Você está na página 1de 7

CAPITULO 01: COMO NASCE UM LÍDER?

TÓPICO 1 - O PERFIL DO LÍDER QUE A IGREJA PRECISA

1. INTRODUÇÃO

O capítulo 16 do livro de Atos registra Paulo e Silas partindo para o que é chamado de segunda viagem missionária. Os
primeiros três versículos deste capítulo descrevem uma passagem rápida por algumas cidades visitadas por Paulo e
Barnabé na primeira viagem missionária, uma destas cidades foi Listra cidade Natal de Timóteo uma aldeia onde o
povo era muito supersticioso.

Então, quando Paulo e Barnabé (por ocasião da primeira viagem) curaram ali um coxo, os habitantes acharam que os
missionários eram os deuses. Possivelmente, foi nesta ocasião, que Timóteo havia se convertido ao cristianismo, e a
igreja nesta cidade havia sido fundada.

Ao chegar a Listra, Paulo e Silas encontraram Timóteo, um jovem com seus 17 ou 18 anos. Com esta separação, Silas
passou a assumir o papel de assistente de Paulo, atribuição que anteriormente era de Barnabé.Então, Paulo oferece ao
dinâmico e promissor jovem Timóteo, uma oportunidade única: ter um bom começo no ministério.

Se você começa bem e corre bem, terá grandes possibilidades de terminar bem!

No convite a Timóteo Paulo, desencadeou um projeto que ele antecipadamente visualizava acerca deste jovem, antes
mesmo dele demonstrar o que poderia ser e fazer. Timóteo não trazia na cabeça uma áurea de confiança e autoridade,
não tinha um cargo de ponta na igreja, não era um presbítero ou ancião.

Os autores Howard e William Hendricks' traçaram o perfil de um mentoreado que vale à pena investir a vida, da
seguinte forma:

• Ele é movido por objetivos? • Ele está ativamente procurando tarefas desafiadoras e responsabilidades maiores? • Ele
toma iniciativa? • Ele é ávido para aprender? • Ele está querendo assumir a responsabilidade por seu próprio
crescimento e desenvolvimento?

2. CARACTERÍTICAS DE ALGUÉM QUE VALE A PENA INVESIR A VIDA: Quando Paulo retorna a Listra,
encontra Timóteo, um discípulo que estava fazendo um excelente progresso na fé. Vejamos algumas razões que levaram
Paulo a convidar Timóteo para acompanhá-lo e investir em seu ministério:

1.Chegou a Derbe e depois a Listra, onde vivia um discípulo chamado Timóteo. Sua mãe era uma judia convertida e seu
pai era grego. 2.os irmãos de Listra e lcônio davam bom testemunho dele. 3 Paulo, querendo levá-lo na viagem,
circuncidou-o por causa dos judeus que viviam naquela região, pois todos sabiam que seu pai era grego. (At 16.1-3)

O texto acima deixa claro que foi Paulo quem tomou a iniciativa na escolha de Timóteo para compor sua equipe
ministerial. "Essa é uma ocasião na história missionária apostólica em que a mente do Espírito é manifesta não somente
ao candidato, mas também ao líder espiritual no campo e aos anciãos das igrejas locais (1 Timóteo 1.18; 4.14; 2
Timóteo 1.6; 2.2).

Além disto, o texto indica quatro características de alguém que vale a pena investir a vida:

1) UMA FORMAÇÃO ESPIRITUAL BÁSICA: Isto implica em conteúdo bíblico acompanhado de experiência
prática.
"... Sua mãe era uma judia convertida" (v. 1b)

No judaísmo do primeiro século existiam vários formas de formação e de educação, mas todas estavam fundamentadas
nos mesmos ideais: que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria e que se alcança essa sabedoria por meio de um
disciplinado estudo da Tora (a lei de Moisés).O judeu piedoso não entendia isso como uma teologia teórica, mas como
forma de educação de vida.
Esse aprendizado fazia parte da vida cotidiana, especialmente no contexto familiar, mas também acontecia dentro das
sinagogas. Listra, a cidade de Timóteo, era uma comunidade campestre, sem sinagoga.Todavia, para os judeus, o mais
importante centro de educação não era a sinagoga, mas sim o lar. Talvez, em Listra, Timóteo nunca tenha visto um rolo
das Escrituras, mas sua mãe Eunice e sua avó Lóide, eram um "rolo" vivo da Palavra de Deus (2 Timóteo 3.14-15).

O autor Barclay diz que, na cultura hebraica, com três anos de idade as crianças eram levadas às sinagogas e com seis
ou sete eram enviadas às escolas fundamentais, onde eram aplicados principalmente os métodos da memorização e da
repetição.

Em 2 Timóteo 1.5, Paulo elogia a formação espiritual de seu filho na fé, não se referindo a piedade judaica, mas cristã!
Para os cristãos judeus, a fé em Cristo é uma verdadeira continuidade da religião do Antigo Testamento.

2) UM BOM CARÁTER: Isto implica em ter uma vida justa e procedimento íntegro.
"os irmãos de Listra icônio davam bom testemunho dele" (v. 2).

Timóteo era bem visto na igreja. Ele avia crescido em estatura espiritual. Sua excelente reputação também contribuiu
para Paulo convidar este jovem para ser seu assistente.

Todavia, caráter não deve ser confundido com a reputação. Note o quadro:

REPUTAÇÃO CARÁTER
As circunstâncias em meio as quais você vive A verdade na qual você crê determina seu caráter
determinam a sua reputação
A reputação é o que se supõe que você seja O caráter é o que você é
A reputação e a fotografia O caráter e a face
A reputação é algo externo que alguém recebe O caráter se desenvolve no interior do ser
A reputação é o que você tem quando junta a uma O caráter é o que você tem quando a deixa
nova comunidade
Sua reputação é construída em um momento Seu caráter é construído ao longo de toda a vida
Sua reputação pode ser aprendida em uma hora Seu caráter não vem à luz em um ano
A reputação cresce como um cogumelo O caráter permanece como a eternidade
A reputação faz alguém rico ou pobre O caráter o faz feliz ou miserável
A reputação é o que os homens declaram a seu Caráter é o que os anjos dizem a seu respeito diante do
respeito em sua lápide trono de Deus

A boa reputação é importante, mas o caráter é imprescindível.

Moody disse: "Se eu tomar conta de meu caráter, minha reputação tomará conta de si mesmo".

Um exemplo coerente de caráter é a forma mais eficaz para revelar a força interior de um homem e de uma mulher. O
pastor Bill Hybels compartilhou em seu livro Liderança Corajosa (São Paulo: Vida, 2002) que o processo de seleção de
um membro de sua equipe é baseado em "três cês": Caráter, Competência, combinação.

Portanto, quando a Bíblia exige que o líder cristão seja "irrepreensível" (1 Timóteo 3.2, grego anenkletos), que significa
"sem mancha", "sem culpa", que na prática quer dizer não ser apanhado em falta, em vício ou escândalo.

Em outras palavras: que ela não tem pecados que não esteja confessado diante de Deus e do Corpo de Cristo, sendo
purificado pela obra do Espírito e da graça de Deus.

3ª) INTEGRADO NA VIDA DA IGREJA LOCAL

Isto implica em ter raízes comunitárias e compromisso com a igreja.

"Chegou a Derbe e depois a Listra, onde vivia um discípulo chamado Timóteo..." (v. 1ª).

A conversão de Timóteo se deu por ocasião da primeira viagem missionária de Paulo.


Durante este tempo o jovem Timóteo congregou naquela pequena e se tornou uma referência de discípulo para todos
que o conheciam.O processo de integrar alguém na igreja local implica em suprir as quatro necessidades básicas do ser
humano: ser conhecido, integrado, compreendido e amado.

4ª) DISPOSIÇÃO PARA ABRIR MÃO DE SEUS "DIREITOS"

Isto implica em submissão consciente e atitude de servo.

"Paulo, querendo levá-lo na viagem, circuncidou-o por causa dos judeus que viviam naquela região, pois todos
sabiam que seu pai era grego". (v.3)

Pelo fato de ter nascido meio judeu Timóteo não havia sido circuncidado — prática comum entre os judeus, desde a
época de Abraão (Gênesis 17.10-14). Através da circuncisão, o individuo habilitava-se a fazer parte do povo de Deus.
Timóteo desejava servira Cristo no ministério, mas a incircuncisãos poderia ser um problema, devido sua origem
misturada —grega e judia — pois nas regiões por onde ele acompanharia Paulo, havia muitos judeus, que sabiam que
seu pai era grego.

Timóteo não era obrigado a circuncidar-se, pois o próprio Paulo ensinou que a verdadeira circuncisão não é externa.
Pois neste caso específico, havia uma implicação doutrinária: a circuncisão aparece como método para receber a
salvação (Gálatas 2.1-5).

No caso de Timóteo era moralmente indiferente e sem relevância doutrinária. Paulo queria circuncidá-lo para facilitar a
pregação do evangelho aos judeus.

A submissão de Timóteo ao rito da circuncisão é um sinal evidente do seu comprometimento; ele ajudou evitar um
problema potencial com os judeus. Paulo viu em Timóteo, um potencial para ser um líder na igreja emergente, antes
mesmo que ele fosse um sucesso. Naquele momento, a visão do apóstolo em relação ao jovem transcendeu às
circunstâncias a que ele o encontrava. Paulo enxergou Timóteo lá na frente e investiu nele, no seu "aqui" e "agora".
Paulo acreditou em Timóteo.

"Os judeus consideravam a linhagem judaica através da mãe, e não do pai; assim, Timóteo se circuncidou para não
parecer um judeu que tivesse rejeitado a aliança de Deus". (Comentário bíblica Vida Nova, p. 1.638).

TÓPICO 2 - SENDO TREINADO ENQUANTO CAMINHA

1. INTRODUÇÃO

Em Atos 16.4 - 5 mostra Timóteo sendo treinado en - quanto caminha por meio do discipulado de Paulo. Outro termo
utilizado hoje para discipulado é mentoreamento. Mas o que é um mentor ? O Novo Dicionário Aurélio diz que mentor
é uma " guia ", " mestre ", " conselheiro ". Portanto, a mentoria é feita por uma pessoa que você escolhe, ou por aquela
pessoa Deus coloca em sua vida para ser guia, conselheiro, líder espiritual e influenciador.

Resumindo, mentor é alguém com quem você mantém relacionamento e confia!

O mentoreamento é um trabalho intencional. 2010 isto nas dez características de um mentor sugeridas por Howard e
William Hendricksl :

• Cultiva relacionamentos • Está disposto a dar uma oportunidade a você. • É respeitado por outros cristãos. • É
consultado por outros. • É coerente no seu estilo de vida. • É capaz de diagnosticar suas necessidades. • Está
preocupado com os interesses do mentoreado.

Muitos perguntam : Por que ter um mentor humano ? É porque todos nós temos " pontos cegos ", que só as pessoas que
andam conosco mais de perto conseguem enxergar e daí podem nos ajudar a corrigi - los. A grande vantagem de se ter
um mentor humano é que, se estivermos passando por qualquer tipo de dificuldade, temos onde recorrer para pedir
ajuda. Isto, na verdade já existe, pois cada um de nós tem, desde a nossa conversão, pessoas em quem confiamos e
buscamos conselhos. Influenciar é o ato ou efeito de influir, que significa literalmente “fazer fluir para dentro de ". É a
ação que uma pessoa ou coisa exerce sobre a outra ( inspirar, sugerir, incutir e transmitir ). Influência também significa
comunicar. Todos nós exercemos influencia positiva ou negativamente sobre aqueles que estão próximos.

O mentoreamento de Paulo com Timóteo não é o ocasional nem passivo, mas o mentoreamento ativo. Neste tipo de
mentoreamento é que percebemos o poder da influencia, primeiramente, pelo que vêem. Quanto melhor o mentoreado
conhecer o mentor, mais influencia e credibilidade ele terá: Portanto, o currículo básico do mentor é a sua própria vida.

O ato de capacitar no mentoreamento é um processo relacional. Paulo recrutou Timóteo para a sua equipe mis-sionária,
não apenas como acompanhante, mas como obreiro, para assumir o lugar de João Marcos, assim como Silas ocupava o
lugar de Barnabé.

John Maxwell diz que as pessoas sob a influência de alguém que consegue capacitá-las são como folhas de papel
comum nas mãos de um artista.

Logo, nos primeiros passos na caminhada com Paulo (Atos 16.4-5) Timóteo foi treinado por meio de três grandes
experiências, que são indispensáveis na formação de um líder pastoral:

• Andar junto como companheiro de jugo, • Ser um modelo de obediência aos líderes, • Dedicação à igreja local.

2. ANDANDO JUNTO COMO COMPANHEIRO DE JUGO: "Nas cidades por onde passavam..." (Atos 16.4)

O consenso alcançado no Concílio em Jerusalém não foi fácil (Atos 15); As decisões tomadas ali foram motivo de
grande alegria para os gentios; Agora, um dos itens da agenda de Paulo era explicar essas decisões.

" Os críticos do ministério de Paulo orientado aos gentios ( especialmente a facção judaica ) estariam esperando
ansiosamente por uma oportunidade para calar Paulo, ou pelo menos para diminuir a sua influência.

O que tudo isto tem a ver com a formação espiritual de Timóteo? O fato é que mentoreamento não é um curso, um livro
ou um estudo bíblico. O que é um verdadeiro companheiro de jugo ? É alguém que anda junto como parceiro ou sócio
de caminhada, como está acontecendo com Paulo e Timóteo de cidade em cidade. É alguém que nos ama e, cuja vida
está comprometida com a nossa, de forma bem pessoal, porque deseja ver crescer em nós o caráter de Cristo, como
Paulo está fazendo com Timóteo... A vida cristã não pode ser uma aventura solitária!

É alguém que você pode procurar, pois está sempre "disponível" para você e está disposto a pegar o outro lado do fardo
e ajudá-lo. John Maxwell disse que "a credibilidade de um líder começa com o sucesso pessoal e se confirma na
iniciativa de ajudar os outros a alcançar sucesso também".

3. SENDO UM MODELO AUTÊNTICO DE OBEDIÊNCIA AOS LÍDERES "... transmitiam as decisões tomadas
pelos apóstolos e presbíteros em Jerusalém, para que fossem obedecidas" (Atos 16.4)

No que consistiam as "decisões" tomadas em Jerusalém que Paulo precisava transmiti-las?

a) No tocante à salvação, o único elemento essencial era a fé. A circuncisão e a observância da lei não deviam ser
acrescentadas à fé como condições para a salvação.

b) A imoralidade sexual é proibida a todos os cristãos de todos os tempos, mas a lembrança provavelmente era dirigida
especificamente aos convertidos gentios, uma vez que essa era (e ainda é) sua tentação mais persistente.

c) Carnes oferecidas a ídolos, carne de animais estrangulados e sangue eram alimentos proibidos. Tais prescrições não
eram essenciais à salvação, mas visava facilitar a comunhão entre cristãos judeus e gentios.

A medida que Paulo e sua equipe, agora incluindo Timóteo, viajava de igreja em igreja, ele ia explicando aos cristãos o
que o concílio de Jerusalém havia decidido (Atos 15.22-29). Ao transmitir essas decisões e encorajar as igrejas obedecê-
las, Paulo demonstrou a Timóteo ser fiel no trabalho alheio e obediente as ordens superiores.
Paulo sabia que aquelas decisões eram imprescindíveis para unir em comunhão harmoniosa os cristãos judeus e gentios.
Uma experiência de discipulado alicerçada num modelo autêntico de obediência e mentoreamento, como esta que Paulo
deu a Timóteo, é o caminho mais curto para uma frutificação saudável.

4. DANDO “EXEMPLO DE COMO SE DEDICAR À IGREJA LOCAL: as igrejas eram fortalecidas na fé e


cresciam em número cada dia” (Atos 16.5)

Paulo sempre tinha um objetivo maior diante de seus olhos, ou seja, procurava a edificação e o fortalecimento de toda a
igreja...

Podemos reconhecer no exemplo de Timóteo, que Paulo, quando escolhia os seus obreiros dava grande valer às
recomendações da igreja que o enviara. Depois que Paulo, Silas e Timóteo partiram de Listra, eles passaram por cidades
já evangelizadas, fortalecendo a fé dos irmãos.

A situação exigia que Timóteo, por um lado, fosse uma pessoa arrojada e perseverante, para não fazer o mesmo que
João Marcos: desistir da missão (Atos 15.38).

a) Timóteo está percebendo que andar na visão e ritmo do apóstolo Paulo, antes de ser uma "guerra" constante, que
envolvera embates fortíssimos, era viver apaixonadamente pela igreja.

b) Paulo foi colocado por Deus em último lugar, como condenado a morte, ser um espetáculo para o mundo... Sentir-se
fraco, ser desprezado, passar fome, sede e necessidade de roupas... ser tratado brutalmente, não ter residência verta...
Quando amaldiçoado, abençoar; quando perseguido, suportar, quando caluniado, responder amavelmente... Se tornar
escória da terra, o lixo do mundo (1 Coríntios 4.8-13). Tudo por amor a igreja!

Paulo tinha um ministério focado na igreja local. Timóteo precisa ter esta mesma visão e compromisso, para poder
andar no ritmo de Paulo. Logo, podemos afirmar que as possíveis dificuldades são completamente minimizadas e
plenamente suportáveis, devido esta tão gloriosa missão de servir a Deus.Segundo as listas de nomes mencionados nas
suas cartas, Paulo tinha mais ou menos 58 obreiros trabalhando em suas várias equipes.

Paulo mesmo considera-se um influenciador, um modelo a ser seguido.

TÓPICO 3 - OUVINDO A DEUS JUNTOS E PRATICANDO A INTERDEPENDÊNCIA

1. INTRODUÇÃO: Atos 16.6-10 mostra que a estratégia missionária de Paulo e sua equipe estava sob a direção do
Espírito Santo.

O escritor William Macdonald afirma que os cristãos primitivos receberam orientação de Deus pelos seguintes meios:
a) As Escrituras. b) Visões e profecias. c) Circunstancias. d) Conselhos e iniciativas de outros cristãos. e) Comunicação
direta, possivelmente interna e subjetiva. O texto de Atos 16.6-10 revela dois aspectos práticos no processo da formação
espiritual de Timóteo: ouvir a Deus juntos e interdependência.

2. OUVINDO A DEUS JUNTOS: Ouvir a Deus juntos é um dos elementos chaves do mentoreamento. Trata-se de
uma experiência de encontros divinos, onde a vida de alguém é marcada por receber sabedoria, direção ou poder de
Deus pela ajuda de outra pessoa.

Vejamos quatro chaves no processo de ouvir a Deus juntos no contexto do mentoreamento:

a) Observação - procurando analisar a situação do mentoreado de todos os ângulos possíveis;

b) Confronto - através de perguntas, fazendo o mentoreado refletir e chegar as suas próprias conclusões para as
mudanças que deseja;

c) Sugestões - de mudanças, evitando determinar o que o mentoreado deve fazer.

d) Prestação de contas - ser avaliado periodicamente para identificar onde precisa melhorar e dar retorno.
Agora, vejamos os dois elementos no processo de uma boa mentoria que sobressaem no episódio em Trôade, os quais
que são indispensáveis no processo da formação de um líder pastoral: soberania de Deus e interdependência nas
decisões.

Quanto à soberania de Deus. Por duas vezes na passagem o Espírito Santo impediu Paulo e seus companheiros de
pregar o Evangelho: primeiro na província da Ásia e depois em Betânia.

Portanto, a questão chave aqui do "impedimento", não é o quanto Deus quer, mas sim quando Deus quer. Fator tempo.
Quase sempre a base do "espere" de Deus, como neste caso específico, é que Ele, mais à frente, vai realizar um
propósito maior. O texto deixa claro que é Deus quem tem o controle da situação. Deus é o único idealizador e
realizador de todas as obras. Só Ele pode mudar a nossa agenda e destino! Sem essa compreensão da soberania de Deus,
fica difícil atendermos o "espere" dele.

Nos bastidores da equipe missionária, Timóteo está aprendendo que a obra de Deus não deve ser feita na energia da
carne, mas na unção e direção do Espírito Santo. Como membro da equipe de Paulo, Timóteo tem a experiência de ver
Deus agir soberanamente.

Podemos aprender quatro lições com o episódio em Trôade, quanto a soberania de Deus:

a) Reconhecer a soberania de Deus me liberta da ansiedade.

b) Reconhecer a soberania de Deus me livra de ter que "responder" todas perguntas sobre as ações soberanas de Deus.

c) Reconhecer a soberania de Deus me afasta do espírito de orgulho.

d) Reconhecer a soberania de Deus nos leva a errar menos.

3. INTERDEPENDÊNCIA NAS DECISÕES: interdependência nos decisões observe que a visão em Trôade foi dada
a Paulo, mas a decisão de partir foi tomada em equipe. A expressão "concluindo' (v. 10) significa literalmente "juntar",
"encaixar mentalmente", ou inferir algo a partir de uma variedade de dados. Paulo compartilhou a visão aos seus
companheiros de equipe e, depois discutiram seu significado e implicações, então concluíram juntos o que deveriam
fazer. Toda boa equipe que faz decisões de forma participativa é interdependente !

A interdependência é o mais alto nível de compromisso na liderança cristã no contexto de uma igreja local ou equipe,
exatamente por trazer ao nível da consciência, uma realidade espiritual perfeitamente perceptível no Corpo: no corpo
não há membro autônomo.

TÓPICO 4 - EXPERIÊNCIAS PRÁTICAS QUE LEVAM À MATURIDADE DE UM LÍDER

1. INTRODUÇÃO: A experiência de Paulo com Timóteo mostra que o Mentoreamento consiste numa experiência
relacional na qual o mentor capacita seu mentoreado compartilhando os recursos dados por Deus.

Um dos grandes desafios do mentor é tornar a vida do mentoreado relevante, com significado. Timóteo está sendo
treinado por Paulo enquanto caminha. Você deve está percebendo que o relacionamento de Paulo com seus " formandos
" é um relacionamento familiar. Ele utiliza - se da mesma metodologia que vivenciou sob a liderança de Barnabé.
Agora, Paulo e sua equipe ( incluindo Timóteo ) iniciam o processo de formar novas igrejas a partir de grupos
pequenos, não muito promissores, nas cidades de Filipos, Tessalônica e Beréia. Como sabemos, Timóteo era um tanto
tímido e lhe faltava um pouco de auto - confiança. Ele seria mais um João Marcos que desistiria da missão ( Atos 13.13
) ? Não ! Seu mentor o protegeria ! O preparo de Timóteo foi cuidadoso ; foi uma formação espiritual baseada em
experiências práticas, acompanhamento e cuidado pessoal.

2. EXPERIÊNCIAS INÉDITAS: Filipos foi a primeira cidade da Macedônia, a qual Paulo e sua equipe foram depois
de ter aquela visão espiritual em Trôade. (Atos 16.11-18)

De Trôade (passando por Neápolis) até Filipos era cerca e duzentos quilômetros de distancia. Agora, em Filipos temos
três desafios distintos no processo do aprendizado de Timóteo:
1º) Atos 16.1-15, fala de Lídia—uma mulher rica e "intelectual", vendedora de tecidos valiosos, que depois de receber
Jesus, ela e toda sua família foram batizadas. O versículo 40 deixa transparecer que a igreja ali se reunia em sua casa.

2º) Atos 16.16-18, fala de uma jovem — escrava do engano do diabo, cuja possessão demoníaca lhe permitia prever o
futuro e fazer revelações assombrosas. Observe que sua declaração era verdadeira, mas o apóstolo se recusou aceitar o
testemunho de demônios.

3º) Atos 16.19-40, fala do carcereiro — represente do poder. Com a ocorrência do terremoto e a abertura de todas as
portas da prisão, ciente de que perderia a vida por deixar os prisioneiros escaparem, o carcereiro puxou a espada co a
intenção de suicidar-se. Mas lhe garantiu que não avia motivo para isso. Então, o "seu medo de perder o emprego e
talvez a própria vida deu lugar a uma convicção profunda do pecado e ao temor de ir ao encontro de Deus nessa
condição pecaminosa. Daí a sua pergunta aflita: "Senhores que devo fazer para ser salvo?" (Atos 16.30).

Como estas três experiências evangelísticas distintas, vemos que Timóteo está num processo de treinamento vivencial.
Aprendendo aqui também que, para impactar positivamente alguém, precisamos acompanhá-lo e envolver - se em sua
vida; pois o objetivo do treinamento bíblico o deformar e não apenas de informar. Mas um treinamento vivencial
depende do registro diário ( caminhada ) de inúmeros estímulos externos ( visuais, auditivos, etc ) e internos (
pensamentos, emoções e reações ).

3. EXPERIÊNCIAS DIVERSIFICADAS: De Filipos, Paulo e sua equipe viajaram cerca de cento sessenta
quilômetros até Tessalônica. (Atos 17.1-4)

Em Tessalônica, o líder em treinamento, Timóteo, presenciou o quanto o seu mentor era brilhante na defesa da verdade
do evangelho. Vejas as expressões:

• "Discutiu com eles com base nas Escrituras". • "Explicando e provando". • "Foram persuadidos".

A argumentação irrefutável de Paulo persuadiu e converteu alguns judeus, e muitas outras pessoas. Timóteo observava
tudo isto e aprendia sobre mais uma faceta do ministério de Paulo: manejar bem a Palavra da Verdade. Somente um
líder capacitado, como Timóteo, consegue aprender pensar, romper paradigmas e ser autores de sua própria história.

"Provavelmente Paulo permaneceu ali por muito mais tempo (um período que ocorreu entre 17.4 e 17.5). Ele teve que
ficar ali durante o tempo suficiente para fazer todas as coisas mencionadas na sua carta aos tessalonicenses, tais como
exercer o seu trabalho (2.7-9), ter novos convertidos, instruir os novos crentes na vida cristã (4.1-2), e formar um forte
laço de amor com estes crentes (2.17-20). A carta de Paulo as Filipenses indica que ele este em Tes-salônica durante o
tempo suficiente para receber dos filipenses uma ajuda financeira por mais de uma vez (Filipens-es 4.16)."'

Mas em Tessalônica, Paulo também enfrentou forte oposição ao Evangelho (Atos 17.5-9). Em nossa cultura,
especialmente ministerial, ninguém quer "beber um cálice amargo" (Lucas 22.42). Mas, às vezes, o cálice amargo não é
afastado de nós. Esse "cálice" pode ser uma completa rejeição, alienação, rebelião, etc. Não é um sofrimento que nos
destrói, antes, nos torna plenamente humanos!