Você está na página 1de 18

Hidroponia e Meio Ambiente

A técnica de cultivo de plantas em hidroponia é uma ferramenta poderosa na


preservação e uso racional da água, permitindo a economia deste recurso
natural da ordem de dez vezes, quando comparado a outros sistemas de cultivo
(convencional ou orgânico) no solo fazendo uso de irrigação. Baseia-se no
princípio de reciclagem do uso da água por períodos de 30, 60 dias ou mais.
Reduz drasticamente o uso de agrotóxicos: não utiliza herbicidas, diminui a
aplicação de inseticidas e fungicidas, por ser feito em ambiente protegido
(estufas ou viveiros). Evita problemas de poluição de mananciais causados pelo
carreamento de solo e fertilizante nos processos de erosão. Possibilita o cultivo
em áreas íngremes e o reaproveitamento das áreas degradadas, impróprias para
o cultivo convencional no solo.
A técnica do cultivo hidropônico garante ainda a obtenção de alimentos
saudáveis e livres de contaminações biológicas ou químicas devido à
obrigatoriedade de uso de água potável no processo produtivo. Países como
Holanda, Bélgica e Alemanha descartam a solução nutritiva das modernas
estufas, destinando-a às estações de tratamento de água para impedir a
degradação do meio ambiente. No Brasil recomenda-se sua diluição em
irrigação de outras culturas.

A hidroponia como solução sustentável


A hidroponia é uma técnica de cultivo onde as plantas não crescem no solo. Suas raízes
recebem uma solução balanceada com nutrientes e água.

Esse tipo de cultivo passou a ser difundido a partir dos anos 70, quando o pesquisador
inglês Allen Cooper desenvolveu um sistema com “canais” de cultivo (abaixo), pensado
de forma a reduzir a quantidade de água aplicada na produção.

No Brasil, a técnica de cultivo cresce aproximadamente 30% por ano, desde o início da
década de 90, quando passou a ser mais difundida no país.
Na hidroponia, as plantas podem estar suspensas em meio líquido ou apoiadas em
substrato inerte, como argila expandida, fibra de coco e areia lavada.

Essa técnica apresenta muitos benefícios, tanto para produtores, quanto para os
consumidores e até mesmo para o meio ambiente.

O primeiro é a diminuição na área de cultivo. Segundo o Dr. Jorge Barcelos, professor e


supervisor do Laboratório de Hidroponia da Universidade Federal de Santa Catarina:

Um hectare estufa preparada para o cultivo hidropônico pode produzir


o equivalente a até 30 hectares de cultivo no campo aberto.
Mesmo não sendo livre de fertilizantes industriais, a hidroponia é mais saudável que o
modo de cultivo tradicional, já que não agride o solo e utiliza a água de maneira
sustentável.

Assim, a hidroponia utiliza menos insumos, agride menos o solo, produz mais e num
espaço menor, durante todo o ano. Na Europa já é vista como uma ótima opção para o
cultivo doméstico e comunitário, mesmo dentro das cidades, pois ajuda também na
purificação do ar.

Produto Orgânico e Hidropônico


Postado 6 anos atrás

por em Gestão Ambiental

Após um enorme período onde se produzia sem muita preocupação ou em muitos dos
casos, bem antes de movimentos pró saúde alertarem dos perigos do uso dos
agrotóxicos e pesticidas, o que importava era a farta colheita tanto em quantidade e no
tamanho do que colhiam.Portanto após estudos verificaram que os fertilizantes e
pesticidas traziam grandes prejuízos futuros para a população, muitos dos produtos
foram exterminados, mas continuam a ser utilizados nas agriculturas convencionais, é
claro que com olho constante de como e o que esta sendo feito todo o processo.

Produto Orgânico e Hidropônico

Mas de uns anos para cá muitos países iniciaram uma maneira em produzir excluindo
os fertilizantes e pesticidas, até mesmo os produtos que regularizam o crescimento do
que se planta, utilizando apenas esterco de animais, adubação verde, fazendo o controle
biologicamente das pragas.Com isso criou-se a agricultura orgânica, que nada mais é a
utilização de um solo muito mais saudável, sem a adição de fertilizantes e
pesticidas, feita tudo com adubos que são extraídos dos animais, de compostagem,
enfim isto proporciona um alimento muito mais saudável, de qualidade muito superior
as convencionais.Uma agricultura orgânica ou biológica nada mais é que a produção
dos alimentos vegetais, hortifruti sem o uso de fertilizantes e pesticidas químicos
sintéticos, jamais entraria para a cultura produtos que sejam geneticamente
transformados.

Produto Orgânico e Hidropônico

Quando se fala em hidroponia, pode-se dizer que são vegetais sendo cultivados acima
do solo, em uma armação que é construída para dar sustentação às plantas, dispensando
o uso de pedras, areia ou terra, esta armação tem que estar a uns 0,80cm do solo, para
que sejam colocado os nutrientes compostos de água pura mais nutrientes que são
misturados a esta água de uma forma que seja totalmente balanceado.

Produto Orgânico e Hidropônico


Esses nutrientes são administrados todos os dias com total balanceamento, de acordo
com as necessidades de cada espécie que esta sendo cultivada, estabelecendo assim uma
qualidade bem mais superior, pois toda a plantação é aproveitada, não há
desperdício estando dentro de uma estufa, protegido de todos os transtornos do clima,
protegido de todos os insetos e qualquer outro tipo de parasitas que são próprios de
solo.Por outro lado há quem diga que o que foi determinado para que a natureza atuasse
o homem não deveria querer mudar tais conceitos, deixaria de ser algo natural, portanto
como podem dizer que uma planta não necessita de sol do luar, do vento e
principalmente da terra que fornece seus nutrientes favoráveis as plantações.Pois bem os
produtos orgânicos e os Hidropônicos são bem parecidos em sua composição, mas de
uma maneira bem diferente em sua produção, o orgânico tendo de ter certificado a
qualidade, tendo de obter as normas estabelecidas por órgãos do governo e o
hidropônico tendo ainda que entrar na lista de prioridades para que estabeleçam normas
mais rigorosas quanto à qualidade dos produtos.

O CULTIVO HIDROPÔNICO E A PRÁTICA DA


AGRICULTURA SUSTENTÁVEL
Publicado em Agosto 16, 2012 por majestadeverde

Ana Karlla de Melo Santos

Anna Raquel Nunes Sanchez

Bruna Camargo Lopes

Laila Munari

Prof. Ms. André Luiz dos Santos – Orientador

Prof. Dra. Claudia de Oliveira Lozada – Co-orientadora

Bacharelado em Engenharia Ambiental

Depto de Engenharia

Resumo
O objetivo deste artigo é demonstrar a hidroponia como alternativa sustentável e
versátil, desde sua aplicação em grandes produções agrícolas até em pequenos cultivos
para ornamentação de interiores. A hidroponia é uma técnica de cultivo, qual se observa
o crescimento de uma espécie vegetal sem a utilização de solo. O processo do cultivo é
simples, porém requer planejamento antes da execução e, monitoramento eficiente
durante o desenvolvimento da espécie, sendo que este ocorre por meio da inserção de
uma solução nutritiva nas sementes, essencial para o crescimento da planta. As grandes
vantagens ambientais ao adotar-se esta técnica, são principalmente o uso cinco vezes
menor de água, o uso dez vezes menor de área e o uso mínimo de agentes químicos. Nas
vertentes social e econômica, a facilidade de aplicação da hidroponia tanto no meio
urbano quanto no rural, é um dos fatores determinantes para adotar-se a técnica, pois
com a criação de cooperativas e associações, por exemplo, surge um vínculo estratégico
entre as problemáticas de geração de renda e inclusão social, assim fechando a tríade
sustentável para esta prática. Dessa forma, desenvolvemos um experimento através dos
sistemas NFT (Nutrient Film Technique) e o de substrato para cultivo de salsa e
cebolinha com materiais caseiros, a fim de demonstrar a técnica da hidroponia. Para
tanto, escolhemos as hortaliças em função de seus tempos de crescimento (que são
rápidos de 15 a 30 dias), objetivando analisar o processo de plantio e desenvolvimento
das mesmas e, as vantagens em relação à técnica tradicional.

Palavras-chave: SistemaNFT.Hidroponia sustentável. Cultivo sem solo.

Introdução

A hidroponia é o cultivo de espécies vegetais sem a utilização de solo, com a inserção


de uma solução nutritiva. Douglas (1987, p.2) explica a gênese do termo hidroponia:

(…) o termo hidroponia deriva de duas palavras gregas: hydro, água, e ponos, trabalho.
A combinação dessas duas palavras significa “trabalhar com água” e implicitamente, o
uso de soluções de adubos químicos para se criar plantas sem terra. Esse significado
opõe-se à agricultura convencional, que poderia ser denominada de geoponia (geo =
terra).

Caporal, Costabeber e Paulus (2006, p.4) por sua vez definem agroecologia:

(…) a agroecologia, mais do que simplesmente tratar sobre o manejo ecologicamente


responsável dos recursos naturais, constitui-se em um campo do conhecimento
científico que, partindo de um enfoque holístico e de uma abordagem sistêmica,
pretende contribuir para que as sociedades possam redirecionar o curso alterado da
coevolução social e ecológica, nas suas múltiplas interrelações e mútua influência.
Dessa forma, visamos no presente artigo demonstrar a técnica hidropônica como plano
de ação local nas produções agrícola e doméstica de espécies vegetais, em prol do
desenvolvimento sustentável, e, será colocada em questão a difusão e a importância da
hidroponia quanto sua utilização no mercado agrícola brasileiro. Como demonstração,
este trabalho compreende também a descrição da montagem de um experimento que
agrega características dos sistemas NFT e o de substrato. Foram utilizados materiais
caseiros a fim de demonstrar a facilidade em cultivar vegetais sem utilizar solo,
inclusive, para uso doméstico em meios urbanos.

1. Os sistemas hidropônicos

Os sistemas hidropônicos têm estruturas baseadas em características próprias, sendo os


tipos mais utilizados:

a) NFT – Técnica de Fluxo Laminar de Nutrientes: Neste tipo, um tanque é utilizado


como reservatório da solução nutritiva, e, esta, através da ligação de uma bomba e tubos
cilíndricos, é bombeada, atingindo os canais do cultivo para irrigação das raízes por
meio do escoamento laminar. Segundo Carvalho (2002, p.20):

o escoamento laminar caracteriza-se pelo movimento ordenado das moléculas do fluido,


e todas as moléculas que passam num dado ponto devem possuir a mesma velocidade.
O movimento do fluido pode, em qualquer ponto, ser completamente previsto.
b) DFT – Cultivo na água ou “floating”: As raízes ficam submersas na solução
nutritiva, que forma uma lâmina profunda. Não há canais, mas sim uma mesa plana qual
a solução circula através de um sistema de entrada e drenagem característico
c) Sistema com substratos: Indicado para cultivo de espécies com as partes aéreas e
radiculares mais desenvolvidas, este sistema agrega a utilização de canaletas ou vasos
cheios de material inerte, como areia, pedras diversas (seixos, brita), vermiculita,
perlita, lã-de-rocha, espuma fenólica (utilizada maquete que ilustra este trabalho) ou
espuma de poliuretano. A solução nutritiva é inserida através desse material e drenada
pela parte inferior dos vasos ou canaletas, retornando ao tanque de solução.
.2. Desvantagens e vantagens do uso da hidroponia

Na hidroponia, pode haver grandes oscilações de produção, dependendo do controle


correto ou incorreto dos fatores de produção fornecidos à planta e, há uma expectativa
relacionada às produções, tendo em vista que:

a) Os custos iniciais dos sistemas são mais altos;

b) O monitoramento mais frequente;


c) Há risco de perdas por falta de energia em sistemas automatizados e;

d) Contaminação da água por microorganismos causadores de doenças.

Porém, é evidente a melhor eficiência observando os seguintes pontos:

a) Na hidroponia, o espaçamento entre as plantas é menor, quando comparado à


produção na terra, valorizando o metro quadrado cultivado;

b) Tendo vista que sua produção é protegida das variações climáticas (geralmente em
estufas) e não é necessária a utilização de pesticida e agrotóxico, as produções
hidropônicas ganham no quesito produtividade e qualidade;

c) A menor incidência de doenças e pragas no cultivo;

d) A melhor programação de produção;

e) Seus ciclos são mais curtos em decorrência do controle ambiental;

f) A eliminação de perdas de nutrientes por lixiviação, escorrimento, volatização e


fixação, resultando em um uso mais racional de fertilizantes;

g) Um grande potencial de automação e;

h) A facilidade de uso do espaço vertical.

2. A técnica experimental caseira – Método e Materiais

Para demonstrar a técnica hidropônica, elaboramos um experimento de uso doméstico,


utilizando os sistemas NFT e o de substrato. Escolhemos salsa e cebolinha para cultivar
por serem duas culturas de fácil germinação (15 a 30 dias).

Utilizamos os seguintes materiais:

1. Um aquário de porte mediano (medidas 20x30x15 cm);

2. Quatro litros de água;

3. Uma bomba Sumergida A100, com vazão de 20 a 100l/h;

4. Duas mangueiras cristal (75 cm cada), com furos feitos com agulha fina para vazão
da solução de nutrientes nas espumas fenólicas;

5. Divisor de mangueiras com duas saídas;

6. Dois blocos de espuma fenólica própria para germinação hidropônica;

7. Nutrientes específicos (NPK + Nitrato de cálcio especial – 8,8 gramas);


8. Sementes de salsa e cebolinha;

9. Caixa de papelão.

10. Dois copos de plástico de 300 ml, com vários furos.

11. Uma metade de garrafa pet (parte inferior da garrafa), com vários furos.

O experimento foi conduzido em 21 de abril de 2012. A semeadura foi realizada na


mesma data e o leito hidropônico de produção foi montado nas seguintes etapas:

a) Montagem do aquário com encaixe da bomba e das mangueiras furadas;

b) Foi adicionado 26% de água da sua capacidade total, ou seja, 4 litros;

c) Foi adicionado 8,98 gramas de solução nutritiva;

d) Para a sustentação das raízes das plantas utilizaram-se dois blocos de esponja
fenólicas fixados na parte superior do aquário.

A solução nutritiva é uma combinação de nutrientes específicos para o cultivo


hidropônico, composto por macro e micro nutrientes (macro: N, P, K, Ca, Mg, S; micro:
Mn, Fe, B, Zn, Cu, Mo, Cl). A bomba impulsiona a circulação da solução, através das
duas mangueiras cristal (efetuam o movimento laminar), que possuem pequenas
perfurações por todo o comprimento inserido no interior das esponjas fenólicas (que
abrigam as sementes) para encharcar as esponjas assim estimulando o desenvolvimento
das sementes. As esponjas fenólicas foram fixadas com certa inclinação (proporcionada
pelos copos de plástico e a metade de garrafa pet, que foram inseridos abaixo das
esponjas como sustentação) a fim de contribuir com o escoamento da solução. O fim
das duas mangueiras cristal encontra com a solução do fundo do reservatório, assim
fechando o sistema circular. Inserimos o maquinário em uma caixa de papelão, a fim de
proteger a solução de nutrientes de raios solares e o mantivemos no quintal de uma
residência, na região oeste da cidade de São Paulo-SP.

O experimento esteve em atenção por 12 horas, o qual mantivemos a circulação por 15


minutos a intervalos de 15 minutos durante o período diurno e, durante a noite,
permaneceu ligado, sucedendo-se o mesmo procedimento nos seguintes dias.

No segundo dia, as sementes de cebolinha já apresentavam sinais de germinação, e,


após uma semana, a plantação de cebolinha apresentou grande avanço, conforme
mostrado na figura 8. As sementes de salsa até o presente momento não apresentaram
progresso; a explicação técnica para isto é (levando em consideração que as condições
para crescimento da salsa são as mesmas que as da cebolinha), é que os furos feitos na
mangueira responsável pela irrigação de nutrientes na esponja que contém as sementes
de salsa, não foram bem distribuídos, deixando as sementes sem receber os nutrientes.
Assim que a colheita da cebolinha for realizada, o equipamento será desmontado para
ajuste dos furos da mangueira e início de nova tentativa.
3. O Brasil por dentro da técnica hidropônica e da agricultura sustentável

Não é difícil compreender a influência econômica que a agricultura gera no Brasil.


Partindo do fato que o espaço é divido entre rural e urbano, e sendo o adensamento
populacional no meio urbano muito maior, o fato das cidades ainda possuírem cultivos
intra-urbanos em locais de risco (por exemplo, sob linhas de transmissão de energia
elétrica), é inaceitável. A luta rural de grandes e pequenos produtores por terras e
desmatamento, também não é mais justificável.
Esta problemática pode ser erradicada por meio de ações que promovam a agricultura
sustentável através de técnicas simples, baratas e eficientes, como a hidroponia. Como
exemplos, citamos o trabalho realizado em Fortaleza/CE, pelo IBEDHS (Instituto
Brasileiro de Estudos e Desenvolvimento da Hidroponia Social) que desenvolve em
escolas a produção de hortaliças em cultivo hidropônico, utilizando os produtos na
merenda escola; em Taboão da Serra/SP, há o Projeto Escola da Hidrogood, que segue a
mesma linha do IBEDHS; e há feiras como o “Encontro Brasileiro de Hidroponia”,
evento onde há exposição de produtos e workshops relacionados à hidroponia.

Sobre agricultura sustentável, no entanto, Ehlers (1994, p.5) esclarece que:

(…) não há um consenso estabelecido sobre o que se entende por agricultura


sustentável. O que se tem hoje é um diálogo construtivo, envolvendo vasta gama de
especialistas e de produtores, que certamente resultará em mudanças, mesmo que
ocorram lentamente.

A sustentabilidade na agricultura anda junto com o incentivo governamental e a


participação social, porém, depende exclusivamente da aplicação de técnicas inovadoras
como a hidroponia.

4. Conclusão

Com o experimento realizado, conclui-se que empregar a técnica hidropônica no


cotidiano das pessoas não é ato impossível e que, o cultivo de hortaliças com
equipamentos caseiros pode contribuir inclusive com a disseminação da ideia de
sustentabilidade com crianças. O grupo compreendeu na íntegra a facilidade e a
importância de se cultivar via hidroponia e, todos pretendem inserir a técnica em suas
residências, tendo em vista que o custo-benefício dará retorno em médio prazo. A
cebolinha em no máximo 20 dias estará pronta para colheita e, a salsa terá de ser
replantada.

A proposta de cultivo hidropônico é atraente e promissora (em função de suas vantagens


já citadas neste artigo) o suficiente para investimentos governamentais, não
governamentais e conhecimento popular e, a sustentabilidade na agricultura só pode ser
alcançada através destes incentivos. Segundo Caporal (2009):

Agricultura sustentável tem que considerar aspectos socioeconômicos e culturais dos


grupos sociais implicados. Não basta proteger e melhorar o solo ou a produtividade
agrícola se não resulta em melhorias nas condições de vida das pessoas envolvidas.
Portanto, agricultura sustentável é um conceito que implica aspectos políticos e
ideológicos que tem a ver com o conceito de cidadania e libertação dos esquemas de
dominação impostos por setores de nossa própria sociedade e por interesses econômicos
de grandes grupos, de modo que não se pode abordar o tema reduzindo outra vez as
questões técnicas.

A simplicidade deste entendimento contrasta a dificuldade que há na aplicação do


conceito. Portanto, a sociedade deve repensar e buscar novas e existentes ações, pois
somente com a união e reivindicação social, o conhecimento e aplicação da ciência
hidropônica (entre muitas outras técnicas que são benéficas ao meio ambiente, à
população e à geração de renda) poderão ser valorizados.
A pegada ambiental da agricultura – a hidroponia como método alternativo para
a produção de alimentos
Published on 2016/05/20

A humanidade enfrenta o seguinte grande desafio: como alimentar todos os dias os


atuais 7 mil milhões de pessoas? E como alimentar 9 mil milhões em 2050?

A agricultura é responsável pelo uso de 70% da água doce no mundo e por cerca de
20% das emissões de gases de efeito estufa. Os pesticidas e fertilizantes agrícolas
poluem as reservas de água e o solo. É uma ação destruidora do ambiente que, para
além do mais, não tem resolvido o problema dos 850 milhões de pessoas que passam
fome no mundo.

Como é possível aumentar a disponibilidade de alimentos e, ao mesmo tempo, reduzir


os efeitos prejudiciais da agricultura no meio ambiente? Novas tecnologias de produção
menos dependentes da utilização de pesticidas, de intensa fertilização química e de
irrigação massiva estão a emergir. A hidroponia baseia-se no crescimento de plantas
sem utilizar solo, ou seja é um método de cultivo que utiliza, por exemplo, uma solução
de nutrientes em vez de solo em associação com um rigoroso controlo das condições
(luz, temperatura,…) para a optimização do crescimento. As plantas crescem numa
matriz inerte à qual é adicionada uma solução de nutrientes cuja composição e
concentração é ajustada às necessidades da espécie a cultivar. A captação dos nutrientes
pela raíz é mais fácil do que no solo.


Algumas vantagens apontadas à hidroponia são: maior rendimento, menor utilização de
água, a não utilização de pesticidas e herbicidas, menor utilização de fertilizantes do
que a agricultura tradicional, para além de ser menos poluente. A redução do consumo
de água em cerca de 90% permite este tipo de cultivo em áreas pobres em recursos
naturais como zonas desértica e urbanas.

Atualmente, a hidroponia representa apenas um nicho do mercado alimentar mas


apresenta grande potencial de crescimento. Os maiores desafios ou barreiras à
implementação da hidroponia abarcam o elevado valor do investimento inicial, os
custos de energia, a necessidade de pessoal qualificado e a relativa complexidade
operacional. As exigências do consumidor e a aposta das instituições governamentais na
alimentação mais saudável serão importantes fatores para o êxito da hidroponia.

Consideramos um bom exemplo de caso de estudo para explorar com os alunos o


conteúdo conceptual “Exploração das potencialidades da Biosfera e produção de
alimentos (cultivo de plantas)” bem como os conteúdos procedimentais “Interpretação
e discussão de dados sobre a intervenção do homem nos ecossistemas para aumentar as
reservas alimentares” e “Análise e interpretação de técnicas de cultura de tecidos
vegetais”.

A análise deste tema permite debater questões como:

 Quais as potencialidades da hidroponia?


 Que impacto tem na produção mundial de vegetais para a alimentação humana?
 Qual o futuro deste tipo de cultivo?

Hidroponia - Uma alternativa de cultivo sustentável

22:01:00 No comments

A hidroponia é uma técnica que surgiu por volta do ano de 1700, porém ela só se tornou técnica
de cultivo comercial recentemente. Apesar de ser uma técnica relativamente muito antiga, o termo
hidroponia só foi utilizado pela primeira vez pelo Dr. William F. Gericke, em 1930. O termo
hidroponia é de origem grega: hydro = água e ponos = trabalho, ou seja, trabalho em água sem
utilização do solo.

A hidroponia é considerada uma técnica alternativa de cultivo, onde não há a utilização do solo,
ou seja, as plantas não crescem fixadas no solo. São utilizadas soluções nutritivas que contêm
todos os nutrientes essenciais para o desenvolvimento da planta. O cultivo é geralmente feito
dentro de estufas.
Existem diversos tipos de sistemas de cultivo hidropônicos que se diferem quanto à sustentação
da planta (meio líquido ou substrato); ao reaproveitamento da solução nutritiva (circulantes ou
não circulantes) e ao fornecimento da solução nutritiva (contínua ou intermitente).

Vale ressaltar que a escolha do sistema de cultivo hidropônico depende das condições locais, da
planta a ser cultivada, dos materiais disponíveis e da viabilidade econômica. O principal sistema
hidropônico utilizado é o de Fluxo Laminar de Nutrientes (NFT). É uma técnica que utiliza um
sistema onde as plantas crescem com o seu sistema radicular em um canal de cultivo com solução
nutritiva (água + nutrientes) circulando intermitentemente em intervalos bem definidos e
controlados por tempo. Os outros sistemas são: a aeroponia, a piscina ou floating e o cultivo com
substratos.
Atualmente, quase todas as espécies vegetais podem ser cultivadas via hidroponia, porém é
necessário (como já dito anteriormente) escolher com atenção o tipo de sistema que irá utilizar
para determinada espécie, a melhor opção de solução nutritiva e a viabilidade econômica, uma
vez que a implantação do cultivo hidropônico demanda altos custos.

O cultivo hidropônico comercial tem sido usado especialmente na produção de alface e tomate,
seguidos de pimentão, pepino, morango, melão, plantas ornamentais, medicinais e aromáticas,
além de outras hortaliças folhosas.

As principais vantagens da hidroponia são: maior uniformidade da produção, maior produção por
área, uso racional de água e fertilizantes, menor uso de agrotóxicos e menor degradação dos solos,
devido a sua não utilização. Além disso, uma produção em ambiente controlado apresenta-se
como uma alternativa para o produtor agrícola que vive em um cenário atual de economia
competitiva e globalizada. A hidroponia, um exemplo de sistema de cultivo protegido, permite
uma redução de perdas e um aumento da produtividade de diversas culturas.