 50 V
Linha 3 (capacitores de poliéster)
47000 pF = 47 nF ± 10% 250 V
2200 pF = 2,2 nF ± 20% 400 V
100000 pF = 100 nF ± 10% 630 V

Questão 7
a. TCARGA (s)  5  RCARGA  CCAPACITOR  5 10000  0,0001  5s

VCAPACITOR  VLED 10  2
b. R2    533,33
I INICIAL 0,015

UNIDADE 4

Questão 1
V - V - F - F – V.
94

Questão 2

Questão 3
Para a correta especificação dos diodos devem ser observadas a corrente direta
máxima e a tensão reversa máxima.

Questão 4

U Re sistor  U Fonte  U Diodo  10  0,7  9,3V


U Re sistor 9,3
I Re sistor    0,093 A
R 100
PRe sistor  U Re sistor  I Re sistor  0,86W

U Diodo  0,7V
I Dioso  I Re sistor  0,093 A

Questão 5
95

Questão 6

Curto

Aberto
96

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, José Luiz Antunes de; GARCIA, Gilvan Antônio. Sistemas


eletroeletrônicos. São Paulo: Érica, 2014.

BOYLESTAD, Robert L. Introdução à análise de circuitos elétricos. 12 ed. São


Paulo: Pearson, 2012. 959 p.

CHOUERI JUNIOR, Salomão; CRUZ, Eduardo César Alves. Eletrônica aplicada. 2 ed.
São Paulo: Érica, 2008. 296 p.

CRUZ, Eduardo César Alves. Circuitos elétricos: análise em corrente contínua e


alternada. São Paulo: Érica, 2014.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário escolar da língua portuguesa


Aurélio Júnior. 2 ed. Curitiba: Positivo, 2011.

MAIA, José da Silva; URBANETZ JUNIOR, Jair. Curso técnico em eletrotécnica,


módulo 4, livro 20: eletrônica aplicada. Curitiba: Base Livros Didáticos, 2009.

MARKUS, Otávio. Circuitos elétricos: corrente contínua e corrente alternada. 5 ed.


São Paulo: Érica, 2006.

PINTO, Luiz Fernando Teixeira. Eletrônica analógica. Apostila técnica do Centro Paula
Souza. São Paulo, 2013.

TORRES, Gabriel. Eletrônica: para autodidatas, estudantes e técnicos. Rio de


Janeiro: Novaterra editora, 2014.
97