Você está na página 1de 3

1) Qual o papel da Casa Verde em “O Alienista”:

a) Promover os estudos dos loucos por Simão Bacamarte.


b) Promover festas para a sociedade nobre itaguaiense.
c) Com fins de preservar a ecologia da região.
d) Movimento histórico de grande valia para a região.

2) Considerando-se iniciado o movimento realista no Brasil quando:

a) Aluísio de Azevedo publica O Homem.


b) José de Alencar publica Lucíola.
c) Machado de Assis publica Memória Póstumas de Brás Cubas.
d) As alternativas a e c são válidas.

3) Dentre os personagens abaixo, qual deles promoveu a Revolta dos Canjicas:

a) O barbeiro.
b) O boticário.
c) Padre Lopes.
d) D. Evarista.

Leia o texto para responder as questões de 4 e 5

As crônicas da vila de Itaguaí dizem que em tempos remotos vivera ali um certo médico, o Dr. Simão Bacamarte,
filho da nobreza da terra e o maior dos médicos do Brasil, de Portugal e das Espanhas. Estudara em Coimbra e
Pádua. Aos trinta e quatro anos regressou ao Brasil, não podendo el-rei alcançar dele que ficasse em Coimbra,
regendo a universidade, ou em Lisboa, expedindo os negócios da monarquia. - A ciência, disse ele a Sua
Majestade, é o meu emprego único; Itaguaí é o meu universo. Dito isto, meteu-se em Itaguaí, e entregou-se de
corpo e alma ao estudo da ciência, alternando as curas com as leituras, e demonstrando os teoremas com
cataplasmas. Aos quarenta anos casou com D. Evarista da Costa e Mascarenhas, senhora de vinte e cinco anos,
viúva de um juiz de fora, e não bonita
nem simpática. Um dos tios dele, caçador de pacas perante o Eterno, e não menos franco, admirou-se de
semelhante escolha e disse-lho. Simão Bacamarte explicou-lhe que D. Evarista reunia condições fisiológicas e
anatômicas de primeira ordem, digeria com facilidade, dormia regularmente, tinha bom pulso, e excelente vista;
estava assim apta para dar-lhe filhos robustos, sãos e inteligentes. Se além dessas prendas, - únicas dignas da
preocupação de um sábio, - D. Evarista era mal composta de feições, longe de lastimá-lo, agradecia-o a Deus, por-
quanto não corria o risco de preterir os interesses da ciência na contemplação exclusiva, miúda e vulgar da
consorte. D. Evarista mentiu às esperanças do Dr. Bacamarte, não lhe deu filhos robustos nem mofinos. A índole
natural da ciência é a longanimidade; o nosso médico esperou três anos, depois quatro, depois cinco. Ao cabo
desse tempo fez um estudo profundo da matéria, releu todos os escritores árabes e outros, que trouxera para
Itaguaí, enviou consultas às universidades italianas e alemãs, e acabou por aconselhar à mulher um regímen
alimentício especial. A ilustre dama, nutrida exclusivamente com a bela carne de porco de Itaguaí, não atendeu às
admoestações do esposo; e à sua resistência, - explicável, mas inqualificável, - devemos a total extinção da dinastia
dos Bacamartes. Mas a ciência tem o inefável dom de curar todas as mágoas; o nosso médico mergulhou
inteiramente no estudo e na prática da medicina. Foi então que um dos recantos desta lhe chamou especialmente a
atenção, - o recanto psíquico, o exame da patologia cerebral. Não havia na colônia, e ainda no reino, uma só
autoridade em semelhante matéria, mal explorada, ou quase inexplorada. Simão Bacamarte compreendeu que a
ciência lusitana, e particularmente a brasileira, podia cobrir-se de "louros imarcescíveis", - expressão usada por ele
mesmo, mas em um arroubo de intimidade doméstica; exteriormente era modesto, segundo convém aos sabedores.
Machado de Assis. O alienista.São Paulo: Ática, 1982, pp. 9-10

24) O Alienista, publicado entre outubro de 1881 e março de 1882, é considerado um dos mais importantes contos
de Machado de Assis. A partir da trajetória de Simão Bacamarte, protagonista da história, Machado constrói um
painel da sociedade brasileira de seu tempo, com seus valores, problemas e impasses. Tomando por base o
fragmento selecionado, assinale a opção que melhor exprime a intenção do autor:

a) Valorização da ciência como caminho preferencial para a superação do atraso intelectual do país.
b) Ironia em relação aos critérios utilizados por Simão Bacamarte na escolha de D. Evarista como sua esposa e
genitora de seus filhos.
c) Apoio aos postulados do pensamento positivista e da ideologia do progresso defendidos por Simão Bacamarte.
d) Crítica aos hábitos culturais da vila de Itaguaí, em especial à alimentação, fator que contribuía para a dificuldade
de D. Evarista em engravidar.

5) Em relação ao foco narrativo, podemos afirmar que:

a) a narrativa é constantemente interrompida pelos comentários de Simão, o


que faz dele o narrador da história.
b) alternam-se no trecho narradores de primeira e terceira pessoas, prática
comum na ficção realista.
c) o narrador é de primeira pessoa, onisciente
d) o narrador constrói a sua narrativa a partir da leitura dos cronistas de
Itaguaí, problematizando a noção de origem e a veracidade dos fatos
narrados.

6) O conto O Alienista, de Machado de Assis, escrito em 1882 pode ser interpretado como:

a) uma denúncia aos maus tratos sofridos pelos doentes mentais e pelos escravos, após a Proclamação da
República, em 1889.
b) uma crítica ao cientificismo que acreditava nas leis naturais para explicar o mundo físico e os meandros da mente
humana.
c) uma sátira ao mundo dos loucos que, marginalizados socialmente, estão subordinados às ideias dos políticos que
governam o país.
d) uma proposta teórica cujo princípio baseava-se na ressocialização dos loucos, defendendo seus direitos perante
uma vida social justa.

7) No trecho “No fim de cinco meses e meio estava vazia a Casa Verde; todos curados!” Percebe-se a perspectiva
irônica da obra “O Alienista”, já que esses “doentes” foram internados por apresentarem moral irrepreensível. Com
esse comportamento, o médico demonstra:

a) a maldade dos homens, traçando o destino de seus semelhantes.


b) os limites da razão e da loucura, o equilíbrio de todas as faculdades.
c) o desequilíbrio dos cérebros bem organizados que ele acabara de curar.
d) a fragilidade dos valores humanos com relação ao “certo” e “errado”.

8) Sobre a obra “O Alienista”, de Machado de Assis, indicada para leitura, o personagem Simão Bacamarte internou-
se na “Casa Verde”, como louco, porque:

a) achou em si as características do perfeito equilíbrio mental e moral.


b) detectou em si mesmo algum desequilíbrio das faculdades mentais.
c) verificou, pelas estatísticas, que quatro quintos da população estava
internada naquele estabelecimento.
d) decidiu dar liberdade aos reclusos da “Casa Verde”

9) Com relação ao conto “O alienista”, de Machado de Assis, pode–se afirmar que,

a) o foco do texto é a denúncia da ignorância do povo em relação ao desenvolvimento da ciência brasileira,


sobretudo no que se refere aos avanços das pesquisas sobre a mente.
b) a narrativa, cuja ação se passa no Rio de Janeiro, centra-se na crítica aos valores da classe média urbana,
preocupada apenas com o consumo.
c) com rigor científico e distanciado das injunções do poder, Simão Bacamarte aplica conhecimentos para curar os
seus pacientes e obtém resultados eficazes.
d) ao narrar experiências científicas do alienista, o conto enfoca também o arbítrio e a corrupção dos poderosos,
bem como a impotência da população diante dos acontecimentos.

10) Em “O Alienista”, as pessoas eram trancadas na Casa Verde por que:

a) Tinham comportamentos esquisitos.


b) Desrespeitavam a lei e a ordem.
c) Simão Bacamarte as consideravam loucas. d) O barbeiro as desprezava.
11) Machado de Assis é considerado o grande autor realista da literatura brasileira por muitos manuais didáticos.
Entretanto, o próprio autor vai declarar que “a realidade é boa, o realismo é que não presta pra nada”. “O Alienista” é
um exemplo de que Machado não compactuava com a filosofia da escola realista à medida que o canto apresenta
uma forte crítica à:

a) ciência.
b) doença.
c) religião.
d) emoção.

12) No conto O Alienista, o narrador:

a) recria um episódio histórico de Itaguaí com base em relatos.


b) faz crer que a ética profissional impede a prática de fraudes.
c) supõe que as teorias estejam de acordo com os fatos reais.
d) defende as construções retóricas e a eloquência em voga.

13) Ao longo da narrativa, Simão Bacamarte persegue incessantemente um objetivo. Qual é esse objetivo?

14) O que significa a expressão "Casa de Orates", no texto? A quem ou a que desejava servir Simão Bacamarte,
quando constrói a "Casa Verde" em Itaguaí?

15) A princípio a inauguração do sanatório é comemorada pela população. Entretanto, as pessoas logo mudam de
conduta e se revoltam contra Simão Bacamarte. Por quê?

16) Apesar da revolta popular, da troca de governantes, Simão Bacamarte conta sempre com apoio para realizar
suas experiências. Quem está constantemente ao lado do alienista? Por quê?

17) Que papel desempenha o barbeiro na revolta contra o alienista e como ele se comporta ao chegar ao poder?