Você está na página 1de 38

COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL

Disciplina : Desenho Técnico Civil


Prof.ª MSc. Laise Kelley Lemos

TEMA AULA 5: Introdução ao Desenho Arquitetônico – Cortes,


Fachadas e Coberturas
Desenho Arquitetônico

CORTES

• O corte consiste
na visualização da
construção, após
a mesma ter sido
cortada por um
plano vertical e
retirada a parte
anterior.
Desenho Arquitetônico
CORTE TRANSVERSAL
Desenho Arquitetônico
CORTE LONGITUDINAL
Desenho Arquitetônico
10.00

CORTES 1.50 7.00 1.50

A
PROJEÇÃO DO BEIRAL
3.90
J2 J1

A. SERVIÇO 2.50
.40x.30 P1 + 0.20

7.15
3.50
1.50x0.50m

1.05
2.15

1.60 J3

1.60 .40x.25 A

1.40
COZINHA .80x.40
+ 0.25 QUARTO 2
W.C.
.80x.80 + 0.25 + 0.30
3.90
B B
2.45

.50x.35
2.30 P2

2.15
.90
B B
.90

20.00
P1

7.70
P1 3.55

2.50
QUARTO 1
SALA ESTAR / JANTAR + 0.30
+ 0.30

A
J1
+0.20

5.15
TERRAÇO
4.80

+ 0.25
1.25

P1
3.00
.30

3.55
J1 Portão de Correr: 2.80 x 1.80m
.15

2.00
PLANTA BAIXA A +0.15
CALÇADA
ESC. 1/75
Planta de Locação e Coberta
ESC. 1/100
CORTE AA

1.50 A
PROJEÇÃO DO BEIRAL

J1

2.50
3.50

J3

.40x.25
.80x.40
W.C. QUARTO 2
+ 0.25 + 0.30
A
B

P2

P1
B
3.55
20.00
2.50

QUARTO 1
+ 0.30
Desenho Arquitetônico

J1

A TERRAÇO
+ 0.25
.30

3.55
.15

de Correr: 2.80 x 1.80m


A
Desenho Arquitetônico
CORTE BB A
PROJEÇÃO DO BEIRAL
3.90
J2 J1

A. SERVIÇO 2.50
.40x.30 P1 + 0.20

3.50
1.50x0.50m

1.05
2.15

1.60 J3

1.60 .40x.25

1.40
COZINHA .80x.40
+ 0.25 QUARTO 2
W.C.
.80x.80 + 0.25 + 0.30
B B
2.45

10.00
1.50 7.00 1.50

7.15
A

3.90

2.15
B B
Desenho Arquitetônico

CORTE – Representação de paredes

Nos cortes, as paredes podem aparecer seccionadas ou em vista. No


caso de paredes seccionadas, a representação é semelhante ao desenho em
planta baixa. Existindo paredes em vista (que não são cortadas pelo plano de
corte) a representação é similar aos pisos em planta.

PAREDE CONVENCIONAL PAREDE TOTALMENTE PAREDE PARCIALMENTE


EM VISTA IMPERMEABILIZADA - REVESTIDA (VISTA) IMPERMEABILIZADA – REVESTIDA (VISTA)
Desenho Arquitetônico

EQUIPAMENTOS DE CONSTRUÇÃO
Os equipamentos de construção podem aparecer em corte ou em vista
na representação dos cortes verticais. Tanto numa situação como em outra, basta
representá-los com suas linhas básicas, que identificam o aparelho ou
equipamento. Abaixo, algumas representações:

Vista Superior
Vista Lateral Vista de Frente
Desenho Arquitetônico

ABERTURAS

PORTA VISTA JANELA VISTA PORTA CORTADA JANELA CORTADA


Desenho Arquitetônico

Etapas para a confecção dos cortes:


1. Desenhar a linha do terreno;
2. Marcar a cota do piso e traçar;
3. Desenhar as paredes externas e marcar as alturas;
4. Desenhar a laje o forro quando houver;
6.Desenhar as paredes internas cortadas pelo plano;
7. Marcar a portas e janelas cortadas pelo plano de corte;
8. Desenhar os elementos não cortados (janelas e portas);
9. Colocar as linhas de cota e cotar;
10. Repassar os traços em todo desenho, os finos, médios e, por último, os grossos.

Rep. Beiral Outra Rep. Beiral


Desenho Arquitetônico

COTAS EM CORTES – Atenção:


São representadas exclusivamente as cotas verticais, de todos os elementos de interesse em
projeto, e principalmente:
ATENÇÃO!
1. pés direitos (altura do piso ao forro/teto);
Para as regras de cotagem, utilizam-se
2. cotas de peitoris e janelas;
os mesmos princípios utilizados para
3. cotas de portas e portões;
cotas em planta baixa:
4. cotas das lajes e vigas existentes;
- As cotas devem ser preferencialmente
5. alturas de patamares de escadas e pisos intermediários;
externas;
6. altura de platibandas;
- As linhas de cota no mesmo
7. altura de cumeeiras;
alinhamento devem ser completas;
8. altura de reservatórios (posição e dimensões);
150

150

150

150
10

10

10
10

10
30

30
55
70

25

475
60
265

267
280

250

210
210

152
+0,50 +0,48
+0,35
WC
VARANDA
00

45

45
35

35
Desenho Arquitetônico

TELHADOS

• Telhados são construções destinadas a proteger os edifícios da ação das


intempéries. Compõem-se da cobertura, da estrutura e dos condutores
de águas pluviais.

• TIPOS DE SUPERFÍCIE
• Superfícies curvas

Cúpulas

Abóbodas
Desenho Arquitetônico

TELHADOS

• TIPOS DE SUPERFÍCIE
• Superfícies curvas
Cascas

• Superfícies planas

• Lajes
Planas Inclinadas

• Telhados

Telha Cerâmica Alumínio


Desenho Arquitetônico

COBERTURA
• Compreende a vista superior da construção.
1200

VISTA SUPERIOR
PRINCIPAL

1065
1065
350 330 330 200
350 50 280 280 50 200

50

2500
TELHA TELHA
CERÂMICA CERÂMICA
i=30% i=30%

985
885
50
450
450
A. P.

rede pública
escoamento pluvial

meio fio
Desenho Arquitetônico

• COBERTURAS
Desenho Arquitetônico

• ESTRUTURA
• São peças destinadas a transferir os esforços da cobertura às vigas, lajes, pilares
e ou paredes.

1 - Ripas: pequenas peças de madeira, apoiadas sobre o caibro para sustentação das telhas.
2 - Caibros: Peça de madeira que sustenta as ripas. Nos telhados, o caibro se assenta nas cumeeiras, nas terças e nos frechais.
3 - Cumeeira: Terça da parte mais alta do telhado. Grande viga de madeira, que une os vértices da tesoura e onde se apoiam os
caibros do madeiramento da cobertura. Também chamada de "espigão horizontal".
4 - Terça: viga de madeira apoiada sobre as pernas da tesouras ou sobre paredes, para sustentação dos caibros, paralela à
cumeeira e ao frechal.
5 - Frechal: terça da parte inferior do telhado, sendo assentada sobre o topo da parede, servindo de apoio à tesoura.
6 - Tesoura: viga em treliça plana vertical, formada de barras dispostas de madeira a compor uma rede de triângulos, tornando o
sistema estrutural indeslocável.
7 - Perna: Cada uma das vigas inclinadas que compõe a tesoura.
8 - Linha: Viga horizontal (tensor) que, na tesoura, está sujeita aos esforços de tração.
9 - Pendural ou montante: Viga vertical no centro da tesoura, que vai da cumeeira à linha da tesoura.
10 - Mão francesa, escora ou diagonal: São peças de ligação entre a linha e a perna, encontram-se, em posição oblíqua ao
plano da linha. Geralmente trabalham à compressão.
11 - Estribo: São ferragens que garantem a união entre as peças das tesouras. Podem trabalhar à tração ou cisalhamento.
Desenho Arquitetônico

• TIPOS DE COBERTURAS
Desenho Arquitetônico

FORMAS DE COBERTURAS
Águas: As coberturas são constituídas por uma ou mais superfícies que podem ser
planas, curvas ou mistas, entretanto as planas são as mais utilizadas.
Essas superfícies (planos) são denominados “água”, e conforme o seu número,
temos o telhado de uma água os de duas, de três, de quatro, etc.
Desenho Arquitetônico

FORMAS DE COBERTURAS
Desenho Arquitetônico

TELHADO

Perspectiva

Planta
Desenho Arquitetônico

BEIRAIS
São parte da cobertura que avançam além dos
alinhamentos das paredes externas. Protege as
paredes contra as águas da chuva. Geralmente
tem largura em torno de 60cm à 1.00m.

Platibandas
São a continuação das paredes
externas, com o objetivo de esconder
as coberturas.
Desenho Arquitetônico

Inclinação de Telhados
• Toda cobertura deve ter uma inclinação.
• Ao se projetar um telhado devemos consultar ao fabricante as especificações de
seu produto, tais como as inclinações máximas e mínimas.
• Chama-se inclinação da cobertura o ângulo formado pelos planos das coberturas
com o horizonte.
• Ele é geralmente uniforme em todo o telhado, podendo entretanto ser diverso,
caso a planta for de forma irregular.
• Se a inclinação for uniforme, ela pode ser definida pela relação entre a altura e a
largura da cobertura.

h
i
h=ixB
100
B
Desenho Arquitetônico

Inclinação
Desenho Arquitetônico
10.00

Inclinação 1.50 7.00 1.50

• Inclinação de 20%.

7.15
• Cumeeira no meio do vão = 4,10m.
A
• Calcular a altura do telhado?
• Desenhar! 3.90

2.15
B B

h=ixB

20.00
7.70
100

A
+0.20
5.15

Portão de Correr: 2.80 x 1.80m

2.00
+0.15
CALÇADA

Planta de Locação e Coberta


ESC. 1/100
Desenho Arquitetônico

FACHADA / ELEVAÇÃO:

A quantidade de elevações externas


necessárias são variáveis, ficando sua
determinação a critério do projetista,
normalmente dependendo de critérios tais
como:

1. Sofisticação dos acabamentos externos;


2. Número de frentes do lote;
3. Posição da porta principal de acesso;
4. Irregularidade das paredes externas;

Para a aprovação de um projeto na Prefeitura municipal,


exige-se no mínimo uma representação de elevação,
normalmente a frontal.
Desenho Arquitetônico

FACHADA / ELEVAÇÃO:
Nomenclaturas
Existe mais de uma maneira aceita de
se nomear as elevações, mas uma
vez adota uma delas, deve‐se usá‐la
para todas as representações.

• Pelo nome da vista: frontal,


posterior, lateral direita, lateral
esquerda;
• Pela orientação geográfica: norte,
leste, sudeste (mais indicada);
• Pelo nome da rua: para
construções de esquina;
• Pela importância: principal,
secundária (apenas para duas
fachadas);
• Letras e números.
Desenho Arquitetônico
MONTAGEM DA FACHADA

ELEVAÇÃO FRONTAL
SEM ESCALA
Desenho Arquitetônico
MONTAGEM DA FACHADA

ELEVAÇÃO LATERAL
SEM ESCALA
Desenho Arquitetônico

Visualizando uma Fachada

• Imaginando uma planta


baixa de uma residência
unifamiliar.
Desenho Arquitetônico

Localização do Corte na Planta Baixa

CORTE AA
Desenho Arquitetônico

Localização do
Corte na Planta Baixa

CORTE BB
Desenho Arquitetônico
Montagem das Fachadas
4
1
1 5

3 3
4
2
2

2 4
3
Desenho Arquitetônico
Montagem das Fachadas

4
1
2 2 3
3 4

1 3
2
Desenho Arquitetônico
Montagem das Fachadas

1 4
2 4 1 2 3
3

1
5

4
Desenho Arquitetônico
Montagem das Fachadas

2 3 4
1
1 2 3

5
EXERCÍCIO
Etapas para a confecção das fachadas:
1. Executar as fachadas: frontal e lateral direita do exercício;
2. Utilizar as mesmas escalas dos cortes;
3. Marcar a cota do piso e traçar;
4. Desenhar as paredes e marcar as alturas conforme já determinadas nos cortes;
5. Marcar a portas e janelas visualizadas pela vista;
6. Desenhar demais elementos e acabamentos, caso necessário (revestimentos,
vegetação, textos explicativos, etc.);
7. Repassar os traços em todo desenho, os finos, médios e, por último, os grossos.