Você está na página 1de 49

COLÉGIO SANTOS DUMONT

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Indaiatuba
2015
COLÉGIO SANTOS DUMONT

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Manual para a elaboração de trabalhos


acadêmicos apresentado aos cursos
Técnicos do Colégio Santos Dumont de
Indaiatuba, com o intuito a auxiliar na
padronização da produção acadêmica.

Material organizado para a Unidade de


Indaiatuba, tendo como base as normas
da ABNT, literatura específica e material
disponibilizado pelo Colégio Santos
Dumont.

Indaiatuba
2015
LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1 – Exemplo de citações e apresentação do texto............................. 13


FIGURA 2 – Exemplo de tabela ....................................................................... 14
FIGURA 3 – Exemplo de quadro...................................................................... 14
FIGURA 4 – Modelo de capa ........................................................................... 16
FIGURA 5 – Modelo de página de rosto .......................................................... 17
FIGURA 6 – Modelo de folha de aprovação..................................................... 18
FIGURA 7 – Modelo de dedicatória.................................................................. 19
FIGURA 8 – Modelo de agradecimentos.......................................................... 20
FIGURA 9 – Modelo de epígrafe ...................................................................... 21
FIGURA 10 – Modelo de resumo ..................................................................... 22
FIGURA 11 – Modelo de abstract .................................................................... 23
FIGURA 12 – Modelo de lista de figuras .......................................................... 24
FIGURA 13 – Modelo de lista de tabelas ......................................................... 25
FIGURA 14 – Modelo de lista de abreviaturas e siglas...................................... 26
FIGURA 15 – Exemplo de sumário ................................................................. 28
FIGURA 16 – Exemplo de referências ............................................................. 32
FIGURA 17 – Exemplo de anexo ..................................................................... 33
FIGURA 18 - Tabela de abreviaturas dos meses da NBR-6023 ...................... 49
LISTA DE QUADROS

QUADRO 1 – Estrutura textual e aspectos gráficos para monografias ............ 12


QUADRO 2 – Elementos pré-textuais .............................................................. 15
QUADRO 3 – Elementos pós-textuais.............................................................. 31
QUADRO 4 – Formato de inclusão de data ..................................................... 48
SUMÁRIO

1 TRABALHOS ACADÊMICOS ..................................................................................... 10


1.1 Terminologias gerais ........................................................................................... 10
1.1.1 Aspectos técnicos da redação.................................................................... 10
1.2 Estrutura ................................................................................................................. 14
1.3 Elementos pré-textuais........................................................................................ 15
1.3.1 Capa.................................................................................................................. 15
1.3.2 Pagina de rosto .............................................................................................. 16
1.3.3 Folha de Aprovação ...................................................................................... 17
1.3.4 Dedicatória e Agradecimentos.................................................................... 18
1.3.5 Epígrafe............................................................................................................ 20
1.3.6 Resumo............................................................................................................ 21
1.3.7 Abstract ........................................................................................................... 22
1.3.8 Lista de ilustrações e lista de tabelas ........................................................ 23
1.3.9 Sumário............................................................................................................ 26
1.4 Elementos textuais............................................................................................... 28
1.4.1 Introdução ....................................................................................................... 28
1.4.2 Desenvolvimento ........................................................................................... 30
1.4.3 Conclusão ....................................................................................................... 30
1.5 Elementos pós-textuais....................................................................................... 30
1.5.1 Referências ..................................................................................................... 31
1.5.2 Anexo ............................................................................................................... 32
2 CITAÇÃO BIBLIOGRÁFICA ........................................................................................ 35
2.1 Sobre a NBR 10520/2002 ..................................................................................... 35
2.2 Conceito ................................................................................................................. 35
2.3 Objetivo da NBR 10520........................................................................................ 35
2.4 Regras gerais de apresentação ......................................................................... 35
2.5 Tipos de citação.................................................................................................... 36
2.5.1 Citação direta.................................................................................................. 36
2.5.2 Citação indireta .............................................................................................. 39
3 REFERÊNCIAS ............................................................................................................. 40
3.1 Conceito ................................................................................................................. 40
3.2 Regras gerais de apresentação ......................................................................... 40
3.2.1 Formas de entrada......................................................................................... 40
3.2.2 Livros ............................................................................................................... 42
3.2.3 Livros em meio eletrônico ........................................................................... 43
3.2.4 Capítulos de livros......................................................................................... 43
3.2.5 Capítulos de livros em meio eletrônico .................................................... 43
3.2.6 Artigos de periódicos ................................................................................... 44
3.2.7 Artigos de periódicos eletrônicos.............................................................. 44
3.2.8 Artigos da internet......................................................................................... 44
3.2.9 Evento (congresso, encontro, simpósio, etc).......................................... 45
3.2.10 Evento (congresso, encontro, simpósio, etc) em meio eletrônico.... 45
3.2.11 Trabalho apresentado em evento............................................................. 45
3.2.12 Trabalho apresentado em evento em meio eletrônico ........................ 46
3.2.13 Imagem em movimento (vídeos, filmes, DVD)....................................... 46
3.2.14 Teses, Dissertações e Monografias......................................................... 46
3.2.15 Apud (citado por, conforme, segundo)................................................... 47
3.2.16 Data ................................................................................................................ 47
3.3 Algumas considerações em referências ......................................................... 50
MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE

TRABALHO DE CONCLUSAO DE

CURSO

De acordo com a NBR 14724 da ABNT/Dez. 2005.


10
1 TRABALHOS ACADÊMICOS

1.1 Terminologias gerais

Para fins deste trabalho são utilizados os seguintes termos:

➢ Trabalho de conclusão de curso: documento que representa o


resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto
escolhido, necessário para a conclusão de um curso, geralmente
elaborado nas últimas séries do curso e possuindo regulamento
específico. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador.

1.1.1 Aspectos técnicos da redação

Para os trabalhos de conclusão de curso digitados em computador,


sugerem-se como melhor formatação os parâmetros descritos no quadro a seguir:
Papel Tamanho A4 (21,0 cm x 29,7 cm).
Superior – 3 cm
Inferior – 2 cm
Margens
Esquerda – 3 cm
Direito – 2 cm
Fonte Somente Arial.
12 – texto
Tamanho da fonte
11 – citações acima de 3 linhas e recuadas
Alinhamento do
Justificado.
parágrafo
Início do parágrafo Alinhar com espacejamento de início de parágrafo de 1,5 cm.
Todo o texto deve ser digitado com espaço 1,5, observando as
seguintes exceções: as citações literais com mais de 3 linhas, as
Espacejamento notas de rodapé, as legendas das ilustrações e tabelas, os
elementos da folha de rosto (natureza do trabalho, objetivo, etc) e as
referências, que devem ser digitadas com espaço simples.
Espacejamento entre
As referências, ao final do trabalho, devem ser separadas entre si
parágrafos nas
por dois espaços simples ou um duplo.
referências
11
Todas as folhas, a partir da página de rosto, devem ser contadas
sequencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada a
partir da primeira folha da parte textual (“Introdução”) em algarismos
Numeração de páginas arábicos, no canto superior direito da folha, a 2 cm da borda
superior. Havendo apêndice e anexo, as suas folhas devem ser
numeradas, de forma a dar continuidade a numeração do texto
principal.
Indicativo numérico de Precede o título, alinhado a esquerda e separado apenas por um
seção espaço de caractere.
Listas (ilustrações, abreviaturas, siglas, símbolos), resumo, sumário,
agradecimento, referência, glossário, apêndice(s), anexo(s),
Títulos sem indicativo
índice(s), errata – devem ser centralizados e vir em maiúscula e
numérico
negrito. A folha de aprovação, a dedicatória e a epígrafe são
elementos sem título e sem indicativos numéricos.
12

Seções e subseções Seção primária (1; 2; 3, etc.) – sempre inicia uma nova página
Seção secundária em diante (1.2; 2.2; etc.) – permanece na
seqüência do texto.
Citações Ver capítulo 2.
As notas de rodapé podem ser notas de referência e notas
explicativas. As notas de referência são utilizadas para indicar a
fonte da citação. As notas explicativas são usadas para inserir
informações complementares ao texto principal, para remeter o leitor
Notas de Rodapé a outras partes do trabalho, indicar outros textos em que se discute
uma questão e para trazer a versão original de alguma citação.
Devem ser colocar na parte inferior da página e separadas por um
traço contínuo de 3 a 4 cm e digitadas em espaço simples, com
caracteres menores (fonte 10) do que os usados no texto.
Devem sempre ser iniciados em uma nova página, mesmo que
sobre espaço suficiente na página em que termina o capítulo
Capítulos anterior. Os títulos, em maiúscula, são numerados em algarismos
arábicos:
1 CARACTERISTICAS DE UM PLANO DE NEGÓCIOS
Escritos de forma homogenia, os títulos das subseções devem ser
separados do texto que os precede ou que os sucede por dois
espaços 1,5 entrelinhas e devem ser numerados conforme a seção
a que pertencerem: 2.1, 2.1.1, 2.1.1.1, etc. O texto não deve
Subtítulos e subdivisões ultrapassar a seção quinária (5º seção).
- Seção secundária – fonte 12, somente maiúscula a primeira letra,
sendo as demais minúsculas, negrito.
- Seção terciária em diante - fonte 12, somente maiúscula a primeira
letra, sendo as demais minúsculas, negrito e itálico.
Quantidade mínima de 25 páginas de corpo de texto (introdução, desenvolvimento e
páginas do trabalho conclusão).
QUADRO 1 – Estrutura textual e aspectos gráficos para monografias.

Citações: até três linhas devem caracterizar texto normal, observando as


aspas no início e fim da citação e sua referência no texto. Citações acima de três
linhas devem aparecer recuadas em 4 cm, fonte 11, em espaçamento simples.
(Figura 1).
FIGURA 1 – Exemplo de citações e apresentação do texto

Siglas e abreviaturas: ao aparecerem pela primeira vez no texto, devem ser


colocadas após o nome por extenso, entre parênteses: Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT). Após podem ser colocadas abreviadas em todo o texto.
Notas de rodapé: devem ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do
texto por um espaço simples de entrelinhas e por filete de 3 cm, a partir da margem
esquerda.
Legendas de ilustrações: nas legendas de identificação das ilustrações
(quadros, figuras, gráficos, etc.) sua identificação aparece na parte inferior, precedida da
palavra de designativa, seu número de ordem de ocorrência no texto, título, legenda
explicativa e fonte (quando houver). As informações devem ser digitadas em fonte 10,
menor que a do texto, como no exemplo abaixo.

Tabelas e quadros. Muitos confundem, mas existe diferença entre tabelas e


quadros.
De acordo com ABNT (2002b, apud FRANÇA, 2003, p. 95) “as tabelas apresentam
informações tratadas estatisticamente, enquanto que os quadros contêm informações
textuais agrupadas em colunas” (grifo nosso).
As tabelas e os quadros devem conter um título claro e conciso, sem abreviações.
Na tabela, esse título é localizado acima dela, enquanto no quadro, logo abaixo. O
título deve indicar, além da natureza do assunto, as abrangências geográfica e temporal
dos dados numéricos. A tabela não deve ser fechada lateralmente (Figura 2), mas no
quadro isso não acontece (Figura 3). A fonte deve ser citada abaixo da tabela ou quadro,
em letra maiúscula e minúscula para indicar a autoridade/informações da tabela, precedida
da palavra Fonte:
As tabelas devem ser elaboradas de acordo com a Norma de Apresentação
Tabular do IBGE, edição de 1993.

FIGURA 2 – Exemplo de tabela

FIGURA 3 – Exemplo de quadro

1.2 Estrutura

A estrutura dos trabalhos acadêmicos está definida na norma 14724 da ABNT que
foi criada para especificar a apresentação de trabalhos de conclusão de curso e que teve
sua última revisão em agosto de 2002. Além desta norma, um padrão interno do colégio
também foi adotado para algumas regras de apresentação.
O trabalho de conclusão de curso, divide-se em três partes: elementos pré-
textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais.

1.3 Elementos pré-textuais

A ordem de disposição dos elementos é a seguinte:

CAPA……………………....................................…..(OBRIGATÓRIO)
FOLHA DE ROSTO………......................................(OBRIGATÓRIO)
FOLHA DE APROVAÇÃO…...................................(OBRIGATÓRIO)
DEICATÓRIA………...............................................(OBRIGATÓRIO)
AGRADECIMENTO…....................................….....(OBRIGATÓRIO)
EPÍGRAFE………...................................................(OBRIGATÓRIO)
RESUMO………......................................................(OBRIGATÓRIO)
ABSTRAT……….....................................................(OBRIGATÓRIO)
LISTA DE FIGURAS…............................................(OBRIGATÓRIO)
LISTA DE TABELA……...........................................(OBRIGATÓRIO)
LISTA DE ABREVEATURAS E SIGLAS……….......(OBRIGATÓRIO)
SUMÁRIO……….....................................................(OBRIGATÓRIO)

QUADRO 2 – Elementos pré-textuais

A seguir, poderemos visualizar exemplos dos elementos pré-textuais.

1.3.1 Capa

A capa é um elemento obrigatório e deve conter, conforme figura 4, as


informações nesta ordem:
✓ Nome da instituição (Fonte Times ou Arial, tamanho 14, negrito e caixa alta);
✓ Nome do autor;
✓ Título;
✓ Subtítulo (se houver);
✓ Número de volumes (caso haja mais de um, deve ser indicado em cada capa
seu respectivo número);
✓ Local;
✓ Ano de entrega (depósito)
COLÉGIO ALBERTO SANTOS DUMONT
(fonte 14, maiúscula, negrito)

NOME COMPLETO
(fonte 12, somente maiúscula, negrito)

TÍTULO COMPLETO
Subtítulo (se houver)
(fonte 14, somente o título em maiúsculas, negrito)

Indaiatuba
2015
(fonte 12, negrito)

FIGURA 4 – Modelo de capa

1.3.2 Página de rosto

A página de rosto é um elemento obrigatório e deve conter, conforme figura 5, as


informações nesta ordem:
✓ Nome do autor;
✓ Título;
✓ Subtítulo (se houver);
✓ Número de volumes (caso haja mais de um, deve ser indicado em cada capa
seu respectivo número);
✓ Natureza (TCC, tese, etc), objetivo (aprovação de disciplina, grau
pretendido, etc), nome da instituição e área de concentração (se
houver);
✓ Nome do orientador;
✓ Nome do co-orientador (quando houver);
✓ Local;
✓ Ano.
NOME COMPLETO
(Fonte 12, maiúsculas, negrito).

TÍTULO COMPLETO
Subtítulo (se houver)
(Fonte 14, somente o título em maiúsculas, negrito).

Alinhado do centro para direita da página.

Trabalho de conclusão de curso


apresentado ao Colégio Alberto
Santos Dumont de Indaiatuba, para
a obtenção do título de Habilidade
Técnica em Mecatrônica

Orientador: Prof. Lucas Konishi

Indaiatuba
2015
(Fonte 12, negrito)

FIGURA 5 – Modelo de página de rosto

1.3.3 Folha de aprovação

A folha de aprovação é elemento obrigatório e deve constar após a página de


rosto. Deve conter as informações, como mostra a figura 6, na seguinte ordem:
✓ Nome completo do autor;
✓ Título do trabalho;
✓ Subtítulo (se houver);
✓ Natureza da aprovação;
✓ Nome do orientador;
✓ Nome do co-orientador (se houver);

✓ Nome dos componentes da banca;

✓ Local e ano.
NOME COMPLETO
(Fonte 12, maiúsculas, negrito).

TÍTULO COMPLETO
Subtítulo (se houver)
(Fonte 14, somente o título em maiúsculas, negrito).

Exemplar corresponde à redação final do


Trabalho de Conclusão de Curso, como
requisito parcial para a obtenção do título de
Habilidade Técnica em ______________
pela Comissão Julgadora, no Colégio
Alberto Santos Dumont, de Indaiatuba.

Data da aprovação: ___ / ___ / ______

Orientador: ________________________

Componente da banca: _______________________

Componente da banca: _______________________

Indaiatuba
2015
(Fonte 12, negrito)

FIGURA 6 – Modelo de folha de aprovação.

1.3.4 Dedicatória e agradecimentos

A(s) dedicatória(s) e agradecimento(s) são elementos opcionais, de redação livre e


de responsabilidade do autor. Deve observar-se apenas sua posição junto ao texto,
colocadas após a página de rosto ou errata se houver, na ordem em que são aqui
apresentadas (figura 7 e 8).
Dedico este trabalho a Deus e
meus pais com todo carinho.

FIGURA 7 – Modelo de dedicatória


AGRADECIMENTOS

Gostaria de agradecer
primeiramente a Deus.
Ao meu orientador profº ________
por sua dedicação e a paciência
durante este período em que
convivemos.
Agradecer aos meus colegas do
Colégio Alberto Santos Dumont, por
todo o tempo que estive junto,
pelas brincadeiras e momentos
sérios.
Agradeço o apoio da minha família,
que som vocês eu não chegaria até
ao fim.
Enfim, a todos que contribuíram
direta e indiretamente para a
realização deste trabalho.
Obrigado!

FIGURA 8 – Modelo de agradecimentos

1.3.5 Epígrafe

A epígrafe (FIGURA 9) é uma frase (ou um trecho de texto) sempre com a


indicação da autoria, escolhida para anteceder o texto escrito, por ser significativa em
relação à abordagem ou em relação ao conteúdo desenvolvido.
A epígrafe também pode constar nas folhas de abertura das seções
primárias (capítulos), com o intuito de ilustrar cada tópico abordado.
“O conceito do ‘homem ideal’ procurado pela

sociedade moderna mudou de um que é

enciclopédia ambulante para um homem

preparado para solucionar problemas. Pode-se

dizer que o valor do ser humano está na sua

criatividade e habilidade para solucionar

problemas. É essa habilidade de solucionar

problemas, e solucioná-los cooperativamente,

que é a chave para a sobrevivência de uma

organização a longo prazo. Mais importante

ainda, a solução de problemas promove

humanidade através do aumento da motivação e

habilidade dos membros da organização.”

Katsuya Hosotani

FIGURA 9 – Modelo de epígrafe

1.3.6 Resumo

O resumo é um elemento obrigatório, constituído de uma sequência de frases


concisas e objetivas e não de uma simples enumeração de tópicos, contendo de 150 a
500 palavras, seguido, logo abaixo, das palavras chaves, conforme a norma NBR
6028 (ABNT, 2005). Acima do resumo deve constar à referência do próprio trabalho,
como mostra a figura 10. A referência deve ser digitada com espaçamento simples e
alinhada a esquerda enquanto o resumo deve ser digitado com espaçamento simples e
alinhamento justificado.
SOBRENOME DO ALUNO, NOME DO ALUNO. TÍTULO DO
TRABALHO.
Indaiatuba, 2015. Trabalho de conclusão de curso (Nível Técnico).
Colégio Alberto Santos Dumont, Indaiatuba, 2015.
_______________________________________________________

RESUMO
(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DE 1,50)

A elaboração do presente trabalho de conclusão de curso tem por


finalidade apresentar.......

(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DE 1,50)


Palavras-chave: .................; .............; ....................

FIGURA 10 – Modelo de resumo

1.3.7 Abstract

O abstract é um elemento obrigatório, com as mesmas características do resumo,


colocado em folha separada (em inglês abstract, em espanhol resumén, em francês
resume, por exemplo) (ABNT 2005). Deve ser seguido das palavras-chaves, também
traduzidas (keywords). Segue as mesmas regras de apresentação do resumo, como
mostra a figura 11.
SOBRENOME DO ALUNO, NOME DO ALUNO. TÍTULO DO
TRABALHO.
Indaiatuba, 2015. Trabalho de conclusão de curso (Nível Técnico).
Colégio Alberto Santos Dumont, Indaiatuba, 2015.
__________________________________________________

ABSTRACT
(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DE 1,50)

Text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text, text,
text, text, text, text, text, text, text, text, text.

(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DE 1,50)

Keywords: ...............; …………..; ………………

FIGURA 11 - Modelo e abstract

1.3.8 Lista de ilustrações e lista de tabelas

Elementos obrigatórios, que devem constar sempre que houver duas ou mais
figuras no texto. Devem ser elaboradas de acordo com a ordem apresentada no texto,
com cada item designado por seu tipo e nome específico, acompanhado do respectivo
número da página (ABNT, 2005, p. 6).
O termo ilustrações designa desenhos, esquemas, figuras, fluxogramas,
fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros. Se
necessário, deve elaborar lista própria para cada tipo de ilustração (lista de figuras, lista de
quadros, etc.). Neste caso, estas listas devem ser ordenadas alfabeticamente. Visualizar
em figuras 12 e 13 .
A lista de tabelas segue a mesma regra para a lista de ilustrações. As
listas devem ser colocadas em folhas separadas.
LISTA DE ILUSTRAÇÕES

(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DUPLO)

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Figura xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

FIGURA 12 – Modelo de lista de figuras


LISTA DE TABELAS

(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DUPLO)

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

Tabela xx: Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa XX

FIGURA 13 – Modelo de lista de tabelas


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DUPLO)

CEUNSP Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

INSEAD Instituto Superior de Engenharia, Arquitetura e Design

TPM Total Productive Maintenance

cos cosseno de um ângulo

tg tangente de um ângulo

CEUNSP Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

INSEAD Instituto Superior de Engenharia, Arquitetura e Design

TPM Total Productive Maintenance

cos cosseno de um ângulo

tg tangente de um ângulo

CEUNSP Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

INSEAD Instituto Superior de Engenharia, Arquitetura e Design

TPM Total Productive Maintenance

cos cosseno de um ângulo

tg tangente de um ângulo

FIGURA 14– Modelo de lista de abreviatura e siglas

1.3.9 Sumário

Considerado elemento obrigatório, trata-se da listagem das principais divisões,


seções e outras partes de um documento, refletindo a organização do texto (FRANÇA,
2003). O sumário é regido pela NBR-6027 revisada em maio de 2003. Não se deve
confundir sumário com índice ou listas. De acordo com a ABNT (2003) a diferença entre
eles é a seguinte:
Índice: lista de palavras ou frases, ordenadas segundo determinado critério, que
localiza e remete para as informações contidas no texto.
Lista: enumeração de elementos selecionados do texto, tais como datas ,
ilustrações, exemplos etc., na ordem de sua ocorrência.
Sumário: enumeração das divisões, seções e outras partes de uma publicação,
na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se sucede.
É importante ressaltar que as informações do sumário devem ser exatamente
iguais às mesmas informações contidas no texto. Como por exemplo, a palavra capítulo,
que deve constar no sumário, se esta constar na abertura do capítulo.
A subordinação dos itens do sumário deve ser destacada pela apresentação
tipográfica utilizada no texto. Os indicativos das seções que compõem o sumário, se
houver, devem ser alinhados à esquerda, conforme a NBR 60241. (ABNT/2003).
O sumário é o ultimo elemento pré-textual do trabalho. A listagem do sumário
começa a partir da introdução.

1
NBR 6024 – Numeração progressiva das seções de um documento escrito – Apresentação. Rio de Janeiro:
ABNT, 2003.
A seguir, exemplo de sumário que deve ser utilizado para o Colégio Alberto Santos
Dumont. Veja figura 15.
SUMÁRIO

(DUAS LINHAS DE ESPAÇAMENTO DUPLO)

1. INTRODUÇÃO

2. AAAAAAAAAAA
2.1. Bbbbbbbbbbb
2.2. Cccccccccccc
2.3. Ddddddddddd
2.4. Eeeeeeeeeee

3. FFFFFFFFFFFF
3.1. Ggggggggggg

4. HHHHHHHHHH
4.1. Iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

5. JJJJJJJJJJJJJJ

6. LLLLLLLLLLLLL

CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANEXO A

ANEXO B

FIGURA 15 – Exemplo de sumário.

1.4 Elementos textuais

O texto propriamente dito é estruturado logicamente em três momentos:


introdução, desenvolvimento e conclusão.

1.4.1 Introdução

Serão considerados os seguintes elementos da introdução, aqui subdivididos


apenas por questões didáticas, mas que devem ser apresentados em um texto
único, sem subtítulo.

➢ Descrição do problema
Expõe-se o problema que vai ser tratado e a sua delimitação, ou seja, sob que
ângulos e levando-se em conta que variáveis e aspectos tal problema será discutido
e analisado.

➢ Justificativa

A justificativa é muito importante, pois indica a relevância do estudo proposto.


Trata-se de mostrar o que se perde, em termos científicos, se tal problema não for
discutido e não se buscar sua solução.

➢ Referencial teórico

O referencial teórico é a base conceitual da qual o pesquisador está partindo. A


sua indicação expressa a familiarização do pesquisador com os conhecimentos já obtidos
em sua área e é, ainda, uma das bases a partir da qual seu trabalho poderá ser
julgado.

➢ Objetivos

Os objetivos explicitam o que se quer buscar. Evidentemente estão ligados ao


problema anteriormente posto e à hipótese inicial que se quer demonstrar com o trabalho
de pesquisa.

➢ Metodologia

A metodologia pode manifestar-se sob dois aspectos:


a) como método de abordagem do problema, conforme perspectiva teórica
adotada;
b) como métodos e técnicas de coleta e análise de dados (abordagem
quantitativa, qualitativa etc).
A definição precisa do problema e a explicitação da hipótese variam conforme o
que se pretende atingir com o trabalho. Assim, muitas vezes, em trabalhos de graduação
e até mesmo em alguns trabalhos de pós-graduação, a pesquisa pode ser "apenas" a
descrição de uma situação ou de um fenômeno, uma organização ou uma reorganização
de dados.
1.4.2 Desenvolvimento

No desenvolvimento aparece o raciocínio do pesquisador aplicado sobre a questão


em foco. Em termos de texto, o desenvolvimento está estruturado em tópicos com suas
respectivas subdivisões.
O desenvolvimento, conforme Severino (2007, p.83),

[...] corresponde ao corpo do trabalho e será estruturado conforme as


necessidades do plano definitivo da obra. As subdivisões dos tópicos (itens,
seções, capítulos etc.) surgem da exigência da logicidade e da necessidade de
clareza e não de um critério puramente espacial. Não basta enumerar
simetricamente os vários itens: é preciso que haja subtítulos portadores de
sentido.

Quando o trabalho envolver pesquisa de campo, o desenvolvimento mostrará os


dados coletados e a análise que sobre eles é feita.

Análise, por sua vez,

[...] é a categorização, ordenação, manipulação, sumarização de dados. Seu


objetivo é reduzir grandes quantidades de dados brutos passando-os a uma forma
mais interpretável e manuseável de maneira que características de situações,
acontecimentos e de pessoas possam ser descritas sucintamente, e as
relações entre variáveis estudadas e interpretadas. A estatística, naturalmente, faz
parte da análise. (KERLINGER, 1980, p.353)

1.4.3 Conclusão

A orientação da ABNT fala na conclusão como consequências dos resultados.


A conclusão, ainda segundo Severino (2007, p.83):

É a síntese para a qual caminha o trabalho. Será breve e visará recapitular


sinteticamente os resultados da pesquisa elaborada até então. Se o trabalho visar
resolver uma tese-problema e se, para tal, o autor desenvolver uma ou várias
hipóteses, através do raciocínio, a conclusão aparecerá como um balanço do
empreendimento. O autor manifestará seu ponto de vista sobre os resultados
obtidos, sobre o alcance do mesmo.

A ABNT sugere que nas conclusões se mostre, também, como os resultados se


relacionam com os objetivos propostos no documento, em termos de recomendações,
sugestões, novas relações e hipóteses aceitas ou rejeitadas.

1.5 Elementos pós-textuais

São apresentados como elementos pós-textuais:


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS…………......(OBRIGATÓRIO)
ANEXO(S)……....................................................……(OPCIONAL)

QUADRO 3 – Elementos pós-textuais

1.5.1 Referências

Elemento obrigatório, as referências bibliográficas formam o conjunto de


informações que permitem identificar as publicações citadas no trabalho. Elas devem ser
relacionadas em lista própria, como elemento pós-textual, ou seja, após o texto da
pesquisa, e deve incluir todas as fontes efetivamente utilizadas para a elaboração do
trabalho. (FRANÇA, 2003).
A norma que rege este elemento é a NBR 6023 revisada em agosto de 2002.
As referências devem ser digitadas em espaçamento 1,5 em ordem alfabética de autor
(sobrenome do autor) e separadas entre si por dois espaços simples. E devem ser
alinhadas a esquerda da página. Para saber como fazer as referências ver o Manual de
Referências Bibliográficas, no capítulo 3 desta obra.
Exemplo de como as informações devem ser dispostas na lista de referências
bibliográficas, veja figura 15:
FIGURA 16 – Exemplo de referências

1.5.2 Anexo

O anexo é um elemento opcional, e consiste em texto ou documento não


elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração (ABNT,
2005, mas que não se incluem no texto para não prejudicar a sequência lógica da
leitura. (FRANÇA, 2003). O(s) anexo(s) deve(m) ser citado(s) no texto, entre
parênteses, quando vier no final da frase ou sem se inserido na redação. Os anexos
devem aparecer em folhas distintas, identificados pela palavra ANEXO, travessão e ordem
alfabética, acompanhado de seus respectivos títulos. Aparecem no topo da folha, em
alinhamento centralizado e devem ser a paginação sequencial do trabalho. Seu
ordenamento é apresentado no sumário, continuadamente aos tópicos abordados no texto.
FIGURA 17 – Exemplo de anexo
MANUAL PARA CITAÇÕES

BIBLIOGRÁFICAS

De acordo com a NBR 10520 da ABNT/Set. 2002.


35
2 CITAÇÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 Sobre a NBR 10520/2002

A NBR 10520, de acordo com a ABNT, foi criada especificamente para


elaboração de Citações Bibliográficas e a última revisão ocorreu em agosto de 2002. A
Associação reformulou a NBR 10520, e ela é a norma que rege atualmente a
padronização dos trabalhos acadêmicos e técnico-científicos que referem-se às
questões de Citações Bibliográficas. Desde então, diversas publicações que tratam de
metodologia do trabalho científico foram revisadas, mas algumas ainda permanecem
com a normalização antiga da ABNT. (SANTOS, 2005).

2.2 Conceito

Citação é "menção de uma informação extraída de outra fonte". (ABNT, 2002b,


p.1).
Também como descreve França et al. (2003, p. 109).

As citações são trechos transcritos ou informações retiradas das


publicações consultadas para a realização do trabalho. São introduzidas no
texto com o propósito de esclarecer ou complementar as idéias do autor. A
fonte de onde foi extraída a informação deve ser citada obrigatoriamente,
respeitando-se desta forma os direitos autorais.

2.3 Objetivo da NBR 10520

Fixar as condições exigíveis para padronização e coerência da seguridade das


fontes indicadas nos textos dos tipos de documentos. (ABNT, 2002b).

2.4 Regras gerais de apresentação

Nas citações, as chamadas são feitas pelo sobrenome do autor, pela


instituição responsável ou título incluído na sentença e devem ser em letras
maiúsculas e minúsculas, e quando estiverem entre parênteses devem ser em letras
maiúsculas.
36
Exemplos:

Escreveu Patto (1999, p. 38) que "fontes históricas disponíveis não


autorizam a conclusão de que [...] a escola tenha sido uma instituição necessária à
qualificação das classes populares para o trabalho".

“As leis gerais são aquelas da economia do mercado e não as da economia


política”. (SEVERINO, 2000, p. 61).

Após a data deve ser citada a página de onde se transcreveu o trecho, após
vírgula e a abreviação de página (p.). Nas citações indiretas, a indicação das páginas
consultadas é opcional.

2.5 Tipos de citação

De acordo com a ABNT, as formas de citações mais conhecidas são: direta,


indireta e citação de citação.

2.5.1 Citação direta

Citações diretas são as transcrições literais de textos de outros autores,


reproduzidas exatamente como constam do original. Também são chamadas de
citações literais ou citações textuais.
Citações diretas, no texto, de até três linhas, devem estar contidas entre
aspas duplas. As aspas simples são utilizadas para indicar citação no interior da
citação.

Exemplos:
Wilmore (1988, p. 56) define-a como "a habilidade para executar níveis de
‘AF’ que variam de moderados a enérgicos sem fadiga excessiva e a capacidade de
mantê-la durante toda a vida".

“... um conjunto de atributos que as pessoas possuem ou conseguem


relacionar com a capacidade de realizar atividade física" (CASPERSEN et al., 1989,
p. 31).
37
Citações diretas, no texto, com mais de três linhas devem ser destacadas
com recuo de 4 cm da margem esquerda, com letra menor que a do texto utilizado,
com espaçamento simples e sem as aspas.

Exemplo:

Ao assim fazê-lo nos atemos ao movimento nos bastidores da sua inserção


e sedimentação no campo educacional, intenso e conflituoso, explorando
as contradições de uma área que assiste seu espaço reduzir-se ao tempo
Observe recuo de 4 cm em que mais apresenta possibilidades e motivos - que não àqueles
fonte 10, espaço simples sintonizados com a lógica oficial - de se fazer presente. (CASTELLANI
FILHO, 1999, p. 24).
38

Nas citações diretas podem ser indicadas supressões, interpolações,


comentários, ênfase ou destaques, do seguinte modo:

➢ Supressões: [...]. Elas podem surgir no início, meio ou fim da citação.

Exemplo:
"Alguns critérios são estabelecidos [...] esclarecendo que a avaliação deverá
ser contínua e cumulativa do desempenho do aluno [...]". (SILVA, 2002, p. 65).

➢ Interpolações, acréscimos ou comentários: [ ].

Exemplo:
A classificação da obesidade infantil, a qual está em aumento em grande
parte do mundo, apresenta uma série de dificuldades que relaciona a
estatura com peso corporal [IMC - índice de massa corporal] já que estes
dois fatores são flutuantes por processos de crescimento e
desenvolvimento. (GUAJARDO, 004, p. 33).

➢ Ênfase ou destaque: grifo, negrito ou itálico.


Exemplo:
“Caracterizada como formadora de pessoal para apoio ao progresso social, a
universidade se objetiva [...]". (SOUZA, 1997, p. 9, grifo nosso).

"Desse ponto em diante na marcha do material na biblioteca [...]". (MEADOWS,


1999, p. 89, grifo do autor).

2.5.2 Citação indireta

Reprodução de idéias e informações sem transcrever as palavras do autor


citado. Assim, não é necessário nenhum tipo de destaque ou aspas.

Exemplos
Outros estudos, citados pela mesma revisão (HARA et al., 1983; KAWATE
et al., 1979; RAVUSSIN et al., 1994) encontraram que grupos de pessoas que
emigraram a ambientes modernos desenvolveram uma incidência maior do Diabetes
Tipo 2, comparados com as suas contrapartes que permanecem em seus lugares de
origem.

Termogêneses, segundo Salbe e Ravussin (2000) se define como um


aumento do RMR em resposta aos estímulos como a ingestão de alimentos,
exposição a mudanças de temperatura ambiental, influência de fatores psicológicos
como medo ou estresse ou o resultado de administração de drogas ou hormônios.
MANUAL PARA REFERÊNCIAS

De acordo com a NBR 6023 da ABNT/Ago. 2002.

3 REFERÊNCIAS

3.1 Conceito

As Referências são o conjunto de informações que permitem identificar as


publicações citadas no trabalho. Elas devem ser relacionadas em lista própria, após o texto
da pesquisa, e devem incluir todas as fontes efetivamente utilizadas para a elaboração do
trabalho. (FRANÇA, 2003).

Os trabalhos de graduação [e pós-graduação] devem, necessariamente, trazer


listados todos os documentos pesquisados pelo autor. As referências bibliográficas
referem-se às fontes efetivamente citadas no corpo da pesquisa com o intuito de
fortalecer a(s) idéia(s) do autor. Já a bibliografia, refere-se a todas as fontes
consultadas, mesmo as que não foram citadas, mas que permitem ao leitor
aprofundar-se no(s) assunto(s) abordado(s) no trabalho. (FACULDADES
NETWORK, 2002 apud SANTOS, 2005, p. 3).

A norma que rege as Referências é a NBR 6023 revisada em agosto de 2002.


Existem vários tipos de referências, textuais impressos ou eletrônicos, cd-rom, vídeo,
musica etc. A NBR 6023 traz a forma correta de descrevê-las, porém neste manual,
apresentamos somente as mais comuns que se apresentam nos trabalhos acadêmicos.

3.2 Regras gerais de apresentação

As referências podem ser apresentadas em notas de rodapé (excepcionalmente),


ao final do texto ou capítulo, antecedendo resumos, ou em lista própria. Nestes casos,
devem ser digitadas em espaçamento simples, em ordem alfabética pela forma de
entrada, separadas entre si por espaço duplo e devem ser alinhadas a esquerda da página.

3.2.1 Formas de entrada

As formas de entrada caracterizam a forma como se apresenta inicialmente a


referência, ou como “encabeça uma referência, determinando sua localização”
(FRANÇA, 2003, p. 130). Os tipos de entrada são autores pessoais, entidades coletivas,
congressos, conferências, simpósios etc, e entrada por título.
Autores pessoais iniciam-se pelo último sobrenome do autor (exceto para
sobrenomes compostos) em maiúsculas, seguido dos prenomes, da forma como
constam no documento. Aconselha-se adotar um padrão de apresentação na lista de
referência, ou seja, com todos os prenomes abreviados ou todos por extenso.

Entidades coletivas referem-se a obras de instituições, organizações, empresas,


comitês, comissões entre outros responsáveis por publicações em que não se distingue
autoria pessoal (ABNT, 2002d).

Exemplos (FRANÇA, 2003, p. 133)


BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação...

MINAS GERAIS. Secretaria do Estado da Educação...

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Biblioteca universitária...

BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil)...

Congressos, conferências, simpósios, seminários etc, são encontros


científicos e incluem-se as informações, nome do evento, numero, ano e local de
realização.

Exemplos
CONGRESSO CIENTÍFICO LATINO-AMERICANO DA FIEP-UNIMEP, 2., 2002,
Piracicaba.

ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO FISICA, 4., 2001, Cascavel.

SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA, 3., 2003, Espírito Santo do Pinhal.

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL QUALIDADE DE VIDA NO ENVELHECIMENTO,


1., 2002, Manaus.

EXPOEPI - MOSTRA NACIONAL DE EXPERIENCIAS BEM-SUCEDIDAS EM


EPIDEMIOLOGIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS, 3., 2004, Brasília.

Entrada pelo título, sempre ocorre em casos anônimos, ou de autoria não


assinada, ou seja, se desconhece o autor. Neste caso, a entrada é feita pelo título e a
primeira palavra significativa do texto deve vir em maiúscula.

Exemplos
O JARDIM das rosas...

NUTRIENT requirements of swine...

Como foi dito anteriormente, existem vários tipos de referências e para todas a
norma tem a forma correta de apresentação. A seguir alguns exemplos dos casos mais
comuns entre os trabalhos acadêmicos.

3.2.2 Livros

Estrutura básica:
AUTOR(es) do livro. Título do livro. edição acima da primeira (2. ed.). Local de
publicação: Editora, ano.

Exemplos:
KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 1998.

MATTOS, M. G.; NEIRA, M. G. Educação física infantil: inter-relações movimento,


leitura e escrita. São Paulo: Phorte, 2002.

TANI, G. et al. Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem


desenvolvimentista. São Paulo: EPU/USP, 1988.
KISHIMOTO, T. M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 3. ed. São
Paulo: Cortez, 1999.

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO. Jogos cooperativos: um exercício de


convivência. São Paulo: [s.n.], 1999.

3.2.3 Livros em meio eletrônico

Estruturas básicas:

Exemplos:
AUTOR(es) do livro. Título do livro. Fonte (se houver). Notas (CD-ROM, DVD).

AUTOR(es) do livro. Título do livro. Fonte (se houver). Disponível em: <endereço
eletrônico>. Acesso em: dia mês abreviado. Ano.

KOOGAN, André; HOUAISS, Antonio (Ed.). Enciclopédia e dicionário digital 98.


São Paulo: Delta/Estadão, 1998. 5 CD-ROM.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Entendendo o meio


ambiente. São Paulo, 1999. Disponível em:
<http://www.bdt.org.br/sma/entendendo/atual.htm>. Acesso em: 8 mar. 1999.

3.2.4 Capítulos de livros

Estrutura básica:
AUTOR(es) do Capítulo. Título do Capítulo. AUTOR(es) do livro. Título do livro.
edição acima da 1ª (2. ed.). Tradutor (se houver). Local de publicação: Editora, ano.

Exemplos:
ARCHER, E. R. O mito da motivação. In: BERGAMINI, C. W.; CODA, R.
Psicodinâmica da vida organizacional. São Paulo: Pioneira, 1990. p. 3-24.

CARNIO, M. S.; COUTO, M. I. V.; LICHTIG, I. Linguagem e surdez. In: LACERDA,


C. B. F. et al. (Org.). Fonoaudiologia: surdez e abordagem bilíngüe. São Paulo:
Plexus, 2000.

3.2.5 Capítulos de livros em meio eletrônico

Estruturas básicas:
AUTOR(es) do Capítulo. Título do Capítulo. AUTOR(es) do livro. Título do livro.
Fonte (se houver). Notas (CD-ROM, DVD).
AUTOR(es) do Capítulo. Título do Capítulo. AUTOR(es) do livro. Título do livro.
Fonte (se houver). Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês
abreviado. Ano.

Exemplo:
GHAROTE, M. L. Yoga aplicada: da teoria a pratica. Tradução e adaptação de
Marcos Rojo. Disponível em: <http://www.phorte.com/informa/mat08.asp>. Acesso
em: 26 fev. 2002.

3.2.6 Artigos de periódicos

Estrutura básica
AUTOR do artigo. Titulo do artigo. In: Nome da revista, Local de publicação,
volume (v.), numero (n.), página inicial e pagina final do artigo (p.00-00), período
(jan./fev.). ano.

Exemplo:
VALLENTINI, N. C. A influencia de uma intervenção motora no desempenho motor e
na percepção de competências de crianças com atrasos motores. Revista Paulista
de Educação Física, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 62-75, jan./jun. 2002.

3.2.7 Artigos de periódicos eletrônicos

Estrutura básica:
AUTOR do artigo. Titulo do artigo. In: Nome da revista, Local de publicação,
volume (v.), numero (n.), página inicial e pagina final do artigo (p.00-00), período
(jan./fev.). ano. Disponível em: <http://www.site.com.br>. Acesso em: 00 jan.
0000.

Exemplo:
CARNETHON, M. R. et al. A Longitudinal Study of Physical Activity and Heart Rate
Recovery: CARDIA, 1987-1993. Medicine and Science in Sports and Exercise, v.
37, n. 4, p. 606-12, apr. 2005. Disponivel em:
<http://server01.bc.unicamp.br/per_eletronico/frameset.htm>. Acesso em: 17 mai.
2005.

3.2.8 Artigos da internet

Estrutura básica:
AUTOR(es) do artigo. Título do artigo. ano (se houver). Disponível em:
<http://www.site.com.br>. Acesso em: 00 jan. 0000.

Quando não houver um título específico no site, colocar o nome do site.


Exemplo:
PEDRINELLI, Verena Junghähnel. A atividade física adaptada no continente sul-
americano. Disponível em:
<http:://www.rc.unesp.br/ib/efisica/sobama/sobamaorg/atividadefisica.pdf>. Acesso
em: 17 mai. 2005.

3.2.9 Evento (congresso, encontro, simpósio, etc)

Estrutura básica:
NOME DO EVENTO, número, ano, local do evento. Tipo de material... (anais,
coletâneas, cadernos, proceedings) Local de publicação: editora, ano de publicação.

Exemplos:
CONGRESSO CIENTÍFICO LATINO-AMERICANO DA FIEP-UNIMEP, 2., 2002,
Piracicaba. Coletâneas... Piracicaba: UNIMEP, 2002.

ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO FISICA, 4., 2001, Marechal Cândido


Rondon-PR. Anais... Cascavel: EDUNIOESTE, 2001.

SIMPOSIO DE FISIOTERAPIA, 3., 2003, Espírito Santo do Pinhal. Anais... Espírito


Santo do Pinhal: CREUPI, 2003.

3.2.10 Evento (congresso, encontro, simpósio, etc) em meio eletrônico

Estrutura básica:
NOME DO EVENTO, número, ano, local do evento. Tipo de material... (anais,
cadernos, proceedings) Local de publicação: editora, ano de publicação. Disponível
em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês ano.

Exemplo:
CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTIFICA DA UFPE, 4., 1996, Recife. Anais
eletrônicos... Recife: UFPE, 1996. Disponível em:
<http://www.propesq.ufpe.br/anais/anais.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997.

3.2.11 Trabalho apresentado em evento

Estrutura básica:
AUTOR(es) do Capítulo. Título do Capítulo. NOME DO EVENTO, número, ano, local
do evento. Tipo de material... (anais, cadernos, proceedings) Local de publicação:
editora, ano de publicação.
Exemplo:
ALMEIDA, M. C. R. Os exercícios físicos e a saúde na terceira idade. In:
CONFERENCIA INTERNACIONAL QUALIDADE DE VIDA NO ENVELHECIMENTO,
1., 2002, Manaus. Anais... Manaus: UFAM/FEF, 2002. p. 49-50.

3.2.12 Trabalho apresentado em evento em meio eletrônico

Estrutura básica:
AUTOR(es) do Capítulo. Título do Capítulo. NOME DO EVENTO, número, ano, local
do evento. Tipo de material... (anais, cadernos, proceedings) Local de publicação:
editora, ano de publicação. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia
mês ano.

Exemplo:

SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total


na educação. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTIFICA DA UFPE, 4., 1996,
Recife. Anais eletrônicos... Recife: UFPE, 1996. Disponível em:
<http://www.propesq.ufpe.br/anais/anais.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997.

3.2.13 Imagem em movimento (vídeos, filmes, DVD)

Estrutura básica:
Título do documento. Direção: Nome. Produção: nome. Local: produtora, ano.
Especificação (videocassete, bobina, DVD etc).

Exemplo:
OS PERIGOS do uso de tóxicos. Produção de Jorge Ramos de Andrade.
Coordenação de Maria Izabel Azevedo. São Paulo: CERAVI, 1983. 1 videocassete
(30 min), VHS, son., color.

CENTRAL do Brasil. Direção: Walter Salles Junior. Produção: Martire de Clermont-


Tonnerre e Arthur Cohn. Interpretes: Fernanda Montenegro; Marilia Pêra; Vinicius de
Oliveira; Sonia Lira; Othon Bastos; Matheus Nachtergale e outros. Roteiro: Marcos
Bernstein, João Emanuel Carneiro e Walter Salles Junior. [S.l.]: Le Studio Canal;
Riofilme; MACT Productions, 1998. 1 bobina cinematográfica (106 min.), son., color.,
35 mm.

3.2.14 Teses, Dissertações e Monografias

Estrutura básica:
AUTOR. Título da tese ou dissertação ou monografia. Ano de defesa. Numero de
folhas (00 f.). tipo de documento (Tese ou Dissertação ou Trabalho de Conclusão de
Curso). Grau e área de concentração (Mestrado em...), (Doutorado em...)-¬atenção
para o traço. Nome da universidade (por extenso). Nome da Faculdade (por
extenso), Local, ano.
Exemplos:
PASETTO, S. C. Os efeitos da utilização de dicas visuais no processo ensino-
aprendizagem de habilidades motoras de aprendizes surdos. 2004. 117f.
Dissertação (Mestrado em Educação Física)-Faculdade de Educação Física,
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

SILVA, L. F. A trajetória da educação física nas primeiras series do ensino


fundamental na rede publica do Estado de São Paulo: entre o proposto e o
alcançado. 2002. 187f. Tese (Doutorado em Educação Física)-Faculdade de
Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

3.2.15 Apud (citado por, conforme, segundo)

Essa expressão é comumente utilizada no texto, mas sua referencia também deve
constar na lista de referências. A mesma regra é utilizada para qualquer tipo de material
(livro, artigo, tese etc). E deve ser da seguinte forma:

Estrutura básica:
AUTOR(es) do documento citado. Título do documento citado. edição acima da
primeira (2.ed.) do livro citado . Local de publicação: Editora, ano. do documento
citado apud AUTOR(es) do documento. Título do documento. edição acima da
primeira (2. ed.). Local de publicação: Editora, ano.

Exemplos:
OLSON, D. R. From utterance to text: the bias of language in speech and writing.
Harvard Educational Review. v. 47, n. 3, p. 257-281, 1977 apud SMITH, F.
Compreendendo a leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do aprender a
ler. 2. ed. rev. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

SMITH, F. Compreendendo a leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do


aprender a ler. 2. ed. rev. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

3.2.16 Data

A data de publicação é um elemento essencial da referência de uma obra e a


NBR-6023 recomenda não deixar nenhuma referência sem data. FRANÇA (2003,
p. 136) diz: “Esta data, de publicação, preferencialmente, pode ser também a de
copyright (registro dos direitos autorais), da impressão, da apresentação, nos casos de
trabalhos acadêmicos”. No entanto, se nenhuma estiver disponível, registra-se uma
data aproximada entre colchetes como veremos adiante.
QUADRO 4 – Formato de inclusão de data

Exemplos:
Fine, R. Psicologia del jugador de ajedrez. Barcelona: Ediciones Martinez Roca,
[1974].

DICIONÁRIO Geral das Ciências Humanas. Direção de G. Thines e Agnes


Lempereur. Lisboa: Edições 70, [1984?].

Para obras que contém somente a data de copyright, registra-se a data acrescida
do copyright (c2000).

Exemplo:
CORREIA, L. A.; RAHM, H. J. Solução para farmacodependentes: uma
experiência terapêutica. São Paulo: Edições Loyola, c1987.

Os meses devem ser indicados de forma abreviada, no idioma original da


publicação, conforme a Tabela de Abreviaturas dos Meses da NBR-6023.
FIGURA 18 - Tabela de abreviaturas dos meses da NBR-6023
Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e
documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro: 2002.

Exemplo:
CARNETHON, M. R. et al. A Longitudinal Study of Physical Activity and Heart Rate
Recovery: CARDIA, 1987-1993. Medicine and Science in Sports and Exercise, v. 37,
n. 4, p. 606-12, apr. 2005.

“Se a publicação indicar, em lugar de meses, as estações do ano ou as


divisões do ano em trimestres, semestres etc., transcrevem-se os primeiros tais
como figuram no documento e abreviam-se os últimos”. (ABNT, 2002d, p. 18).

Exemplos:
MANSILLA, H. C. F. La controversia entre universalismo y particularismo en la
filosofia de La cultura. Revista Latinoamericana de Filosofia, Buenos Aires, v. 24,
n. 2, primavera, 1998.

FIGUEIREDO, E. Canadá e Antilhas: línguas populares, oralidade e literatura.


Gragoatá, Niterói, n. 1, p. 127-136, 2. sem. 1996.
3.3 Algumas considerações em referências

Os autores devem ser separados por ponto e vírgula, e os nomes abreviados


devem conter ponto. Devem começar pelo último sobrenome, seguido do prenome,
exceto para nomes espanhóis, onde a entrada é pelo penúltimo sobrenome.
Quando o autor for repetido na seqüência da referência (por exemplo dois
livros de um mesmo autor), não é necessário repetir, coloca-se um espaço tracejado
(sublinear) da seguinte forma: . (equivalente a seis espaços e ponto final). O
mesmo deve ser adotado para capítulos de livros, quando o autor do capítulo for o
mesmo do livro. Neste caso, o tracejado irá em substituição ao autor do livro.

Exemplo
CARNIO, M. S.; COUTO, M. I. V.; LICHTIG, I. Linguagem e surdez. In: .
(Org.). Fonoaudiologia: surdez e abordagem bilíngüe. São Paulo: Plexus, 2000.

Quando houver Editor, Organizador, Coordenador..., estes entrarão como


autores, seguidos dos elementos complementares da seguinte forma: (Org.), (Coord.),
(Ed.), antes do título do livro.
O destaque sempre será no título do livro, ou da revista, NUNCA no título do
capítulo ou artigo. Esse destaque pode ser negrito ou itálico.
A edição deve ser colocada sempre a partir da segunda edição e abreviada da
seguinte forma: 2.ed., quando houver complemento deve ser colocado também
abreviado: 2. ed. rev., 2. ed. rev. e atual., 2. ed. rev. e aum. Quando for primeira
edição não precisa ser colocada na referência.

Não há necessidade de colocar o estado junto com a cidade no Local de


publicação. Somente em casos homônimos (cidades com mesmo nome em estados
diferentes). Também não há necessidade de colocar a palavra editora, no local da
Editora, pois está implícito. Somente colocar se fizer parte do nome, como por exemplo:
Editora da Unicamp.
Elementos complementares como total de páginas do livro, coleção, etc., devem
ser colocados no final da referência, após o ano, na sequência: 000 p. (Coleção...).

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e


documentação: Referencias – elaboração. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6024: Informação e


documentação: Numeração progressiva das seções de um documento escrito – apresentação. Rio de
Janeiro: ABNT, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6027: Informação e


documentação: Sumário - apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: Informação e


documentação: Resumo – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: Informação e


documentação: Citações em documentos – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: Informação e


documentação: Trabalhos acadêmicos – apresentação. 2. ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15287: Informação e


documentação: Projeto de pesquisa – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2005.

Indaiatuba, 27 de Julho de 2015.

TERMO DE UTILIZAÇÃO

Através deste termo, torna-se vigente a utilização do Manual – “NORMAS


PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS”, de nº 001/2015, acima
descrito, como material de apoio à comunidade acadêmica do Colégio Alberto
Santos Dumont de Indaiatuba.

O material, de cunho instrutivo, tem seu conteúdo baseado em obras de


literatura especializada e nas normas referentes à área de Informação e
Documentação, regulamentadas da Associação Brasileira de Normas Técnicas
(ABNT).